UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MERCHANDISING À LUZ DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Por: ALESSANDRA BITENCOURT SERPA MERCÊ Orientador Prof. WILLIAM LIMA ROCHA Rio de Janeiro 2005

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE 2 MERCHANDISING À LUZ DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como condição prévia para a conclusão do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito do Consumidor. Por: Alessandra B. Serpa Mercê

3 3 AGRADECIMENTOS...aos amigos e parentes, que me ajudaram na composição desta monografia e ao meu orientador, pela atenção dedicada.

4 4 DEDICATÓRIA...dedico a toda a minha família

5 RESUMO 5 O presente trabalho trata da importância do poder persuasivo que a publicidade exerce na vida dos consumidores. Em como a mensagem publicitária elimina o senso crítico ou de censura ao que lhe é anunciado, deixando-o, por esta razão, vulnerável às informações falsas ou omissas que lhe são apresentadas. Esta vulnerabilidade também é percebida quando um artista famoso ao anunciar um produto, associa sua imagem a este, para atestar suas qualidades, prestar um depoimento ou dar um conselho, se valendo da confiança, simpatia e carisma que representam junto ao público. Outra prática publicitária muito praticada pelas celebridades é o merchandising, que é a propaganda inserida de forma camuflada em programas de televisão ou em novelas, visando atrair a atenção do espectadorconsumidor para a aquisição de determinado produto. A conseqüência da publicidade feita de forma enganosa dá margem às responsabilidades civil, penal e administrativa, devendo o fornecedor e/ou anunciante demonstrarem não ter agido de má fé ou que o consumidor possuía pleno conhecimento da mensagem.

6 SUMÁRIO 6 INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I Conceito de Publicidade a importância da publicidade e o seu poder de persuasão dever de informar e publicidade diferença entre publicidade e propaganda 12 CAPÍTULO II Os Princípios Gerais Adotados pelo Código Princípio da Identificação Princípio da Vinculação Princípio da Veracidade Princípio da Transparência 19 CAPÍTULO III Conceito de Propaganda Enganosa à Luz da Lei nº 8078/ tipos de publicidade enganosa publicidade enganosa por comissão publicidade enganosa por omissão elemento subjetivo anúncio ambíguo exagero publicitário 23 CAPÍTULO IV Merchandising 25 CAPITULO V Responsabilidade Civil das Celebridades 30

7 5.1. conduta comissiva e omissiva dano nexo causal causas de exclusão da responsabilidade outras formas de proteção quanto ao defeito na informação 39 7 CONCLUSÃO 41 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 42 FOLHA DE AVALIAÇÃO 43

8 8 INTRODUÇÃO Neste trabalho será abordado como a publicidade deixou de desempenhar ao longo do tempo, um papel informativo, depois sugestivo, para exercer nos dias atuais poder persuasivo na vida das pessoas, eliminando sua capacidade de crítica ou censura, subordinando-o a um condicionamento psicológico. Tendo em vista essa vulnerabilidade, foi criado o Código de Defesa do Consumidor, visando protegê-lo contra a má fé praticada pelo fornecedor ao anunciar determinado produto ou serviço. A seguir, será abordada a responsabilidade de pessoas públicas, tais como apresentadores de programas de televisão, artistas, atletas, ao prestarem seu testemunho, opinião ou dar um conselho sobre determinado produto, se valendo da confiança, carisma obtidas junto ao público e ainda, o efeito devastador praticado na vida deste, posto que, na maioria das vezes, adquire um produto pela repetição da mensagem ou pela associação do artista ao produto, agindo sob influência deste. Será visto o merchandising, que consiste na prática publicitária inserida de forma camuflada dentro de programas de televisão e novelas exercidas por artistas para atrair a atenção do consumidor para aquele produto ao ressaltar as qualidades deste. Em seguida, será estudada a conduta comissiva ou omissiva praticada pelos artistas no uso de sua imagem ao anunciarem determinado produto, o liame de causalidade entre a conduta e o dano. E, por fim, as causas de exclusão de responsabilidade da celebridade.

9 9 CAPÍTULO I CONCEITO DE PUBLICIDADE Existem várias definições para publicidade. A American Association of Advertising Agencies AAAA, Benjamin conceitua publicidade como sendo qualquer forma paga de apresentação impessoal e promoção tanto de idéias, como de bens ou serviços, por um patrocinador identificado 1. O Código Brasileiro de Auto-Regulamentação Publicitária, em seu artigo 8º define publicidade como toda atividade destinada a estimular o consumo de bens ou serviços, bem como a promover instituições, conceitos ou idéias. O Decreto nº /66, em seu artigo 2º, diz que a publicidade consiste em qualquer forma remunerada de difusão de idéias, mercadorias, produtos ou serviços por parte de um anunciante identificado. Já para Adalberto Pasqualotto, a publicidade é: toda comunicação de entidades públicas ou privadas, inclusive as não personalizadas, feita através de qualquer meio, destinada a influenciar o público em favor, direta ou indiretamente, de produtos ou serviços, com ou sem finalidade lucrativa 2. Podemos perceber a publicidade no rádio, no meio televisivo, anúncios de revistas, outdoors, folhetos e cartazes através de campanhas publicitárias, como em rótulos, embalagens. 1 Benjamin, Herman, Código Brasileiro, cit., p.251 apud Guimarães, Paulo Jorge Scartezzini, A publicidade ilícita e a responsabilidade civil das celebridades. 2 Pasqualotto, Adalberto, Os efeitos, cit., p.25 apud Guimarães, Paulo Jorge Scartezzini, A publicidade ilícita e a responsabilidade civil das celebridades.

10 10 Para Maria Luíza de Sabóia Campos 3, igualmente se incluem neste conceito os concursos, os sorteios, os vales-brindes e apresentações de produtos nas gôndolas e display nos pontos de venda. Em todas as definições de publicidade predomina como um denominador comum o patrocínio, a divulgação de produtos e serviços, a informação, a persuasão e o público a que é dirigido, nos sendo relevante para o estudo, em particular, o poder de persuasão a importância da publicidade e o seu poder de persuasão No mundo atual, a publicidade pode ser considerada como um símbolo da sociedade Moderna. Após a década de 20, com o aparecimento dos rádios a baixo custo e na década de 40, com o surgimento da televisão, a publicidade passa a desempenhar um papel preponderante na vida das pessoas, influenciando de forma direta ou subliminar, a ponto de mudar seus hábitos e ditar-lhe comportamento, fazendo com que o cidadão adquira produtos ou serviços, seja pelos usos e costumes, seja pela prestação de informação inadequada, tornando não um ato voluntário, mas sim um ato condicionado. Segundo Fábio Konder Comparato: o consumidor, vítima de sua própria incapacidade crítica ou suscetibilidade emocional, dócil objeto da exploração de uma publicidade obsessora e obsidional, passa a responder ao reflexo condicionado da palavra mágica, sem resistência. Compra um objeto ou paga por um serviço, não porque a sua marca atesta a boa qualidade, mas simplesmente porque ela evoca todo um reino de fantasias e devaneio de atração irresistível. 4 3 Sabóia, Maria Luíza de, Publicidade, cit., p.201 apud Guimarães, Paulo Jorge Scartezzini, A publicidade ilícita e a responsabilidade civil das celebridades. 4 Comparato, Fabio Konder, A proteção do consumidor..., Revista cit., p.40 apud Revista de Direito do Consumidor nº 38, Editora Revista dos Tribunais. 2001

11 11 Na mesma linha de raciocínio, Hermano Duval entende que: é fato notório que a mensagem publicitária vai hoje, além da mera informação. Em uma primeira etapa, ela informa; na segunda, sugestiona, e, na terceira, ela capta em definitivo o consumidor. De tanto insistir na mesma tecla, mas sempre revestida de novos recursos propiciados pela chamada criatividade a publicidade comercial passa habilmente da informação à sugestão e desta à captação, isto é, eliminação no consumidor de sua capacidade crítica ou censura ao que lhe é proposto (anunciado), o que importa numa violação ao princípio da liberdade de pensamento 5 Logo, podemos concluir que, o poder de persuasão é tamanho que o consumidor é induzido a consumir, posto que desprovido de senso crítico, agindo pela emoção feito um autômato, desprovido de sendo crítico. Assim, mesmo que a publicidade passe despercebida, exerce sobre o nosso inconsciente um grande poder. A título de exemplo, outro dia presenciei uma senhora dizer para seu marido ao parar em frente a uma prateleira de uma farmácia: Tomou Doril, a dor sumiu Este exemplo, assim como em muitos outros, percebemos a vulnerabilidade do consumidor diante do poder persuasivo da publicidade na sua vida cotidiana. O Jornal O Globo noticiou uma matéria no dia 21 de maio de 1995 sob o título Quando Freud vai às compras, descreve as estratégias utilizadas para induzir o consumidor ao consumo. Uma delas é o supermercado, onde geralmente os produtos básicos não se encontram de imediato na entrada, se fazendo necessário percorrer outras prateleiras contendo produtos supérfluos para encontrá-los. Em vista disso, foi criado o Código de Defesa do Consumidor visando proteger o consumidor na esfera civil (arts. 30 a 38), penal (arts. 67 e 68), administrativa (arts. 55 a 60) e jurisdicional (arts. 81 a 104). 5 Duval, Hermano, A publicidade e a lei, cit., p. 152 apud Revista de Direito do Consumidor nº 38, Editora Revista dos Tribunais. 2001

12 12 Na esfera civil, com o ressarcimento de danos, além de vincular o fornecedor à oferta publicitária; na esfera penal, com a criminalização da conduta; na administrativa, com a contrapropaganda e na jurisdicional, criando mecanismos processuais, visando melhorar o acesso ao Judiciário. Como preleciona o festejado Professor Carlos Alberto Bittar: a publicidade visada pelo regime repressivo do Código não é a inserida em mensagem honesta e inteligente, mas a que se expressa com falseamento da verdade, ou com a ilaqueação da boa-fé do destinatário, ou com desrespeito a valores essenciais do relacionamento social dever de informar e publicidade O Código de Defesa do Consumidor não impõe um dever ao fornecedor de anunciar seus produtos ou serviços, mas sim num direito positivo de informar ao consumidor o produto que está sendo adquirido (art. 31). A má ou insuficiente informação prestada é punida. Porém, o referido Código prevê duas hipóteses em que o fornecedor tem o dever de anunciar, a posteriori. É quando toma o conhecimento tardio dos riscos do produto ou serviço (artigo 10, 1º e 2º, artigos 56, XII e 60) diferença entre publicidade e propaganda Verifica-se no dia-a-dia o uso indistinto dos dois termos. Porém, o Código faz uma distinção. A publicidade tem objetivo comercial, ao passo que a propaganda visa a um fim ideológico, religioso, filosófico, político, econômico o social. 6 Bittar, Carlos Alberto. O controle da publicidade: sancionamento e mensagens enganosas e abusivas. RDC 4/127 apud Guimarães, Paulo Jorge Scartezzini, A publicidade ilícita e a responsabilidade civil das celebridades

13 13 A publicidade, além de paga, identifica seu patrocinador, o que nem sempre acontece com a propaganda. Um exemplo de publicidade é a marca de uma pasta dental, que é a difusão de uma mercadoria específica; já o de propaganda, podemos citar a propaganda política, que é a difusão de uma idéia. A distinção fundamental baseia-se no fato da publicidade visar ao lucro, enquanto a propaganda, na maioria dos casos, não há um benefício econômico. O CDC cuida tão somente da publicidade.

14 CAPÍTULO II 14 OS PRINCÍPIOS GERAIS ADOTADOS PELO CÓDIGO O Código Consumerista não trouxe à baila um artigo específico sobre o tema, ficando a cargo da doutrina quais sejam: 2.1. princípio da identificação Disposto no artigo 36: A publicidade deve ser veiculada de tal forma que o consumidor, fácil e imediatamente, a identifique como tal. Fácil é aquilo que qualquer pessoa ou pelo menos a grande maioria, teria condição de perceber; já o termo imediatamente, gera vários sentidos, tais como rápido, instantâneo. O legislador ao legislar este artigo, inspirou-se no artigo 46 do projeto francês de Code de la Consommation, onde se proíbe qualquer forma de publicidade dissimulada ou oculta. Essa regra já vinha prevista no Código de Auto-Regulamentação Publicitária onde consta que: o anúncio deve ser claramente distinguido como tal, seja qual for a sua forma ou seu meio de veiculação. O objetivo deste dispositivo é advertir o consumidor que, o que ele está vendo ou ouvindo tem como escopo a aquisição ou utilização de bem ou serviço, devendo ter em mente que as informações que estão lhe sendo passadas contêm parcela da opinião da pessoa que pretende vender o produto ou serviço. A publicidade oculta ou dissimulada é vedada pelo Código de Defesa do Consumidor. Um exemplo disso é o merchandising, que é um modo sutil de se fazer propaganda. É quando um ator apresenta ou comenta em uma novela sobre determinado produto, de forma casual.

15 15 Anote-se que o referido diploma legal não proíbe expressamente o merchandising, pois pode o mesmo não apresentar enganosidade. O que se proíbe é o fato de não permitir ao consumidor a sua imediata identificação. Este dispositivo acolhe o princípio da identificação da mensagem publicitária, fazendo com que a publicidade só seja lícita quando o cidadão puder identificá-la facilmente, ou seja, sem esforço ou capacitação técnica e imediatamente, isto é, no momento em que o bem ou serviço está sendo exposto. Uma forma de adaptar o merchandising ao aludido princípio, seria a veiculação antecipada de uma informação, por meio de créditos que no programa, peças ou filmes ocorrerá o merchandising, fazendo com que o consumidor no momento da veiculação, possa identificar, de imediato, como publicidade. No caso de ocorrer a veiculação da publicidade em programas ou filmes sem que a pessoa tenha tido a chance de assistir no início, também se deve exigir que os créditos sejam repetidos ao final de cada fragmento princípio da vinculação Insculpida no artigo 30 é: Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma ou meio de comunicação com relação a produtos e serviços oferecidos ou apresentados, obriga o fornecedor que a fizer veicular ou dela se utilizar e integra o contrato que vier a ser celebrado. O legislador pretendeu com essa norma evitar os abusos praticados por meio do marketing, obrigando o fornecedor a cumprir o prometido, uma vez que a promessa passou a fazer parte do contrato a ser firmado. Deste modo, no caso de ser apresentado ao consumidor um produto faltando elementos que devam fazer parte dele, o consumidor poderá pleitear em juízo o cumprimento forçado da obrigação, a aceitação de outro produto ou

16 16 a prestação de outro equivalente, ou ainda, a rescisão do contrato com perdas e danos. Por outro lado, como decorrência da publicidade, existem vícios ligados às informações veiculadas, tais como os vícios de qualidade e quantidade do produto ou serviço, previsto nos artigos 18 a 20 da Lei nº 8.078/90. Assim, se a publicidade for realizada, despertando o interesse do consumidor e depois houver recusa do ofertante, poderá este, nos temos do artigo 35, I, do Código de Defesa do Consumidor ser obrigado a cumprir o anunciado. Situação contrária se verifica quando o consumidor já houver firmado o contrato e posteriormente verificar o vicio pela disparidade com o anunciado. Dependendo do caso, aplicar-se-ão os artigos 18 a 20 da Lei nº 8078/ princípio da veracidade Este princípio é encontrado no artigo 37, 1º e 3º, verbis: Art.37 É proibida toda publicidade enganosa ou abusiva. 1º - É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro modo, mesmo por omissão, capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza, características, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços.(grifo nosso) (...) 3º - Para os efeitos deste Código, a publicidade é enganosa por omissão quando deixar de informar sobre dado essencial de produto ou serviço.

17 17 Este princípio consiste em afastar de toda publicidade, afirmações falsas ou que induzam o consumidor em erro. É a aplicação da boa-fé, que deve predominar em toda relação jurídica. Dentro do termo enganosa se destacam duas espécies: a falsidade, que significa a não-veracidade na informação; e a enganosa em sentido estrito, quando, por qualquer modo possa induzir o consumidor em erro. Deste modo, pode uma publicidade ser verdadeira, mas enganosa, seja porque não apresentou um dado necessário, seja porque o seu objetivo é fazer com que o consumidor não compreenda o que está sendo realmente dito. Este tipo de publicidade é denominada de publicidade enganosa por comissão. A título de ilustração, foi publicada uma matéria no jornal Folha de São Paulo onde a Agência Nacional de Vigilância Sanitária determinou a suspensão da propaganda de três tipos de leite: Ômega Plus, Ômega 3 e Primeiro Crescimento, por considerá-las enganosas, isto porque as propagandas afirmavam que o consumo dos leites melhora a circulação sanguínea e ajuda a controlar o colesterol. A Vigilância Sanitária considerou a propaganda falsa porque os comerciais não explicavam que o consumo regular dos ácidos graxos só faz abaixar o colesterol se aliado a uma vida saudável. Para a autarquia, a propaganda do leite Primeiro Crescimento seria falsa, pois incutiria no consumidor a idéia de que o produto é importante para o crescimento de crianças na faixa etária de 1 aos 3 anos de idade. Nos posicionamos no sentido de entender que as duas primeiras propagandas são enganosas por omissão por indução ao erro, ao passo que a última é abusiva. Por outro lado, pode a publicidade falsa não ser enganosa, não atingindo o consumidor. Na capacidade de indução do consumidor ao erro, desnecessário se provar a intenção de enganar, bastando a mera enganosidade potencial, ou seja, a capacidade de indução ao erro, sendo irrelevante a boa ou má-fé do anunciante. Logo, o critério de aferição empregado será objetivo e não subjetivo.

18 18 Como bem leciona Nery Junior: para a caracterização da publicidade como enganosa, basta a verificação de sua potencialidade ao engodo, sendo desnecessária a pesquisa da vontade dolo ou culpa do fornecedor (anunciante, agência ou veículo) 7. Desta forma, verifica-se a publicidade enganosa não só quando seja falsa, mas também quando induza o cidadão ao erro, mediante dados falsos, ou pela forma de sua apresentação, pelo contexto em que se insere ou pelo público a que se dirige, capaz de ludibriar pessoas. Porém, se a mensagem publicitária deixar claro o teor fantasioso, inverídico, inexistente contido na produção e veiculação da publicidade, segundo as regras da experiência comum, não há de se falar em ofensa ao consumidor. Comumente, assistimos a anúncios em que são usadas as expressões: o melhor preço do mercado ou a loja mais perto de você, sendo necessário verificar se tais informações exageradas, caso não sejam verdadeiras, se violam ou não o direito do consumidor. Ulf Bernitz e John Draper, entendem que: afirmações exageradas não mais são permitidas. Alegações gerais como o melhor do mundo têm que respeitar o mesmo parâmetro de fundamentação exigível de outras, sendo que a inversão do ônus da prova determina que o anunciante demonstre serem elas literalmente verdadeiras. 8 Por outro lado, Waldirio Bulgarelli preleciona que: a regra geral que se acolhe na maior parte dos países industrializados é a de que as expressões exageradas de caráter inofensivo, em que os clientes não acreditam, estão excluídas do campo dos enganos prejudiciais dentro de limites variáveis. 9 Maria Elizabete Vilaça Lopes, afirma que: se a afirmação exagerada não for facilmente perceptível, terá o anunciante de cumprir o prometido. Assim, ao 7 Nery, Nelson. Os princípios gerais, cit., p. 44 apud Guimarães, Paulo Jorge Scartezzini, A publicidade ilícita e a responsabilidade civil das celebridades. 8 Ulf Bernitz & John Draper apud Antonio Herman Benjamin, Comentários, cit., p Bulgarelli, Waldirio apud Guimarães, Paulo Jorge Scartezzini, A publicidade ilícita e a responsabilidade civil das celebridades.

19 19 se afirmar que o preço do produto é o menor do mundo, não haverá vinculação, por outro lado, se o dito for no sentido de que o preço é o menor da praça, estará a esta informação vinculado princípio da transparência Contido no parágrafo único do art. 36 do Código de Defesa do Consumidor, é aquela em que apesar do fornecedor ter ampla liberdade para anunciar seus produtos e serviços, deverá fazê-lo com fundamento em elementos fáticos, científicos. A justificativa da fundamentação encontra-se na injustiça de se esperar que o consumidor realize quantidades infinitas de testes em produtos ou serviços a fim de verificar a procedência da mensagem a ele dirigida. Deste modo, toda vez que o publicitário faz uma afirmação, o consumidor automaticamente imagina que o mesmo tem uma base material para assim proceder. A lei impõe ao anunciante, antes de anunciar o produto ou serviço, que se certifique dos dados que vão dar sustentação ao que alega. Conforme a Federal Trade Commission: face ao desequilíbrio de conhecimento e recursos entre a empresa e cada um de seus consumidores, economicamente é mais racional, com menos custos para a sociedade, requerer que o fornecedor confirme sua afirmação sobre o bem em vez de impor tal ônus sobre cada um dos consumidores individuais de testar, investigar ou experimentar, por eles mesmos razões de justiça econômica exigem que tal obrigação seja imposta sobre os vendedores Lopes, Maria Elizabete Vilaça, o Consumidor, cit., apud Guimarães, Paulo Jorge Scartezzini, A publicidade ilícita e a responsabilidade civil das celebridades. 11 In re Pfizer, 81 F.T.C. 23 (1972)

20 CAPÍTULO III 20 CONCEITO DE PROPAGANDA ENGANOSA À LUZ DA LEI Nº 8078/90 Antes de mais nada, necessário esclarecer que o CDC não proíbe a publicidade, mas tão somente aquela nociva ao consumidor, como é o caso da publicidade enganosa que distorce, induz o poder decisório deste, levando-o a adquirir produtos e serviços que, provavelmente não faria, se tivesse melhor informado. Um exemplo são os anúncios que divulgam que determinado produto emagrece ou nos casos de empréstimo para aposentados e pensionistas, ressaltando a taxa mínima de juros ao mês e outros tantos outros falsos benefícios que povoam o imaginário do consumidor. Com base nisso, ou seja, na complexidade da matéria, o legislador definiu de forma ampla o que seja publicidade enganosa, não importando a prova da enganosidade real bastando a mera enganosidade potencial, ou seja, aquela capaz de induzir ao erro, sendo irrelevante a boa ou má-fé do anunciante. Além do mais, o standard de enganosidade não é fixo, variando de cultura. Assim, os consumidores viam a necessidade de terem seu direito protegido, uma vez que nem o erro (artigos 86 a 91 do Código Civil de 2002), nem o dolo (artigos 92 a 97 do Código Civil de 2002), serviam para amparar os consumidores, nascendo, então, a Lei nº. 8078/90. Objetivando proteger o consumidor, tornando efetiva a garantia de reparos ou de substituição, desvinculando o consumidor de contratos realizados sob o impulso por telefone, internet, passou a exigir o cumprimento do anunciado; a aceitação de outro bem ou o desfazimento da avença. No caso de recusa de cumprimento pelo fornecedor, poderá o consumidor, a sua escolha, exigir o cumprimento forçado da obrigação ou

21 21 aceitar outro bem ou serviço; ou a resolução do contrato com a restituição do valor eventualmente antecipado, além das perdas e danos. Também prevê o CDC o direito de desistência previsto no artigo 49, toda vez que o consumidor efetuar a contratação fora do estabelecimento comercial, como é o caso em compras feitas por telefone, pela internet, revistas ou em domicílio. Neste caso, os valores pagos serão devolvidos de imediato, atualizados monetariamente. Fluído o direito de arrependimento no prazo decadencial, o negócio se consolida. No caso de vendas por telefone ou reembolso postal, necessariamente se faz constar o nome do fabricante e endereço na embalagem e publicação em todos os impressos usados na negociação comercial (artigo 33), para evitar que o consumidor sofra constrangimentos e prejuízos, além de poder se desvincular no prazo decadencial do artigo 49 do CDC tipos de publicidade enganosa Há dois tipos básicos de publicidade enganosa: A publicidade por comissão que é aquela em que se afirma algo capaz de induzir o consumidor em erro, ou seja, diz algo que não é, enquanto a publicidade por omissão, consiste em deixar de afirmar algo de importante, induzindo o consumidor em erro também, isto é, deixa de dizer o que é publicidade enganosa por comissão Decorre de um informar positivo que não corresponde à realidade do produto ou do serviço, afirma-se o que não é. A título de exemplo, é no caso do vendedor ao expor o seu produto na vitrine da loja, colocando em letras destacadas o preço do bem e em letras minúsculas o número de vezes da prestação.

22 3.3. publicidade enganosa por omissão 22 É aquela em que há ausência de dados fundamentais do bem ou serviço que está sendo anunciado. Não se exige do anunciante que informe todas as características e riscos do produto anunciado, sendo exigível somente aquelas informações essenciais. Sendo assim, na publicidade enganosa por omissão, o fornecedor é punido pela parcela de informação que tenha tido capacidade de induzir na decisão do consumidor. Podemos citar o exemplo das propagandas de cigarro. Embora o Ministério da Saúde advirta o consumidor que o consumo de cigarro causa diversos males à saúde, não especifica, não informa quais substâncias seriam estas. Em suma, a publicidade é considerada enganosa quando induza em erro pessoas desinformadas ou ignorantes, independentemente da classe social, partindo da premissa do homem médio para avaliar a extensão do erro, devendo ser analisada a problemática caso a caso elemento subjetivo Como dito alhures, não se analisa o elemento subjetivo do anunciante, ou seja, sua intenção, mas tão somente a capacidade de indução em erro, mesmo que o resultado não tenha sido querido pelo agente. Observe-se, todavia, que o anunciante só responderá pela intenção (dolo) e a imprudência (culpa) no campo penal. A indução do consumidor em erro ganha importância na tipificação do crime do artigo 7º, VII, da Lei nº 8.137/90 (Lei dos crimes contra a ordem Tributária, Econômica e contra as relações de consumo). Deste modo, não sendo exigível que o consumidor tenha sido concretamente enganado, podendo ser aferida a enganosidade em abstrato,

23 23 posto que não importa os efeitos reais da publicidade, e sim a capacidade de induzir o consumidor no poder decisório de compra. Mensagem publicitária quando enganosa, não perde este caráter por estar dirigida a uma parcela da população que é informada, intelectualizada, uma vez que existe uma outra parte do público que é desinformada, ignorante, vulneráveis, devendo ser, particularmente, protegidos. Segundo Ulf Bernitz e John Draper: aquilo que for enganoso para um consumidor pode não sê-lo, em alguns casos, para outros. Deste modo, para que esteja configurada a publicidade enganosa necessariamente se faz verificar 2 aspectos: a) a natureza da mensagem publicitária analisada mediante um critério objetivo que se refere ao conteúdo do anúncio; b) a vulnerabilidade do consumidor, devendo ser analisada mediante um critério subjetivo, ou seja, o tipo de consumidor atingido ou atingível anúncio ambíguo É aquele que contém mais de um sentido. Se, por exemplo, um anúncio permitir mais de uma interpretação, contendo uma informação falsa, ainda que as demais sejam verdadeiras, fica caracterizada a publicidade enganosa do exagero publicitário É freqüente assistirmos ou ouvirmos anúncios publicitários do tipo: o melhor preço do mercado, ou a loja mais perto de você, etc. A analisarmos estes anúncios devemos separar o que seja uma informação falsa daquela que é simplesmente exagerada, não sendo figurando como ilícita.

24 24 ULF & Bernitz prelecionam que: as afirmações exageradas na mais são permitidas. Alegações gerais como : o melhor do mundo têm que respeitar o mesmo parâmetro de fundamentação exigível de outras, sendo que a inversão do ônus da prova determina que o anunciante demonstre serem elas literalmente verdadeiras. Já Waldirio Bulgarelli, entendeu que: a regra geral que se acolhe na maior parte dos países industrializados é a de que as expressões exageradas de caráter inofensivo, em que os clientes não acreditam, estão excluídas do campo dos enganos prejudiciais dentro de limites variáveis. Porém, Maria Elizabete Vilaça Lopes preleciona que: se a afirmação exagerada não for facilmente perceptível, terá o anunciante de cumprir o prometido. Assim, se se afirmar que o preço do produto é o menor do mundo, não haverá vinculação; por outro lado, se o dito for no sentido de que o preço é o menor da praça, estará a esta afirmação vinculado. Nos posicionamos no sentido de que, em sendo objetivo, claro, ainda que de forma exagerada que o produto ou serviço é o melhor do mercado etc, e o anunciante não fizer prova do que alegar, fica caracterizada a publicidade ilícita. Porém, insta fazermos uma observação: assumindo a propaganda caráter subjetivo, ou seja, aquela em que o anunciante expressa de forma subjetiva a sua opinião, não configurará ilicitude. consumidor. De qualquer forma, em caso de dúvida, deve esta beneficiar o

25 CAPÍTULO IV 25 MERCHANDISING Consiste na inserção camuflada de produtos, serviços ou marcas de forma aparentemente casual e programas de televisão, novelas ou rádio. Tem como objetivo ludibriar o consumidor, persuadi-lo, influenciá-lo no poder de compra. Deste modo, quando um apresentador de televisão utiliza o espaço do programa para fazer propaganda de determinado produto, está praticando o merchandising. Note-se que o apresentador se aproveita do carisma e da confiança que representa perante o seu público para anunciar determinado produto. Outro exemplo bastante comum, é quando um ator da novela das oito da Globo ressalta as características de um produto, não identificando o consumidor se se trata de publicidade ou não do produto veiculado, criando, desta forma, expectativas no telespectador-consumidor que devem ser protegidas. A norma do artigo 36 deixa claro que a prática do merchandising contraria seu conteúdo: A publicidade deve ser veiculada de tal forma que o consumidor, fácil e imediatamente, a identifique como tal. Deste modo, o fornecedor na poderá argumentar em sua defesa que o merchandising é veiculado de tal forma que o consumidor fácil e imediatamente o identifique, posto que o bom merchandising é exatamente o oposto: quanto mais sutil, melhor. Paulo Guimarães em sua obra A Publicidade, p. 157 assevera que: os apresentadores assumem, diante do consumidor, uma postura de garante. E mais. Segundo Roberto S. Lisboa, em Responsabilidade Civil, p. 262, é evidente que nesses casos o apresentador do programa torna-se parceiro, verdadeiro aliado do fornecedor, pois se transforma no principal meio de propagação dos produtos do fornecedor.

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa PRÁTICAS COMERCIAS Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa CONCEITO Práticas comerciais são os procedimentos, mecanismos, métodos e técnicas utilizados pelos fornecedores para,

Leia mais

Francisco José Soller de Mattos

Francisco José Soller de Mattos Princípios gerais da publicidade no Código de Proteção e Defesa do Consumidor Francisco José Soller de Mattos Introdução Nosso ordenamento jurídico não obriga a Nosso ordenamento jurídico não obriga a

Leia mais

Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor

Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor PLÍNIO LACERDA MARTINS Mestre em Direito Promotor de Justiça Prof. de Direito do Consumidor UGF pliniolacerda@aol.com

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR DIREITO DO CONSUMIDOR RELAÇÃO DE CONSUMO APLICABILIDADE O presente código estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos arts. 5, inciso XXXII,

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Comunicação: tendências e desafios, realizada na Universidade do Sagrado Coração Bauru SP, no período de 27 a 29 de agosto de 2009.

Comunicação: tendências e desafios, realizada na Universidade do Sagrado Coração Bauru SP, no período de 27 a 29 de agosto de 2009. 111 1ª Jornada Científica de Comunicação Social A pesquisa em Comunicação: tendências e desafios PUBLICIDADE E PROPAGANDA: UMA REFLEXÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E DA ÉTICA PARA A PROFISSÃO

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

PRODUTOS: FAÇA VALER SEUS DIREITOS NA HORA DA COMPRA E NO PÓS-VENDA!

PRODUTOS: FAÇA VALER SEUS DIREITOS NA HORA DA COMPRA E NO PÓS-VENDA! PRODUTOS: FAÇA VALER SEUS DIREITOS NA HORA DA COMPRA E NO PÓS-VENDA! CUIDADOS AO COMPRAR UM PRODUTO Houve um tempo em que o consumidor se sentia desamparado na hora de adquirir um produto. Sem contar com

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 0035092-08.2012.8.19.0004 APELANTE: BANCO BRADESCO S/A APELADO: BRUNO GARCIA DE SÁ RELATOR: DES. FERNANDO ANTONIO DE ALMEIDA APELAÇÃO CÍVEL DIREITO DO CONSUMIDOR AÇÃO SOB O RITO SUMÁRIO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Concorrência lícita. Publicidade comparativa não denigre marca alheia Marcel Thiago de Oliveira* Resumo: O presente estudo visa investigar a publicidade comparativa à luz do ordenamento

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR 1 Sumário 1 - A origem do Código de Defesa do Consumidor...3 2 - Código de Defesa do Consumidor... 3 3 - Direitos

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

Como oportunamente lembrou Maria Antonieta Zanardo Donato[1], ao tratar da árdua tarefa de conceituar o consumidor:

Como oportunamente lembrou Maria Antonieta Zanardo Donato[1], ao tratar da árdua tarefa de conceituar o consumidor: CONSUMIDOR E SITES DA INTERNET Ingrid Melania Rasmusen Amaya Introdução Análise sob a ótica do Código de Defesa do Consumidor - Codecom considerando-se cliente o proprietário responsável pelo site a ser

Leia mais

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34 Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS 2JEFAZPUB 2º Juizado Especial da Fazenda Pública do DF Número do processo: 0706261 95.2015.8.07.0016 Classe judicial:

Leia mais

Quem são os Consumidores? - Pode ser uma pessoa, várias pessoas ou ainda empresas que compram ou utilizam produtos e serviços, para uso próprio.

Quem são os Consumidores? - Pode ser uma pessoa, várias pessoas ou ainda empresas que compram ou utilizam produtos e serviços, para uso próprio. GUIA PRÁTICO DO CONSUMIDOR O que é Código de Defesa do Consumidor? - É uma lei de ordem pública (8.078/90) que estabelece direitos e obrigações de consumidores e fornecedores, para evitar que os primeiros

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 2216384-69.2011.8.19.0021 APELANTE: TERESA RAMOS DE SANTANA APELADO: RICARDO ELETRO DIVINOPOLIS LTDA APELADO: ZTE DO BRASIL COMERCIO SERVIÇOS E PARTICIPAÇÕES LTDA RELATOR: DES. FERNANDO

Leia mais

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica Código de Defesa do Consumidor Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE- Art. 12,parag.3o. CDC Fornecedor prova que não colocou

Leia mais

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação.

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação. 1.1 - Introdução Infelizmente o ajuizamento de ações de indenização por danos materiais e principalmente morais em face de empresas por inclusão indevida do nome de seus clientes em órgãos de proteção

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR MARIA BERNADETE MIRANDA

DIREITO DO CONSUMIDOR MARIA BERNADETE MIRANDA DIREITO DO CONSUMIDOR MARIA BERNADETE MIRANDA OFERTA VÍNCULO DA RELAÇÃO DE CONSUMO MERCADO DE CONSUMO OFERTA Artigo 30 Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma

Leia mais

Publicidade na Odontologia: como fazer. Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação.

Publicidade na Odontologia: como fazer. Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação. Publicidade na Odontologia: como fazer Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação. Você sabia que nos anúncios, placas e impressos publicitários, por exemplo,

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor.

Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor. Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor. O Direito do Consumidor estabelece as regras que regulam as relações de consumo entre consumidores e fornecedores de produtos ou serviços. Como vivemos em um

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito do consumidor da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da Bahia Com referência ao CDC, julgue os

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO QUARTA CÂMARA DE DIREITO PRIVADO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO QUARTA CÂMARA DE DIREITO PRIVADO Voto nº 19781 PUBLICIDADE COMPARATIVA. Fabricantes de um mesmo produto que se utilizam de expressões voltadas a realçar o seu em campanha publicitária. Expressões aceitáveis pela falta de enganosidade,

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO

RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO ROBERVAL CASEMIRO BELINATI Desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Membro da 2ª Turma Criminal Professor

Leia mais

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA fls. 1 Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada> faço estes autos conclusos à(o) MM. Juiz(a) de Direito. Eu,, Escrevente, Subsc. SENTENÇA Processo

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 0460569-74.2012.8.19.0001 APELANTE: ALINE ALMEIDA PERES APELADO: INSTITUTO BRASILEIRO DE MEDICINA DE REABILITAÇÃO LTDA RELATOR: DES. FERNANDO ANTONIO DE ALMEIDA APELAÇÃO CÍVEL DIREITO

Leia mais

Gestão Legal no Varejo

Gestão Legal no Varejo SEMINÁRIO GVCEV: Gestão Legal no Varejo Aspectos Práticos da Gestão de Propriedade Intelectual Antonio Carlos Siqueira da Silva A PROPRIEDADE INTELECTUAL ESTÁ PRESENTE NO COTIDIANO DO VAREJO! Gestão de

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO DE FAMÍLIA 06.09.2014 Dimas Messias de Carvalho Mestre em Direito Constitucional Promotor de Justiça aposentado/mg Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Membro

Leia mais

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor O Dano Moral e o Direito Moral de Autor Guilherme L. S. Neves Advogado especializado em Direito do Entretenimento Associado à Drummond e Neumayr Advocacia 11/05/2007 Introdução: Como é cediço, o direito

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR OSMAR LOPES JUNIOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR Introdução Não é preciso dizer o quanto a internet

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 26ª CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR Proc. nº 0008489-07.2014.8.19.0042 APELAÇÃO CÍVEL CONSUMIDOR

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 26ª CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR Proc. nº 0008489-07.2014.8.19.0042 APELAÇÃO CÍVEL CONSUMIDOR RECURSO...: APELANTE (S)...: APELADO (S)...: JUÍZO DE ORIGEM.: JDS. DES. RELATOR: APELAÇÃO CÍVEL CONSUMIDOR BRUNO MACEDO BASTOS. BANCO SANTANDER BRASILO S/A. 3ª VARA CÍVEL DE PETRÓPOLIS. RICARDO ALBERTO

Leia mais

AS RESPONSABILIDADES NAS TRANSAÇÕES REALIZADAS ATRAVÉS DO E- COMMERCE ROFIS ELIAS FILHO ADVOGADO

AS RESPONSABILIDADES NAS TRANSAÇÕES REALIZADAS ATRAVÉS DO E- COMMERCE ROFIS ELIAS FILHO ADVOGADO AS RESPONSABILIDADES NAS TRANSAÇÕES REALIZADAS ATRAVÉS DO E- COMMERCE ROFIS ELIAS FILHO ADVOGADO Copyleft é livre o uso desta apresentação para fins não comerciais, desde que a fonte e a autoria sejam

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

CONAR: NOVAS RESTRIÇÕES PARA A PUBLICIDADE DE BEBIDAS ALCOÓLICAS

CONAR: NOVAS RESTRIÇÕES PARA A PUBLICIDADE DE BEBIDAS ALCOÓLICAS : NOVAS RESTRIÇÕES PARA A PUBLICIDADE DE BEBIDAS ALCOÓLICAS Conheça todas as novidades que o Conar está implantando a partir de 10 de abril de 2008 para a publicidade de cervejas, vinhos, aguardentes,

Leia mais

Atendimento Marketing. Ricardo M. Rico Nunes

Atendimento Marketing. Ricardo M. Rico Nunes Atendimento Marketing Ricardo M. Rico Nunes Conceito Marketing Processo pelo qual se planeja e efetua a concepção, a fixação de preço, a promoção e a distribuição de idéias, bens e serviços que satisfazem

Leia mais

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva.

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Responsabilidade Civil / Aula 01 Professora: Andréa Amim Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Bibliografia. Estrutura da Responsabilidade

Leia mais

Responsabilidade Civil de Provedores

Responsabilidade Civil de Provedores Responsabilidade Civil de Provedores Impactos do Marco Civil da Internet (Lei Nº 12.965, de 23 abril de 2014) Fabio Ferreira Kujawski Modalidades de Provedores Provedores de backbone Entidades que transportam

Leia mais

O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional.

O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional. 1 O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional. Art. 5. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer

Leia mais

Autor: Deputado Antonio Bulhões Relator: Deputado Elismar Prado

Autor: Deputado Antonio Bulhões Relator: Deputado Elismar Prado COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 5.995, DE 2009 Altera a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990, Código de Defesa do Consumidor, para estender o direito de arrependimento ao consumidor

Leia mais

A Resolução CFM nº 1.974/2011

A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 Publicada no Diário Oficial da União em 19/8/2011. Entra em vigor 180 dias após sua publicação. Ementa: Estabelece os critérios norteadores da

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal Processo N. Apelação Cível do Juizado Especial 20110710091144ACJ

Leia mais

Código de Ética dos Profissionais da Propaganda Outubro de 1957

Código de Ética dos Profissionais da Propaganda Outubro de 1957 Código de Ética dos Profissionais da Propaganda Outubro de 1957 Define os princípios éticos que devem nortear a publicidade I. A propaganda é a técnica de criar opinião pública favorável a um determinado

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.771, DE 2004 Dispõe sobre a identificação obrigatória da localização de paisagens de interesse turístico nas condições que

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 23/2008/DENOR/SGCN/SECOM-PR

NOTA TÉCNICA Nº 23/2008/DENOR/SGCN/SECOM-PR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Departamento de Normas NOTA TÉCNICA Nº 23/2008/DENOR/SGCN/SECOM-PR Referências: Processo SECOM nº 00170.001719/2008-71.

Leia mais

AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR VIOLAÇÃO DO DIREITO À IMAGEM, HONRA OBJETIVA E SUBJETIVA CC DANOS MORAIS

AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR VIOLAÇÃO DO DIREITO À IMAGEM, HONRA OBJETIVA E SUBJETIVA CC DANOS MORAIS EXMO SR DR JUIZ DE DIREITO DA VARA CIVEL DA COMARCA DA CAPITAL xxx, brasileiro, estado civil, graduação/posto da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, portador da Carteira de Identidade nº, expedida

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 INTRODUÇÃO Antigamente não existia uma lei que protegesse as pessoas que comprassem um produto ou contratassem qualquer

Leia mais

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Michele Oliveira Teixeira advogada e professora do Centro Universitário Franciscano em Santa Maria (RS) Simone Stabel

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE CADASTRAMENTO DE CONSULTOR(A) E CONDIÇÕES DE VENDA DIRETA

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE CADASTRAMENTO DE CONSULTOR(A) E CONDIÇÕES DE VENDA DIRETA INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE CADASTRAMENTO DE CONSULTOR(A) E CONDIÇÕES DE VENDA DIRETA Pelo presente instrumento particular de contrato de cadastramento de CONSULTOR(A) e condições de venda direta,

Leia mais

Proteção Contratual. Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual

Proteção Contratual. Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual Proteção Contratual Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual Contratos de adesão Nas últimas décadas, a produção em massa e a comercialização em grande escala geraram

Leia mais

Da Responsabilidade Civil do Profissional da Contabilidade

Da Responsabilidade Civil do Profissional da Contabilidade Da Responsabilidade Civil do Profissional da Contabilidade Prof. Roberta Schneider Westphal Prof. Odair Barros www.rsw.adv.br A responsabilização profissional surge juntamente com qualquer manifestação

Leia mais

REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA

REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA A EDITORA BOA VISTA LTDA, pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua Lobo D almada, 43, na cidade Boa Vista, Estado de Roraima, inscrita no CNPJ

Leia mais

O Código de Defesa do Consumidor 7. Como ser um consumidor bem informado? 8. O que é relação de consumo? 10. Conheça os seus direitos 11

O Código de Defesa do Consumidor 7. Como ser um consumidor bem informado? 8. O que é relação de consumo? 10. Conheça os seus direitos 11 SUMÁRIO O Código de Defesa do Consumidor 7 Como ser um consumidor bem informado? 8 O que é relação de consumo? 10 Conheça os seus direitos 11 Prazos para reclamar 17 O que é cadastro 19 Dicas importantes

Leia mais

CORRETOR DE IMÓVEIS REGULAMENTAÇÃO, CONTRATO E RESPONSABILIDADE.

CORRETOR DE IMÓVEIS REGULAMENTAÇÃO, CONTRATO E RESPONSABILIDADE. CORRETOR DE IMÓVEIS REGULAMENTAÇÃO, CONTRATO E RESPONSABILIDADE. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total CONTRATOS REGULAMENTAÇÃO DOS CORRETORES E DO CONTRATO DE CORRETAGEM DO CORRETOR

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2011.0000299990 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 9000322-04.2010.8.26.0037, da Comarca de Araraquara, em que é apelante/apelado DORIVAL CAVICHIONI JUNIOR (JUSTIÇA

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

E-COMMERCE: implicações jurídicas das relações virtuais * : entrevista

E-COMMERCE: implicações jurídicas das relações virtuais * : entrevista E-COMMERCE: implicações jurídicas das relações virtuais * : entrevista RUY ROSADO DE AGUIAR JÚNIOR** Ministro do Superior Tribunal de Justiça O Ministro Ruy Rosado de Aguiar, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2013.0000724329 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4000515-21.2013.8.26.0451, da Comarca de Piracicaba, em que são apelantes MÔNICA RODRIGUES DE FARIA e MONIQUE

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 5 TRIBUNAL DE JUSTIÇA São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2014.0000527400 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0010031-52.2012.8.26.0554, da Comarca de Santo André, em que é apelante

Leia mais

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL ComIda de VerDadE no CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Texto elaborado pelo Grupo de Trabalho

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações OBJETIVO Identificar os aspectos jurídicos e éticos relacionados à Segurança da Informação e Comunicações que impliquem em responsabilidades civil,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Agravo Inominado na Apelação Cível nº. 0335220-03.2008.8.19.0001 Agravante: GOLDEN CROSS ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL DE SAÚDE LTDA Agravado: JORGE MEDEIROS FREITAS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 2 ACÓRDÃO Registro: 2015.0000373304 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0008132-86.2013.8.26.0003, da Comarca de São Paulo, em que é apelante/apelado ANDRE PASQUALINI, é apelado/apelante

Leia mais

TERMO DE USO DO PORTAL SEU PET COM SOBRENOME

TERMO DE USO DO PORTAL SEU PET COM SOBRENOME TERMO DE USO DO PORTAL SEU PET COM SOBRENOME O respectivo Termo de Uso tem como objetivo regrar a utilização pelos usuários do Portal SEU PET COM SOBRENOME, localizado pelo endereço eletrônico http://www.seupetcomsobrenome.com.br,

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SEGURO AUTOMOTIVO

DÚVIDAS FREQUENTES SEGURO AUTOMOTIVO DÚVIDAS FREQUENTES SEGURO AUTOMOTIVO 1. DEVO FAZER O BOLETIM DE ACIDENTES DE TRÂNSITO (BAT)? Sim, principalmente se houver terceiros envolvidos e se você for o culpado pelo acidente. 2. QUER DIZER QUE

Leia mais

Afastada a pertinência de conexão em audiência. O autor apresentou defesa quanto ao pedido contraposto e impugnação à contestação.

Afastada a pertinência de conexão em audiência. O autor apresentou defesa quanto ao pedido contraposto e impugnação à contestação. Vistos e Examinados estes Autos nº 0030100-02.2013.8.16.0182, que figuram como partes: AUTORA: SHIRLEY MACIEL SOARES ANDRADE RÉ: MAURINI DE SOUZA RÉU: WILSON HORSTMEYER BOGADO 1. RELATÓRIO Trata-se de

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Nota à Segunda Edição... Apresentação à Terceira Edição... Apresentação...

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Nota à Segunda Edição... Apresentação à Terceira Edição... Apresentação... Nota à Segunda Edição... Apresentação à Terceira Edição... Apresentação... XVII XIX XXI Introdução Evolução da Responsabilidade Civil... 1 1. Fatores da evolução... 2 2. Fases da evolução... 4 2.1. A flexibilização

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 957.779 - GO (2007/0014985-3) RELATOR : MINISTRO CASTRO FILHO RECORRENTE : UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO ADVOGADO : ANTÔNIO RICARDO REZENDE ROQUETE E OUTRO(S) RECORRIDO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Seção de Direito Privado 12ª Câmara ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Seção de Direito Privado 12ª Câmara ACÓRDÃO fls. 1 Registro: 2011.0000317218 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0038728-72.2007.8.26.0000, da Comarca de Indaiatuba, em que são apelantes ERIK RÉGIS DOS SANTOS e AQUARELA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 184.727 - DF (2012/0112646-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS EMENTA PROCESSUAL CIVIL. COMPETÊNCIA. PERIÓDICO

Leia mais

países ocidentais atingiu expressivo dinamismo, acarretando marcantes transformações em

países ocidentais atingiu expressivo dinamismo, acarretando marcantes transformações em 4 1 INTRODUÇÃO 1.1 Considerações iniciais Com o acelerado desenvolvimento da tecnologia, nas últimas décadas a economia nos países ocidentais atingiu expressivo dinamismo, acarretando marcantes transformações

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS Objeto da Lei n.º12.846, de 2013 A Lei Anticorrupção dispõe sobre: a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas. pela

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR II

DIREITO DO CONSUMIDOR II DIREITO DO CONSUMIDOR II RESPONSABILIDADE CIVIL Prof. Thiago Gomes Direito do Consumidor II RESPONSABILIDADE CIVIL DO FORNECEDOR 1. CONTEXTUALIZAÇÃO E agora Doutor? Direito do Consumidor II RESPONSABILIDADE

Leia mais

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO TOMÁS LIMA DE CARVALHO Em julgamento proferido no dia 22 de setembro de 2009, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *024022V:* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO

Leia mais

COMENTÁRIOS AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI

COMENTÁRIOS AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI Advogada. Pós-graduanda em Direito e Processo do Trabalho/CESUSC. Membro da Comissão de Direito Securitário da OAB/SC. Art.

Leia mais

A ÉTICA APLICADA AO MARKETING JURÍDICO E À PUBLICIDADE NO EXERCÍCIO DA ADVOCACIA

A ÉTICA APLICADA AO MARKETING JURÍDICO E À PUBLICIDADE NO EXERCÍCIO DA ADVOCACIA A ÉTICA APLICADA AO MARKETING JURÍDICO E À PUBLICIDADE NO EXERCÍCIO DA ADVOCACIA AUGUSTO CARDOSO DE OLIVEIRA JÚNIOR 1 Resumo: Análise das questões éticas relativas ao marketing jurídico e à publicidade

Leia mais

Fundos de Investimento e o Código de Defesa do Consumidor. Bruno Braz de Castro Doutorando em Direito Econômico (UFMG). braz.castro@gmail.

Fundos de Investimento e o Código de Defesa do Consumidor. Bruno Braz de Castro Doutorando em Direito Econômico (UFMG). braz.castro@gmail. Fundos de Investimento e o Código de Defesa do Consumidor Bruno Braz de Castro Doutorando em Direito Econômico (UFMG). braz.castro@gmail.com - A política econômica de defesa do consumidor. -- Liberalismo,

Leia mais

Resenha. Jackson de SOUZA 1

Resenha. Jackson de SOUZA 1 Resenha As armas da persuasão: como influenciar e não se deixar influenciar (CIALDINI, Robert B. [tradução de Ivo Korytowski]; Rio de Janeiro: Sextante, 2012) Jackson de SOUZA 1 Embora todos queiram tomar

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA Anexo I. Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional dos Profissionais de Investimento

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA A responsabilidade civil tem como objetivo a reparação do dano causado ao paciente que

Leia mais

Excelentíssima Senhora Doutora Desembargadora Federal Relatora da Quarta Turma do Egrégio Tribunal Regional Federal da Terceira Região

Excelentíssima Senhora Doutora Desembargadora Federal Relatora da Quarta Turma do Egrégio Tribunal Regional Federal da Terceira Região Excelentíssima Senhora Doutora Desembargadora Federal Relatora da Quarta Turma do Egrégio Tribunal Regional Federal da Terceira Região (TRF3-24/jul/2008.147506-MAN/UTU4) Autos nº 2004.03.99.038512-0 Substituto

Leia mais

PROVA ORAL PONTO II DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 1

PROVA ORAL PONTO II DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 1 DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 1 Discorra sobre a utilização da usucapião como instrumento de defesa em ações petitórias e possessórias. DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 2 Considere que um indivíduo,

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. RESPONSABILIDADE CIVIL É A OBRIGAÇÃO QUE INCUMBE A ALGUÉM DE

Leia mais

Débora Cristina Tortorello Barusco. Bacharel, Empresária, nascida aos 04 de Outubro de 1962, cidade de Bebedouro, São Paulo.

Débora Cristina Tortorello Barusco. Bacharel, Empresária, nascida aos 04 de Outubro de 1962, cidade de Bebedouro, São Paulo. 1 2 Débora Cristina Tortorello Barusco. Bacharel, Empresária, nascida aos 04 de Outubro de 1962, cidade de Bebedouro, São Paulo. Ao meu marido João, por tudo que construímos ao longo da nossa vida, através

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000760XXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0057XXX- 94.2009.8.26.0405, da Comarca de Osasco, em que é apelante COOPERATIVA HABITACIONAL PLANALTO, é apelado

Leia mais

29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS. Fraiburgo Santa Catarina

29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS. Fraiburgo Santa Catarina 29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS Fraiburgo Santa Catarina A responsabilidade civil é a aplicação de medidas que obriguem uma pessoa a reparar o dano moral ou patrimonial

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS DIREITO DO CONSUMIDOR

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS DIREITO DO CONSUMIDOR VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS DIREITO DO CONSUMIDOR Orientador Empresarial Ciladas do Consumo-Como Evitar-Decisões do STJ Ajudam AS CILADAS DO CONSUMO NA MIRA

Leia mais