Retrospectiva 2013 e desafios e perspectivas para 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Retrospectiva 2013 e desafios e perspectivas para 2014"

Transcrição

1

2

3 INTRODUÇÃO Muito embora tenha sido marcado por acontecimentos de extrema relevância, como as práticas de espionagem por parte do Governo norte-americano e pela prisão histórica de personalidades públicas após condenação do Supremo Tribunal Federal (STF) por crimes contra a administração pública, o cenário político de 2013 foi influenciado, principalmente, pelos protestos populares iniciados em junho deste ano. Tendo primeiramente como reivindicação a redução das tarifas do transporte coletivo, especificamente na cidade de São Paulo (SP), as manifestações tornaram-se mais constantes, espalharam-se pelas demais regiões do País e ganharam uma pauta mais extensa. Entre as novas reivindicações, foram incluídas necessidades de melhorias em setores primordiais, como saúde e educação, e mudanças no sistema político brasileiro, consequentemente, ecoando e ganhando espaço na agenda do Poder Público. Esse forte apelo popular provocou importantes alterações na agenda de prioridades dos representantes políticos e repercutiu até mesmo na relação entre os Poderes Executivo e Legislativo. Apesar de decisões desgastantes ocorridas no final do ano passado relacionadas ao Pacto Federativo e referentes a indicações para cargos do Executivo apontarem para um cenário futuro menos estável e de maior dificuldade imposta pelo Congresso Nacional para o cumprimento da agenda do Governo Federal, estas expectativas só se confirmaram no 2º semestre de Mesmo após desentendimento gerado entre as duas esferas com os vetos presidenciais a dispositivos da proposta que instituía nova distribuição dos royalties do petróleo, que forçou interferência do Poder Judiciário e iniciou as discussões sobre necessidade de revisão do processo de análise de vetos, e após a rejeição da recondução de Bernardo Figueiredo para a direção-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), o Governo ainda conseguiu manter sua influência decisiva sobre a agenda do Congresso Nacional na primeira metade deste ano. Até então, com sua postura centralizadora e tecnocrática, a presidente Dilma Rousseff, utilizando-se constantemente das prerrogativas sobre o processo legislativo garantidas ao Poder Executivo (medidas provisórias, pedidos de urgência e vetos) e com apoio de ampla maioria tanto no Senado Federal como na Câmara dos Deputados, prosseguiu com sua pauta baseada na concessão de incentivos governamentais para atrair mais investimentos do setor privado e de estímulos para o fomento da indústria e do setor de inovação, além de propostas para reforma tributária. Desta forma, tornaram-se assuntos centrais nos debates de ambas as esferas do Poder Público questões como concessões de portos, aeroportos e rodovias, com o objetivo de tornar a infraestrutura do País mais eficiente, a desoneração da cesta básica e de importantes setores da economia. Porém, o prosseguimento da priorização da agenda tributária pelo Governo foi afetado pelas reivindicações populares. Os manifestantes passaram a questionar as instituições políticas e o sistema de representação, criticando a atuação dos parlamentares e a condução do Governo pela presidente. Consequentemente, a popularidade da representante diminuiu consideravelmente e possíveis candidatos ao cargo ganharam projeção, como o senador Aécio Neves, o governador do estado de Pernambuco, Eduardo Campos, e, principalmente, a ex-ministra Marina Silva. Como resposta aos apelos demonstrados durante os protestos e alternativa para restaurar sua imagem, o Governo, assim como o Congresso Nacional, anunciou medidas para atendê-los. Assim, foi elaborada a chamada agenda positiva, constituída por propostas para melhoria no transporte público, distribuição de mais recursos para educação, aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde (SUS), instituição do Programa Mais Médicos e mais transparência na gestão pública. Além das ações para melhorias dos serviços prestados pela administração pública, chegou a ser anunciada a possibilidade de uma reforma política, proposta por meio de plebiscito pela presidente e por meio de projeto de decreto legislativo protocolado na Câmara dos Deputados pelas bancadas do PT, PCdoB, PDT e PSB. Ainda assim, com os questionamentos acerca da condução do Governo, a dura e pouco suscetível postura da presidente Dilma Rousseff, criticada por parlamentares da oposição e até mesmo por alguns membros integrantes da base aliada, foi evidenciada e contestada com maior frequência. Neste contexto, o Congresso Nacional instituiu mudanças na forma de apreciação dos vetos presidenciais, promulgou a proposição que determinava o fim do voto secreto para análise de cassação de mandato de parlamentares e dos referidos vetos e incluiu entre as matérias discutidas a Proposta de Emenda à

4 Constituição (PEC) do orçamento impositivo, a qual chegou a ameaçar a votação do Projeto de Lei Orçamentária Anual para Em contrapartida, a Presidenta adotou uma nova conduta e procurou estabelecer contatos mais diretos com a população e lideranças políticas. Essa mudança de comportamento dos parlamentares e do Governo Federal demonstrou que, embora não tenham obtido resultados esperados, através de reformas estruturais, as manifestações alcançaram intensidade suficiente para tornar as instituições políticas menos refratárias aos apelos populares. Elas também anteciparam a agenda dos Poderes Legislativo e Executivo reservada para o próximo ano e construíram um cenário mais propício a disputas para as Eleições de 2014, além de fornecer uma pauta de discussões mais ampla para os candidatos aos cargos que serão disputados. Considerando o cenário político do ano que se encerra e a tendência de acentuação da complexidade das relações entre as respectivas esferas de poder, a Umbelino Lôbo Assessoria e Consultoria tem o prazer de apresentar a seus clientes o documento que segue intitulado Retrospectiva 2013 e desafios e perspectivas para 2014, onde procuramos consolidar, através da retrospectiva e da agenda prevista dos Poderes Executivo e Legislativo, informações cruciais para o melhor entendimento do processo político e eleitoral em 2014.

5 RETROSPECTIVA 2013 Poder Executivo Uma retrospectiva do governo federal em 2013 certamente trará consigo uma diversidade de questões. No campo político geral é mais do que necessário considerar os impactos das manifestações de junho sobre a gestão presidencial e a preocupação com a maior transparência no campo das decisões do governo. Outro ponto importante foi a divulgação da intensa espionagem do governo americano em diversos países, entre os quais o Brasil, fato que trouxe como consequência mais palpável no campo das nossas decisões políticas, o engajamento do governo na discussão da proposta de Marco Civil da Internet, o cancelamento da viagem da presidente Dilma Rousseff aos Estados Unidos e a busca por colocar o tema na pauta de discussão de organismos internacionais. Na política econômica a tônica foi a substituição da busca pela redução gradativa da taxa de juros pelas preocupações inflacionárias. Neste sentido, verificou-se que o Comitê de Política Monetária do Banco Central elevou novamente a Taxa Selic, além de provocar outras decisões, como a retirada do mecanismo de elevação tarifária excepcional previsto na Decisão 39/2011 do Mercosul e a manutenção de uma política populista de precificação dos combustíveis, ajustado artificialmente pela Petrobras. Em todos esses casos há enorme expectativa e pressão do mercado por soluções. Quanto a algumas questões houve também a tentativa do governo de se aproximar do setor privado, no intuito de impulsionar a economia, dar maior competitividade às empresas e estimular o investimento. Medidas como a desoneração da folha de pagamentos das empresas para vários setores e programas de desoneração dos investimentos, com o estímulo à aquisição de máquinas e equipamentos, tiveram esse objetivo. Além disso, foi dado estímulo à inovação tecnológica por meio de linhas de financiamento. As medidas foram extremamente positivas frente ao ambiente de alta competição internacional que se apresenta atualmente, mas não foram suficientes para dar às empresas que atuam no País condições reais de competitividade. Antes de tudo, representaram apenas um fôlego adicional para superarem a atual conjuntura de pós-crise econômica mundial. Ainda no que se refere à competitividade, o governo buscou ações para diminuir a desvantagem brasileira no aspecto da infraestrutura logística, sempre apontada como um dos principais gargalos pelo setor produtivo. Nesta área, onde é essencial a atuação em conjunto do governo com o setor privado, houve uma série de tropeços. O Programa de Investimento e Logística PIL, lançado em um marcante evento pelo governo federal, contempla a combinação de investimentos públicos e privados, até o momento não deslanchou. Voltado para as quatro áreas que compõem a logística Portos, Aeroportos, Rodovias e Ferrovias e com o objetivo de destravar o setor, o PIL engatinha em sua implementação. Em primeiro lugar, pode-se citar uma questão ideológica que trouxe problemas no início de sua gestão e travou o processo de discussão desde o princípio: a tendência intervencionista do governo petista ou o exercício envergonhado do capitalismo que, procurando estimular o investimento, não admite a obtenção do lucro - anseio por excelência do setor privado -, quando quis limitar excessivamente da taxa de retorno dos investimentos em rodovias. Ademais, cabe citar o processo de modelagem proposto para o setor portuário, que está sendo permeado de altos e baixos e com críticas de vários setores sobre a falta de análise das especificidades de suas cadeias. Demorou-se a perceber a importância da discussão com os setores interessados para a formulação e implementação de um modelo de sucesso. Muitos pontos ainda não foram superados, mas o governo parece já estar mais ciente quanto à necessidade de ajustes importantes. Sobre as atividades do governo ao longo do ano, em matéria de legislação, vale destacar a edição de 27 Medidas Provisórias, tratando sobre temas diversos como: estímulo à agricultura; desonerações para diversos setores; comércio exterior; regime automotivo; programa Mais Médicos; diversos créditos extraordinários; além de uma micro reforma tributária. Em matéria regulamentar, foram editados 300 Decretos Presidenciais, dos quais merecem destaque os que tratam sobre: aquisição de produtos com tecnologia nacional e/ou produzidos no País; o Programa de Aceleração do Crescimento; Plano Safra; Desoneração da Energia Elétrica; Mudanças no Mercado de Capitais e no Sistema de Pagamentos; Margens de Preferência em Licitações; Programa Nacional de Banda Larga; além de Acordos Econômicos e de Cooperação Internacional e questões relativas à estrutura do governo, como alterações em cargos e salários.

6 Congresso Nacional O cenário legislativo brasileiro sofreu uma reviravolta quanto à deliberação de matérias no Plenário da Câmara dos Deputados e do Senado Federal a partir do 2º semestre em decorrência das manifestações populares ocorridas em todo o país. Pressionados, os presidentes das Casas Legislativas, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB/RN) e senador Renan Calheiros (PMDB/AL), formularam uma agenda positiva. Apesar da contínua presença do Poder Executivo na formulação da agenda legislativa e do não avanço de reformas estruturantes caso da Reforma Política -, tal agenda positiva vislumbrava uma resposta aos manifestos e consequente aproximação do Congresso Nacional com as ruas e, em alguns momentos, determinou instabilidades entre as Casas e o Poder Executivo. Entre outras medidas, rejeitou-se a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 0037/2011, que versava sobre a restrição do poder investigativo do Ministério Público; deu-se início à discussão acerca das tarifas do transporte coletivo de passageiros; destinou-se maior montante de recursos à educação; e, conclui-se a discussão da legislação de criminalização dos entes privados por atos contra a administração pública. É importante comentar que, devido ao descrédito do Legislativo após a decisão do Plenário da Câmara dos Deputados em relação à manutenção do mandato do deputado preso Natan Donadon (sem partido/ro), emergiu a necessidade do fim do voto secreto e foi promulgada pelas Mesas das Casas Legislativas a Emenda Constitucional 76, que acabou com as votações secretas nos processos de cassação de parlamentares e na análise de vetos presidenciais. Quanto a regras procedimentais, após a aprovação da Medida Provisória (MPV) 0595/2012 MPV dos Portos -, o presidente do Senado Federal declarou que nenhuma MPV encaminhada pela Câmara dos Deputados a menos de sete dias para perder a validade seria colocada em pauta. Além disso, a polêmica gerada em torno da exiguidade do tempo para a votação, no Plenário da Câmara dos Deputados, da MPV 0615/2013, que autorizou o pagamento de subvenção econômica aos produtores da safra 2011/2012 de cana de açúcar e etanol da região Nordeste, levou o presidente da Casa a propor a análise apenas de MPV s que chegassem ao Plenário, no mínimo, 15 dias antes da perda de sua vigência. Ele anunciou também que não iria mais aceitar MPV s editadas pelo Executivo com vários assuntos e emendas apresentadas que não tivessem relação com a proposta original. O Congresso Nacional ainda modificou os procedimentos de análise dos vetos presidenciais, publicados a partir de julho de 2013, apostos às matérias aprovadas pelas Casas Legislativas. O prazo de 30 dias para análise dos vetos, por exemplo, passou a contar quando de sua protocolização na Presidência do Senado Federal. Outro tema que mobilizou o Congresso Nacional foi a apreciação do Projeto de Lei do Senado (PLS) 0441/2012 (PL 6397/2013), o qual, sancionado, originou a Lei nº /2013, conhecida por Minirreforma Eleitoral. Entre outros temas, a nova lei alterou e introduziu normas sobre a propaganda eleitoral, as contas de campanha, os cabos eleitorais, o período de convenções partidárias e a substituição de candidaturas. Ademais, em virtude da veiculação de notícias referentes às denúncias de espionagem praticadas pela Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (NSA, na sigla em inglês) contra o Brasil, reiterou-se a necessidade de aprovação do Projeto de Lei do Marco Civil da Internet (PL 2126/2011). Com prazo de urgência constitucional para apreciação vencido, a matéria sobrestou a pauta do Plenário da Câmara dos Deputados, todavia as negociações para viabilizar a votação não evoluíram. Importa mencionar, ainda, que a tramitação das propostas que pretendem a reforma da política tributária pouco avançou. Atualmente, há 03 proposições que objetivam rever o pacto federativo: o Projeto de Resolução que reduz as alíquotas do ICMS em operações interestaduais (PRS 0001/2013), o Projeto de Lei Complementar que estabelece um fundo de compensação aos Estados pelas perdas de arrecadação com o fim da guerra fiscal e outro fundo de desenvolvimento regional (PLS 0106/2013) e o projeto que muda o indexador da dívida de Estados e municípios com a União (PLP 0238/2013). Por fim, dentre as discussões prioritárias, com a garantia da presidente Dilma Rousseff, de que aceitaria negociar com o Congresso Nacional e que não vetará o Orçamento Impositivo que obriga a execução das emendas parlamentares individuais na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), foi assegurada a votação do Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) antes do recesso parlamentar. De todo modo, e apesar do esforço em se produzir resposta positiva às ruas, o ano se encerra com a clara impressão de manutenção da morosidade na produção legislativa e, de mesmo modo, do crescente descrédito para com a classe política, que muito se esforçou em discutir temas acessórios, mas não avança em questões estruturantes, tais quais as reformas política e tributária, e se mantém refém dos Poderes Executivo e Judiciário.

7 AGENDA 2014 Poder Executivo No âmbito da gestão pública, pensar em 2014 é o mesmo que pensar em eleições, com seus impactos sobre a distribuição de pastas ministeriais, o ritmo reduzido de trabalho do Congresso Nacional, a tendência à elevação de medidas populistas como o controle artificial da inflação para preservar a popularidade da Presidente, além dos reflexos de eventuais manifestações de entidades de classe ou de movimentos populares que possam ocorrer durante a realização da Copa do Mundo, a exemplo da mobilização ocorrida em junho deste ano. No campo econômico, as perspectivas são de baixo crescimento e inflação levemente crescente ou controlada. É certo que, sendo um ano de eleições, o Governo trabalhará para manter os preços da economia a níveis se não baixos, controlados, de modo que as chances de reeleição de Dilma não sejam reduzidas. O controle da inflação, no entanto, ainda é uma incógnita, visto que a pressão inflacionária tem sido crescente e os impactos esperados do fim das políticas de desonerações fiscais, já anunciado pelo governo. Sendo a inflação fortemente controlada, o reflexo dessa política, no entanto, deverá ser visto em Assim, logo de início, devemos ter uma Reforma Ministerial, com a saída dos ministros de Estado que concorrerão às Eleições Prevista inicialmente para 15 de janeiro, a Reforma Ministerial pode ser adiada para março de 2014, haja vista que o prazo limite para desincompatibilização dos ministroscandidatos é 05 de abril. Das 39 pastas ministeriais, estão sendo esperadas trocas em ao menos 10 onde os titulares concorrerão a cargos nas Eleições 2014: 1) Antônio Andrade (PMDB) deve sair do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, para concorrer a algum cargo em Minas Gerais; 2) Aguinaldo Ribeiro (PP) deve deixar o Ministério das Cidades - MCid para concorrer ao Governo da Paraíba ou ao Senado Federal; 3) Aloizio Mercadante (PT) deve deixar o Ministério da Educação - MEC e ser o responsável pela coordenação da campanha de Dilma, também pode ir para a Casa Civil, mas a primeira opção é mais provável; 4) Fernando Pimentel (PT) deixará o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC para concorrer ao Governo de Minas Gerais, sendo que para o seu lugar está cotado o empresário Josué Alencar (PMDB), filho do ex-vice-presidente José de Alencar, além de outros nomes o do Senador Blairo Maggi (PR/MT) e Mauro Borges, presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial ABDI; 5) Gastão Dias Vieira (PMDB) sai do Ministério do Turismo - MTur para concorrer à reeleição para Deputado Federal pelo Maranhão; 6) Gleisi Hoffmann (PT) deixa a Casa Civil para concorrer ao Governo do Paraná, estando cotados para substituí-la, a Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão MPOG, Miriam Belchior, o Secretário-Executivo do Ministério da Previdência Social, Carlos Gabas, além do citado Ministro Mercadante; 7) Pepe Vargas (PT) deve sair do Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA para concorrer à eleição para Deputado Federal pelo Rio Grande do Sul; 8) Alexandre Padilha (PT) deixa o Ministério da Saúde para concorrer ao Governo de São Paulo, sendo que para o seu lugar está cotado o Secretário de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde da pasta, Mozart Sales; 9) Maria do Rosário (PT) deixa a Secretaria de Direitos Humanos para concorrer como Deputada Federal no Rio Grande do Sul, sendo à princípio substituída pela Secretária-Executiva Patrícia Barcelos; e 10) Marcelo Crivella (PRB) que pode deixar o Ministério da Pesca e Aquicultura MPA para concorrer ao Governo do Rio de Janeiro; 11) senador Vital do Rêgo (PMDB) que deve se licenciar de seu mandato para assumir ao Ministério da Integração Nacional MI. Além destas trocas, merecem ser destacadas as mudanças já ocorridas. A saída do PSB da base aliada deixou em aberto os cargos de titulares do Ministério da Integração Nacional MInT, onde o Secretário- Executivo Francisco Teixeira deve ser substituído pelo Senador Vital do Rêgo (PMDB/PR) ou por Ciro Gomes (PROS/CE); e da Secretaria de Portos, onde foi nomeado interinamente Antônio Henrique Silveira, ex- Secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda MF, cuja substituição é uma incógnita. Circula nos bastidores do Palácio do Planalto informações de que o objetivo é mantê-lo até o final de 2014, dando continuidade ao processo de licitação dos portos no âmbito da nova legislação. Contudo, especula-se que as pressões partidárias podem levar Dilma a colocar a pasta nas mãos do PROS, na cota dos irmãos Ciro e Cid Gomes, do Ceará.

8 Congresso Nacional Em 20/12/2013, quando, por previsão constitucional, os parlamentares iniciarão o período de recesso, encerram-se, além dos trabalhos legislativos do ano corrente, o último ano de efetivo trabalho do Congresso Nacional e do atual Governo, antes da realização da Copa do Mundo e das Eleições em No entanto, fazendo um balanço dos trabalhos das Casas em 2013, não se pode considerar que os temas pendentes de discussão foram vencidos. Assim, tendo em vista que, em virtude do período eleitoral, os trabalhos legislativos devem se concentrar no 1º semestre de 2014, é possível considerar que o próximo ano tenha agenda política ainda cheia de temas polêmicos e com repercussões institucionais junto ao Supremo Tribunal Federal (STF). Contudo, pode-se esperar que temas delicados e com potencial para gerar repercussões negativas para o governo tenham suas discussões atrasadas. Deste modo, confirmando-se a perspectiva de uma agenda reativa para o próximo ano, torna-se essencial que as estratégias em prol de matérias prioritárias sejam bem elaboradas, com interesses bem alinhados com a agenda política vindoura. Efetivamente, os trabalhos no Congresso Nacional devem ser retomados somente após o carnaval, em março, haja vista que o mês de fevereiro deverá ficar restrito às negociações político-partidárias para as definições das Mesas e das composições das Comissões Permanentes na Câmara dos Deputados. E o Senado Federal, apesar de não passar pelo processo de renovação nas Mesas Diretoras de suas comissões, deve seguir o ritmo de trabalho ditado pela Câmara. Posteriormente, no período compreendido entre junho e novembro do próximo ano, deverá ser observada uma redução nos ritmos de trabalho, influenciado, primeiramente, pela realização da Copa do Mundo, e, depois, pelo recesso branco que antecede e se estende por todo o período eleitoral. Especificamente sobre o recesso branco, importante elucidar que são previamente definidas semanas de esforço concentrado, nas quais ficarão concentrados os trabalhos legislativos, de agosto a novembro. Dentre os temas que podem ter seus debates retomados no início de 2014, destaca-se, inicialmente, a continuidade da discussão atinente ao Marco Civil da Internet, considerada a primeira prioridade do Poder Executivo para Como se sabe, a matéria é polêmica e encontra diversas resistências de setores da economia, motivo pelo qual sua discussão pode se estender por todo o 1º semestre. Assunto que também deve se manter na pauta, mas sem grandes chances de avanço, é a proposta de simplificação e racionalização do Sistema Tributário Nacional, por meio da unificação das alíquotas de cobrança do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias (ICMS). A proposta encaminhada pelo Poder Executivo encontra-se pendente de análise pelo Plenário da Casa. Entretanto, a temática gera divergências entre os estados da federação especialmente em decorrência de possíveis decréscimos arrecadatórios por conta da perspectiva de unificação das alíquotas em 4%. Outro tema sensível que deve movimentar os parlamentares é a reforma político-eleitoral. Embora os parlamentares tenham aprovado mudanças pontuais na legislação eleitoral chamada de minirreforma eleitoral temas polêmicos foram excluídos, especialmente a questão relativa ao financiamento de campanha. Aliás, este é um tema com propensão não somente para dividir as opiniões das bancadas, como também criar um ambiente de alto índice de tensão entre os Poderes Legislativo e Judiciário. Enquanto o Congresso Nacional mantém-se moroso na discussão da reforma política, o STF tem em sua pauta mudanças radicais no sistema eleitoral brasileiro. Nesse cenário, faz-se necessário destacar que já está em curso na Corte Suprema votação sobre a proibição de doações de empresas para campanhas. A tendência é que os ministros julguem inconstitucional legislação que permite financiamento privado de campanhas eleitorais. O julgamento foi interrompido por um pedido de vista do ministro Teori Zavascki e deverá ser retomado em Insta ressaltar que, se levadas a cabo pela via judicial, mudanças como essa devem consolidar o Supremo como protagonista na definição da legislação político-eleitoral do País, ao arrepio do Poder Legislativo, que considera-se usurpado de suas prerrogativas. Espera-se que os parlamentares preparem atos de revide à postura adotada pelo Judiciário. Acerca das eleições, importa salientar que, se para o eleitor, outubro de 2014 soa distante, para os postulantes aos cargos eletivos 2014 já começou. O debate apressado, o qual teve início ainda em fevereiro de 2013 quando o ex-presidente Lula anunciou a presidente Dilma Rousseff como nome do PT para concorrer à Presidência da República, mais do que polarizar forças, cria também tensão que acirra as relações políticas entre os Poderes Executivo e Legislativo.

9 Com a confirmação da presidente Dilma Rousseff à reeleição e o anúncio do governador de Pernambuco (PE), Eduardo Campos, como pré-candidato do PSB ao Palácio do Planalto, devem se consolidar o distanciamento de legendas da atual base, como o próprio PSB, e o fortalecimento de relações com partidos novos como o PSD e o PROS. Ademais, outro fator com potencial para afetar as já combalidas relações entre Executivo e Legislativo é a reforma ministerial que a presidente Dilma deve implementar a partir de janeiro de A tendência é que a presidente utilize a reforma não somente para alocar os aliados descontentes e dar maior visibilidade aos partidos da base, mas, também, para consolidar a base no Congresso Nacional.

10 ELEIÇÕES 2014 Após a onda de manifestações ocorridas no mês de junho em todo o país, que impactou negativamente não só a imagem da presidente Dilma Roussef e dos governos estaduais, como da classe política como um todo; esperava-se que, se não houvesse uma melhora da taxa de aprovação do Governo até meados de dezembro, a chefe do Poder Executivo enfrentaria sérias complicações em suas pretensões eleitorais. Contudo, Dilma Roussef vem experimentando nos últimos meses uma sólida retomada de seus índices de popularidade. Segundo pesquisa CNI/Ibope, divulgada na primeira quinzena de dezembro, o percentual da população que avalia seu governo como ótimo/bom foi de 31% em julho para 43% em novembro. O Datafolha também havia apontado essa recuperação da popularidade da presidente numa pesquisa divulgada no início do mês de dezembro. No resultado do instituto, o Governo Federal foi de 36% a 41% de aprovação entre agosto e novembro. Mesmo não ostentando o índice de aprovação da época prémanifestações, que estava na casa dos 60%, Dilma tem motivos para comemorar. Com a manutenção deste cenário, Dilma agora volta-se para consolidar a aliança com o principal partido da base, o PMDB. Apesar de não haver riscos de ruptura em âmbito nacional, as siglas ainda tentam pacificar seus diretórios no Rio de Janeiro, Minas Gerais, Ceará e na Paraíba no intuito de garantir os palanques estaduais para a chapa. Importa destacar, ainda, que o arco de alianças em torno da candidatura presidencial tende a crescer, abarcando um número ainda maior de partidos do que em relação à eleição de O recém fundado Partido Republicano da Ordem Social (PROS), dos irmãos Cid e Ciro Gomes, já demonstra que poderá se alinhar ao Planalto, juntamente com PMDB, PCdoB, PDT, PRB, PR, PSC, PTC, PSL, PSD, PTB, PMN e PTN. Diante das circunstâncias, duas candidaturas despontam com potencial de fazer frente à grande coalização de apoio à situação: a chapa oposicionista, capitaneada pelo PSDB na figura do senador mineiro Aécio Neves e a chapa autodenominada de terceira via, composta pelo ex-situacionista PSB, notadamente pelo governador pernambucano Eduardo Campos, e por Marina Silva, terceira colocada nas últimas eleições presidenciais, e que fracassou na tentativa recente de criar o partido Rede Sustentabilidade. Nesse sentido, cabe apontar que os perfis conflitantes da aliança PSB/Rede - não podendo caracterizar o Rede como legenda por ainda não estar instituído como tal -, pois o grupo de Marina Silva nasceu com a premissa de abandono às práticas tradicionais de política, enquanto que o PSB, além de ser um dos partidos mais antigos do país, possui um histórico de militância conjunta com o PT. Ambas as legendas deverão administrar suas idiossincrasias no intuito de alinhar o discurso a fim impedir o potencial conflito, o que terminaria por inviabilizar a chapa, ou torná-la pouco competitiva. Para tanto, Marina Silva e Eduardo Campos firmaram primeiramente um entendimento sobre a montagem dos palanques estaduais assunto que provoca divergências entre o PSB e a Rede Sustentabilidade. Na eleição de 2010, Marina concorreu sem palanques fortes nos Estados, mas obteve bom desempenho nas regiões metropolitanas. A ideia, agora, é que ela utilize esta mesma força para tentar transferir seu prestígio eleitoral a Eduardo Campos, ainda pouco conhecido nacionalmente. Para isso, ela precisa se apresentar como o novo e não estar aliada a candidaturas tradicionais. Nesse sentido, fica clara a distinção de funções na chapa, enquanto Marina se apresenta como o novo e critica diretamente o Governo, Eduardo Campos atua na articulação política e cuida de não se indispor com os adversários, principalmente com o PT, partido de seu padrinho político, o ex-presidente Lula. Já no PSDB, beneficiado pelo anúncio de desistência do ex-governador José Serra (SP) da disputa préeleitoral, o senador e presidente da legenda, Aécio Neves aproveitou a oportunidade para tentar dar voz à oposição e lançou as bases da agenda que o partido vai propor para governar o Brasil entre 2015 e Com isso, espera-se que Aécio assuma o protagonismo do discurso oposicionista e comece a trabalhar sua imagem perante o eleitorado, uma vez que ele ainda não decolou nas pesquisas de opinião realizadas até o momento, mesmo com a diminuição da popularidade da presidente. Até as eleições, diversos fatores poderão influenciar diretamente o processo, como as citadas composições de palanques estaduais, a percepção da população sobre os principais candidatos e, até mesmo, a retomada das manifestações, no entanto, é certo que a situação, de posse da máquina estatal, larga muitos passos à frente. Assim, mantida a percepção de estabilidade econômica para as classes C e D, conforme se aparenta, a luta das duas principais candidaturas alternativas PSDB e PSB é por uma vaga em provável 2º turno.

11 CALENDÁRIO ELEITORAL No pleito de 2014, os seguintes cargos estarão em disputa: presidência da república; governo dos estados e do distrito federal; um terço do Senado Federal, deputados federais, distritais e estaduais. Nesse sentido, para melhor acompanhamento, segue calendário eleitoral com os principais andamentos do processo de outubro de 2013 à proclamação dos resultados finais do segundo turno, no final de outubro de OUTUBRO Data limite para registro dos partidos no TSE; para os candidatos definirem domicílio eleitoral e terem sua filiação deferida pelo partido, desde que o estatuto partidário não estabeleça prazo superior. NOVEMBRO 2013 Não há dispositivo relevante. DEZEMBRO 2013 Não há dispositivo relevante. JANEIRO 2014 Não há dispositivo relevante. FEVEREIRO 2014 Não há dispositivo relevante. MARÇO 2014 Não há dispositivo relevante ABRIL Data limite para desincompatibilização de cargos pelas seguintes autoridades: os ministros de estados; chefes de assessoramento direto, civil e militar da Presidência da República; magistrados; e presidentes, diretores e superintendentes de autarquias, empresas públicas, sociedades de economia mista e fundações públicas e as mantidas pelo poder público. MAIO Data a partir da qual é permitido ao postulante a candidatura a cargo eletivo realizar propaganda intrapartidária com vista à indicação de seu nome, vedado o uso de rádio, televisão e outdoor, observado o prazo de 15 dias que antecede a data definida pelo partido para a escolha dos candidatos JUNHO Data a partir da qual é permitida a realização de convenções destinadas a deliberação sobre coligações e à escolha de candidatos é vedado às emissoras de rádio e de televisão transmitir programa apresentado ou comentado por candidato escolhido em convenção. Último dia para fixação, por lei, dos limites de gastos de campanha para os cargos em disputa.

12 JULHO Data a partir da qual não será veiculada a propaganda partidária gratuita nem será permitido nenhum tipo de propaganda política paga no rádio e na televisão. Também não é permitido, durante a programação, realizar qualquer tipo de menção a candidato. Último dia para: os partidos políticos e coligações apresentarem no TSE, até as dezenove horas, o requerimento de registro de candidatos a presidente e vice-presidente da República; os partidos políticos e coligações apresentarem nos TER s, até as dezenove horas, o requerimento de registro de candidatos a governador e vice-governador, senador e respectivos suplentes, deputado federal, deputado estadual ou distrital. Data a partir da qual é vedado(a): 05 aos agentes públicos das esferas administrativas cujos cargos estejam em disputa na autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos federais e estaduais, ou das respectivas entidades da administração indireta, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral; fazer pronunciamento em cadeia de rádio e de televisão, fora do horário eleitoral gratuito, salvo quando, a critério da Justiça Eleitoral, tratar-se de matéria urgente, relevante e característica das funções de governo; a realização de inaugurações, a contratação de shows artísticos pagos com recursos públicos; a qualquer candidato comparecer a inaugurações de obras públicas. Data a partir da qual é permitido(a): 06 a propaganda eleitoral; fazer funcionar, das 8 às 22 horas, alto-falantes ou amplificadores de som, nas suas sedes ou em veículos; realizar comícios e utilizar aparelhagem de sonorização fixa, das 8 às 24 horas; a propaganda eleitoral na internet, vedada a veiculação de qualquer tipo de propaganda paga. 12 Último dia para os candidatos, escolhidos em convenção, requererem seus registros perante o Tribunal Superior Eleitoral e Tribunais Regionais Eleitorais, até às 19 horas, caso os partidos políticos ou as coligações não os tenham requerido. 14 Último dia para os partidos políticos constituírem os comitês financeiros, observado o prazo de 10 dias úteis após a escolha de seus candidatos em convenção. 19 Último dia para os partidos políticos registrarem os comitês financeiros, perante o TSE e TRE encarregados do registro dos candidatos, observado o prazo de 5 dias após a respectiva constituição. 28 Data a partir da qual os partidos políticos, os comitês financeiros e os candidatos poderão enviar à Justiça Eleitoral o primeiro relatório discriminado dos recursos em dinheiro ou estimáveis em dinheiro que tenham recebido para financiamento da campanha eleitoral e dos gastos que realizarem.

13 AGOSTO Último dia para que os partidos políticos, os comitês financeiros e os candidatos enviem à Justiça Eleitoral o primeiro relatório discriminado dos recursos em dinheiro ou estimáveis em dinheiro que tenham recebido para financiamento da campanha eleitoral e dos gastos que realizarem. Último dia para o partido político ou coligação comunicar à Justiça Eleitoral as anulações de deliberações decorrentes de convenção partidária. Data em que será divulgado, pela rede mundial de computadores (internet), em sítio criado pela Justiça Eleitoral para esse fim, o primeiro relatório discriminado dos recursos em dinheiro ou estimáveis em dinheiro recebidos pelos partidos políticos, pelos comitês financeiros e pelos candidatos, para financiamento da campanha eleitoral e dos gastos realizados; 06 Último dia para: os órgãos de direção dos partidos políticos preencherem as vagas remanescentes para as eleições proporcionais, observados os percentuais mínimo e máximo para candidaturas de cada sexo, no caso de as convenções para a escolha de candidatos não terem indicado o número máximo; o pedido de registro de candidatura às eleições proporcionais, na hipótese de substituição, observado o prazo de até 10 dias, contados do fato ou da decisão judicial que deu origem à substituição. 19 Início do período da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão Data em que todos os pedidos de registro de candidatos a governador, vice-governador, senador, suplentes e deputados federais, estaduais e distritais deverão estar julgados pelos TRE s e publicados e os pedidos de registro de candidatos a presidente e vice-presidente da República deverão estar julgados pelo TSE e publicados. Data a partir da qual os partidos políticos, os comitês financeiros e os candidatos poderão enviar à Justiça Eleitoral o segundo relatório discriminado dos recursos em dinheiro ou estimáveis em dinheiro que tenham recebido para financiamento da campanha eleitoral e dos gastos que realizarem. SETEMBRO Último dia para que os partidos políticos, os comitês financeiros e os candidatos enviem à Justiça Eleitoral o segundo relatório discriminado dos recursos em dinheiro ou estimáveis em dinheiro que tenham recebido para financiamento da campanha eleitoral e dos gastos que realizarem. Data em que será divulgado, pela rede mundial de computadores (internet), em sítio criado pela Justiça Eleitoral para esse fim, o segundo relatório discriminado dos recursos em dinheiro ou estimáveis em dinheiro recebidos pelos partidos políticos, pelos comitês financeiros e pelos candidatos, para financiamento da campanha eleitoral e dos gastos realizados.

14 OUTUBRO 2013 Último dia para: 02 divulgação da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão; propaganda política mediante reuniões públicas ou promoção de comícios e utilização de aparelhagem de sonorização fixa, entre as 8 e as 24 horas; realização de debate no rádio e na televisão, admitida a extensão do debate cuja transmissão se inicie nesta data e se estenda até as 7 horas do dia 3 de outubro de Último dia para a divulgação paga, na imprensa escrita, e a reprodução na internet do jornal impresso, de propaganda eleitoral. Último dia para: 04 a propaganda eleitoral mediante alto-falantes ou amplificadores de som, entre as 8 e as 22 horas; para, até as 22 horas, a distribuição de material gráfico e a promoção de caminhada, carreata, passeata ou carro de som que transite pela cidade divulgando jingles ou mensagens de candidatos. DIA DAS ELEIÇÕES PRIMEIRO TURNO Último dia para: 05 o partido político requerer o cancelamento do registro do candidato que dele for expulso, em processo no qual seja assegurada a ampla defesa, com observância das normas estatutárias; candidatos e comitês financeiros arrecadarem recursos e contraírem obrigações, ressalvada a hipótese de arrecadação com o fim exclusivo de quitação de despesas já contraídas e não pagas até esta data. Data a partir da qualdecorrido o prazo de 24 horas do encerramento da votação (17 horas no horário local): 06 é possível fazer propaganda eleitoral para o segundo turno; será permitida a propaganda eleitoral para o segundo turno mediante alto-falantes ou amplificadores de som, entre as 8 e as 22 horas, bem como a promoção de comício ou utilização de aparelhagem de sonorização fixa, entre as 8 e as 24 horas; será permitida a promoção de carreata e distribuição de material de propaganda política para o segundo turno. 09 Último dia para os TER s e o TSE divulgarem, respectivamente, o resultado provisório da eleição para governador e vice-governador de Estado e do Distrito Federal e o resultado provisório da eleição para presidente e vice-presidente da República. 10 Data limite para o início do período de propaganda eleitoral gratuita, no rádio e na televisão, relativa ao segundo turno, observado o prazo final para a divulgação do resultado das eleições.

15 OUTUBRO Último dia para propaganda política mediante reuniões públicas ou promoção de comícios. Último dia para: 24 divulgação da propaganda eleitoral gratuita do segundo turno no rádio e na televisão; divulgação paga, na imprensa escrita, de propaganda eleitoral do segundo turno; a realização de debate, não podendo estender-se além do horário de meia-noite. Último dia para: 25 a propaganda eleitoral mediante alto-falantes ou amplificadores de som, entre as 8 e as 22 horas; a distribuição de material gráfico e a promoção de caminhada, carreata, passeata ou carro de som que transite pela cidade divulgando jingles ou mensagens de candidatos. 26 DIA DA ELEIÇÃO SEGUNDO TURNO 31 Último dia para o Tribunal Superior Eleitoral divulgar o resultado da eleição para presidente e vice-presidente da República, na hipótese de segundo turno.

16

AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA. Abril/2013

AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA. Abril/2013 AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA Abril/2013 Cenário Político 2 A conjuntura política brasileira aponta uma antecipação dos debates em torno da eleição presidencial de 2014,

Leia mais

Relatório de Análise de Mídia Clipping Senado Federal e Congresso Nacional

Relatório de Análise de Mídia Clipping Senado Federal e Congresso Nacional Relatório de Análise de Mídia Clipping Senado Federal e Congresso Nacional Noticiário de fevereiro de 2013 Brasília, março de 2013 SECRETARIA DE TRANSPARÊNCIA Conteúdo 1. Análise de notícias... 3 2. Pré-sal...

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 03 de outubro de 2011 ESTADO DE MINAS

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 03 de outubro de 2011 ESTADO DE MINAS ESTADO DE MINAS 1 2 ESTADO DE MINAS 3 ESTADO DE MINAS http://www.em.com.br PSD de Kassab mira 'órfãos' do PMDB quercista O PSD obteve registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na terça-feira e corre

Leia mais

REGISTRO DE CANDIDATO

REGISTRO DE CANDIDATO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL - Constituição Federal - Código Eleitoral (Lei n. 4737/65) - Lei n. 9.504/97 (Lei das Eleições) - Lei Complementar n. 64/90 (Lei das Inelegibilidades) DISPOSIÇÕES GERAIS REGISTRO DE

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 20, DE 2015

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 20, DE 2015 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 20, DE 2015 QUESTÕES FEDERATIVAS EM DEBATE NO SENADO EM 2015 Marcos Mendes 1 Diversas matérias que afetam as relações fiscais federativas estão em tramitação no Congresso Nacional,

Leia mais

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 770 AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Tiago Valenciano Mestrando do Programa de

Leia mais

Datafolha, propaganda e eleitores nos estados

Datafolha, propaganda e eleitores nos estados Datafolha, propaganda e eleitores nos estados 23 de agosto de 2010 1. Vitória de Dilma no 1º turno Bastou uma semana de horário eleitoral gratuito em rádio e televisão ao lado do presidente Lula para Dilma

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças

Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças Aline Bruno Soares Rio de Janeiro, julho de 2010. Desde seu início, o ano de 2010 tem se mostrado marcante em relação

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 01.06.2015

C L I P P I N G DATA: 01.06.2015 C L I P P I N G DATA: 01.06.2015 Dívidas de Agnelo serão pagas pela ordem cronológica Para atender à lei, governo reformula cronograma para quitar débitos com mais de 900 fornecedores. Um questionamento

Leia mais

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações:

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações: Senado Federal Comissão da Reforma Política TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR a) Redução de dois suplentes de Senador para um; b) Em caso de afastamento o suplente assume; em

Leia mais

Temas relevantes da agenda federativa

Temas relevantes da agenda federativa Relatório produzido nos termos do Acordo de Cooperação Técnica firmado entre o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e a Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, 2011.

Leia mais

Você está recebendo a Cartilha Eleitoral 2014, elaborada pela Abert para orientar a conduta do radiodifusor durante o período eleitoral.

Você está recebendo a Cartilha Eleitoral 2014, elaborada pela Abert para orientar a conduta do radiodifusor durante o período eleitoral. Cartilha Eleitoral 2014 Caro Associado da ABERT, Você está recebendo a Cartilha Eleitoral 2014, elaborada pela Abert para orientar a conduta do radiodifusor durante o período eleitoral. O desconhecimento

Leia mais

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO educação para o trabalho Equipe Linha Direta DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO Evento realizado na CNI apresentou as demandas da indústria brasileira aos principais candidatos à Presidência da República Historicamente

Leia mais

Processo Legislativo

Processo Legislativo Processo Legislativo Os Projetos de Lei Ordinária e de Lei Complementar são proposições que visam regular toda a matéria legislativa de competência da Câmara e devem ser submetidos à sanção do prefeito

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 441, de 2012, do Senador Romero Jucá, que altera a redação dos art. 8º,

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff Homero de Oliveira Costa Revista Jurídica Consulex, Ano XV n. 335, 01/Janeiro/2011 Brasília DF A reforma política, entendida como o conjunto

Leia mais

PROPAGANDA ELEITORAL

PROPAGANDA ELEITORAL O que é Propaganda Eleitoral? A partir de quando pode ocorrer a propaganda eleitoral? Pode ser realizada propaganda eleitoral em língua estrangeira? Quais os tipos de propaganda eleitoral permitidos? A

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INTENÇÃO DE VOTO EM MINAS GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2014

AVALIAÇÃO DA INTENÇÃO DE VOTO EM MINAS GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2014 AVALIAÇÃO DA INTENÇÃO DE VOTO EM MINAS GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2014 MINAS GERAIS JUNHO DE 2014 REGISTRO TSE: MG 00048/2014 REGISTRO TSE: BR 00188/2014 INTRODUÇÃO Este relatório contém os resultados de

Leia mais

CARTILHA DO ORÇAMENTO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

CARTILHA DO ORÇAMENTO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS CARTILHA DO ORÇAMENTO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Sumário - Apresentação... 3 -As três leis básicas... 3 - Como é elaborado o orçamento da União?... 3 Prazos... 4 Esferas... 4 - Quem é responsável pela elaboração

Leia mais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Em ano de eleições municipais é importante estar atento ao calendário eleitoral 2012 para as eleições municipais. O Tribunal Superior Eleitoral/TSE divulgou

Leia mais

Deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) Discurso em 28/10

Deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) Discurso em 28/10 Diretor: José Francisco de Jesus Pantoja Pereira Gerente de Relações Institucionais: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista Legislativa: Claudia Fernanda Silva Almeida Assistente Administrativa: Quênia

Leia mais

O SISTEMA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL - SISAN

O SISTEMA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL - SISAN O SISTEMA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL - SISAN ROBERTA MARINS DE SÁ - CAISAN O que é o SISAN? É um sistema em construção, que tem por objetivos formular e implementar políticas e planos

Leia mais

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Módulo - 4 FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Sob pena de rejeição das contas a arrecadação de recursos e os gastos por candidatos, inclusive dos seus vices e

Leia mais

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 Propaganda Eleitoral 85 Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.089 INSTRUÇÃO N 126 - CLASSE 19ª - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL.

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.089 INSTRUÇÃO N 126 - CLASSE 19ª - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.089 INSTRUÇÃO N 126 - CLASSE 19ª - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. CALENDÁRIO ELEITORAL (Eleições de 2010) O Tribunal Superior

Leia mais

FINANCIAMENTO PÚBLICO OU PRIVADO PARA AS CAMPANHAS

FINANCIAMENTO PÚBLICO OU PRIVADO PARA AS CAMPANHAS FINANCIAMENTO PÚBLICO OU PRIVADO PARA AS CAMPANHAS ELEITORAIS? ADRIANA CUOCO PORTUGAL 1 (30/01/2012) A interferência do poder econômico nos rumos políticos de um país tem sido uma fonte de constante preocupação

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEI Nº 11.300, DE 10 DE MAIO DE 2006 Dispõe sobre propaganda, financiamento e prestação de contas das despesas com campanhas eleitorais, alterando a Lei n o 9.504, de 30

Leia mais

O QUE PODERÁ OCORRER NA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL DE 2014?

O QUE PODERÁ OCORRER NA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL DE 2014? 16 O QUE PODERÁ OCORRER NA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL DE 2014? Adriano Oliveira Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) adrianopolitica@uol.com.br Resumo: Este artigo tem os objetivos de desenvolver uma análise

Leia mais

Temas relevantes da agenda federativa Agosto de 2012

Temas relevantes da agenda federativa Agosto de 2012 Relatório produzido nos termos do Acordo de Cooperação Técnica firmado entre o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e a Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, 2011.

Leia mais

Principais eixos de mudanças na Reforma Tributária e Partes

Principais eixos de mudanças na Reforma Tributária e Partes Reforma Tributária Principais eixos de mudanças na Reforma Tributária e Partes A proposta estáorganizada em quatro linhas e inclui mudanças estruturais e incrementais: ICMS: redução na alíquota interestadual,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Substitutivo da Câmara dos Deputados ao Projeto de Lei do Senado nº 441, de 2012 (nº 6.397, de 2013, na Câmara dos Deputados),

Leia mais

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles)

REQUERIMENTO nº, de 2015. (Do Sr. Carlos Melles) REQUERIMENTO nº, de 2015 (Do Sr. Carlos Melles) Requer a Convocação de Sessão Solene em 2016, em Homenagem ao vigésimo aniversário da Lei que criou o SIMPLES no Brasil. Senhor Presidente, Representando

Leia mais

democracia Política em debate Política em debate

democracia Política em debate Política em debate democracia Política em debate Política em debate Às vésperas das eleições, cresce o debate em torno de temas como financiamento de campanha, reeleição, mandato único, fidelidade partidária e combate à

Leia mais

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE ART. 1, 1 da Constituição Federal de 88: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. Voto consciente:

Leia mais

BRASIL EM FOCO. Análises & Comentários

BRASIL EM FOCO. Análises & Comentários Análises & Comentários Humberto Dantas Reforma Política - novos capítulos em maré de incertezas Não é mais novidade para qualquer brasileiro interessado em política o ativismo do parlamento que tomou posse

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBÁ GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBÁ GABINETE DO PREFEITO REGULAMENTO Nº 01, DE 30 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre normas e procedimentos administrativos a serem observados por servidores da Administração Pública Municipal candidatos ou não a cargos eletivos em

Leia mais

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos.

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. META 4 LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. EXERCÍCIO 1. (FGV - 2008 - Senado Federal - Policial Legislativo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GOVERNO DESEMPENHO PESSOAL DA PRESIDENTE

AVALIAÇÃO DO GOVERNO DESEMPENHO PESSOAL DA PRESIDENTE Resultados da 128ª Pesquisa CNT/MDA Brasília, 21/07/2015 A 128ª Pesquisa CNT/MDA, realizada de 12 a 16 de julho de 2015 e divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), mostra a avaliação dos

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO RADIODIFUSÃO

BOLETIM INFORMATIVO RADIODIFUSÃO 27.12.2013 NÚMERO 14 BOLETIM INFORMATIVO RADIODIFUSÃO Aberta consulta pública sobre direitos autorais Matérias de especial interesse Aberta consulta pública sobre direitos autorais Desoneração da folha

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.579. INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.579. INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.579 INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Ari Pargendler. CALENDÁRIO ELEITORAL (Eleições de 2008) O Tribunal Superior Eleitoral, usando das atribuições

Leia mais

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato 1 Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato Estudos Técnicos CNM Introdução Em decorrência da surpresa dos dirigentes municipais com a atual dificuldade financeira vivida pelos

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL...

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL... Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 CAPÍTULO 1 DIREITO ELEITORAL... 21 1.1. Conceito...21 1.1.1. Competência legislativa em

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA JUNHO DE 2007 Dados Técnicos Pesquisa Pesquisa de opinião pública nacional Universo Eleitores e potenciais eleitores brasileiros que

Leia mais

BRASIL: CENARIOS ELEITORAL E ECONÔMICO

BRASIL: CENARIOS ELEITORAL E ECONÔMICO BRASIL: CENARIOS ELEITORAL E ECONÔMICO 1 Brasil 3 Panorama Geral Mercado atento às pesquisas eleitorais. Mostram a candidata Dilma Rousseff em torno de 38/40%, Aécio Neves 20/22% e Eduardo Campos 8/10%.

Leia mais

Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados

Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados Fonte: Dr. Richard Dotoli (sócio do setor tributário na SCA Rio de Janeiro) MEDIDA DO CONFAZ Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados 01.05.2013 A ação requer que indústrias importadoras

Leia mais

Pode. Alto-falantes ou amplificadores de som. Pode

Pode. Alto-falantes ou amplificadores de som. Pode O Tribunal Superior Eleitoral publicou a Resolução nº 23.404/14, com as regras sobre propaganda eleitoral a serem seguidas nas eleições de 2014. Estão relacionados abaixo os tipos de propaganda mais comuns

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

Empresas recuperam em contratos até 39 vezes o valor doado a políticos Seg, 30 de Março de 2015 12:52

Empresas recuperam em contratos até 39 vezes o valor doado a políticos Seg, 30 de Março de 2015 12:52 É política de boa vizinhança. Evidentemente quando você apoia um partido ou um candidato, no futuro eles vão procurar ajudá-lo, afirmou o empresário Cristiano Kok, da empreiteira Engevix, em entrevista

Leia mais

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO Em resposta à questão de ordem apresentada pelo Senador

Leia mais

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados,

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, encontra-se em curso, no Congresso Nacional, uma proposta de reforma que aborda questões consideradas

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 CAMPANHA ELEITORAL

ELEIÇÕES 2012 CAMPANHA ELEITORAL 2S SOLUÇÕES pode e não pode Elaboração: Victor Ferreira João de Oliveira 2 COMÍCIOS E REUNIÕES PÚBLICAS Tradicional forma de arregimentação de pessoas para difundir a proposta do candidato, partido ou

Leia mais

Gilmar Mendes perde e STF veta doação de empresas Sex, 18 de Setembro de 2015 11:13

Gilmar Mendes perde e STF veta doação de empresas Sex, 18 de Setembro de 2015 11:13 Até Maradona coraria. Teve a mão de Deus, disse o ministro Gilmar Mendes na quarta 16 ao defender seu longo pedido de vista, de um ano e cinco meses, no julgamento do Supremo Tribunal Federal que analisa

Leia mais

MANTEGA ANUNCIA REDUÇÃO DE ICMS INTERESTADUAL

MANTEGA ANUNCIA REDUÇÃO DE ICMS INTERESTADUAL MANTEGA ANUNCIA REDUÇÃO DE ICMS INTERESTADUAL A unificação das alíquotas do ICMS para acabar com a guerra fiscal será gradual e levará oito anos, anunciou nesta quarta-feira (7/11) o ministro da Fazenda,

Leia mais

PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados. PROGRAMA: 0551 - Atuação Legislativa do Senado Federal

PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados. PROGRAMA: 0551 - Atuação Legislativa do Senado Federal PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados 3.172.280 9.772.013 Despesas Correntes 2.964.653 9.031.347 Despesas de Capital 207.627 740.666 3.172.280 12.944.292 9.772.013 PROGRAMA: 0551

Leia mais

Anexo II - Programas de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado

Anexo II - Programas de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado Anexo II - Programas de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados 3.185.780 9.806.513 Despesas Correntes 2.978.153 9.065.847 Despesas de Capital

Leia mais

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97 268 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

Leia mais

agente público nas eleições de 2014 o que pode e o que não pode

agente público nas eleições de 2014 o que pode e o que não pode agente público nas eleições de 2014 o que pode e o que não pode Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Fundação Prefeito Faria Lima Cepam Centro de Estudos

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 10 milhões de negócios formais (99%) e 9 milhões de informais 56,1% da força de trabalho que atua no setor formal urbano 26% da massa salarial 20% do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Nenhum ato legislativo contrário à Constituição pode ser válido (...). A presunção natural, à falta de norma expressa, não pode ser

Leia mais

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008. Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho

A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008. Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008 Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho Propaganda Institucional Definição: é a publicidade destinada a divulgar os atos, programas, obras,

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

A Semana no Congresso Nacional

A Semana no Congresso Nacional A Semana no Congresso Nacional Brasília, 10/08/2015 CÂMARA Câmara instalará seis comissões mistas para analisar MPs Relator da CPI do BNDES apresentará plano de trabalho Comissão de Finanças e Tributação

Leia mais

Intenção de voto para presidente da República PO813749. www.datafolha.com.br

Intenção de voto para presidente da República PO813749. www.datafolha.com.br Intenção de voto para presidente da República PO813749 01 e 02/07/2014 INTENÇÃO DE VOTO PARA PRESIDENTE JULHO DE 2014 EM MÊS MARCADO POR COPA, DILMA RECUPERA PREFERÊNCIA DE ELEITORES Queda nos votos em

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL Natal/RN, 05 de dezembro de 2011. APRESENTAÇÃO

Leia mais

Palestra: Prestação de Contas Eleitoral. Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT

Palestra: Prestação de Contas Eleitoral. Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT Palestra: Prestação de Contas Eleitoral Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Lei n. 9.504, de 30 de setembro de 1997: - Código Eleitoral (dispõe normas para eleição). Lei

Leia mais

TEMAS DA REFORMA POLÍTICA

TEMAS DA REFORMA POLÍTICA TEMAS DA REFORMA POLÍTICA 1 Sistemas Eleitorais 1.1 Sistema majoritário. 1.2 Sistema proporcional 1.2 Sistema misto 2 - Financiamento eleitoral e partidário 3- Suplência de senador 4- Filiação partidária

Leia mais

II - Locação de Imóveis: a) 33903615 - Locação de Imóveis b) 33903910 - Locação de Imóveis

II - Locação de Imóveis: a) 33903615 - Locação de Imóveis b) 33903910 - Locação de Imóveis PORTARIA N o 172, DE 27 DE MAIO DE 2015 O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do Parágrafo único do art. 87, da Constituição Federal,

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA

O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997 Estabelece normas para as eleições. O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Prestação de Contas Eleitoral Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Janeiro de 2006 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DA PRESTAÇÃO DE CONTAS PARA AS ELEIÇÕES DE 2006 Trata-se de um tema revestido

Leia mais

Proposta de Reforma do ICMS. Nelson Barbosa 11 Dezembro de 2012

Proposta de Reforma do ICMS. Nelson Barbosa 11 Dezembro de 2012 Proposta de Reforma do ICMS Nelson Barbosa 11 Dezembro de 2012 1 Por que a reforma? A guerra fiscal se esgotou A incerteza jurídica sobre os incentivos do ICMS já prejudica realização de novos investimentos

Leia mais

expert PDF Trial Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Setembro 2014 Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP

expert PDF Trial Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Setembro 2014 Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP Palestra Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP Prestação de Contas Eleitorais A reprodução total ou parcial, bem como a reprodução de apostilas a partir

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO

CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO LÚCIO REINER Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política História, Relações Internacionais FEVEREIRO/2000 2 2000 Câmara

Leia mais

Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior

Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior Teste 1 1. ( ) É competência da Mesa da Câmara dos Deputados a decisão de reunião dessa Casa fora do Palácio do Congresso Nacional,

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

SINTONIA ENTRE OS ÓRGÃOS? A RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO EXECUTIVA NACIONAL E CONSELHO NACIONAL NO PMDB, PFL/DEM E PSDB

SINTONIA ENTRE OS ÓRGÃOS? A RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO EXECUTIVA NACIONAL E CONSELHO NACIONAL NO PMDB, PFL/DEM E PSDB SINTONIA ENTRE OS ÓRGÃOS? A RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO EXECUTIVA NACIONAL E CONSELHO NACIONAL NO PMDB, PFL/DEM E PSDB Brina Deponte Leveguen 1 RESUMO: O trabalho tem como objeto de estudo os órgãos de cúpula,

Leia mais

Entendendo a Reforma Política no Brasil

Entendendo a Reforma Política no Brasil Entendendo a Reforma Política no Brasil 1- Introdução As manifestações de junho de 2013 trouxeram a tona o questionamento da representatividade do sistema político e eleitoral brasileiro, mostrando a necessidade

Leia mais

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO GESTÃO TRIBUTÁRIA NOTÍCIAS - 2013 Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO A presidente Dilma Rousseff sancionou o projeto de lei de conversão resultante

Leia mais

Guia de Reforma Política

Guia de Reforma Política Guia de Reforma Política Guia de Reforma Política - 2 de 13 O que os partidos querem com a Reforma Política e a proposta do Movimento Liberal Acorda Brasil O Movimento Liberal Acorda Brasil avaliou as

Leia mais

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CANDIDATOS A PREFEITOS E PREFEITAS MUNICIPAIS Pleito Eleitoral 2012 PROPOSTAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PROMOÇÃO

Leia mais

Resultados da 112ª Pesquisa CNT de Opinião

Resultados da 112ª Pesquisa CNT de Opinião Resultados da 112ª Pesquisa CNT de Opinião Brasília, 03/08/2012 A 112ª Pesquisa CNT de Opinião, realizada de 18 a 26 de Julho de 2012 e divulgada hoje (03 de Agosto de 2012) pela Confederação Nacional

Leia mais

1. As eleições do PEDEX 2011 serão realizadas em todo o Paraná no dia 28 de agosto de 2011 das 9 às 17 horas.

1. As eleições do PEDEX 2011 serão realizadas em todo o Paraná no dia 28 de agosto de 2011 das 9 às 17 horas. ORIENTAÇÕES AOS MUNICÍPIOS, SOBRE O PEDEX 2011 PROCESSO DE ELEIÇÕES DIRETAS EXTRAORDINÁRIAS 2011 I- NORMAS GERAIS DAS ELEIÇÕES 1. As eleições do PEDEX 2011 serão realizadas em todo o Paraná no dia 28 de

Leia mais

Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura

Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura Fonte: O Globo 'Ficam dizendo que vou sair de novo' Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura Fernanda da Escóssia, Germano Oliveira,

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

PROJETO DE LEI. Autoriza a criação da empresa pública Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. - CEITEC.

PROJETO DE LEI. Autoriza a criação da empresa pública Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. - CEITEC. PROJETO DE LEI Autoriza a criação da empresa pública Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. - CEITEC. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Fica a União autorizada a criar empresa

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

SEÇÃO I: PROGRESSOS NA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÔES

SEÇÃO I: PROGRESSOS NA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÔES MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO SEÇÃO I: PROGRESSOS NA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÔES A. PRIMEIRA RODADA DE ANÁLISE 1.1. (a) Levando em consideração

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

Diretrizes de Cobertura Jornalística

Diretrizes de Cobertura Jornalística Introdução As eleições 2014 marcam a quarta cobertura eleitoral da Empresa Brasil de Comunicação - EBC. Desde a primeira eleição, a EBC divulga para seus funcionários e para o público em geral um Manual

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 1, DE 2002-CN(*)

R E S O L U Ç Ã O Nº 1, DE 2002-CN(*) REPUBLICAÇÃO ATOS DO CONGRESSO NACIONAL R E S O L U Ç Ã O Nº 1, DE 2002-CN(*) Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ramez Tebet, Presidente do Senado Federal, nos termos do parágrafo único

Leia mais

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM Cartilha VOTE VOTE BEM CONSCIENTE O mês de outubro marca a escolha de quem estará, durante os próximos anos, à frente do poder no Brasil. É um dos momentos mais significativos, pois é a hora de o brasileiro

Leia mais

Perspectivas para o Governo Dilma São Paulo, 29 de junho de 2012

Perspectivas para o Governo Dilma São Paulo, 29 de junho de 2012 Perspectivas para o Governo Dilma São Paulo, 29 de junho de 2012 www.institutoanalise.com alberto.almeida@institutoanalise.com O principal resultado do funcionamento de nossas instituições políticas: a

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze)

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) *C0051416A* C0051416A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) Institui isenção da contribuição para o PIS/PASEP, COFINS e CIDE- Combustíveis incidente sobre o óleo

Leia mais