A estrutura tridimensional das proteínas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A estrutura tridimensional das proteínas"

Transcrição

1 A estrutura tridimensional das proteínas O esqueleto covalente das proteínas possui um elevado número de ligações em torno das quais é possível rotação, resultando num enorme número de conformações moleculares. A maioria das proteínas biológicas possui uma estrutura tridimensional bem definida, chamda estrutura nativa, que corresponde a um pequeníssimo conjunto dentro de todas as possíveis conformações. A estrutura nativa é estabilizada por interacções fracas (não-covalentes), sendo apenas marginalmente estável ( G kj/mol) Princípios fundamentais para a compreensão da estrutura nativa das proteínas: a) A ligação peptídica é rígida e planar b) Os resíduos hidrofóbicos preferem o interior não polar das proteínas c) O número de ligação de hidrogénio na proteína é maximizado G folding kj/mol

2 Sequência->Estrutura Muitas protéinas adquirem a sua estrutura tridimensional espontâneamente (folding) Simulação do folding ubiquitina

3

4

5

6 Propriedades estruturais da ligação peptídica Aligação peptídica apresenta interacções de ressonância que lhe conferem um carácter de 40% ligação dupla: O efeito de ressonância favorece a conformação planar da ligação peptídica: A conformação cis da ligação peptídica é estéricamente menos favoravel e muito mais raramente observada em proteínas:

7 A cadeia polipeptídica é formada por uma sucessão de planos peptídicos Os ângulos de torsão φ (fi) e ψ (psi) descrevem a orientação relativa das planos peptídicos. Certos valores de φ (fi) e ψ (psi) não são possíveis, porque provocam interferência estérica

8 O diagrama de Ramachandran A conformação do esqueleto da cadeia polipeptídica pode ser descrito através da enumeração dos pares de valores φ e ψ para cada resíduo. Dá a esta tipo de representação o nome de diagrama de Ramachandran, em homenagem ao seu inventor. No diagrama, cada ponto representa um aminoácido. As regiões a verde são aquelas que não provocam impedimentos estereoquímicos Diagrama de Ramachandran da lisozima A conformação φ=ψ=0 não é permitida!

9 Zonas permitidas e proibidas do diagrama de Ramachandran As zonas a azul escuro são as possíveis sem sobreposição atómica, azul médio são as zonas permitidas indo ao limite extremo de sobreposição atómica, e a região a azul claro é accessível através da flexão dos ângulos e comprimentos de ligação Tipe de contacto Limite Normal Limite Extremo H H 2,0 1,9 H O 2,4 2,2 H N 2,4 2,2 H C 2,4 2,2 O O 2,7 2,6 O N 2,7 2,6 O C 2,9 2,7 N N 2,7 2,6 N C 2,9 2,8 C C 3,0 2,9

10 A glicina tem maior liberdade conformacional As regiões do diagrama de Ramachandran accessíveis à Glicina são maiores porque este resíduo não tem cadeia lateral! Glicina

11 A estrutura secundária das proteínas A estrutura secundária de um polímero é definida como a conformação local da sua cadeia principal. No caso particular das proteínas, este termo é geralmente usado para descrever os padrões regulares da geometria local da cadeia polipeptídica, tais como hélices, folhas e voltas (turns). A estrutura da hélice α e da folha β foramcorrectamente deduzidas por Pauling e Corey em 1951, ainda antes de se ter conseguido determinar a estrutura de uma proteína com detalhe atómico. Hélice α Folha β Volta (turn)

12 A hélice α Proposta em 1951 por L.Pauling and R.Corey para explicar os dados de difracção de raios X de fibras de proteína. A hélice α possui um número não-inteiro de resíduos por volta (3.6) A geometria ideal da hélice α produz ângulos de torsão φ = -57.8, ψ = -47.0, passo = 5.4 Å e elevação por resíduo = 1.5 Å O grupo carbonilo do resíduo na posição i forma uma ligação de hidrogénio com o grupo amina do resíduo na posição i+4 As ligações de hidrogénio possuem uma geometria próxima da ideal. O raio da hélice é suficientemente pequeno para permitr a ocorrência de contactos de van der Waals no interior As cadeias laterais de cada volta da hélice estão desfasadas em relação às das voltas contíguas, evitando contactos desfavoráveis A hélice alfa é a estrutura helicoidal mais frequente observada nas proteínas globulares, correspondendo a cerca de 30% dos resíduos nas proteínas de estrutura conhecida. O comprimento médio de uma hélice é aproximadamente 12 resíduos, mas chega a atingir os 50 resíduos.

13 A hélice α é uma hélice direita Hélice esquerda Hélice direita Hélice alfa

14 Exemplos de hélices α Albumina do soro humano (representação esquemática) Albumina do soro humano (representação atómica)

15

16 A folha β A conformação estendida da cadeia polipeptídica foi primeiramente sugerida nos anos 30, mas só observada nos anos 70 quando da resolução da estrutura da lisozima. A conformação em folha β foi prevista correctamente por Pauling e Corey em 1951 A unidade básica da estrutura β é uma cadeia extendida (semelhante uma hélice de período 2) com ângulos φ e ψ aproximadamente iguais a -120, Ao contrario da hélice α, as ligaçãoes de hidrogénio não se formam localmente mas entre cadeias distintas, que podem ser paralelas ou antiparalelas. Folha β antiparalela Folha β paralela

17 A folha β é plissada Uma cadeia com ângulos fi e psi = 180 produz uma conformação completamente estendida, como uma fita plana: O desvio dos valore de fi e psi de 180 para cerca de 120 faz com que os planos peptídicos subam e descam alternadamente, num padrão plissado (pleated)

18 Estruturas β Imunoglobulina humana Folha β anti-paralela Cadeia β Folha β paralela Barril β β twist

19 Voltas (turns) As proteínas globulares têm estruturas compactas, obrigando a múltiplas voltas (turns) da cadeia polipeptídica e constituindo por isso cerca de 30% da estrutura destas proteínas. Os t volta β (β turn) Voltas As voltas β de tipo I e II são as mais comuns em proteínas, aparecendo a tipo I quase o dobro das vezes que a II. A volta tipo II tem sempre uma glicina como segundo resíduo. glicina

20 Estruturas secundárias regulares As estrutura secundárias regulares caracterizam-se por valores de ângulos φ e ψ aproximadamente constantes. Folha β anti-paralela Folha β paralela Poliglicina e poli L-prolina Colagénio Hélice α Hélice α invertida Hélice π Fita Hélice 3 10 φ ψ ω Resíduos por volta Translacção por resíduo Folha β antiparalela ,00 3,40 Folha β paralela ,00 3,20 Hélice α direita ,60 1,50 Hélice ,00 2,00 Hélice π ,40 1,15 Poliprolina I ,33 1,90 Poliprolina II ,00 3,12 Polyglicina II ,00 3,10

21 A estrutura terciária das proteínas A estrutura terciária das proteínas descreve o arranjo dos seus átmos no espaço tridimensional. Enquanto a estrutura secundária descreve a conformação local das proteínas, a estrutura terciária descreve a estrutura global, em que as interacções entre pontos muito afastados da cadeia são cruciais. Geralmente separam-se as proteínas em dois grupos, as proteínas fibrosas e as proteínas globulares: Proteínas globulares: são geralmente solúveis, possuem uma forma compacta (glóbulo), contendo diferentes combinações de elementos de estrutura secundária, e desempenham funções variadas tais como catálise enzimática, reconhecimento molecular, transmissão de sinais, etc Proteínas fibrosas: são geralmente insolúveis, possuem cadeias muito longas com repetição de um único motivo de estrutura secundária, desempenham papéis estruturais ou de motilidade... Proteína globular (mioglobina) Proteína fibrosa (colagénio)

22 A fibroína da seda A fibroína, produzida por aranhas e insectos, é uma proteína fibrosa constituída por cadeias β extendidas, e rica em Alanina e Glicina (estudos da sequência indicam a presença da unidade (-Gly-Ser-Gly-Ala-Gly-Ala-) n ) As folha β ficam sobrepostas em camadas com um empacotamento de Alaninas numa face e Glicinas na outra A as propriedades mecânicas da seda podem ser explicadas se considerarmos a sua estrutura: pequena extensibilidade: porque a cadeia β já é uma estrutura quase totalmente extendida flexibilidade: porque as forças entre camadas sucessivas são de natureza não-covalente (relativamente fracas) Bicho da seda Padrão de difracção de uma fibra seda

23

24 A α-queratina A α-queratina é o principal componente da camada externa da pele, bem com dos pelos, da lã, chifres e cabelo (cerca de 85% do conteúdo celular de proteína). As fibras de queratina apresentam uma hierarquia de organização estrutural, desde os filamentos intermediários do citoesqueleto até às moléculas individuais. A unidade molecular da queratina é um dímero, constituído por duas hélices α que se enrolam em torno uma da outra numa hélice esquerda (hélice de hélices ou coiled coil ) As hélices do dímero de queratina mantem-se unidas através de um padrão repetido de resíduos hidrofóbicos na face interior da cada hélice (a-b-c-d-e-f-g em que a e g são hidrofóbicos) Dímero de α-hélices da queratina (coiled coil)

25 Estrutura do cabelo

26 Propriedades mecânicas das α-queratinas A α-queratina é rica em pontes de dissulfureto que ligam cadeias adjacentes através de resíduos de cisteína. O número de ligações cruzadas entre cadeias (cross links) determina a rigidez das queratinas: α-queratinas duras contêm um elevado número de pontes de dissulfureto, α-queratinas moles um número mais reduzido. A elasticidade das fibras de lã e cabelo resulta da distensão da estrutura helicoidal das moléculas de α-queratina. O grau de distensão é limitado pelo número de pontes de dissulfureto entre cadeias. Agentes redutores como o mercaptoetanol podem ser usados para remover as pontes dissulfureto da α-queratina, tornando mais flexível. O processo pode depois ser invertido com a adição de um oxixdante. reduzir frisar oxidar Mecanismo da frisagem do cabelo

27 O colagénio O colagénio existe em todos os animais multicelulares e é a proteína mais abundante dos vertebrados. É uma proteína extracelular, presente em vários tecidos conectivos: tendão, cartilagem, ligamentoes, matrix orgânica do osso, matriz fibrosa da pele e vasos sanguíneos, córnea do olho. O colagénio é, tal como a α-queratina, uma hélice de hélices: três hélices, as cadeias α (não confundir com α-hélices!) enrolam-se numa superhélice direita, enquanto cada uma das cadeias a forma uma hélice esquerda Existem muitos tipos de colagénio nos vertebrados, mas a quase todos contêm cerca de 35% Gly, 11% Ala, 21% Pro + Hyp (hidroxiprolina). O colagénio contem percentagens variáves dos resíduos modificados 3-hidroxiprolina, 4-hidroxiprolina e 5-hidroxilisina.

28 Estrutura do colagénio Cada uma das hélices do colagénio é uma hélice esquerda com uma conformação semelhante à da poliprolina. As sequências de colagénio apresentam uma fórmula geral Gly-X-Y, em que X é frequentemente Prolina e Y Hidroxiprolina As hélices têm 3.1 resíduos por volta e uma elevação de 10 Å O grupo -NH de cada Glicina forma uma ligação de hidrogénio com o grupo X de uma das cadeias adjacentes Sequência da região terminal do colagénio bovino α1(i) Super hélice tripla do colagénio Interacçõe entre resíduos das 3 cadeias

29 Fibras de colagénio Cross links covalente entre cadeias de colagénio, por meio das hidroxilisinas

30

31 Proteínas globulares As proteínas globulares compreendem um grupo altamente diversificado de proteínas que existem, no seu estado nativo, na forma de um glóbulo compacto, de dimensões mais ou menos esferoidais. As proteínas globulares desempenham uma diversidade de funções, tais como enzimas, receptores, hormonas, anticorpos e transportadores. As proteínas globulares apresentam, geralmente uma variedade de elementos de estrutura secundária combinados de diversos modos. Dimensões da albumina do soro humano comparadas com uma cadeia extendida

32 Exemplo de proteína globular: a mioglobina A mioglobina foi a primeira proteína a ser conhecida com detalhe atómico - a sua estrutura foi determinada por difracção de raios X nos anos 50 por John Kendrew e colaboradores. A análise da estrutura da mioglobina deu a conhecer os princípios gerais de organização das proteínas globulares. A mioglobina tem 153 aminoácidos de comprimento e possui um grupo prostético, o grupo hémico. Formas de representação da estrutura terciária da mioglobina

33 Princípios da estrutura de proteínas globulares A localização das cadeias laterais varia de acordo com a sua polaridade: os resíduos hidrofóbicos têm preferência pelo interior, enquanto os carregados se encontram quase sempre à superfície e os resíduos polares podem aparecer, ocasionalmente, no interior. O interior das proteínas está densamente empacotado, As proteínas globulares podem conter α hélices e folhas β Os elementos de estrutura secundária organizam-se em estruturas supersecundárias As proteínas de maiores dimensões (>200) estão geralmente organizadas em domínios, unidades estruturais mais ou menos autónomas cuja dimensão não ultrapassa os aa. Elements de estrutura supersecundária Domínio A Domínio B

34 Diversidade de estruturas das proteínas globulares

35 A estrutura das proteínas globulares é construida a partir de elementos simples

36 Classificação estrutural das proteínas As proteínas podem ser classificadas de acordo com o conteúdo em estruturas secundárias, defindo-se as seguintes classes: α : contendo apenas hélices alfa β : contendo apenas estruturas beta α/β : elementos beta e alfa, ocorrendo de forma alternada α+β: elementos alfa e beta ocorrendo em regiões separadas Dentro de cada classe definem-se folds, em que cada fold corresponde a um tipo particular de arranjo de elementos de estrutura secundária (por.exemplo o barril beta). Dentro de cada fold definem-se superfamílias, proteínas com caracteristícas estruturais mais semelhantes, mas geralmente com diversidade funcional. Finalmente, dentro de cada superfamília definimos famílias, conjuntos de proteínas de estrutura muito semelhante e geralmente com uma função biológica idêntica ou próxima. classe fold superfamília família

37

Estrutura tridimensional de proteínas. Prof. Dr. Fernando Berton Zanchi

Estrutura tridimensional de proteínas. Prof. Dr. Fernando Berton Zanchi Estrutura tridimensional de proteínas Prof. Dr. Fernando Berton Zanchi Níveis de Estruturas Protéicas A conformação espacial das proteínas As proteínas não são traços rígidos porque suas ligações químicas

Leia mais

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS Aminoácidos ligam-se por ligações peptídicas = reação de condensação entre: OH do grupo carboxila de um aminoácido H do grupo amina do outro aminoácido ( liberação de uma molécula

Leia mais

Cap. 4: Componentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais. Equipe de Biologia

Cap. 4: Componentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais. Equipe de Biologia ap. 4: omponentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais Equipe de Biologia De que são formados os seres vivos? Substâncias orgânicas arboidratos Lipídios Proteínas Vitaminas Ácidos nucleicos

Leia mais

O processo da Expressão Gênica

O processo da Expressão Gênica Coordenadoria de Educação e Difusão de Ciências Rua 9 de Julho, 1205 - São Carlos - São Paulo e-mail: cbme@if.sc.usp.br- Telefone: (16) 3373-9159 http://cbme.ifsc.usp.br http://cbme.usp.br O processo da

Leia mais

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE QUÍMICA DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA QBQ0313 Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos Flavia Carla Meotti Os Ácidos Nucléicos Função: armazenamento e transmissão da informação

Leia mais

Dra. Maria Izabel Gallão. Matriz Extracelular

Dra. Maria Izabel Gallão. Matriz Extracelular Matriz Extracelular - a matriz extracelular (MEC) corresponde aos complexos macromoleculares relativamente estáveis, formados por moléculas de diferentes naturezas que são produzidas, exportadas e complexadas

Leia mais

BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR 1º S_2010_2011_1º Teste 25/10/2010

BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR 1º S_2010_2011_1º Teste 25/10/2010 BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR 1º S_2010_2011_1º Teste 25/10/2010 (Duração: 1,5 h) Nome do Aluno: Nº: Curso: Cada uma das questões de escolha múltipla (1 à 40) tem a cotação de 0,5 valores. Será descontado

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X

DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X Disciplina: Engenharia de Proteínas Ma. Flávia Campos Freitas Vieira NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS Fonte: Lehninger, 2010.

Leia mais

Aula 6. Introdução a Bioquímica: Biomoléculas. Níveis estruturais das proteínas. Estruturas 3D, domínios motivos 1º 2º 3º 4º

Aula 6. Introdução a Bioquímica: Biomoléculas. Níveis estruturais das proteínas. Estruturas 3D, domínios motivos 1º 2º 3º 4º Introdução a Bioquímica: Biomoléculas Ignez Caracelli BioMat DF UNESP/Bauru Aula 6 Estruturas 3D, domínios motivos Julio Zukerman Schpector Bauru, 24 de setembro de 2007 LaCrEMM DQ UFSCar Níveis estruturais

Leia mais

Proteínas. Enzima que Colagénio Insulina degrada a insulina (hormona)

Proteínas. Enzima que Colagénio Insulina degrada a insulina (hormona) Proteínas O seu nome deriva da palavra Grega proteios, que significa de principal importância. As proteínas desempenham um papel fundamental nos sistemas biológicos, estando associadas a todas as formas

Leia mais

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia Transformações Bioquímicas (BC0308) Prof Luciano Puzer http://professor.ufabc.edu.br/~luciano.puzer/ Propriedades e funções de proteínas: Mioglobina / Hemoglobina

Leia mais

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia Transformações Bioquímicas (BC0308) Prof Luciano Puzer http://professor.ufabc.edu.br/~luciano.puzer/ Propriedades, funções e transformações de aminoácidos e proteínas

Leia mais

Proteínas. As proteínas são o centro da acção em todos os processos biológicos. Voet & Voet Biochemistry

Proteínas. As proteínas são o centro da acção em todos os processos biológicos. Voet & Voet Biochemistry Proteínas As proteínas são o centro da acção em todos os processos biológicos. Voet & Voet Biochemistry As proteínas são os compostos orgânicos mais abundantes dos organismos vivos (~50% do peso sêco)

Leia mais

Estrutura primária, secundária, terciária e quaternária de proteínas

Estrutura primária, secundária, terciária e quaternária de proteínas Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Bioinformática Estrutura primária, secundária, terciária e quaternária de proteínas Luís Fernando S.M. Timmers Porto Alegre, 11 de Agosto de 2015 Revisão

Leia mais

ESTUDOS ESTRUTURAIS E FUNCIONAIS DE PROTEÍNAS

ESTUDOS ESTRUTURAIS E FUNCIONAIS DE PROTEÍNAS ESTUDOS ESTRUTURAIS E FUNCIONAIS DE PROTEÍNAS Brasília DF. Elaboração José Luiz de Souza Lopes Assuero Faria Garcia Julio Cesar Pissuti Damalio Produção Equipe Técnica de Avaliação, Revisão Linguística

Leia mais

O processo da Expressão Gênica

O processo da Expressão Gênica INBEQMeDI Instituto Nacional de Biotecnologia Estrutural e Química Medicinal em Doenças Infecciosas Coordenadoria de Educação e Difusão de Ciências Telefone: (16) 3373-9159 Rua 9 de julho, 1205 - Centro

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Estabelecimento e manutenção da forma do corpo Papel conferido pela Matriz Extracelular MEC principal constituinte do Tecido

Leia mais

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva Estrutura e função dos ácidos nucléicos Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva > Polímeros de nucleotídeos Funções: DNA (ácido desoxirribonucléico) : > Armazenar as informações necessárias para a construção

Leia mais

Tecido conjuntivo. Células. Matriz Extracelular (MEC) Abundante

Tecido conjuntivo. Células. Matriz Extracelular (MEC) Abundante Células Tecido conjuntivo Matriz Extracelular (MEC) Abundante Tecido conjuntivo I Matriz Extracelular (MEC) Tipos de tecido conjuntivo Tecido conjuntivo II Células residentes Células transitórias Tecido

Leia mais

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada ÁCIDOS NUCLÉICOS Ácidos nucléicos São polímeros compostos por nucleotídeos Açúcar - pentose Nucleotídeo Grupo fosfato Base nitrogenada Composição dos Ácidos nucléicos pentoses: numeração da pentose: pentose

Leia mais

ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA

ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA ÁCIDOS NUCLÉICOS: Moléculas orgânicas complexas, formadas polimerização de nucleotídeos (DNA e RNA) pela Contêm a informação que determina a seqüência de aminoácidos

Leia mais

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia Transformações Bioquímicas (BC0308) Prof Luciano Puzer http://professor.ufabc.edu.br/~luciano.puzer/ Energia de interação entre macromoléculas Interações em meio

Leia mais

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia Transformações Bioquímicas (BC0308) Prof Luciano Puzer http://professor.ufabc.edu.br/~luciano.puzer/ Propriedades, funções e transformações de aminoácidos e proteínas

Leia mais

Bioinformática. Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br

Bioinformática. Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br Bioinformática Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 24 de agosto de 2015 Paulo H. R. Gabriel

Leia mais

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe!

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Aula: 2 Temática: Ácidos Nucléicos Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Introdução: Os ácidos nucléicos são as moléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

Moléculas de Adesão, Junção Celular e Matrix Extracelular (Aula 3)

Moléculas de Adesão, Junção Celular e Matrix Extracelular (Aula 3) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR Moléculas de Adesão, Junção Celular e Matrix Extracelular (Aula 3) Profa. Dra. Nívea Macedo

Leia mais

Aula 4 Estrutura do RNA

Aula 4 Estrutura do RNA Biologia Molecular Básica Módulo I Básico Aula 4 Estrutura do RNA O RNA é uma molécula intermediária na síntese de proteínas. Ela faz a intermediação entre o DNA e as proteínas. As principais diferenças

Leia mais

Na aula de hoje, iremos ampliar nossos conhecimentos sobre as funções das proteínas. Acompanhe!

Na aula de hoje, iremos ampliar nossos conhecimentos sobre as funções das proteínas. Acompanhe! Aula: 21 Temática: Funções bioquímicas das proteínas parte III Na aula de hoje, iremos ampliar nossos conhecimentos sobre as funções das proteínas. Acompanhe! 1) Função Estrutural (Arquitetônica): Os materiais

Leia mais

ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO

ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO Por definição, anticorpos são moléculas de glicoproteína, também chamadas de imunoglobulinas. São glicoproteínas altamente específicas sintetizadas em resposta a um antígeno,

Leia mais

Professor Fernando Stuchi M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO

Professor Fernando Stuchi M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO P ROTEÍNAS P ROPRIEDADE BÁSICA São grandes moléculas (macromoléculas) constituídas por aminoácidos, através de ligações peptídicas. É o composto orgânico mais abundante no corpo

Leia mais

NATUREZA E ESTRUTURA DO MATERIAL GENÉTICO

NATUREZA E ESTRUTURA DO MATERIAL GENÉTICO NATUREZA E ESTRUTURA DO MATERIAL GENÉTICO ÁCIDOS NUCLEICOS INTERVENÇÃO EM MUITAS REACÇÕES IMPORTANTES TRANSPORTE DA INFORMAÇÃO GENÉTICA DUPLICAÇÃO FIEL TRANSCRIÇÃO SELECTIVA VARIABILIDADE REPLICAÇÃO DNA

Leia mais

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Células e Membranas As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Organelas são compartimentos celulares limitados por membranas A membrana plasmática é por si só uma organela.

Leia mais

TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA

TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA Número de genes para RNA RNA ribossômico - rrna Os rrnas correspondem a 85 % do RNA total da célula, e são encontrados nos ribossomos (local onde ocorre a síntese proteíca).

Leia mais

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o 1 A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o capsídeo de um vírion é denominado de nucleocapsídeo.

Leia mais

Função de Proteínas: Mioglobina e Hemoglobina

Função de Proteínas: Mioglobina e Hemoglobina Aula de Bioquímica I Tema: Função de Proteínas: Mioglobina e Hemoglobina Prof. Dr. Júlio César Borges Depto. de Química e Física Molecular DQFM Instituto de Química de São Carlos IQSC Universidade de São

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. Embrionário. - Conjuntivo Propriamente Dito. - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo

TECIDO CONJUNTIVO. Embrionário. - Conjuntivo Propriamente Dito. - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo TECIDO CONJUNTIVO Embrionário - Conjuntivo Propriamente Dito - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo Origem Embrionária Mesoderma Células Mesenquimais Funções Gerais Fornecer suporte estrutural

Leia mais

16/04/2015 ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA DNA E RNA DNA E RNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DNA

16/04/2015 ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA DNA E RNA DNA E RNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DNA ÁCIDOS NUCLEICOS E RNA E RNA Plano de Aula -Componentes básicos de e RNA -Características estruturais e funcionais -Tipos de RNA Profª Dra. Juliana Schmidt Medicina 2014 E RNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA

Leia mais

TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA

TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA Prof. Borges EXERCÍCIOS DE AMINOÁCIDOS 1. (Fuvest) A hidrólise de um peptídeo rompe a ligação peptídica, originando aminoácidos. Quantos aminoácidos

Leia mais

UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA

UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA 4.1. INTRODUÇÃO Em geral, todos os metais, grande parte dos cerâmicos e certos polímeros cristalizam-se quando se solidificam. Os átomos se arranjam em uma estrutura tridimensional

Leia mais

ABioquímica possui, como

ABioquímica possui, como CONCEITOS CIENTÍFICOS EM DESTAQUE Wilmo Ernesto Francisco Junior e Welington Francisco A Bioquímica é uma área interdisciplinar que possui muitas interfaces com a Química. Entretanto, temas associados

Leia mais

Forças intermoleculares, Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier

Forças intermoleculares, Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier , líquidos e sólidos 1 Uma comparação entre líquidos e sólidos As propriedades físicas das substâncias entendidas em termos de teoria cinética molecular : Os gases são altamente compressíveis, assumem

Leia mais

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido ANTICORPOS Anticorpo é uma globulina sintetizada por linfócitos B e principalmente

Leia mais

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLÍMEROS

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLÍMEROS ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLÍMEROS Maria da Conceição Paiva, Guimarães Outubro 2006 Maria da Conceição Paiva 1 ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLÍMEROS Estereoquímica de polímeros Massas moleculares Organização

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SUPRAMOLECULAR DO MATERIAL GENÉTICO

ORGANIZAÇÃO SUPRAMOLECULAR DO MATERIAL GENÉTICO ORGANIZAÇÃO SUPRAMOLECULAR DO MATERIAL GENÉTICO ORGANIZAÇÃO DO MATERIAL GENÉTICO CELULAR Massa compacta, ocupando um volume limitado As suas variadas actividades, tal como replicação e transcrição, têm

Leia mais

32. No que se refere aos componentes do citoesqueleto, uma complexa rede de proteínas que compõe o esqueleto celular, assinale a alternativa correta.

32. No que se refere aos componentes do citoesqueleto, uma complexa rede de proteínas que compõe o esqueleto celular, assinale a alternativa correta. BIOLOGIA CORREÇÃO PROVA PAPILO GOIÁS PROF. WAGNER BERTOLINI Prova tipo C. 31. Acerca das características que diferem células eucarióticas de células procarióticas, é correto afirmar que: (A) a compartimentalização

Leia mais

Proteínas de membrana

Proteínas de membrana Proteínas de membrana a u l a 8 OBJETIVOS Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Reconhecer as diferentes proteínas e carboidratos de membrana de acordo com: sua função (transporte, reconhecimento

Leia mais

Aula: 16 Temática: Estrutura dos aminoácidos e proteínas parte I. Iremos iniciar o estudo da estrutura dos aminoácidos e proteínas.

Aula: 16 Temática: Estrutura dos aminoácidos e proteínas parte I. Iremos iniciar o estudo da estrutura dos aminoácidos e proteínas. Aula: 16 Temática: Estrutura dos aminoácidos e proteínas parte I Acompanhe! Iremos iniciar o estudo da estrutura dos aminoácidos e proteínas. Introdução: A proteína é o composto orgânico mais abundante

Leia mais

Faremos uma breve introdução sobre proteínas usando os livros textos que constam nas referências: Lehninger et al., 1993; Stryer, 1995 e Dose, 1982.

Faremos uma breve introdução sobre proteínas usando os livros textos que constam nas referências: Lehninger et al., 1993; Stryer, 1995 e Dose, 1982. 3. Proteínas Faremos uma breve introdução sobre proteínas usando os livros textos que constam nas referências: Lehninger et al., 1993; Stryer, 1995 e Dose, 1982. 3.1 Estrutura de Proteínas Em animais superiores,

Leia mais

Princípios moleculares dos processos fisiológicos

Princípios moleculares dos processos fisiológicos 2012-04-30 UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aula 5: Princípios moleculares dos processos fisiológicos (Fisiologia Vegetal, Ano

Leia mais

-Estrutura, composição, características. -Aplicações e processamento. -Tecnologias associadas às aplicações industriais.

-Estrutura, composição, características. -Aplicações e processamento. -Tecnologias associadas às aplicações industriais. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Teófilo Otoni - MG Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Tópicos : -Estrutura, composição, características.

Leia mais

- Ácido ribonucléico (ARN ou RNA): participa do processo de síntese de proteínas.

- Ácido ribonucléico (ARN ou RNA): participa do processo de síntese de proteínas. 1- TIPOS DE ÁCIDO NUCLÉICO: DNA E RNA Existem dois tipos de ácidos nucléicos: - Ácido desoxirribonucléico (ADN ou DNA): é o principal constituinte dos cromossomos, estrutura na qual encontramos os genes,

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto 2006/2007. IMUNOGLOBULINAS Drª Renata Ramalho

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto 2006/2007. IMUNOGLOBULINAS Drª Renata Ramalho Faculdade de Medicina da Universidade do Porto 2006/2007 IMUNOGLOBULINAS Drª Renata Ramalho A desgravação desta aula está organizada da seguinte forma: em Times New Roman é feita a transcrição integral

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 Questão 26 Como a questão pede a separação do sólido solúvel do líquido, o único processo recomendado é a destilação simples. Lembrando que filtração e decantação

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR A Biologia Molecular é o estudo da Biologia em nível molecular, com especial foco no estudo da estrutura e função do material genético

Leia mais

Professor Carlos - Proteinas

Professor Carlos - Proteinas 14085. (Fuvest 2001) Os três compostos abaixo têm uso farmacológico Considere as afirmações: I Nas moléculas dos três compostos, há ligações peptídicas. II A porcentagem em massa de oxigênio na dropropizina

Leia mais

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas GENERALIDADES Todo ser vivo consiste de células, nas quais está situado o material hereditário. O número de células de um organismo pode variar de uma a muitos milhões. Estas células podem apresentar-se

Leia mais

A base molecular da vida Constituintes da matéria-viva

A base molecular da vida Constituintes da matéria-viva A base molecular da vida Constituintes da matéria-viva Principais elementos químicos dos seres vivos Quando se analisa a matéria-viva que constitui os seres vivos, encontram-se principalmente os seguintes

Leia mais

Enzimas. Profª Eleonora Slide de aula

Enzimas. Profª Eleonora Slide de aula Enzimas Profª Eleonora Slide de aula Enzimas São proteínas capazes de promover catálise de reações biológicas. Possuem alta especificidade e grande poder catalítico. Especificidade: o substrato sofre ação

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia celular e molecular Cursos: Ciências Biológicas, Enfermagem, Nutrição e TO.

Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia celular e molecular Cursos: Ciências Biológicas, Enfermagem, Nutrição e TO. Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia celular e molecular Cursos: Ciências Biológicas, Enfermagem, Nutrição e TO. Bases Macromoleculares das Células Composição química das células

Leia mais

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Eucarioto: núcleo delimitado por membrana nuclear (carioteca) Portador dos fatores hereditários e controlador

Leia mais

Funções dos lípidos:

Funções dos lípidos: Gorduras ou Lípidos Os lípidos são componentes essenciais de todos os organismos podendo ser obtidos a partir da alimentação ou ser sintetizados pelo nosso organismo. Constituem um grupo heterogéneo de

Leia mais

Replicação do DNA a Nível Molecular

Replicação do DNA a Nível Molecular Replicação do DNA a Nível Molecular Função do DNA Transferência de informação Copiada em DNA (Replicação) Traduzida em proteína Modelo de replicação do DNA proposto por Watson e Crick Replicação ou Duplicação?

Leia mais

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa Reação Ag-Ac in vitro Testes sorológicos Uso de soro ou outros fluidos biológicos de paciente p/ diagnóstico laboratorial Demonstração de anticorpos específicos

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

Transcrição e Tradução. Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Biologia, enfermagem, nutrição e TO.

Transcrição e Tradução. Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Biologia, enfermagem, nutrição e TO. Transcrição e Tradução Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Biologia, enfermagem, nutrição e TO. Tópicos abordados na aula Dogma Central da Biologia Molecular;

Leia mais

Propriedades Físicas de alguns compostos

Propriedades Físicas de alguns compostos Propriedades Físicas de alguns compostos Tipo de ligação e temperatura de fusão COMPOSTO Tipo de ligação T fusão / o C NaCl iónica 801 Cu metálica 1083 Si covalente 1410 H 2 O intermolecular 0 C 6 H 6

Leia mais

ESTEREOQUIMICA ELEMENTOS DE SIMETRIA

ESTEREOQUIMICA ELEMENTOS DE SIMETRIA ESTEREOQUIMIA 1 Prof. ugo Braibante ELEMENTOS DE SIMETRIA Simetria, uma ferramenta matemática e ao mesmo tempo um índice estético, é um meio privilegiado de descobrir algumas belezas da ciência, pois nos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC BC-1105: MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC BC-1105: MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas (CECS) BC-1105: MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES Estrutura Cristalina - arranjo (organização espacial) - simetria -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR ESTUDO DIRIGIDO FLUXO DA INFORMAÇÃO GÊNICA págs:

Leia mais

Análise de Proteínas. Prof. Eduardo Purgatto Depto. de Alimentos e Nutrição Experimental FCF USP. Curso de Graduação Disciplina de Bromatologia Básica

Análise de Proteínas. Prof. Eduardo Purgatto Depto. de Alimentos e Nutrição Experimental FCF USP. Curso de Graduação Disciplina de Bromatologia Básica Análise de Proteínas Prof. Eduardo Purgatto Depto. de Alimentos e Nutrição Experimental FCF USP Curso de Graduação Disciplina de Bromatologia Básica 2013 Proteínas Macromoléculas compostas de AMINOÁCIDOS

Leia mais

ESTUDO DOS TECIDOS ANIMAIS

ESTUDO DOS TECIDOS ANIMAIS TECIDO CONJUNTIVO células pouco numerosas e bastante espaçadas Substância intercelular composição varia de acordo com o tipo de tecido, ex: derme: há uma substância gelatinosa que dá resistência e elasticidade

Leia mais

Histologia do Tecido Muscular

Histologia do Tecido Muscular Histologia do Tecido Muscular Vera Regina Andrade, 2014 Células ou fibras alongadas possuem proteínas contráteis Com capacidade de contração e distensão, proporcionando os movimentos corporais Três tipos

Leia mais

DNA E SÍNTESE PROTEICA

DNA E SÍNTESE PROTEICA Genética Animal DNA e síntese proteica 1 DNA E SÍNTESE PROTEICA Estrutura do DNA: -Molécula polimérica, cujos monômeros denominam-se nucleotídeos. -Constituição dos nucleotídeos: açúcar pentose (5 -desoxirribose)

Leia mais

20/10/2014. TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO

20/10/2014. TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO Poucas células, encontram-se separadas; Presença de grande quantidade de substância intercelular; Substância intercelular ou matriz extracelular Substância fundamental amorfa:

Leia mais

I. Fracionando a vida: Os bioquímicos fracionam um organismo e analisam os componentes individuais.

I. Fracionando a vida: Os bioquímicos fracionam um organismo e analisam os componentes individuais. Bioquímica I: Macromoléculas I. Fracionando a vida: Os bioquímicos fracionam um organismo e analisam os componentes individuais. 1) Qual é a composição atômica das células vivas/organismos? H: 60% O: 25%

Leia mais

ESTRUTURA DO DNA E ORGANIZAÇAO DA ATIVIDADE BIOLÓGICA

ESTRUTURA DO DNA E ORGANIZAÇAO DA ATIVIDADE BIOLÓGICA ESTRUTURA DO DNA E ORGANIZAÇAO DA CROMATINA ATIVIDADE BIOLÓGICA 1 Qual é a natureza química da molécula responsável por estocar a informação genética??? CARACTERÍSTICAS 1. Estocar a informação e transmitir

Leia mais

Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1

Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1 Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1 26/3/2006 CM I 2 Arranjo Periódico de Átomos Sólido: constituído por átomos (ou grupo de átomos) que se distribuem de acordo com um ordenamento bem definido; Esta regularidade:»

Leia mais

Espectroscopia de Raios X

Espectroscopia de Raios X Espectroscopia de Raios X 1. Introdução Raios X O conhecimento da estrutura dos materiais, a maioria dos quais são cristalinos no estado sólido, s é fundamental para a caracterização das propriedades físicas

Leia mais

Bases Moleculares da Hereditariedade

Bases Moleculares da Hereditariedade UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROG. DE PÓS GRAD. EM GENET. E MELHORAMENTO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENET. E MELHORAMENTO Bases Moleculares da Hereditariedade Ministrante: João Paulo

Leia mais

Ultraestrutura da Parede Celular. Prof. Umberto Klock

Ultraestrutura da Parede Celular. Prof. Umberto Klock Ultraestrutura da Parede Celular Química da Madeira Prof. Umberto Klock - UFPR/DETF AT113 - Química da Madeira Prof. Umberto Klock - EF/UFPR Ultraestrutura da Parede Celular Sob forte magnificência da

Leia mais

Síntese Artificial de Peptídeos

Síntese Artificial de Peptídeos Síntese Artificial de Peptídeos Rebeca Bayeh Seminário apresentado para a disciplina Princípios Físicos Aplicados à Fisiologia (PGF530) Prof. Dr. Adriano Mesquita Alencar Segundo semestre de 2013 Motivação

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. (tecido conjuntivo propriamente dito)

TECIDO CONJUNTIVO. (tecido conjuntivo propriamente dito) Definições gerais Estabelece conexões e une os demais tecidos; Sustentação e manutenção da forma (estroma); Caminho para vasos e fibras nervosas; Origem: Mesoderma Características gerais formado por matriz

Leia mais

LIGAÇÕES INTERATÔMICAS

LIGAÇÕES INTERATÔMICAS UNIDADE 2 - LIGAÇÕES INTERATÔMICAS 2.1. FORÇAS DE LIGAÇÃO FORTES Importante conhecer-se as atrações que mantêm os átomos unidos formando os materiais sólidos. Por exemplo, uma peça de cobre contém 8,4x10

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ BIOLOGIA PROVA DE TRANSFERÊNCIA FACULTATIVA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ BIOLOGIA PROVA DE TRANSFERÊNCIA FACULTATIVA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ BIOLOGIA PROVA DE TRANSFERÊNCIA FACULTATIVA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR 02/12/2012 Candidato: GABARITO Curso Pretendido: OBSERVAÇÕES: 01 Prova SEM consulta

Leia mais

QUIMICA ORGÂNICA (Rodrigo Rosa)

QUIMICA ORGÂNICA (Rodrigo Rosa) QUIMICA ORGÂNICA (Rodrigo Rosa) HISTÓRICO Teoria da Força Vital - teoria postulada por Berzelius (1779-1848) na qual afirmava que era necessária uma força especial, desconhecida, somente presentes nos

Leia mais

Painéis Do Organismo ao Genoma

Painéis Do Organismo ao Genoma Painéis Do Organismo ao Genoma A série de 5 painéis do organismo ao genoma tem por objetivo mostrar que os organismos vivos são formados por células que funcionam de acordo com instruções contidas no DNA,

Leia mais

Ficha de Exercícios A Célula (VERSÃO CORRIGIDA) Ano lectivo: 10º ano Turma: Data:

Ficha de Exercícios A Célula (VERSÃO CORRIGIDA) Ano lectivo: 10º ano Turma: Data: Ficha de Exercícios A Célula (VERSÃO CORRIGIDA) Ano lectivo: 10º ano Turma: Data: 1- A célula é uma importante estrutura do mundo vivo. Todos os seres vivos começam por existir sob a forma de célula. Alguns

Leia mais

QUÍMICA FARMACÊUTICA I

QUÍMICA FARMACÊUTICA I PROTÓTIPO QUÍMICA FARMACÊUTICA I AULA 5 Primeiro tipo ou exemplar original, modelo. Diz-se do composto originalmente identificado que apresenta atividade farmacológica in vivo. Profa. Ms. Paula Cristina

Leia mais

Definição. Tecido conjuntivo. Caracterizam-se por Grande quantidade de material extracelular distanciamento das suas células e matriz.

Definição. Tecido conjuntivo. Caracterizam-se por Grande quantidade de material extracelular distanciamento das suas células e matriz. Definição Tecido conjuntivo Caracterizam-se por Grande quantidade de material extracelular distanciamento das suas células e matriz. 1 Células Fixas Livres Componentes Matriz Celular Fibras Colágeno Elásticas

Leia mais

Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano

Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano Teste de avaliação Nome ----------------------------------------------------------------------- Numero -------------------------------

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA Andréia Cristina Hypólito José 11075810 Fernando Caldas Oliveira 11085410 Giovana Zaninelli 11017210 Renato Fernandes Sartori 11061110 Rodrigo de Mello

Leia mais

16-10-2013 BIOQUÍMICA. Aula 4. Estrutura proteica (cont.) Métodos de análise de proteínas. Proteínas estrutura secundária

16-10-2013 BIOQUÍMICA. Aula 4. Estrutura proteica (cont.) Métodos de análise de proteínas. Proteínas estrutura secundária BIOQUÍMICA Aula 4 Estrutura proteica (cont.) Métodos de análise de proteínas Proteínas estrutura secundária 1 Proteínas estrutura terciária A estrutura terciária relaciona-se com a associação dos elementos

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão Teoria física sobre a luz, a cor e a visão No século XVII, Newton aproveitou um feixe de luz do Sol, que atravessava uma sala escura, fazendo-o incidir sobre um prisma de vidro. Verificou que o feixe se

Leia mais

Sistema Muscular. Elementos de Anatomia e Fisiologia Humana

Sistema Muscular. Elementos de Anatomia e Fisiologia Humana Os ossos e as articulações fornecem a estrutura e o suporte do corpo humano mas, por si só, não conseguem mover o corpo. O movimento depende do sistema muscular e, é conseguido pela contracção e relaxamento

Leia mais

Bioquímica. Purificação de proteínas

Bioquímica. Purificação de proteínas Bioquímica Purificação de proteínas Estratégia geral - Liberação da proteína do material biológico - Podem ser separados por fracionamento celular - Pode-se separar proteínas por características: Solubilidade

Leia mais

QUIMICA ORGÂNICA BÁSICA

QUIMICA ORGÂNICA BÁSICA QUIMICA ORGÂNICA BÁSICA Hibridização Revisão - Química Orgânica Básica 1 Tabela Periódica 2 Moléculas Diatômicas 3 Moléculas Poliatômicas 4 Eletronegatividade 5 A interação da luz e a matéria 6 Hibridização

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz TRANSCRIÇÃO DNA A transcrição é o processo de formação de uma molécula de RNA a partir de uma molécula molde

Leia mais

No exemplo dado, a molécula sinal representa: a) um neurotransmissor. b) uma enzima. c) um hormônio. d) um anticorpo.

No exemplo dado, a molécula sinal representa: a) um neurotransmissor. b) uma enzima. c) um hormônio. d) um anticorpo. 10 P R O V A D E B I O L O G I A Q U E S T Ã O 1 6 O ambiente no qual vivemos está repleto de sinais. Nossos órgãos de sentido respondem à luz, aos odores, ao tato e ao som. Porém, quando nos referimos

Leia mais