Monitorar os impactos provocados pela implantação do Programa de Educação Ambiental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitorar os impactos provocados pela implantação do Programa de Educação Ambiental"

Transcrição

1 Monitorar os impactos provocados pela implantação do Programa de Educação Ambiental Este Plano de Monitoramento além de permitir a verificação da concreta mitigação dos impactos negativos de pequena intensidade provocados pelo empreendimento permitirá a obtenção de dados e informações relevantes para os técnicos da Prefeitura Municipal, de modo mais operacional. A seguir apresenta-se a Tabela 6.1 com a proposta de monitoramento dos possíveis impactos provocados pela implantação e operação do empreendimento. 92

2 Tabela 6.1. Plano de acompanhamento e monitoramento dos impactos ambientais Monitoramento de impactos Justificativa do monitoramento Instrumento de monitoramento Periodicidade / Prazo Instituições responsáveis (R) e envolvidas (E) 1. Sobre a erosão pontual do solo Identificar pontos críticos antes da implantação das obras. Visitas e relatórios temáticos Etapa de planejamento e durante a implantação, antes e após o período chuvoso. Empreiteira Prefeitura Municipal Secretaria de Infraestrutura SAAE 2. Sobre a opinião pública Avaliar o grau de satisfação da população residente no município e abrir canais de participação popular na gestão municipal Audiências públicas, pesquisas de opinião e pesquisas de satisfação de usuários. Anualmente, durante um período de dois anos. Prefeitura Municipal SAAE 3. Sobre o uso e ocupação do solo Identificar mudanças no uso do solo urbano após a implantação do empreendimento Levantamento de indicadores de desenvolvimento urbano e relatórios temáticos A cada dois anos, durante um período de dez anos Prefeitura Municipal Secretaria de Meio Ambiente e Controle Urbano SAAE 4. Sobre o local utilizado pelo canteiro de obra Garantir a plena recuperação da área utilizada Auditorias e fiscalização antes, durante e após a desmobilização Duas auditorias Prefeitura Municipal 5. Sobre a economia (eficácia e eficiência) no abastecimento Avaliar a eficácia e a eficiência do sistema implantado através da implantação da macro e micro medição e da avaliação do Desenvolvimento de indicadores de erosão, poluição das águas e alterações bióticas; Análise da qualidade das águas no corpo receptor Anualmente após o período chuvoso e durante todo o período em que o sistema estiver operante Prefeitura Municipal, Secretaria de Meio Ambiente e Controle Urbano 6. Sobre a redução de acidentes ocasionados pela obra Avaliar a taxa de incidentes com pedestres e automóveis durante a fase de implantação Relatórios semanais de incidentes Semanalmente enquanto durar a fase de implantação Empreiteira, Prefeitura Municipal, Secretaria de Meio Ambiente e Controle Urbano 7. Sobre a redução de doenças de veiculação hídrica Avaliar a melhoria provocada pelo sistema na saúde da população residente Pesquisas e levantamento de dados sobre a saúde da população; Relatórios temáticos Anualmente antes e após o período chuvoso Secretarias Municipal de Saúde 8. Sobre a redução de interferência com equipamentos urbanos já existentes Avaliar a redução de interferências Avaliação ex-ante e ex-post, visitas de campo e relatórios temáticos Um levantamento completo após a conclusão das obras Prefeitura Municipal, Secretaria de Infraestrutura 9. Sobre a implantação do Programa de Educação Ambiental Avaliar o conforto ambiental das áreas sujeitas a intervenção Avaliação ex-ante e ex-post e desenvolvimento de indicadores de sustentabilidade Anualmente durante o período de dois anos Prefeitura Municipal, Secretaria de Meio Ambiente e Controle Urbano 93

3 7.3 Medidas de Controle Ambiental As medidas de controle ambiental se constituem em importante instrumento de manutenção da qualidade ambiental de uma área impactada pela implantação de um empreendimento. Em se tratando de sistemas de abastecimento de água, os impactos negativos são em geral em pequenas quantidades e de reduzida magnitude, uma vez que as áreas de influência direta já se encontram ocupadas ou em processo de urbanização. Desse modo, as medidas de controle sugeridas no âmbito deste estudo dizem respeito especialmente a: instalação do canteiro de obras, incluindo higiene das instalações provisórias; transporte de equipamentos e materiais; poluição do meio físico (água, solo e ar); e educação ambiental Manutenção da Infraestrutura das Instalações, Cadastro da Rede, Índice de Perdas e Hidrometração Há de se considerar, no entanto, que uma vez concluída a obra, deverão ser adotadas medidas de forma a garantir o perfeito funcionamento do sistema, tais como: Manutenção do sistema adutor e da estação de tratamento, implantação da macro-medição; Limpeza e verificação da integridade da rede implantada, incluindo tubos e reservatórios; Conscientização da população quanto à importância do sistema, para que a mesma evite a desperdícios e compreenda a importância da hidrometração; Alerta sobre as punições legais em casos de ligações clandestinas ou alterações no sistema de micro-medição; Incentivo à população para que comunique ao poder público sobre o funcionamento inadequado do sistema, de forma que se procedam aos devidos reparos. 94

4 Desmatamento e limpeza do terreno para implantação do novo sistema adutor Por se tratar de área bastante antropizada, não será necessário desmatamento significativo. Será realizada, no entanto, limpeza do terreno a ser ocupado. As principais medidas a serem adotadas são: Umedecimento do terreno quando da realização de movimentos de terra, evitando assim a formação de poeira; Remoção do material retirado, como entulhos e restos de plantas, para local adequado; Isolamento da área para evitar o acesso da população e exigir dos operários o uso de equipamento de proteção de individual, evitando assim possíveis acidentes. Deverá ser realizada limpeza da área, em toda a sua extensão, após a conclusão da obra. Nesta etapa, os restos de concreto, tubulação, entulho e demais materiais deverão ser devidamente removidos. Propõe-se ainda a fiscalização da área para prevenir depredações e utilizações indevidas. A área deve manter-se com condições adequadas de acessibilidade para verificações e/ou recuperação de infraestrutura danificada Programa de Controle e Gestão Ambiental no Canteiro de Obras O canteiro de obras deverá encontrar-se estrategicamente localizado de modo a minimizar transtornos ou impactos aos meio físico e biótico, além de diminuir os impactos sobre as comunidades locais. Os principais objetivos deste programa são: a implantação e operação adequada do canteiro de obra, a colaboração da mão-de-obra empregada para a minimização da degradação do meio ambiente, a atenuação das interferências das atividades do canteiro e dos trabalhadores sobre o cotidiano da comunidade local. Com a execução do presente programa não haverá beneficiários específicos, mas toda a área de influência do empreendimento poderá ver-se diretamente beneficiada na melhoria da qualidade ambiental da área impactada e do seu entorno. 95

5 A meta a ser atingida com este programa é implantar a obra sem que haja queda na qualidade ambiental da área onde for instalado o canteiro de obras. Para tal fim deverá ser evitada a presença de lixo nos locais de acampamento, o lançamento de esgotos em corpos de água, a queima de materiais não degradáveis, o lançamento de óleos ou solventes no solo, e a perturbação das comunidades devido à interação com os trabalhadores contratados. A execução deste programa será de responsabilidade da empreiteira contratada para a construção do sistema, cabendo à Prefeitura a fiscalização das atividades. Os recursos destinados à execução deste programa serão provenientes do orçamento da obra apresentado pela empreiteira e formam parte dos itens relacionados à instalação e retirada do canteiro de obras, mobilização e desmobilização de maquinarias, equipamentos, ferramentas, materiais, mão-de-obra, bem como à segurança, aos primeiros socorros e ao controle ambiental. Cabe salientar que as atividades deste programa que não constem da planilha de preços apresentada pela empreiteira serão parte do custo indireto resultante das especificações ambientais. A escolha do local para a instalação do canteiro é tradicionalmente definida segundo critérios de disponibilidade de infraestrutura (comunicação, acessos, hospitais, disponibilidade de mão-de-obra) e em função da localização do empreendimento. O canteiro deve contar com: banheiros, refeitório, veículos de abastecimento, pequenos estoques de ferramentas, peças de reposição e kit de primeiros socorros, além de local adequado para armazenamento de tubulações. Os principais requisitos para a implantação e desmobilização do canteiro de obras são: Priorizar os aspectos relevantes levantados no diagnóstico e na identificação e mitigação de impactos ambientais, constantes deste estudo; Contar com a autorização expressa da Prefeitura; Localizar-se, sempre que possível, nas proximidades de áreas já urbanizadas para facilitar o transporte de materiais, o transporte diário dos trabalhadores, e para minimizar o impacto sobre pequenas populações mais susceptíveis a rejeitar mudanças nos seus quotidianos; Evitar a implantação dos mesmos nas proximidades de reservas florestais; 96

6 Procurar locais com infraestrutura adequada, de forma a minimizar os danos ambientais e a dar maior conforto ao pessoal envolvido nos trabalhos; Preferencialmente, deve ser escolhida uma área já impactada e reaproveitada a infraestrutura quando do término da obra; O tipo de solo, os acessos compatíveis com o porte dos veículos/equipamentos utilizados e a intensidade do trânsito deverão ser considerados como requisitos de instalação; O canteiro deverá contar com um sistema de sinalização do trânsito, com um sistema de drenagem superficial e com um plano de manutenção e limpeza periódica. Os responsáveis pela instalação do canteiro deverão solicitar, antecipadamente, o apoio da Prefeitura para cadastrar mão-de-obra local disponível. A infraestrutura dos canteiros de obras deverá levar em conta a necessidade dos trabalhadores contratados: alimentação, transporte diário e alojamento. Deverá ser priorizada a mãode-obra local, diminuindo sempre que possível o contingente de trabalhadores de fora da região. Esta medida poderá significar numa significativa diminuição na infraestrutura necessária de apoio à obra e minimizará a ocorrência de problemas de convivência. Em nenhum caso, a instalação do canteiro de obras deverá interferir com o sistema viário ou com o sistema de saneamento básico, sendo necessário contatar a Prefeitura, os órgãos de trânsito, de segurança pública, o sistema hospitalar, energia elétrica e telefone para os casos necessários de intervenção nessas áreas. Os efluentes gerados pelo canteiro de obra não podem ser despejados nas redes de águas pluviais. Não existindo infraestrutura na região, deverão ser previstas instalações de fossas sépticas ou em valas de absorção. Os resíduos oriundos das oficinas mecânicas, de lavagem e de lubrificação de veículos e equipamentos deverão ser coletados em recipientes apropriados para sua posterior remoção. O canteiro de obras deve contar com sistema próprio de coleta e disposição de resíduos e sobras de construção. Todos os equipamentos deverão contar com adaptações adequadas para minimizar a emissão de ruídos, gases e geração de poeiras. Carros-pipa poderão ser 97

7 utilizados para umedecer as áreas de geração de poeira, de maior trânsito de caminhões e de áreas próximas aos locais de descanso e alimentação dos trabalhadores. O tráfego de caminhões e de equipamento pesado deverá ter seus horários fixados para os momentos nos quais causarem menor perturbação no cotidiano das comunidades locais. Todo o pessoal presente e atuante no canteiro de obras deverá obedecer rigorosamente às diretrizes sobre conduta adequada e as advertências e recomendações explicitadas no momento da contratação. O estabelecimento de condições adequadas para exercer as diferentes atividades compreendidas na etapa de implementação, o saneamento básico do canteiro de obras, a utilização de equipamentos e de práticas adequadas para a saúde humana, o abastecimento d água e a gestão de resíduos sólidos produzidos são as principais questões que deverão ser permanentemente monitoradas Transporte, operação e manutenção de equipamentos O transporte de equipamentos se dará pela malha viária existente no município, não sendo necessário, portanto, a construção de vias de acesso. Especialmente por se tratar de área urbanizada, o acesso de máquinas de maior porte, como retroescavadeiras, deverá ser realizado de forma a prevenir acidentes com moradores, utilizando-se sinalização adequada e evitando-se a movimentação em horários de grande circulação de pessoas. A utilização de equipamentos manuais, tais como pás e picaretas, deverá seguir as normas de segurança, de forma a evitar acidentes com operários. Com o mesmo intuito, será obrigatório o uso de equipamentos de proteção individual (EPI) como capacete, botas, luvas, óculos de proteção e o que mais se fizer necessário. Quanto à manutenção dos equipamentos e máquinas, a mesma deverá ser realizada periodicamente, visando evitar acidentes e contaminações provocadas, por exemplo, por vazamentos de óleos. Essa medida evita, ainda, esforço excessivo e desnecessário dos operários, como no caso da utilização de pás e picaretas danificadas. 98

8 Terraplenagem, jazidas de empréstimos e bota-fora Conforme mencionado, o empreendimento será implantado em uma área já ocupada por atividades humanas, não sendo previstos, portanto, serviços de terraplenagem. Possíveis movimentos de terra poderão ser necessários na fase de implantação do canteiro de obras, sendo, no entanto de pequenas magnitudes, exigindo a adoção de pequenas áreas de empréstimo e de bota-fora. Assim sendo, recomenda-se a utilização de áreas de empréstimo e de bota-fora já utilizadas pela Prefeitura Municipal Transporte de materiais A principal medida de controle ambiental no que se refere ao transporte de materiais diz respeito a cargas potencialmente poluentes e inflamáveis, como combustíveis, óleos e produtos químicos em geral. Nesses casos, medidas especiais de segurança devem ser adotadas, bem como planos de controle de poluição em situações de acidentes. O empreendimento objeto deste estudo não envolve a utilização de materiais potencialmente poluidores, não sendo necessário, portanto a adoção de medidas de controle quanto a este aspecto. No entanto, o transporte de tubos e demais equipamentos se dará na malha viária existente, que é também utilizada pela população local. Assim, medidas devem ser adotadas para evitar acidentes e transtornos à população, especialmente quando se tratar de cargas de grande porte. Dentre os cuidados a serem tomados, citam-se: Evitar a utilização de vias com grande concentração de pedestres; Programar o transporte de equipamentos pesados fora dos "horários de pico", de forma a minimizar os transtornos causados à população; Sinalizar adequadamente as cargas que ultrapassarem o limite do veículo transportador; Garantir fácil acesso ao canteiro de obras, evitando assim manobras arriscadas e demoradas dos caminhões. 99

9 Devem ser obedecidos ainda os critérios estabelecidos para utilização das vias públicas, especialmente quanto ao peso permitido por eixo e total do veículo, garantindo a preservação das condições de uso das vias Relocação de infraestrutura O sistema projetado prevê o traçado da rede em consonância com a malha viária existente, de forma que os tubos não terão interferências com áreas particulares. Dessa maneira, não serão realizadas desapropriações e realocação de famílias, muito embora o empreendimento seja implantado em uma área urbana consolidada. Quanto a interferências com a infraestrutura existente, a mais evidente diz respeito às vias públicas. Essas serão temporariamente interditadas para assentamento dos tubos, devendo ser re-pavimentadas ao final das obras. Quanto a possíveis interferências com coleta de esgoto, elétrica e telefônica, essas devem ser previamente identificadas de modo a interromper o fornecimento dos serviços durante o menor período possível. Além disso, se necessárias alterações de traçados, essas deverão ser realizadas preferencialmente na rede a ser implantada Programa de Educação Ambiental O Programa de Educação e Controle Ambiental visa ensinar, conscientizar e promover as ferramentas necessárias para que a população residente possa contribuir na melhoria do conforto ambiental do município e para que os trabalhadores, inspetores e gerentes envolvidos na obra de drenagem possam cumprir com todas as medidas de proteção planejadas. A principal característica deste programa é a sua aplicação nas etapas de implantação e operação do sistema. O programa irá cobrir todos os tópicos ambientais, exigências e problemas potenciais do início ao término da construção abrangendo todos os aspectos relacionados com o controle e conforto ambiental. As percepções desenvolvidas sobre os problemas ambientais requerem que se compreenda o contexto sócio-econômico e político em que tais questões foram edificadas. A redução da problemática ambiental a crença que a ciência e a tecnologia podem nos socorrer incondicionalmente e/ou a crença em que o único ritmo de 100

10 produção e consumo nos é dados pela natureza, é o principal empecilho para pensar as relações entre a ação humana e os princípios de precaução e prevenção. Neste sentido, pode-se afirmar que a educação ambiental emerge como contexto onde se articulam questões ecológicas e processos sócio históricos. Este contexto, que pode ser local, regional ou global, poderá ser compreendido como instrumento para a mudança de valores e atitudes ou como estratégia de desenvolvimento. Em qualquer caso as medidas nele propostas deverão ser adaptadas considerando as características específicas de cada sítio de intervenção e deverão ter legitimidade, pertinência e potencial de mobilização. O Programa de Educação Ambiental orienta-se a reverter, mitigar, e sempre que possível, evitar a degradação do meio ambiente (meio biótico, abiótico e antrópico) exigindo algumas considerações prévias. Entre elas a necessidade de: Qualificação e quantificação dos problemas ambientais já existentes na área sob intervenção, através de uma metodologia legítima e consensualmente discutida entre os órgãos técnicos e a comunidade diretamente envolvida; A admissão da corresponsabilidade pelo espaço social que habitamos, tanto na sua construção como na sua preservação e controle, assumindo ao mesmo tempo o ônus e os bônus das nossas ações ou decisões; A compreensão do meio ambiente como síntese das relações humanas, nos seus aspectos biológicos, sociais, econômicos, culturais e intersubjetivos. Assim, assumir a corresponsabilidade na interferência controlada sobre o meio ambiente é o primeiro passo a ser dado na tentativa de mitigar e sempre que possível prevenir danos irreparáveis ou permanentes. A educação ambiental, formal ou informal, deverá ancorar-se nos impactos concretos provocados pelo empreendimento em questão. O papel da população deverá ser dinâmico, sendo imprescindível que ela exerça as ações de fiscalização pertinentes sempre que aconteçam alterações não controladas no meio ambiente ou sempre que não sejam implantadas as medidas mitigadoras propostas para o sucesso do empreendimento. 101

11 Sugere-se para tanto, que o empreendedor realize palestras procurando consolidar junto à população envolvida e aos trabalhadores contratados noções relativas à importância do ecossistema, preservação das áreas não afetadas pelo empreendimento e reconstituição das áreas afetadas, estimulando a participação dos diferentes grupos na recuperação sócio-ambiental da região. O Programa de Educação Ambiental será organizado com base nas práticas e cronogramas estabelecidos para a construção do sistema. A empreiteira será a responsável pela apresentação do mesmo a todos os trabalhadores. O programa formal de treinamento consistirá na apresentação através de figuras, textos, vídeos, folhetos, transparências e outras formas de exposição, dos impactos ambientais e das medidas mitigadoras apresentadas neste relatório. Como já foi mencionado, um plano de controle das perdas e da eficácia e eficiência da macro e da micro medição contribuirá para a melhoria da qualidade ambiental e para o desenvolvimento local e regional sustentável. Pode-se afirmar que a educação ambiental é hoje considerada um pré-requisito para o desenvolvimento sustentável. No contexto das ações de educação e controle ambiental poderão discutir-se e buscar soluções para diversas problemáticas, entre as quais se destacam a necessidade de preservação dos recursos hídricos e o fraude nos sistemas de hidrometração. A educação ambiental constitui, assim, um valioso instrumento para a construção de uma sociedade sustentável, capaz de perceber e se conscientizar dos problemas ambientais existentes e identificados. A idéia é a de consolidar um programa educacional voltado conforto ambiental e a necessidade de arcar com o ônus do desenvolvimento de forma justa e proporcional aos usos previstos na lei. Um dos grandes desafios na produção de conhecimento e da ação profissional no campo da educação ambiental é o de efetivar um dialogo interdisciplinar que possibilite o aprimoramento tanto da pesquisa acadêmica quanto das práticas profissionais próprias dos educadores ambientais. É prioritário consolidar uma experiência interdisciplinar com o objetivo de proporcionar a futuros gestores ambientais um repertório de informações que incentivem sua mobilidade entre as 102

12 diversas disciplinas, aprimorando a capacidade de dialogar com diferentes campos do conhecimento. Baseado na atividade prática, este programa poderia estimular a realização de trabalhos em equipe, na realidade concreta, cabendo ao profissional de educação ambiental, a coordenação das atividades que incluiriam: 1. Trabalho de campo junto a técnicos do SAAE, centrado em determinado local e problemática (ex. funcionamento e função da hidrometração), que permita explorar a análise de diversos temas sócio-ambientais (conseqüências das práticas inadequadas, uso inadequado ou desperdiço de água, custos provenientes da potabilização, etc.); 2. Reflexão conjunta e elaboração de textos que servirão de base para a discussão da problemática com as comunidades diretamente envolvidas; 3. Avaliação dos resultados no contexto das instituições organizativas da sociedade civil, onde os participantes poderão tornar pública a visão sistêmica construída de forma transdisciplicar a partir de uma realidade/problema ambiental concreto. É importante discutir e analisar a Lei de Saneamento (11.445) e seus princípios de universalização e aperfeiçoamento dos instrumentos de gestão dos agentes que atuam no setor, envolvendo governos estaduais e municipais, prestadores de serviço, indústria, agentes financeiros, e a sociedade por meio de suas organizações. Além de considerar o princípio de universalização dos serviços de saneamento básico, a lei reforça a INTEGRALIDADE, como pressuposto. Isto é, estabelece como obrigação para intervir considerar a CIDADE na sua totalidade, mesmo que as ações obedeçam a cronogramas de implantação segundo níveis de criticidade. É importante discutir também a importância da participação popular e o controle social na formulação da política, no planejamento, na regulação, na prestação e na fiscalização dos serviços de saneamento Para que a educação ambiental possa contribuir nesse processo, é preciso que o educador ambiental atue como intérprete na compreensão das percepções que cada grupo tem sobre o meio ambiente que também são interpretações sociais e históricas 103

13 dos diversos interesses e intervenções humanas no meio ambiente. Podem ser abordadas relações complexas e diferenciadas das percepções que cada grupo tem de relações tais como: capital e trabalho, público e privado, necessidades coletivas e interesses privados, que permeiam a relação natureza / sociedade. Relações que se definem e se redefinem no processo de participação; assim se define o processo participativo como processo educativo que propicia a consolidação de níveis cada vez mais elevados de consciência e organicidade, intensifica a comunicação, a circulação de informações, a troca de experiências, o diálogo e a negociação Degradação do uso do solo O sistema de abastecimento de água a ser ampliado, assim como ocorre com outras obras desta natureza, resultará na melhoria das condições de saneamento, possibilitando o adensamento de áreas melhorando a quantidade de água ofertada. O empreendimento gerará, portanto, modificações nos padrões de uso e ocupação do solo, possibilitando dentre outras formas de ocupação, a instalação de estabelecimentos comerciais e mesmo de residências em áreas de expansão urbana. Vale ressaltar, no entanto, que medidas podem ser adotadas visando conter a especulação imobiliária e a ocupação desordenada ou em desacordo ao Plano Diretor da cidade. Para isso, a Prefeitura Municipal deverá intensificar as ações de fiscalização, fazendo-se cumprir a legislação vigente Ruídos e vibrações A área na qual será implantado o sistema de abastecimento de água tem características predominantemente residenciais, motivo pelo qual cuidados devem ser adotados visando minimizar a geração de ruídos e vibrações. Os principais ruídos provêm da operação de máquinas tais como retroescavadeiras, betoneiras e compactadores de solo, além de retirada do pavimento das ruas, transporte e assentamento de tubos, e demais ruídos associados a obras de engenharia. 104

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 6 3. Objetivos... 8 4. Área de abrangência...

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI

UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI PLANO DE TRABALHO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PCS Plano de Trabalho ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. OBJETIVO... 1 2.1. Objetivos Específicos... 1 3. PÚBLICO ALVO... 2 4. METAS... 2 5.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

19º RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL

19º RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL 19º RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Projeto de Trabalho Técnico Social Parque Araruama e Jardim Sumaré PAC Drenagem - Ct. Nº 0292.744-42/09 1 INTRODUÇÃO Durante este período a Equipe

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA 1. OBJETIVO GERAL As instruções técnicas contidas no presente Termo de Referência objetivam estabelecer os procedimentos e os

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL PA para empreendimentos de serviços

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

PARECER TÉCNICO FINAL

PARECER TÉCNICO FINAL SMPMA/DEPLAN Em 15/01/2014 Ref.: Processos n 2.532-1/2013 e 16.392-4/2013 PARECER TÉCNICO FINAL Trata-se de um empreendimento que corresponde à construção de um edifício vertical para uso misto, residencial

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

JOSÉ LEOMAR FERNANDES JR. Universidade de São Paulo

JOSÉ LEOMAR FERNANDES JR. Universidade de São Paulo JOSÉ LEOMAR FERNANDES JR. Universidade de São Paulo Custos Sociais e Indiretos: MND versus Abertura de Valas Pesquisas na Escola de Engenharia de São Carlos da USP Resultados de Pesquisas no Exterior Universidade

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

[REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES]

[REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES] EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA SUPERINTENDENCIA REGIONAL DO CENTRO-LESTE COORDENAÇÃO REGIONAL DE MEIO AMBIENTE [REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES] DATA DE EMISSÃO: MARÇO/2011 ELABORADOR(ES):

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.1 Programa de Gestão Ambiental

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.1 Programa de Gestão Ambiental - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.1 Programa de Gestão Ambiental Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4. Detalhamento dos Planos e Programas 4.1

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental de Construção

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

TERRAPLENAGEM KOHLER LTDA. Plano de Gestão do Canteiro de Obras do Novo Campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) na cidade de Joinville

TERRAPLENAGEM KOHLER LTDA. Plano de Gestão do Canteiro de Obras do Novo Campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) na cidade de Joinville Plano de Gestão do Canteiro de Obras do Novo Campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) na cidade de Joinville Guabiruba/SC, Junho de 2010 Índice Índice página 02 Layout do canteiro página

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO 1. VIA DE ACESSO 1.1 - GENERALIDADES Será utilizada como acesso às obras, durante a fase de construção, as vias já existentes

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 1 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários;

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários; PROJETO DE: EMENDA À LEI ORGÂNICA LEI COMPLEMENTAR LEI ORDINÁRIA RESOLUÇÃO NORMATIVA DECRETO LEGISLATIVO ( X ) Nº /2013 AUTOR/SIGNATÁRIO: Ver. GILBERTO PAIXÃO EMENTA: Dispõe sobre os serviços e obras para

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são:

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são: OBJETIVO A SANEPAR busca prestar serviços de Saneamento Ambiental de forma sustentável, a fim de contribuir com a melhoria da qualidade de vida. Portanto evidencia-se a necessidade de considerar o conceito

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA PCH Dores de Guanhães ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA 1. ESCOPO Identificar e classificar os aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços da XXXX, visando estabelecer quais causam ou poderão causar impactos ambientais significativos. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

GESTÃO NO CANTEIRO DE OBRAS

GESTÃO NO CANTEIRO DE OBRAS 25/09/2012 GESTÃO NO CANTEIRO DE OBRAS ENG O. LEONARDO MENDES LEAL DA PAIXÃO AGENDA Definição. Fase de Planejamento. FasesOperacionais. a) Fase de Implantação; b) Fase Funcional; c) Fase de Desmontagems

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Complexos recicláveis

Complexos recicláveis Complexos recicláveis Em função da realização dos próximos megaeventos esportivos mundiais por aqui Copa de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016, grandes obras de arquitetura voltada para os esportes (estádios,

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) 2 Adequar/Ampliar o Sistema Viário

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) 2 Adequar/Ampliar o Sistema Viário PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DE MOBILIDADE URBANA E RODOVIAS - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que Santa Maria tenha em 2050 um Sistema Viário e de transporte público sustentável,

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Objetivo Indicador Métrica Proposta Entraves Ações Viabilizadoras

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Objetivo Indicador Métrica Proposta Entraves Ações Viabilizadoras PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DE MOBILIDADE URBANA E RODOVIAS -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que Santa Maria tenha em 2050 um Sistema Viário e de transporte público sustentável,

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DA OPERAÇÃO DE UM POSTO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS EM NATAL/RN

IMPACTOS AMBIENTAIS DA OPERAÇÃO DE UM POSTO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS EM NATAL/RN IMPACTOS AMBIENTAIS DA OPERAÇÃO DE UM POSTO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS EM NATAL/RN Fernanda Gracielly Santos da Silva (*), Joel Medeiros Bezerra2 *Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 O espaço urbano como bem ambiental. Aspectos ambientais do Estatuto da cidade garantia da qualidade de vida. Meio ambiente natural; Meio ambiente cultural; Meio ambiente

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Parque Universitário BACIA I Coletor Vila Goulart 300 mm Instalações

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia...

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia... Fortuna II PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.10 Programa de Segurança e Alerta NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 3 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009 - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-16 / RJ-151 4.2.6 Programa de Treinamento Ambiental dos Trabalhadores Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

PROJETO DE SUSTENTABILIDADE HÍDRICA PSH/PE

PROJETO DE SUSTENTABILIDADE HÍDRICA PSH/PE GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Secretaria de Recursos Hídricos - SRH Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento - BIRD RP816 MARCO CONCEITUAL DA POLÍTICA DE REASSENTAMENTO PROJETO DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Padrão de Desempenho 8:

Padrão de Desempenho 8: Visão Geral dos Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental 1. A Estrutura de Sustentabilidade da IFC articula o compromisso estratégico da Corporação com o desenvolvimento sustentável

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais