PLANO DE TRABALHO E PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE TRABALHO E PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA"

Transcrição

1 2008 PLANO DE TRABALHO E PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS

2

3 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 ESTRUTURAS DA FECAM... CONSELHO EXECUTIVO... CONSELHO FISCAL/TITULARES... CONSELHO FISCAL/SUPLENTES... CONSELHO DELIBERATIVO... EQUIPE TÉCNICA RESOLUÇÃO Nº 008/ LINHAS GERAIS DE AÇÃO DA FECAM Programa 1: Consolidação da representatividade político-institucional das entidades municipalistas... Programa 2: Modernização da gestão pública municipal... Programa 3: Gestão da informação e desenvolvimento tecnológico... Programa 4: Qualificação dos agentes públicos municipais... Programa 5: Promoção e planejamento para o desenvolvimento regional... Programa 6: Aprimoramento da gestão administrativa da FECAM RESOLUÇÃO Nº 009/

4

5 APRESENTAÇÃO O Plano de Trabalho de 2008 da FECAM apresenta o direcionamento estratégico da entidade visando cumprir com suas obrigações estatutárias. Após analisar a conjuntura de atuação dos municípios e da própria entidade, foi definida a manutenção dos seis programas formulados em planejamento conjunto da equipe técnica da FECAM, com as associações de municípios, Conselho Executivo, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal. O Plano contempla ações estratégicas, segmentadas por programas, nas áreas de representatividade POLÍTICO-INSTITUCIONAL, MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA, GESTÃO DA INFORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO, QUALIFICAÇÃO DOS AGENTES PÚBLICOS, PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E APRIMORAMENTO DA GESTÃO ADMINISTRATIVA DA FECAM. Para cada programa, foram revisados e atualizados os projetos que ainda permanecem como estratégicos para os objetivos da FECAM e de seus associados. Além destes, foram elaborados novos projetos que buscam atender as demandas e adequar a entidade às novas conjunturas que afetam os municípios e as Prefeituras Municipais. As ações demonstradas neste Plano de Trabalho serão viabilizadas com recursos de contribuições municipais, convênios e de serviços executados, de acordo com a Proposta Orçamentária para o exercício de Cabe destacar, que o trabalho contará com a colaboração efetiva de duas novas instituições, a Escola de Gestão Pública Municipal EGEM, criada e instalada em 2007 pela FECAM e pelas vinte associações de municípios e o Consórcio de Informática na Gestão Pública Municipal CIGA, que deverá operar no início de A seguir são apresentados os programas, projetos e ações que irão orientar e pautar a atuação das áreas da Federação ao longo de Este documento, aprovado no final de novembro de 2007, na cidade de Penha, pelos conselhos, pelos secretários executivos e membros do conselho de administração da EGEM, será um instrumento de acompanhamento, controle e avaliação da atuação da Federação, visando a máxima efetividade no cumprimento dos objetivos previstos no Estatuto Social. Florianópolis/SC, 29 de novembro de JOSÉ MILTON SCHEFFER CELSO VEDANA Prefeito de Sombrio Diretor Executivo da FECAM Presidente da FECAM 5

6

7 ESTRUTURA CONSELHO EXECUTIVO Presidente 1º Vice-presidente 2º Vice-presidente 3º Vice-presidente 1º Secretário 2º Secretário José Milton Scheffer Anísio Anatólio Soares Neodi Saretta Dávio Leu Saulo Sperotto Jair José Farias Prefeito de Sombrio Prefeito de Governador Celso Ramos Prefeito de Concórdia Prefeito de Massaranduba Prefeito de Caçador Prefeito de Bom Retiro Ênio Reckziegel Danúncio Adriano B. e Silva Adilson Schmitt João Romão Hugo Lembeck José Roberto Martins Mauro de Nadal Ivo Gelbke CONSELHO FISCAL Titulares Prefeito de Paraíso AMEOSC Prefeito de São Domingos AMAI Prefeito de Gaspar - AMMVI Prefeito de Garuva AMUNESC Prefeito de Salete AMAVI Prefeito de Imbituba AMUREL Prefeito de Cunha Porã AMERIOS Prefeito de Itaiópolis AMPLANORTE Nilvo Dorini Leonel José Martins Rogério José Frigo Volcir Canuto Elio Pedro Hoss Godoy Eli Mariott CONSELHO FISCAL Suplentes Prefeito de Capinzal AMMOC Prefeito de Balneário Piçarras AMFRI Prefeito de Nova Veneza AMREC Prefeito de Brunópolis AMPLASC Prefeito de São Carlos AMOSC Prefeito de Novo Horizonte - AMNOROESTE 7

8 ESTRUTURA CONSELHO DELIBERATIVO AMAI Edson Vizolli Prefeito de Faxinal dos Guedes AMARP Wanderley Theodoro Agostini Prefeito de Curitibanos AMAUC Osmar Devanoski Prefeito de Xavantina AMAVI José Goetten de Lima Prefeito de Taió AMEOSC Salete T. G. Gonçalves Prefeito de Dionísio Cerqueira AMERIOS Imílio Ávila Prefeito de Modelo AMESC Nailor Biava Prefeita de Timbé do Sul AMFRI Albert Stadler Prefeito de Porto Belo AMMOC AMMVI AMNOROESTE AMOSC AMPLANORTE AMPLASC AMREC AMUNESC Maria Carlesso Doré Ércio Kriek Ivo José Ludwig Anecleto Galon Sirineu Ratochinski José Alciomar de Matia Nestor Sprícigo Fernando Mallon Prefeito de Luzerna Prefeito de Pomerode Prefeito de São Bernardino Prefeito de Pinhalzinho Prefeito de Monte Castelo Prefeito de Celso Ramos Prefeito de Lauro Müller Prefeito de São Bento do Sul AMUREL Gabriel Bianchet Prefeito de Armazém AMURES Antônio Coelho Lopes Júnior Prefeito de Capão Alto AMVALI Felipe Voigt Prefeito de Schroeder GRANFPOLIS Fernando Melquíades Elias Prefeito de São José 8

9 EQUIPE GESTÃO EXECUTIVA Celso Vedana - Diretor Executivo Coordenação dos programas, projetos, ações estratégicas e gestão da entidade Giane Jacques Antunes Severo Assessora Administrativa Assessoria na gestão, agendamentos, relacionamento e atendimentos diversos da FECAM Raquel Dias Recepcionista Atendimento ao público Maria de Almeida - Serviços Gerais COORDENAÇÃO DE COMUNICAÇÃO Dayane Nunes Assessora de Comunicação/Jornalista Assessoria de imprensa, atualização do portal da FECAM, contato com assessorias de imprensa das associações microrregionais e coordenação e produção de informativos, artigos, revistas e demais produtos de comunicação. COORDENAÇÃO CONTÁBIL E FINANCEIRA Rodrigo Giácomo Guesser Assessor Contábil Consultoria contábil, execução orçamentária da FECAM e relacionamento com colegiados e com órgãos parceiros. COORDENAÇÃO DO CENTRO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (CTI) Emerson Souto Coordenador do CTI Coordenação de planejamento e projetos, supervisor da RedeCIM e responsável pelo planejamento e implementação de ferramentas eletrônicas de comunicação interna e externa. Gustavo Zepka Medeiros Gerente da Rede Catarinense de Informações Municipais (RedeCIM) Responsável pelo atendimento e suporte de conteúdo aos municípios e associações integrantes da RedeCIM Luiz Paulo Schlischting Técnico de Informática Gerenciamento da rede interna da FECAM, desenvolvimento de sistemas e suporte tecnológico aos municípios e associações. COORDENAÇÃO DE INFORMÁTICA Anelise Schwengber Analista de Sistemas André Almeida - Programador Leandro André Zis Programador 9

10 EQUIPE CONSULTORIAS ESPECIALIZADAS Edinando Brustolin - Assessor Jurídico Coordenador do setor de consultorias e orientações técnicas. Marcos Fey Probst - Assessor Jurídico Consultoria e orientações. Rolando Nunes Córdova - Assessor de Meio Ambiente e Agricultura Consultoria e assessoria. CONSULTORIAS TERCEIRIZADAS Dr. Joel Menezes Niehbur Consultor jurídico Lucas Lopes do Santos Analista de Sistemas Gilberto Brasil Consultor Contábil COORDENAÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DOS AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS Escola de Gestão Pública Municipal - EGEM Celso Vedana Diretor Geral Coordenação, supervisão geral e gestão administrativa da EGEM. Ariane de Campos Angioletti Assessora Técnica Responsável pela execução dos eventos, cursos e treinamentos de formação de agentes políticos e técnicos municipais. Raquel Pedroso Rodrigues - Estagiária em Turismo e Hotelaria Auxílio na execução dos eventos, cursos e treinamento. 10

11 RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº 008/2007 O Presidente da Federação Catarinense de Municípios FECAM, JOSÉ MILTON SCHEFFER, autorizado pelos Conselhos Executivo e Deliberativo da entidade e atendendo ao disposto nos arts. 16 e 31, II, b do Estatuto Social, RESOLVE: Art. 1º - Homologar ad referendum da Assembléia Geral, a Proposta Orçamentária e o Plano de Trabalho para o exercício de 2008, o qual define as linhas de ação, programas, projetos e as estratégias da entidade, estima o valor da receita e fixa a despesa em R$ ,00 (três milhões setecentos e oitenta mil reais). Art. 7º - Esta Resolução vigorará a partir de 1º de Janeiro de 2008, revogadas as disposições em contrário. Florianópolis/SC, 29 de novembro de JOSÉ MILTON SCHEFFER Prefeito de Sombrio Presidente da FECAM 11

12 AÇÕES LINHAS GERAIS DE AÇÃO DA FECAM O planejamento da FECAM para o exercício de 2008 visa consolidar o compromisso da atual gestão, de aproximar as entidades de representação dos municípios catarinenses, representados pela Federação Catarinense de Municípios - FECAM, associações de municípios e pela Confederação Nacional de Municípios CNM, desdobrando a sua linha de atuação em programas, projetos, objetivos e ações estratégicas. Este trabalho contou com a participação das associações de municípios e referendado pelos prefeitos municipais e membros do Conselho Deliberativo, do Conselho Executivo e do Conselho Fiscal, em reunião no dia 29 de novembro de 2007, na cidade de Penha, especialmente convocada para avaliar e orientar a atuação da entidade no próximo ano. Neste sentido a FECAM cumprirá sua missão a partir da efetivação dos seis programas que integram a estrutura e o orçamento da entidade, assim descritos: Consolidação da Representatividade Político-Institucional das Entidades Municipalistas Modernização da Gestão Pública Municipal Gestão da Informação e Desenvolvimento Tecnológico Qualificação dos Agentes Públicos Municipais Promoção e Planejamento para o Desenvolvimento Regional Aprimoramento da Gestão Administrativa da FECAM. Destacam-se no Plano de Trabalho da entidade, na preparação das gestões municipais para o encerramento do mandato dos atuais prefeitos, na ampliação dos serviços de consultoria em especial nas áreas jurídica e contábil, no acompanhamento da reforma tributária que deverá tramitar no Congresso Nacional, na organização de ações para a capacitação dos agentes públicos por meio da escola de gestão municipal, entidade responsável por esta ação e na implantação do consórcio público de informática, que irá absorver as ações na gestão tecnológica em desenvolvimento na entidade, nas associações microrregionais e nos municípios catarinenses. O orçamento da FECAM para o exercício de 2008 prevê a captação de recursos financeiros para construção da nova sede da entidade, o incremento da arrecadação originária da prestação de serviços e a obtenção de receitas financeiras de patrocínios, convênios e projetos encaminhados aos órgãos federais e estaduais, entidades parceiras e empresas do setor privado. 12

13 PROGRAMA 1 CONSOLIDAÇÃO DA REPRESENTATIVIDADE POLÍTICO-INSTITUCIONAL DAS ENTIDADES MUNICIPALISTAS A Consolidação da Representatividade Político-institucional das Entidades Municipalistas permanece como uma área de ação estratégica para a FECAM. O objetivo maior deste programa é conquistar para os municípios melhores condições de investimento e custeio das inúmeras políticas, planos, programas, projetos e serviços desenvolvidos para atender as demandas da população nas áreas da saúde, educação, assistência social, infra-estrutura, saneamento e meio ambiente, agricultura, desenvolvimento econômico, cultura, esporte, lazer e turismo. A conquista do objetivo proposto passa pelo aperfeiçoamento do trabalho de mobilização e articulação política nos âmbitos federal e estadual, pelo estreitamento das relações com os agentes municipais e maior integração com as associações de municípios, além do aprimoramento do processo de comunicação, cada vez mais baseado na troca de informações e no diálogo permanente com as instituições e lideranças que militam no movimento municipalista de Santa Catarina. Projeto 1: Articulação Política em Âmbito Federal Ampliar a efetividade dos resultados para os municípios na relação com o governo federal. Desenvolver as atividades relacionadas ao movimento municipalista, em especial as mobilizações e articulações com o governo federal, bancada catarinense no Congresso Nacional e a Confederação Nacional de Municípios CNM. Melhorar o relacionamento com os órgãos federais e estaduais visando à defesa dos municípios catarinenses. Instituir canal permanente com a CNM para repasse à FECAM de informações sobre os projetos de emendas constitucionais e projetos de lei apresentados e em tramitação, de interesse dos municípios. Definir e executar a agenda de reivindicações conjuntas das associações de municípios, FECAM e Confederação Nacional de Municípios (CNM). Viabilizar junto aos parlamentares os projetos apresentados em relação ao PPA e ao orçamento para

14 PROGRAMA 1 Definir posicionamentos e aprimorar a atuação da FECAM nos conselhos e órgãos de representação técnica e política federal, com repercussão nos municípios brasileiros. Participar das mobilizações nacionais, assembléias da CNM e reuniões técnicas e políticas com o governo federal e o Congresso Nacional. Projeto 2: Articulação Política em Âmbito Estadual Ampliar a efetividade dos resultados para os municípios na relação com o governo estadual de forma articulada com as associações de municípios. Tornar efetivos os resultados para os municípios na relação com o governo estadual de forma articulada com as Associações de Municípios. Retomar as tratativas para a criação do Comitê de Articulação do Governo do Estado com os municípios, junto ao Governador e ao Secretário de Articulação Estadual. Propor e organizar um grupo de estudos integrado pela FECAM e Associações de Municípios para analisar o programa PRODEC e fundos estaduais, visando alinhar os seus benefícios aos interesses dos municípios. Articular a participação da representação política dos municípios nas reivindicações junto ao governo do Estado, à Assembléia Legislativa, nos conselhos de órgãos estaduais, empresas públicas e entidades governamentais. Apresentar aos prefeitos membros do conselho político o Plano de Trabalho para 2008, visando a priorização das ações estratégicas da entidade para Monitorar os projetos apresentados pelo governo estadual ou em tramitação na Assembléia Legislativa do Estado, de interesse dos municípios catarinenses. Viabilizar junto ao Governo do Estado a alocação de recursos financeiros no orçamento para 2008 e a sua liberação referente aos serviços de transporte escolar dos alunos da rede estadual, abrangendo o ensino médio e o fundamental. Projeto 3: Fortalecimento da relação político-institucional com os agentes municipais Ampliar a efetividade dos resultados para os municípios na relação com o governo estadual de forma articulada com as associações de municípios. 14

15 PROGRAMA 1 Desenvolver um projeto especial voltado à orientação e apoio aos gestores municipais no último ano do mandato. Manter e desenvolver de forma ampliada as parcerias institucionais com o Ministério Público, Tribunal de Justiça, Tribunal de Contas do Estado, conselhos estaduais, instituições públicas e privadas em geral, a fim de garantir apoio na orientação aos gestores municipais. Empregar esforços para a manutenção e ampliação do relacionamento institucional com as associações de municípios, entidades regionais e os municípios, através de encontros, visitas e troca de informações. Participar e contribuir com projetos e programas governamentais ou de instituições privadas, que resultem em benefício aos municípios catarinenses. Participar de grupos de estudo e na proposição de medidas de impacto aos municípios. Elaborar um plano de capacitação e informação aos prefeitos eleitos em 2008 sobre a instituição FECAM e os serviços oferecidos às associações e municípios catarinenses. Aprimorar e fortalecer a parceria com o Ministério Público estadual e federal e Tribunal de Contas visando aprimorar a gestão pública municipal. Projeto 4: Integração das entidades municipalistas Ampliar a efetividade dos resultados para os municípios na relação com o governo estadual de forma articulada com as associações de municípios. Organizar reuniões dos dirigentes e técnicos das entidades municipalistas para definir uma agenda comum de trabalho aos municípios catarinenses, visando o alinhamento estratégico da atuação das associações de municípios, federação e confederação nacional. Instituir o Prêmio Excelência Associativa e o Diploma Mérito Municipalista, como forma de incentivar a criação e aplicação de soluções inovadoras pelos municípios e associações, bem como destacar a atuação dos gestores municipais. Sugerir e contribuir na organização de colegiados regionais nas diversas áreas da gestão pública municipal e, a partir destes, criar, ampliar e dar efetividade aos colegiados setoriais no âmbito estadual. Promover reuniões e eventos de integração técnica entre associações de municípios, seus colaboradores e a FECAM. Criar relatório anual das atividades dos colegiados de Contadores e Controladores Internos, contendo a pauta das reuniões, as decisões tomadas, os resultados alcançados. 15

16 PROGRAMA 1 Projeto 5: Comunicação Social FECAM e municípios Aprimorar o processo de comunicação entre a FECAM e os seus públicos de interesse, ampliando a visibilidade para os municípios. Planejar e coordenar programas de comunicação social, abrangendo as áreas de assessoria de imprensa, publicidade, propaganda e relações públicas. Desenvolver a comunicação interna com a utilização dos meios mais adequados, visando integrar as áreas técnicas ao cumprimento das ações estratégicas da entidade. Projetar um conceito adequado da Federação perante seus públicos, alinhando as suas políticas e valores. Manter e aprimorar a comunicação externa com os seus públicos de interesse. Projetar junto à opinião pública as realizações e os posicionamentos da entidade. Aperfeiçoar a utilização das mídias próprias da FECAM, com possibilidade de criação de novos veículos de comunicação das ações da entidade, das associações e dos municípios. Viabilizar a criação de colegiados microrregionais de comunicação. 16

17 PROGRAMA 2 MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL O programa Modernização da Gestão Pública Municipal terá como eixos principais o incremento da receita, via ampliação da capacidade de gerar recursos no município, o aprimoramento dos serviços de consultoria nas diversas áreas do direito e da contabilidade pública, e o estímulo e suporte à criação e consolidação dos consórcios públicos como forma de otimizar recursos e reduzir despesas. Com isso a FECAM quer ampliar a efetividade das suas ações de apoio aos municípios, que buscam qualificar e modernizar a gestão com foco no incremento dos recursos financeiros e oferta de melhores serviços à população. A estratégia para modernizar a gestão pública municipal passa pela implementação dos projetos de modernização da legislação tributária municipal, ampliação das receitas, aperfeiçoamento do processo de apuração dos índices de distribuição do ICMS aos municípios, fomento de consórcios públicos e aprimoramento das consultorias especializadas. Projeto 1: Modernização da legislação tributária municipal Revisar a legislação dos tributos municipais com vistas a modernizar e aumentar a arrecadação de tributos próprios. Criar um grupo de trabalho, ligado ao CONFAZ-M/SC e à pesquisa acadêmica, para apurar os principais problemas da legislação tributária e apontar as soluções (2008). Viabilizar e implantar uma consultoria especializada em direito tributário com a contratação de profissional especializado na área. Implantar os novos modelos de normas tributárias municipais definidos pelo grupo de trabalho, visando adequar para os novos mandatos dos prefeitos que tomam posse em Realizar cursos e reuniões para capacitar os servidores municipais. Desenvolver sistemas tecnológicos para aperfeiçoar a apuração, arrecadação e fiscalização de tributos municipais, visando aprimorar a comunicação entre fisco municipal e contribuintes. 17

18 PROGRAMA 2 Projeto 2: Ampliação das receitas dos municípios Viabilizar as condições necessárias ao acréscimo das receitas municipais. Coordenar o CONFAZ-M/SC. Divulgar as datas de crédito e respectivos valores das transferências constitucionais, bem como conferir a exatidão dos repasses. Propor subsídios jurídicos necessários para evitar as perdas de recursos municipais fruto de políticas fiscais dos governos estadual e federal. Desenvolver um programa de gestão pública que contemple a Fiscalidade Participativa, com vistas à conscientização social da arrecadação de tributos e mecanismos alternativos para fomento da arrecadação municipal (2009). Projeto 3: Movimento Econômico Contribuir para o aperfeiçoamento do processo de apuração dos índices de distribuição do ICMS aos municípios. Criar um grupo técnico para acompanhar e aprimorar a apuração e gestão do movimento econômico, integrado com a fazenda estadual e associações de municípios, levando em conta a criação de parâmetros e indicadores de avaliação e controle, e os estudos já realizados pelo grupo de trabalho do movimento econômico. Elaborar estudos para a adequação da legislação federal e estadual e adoção de sistemas que permitam o aperfeiçoamento dos critérios de apuração do valor agregado dos municípios. Projeto 4: Fomento de Consórcios Públicos Intermunicipais Promover a instituição e consolidação dos consórcios públicos intermunicipais. Auxiliar e orientar a criação e adaptação de consórcios públicos intermunicipais de acordo com as normas legais. 18

19 PROGRAMA 2 Promover discussões com órgãos de fiscalização para dirimir interpretações divergentes das normas legais relativas a consórcios públicos. Desenvolver modelos de consórcios de regulação, fiscalização e prestação de serviços públicos. Viabilizar a instituição de novos consórcios públicos, de âmbito regional ou estadual, em setores inovadores em relação aos atuais consórcios. Projeto 5: Consultoria Especializada Apresentar soluções efetivas às demandas dos municípios por meio das consultorias especializadas, de forma integrada com as associações. Viabilizar as condições necessárias para aprimorar e ampliar a consultoria especializada para outros ramos do direito público. Integrar a consultoria da FECAM com a consultoria das Associações de Municípios por meio da RedeCIM. Monitorar a inovação legislativa para promover capacitações dos servidores públicos municipais e reduzir os impactos negativos para os municípios. Auxiliar os municípios para o aperfeiçoamento das compras municipais, ampliando a utilização do pregão eletrônico e do sistema de registro de preços. Ingressar com ações judiciais em favor de seus representados, além de realizar o acompanhamento de processos de interesse coletivo dos municípios catarinenses. Aprimorar a prestação de serviços de consultoria na área de contabilidade pública. Capacitar e orientar os municípios para gestão das finanças sob a nova reforma tributária. 19

20 PROGRAMA 3 GESTÃO DA INFORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO O programa Gestão da Informação e Desenvolvimento Tecnológico vai priorizar o desenvolvimento e implantação de sistemas informatizados de apoio à gestão dos municípios e associações, além do aperfeiçoamento da Rede Catarinense de Informações Municipais - RedeCIM. Entre os sistemas de gestão projetados para serem implantados em 2008 estão o Sistema de Controle da Produção Rural - SISRURAL, o Sistema de Gestão do Transporte Escolar, o Sistema de Gestão Municipal - SIAMWEB, o Diário Oficial Eletrônico dos Municípios, Sistema de Integração de Registro de Cadastros e o Sistema de Indicadores. O conjunto destas tecnologias representa a possibilidade de agregar ferramentas de administração, controle, avaliação e tomada de decisões sobre as melhores alternativas para a formulação e implementação de políticas públicas, programas, planos, projetos e ações nos governos municipais. Outro destaque deste programa são as ações de aprimoramento da RedeCIM, que se configurou numa inovadora plataforma de integração e disponibilização de informações e conhecimentos de interesse das prefeituras. Para o ano de 2008 a intenção é melhorar ainda mais as ferramentas já existentes na rede, além de disponibilizar novos serviços, aperfeiçoar a apuração e veiculação de informações nas diversas áreas de atuação dos municípios. Projeto 1: Sistema de Controle da Produção Rural SISRURAL Disponibilizar para os municípios catarinenses um sistema informatizado de controle da produção rural. Efetivar o desenvolvimento de um Sistema de Controle de Emissão de Notas e Produção Rural, em parceria com a AMESC, visando facilitar o processo de emissão de nota fiscal e conseqüentemente aumentar sua arrecadação. Criar estrutura técnica para o desenvolvimento, suporte e capacitação para o uso do sistema. Projeto 2: Sistema de Gestão do Transporte Escolar Efetivar a implantação do sistema para a gestão e controle dos gastos com transporte dos alunos da rede pública de ensino. 20

21 PROGRAMA 3 Executar um programa de capacitação dos servidores públicos municipais para a implantação e gestão do sistema de transporte de alunos no município. Orientar os colegiados microrregionais de educação para a utilização e operacionalização do sistema. Projeto 3: Rede Catarinense de Informações Municipais RedeCIM Aprimorar a RedeCIM visando ampliar as adesões para a totalidade dos municípios catarinenses. Desenvolver portais verticais específicos, efetivando a integração das informações municipais disponíveis com os portais da RedeCIM. Aperfeiçoar os portais municipais, abrangendo conteúdos, capacitação e manutenção. Viabilizar a continuidade dos portais municipais na troca dos gestores públicos municipais. Desenvolver o Portal do Cidadão para agrupar os serviços eletrônicos de cada município. Elaborar diagnóstico da situação dos conteúdos nos portais das Associações de Municípios utilizando metodologias oficiais. Capacitar técnicos das associações de municípios para otimizar a utilização do portal e seu sistema de gerenciamento. Reestruturar o Portal de Turismo GuiaSC com base nos roteiros regionais, visando a modernização do portal e a facilitação do acesso às informações. Elaborar e aplicar um programa de capacitação para qualificar as informações turísticas disponíveis no Portal de Turismo GuiaSC. Ampliar e qualificar as informações e serviços disponíveis no portal da FECAM. Elaborar o projeto de desenvolvimento da nova versão do portal da FECAM para implantação em

22 PROGRAMA 3 Projeto 4: Fomento de Consórcios Públicos Intermunicipais Viabilizar a oferta de um sistema informatizado de auxílio à gestão municipal que ofereça benefícios tecnológicos e econômicos às prefeituras. Contribuir para o desenvolvimento do Sistema de Gestão Municipal em parceria com a CNM. Apoiar a organização de uma estrutura técnica para implantação e suporte do sistema nos municípios e associações. Aplicar o programa de capacitação dos técnicos das associações para implantação e suporte do sistema. Projeto 5: Diário Oficial Eletrônico dos Municípios Desenvolver, implantar e disponibilizar um sistema alternativo à publicação de atos administrativos municipais. Elaborar um plano de negócio do Diário Oficial Eletrônico. Desenvolver um sistema para a gestão e publicação on-line dos atos oficiais dos municípios de Santa Catarina, integrado à Rede Catarinense de Informações Municipais - RedeCIM. Executar um programa de capacitação dos usuários do sistema Diário Oficial Eletrônico. Projeto 6: Tecnologia de Integração de Cadastros Apoiar a implantação de um sistema informatizado para desburocratizar o processo de registro de empresas. Estabelecer parcerias com órgãos públicos e privados no âmbito estadual e federal para viabilizar a adoção de um sistema informatizado de integração dos registros cadastrais juntos aos entes públicos das três esferas de governo. 22

23 PROGRAMA 3 Projeto 7: Sistema de Indicadores Disponibilizar informações qualificadas de apoio à gestão pública municipal. Desenvolver e implementar um sistema de indicadores municipais, que permita a análise e a demonstração gráfica na avaliação das ações, programas e serviços prestados à sociedade pela administração municipal. 23

24 PROGRAMA 4 QUALIFICAÇÃO DOS AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS No desafio permanente de qualificar os agentes públicos, a FECAM decidiu se unir às associações de municípios para formalizar a Escola de Gestão Pública Municipal EGEM. O objetivo, alcançado em 2007, foi de ampliar e qualificar a atuação da escola, cada vez mais alinhada com as demandas e necessidades de formação e capacitação dos agentes públicos municipais. O desafio para 2008 é a consolidação da EGEM como escola de referência na qualificação dos agentes públicos municipais, agora como uma organização jurídica de direito privado sem fins econômicos. Para tanto, a escola vai executar uma programação de cursos e eventos voltados para qualificar os servidores e a gestão nas diversas áreas de conhecimento relacionadas com a administração pública, além de auxiliar no encerramento dos mandatos dos atuais governos. Outra frente de atuação, que também configura um novo desafio, é a difusão do conhecimento gerado e acumulado nas ações de educação promovidas pela escola, via produção de livros e revistas, entre outros meios. Ainda como meta para 2008 está a maior valorização do ensino de pós-graduação na forma de especializações em gestão municipal e contabilidade pública. Projeto 1: Estruturação e consolidação da EGEM Estruturar e profissionalizar a EGEM como instituição de ensino e executora das demandas de capacitação da FECAM, associações de municípios, prefeituras e câmaras de vereadores. Propor aos associados da nova escola uma estrutura funcional que garanta qualidade na formação e capacitação profissional. Fortalecer as parcerias da EGEM com a FECAM, associações de municípios e outras entidades para viabilizar a consolidação da escola, em conformidades com os seus objetivos. Normatizar o funcionamento da EGEM. Dotar a EGEM dos equipamentos necessários para a realização dos cursos nas microrregiões (Data-show, veículo, computador, etc.). 24

PLANO DE TRABALHO E PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2009 FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS

PLANO DE TRABALHO E PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2009 FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2009 FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2009 FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS SUMÁRIO APRESENTAÇÃO............................................................

Leia mais

Escola de Gestão Pública Municipal PLANO DE TRABALHO

Escola de Gestão Pública Municipal PLANO DE TRABALHO Escola de Gestão Pública Municipal PLANO DE TRABALHO 2010 Escola de Gestão Pública Municipal PLANO DE TRABALHO 2010 Sumário 1 Apresentação página 06 2 Plano de Trabalho 2010 - EGEM Direcionamento estratégico

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete:

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete: LEI Nº 12.911, de 22 de janeiro de 2004 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - e do Fundo Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - FUNSEA-SC

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO LEGISLAÇÃO: Lei Municipal nº 8.834 de 01/07/2002 e Decreto nº 529 de 09/08/2002. ATRIBUIÇÕES: 0700 - SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO 0710 - COORDENAÇÃO GERAL Compete

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PLANO DE DIRETRIZES E METAS DA AMOSC 2015

PLANO DE DIRETRIZES E METAS DA AMOSC 2015 PLANO DE DIRETRIZES E METAS DA AMOSC 2015 DIRETORIA EXECUTIVA/SECRETARIA EXECUTIVA Anexo 6 EIXOS DE ATUAÇÃO Representação Política Desenvolvimento Regional Assessoria Técnica Capacitação Processos Internos

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania A União dos Vereadores do Estado de São Paulo UVESP, desde 1977 (há 38 anos) promove parceria com o Poder Legislativo para torná-lo cada vez mais forte, através de várias ações de capacitação e auxílio

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

a) Registro de Preços: a. Obrigação de comprar 100% do que está no registro de preço; b. Validade do registro de preço.

a) Registro de Preços: a. Obrigação de comprar 100% do que está no registro de preço; b. Validade do registro de preço. Relatório da Reunião 05/2010 dos Colegiados de Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais Data: 18 e 19 de outubro de 2010 Cidade: Florianópolis Nos dias 18 e 19 de outubro de 2010, na cidade

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS LEI Nº 14.830, de 11 de agosto de 2009 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual do Artesanato e da Economia Solidária - CEAES, e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Leia mais

LEI Nº 3.262/07 DE 13/12/07

LEI Nº 3.262/07 DE 13/12/07 LEI Nº 3.262/07 DE 13/12/07 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE CAMPOS NOVOS PARA O EXERCÍCIO DE 2008 Cirilo Rupp, Prefeito em exercício do Município de Campos Novos, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA _ LEI Nº 429/07 Cria a Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES Governo do Estado do Espírito Santo Secretaria de Estado da Fazenda do Espírito Santo Subsecretaria de Estado da Receita Subsecretária do Tesouro Estadual Subsecretário de Estado para Assuntos Administrativos

Leia mais

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1047/2012 O Prefeito do Município de Pinhalão,. SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013 e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu,

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Curso de Prefeitos Eleitos 2013 a 2016 ARDOCE Missão Ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / /

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre a composição,

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO Brasília, 11 de setembro de 2010 TEMA 1 DIRETRIZES E HORIZONTES DA RELAÇÃO POLÍTICA E INSTITUCIONAL DO SISTEMA COOPERATIVISTA 1.1 - FORTALECER A REPRESENTAÇÃO

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS ILUMEXPO 2014 3ª Exposição e Fórum de Gestão de Iluminação Pública Luciana Hamada Junho 2014 IBAM, MUNICÍPIO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

Relatório da Reunião 02/2013 dos Colegiados de Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais

Relatório da Reunião 02/2013 dos Colegiados de Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais Relatório da Reunião 02/2013 dos Colegiados de Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais Data: 30 de agosto de 2013 Cidade: Ita Estiveram presentes os representantes das seguintes Associações

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL 1. Apresentação O Programa de Voluntariado da Classe Contábil, componente do plano de metas estratégicas do Conselho

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES 1. Introdução As tabelas a seguir apresentam os MACROPROCESSOS do BNDES, segregados por plataformas. As

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS Novembro/2009 Secretaria de Orçamento Federal Novembro/2009 Instituição Ministério do Planejamento, Secretaria de Orçamento Federal DEPT. PROGR. INFRAESTRUT.

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Controle Externo

Tribunal de Contas da União. Controle Externo Tribunal de Contas da União Controle Externo 1224 Controle Externo Objetivo Assegurar a efetiva e regular gestão dos recursos públicos federais em benefício da sociedade e auxiliar o Congresso Nacional

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 15.506, de 31 de julho de 1991; Decreto nº 15.813, de 24 de abril de 1992; Lei nº 15.738, de

Leia mais

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas:

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas: CÂMARA DOS DEPUTADOS DIRETORIA-GERAL DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO FORMAÇÃO DOS GRUPOS DE PESQUISA E EXTENSÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 14,

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA Lei nº 407/2014, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre o Conselho e Fundo Municipal de Políticas sobre Drogas do Município de Abaetetuba e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL Capítulo I Da Instituição Art. 1º - A Escola Nacional da Magistratura (ENM), órgão da Associação dos Magistrados

Leia mais

Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira

Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira CONHECENDO O FNDE O FNDE é uma Autarquia Federal vinculada ao Ministério da Educação. Sua missão é prestar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. Dispõe sobre a Política de Assistência Social No Município, cria o Conselho Municipal de Assistência Social e o Fundo Municipal de Assistência Social

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

I Encontro de Prefeitos e Secretários de Finanças dos Municípios do Estado da Bahia

I Encontro de Prefeitos e Secretários de Finanças dos Municípios do Estado da Bahia I Encontro de Prefeitos e Secretários de Finanças dos Municípios do Estado da Bahia A Associação Transparência Municipal ATM foi fundada em 5 de abril de 2008 DEFINIÇÃO A ASSOCIAÇÃO TRANSPARÊNCIA MUNICIPAL

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO , SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N o 27/2013 Aprova o Orçamento Interno da Universidade Federal da Paraíba, para o exercício financeiro de 2013.

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre FÓRUM DE SOFTWARE LIVRE - 2010 Valdir Barbosa Agenda Plano estratégico 2011 para uso de Software Livre Diretrizes Objetivos e indicadores

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ LEI Nº 5456, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Sumaré para o exercício financeiro de 2013, e dá outras providências.- O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ seguinte

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014 Anexo à Resolução CGM 1.143 DE 08/07/2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014 INTRODUÇÃO Este trabalho é o produto de discussões finalizados em fevereiro de 2014, junto à Comissão

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL a) formulação, implantação e avaliação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico e

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

EDITAL Nº 019/2015 Chamamento para Inscrição no Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil - Lei 13.019 Aspectos Jurídicos e Práticos

EDITAL Nº 019/2015 Chamamento para Inscrição no Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil - Lei 13.019 Aspectos Jurídicos e Práticos EDITAL Nº 019/2015 Chamamento para Inscrição no Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil - Lei 13.019 Aspectos Jurídicos e Práticos 1. OBJETIVO DO CURSO Capacitar os participantes acerca das

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

RESOLUÇÃO N 92, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO N 92, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO N 92, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. Regulamenta o compartilhamento, entre o CAU/BR e os CAU/UF, da gestão, manutenção, evolução e despesas relativas ao Centro de Serviços Compartilhados do Conselho

Leia mais

Relatório da Reunião 02/2011 dos Colegiados de Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais

Relatório da Reunião 02/2011 dos Colegiados de Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais Relatório da Reunião 02/2011 dos Colegiados de Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais Data: 08 e 09 de junho de 2011 Cidade: Rio do Sul Estiveram presentes os representantes das seguintes

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

Seminário Em Busca da Excelência 2008

Seminário Em Busca da Excelência 2008 Seminário Em Busca da Excelência 2008 IEL/SC - Implementação de sistema de gestão com base nos fundamentos da excelência Natalino Uggioni Maio, 2008 1 IEL em Santa Catarina Integrante da FIESC Federação

Leia mais

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar:

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar: Introdução É grande a parcela da população das nações mais desenvolvidas do mundo que está se organizando em sociedades e associações civis que defendem interesses comuns. Essas pessoas já perceberam que

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 17 DE 24 DE ABRIL DE 2013.

LEI COMPLEMENTAR Nº 17 DE 24 DE ABRIL DE 2013. LEI COMPLEMENTAR Nº 17 DE 24 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre a criação e extinção de cargos no quadro de pessoal do Município de Turvolândia e dá outras providências. O Povo do Município de Turvolândia,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais