E S P E C I F I C A Ç Ã O ESF VALOR Recursos Ordinários do Tesouro Estadual FIS ,00 SEG 0,00 TOTAL GERAL :

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E S P E C I F I C A Ç Ã O ESF VALOR 100 - Recursos Ordinários do Tesouro Estadual FIS 166.366.562,00 SEG 0,00 TOTAL GERAL : 166.366."

Transcrição

1 Exercício 2010 R$ 1, Assembléia Legislativa REPASSE DE RECURSOS DO TESOURO ESTADUAL E S P E C I F I C A Ç Ã O ESF VALOR Recursos Ordinários do Tesouro Estadual FIS ,00 0,00 TOTAL GERAL : ,00 TOTAL FISCAL : ,00 TOTAL URIDADE : 0,00

2 EXERCÍCIO 2010 R$1,00 ÓRGÃO :01 - Assembléia Legislativa UNIDADE : Assembléia Legislativa TOTAL DA UNIDADE : ,00 QUADRO SINTESE POR FUNÇÃO LEGISLATIVA ,00 QUADRO SINTESE POR SUBFUNÇÃO ACAO LEGISLATIVA , ADMINISTRACAO GERAL , FORMACAO DE RECURSOS HUMANOS , COMUNICACAO SOCIAL ,00 QUADRO SINTESE POR PROGRAMA DE GOVERNO APOIO ADMINISTRATIVO , ACAO LEGISLATIVA , VALORIZAÇÃO DO COLABORADOR , QUALIDADE NOS SERVIÇOS DO CONTROLE EXTERNO ,00 QUADRO SINTESE POR CATEGORIA ECONOMICA 3 - DESPESA CORRENTE , DESPESA CAPITAL ,00 QUADRO SINTESE POR GRUPO DE DESPESA 1 - PESSOAL E ENCARGOS , OUTRAS DESPESAS CORRENTES , ,00 TOTAL : ,00

3 Assembléia Legislativa DEMONSTRATIVO DA DESPESA POR PROJETO/ATIVIDADE/OP. ESPECIAIS ESPECIFICAÇÃO ESF. TOTAL RECURSOS DE TODAS AS FONTES RECURSOS DO TESOURO RECURSOS DE OUTRAS FONTES 36 APOIO ADMINISTRATIVO 2007 MANUTENÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS GERAIS , ,00 FIS , , ESTADO FIS , , REMUNERAÇÃO DE PESSOAL ATIVO DO ESTADO E ENCARGOS , ,00 FIS , , ESTADO FIS , , PUBLICIDADE INSTITUCIONAL E PROPAGANDA , ,00 FIS , , ESTADO FIS , , ACAO LEGISLATIVA 3793 AMPLIAR ESPAÇO FISICO , ,00 FIS , , REGIAO VI - SUL FIS , , AUDIÊNCIA PÚBLICA , ,00 FIS , , REGIAO VI - SUL FIS , , OUVIDORIA GERAL DO PODER LEGISLATIVO , ,00 FIS , , ESTADO FIS , , VALORIZAÇÃO DO COLABORADOR 3791 QUALI VIDA - QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO , ,00 FIS , ,00

4 Assembléia Legislativa DEMONSTRATIVO DA DESPESA POR PROJETO/ATIVIDADE/OP. ESPECIAIS ESPECIFICAÇÃO ESF. TOTAL RECURSOS DE TODAS AS FONTES RECURSOS DO TESOURO 600 REGIAO VI - SUL FIS , , GESTÃO POR COMPETÊNCIA , ,00 FIS , , REGIAO VI - SUL FIS , ,00 RECURSOS DE OUTRAS FONTES 283 QUALIDADE NOS SERVIÇOS DO CONTROLE EXTERNO 3792 SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS , ,00 FIS , , REGIAO VI - SUL FIS , , AUTO-AVALIAÇÃO DE GESTÃO , ,00 FIS , , REGIAO VI - SUL FIS , ,00 TOTAL : , ,00

5 PESSOAL E ENC. JUROS E ENC. OUTRAS DESP. DA CORRENTES 01 LEGISLATIVA , , , , ACAO LEGISLATIVA , , , ACAO LEGISLATIVA , , ,00 OBJETIVO PGM FORTALECER O PROCESSO DE FORMULACAO DE POLÍTICAS PÚBLICAS ESTADUAIS PELO PODER LEGISLATIVO, ESTIMULANDO O EXERCÍCIO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA E PROPRICIAR O CUMPRIMENTO DAS ATRIBUIÇÕES CONSTITUCIONAIS DO PODER LEGISLATIVO AMPLIAR ESPAÇO FISICO F , ,00 FORTALECER AS RELAÇÕES ENTRE A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA E A SOCIEDADE MATO-GROSSENSE, OFERECENDO CONDIÇÕES DE ACESSO AOS GABINETES PARLAMENTARES E ATENDIMENTO AOS SERVIÇOS PRESTADOS AOS CLIENTES INTERNOS E EXTERNOS. 600 REGIAO VI - SUL , ,00 SEDE AMPLIADA METRO QUADRADO 626, , , , , AUDIÊNCIA PÚBLICA F , ,00 RECOLHER SUBSÍDIOS E INFORMAÇÕES JUNTO À COMUNIDADE PARA APRIMORAR O PROCESSO DECISÓRIO DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA. 600 REGIAO VI - SUL , ,00 EVENTO REALIZADO

6 PESSOAL E ENC. JUROS E ENC. DA OUTRAS DESP. CORRENTES UNIDADE 100, , , , , OUVIDORIA GERAL DO PODER LEGISLATIVO F , ,00 AUMENTAR O CONTROLE SOCIAL DAS ATIVIDADES QUE SÃO DESENVOLVIDAS PELA ASSEMBLÉIA A FIM DE SUBSIDIAR O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E O CUMPRIMENTO DA MISSÃO INSTITUCIONAL QUE LHE É ATRIBUÍDA 9900 ESTADO , ,00 NIVEL DE SATISFACAO DA SOCIEDADE EM RELACAO AOS SERVICOS PRESTADOS PERCENTUAL 15, , , , , OBJETIVO PGM QUALIDADE NOS SERVIÇOS DO CONTROLE EXTERNO CRIAR CONDIÇÕES PARA MELHORAR A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS AOS USUÁRIOS INTERNOS E EXTERNOS , , SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS F , ,00 CONTRIBUIR PARA A BUSCA DA EXCELÊNCIA NOS SERVIÇOS PRESTADOS PELA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA. 600 REGIAO VI - SUL , ,00 UNIDADE APERFEICOADA UNIDADE 100,00

7 PESSOAL E ENC. JUROS E ENC. DA OUTRAS DESP. CORRENTES , , , , AUTO-AVALIAÇÃO DE GESTÃO F , ,00 MELHORAR A GESTÃO DAS UNIDADES GERENCIAIS DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA. 600 REGIAO VI - SUL , ,00 AUTO-AVALIACAO REALIZADA E VALIDADA UNIDADE 100, , , , , ADMINISTRACAO GERAL , , , , APOIO ADMINISTRATIVO , , , ,00 OBJETIVO PGM PROVER OS ORGAOS DO ESTADO DOS MEIOS ADMINISTRATIVOS PARA A IMPLEMENTACAO E GESTAO DE SEUS PROGRAMAS FINALISTICOS MANUTENÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS GERAIS F , , ,00 GARANTIR A MANUTENÇÃO E SUPORTE DAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS NOS ÓRGÃO/ENTIDADES 9900 ESTADO , , , , , , , , ,00

8 PESSOAL E ENC. JUROS E ENC. DA OUTRAS DESP. CORRENTES REMUNERAÇÃO DE PESSOAL ATIVO DO ESTADO E ENCARGOS F , ,00 ATENDER AO PAGAMENTO DO PESSOAL ATIVO DO ESTADO E ENCARGOS 9900 ESTADO , , , , , , , , , , FORMACAO DE RECURSOS HUMANOS , , VALORIZAÇÃO DO COLABORADOR , ,00 OBJETIVO PGM CRIAR OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO PROFISSIONAL E PESSOAL A TODOS OS COLABORADORES DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DE MATO GROSSO, TENDO EM VISTA OS OBJETIVOS ORGANIZACIONAIS E INDIVIDUAIS QUALI VIDA - QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO F , ,00 POSSIBILITAR UMA MELHORA NA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO DOS COLABORADORES DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA 600 REGIAO VI - SUL , ,00 PROFISSIONAL SATISFEITO PERCENTUAL 100, , , , ,00

9 PESSOAL E ENC. JUROS E ENC. DA OUTRAS DESP. CORRENTES GESTÃO POR COMPETÊNCIA F , ,00 CRIAR OPORTUNIDADE PARA AMPLIAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS DOS COLABORADORES MELHORANDO A PRODUTIVIDADE. 600 REGIAO VI - SUL , ,00 PONTUACAO DA AVALIACAO DE DESEMPENHO AUMENTADA UNIDADE 100, , , , , COMUNICACAO SOCIAL , , APOIO ADMINISTRATIVO , ,00 OBJETIVO PGM PROVER OS ORGAOS DO ESTADO DOS MEIOS ADMINISTRATIVOS PARA A IMPLEMENTACAO E GESTAO DE SEUS PROGRAMAS FINALISTICOS PUBLICIDADE INSTITUCIONAL E PROPAGANDA F , ,00 EXECUTAR SERVIÇOS DE PUBLICIDADE, VISANDO A DIVULGAÇÃO DOS ATOS, PROGRAMAS, OBRAS E SERVIÇOS DO GOVERNO ESTADO , , , , , , , , , ,00

10 PESSOAL E ENC. JUROS E ENC. DA OUTRAS DESP. CORRENTES TOTAL , , , ,00 FISCAL , , , ,00 URIDADE

E S P E C I F I C A Ç Ã O ESF VALOR 100 - Recursos Ordinários do Tesouro Estadual FIS 2.482.760,48 SEG 0,00 TOTAL GERAL : 2.482.

E S P E C I F I C A Ç Ã O ESF VALOR 100 - Recursos Ordinários do Tesouro Estadual FIS 2.482.760,48 SEG 0,00 TOTAL GERAL : 2.482. Exercício 2007 R$ 1,00 05101 - CASA MILITAR REPASSE DE RECURSOS DO TESOURO ESTADUAL E S P E C I F I C A Ç Ã O ESF VALOR 100 - Recursos Ordinários do Tesouro Estadual FIS 2.482.760,48 0,00 TOTAL GERAL :

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Ã O ESF VALOR 100 - RECURSOS ORDINÁRIOS DO TESOURO ESTADUAL FIS 4.050.715,00 SEG 230.016,00 TOTAL GERAL : 4.280.

E S P E C I F I C A Ç Ã O ESF VALOR 100 - RECURSOS ORDINÁRIOS DO TESOURO ESTADUAL FIS 4.050.715,00 SEG 230.016,00 TOTAL GERAL : 4.280. Exercício 2006 R$ 1,00 05101 - CASA MILITAR REPASSE DE RECURSOS DO TESOURO ESTADUAL E S P E C I F I C A Ç Ã O ESF VALOR 100 - RECURSOS ORDINÁRIOS DO TESOURO ESTADUAL FIS 4.050.715,00 230.016,00 TOTAL GERAL

Leia mais

Exercício 2009 R$ 1,00 17601 - Fundo de Desenvolvimento Industrial e Comercial REPASSE DE RECURSOS DO TESOURO ESTADUAL

Exercício 2009 R$ 1,00 17601 - Fundo de Desenvolvimento Industrial e Comercial REPASSE DE RECURSOS DO TESOURO ESTADUAL Exercício 2009 R$ 1,00 17601 - Fundo de Desenvolvimento Industrial e Comercial REPASSE DE RECURSOS DO TESOURO ESTADUAL E S P E C I F I C A Ç Ã O ESF VALOR 101 - Recursos de Incentivos Concedidos Relativos

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados Mauro Ricardo Machado Costa Dezembro/2008 1 SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados PLANEJAMENTO

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE O Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE visa fortalecer a missão de desenvolver a nossa terra e nossa gente e contribuir para

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 100 - ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS O Programa Escola do Legislativo tem como objetivo principal oferecer suporte conceitual de natureza técnico-científica

Leia mais

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 15.506, de 31 de julho de 1991; Decreto nº 15.813, de 24 de abril de 1992; Lei nº 15.738, de

Leia mais

1001 - GOVERNADORIA MUNICIPAL - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

1001 - GOVERNADORIA MUNICIPAL - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 1001 - GOVERNADORIA MUNICIPAL - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 15.738, de 29 de dezembro de 1992; Decreto nº 16.149, de 06 de janeiro de 1993; Lei nº 15.820, de 24 de novembro de 1993; Lei nº

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PLANO DE TRABALHO. CHAPA: Um CAU para os Arquitetos. Eleições 2014. Página1de 8 CHAPA - UM CAU PARA OS ARQUITETOS.

PLANO DE TRABALHO PLANO DE TRABALHO. CHAPA: Um CAU para os Arquitetos. Eleições 2014. Página1de 8 CHAPA - UM CAU PARA OS ARQUITETOS. PLANO DE TRABALHO CHAPA: Um CAU para os Arquitetos Página1de 8 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO...3 2 CONSELHEIROS...3 3 GESTÃO...4 4 INSTITUCIONAIS...5 5 PRÁTICAS PROFISSIONAIS...6 6 FISCALIZAÇÃO...7 7 ENSINO...8

Leia mais

PREFEITURA DE XINGUARA

PREFEITURA DE XINGUARA 50/000-20 Anexo IV - Programas, Metas e Ações - (PPA Inicial) Página de 5 Programa: 000 AÇÃO LEGISLATIVA Manutenção da CMX através do apoio financeiro às atividades legislativas, custeio de despesas administrativas,

Leia mais

MISSÃO VALORES VISÃO OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

MISSÃO VALORES VISÃO OBJETIVOS ESTRATÉGICOS MISSÃO Representar, defender, integrar e dignificar a categoria, assegurando direitos e prerrogativas, garantindo a sua atuação e fortalecendo a importância do tributo na construção de uma sociedade justa,

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Lei nº 7.915, de 08 de janeiro de 2001. Altera o texto da Lei nº 7.893, de 19 de dezembro de 2000 e seus anexos, que estima a receita e fixa a despesa do Estado do Rio Grande do Norte para o exercício

Leia mais

A Lei 13.019/2014 O ponto de vista das organizações. Porto Velho, 02.12.2015

A Lei 13.019/2014 O ponto de vista das organizações. Porto Velho, 02.12.2015 A Lei 13.019/2014 O ponto de vista das organizações. Porto Velho, 02.12.2015 INTRODUÇÃO As organizações do Terceiro Setor vêm recebendo grande destaque nas políticas públicas. A autora Monica Bose realizou

Leia mais

Natureza Jurídica não encontrada PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS DO SUL. Seleção: DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015

Natureza Jurídica não encontrada PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS DO SUL. Seleção: DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 Planilha LEI de Identificação dos Projetos, Atividades e Operações Especiais Data: Página: 30/01/2015 1/118 Função: Subfunção: Programa: Legislativa Ação Legislativa 0025 131 Objetivo Justificativa Apreciar

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG

Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG O QUE É... É a síntese do contrato firmado entre o governo e a sociedade, onde as contribuições da sociedade (receitas) são transformadas em ações do governo (despesas) para

Leia mais

Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais

Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais Programa 0641 Inteligência Federal Objetivo Desenvolver Atividades de inteligência e de Segurança da Informação no interesse do Estado e da Sociedade Indicador(es) úmero de Ações 14 Taxa de Relatórios

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1.

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1. 34 Os indicadores são índices utilizados para aferir resultados. O TRT da 7ª Região adotou indicadores aferidos pelo CNJ e criou outros considerados relevantes para o processo decisório da gestão institucional,

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO OPERAÇÃO EM REDE

OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO OPERAÇÃO EM REDE OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO OPERAÇÃO EM REDE OUVIDORIA PÚBLICA Canal de escuta que tem como foco a aproximação do cidadão com o poder público visando a garantia de direitos e promoção da cidadania.

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios PORTARIA Nº 021/2010 O Presidente da Associação Matogrossense dos Municípios AMM, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelo Estatuto Social e Resolução 002/2010 da AMM, RESOLVE: Art.

Leia mais

26261 - Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

26261 - Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI 26261 - Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI Órgão : 26000 - Ministério da Educação Unidade: 26261 - Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI R$ 1,00 Quadro Síntese - Função, Subfunção e Programa

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO GRANDE DA SERRA Exercício: 2014

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO GRANDE DA SERRA Exercício: 2014 Programa: MANUTENÇÃO DO LEGISLATIVO Código do programa: 0001 Unidade responsável pelo programa: CAMARA MUNICIPAL Código da unidade responsável: 01.01 DAR COMPRIMENTO AS FUNÇÕES BASICAS DO PODER LEGISTALTIVO,

Leia mais

26208 - Centro Federal de Educação Tecnológica de Goiás

26208 - Centro Federal de Educação Tecnológica de Goiás 26208 - Centro Federal de Educação Tecnológica de Goiás Órgão : 26000 - Ministério da Educação Unidade: 26208 - Centro Federal de Educação Tecnológica de Goiás R$ 1,00 Quadro Síntese - Função, Subfunção

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO FINANCEIRA I CICLO DE APERFEIÇOAMENTO EM GESTÃO FINANCEIRA O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO Prof. Ariel Lopes Torres E-mail: ariel@unemat.br CÁCERES

Leia mais

nas técnicas de trabalho desenvolvidas no âmbito do Controle Interno do Poder Executivo, denominadas de auditoria e fiscalização.

nas técnicas de trabalho desenvolvidas no âmbito do Controle Interno do Poder Executivo, denominadas de auditoria e fiscalização. Finalidades e Atividades do Sistema de Controle 1. O Controle visa à avaliação da ação governamental, da gestão dos administradores e da aplicação de recursos públicos por entidades de Direito Privado,

Leia mais

26255 - Faculdade de Odontologia de Diamantina

26255 - Faculdade de Odontologia de Diamantina 26255 - Faculdade de Odontologia de Diamantina Órgão : 26000 - Ministério da Educação Unidade: 26255 - Faculdade de Odontologia de Diamantina R$ 1,00 Quadro Síntese - Função, Subfunção e Programa Total

Leia mais

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS 1. Natureza e Finalidade O Fórum Regional de Educação Infantil do Alto Vale do Itajaí - FREIAVI é um espaço

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Controle Externo

Tribunal de Contas da União. Controle Externo Tribunal de Contas da União Controle Externo 1224 Controle Externo Objetivo Assegurar a efetiva e regular gestão dos recursos públicos federais em benefício da sociedade e auxiliar o Congresso Nacional

Leia mais

Breve histórico. 2 Análise de documentos e estudos relevantes. Painéis Temáticos com especialistas. 2* Diagnóstico Interno.

Breve histórico. 2 Análise de documentos e estudos relevantes. Painéis Temáticos com especialistas. 2* Diagnóstico Interno. 2 Análise de documentos e estudos relevantes Painéis Temáticos com especialistas Breve histórico 1 Reunião de partida e agenda de trabalho 2* Diagnóstico Interno 3 Mapeamento de tendências (mundo e Brasil)

Leia mais

Memória institucional Gestão de informações e documentos na Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais. Nilson Vidal Prata Márcia Milton Vianna

Memória institucional Gestão de informações e documentos na Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais. Nilson Vidal Prata Márcia Milton Vianna Memória institucional Gestão de informações e documentos na Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais Nilson Vidal Prata Márcia Milton Vianna Maio/2015 GERÊNCIA-GERAL DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS PESQUISA DE EGRESSOS 2013-1 CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CIÊNCIAS CONTÁBEIS PESQUISA DE EGRESSOS 2013-1 CIÊNCIAS CONTÁBEIS PESQUISA DE EGRESSOS 213-1 CIÊNCIAS Percentual de? 7 6 5 4 3 2 1 21 Formandos 2 Você atuava na área escolhida de seu curso antes de seu ingresso? 12 1 8 6 4 11 9 2 Sim Não Atualmente você atua na área

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRAQUARA - ORÇAMENTO PROGRAMA 2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRAQUARA - ORÇAMENTO PROGRAMA 2015 Adendo III - Portaria SOF nº 08 de 04 de fevereiro de 1985 Anexo 2 - DESPESA, da Lei Federal nº 4.320, de 17 de março de 1964 ÓRGÃO: 1000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATUREZA DA DESPESA CÓDIGO FONTE

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

42203 - Fundação Cultural Palmares

42203 - Fundação Cultural Palmares 42203 - Fundação Cultural Palmares Quadro Síntese Código / Especificação Exec 2002 LOA 2003 PLOA 2004 LOA 2004 Total 8.006.695 13.677.789 9.205.183 20.878.795 Programa 0089 Previdência de Inativos e Pensionistas

Leia mais

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 17.108, de 27 de julho de 2005. DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE TRABALHO PROGRAMAS ESPECÍFICOS VOLTADOS PARA

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E FINANÇAS LOA - LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL - 2014

PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E FINANÇAS LOA - LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL - 2014 01101 - CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ 01 - LEGISLATIVA 031 - Ação Legislativa 0001 - ATUAÇÃO LEGISLATIVA DA CÂMARA MUNICIPAL 2001 - Manutenção e Conservação de Bens Imóveis 37.602.000 37.602.000 37.602.000

Leia mais

33201 - Instituto Nacional do Seguro Social

33201 - Instituto Nacional do Seguro Social Quadro Síntese - Função, Subfunção e Programa Total Órgão Total Unidade Função Total Subfunção Total Programa Total 09. Previdência Social 5.338.121.201 122. Administração Geral 1.919.387.533 0083. Previdência

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO LEGISLAÇÃO Lei Complementar nº 873, de 2011. Decreto Municipal nº 389, de 2011. CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL Lei Complementar nº 01, de 1991. Lei Complementar

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de bolsa paga diretamente ao beneficiário e pagamento de demais despesas a ela vinculadas.

Detalhamento da Implementação Concessão de bolsa paga diretamente ao beneficiário e pagamento de demais despesas a ela vinculadas. Programa 1448 Qualidade na Escola Numero de Ações 48 Ações Orçamentárias 009U Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Produto: Bolsa concedida Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 364

Leia mais

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA PROJETO AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes Outubro de 2005 Justificativa A grande expansão da estratégia

Leia mais

Aplicações Diretas 3.1.90.00 120.194,00 0,00 120.194,00 OUTRAS DESPESAS CORRENTES

Aplicações Diretas 3.1.90.00 120.194,00 0,00 120.194,00 OUTRAS DESPESAS CORRENTES DE APLIC Unidade Orçamentária DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS URBANOS 01 Função URBANISMO 15 Sub-função SERVIÇOS URBANOS 452 Programa SERVIÇOS ESSENCIAIS 0901 Atividade Manutenção dos Serviços Urbanos 2110 090101

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA 2008 Universidade Federal de Uberlândia Ouvidoria Avenida João Naves de Ávila, nº. 2121 Sala 14, Bloco 1A - Bairro Santa Mônica Uberlândia-MG CEP: 38400-902

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005. (Do Sr. GERALDO RESENDE) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005. (Do Sr. GERALDO RESENDE) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 (Do Sr. GERALDO RESENDE) Autoriza o Poder Executivo a instituir a Fundação Universidade Federal do Pantanal, por desmembramento da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

OUVIDORIA. A Ouvidoria da UNISC em 2014

OUVIDORIA. A Ouvidoria da UNISC em 2014 OUVIDORIA Ouvidora: Ana Claudia de Almeida Pfaffenseller Localização: Sala 105 A, Bloco 1 Telefone: (51) 3717-7313 E-mail: ouvidoria@unisc.br A Ouvidoria da UNISC em 2014 Sumário: 1. Caracterização Geral...2

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

VOLUNTARIADO e TRANSFORMAÇÃO SOCIAL

VOLUNTARIADO e TRANSFORMAÇÃO SOCIAL VOLUNTARIADO e TRANSFORMAÇÃO SOCIAL SITE: www.voluntariado.org.br Missão Incentivar e consolidar a cultura e o trabalho voluntário na cidade de São Paulo e promover a educação para o exercício consciente

Leia mais

Ato normativo do Ministério da Fazenda estabelecerá a metodologia de implementação da ação. Localizador (es) 0051 - No Estado de Mato Grosso

Ato normativo do Ministério da Fazenda estabelecerá a metodologia de implementação da ação. Localizador (es) 0051 - No Estado de Mato Grosso Programa 0902 - Operações Especiais: Financiamentos com Retorno 0029 - Financiamento aos Setores Produtivos da Região Centro-Oeste Número de Ações 21 UO: 74914 - Recursos sob Supervisão do Fundo Constitucional

Leia mais

GILMAR REINOLDO WENTZ, Prefeito Municipal de Querência do Estado de Mato Grosso no uso de suas atribuições conferidas em lei:

GILMAR REINOLDO WENTZ, Prefeito Municipal de Querência do Estado de Mato Grosso no uso de suas atribuições conferidas em lei: QUERNCIA Trabalhando pêro Taáas LEI MUNICIPAL N. 778/2013, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2013. Inclui e Altera Projetos e Programas na Lei de Diretrízes Orçamentarias para o Período de 2014, aprovado pela Lei Municipal

Leia mais

humor : Como implantar um programa de qualidade de vida no trabalho no serviço público Profa. Dra. Ana Magnólia Mendes

humor : Como implantar um programa de qualidade de vida no trabalho no serviço público Profa. Dra. Ana Magnólia Mendes Universidade de Brasília -UnB Instituto de Psicologia - IP Departamento de Psicologia Social e do Trabalho - PST Só de Pensar em vir Trabalhar, jáj Fico de mau-humor humor : Como implantar um programa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

"Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social"

Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social "Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social" 1 Gestão por processos 2 Previdência Social: em números e histórico Estrutura: Administração Direta, 2 Autarquias e 1 Empresa

Leia mais

ANER - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE EDITORES DE REVISTAS ESTATUTO SOCIAL ÍNDICE

ANER - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE EDITORES DE REVISTAS ESTATUTO SOCIAL ÍNDICE ANER - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE EDITORES DE REVISTAS ESTATUTO SOCIAL ÍNDICE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADE CAPÍTULO II DOS ASSOCIADOS, DIREITOS E DEVERES CAPÍTULO III DA CATEGORIA DE ASSOCIADOS

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013 Programa 0902 - Operações Especiais: Financiamentos com Retorno 0029 - Financiamento aos Setores Produtivos da Região Centro-Oeste Número de Ações 11 serviços, visando ao desenvolvimento econômico e social

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DE MATO GROSSO SENAI DR/MT REGULAMENTO DA OUVIDORIA SENAI - MT

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DE MATO GROSSO SENAI DR/MT REGULAMENTO DA OUVIDORIA SENAI - MT SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DE MATO GROSSO SENAI DR/MT REGULAMENTO DA OUVIDORIA SENAI - MT Art. 1º A Ouvidoria do SENAI MT é um elo de ligação entre a comunidade interna

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a transformação da Universidade Virtual do Estado de Roraima UNIVIRR, para a categoria de Fundação Pública e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul MUNICÍPIO DE CAPÃO DO CIPÓ Gabinete do Prefeito Municipal LEI MUNICIPAL Nº 698, DE 30 DE OUTUBRO DE 2013.

Estado do Rio Grande do Sul MUNICÍPIO DE CAPÃO DO CIPÓ Gabinete do Prefeito Municipal LEI MUNICIPAL Nº 698, DE 30 DE OUTUBRO DE 2013. LEI MUNICIPAL Nº 698, DE 30 DE OUTUBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DE CARGO DE PROVIMENTO EFETIVO DE AUDITOR DE CONTROLE INTERNO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL. ALCIDES MENEGHINI, Prefeito

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA APRESENTAÇÃO A CARTA DE SERVIÇOS atende a uma indicação do Programa Nacional de Gestão Pública, aderido pela Prefeitura do Município de Porto Velho, cujo programa é coordenado pela Secretaria Municipal

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Março COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CGTIC 2 ÍNDICE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 3 Apresentação...

Leia mais

Apoio à Implantação do 4º Ano Vocacional no Ensino Médio

Apoio à Implantação do 4º Ano Vocacional no Ensino Médio Programa 1066 Escola Básica Ideal Objetivo Oferecer atendimento integral e de qualidade em escolas de Educação Básica modelares e de referência Justificativa Público Alvo Crianças, adolescentes, jovens

Leia mais

REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM

REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM O J O V E M REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O PARTICIPATIVO JOVEM Artigo 1º Referências A Junta de Freguesia de Santo António dos Olivais, como forma de potenciar os valores da Democracia, num sector ainda

Leia mais

Agência Reguladora de Saneamento Básico do Estado da Bahia - AGERSA

Agência Reguladora de Saneamento Básico do Estado da Bahia - AGERSA Agência Reguladora de Saneamento Básico do Estado da Bahia - AGERSA RESOLUÇÃO Nº 006/2013 Altera a Resolução AGERSA nº 001/2013, que aprovou o Regimento da Agência Reguladora de Saneamento Básico do Estado

Leia mais

ICMS Ecológico. Uma experiência brasileira de Pagamento por Serviços Ambientais. Wilson Loureiro

ICMS Ecológico. Uma experiência brasileira de Pagamento por Serviços Ambientais. Wilson Loureiro ICMS Ecológico Uma experiência brasileira de Pagamento por Serviços Ambientais Wilson Loureiro Seminário Nacional sobre Pagamentos por Serviços Ambientais, 6, 7 e 8 de abril de 2009 Brasília Ministério

Leia mais

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo CAPÍTULO I Artigo 1o. A construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo realizar-se-á entre fevereiro e junho

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 13 de outubro de 2010 EXTRA Nº 2 OUTUBRO INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 385, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. Institui, no âmbito do IPEA,

Leia mais

Art. 1º - Criar o Estatuto dos Núcleos de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aqüicultura.

Art. 1º - Criar o Estatuto dos Núcleos de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aqüicultura. PORTARIA Nº DE DE NOVEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, nomeado pela Portaria nº 824, de 29 de agosto de 2005, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Diretoria Geral de Planejamento, Coordenação e Finanças (DGPCF) 0301- Tribunal de Justiça.

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Diretoria Geral de Planejamento, Coordenação e Finanças (DGPCF) 0301- Tribunal de Justiça. ESTRUTURA PROGRAMÁTICA - PROPOSTA 2016 UNIDADE - UO 0301 PROGRAMA PROGRAMA Garantir o pagamento pelo efetivo serviço exercido por magistrados e servidores, bem como as obrigações de responsabilidade do

Leia mais

MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB

MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS PGDP MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB 3 4 UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013 Programa 2101 - Programa de Gestão e Manutenção da Presidência da República 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 121 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

RESUMO DOS PROGRAMAS POR TIPO

RESUMO DOS PROGRAMAS POR TIPO Tipo: 1 - Finalístico Programa: 5140 - ESPAÇO ABERTO Objetivo: PROMOVER A INTEGRAÇÃO ENTRE O PODER PÚBLICO MUNICIPAL E OS MUNÍCIPES EM CONJUNTO COM OS DEMAIS ORGÃOS QUE COMPÕE A ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL.

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 016, DE 14 DE MAIO DE 2013. Gabinete da Câmara

RESOLUÇÃO N.º 016, DE 14 DE MAIO DE 2013. Gabinete da Câmara RESOLUÇÃO N.º 016, DE 14 DE MAIO DE 2013. Gabinete da Câmara Cria a FRENTE PARLAMENTAR DE APOIO AO COOPERATIVISMO FRENCOOP na Câmara de Vereadores de Victor Graeff. LAIRTON ANDRÉ KOECHE, Presidente da

Leia mais

Programa 1017 Infraestrutura Pública

Programa 1017 Infraestrutura Pública Órgão 20570 Junta Comercial do Estado do Tocantins - JUCETIS Programa 1017 Infraestrutura Pública Ação 3033 Construção da Sede da JUCETIS Elaboração de projetos estruturais, arquitetônicos, hidro-sanitário

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CNAS

CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CNAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Esplanada dos Ministérios, Bloco F, Anexo, Ala A, 1º andar CEP: 70059-900 Brasília, DF Telefones: (61) 3433-2430 ou 3433-2447 e-mail: cnas@mds.gov.br

Leia mais

O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO

O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO Denise Rocha Assessora de Política Fiscal e Orçamentária São Luís - MA 23 a 27 de agosto de 2004 1ª ETAPA - ENTENDENDO O ORÇAMENTO PÚBLICO A importância do orçamento

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura 5.Objetivos, Indicadores e Metas para a OS

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura 5.Objetivos, Indicadores e Metas para a OS 5.s, es e s para a OS O funcionamento das bibliotecas parque e da nova BPE é ainda experimental e, portanto, carece ainda das séries históricas de dados e informações que serão necessárias a um planejamento

Leia mais

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 1.1 Organização Institucional Q1 Cumprimento da missão da

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s)

Indicador(es) Órgão(s) Programa 0102 Rede de Proteção ao Trabalho Objetivo Garantir o cumprimento das normas legais e convencionadas de proteção ao trabalho Indicador(es) Taxa de Regularização dos Estabelecimentos Fiscalizados

Leia mais

42201 - Fundação Casa de Rui Barbosa

42201 - Fundação Casa de Rui Barbosa 42201 - Fundação Casa de Rui Barbosa Quadro Síntese Código / Especificação Exec 2002 LOA 2003 PLOA 2004 LOA 2004 Total 12.384.918 12.916.336 13.803.241 14.503.241 Programa 0089 Previdência de Inativos

Leia mais

Programa 1081 Gestão e Manutenção do Tribunal de Contas

Programa 1081 Gestão e Manutenção do Tribunal de Contas Ação 1196 Implementação do Programa de gestão de pessoas por competência Função 1 - Legislativa Subfunção 12 - Administração Geral Desenvolvimento de atividades em gestão de pessoas por competências tendo

Leia mais

VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários de qualidade.

VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários de qualidade. MISSÃO Oferecer serviços imobiliários de qualidade, gerando valor para os clientes, colaboradores, sociedade e acionistas. VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários

Leia mais

Estrutura de Governança Corporativa

Estrutura de Governança Corporativa Estrutura de Governança Corporativa Conselho de Administração Composto de nove membros, sendo dois independentes (sem vínculos com os acionistas signatários do acordo de acionistas, na forma da regulamentação

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais. durante o Estágio Probatório.

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais. durante o Estágio Probatório. Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais REGULAMENTO 001, DE 10 DE OUTUBRO DE 2013. Regula o Monitoramento da Inserção e das Atividades

Leia mais

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 - INTRODUÇÃO Define-se como risco de mercado a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas pela Cooperativa, o que inclui os riscos das operações

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Grupo escolaglobal. Capítulo Primeiro. Da denominação, natureza e fins

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Grupo escolaglobal. Capítulo Primeiro. Da denominação, natureza e fins Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Grupo escolaglobal Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º A Associação de Pais e Encarregados de Educação do Grupo escolaglobal,

Leia mais

EMPRESAS OU PESSOAS FÍSICAS, CUSTEANDO OS PARTICIPANTES COM PASSAGENS, DIÁRIAS, ALIMENTAÇÃO E HOSPEDAGEM.

EMPRESAS OU PESSOAS FÍSICAS, CUSTEANDO OS PARTICIPANTES COM PASSAGENS, DIÁRIAS, ALIMENTAÇÃO E HOSPEDAGEM. Objetivo: PROVER OS ÓRGÃOS DO PODER JUDICIÁRIO ESTADUAL DE MEIOS ADMINISTRATIVOS PARA IMPLEMENTAÇÃO E GESTÃO DE SEUS PROGRAMAS FINALÍSTICOS. Justificativa: VIABILIZAR CONDIÇÕES ADMINISTRATIVAS ADEQUADAS

Leia mais