UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - CCBS CURSO DE FISIOTERAPIA RAPHAEL DO NASCIMENTO PEREIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - CCBS CURSO DE FISIOTERAPIA RAPHAEL DO NASCIMENTO PEREIRA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - CCBS CURSO DE FISIOTERAPIA RAPHAEL DO NASCIMENTO PEREIRA ANÁLISE COMPARATIVA DA PRESSÃO ARTERIAL, FREQUÊNCIA CARDÍACA E DUPLO-PRODUTO EM HOMENS DE 20 A 30 ANOS SUBMETIDOS A EXERCÍCIO AERÓBIO versus ANAERÓBIO RESISTIDO Belém - PA 2008

2 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - CCBS CURSO DE FISIOTERAPIA RAPHAEL DO NASCIMENTO PEREIRA ANÁLISE COMPARATIVA DA PRESSÃO ARTERIAL, FREQUÊNCIA CARDÍACA E DUPLO-PRODUTO EM HOMENS DE 20 A 30 ANOS SUBMETIDOS A EXERCÍCIO AERÓBIO versus ANAERÓBIO RESISTIDO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade da Amazônia para a obtenção do grau de Fisioterapeuta. Orientador: Prof o Ms. Walther Augusto de Carvalho. Belém - PA 2008

3 Raphael do Nascimento Pereira Análise Comparativa da Pressão Arterial, Freqüência Cardíaca e Duplo- Produto em Homens Sedentários de 20 a 30 Anos Submetidos a Exercício Aeróbio versus Anaeróbio Resistido. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Fisioterapia do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade da Amazônia como requisito para obtenção do título de Fisioterapeuta. Banca Examinadora Prof. Prof. Apresentado em: / / Conceito: Belém Pa 2008

4 DEDICATÓRIA Aos meus pais, Ronaldo e Aldenora e a minha amada Roberta.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus que me deu o dom da vida e a oportunidade de passar por mais esta etapa dela. Aos meus pais Ronaldo e Aldenora Pereira, os quais nunca me deixaram faltar amor, caráter, amizade e respeito, além de sempre fazerem o possível e até o impossível para me ajudarem a alcançar os meus sonhos e meus objetivos, sempre com suas experiências que rendiam bons conselhos, com suas mãos afáveis que sempre estavam prontas para me ajudar ou se necessário, com apenas um ombro amigo sempre preparado para escutar minhas angústias. Agradeço também aos meus irmãos Ronaldo (Roni) e Raphaela que também sempre que precisei nunca deixaram de me estender a mão e sempre estiveram preparados para me ajudar. Tenho muito a agradecer também a uma pessoa sem a qual não seria nada do que sou hoje em dia e que foi de importância crucial para o êxito desta pesquisa. Esta pessoa, a qual eu tenho que acordar todos os dias e às vezes até aturar a sua rabugice matinal, é a mesma que me alegra todos os dias, me dá força quando preciso, me apóia nas minhas decisões e inclusive me ajuda a coletar dados da minha pesquisa quando necessário, que me dá muito amor, carinho, compreensão e, acima de tudo, amizade. Esta pessoa se chama Roberta Folha, e é a mulher que eu amo e tenho certeza que ainda viveremos muitas alegrias e vitórias juntos. Tenho muito a agradecer também ao professor Walther Augusto de Carvalho, que me orientou nesta pesquisa e passou algumas noites mal dormidas para podermos concretizar este sonho em realidade e que não poupou esforços para que esta pesquisa culminasse em um grande feito. Agradeço ao professor Márcio Basyches, o qual mesmo cheio de tarefas a cumprir sempre arranjava uma horinha que fosse do seu tempo para me ajudar na elaboração desta pesquisa e que também gentilmente abriu as portas da sua academia e até cedeu equipamentos para podermos coletar os dados de maneira satisfatória. Ao professor Mauro Fonteles, o qual sempre esteve disponível para as orientações no que diz respeito a parte estatística da pesquisa e da compreensão dos resultados. As professoras Carla Serrão e Valéria Normando, as quais nunca me negaram ajuda e sempre me apoiaram no que precisei sempre relevando as minhas ausências nas suas aulas quando foi necessário. A todos os funcionários da academia Cardiovita Fintness, os quais sempre me ajudaram no que precisei e nunca me negaram apoio quando foi necessário.

6 Aos meus amigos e familiares que não citei os nomes, mas que sempre acreditaram em mim e no meu potencial de superar mais esta etapa da minha vida. A todos os funcionários e professores da UNAMA que quase sempre me apoiaram no que precisei. Aos amigos do movimento estudantil, Centro Acadêmico e Diretório Central dos Estudantes. E por fim, a todos os amigos que fiz nesta fase da minha vida, os quais guardarei para sempre em um lugar muito especial do meu coração e sem estes nada disso seria possível. A todos os citados o meu mais profundo agradecimento e MUTIO OBRIGADO! Raphael Pereira

7 EPÍGRAFE Há homens que lutam um dia e são bons. Há outros que lutam um ano e são melhores. Há os que lutam muitos anos e são muito bons. Porém, há os que lutam toda a vida. Esses são os imprescindíveis. Bertolt Brecht.

8 RESUMO Desde o início da década de 1990 estudos mostram a tendência da população das grandes cidades a adotarem hábitos de vida pouco saudáveis. Dentre estes o sedentarismo parece ser o principal fator de risco para aparecimento de doenças crônico degenerativas, tais como a hipertensão arterial e a aterosclerose. Deste modo, a prática de atividade física é a principal alternativa para se evitar e tratar estas doenças. Para planejar um programa de tratamento ou de treinamento mais adequados é necessária uma avaliação criteriosa das principais variáveis cardiovasculares. As principais variáveis cardiovasculares são a freqüência cardíaca (FC), a pressão arterial sistólica, a diastólica e a média (PAS, PAD e PAM respectivamente) e o duplo produto cardíaco (DP). Este último representa o principal método não invasivo de avaliação do trabalho do miocárdio. Portanto, neste trabalho avaliamos as variáveis citadas em dois tipos de atividades físicas (aeróbia versus anaeróbia resistida) em homens com a faixa etária entre 20 e 30 anos de idade e sedentários. Nossos resultados mostram uma elevação de todas as variáveis nos dois tipos de atividade física, porém o exercício aeróbio apresentou uma maior variação, com exceção da PAD. Portanto, concluímos que a atividade aeróbia requer maior dispêndio de energia e consumo de oxigênio da musculatura cardíaca quando comparada ao exercício anaeróbio resistido. Palavras Chaves: Duplo produto, pressão arterial, atividade física, freqüência cardíaca.

9 ABSTRACT Since the beginning of 1990's studies shows the tendency of the population of the great cities adopt it life habits a little healthy. Among these the sedentary seems to be the main risk factor for chronic degenerative diseases, such as the arterial hypertension and the atherosclerosis. So, the practice of physical activity is the main alternative to avoid and to treat these diseases. To plan a treatment program or of more appropriate training it is necessary a discerning evaluation of the main cardiovascular variables. The main cardiovascular variables are the cardiac rate (CR), the systolic blood pressure, the diastolic and the average (SBP, DBP and ABP respectively) and the doubled-product (DP). This last one represents the main method no invasive of evaluation of the work of the miocardic cells. Therefore, this work intended to evaluate the variables mentioned in two types of physical activities (aerobic versus resisted anaerobic) in men within the between 20 and 30 years of age and sedentary. Our results show an elevation of all the variables in the two types of physical activity, however the aerobic exercise presented a larger variation, except for to ADP. Therefore, we concluded that the aerobic activity requests larger expenditure of energy and consumption of oxygen of the heart musculature when compared to the resisted anaerobic exercise. Key words: Doubled-product, blood pressure, physical activity, heart frequency.

10 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1: PAS, PAD E PAM EM TESTE AERÓBIO GRÁFICO 2: FC EM TESTE AERÓBIO GRÁFICO 3: DP EM TESTE AERÓBIO GRÁFICO 4: FC E DP EM TESTE AERÓBIO GRÁFICO 5: PAS EM TESTE ANAERÓBIO RESISTIDO GRÁFICO 6: PAD EM TESTE ANAERÓBIO RESISTIDO GRÁFICO 7: PAM EM TESTE ANAERÓBIO RESISTIDO GRÁFICO 8: FC EM TESTE ANAERÓBIO RESISTIDO GRÁFICO 9: DP EM TESTE ANAERÓBIO RESISTIDO GRÁFICO 10: FC E DP EM TESTE ANAERÓBIO RESISTIDO

11 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1: OS BARORRECEPTORES

12 LISTA DE TABELAS TABELA 1: VALORES MÉDIOS DA PAS, PAD, PAM, FC E DP NO REPOUSO E EM CADA ESTÁGIO DE EXERCÍCIO AERÓBIO TABELA 2: VALORES MÉDIOS DA PAS, PAD, PAM, FC E DP NAS FASES DE RECUPERAÇÃO DO EXERCÍCIO AERÓBIO TABELA 3: VALORES MÉDIOS DA PAS, PAD, PAM, FC E DP NO REPOUSO E EM CADA SÉRIE DE EXERCÍCIO ANAERÓBIO RESISTIDO... 39

13 LISTA DE SIGLAS PA Pressão Arterial PAS Pressão Arterial Sistólica PAD Pressão Arterial Diastólica PAM Pressão Arterial Média FC Freqüência Cardíaca DP Duplo-Produto Kp Kilo Pound bpm Batimentos por Minuto mmhg Milímetros de Mercúrio Km/h Kilometros por Hora Kg Kilogramas AV Átrio-Ventricular MVO2 Consumo de Oxigênio pelo Miocárdio ATP Adenosina Tri-fosato CEP Comitê de Ética em Pesquisas TCLE Termo de Consentimento Livre e Esclarecido

14 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Objetivo geral Objetivo Específico TEMA DO ESTUDO PROBLEMÁTICA HIPÓTESES REFERENCIAL TEÓRICO Pressão Arterial (PA) Freqüência cardíaca (FC) Duplo-Produto (DP) Exercício Aeróbio Exercício Anaeróbio Resistido METODOLOGIA RESULTADOS DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 49

15 14 1. INTRODUÇÃO Em estudos feitos em grandes capitais do Brasil constatou-se que o sedentarismo é o fator de risco com maior prevalência sobre os fatores de risco cardiovascular, seguido pelo tabagismo, hipertensão arterial, obesidade e alcoolismo (NEGRÃO & BARRETTO, 2006). A tendência de mortalidade cardiovascular é, atualmente, declinante nas regiões brasileiras mais desenvolvidas e ascendentes nas regiões menos desenvolvidas, semelhante a achados entre os países do oeste e do leste europeu (NEGRÃO & BARRETTO, 2006). Nas regiões em desenvolvimento, à medida que suas economias se industrializam, as doenças crônico-degenerativas como a diabetes mellitus, hipertensão arterial e aterosclerose tornam-se mais evidentes, decorrente do estilo de vida adotado nestes locais, que tem como padrão a ingestão de alimentos salgados (fast-food), tabagismo e inatividade física (sedentarismo) (NEGRÃO & BARRETTO, 2006). A prática regular de atividade física ou mesmo um estilo de vida mais ativo, tem sido um meio de proteção contra a ocorrência de doenças cardiovasculares. Evidências nesse sentido surgiram a partir da década de 1950, sendo definitivamente comprovadas na década de 1990 (NEGRÃO & BARRETTO, 2006). A III Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia nos diz que o combate ao sedentarismo deve contemplar programas individuais ou coletivos de incentivo a atividade física no cotidiano das pessoas, como caminhar até o trabalho, subir ou descer escadas ao invés de pegar um elevador, utilizar bicicleta ao invés de carros automotivos, saltar das conduções dois pontos antes de casa e fazer trabalhos manuais tais como jardinagem, pintura, consertos, etc. São recomendadas pela mesma diretriz, sessões regulares de exercício físico de no mínimo 40 minutos com a freqüência de 5 a 6 vezes por semana. Ainda afirma que a prescrição de exercícios mais vigorosos, como natação, ginástica aeróbica ou práticas de esportes em geral, assim como treinamentos em academias de ginástica, devem ter sempre uma avaliação profissional prévia, seguida de um teste ergométrico. Exercícios, mesmo que em graus moderados, têm efeito protetor contra a doença arterial coronariana e sobre todas as causas de mortalidade e uma série de outros benefícios: elevação

16 15 do HDL-colesterol, redução de cifras na hipertensão arterial sistêmica e auxílio na baixa do peso corporal (GUS et al, 2002). O exercício físico pode ser classificado quanto à mecânica muscular em dinâmico e estático. Exercícios dinâmicos envolvem contrações musculares repetidas contra baixa resistência e são bem representados por atividades rítmicas, como caminhar, correr, pedalar e nadar. Por outro lado, exercícios estáticos envolvem contrações musculares com poucas repetições contra resistência elevada. Atividades de força, como levantamento de peso, exemplificam as atividades estáticas. Na prática, a maioria das formas de exercício inclui componentes estáticos e dinâmicos, habitualmente havendo predomínio de um sobre o outro (III Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2004). Ainda de acordo com a III Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia exercícios predominantemente aeróbios envolvem atividades de baixa intensidade e longa duração, enquanto exercícios predominantemente anaeróbios envolvem atividades de alta intensidade e curta duração. Em exercícios aeróbios dinâmicos, observa-se aumento da freqüência cardíaca (FC), do volume sistólico e do débito cardíaco. Além disso, a produção de metabólitos musculares promove vasodilatação na musculatura ativa, gerando redução da resistência vascular periférica. Dessa forma, durante os exercícios dinâmicos observa-se aumento da pressão arterial sistólica (PAS) e manutenção ou redução da diastólica (PAD) (BRUM, P.C. et al, 2004). Como conseqüência destas alterações, observa-se também, o aumento do Duplo Produto cardíaco (DP), que segundo Polito & Farinatti (2003), é o melhor método não invasivo para se avaliar o trabalho do miocárdio, durante o repouso ou esforços físicos contínuos de natureza aeróbia, pois apresenta uma forte correlação com o consumo de oxigênio pelo miocárdio. De acordo com McArdle (2003) os valores típicos para o DP cardíaco variam de em repouso (FC = 50 bpm; PAS = 120 mmhg) a durante exercício intenso (FC = 200 bpm; PAS = 200 mmhg). Em exercícios resistidos ou exercícios de musculação (exercícios localizados contra resistência), quando executados em alta intensidades, apesar de serem feitos de forma dinâmica, apresentam componente isométrico bastante elevado, fazendo com que a resposta cardiovascular durante sua execução assemelhe-se aquela observada com exercícios estáticos,

17 16 ou seja, aumento da freqüência cardíaca e, principalmente, aumento exacerbado da pressão arterial, que se amplia à medida que o exercício vai sendo repetido (BRUM, P.C. et al, 2004), com isso, uma elevação do DP. No entanto, alguns estudos mostram que os valores do duplo-produto dos exercícios com pesos costumam ser menores do que os observados em atividades aeróbias de intensidade moderada (POLITO & FARINATTI, 2003). Logo, Miranda et al (2006), afirmam que diante do aumento do numero de indivíduos de idades, sexo e estado de saúde variados, novas variáveis de segurança devem ser exploradas no sentido de atenuar os possíveis riscos na prática dos exercícios. Sendo assim, a avaliação médica, com ênfase nos aspectos cardiovasculares, e a avaliação física desses indivíduos passaram a ter grande importância, não apenas em relação à prevenção de eventos relacionados aos exercícios, como na prescrição adequada dos mesmos (DAHER et al, 2005).

18 17 2. JUSTIFICATIVA As doenças cardiovasculares são hoje um grave problema de saúde pública. Elas representam a primeira causa de morte no País, segundo o Ministério da Saúde. Com base neste dado e na necessidade da população em praticar exercícios físicos para prevenção ou como forma de tratamento para cardiopatias, faz-se necessária uma avaliação criteriosa e um protocolo de treinamento adequado para tais indivíduos. Logo o estudo proposto irá avaliar a eficácia de dois tipos de exercícios, para que enfim possa se verificar qual dos dois seria o mais indicado aos indivíduos que procurem este tipo de tratamento.

19 18 3. OBJETIVOS Objetivo geral Avaliar comparativamente as respostas imediatas da pressão arterial, freqüência cardíaca e duplo produto cardíaco, durante o exercício aeróbio versus exercício anaeróbio resistido. Objetivo Específico Observar se há diferença nas variáveis de acordo com o tipo de exercício realizado.

20 19 4. TEMA DO ESTUDO Avaliação da aptidão física.

21 20 5. PROBLEMÁTICA Qual dos dois tipos de exercício (aeróbio ou anaeróbio resistido) traz menos alterações cardíacas de forma imediata, requisitando menor trabalho do miocárdio?

22 21 6. HIPÓTESES H 0 : Não há diferença entre o exercício aeróbio e anaeróbio, quanto às alterações cardiovasculares agudas subseqüentes. H 1 : Há diferença entre o exercício aeróbio e anaeróbio, quanto às alterações cardiovasculares agudas subseqüentes. H 1 : O exercício aeróbio impõe maiores alterações cardiovasculares agudas. H 1 : O exercício anaeróbio impõe maiores alterações cardiovasculares agudas.

23 22 7. REFERENCIAL TEÓRICO Pressão Arterial (PA) A pressão arterial (PA) é definida pela força exercida pelo sangue na superfície da parede das artérias, sendo que esta pressão está intimamente ligada ao débito cardíaco e com a resistência periférica sistêmica. A PA é representada pela pressão arterial sistólica (PAS) e pela pressão arterial distólica (PAD). Sendo a PAS a pressão mais alta nas artérias, estando diretamente associada a sístole ventricular esquerda. Já a PAD representa a menor pressão nas artérias e está diretamente ligada ao estado fisiológico dos vasos arteriais (POLITO & FARINATTI, 2003). De acordo com Campagnole-Santos & Haibara (2001) a regulação da PA é uma das funções fisiológicas mais complexas do nosso organismo, dependendo de ações integradas dos sistemas cardiovascular, renal, nervoso e endócrino. Este controle é feito através de sistemas que podem ser de curto e/ou de longo prazo. O principal mecanismo para o controle da PA no curto prazo se faz através de reflexos originados nos barorreceptores arteriais aórtico e carotídeo - e receptores de estiramento da região cardiopulmonar (CAMPAGNOLE-SANTOS & HAIBARA, 2001). O reflexo barorreceptor é considerado um sistema de controle de alto ganho, que mantém a pressão arterial dentro dos limites considerados normais em períodos de segundos à minutos (CAMPAGNOLE-SANTOS & HAIBARA, 2001). Os mecanorreceptores localizados na parede do arco aórtico e da artéria carótida representam o principal sistema de detecção das alterações da PA. Estes receptores são sensíveis as alterações de pressão devido ao fato de possuem canais iônicos dependentes de estiramento. Sendo assim a pressão arterial elevada leva ao estiramento das membranas dos barorreceptores, o que resulta em aumento da taxa de disparo de potenciais de ação destes receptores, estimulando o centro de controle cardiovascular localizado na medular oblonga (Figura 1) (CAMPAGNOLE-SANTOS & HAIBARA, 2001; SILVERTHORN, 2003).

24 23 Figura 1: Desenho esquemático da organização estrutural do sistema de reflexo barorreceptor. Fonte: SILVERTHORN, O contrário acontece quando há um decréscimo da PA, quando os barorreceptores são inibidos pela redução do estiramento de suas membranas, levando a uma diminuição na taxa de disparo de potenciais de ação (SILVERTHORN, 2003). De acordo com Brum P. C. et al (2004) o comportamento pressórico durante exercícios dinâmicos tendem a uma elevação da pressão arterial sistólica (PAS) e a manutenção ou até redução da pressão arterial diastólica (PAD). Este comportamento é explicado pelo seguinte mecanismo. Em exercícios aeróbios dinâmicos as contrações musculares são seguidas de movimentação articular, que geram obstrução significativa do fluxo sanguíneo. Além disso, neste tipo de exercício observa-se o aumento da atividade nervosa simpática, que é desencadeada pela ativação do comando central (mecanorreceptores musculares e metaborreceptores musculares). Sendo assim, em resposta ao aumento da atividade simpática, observa-se a produção de metabolitos musculares, os quais geram uma vasodilatação da musculatura ativa, levando a uma redução da resistência muscular periférica. Desta forma observa-se um aumento da PAS devido a

25 24 necessidade de oxigênio e outros nutrientes para a musculatura ativa e, a manutenção ou redução da PAD pela diminuição da resistência vascular periférica (BRUM P. C. et al, 2004). Já em exercícios resistidos estáticos (anaeróbios) a pressão arterial pode atingir valores maiores do que nas atividades aeróbias, podendo chegar até a ordem de 480 x 350 mmhg em estudo com mensuração por métodos invasivos proposto por MacDougall e col em 1985, segundo Polito & Farinatti (2003). Brum P. C. et al (2004) afirmam que em exercícios contra-resistência anaeróbios, observamos uma elevação exacerbada da PAS e da PAD devido a redução do volume sistólico, acréscimo do debito cardíaco e elevação da resistência vascular periférica. Estes efeitos ocorrem devido a grande contração muscular provocada por este tipo de exercício. Isso promove a obstrução do fluxo sanguíneo muscular, fazendo com que os metabólitos produzidos durante a contração muscular se acumulem. Esse acúmulo de metabólitos ativa quimiorreceptores musculares que promovem um aumento expressivo da atividade nervosa simpática. Freqüência cardíaca (FC) A freqüência cardíaca (FC) é uma variável que tem o poder de alterar a quantidade de sangue bombeada pelo coração. Em adultos normais a FC de repouso média é de aproximadamente 70 batimentos por minuto (bpm), diminuindo em indivíduos treinados (atletas), os quais tem a sua FC de repouso em aproximadamente 50 a 60 bpm. Em crianças a FC é significativamente maior. Durante o sono a FC diminui aproximadamente por 10 a 20 bpm, contudo, durante uma excitação emocional ou atividade física ela pode aumentar para valores acima de 100 bpm (BERNE & LEVY, 1990). Durante a atividade física a quantidade de sangue bombeada pelo coração deve ser aumentada de acordo com a demanda de oxigênio da musculatura ativa. Sendo os seus valores típicos da FC em repouso em nível de 72 bpm em homens não treinados (sedentários), 75 bpm em mulheres destreinadas (sedentárias), 50 bpm em homens treinados e 55 bpm em mulheres treinadas. Durante a atividade física máxima a FC se estabelece no valor de 200 bpm para homens e mulheres destreinados e de 190 bpm em homens e mulheres treinados (POWERS & HOWLEY, 2000).

26 25 De acordo com Polito & Farinatti (2003), a freqüência cardíaca (FC) reflete a quantidade de trabalho que o coração deve realizar para satisfazer as demandas metabólicas em qualquer atividade. Durante o repouso a FC situa-se entre 60 a 80 batimentos por minuto (bpm), sendo que, em pessoas de meia idade, não condicionadas e sedentárias, esta pode exceder os 100 bpm. A contração do miocárdio não é oriunda do sistema nervoso, mas sim de células denominadas células auto-rítmicas, também conhecidas como células marcapasso por terem a função de controlar a FC (SILVERTHORN, 2003). O nó sinoatrial (nó SA) é o principal marcapasso cardíaco, gerando impulsos elétricos que se propagam através de outras células com auxílio dos discos intercalares. Uma via internodal conecta o nó SA ao nó atrioventricular (nó AV), um grupo de células auto-rítmicas situados próximo a base do átrio direito, que é a única via de acesso da condução do estimulo elétrico para os feixes de His (situados no septo interventricular), os quais conduzirão o estimulo até as fibras de Purkinje, as quais, transmitem o impulso muito rapidamente, com velocidades de até 4 m/s, de forma que as células do ápice do coração contraiam-se quase simultaneamente (SILVERTHORN, 2003). Segundo Berne & Levy (1990), o nó AS encontra-se geralmente sob a influência tônica das duas divisões do sistema nervoso autonômico, o sistema simpático que estimula o automatismo e o sistema parassimpático que o inibe. Guyton (1988) afirma que a estimulação que os nervos simpáticos exercem sobre o coração são o aumento de FC, aumento da força de contração cardíaca e aumento da velocidade de condução do impulso cardíaco pelo coração. Já os nervos parassimpáticos produzem efeitos opostos aos dos nervos simpáticos, estes efeitos são a diminuição da FC, diminuição da força de contração cardíaca e condução retardada dos impulsos pelo nó AV, o qual alonga o retardo entre as contrações atrial e ventricular. Polito & Farinatti (2003) afirmam que a FC aumenta de acordo com a necessidade de fornecimento de oxigênio para outras partes do corpo, principalmente aos músculos em atividades físicas. Alonso et al (1998) afirmam que o aumento da FC no inicio do exercício físico é vagodependente, ou seja, é oriundo da depressão das atividades parassimpáticas no coração. Já nas fases mais avançadas da atividade física, o aumento da FC é simpático-dependente, sendo oriunda de um aumento dos estímulos simpáticos no coração.

27 26 Este aumento da FC pode também ser explicado através da chamada lei do coração também conhecida como Lei de Frank-Starling. Segundo Silverthorn (2003); Guyton & Hall (2006), a lei de Frank Starling está relacionada à relação de comprimento e a tensão do miocárdio, onde, a força criada pelo miocárdio, ou seja, a cada sístole ventricular, é diretamente proporcional ao comprimento do sarcômero. Sendo assim, de acordo com estudos feitos pelo fisiologista alemão Otto Frank, os quais foram aprimorados posteriormente pelo fisiologista inglês Ernest Starling, o volume de ejeção (volume sistólico) do coração é proporcional a força da contração do miocárdio, ou seja, quanto mais sangue chegar ao coração, com mais força o músculo cardíaco se contrai devido ao estiramento dos sarcômeros, o que leva a uma elevação da tensão do miocárdio, levando a um aumento da forca de contratilidade miocárdica, que quando relacionada à FC, temos o débito cardíaco, que nada mais é do que a quantidade de sangue que é ejetado pelo coração em determinado intervalo de tempo (1 minuto). A pressão arterial média (PAM) é a média das pressões arteriais medidas a cada milissegundo durante certo intervalo de tempo e é determinada pelo equilíbrio entre o fluxo sangüíneo para dentro das artérias e o fluxo sangüíneo para fora das artérias (para os tecidos). Sendo assim, se há um maior fluxo de entrada nas artérias excedendo o fluxo de saída para os tecidos, temos então um acúmulo sangüíneo dentro das artérias, isso fará com que tenhamos uma elevação dos valores da PAM, sendo o contrário também verdadeiro, ou seja, se tivermos uma elevação excessiva do fluxo de saída, superando o fluxo de entrada, teremos uma diminuição dos valores da PAM. A PAM mantém-se, na maior parte do tempo, com os seus valores mais próximos dos valores da PAD, determinando cerca de 60% da PAM, contra apenas 40% pela PAS. A PAM pode ser determinada através da seguinte equação: PAM = PAD + 1/3 (PAS PAD) (SILVERTHORN, 2003; GUYTON & HALL, 2006). Duplo-Produto (DP) Segundo Polito & Farinatti (2003), o duplo-produto cardíaco é considerado o melhor método não invasivo para avaliação do trabalho do miocárdio, durante o repouso ou esforços físicos contínuos de natureza aeróbia, tendo em vista que esta variável apresenta uma forte correlação com o consumo de oxigênio do miocárdio (MVO 2 ). Esta associação decai em exercícios intermitentes (anaeróbios ou de resistência muscular localizada - musculação), mas ainda assim o

28 27 duplo-produto é considerado o melhor indicador de sobrecarga cardíaca em exercícios de força. Logo, trata-se de uma variável diretamente relacionada com a segurança da atividade física, dando base para a manipulação de sua intensidade. Sendo interessante utilizá-lo como parâmetro de segurança, ajudando a definir quais tipos de atividades poderiam estar associados a maiores riscos de intercorrências cardíacas. McArdle (2000) afirma que o duplo-produto cardíaco ou produto pressão-freqüência (mmhg.bmp) apresenta alta relação com a captação de oxigênio pelo miocárdio e com o fluxo sangüíneo coronariano, tendo seus valores normais de aproximadamente em repouso até ou mais dependendo da atividade física a qual o indivíduo é submetido. McArdle (2000) também afirma que a equação proposta para se obter o valor do DP é: DP = PAS x FC Onde: DP = Duplo-Produto. PAS = Pressão Arterial Sistólica. FC = Freqüência Cardíaca. De acordo com o mesmo autor, em exercícios físicos realizados com os membros superiores, tanto resistidos (musculação) quanto dinâmicos (endurance), as respostas do DP são superiores quando comparadas aos mesmos exercícios com os membros inferiores. Segundo Andrade (s/ data), o exercício físico faz com que o coração trabalhe mais e desafia a capacidade das artérias coronárias de liberar sangue suficiente para suprir a demanda de O 2 do miocárdio. Sendo assim, a FC e a PAS aumentam de acordo com a intensidade do exercício, de modo que aumente a demanda de O 2 ao miocárdio. Segundo Farinatti & Assis (2000) apud Andrade (s/ data), o DP tende a aumentar durante o exercício físico, porém, de acordo com Polito & Farinatti (2003) este aumento depende do tipo, da intensidade e duração do exercício físico realizado. Polito & farinatti (2003) também afirmam que em diversos estudos os valores do DP em exercícios resistidos tendem a ser menores do que em exercícios aeróbios de intensidade moderada, principalmente durante as fases mais intensas de cada um.

29 28 Fornitano & Godoy (2006) estudaram indivíduos com o teste ergométrico positivo e tentaram correlacionar o DP elevado destes indivíduos com a ausência de coronariopatia obstrutiva, concluindo que o DP elevado (DP > ) constituiu-se em uma variável importante para prever ausência de coronariopatia obstrutiva significante em indivíduos com o teste ergométrico positivo, descrevendo este como um método importante de avaliação clínica para uma tomada de decisão para o tratamento dos indivíduos. Exercício Aeróbio Powers & Howley (2000) definem que, a energia utilizada em exercícios prolongados é originária do metabolismo aeróbio. Geralmente podendo ser mantido um estado estável de captação de oxigênio durante o exercício submáximo de duração moderada. Logo, deve-se entender por exercícios do tipo aeróbios aqueles que pode ser mantidos por um período de tempo relativamente longo, por período de tempo igual ou superior a 10 minutos (FOSS & KETEYIAN, 2000). Exercício Anaeróbio Resistido A energia necessária para a realização de exercícios intensos e de curta duração, são oriundas das vias metabólicas anaeróbias (POWERS & HOWLEY, 2000). Sendo assim, quando falamos em exercícios anaeróbios, devemos entender que são exercícios nos quais o sistema metabólico para a geração de energia se da na ausência ou no déficit de oxigênio. Logo, o metabolismo anaeróbio, ou a geração anaeróbia de energia para o nosso organismo, refere-se à geração de energia (ressíntese de ATP) através de reações químicas que não exigem a presença do oxigênio que respiramos (FOSS & KETEYIAN, 2000). Os exercícios anaeróbios caracterizam-se por serem de curta duração e alta intensidade como eventos de velocidade tipo picos de 100, 200 e 400 metros e outros eventos nos quais o ritmo de trabalho só pode ser mantido por 2 a 3 minutos (FOSS & KETEYIAN, 2000). Dentro dos exercícios anaeróbios, encontram-se os exercícios resistidos (ER) ou exercícios contra-resistência. Este tipo de exercício caracteriza-se por serem exercícios de força,

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Eventos mecânicos do ciclo cardíaco

Eventos mecânicos do ciclo cardíaco O músculo cardíaco Introdução As variedades de músculos cardíacos O músculo cardíaco como um sincício O longo potencial de ação e o seu platô no músculo cardíaco Introdução O coração pode ser considerado

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias Fisiologia Geral Biofísica da Circulação: O ciclo cardíaco; Interconversão de energias nas artérias SISTEMA CARDIOVASCULAR Sistema de ductos fechados com uma bomba hidráulica: O coração. Artérias: vasos

Leia mais

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html 1. A contração das células musculares cardíacas é acionada por um potencial de ação elétrico Conforme o músculo

Leia mais

Anatomia do Coração. Anatomia do Coração

Anatomia do Coração. Anatomia do Coração Objetivos Descrever a estrutura do sistema circulatório. Descrever o ciclo cardíaco e o sistema de condução cardíaca. Citar os mecanismos de controle da atividade cardíaca. A FUNÇÃO DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Conceitos e funções do sistema circulatório Sistema Circulatório O

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Aula prática - ECG Aula prática Medida de PA Conceitos e funções do

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Preparo Físico Termo geral usado para descrever a habilidade para realizar trabalho físico. A execução de trabalho físico requer: - funcionamento cardiorrespiratório - força muscular

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema Circulatório

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema Circulatório ANATOMIA HUMANA II Sistema Circulatório Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Circulatório Conceito Função Divisão Sistemacardiovascular Sistemalinfático 1 CONCEITO O sistema cardiovascular é responsável

Leia mais

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória VO2 Máximo Depende do estado funcional do sistema respiratório, cardiovascular e dos músculos esquelé>cos É um indicador do estado de saúde: Baixos níveis de VO2

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Por Personal Trainer Rui Barros BENEFICIOS DO EXERCICIO FISICO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA: Os benefícios de um estilo de vida fisicamente

Leia mais

Bulhas e Sopros Cardíacos

Bulhas e Sopros Cardíacos O conceito de pressão máxima e pressão mínima Quando se registra uma pressão de 120 mmhg por 80 mmhg, indica-se que a pressão sistólica é de 120 mmhg e a pressão diastólica é de 80 mmhg, ou seja, que estas

Leia mais

Sistema cardiovascular

Sistema cardiovascular Roteiro: Sistema cardiovascular Organizacao do sistema circulatorio coracao, arterias, veias fluxo sanguineo: coracao, tecidos, pulmao, coracao Bomba cardiaca musculo cardiaco e contracao funcionamento

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular Helena Santa-Clara Conteúdos Adaptações agudas e crónicas ao exercício Frequência cardíaca Volume sistólico e fracção de ejecção Débito cardíaco Pressão

Leia mais

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5 CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Habilidade de realizar atividades físicas de caráter dinâmico que envolvam grande massa muscular com intensidade de moderada a alta por períodos prolongados (Fernandes Filho,

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

Prof. Me. Leandro Parussolo

Prof. Me. Leandro Parussolo HISTOFISIOLOGIA ANIMAL AULA - SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA CARDIOVASCULAR INTRODUÇÃO A função da circulação é realizada pelo sistema cardiovascular sistema vascular sanguíneo

Leia mais

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM FISIOLOGIA DO LACTATO LACTATO x EXERCÍCIO FÍSICO METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DO LACTATO FISIOLOGIA DO LACTATO Metabolismo anaeróbio lático; Formação do lactato; Acúmulo

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física Marcos Abibi Tavares da Cunha Petrous André Monteiro Cesário RESPOSTAS CARDIOVASCULARES

Leia mais

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Prof. Ricardo Freitas M.Sc. CREF 008822-G/MG. Formação Acadêmica Atuação Profissional Linha de Pesquisa E-mail: ricardo.dias@upe.pe.gov.br www.lifegroup.com.br

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE Hemodinâmica = princípios que governam o fluxo sanguíneo, no sistema cardiovascular. Fluxo, Pressão, resistência e capacitância*: do fluxo

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Ridailda de Oliveira Amaral * RESUMO A atividade física e o exercício foram reconhecidos formalmente como fatores que desempenham um papel essencial no aprimoramento da saúde e

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri Introdução ao Eletrocardiograma ACD: Damito Robson Xavier de Souza Enganoso é o

Leia mais

Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1

Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1 1 Atividades Recreativas Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1 Educador Físico, Pós graduação: Fisiologia do exercício(unifesp) MBA em Gestão e Estratégia Empresarial, Membro de 2 grupos

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Habilidades: Entender o sistema cardiovascular com a prática de atividades físicas. REVISÃO A Importância do sistema Muscular e a relação do mesmo com

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

A importância da Atividade Física

A importância da Atividade Física A importância da Atividade Física Introdução Mas o que é atividade física? De acordo com Marcello Montti, atividade física é definida como um conjunto de ações que um indivíduo ou grupo de pessoas pratica

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Programa de Condicionamento Cardiovascular

Programa de Condicionamento Cardiovascular Programa de Condicionamento Cardiovascular Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2010 Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Fta. Andrea Kaarina

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde Saúde e Desporto Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra Relação do Desporto com a Saúde Dum modo geral aceita-se que o desporto dá saúde Contudo, o desporto também comporta malefícios

Leia mais

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece?

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Não está exatamente claro como nosso corpo

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO Dr. José Maria Santarem* Exercícios físicos são parte integrante da prática e preparação esportiva, e podem ser utilizados em medicina com diversas finalidades.

Leia mais

ELETROCARDIOGRAMA AS BASES FISIOLÓGICAS DA ELETROCARDIOGRAFIA. Grupo de Fisiologia Geral da Fundação Universidade de Caxias do Sul

ELETROCARDIOGRAMA AS BASES FISIOLÓGICAS DA ELETROCARDIOGRAFIA. Grupo de Fisiologia Geral da Fundação Universidade de Caxias do Sul ELETROCARDIOGRAMA AS BASES FISIOLÓGICAS DA ELETROCARDIOGRAFIA Grupo de Fisiologia Geral da Fundação Universidade de Caxias do Sul Grupo de Fisiologia Geral da Universidade de Caxias do Sul AS BASES FISIOLÓGICAS

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício O exercício é uma atividade ativa, portanto, demanda muita energia. Durante o exercício, a demanda energética do muculo esquelético aumenta consumindo uma

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS *

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * Marcos Gueths * Daniela Pontes Flor ** RESUMO Desde que Cooper desenvolveu os fundamentos dos exercícios aeróbicos, os mesmos multiplicaram-se em

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza Prof. Ms.Sandro de Souza Existem 3 tipos de Tecido Muscular Liso Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas:

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA

2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA 26 2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA O coração normal (Figura 2), é um órgão predominantemente muscular que funciona como uma bomba de ejeção pulsante. A sua função é ejetar o sangue para o sistema

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica 106 EFEITOS CARDIORRESPIRATÓRIOS E HEMODINÂMICOS APÓS 12 MESES DE CONDICIONAMENTO FÍSICO EM UM GRUPO DE CARDIOPATAS. EFFECT CARDIO RESPIRATORY AND HEMODYNAMIC AFTER 12 MONTHS OF PHYSICAL CONDITIONING IN

Leia mais

Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) Padrão

Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) Padrão Av. Paulista, 9 cj 16 CEP 1311-91 - São Paulo - SP Tels: (11) 3141-11 Fax: 3141-37 Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) 1 - Dados do Exame Nº do Exame Data de Instalação:

Leia mais

1. Em relação à anatomia funcional e histologia cardíaca, todas as sentenças estão corretas, com exceção de:

1. Em relação à anatomia funcional e histologia cardíaca, todas as sentenças estão corretas, com exceção de: Grupo de Fisiologia Geral da Universidade de Caxias do Sul Exercícios: Fisiologia do Sistema Cardiovascular (parte I) 1. Em relação à anatomia funcional e histologia cardíaca, todas as sentenças estão

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

Orientações para montagem

Orientações para montagem Orientações para montagem das aulas de condicionamento CONCEITO CORAÇÃO RELAXAMENTO ESTRUTURA Finalidade do treinamento disponibilização de mais energia química aos músculos em velocidades maiores reposição

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Profª Msc. Clarissa Rios Simoni Graduada em Licenciatura Plena em Educação Física UFSC 2004 Especialista em Personal Trainer UFPR

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

Praticando vitalidade. Sedentarismo. corra desse vilão!

Praticando vitalidade. Sedentarismo. corra desse vilão! Praticando vitalidade Sedentarismo corra desse vilão! O que é sedentarismo? Sedentarismo é a diminuição de atividades ou exercícios físicos que uma pessoa pratica durante o dia. É sedentário aquele que

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEFMT01 ESTUDO DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA (FC), PRESSÃO ARTERIAL (PA) E DUPLO- PRODUTO (DP) EM EXERCÍCIOS DE CORRIDA E NATAÇÃO Alison Germano Rocha da Silva (1), Alexandre Sérgio Silva (3). Centro de Ciências

Leia mais

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES BAZAN, Christovam Tabox MONTEIRO, Maria Eduarda Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária De Garça - FAMED BISSOLI, Ednilse Galego Docente da Faculdade

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

ELETROCARDIOGRAMA. Profº Enf Eduwaldo Araújo Ferreira

ELETROCARDIOGRAMA. Profº Enf Eduwaldo Araújo Ferreira ELETROCARDIOGRAMA História do Eletrocardiograma A história do eletrocardiograma (ECG) remonta ao século XIX Acredita-se que o primeiro registro de de ECG tenha sido realizado em 1872, por Alexander Muirhead

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos ITS / CTA Escola Técnica Volume Simonsen I Capítulo I Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos 1 ITS / CTA Sumário SUMÁRIO Volume I Capítulo I Unidade I Capítulo I - Beneficios da Educação Física Capítulo

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício.

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. XX Congresso Português de Pneumologia Hermínia Brites Dias Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Avaliação funcional

Leia mais

Tecidos Nervoso e Muscular

Tecidos Nervoso e Muscular Material de apoio para Monitoria Questão 1 (Feio-Lemos, 2014) No esquema abaixo está representada a anatomia geral de um neurônio. Acerca da mesma, responda o que se pede. a b c d e f Meio intracelular

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

A Educação Física FONTES DE ENERGIA DO CORPO

A Educação Física FONTES DE ENERGIA DO CORPO A Educação Física A Educação Física não se restringe ás atividades práticas, como jogar, correr, saltar etc., mas envolve também o entender, o modificar e o adaptar-se para praticar as atividades físicas

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

ASPECTOS MORFOLÓGICOS

ASPECTOS MORFOLÓGICOS INTRODUÇÃO GERAL À FISIOLOGIA CARDÍACA CONCEITO O coração é um órgão único, muscular, localizado na região mediastínica, levemente deslocado à esquerda do plano mediano, que possui como principal função

Leia mais

Regulação do Débito Cardíaco, Fisiopatologia da Insuficiência Cardíaca e Eletrocardiograma

Regulação do Débito Cardíaco, Fisiopatologia da Insuficiência Cardíaca e Eletrocardiograma Regulação do Débito Cardíaco, Fisiopatologia da Insuficiência Cardíaca e Eletrocardiograma O débito cardíaco Introdução A influência do retorno venoso no débito cardíaco O papel dos barorreceptores Introdução

Leia mais

FREQUÊNCIA CARDÍACA E EXERCÍCIO FÍSICO

FREQUÊNCIA CARDÍACA E EXERCÍCIO FÍSICO FREQUÊNCIA CARDÍACA E EXERCÍCIO FÍSICO Durante um jogo de futebol, tanto os atletas quanto os amigos que se reúnem em um fim de semana, assim como os jogadores da seleção brasileira que este mês começa

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014 CAPACIDADE AERÓBICA pindiceconicidade.exe CAPACIDADE DO ORGANISMO EM SE ADAPTAR A ESFORÇOS FÍSICOS MODERADOS, ENVOLVENDO A PARTICIPAÇÃO DOS GRANDES GRUPOS MUSCULARES, POR PERÍODOS DE TEMPO RELATIVAMENTE

Leia mais

06/05/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

06/05/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Hipertensão Arterial - Exercício Hipertensão Arterial

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE UMA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA PROFISSÃO BOMBEIRO MILITAR

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE UMA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA PROFISSÃO BOMBEIRO MILITAR A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE UMA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA PROFISSÃO BOMBEIRO MILITAR Jacques Douglas ROMÃO 1 RESUMO Na profissão Bombeiro Militar, muitas das atividades profissionais realizadas no dia

Leia mais