FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7 CURSO GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO GESTÃO DE MARKETING E

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7 CURSO GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO GESTÃO DE MARKETING E"

Transcrição

1 FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7 CURSO GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO GESTÃO DE MARKETING E DIFERENCIAL COMPETITIVO: CASO MCDONALDS. GILVANA MARQUES FREITAS FORTALEZA 2009

2 GILVANA MARQUES FREITAS RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO GESTÃO DE MARKETING E DIFERENCIAL COMPETITIVO. CASO MCDONALDS Monografia apresentada ao Curso de Comunicação Social da Faculdade Sete de Setembro, como requisito para a finalização do curso de graduação em Publicidade e Propaganda. Professor Orientador: Tiago Seixas Themudo, Dr. FORTALEZA 2009

3 RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO GESTÃO DE MARKETING E DIFERENCIAL COMPETITIVO: CASO MCDONALDS. Monografia apresentada ao Curso de Comunicação Social da Faculdade Sete de Setembro, como requisito para a finalização da habilitação em Publicidade e Propaganda. Gilvana Marques Freitas Monografia aprovada em: / / Banca examinadora: Profº. Dr. Tiago Seixas Themudo Orientador Profº. Dr. Paulo Germano Barrozo de Albuquerque Membro Prof.º Ms. Leonardo Macedo de Paiva Membro

4 DEDICATÓRIA Dedico primeiramente a Deus e a Jesus Cristo. A eles dedico o sucesso desse trabalho. Com toda a fé que foi determinante. Dedico aos meus pais, pelo exemplo e base de educação, indispensáveis para a definição de quem sou hoje; Dedico ao meu amigo, companheiro, príncipe e namorado de todas as horas, Marcelo, pelo estimulo e força para a conclusão deste trabalho.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço aos meus irmãos Bibia e Juninho que permitiram usar o computador; Ao Profº. Leonardo Macedo que foi determinante para a criação do meu primeiro projeto sobre o assunto, a quem me deu as primeiras direções; Ao meu orientador e amigo Tiago Seixas, por sua paciência e perseverança, que ao meu lado, permitiram a conclusão desse trabalho. Obrigada pela orientação, horas de conversas e conselhos. Obrigada por ser esse profissional e que tenho profundo respeito; Aos meus professores que durante quatro anos de curso foram responsáveis por minha educação profissional; Aos meus amigos e amigas Juliana Acioly, Madox, Natalia Milerio, Pedro Marques, Carol, Juliane Pereira, Mabel Albuquerque e Isabella Mota pela convivência diária. Foram muitos risos, lágrimas e momentos de estresse com tantos trabalhos e notas. Aos meus amigos de curso que participaram do meu crescimento pessoal e profissional; Aos meus amigos de trabalho pelas horas cedidas para que eu conseguisse concluir, finalmente, esse trabalho; Agradeço a todos que de alguma forma contribuíram comigo.

6 RESUMO FREITAS, Gilvana Marques Responsabilidade Social como gestão de marketing e diferencial competitivo. Monografia. FA7, Faculdade Sete de Setembro. Fortaleza, Em decorrência de uma maior conscientização do consumidor e também pela procura por produtos e práticas que gerem melhoria para o meio ambiente e/ou comunidade, o mundo empresarial vê na responsabilidade social, uma nova estratégia para aumentar seu lucro e potencializar seu desenvolvimento. Essa responsabilidade social teve seu conceito evoluído desde seu primeiro uso no século XIX. O que antes era uma ação voltada para benefícios sociais almejando lucro, evoluiu para filantropia e hoje, aborda ações alem investir em projetos sociais. A empresa que adere a sustentabilidade e a ações socialmente corretas precisam ter preocupação com a qualidade de vida dos seus funcionários, com seus fornecedores, com a sua relação com o meio ambiente e principalmente com a comunidade que estar inserida. Em um primeiro momento se faz necessário a apresentação do conceito de responsabilidade social em todas as suas vertentes, a apresentação da evolução desse conceito, sua aplicação no cenário brasileiro e também uma argumentação sobre a utilização da responsabilidade social como diferencial competitivo. No segundo momento, atentou-se para o discurso praticado pelas corporações quando se utilizam do consumo consciente como gestão de marketing fazendo também uma discussão sobre escândalos vividos pela Nike e Shell com denuncias de exploração de mão de obra infantil e danos ao meio ambiente, respectivamente. E por fim, em um terceiro momento, feito uma analise da evolução histórica do McDonalds, estudo das suas estratégias de marketing visando a responsabilidade social e fazendo um cruzamento desse discurso com as ações que realmente são praticadas. Ações essas que não são socialmente corretas. Palavras chave: Responsabilidade Social, Sustentabilidade, Consumo Consciente, Marketing Social, Cidadania Empresarial, Vantagem Competitiva, McDonalds.

7 ABSTRACT As a result of increased consumer awareness and also by demand for products and practices that better manage the environment and / or community, the business world sees social responsibility, a new strategy to increase your profits and enhance their development. This social responsibility was his concept evolved from its first use in the nineteenth century. What was an action-oriented social benefits targeting profit, philanthropy and evolved into today, addresses actions besides investing in social projects. The company that adheres to sustainability and socially correct actions need to be concerned about the quality of life of its employees, their suppliers, their relationship with the environment and are within the community to be inserted. At first it is necessary to the presentation of the concept of social responsibility in all its aspects, the presentation of the evolution of this concept, its application in the Brazilian and also an argument for the use of social responsibility and competitive advantage. Secondly, it looked to the speech practiced by corporations when using the conscious consumption and marketing management also making a discussion of scandals experienced by Nike and Shell with complaints of exploitation of child labor and environmental damage, respectively. Finally, a third time, made an analysis of the historical development of the McDonalds, the study of marketing strategies aimed at social responsibility and making an intersection of this discourse with the actions that are actually practiced. These actions are not socially correct. Keywords - Keywords: Social Responsibility, Sustainability, Conscious Consumption, Social Marketing, Corporate Citizenship, Competitive Advantage, McDonalds.

8 SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO 10 II. A ERA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL Evolução do conceito Definições e Conceitos Responsabilidade Social como diferencial competitivo Responsabilidade Social no Brasil 20 III. UM CENÁRIO AS AVESSAS Discurso da Responsabilidade Social A Teoria e a prática da Responsabilidade Social Caso Nike Caso Shell Responsabilidade Social como gestão de marketing 38 IV. CASO MCDONALDS A trajetória da Mcdonalização Construção da marca de arcos dourados O porta voz O discurso da Responsabilidade Social praticada A prática da Responsabilidade Social Mc Donalds 54

9 9 V. CONSIDERAÇÕES FINAIS 65 VI. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 69

10 10 I. INTRODUÇÃO A sociedade da informação, a receptividade da imprensa e a globalização trazem ao mundo um novo conceito de negócios, uma nova realidade em que as empresas estão precisando se adaptar para conquistar as margens de lucros propostas. O incremento da produtividade, o avanço da tecnologia e a difusão do conhecimento levaram a uma competitividade maior entre as empresas. Dessa maneira, essas empresas estão precisando encontrar novos diferenciais e apostar em uma nova gestão para conquistar seus clientes potenciais. A saída encontrada para esse desafio proposto está na responsabilidade sustentável. A procura por produtos e práticas que proporcionem uma melhoria para o meio ambiente e para a comunidade. Cada vez mais, as empresas estão percebendo que de nada vale criar estratégias de marketing, ampliar seu mercado, aumentar sua porcentagem de lucro se não houver um entendimento do processo da cadeia produtiva. E esse processo é baseado no desempenho das empresas em um contexto de responsabilidade social e de uma postura correta ligado às questões ambientais. Os novos tempos estarão a exigir novos modelos de gestão e, conseqüentemente, novas formas de gestão ambiental com maior responsabilidade social. Esse novo caminho encontrado pelas empresas, no quesito tecnologia, no processo de produção, na maneira de organização, na comunicação da empresa com seus funcionários, fornecedores e com a comunidade, tanto no lado social como ambiental, se referem a um tema que não é novo, mas que nos últimos anos vem ganhando importância nos negócios. A responsabilidade social surge com uma saída não só para as empresas, como também para os problemas sociais encontrados no Brasil e no restante do mundo. Problemas como a pobreza, a miséria, desigualdade social que vem assolando a todos, desempregando milhões e levando-os a uma vida miserável e sem expectativa. Trata-se,

11 11 portanto de uma nova proposta de ação no campo social com foco em valores de gestão ligado a ações de parceria e em projetos sociais. Nesse novo caminho proposto, todos os envolvidos saem lucrando. As empresas possuem a oportunidade de agregar valor ao seu negócio trabalhando com o lado social, a comunidade pode melhorar a sua capacidade de mobilização e de eficiência operacional e o governo que se desfaz das estruturas burocráticas. Diante da realidade exposta, observa-se a necessidade de compreender melhor a evolução do conceito de responsabilidade social e como está sendo feita sua aplicação na prática, para que assim, possamos cada vez mais trabalhar na construção da ética, da transparência com todos os públicos relacionados, da produção sem agredir o meio ambiente, do respeito ao consumidor e aos funcionários. Enfim, a própria comunidade. É objetivo geral deste trabalho, explorar as diversas formas de utilização da responsabilidade social pela publicidade e propaganda na comunicação institucional das empresas, apresentando o conceito da responsabilidade social, bem como, entender como as empresas interpretam esse significado e o praticam. Do objetivo geral apresentado, pretende-se como objetivo específico, identificar as inúmeras vantagens que as empresas passarão a ter se adotarem como gestão a responsabilidade social e mostrar também que ser socialmente responsável passou a ser uma ferramenta de gestão e sobrevivência em longo prazo. E por fim, mostrar a finalidade real de algumas empresas que se utilizam de ações socialmente responsáveis, se é realmente de punho social ou, apenas almejam mais lucros para suas instituições. Nos últimos dez anos, tem-se verificado uma crescente produção de trabalhos científicos sobre Responsabilidade Social, mesmo seu conceito ainda estando em fase de construção. A intensidade do impacto que esse assunto vem provocando em praticamente todas as sociedades do mundo globalizado, parece justificar esse excesso de atenção à questão. Levando isso em consideração, a fundamentação teórica utilizada foi justamente a desses autores que discutem responsabilidade social, marketing social e cidadania empresarial.

12 12 A metodologia utilizada foi o levantamento de uma pesquisa bibliográfica, utilizando dados secundários. Dessa forma, no primeiro capítulo procurou-se apresentar a evolução do conceito de responsabilidade social, suas definições, bem como as vantagens competitivas que o mundo empresarial pode vir a ter se adotar a questão social como estratégia de marketing e, concluindo o capitulo, uma apresentação do assunto no Brasil com casos em Londrina e no Pará. No segundo capítulo, será apresentado o cenário do mundo empresarial que se utiliza da responsabilidade social, a teoria verso a prática de duas grandes multinacionais e uma analise do uso da responsabilidade social como gestão de marketing. E por fim, um estudo de caso com a maior empresa de alimentação fast-food mundial, Mc Donalds. Feito uma avaliação da sua trajetória de sucesso econômico, da evolução da sua marca e de seus personagens, da avaliação de suas ações sociais e também um levantamento de paradoxo entre o discurso e a pratica.

13 13 II. A ERA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL 2.1. Evolução do conceito A ética e a responsabilidade social foram aceitas como doutrina a partir do século XIX, nos Estados Unidos e na Europa, no momento em que conduzir negócios era uma tarefa do Estado ou da Monarquia e não um interesse econômico privado. Os monarcas expediam alvarás para as corporações de capital aberto que prometessem benefícios públicos, como a exploração e a colonização do Novo Mundo. Com a independência dos Estados Unidos, os estados aprovaram a auto-incorporação como alternativa à incorporação por ato legislativo específico. Assim, até o início do século XX, a legislação sobre corporações tinha como propósito a obtenção de lucros para seus acionistas. Os defensores da ética e da responsabilidade social corporativa começaram a debater que, se a filantropia era uma ação da corporação, entre outras ações que priorizam objetivos sociais em relação aos retornos financeiros dos acionistas seriam de igual legitimidade, como o abandono de linhas de produto lucrativas, porém nocivas ao ambiente natural e social. Inicia-se assim, no meio empresarial e acadêmico, a importância da responsabilidade social corporativa pela ação de seus dirigentes e administradores, inicialmente nos Estados Unidos e, posteriormente no final da década de 1960, na Europa. (ASHLEY, 2005) Há algumas décadas, na Europa, expandiu-se o uso da responsabilidade social para fins sociais, tendo em vista a discussão da responsabilidade social da empresa. Esta consume recursos naturais, renováveis ou não, direta ou indiretamente que são o enorme patrimônio gratuito da humanidade; utiliza capitais financeiros e tecnológicos que no fim da cadeia pertencem a pessoas físicas e, conseqüentemente, à sociedade; também utiliza a capacidade de trabalho da sociedade, finalmente, subiste em função da organização do Estado que a sociedade lhe viabiliza como parte das condições de sobrevivência. Assim, a empresa gira em torno da sociedade e do que ela pertence, devendo, em força, no mínimo prestar-lhe contas da eficiência com que usa todos esses recursos. (DESCONHECIDO, 1997).

14 14 Para o professor da FEA-USP Denis Donaire (1999), a responsabilidade social das corporações, que excede a produção de bens e serviços, tem-se intensificado nas últimas décadas, notadamente a partir dos anos 60, em resposta às mudanças ocorridas nos valores de nossa sociedade. Mudanças essas que incluem a responsabilidade social de ajudar a sociedade a resolver alguns de seus problemas sociais, muitos dos quais as próprias organizações ajudaram a criar. Em uma visão econômica clássica, a empresa socialmente responsável é aquela que responde às expectativas de seus acionistas e de seus públicos atuais. A ordem de mudança organizacional, que se inicia com mudanças conservadoras e finaliza com mudanças radicais, está diretamente relacionada ao grau de amplitude de inclusão e de consideração pela empresa quanto às suas reações com seus públicos. Abaixo, possui uma ilustração de uma tendência histórica a partir da perspectiva de para quem a empresa deve ser responsável. Fonte: ASHLEY, 2005 O conceito de responsabilidade social, devido ao dever das corporações de promover o desenvolvimento social, desde 1970, passou a ser acompanhado do termo responsabilidade social corporativa. Essa categoria responsabilidade social corporativa faz com que as empresas sejam obrigadas a cumprir suas responsabilidades sociais e morais antes de explorarem os lucros, funcionando como um controle social e uma base para a confiança nas relações humanas e organizacionais. De acordo com Ashley (2005), o papel da administração das organizações na criação de meios que usem a prática de desempenho social corporativo, como a formulação de estratégias, a distribuição de recursos e os sistemas de recompensa. Nesse modelo há três tipos de abordagens que podem ser utilizadas ao se lidar com a responsabilidade social corporativa: a pré-convencional, a convencional e a pós-convencional. A abordagem préconvencional se dá apenas no próprio individuo os outros são meios para benefícios e o prazer dele próprio, que se auto-engrandece. Na abordagem convencional, o foco são as

15 15 obrigações negativas para com os outros, mas sempre dentro de limites externos à organização. E a ênfase, na abordagem pós-convencional, recai as obrigações positivas, internacionalizando-se o respeito pelos outros e o dever de promover o bem-estar. O conceito de responsabilidade social não se resume as práticas sociais da empresa, mas por um conjunto das práticas econômicas, ambientais e sociais, que se relacionam e se definem. Desse modo, o objetivo da responsabilidade social empresarial vai além dos fatores de produção, passando para uma maneira de organização que una os interesses do indivíduo, da sociedade e da natureza, transitando do antropocêntrico, no qual a empresa é centro de tudo, para o ecocêntrico no qual o meio ambiente é o mais importante, e a empresa, assim como outros agentes, insere-se nele. A responsabilidade social vista pela abordagem tradicional, busca o aumento das riquezas dos acionistas ou proprietários da empresa, tem como principais princípios a alienação da sociedade influenciando ao consumismo, a competição entre as relações de produção e consumo e a relação de posse da natureza pelo ser humano e antropocentrismo. Já a abordagem ecocêntrica, exige uma nova reflexão para a empresa, deixando de lado as relações de produção e o consumo nas coletividades humanas e levando mais em conta as relações entre ser humano e natureza, sustentabilidade e qualidade de vida, bem estar de seus públicos, e principalmente, o marketing agindo para a educação do ato de consumo. (ASHLEY, 2005) Definições e Conceitos Tanto se escreve sobre responsabilidade social, mas afinal, o que é responsabilidade social? A expressão de responsabilidade suscita uma série de interpretações. Para alguns, representa a idéia de responsabilidade ou obrigação legal, para outros, um dever, que se impõe às empresas. Há os que a traduzem, de acordo com o avanço das discussões, como prática social, papel social e função social. Outros a vêem associada ao comportamento eticamente responsável ou a uma contribuição caridosa. Há ainda os que acham que seu significado transmitido é ser responsável por ou socialmente consciente e os que a associam a um simples sinônimo de legitimidade ou a um antônimo

16 16 de socialmente irresponsável ou não responsável. (DUARTE E DIAS, 1986). Responsabilidade social pode ser conceituada como um compromisso que uma organização deve ter com a sociedade que está inserida, seja por meio de atos e atitudes positivos que reforce o seu papel na sociedade e a sua prestação de contas com ela. No geral, é toda e qualquer ação que possa contribuir para a melhoria da qualidade de vida e da sociedade. (ASHLEY, 2003). Responsabilidade social significa algo, mas nem sempre a mesma coisa, para todos. Para alguns, ela representa a idéia de responsabilidade ou obrigação legal; para outros, significa um comportamento responsável no sentido épico; para outros, ainda, o significado transmitido é o de responsável por, num modo causal. Muitos, simplesmente, equiparam-na a uma contribuição caridosa; outros tomam na pelo sentido de socialmente consciente. Responsabilidade social pode ser também o compromisso que a empresa tem com o desenvolvimento, bem-estar e o melhoramento da qualidade de vida dos empregados, suas famílias e comunidade em geral. (VOTAW, 1986: 55). Além disso, a responsabilidade social é o resultado dos questionamentos e das críticas que as empresas receberam, devido a suas ações no campo social, ético e econômico. (ASHLEY, 2003). Mas o aspecto mais importante e fundamental a ser considerado para a integração da área ambiental junto às demais áreas funcionais é à disposição da administração da empresa em transformar a causa ideológica em um principio básico da empresa, superando o temor de trabalhar de forma transparente seu envolvimento com a questão ambiental. (DONAIRE, 1999). O que se espera de uma empresa realmente preocupada em contribuir para a solução de base na sociedade é que ela tenha uma política institucional firme, ética, dinâmica e empreendedora, e que a responsabilidade social seja um processo natural, fluindo como a responsabilidade social em cada cidadão. (MATIAS, 1999:79). Para Melo Neto (2005), a responsabilidade social de uma empresa consiste na sua iniciativa de participar das ações desenvolvidas na comunidade em que está presente e pelo esforço de minorar os danos ambientais causados decorrentes da atividade exercida.

17 17 Ressaltando que apoiar o desenvolvimento da comunidade e preservar o meio ambiente não são suficientes para contribuir a uma empresa de socialmente responsável. É preciso investir no bem-estar dos seus funcionários, trabalhando em um bom ambiente saudável e promovendo relações de comunicações transparentes com os acionistas, seus parceiros e garantindo a satisfação de seus clientes e/ou funcionários. O conceito de responsabilidade social está se ampliando, passando da filantropia, que é a relação socialmente compromissada da empresa com a comunidade, para abranger todas as relações da empresa com seus funcionários, clientes, fornecedores, acionistas, concorrentes, meio ambiente e organizações públicas e estatais. (GRAJEW, 2000: B-2). Para a Revista EXAME (2003), as principais características de uma empresa socialmente responsável são: - Envolvimento forte baseado em valores éticos e responsáveis - Vontade de progresso contínuo e uma atitude baseada na humildade - Compreensão e uma aceitação da interdependência da empresa com seus meios. - Visão a longo prazo baseada na responsabilidade face as gerações futuras - Principio de precaução como regra de decisão - Prática regulada de diálogo e de consulta de todas as partes envolvidas - Prática de informação e transparência - Capacidade de responder pelos seus atos e de prestar contas sobre as conseqüências diretas e indiretas de sua atividade. A essência da doutrina da Responsabilidade Social sob o ponto de vista empresarial, na concepção de Duarte e Dias (1985), está baseada em três pressupostos básicos: primeiro, a ampliação do alcance da responsabilidade da empresa, que não mais se limita aos interesses dos acionistas; segundo, a mudança da natureza das responsabilidades que ultrapassam o âmbito legal e envolvem as obrigações morais ditadas pela ética; terceiro, a adequação às demandas sociais mais atuantes e exigentes.

18 18 O objetivo da responsabilidade social é garantir o desempenho ético e correto e o desempenho ambiental adequado da empresa, melhorar a qualidade de vida dos funcionários e dependentes, usar a sua estratégia para mobilizar a todos a serem socialmente responsáveis, trabalhar o respeito ao consumidor e atos de solidariedade, usar da comunicação para transmitir valores e informações de interesse da comunidade, etc. O exercício da cidadania empresarial parte do principio de se trabalhar duas gestões diferentes: a gestão de responsabilidade interna e a gestão de responsabilidade externa. A responsabilidade social interna trabalha o público-interno da empresa, seus empregados e dependentes. Modos de contratação, seleção, treinamento e capacitação. Procurar investir no bem estar e na qualificação dos empregados e seus dependentes. Procurar motivar toda a equipe para que todos trabalhem juntos procurando o melhor para a empresa. Já a responsabilidade social externa tem como foco a comunidade mais próxima da empresa ou o local onde ela está situada. Trabalhar através de doações de produtos, equipamentos e materiais em geral, transferência de recursos em regime de parceria para órgãos públicos, prestação de serviço voluntário para a comunidade pelos funcionários da empresa, aplicações de recursos em ativistas de preservação do meio ambiente, geração de empregos, patrocínio de projetos sociais e investimentos na comunidade. (MELO NETO, 2005) A responsabilidade social engloba o público externo e interno, além do investimento na preservação ambiental, sem privilegiar uma área. Essas áreas trabalhadas direcionam para o processo de gestão empresarial para o fortalecimento da dimensão social da empresa e facilitam o investimento das empresas na responsabilidade social, pois permitem o seguimento de alguns padrões. (ASHLEY, 2003).

19 Responsabilidade Social como diferencial competitivo Segundo a BSR 1, mais de dois terços dos consumidores mundiais preferem produtos desenvolvidos por empresas socialmente responsáveis. E no campo brasileiro, pesquisa realizada pelo Instituto Ethos e pelo jornal Valor mostrou que 31% dos consumidores brasileiros prestigiaram ou puniram uma empresa com base em sua conduta social. Entre consumidores identificados como líderes de opinião, esse índice chega a 50% e, entre os entrevistados com maior nível de escolaridade, 40% revelaram o mesmo comportamento. Para 51% dos consumidores, a ética nos negócios é um dos principais fatores para avaliar se uma empresa é boa ou ruim. (ASHLEY, 2003). Assim, o que vemos é uma maior preocupação por parte da população sobre de onde vêm os produtos fabricados, e melhor, como tal empresa está chegando a certos lucros agredindo ou não o meio ambiente. Ou seja, responsabilidade social, tornou-se uma maneira de estar vivo no mercado mundial. E de acordo com uma pesquisa realizada pela IBM 2, onde 75% dos profissionais entrevistados afirmaram que uma empresa com responsabilidade social e um plano de trabalho voluntário atrai e retém talentos. E outra pesquisa feita pela You & Company com aproximadamente 2000 alunos de MBA 3, constatou que 83% dos que procuravam por empregos afirmaram que escolheriam a oferta da empresa que demonstrasse maior Responsabilidade Social, e 50% deles mencionaram preferir trabalhar em companhias éticas mesmo com salários menores. (ASLHEY, 2005) A empresa sabendo trabalhar a responsabilidade social de forma assumida, consistente e inteligente, pode contribuir de forma decisiva para a sustentabilidade e o desempenho empresarial. Tudo começa com um clima de maior simpatia para a imagem da 1 Business for Social Responsibility (BSR). 2 International Business Machines. 3 MBA é a sigla, em inglês, para Master in Business Administration, ou, em Português, Mestre em Administração de Negócios. Traduzindo, MBA é um curso de formação de executivos, nas diversas disciplinas da administração, onde são estudadas matérias de marketing, finanças, RH, contabilidade etc.

20 20 empresa. De repente, a empresa deixa de ser vilã, responsável pela prática de preços abusivos e demissões e fonte geradora de lucros exobirtantes e, em muitos casos, a responsável pela depredação da natureza. Torna-se uma empresa cidadã, que se traduz numa imagem corporativa de consciência social comprometida com a busca de soluções para os graves problemas sociais que assolam a comunidade. Muda sua imagem, fruto do seu novo posicionamento de empresa-cidadã. Com a marca reforçada, a empresa torna-se mais conhecida e vende mais. Seus produtos, serviços e, principalmente, sua empresa ganham maior visibilidade. Os clientes tornam-se orgulhosos em comprar produtos e serviços de uma empresa cidadã. Fornecedores sentem-se motivados em trabalhar como parceiros de uma empresa desta grandeza. O governo e a sociedade civil tornam-se parceiros desta empresa em seus empreendimentos sociais. Os concorrentes reconhecem o ganho de valor desta empresa. É o uso da cidadania empresarial como vantagem competitiva. Quando a empresa deixa de cumprir suas obrigações sociais em relação aos seus funcionários, acionistas, consumidores, parceiros e comunidade, ela perde a imagem construída, perde o capital de responsabilidade social. O primeiro indicador é a perda de credibilidade. Sua imagem é prejudicada. Se o problema for à responsabilidade social interna, os primeiros problemas são a quebra do clima organizacional, com os funcionários desmotivados, surgem conflitos que acarretam em greves, paralisações, baixa produtividade e aumento de acidentes de trabalho, além de altos índices de faltas e atrasos. Sendo a responsabilidade externa a principal área de problema, os efeitos são ainda maiores: acusações de injustiça social, boicote de consumidores, perda de clientes, reclamações de fornecedores e revendedores, queda nas vendas, gastos extras com passivo ambiental, ações na justiça, risco de invasões e até mesmo a falência. (MELO NETO, 2005) Responsabilidade Social no Brasil No Brasil, ética e responsabilidade social nos negócios são temas em ascendente difusão e discussão. O cenário já se alterou bastante desde meados da década de 1970, em

21 21 especial no final da década de 1990, pela crescente produção acadêmica, lançamento de premiações e fundação de organizações associativas promotoras do conceito, em especial o Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social. 4 (ASHLEY, 2005). É natural, pela relevância do tema, que existam limitações quanto a sua empregabilidade, principalmente se tratando da realidade empresarial brasileira. O conceito, difundido na Europa e Estados Unidos, está imerso em outros aspectos reais e culturais, impossibilitando uma adaptação precisa ao cenário brasileiro. É inoportuno querer adotar estratégias empresariais elaboradas em outros países, esperando que os resultados se expressem da mesma forma aqui, no Brasil. O aspecto cultural de uma nação, região ou localidade, determina o que se pode esperar como resultado de determinada atitude ou ação. É necessário, assim, que as estratégias de responsabilidade social empresarial sejam criadas e desenvolvidas de acordo com a realidade brasileira e das distintas regionalidades deste imerso país. Aprender com as experiências dos outros países é interessante, desde que não queira empregá-los como solução para os problemas locais. (ASHLEY, 2005). Nesse contexto, as empresas devem se calcar em valores fundamentais da vida no âmbito social, econômico e ambiental, como direitos humanos, dos funcionários, colaboradores da empresa e dos grupos de interesse; proteção ambiental, envolvimento comunitário, relação com fornecedores e clientes; monitoramento e avaliação de desempenho. (ALMEIDA, 1999). As primeiras discussões sobre o tema no Brasil tem como protagonista a ADCE 5, cujo objetivo era promover o debate sobre o balanço social. A questão passava necessariamente pela dinâmica da responsabilidade social, que dava a tônica de seminários e congressos, palestras e colóquios. O pioneirismo da ADCE- Brasil em promover atividades sobre a responsabilidade social das empresas marca, de forma contundente, a relevância de pensar a dinâmica social da empresas com mais intensidade no Brasil. Dessa maneira, o valor social, deve ser encarado como assunto estratégico nas agendas das 4 Uma organização sem fins lucrativos que ajuda as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente responsável. 5 Associação dos Dirigentes Cristãos de Empresas Brasil.

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS. Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS. Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas Desenvolvimento Sustentável Social Econômico Ambiental Lucro Financeiro Resultado Social

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Roberta Dalvo

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Roberta Dalvo RESPONSABILIDADE SOCIAL Roberta Dalvo Objetivo: Histórico e definições Panorama Social Oportunidades para as empresas (Vantagem Competitiva) Pesquisa realizada pelo Instituto Ethos/Valor Casos de sucesso

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU)

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) CAMPANHA MAIS CIDADÃO (UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) APRESENTAÇÃO Nossa Missão: Desenvolver o potencial das pessoas e formar o cidadão profissional para atuar com brilhantismo no mercado de trabalho Estar sintonizados

Leia mais

Como participar pequenos negócios Os parceiros O consumidor

Como participar pequenos negócios Os parceiros O consumidor Movimento incentiva a escolha pelos pequenos negócios na hora da compra A iniciativa visa conscientizar o consumidor que comprar dos pequenos é um ato de cidadania que contribui para gerar mais empregos,

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS DA UNILEVER

DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS DA UNILEVER DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS DA UNILEVER Acreditamos que as empresas só podem florescer em sociedades nas quais os direitos humanos sejam protegidos e respeitados. Reconhecemos que as empresas

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades UNIDADE 3 Identificação de oportunidades Provavelmente seja um dos maiores mitos sobre as novas idéias para negócios: a idéia deve ser única. Na realidade pouco importa se a idéia é única ou não, o que

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS Profa. Cláudia Palladino Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES Antes de falarmos sobre RSE Ambiente das empresas: Incertezas Pressões das partes interessadas em: desempenho global que promova

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes.

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. Instituto Ethos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. MISSÃO: Mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS Curso de Ciências Contábeis

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS Curso de Ciências Contábeis FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS Curso de Ciências Contábeis A ÉTICA PROFISSIONAL EXERCIDA PELOS CONTADORES RESENHA LARISSA DE C. PAVÉGLIO RAQUEL F. SCHAEFER

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

NOVA ATITUDE SOCIAL PARA A SUSTENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO

NOVA ATITUDE SOCIAL PARA A SUSTENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO Maio 2005 NOVA ATITUDE SOCIAL PARA A SUSTENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO Uma empresa cidadã tem direitos e deveres, assim como qualquer indivíduo. Trata-se de uma consciência crítica que nasce a partir do respeito

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe O guia do profissional de Recursos Humanos Como melhorar o desenvolvimento da equipe 1 Introdução 03 Conhecendo as dores do seu time 05 Investir nos colaboradores! 08 Estabelecendo metas 11 A meditação

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Camila Cristina S. Honório 1 Maristela Perpétua Ferreira 1 Rosecleia Perpétua Gomes dos Santos 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade mostrar a importância de ser

Leia mais

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica Mesa-Redonda: Responsabilidade Social Empresarial 23-24 de Novembro de 2006 Mário Páscoa (Wyeth/ Painel Febrafarma) E-mail: pascoam@hotmail.com

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Questionário para Instituidoras

Questionário para Instituidoras Parte 1 - Identificação da Instituidora Base: Quando não houver orientação em contrário, a data-base é 31 de Dezembro, 2007. Dados Gerais Nome da instituidora: CNPJ: Endereço da sede: Cidade: Estado: Site:

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Discurso 04/12/2003. Dr. Alfredo Setubal

Discurso 04/12/2003. Dr. Alfredo Setubal Discurso 04/12/2003 Dr. Alfredo Setubal Presidente do Conselho de Administração do IBRI - Instituto Brasileiro de Relações com Investidores Boa Noite! Esta cerimônia de final de ano é a minha última à

Leia mais

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS www.empreende.com.br emp@empreende.com.br FAZENDO ACONTECER Programa de ensino de empreendedorismo inovador em nível mundial, desenvolvido

Leia mais

A história do Balanço Social

A história do Balanço Social C A P Í T U L O 1 A história do Balanço Social D esde o início do século XX registram-se manifestações a favor de ações sociais por parte de empresas. Contudo, foi somente a partir da década de 1960, nos

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS

IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS A P R E S E N T A Ç Ã O 6 IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS A presente publicação consolida uma série de informações sobre os balanços sociais de empresas que atuam no Brasil

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

COACHING Executivo Equipe Liderança

COACHING Executivo Equipe Liderança COACHING Executivo Equipe Liderança O Coaching é uma nova forma de se pensar, sentir e agir que potencializa substancialmente os resultados nas vidas das pessoas. É uma jornada instigante para transformar

Leia mais

A Importância de Parcerias Estratégicas para a Transformação Social. Ilda Ribeiro Peliz Setembro 2008

A Importância de Parcerias Estratégicas para a Transformação Social. Ilda Ribeiro Peliz Setembro 2008 A Importância de Parcerias Estratégicas para a Transformação Social Ilda Ribeiro Peliz Setembro 2008 Responsabilidade Social O conceito da RSA não está mais entre as quatro paredes dos escritórios. A sociedade

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Versão 1.0 18/08/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Diretrizes... 3 3.1. Diretrizes Gerais... 3 3.2. Diretrizes Específicas...

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009 Responsabilidade Social Empresarial em Empresas Construtoras case Even Ruth Goldberg 04 de junho de 2009 Alinhando conceitos: SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E C O N Ô

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas?

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Professor e consultor Álvaro Camargo explica a importância dos processos de aproveitamento de lições aprendidas nas organizações

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais