UNIVERSIDADE POSITIVO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA A NARRATIVA DO FAIT DIVERS EM PROGRAMAS POPULARES DE TELEVISÃO: O CASO TRIBUNA DA MASSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE POSITIVO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA A NARRATIVA DO FAIT DIVERS EM PROGRAMAS POPULARES DE TELEVISÃO: O CASO TRIBUNA DA MASSA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE POSITIVO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA A NARRATIVA DO FAIT DIVERS EM PROGRAMAS POPULARES DE TELEVISÃO: O CASO TRIBUNA DA MASSA CURITIBA 2010

2 BRUNA STEUDEL HELOISA DUDA LUCIANA NOBRE MARIANA ZARPELLON RENATA HERNANDES LOPES A NARRATIVA DO FAIT DIVERS EM PROGRAMAS POPULARES DE TELEVISÃO: O CASO TRIBUNA DA MASSA Monografia apresentada como requisito parcial à conclusão do Curso de Publicidade e Propaganda Núcleo de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas da Universidade Positivo. Orientador: Profº Alexandre Tadeu dos Santos CURITIBA 2010

3

4 A palavra dos homens é o material mais duradouro. Se um poeta deu corpo à sua sensação passageira com as palavras mais apropriadas, aquela sensação vive através dos séculos nessas palavras e é despertada novamente em cada leitor receptivo _Schopenhauer. Aos nossos pais pelo apoio, carinho e incentivo em todos os momentos decisivos, aos amigos pelo entusiasmo, e ao professor Alexandre Tadeu pela dedicação e por nos fazer sempre acreditar no potencial do esforço e da leitura.

5 SUMÁRIO LISTA DE IMAGENS... 5 RESUMO INTRODUÇÃO A ESTRUTURA DO FAIT DIVERS FAIT DIVERS: UMA SÍNTESE OBJETIVA PARA UMA ESTRUTURA ENGENHOSA OS CAMINHOS DO FAIT DIVERS O Fait Divers e o antigo: consolidação e êxito no jornal impresso Os fatos que chocaram a sociedade e sua repercussão nos jornais O Fait Divers e contemporâneo: metamorfoses na televisão brasileira ANÁLISES ESTÉTICAS: O GROTESCO E A NARRATIVA DO FAIT DIVERS PROGRAMA TRIBUNA DA MASSA: UMA ANÁLISE NA PRÁTICA ANÁLISES ESTRUTURAIS: DA REDAÇÃO À ESCOLHA DAS PAUTAS E À MONTAGEM DO ROTEIRO Análise estrutural: trajetória do programa Tribuna da Massa O programa Tribuna da Massa e a abordagem atual Análise de casos mostrados no programa O caso Joselaine, o sonho de uma viúva trabalhadora O caso Aleixo boca torta - 05/10/ Considerações sobre a narrativa sensacionalista CONCLUSÃO REFERÊNCIAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS WEBGRAFIA VIDEOGRAFIA APÊNDICES ROTEIROS DE ENTREVISTAS... 63

6 6.1.1 Roteiro de entrevista para a produtora do programa Tribuna da Massa, Rosane Freire Roteiro de entrevista para o apresentador do programa Tribuna da Massa 2ª edição, Adilson Arantes TRANSCRIÇÃO DAS ENTREVISTAS Entrevista com Rosane Freire Entrevista com Adilson Arantes ANEXO DE IMAGENS... 78

7 LISTA DE IMAGENS FIGURA 2.1 Feuilleton du Petit Journal FIGURA 2.2 Macabra Coincidência FIGURA 2.3 Revista Fon Fon Folhetins FIGURA 2.4 Revista Fon Fon Na Calçada FIGURA 2.5 O Crime da Mala FIGURA 2.6 Varias FIGURA 2.7 Varias As barbas do vizinho FIGURA 3.1 Carta sobre o cavalo FIGURA 3.2 Carta sobre o cortador de grama FIGURA 6.1 No rastro do mistério FIGURA = FIGURA tiros, 4 mortos FIGURA 6.4 Monstro é apelido... 81

8 RESUMO O Fait Divers é um formato narrativo que assim como o romance de folhetim, nasceu no século XIX e fez muito sucesso. Ainda hoje suas características são visíveis em muitos gêneros, formatos e narrativas. Dessa forma, procuramos investigar através desse trabalho a relação entre a narrativa Fait Divers e o discurso do programa popular Tribuna da Massa, analisando sob quais aspectos e em que medida isso acontece, relacionando também os conceitos de sensacionalismo e estética do grotesco com o objetivo de estabelecer parâmetros. O estudo será feito através de uma análise do Fait Divers ao longo da história dos meios de comunicação e, por fim, através de estudos de casos mostrados no programa. Palavas-chaves: Tribuna da Massa, Folhetim, Fait Divers, grotesco, sensacionalismo, narrativa.

9 7 1. INTRODUÇÃO Pretendemos,através desse trabalho, investigar a relação existente entre programas populares como o Tribuna da Massa, programa que mistura informação com entretenimento, e o Fait Divers, gênero narrativo do século XIX. Os casos, ou crônicas, Fait Divers surgem na oralidade como contos e causos do dia-a-dia e passam a ser publicados nas notas de rodapé dos jornais populares, inicialmente na França. Suas principais características são a abordagem enfática e dramatizada que, através de elementos como a causalidade aleatória dos fatos o qual reporta, pode levar ao exagero e às coincidências, configurando um acontecimento misterioso. Assim, o Fait Divers não é apenas uma notícia comum é um fato curioso, inexplicável, e devido a isso leva à busca pelas respostas em suposições, crenças e no destino. Dessa forma, a linguagem do Fait Divers é inerente não só ao mundo factual, mas também ao ficcional. Portanto, procuraremos estudar a relação entre a linguagem do programa Tribuna da Massa, o qual mescla em sua narrativa o factual e o ficcional através de uma linguagem enfática, e o formato Fait Divers.(tirara palavra folhetinesco) O programa Tribuna da Massa apresenta um gênero misto de notícias policiais, atenção à comunidade e interação, além de outros quadros com conteúdos diversos os quais englobam curiosidades ocorridas na cidade de Curitiba, Região Metropolitana e em alguns casos no Paraná. Possui também caráter comunitário, de prestação de serviços, atendendo às necessidades da população. Procura trazer informações úteis à comunidade com os principais temas da cidade, com especial atenção para os bairros populares. Há também os quadros Palco do Povo e Gente procurando Gente. Serão estabelecidas comparações entre a narrativa do Fait Divers e a do programa, começando pela descrição do Fait Divers, de sua estrutura, características, origens, propagação para os principais meios de comunicação e adaptação às diversas linguagens, bem como uma análise de suas características segundo a estética do grotesco. Descreveremos esse caminho ao longo da história do jornal impresso, exemplificando através de notícias que causaram polêmicas devido ao seu conteúdo (como crimes, curiosidades, mortes e milagres) em jornais como o Commércio do Paraná, e O Diário da Tarde de 1918, entre outros que serão mencionados. Serão feitas também análises comparadas com manchetes do jornal local Tribuna do Paraná, o qual segue a mesma linha do programa Tribuna da Massa, para exemplificar como a narrativa do Fait Divers se insere no contexto atual dos jornais impressos.

10 8 Paralelamente, um formato semelhante, o romance de folhetim, será também estudado, sob a mesma ótica, contextualizando historicamente e investigando as principais características que fizeram dessa forma de narrar uma linguagem de tanto sucesso, através de imagens e textos da revista de variedades Fon-Fon do ano de Após descritos em suas qualidades, analisaremos de que maneira os dois formatos se relacionam, estabelecendo pontos em comum, como o discurso melodramático, entre outros pontos fundamentais para o entendimento da propagação e adaptação de tais narrativas. Partiremos então para uma análise do Fait Divers no rádio, mostrando características da linguagem de programas populares como Aqui Agora de Gil Gomes para exemplificar em que formatos radiofônicos a narrativa do Fait Divers se insere, e quais elementos se assemelham ao Tribuna da Massa, passando pela linguagem folhetinesca através das novelas e dos programas de auditório da rádio Mayrink Veiga. Passando para o gênero televisivo, serão analisados dois formatos: a telenovela e o telejornal, descrevendo momentos decisivos de cada um e analisando em quais deles as narrativas folhetinescas se fazem presentes. Um exemplo disto é a telenovela Beto Rockefeller de Braulio Pedroso, a qual inaugurou o gênero romântico realista para ilustrar o modelo ficção-realidade. Serão mencionados também programas como O real e o sobrenatural com o mesmo objetivo de contextualizar o Fait Divers e a narrativa ficçãorealidade nos programas atuais da televisão regional. Para realizar estas comparações, partiremos do pressuposto de que o Fait Divers, o romance folhetinesco e o melodrama se misturaram ao longo do tempo, segundo a teoria de Sonia Maria Lanza, permeando diversos outros gêneros e formatos, como a programação televisiva, a ponto de formatos ficcionais como a telenovela tornarem-se mais realísticos, de forma semelhante ao folhetim: o romance da vida, e formatos jornalísticos se tornarem ficcionais, semelhantes ao Fait Divers: a vida romanceada. No segundo capítulo serão feitas três análises, uma através do estudo de quatro casos mostrados no programa em forma de pauta, outra através de uma entrevista realizada com a produtora da emissora Rede Massa, Rosane Freire, sobre a estrutura do programa Tribuna da Massa e a terceira através do acompanhamento da gravação do programa durante uma edição. Na primeira análise faremos um pequeno estudo de caso de três pessoas que fizeram pedidos pessoais ao programa através de cartas e foram ajudadas, e um quarto estudo sobre uma notícia polêmica mostrada pelo programa. Dois dos estudos de caso serão baseados

11 9 somente nas cartas e os outros dois em vídeos produzidos, mostrados respectivamente nos dias 30/09/2010 e 04/10/10, contando a história dessas pessoas. O primeiro vídeo analisado é documental e retrata a história de Joselaine, a autora da carta, a qual pede a ajuda do programa para conseguir uma máquina de crepes para poder trabalhar. O segundo vídeo analisado se trata de uma matéria retratando o caso de Aleixo boca torta o qual gerou muita polêmica em torno de seus crimes e foi retratado também no jornal Tribuna do Paraná. Através das cartas procuraremos mostrar a relação de proximidade entre o programa Tribuna da Massa e os telespectadores, legitimando o conceito de programa popular e voltado à comunidade. Já através dos vídeos, procuraremos analisar a abordagem dada aos casos mostrados, assim como as características discursivas usadas para construir o conteúdo, esclarecendo quais delas se assemelham à narrativa do Fait Divers e ao sensacionalismo, partindo do pressuposto de que este formato utiliza em seu discurso o Fait Divers e a linguagem folhetinesca. Em seguida, será feita a entrevista para responder a perguntas relacionadas ao programa: como os assuntos priorizados pela redação, à realização das pautas, o discurso, o público do programa, à abordagem dada pelos apresentadores ao conteúdo, entre outras questões relevantes. Através dessas perguntas será possível definir com mais clareza o gênero do programa, que se caracteriza por um mistura de ficção e realidade, mas que necessita de um esclarecimento mais criterioso, para só então, analisarmos as características narrativas do programa, sob quais aspectos se assemelham à linguagem do Fait Divers e,conseqüentemente, ao sensacionalismo. Por fim, através do acompanhamento de um dia de gravação do programa,analisaremos na prática questões como o roteiro, a ordem das matérias e das inserções publicitárias, a interpretação dos apresentadores ao vivo, entre outros elementos que constroem o discurso. Dessa forma, poderemos analisar também quais desses elementos estão enraizados na narrativa do Fait Divers e de que forma eles atendem a proposta do programa.

12 10 2. A ESTRUTURA DO FAIT DIVERS 2.1 FAIT DIVERS: UMA SÍNTESE OBJETIVA PARA UMA ESTRUTURA ENGENHOSA Partindo do estudo de caso do programa de gênero popular Tribuna da Massa, o qual oferece uma programação variada de notícias policiais e do cotidiano, interatividade com o público e atenção à comunidade, podemos estabelecer uma comparação entre sua narrativa melodramática e o Fait Divers, forma narrativa de muito sucesso entre os leitores de folhetins no século XIX. Entre suas principais características estão: a abordagem romanceada e dramática, a causalidade aleatória (que muitas vezes leva ao exagero e às coincidências), além dos fatos misteriosos, que podem levar uma interpretação através de significados criados por meio de crenças e suposições míticas ou do destino. Assim, partimos do pressuposto de que a abordagem e os temas apresentados no programa se assemelham à narrativa do Fait Divers. Fala-se hoje em Fait Divers como um gênero que sempre existiu, um conceito que naturalmente se explica na medida em que pensamos em sua estrutura tão peculiar, por isso, é importante buscar suas origens para que seja apropriadamente delineado em sua totalidade. Segundo Meyer (1996, p. 98) sobre a origem do o Fait Divers: Surgiu em Le Petit Journal em 1836 e não consta que tivesse sido utilizada anteriormente. Até então, falava-se, como diziam Balzac ou Nerval, de canards ou de fait Paris, ou de nouvelles (...) O conceito de Fait Divers não se impõe portanto per si. É uma noção aproximada que deve ser manejada com cautela (...) assim, a expressão Fait Divers não designa portanto somente uma atividade de distribuição das notícias entre a rubricas de um jornal, ou um tipo de informação, mas também, com uma conotação explicitamente pejorativa, uma categoria particular de acontecimentos.(meyer, 1996, p.98). Pode-se começar a entender o Fait Divers a partir da oposição entre o nomeado e o inominado, pois como afirma Barthes (2009, p. 215), tal estrutura só começaria a existir onde o mundo deixasse de ser nomeado, submetido a um catálogo conhecido (política, economia, guerras, espetáculos, ciências, etc), estabelecendo dessa forma, uma oposição em relação às notícias formais, classificadas dentro de um padrão temático, e que por conseqüência obedecem a uma estrutura coerente com o conteúdo. Assim, o Fait Divers, trata de temas generalizados, ou diversos, sem obedecer a uma ordem de conteúdo, mas seguindo

13 11 uma estrutura própria. Tal estrutura se caracteriza por um ciclo fechado, que segundo Barthes (2009, p. 216) é uma informação total, ou mais exatamente, imanente, contém em sim todo o seu saber: não há necessidade de conhecer nada do mundo para consumir um caso do dia, ele não remete formalmente para outra coisa que não seja ele próprio. Entende-se por isso que o Fait Divers não se desenvolve em forma de série, é único pois encerra onde começa, sem deixar qualquer tema que precise ser entendido ou desenvolvido fora de sua estrutura única. Em oposição a ele está a notícia política, caracterizada por fragmentos de romance os quais necessitam da continuidade para serem compreendidos. Como diz Barthes (2009, p. 216) [...] o assassinato que escapa ao caso do dia sempre que é exógeno, vindo de um mundo já conhecido, pode-se então dizer que não tem estrutura própria suficiente, por que ele nunca é senão uma termo manifesto de uma estrutura implícita que lhe pré-existe: não há informação política sem duração, porque a política é uma categoria transtemporal, o mesmo acontece com todas as categorias vindas de um horizonte nomeado, de um tempo anterior. (BARTHES, 2009, p. 216) O conteúdo do Fait Divers também obedece a uma estrutura. Ele constrói, por sua vez, a relação entre dois termos, ou seja, a informação é desdobrada em dois pontos principais, gerando uma problemática. Essa relação quase sempre pode ser quantificada, de modo que ao leitor, cause comoção e dramaticidade. Segundo Meyer (1996, p.99) [...] é uma narrativa construída sobre uma relação que visa provocar espanto, e este nasce da estrutura própria ao Fait Divers, que parece sempre se enquadrar em dois tipos, diz Barthes: uma causalidade anormal, inesperada, ligeiramente aberrante ou uma relação de coincidência. (MEYER, 1996, p.99) Essas relações podem, por repetição, gerar significado ou então levar ao exagero que, nesse caso, como diz a autora cria um universo mítico que acredita em uma inteligência escondida, em outras palavras, num Destino. A partir dessa afirmação é possível especular sobre a relação entre tal estrutura e o grotesco 1, uma vez que para Sanchez Vasquez apud Hoffman (2002, p. 287) O homem prefere o pior dos terrores a explicar aquilo que, em sua opinião, pertence ao mundo dos fantasmas, de modo algum quer satisfazer-se com o nosso universo, deseja ver algo que dependa do outro mundo, capaz de manter-se sem a meditação do corpo. 1 De acordo com Muniz Sodré e Raquel Paiva (2004, p. 25) trata-se da mutação brusca, da quebra insólita de uma forma canônica, de uma deformação inesperada.. Ao longo do estudo o termo grotesco será melhor explorado de acordo com as narrativas analisadas e seus meios de comunicação.

14 12 Ainda em Convite a Estética (2002, p.288) analisando o grotesco em Os Elixires do Diabo, Vasquez diz não faz mais que potencializar a estranheza e o mistério da existência humana, ali onde a realidade se perde No entanto, a relação de causalidade não é o único fator responsável para que as significações sejam construídas. Em muitos casos em que esta já é esperada e de certa forma considerada normal, o fator significante gerador de um suposto significado se transfere para o que se pode chamar de dramatis personae, ou as essências emocionais que comportam e vivenciam os estereótipos, de forma que o Fait Divers jamais deixa de provocar uma reação de espanto e de ligação com o sobrenatural. Outra característica resultante dessa estrutura causal é a efemeridade, ou seja, o Fait Divers devido ao seu conteúdo auto-explicativo, resoluto em apenas uma publicação não resiste ao tempo. Isso acontece porque o fator gerador do conflito não é concreto, espera-se uma causa e aparece outra, legitimando mais uma vez a anormalidade ligeiramente aberrante, que ressalta também o poder dos estereótipos presentes na trama. Assim, afirma Barthes (2009, p.220): um crime sem causa é um crime que se esquece: o caso do dia desaparece então, precisamente porque na realidade sua relação fundamental se extenua. Paradoxalmente à sua efemeridade está o curioso fato de que o Fait Divers nunca envelhece, com o passar do tempo seu formato foi se adaptando a diversos meios de comunicação, sem nunca deixar de existir e saciar as massas com seu conteúdo melodramático. Assim como afirma Meyer (1996, p. 99) É interessante notar que, num jornal, a página de Fait Divers é a única que não envelhece. Se é impossível, hoje, ao ler um jornal antigo, compreender algum fato político sem recorrer ao contexto (...) a leitura de um Fait Divers ainda pode, cem anos depois, causar os mesmos arrepios ou espanto (MEYER, 1996, p.99) Intrínseco à relação estrutural está o elemento que pode-se chamar de surpresas do número, fator responsável pela possibilidade de quantificar a causa. Assim, entende-se que quanto menor e menos explicado for o acontecido maior serão os efeitos, como exemplifica Barthes (2009, p. 220) Uma estudante americana tem de abandonar os estudos: o seu peito (104 cm) provocava galhofa (...) Um comboio descarrilha no Alaska: um veado tinha bloqueado a agulhagem.

15 13 Essa relação de causalidade e quantificação da causa pode ser observada em manchetes de jornais populares como Tribuna do Paraná 2, o qual segue a mesma linha do programa Tribuna da Massa, e utiliza os mesmos recursos de linguagem para construir uma abordagem dramática e folhetinesca em torno das notícias. Um exemplo e descrito através da manchete da figura 6.2, anexo 6.3 da página 79 que diz: 10+10=2 (dez minutos mais 10 tiros igual a 2 mortos), que através dos números, além de quantificar o crime, superdimensiona a fatalidade e a gravidade da situação, com a possibilidade de poder mensurar o acaso. Esses casos mostram que a banalidade de um acontecimento não diminui seu efeito, pelo contrário, amplia as conseqüências induzindo à construção de significados indiciais onde aparentemente não havia, evidenciando a potencialidade do Fait Divers para acontecer a qualquer momento, em qualquer lugar. Contudo, a construção sígnica não se dá apenas pela causalidade ou pela quantificação de seus efeitos. Há outros dois fatores responsáveis pela articulação da estrutura e interpretação em sua totalidade: a coincidência e a repetição, como já mencionados anteriormente. A coincidência para Barthes é nada mais que a repetição de um acontecimento, e pode acontecer através da aproximação de dois temas distantes ou então da relação de questões improváveis e uma mesma problemática, de modo que acabam atreladas a um percurso único e paradoxal, de tal modo que, em muitos casos, ela inverte a situação ao trocar estereótipos de lugar, como exemplifica Barthes (2009, p. 223) em Little Rock chefe de polícia mata a mulher (...) Há não só um assassinato, mas também esse assassino é o chefe da Polícia: a causalidade inverte-se em virtude de um desenho exatamente simétrico Esse tipo de trama tem suas raízes na tragédia grega - era o que chamamos de cúmulo: expressava uma situação de má sorte que, assim como o Fait Divers, acontecia por um acaso neutro, necessitando da construção de um significado no qual está implícito a idéia de destino. Então, nota-se que a coincidência apesar de ininteligível (nas palavras de Barthes), não é de forma alguma infundada - ela se justifica exatamente na aleatoriedade da causa, que assim ordena a coincidência. Muito além da tragédia ou então da própria literatura, o Fait Divers permeia muitos meios e linguagens de tal forma que se define por uma arte das massas, pois se antecipa em buscar na sociedade as ambigüidades de gênero necessárias para a construção de signos e, 2 Ver figuras 2.2, 6.1, 6.3 e 64 nas páginas 18, 78, 80 e 81 respectivamente. Títulos retirados do site: Acessado em: 28/09/2010.

16 14 consequentemente, de uma cultura. Acerca dessa consideração, Barthes diz que o homem, através do Fait Divers, apóia-se em uma cultura, pois qualquer sistema de significação expressa uma cultura. Assim, paradoxalmente na medida em que a preenche de signos, preenche de natureza, já que o sentido conferido aos acasos do Fait Divers não é resultante de um processo puramente racional, mas sim especulativo, partindo de pressupostos do campo do inexplicado, do mítico e das crenças. 2.2 OS CAMINHOS DO FAIT DIVERS O Fait Divers e o antigo: consolidação e êxito no jornal impresso Na medida em que a estrutura do Fait Divers se consolidou (através de um fator decisivo para seu sucesso através do tempo o fato curioso), este passou a se adaptar a outros meios de comunicação e eternizar o modelo de narrar nascido no século XIX com o romance folhetinesco. Dessa forma, pode-se dizer que tal narrativa conquistou as massas oferecendo uma gama de paradigmas sentimentais, como acrescenta Lanza em seu artigo Jornalismo: da origem folhetinesca à folhetinização da Informação : O melodrama é a referência de identificação imediata entre as narrativas e o leitor, é a catarse necessária ao processo que Silvia Oroz 3 (1999, p.13) chama de educação sentimental das massas. O melodrama, no entanto, não esteve sempre vinculado ao folhetim. Veio como forma de narrar posterior à tragédia grega para, só então, permear com o tempo os meios de comunicação. Devido à sua estrutura simples, priorizava enredos sentimentais, temas maniqueístas como o bem e o mal e a busca pela justiça e a virtude. Dessa forma que o leitor pudesse tornar a vida romanceada, e assim, deixar a banalidade da rotina para outras narrativas. Pode-se dizer acerca disso que melodrama teve um papel decisivo no romance folhetinesco e, mais tarde, no Fait Divers. O romance contribuiu para que a tiragem dos jornais aumentasse e assim se tornassem veículos de massa. Através da estratégia comercial de fragmentar a trama em pequenos capítulos para criar suspense, fazendo com que os leitores a fim de saber o final da história continuassem a comprar jornais, o folhetim se consolidou e,junto com seu sucesso, a tradição do formato narrativo melodramático. 3 Segundo Sonia Maria Lanza p.03

17 15 Somente depois de consolidado o romance é que surge então o Fait Divers, por volta de 1850 na França, com a volta dos folhetins após a proibição por Napoleão, fazendo concorrência ao primeiro modo de ficção, como afirma Lanza apud Meyer (1996, p. 264) É chegada a hora em que melodrama, fait divers, folhetim se entrelaçam numa democratização do crime e dos criminosos Com o nascimento do Le Petit Jornal (figura 2.1) em 1836, começa a moda dos jornais populares e de baixo custo que, logo após se consolidar entre os franceses, lançou uma segunda edição voltada apenas para folhetins e Fait Divers (esse ilustrado nas capas chamativas e coloridas), chamada Nouvel Illustré. Assim, através do Le Petit Journal, o termo Fait Divers é batizado como tal, já que anteriormente era designado como conard, chronique ou então como nouvelle. Ao passo que vai se tornando cada vez mais popular, o Fait Divers extrapola os limites da nota de rodapé e começa a aparecer em páginas inteiras, nas capas dos folhetins e nos muros da cidade de Paris ao lado de reclames e cartazes além dos illustrés (jornais ilustrados e recreativos), em jornais femininos como o Petit Écho de La Mode e até mesmo em revistas católicas como a Veilée des Chaumières. FIGURA 2.1 Feuilleton du Petit Journal. Exemplo de romance de folhetim no jornal Le Petit : As Histórias Extraordinárias. Edição de 01/01/1864. Atravessando os mares, em 1838 é conhecido o primeiro registro de um ensaio do gênero folhetinesco no Jornal do Comércio do Rio de Janeiro por Alexandre Dumas: O Capitão Paulo. Aos poucos, a estrutura das edições vai sendo modificada conforme o crescente consumo de ficção no Brasil, como acrescenta Meyer (1996, p. 283) E enquanto

18 16 continuam se sucedendo listas de antigas moderníssimas novelas, no rodapé do jornal vão se sucedendo as fatias de romance-folhetim traduzidas dia após dia do francês, introduzindo angústia e suspense com o fatídico continua-se. Em 1844 chegam finalmente, em português, às notas de rodapé Os Mistérios de Paris de Eugene Sue, aumentando gradativamente a quantidade das notas, ocupando a extensão de todas as colunas do jornal, até que se esgotasse a tiragem do jornal, a ponto de leitores colocarem reclames e cartazes nos muros a fim de comprar edições que não possuíam. Surge então em 1875, em oposição ao Jornal do Comércio, a abolicionista Gazeta das Notícias, através da qual ficaram conhecidos grandes nomes da literatura brasileira como Eça de Queirós, Machado de Assis, Ramalho Ortigão, entre outros. Por volta de 1877 o folhetim vai para as primeiras páginas, seguindo o modelo do jornal inglês Times. Mais tarde, em 1891, surge um novo jornal, de cunho político, mas que também possuía suas notas de rodapé, conforme os leitores estavam acostumados. Em meados do século XX começam a aparecer no Brasil as narrativas jornalísticas parecidas com as estruturas norte-americanas, que utilizavam o lead, uma linguagem clara, objetiva e com enunciados mais referenciais. Assim, cria-se uma mistura de narrativas, gerando uma terceira, própria à imprensa brasileira, como acrescenta Lanza Apud Lage, (1985, p. 07) O jornal moderno vai tentar combinar esta estrutura norte-americana à fórmula folhetinesca e cria a folhetinização da informação. Essa forma de apresentar tornou muito tênue a fronteira entre a imprensa marrom e os jornais sérios. Uma informação que apazigua e suscita a curiosidade de um público que gosta do excesso melodramático, além das técnicas do folhetim: fragmentação/corte que mantém a expectativa no leitor e faz desse processo uma técnica mercadológica. (LAGE, 1985, p. 07) Assim, segundo Lanza, pode-se interpretar a relação próxima entre o Fait Divers e a folhetinização da informação, sendo ambas de narrativa rápida, através de um registro melodramático. Dessa forma que, a partir da modernidade, pode-se falar de um sincretismo ou hibridismo 4 das formas de narrar, fazendo de várias uma só, mesclando ficção e realidade, permeando e se adaptando aos meios de comunicação. 4 O encontro de elementos culturais diversos em um mesmo espaço gera o que autores como Canclini (2000, p.19), Burke (2003, p. 39) e Gruzinsky (2001, p. 161) denominam hibridização ou hibridação. A tradução de elementos de um espaço cultural para outro acontece através da eliminação ou enfraquecimento das fronteiras. Quando se atenuam as diferenças entre elementos culturais distintos, obtém-se um terceiro elemento, híbrido, que conserva as características de cada um daqueles que contribuíram para sua formação. (GABRIELLI E HOFF, 2006 p.8)

19 17 No jornalismo, o espetáculo do sincretismo da realidade-ficção tem a fisionomia do fait divers (...) Os fait divers, com alta carga de emoção e de conflito, se nutrem dos mesmos ingredientes usados para homogeneizar as mensagens da indústria cultural Rezende (2005 p. 06) Acerca dessa afirmação, podemos refletir rapidamente sobre a propagação dessa forma de construir as notícias em exemplos contemporâneos. São muitos os exemplos, mas de forma alguma todos têm a mesma postura. Já o jornal impresso Tribuna do Paraná, (sobre o qual fale-se em tom de ironia, torce o papel e escorre sangue ) mescla uma narrativa semelhante ao Fait Divers, somada a uma abordagem melodramática e folhetinesca, explorando casos rotineiros como mortes, assassinatos entres outros acontecimentos populares e muitas vezes anônimos, que não entram na pauta dos jornais comuns. No exemplos abaixo é possível conferir essa analogia através do estudo da manchete e imagens e da escolha das palavras que apelam para o sobrenatural e para o impactante. Na manchete de julho de 2006 intitulada Macabra Coincidência (figura 2.2 página 18) a forma narrativa e os termos utilizados podem ser facilmente associados às características que definem o Fait Divers e à linguagem dramática do Folhetim. Outros exemplos de manchetes, anexados (apêndices), também ilustram essa relação, tais como No rastro do mistério (figura 6.1 página 78) de abril de 2008, que além da própria manchete altamente folhetinesca, traz na parte superior uma pequena curiosidade dizendo fazendeiro troca esposa por cabra, pois reclama que sua mulher não podia dar lhe filhos, através da qual podemos ver novamente a relação causal imprevisível que a estrutura do Fait Divers descreve. Na outra manchete (figura 6.2 página 79) 10+10=2, também do mesmo mês e ano, e 50 tiros, 4 mortos (figura 6.3 página 80) de janeiro de 2009, é possível reconhecer a surpresa dos números responsável por quantificar a causa, a relação com o sobrenatural, a coincidência, e a causa e efeito inesperados, conforme definição de Barthes sobre o Fait Divers, citada anteriormente na página 10.

20 FIGURA 2.2 Macabra Coincidência. Capa do Jornal Tribuna do Paraná de 05/05/

21 19 Em 1925, o Jornal do Comércio de São Paulo inaugura outro rodapé destinado a crítica literária, e o Correio Paulistano, jornal que apoiava o Partido Republicano Paulista, publicava diariamente uma coluna intitulada Fatos Diversos, que noticiava assaltos, crimes, suicídios, entre outros casos não ligados a pessoas de destaque, nas palavras de Meyer (1996, p. 364). É importante frisar também que, mesmo se tratando da década de vinte, com toda a divulgação e rebuliço feitos pelo modernismo e pelo que se chamava então de futurismo, o folhetim jamais deixou de ocupar a nota de rodapé, bem como é notável a mistura entre o mau gênero, ou o gênero popular junto à literatura considerada culta, em todos os tipos de jornais, ao contrário do que aconteceu na França, onde apenas jornais populares publicavam folhetins e Fait Divers. Só então a partir da década de trinta, época em que o Brasil passa por um surto editorial, é que os romances de folhetim saem dos jornais, de revistas como a famosa Fon-Fon 5 e dos fascículos, para serem publicados em livros através de editoras sérias ou não sérias de modo que o folhetim deixou aos poucos de existir no jornal, mas não na vida dos brasileiros. Enquanto que o legado deixado pela forma de narrar folhetinesca, somado à influência norte-americana, permanecem até hoje nas imprensas nacionais e na forma de compreendermos uma notícia. 5 Revista Fon-Fon Fundada em 1907 no Rio de Janeiro, como conteúdo trazia notícias do cotidiano e curiosidades, anúncios e costumes da sociedade na época. Ver figuras abaixo, páginas 20 e 21.

22 FIGURA 2.3 Revista Fon Fon Folhetins. Publicada em

23 FIGURA 2.4 Revista Fon Fon Na Calçada. Publicada em

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Uma Ronda pelo programa mais popular da TV Piauiense Uma análise do processo produtivo do programa Ronda 1

Uma Ronda pelo programa mais popular da TV Piauiense Uma análise do processo produtivo do programa Ronda 1 Uma Ronda pelo programa mais popular da TV Piauiense Uma análise do processo produtivo do programa Ronda 1 1. Introdução Tamires Ferreira COELHO 2 Elinara Soares Barros de SOUSA 3 Orlando Maurício de Carvalho

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO Fabiana Piccinin 1 Esse artigo faz uma crítica ao modelo de telejornalismo adotado pelas Tvs comerciais brasileiras, apresentando uma nova proposta de jornalismo

Leia mais

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA Glenda Duarte 1 glenda_idilios@hotmail.com O principal objetivo deste ensaio é a realização

Leia mais

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião.

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma forma oral? Uma forma sonora? ou Uma forma visual/escrita?? Off-line: Revistas; Panfletos;

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: Internet na Publicidade/Noite Profª: Silvana Sandini

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: Internet na Publicidade/Noite Profª: Silvana Sandini PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: Internet na Publicidade/Noite Profª: Silvana Sandini ALEXANDRA HOHENBERGER PLANEJAMENTO SITE INSTITUCIONAL

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

De Ponto a Ponto: a experiência de um roteiro vivo 1

De Ponto a Ponto: a experiência de um roteiro vivo 1 De Ponto a Ponto: a experiência de um roteiro vivo 1 Aline Guerra SANTOS 2 Vanessa Matos dos SANTOS 3 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO O roteiro do programa De ponto a ponto tem

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação - FACOM EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO. Disciplinas Obrigatórias

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação - FACOM EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO. Disciplinas Obrigatórias EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO Disciplinas Obrigatórias Departamento de Comunicação e Artes 1) Teoria da Comunicação I: 1. Comunicação: conceito, objeto e objetivo. 2. Ciências da Informação.

Leia mais

PREFÁCIO. Vampiro violentou 45 moças manchete do jornal Notícias Populares, de São Paulo, em 05/04/1971.

PREFÁCIO. Vampiro violentou 45 moças manchete do jornal Notícias Populares, de São Paulo, em 05/04/1971. PREFÁCIO Vampiro violentou 45 moças manchete do jornal Notícias Populares, de São Paulo, em 05/04/1971. Queda do dólar afeta o bolso de catadores manchete do jornal Diário Gaúcho, de Porto Alegre, em 12/08/2005.

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

Guerra dos Mundos em São Luís 1

Guerra dos Mundos em São Luís 1 Guerra dos Mundos em São Luís 1 Ana Paula Silva de SOUSA 2 Dara de Sousa SANTOS 3 Silvanir Fernandes da SIVA 4 Polyana AMORIM 5 Universidade Federal do Maranhão, MA RESUMO O documentário Guerra dos Mundos

Leia mais

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu A diferença entre marketing, propaganda e publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu Communication and social media specialist, passionate tech journalism and Noah's Dad A comunicação

Leia mais

Primeiro Contato Histórias reais de um mundo desconhecido 1

Primeiro Contato Histórias reais de um mundo desconhecido 1 Primeiro Contato Histórias reais de um mundo desconhecido 1 Gabriela VICENTINO 2 Ivo STANKIEWICZ 3 Kelly Cristina SILVA 4 Mylena GAMA 5 Otávio Fernando LOPES 6 José Carlos FERNANDES 7 Pontifícia Universidade

Leia mais

Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore

Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore Com mais de 50 livros publicados, Affonso Romano de Sant Anna é uma das referências da literatura brasileira contemporânea. Agora mesmo, ele está saindo

Leia mais

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 1 Jornal Marco Zero 1 Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 Faculdade internacional de Curitiba (Facinter) RESUMO O jornal-laboratório Marco Zero 6 é

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

TÉCNICAS DE ENTREVISTA

TÉCNICAS DE ENTREVISTA TÉCNICAS DE ENTREVISTA Preparação para a entrevista Antes de sair para campo, prepare-se: 1) Conheça seu gravador. Verifique se há trava para iniciar a gravação. Em caso negativo, leve as pilhas separadamente

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

VEROSSIMILHANÇA: BREVE ROMANCE DE SONHO DE ARTHUR SCHNITZLER E AURA DE CARLOS FUENTES

VEROSSIMILHANÇA: BREVE ROMANCE DE SONHO DE ARTHUR SCHNITZLER E AURA DE CARLOS FUENTES VEROSSIMILHANÇA: BREVE ROMANCE DE SONHO DE ARTHUR SCHNITZLER E AURA DE CARLOS FUENTES Gabriela Silva 1 A questão da verossimilhança tem sido discutida desde Aristóteles, que a definiu na Poética, como

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 Andrey Scariott FILIPPI 2 Lucas Paiva de OLIVEIRA 3 Marcelo Barbosa CORRÊA 4 Virgínia FEIX 5 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

24 junho a.c 1545-1563 1584 1627 1641 1769 1808 1950. Acontecimento 1641 Ano da proibição do uso de fogueiras e fogos de artifício.

24 junho a.c 1545-1563 1584 1627 1641 1769 1808 1950. Acontecimento 1641 Ano da proibição do uso de fogueiras e fogos de artifício. Salvador da Bahia Leitura: atividades RESPOSTAS Pula a fogueira, João! 1. 24 junho a.c 1545-1563 1584 1627 1641 1769 1808 1950 Data Acontecimento 1641 Ano da proibição do uso de fogueiras e fogos de artifício.

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE

NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE 1º Período TEORIA DA COMUNICAÇÃO I Conceitos de comunicação e de comunicação social. Contexto histórico do surgimento da

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

A Força da Natureza no Dia da Independência 1

A Força da Natureza no Dia da Independência 1 A Força da Natureza no Dia da Independência 1 Ricardo Jose TORRES 2 Marcelo Jose BOTH 3 Janaína PATZOLD 4 Franciele VISENTIN 5 Vanessa NORA 6 Leoní SERPA 7 UNOESC - Universidade do Estado de Santa Catarina

Leia mais

Gente do bem: proposta de atividades comunicativas em rádio e para abordar ações. sociais em Uberlândia. MG. 1

Gente do bem: proposta de atividades comunicativas em rádio e para abordar ações. sociais em Uberlândia. MG. 1 Gente do bem: proposta de atividades comunicativas em rádio e para abordar ações RESUMO sociais em Uberlândia. MG. 1 Kênia Leal PIMENTA 2 Letícia Daniela Gonçalves MEDEIROS 3 Monique França ROCHA 4 Adriana

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA Mestranda Ivi Furloni Ribeiro Resumo: Nosso objetivo neste presente artigo é entender como se constitui a narrativa

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

POR TRÁS DAS GRADES: A REALIDADE NO PRESÍDIO REGIONAL DE PELOTAS 1 Mateus João MARQUES 2 Marcus SPOHR 3 Margareth MICHEL 4

POR TRÁS DAS GRADES: A REALIDADE NO PRESÍDIO REGIONAL DE PELOTAS 1 Mateus João MARQUES 2 Marcus SPOHR 3 Margareth MICHEL 4 POR TRÁS DAS GRADES: A REALIDADE NO PRESÍDIO REGIONAL DE PELOTAS 1 Mateus João MARQUES 2 Marcus SPOHR 3 Margareth MICHEL 4 Resumo: A reportagem mostra a realidade dentro de uma das maiores casas prisionais

Leia mais

Dados de Mercado 2009/10

Dados de Mercado 2009/10 Dados de Mercado 2009/10 Dados de Mercado Revolução na Mídia Fenômeno de mídia na Europa e Estados Unidos, os tablóides de distribuição gratuita chegaram ao Brasil para revolucionar o mercado de comunicação.

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

A ANÁLISE DE CONTEÚDO NA PERSPECTIVA DE BARDIN: do rigor metodológico à descoberta de um caminho de significações

A ANÁLISE DE CONTEÚDO NA PERSPECTIVA DE BARDIN: do rigor metodológico à descoberta de um caminho de significações A ANÁLISE DE CONTEÚDO NA PERSPECTIVA DE BARDIN: do rigor metodológico à descoberta de um caminho de significações Cátia Cilene Farago 1 Eduardo Fofonca 2 Análise de Conteúdo, em edição revista e atualizada,

Leia mais

A Vida é Luta: Refugiados Africanos na Cidade de São Paulo 1. Leticia DIAS 2 Lorrane SANTOS 3 Silvio ESTEVAM 4 Tatiane GONSALES 5 Deise OLIVEIRA 6

A Vida é Luta: Refugiados Africanos na Cidade de São Paulo 1. Leticia DIAS 2 Lorrane SANTOS 3 Silvio ESTEVAM 4 Tatiane GONSALES 5 Deise OLIVEIRA 6 A Vida é Luta: Refugiados Africanos na Cidade de São Paulo 1 Leticia DIAS 2 Lorrane SANTOS 3 Silvio ESTEVAM 4 Tatiane GONSALES 5 Deise OLIVEIRA 6 Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação, São Paulo,

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

ENTREVISTA: François Jost. Diretor do CEISME na Universidade de Paris III (Nouvelle Sourbonne)

ENTREVISTA: François Jost. Diretor do CEISME na Universidade de Paris III (Nouvelle Sourbonne) ENTREVISTA: François Jost Diretor do CEISME na Universidade de Paris III (Nouvelle Sourbonne) Por Felipe Pena (UFF) e Itania Gomes (UFBA) Na França, toda a emissão de rádio e de televisão é arquivada,

Leia mais

PORTUGUÊS IRIA 5ª E.F.

PORTUGUÊS IRIA 5ª E.F. PORTUGUÊS IRIA 5ª E.F. 1º (1,5) 01. Rasura, borrões, corretivos, serão considerados ERROS; 02. Respostas claras e com letra legível; 03. Respostas somente com caneta, PRETA ou AZUL. 04. Esta prova contém

Leia mais

JOVENS.COM: PROGRAMA AO VIVO DE RÁDIO E INTERATIVO 1

JOVENS.COM: PROGRAMA AO VIVO DE RÁDIO E INTERATIVO 1 JOVENS.COM: PROGRAMA AO VIVO DE RÁDIO E INTERATIVO 1 Bruno Botelho Bastos 2 Amanda Oliveira 3 Juliana Souza 4 Luciana Alves 5 Maria das Graças 6 Marcos Corrêa 7 RESUMO O programa Jovens.com foi realizado

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014.

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. Aprova o Guia para o Relacionamento com a Imprensa do Ministério Público Federal. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 Francisco José da Silva ROCHA Filho 2 Nathalia Aparecida Aires da SILVA 3 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Jornalismo 2011-2 O PAPEL DO YOUTUBE NA CONSTRUÇÃO DE CELEBRIDADES INSTANTÂNEAS Aluno: Antonio,

Leia mais

Descoberta e Invenção: o lugar da argumentação nos textos dissertativos

Descoberta e Invenção: o lugar da argumentação nos textos dissertativos Atividade extra Descoberta e Invenção: o lugar da argumentação nos textos dissertativos Questão 1 (UFPR 2013) Leia o texto a seguir: Ao realizar um experimento no laboratório da escola, um estudante fez

Leia mais

Planejamento de Campanha de Propaganda. Aula 5. Contextualização. Instrumentalização. Meios e Veículos. Mídia Conceito. Profa.

Planejamento de Campanha de Propaganda. Aula 5. Contextualização. Instrumentalização. Meios e Veículos. Mídia Conceito. Profa. Planejamento de Campanha de Propaganda Aula 5 Contextualização Profa. Karin Villatore Esta aula tem como objetivo mostrar quais são as principais mídias que podem ser usadas em campanhas de publicidade

Leia mais

João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas

João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas Nas entrevistas que se sucederam à estreia nacional de Noite Escura, em 2004, João Canijo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

O Amor. No Centro de Curitiba 1. Melvin QUARESMA 2 Leandro TAQUES 3 Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR

O Amor. No Centro de Curitiba 1. Melvin QUARESMA 2 Leandro TAQUES 3 Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR RESUMO O Amor. No Centro de Curitiba 1 Melvin QUARESMA 2 Leandro TAQUES 3 Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR O trabalho discorre sobre a fotografia intitulada O amor. No centro de

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo TIPO F P-1 tipo D-5 Língua Portuguesa (P-1) Ensino Fundamental 5º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos

Leia mais

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Fábio Augusto Steyer Universidade Estadual de Ponta Grossa PR A atual produção cinematográfica voltada para o público

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

CINE TEXTOS O MIÚDO DA BICICLETA

CINE TEXTOS O MIÚDO DA BICICLETA 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema 1 Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema Carlos Adriano F. de Lima Quando os irmãos Augusthe e Lois Lumiere apresentaram seu cinematógrafo

Leia mais

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS Projeto Estórias I. Introdução O projeto Estórias nasceu da necessidade de incluir na literatura infantil personagens com câncer e o ambiente hospitalar. A literatura que contém

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

O ETHOS PRESENTE NOS JORNAIS GAZETA DO POVO E FOLHA DE LONDRINA

O ETHOS PRESENTE NOS JORNAIS GAZETA DO POVO E FOLHA DE LONDRINA O ETHOS PRESENTE NOS JORNAIS GAZETA DO POVO E FOLHA DE LONDRINA Samantha Isabela Pinto (G-CLCA-UENP/CJ) Fernando Moreno da Silva (Orientador-CLCA-UENP/CJ) Introdução O presente trabalho faz parte do projeto

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO Código Unidade 042 Cód. Curso Curso 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL Habilitação Etapa Sem/Ano JORNALISMO 6ª 1º / 2009 Cód. Disc. Disciplina Créditos CH Sem Teoria Prática 121.3604.2 TELEJORNALISMO I 04 X X Docentes

Leia mais

Relatório de Pesquisa Qualitativa. Avaliação da Campanha de Fim de Ano 2010

Relatório de Pesquisa Qualitativa. Avaliação da Campanha de Fim de Ano 2010 Relatório de Pesquisa Qualitativa Avaliação da Campanha de Fim de Ano 2010 Dezembro de 2010 2 Sumário Introdução... 3 1. Avaliação do Filme Fim de Ano - 2010... 5 1.1. Percepção do Filme no Break... 5

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

Análise Semiótica de Anúncio de TV

Análise Semiótica de Anúncio de TV Análise Semiótica de Anúncio de TV DADOS TÉCNICOS: Título: Segredos; Anunciante: Etti ; Criação: Fábio Fernandes e Renata Flori; Agência: F/Nazca; Produto: Molho de Tomate Salsaretti; Ano de veiculação

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Resenha. Jackson de SOUZA 1

Resenha. Jackson de SOUZA 1 Resenha As armas da persuasão: como influenciar e não se deixar influenciar (CIALDINI, Robert B. [tradução de Ivo Korytowski]; Rio de Janeiro: Sextante, 2012) Jackson de SOUZA 1 Embora todos queiram tomar

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais