Concurso de Residência Médica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Concurso de Residência Médica - 2012"

Transcrição

1 Concurso de Residência Médica Leia com atenção Esta prova tem duração de 4 horas e é constituída de 80 questões objetivas para as seguintes áreas: Cirurgia Geral Clínica Médica Obstetrícia e Ginecologia Pediatria Medicina Preventiva e Social Na folha de respostas dos testes, assinale apenas uma alternativa, usando lápis preto nº 2 e preenchendo com cuidado o alvéolo correspondente. Não rasure ou amasse a folha de respostas nem a utilize para qualquer outra finalidade. Será anulada a questão em que for assinalada mais de uma alternativa ou que estiver totalmente em branco. Utilize, para rascunhos, qualquer espaço disponível no caderno de questões. Após o término da prova, devolva ao fiscal de sala todo o material que você recebeu, devidamente identificado nos locais adequados. Não será permitido ao candidato retirar-se da sala antes de decorrida uma hora e meia do início das provas, salvo em caso de extrema necessidade. Mantenha sua cédula de identidade sobre a carteira. Atenda às determinações do fiscal de sala. BOA PROVA! Cirurgia Geral Clínica Médica Obstetrícia e Ginecologia Pediatria Medicina Preventiva e Social 1

2 Cirurgia Geral 1 A doença de Crohn (DC) e a Retocolite Ulcerativa (RCU) são as principais doenças inflamatórias intestinais. São causadas pela interação de fatores genéticos, microbiota intestinal e imunorregulação da mucosa. Em relação à abordagem cirúrgica eletiva em pacientes que sofrem de RCU, são indicações, EXCETO: a) atraso no crescimento em crianças. b) manifestações intestinais (pioderma gangrenoso). c) presença de displasia de alto grau. d) presença de adenocarcinoma no segmento colorretal. e) megacólon tóxico. 2 A doença hemorroidária baseada no plexo hemorroidário acometido pode ser classificada em interna, externa e mista. Quando os sintomas são decorrentes de dilatações vasculares localizadas acima da linha pectínea, no plexo hemorroidário superior, são denominadas de hemorróidas internas. Quando apresentam prolapso durante o esforço evacuatório, com ou sem sangramento, mas requerem redução manual, são classificadas como: a) hemorróidas de 1º grau. b) hemorróidas de 2º grau. c) hemorróidas de 3º grau. d) hemorróidas de 4º grau. e) hemorróidas mistas. 3 O câncer colorretal hereditário não polipoide (hereditary non-polypoid colorectal câncer HNPCC) é uma das síndromes mais comuns de predisposição ao câncer (10 a 12% dos pacientes com câncer colorretal são portadores da síndrome). Assinale a afirmativa INCORRETA. a) Acometendo exclusivamente o cólon e/ou reto, é chamada de síndrome de Lynch 1. b) Associada a neoplasia extracolônica, como estômago, intestino delgado, endométrio, pâncreas, via urinária (principalmente tumor de células transicionais da pelve renal e ureter) e biliar, é chamada de síndrome de Lynch 2. c) Os portadores da síndrome nascem com uma mutação germinativa em um dos alelos dos genes hmsh2, hmlh1, hpms1 e hpms2, gens responsáveis pelo reparo do DNA. d) A doença é esporádica e pode ter transmissão autossômica recessiva. Os indivíduos afetados apresentam maior risco de câncer, principalmente de cólon ascendente. e) Apesar da ausência de polipose, observam-se, em 20% dos indivíduos portadores da síndrome de Lynch, adenomas colônicos, de localização preferencial à direita. 2

3 4 Os tumores estromais do aparelho digestório (GIST) fazem parte de um grupo específico de tumores de origem não epitelial, que tem origem na camada muscular da parede do trato gastrointestinal. Dentre as alternativas abaixo, assinale a INCORRETA. a) A origem desses tumores indiferenciados pode estar na célula intersticial de Cajal, conhecida como o marca-passo intestinal do plexo mioentérico, responsável pela geração do estímulo nervoso que controla a motilidade intestinal. b) Quando localizado no estômago, o sítio de localização mais frequente é o terço médio, seguido do proximal, e menos frequente no distal. c) A ecoendoscopia ou ultrassonografia endoscópica permite determinar a camada de origem da lesão: lesões originárias na camada muscular da mucosa (plexo mioentérico) do órgão acometido são altamente sugestivas de tumor estromal. d) O diagnóstico definitivo do tumor estromal só pode ser definido por estudo histológico e imuno-histoquímico, por meio de biópsias das lesões ou do estudo das peças resultantes de ressecção cirúrgica. e) O CD117 ou c-kit é considerado o marcador mais importante para o estudo dos tumores estromais gastrointestinais. 5 Qual o melhor parâmetro para avaliação da eficiência da reposição volêmica em um grande queimado? a) Pressão venosa central (PVC). b) Frequência cardíaca. c) Débito urinário. d) Pressão arterial. e) Nível de consciência. 6 Assinale a alternativa INCORRETA. a) O diagnóstico de obstrução intestinal no recém-nascido geralmente é feito pela radiografia simples de abdome. b) A gastrosquise pode ser tratada conservadoramente, por não haver exposição das alças intestinais. c) O polidrâmnio materno é um dos sinais de suspeita de má formação do tubo digestivo do recém-nascido. d) O sinal da dupla bolha é característico de obstrução duodenal. e) Na doença de Hirschsprung, é uma das possíveis causas de obstrução intestinal no período neonatal. 3

4 7 Paciente do sexo feminino, 65 anos, com nódulo na tireoide identificado em exame físico, com 2,0 cm de diâmetro, endurecido, em lobo esquerdo. Realizada ultras-sonografia da glândula tireoide, caracterizando nódulo sólido de 2,0 cm em lobo esquerdo e nódulo de 1 cm no lobo direito, e com laudo final de "Bócio Multinodular". A melhor conduta seria: a) observação clínica. b) tratamento com tiroxina em doses supressivas. c) tomografia computadorizada para confirmar multinodularidade. d) exame citológico de material obtido por punção biópsia aspirativa por agulha fina. e) radioiodoterapia. 8 Homem de 40 anos com quadro agudo de dor súbita no epigástrio e irradiação para todo o abdome há seis horas, vômitos claros no início e parada da eliminação de gases. No exame físico, com contratura abdominal e com sinais de irritação peritoneal em todo o abdome. O exame complementar inicial a ser realizado será: a) RX de tórax e abdome. b) Hemograma completo. c) Urina. d) Ultrassonografia de abdome total. e) Tomografia computadorizada de abdome total. 9 Na pancreatite aguda, qual a melhor conduta, em relação à alimentação? a) Jejum por 72 horas. b) Dieta parenteral. c) Dieta por jejunostomia. d) Dieta por gastrostomia. e) Dieta enteral precoce. 10 Na cirurgia bariátrica tipo Fobi-Capella, vários mecanismos estão envolvidos na resolução do diabetes, EXCETO: a) restrição calórica. b) aumento da grelina. c) aumento de GLP1 (glucacon like peptídeo). d) melhora da sensibilidade à insulina. e) redução da gordura visceral. 4

5 11 Paciente de 70 anos, fumante, com queixas de pirose epigástrica intermitente há 10 anos; diabético e hipertenso. Endoscopia EED: lesão de 5 mm, irregular no esôfago distal com restante da mucosa esofágica normal, cárdia incontinente e sem hérnia hiatal; pangastrite leve e H. pylori negativo. Anátomo-patológico da lesão esofágica: carcinoma espinocelular superficial. Ecoendoscopia: lesão restrita à mucosa. Tomografia Computadorizada de Tórax e Abdome normal. Conduta: a) Esofagectomia subtotal trans-hiatal e esofagastroplastia. b) Esofagectomia distal com anastomose esofagogástrica. c) Radioterapia. d) Esofagectomia subtotal em três campos e esofagogastroplastia. e) Ablação endoscópica e confirmação anatomopatológica. 12 Paciente com 72 anos, internado na Unidade de Terapia Intensiva, em tratamento de broncopneumonia, sob ventilação mecânica. Há 30 minutos foi submetido à passagem de catéter venoso central em veia subclávia direita. Evoluindo com hipotensão, turgência jugular e com saturação de oxigênio de 70%. Qual será provavelmente a melhor conduta? a) Iniciar noradrenalina. b) Colher gasometria arterial para otimizar os parâmetros ventilatórios. c) Realizar imediatamente radiografia do tórax. d) Puncionar o hemitórax direito no segundo espaço intercostal. e) Trocar a cânula de intubação. 13 Mulher de 50 anos com dor epigástrica aguda e, depois, mantida na localização de hipocôndrio direito (HCD) e irradiação para região toracolombar D há dois dias; alguns episódios de vômitos biliosos; sem febre. Ao exame físico: bom estado geral; IMC-30; corada; anictérica; afebril; abdome levemente globoso por obesidade, defesa no HCD, DB negativo e sem visceromegalias. Ultrassonografia de abdome superior revelou: vesícula biliar com parede espessa e delaminada, e um cálculo de 1,5 cm fixo no infundíbulo; hepatocolédoco com 4 mm. Sem comorbidades. O local do atendimento é um hospital com boas condições de equipamentos e recursos humanos. A conduta mais adequada, nessas circunstâncias, seria: a) internação hospitalar para tratamento clínico com antibiótico, para esfriar o processo. b) tratamento domiciliar. c) indicação emergencial de colecistectomia por laparotomia. d) tratamento endoscópico. e) indicação de colecistectomia videolaparoscópica. 5

6 14 Homem de 50 anos com quadro de pirose retroesternal e regurgitação leve há 10 anos, com períodos de sintomatologia irregulares e uso intermitente de IBP. Há um ano houve agravamento do quadro clínico, com episódios de odinofagia e piora da pirose retroesternal. Na endoscopia EED de um mês, verificou-se: hérnia hiatal de 3 cm com erosões esparsas no terço distal do esôfago e Barrett de 2 cm; BEG, corado, IMC-25 e sem comorbidades. Conduta: a) Trocar o IBP. b) Aumentar a dose do IBP e acrescentar um eucinético (p. ex. domperidona). c) Esofagomanometria e phmetria de 24 horas. d) Ablação da mucosa de Barrett por método endoscópico. e) Cirurgia de Nissen videolaparoscópica. 15 Em qual dos tumores hepáticos abaixo relacionados, a conduta é cirúrgica? a) Hemangioma de 3 cm de diâmetro. b) Hiperplasia nodular focal de 4 cm. c) Adenoma hepático de 4 cm. d) Cisto hepático simples de 3 cm. e) Esteatose focal de 5 cm. 16 Dos tumores pancreáticos, qual o que apresenta menor potencial de malignização? a) Cistoadenoma seroso. b) Gastrinoma. c) Tumor neuroendocrino não funcionante. d) Cistoadenoma mucinoso. e) Tumor sólido pseudopapilar. 6

7 Clinica Médica 17 Uma paciente de 74 anos foi admitida no setor de urgência de um hospital com dores de forte intensidade em região de coluna lombar, após ter caído sentada, da própria altura. O RX da coluna vertebral mostra rarefação óssea e em região de lombar, L4-L5, apresenta achatamento dessas vértebras. Menopausada aos 38 anos de idade, possui um IMC < 18Kg/m². Nega outras doenças. Nesse caso, além da fratura em vértebras lombares, podemos afirmar que: a) a paciente tenha osteoartrose de coluna vertebral, e que tenha piorado as dores após a queda. b) fraturas de coluna vertebral são complicações frequentes em um paciente com osteoporose. c) a ausência de osteófitos e esclerose óssea descarta o diagnóstico de osteoporose. d) será necessário investigar lesões líticas de coluna vertebral, já que a paciente se apresenta com rarefação óssea ao RX de coluna vertebral. e) artrite reumatoide pode ser um diagnóstico secundário e agravante, neste caso. 18 Com relação à síndrome dispéptica do idoso, podemos afirmar: I - A gastropatia por AINE é muito frequente. II - A disfagia alta pode ser uma causa para dispepsia em pacientes idosos com doença de Alzheimer. III - A endoscopia alta é um exame de primeira linha na investigação da dispepsia em idosos. IV - Os idosos dispépticos devem ser tratados com inibidor de bomba de prótons, sendo desnecessário investigação específica nessa população. São CORRETAS apenas as afirmativas: a) I e II b) I e III c) II e III d) II e IV e) III e IV 19 Um paciente de 75 anos foi internado devido a um quadro de AVC isquêmico, apresentando afasia, hemiplegia à esquerda. Está apático e com a mobilidade muito limitada, no leito. Tem história de ser hipertenso sem tratamento e tabagista de longa data. Familiares negam que o paciente tenha outras comorbidades. Durante sua evolução na enfermaria, observou-se, após 48 horas de internação, a presença de uma úlcera de decúbito em região sacral, com necrose de tecido subcutâneo que se estende em direção à fáscia subjacente sem atravessá-la. Podemos afirmar que se trata de: 7

8 a) uma úlcera de decúbito estágio I. b) uma úlcera de decúbito estágio II. c) uma úlcera de decúbito estágio II A. d) uma úlcera de decúbito estágio III. e) uma úlcera de decúbito estágio IV. 20 Uma paciente de 78 anos foi internada devido a uma pneumonia comunitária de evolução há 5 dias. Apresentava taquidispnéica (FR de 26 inc/min), acianótica, desidratada++/4+, febril (TAX de 37,9ºC). Ausculta respiratória MV em base de HTE, com presença de EC, associado a do FTV e percussão submaciça, desse local. PA 100X60 mmhg FC 110 bpm. Não apresentava alterações nos demais aparelhos. É uma paciente tabagista de longa data. Após 72 horas de sua internação, evoluiu com quadro de Delirium, apresentando-se com períodos de muita agitação. Podemos afirmar, com relação ao Delirium, que: a) a idade e a desidratação foram os fatores predisponentes para evolução da doença. b) devido a agitação que a paciente apresentava deveria ter sido realizado uma sedação leve com benzodiazepínicos, para deixá-la mais confortável. c) a idade foi um fator causal para o desenvolvimento da doença. d) a pneumonia foi um fator causal, e a desidratação, um fator predisponente, que juntos agravaram o estado da paciente, e o uso de benzodiazepínico deveria ter sido utilizado apenas para agitação psicomotora muita intensa. e) a pneumonia e a desidratação foram os prováveis agentes causais do Delirium, e o uso de Haloperidol deveria ter sido utilizado apenas para agitação psicomotora muita intensa. 21 Sobre um paciente com Síndrome Demencial, podemos afirmar: I - A Doença de Alzheimer apresenta-se com perda da memória anterógrada insidiosa e perda do senso geográfico, podendo evoluir apraxia e agnosia. II - A demência vascular pode evoluir com alteração cognitiva em período curto de 3 meses, associada a alterações de humor e, muitas vezes, à história pregressa de AVC. III - Presença de manifestações extrapiramidais, alucinações e distúrbios do sono são manifestações clínicas tardias da Doença de Alzheimer. a) Somente a afirmativa I está correta. b) Somente as afirmativas II e III estão corretas. c) Somente a afirmativa II está correta. d) Somente as afirmativas I e II estão corretas. e) Somente as afirmativas I e III estão corretas. 8

9 22 Paciente do sexo masculino, 35 anos, atendido em consulta ambulatorial de rotina, assintomático, tabagista, apresenta-se com PA 153/93 mmhg (média de duas medidas) e IMC 28 Kg/m². Seu eletrocardiograma é normal. Segundo a V Diretriz Brasileira de Cardiologia, qual seu estágio atual da pressão arterial? Qual é a melhor abordagem inicial para o caso? a) Pressão arterial limítrofe e nenhuma orientação adicional. b) Hipertensão arterial estágio 1 e modificações no estilo de vida. c) Hipertensão arterial estágio 1 e modificações no estilo de vida acompanhado de tratamento medicamentoso anti-hipertensivo (monoterapia). d) Hipertensão arterial estágio 2 e modificações no estilo de vida. e) Hipertensão arterial estágio 2 e modificações no estilo de vida acompanhado de tratamento medicamentoso anti-hipertensivo (terapia combinada). 23 Em relação ao caso anterior (questão 22), os seguintes exames complementares são considerados na rotina de avaliação inicial dos pacientes hipertensos, EXCETO: a) MAPA. b) Urina tipo 1. c) Eletrocardiograma. d) Creatinina e potássio plasmático. e) Glicemia de jejum. 24 Paciente, 50 anos, hipertenso sob tratamento farmacológico, evolui com fibrilação atrial de alta resposta ventricular revertida quimicamente a ritmo sinusal, no pronto-atendimento. Seu eletrocardiograma, após cardioversão, revela sobrecarga ventricular esquerda e ritmo sinusal. Nesse caso, qual a droga mais indicada para a manutenção do ritmo sinusal? a) Digital. b) Digoxina. c) Amiodarona. d) Sotalol. e) Quinidina. 25 Indivíduo do sexo feminino, 50 anos, portadora de miocardiopatia dilatada idiopática familiar, em tratamento farmacológico otimizado com IECA (Captopril 150 mg/dia), Beta-bloqueador (Carvedilol 50 mg/dia), espironolatona 25 mg/dia e diurético de alça (160 mg/dia). Queixa-se de palpitações ocasionais. Seu eletrocardiograma revela aumento do intervalo QT, depressão do segmento ST e da onda T e onda U evidente. Qual distúrbio eletrolítico pode estar envolvido no caso? 9

10 a) Hipopotassemia. b) Hipocalcemia. c) Hipercalcemia. d) Hiponatremia. e) Hipomagnesemia. 26 O LDL colesterol pode ser mensurado pela fórmula de Friedewald ou diretamente no plasma. Em quais das situações clínicas abaixo a fórmula pode ser aplicada com boa precisão? a) Paciente portador de síndrome nefrótica. b) Paciente portador de hipertensão arterial. c) Paciente portador de hipertrigliceridemia (> 400 mg/dl). d) Paciente portador de hepatopatia colestática crônica. e) Paciente portador de diabetes tipo 2 com proteinúria > 3 g/24 h. 27 Paciente do sexo feminino, 50 anos, comparece ao consultório médico para avaliação de osteoporose. Sem queixas no momento. Menopausa desde os 39 anos, sem terapia de reposição hormonal. Nuligesta. Nega tabagismo e etilismo. Antecedentes pessoais: asma brônquica na infância, com uso de corticoide por longos períodos. Nega outras patologias. Antecedentes familiares: pai hipertenso, mãe dislipêmica e portadora de osteoporose. Ao exame físico: IMC:21kg/m 2, PA:120x80mmHg, FC:84bpm, tiroide normopalpável; demais, sem alterações. Assinale a alternativa INCORRETA. a) O exame que, no momento, pode ser solicitado para avaliar se essa paciente apresenta osteoporose é a densitometria óssea. b) O exame de densitometria óssea avalia a densidade mineral óssea. c) Se essa paciente apresentar osteoporose, o objetivo do tratamento será evitar fraturas. d) O diagnóstico de osteoporose por radiografia é tardio, quando já houve perda de 30 a 40% da massa óssea. e) O melhor exame a ser realizado no momento é a biópsia óssea. 28 Paciente do sexo masculino, 45 anos, branco, refere emagrecimento, poliúria, polifagia e polidipsia há 40 dias. Tabagista e hipertenso há 3 anos. Sem outros antecedentes. Pai diabético, mãe hipertensa e coronariopata (IAM aos 50 anos). Medicações em uso: enalapril 40 mg/dia. Exame físico: IMC:34kg/m 2, CA:111cm, PA:120x80mmHg, FC:88bpm; demais, sem alterações. Assinale a alternativa que representa a melhor hipótese diagnóstica. a) Diabetes mellitus tipo 1. b) Obesidade grau II. c) Diabetes mellitus autoimune. d) Diabetes mellitus tipo 2. e) Diabetes mellitus secundário. 10

11 29 Em relação à questão 28, assinale a afirmativa CORRETA: a) O diagnóstico de diabetes mellitus pode ser realizado por GTTO com valor de 2 horas superior a 140mg%. b) A obesidade, por si só, justifica o tratamento com medicamentos do tipo anfetaminas. c) O diagnóstico de diabetes mellitus pode ser realizado quando a glicemia ao acaso for superior a 140mg%. d) O diagnóstico de diabetes mellitus pode ser realizado por GTTO com valor de 2 horas superior ou igual a 200mg%. e) O diagnóstico de diabetes mellitus pode ser realizado com dosagem de 2 glicemias de jejum superiores ou iguais a 140 mg%. 30 Diante de um exame de ultrassonografia com nódulo de tiroide sugestivo de malignidade, qual conduta deve ser tomada inicialmente? a) Cintilografia da tiroide. b) PAAF. c) Radioiodoterapia. d) Cirurgia. e) Pedir ultrassonografia após 6 meses. 31 A solicitação de cultura e antibiograma de rotina para o isolamento do agente infeccioso deve ser realizada em que situação? a) No diagnóstico de erisipela e impetigo. b) Nas infecções comunitárias graves. c) Em todas as pneumonias comunitárias. d) Na investigação de sífilis e no granuloma venéreo. e) No diagnóstico diferencial das amigdalites purulentas. 32 Paciente de 32 anos, sexo feminino, com diagnóstico de pielonefrite comunitária, encontra-se toxemiada, febril, com muita dor lombar e vômitos. Qual a melhor escolha antibiótica? a) Aminoglicosídeo, amicacina ou garamicina em dose única diária (por serem antimicrobianos concentração dependentes). b) Ceftriaxona EV, dose dobrada em dose única diária (por ser um antibiótico concentração dependente). c) Aminoglicosídeo, amicacina em dose única diária (por ser um antimicrobiano tempo dependente). d) O melhor esquema seria garamicina ou amicacina 2 a 3 x dia, por serem tempo dependentes. e) Ciprofloxacina VO, 500 mg 2x ao dia. 11

12 Obstetrícia e Ginecologia 33 Paciente de 21 anos, em atendimento na unidade básica de saúde pelo médico de família. A citologia cérvico-vaginal apresenta células atípicas de significado indeterminado ASC- US. Conduta: a) Cirurgia de alta frequência. b) Aplicação tópica de 5-fluorouracil a 5%. c) Repetir citologia. d) Eletrocauterização do colo uterino. e) Aplicação tópica de ácido tricloroacético. 34 Paciente com 45 anos de idade, em terapia hormonal. Mamografia BI-RADS 0. A melhor conduta será: a) não fazer nada. b) fazer acompanhamento a curtos períodos. c) complementar a propedêutica. d) prescrever raloxifeno. e) suspender a TH imediatamente. 35 Paciente com 23 anos, vítima de estupro por agressor desconhecido na mesma data em que procurou o atendimento no Pronto Socorro de Ginecologia e Obstetrícia. Mora em zona rural e não tem a carteira de vacinação em dia. O atendimento à mulher vítima de violência sexual prevê: I. encaminhamento obrigatório a serviço de medicina legal, para exame e registro. II. coleta de material biológico pelo médico ginecologista. III. introdução de medicação antirretroviral. IV. investigação de DSTs, contracepção de emergência, antibióticos e imunoglobulina antihepatite B. Assinela a alternativa que aponta somente a(s) afirmativa (s) CORRETA (S). a) I, II e III. b) I e II. c) I e III. d) II, III e IV. e) IV. 12

13 36 Dorotéia tem 42 anos e foi ao Posto de Saúde para coleta de colpocitologia. O resultado foi lesão de alto grau. O médico do Posto de Saúde encaminhou-a para o Serviço de Referência. A propedêutica subsequente ao achado de lesão de alto grau à colpocitologia é: a) repetir a colpocitologia imediatamente. b) repetir a colpocitologia após três meses. c) realizar colposcopia e biópsia dirigida. d) realizar conização. e) realizar eletrocauterização. 37 A imagem mamográfica é classificada como BI-RADS a) 1 b) 2 c) 3 d) 4 e) 5 38 Diante de uma proposta de pesquisa de laboratório farmacêutico utilizando determinada droga, o ginecologista deverá obedecer à Resolução n.º 196/1996 do Conselho Nacional de Saúde, considerando que: a) o médico pode assumir a responsabilidade ética do experimento sem comunicar ao Comitê de Ética do hospital sede da pesquisa. b) o Comitê de Ética em Pesquisa da instituição hospitalar deverá ser informado e aprovar o projeto de pesquisa proposto. 13

14 c) o pesquisador não terá responsabilidades com o sujeito da pesquisa, caso não haja benefício direto para ele. d) qualquer risco a que se expõe o sujeito da pesquisa pode ser justificado pela importância do benefício esperado. e) qualquer dano a que se expõe o sujeito não pode ser ressarcido financeiramente pelo pesquisador, uma vez que o indivíduo aceitou participar da pesquisa. 39 O tratamento para lesões genitais (figura abaixo) é: a) ácido acético. b) ácido tricloroacético. c) metotrexate. d) ácido bórico. e) observação. 40 Paciente de 42 anos, com queixa de fogachos intensos e frequentes, irritabilidade, nervosismo e sudorese excessiva. Apresenta ciclos menstruais normais. Para esclarecimento diagnóstico, devese solicitar dosagem de: a) estradiol. b) FSH. c) LH. d) testosterona. e) prolactina. 14

15 Gestante chega hoje (23/11/2011) ao pronto-socorro de ginecologia e obstetrícia com queixa de dor em baixo ventre e perda de líquido via vaginal há 1 hora. No cartão de pré-natal constam as informações abaixo: 15

16 O exame físico de admissão no pronto-socorro tem como informações: Paciente descorada ++ em 4+; frequência cardíaca de 89 BPM, eupneica, PA 90/60 mmhg Altura uterina 29 cm, dinâmica uterina ausente, frequência cardíaca fetal 144 BPM. À palpação mostra polo cefálico ocupando escava, fixo com dorso à direita da linha média. Especular: colo com ectrópio, saída de líquido pelo colo de coloração clara e sem grumos. Toque não realizado. Com base no cartão pré-natal e nessas informações fornecidas acima, responda às próximas 8 questões: 16

17 41 No momento da internação, o diagnóstico correto é: a) amniorrexe prematura em gestação de termo. b) amniorrexe prematura em gestação pré-termo. c) amniorrexe precoce em gestação prematura. d) amniorrexe oportuna em gestação de termo. e) amniorrexe precoce em gestação de termo. 42 Assinale a alternativa que inclui fatores de risco identificáveis no cartão de pré-natal para o diagnóstico de admissão. a) Baixo peso materno, inadequado acompanhamento pré-natal, restrição de crescimento fetal. b) Primigesta, negra, restrição de crescimento fetal e uso de tabaco. c) Baixo peso materno, anemia materna, uso de tabaco e infecção urinária. d) Abortamento em gestação anterior, uso de tabaco e restrição de crescimento fetal. e) Primigesta, baixo nível socioeconômico e uso de tabaco. 43 Assinale a alternativa que inclui, respectivamente, a correta situação, apresentação e posição no exame de admissão, hoje (23/11/2011). a) Longitudinal, cefálica e direita. b) Cefálica, longitudinal e direita. c) Direita, cefálica e longitudinal. d) Longitudinal, direita e cefálica. e) Cefálica, direita e longitudinal. 44 Assinale a alternativa que inclui só condutas usuais para o caso. a) Pesquisa de infecções, avaliação da vitalidade e, se ambas normais, controle ambulatorial do caso. b) Internação, introdução de antibiótico e indução do parto. c) Internação, inibição do trabalho de parto vigente e corticoide. d) Tratamento da infecção urinária, avaliação da vitalidade, voltar ao hospital quando tiver contrações. e) Internação, pesquisa de infecções, avaliação da vitalidade fetal. 45 Assinale a alternativa INCORRETA: a) Paciente tem baixo peso. b) Paciente tinha fatores de risco pré-natais para restrição de crescimento fetal. c) Paciente deveria ter tomado vacinação antitetânica. d) Há discordância entre amenorreia e idade gestacional ultrassonográfica. e) Paciente é suscetível a Toxoplasmose. 17

18 46 Assinale a alternativa que contenha, respectivamente, a data provável do parto pela regra de Nagele (DPP) e a idade gestacional na admissão no pronto-atendimento, hoje (23/11/2011). a) 27/01/2012 e 31 semanas. b) 23/11/2011 e 40 semanas. c) 27/12/2011 e 38 semanas. d) 30/01/2012 e 30 semanas. e) 13/01/2012 e 31 semanas. 47 Se este mesmo caso ocorresse no dia 11 de janeiro de 2012, os diagnósticos seriam: a) amniorrexe prematura em gestação pré-termo. b) amniorrexe prematura em gestação de termo. c) amniorrexe precoce em gestação prematura. d) amniorrexe oportuna em gestação de termo. e) amniorrexe precoce em gestação de termo. 48 Assinale a alternativa INCORRETA. a) O líquido vaginal visualizado poderia ser submetido ao teste de cristalização. b) A presença de sinais de infecção amniótica levariam à interrupção da gestação. c) A cardiotocografia é um bom método de avaliação da vitalidade fetal para este caso. d) Na evolução para trabalho de parto, a profilaxia para estreptococos B estaria indicada. e) Seria obrigatório o toque vaginal no momento da admissão da paciente. 18

19 Pediatria 49 Um lactente de 45 dias, sexo masculino, pesando g, aleitamento materno exclusivo, procura serviço médico e os pais referem quadro de vômitos não-biliosos repetidos pós-alimentares há 3 semanas, negando febre ou outros sintomas. Ao exame físico, o lactente encontra-se hipoativo, peso de g, com desidratação moderada, e é possível perceber pequena tumoração à palpação abdominal do epigástrio. Diante desse quadro, a hipótese mais provável, o exame complementar mais adequado e o tratamento são, respectivamente: a) estenose hipertrófica de piloro; ultrassonografia de abdome; tratamento cirúrgico. b) pâncreas anular, colangiopancreatografia; jejum e decompressão gástrica. c) megacólon congênito, enema opaco e tratamento cirúrgico. d) doença do refluxo gastroesofágico, phmetria e tratamento medicamentoso. e) invaginação intestinal, radiografia simples de abdome e tratamento cirúrgico. 50 Assinale a alternativa INCORRETA quanto a diarreia na infância. a) E. coli enterotoxigênica é um patógeno importante causador de diarreia com desidratação do lactente no mundo em desenvolvimento. b) Criança com diarreia sanguinolenta e convulsão sugere Shigella como agente. c) Aos lactentes com desidratação leve e moderada, oferecer solução de reidratação oral (SRO) na unidade de atendimento e suspender o aleitamento materno até que se tornem hidratados. d) Todos os casos de diarreia por Vibrio cholerae devem receber antimicrobiano. e) A síndrome hemolítico-urêmica pode ser uma complicação da infecção por E.coli enterohemorrágica. 51 Um menino de 6 anos é admitido na enfermaria pediátrica com quadro de febre baixa e inchaço nos joelhos e tornozelos há 4 dias. Há 1 dia, apresenta dor abdominal em cólica e sangue nas fezes. Os tornozelos e pés estão moderadamente edemaciados e dolorosos. Apresenta ainda lesões purpúricas palpáveis ao redor dos tornozelos e na superfície extensora das pernas. A pressão arterial é normal. O hemograma revela anemia moderada, leucocitose e contagem normal de plaquetas. Também é encontrada hematúria. O principal diagnóstico é: a) poliarterite nodosa. b) púrpura de Henoch-Schönlein. c) meningococcemia. d) febre reumática. e) doença de Kawasaki. 19

20 52 Assinale a alternativa CORRETA quanto a IMUNIZAÇÕES. a) Não há risco em aplicar vacinas de vírus vivos em crianças em uso de corticosteroides em esquemas imunodepressores, por mais de 14 dias. b) Choro persistente e incontrolável, durando três horas ou mais, e ocorrendo nas primeiras 48 horas após vacinação, pode ocorrer após tríplice bacteriana devido ao componente diftérico. c) Um dia após a vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), podem surgir exantema, febre, parotidite, artralgias e artrite. d) Recém-nascidos de mães HbsAg positivo devem receber vacina contra hepatite B e imunoglobulina específica contra hepatite B, preferencialmente logo ao nascimento. e) A vacina conjugada antipneumocócica atualmente disponível no Calendário de vacinação do Programa Nacional de Imunizações é a 7-valente. 53 Menino de 4 anos é levado à Unidade Básica de Saúde e os pais referem que há alguns dias ele tem acordado com edema em volta dos olhos. No decorrer do dia, o edema se acumula nas pernas e períneo. Ao exame físico, encontra-se em anasarca e com pressão arterial dentro da normalidade. O exame de urina revela proteinúria 3+, 5 hemácias/campo, cilindros hialinos e granulosos. A hipótese diagnóstica mais provável é: a) glomerulonefrite aguda. b) nefropatia por IgA. c) síndrome hemolítico-urêmica. d) infecção do trato urinário. e) síndrome nefrótica. 54 Menina com 1 ano de idade é levada ao pediatra com história de febre há 2 dias, escurecimento da urina e irritabilidade. Ao exame não são observados sinais de infecção de vias aéreas, e a criança apresenta-se febril. A urocultura, colhida em condições ideais, revela-se positiva para Escherichia coli. Além da terapêutica antimicrobiana e das uroculturas para controle, recomenda-se: a) ultrassonografia de rins e vias urinárias e urografia excretora. b) ultrassonografia de rins e vias urinárias e uretrocistografia miccional. c) urografia excretora e renograma. d) apenas ultrassonografia de rins e vias urinárias. e) apenas o seguimento, por ser o primeiro episódio. 20

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Nome do Candidato: ASSINE SOMENTE NESSE QUADRO assinatura RESIDÊNCIA MÉDICA - 2016 Especialidades Pediátricas Prova de Respostas Curtas CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Verifique se você recebeu um CADERNO

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática.

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Faz tratamento para hipertensão arterial e insuficiência cardíaca

Leia mais

B) Quais os três medicamentos que devem ser prescritos de imediato?

B) Quais os três medicamentos que devem ser prescritos de imediato? Caso Clínico 1 (2 pontos) Primigesta com 36 semanas de gestação é admitida na maternidade com queixas de náuseas, epigastralgia e cefaleia. Gesta II Para I (Parto normal). Ao exame, encontra - se eupneica,

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com:

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L 3.1. Diagnóstico da Gravidez O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: Após confirmação da gravidez

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

Cefaléias e Enxaqueca Convulsões febris. Desidratação. Crescimento e do desenvolvimento

Cefaléias e Enxaqueca Convulsões febris. Desidratação. Crescimento e do desenvolvimento Saúde da Criança Alimentação o Aleitamento materno Orientações gerais e manejo das principais dificuldades o Alimentação saudável o Desnutrição energético-protéica o Distúrbios da absorção o Anemia ferropriva

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Autópsia-Carcinoma de Reto

Autópsia-Carcinoma de Reto Autópsia-Carcinoma de Reto RESULTADO DE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO N.º PG 163 NOME: PCQ RESID.: CIDADE: São Paulo - SP FONE: ( ) SEXO M IDADE 31 COR P PROFISSÃO: PEDIDO pelo Dr Clínica Cirúrgica TEL. ( )

Leia mais

ENFERMEIRO DO PSF - 40H

ENFERMEIRO DO PSF - 40H QUESTÃO 01 A Constituição Federal de 1988 na seção II dispõe sobre a Saúde, que descreve em artigo sobre a saúde ser direito de todos. Para tanto, no art. 198 as ações e serviços públicos de saúde integram

Leia mais

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ QUESTÃO 01 O Agente Comunitário de Saúde tem como objetivo principal contribuir para a qualidade de vida das pessoas e da comunidade. Analise as opções abaixo e marque a alternativa incorreta: A) Conhecer

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica

Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica 01 Demências; 02 Depressão; 03 Hipertensão Arterial Sistêmica Primária e Secundária; 04 Infecções

Leia mais

OBSTETRÍCIA. Questão 1

OBSTETRÍCIA. Questão 1 OBSTETRÍCIA Questão 1 Paciente com 22 semanas de gestação é atendida com diagnóstico de carcinoma ductal infiltrante de mama. Ao exame físico apresenta nódulo irregular, pétreo, com 2cm localizado no quadrante

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

Doença falciforme: Infecções

Doença falciforme: Infecções Doença falciforme: Infecções Célia Maria Silva Médica Hematologista da Fundação Hemominas celia.cmaria@gmail.com Eventos infecciosos Importância Incidência Faixa etária mais acometida (6m - 5a) Internações

Leia mais

PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015

PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015 NOME: PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015 1. Gestante primigesta de 40 semanas é levada ao pronto- socorro referindo perda de grande quantidade de líquido há 25h. Após o exame, com o diagnóstico de amniorrexe

Leia mais

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012)

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Gieteling MJ, Van Dijk PA, De Jonge AH, Albeda FW, Berger MY, Burgers JS, Geijer RMM, Eizenga WH traduzido do original em holandês

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA QUESTÃO 21 Em relação à fisiopatologia da hipertensão arterial no paciente idoso, marque a alternativa CORRETA: a) A pressão diastólica tende a ficar

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 63

PROVA ESPECÍFICA Cargo 63 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 63 QUESTÃO 26 São alterações cardiovasculares associadas ao envelhecimento, EXCETO: a) Dilatação miocárdica. b) Hipertrofia miocárdica. c) Comprometimento da função endotelial.

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Educação do olhar enxergar entender AÇÃO compreender entender textos e Condicionantes da Saúde da cria sistemas cidade meio ambiente idoso família pré-natal saúde

Leia mais

ASSISTÊNCIA [DE ENFERMAGEM] À GESTANTE. Profa. Emília Saito setembro - 2015

ASSISTÊNCIA [DE ENFERMAGEM] À GESTANTE. Profa. Emília Saito setembro - 2015 ASSISTÊNCIA [DE ENFERMAGEM] À GESTANTE Profa. Emília Saito setembro - 2015 OBJETIVOS DA ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL PRINCIPAL Acolher a mulher desde o início da gestação, assegurando, ao fim da gestação, o nascimento

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

Insuficiência cardíaca / Edema agudo de pulmão

Insuficiência cardíaca / Edema agudo de pulmão UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES MATERNIDADE ESCOLA JANUÁRIO CICCO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANA BEZERRA COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROCESSO SELETIVO PARA

Leia mais

Desenvolver animação Módulo Optativo Assistência Médica por Ciclos de Vida

Desenvolver animação Módulo Optativo Assistência Médica por Ciclos de Vida Observações Desenvolver animação Módulo Optativo Assistência Médica por Ciclos de Vida APRESENTAÇÃO O módulo de Assistência Médica por Ciclos de Vida aborda o trabalho específico do Médico de Família,

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE IDOSO DOENÇAS MAIS COMUNS Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde começam a aparecer, conheça alguns dos mais comuns e saiba como se prevenir: 1 2 DIABETES

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica DISPEPSIA Vinícius Fontanesi Blum Os sintomas relacionados ao trato digestivo representam uma das queixas mais comuns na prática clínica diária.

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS

PREVENÇÃO DE DOENÇAS Page 1 of 7 PREVENÇÃO DE DOENÇAS (Adaptação baseada nas condutas propostas pela Academia Norte-Americana de Médicos de Família/Clínica Mayo, USA) O que a medicina atual preconiza em termos de prevenção

Leia mais

CASO CLÍNICO. Geysa Câmara

CASO CLÍNICO. Geysa Câmara CASO CLÍNICO Geysa Câmara C.P.S,sexo feminino, 43 anos, parda, casada, dona de casa, natural de São Paulo,católica. QP: Cólicas fortes o H.D.A: Paciente refere que há 4 anos apresentava ardor miccional,

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA.

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. Um atendimento pré-natal de qualidade é fundamental para a saúde da gestante e de seu bebê. Logo que você constatar que está grávida, deve procurar

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO Diabete é uma síndrome caracterizada por elevação crônica da glicemia de jejum e/ou das pós-prandiais, devido a defeito absoluto ou relativo da produção de insulina, ou

Leia mais

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Assistência ao parto

Assistência ao parto Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga

Leia mais

CARTILHA DA GRÁVIDA 1

CARTILHA DA GRÁVIDA 1 CARTILHA DA GRÁVIDA 1 2 SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 PRIMEIROS SINTOMAS 5 ETAPAS DA GESTAÇÃO 6 IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL 8 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO À MÃE 9 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO AO BEBÊ 10 OBJETIVOS

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROGRAMA DA PROVA GERAL DO CONCURSO DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 01- CLÍNICA MÉDICA Insuficiência

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Tuberculose. Profa. Rosângela Cipriano de Souza

Tuberculose. Profa. Rosângela Cipriano de Souza Tuberculose Profa. Rosângela Cipriano de Souza Risco para tuberculose Pessoas em contato com doentes bacilíferos, especialmente crianças Pessoas vivendo com HIV/AIDS Presidiários População vivendo nas

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural 13. TERAPÊUTICA FETAL MEDICAMENTOSA Entende-se por terapêutica fetal medicamentosa ou clínica, quando nos valemos da administração de certos medicamentos específicos, visando o tratamento de alguma patologia

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016. Especialidades Pediátricas

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016. Especialidades Pediátricas FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 Especialidades Pediátricas Gabarito da Prova realizada em 22/nov/2015 A Banca Examinadora alerta que o gabarito divulgado corresponde

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina

Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina Eu, (nome do paciente(a) abaixo identificado(a) e firmado(a)), declaro ter sido

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

Leia mais

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP O que fazer antes do bebê chegar? Os caminhos do pré-natal... (fase I estamos grávidos

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

Saúde da Mulher. Ana Cristina Pinheiro. Saúde da Mulher

Saúde da Mulher. Ana Cristina Pinheiro. Saúde da Mulher Saúde da Mulher Realizado por: Ana Cristina Pinheiro (Maio de 2007) Saúde da Mulher Uma família equilibrada não pode ser produto do acaso ou da ignorância. O nascimento de uma criança deve ser o resultado

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso ANEXO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do Metabolismo (anabolismo x catabolismo) Metabolismo de Carboidratos Metabolismo de Lipídeos Motilidade no trato gastrointestinal Introdução ao Metabolismo

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

Manual Educativo de PaciEntEs E FaMiliarEs

Manual Educativo de PaciEntEs E FaMiliarEs Manual Educativo de Pacientes e Familiares 1 ÍNDICE MANUAL EDUCATIVO DE PACIENTES E FAMILIARES O MANUAL... 04 1. O QUE É CÂNCER?... 05 2. SINAIS DE ALERTA PARA O CÂNCER... 10 3. RECOMENDAÇÕES PARA EVITAR

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II

AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II 1. Objetivos das aulas práticas 1.1 Gerais Ser capaz de, através do cadastramento, detectar problemas, pensar nas causas destes problemas e propor soluções

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OBJETIVOS Classificação dos distúrbios do sono Classificação dos distúrbios respiratórios do sono Definições: ronco, ravas (rera),

Leia mais

OBESIDADE MÓRBIDA. 2012 doutorpinnacabral.com.br Este documento é original e não pode ser modificado!

OBESIDADE MÓRBIDA. 2012 doutorpinnacabral.com.br Este documento é original e não pode ser modificado! OBESIDADE MÓRBIDA Este documento é original e não pode ser modificado! SENTE-SE SOLITÁRIO? PESO IDEAL E IMC Peso ideal: altura X altura X 25 = Exemplo: 1.72 X 1.72 X 25 = 74 kg Excesso de peso : 89 kg

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

- Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno.

- Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno. Características clínicas da influenza - Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno. - Incubação: um a quatro dias. - Transmissibilidade:

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir:

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir: 01 Concurso Público Menina de sete anos de idade apresentou imagem radiológica de pneumatoceles em ambos os pulmões. História pregressa de rash neonatal, atraso da dentição e fraturas recorrentes devido

Leia mais

Investigação de Surto de Rubéola e fatores associados a não-vacinação, Luziania/GO, 2007

Investigação de Surto de Rubéola e fatores associados a não-vacinação, Luziania/GO, 2007 Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Coordenação de Doenças de Transmissão Respiratória e Imunopreveníveis Investigação

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PRINCIPAL CAUSA DE MORTE NO MUNDO!! AS PRINCIPAIS

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais