Plano de Actividades e Orçamento 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Actividades e Orçamento 2009"

Transcrição

1 Federação Portuguesa de Minigolfe Plano de Actividades e Orçamento 2009 Índice Introdução_2 Investigação Cientifica_ 2 Formação de Recursos Humanos_3 Projectos Inovadores de Desenvolvimento Desportivo_3 Projecto Mexa-se em Família_6 Projecto de Solidariedade Social_7 Apetrechamento Desportivo_7 Organização do Quadro Competitivo_7 Selecções Nacionais_9 Organização de Eventos Internacionais_9 Enquadramento Administrativo_9 Representação em Organismos Internacionais_10 Candidatura ao Financiamento Publico pelo IDP_10 Orçamento_12

2 1. Introdução O Plano de Actividades que ora damos a conhecer dá continuidade ao trabalho desenvolvido em 2008 e representa mais uma etapa do Plano Estratégico que a Federação desenhou para o período de 2007/2012. No ano de 2008, tal como foi programado, reformulamos a estrutura orgânica da Federação, definindo com clareza as tarefas e competências de cada um dos seus membros e colaboradores; adaptamos os nossos estatutos a novas realidades; construímos uma nova página de Internet, mais atractiva e funcional para os nossos associados e para todos aqueles que demonstrem interesse pela modalidade; implementamos o Projecto Mini&Golfi nas Escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico cuja adesão tem excedido as nossas expectativas; estamos a ultimar o trabalho de criação de um logótipo que dará suporte a acções específicas no âmbito do desporto para todos Programa Mexase em Família; cumprimos o Quadro Competitivo Nacional e a participação internacional; cumprimos os encontros promovidos no âmbito do Projecto Escolas de Minigolfe e, para corolário, vimos o Presidente desta Federação ser nomeado Presidente da Federação Europeia de Minigolfe. E mais não foi possível fazer por manifesta falta de verbas. Ainda que tenhamos apresentado um projecto consistente que atendia à actual dimensão social e desportiva da Federação e aos recursos que a Administração Publica Desportiva podia disponibilizar para a tornar possível. Ainda assim, a Estratégia por nós desenhada começa agora a dar os primeiros frutos. Comparativamente a 2007, a Federação registou um aumento significativo em quase todos os indicadores desportivos que servem de base ao financiamento pelo Administração Pública Central: Quadro Sinóptico Indicadores Desportivos Nº de Praticantes Txa de crescimento 1,1% 100,0% Nº de praticantes femininos Txa de participação feminina 22,0% 33,94% Nº de praticantes nos escalões Jovens Txa de participação de escalões Jovens 52,1% 74,9% Implantação Geográfica 5 8 Clubes em Actividade Esperemos, que em 2009, a Estratégia de Desenvolvimento Desportivo da Federação seja devidamente valorizada e justamente apoiada pela Administração Pública Central. Esperemos, por coerência, que em 2009 o financiamento público seja proporcional ao crescimento que acima demos conta. Em concordância com o que foi dito no primeiro parágrafo deste documento, apresentamos para 2009 o seguinte Plano de Actividades e Orçamento. 2. Investigação Cientifica Ao contrário do que acontece com muitas modalidades desportivas, o Minigolfe depara-se com imensas interrogações sobre a sua própria identidade. Na verdade, são escassos os estudos científicos que, de forma clara, evidenciem as aptidões e habilidades físico-motores necessárias à prática da modalidade. O Desconhecimento de tais competências torna impreciso o exercício de desenhar programas de formação de recursos humanos desvirtuando, por conseguinte, o objectivo primeiro da nossa ocupação: ensinar a jogar Minigolfe. Essa lacuna levou-nos, no ano de 2006, a consultar alguns docentes da Faculdade de Motricidade Humana indagando-os da possibilidade de desenvolverem estudos científicos que permitam conhecer a modalidade. Ao desafio por nós proposto, os docentes responderam com assinalável disponibilidade traduzida, num primeiro instante, pela sua participação no curso de formação de treinadores de nível I e II da Federação, que decorreu em Novembro de 2006 nas Instalações daquela 2 F.P. de Minigolfe - Plano de Actividades e Orçamento 2009

3 Faculdade. Ainda que nos tenham prevenido de que não estavam devidamente habilitados sobre questões particulares da modalidade. Foram abordadas questões básicas sobre vários temas como a Pedagogia, a Psicologia ou a Aprendizagem Motora procurando-se analogias com o Putt no Golfe, matéria que recentemente mereceu um estudo aprofundado por um grupo de investigadores da escola. A materialização deste estudo depende unicamente da angariação de recursos financeiros para suportar os custos inerentes ao trabalho de coordenação e de campo pelos investigadores. Nesse sentido, enviamos em Março de 2007, à então Direcção de Formação de Recursos Humanos do IDP, uma proposta de financiamento sobre a qual nunca dele obtivemos, até à data, qualquer resposta (o Projecto consta do Plano de Actividades de 2008). Face à importância deste Projecto, entendemos que é de reforçar, mais uma vez, o pedido de apoio financeiro que havíamos solicitado ao IDP. 3. Formação de Recursos Humanos O Projecto de formação de recursos Humanos da Federação, que considera a formação de Dirigentes, Treinadores e Árbitros/Juízes depende, em muito, dos estudos de Investigação Cientifica que se acima demos conta. 4. Projectos Inovadores de Desenvolvimento da Prática Desportiva A Federação Portuguesa de Minigolfe tem em marcha dois importantes Projectos Inovadores de Desenvolvimento da Prática Desportiva: O Projecto Mini&Golfi e o Projecto Escolas de Minigolfe Projecto Mini&Golfi Educar para um Mundo Melhor No ano de 2008, a Federação Portuguesa de Minigolfe implementou nas Escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico um inovador projecto de desenvolvimento desportivo, designado por Mini&Golfi Educar para um Mundo Melhor O que é o Projecto Mini&Golfi?* É um projecto dirigido aos alunos do 1º Ciclo do Ensino Básico, que tem por base duas mascotes: o Mini e a Golfi. O projecto traduz, de forma muito simples, a essência do Minigolfe embora lhe tenhamos conferido uma forte componente pedagógica, na via da educação para a cidadania, razão pela qual lhe associamos o slogan: Mini&Golfi - Educar para um Mundo Melhor. * Por força da experiência recolhida neste primeiro ano de implementação, o Projecto Mini&Golfi apresentado no Plano de Actividades de 2008 sofrerá algumas alterações de forma em Qual é a essência do Minigolfe? Introduzir, pelo uso de um taco, uma bola de pequenas dimensões num buraco, com o menor número possível de ensaios. Para isso a bola tem de ultrapassar um ou vários obstáculos que se encontram entre a linha inicial de jogo e o referido buraco O que a Federação disponibiliza às Escolas? A F.P. Minigolfe disponibiliza às Escolas Kits Mini&Golfi. Cada Kit é composto por: 3 F.P. de Minigolfe - Plano de Actividades e Orçamento 2009

4 a) Um tapete amovível, com formato da pista de Minigolfe b) Um Taco c) Uma bola Cada Kit custa à Federação cerca de Qual o carácter pedagógico do Projecto Mini&Golfi? O carácter pedagógico do Projecto Mini&Golfi advém do facto de serem as crianças, com auxilio dos seus professores, a construírem o(s) obstáculo(s) do Jogo com materiais recicláveis (papel, cartão, plástico, latas, etc). Exemplos: Castelo Avião Numa sociedade pautado por desperdícios, e sendo os recursos naturais escassos, queremos ensinar às crianças, através do Projecto Mini&Golfi, a importância da reciclagem na construção de um Mundo Melhor Ilustração Prática do Projecto Mini&Golfi Avião Aprender a jogar, aprendendo a reciclar Pressupostos gerais do Projecto Mini&Golfi: O projecto consiste em criar Núcleos Escolares de Mini&Golfi em Escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico; 4 F.P. de Minigolfe - Plano de Actividades e Orçamento 2009

5 O(a) Director(a) da Escola é responsável pela coordenação do Núcleo Escolar e cada Professor(a) desenvolve com os seus alunos os obstáculos Mini&Golfi, em colaboração com o Professor de Educação Física da Escola; Em cada turma serão constituídas equipas de 4 alunos. Cada equipa ficará responsável pela construção de um obstáculo; Assim, por cada 4 alunos, recomenda-se a utilização de 1 Kit Mini&Golfi. Exemplo: uma turma de 20 alunos = 5 Kits Mini&Golfi=5 obstáculos; O Projecto culmina com a organização de uma festa final em cada Escola, que tem um duplo objectivo: 1) A realização de um Torneio Mini&Golfi, com prémios para as 3 primeiras equipas; 2) Eleição dos 3 obstáculos mais criativos do Núcleo eleito pelos alunos, Professores e Presidente do Núcleo; Depois do Torneio, O(A) Presidente do Núcleo Escolar Mini&Golfi enviará à F.P. Minigolfe um pequeno relatório da Actividade realizada (aspectos positivos e negativos) e bem assim de fotografias de todos os obstáculos criados, mencionando aqueles que foram considerados os mais criativos do Núcleo; Antes do final do ano lectivo, a F.P. Minigolfe reunirá uma comissão técnica para eleger os três obstáculos mais criativos, a nível nacional, do Projecto Mini&Golfi; Cada Núcleo Escolar Mini&Golfi terá supervisão pela F.P. de Minigolfe e, a existir, de um Clube Federado da região ou Distrito onde a escola se insere - Clube Tutor; Cumpre também à Federação, ou ao Clube Tutor, distribuir o equipamento necessário à realização do projecto; Todo o equipamento entregue às Escolas reverte, a título definitivo, a favor das mesmas, para que nos anos seguintes os respectivos Núcleos Escolares voltem a participar no Projecto; O Projecto tem divulgação nos canais de comunicação da Federação, Jornais, Revistas, Portais ou outros, de âmbito Nacional ou Regional, e ficará a cargo da Agência de Comunicação Image Value, com quem a Federação tem parceria. Em 2008, primeira edição do projecto, conseguimos mobilizar 306 alunos de 14 turmas. Porém, foi extremamente difícil satisfazer todos os pedidos que nos foram chegando das Escolas alguns, lamentavelmente, ficaram por cumprir - pois apenas disponhamos, como apoio do IDP, de para implementar este Projecto. Este é um Projecto absolutamente vital para o crescimento da modalidade em Portugal. O interesse que tem suscitado nas Escolas leva-nos a acreditar que o Projecto Mini&Golfi poderá, nas próximas edições, mobilizar um número muito significativo de alunos, Pais e Professores. A acontecer, registar-se-á uma forte mobilização da comunidade em torno da modalidade traduzindo-se esta num crescimento significativo do número de praticantes regulares (em todos os escalões etários e género), assim como do número de Clubes em actividade (mais campos de Minigolfe existirão para satisfazer o aumento da procura pela prática da modalidade) e do número de outros agentes desportivos, tais como monitores, treinadores, árbitros e juízes. A implantação geográfica da modalidade será alargada. Igualmente se registará uma melhoria da qualidade competitiva e da excelência dos praticantes de Minigolfe. Mas, para que tal ocorra, teremos, ainda, que consolidar as bases do Projecto. Debatemo-nos com dificuldades tão simples como, por exemplo, digitalizar as mascotes do Projecto; criar instrumentos 5 F.P. de Minigolfe - Plano de Actividades e Orçamento 2009

6 para comunicar/divulgar o Projecto; ter disponível o número de Kits necessário para satisfazer a procura pelas Escolas, entre outras questões: Assim, atendendo a essas necessidades, pretende-se para 2009: Digitalizar as mascotes do Projecto (Mini&Golfi ver maqueta no Plano de 2008); Criar dossier do projecto para procura de parceiros institucionais/patrocinadores; Reforçar o apoio aos Núcleos Escolares já criados; Aumentar o número de Núcleos Escolares; Aumentar o número de alunos envolvidos no Projecto (+ 500 alunos) Escolas de Minigolfe: O Projecto Escolas de Minigolfe foi implementado em 2005 e tem tido uma repercussão muito positiva no desenvolvimento da modalidade. E mais terá, porque agora ser-lhe-á acrescentada uma outra valência que consiste em acolher e apoiar aqueles alunos que, tendo participado no Projecto Escolar Mini&Golfi, manifestem o desejo de prosseguir a prática do Minigolfe em contexto real de prática. As Escolas de Minigolfe consistem em: Criar grupos específicos de trabalho dentro de cada clube que, semanalmente, receberão e darão inicio ao ensino da modalidade; Melhorar a qualidade da prática desportiva dos jovens praticantes. Nas várias Escolas de Minigolfe serão agendados encontros mensais, de um só dia, com o objectivo de preparar os jovens para a competição desportiva. Para 2009, agendamos os seguintes encontros mensais: Costa Nova Março Vizela Abril Lamego Maio Porto Junho Lisboa Junho Porto Agosto Vizela Setembro Neste projecto, cumpre à Federação apoiar os clubes na criação de Escolas de Minigolfe através da contratação de monitores credenciados e do fornecimento de equipamento desportivo adequado. 5. Projecto Mexa-se em Família Sem prejuízo da nossa estratégia contemplar projectos para todos os segmentos da população, entendemos importante, neste ciclo de desenvolvimento do Minigolfe, divulgar com mais afinco a modalidade no seio de um grupo muito particular a família, considerando que o Minigolfe é uma modalidade extremamente divertida e muito acessível a pessoas de qualquer idade e género. O ano passado, propusemo-nos integrar este projecto no Programa Mexa-se do Instituto do Desporto de Portugal, I.P. através da colocação de ilustrações ou de um filme no site oficial daquele Programa Estatal, onde se daria conta das particularidades da modalidade e dos locais onde ela pode ser praticada em Portugal. Porém, o fim daquele Site colocou termo a essa nossa intenção. No entanto, o projecto prossegue com a colocação de circuitos amovíveis de Minigolfe em manifestações ou eventos desportivas que mobilizem a família, organizados por entidades públicas ou privadas. 6 F.P. de Minigolfe - Plano de Actividades e Orçamento 2009

7 Em 2009 queremos concluir o trabalho de criação do logótipo que dará a conhecer este Projecto. Um logótipo atractivo, dinâmico e, sobretudo, emocionalmente vinculativo, isto é, que transmita, com clareza e simplicidade, a natureza do projecto. 6. Projecto de Solidariedade Social Para além da missão que nos é subjacente pela condição de Entidade com Estatuto de Publica Desportiva, queremos que a Federação tenha, também, um papel social. Considerando a natureza da nossa modalidade, estamos convictos que temos todas as condições para que isso aconteça. Para isso criamos um projecto especial de solidariedade social. É um programa que visa parcerias com instituições de solidariedade social destinada a crianças enfermas ou desprotegidas. Para estas acções será, basicamente, utilizado o projecto Mini&Golfi com forte componente pedagógica. Pretende-se com ele proporcionar aquelas crianças, que vivem um momento particularmente difícil da sua vida, momentos de lazer e alegria bem como promover a Federação Portuguesa de Minigolfe como entidade de Utilidade Publica empenhada na defesa de grandes causas sociais. Este projecto foi anunciado no Plano de Actividades de Porém, a grande procura pelo Projecto Escolar Mini&Golfi levou-nos a adiar a sua execução. Não tivemos capacidade para adquirir os Kits necessários à sua implementação. Esperamos dar início ao Projecto em O tema e o modus operandie de cada acção serão definidos em função da Instituição de solidariedade parceira e do tipo de objectivo que se pretende atingir com a iniciativa. 7. Apetrechamento Desportivo Para dar andamento aos Projectos Mexa-se em Família e Escolas de Minigolfe, bem como para demonstrações da modalidade, é necessária a aquisição de Pistas de Minigolfe amovíveis. São pequenas pistas que podem ser facialmente transportáveis e através das quais podemos aproximar a modalidade da população em geral, e das escolas em particular, com especial destaque nas localidades aonde não existem equipamentos para a prática da modalidade. Neste momento, a FPM tem apenas seis destas pistas, número que é manifestamente insuficiente face aos pedidos que já existem para o ano de 2009 (já têm ocupação total para os meses de Março, Abril, Julho e Agosto, e parte do mês de Maio e Junho). Para demonstrações da modalidade, igualmente seria útil à Federação a aquisição de Kits de Obstáculos O Meu Minigolfe. São kits de obstáculos que podem ser colocados em qualquer superfície, para que, de forma simples, rápida e acessível se poder improvisar pistas de minigolfe. 8. Organização do Quadro Competitivo A competição é a etapa final de todo o nosso trabalho. É uma etapa importante na medida em que ela desenvolve, de forma muito significativa, importantes competências sociais e motoras. Por esse motivo, a organização do quadro competitivo nacional merece o nosso maior cuidado. Para o ano de 2009 o Quadro Competitivo Oficial da Federação Portuguesa de Minigolfe é o seguinte: 7 F.P. de Minigolfe - Plano de Actividades e Orçamento 2009

8 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MINIGOLFE Calendário Desportivo ª 3ª 4ª 5ª 6ª S D 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª S D 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª S D 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª S D 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª S D 2ª 3ª Norte Sul Jan APJM A1 CR 1 CR 2 P-Porto, Foz M-Vizela P-Miraflores M-Portel Fev A2 V1 A3 L1 CNI 1 CR 3 CRI Ini M-CCD M-Porto, Foz M-Évora M-Miraflores Mar L2 30 CNI 1 V2 CMCN MCP 1 MCP24 31 CNI 1 CNI 2 M+P-Porto - Foz M+P-Miraflores Abr CNI 2 TPI A4 L3 CNI 3 CNI Ini M+P-Lamego F-Lamego Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez CNI L4 AA Taça Eq Taça Equip. VT CNI 3 A5 NC CNE V MCP 2 ADME CMP L S CNE A6 V CMP Euro Sen/Jun Mundial GC SB CMCN L6 FCV VI A7 MCL FCV ADA MCL MCP 1 Ecup TP A8 M MCP NC CRI CR1 M L7 CR2 E Jun ESem CR3 N L8 N M GC TP TP Ini ADA ADME M+P-Lamego P-Lamego A confirmar M - Vizela V Torneio Portel Torneio Cidade de Évora XXXVII Tor. Festas Cidade d Porto XIII Tor. Palheiros Costa Nova X Torneio Cidade Vizela XXX Torneio Cidade Lamego Aniversário XXXIII Torneio Oeiras Nation's Cup P+M - Waldshut Germany P+M - Lamego Portugal F+M - Odense Denmark Ecup APJM - V Torneio APJM- Misto-Porto, Foz; A1 a A8 - Campeonato MCP-Miraflores; V1 a V6 - Campeonato de Vizela; MCP horas em Miraflores VT - Taça de Vizela; AA - VI Torneio da Junta de Freguesia de Algés; SB - Torneio S. Bartolomeu-Mini-Porto, Foz; VI - X Torneio Cidade Vizela-Iniciados M - Torneio Magusto: 31 Outubro-Peter-Porto, Foz; 14 Novembro-Vizela, Costa Nova; N - Torneio Natal: 19 Dez-Vizela, Costa Nova; 25 Dez-Mini-Porto, Foz S - 2º Torneio Site CMP; L1 a L6 - Campeonato Lamego (L7-Torneio Magusto e L8-Torneio Natal) P - Vaduz Lienchenstein

9 9. Selecções Nacionais No domínio das Selecções Nacionais daremos continuidade à participação nas seguintes provas do Quadro Competitivo Internacional: European Seniors Nation Cup, destinada a clubes dos diferentes Países da Europa: Lamego, de 30 a 31 de Maio; European Juniors Championships, destinada aos atletas e selecções europeias juniores, femininas e masculinas: Waldshut, Alemanha 05 a 08 de Agosto; European Seniors Championships, destinada aos atletas e selecções europeias, femininas e masculinas: Lamego, de 5 a 8 de Agosto; World Championship General Class, destinado aos atletas e selecções mundiais de absolutos: Odense, Dinamarca 19 a 22 de Agosto Na sequência da aprovação do Regulamento de Alta Competição/Selecções Nacionais da Federação, em 2008, nasce a figura do Seleccionador Nacional. Assim, para o ano de 2009, surgirão as primeiras actividades de preparação devidamente enquadradas por aquele técnico: Selecção de Seniores Lamego de 01 a 03 de Maio Selecção Juniores Lamego de 11 a 12 de Julho 10. Organização de Eventos Internacionais Em 2009, o Complexo Desportivo de Lamego será palco da organização da Taça das Nações e do Campeonato Europeu de Seniores em Minigolfe. A Taça das Nações está agendada para os dias 30 e 31 de Maio. O Campeonato Europeu de Seniores realizar-seá entre 5 a 8 de Agosto. Assim, nos meses de Maio e Agosto, a cidade de Lamego será o centro das atenções de centenas de atletas oriundos de 15 países europeus. Dois grandes Eventos Internacionais. Uma excelente oportunidade para divulgar a modalidade no Pais. Uma ocasião para dar a conhecer Portugal, em particular a região de Lamego. Um grande desafio para a Federação e o Minigolfe Clube de Lamego, organizador dos dois Eventos, que em 2000 foi, inclusive, motivo de reconhecimento pela World Minigolf Federation na sequência da organização do Campeonato Europeu de Juniores então considerado a melhor organização de sempre. 11. Enquadramento Administrativo Desde 2007 que contamos com apoio de um profissional na área da Gestão do Desporto, que vem exercendo funções de Director de Projectos da Federação. Importa manter a colaboração com este profissional reforçando a verba que lhe foi atribuída pelo IDP em 2008, que é de 400 /mês. Face ao substancial crescimento da Federação Portuguesa de Minigolfe, consubstanciado pelo aumento e diversidade das actividades por ela promovidas, torna-se igualmente necessário contratar 9 F.P. de Minigolfe - Plano de Actividades e Orçamento 2009

10 mais dois técnicos, sem os quais muito dificilmente a Federação poderá fazer face à actual forte procura pela modalidade. Um dos técnicos terá por missão desenhar, executar, avaliar e reajustar a política de comunicação da Federação (nela incluem-se, naturalmente, os instrumentos de comunicação da Federação). O outro técnico terá como tarefa assegurar o acompanhamento permanente, em qualquer zona do País, dos Projectos da Federação, em particular os Projectos Mini&Golfi e Mexa-se em Família. 12. Representação em Organismos Internacionais É com particular orgulho que vimos Víctor Condeço, Presidente da Federação Portuguesa de Minigolfe, ser eleito Presidente da Federação Europeia de Minigolfe. Cargo que muito prestigia Portugal. 13. Candidatura ao Financiamento Público pelo IDP Este ponto pretende resumir os projectos fundamentais da Federação Portuguesa de Minigolfe para o ano de 2009, reforçando a sua importância junto do IDP. Projectos que serão motivo de candidatura ao financiamento publico através dos formulários existentes para o efeito. Investigação Cientifica Parceria com a Faculdade de Motricidade Humana para desenvolvimento do Estudo sobre o Perfil de Competências do Jogador de Minigolfe. Apoio solicitado: [Poder-se-á celebrar Contrato-Programa Plurianual] Projectos Inovadores de Desenvolvimento da Prática Desportiva Projecto Escolas de Minigolfe Apoio solicitado: Projecto Mini&Golfi Aumentar o n.º de Núcleos Escolares (+ 38 Núcleos já confirmados para 2009) Preço estimado do Kit = 70 Quantidade total de Kits (38 Núcleos X 5 Kits) = Extras de equipamento/substituição: 200 Reforço de Kits nos Núcleos já criados (20Kits) = Transportes: Criação de Mascotes: 400 Divulgação 500 Apoio solicitado: Desporto para Todos Projecto Mexa-se em Família Finalização do trabalho de Criação do Logótipo do Projecto 400 Apoio solicitado: 400 Apetrechamento Desportivo 12 Pistas de Minigolfe transportáveis Apoio solicitado: F.P. de Minigolfe - Plano de Actividades e Orçamento 2009

11 10 Conjuntos de Obstáculos Meu Minigolfe Apoio solicitado: Enquadramento Administrativo Director de Projectos Continuação da colaboração iniciada em 2007 Apoio solicitado: IVA (1.200 ) = Técnica de Comunicação Inicio de colaboração Apoio solicitado: Representação em Organismos Internacionais Cargo: Presidente da Federação Europeia de Minigolfe Apoio solicitado: Organização de Eventos Internacionais Campeonato da Europa de Seniores Apoio solicitado: Taça das Nações Apoio solicitado: Para além destes projectos, somos também candidatos a outras rubricas que fazem parte do habitual funcionamento da Federação, tais como: Organização e Gestão da Federação Apoio solicitado: Organização do Quadro Competitivo Nacional Apoio solicitado: Apoio a Clubes e Agrupamento de Clubes Apoio solicitado: Selecções Nacionais Apoio solicitado: F.P. de Minigolfe - Plano de Actividades e Orçamento 2009

12 ORÇAMENTO PARA 2009 Desenvolvimento Prática Desportiva RECEITAS 72 Proveitos Associativos 8.000, Proveitos Associativos: 7221 Quotas de Filiação Clubes 3.950, Agentes Desportivos 125, Associações 425, Inscrições: Inscrições de Clubes 2.000, Inscrições de Atletas 1.500, ,00 73 Proveitos Associativos 1.225, Seguros Desportivos 7361 Seguros de Atletas 1.225, ,00 74 Subsídios à Exploração , Do Estado e Outros Entes Públicos 7412 Administração Pública Desportiva Actividades Regulares (IDP) , Autarquias 2.550, , De Entidades Desportivas: 7421 Federações 500, Outras Entidades Desportivas 1.500, , De Outras Entidades: 7481 Particulares 6.000, ,00 Total das Receitas ,00 A Direcção

13 ORÇAMENTO PARA 2009 Desenvolvimento Prática Desportiva DESPESAS 62 Fornecimentos e Serviços Externos , Fornecimentos e Serviços: Material de Escritório 750, Artigos para Oferta 550, Rendas e Alugueres 1.100, Comunicação 800, Seguros Seguros - Desportivos 3.750, Deslocações e Estadias Reuniões de Organismos Internacionais 5.100, Outras 2.000, Honorários Enquadramento Técnico , Outros 2.000, Limpeza, Higiene e Conforto 200, Trabalhos Especializados 2.750, ,00 65 Outros Custos e Perdas Operacionais , Apoios Monetários Concedidos: 6511 Clubes Funcionamento/Desenvolvimento das Actividades e/ou Projectos 1.500, Deslocação de Clubes ao Estrangeiro 5.500, , Quotizações: 6521 Fed. das Colectividades Distrito Porto (Quotas Associativa) 90, Fed. das Colectividades Distrito Porto (Quotas Suplementar) 960, WMF - Federação Internacional 350, Confederação do Desporto 275, , Inscrições: 6541 Quadros Competitivos 500,00 500, Gastos com Selecções Nacionais: 6551 Actividades de Preparação das Selecções 3.650, Competição , , Projectos Inovadores: 6571 Projecto Inovador - Desporto Juvenil , ,00

14 ORÇAMENTO PARA 2009 Desenvolvimento Prática Desportiva DESPESAS 658 Custos com Desenvolvimento da Actividade Desportiva: 6581 Aquisição de Bens Afectos à Organização de Actividades , ,00../. 659 Custos com Organização de Acontecimentos Desportivos: 6591 Organização de Quadros Competitivos Nacionais Concentrações ou Circuitos Taça de Portugal 4.600, Campeonato Nacional de Equipas 1.550, Campeonato Nacional de Iniciados 1.200, Campeonato Regional de Iniciados 500, , Jornadas Campeonato Nacional Individual 2.900, Campeonatos Regionais 2.900, ,00 68 Custos e Perdas Financeiros 70, Outros Custos e Perdas Financeiros 6881 Serviços Bancários 70, ,00 00 Total das Despesas ,00 A Direcção

15 ORÇAMENTO PARA 2009 Eventos Desportivos Internacionais - Taça das Nações Séniores Lamego 2009 RECEITAS 72 Proveitos Associativos 1.200, Quotizações de Filiação e Inscrição: 7219 Outras Quotizações de Filiação e Inscrição 1.200, ,00 73 Proveitos Associativos 6.000, Publicidade 6.000, ,00 74 Subsídios à Exploração , Do Estado e Outros Entes Públicos 7412 Administração Pública Desportiva (IDP) , Autarquias , De Outras Entidades Oficiais , , De Entidades Desportivas: 7428 Outras Entidades Desportivas 2.500, ,00 76 Outros Proveitos e Ganhos Operacionais 6.250, Contribuições: 7612 Entidades Autárquicas 2000, Entidades Privadas 2500, , Outros Proveitos não Especificados 1750, ,00 Total das Receitas ,00 A Direcção

16 ORÇAMENTO PARA 2009 Eventos Desportivos Internacionais - Taça das Nações Séniores Lamego 2009 DESPESAS 61 Custo das Mercadorias Vendidas e Materiais Consumidos 9.750, Mercadorias: 6123 Diversos 1.000, , Materiais de Consumo: 6161 Material Desportivo 6.000, Medicamentos e Artigos de Saúde 250, Material de Representação e Propaganda 1.500, Materiais Diversos 1.000, ,00 62 Fornecimentos de Serviços Externos , Fornecimentos e Serviços Ferramentas e Utensílios de Desgaste Rápido 500, Material de Escritório 750, Artigos para Oferta 3.500, Rendas e Alugueres 2.250, Despesas de Representação 1.200, Comunicação 1.750, Seguros: Seguros Desportivos 1.500, Transportes de Material e Equipamento 1.500, Transportes de Pessoal 1.200, Deslocações e Estadas 8.050, Honorários 2.750, Conservação e Reparação 750, Publicidade e Propaganda 3.500, Limpeza, Higiene e Conforto 250, Vigilância e Segurança 750, Trabalhos Especializados 1.250, Outros Fornecimentos e Serviços 1.500, a 629 Fornecimentos e Serviços Externos - Diversos 3.750, ,00 64 Custos com o Pessoal 1.300,00 641/9 Custos com Pessoal Diversos 1.300, ,00 65 Outros Custos e Perdas Operacionais 5.700, Apoios Monetários Concedidos: 6514 Clubes 4.500, , Quotizações de Filiação 1.200, ,00 Total das Despesas ,00 A Direcção

17 ORÇAMENTO PARA 2009 Eventos Desportivos Internacionais - Campeonato Europeu Séniores Lamego 2009 RECEITAS 72 Proveitos Associativos 2.500, Quotizações de Filiação e Inscrição: 7219 Outras Quotizações de Filiação e Inscrição: 2.500, ,00 73 Proveitos Associativos 8.000, Publicidade 8.000, ,00 74 Subsídios à Exploração , Do Estado e Outros Entes Públicos 7412 Administração Pública Desportiva (IDP) , Autarquias , De Outras Entidades Oficiais 3.000, , De Entidades Desportivas: 7428 Outras Entidades Desportivas 2.500, ,00 76 Outros Proveitos e Ganhos Operacionais 7.600, Contribuições: 7612 Entidades Autárquicas 3000, Entidades Privadas 3000, , Outros Proveitos não Especificados 1600, ,00 Total das Receitas ,00 A Direcção

18 ORÇAMENTO PARA 2009 Eventos Desportivos Internacionais - Campeonato Europeu Séniores Lamego 2009 DESPESAS 61 Custo das Mercadorias Vendidas e Materiais Consumidos , Mercadorias: 6123 Diversos 1.750, , Materiais de Consumo: 6161 Material Desportivo 6.000, Medicamentos e Artigos de Saúde 250, Material de Representação e Propaganda 2.500, Materiais Diversos 1.500, ,00 62 Fornecimentos de Serviços Externos , Fornecimentos e Serviços Ferramentas e Utensílios de Desgaste Rápido 750, Material de Escritório 1.250, Artigos para Oferta 5.500, Rendas e Alugueres 3.250, Despesas de Representação 1.500, Comunicação 2.250, Seguros: Seguros Desportivos 1.750, Transportes de Material e Equipamento 2.250, Transportes de Pessoal 1.750, Deslocações e Estadas , Honorários 4.250, Conservação e Reparação 750, Publicidade e Propaganda 4.500, Limpeza, Higiene e Conforto 450, Vigilância e Segurança 1.250, Trabalhos Especializados 1.750, Outros Fornecimentos e Serviços 2.250, a 629 Fornecimentos e Serviços Externos - Diversos 4.750, ,00 64 Custos com o Pessoal 1.750,00 641/9 Custos com Pessoal Diversos 1.750, ,00 65 Outros Custos e Perdas Operacionais 6.650, Apoios Monetários Concedidos: 6514 Clubes 5.250, , Quotizações de Filiação 1.400, ,00 Total das Despesas ,00 A Direcção

Federação Portuguesa de Minigolfe

Federação Portuguesa de Minigolfe PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO 2010 Federação Portuguesa de Minigolfe Índice Introdução_2 Projectos Inovadores de Desenvolvimento Desportivo Juvenil_2 Organização do Quadro Competitivo_15 Enquadramento

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO

PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2012 ÍNDICE Introdução_2 Projetos Inovadores de Desenvolvimento Desportivo Juvenil_2,3,4 Organização do Quadro Competitivo_4,5 Representação em Organismos Internacionais_6

Leia mais

Federação Portuguesa de Minigolfe. Plano de Actividades e Orçamento 2007. Índice

Federação Portuguesa de Minigolfe. Plano de Actividades e Orçamento 2007. Índice Federação Portuguesa de Minigolfe Plano de Actividades e Orçamento 2007 Índice Introdução_2 Investigação Cientifica_2 Formação de Recursos Humanos_3 Divulgar e Mobilizar_4 Organização do Quadro Competitivo_5

Leia mais

O QUE É OBJECTIVOS: VANTAGENS

O QUE É OBJECTIVOS: VANTAGENS O QUE É O Gira Volei é um jogo fácil, divertido e competitivo destinado aos jovens com idade compreendida entre os 8 e os 16 onde apenas se pode utilizar uma técnica: o passe. OBJECTIVOS: Contribuir para

Leia mais

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DO DESPORTO ESCOLAR 2014-2015 ( a que se refere o Despacho nº9302/2014 de 17 de julho) 1. ÂMBITO O presente regulamento define

Leia mais

ORÇAMENTO PARA 2013. QUADRO DE RENDIMENTOS (De 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2013)

ORÇAMENTO PARA 2013. QUADRO DE RENDIMENTOS (De 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2013) 012345670 89 QUADRO DE RENDIMENTOS FACTOR VALOR TOTAL DAS CONTAS DA 1 RENDIMENTO DE BENS PRÓPRIOS Patrocínios e Publicidade 757.489 724 Prestações de Serviços - Patrocínios 757.489 2 INSCRIÇÕES E TAXAS

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES E CONTAS

RELATÓRIO DE ATIVIDADES E CONTAS RELATÓRIO DE ATIVIDADES E CONTAS 2014 INDÍCE 1. INTRODUÇÃO 2. VOTOS DE AGRADECIMENTO 3. PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DO MINIGOLFE E APOIO PARA FORMAÇÃO NOS CLUBES 4. ORGANIZAÇÃO DE ESTRUTURAS DE APOIO ÀS

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

Workshop (Da Estrutura e Desenvolvimento)

Workshop (Da Estrutura e Desenvolvimento) NOTA PRÉVIA: Dada a diversidade e quantidade de ideias e propostas manifestadas, optou por fazer-se uma síntese dos assuntos abordados retirando os comentários e as trocas de opiniões que entretanto surgiram,

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

Federação Portuguesa de Bridge Orçamento Ano 2008 ORÇAMENTO. Federação Portuguesa de Bridge. para o ano 2008 - 1 -

Federação Portuguesa de Bridge Orçamento Ano 2008 ORÇAMENTO. Federação Portuguesa de Bridge. para o ano 2008 - 1 - ORÇAMENTO da Federação Portuguesa de Bridge para o ano 2008 Lisboa, 21 de Outubro de 2007-1 - Orçamento para 2008 A Direcção da Federação Portuguesa de Bridge em cumprimento do disposto na alínea b) do

Leia mais

PROJETO NACIONAL ATIVIDADES AQUÁTICAS

PROJETO NACIONAL ATIVIDADES AQUÁTICAS PROJETO NACIONAL ATIVIDADES AQUÁTICAS WWW.AQUASUB.PT Aquasub - Etapas de Intervenção O Aquasub é um projeto nacional da Federação Portuguesa de Actividades Subaquáticas () de iniciação às modalidades aquáticas

Leia mais

NÍVEL I INTRODUÇÃO OBJECTIVOS:

NÍVEL I INTRODUÇÃO OBJECTIVOS: INTRODUÇÃO NÍVEL I O Gira-Volei é um jogo de iniciação à modalidade destinada aos jovens com idades compreendidas entre os 8 e 15 anos, onde através do jogo simplificado (2x2) e utilização do passe faz

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA BOLSAS IBERO-AMERICANAS. JOVENS PROFESSORES E INVESTIGADORES CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA BOLSAS IBERO-AMERICANAS. JOVENS PROFESSORES E INVESTIGADORES CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA BOLSAS IBERO-AMERICANAS. JOVENS PROFESSORES E INVESTIGADORES CONVOCATÓRIA 2015 A promoção da investigação através de programas que contribuam de maneria eficaz para a criação

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2010. Senhores Dirigentes dos Clubes e Associações representativas de Clubes

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2010. Senhores Dirigentes dos Clubes e Associações representativas de Clubes FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2010 Senhor Presidente da Mesa da Assembleia-geral Senhores Dirigentes dos Clubes e Associações representativas de Clubes Senhores Dirigentes

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIADO REGULAMENTO INTERNO DO VOLUNTARIADO REGULAMENTO Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento visa definir as linhas orientadoras do grupo de voluntariado Marvila Voluntária, o qual tem como entidade promotora

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 Os atuais órgãos sociais do Clube Recreativo Charnequense foram eleitos em Janeiro do corrente ano, como é do conhecimento dos associados. De acordo com os Estatutos do Clube,

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR

CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR Documento orientador de integração de Praticantes Critérios de financiamento às Federações Desportivas 2014/2015 O Centro de Alto Rendimento do Jamor (CAR Jamor) é uma

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

PROJECTO NACIONAL DE DETECÇÃO DE TALENTOS DESPORTIVOS

PROJECTO NACIONAL DE DETECÇÃO DE TALENTOS DESPORTIVOS PROJECTO NACIONAL DE DETECÇÃO DE TALENTOS DESPORTIVOS 1 PROJECTO NACIONAL DE DETECÇÃO DE TALENTOS DESPORTIVOS I. MEMÓRIA DESCRITIVA 1. O Projecto Nacional de Detecção de Talentos Desportivos, identificados

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012)

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Regulamento Interno www.tone.pt (Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Introdução www.tone.pt A Tone Music Lda encontra-se sediada em Coimbra, circunscrevendo actualmente o seu raio de acção a este

Leia mais

Centros Desportivos para a Preparação Olímpica

Centros Desportivos para a Preparação Olímpica Centros Desportivos para a Preparação Olímpica Exposição de motivos A prática desportiva de alto rendimento é pautada por critérios de excelência o que a obriga a padrões de exigência elevados. Essas exigências

Leia mais

RUGBY. para TODOS. Escolinhas de Rugby Um projecto de interacção social. Departamento de Desenvolvimento. Henrique Garcia

RUGBY. para TODOS. Escolinhas de Rugby Um projecto de interacção social. Departamento de Desenvolvimento. Henrique Garcia RUGBY para TODOS Escolinhas de Rugby Um projecto de interacção social Departamento de Desenvolvimento Henrique Garcia 1. Introdução A Federação Portuguesa de Rugby tem como missão tornar possível que TODAS

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições.

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições. 1. No dia 4 de Dezembro, a União Distrital de Santarém em parceria com Segurança Social, levou a efeito o ultimo dos 5 encontros realizados em várias zonas do distrito, sobre o tema "Encontros de Partilha",

Leia mais

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Setúbal, 28 de Introdução No âmbito das relações com o sistema desportivo, a partilha de competências entre o Estado e o movimento associativo deverá sempre

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2016 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 1. Princípios de Ação.4 2. Recursos Organizacionais.4 3. Recursos Humanos 5 4. Recursos Físicos

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ

CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia Gaianima, E. M., Equipamentos Municipais Departamento do Desporto Escolar Escola Profissional de Gaia Academia de Xadrez de

Leia mais

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Os princípios de orientação do presente regulamento do CITI são os seguintes: 1º Participação

Leia mais

Vida por vida 2014 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO ANO DE 2014

Vida por vida 2014 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO ANO DE 2014 Vida por vida PL DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO DE Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Amarante Fundada em 1921 NOTA DE APRESENTAÇÃO Excelentíssimos Senhores Associados, Para cumprimento do

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: E.I.A. - Ensino, Investigação

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

«CIÊNCIA NA ESCOLA» REGULAMENTO DO PRÉMIO. 9ª Edição 2010/11

«CIÊNCIA NA ESCOLA» REGULAMENTO DO PRÉMIO. 9ª Edição 2010/11 «CIÊNCIA NA ESCOLA» REGULAMENTO DO PRÉMIO 9ª Edição 2010/11 REGULAMENTO PRÉMIO FUNDAÇÃO ILÍDIO PINHO "CIÊNCIA NA ESCOLA CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º 1. A e o Ministério da Educação celebraram

Leia mais

Bolsa de Inovação da Secção Regional de Lisboa DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS REGRAS DE ATRIBUIÇÃO

Bolsa de Inovação da Secção Regional de Lisboa DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS REGRAS DE ATRIBUIÇÃO A Direcção da Secção Regional de Lisboa da Ordem dos Farmacêuticos, reunida em sessão de 18 de Julho de 2012, deliberou instituir uma Bolsa, destinada a apoiar projectos de investigação e projectos profissionais

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

Regulamento 2010/2011. Cursos de Treinadores de Futebol. Distrital (Nível I)

Regulamento 2010/2011. Cursos de Treinadores de Futebol. Distrital (Nível I) Regulamento 2010/2011 Cursos de Treinadores de Futebol (Nível I) 1.- ORGANIZAÇÃO A responsabilidade dos Cursos de Treinadores é da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), através do seu (SF), a quem compete

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau4 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU IV A formação de Grau IV consubstancia o topo da hierarquia profissional da actividade de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE VOLEIBOL DE S. MIGUEL

ASSOCIAÇÃO DE VOLEIBOL DE S. MIGUEL ASSOCIAÇÃO DE VOLEIBOL DE S. MIGUEL REGULAMENTO INTERNO SECÇÃO I COMISSÕES DIRECTIVAS Artigo 1º As Comissões Directivas dependem directamente da Direcção competindo-lhes assegurar as actividades julgadas

Leia mais

Campeonato de Portugal Cross Longo. Atletas à procura de qualificação para o Campeonato da Europa

Campeonato de Portugal Cross Longo. Atletas à procura de qualificação para o Campeonato da Europa Campeonato de Portugal Cross Longo Atletas à procura de qualificação para o Campeonato da Europa No próximo dia 10 de Fevereiro, Gouveia vai receber o "Campeonato de Portugal Cross Longo. A prova terá

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

Projecto de criação. Escola de Futebol do. Clube Académico de Futebol Viseu

Projecto de criação. Escola de Futebol do. Clube Académico de Futebol Viseu Projecto de criação Escola de Futebol do Clube Académico de Futebol Viseu Setembro de 2002 Índice Metas propostas do projecto... 3 Recursos humanos... 3 Recursos materiais... 4 Instalações... 4 Material

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

5ª Edição do Prémio SIC Esperança Escola Solar Regulamento

5ª Edição do Prémio SIC Esperança Escola Solar Regulamento A SIC Esperança promove anualmente a entrega de um prémio a um projeto inovador ainda não implementado, que tenha como objetivo a melhoria da qualidade de vida, em particular de pessoas socialmente desfavorecidas.

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO (Aprovado na 6ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 18 de Março de 2003, na 2ª Sessão Extraordinária de Assembleia Municipal, realizada

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Treinadores. Patinagem Artística Grau I

Regulamento dos Cursos de Treinadores. Patinagem Artística Grau I Regulamento dos Cursos de Treinadores Patinagem Artística Grau I 1. Organização A responsabilidade dos Cursos de Treinadores é da Federação de Patinagem de Portugal (FPP), através da Direcção Técnica Nacional

Leia mais

Workshop Certificação de Entidades pela DGERT

Workshop Certificação de Entidades pela DGERT www.b-training.pt Workshop Certificação de Entidades pela DGERT 27 de Maio de 2011 ORDEM DE TRABALHOS 10h00 11h15 11h30 12h30 13h Início dos Trabalhos Coffee-Break Reinício dos Trabalhos Perguntas & Respotas

Leia mais

Apesar de se tratar de uma modalidade amadora, entendemos que a gestão federativa deve pautar-se por elevados padrões de rigor e profissionalismo.

Apesar de se tratar de uma modalidade amadora, entendemos que a gestão federativa deve pautar-se por elevados padrões de rigor e profissionalismo. ! A candidatura dos signatários apresenta-se com um espírito renovador e inovador das políticas e dos processos da gestão federativa do Bridge Português. Apesar de se tratar de uma modalidade amadora,

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

Cada instituição tem que obrigatoriamente apresentar as facturas das respectivas despesas no âmbito do projecto candidatado.

Cada instituição tem que obrigatoriamente apresentar as facturas das respectivas despesas no âmbito do projecto candidatado. Programa de Educação Ambiental Círculo Mágico 2007/2008 O programa Círculo Mágico, ano lectivo 2007/2008, seguirá a seguinte metodologia: Abordará, no âmbito do apoio aos projectos candidatados pelas escolas,

Leia mais

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL 2015 PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL 2015 MANUAL OPERACIONAL Prémios Europeus de Promoção Empresarial 2015 2/13 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

Federação Nacional de Karaté Programa de Formação 2012-2015 17-03 - 2012

Federação Nacional de Karaté Programa de Formação 2012-2015 17-03 - 2012 Federação Nacional de Karaté Programa de Formação 2012-2015 Documentação Produzida http://prodesporto.idesporto.pt/ Etapas do Processo Referenciais de Formação Geral Referenciais de Formação Específica

Leia mais

Projecto. Normas de Participação

Projecto. Normas de Participação Projecto Normas de Participação PREÂMBULO Num momento em que o mundo global está cada vez mais presente na vida das crianças e jovens, consideraram os Municípios da Comunidade Intermunicipal da Lezíria

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas Centro de Ciências Matemáticas Campus Universitário da Penteada P 9000-390 Funchal Tel + 351 291 705181 /Fax+ 351 291 705189 ccm@uma.pt Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas I Disposições gerais

Leia mais

Passe Jovem no SVE KIT INFORMATIVO PARTE 2 PASSE JOVEM NO SVE. Programa Juventude em Acção

Passe Jovem no SVE KIT INFORMATIVO PARTE 2 PASSE JOVEM NO SVE. Programa Juventude em Acção PASSE JOVEM NO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 2 Maio de 2011 1. O SVE como experiência de aprendizagem Ser um voluntário do SVE é uma valiosa experiência pessoal, social e cultural,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Curso de Treinadores UEFA Pro 2013. Regulamento. 20 de Maio a 21 de Junho 2013 Quiaios Hotel Figueira da Foz

Curso de Treinadores UEFA Pro 2013. Regulamento. 20 de Maio a 21 de Junho 2013 Quiaios Hotel Figueira da Foz Curso de Treinadores UEFA Pro 2013 Regulamento 20 de Maio a 21 de Junho 2013 Quiaios Hotel Figueira da Foz REGULAMENTO 1.- ORGANIZAÇÃO O Curso de Treinadores UEFA Professional é organizado pela Federação

Leia mais

MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE

MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE RESPONSABILIDADE SOCIAL Com vista a promover uma cultura de responsabilidade social, o Millennium bcp tem procurado desenvolver um conjunto de acções junto dos vários grupos

Leia mais

RESPONSABILIDADES DOS AGENTES FORMATIVOS

RESPONSABILIDADES DOS AGENTES FORMATIVOS RESPONSABILIDADES DOS AGENTES FORMATIVOS CAB ÉPOCA 2015/2016 SUPERVISORES Definem os conceitos e os modelos de treino e de jogo que devem orientar o funcionamento das equipas da Formação de maneira a que

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

ESTÁ ao serviço das pessoas, das famílias e das comunidades, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do bem estar das populações.

ESTÁ ao serviço das pessoas, das famílias e das comunidades, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do bem estar das populações. O Voluntariado O Voluntariado traduz-se no conjunto de acções de interesse social e comunitário, realizadas de forma desinteressada por pessoas, no âmbito de projectos, programas e outras formas de intervenção

Leia mais

Futebol Feminino no Desporto Escolar. Plano Plurianual de desenvolvimento do projeto 2015/2016

Futebol Feminino no Desporto Escolar. Plano Plurianual de desenvolvimento do projeto 2015/2016 Futebol Feminino no Desporto Escolar Plano Plurianual de desenvolvimento do projeto 2015/2016 INTRODUÇÃO O Futebol Feminino é uma atividade que tem crescido nos últimos tempos em Portugal e por isso, sentimos

Leia mais

Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário

Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Responsabilidade Social Como estratégia de Sustentabilidade a Responsabilidade Social das Organizações, tornou-se de vital importância para o Terceiro Sector,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads.

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads. FBAUP Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade Av. Rodrigues de Freitas 265 4049-021 Porto T - 225 192 400 F - 225 367 036 office@i2ads.org REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 INTRODUÇÃO Com o presente programa pretende-se continuar com o trabalho de divulgação e promoção da modalidade, iniciado nas épocas anteriores, na cidade das Caldas da Rainha

Leia mais

Época 07/08 (ano 2008):

Época 07/08 (ano 2008): Anexo A (Taças de Portugal 07/08 e 08/09 - ano 2008) DATAS EVENTO LOCAL CLUBE TAÇA DE PORTUGAL Época 07/08 (ano 2008): 05 e 06Jan08 CA s/provisoria Idanha a Nova ADFA TP CA 12 e 13Jan08 IV Troféu Ori-BTT

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO A Câmara Municipal de Serpa no âmbito da sua politica para as áreas sócio-cultural e desportiva, considera o movimento associativo como parceiro

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ORÇAMENTO

PLANO DE ATIVIDADES ORÇAMENTO CENTRO DE CULTURA E DESPORTO DO PESSOAL DO MUNICÍPIO DE CASCAIS PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2016 Índice 1. Introdução... 3 2. Eixos Estratégicos... 4 3. Objetivos Estratégicos... 5 4. Notas Finais...

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÉMIO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º

REGULAMENTO DO PRÉMIO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º REGULAMENTO DO PRÉMIO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º 1.A Fundação Ilídio Pinho, o Ministério da Educação e Ciência e Ministério da Economia celebraram um Protocolo com vista à instituição de

Leia mais

2015/2016 INTRODUÇÃO

2015/2016 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A concepção de um Prémio Distrital da Qualidade surgiu na sequência da experiência e resultados alcançados com o Programa de Modernização Administrativa das Autarquias de Setúbal (PROMAAS),

Leia mais

2014/15. Nesta. A quem se dirige? O Projeto Nós. municípios onde. locais; Geografia; Quem

2014/15. Nesta. A quem se dirige? O Projeto Nós. municípios onde. locais; Geografia; Quem Projetoo Nós Propomos! Cidadania, Sustentabilidadee e Inovação na Educação Geográfica 2014/15 Quem o promove? Nesta sua 4ª edição, o Projeto Nós Propomos! Cidadania, SustentabiliS idade e Inovação na Educação

Leia mais