PROGRAMAS ELEITORAIS NO RÁDIO E AS IMPRESSÕES SOBRE A POLÍTICA PROGRAMAS ELECTORALES EN LA RADIO Y LAS IMPRESIONES SOBRE LA POLITICA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAS ELEITORAIS NO RÁDIO E AS IMPRESSÕES SOBRE A POLÍTICA PROGRAMAS ELECTORALES EN LA RADIO Y LAS IMPRESIONES SOBRE LA POLITICA."

Transcrição

1 PROGRAMAS ELEITORAIS NO RÁDIO E AS IMPRESSÕES SOBRE A POLÍTICA PROGRAMAS ELECTORALES EN LA RADIO Y LAS IMPRESIONES SOBRE LA POLITICA Mônica Kaseker 1 RESUMO Este artigo apresenta um relato de experiência de uma atividade desenvolvida com estudantes de Comunicação Social Publicidade e Propaganda, da Escola de Comunicação e Artes da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Trata-se do planejamento e produção de uma campanha eleitoral para o rádio, na disciplina Produção Sonora em Publicidade e Propaganda, a partir da observação dos programas apresentados pelos candidatos no Horário Eleitoral Gratuito das eleições de A atividade desenvolvida pelo terceiro ano consecutivo, com turmas do 4º período, tem permitido a observação dos processos de apreensão e apropriação da política por parte dos estudantes, ao longo de discussões teóricas, observações e análises sobre a relação da mídia com a política, e de como isso reflete na formulação de estratégias e discursos de candidatos fictícios criados pelos acadêmicos. Buscando a análise crítica sobre a realidade social, os estudantes se deparam com um contexto de pasteurização e espetacularização da política, no qual as ideologias, assim como as identidades partidárias, nem sempre são aparentes e as eleições ganham aspecto cômico. Como metodologia empírica foi adotada a observação participante, a partir de anotações rotineiras por parte da autora\docente durante as atividades, além dos registros em diários de bordo realizados pelos estudantes no sistema intranet Eureka da PUCPR, análise de briefings, roteiros, jingles e gravações produzidos pelos alunos. Teoricamente, busca-se refletir sobre a democracia contemporânea, a partir de autores como Schumpeter (1965), Hirst (1992), Manin (1995) e Schwartzenberg (1978),sobre o campo político com Bourdieu (2003) e a questão da ideologia com Therborn (1987). Na atual democracia representativa, a mídia tem como prerrogativa tornar os candidatos 1 Mônica Panis Kaseker, doutora em Sociologia (UFPR), professora de Rádio da Escola de Comunicação e Artes da PUCPR. Professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPR.

2 visíveis a um público amplo e a política ganha contornos de espetáculo, cada vez mais personalista, em processos eleitorais que tornam as diferenças ideológicas opacas. A campanha eleitoral pode ser considerada o ápice ou o fundo do poço da despolitização da política. Um processo que alimenta a reprodução política com a repetição de arcaicas fórmulas comunicativas. Palavras-chave: Rádio, campanha eleitoral, democracia, política. RESUMEN Este artículo presenta un relato de experiencia desarrollada con estudiantes de Comunicación Social Publicidad e Propaganda, de la Escola de Comunicação e Artes de la Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Trata-se del planeamiento y producción de una campaña electoral para la radio, en la disciplina Producción Sonora en Publicidad y Propaganda, a partir de la observación de los programas presentados por los candidatos en el Horario Electoral Gratuito de las elecciones de La actividad desarrollada por el tercero ano consecutivo, con grupos del 4º período, hay permitido la observación de los procesos de aprensión e apropiación de la política por parte de los estudiantes, a lo largo de discusiones teóricas, observaciones e análisis sobre la relación entre media y política, además de como esos aspectos refleten en la formulación de estrategias y discursos de candidatos ficticios criados por los estudiantes. Buscando el análisis crítico sobre la realidad social, los estudiantes se deparan con un contexto de pasteurización e espectacularización de la política, en que las ideologías, así como las identidades partidarias, ni siempre se quedan aparentes y las elecciones adquieren aspecto cómico. Como metodología empírica fue realizada la observación participante, con notas rutineras por la autora\docente a lo largo de las actividades, además de los registros en diarios de bordo realizados por los estudiantes en el sistema intranet Eureka de la PUCPR, análisis de briefings, guiones, jingles y grabaciones hechas por los alumnos. En las referencias teóricas, se busca reflexionar sobre la democracia contemporánea, a partir de autores como Schumpeter (1965), Hirst (1992), Manin (1995) y Schwartzenberg (1978), sobre el campo político con Bourdieu (2003) y la cuestión de la ideología con Therborn (1987). En la actual democracia representativa, los media tienen como prerrogativa tornar los candidatos visibles para el público amplio y la política adquiere contornos de espectáculo, cada vez más personalista, en procesos electorales que hacen las diferencias ideológicas opacas. La campaña electoral puede ser considerada el ápice o el punto más fondo de la despolitización de la política. Un proceso que alimenta la reproducción política con la repetición de arcaicas fórmulas comunicativas. Palabras clave: Radio, campaña electoral, democracia, política.

3 INTRODUÇÃO O que é ideologia? E plataforma de governo? Como se comportam os partidos políticos e as coligações em períodos eleitorais? Por que alguns candidatos têm tanto tempo de propaganda eleitoral no rádio e outros tão pouco? Essas são algumas questões que surgiram ao longo de uma atividade proposta para uma turma de segundo ano de Comunicação Social Publicidade e Propaganda da PUCPR, em que os estudantes deveriam acompanhar a campanha eleitoral de 2012 à Prefeitura Municipal de Curitiba e, a partir da observação da realidade, planejar e produzir um programa eleitoral para rádio, com candidatos fictícios, para a disciplina de Produção Sonora em Publicidade e Propaganda. Neste artigo, procura-se refletir sobre os processos de apreensão e apropriação da política por parte dos estudantes, ao longo de discussões teóricas, observações e análises sobre a relação da mídia com a política, e de como isso reflete na formulação de estratégias e discursos dos candidatos fictícios criados pelos acadêmicos. Este relato de experiência adota como metodologia a observação participante da autora/professora, a partir de anotações rotineiras, além dos registros em diários de bordo realizados pelos estudantes no sistema intranet Eureka da PUCPR, análise de briefings, roteiros, jingles e gravações produzidos pelos alunos. A pesquisa bibliográfica busca autores que analisam criticamente a democracia contemporânea, como Schumpeter (1965), Hirst (1992), Manin (1995) e Schwartzenberg (1978), o campo político com Bourdieu (2003) e a questão da ideologia com Therborn (1987). O artigo foi organizado apresentando inicialmente algumas reflexões teóricas, para em seguida descrever a experiência em si e, ao final, a partir dos primeiros feedbacks dos estudantes, em seus comentários, textos e produções, analisar algumas de suas impressões sobre a política e sobre as eleições em sua cidade e em seu país.

4 1. A VOZ DO POVO Na Modernidade, a democracia se desenvolveu associada à economia de mercado e ao capitalismo, tomando forma representativa. Após ser duramente contestada pelo fascismo e marxismo-leninismo ao longo de mais de 30 anos no início do século XX, a democracia representativa ocidental foi rejeitada pelos movimentos estudantis, nos anos 1960, em favor da democracia participativa e direta. De acordo com Hirst, na década de 1980 a esquerda foi forçada a aceitar o governo representativo, as eleições multipartidárias e os eleitorados amplos, abandonando a meta de construir uma sociedade socialista. (1992, p.7-8) Surge então uma nova esquerda democrática que se propõe a promover a democratização dentro dos parâmetros capitalistas em um novo republicanismo, a partir da ideia de que haveria uma participação ativa dos cidadãos na luta pela ampliação de seus direitos sociais e políticos, com o fortalecimento da sociedade civil organizada. (HIRST,1992) As principais características da democracia representativa são os eleitorados e partidos de massa, que permitem, segundo Schumpeter (1961), uma participação que se limita ao voto em eleições periódicas. Para o autor, a democracia de massa causa indiferença e alienação ao cidadão e a eleição se torna um instrumento de legitimação daqueles que chegam ao poder. Ainda que possa existir algum tipo de vontade comum ou opinião pública no processo democrático, os resultados ainda necessitariam de unidade e de sanção racional. O homem teria de saber de maneira definida o que deseja defender. Essa vontade clara teria de ser complementada pela capacidade de observar e interpretar corretamente os fatos que estão ao alcance de todos, e selecionar criticamente as informações sobre os que não estão. (SCHUMPETER, 1961, p. 309) O autor defende que não poderiam ser contabilizadas como decisões produzidas pela vontade do povo aquelas que têm alguma interferência ou pressão de grupos e da propaganda. O indivíduo estaria propenso a agir sob a influência da publicidade e

5 outros métodos de persuasão, não só sob argumentos racionais. A vontade do povo poderia ser fabricada por grupos políticos e econômicos. (1961, p.320) Para Habermas, o comportamento mais apático e desprovido de argumentos do público é agravado por conteúdos digeríveis e sedutores presentes nas mídias eletrônicas a partir do século XX. Está aberto o caminho para o que o autor chama de subversão do princípio da publicidade, que passa a trabalhar a opinião pública (grifos do autor) buscando um consenso fabricado. (1984, p. 228) O comportamento eleitoral da população na social-democracia é um exemplo, para o autor, de como a comunicação constrói a opinião não-pública. Habermas afirma que os líderes de opinião nos Estados sociais democráticos são os mais ricos, mais cultos, bem colocados socialmente e politicamente interessados e que os menos informados e mais apáticos e indecisos tornam-se presas fáceis das campanhas eleitorais, sendo mobilizados ora para um partido, ora para outro. Os eleitores indecisos são conquistados não pelo esclarecimento ou pelas propostas, mas pela imagem publicitariamente eficaz dos candidatos. Ao longo da história, o governo representativo foi passando por uma série de transformações. De acordo com Manin, a representação política, baseada na relação entre o eleitorado e os partidos políticos, passou a ter outras características. Os partidos já não se comprometem tanto com um programa político e a cada eleição o eleitorado tende a votar de maneira diferente. As estratégias eleitorais se baseiam menos nos partidos e mais nas imagens vagas que projetam a personalidade dos líderes. Os políticos chegam ao poder por causa de suas aptidões e de sua experiência no uso dos meios de comunicação de massa, não porque estejam próximos ou se assemelhem aos seus eleitores. (MANIN, 1995, p. 5) Para o autor, a partir do final do século XX vivemos uma crise de identificação entre representantes e representados e um declínio da determinação da política pública por parte do eleitorado, o que Manin denomina de democracia de público, na qual os eleitores tendem a votar em pessoas e não em partidos. Isso pode ser explicado pela influência dos canais de comunicação política que modificam a relação entre representantes e representados, estabelecendo uma

6 comunicação direta que suplanta as mediações partidárias. Cada vez mais as decisões de voto levam em conta a percepção do que está em jogo numa eleição específica, numa dimensão reativa do voto. Os eleitores reagem mais do que se expressam nas urnas. Desta forma, a escolha eleitoral cabe mais ao político do que ao próprio eleitor. (MANIN, 1995, p. 27) A imagem é um rótulo, uma marca que deve guiar a performance dos políticos e muitos deles acabam se tornando prisioneiros de sua própria imagem, não podem mudar. A política, outrora, era ideias. Hoje, é pessoas. Ou melhor, personagens. Pois cada dirigente parece escolher um papel. Como num espetáculo. (SCHWARTZENBERG, 1978, p.1) A ideia da cultura do espetáculo surge com Guy Debord, em A Sociedade do Espetáculo, uma crítica à moderna sociedade do consumo, publicada pela primeira vez em 1967 e que ganhou destaque depois dos acontecimentos de maio de Numa sociedade das aparências, Debord aborda a negação da cultura, como a própria negação da vida real (1997). Na política do espetáculo, a publicidade ocupa um lugar de destaque. As técnicas de marketing político, aquele cuja estratégia permanente é manter o contato com o cidadão, e eleitoral, destinado a vencer uma eleição em particular, são amplamente utilizadas para motivar o eleitor ao voto. Em Formas persuasivas de comunicação política, Neusa Demartini Gomes confirma a tendência de personalização da política contemporânea até mesmo em países desenvolvidos, o que até pouco tempo atrás acontecia mais frequentemente em países com altos índices de analfabetismo. Esta prática vinha justificada pela afirmação de que os povos mais atrasados intelectualmente não podem sentir atração pelo programa político de um partido, que é algo bem mais complexo, e que poucos chegam a entendê-lo. Porém, atualmente, o que se nota como tendência universal, independente de estágio de desenvolvimento social e, no mundo todo, democrático ou não, é a personalização em que os políticos estão apostando para motivar o eleitor ao voto. (GOMES, 2000, p. 41) Com candidatos e partidos cada vez mais semelhantes, numa espécie de supermercado político, nas palavras de Gomes, a escolha do produto, neste caso leia-se candidato, é feita muito mais por impulso. Neste contexto, é importante analisar como

7 os meios de comunicação têm reproduzido este modelo de democracia capitalista. 2. CAMPANHA ELEITORAL 2012 EM CURITIBA Nas eleições para a Prefeitura Municipal de Curitiba de 2012, participam oito candidatos: Luciano Ducci (PSB), Ratinho Júnior (PSC), Gustavo Fruet (PDT), Rafael Greca (PMDB), Bruno Meirinho (PSOL), Alzimara (PPL), Avanilson (PSTU) e Carlos Morais (PRTB). Tomando este cenário real como base, os estudantes de uma turma do segundo ano de Comunicação Social Publicidade e Propaganda da PUCPR foram convidados a planejar e produzir um programa de rádio para o horário eleitoral gratuito. Divididos em nove equipes com cinco integrantes em média, os estudantes passaram a observar o desempenho dos candidatos na campanha, seja no rádio, na televisão, nas ruas ou em eventos. Cada equipe deveria observar um candidato e criar uma versão fictícia do mesmo. A nona equipe deveria criar um candidato fictício cujo perfil se distanciasse das referências existentes na campanha real, já que existiam somente oito candidatos disputando a prefeitura. A primeira tarefa solicitada aos grupos foi que desenvolvessem uma pesquisa sobre o histórico e perfil do candidato, sobre seu partido, coligação e propostas de governo apresentadas na disputa pela Prefeitura de Curitiba. Em seguida, eles deveriam criar um personagem, com nome diferente, mas histórico e perfil semelhantes. As equipes apresentaram então os briefings de campanha, contendo os pontos fracos e fortes de seu candidato e estratégias que pretendiam desenvolver. Delineadas essas características, os estudantes realizaram uma pesquisa sonora para desenvolver a linha de identificação sonora da campanha. As equipes foram motivadas então a observar o horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão, analisando também o posicionamento dos candidatos entre si: quem eram os candidatos atacados, por quem e por qual motivo. Como resultado da observação, foi solicitado a cada estudante que redigisse um diário de bordo sobre os aspectos que mais haviam chamado sua atenção nos programas eleitorais do candidato observado. O passo seguinte foi a apresentação dos candidatos fictícios por cada uma das equipes para o restante da turma, com o objetivo de facilitar o

8 aspecto relacional dos conteúdos, isto é, a possibilidade de críticas e ataques, assim como defesas, durante o horário eleitoral. Somente após essa aproximação, as equipes iniciaram a roteirização dos programas e a gravação de jingles e locuções. Diferente da campanha real, os programas de rádio dos candidatos fictícios teriam tempos iguais, de cinco minutos de produção, para que os grupos pudessem exercitar ainda mais a criatividade e os diferentes formatos radiofônicos nas produções. Os programas deveriam ter apresentadores, fala do candidato, posicionamento em relação aos demais com ataque e/ou defesa, além de outros quadros, e o uso de formatos informativos, como entrevistas, enquetes e agenda do candidato; publicitários, como jingles, slogans e testemunhais; e de entretenimento como quadros de humor, uso de personagens fictícios e/ou mascotes, leituras dramáticas e até radio-drama. 2.1 IMPRESSÕES SOBRE OS CANDIDATOS E SOBRE A POLÍTICA Na pesquisa inicial sobre Luciano Ducci, a equipe constata que para tentar a reeleição, o candidato filiado ao Partido Socialista Brasileiro (PSB) representa a coligação Curitiba Sempre na Frente, com os partidos PSB, PSDB, PPS, DEM, PP, PSD, PTB, PRB, PSL, PTN, PSDC, PHS, PMN, PTC e PRB, tendo como vice o deputado federal Rubens Bueno do PPS. E encontra em suas pesquisas a afirmação: Desde a refundação do PSB em 1985, o partido apresenta os mesmos propósitos socialistas e democráticos (PSB, 2012). Inicialmente a equipe repete esse discurso do partido para apresenta-lo, mas numa análise posterior percebe que a campanha se distancia desses ideais. Analisando mais de perto o programa no Horário Eleitoral Gratuito, os estudantes concluem em seus diários de bordo: o partido que ele faz parte tem uma tradição política e força emergente em todo o país (...), porém a visão de Ducci é mais ligada ao neoliberalismo. Percebe-se que boa parte do socialismo que teoricamente faz parte dos princípios do PSB está sendo ocultado (A.P.S.B., 2012). Ducci integra o PSB Partido Socialista Brasileiro, porém não fala e esconde a influência socialista de seu partido (T.M., 2012)

9 Luciano é do Partido Socialista Brasileiro, porém não fala em socialismo, esconde o nome socialista de seu partido e defende o neoliberalismo (R.C., 2012) Os estudantes notam também uma campanha construída com base no apoio do atual governador Beto Richa e mencionam as acusações de uso da máquina administrativa e falta de transparência contra o atual prefeito em sua campanha pela reeleição. Sobre o candidato Ratinho Jr., uma segunda equipe constata logo nas primeiras observações, que a campanha explora a figura do pai do candidato, o apresentador de televisão Ratinho, para construir uma imagem populista e carismática, o que nos remete ao conceito de dominação carismática em Weber (1999). O autor diz que existem três tipos de dominação política exercidos sob diferentes sistemas de representações coletivas: tradicional, carismática e burocrática. Seja pela tradição, pelas normas e leis ou pelo carisma, esses poderes necessitam de mecanismos de legitimação. A liderança carismática pode ser definida como um mecanismo de origem sociocultural que envolve a fusão do real e do imaginário, dos mitos e crenças de uma população. Em sua forma pura, o carisma jamais poderia ser uma fonte de ganhos privados, ou troca de prestações e contraprestações. E é daí que surge a primeira contradição e dificuldade na aplicação do conceito de líder carismático aos comunicadores que usam os veículos, como o rádio, para se eleger. O carisma se aplica muito bem ao comunicador, que diante do microfone demonstra seu poder de oratória, consegue solucionar problemas emergenciais de seus ouvintes, escuta histórias tristes, consola. (WEBER, 1999) Outros aspectos notados pela equipe que acompanhou a campanha de Ratinho Jr. é que seu discurso está focado no eleitor jovem e na classe C. Um dos integrantes da equipe analisa as propostas do candidato como tendo certa coerência com o partido: Declarou em 2010 ser contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo, disse não ser homofóbico, mas afirmou que casamento é uma questão religiosa e que não podemos confundir liberdade com libertinagem. Fatos como esse descrevem como o candidato se relaciona com o partido. Defende os ideais da igreja, mas de algum modo os mascara. (R.F., 2012)

10 Outro estudante relata que vê o candidato Ratinho Jr. como um político jovem que não trabalha com a política tradicional e sua comunicação reflete esse pensamento, pois está bem ligada ao mundo digital e interativo (R.F.F., 2012). Já outros alunos da equipe analisam o contexto de forma mais crítica: Ele não pode ser considerado nem de esquerda, nem de direita, mas tenta agradar a todos. Seu discurso foca no inovar a administração de Curitiba, saúde, segurança e educação. Não apresenta nada realmente inovador (G.L., 2012) Os principais argumentos (dos adversários) são a suposta inexperiência do candidato, suas votações em temas polêmicos na Câmara dos Deputados e algumas posições tidas como conservadoras, como sua postura contrária ao casamento gay e à adoção de crianças por casais homossexuais (G.R., 2012) Resumindo bem, Ratinho Jr. está utilizando-se de seus conhecimentos de comunicação, pois trabalha com publicidade, para aumentar ainda mais o carisma que tem com a massa dominante adquirida por seu pai, para conquistar um maior número de votos e levar Curitiba mais uma vez para o fundo do poço. Enriquecendo a elite abastada e desfavorecendo o povo ignorante que vota em seu nome como prefeito da cidade. (G.R., 2012) Já a equipe responsável pelo acompanhamento da campanha de Gustavo Fruet percebe o candidato como o que possui maior rejeição no cenário eleitoral. Atribui isso ao fato de Fruet ter sido historicamente um crítico do PT e do governo federal nos dois últimos mandatos, por causa das denúncias do mensalão, e ter virado a casaca na campanha eleitoral de A aliança com o PT acabou gerando rejeição do eleitorado, segundo os estudantes. Apresentando algumas propostas do candidato, como a do consumo consciente e da segurança alimentar, notam assuntos complexos e uma fala prolixa por parte de Fruet, concluindo que se trata de um político pouco carismático. Lembrando que Gustavo é filho do falecido ex-prefeito de Curitiba e ex-governador do Paraná, Maurício Fruet, notam que ele apela pouco para o nome de seu pai na campanha. Sobre a campanha de Rafael Greca, a quarta equipe identifica seu posicionamento de oposição em relação ao atual prefeito, repetindo frases ouvidas no programa de rádio:

11 Nessas eleições, a campanha mais cara de Ducci será derrotada pela mais simples e inteligente de Greca (...) Quanto mais pobre for a minha campanha, mais rica será a nossa prefeitura. Vote independente, vote com a cabeça e o coração (GRECA citado por J.M., 2012) Os estudantes mencionam a experiência do candidato como ex-prefeito de Curitiba, ex-deputado federal e ex-ministro do Esporte e Turismo, sem citar questões polêmicas de seu histórico político, como o fato de seu mandato como prefeito ter sido enquanto partidário do grupo político de Jaime Lerner, adversário histórico do senador Roberto Requião (PMDB) e as denúncias de irregularidades que o envolveram durante sua atuação como ministro, nas comemorações pelos 500 anos do descobrimento do Brasil. Caso tivessem conhecimento desses fatos poderiam ter percebido contradições nos discursos reproduzidos em seus diários de bordo, ouvidos no programa de rádio do Horário Eleitoral Gratuito, como: Curitiba não pode aceitar a atual política neoliberal e de excessivas terceirizações adotada pela atual gestão municipal (GRECA citado por J.M., 2012) É preciso que nossa cidade readquira a criatividade, a inventividade e o respeito que ela sempre teve diante de todas as outras cidades brasileiras. O Rafael Greca é um engenheiro experiente, já foi prefeito, um bom prefeito e se soma agora ao nosso velho MDB de guerra (REQUIÃO citado por J.M., 2012) Nas citações reproduzidas, Greca aparece criticando uma prática que era comum na gestão do ex-prefeito de Curitiba, Jaime Lerner, na ocasião seu aliado político, a quem ele próprio sucedeu e que depois viria a ser governador do Paraná. Na época, o autor dessas mesmas críticas era Roberto Requião, governador do Estado enquanto Lerner e Greca foram prefeitos. Atualmente, tendo Greca em seu partido, Requião se refere a Greca como um candidato experiente, que foi um bom prefeito, e cuja inventividade daquele passado, antes rejeitada, precisa voltar à prefeitura. Essa distância dos temas políticos demonstrada pela maioria dos estudantes, assim como o caráter opaco dos fatos políticos, podem ser melhor compreendidos a partir de Bourdieu. O autor explica que essa abstenção e até mesmo o apolitismo expressam uma revolta perante a política, uma contestação do monopólio dos políticos. O habitus do político supõe uma preparação especial, uma aprendizagem necessária

12 para adquirir o corpus de saberes como o domínio de uma certa linguagem e de uma certa retórica política, a do tribuno, indispensável nas relações entre profissionais (BOURDIEU, 2003, p.169). É preciso saber as regras do jogo e saber jogar. Essa dinâmica é o próprio processo de reprodução do jogo. Em outras palavras, Bourdieu descreve um jogo em que os políticos estão concorrendo entre si, ao mesmo tempo em que são de certa forma aliados, e do outro lado estão os cidadãos, numa estrutura triádica. A relação entre representantes e representados é mediatizada pelos concorrentes e, por outro lado, essa concorrência é dissimulada quando os representantes se veem obrigados a defender os interesses de seus representados. As tomadas de posição, portanto, são sempre realizadas de forma relacional, dependem do sistema de tomadas de posição propostas em concorrência pelo conjunto dos partidos antagonistas (BOURDIEU, 2003, p.178). As decisões dependem de suas posições no próprio campo. Essa complexidade das relações sociais presentes no campo político faz com que a cultura política permaneça inacessível à maioria das pessoas. Nas eleições de 2012 em Curitiba, os demais candidatos aparecem como nanicos, ou seja, em posições subalternas dentro do próprio campo político. Os estudantes percebem que sua presença é praticamente ignorada pelos candidatos que lideram as pesquisas. Com pouco tempo no Horário Eleitoral Gratuito, surgem como figuras exóticas e outsiders, utilizando o termo cunhado por Elias (2000). Bruno Meirinho (PSOL) e Avanilson (PSTU), como candidatos que dividem os votos de uma esquerda militante e socialista, Alzimara (PPL), como uma alternativa feminina, e Carlos Moraes (PRTB), que apela para um discurso bíblico em seu programa de rádio, após ter sua candidatura indeferida pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) por um conflito com seu próprio partido e que, por meio de um recurso, persistiu em continuar na campanha, entrando com recurso junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Após recolher essas informações sobre candidatos, partidos e coligações, observar os programas eleitorais, os estudantes iniciaram o processo de produção dos programas. Embora não tenha sido concluída essa etapa até a finalização deste artigo, é interessante mencionar que todas as equipes planejaram programas de rádio que ironizavam a política e as eleições em diferentes medidas, seja na escolha do nome do

13 candidato fictício, como Rhói Bisneto e Gustavo Poutz, seja nas propostas, como a campanha que prometia instituir a hora da soneca nas repartições públicas, ou mesmo na escolha das trilhas sonoras para as paródias na produção de jingles, como o uso de músicas sertanejas de sucesso como Balada, de Gustavo Lima. Mesmo estimulados a planejar programas que desenvolvessem estratégias de comunicação factíveis, a primeira tendência foi de criar campanhas no estilo pastelão, o que revela a forma como a maioria dos estudantes do grupo encara a política. 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS Na atual democracia representativa, a mídia tem como prerrogativa tornar os candidatos visíveis a um público amplo e a política ganha contornos de espetáculo, cada vez mais personalista, em processos eleitorais que tornam as diferenças ideológicas opacas e quase nulas. A campanha eleitoral pode ser considerada o ápice ou o fundo do poço da despolitização da política. Essa ideia de desordem, remete-nos à visão de Goran Therborn sobre como operam as ideologias. Para o autor, as ideologias são processos sociais em curso, que constituem e reconstituem todo o tempo nossa identidade e nos interpelam. Um homem pode atuar com um número quase ilimitado de sujeitos, que constituem diferentes subjetividades, de acordo com cada papel desempenhado na vida social. Em cada uma dessas subjetividades é interpelado de diversas formas pelas ideologias, em termos do que é certo e do que é possível para esse sujeito. As ideologias competem e se chocam o tempo todo em nosso cotidiano, diante da complexidade das situações sociais concretas. E também sobrepõem-se, influenciamse e contaminam-se umas às outras (THERBORN, 1987, p.63-65) Portanto, as ideologias não são recebidas como algo externo a um sujeito fixo e unificado e nem elas mesmas tem esse caráter estável. "La lucha ideológica no se libra solo entre visiones rivales del mundo. Es también una lucha por la afirmación de una determinada subjetividad." (THERBORN, 1987, p.64). A experiência de produzir um programa de rádio de um candidato fictício, tomando por base um candidato real, tem sido enriquecedora para todos os envolvidos

14 (docente e discentes), porque nos revela como as ideologias operam de forma opaca e oculta nos diferentes âmbitos de atuação social. Como futuros publicitários, mais do que dominar as técnicas de comunicação e marketing eleitorais, os estudantes precisam perceber-se como cidadãos e eleitores, sujeitos que necessitam desenvolver sua maturidade política. Ao tornarem-se comunicadores persuasivos a serviço deste ou daquele candidato, é importante que tenham consciência de como opera a política e as implicações de uma campanha eleitoral, para que não sejam somente mais um instrumento utilitário, e sim senhores de sua atuação político-social. BIBLIOGRAFIA BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Difel, DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Tradução de Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, ELIAS, N.; SCOTSON, J.L. Os Estabelecidos e os Outsiders: Sociologia das Relações de Poder a partir de uma Pequena Comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, GOMES, N.D. Formas persuasivas de comunicação política: propaganda política e publicidade eleitoral. Porto Alegre: EDIPUCRS, HABERMAS,G. Mudança estrutural da esfera pública. Rio de Janeiro: Ed. Tempo Brasileiro, (Biblioteca Tempo Universitário 76) HIRST, P.. A democracia representativa e seus limites. Rio de Janeiro: Zahar Editores, MANIN, B. As metamorfoses do governo representativo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, número 29, 1995, p WEBER, M. Economia e sociedade : fundamentos da sociologia compreensiva. Tradução de: R. Barbosa e K.E. Barbosa.Distrito Federal: Editora Universidade de Brasília, SCHWARTZENBERG, R.G. O estado espetáculo. Rio de Janeiro São Paulo: Difel, 1978.

15 SCHUMPETER, J. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Ed. Fundo de Cultura, THERBORN, G. La ideología del poder y el poder de la ideologia. México: Siglo XXI, SITES CITADOS PSB. Disponível em Acesso em 13 de setembro de 2012.

CANDIDATOS AO GOVERNO DO RIO GRANDE DO SUL

CANDIDATOS AO GOVERNO DO RIO GRANDE DO SUL CANDIDATOS AO GOVERNO DO RIO GRANDE DO SUL CARLOS SCHNEIDER (PMN) Vice: Maximiliano Andrade (PMN) Nome: Carlos Otavio Schneider Partido: Partido da Mobilização Nacional Tempo de horário eleitoral (estimado):

Leia mais

PROGRAMA PARTIDÁRIO - 2011 PROGRAMA EM CADEIA NACIONAL (Quintas-feiras) Pedidos de Programas em análise - Atualizado em 16.12.2010

PROGRAMA PARTIDÁRIO - 2011 PROGRAMA EM CADEIA NACIONAL (Quintas-feiras) Pedidos de Programas em análise - Atualizado em 16.12.2010 PROGRAMA PARTIDÁRIO - 2011 PROGRAMA EM CADEIA NACIONAL (Quintas-feiras) Pedidos de Programas em análise - Atualizado em 16.12.2010 Nos termos da Resolução-TSE nº 20.034/1997: As cadeias nacionais ocorrerão

Leia mais

PROGRAMA PARTIDÁRIO - 2011 PROGRAMA EM CADEIA NACIONAL (Quintas-feiras) Programas deferidos - Atualizado em 6.5.2011

PROGRAMA PARTIDÁRIO - 2011 PROGRAMA EM CADEIA NACIONAL (Quintas-feiras) Programas deferidos - Atualizado em 6.5.2011 PROGRAMA PARTIDÁRIO - 2011 PROGRAMA EM CADEIA NACIONAL (Quintas-feiras) Programas deferidos - Atualizado em 6.5.2011 Nos termos da Resolução-TSE nº 20.034/1997: As cadeias nacionais ocorrerão às quintas-feiras,

Leia mais

Partidos Políticos do Brasil

Partidos Políticos do Brasil Partidos Políticos do Brasil Fonte: http://www.suapesquisa.com/partidos/ INTRODUÇÃO 04.06.2012 Atualmente, a legislação eleitoral brasileira e a Constituição, promulgada em 1988, permitem a existência

Leia mais

PROGRAMA PARTIDÁRIO - 2011 PROGRAMA EM CADEIA NACIONAL (Quintas-feiras) Pedidos de Programas em análise - Atualizado em 23.11.2010

PROGRAMA PARTIDÁRIO - 2011 PROGRAMA EM CADEIA NACIONAL (Quintas-feiras) Pedidos de Programas em análise - Atualizado em 23.11.2010 PROGRAMA PARTIDÁRIO - 2011 PROGRAMA EM CADEIA NACIONAL (Quintas-feiras) Pedidos de Programas em análise - Atualizado em 23.11.2010 Nos termos da Resolução-TSE nº 20.034/1997: As cadeias nacionais ocorrerão

Leia mais

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE 48 Monalisa Soares Lopes Universidade Federal do Ceará (UFC) monalisaslopes@gmail.com Os estudos da política contemporânea,

Leia mais

LEVANTAMENTO TEMÁTICO DA PROPAGANDA ELEITORAL NA TELEVISÃO ESTUDO DE CASO SOBRE AS ELEIÇÕES MUNICIPAIS DE CURITIBA EM 2012

LEVANTAMENTO TEMÁTICO DA PROPAGANDA ELEITORAL NA TELEVISÃO ESTUDO DE CASO SOBRE AS ELEIÇÕES MUNICIPAIS DE CURITIBA EM 2012 LEVANTAMENTO TEMÁTICO DA PROPAGANDA ELEITORAL NA TELEVISÃO ESTUDO DE CASO SOBRE AS ELEIÇÕES MUNICIPAIS DE CURITIBA EM 2012 Universidade Federal do Paraná Luciana Panke - lupanke@gmail.com Gabriel Bozza

Leia mais

ENTENDENDO AS ETAPAS INSCRIÇÃO

ENTENDENDO AS ETAPAS INSCRIÇÃO ENTENDENDO AS ETAPAS INSCRIÇÃO A inscrição no projeto deverá ser feita na área para professores. Para fazê-la, o educador deverá enviar uma imagem de sua turma, um apelido que a identifique e um breve

Leia mais

CALENDÁRIO DA PROPAGANDA PARTIDÁRIA PARA 2013 SEGUNDO O TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL TSE

CALENDÁRIO DA PROPAGANDA PARTIDÁRIA PARA 2013 SEGUNDO O TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL TSE CALENDÁRIO DA PROPAGANDA PARTIDÁRIA PARA 2013 SEGUNDO O TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL TSE Atualizado em 29.10.2012 DEM - DEMOCRATAS Rede nacional (10 min.): dias 06.06 e 12.12.2013. Geradoras: Empresa Brasil

Leia mais

Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças

Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças Aline Bruno Soares Rio de Janeiro, julho de 2010. Desde seu início, o ano de 2010 tem se mostrado marcante em relação

Leia mais

PARTIDOS POLÍTICOS NO BRASIL (Módulo 19)

PARTIDOS POLÍTICOS NO BRASIL (Módulo 19) COLÉGIO O BOM PASTOR SOCIOLOGIA- 2º ANO PROF. RAFAEL CARLOS PARTIDOS POLÍTICOS NO BRASIL (Módulo 19) Atualmente, a legislação eleitoral brasileira e a Constituição, promulgada em 1988, permitem a existência

Leia mais

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações:

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações: Senado Federal Comissão da Reforma Política TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR a) Redução de dois suplentes de Senador para um; b) Em caso de afastamento o suplente assume; em

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

INSTITUTO METHODUS www.institutomethodus.com.br methodus@institutomethodus.com.br (51) 3094-1400 PESQUISA ELEITORAL ESTADUAL

INSTITUTO METHODUS www.institutomethodus.com.br methodus@institutomethodus.com.br (51) 3094-1400 PESQUISA ELEITORAL ESTADUAL INSTITUTO METHODUS www.institutomethodus.com.br methodus@institutomethodus.com.br (51) 3094-1400 PESQUISA ELEITORAL Pesquisa registrada junto ao Tribunal Superior Eleitoral (Resolução nº 23.400) e protocolada

Leia mais

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE ART. 1, 1 da Constituição Federal de 88: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. Voto consciente:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES - SCHLA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DECISO ANNE CAROLINE PELLIZZARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES - SCHLA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DECISO ANNE CAROLINE PELLIZZARO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES - SCHLA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DECISO ANNE CAROLINE PELLIZZARO ELEIÇÃO E MÍDIA: UMA ANÁLISE DA COBERTURA ELEITORAL PARA

Leia mais

QUEM APARECEU MAIS? VISIBILIDADE DOS CANDIDATOS A PREFEITO DE CURITIBA EM 2012 NA CAPA DA GAZETA DO POVO

QUEM APARECEU MAIS? VISIBILIDADE DOS CANDIDATOS A PREFEITO DE CURITIBA EM 2012 NA CAPA DA GAZETA DO POVO QUEM APARECEU MAIS? VISIBILIDADE DOS CANDIDATOS A PREFEITO DE CURITIBA EM 2012 NA CAPA DA GAZETA DO POVO Autor Renan Colombo, UFPR jornalistarenan@gmail.com Co autor¹: Adriano Guandagnin, UFPR adrianoguadags@gmail.com

Leia mais

Intenção de voto para presidente 2014 PO813734. www.datafolha.com.br

Intenção de voto para presidente 2014 PO813734. www.datafolha.com.br Intenção de voto para presidente 2014 PO813734 19 e 20/02/2014 INTENÇÃO DE VOTO PARA PRESIDENTE FEVEREIRO DE 2014 MESMO COM DESEJO DE MUDANÇA, DILMA MANTÉM LIDERANÇA NA CORRIDA ELEITORAL 67% preferem ações

Leia mais

PROPAGANDA PARTIDÁRIA 2016 Inserções regionais consulta por partido

PROPAGANDA PARTIDÁRIA 2016 Inserções regionais consulta por partido 1º PROS 16/05/2016 segunda-feira 2 inserções de 60 (Diretório 18/05/2016 quarta-feira 2 inserções de 60 Nacional) 20/05/2016 sexta-feira 2 inserções de 60 13/06/2016 segunda-feira 2 inserções de 60 15/06/2016

Leia mais

A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões. O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em

A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões. O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em Propaganda Eleitoral 6.05.200 A. Introdução A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em + - 998 O tema esquentou

Leia mais

Eleições nas Capitais Brasileiras em 2012

Eleições nas Capitais Brasileiras em 2012 Luciana Panke e Emerson Cervi (Org.) Eleições nas Capitais Brasileiras em 2012 Estudos sobre o HGPE em disputas municipais Eleições nas Capitais Brasileiras em 2012 Estudos sobre o HGPE em disputas municipais

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Sondagem de Opinião Parlamentar Reforma Política

Sondagem de Opinião Parlamentar Reforma Política Reforma Política Abril a Maio de 2009 Brasília, 28 de Maio de 2008 Introdução O recente envio da proposta do Poder Executivo de reforma política trouxe força e fôlego para o debate do tema no Brasil, mobilizando

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA AVALIAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL CANDIDATURAS: PRESIDENTE / GOVERNADOR / SENADOR ELEIÇÕES 2014 LONDRINA (PR)

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA AVALIAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL CANDIDATURAS: PRESIDENTE / GOVERNADOR / SENADOR ELEIÇÕES 2014 LONDRINA (PR) PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA AVALIAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL CANDIDATURAS: PRESIDENTE / GOVERNADOR / SENADOR ELEIÇÕES 2014 LONDRINA (PR) QUANTITATIVA EXTERNA PESQUISA REGISTRADA E PROTOCOLIZADA: TRE

Leia mais

PESQUISA CLIMA POLÍTICO. www.institutomethodus.com.br comercial@institutomethodus.com.br (51) 3094-1400

PESQUISA CLIMA POLÍTICO. www.institutomethodus.com.br comercial@institutomethodus.com.br (51) 3094-1400 PESQUISA CLIMA POLÍTICO www.institutomethodus.com.br comercial@institutomethodus.com.br (51) 3094-1400 1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS LOCAL: Rio Grande do Sul PERÍODO DA COLETA: De 23

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA ENTREVISTAS COM ELITE POLÍTICA PARANAENSE

QUESTIONÁRIO PARA ENTREVISTAS COM ELITE POLÍTICA PARANAENSE 1 QUESTIONÁRIO PARA ENTREVISTAS COM ELITE POLÍTICA PARANAENSE GRUPO DE PESQUISA DE DEMOCRACIA E NÚCLEO DE ESTUDOS DE SOCIOLOGIA POLÍTICA UFPR - CURITIBA - 2004 INFORMAÇÕES GERAIS AO ENTREVISTADOR 1 O PRIMEIRO

Leia mais

Partido: Telefone /fax Representante E-mail Partido Comunista Brasileiro - PCB (51) 3224-0716 3062-4141 3209-7785 9969-9459

Partido: Telefone /fax Representante E-mail Partido Comunista Brasileiro - PCB (51) 3224-0716 3062-4141 3209-7785 9969-9459 TELEFONES E E-MAILS DOS PARTIDOS E COLIGAÇÕES CONCORRENTES EM 2014 ATENÇÃO: alguns dados podem não estar atualizados, visto que nem todas as alterações ocorridas são comunicadas ao TRE-RS. Para atualizar

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Romer Mottinha Santos 2 Doacir Gonçalves de Quadros 3 Faculdade Internacional de Curitiba Grupo Uninter - Curitiba, PR

Romer Mottinha Santos 2 Doacir Gonçalves de Quadros 3 Faculdade Internacional de Curitiba Grupo Uninter - Curitiba, PR Jornal Impresso e Eleições: Um Panorama da Cobertura dos Jornais Gazeta do Povo, O Estado do Paraná e Folha de Londrina, sobre as Eleições 2010 para Governador do Paraná 1 Romer Mottinha Santos 2 Doacir

Leia mais

Democracia Burguesa e Apatia Política. Se, como apontou Marx, existe uma relação entre o nível de participação

Democracia Burguesa e Apatia Política. Se, como apontou Marx, existe uma relação entre o nível de participação Democracia Burguesa e Apatia Política Luciano Cavini Martorano 1 Se, como apontou Marx, existe uma relação entre o nível de participação popular e a plenitude da transformação social, o socialismo deveria

Leia mais

Os Partidos Políticos e as Estratégias de Campanha no Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral nas Eleições Municipais de 2008 em Juiz de Fora - MG

Os Partidos Políticos e as Estratégias de Campanha no Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral nas Eleições Municipais de 2008 em Juiz de Fora - MG Os Partidos Políticos e as Estratégias de Campanha no Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral nas Eleições Municipais de 008 em Juiz de Fora - MG Isis Arantes Resumo Este artigo examina como as imagens

Leia mais

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 03 de outubro de 2011 ESTADO DE MINAS

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 03 de outubro de 2011 ESTADO DE MINAS ESTADO DE MINAS 1 2 ESTADO DE MINAS 3 ESTADO DE MINAS http://www.em.com.br PSD de Kassab mira 'órfãos' do PMDB quercista O PSD obteve registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na terça-feira e corre

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA PROCESSO SELETIVO 2015/2016

INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA PROCESSO SELETIVO 2015/2016 INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA PROCESSO SELETIVO 2015/2016 RELAÇÃO DOS CANDIDATOS INSCRITOS PARA O PROCESSO SELETIVO 2015/2016 MESTRADO EM CIÊNCIA

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Resumo: INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 QUEIROZ, Joyce Duarte joyceduart@hotmail.com QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto

Leia mais

P.FiltroI : Você tem título de eleitor? 1 Sim (PROSSIGA) Não (AGRADEÇA E ENCERRE)

P.FiltroI : Você tem título de eleitor? 1 Sim (PROSSIGA) Não (AGRADEÇA E ENCERRE) PO 813638D INTENÇÃO DE VOTO PARA PREFEITO DE PORTO ALEGRE Nº CPD: Nº CIDADE: 1100 CHECAGEM: 1 CHECADO 2 SEM TELEFONE 3 TELEFONE ERRADO 4 NÃO ENCONTRADO Nº DE PONTO: V. FECHADAS: QTD: Nº QUESTIONÁRIO: Nº

Leia mais

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa ELEIÇÕES ELEIÇÕES 5 0 a O - fu dame tal Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa PROJETOS CULTURAIS Estamos em época de eleições, em tempo de discutir ideias para fazer a melhor

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

PARTIDOS POLÍTICOS FIRMAM COMPROMISSOS COM O PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS E PELA APROVAÇÃO DA PEC DO PLANO DE METAS

PARTIDOS POLÍTICOS FIRMAM COMPROMISSOS COM O PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS E PELA APROVAÇÃO DA PEC DO PLANO DE METAS PARTIDOS POLÍTICOS FIRMAM COMPROMISSOS COM O PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS E PELA APROVAÇÃO DA PEC DO PLANO DE METAS Doze dos principais partidos políticos do Brasil firmaram na sexta-feira (24/1) um compromisso

Leia mais

Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura

Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura Fonte: O Globo 'Ficam dizendo que vou sair de novo' Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura Fernanda da Escóssia, Germano Oliveira,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. A VOLATILIDADE ELEITORAL: Uma análise socioeconômica e espacial sobre o voto em Santa Maria.

PROJETO DE PESQUISA. A VOLATILIDADE ELEITORAL: Uma análise socioeconômica e espacial sobre o voto em Santa Maria. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS BACHARELADO GUSTAVO ANDRÉ AVELINE MÜLLER PROJETO DE PESQUISA A VOLATILIDADE

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INTENÇÃO DE VOTO EM MINAS GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2014

AVALIAÇÃO DA INTENÇÃO DE VOTO EM MINAS GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2014 AVALIAÇÃO DA INTENÇÃO DE VOTO EM MINAS GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2014 MINAS GERAIS JUNHO DE 2014 REGISTRO TSE: MG 00048/2014 REGISTRO TSE: BR 00188/2014 INTRODUÇÃO Este relatório contém os resultados de

Leia mais

Guia de Reforma Política

Guia de Reforma Política Guia de Reforma Política Guia de Reforma Política - 2 de 13 O que os partidos querem com a Reforma Política e a proposta do Movimento Liberal Acorda Brasil O Movimento Liberal Acorda Brasil avaliou as

Leia mais

Datafolha, propaganda e eleitores nos estados

Datafolha, propaganda e eleitores nos estados Datafolha, propaganda e eleitores nos estados 23 de agosto de 2010 1. Vitória de Dilma no 1º turno Bastou uma semana de horário eleitoral gratuito em rádio e televisão ao lado do presidente Lula para Dilma

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010 Autoria: Prof. Dr. Introdução Entre os dias 08 e 10 de dezembro de 2010 ocorreu na sede da Etec-Cepam a primeira edição do curso de

Leia mais

Reflexões sobre a Política em 2006 Cenários para a Sucessão Presidencial

Reflexões sobre a Política em 2006 Cenários para a Sucessão Presidencial Reflexões sobre a Política em 2006 Cenários para a Sucessão Presidencial Murillo de Aragão O que é a Arko Advice Fundada em 1982, é uma empresa de consultoria com sede em Brasília, especializada na prestação

Leia mais

Avaliação governo Dilma Rousseff. Expectativas econômicas. 03 a 05/06/2014. www.datafolha.com.br

Avaliação governo Dilma Rousseff. Expectativas econômicas. 03 a 05/06/2014. www.datafolha.com.br Intenção de voto presidente Avaliação governo Dilma Rousseff Opinião sobre os protestos Expectativas econômicas PO813747 03 a 05/06/2014 INTENÇÃO DE VOTO PARA PRESIDENTE JUNHO DE 2014 DILMA CAI, MAS ADVERSÁRIOS

Leia mais

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 Propaganda Eleitoral 85 Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

O reflexo da opinião pública nas eleições 2010 e as expectativas em relação ao Governo Dilma 1

O reflexo da opinião pública nas eleições 2010 e as expectativas em relação ao Governo Dilma 1 O reflexo da opinião pública nas eleições 2010 e as expectativas em relação ao Governo Dilma 1 Maria Salete Souza de Amorim 2 Resumo: A eleição presidencial de 2010, disputada por nove candidatos, dentre

Leia mais

A juventude em luta no país inteiro!

A juventude em luta no país inteiro! A USP é uma universidade pública, gratuita e de qualidade? A resposta para esta questão está em disputa na Universidade de São Paulo. De um lado, sucessivas reitorias fecham as portas da universidade à

Leia mais

Acirrada como não se via desde 1989, a campanha pelo primeiro turno

Acirrada como não se via desde 1989, a campanha pelo primeiro turno Panorama Edição 07 Sexta-feira, 3 de de 2014 Acirrada como não se via desde 1989, a campanha pelo primeiro turno das eleições presidenciais demonstrou a importância da internet e das redes sociais. Elas

Leia mais

Financiamento de Campanhas Eleitorais. Brasília - DF 09/10/2014

Financiamento de Campanhas Eleitorais. Brasília - DF 09/10/2014 Financiamento de Campanhas Eleitorais Brasília - DF 09/10/2014 Democracia representativa Direito de votar e ser votado Financiamento de campanhas Financiamento de campanhas Nº Nome Partido Receitas 21

Leia mais

Intenção de voto para presidente da República PO813749. www.datafolha.com.br

Intenção de voto para presidente da República PO813749. www.datafolha.com.br Intenção de voto para presidente da República PO813749 01 e 02/07/2014 INTENÇÃO DE VOTO PARA PRESIDENTE JULHO DE 2014 EM MÊS MARCADO POR COPA, DILMA RECUPERA PREFERÊNCIA DE ELEITORES Queda nos votos em

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL FAÇA SUA CAMPANHA PARA PROJETO PODER P - Planejamento O - Organização D - Delegação E - Execução R - Realização Lance sua campanha para Vereador com o Projeto

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

Comunicação Governamental e Meios de Comunicação de Massa em Democracias Contemporâneas 1

Comunicação Governamental e Meios de Comunicação de Massa em Democracias Contemporâneas 1 Comunicação Governamental e Meios de Comunicação de Massa em Democracias Contemporâneas 1 Resumo Sylvia Iasulaitis - UNESP 2 Este paper tem como propósito analisar os efeitos que a comunicação governamental

Leia mais

AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA. Abril/2013

AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA. Abril/2013 AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA Abril/2013 Cenário Político 2 A conjuntura política brasileira aponta uma antecipação dos debates em torno da eleição presidencial de 2014,

Leia mais

Estratégia eleitoral e consolidação situacionista nas eleições brasileiras: o caso do pleito de 2010.

Estratégia eleitoral e consolidação situacionista nas eleições brasileiras: o caso do pleito de 2010. Estratégia eleitoral e consolidação situacionista nas eleições brasileiras: o caso do pleito de 2010. Resumo Estudos políticos, sócio - jurídicos e institucionais Maurício Ferreira da Silva Universidade

Leia mais

O PMDB E OS DESAFIOS DA ELEIÇÃO DE 2010

O PMDB E OS DESAFIOS DA ELEIÇÃO DE 2010 22 O PMDB E OS DESAFIOS DA ELEIÇÃO DE 2010 The Brazilian Democratic Movement Party (PMDB) and the challenges of the elections of 2010 Eliseu Padilha Deputado Federal (PMDB RS) e Presidente da Comissão

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL SECRETARIA DE GESTÃO, CONTROLE E NORMAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL SECRETARIA DE GESTÃO, CONTROLE E NORMAS 00170.001380/2009-94 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL SECRETARIA DE GESTÃO, CONTROLE E NORMAS OFÍCIO-Circular nº 13 /2010/SGCN/SECOM-PR Brasília, 13 de janeiro de 2010. A Sua Excelência

Leia mais

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Porto Alegre, RS Brasil 25, 26 e 27 de outubro de 2007 SISTEMATIZAÇÃO DAS MESAS TEMÁTICAS Objetivos

Leia mais

SINTONIA ENTRE OS ÓRGÃOS? A RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO EXECUTIVA NACIONAL E CONSELHO NACIONAL NO PMDB, PFL/DEM E PSDB

SINTONIA ENTRE OS ÓRGÃOS? A RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO EXECUTIVA NACIONAL E CONSELHO NACIONAL NO PMDB, PFL/DEM E PSDB SINTONIA ENTRE OS ÓRGÃOS? A RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO EXECUTIVA NACIONAL E CONSELHO NACIONAL NO PMDB, PFL/DEM E PSDB Brina Deponte Leveguen 1 RESUMO: O trabalho tem como objeto de estudo os órgãos de cúpula,

Leia mais

Lei dos Partidos Políticos

Lei dos Partidos Políticos Lei dos Partidos Políticos Lei Orgânica n.º 2/2003, de 22 de Agosto, com as alterações introduzidas pela Lei Orgânica n.º 2/2008, de 14 de Maio 1 A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Pesquisa de Opinião Pública Tema geral: Como o eleitor escolheu seus candidatos em 2010

Pesquisa de Opinião Pública Tema geral: Como o eleitor escolheu seus candidatos em 2010 Pesquisa de Opinião Pública Tema geral: Como o eleitor escolheu seus candidatos em 2010 Apresentação: Somos pesquisadores da Universidade Federal do Ceará e gostaríamos de saber como as pessoas votaram

Leia mais

PROGRAMA PARTIDÁRIO - 2011 PROGRAMA EM CADEIA NACIONAL (Quintas-feiras) Programas em análise - Atualizado em 20.5.2010

PROGRAMA PARTIDÁRIO - 2011 PROGRAMA EM CADEIA NACIONAL (Quintas-feiras) Programas em análise - Atualizado em 20.5.2010 PROGRAMA PARTIDÁRIO - 2011 PROGRAMA EM CADEIA NACIONAL (Quintas-feiras) Programas em análise - Atualizado em 20.5.2010 Nos termos da Resolução-TSE nº 20.034/1997: As cadeias nacionais ocorrerão às quintas-feiras,

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

Resultados da 120ª Pesquisa CNT/MDA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL 2014

Resultados da 120ª Pesquisa CNT/MDA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL 2014 Resultados da 120ª Pesquisa CNT/MDA Brasília, 27/08/2014 A 120ª Pesquisa CNT/MDA, realizada de 21 a 24 de agosto de 2014 e divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), mostra cenários para

Leia mais

Comunicação Solidária: um programa de rádio sobre a área social 1

Comunicação Solidária: um programa de rádio sobre a área social 1 Comunicação Solidária: um programa de rádio sobre a área social 1 Bruna Robassa 2 Lamartine Testa 3 Diana Prestes 4 Renata Orsato 5 Anna Carolina Cidade Neiva 6 Jakeline Piantandossi 7 Mônica Kaseker 8

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Spot desenvolvido para o cliente Mudança Já 1

Spot desenvolvido para o cliente Mudança Já 1 Spot desenvolvido para o cliente Mudança Já 1 Ana Paula Campos SIMÕES 2 Breno Tadeu de OLIVEIRA 3 Bruno Alexandre Campos XAVIER 4 Carolina Fernandes de Oliveira FREITAS 5 Fabiano César Magalhães SALGADO

Leia mais

SOCIOLOGIA. Max Weber.

SOCIOLOGIA. Max Weber. SOCIOLOGIA. Max Weber. 1 - Assinale a opção que contenha as categorias básicas da sociologia de Max Weber: a) função social, tipo ideal, mais-valia b) expropriação, compreensão, fato patológico c) ação

Leia mais

MIDIATIZAÇÃO E ESPETACULARIZAÇÃO NA CAMPANHA ELEITORAL 2010: PRODUÇÃO DE EFEITOS DE SENTIDOS EM CAPAS DE REVISTAS NACIONAIS

MIDIATIZAÇÃO E ESPETACULARIZAÇÃO NA CAMPANHA ELEITORAL 2010: PRODUÇÃO DE EFEITOS DE SENTIDOS EM CAPAS DE REVISTAS NACIONAIS MIDIATIZAÇÃO E ESPETACULARIZAÇÃO NA CAMPANHA ELEITORAL 2010: PRODUÇÃO DE EFEITOS DE SENTIDOS EM CAPAS DE REVISTAS NACIONAIS Tcharla Cristina da SILVA (UEM) Viviane Rochtashel FOSS (UEM) Introdução A cada

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DO FEMININO NA POLÍTICA PARAIBANA: MUDANÇAS CULTURAIS NO INTERIOR DO NORDESTE BRASILEIRO

A PARTICIPAÇÃO DO FEMININO NA POLÍTICA PARAIBANA: MUDANÇAS CULTURAIS NO INTERIOR DO NORDESTE BRASILEIRO A PARTICIPAÇÃO DO FEMININO NA POLÍTICA PARAIBANA: MUDANÇAS CULTURAIS NO INTERIOR DO NORDESTE BRASILEIRO Cosma Ribeiro de Almeida Faculdades Integradas de Patos cosma_almeida@yahoo.com.br Introdução Pensar

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBJETIVO - Conhecer a intenção de voto para prefeito de Porto Alegre LOCAL Porto Alegre PERÍODO DE COLETA De 11 a 16 de setembro de 2015. UNIVERSO Eleitores de ambos os sexos, de

Leia mais

D O S S I Ê DE CURITIBA EM. Emerson Cervi & Nelson Rosário de Souza

D O S S I Ê DE CURITIBA EM. Emerson Cervi & Nelson Rosário de Souza D O S S I Ê MÍDIA, DISCURSO E PODER IMPRENSA E ELEIÇÕES MUNICIPAIS DE CURITIBA EM 2000 E 2004: EM AS COBERTURAS DA FOLHA DO PARANÁ E DA GAZETA DO POVO 1 Emerson Cervi & Nelson Rosário de Souza 34 EMERSON

Leia mais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais A campanha do prefeito de Duque de Caxias Alexandre Aguiar Cardoso, natural de Duque de Caxias, cidade da região metropolitana do Rio de Janeiro,

Leia mais

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores.

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Produção: Ação conjunta: Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso Parceiro:

Leia mais

socialismo sem feminismo

socialismo sem feminismo Não há socialismo sem feminismo As mulheres do PT se organizam internamente desde a fundação do partido. Apesar da política de cotas, de avanços programáticos e de representarem 43% do total de filiados,

Leia mais

PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO BLUMENAU: QUEM AMA CUIDA.

PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO BLUMENAU: QUEM AMA CUIDA. PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO BLUMENAU: QUEM AMA CUIDA. PARTIDOS COLIGADOS: 1. Partido dos Trabalhadores PT; 2. Partido Progressista PP; 3. Partido Democrático Trabalhista PDT; 4. Partido Comunista

Leia mais

PESQUISA ELEITORAL. INSTITUTO METHODUS www.institutomethodus.com.br methodus@methodus.srv.br (51) 3221-2582. Março de 2010

PESQUISA ELEITORAL. INSTITUTO METHODUS www.institutomethodus.com.br methodus@methodus.srv.br (51) 3221-2582. Março de 2010 INSTITUTO METHODUS www.institutomethodus.com.br methodus@methodus.srv.br (51) 3221-2582 PESQUISA ELEITORAL Março de 2010 1 Esta pesquisa foi contratada pelo PSB - Partido Socialista Brasileiro/RS e foi

Leia mais

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados,

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, encontra-se em curso, no Congresso Nacional, uma proposta de reforma que aborda questões consideradas

Leia mais

Telefones: 41.91135521 e-mails: doacir.q@grupouninter.com.br

Telefones: 41.91135521 e-mails: doacir.q@grupouninter.com.br IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título do projeto: Meios de Comunicação e Política Pesquisador responsável: Prof. Doutor Doacir Gonçalves de Quadros Contatos: Telefones: 41.91135521 e-mails: doacir.q@grupouninter.com.br

Leia mais

JOVENS.COM: PROGRAMA AO VIVO DE RÁDIO E INTERATIVO 1

JOVENS.COM: PROGRAMA AO VIVO DE RÁDIO E INTERATIVO 1 JOVENS.COM: PROGRAMA AO VIVO DE RÁDIO E INTERATIVO 1 Bruno Botelho Bastos 2 Amanda Oliveira 3 Juliana Souza 4 Luciana Alves 5 Maria das Graças 6 Marcos Corrêa 7 RESUMO O programa Jovens.com foi realizado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DANIELA SILVA NEVES A PRIMEIRA REELEIÇÃO DE CURITIBA - CAMPANHA DE CASSIO TANIGUCHI NO HORÁRIO GRATUITO DE PROPAGANDA ELEITORAL (HGPE) NAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS DE CURITIBA EM 2000 Monografia apresentada

Leia mais

PSOL NASCENTE, HELOÍSA PRESIDENTE!

PSOL NASCENTE, HELOÍSA PRESIDENTE! PSOL NASCENTE, HELOÍSA PRESIDENTE! Uma síntese das resoluções tomadas, a partir de rico debate, pela 1ª Conferência Nacional do Partido Socialismo e Liberdade, realizada em Brasília, nos dias 26, 27 e

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

JOB Nº 12_1209-7A SÃO PAULO SP 1.204 ENTREVISTAS 08 10 2012

JOB Nº 12_1209-7A SÃO PAULO SP 1.204 ENTREVISTAS 08 10 2012 ALAMEDA SANTOS, Nº 2.101 SÃO PAULO EQUIPE: INÍCIO: : TÉRMINO: : NÚMERO DO QUESTIONÁRIO: JOB Nº 12_1209-7A SÃO PAULO SP 1.204 ENTREVISTAS 08 10 2012 FOLHA DE AMOSTRA: NOME DO ENTREVISTADO: DISTRITO: SETOR

Leia mais

GABARITO ATIVIDADE DE CLASSE DESVENDANDO A NOTÍCIA. Pastor recua e garante que nunca irá queimar o Alcorão (Folha UOL/ 10/09/2010)

GABARITO ATIVIDADE DE CLASSE DESVENDANDO A NOTÍCIA. Pastor recua e garante que nunca irá queimar o Alcorão (Folha UOL/ 10/09/2010) GABARITO ATIVIDADE DE CLASSE Questão 1 DESVENDANDO A NOTÍCIA Certos acontecimentos que ganham destaque na mídia internacional costumam, como se diz na linguagem corrente, esconder problemas ou polêmicas

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento.

O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento. 2º Seminário Nacional de REDES SOCIAIS e E-GOV para Administração Pública O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento. Daniel Machado Especialista em Marketing

Leia mais

O duplo papel das pesquisas eleitorais: eleitora de quem está na frente, adversária de quem está atrás 1

O duplo papel das pesquisas eleitorais: eleitora de quem está na frente, adversária de quem está atrás 1 1 O duplo papel das pesquisas eleitorais: eleitora de quem está na frente, adversária de quem está atrás 1 Prof. Ms. Sérgio Roberto Trein 2 Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) Universidade

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER

MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER Maria Elisabeth Goidanich O presente seminário foi dividido em quatro partes para melhor entendermos o que é mídia educação e o que podemos fazer a respeito

Leia mais

Pesquisa da Avaaz sobre o legado da Copa do Mundo

Pesquisa da Avaaz sobre o legado da Copa do Mundo Q1 A Copa do Mundo oferece uma oportunidade sem precedentes para mudar o Brasil. O governo disse que haveria infraestrutura - estádios, aeroportos, transportes - mas o que você gostaria que fosse o legado

Leia mais

MÁRCIO NUNO RABAT. Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais

MÁRCIO NUNO RABAT. Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais Uma análise da proposta de sistema eleitoral denominado distritão a partir dos resultados das eleições de 2010 para a Câmara dos Deputados em São Paulo MÁRCIO NUNO RABAT Consultor Legislativo da Área XIX

Leia mais

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A/484566 Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A cobertura de eleições presidenciais na imprensa e na televisão (1976-2001) Edições Colibri Instituto Politécnico de Lisboa ÍNDICE Introdução 23

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais