ADMnet Monitoramento de estações em uma LAN, baseado em Sistemas Distribuídos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADMnet Monitoramento de estações em uma LAN, baseado em Sistemas Distribuídos"

Transcrição

1 ADMnet Monitoramento de estações em uma LAN, baseado em Sistemas Distribuídos Claudio Eduardo Oliveira 1, Francisco W. M. P. Hirano 1, Janine Harume P. Hirano 1, Wender Macedo de Souza 1 1 Curso de Especialização em Redes de Computadores Unitins Abstract. The project is to the administrators of work stations, that they desire to make use of brought up to date data, without that if they see debtors to carry through exhausting manual inventories, expensive and obsolete, that they also desire to obtain answers the following questions: Which are the installed components? Which are the programs installed in the PCs? The company is buying many licenses? Which are the PCs that are not protected by a brought up to date antivirus? How many PCs will have that to be brought up to date before to changer for the Windows 2000 or XP? Which are the configuration stations that run the risk to have problems technician? With effect, the phase of inventory of a station of work of a company is very important to place a more efficient management resources. The exploration of the data of the inventory will allow it to carry through one better analysis of the installed systems. Resumo. O projeto se dirige em particular aos responsáveis e administradores de estações de trabalho, que desejam dispor de dados atualizados, sem que se vejam obrigados a realizar inventários manuais exaustivos, caros e obsoletos, que querem, também, conseguir respostas as seguintes perguntas: Quais são os componentes instalados? Quais são os programas instalados nos PCs? A empresa está comprando muitas licenças? Quais são os PCs que não estão protegidos por um antivírus atualizado? Quantos PCs terão que ser atualizados antes de migrar para o Windows 2000 ou XP? Quais são as estações subconfiguradas que correm o risco de terem problemas técnicos? Com efeito, a fase de inventário de uma estação de trabalho de uma empresa é primordial para se colocar uma gestão de recursos mais eficaz. A exploração dos dados do inventário lhe permitirá realizar uma melhor análise dos sistemas instalados. 1. General Information O projeto aqui exposto surgiu da necessidade de manter um controle efetivo sobre o parque de microcomputadores (estações) existente no órgão estadual PRODIVINO (Instituto Social Divino Espirito Santo) consequentemente a manutenção de um levantamento patrimonial sempre atualizado, evitando assim diversas ocorrências em relação à alteração de configurações não autorizadas, como vinham sendo detectadas, entre elas a retirada de memórias nos computadores. Esse controle será feito através de um sistema que permitirá a verificação da

2 configuração de hardware e software dos equipamentos na sua inicialização, mantendo essas informações sempre atualizadas em um banco de dados, e em caso de alteração, possa disponibilizar ao administrador, em tempo hábil, informações para que possam ser tomadas as providencias necessárias. A escolha do tema Sistemas Distribuídos/Corba para a implementação desse projeto teve motivação especifica, pois contempla a utilização de um assunto referente a uma das disciplinas (Sistemas Distribuídos) ministrada durante o Curso de Especialização em Redes de Computadores. Também, como fator relevante, temos o crescimento do número de computadores e a diversidade das redes atuais, apresentando significativos desafios de gerenciamento aos administradores de redes. Como ocorre em muitas organizações, talvez, exista uma rede de múltiplos fornecedores, com diferentes desktops, sistemas operacionais e aplicativos, que continua se expandindo, à medida que são implementas novas tecnologias e ferramentas de produtividade de última geração para ajudar a competir com sucesso dentro de uma economia global em constante transformação. Ao mesmo tempo em que estas redes heterogêneas permitem às pessoas se conectarem a uma variedade de recursos, como serviços remotos, intranets e Internet, elas exigem um gerenciamento confiável, a fim de reduzir custos de suporte e tempo de manutenção. Sendo assim uma solução abrangente permitiria a obtenção de retorno integral de investimentos em redes de forma a se concentrar mais nas atividades da organização. Motivando assim a utilização de Corba. 2. Estado da Arte em Sistemas Distribuídos Uma das definições de sistemas distribuídos é aquela no qual os componentes de hardware e software localizados em computadores interligados por rede, se comunicam e coordenam suas ações somente através da troca de mensagens (COULOURIS, 2001). O uso de sistemas distribuídos apoia-se em diferentes vertentes de pesquisa e desenvolvimento, e este uso pode ser observado em algumas áreas tais como: Segmentos de atuação Finanças Telecomunicações Governo, aeroespacial e defesa Transporte e viagem Saúde Química e petróleo; manufatura e utilidades Publicidade, multimídia, propaganda e marketing Educação e pesquisa Atacado Tabela 1: Áreas que utilizam Sistemas Distribuídos Para efetuarmos uma análise da evolução da área de Sistemas Distribuídos nos últimos anos, efetuou-se um levantamento baseado nos artigos publicados nos

3 Simpósios Brasileiro de Redes de Computadores (SBRC s). O gráfico, abaixo, representa a participação das diversas áreas de Sistemas Distribuídos. Para simplicidade, agruparam-se os artigos em algumas subáreas: Avaliação de Desempenho (AD), Redes de computadores em geral (Redes), Redes de Alta Velocidade (RAV), Protocolos, Gerência, Ambientes para o desenvolvimento e execução de aplicações distribuídas (Ambientes), Aplicações Multimídia (Apl. MM), Sistemas Distribuídos em geral (SD) e Técnicas de Descrição Formal (TDF). Artigos publicados no SBRC por área Ambientes 7% Apl. MM 5% SD 13% AD 9% RAV 7% TDF 17% Redes 12% Protocolos 14% Gerência 16% Redes Protocolos Gerência TDF SD Apl. MM Ambientes AD RAV Gráfico 1: Porcentagem de artigos publicados no SBRC Consideramos como pertencentes à área de Sistemas Distribuídos, as seguintes subáreas: Ambientes, Apl. MM, SD e TDF que representam 42% do total de artigos publicados, sendo a área de Técnicas de Descrição Formal a que mais se destacou seguido da área de Gerência de Redes. 2. Objetivos e Contextos 2.1 Modelo Descritivo A rede analisada é considerada relativamente grande quando estiver contando com 42 (quarenta e dois) microcomputadores e com perspectivas de crescimento para no mínimo 60 (sessenta) estações. Existem dois tipos de usuários que são: usuário de informática (Analistas, desenvolvedores, suporte e auxilio) e usuário final (que utilizam software ou aplicativos específicos). Várias vezes no ano têm-se a necessidade de fazer uma verificação manual de como se encontram as configurações atuais dos equipamentos, levando-se em conta a configuração de hardware e controle de software instalado. Esses levantamentos manuais acabam tendo diversas características negativas, que podemos destacar: Tempo gasto; Quantidade de pessoas envolvidas; Aumento considerável na probabilidade de ocorrência de falhas que podem

4 comprometer a integridade das informações; Dificuldade em manter as informações atualizadas. Outro problema existente, que com o passar do tempo vem se tornando cada vez mais sério, é a remoção ou troca não autorizada de componentes físicos dos computadores, principalmente de memória RAM. Sem mencionar, a demora na elaboração do levantamento patrimonial, tendo que, percorrer máquina por máquina para obter as informações necessárias, tais como: fabricante e velocidade do processador, tipo e quantidade de memória, fabricante e capacidade do disco rígido, velocidade da placa de rede, tipo e características específicas da placa de vídeo, características da placa de fax-modem e placa de som e demais periféricos instalados. Também há a necessidade de um controle mais efetivo de softwares instalados em uma estação, evitando assim, desperdício de tempo no manuseio do microcomputador, espaço em disco, recursos utilizados na rede e principalmente impedir a instalação indevida de softwares não autorizados pela Instituição. Para construir um sistema especialista voltado ao gerenciamento das estações na rede de computadores, algumas perguntas básicas - como as que seguem - foram feitas: Qual o modelo de rede? Qual a arquitetura? Que informação é relevante monitorar?- Como pode ser feita uma interface da melhor forma possível para interagir com o gerente humano? Como criar um sistema inteligente para diagnosticar falhas? O que seriam as falhas? Como adquirir experiência sobre a rede? Como armazenar a experiência adquirida? Como prever eventos futuros, de acordo com a experiência armazenada com os eventos presentes? 2.2 Objetivos O projeto será capaz de automatizar um levantamento de dados sobre estações que fazem parte do parque tecnológico do instituto PRODIVINO, que estejam ligadas à rede, que dentre os resultados podemo obter um inventário de cada estação. Mantendo essas informações atualizadas, facilitando na elaboração de qualquer auditoria que seja necessária a gerência. 2.3 Relevância Vários simpósios internacionais têm dado particular atenção à área de gerenciamento, atestando sua importância no momento atual. O desenvolvimento de uma tecnologia nova nesta área é fundamental para que o crescimento do uso de redes possa ocorrer de forma produtiva. 3. Analise e Projeto Identificou-se sete classes no sistema, são elas: Computadores Conterá informações das as estações de trabalho da rede e que possuem o programa cliente instalado; Alteração Registrara alterações ocorridas nas configurações das estações e que são de interesse do administrador de rede;

5 Drive Relacionada com a classe Computadores terá informações sobre os drives instalados no computador, tais como hd, floppydisk, etc.; Usuário Conterá a informação dos usuários que estão logando na estação; Software Conterá informações sobre os possíveis software instalados na estação. CompLog Contem informações sobre usuários e logs mas estações de trabalho. CompSoftware - Relacionada com os Computadores e com Software, mantém informações sobre os softwares instalado nas estações Identificou-se quatro classes de segurança, são elas: ArquivoLog Contem informações de usuários e logs nos acessos ao programa servidor. UsuarioServ Cadastro de usuários do sistema e suas respectivas senhas. Auditoria Informações sobre as ações executadas por qualquer usuário que tenha acesso ao programa servidor. Ação Cadastro das ações possíveis de serem executadas no programa servidor 3.2 Implementação do Gerenciamento Monitoração é coleta, realizada em tempo-real, e avaliação dos dados adquiridos. Estes dados são de vários tipos, cada um com o seu propósito. O monitor de estações da rede coleta e armazena os dados. Cada computador da rede é monitorado e os dados sobre ele são coletados. Esses dados são todas as informações possíveis de coletar de um determinado computador da rede. Normalmente existem três formas dos dados serem obtidos. A primeira delas é a forma mais comum, onde os dados precisam ser constantemente analisados. Nesse caso, o software envia periodicamente informações para o monitor da rede. Uma segunda forma utilizada é quando não há necessidade de grandes informações de controle, apenas quando ocorre alguma exceção. Para estes casos, o software somente envia dados ao monitor em situações ocasionais, normalmente quando se inicia a máquina. A última forma de obtenção de informações é utilizada em situações especiais, onde o monitor requer ao software o dado. A solução adotada consiste em utilizar um computador que interage com as diversas estações da rede para delas extrair as informações necessárias ao seu gerenciamento, modelo Cliente/Servidor. Talvez mais que um simples agente de extração de informações, o computador também pode tornarse um auxiliar do gerente de rede, resolvendo desde problemas comuns que surgem até problemas mais delicados. Esse processo de migração do gerente homem ao gerente máquina será denominado de Automação da Gerência de Redes. O modelo de programação Cliente/Servidor é um paradigma de programação que representa as interações entre os processos e as estruturas do sistema. Neste tipo de paradigma existem dois de processos: clientes: processos que requisitam serviços; servidores: processos que recebem requisitos, realizam uma operação e retornam serviços. Anais do V Encontro Client de Estudantes invocation de Informática do Tocantins. Palmas, TO. outubro, pp. Server invocation result Server result

6 Figura 1 Estabelecimento de conexão Cliente/Servidor Em um modelo cliente/servidor, o processo cliente necessita de um serviço (ex. Ler dados de um arquivo), então ele envia uma mensagem para o servidor e passa a espera pela resposta. O processo servidor, após realizar a tarefa requisitada, envia o resultado na forma de uma mensagem de resposta ao processo cliente. Note que os servidores, em um sistema deste tipo, apenas responde as requisições dos clientes, e, tipicamente, não iniciam conversação com os clientes. 3.3 Programa Cliente Implementado para trabalhar em ambiente WINDOWS, o programa cliente deve ser instalado em todas as máquinas que estão conectadas em rede, e que se deseja monitorar. Esse programa cliente é executado sempre que o computador for inicializado, conectando-se ao programa servidor e submetendo ao mesmo toda sua coleta de informações. Essa coleta de informações consiste em capturar informações de hardware, software e usuários logados nas máquinas, e em seguida, compara com as informações coletadas com os dados referentes a ela, que já estão armazenados no servidor. Caso seja a primeira vez que o computador esteja se conectando ao servidor, apenas será feito o seu cadastro. Nas próximas conexões, após a comparação, o programa cliente altera as informações com base nas mudanças de configurações, caso existam, e também registra essas alterações, para futuro uso do programa servidor. Tanto o servidor, quanto todos os clientes fazem parte do mesmo barramento, não necessariamente precisando estar na mesma rede. O programa cliente terá as seguintes funções: Verificar quais os componentes estão instalados; Verificar quais os software que estão instalados; Verificar usuários e seus acessos; Registrar coleta de informações, pertinentes a hardware, software e usuários e seus acessos; Sincronizar hora, para estações win9x. 3.4 Programa Servidor

7 Também implementado para trabalhar em ambiente WINDOWS, o programa servidor deve ser instalado em apenas uma máquina da rede. Ficando permanentemente em execução, aguardando as solicitações de conexão vindas por parte dos programas clientes. Ao atender as solicitações de conexões vindas dos clientes, o programa servidor disponibiliza ao solicitante as informações ali armazenadas, permitindo a consulta, a inclusão e a alteração das informações, operações nas quais abrangem apenas a própria estação de trabalho. Através de parâmetros previamente definidos pelo gerente da rede e, possivelmente, o administrador do sistema, e, também, através das mudanças registradas pelo programa cliente o programa servidor poderá emitir avisos que comuniquem essa mudanças, cabendo ao gerente ou administrador analisar as ocorrências e tomar as decisões ou providências necessárias, de acordo com a política adotada pelo Instituto. Os parâmetros, citados anteriormente, podem ser: Espaço de tempo que o servidor verifica se existem ocorrências; Tipos de avisos que o gerente deseja. Programa servidor terá as seguintes funções: Suporte às conexões, disponibilizando informações para os programas clientes; Comunicar ao gerente da rede, em tempo satisfatório as ocorrências nas estações; Disponibilizar diversos tipos de informações através de relatórios, tanto gerenciais como patrimoniais; 4. Testes e Resultados 4.1 Testes Duração e Ambiente Os testes, realizados no PRODIVINO, tiveram inicio no dia 24/03/2003 e se estenderam até o dia 03/04/2003, somando um total de 10 dias. As pessoas envolvidas nos testes foram os próprios acadêmicos e autores desse projeto, salvo a participação do responsável pelo Departamento de Tecnologia da Informação desta Instituição, Senhor Marden de Oliveira Carvalho. O mesmo nos ajudou a analisar os resultados, tirar conclusões e principalmente contribuiu com diversas sugestões para o aprimoramento do projeto. Para início dos testes na rede do PRODIVINO, adotou-se o critério de seleção por amostragem, analisaram-se estações de vários departamentos não sendo necessário, a princípio, a utilização em todas as estações da rede. A rede utilizada para os testes é baseada no Sistema Operacional Microsoft Windows 2000 Server. A máquina escolhida para a implantação do programa servidor AdmNet também tem como sistema operacional o Windows 2000 Server, servindo com servidora dessa aplicação Implantação A implantação consistiu basicamente em duas etapas distintas, onde tivemos a implantação do Programa Servidor e do Programa Cliente.

8 Programa Servidor Instalação de um banco de dados MySql, adotado para esse projeto. Entre os motivos está o fato de que esse banco de dados não gerou custos adicionais ao nosso projeto, por não ser um sistema proprietário. Instalação do VisiBroker da Borland para oferecer a base ideal para conexões seguras entre clientes e servidores, também oferece runtime de ORB CORBA e ambiente de desenvolvimento que suportam a criação, a distribuição e o gerenciamento de aplicações distribuídas abertas. Instalação do Programa servidor, que foi desenvolvido em linguagem Delphi 6 e utilizando todo o suporte para aplicações distribuídas Corba que essa linguagem proporciona. O programa servidor verificará as possíveis alterações ocorridas nas estações onde o programa cliente estará instalado de 10 em 10 minutos, sendo possível determinar o período de verificação e também existindo a possibilidade da verificação dos dados do servidor através da rede em máquina remota Programa Cliente Instalação do Programa cliente, que também foi desenvolvido em linguagem Delphi 6 e utilizando todo o suporte para aplicações distribuídas Corba. Essa instalação permitirá ao programa cliente ser executado junto a inicialização da máquina, mais precisamente após o usuário efetuar o login. O programa cliente foi instalado para fins de testes em 10 estações bastante heterogêneas. Foram escolhidas máquinas com várias configurações diferentes, e também estações de diversos departamentos da instituição. 4.2 Resultados Análise das informações O tempo gasto pelas estações para a execução do programa cliente oscila de 5 a 10 segundos, dependendo da configuração do computador. Também influencia esses números o fator primeira conexão e o registro de ocorrências, pois resultam na gravação de informações através do programa servidor. As estações escolhidas para a execução dos testes, apresentam diferença entre seus sistemas operacionais, e conforme informações fornecidas pelo programa servidor, temos o relatório abaixo.

9 Figura 24 Sistemas operacionais por máquinas Analisando o relatório de Sistemas Operacionais por Host acima, obtemos o seguinte resultado: Oito equipamentos com Microsoft Windows 2000 e dois equipamentos com Microsoft Windows 98. Nas estações com sistema operacional Microsoft Windows 2000 e versão 5.0, podemos observar que cinco delas estão devidamente atualizadas com seu 2195 Service Pack 3. O restante, totalizando três estações, podemos identificar a necessidade de atualização. Entre as estações com sistema operacional Microsoft Windows 98 e versão 4.10, podemos observar que duas estações estão com atualização A. Nesse caso, fica evidenciado a necessidade de atualização. Várias estações apresentam a existência de softwares não autorizados, conforme relatório fornecido pelo programa servidor. Figura 3 Detecção de softwares não autorizados pelo PRODIVINO A partir desse relatório coube ao gerente providenciar a desinstalação desses softwares, nas suas devidas estações, cabendo a ele analisar alguma exceção para determinadas estações e determinados softwares. Durante o período de testes, o programa servidor notificou ao gerente um número de 26 ocorrências. Sendo que as maiorias das ocorrências foram geradas pelo próprio pessoal envolvido nos testes, com a finalidade de verificar a funcionalidade e a agilidade da solução. As ocorrências notificadas podem ser verificadas através do relatório abaixo.

10 Figura 4 Relatório de ocorrências/alterações do dia. 5. Conclusão Este estudo nos mostrou a importância e as dificuldades encontradas dentro do contexto analisado que é o controle de máquinas (software e hardware) em uma empresa. Fazer uma aplicação de gerenciamento de estações na rede contemplando a tecnologia de sistemas distribuídos utilizando CORBA, possibilitou um controle mais rigoroso e de respostas em tempo hábil, sobre as máquinas da rede, pois o problema de retirada ilegal de componentes (furto) aumenta proporcionalmente ao tamanho da rede. Os objetivos propostos para este trabalho foram atingidos. O estudo da arquitetura CORBA foi apresentado de maneira que possa ser entendido por pessoas que nunca ouviram falar de objetos distribuídos. 5. Referencia Bibliografica Demartini, Fabiano. Corba em Delphi 6: Aprenda Rápido. Visual Books, º Edição. Munhoz, Paulo Roberto. Midas com Delphi: Aprenda Rápido. Visual Books, º Edição. Tanembaum, A. and Steen M., Distributed Systems Principles and Paradigms, Prentice- Hall, Coulouris, G. et al., Distributed Systems : Concepts and Design (Third Edition), Addison-Wesley, Sinha, Pradeep K., Distributed Operating Systems : Concepts and Design, IEEE Press, Tanembaum, A., Modern Operating Systems, Prentice-Hall, COULOURIS G.; DOLLIMORE J.; KINDBERG T. - Distributed Systems Concepts and Design, Addison Wesley, Third Edition, 2001

INVGATE IT MANAGEMENT

INVGATE IT MANAGEMENT INVGATE IT MANAGEMENT Liderando la vanguardia IT Falar da origem da InvGate é falar das necessidades do mercado IT. Porque uma organização especializada em desenvolver IT Management Software é uma organização

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Positivo Network Manager 4

Positivo Network Manager 4 Positivo Network Manager 4 O gerenciamento eficiente de informações e de tecnologia da informação (TI) é um fator reconhecidamente crítico na maioria das organizações. As informações e as tecnologias que

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Tópicos da Aula Apresentação do curso Introdução Definição de sistemas distribuídos Exemplo Vantagens e desvantagens Convergência digital Desafios Visão

Leia mais

Sistemas Distribuídos (DCC/UFRJ)

Sistemas Distribuídos (DCC/UFRJ) Sistemas Distribuídos (DCC/UFRJ) Aula 1: 4 de abril de 2016 1 Conceitos básicos sobre sistemas distribuídos 2 Computação distribuída Computação distribuída A computação distribuída envolve o projeto, implementação

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

Aranda INVENTORY. Benefícios Estratégicos para sua Organização. (Standard & Plus Edition) Beneficios. Características V.2.0907

Aranda INVENTORY. Benefícios Estratégicos para sua Organização. (Standard & Plus Edition) Beneficios. Características V.2.0907 Uma ferramenta de inventario que automatiza o cadastro de ativos informáticos em detalhe e reporta qualquer troca de hardware ou software mediante a geração de alarmes. Beneficios Informação atualizada

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Assets. Um software que transforma o gerenciamento em otimização. Certified Partner

Assets. Um software que transforma o gerenciamento em otimização. Certified Partner Um software que transforma o gerenciamento em otimização. Certified Partner IT MANAGEMENT Liderando la vanguardia IT Falar da origem da InvGate é falar das necessidades do mercado IT. Porque uma organização

Leia mais

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos Arquiteutra de Sistemas Distribuídos Introdução Applications, services Adaptação do conjunto de slides do livro Distributed Systems, Tanembaum,

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Manual de Instalação Corporate

Manual de Instalação Corporate Manual de Instalação Corporate Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Imobiliária21

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Group Folha no servidor...6

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br Hardware e Software Professor: Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.br Agenda Hardware Definição Tipos Arquitetura Exercícios Software Definição Tipos Distribuição Exercícios 2 Componentesde um

Leia mais

Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades

Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades Treinamento técnico KL 202.10 Treinamento técnico KL 202.10 Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades Migração

Leia mais

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furbbr Resumo. Este artigo apresenta a especificação

Leia mais

Infra-estrutura de Software

Infra-estrutura de Software Infra-estrutura de Software Apresentação Ciência da Computação Professor: Carlos Ferraz Monitoria: em formação Horários: Quartas e Sextas, 08-10h (D-005) Laboratório: G4, normalmente URL: http://www.cin.ufpe.br/~cagf/if677/2013-1

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na FK EQUIPAMENTOS, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br SUMÁRIO Definições Características Desafios Vantagens Desvantagens 2 Definições DEFINIÇÕES Um sistema distribuído é uma coleção

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Manual de Instalação ProJuris8

Manual de Instalação ProJuris8 Manual de Instalação ProJuris8 Sumário 1 - Requisitos para a Instalação... 3 2 - Instalação do Firebird.... 4 3 - Instalação do Aplicativo ProJuris 8.... 8 4 - Conexão com o banco de dados.... 12 5 - Ativação

Leia mais

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation.

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Introdução a microinformática William S. Rodrigues HARDWARE BÁSICO O hardware é a parte física do computador. Em complemento ao hardware, o software é a parte lógica, ou seja,

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DOCUMENTAL PARA EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DOCUMENTAL PARA EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DOCUMENTAL PARA EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE Cláudio Leones Bazzi 1 ; Juliano Rodrigo Lamb

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

Manual de Instalação Flex

Manual de Instalação Flex Manual de Instalação Flex Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5 4.1.1. Instalação do sistema...

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

Symantec Discovery. Controle seu software e hardware e monitore a conformidade com as licenças em toda a infra-estrutura de TI de várias plataformas

Symantec Discovery. Controle seu software e hardware e monitore a conformidade com as licenças em toda a infra-estrutura de TI de várias plataformas Symantec Discovery Controle seu software e hardware e monitore a conformidade com as licenças em toda a infra-estrutura de TI de várias plataformas VISÃO GERAL O Symantec Discovery ajuda a garantir a resiliência

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Faculdade de Tecnologia Senac DF Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Documento de Visão Versão 4.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2014 1.0 Versão Inicial do

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com O que veremos hoje... Evolução Histórica Motivação Conceitos Características

Leia mais

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Revisão para a prova B2 Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor:

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO Kaspersky Administration Kit 8.0 GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO V E R S Ã O D O A P L I C A T I V O : 8. 0 C F 1 Caro usuário. Obrigado por escolher nosso produto. Esperamos que esta documentação lhe ajude em seu

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1) Administração A palavra administração vem do latim

Leia mais

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Institucional OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Apresentar as vantagens de se trabalhar com Thin Clients Apresentar como funciona a tecnologia Server Based Computing, Virtualização de Desktop e Aplicativos EVOLUÇÃO

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

Redes de Computadores e suas classificações. Maurício Severich

Redes de Computadores e suas classificações. Maurício Severich Redes de Computadores e suas classificações Maurício Severich Sumário O computador pessoal e a demanda Redes e suas classificações Conectividade Cliente/Servidor Topologia Distância O computador pessoal

Leia mais

Administration Kit. Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security

Administration Kit. Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security Administration Kit Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security O Kaspersky Administration Kit é uma ferramenta de administração centralizada

Leia mais

Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br

Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Modelos Arquiteturais Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Tópicos da Aula! Cliente-servidor! Peer processes (P2P)! Objetos distribuídos 2003 Carlos A. G. Ferraz 2 O que é um modelo arquitetural?! Estrutura

Leia mais

Grifon Alerta. Manual do Usuário

Grifon Alerta. Manual do Usuário Grifon Alerta Manual do Usuário Sumário Sobre a Grifon Brasil... 4 Recortes eletrônicos... 4 Grifon Alerta Cliente... 4 Visão Geral... 4 Instalação... 5 Pré-requisitos... 5 Passo a passo para a instalação...

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Positivo Network Manager v.2.0.10

Positivo Network Manager v.2.0.10 Positivo Network Manager v.2.0.10 O Positivo Network Manager é um sistema de gerenciamento remoto de desktops desenvolvido pela própria Positivo Informática. Foi especialmente projetado para trabalhar

Leia mais

Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança.

Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança. Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança. Net View & Panda Managed Office Protection É fato, tanto pequenas e médias e grandes empresas enfrentam os mesmos riscos

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Agenda Definição de Sistemas Distribuídos Evolução Histórica Exemplos Comparação com Sistemas Centralizados Conclusão 2 Definição

Leia mais

Documentos: Implementação de melhores práticas de solução de problemas de TI

Documentos: Implementação de melhores práticas de solução de problemas de TI Documentos: Implementação de melhores práticas de solução de problemas de TI Você pode aguardar o número de bilhetes de defeitos e o tempo para encerrar o bilhete e declinar à medida que a tecnologia de

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Introdução Frederico Madeira LPIC 1, LPIC 2, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br Referências - Coulouris, G.;Dollimore, J.; Kindberg, T.; SISTEMAS DISTRIBUIDOS CONCEITOS E

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo )

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) A Política de segurança da informação, na A EMPRESA, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e serviços, incluindo trabalhos executados

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES Filipe Herbert da Silva 1, Marco Aurélio G. de Almeida 1, Jonhson de Tarso Silva 1, Karina Buttignon 1 1 Fatec Guaratinguetá,

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Configuração SERVIDOR.

Configuração SERVIDOR. REQUISITOS MINIMOS SISTEMAS FORTES INFORMÁTICA. Versão 2.0 1. PRE-REQUISITOS FUNCIONAIS HARDWARES E SOFTWARES. 1.1 ANALISE DE HARDWARE Configuração SERVIDOR. Componentes Mínimo Recomendado Padrão Adotado

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO 1 OBJETIVO: 1.1 A presente

Leia mais

Modelos Arquiteturais

Modelos Arquiteturais Modelos Arquiteturais Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Tópicos da Aula Modelos arquiteturais e-servidor Objetos distribuídos 2 O que é um modelo arquitetural? Estrutura em termos de componentes especificados

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais são programas que como o próprio nome diz tem a função de colocar o computador em operação. O sistema Operacional

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação Técnica Última atualização em 31 de março de 2010 Plataformas Suportadas Agente: Windows XP e superiores. Customização de pacotes de instalação (endereços de rede e dados de autenticação).

Leia mais

SYSLOG - Sistema de Logística

SYSLOG - Sistema de Logística Integrantes (Grupo 3) Douglas Antony (Gerente) Bruno Sout Erika Nascimento Horácio Grangeiro Isaque Jerônimo Paulo Roriz Rodrigo Lima Versão:01.00 Data:18/05/2011 Identificador do documento:lr Versão do

Leia mais

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment Emissor Receptor Meio Físico Mensagem Protocolo Emissor e Receptor Data Terminal Equipment Data Communications Equipment (DTE) + (DCE) Meio Físico Mensagem ( pacote ) O meio físico É o elemento que transmite

Leia mais

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010.

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010. Guia de Instalação do SolidWorks 2010 INTRODUÇÃO A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010. O SolidWorks pode ser instalado

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

SIAPDI: um sistema de processamento distribuído de imagens medicas com CORBA

SIAPDI: um sistema de processamento distribuído de imagens medicas com CORBA SIAPDI: um sistema de processamento distribuído de imagens medicas com CORBA Euclides de Moraes Barros Junior, M.Sc - UFSC O SIAPDI O desenvolvimento deste trabalho teve como motivação solucionar os problemas

Leia mais

Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software

Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software Capítulo 4 Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software 4.1 2007 by Prentice Hall Infra-Estrutura de TI: Hardware Componentes da Infra-Estrutura Hardware Software Tecnologia de gerenciamento de dados Tecnologia

Leia mais

Manual Técnico Instalação do Sistema Vixen Ponto de Venda Point Of Sale

Manual Técnico Instalação do Sistema Vixen Ponto de Venda Point Of Sale Manual Técnico Instalação do Sistema Vixen Ponto de Venda Point Of Sale www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado, reproduzido,

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

Kerio Exchange Migration Tool

Kerio Exchange Migration Tool Kerio Exchange Migration Tool Versão: 7.3 2012 Kerio Technologies, Inc. Todos os direitos reservados. 1 Introdução Documento fornece orientações para a migração de contas de usuário e as pastas públicas

Leia mais

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP)

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) teste 1 Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) Rafael Fernando Diorio www.diorio.com.br Tópicos - Atualizações e segurança do sistema - Gerenciamento do computador -

Leia mais

1. P03 Dispositivos de Acesso. Configuração Mínima de Softwares para Estações de Trabalho P03.001

1. P03 Dispositivos de Acesso. Configuração Mínima de Softwares para Estações de Trabalho P03.001 1. IDENTIFICAÇÃO Padrão Segmento Código P03.001 Revisão v. 2014 2. PUBLICAÇÃO Órgão IplanRio Diretoria DOP Diretoria de Operações Setor GSA - Gerência de Suporte e Atendimento 1 de 6 epingrio@iplanrio.rio.rj.gov.br

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras

Software de gerenciamento de impressoras Software de gerenciamento de impressoras Este tópico inclui: "Usando o software CentreWare" na página 3-10 "Usando os recursos de gerenciamento da impressora" na página 3-12 Usando o software CentreWare

Leia mais

NOME: MATHEUS RECUERO T2 ANTIVIRUS PANDA

NOME: MATHEUS RECUERO T2 ANTIVIRUS PANDA NOME: MATHEUS RECUERO T2 ANTIVIRUS PANDA Os requisitos mínimos para possuir o software é memoria de 64 MB, disco rígido de 20 MB processador a partir do Pentium 2 em diante e navegador internet Explorer

Leia mais

Instalação Cliente Notes 6.5

Instalação Cliente Notes 6.5 Instalação Cliente Notes 6.5 1/1 Instalação Cliente Notes 6.5 LCC.008.2005 Versão 1.0 Versão Autor ou Responsável Data 1.0 Fabiana J. Santos 18/11/2005 RESUMO Este documento apresenta um roteiro de instalação

Leia mais

Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows

Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows Um tarifador fácil de usar e poderoso. Com o tarifador STI Windows Atenas você poderá controlar os gastos com telefone, reduzir custos e otimizar

Leia mais

ANEXO II PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER

ANEXO II PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER 1. FORMAÇÃO, CONHECIMENTO E HABILIDADES EXIGIDAS 1.1. PERFIL DE TÉCNICO EM INFORMÁTICA: 1.1.1.DESCRIÇÃO DO PERFIL: O profissional desempenhará

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Gerência de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2011 1 / 13 Introdução Foi mostrado que uma rede de computadores consiste

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 3.1. Estação... 4 3.2. Servidor... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia da Informação Núcleo de Segurança da Informação Revisão: 00 Vigência:20/04/2012 Classificação:

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

Caracterização de Sistemas Distribuídos

Caracterização de Sistemas Distribuídos Aula 1 Caracterização de Sistemas Distribuídos Prof. Dr. João Bosco M. Sobral mail: bosco@inf.ufsc.br - página: http://www.inf.ufsc.br/~bosco Rodrigo Campiolo mail: rcampiol@inf.ufsc.br - página: http://ww.inf.ufsc.br/~rcampiol

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais