Processos para Desenvolvimento de Aplicações Web

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processos para Desenvolvimento de Aplicações Web"

Transcrição

1 ISSN Mngrafias em Ciência da Cmputaçã n 23/09 Prcesss para Desenvlviment de Aplicações Web Mark Duglas de Azeved Jacynth Departament de Infrmática PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO RUA MARQUÊS DE SÃO VICENTE, CEP RIO DE JANEIRO - BRASIL

2 Mngrafias em Ciência da Cmputaçã, N. 23/09 ISSN: Editr: Prf. Carls Jsé Pereira de Lucena Julh, 2008 Prcesss para Desenvlviment de Aplicações Web Mark Duglas de Azeved Jacynth Abstract. Web applicatin develpment presents significant differences frm cnventinal applicatin develpment. The spectrum varies frm technical t rganizatinal differences. Technical means the specific architectures and technlgies emplyed and the impacts invlved. Organizatinal is related t the strategic use f these applicatins aiming at imprving the business. Amng ther issues, uncertainty, vlatility and high cmpetitiveness are innate characteristics which must be carefully addressed. Therefre, the nature f web engineering suggests the need f specialized sftware prcesses that cver, in a systematic way, the cmplete life cycle f hypermedia web applicatins, in cntrast t adpting ad-hc appraches t cmply with the cnstraints impsed by this applicatin dmain. This essay presents an abridge discussin cncerned with the impact f these differences n develpment prcess fr web applicatins, analyzing sme prpsals, indentifying the requirements and challenges. This wrk intends t be an initial step twards the definitin f a prcess suitable t web develpment, in dimensins such as requirements gathering, user interface, testing and navigatin design. Keywrds: web prcess, web engineering, web develpment, sftware prcess, sftware engineering, sftware develpment. Resum. Desenvlviment de aplicações web apresenta diferenças significativas cm relaçã a desenvlviment de aplicações cnvencinais. O espectr varia desde diferenças técnicas até rganizacinais. Diferenças técnicas significam as arquiteturas e tecnlgias específicas empregadas e s impacts envlvids. Já as rganizacinais sã relacinadas a us estratégic destas aplicações visand melhrar negóci. Dentre utrs fatres, incerteza, vlatilidade e alta cmpetitividade sã características inerentes que precisam ser cnsideradas. Pr cnseguinte, a natureza da engenharia para web sugere a necessidade de prcesss de sftware especializads que atendam, de frma sistemática, cicl de vida cmplet de aplicações web hipermídia, em cntraste cm a adçã de abrdagens ad-hc para lidar cm as restrições impstas pr este dmíni de aplicações. Esta mngrafia apresenta uma breve discussã sbre impact destas diferenças em prcesss de desenvlviment para aplicações web, analisand algumas prpstas, identificand s requisits e desafis. Este trabalh pretende ser um pass inicial rum à definiçã de um prcess aprpriad para desenvlviment web, em dimensões cm levantament de requisits, interface cm usuári, testes e prjet de navegaçã. Palavras-chave: prcess web, engenharia para web, desenvlviment web, prcess de sftware, engenharia de sftware, desenvlviment de sftware. Trabalh patrcinad pel Ministéri de Ciência e Tecnlgia da Presidência da República Federativa d Brasil (e CNPq, prcess: /2007-4).

3 Respnsável pr publicações: Rsane Teles Lins Castilh Assessria de Bibliteca, Dcumentaçã e Infrmaçã PUC-Ri Departament de Infrmática Rua Marquês de Sã Vicente, Gávea Ri de Janeir RJ Brasil Tel Fax: Web site: ii

4 Sumári 1 Intrduçã Prcesss Orientads a Plan versus Prcesss Ágeis Organizaçã da Mngrafia 3 2 Diferenças entre Aplicações Web e Aplicações Cnvencinais Diferenças Técnicas Diferenças Organizacinais 5 3 Requisits de um Prcess de Desenvlviment Web 6 4 Duas Prpstas Existentes XWebPrcess OPEN-Web Prcess 14 5 Avaliaçã das Prpstas Apresentadas 19 6 Cnsiderações Finais 23 i

5 Índice de Figuras Figura 1. Passs de criaçã d XWebPrcess [Sampai et al, 2004a]... 9 Figura 2. Visã dinâmica d XWebPrcess [Sampai et al, 2004a] Figura 3. Explraçã n XWebPrcess [Sampai et al, 2004a] Figura 4. Requisits n XWebPrcess [Sampai et al, 2004a] Figura 5. Análise e Design n XWebPrcess [Sampai et al, 2004a] Figura 6. Navegaçã e Apresentaçã n XWebPrcess [Sampai et al, 2004a] Figura 7. Testes Web n XWebPrcess [Sampai et al, 2004a] Figura 8. Suprte Web n XWebPrcess [Sampai et al, 2004a] Figura 9. Cmpnentes d meta-prcess OPEN [OPEN] Figura 10. Wrk Units d meta-prcess OPEN [Lwe e Hendersn-Sellers, 2001] Figura 11. Exempl de Stages d OPEN [OPEN] Figura 12. Instanciaçã d framewrk OPEN [OPEN] ii

6 1 Intrduçã Váris prcesss de sftware têm sid prpsts a lng ds ans. Essencialmente tds tentam definir um radmap que guie desenvlviment, identificand quem está fazend quê, nde, pr que, cm e quand. Um prcess de sftware é definid cm um cnjunt de atividades interdependentes que visam desenvlver, manter e gerenciar sistemas de sftware. Estas atividades pdem ser cmpstas de utras atividades e sã executadas pr atres que desempenham um papel n prcess (prgramadr, gerente, cliente, etc.). Cm resultad das atividades, sã prduzids artefats (códig, dcumentaçã, mdels) que servem de entrada para utras atividades para prduzir nvs artefats. Sem um prcess de sftware, risc de falha d prjet se trna muit alt, em especial para as aplicações web mdernas cuja cmplexidade nã pára de crescer. Cm passar ds ans, as aplicações web evluíram rapidamente de simples web sites cuj prpósit era apenas navegaçã sbre a infrmaçã para verdadeirs sistemas de infrmaçã altamente cmplexs, replets de dads e transações, vltads para a implementaçã de prcesss de negóci intra- e inter-rganizaçã. Diante deste quadr, a necessidade de um prcess de sftware sistemátic que ajude a gerenciar cicl de vida de tais aplicações surge naturalmente. Pder-se-ia argumentar que sistemas web nã sã diferentes, sb pnt de vista de prcess de sftware, de sistemas de sftware cnvencinais. Nã bstante, existe um crescente recnheciment que sistemas web pssuem características particulares que nã sã aprpriadamente cnsideradas pels prcesss de sftware tradicinais. O desenvlviment de aplicações web é realizad pr equipes multidisciplinares, cm diferentes habilidades, em prazs curtíssims ditads pela vraz cncrrência e em um cntext extremamente vlúvel, marcad pr incertezas. Para cmpletar, sistemas web sã tecnlgicamente muit abstruss, reunind padrões, prtcls e tecnlgias diversas na definiçã de uma arquitetura que encapsule em um frnt-end amigável um back-end que pde ser pr demasiad cmplex e hetergêne. Em muits cass, as equipes de desenvlviment, acmetidas pelas severas restrições de temp, adtam sluções ad-hc para cnstruir tais aplicações. Neste cenári, sucess d prjet depende muit da habilidade e cnheciment ds membrs da e- quipe, cm s usuais efeits claterais negativs em flexibilidade, qualidade e rbustez da aplicaçã [Sampai et al, 2004a]. Cm é de se esperar, paralelamente às diferenças, também c-existem pnts em cmum entre aplicações web e cnvencinais. Prtant, um caminh interessante seria delinear as peculiaridades deste dmíni de aplicaçã e adaptar u enriquecer prcesss de sftware já existentes de frma a cntemplar mais claramente as necessidades específicas da web. Sb a ótica deste trabalh, é imprtante ressaltar a diferença entre aplicaçã na web e aplicaçã web. Aplicaçã na web é qualquer tip de aplicaçã que utiliza a web cm ambiente de execuçã. Um simples repsitóri de arquivs u uma aplicaçã cm estil tradicinal desktp, cmpsta apenas pr buscas e frmuláris, sã exempls de aplicaçã na web. Já aplicações web sã aquelas que, necessariamente, explram paradigma hipermídia. Em utras palavras, n cntext deste trabalh, smente sã cnsideradas aplicações web aquelas que pssuem uma estrutura navegacinal bem defini- 1

7 da, fazend jus a element fundamental da web que é a nçã de hiperlink. O grande desafi das aplicações web mdernas é integrar, elegantemente, dis paradigmas capitais: hipermídia e transaçã. Send assim, este trabalh prcurar evidenciar s requisits que um prcess de desenvlviment de sftware precisa atender de md a ser, efetivamente útil, nesta integraçã. Esta mngrafia cnsidera as diferenças entre aplicações web e cnvencinais, destacand as implicações na definiçã de um prcess de sftware para web. Para tal, é definida uma lista de requisits que um prcess web deve atender e, cm base nesta, sã analisadas duas prpstas existentes. 1.1 Prcesss Orientads a Plan versus Prcesss Ágeis Mais recentemente s prcesss de sftware passaram a ser classificads em duas categrias: rientads a plan e ágeis. Prcesss rientads a plans sã prcesss mais rigrss, preditivs pr natureza, nde existe um plan que prcura antever prblemas e as respectivas sluções. A lng d desenvlviment tdas as decisões de prjet sã dcumentadas e cntrladas, antes de serem implementadas. O fc é n prcess, u seja, institucinalizar um prcess de sftware e segui-l a risca. Este prcess deve ser cntinuamente aprimrad. Sã exempls: CMMI - Capability Maturity Mdel Integratin [Chrissis et al, 2003], TSP - Team Sftware Prcess [Humphrey, 2000], PSP - Persnal Sftware Prcess [Humphrey, 1995], SPICE - Sftware Prcess Imprvement and Capability determinatin [SPICE]. Pr utr lad, prcesss ágeis têm fc n prdut em si, u seja, mais imprtante é entregar sftware em detriment de dcumentaçã. Sã reativs pr natureza, nde atitudes sã tmadas sb demanda e é desenvlvid smente necessári e quand necessári. Trata-se de um desenvlviment iterativ e incremental nde, cnstantemente, sã entregues nvs releases d prdut a cliente. As idéias pdem ser encntradas n Agile Manifest [Agile Manifest]. Os elements centrais d manifest sã: Pessas e interações sã mais imprtantes d que prcesss e ferramentas; Sftware executável é mais imprtante d que dcumentaçã; Clabraçã d cliente é mais imprtante d que negciaçã pr cntrat; Reaçã a mudanças é mais imprtante d que plan pré-definid. Prcesss rigrss e prcesss ágeis, ambs têm suas vantagens e desvantagens. Nã existe prcess crret u incrret, existe prcess adequad e inadequad, u seja, para cada tip de prjet é necessári encntrar um pnt de equilíbri entre as duas abrdagens e definir um prcess híbrid que traga benefícis reais [Bhem e Turner, 2004]. Independentemente de quã rigrs u ágil seja prcess, fat é que tems que levar em cnsideraçã cm cntemplar s requisits presentes n desenvlviment web, discutids a lng deste trabalh. N entant, caráter altamente mutável das aplicações web ns leva a crer que uma abrdagem mais ágil venha mais a encntr deste dmíni de aplicações d que um prcess mais rigrs. 2

8 1.2 Organizaçã da Mngrafia A secçã 2 explra as diferenças entre sistemas web e sistemas cnvencinais. Em seguida, na secçã 3, sã enumerads s requisits que devem ser levads em cnsideraçã quand da elabraçã de um prcess de desenvlviment para web. Para trnar a discussã mais cncreta, a secçã 4 apresenta duas prpstas de prcess web existentes. Seguind na mesma linha, na secçã 5, as prpstas apresentadas sã analisadas de acrd cm s requisits descrits anterirmente. Encerrand, a secçã 6 delineia as cnsiderações finais. 2 Diferenças entre Aplicações Web e Aplicações Cnvencinais Existe um cnjunt de diferenças que justificam a necessidade de uma atençã especial a desenvlviment de aplicações web. Algumas características sã únicas de sistemas web, utras também estã presentes ns sistemas cnvencinais, mas sã mais prnunciadas na web. Cm base em [Lwe e Hendersn-Sellers, 2001] e [Kappel et al, 2004], estã secçã destaca tais diferenças que servem cm base para a definirms s requisits necessáris para a definiçã de um prcess de desenvlviment para web. A distinçã é feita primeiramente sb um enfque técnic e, em seguid, questões rganizacinais sã discutidas. 2.1 Diferenças Técnicas Claramente existem diferenças técnicas entre sistemas web e cnvencinais. As mais significantes sã: Diferenças relativas à aplicaçã: Cnteúd: a web é essencialmente um mei de infrmaçã. Além da funcinalidade, uma aplicaçã web é rientada a cnteúd. Cnteúd cmpreende dads estruturads (banc de dads, pr exempl) e nã estruturads (arquivs texts, vídes, etc.). Além diss, cnteúd é dinâmic, precisa ser cntinuamente atualizad e de qualidade em terms de cnsistência e cnfiabilidade. Ist implica em um efetiv prjet de infrmaçã, bem cm gerenciament de cnteúd a- prpriad. Hipertext: na web paradigma fundamental para estruturar a infrmaçã é nçã de hipertext, nde s elements básics sã: nós, els (links) e âncras que ativam estes els. Os nós exibem infrmações e s els ns permitem navegar entre s nós. Ist requer um prjet cuidads e estratégic de navegaçã que preserve a qualidade de acess e evite desrientaçã e sbrecarga cgnitiva. Apresentaçã: lk and feel da aplicaçã web é um fatr de qualidade essencial uma vez que usuáris pdem facilmente abandnar site e ir para utr cncrrente. Nã existe um manual de usuári, prtant a interface tem que ser aut-explicativa, intuitiva e cnsistente cm estil de interaçã. Além diss, a aparência visual está sujeita a mdism, tendências e nvas características técnicas que surgem tds s dias. 3

9 Requisits nã-funcinais de qualidade: requisits de qualidade cm dispnibilidade 24/7, perfrmance, usabilidade, escalabilidade, rbustez e segurança se trnam ainda mais crítics quand expsts externamente a públic. Diferenças relativas a us: Ubiqüidade: à medida que a necessidade de ubiqüidade (u seja, a pssibilidade de acessar a aplicaçã pr diferentes tips de dispsitivs, em diferentes cntexts de us) das aplicações cresce, trna-se necessári prjetar diferentes visões da aplicaçã, uma para cada cntext de us. Infra-estrutura tecnlógica imprevisível: juntamente cm crescente caráter ubíqu, surge uma enrme variedade de dispsitivs de usuári final, cm diferentes capacidades de hardware e sftware, diferentes tamanhs e versões de navegadres. Cnexões de rede diferem cm respeit à largura de banda, cnfiabilidade, estabilidade e dispnibilidade, afetand a questã de QS (qualidade de serviç). Pr fim, usuáris cnfiguram livremente seus navegadres, pdend desabilitar imprtantes funcinalidades. Diferenças relativas a desenvlviment: Ambiente de desenvlviment: a infra-estrutura técnica usada para desenvlver sistemas web é caracterizada pr exacerbada vlatilidade e hetergeneidade. As aplicações sã freqüentemente cnstruídas a partir de cmpnente COTS (cmmercial ff-the-shelf) que sã adaptads e integrads, particularmente para as camadas internas de middleware. Dentre estes cmpnentes se destacam servidres de aplicaçã e framewrks de aplicaçã e persistência. Ist aumenta a imprtância de criar sluções flexíveis que pssam migrar para nvas tecnlgias cm puc esfrç. Outra cnseqüência é dmíni restrit destas tecnlgias pr parte da equipe, aumentand risc d prjet e demandand um cnstante aprimrament d cnheciment. Integraçã cm sistemas legads: aplicações web cstumeiramente precisam se integrar cm sistema legads. Sã sistemas cm interfaces antigas e inaprpriadas que, prtant, precisam ser encapsuladas e adaptadas (wrapping). Este encapsulament é trabalhs e existe risc de nã ser feit de frma crreta e cmpleta. Sistemas legads raramente sã dcumentads e freqüentemente sã mdificads sem ntificaçã, afetand a execuçã d sistema web. Além diss, as tecnlgias para encapsulament sã várias e estã sempre mudand (pr exempl, encapsulament via web services). 4

10 2.2 Diferenças Organizacinais Sb pnt de vista rganizacinal, as diferenças mais preminentes sã: Diferenças relativas a desenvlviment: Incerteza d cliente: devid à alta dinamicidade da web, este dmíni de aplicações nã é bem cmpreendid pels interessads (também chamads de stakehlders). Freqüentemente cliente tem prblemas em articular suas necessidades, bem cm em cmpreender se um determinad design satisfaz suas expectativas. Além diss, é muit cmum a existência de prjets rientads pr uma idéia visinária a invés de uma necessidade bem definida. Ist aumenta a necessidade de desenvlviment incremental basead em prtótips. Alta vlatilidade ds requisits de negóci: frtemente relacinada à questã anterir está a falta de clareza, pr parte d cliente, sbre s reais impacts que a aplicaçã web traz para negóci. Send assim, nã é surpresa esperar que escp e fc d prjet mudem cnsideravelmente a lng d desenvlviment. À medida que a empresa vai aumentand sua participaçã na web, própri mdel de negóci da empresa pde mudar diante de nvas prtunidades utrra descnhecidas. Cicls de desenvlviment muit curts: prjets web, em geral, têm prazs mais curts d que prjets cnvencinais, cmumente de um a três meses. Alta cmpetitividade: a cncrrência na web é muit mais intensificada pela facilidade d usuári final visitar váris sites em um curt espaç de temp. Prtant, a aplicaçã precisa estar sempre atualizada e atraente de acrd cm as tendências atuais. Equipes multidisciplinares: desenvlviment de uma aplicaçã web é um esfrç multidisciplinar, envlvend prfissinais das mais diversas áreas, cm habilidades bem díspares. Sã designers gráfics, autres, engenheirs de sftware, prgramadres, publicitáris, cnsultres de negóci, entre utrs. Em geral, há muit jvens inexperientes inclinads a empregar tecnlgias nvas de frma ad-hc. Evluçã e manutençã de granularidade fina: aplicações web estã sujeitas a mudanças diárias e permanente evluçã. Tipicamente tems um prcess cntínu de atualizaçã de cnteúd, mudanças editriais, ajustes de interface, etc. Sem falar nas mudanças tecnlógicas mais radicais. Diferenças relativas a us: Diversidade de tips de usuári: na web s usuáris variam em i- dade, cnheciment sóci-cultural, bjetivs, intenções, habilidades e capacidades. Esta hetergeneidade, diferentes perfis de usuári, precisa ser cnsiderada, dad que na web s usuáris sã inteiramente livres para esclherem as aplicações que lhe frem mais cnvenientes. 5

11 Saznalidade (u características temprárias): aplicações pssuem requisits que sã saznais u tempráris, u seja, infrmações e/u funcinalidades que sã ferecidas, estrategicamente, pr uma faixa de temp, que pde se repetir u nã. Um exempl sã s cntexts navegacinais relacinads a períd natalin. Analisand que fi expst nesta secçã, percebe-se que um prcess de desenvlviment vltad para aplicações web é caracterizad pr freqüentes mudanças e ajustes, que sã necessárias devid à rápida evluçã tecnlógica, a surgiment de nvas tendências, à vlatilidade ds requisits e as crngramas apertads. Um prcess para web precisa ser altamente iterativ, flexível e rientad a prtótips. 3 Requisits de um Prcess de Desenvlviment Web Sb a luz das diferenças descritas anterirmente e d trabalh expst em [McDnald e Welland, 2004], fram identificads dezessete requisits que um prcess de desenvlviment de aplicações web deve pnderar. Cm era de se esperar, estes requisits se cnfundem cm s requisits que um métd de especificaçã de aplicações web (pr exempl, OOHDM [Rssi, 1996]) deve cntemplar, refrçand a imprtância d empreg de um métd desta natureza a lng d prcess. Send assim, um prcess web deve dar suprte para: 1. Autria (u engenharia) de cnteúd; 2. Autria (u engenharia) de navegaçã sbre cnteúd; 3. Autria (u engenharia) de apresentaçã (interface); 4. Ubiqüidade; 5. Definiçã de arquitetura multicamadas 5.1. Esclha, adaptaçã e utilizaçã de framewrks e cmpnentes; 5.2. Integraçã cm sistemas legads; 5.3. Distribuiçã das camadas entre servidres; 5.4. Definiçã d que rda n navegadr e d que rda n servidr; 6. Cicls de vida de desenvlviment curts; 7. Equipes multidisciplinares; 8. Desenvlviment cncrrente de pequenas equipes em tarefas interdependentes; 9. Pesquisa de mercad; 10. Incerteza d cliente e vlatilidade ds requisits; 11. Reengenharia de mdels de negóci a partir de mdels da aplicaçã; 12. Análise de negóci e avaliaçã junt a usuári final; 13. Diferentes perfis de usuári (persnalizaçã); 14. Requisits explícits (funcinais e nã-funcinais); 15. Testes rigrss cm relaçã as requisits; Teste de perfrmance, escalabilidade e resiliência; 6

12 16. Autria (engenharia) de Segurança Autrizaçã pr papéis de usuári (user rle); Definiçã de quais transações sã críticas (precisam de criptgrafia) e nã-críticas; 17. Manutençã e evluçã em granularidade fina. 4 Duas Prpstas Existentes Diante da crescente necessidade de um prcess de desenvlviment vltad para a- plicações web, a lng ds últims ans, alguns prcesss específics e evluções de prcesss de sftware tradicinais fram prpsts para web. A seguir, serã brevemente descrits dis prcesss. Uma prpsta ágil chamada XWebPrcess e uma prpsta mais rigrsa chamada OPEN-Web Prcess. 4.1 XWebPrcess XWebPrcess [Sampai, 2004] [Sampai et al, 2004a] [Sampai et al, 2004b] é um prcess ágil para desenvlviment de aplicações web basead ns princípis d XP (Extreme Prgramming) [Beck, 2000]. O XWebPrcess é resultad da adaptaçã d XP para lidar melhr cm imprtantes questões de sistemas web: interfaces cm usuári cmplexas, navegaçã, requisits nã-funcinais (distribuiçã, cncrrência, balanceament de carga), testes e suprte de infra-estrutura. Uma vez que XWebPrcess deriva d XP, é interessante, em primeir lugar, apresentar uma breve descriçã d XP. O prcess ágil XP cnfia em cinc pilares de valr: Cmunicaçã: significa que s membrs da equipe devem interagir cnstantemente para discutir s prblemas e prpr sluções. Além diss, cliente, alguém que represente, deve ser um membr ativ da equipe para elucidar s requisits e regras de negóci envlvids; Feedback: implica que cada membr da equipe (prgramadr, gerente, cliente, etc.) deve frnecer feedback cnstante sbre s prblemas encntrads para reslvê-ls quant antes; Simplicidade: cnsiste em esclher a sluçã mais simples que funcine, u seja, evitar cmplexidade e trabalh desnecessári. Fazer estritamente necessári e cm design mais simples. Pssíveis prblemas que surjam em funçã desta decisã sã minimizads cm práticas cm refactring e testes autmatizads; Cragem: é precis ter cragem para substituir que está ruim u errad pr alg que esteja melhr u crret. Ou seja, nã tenha med de fazer refactring em grandes partes d códig quand necessári, bem cm descartar requisits que se trnem bslets. Respeit: s membrs da equipe têm que respeitar uns as utrs. N XP, prgramadres nunca devem cnfirmar mdificações que façam prgrama parar de cmpilar, que façam s testes falharem, u cas cntrári atrasam trabalh de seus cmpanheirs. Devem sempre primar pela qualidade. Sb 7

13 utra ótica, nenhum membr da equipe deve se sentir rejeitad u ignrad, de frma a manter a equipe sempre feliz e mtivada. Para subsidiar s quatr pilares acima, XP prpõe algumas práticas que sã, resumidamente, descritas a seguir: Planning game (Jg de Planejament): um release deve ser menr pssível (dis a três meses). Cada release é dividid em iterações semanais (duas a três semanas), nde histrietas (pequens cass de us) sã implementads. N iníci da semana, desenvlvedres e cliente reúnem-se para analisar as funcinalidades. O esfrç estimad para implementar cada histrieta é definid pels prgramadres e cliente define a priridade da histrieta. Small Releases (Pequenas Versões): um release deve ser pequen de frma a facilitar desenvlviment, bem cm prcess de aceitaçã e satisfaçã pr parte d cliente. Metaphr (Metáfra): metáfra d sistema é uma história que tds (clientes, prgramadres, gerentes, etc.) pdem cntar sbre cm sistema funcina. Enfim, uma história que facilite entendiment cmum sbre s cnceits (abstrações) envlvids. Simple Design (Prjet Simples): prjetar, de frma simples, estritamente necessári sb demanda. Whle Team (Equipe Cesa): cliente deve ser um membr efetiv da e- quipe, dispnível para esclarecer eventuais questinaments. Custmer Tests (Testes de Aceitaçã): testes cnstruíds pel cliente, em cnjunt cm analistas e testadres, para validar um u mais requisits d sistema. Também chamads de testes funcinais. Sustainable Pace (Ritm Sustentável): a equipe deve trabalhar em um ambiente adequad e agradável, sempre mtivada e sb um ritm de trabalh saudável (40 hras/semana, 8 hras/dia) sem hras extras. Hras extras smente se frem impreterivelmente necessárias. Stand-up Meeting (Reuniões em Pé): reuniões em pé (pr exempl, n iníci d dia) para nã perder fc, smente abrdand que fi realizad e próximas tarefas a realizar. Estas reuniões devem ser de curta duraçã. Cllective Ownership (Psse Cletiva): códig fnte é um bem cmum, u seja, qualquer membr da equipe pde alterar qualquer parte d códig sem precisar pedir permissã. Tds devem ter cnheciment de tdas as partes d códig. Pair Prgramming (Prgramaçã em Par): td códig é prduzid pr um par de prgramadres. Um prgramadr cdifica e utr analisa, sugerind melhraments e prevenind errs. Os pares sã freqüentemente mdificads, fazend cm que s prgramadres participem d desenvlviment de diferentes histrietas, btend, desta frma, um cnheciment geral de td sistema; Cding Standards (Padrões de cdificaçã): devem ser definids padrões (regras) de estruturaçã d códig. Estas regras devem ser seguidas, garantind assim uma hmgeneidade em td códig, facilitand entendiment. 8

14 Test Driven Develpment (Desenvlviment Orientad a Testes): primeir crie s testes unitáris e, smente depis, crie códig que passe ns testes. Tal prática ajuda a manter a qualidade d prjet. Refactring (Refatraçã): códig deve ser, sempre que necessári, melhrad, sem alterar a funcinalidade. Juntamente cm testes autmatizads (autmated testing) ajuda a manter a qualidade d códig, dad que tda vez que crre uma alteraçã tds s testes, na íntegra, têm que ser passads cm sucess. Tda funcinalidade pde ser alterada pr qualquer membr da equipe. Cntinuus Integratin (Integraçã Cntínua): a equipe de desenvlviment deve trabalhar sempre na última versã d prjet. Sempre que uma nva funcinalidade fr prduzida e passar ns testes, esta deve ser integrada a versã atual d sistema, n repsitóri de códig. Ist evita atrass mais tarde devid a prblemas de integraçã. O prcess XWebPrcess fi criad adaptand elements d XP e adicinad nvs elements de frma a custmizar XP para dmíni web. Primeiramente XP fi mdelad usand meta-mdel SPEM [SPEM] para melhr entendiment. Em seguida, cm base nas características das aplicações web, mdel SPEM d XP fi enriquecid gerand mdel SPEM d XWebPrcess. Send assim XWebPrcess pde ser vist cm uma extensã d XP, cm mstra a figura 1. Figura 1. Passs de criaçã d XWebPrcess [Sampai et al, 2004a] O XWebPrcess é descrit, em SPEM, usand duas visões: visã dinâmica e estrutural. A visã dinâmica mstra cm as disciplinas 1 estã relacinadas entre si durante a execuçã d prcess, a lng d temp. Já a visã estrutural descreve a estrutura interna de cada disciplina, destacand atividades, artefats prduzids e atres envlvids, bem cm s relacinaments entre eles. A figura 2 ilustra a visã dinâmica d XWebPrcess. Nesta figura, as disciplinas em destaque sã disciplinas inseridas u mdificadas n XP. 1 Uma disciplina em SPEM representa um cnjunt de elements de prcess relacinads (atividades, artefats, atres) agrupads pr um tema cmum. Exempls de disciplinas sã: análise, design, testes, etc. 9

15 Figura 2. Visã dinâmica d XWebPrcess [Sampai et al, 2004a] O prcess cmeça cm uma disciplina explratória que fi mdificada para incluir sessões de prtótip. O bjetiv é avaliar, junt a cliente e analistas de negóci, tecnlgias, arquiteturas e prtótips para verificar a viabilidade d prjet e definir s requisits iniciais. Em seguida, tems a disciplina de definiçã e revisã ds requisits. Nesta, clientes e prgramadres definem as histrietas para próxim release. Prgramadres estimam esfrç necessári para cada histrieta e s clientes definem as priridades das histrietas. Esta disciplina fi mdificada para incluir uma atividade de design de arquitetura, visand definir uma estrutura flexível que permita, mais facilmente, integraçã cm utrs sistemas e adiçã de nvas tecnlgias. Cm as histrietas em mãs, clientes e prgramadres planejam próxim release, selecinand as histrietas a serem implementadas. Dentr de cada release, várias interações crrem. Em cada iteraçã, histrietas sã implementadas e testadas. Para cada iteraçã crrem as seguintes disciplinas: planejament de iteraçã, design, escrita de teste de unidade, cdificaçã, teste e integraçã. A disciplina de design fi mdificada para incluir a atividade de design da camada de dads. Durante uma iteraçã, pde haver mudanças ns requisits e estimativas anterires precisam ser reavaliadas. Escrita de testes funcinais, bem cm design de na- 10

16 vegaçã e apresentaçã sã feits em paralel cm as atividades anterires. A disciplina de design de navegaçã e apresentaçã fi inserida devid à inquestinável imprtância que estes dis aspects têm em uma aplicaçã web. Quand a iteraçã termina, é necessári verificar se que fi implementad esta em cnfrmidade cm que se esperava. Prtant, sã executads testes funcinais para tal prpósit. Além diss, fi inserida a disciplina de testes web para verificar se s requisits nã funcinais fram atendids. Se fr a última iteraçã d release, a versã crrente d sistema é psta em prduçã. Depis d primeir release d sistema, entre em cena a disciplina de suprte web que fi inserida cm prpósit de lidar cm a rganizaçã de cmpnentes de hardware e sftware que fazem parte d web site. O prcess termina quand tdas as histrietas tiverem sid implementadas e pstas em prduçã. Tend descrit a dinâmica d prcess, a seguir será apresentada a estrutura interna de cada disciplina mdificada u inserida n XP, u seja, as disciplinas em destaque da figura 2. Para cada disciplina será apresentada um mdel, similar a um diagrama de classes, usand estereótips d SPEM. Nvamente, em cada figura, serã destacads s elements que fram mdificads u inserids n XP. As disciplinas de explraçã e definiçã de requisits sã expstas pelas figuras 3 e 4, respectivamente. Na disciplina de explraçã fram incluídas sessões de prtótip. O web designer é respnsável pela atividade de prttipagem cuja saída é um prtótip, criad cm ajuda de técnicas de prttipagem. Já a disciplina de requisits fi mdificada para incluir a definiçã da arquitetura geral da aplicaçã. Esta arquitetura é muit imprtante, pis é usada em tdas as atividades subseqüentes. Quem define mdel de arquitetura é um desenvlvedr experiente que entenda de reus, manutençã, flexibilidade e perfrmance. 11

17 Figura 3. Explraçã n XWebPrcess [Sampai et al, 2004a] Figura 4. Requisits n XWebPrcess [Sampai et al, 2004a] A disciplina de análise e design, apresentada na figura 5, fi mdificada para incluir a atividade de design de camada de dads, executada pel DBA. Esta atividade pde ser tã simples quant definir esquema de um únic banc de dads relacinal u tã cmplexa quant fazer a mediaçã entre várias fntes de dads hetergêneas. A figura 6 apresenta uma das mais imprtantes disciplinas inseridas: navegaçã e apresentaçã. O web designer elabra design de navegaçã, assistid pel prgramadr e arquitet. Para prjetar a navegaçã, métds cm OOHDM [Schwabe e Rssi, 1995] [Schwabe e Rssi, 1998] sã muit bem vinds, pis pssuem primitivas cm este prpósit específic. O web designer também é respnsável pr prjetar a interface abstrata e, cm base nesta, a interface física. 12

18 Figura 5. Análise e Design n XWebPrcess [Sampai et al, 2004a] Figura 6. Navegaçã e Apresentaçã n XWebPrcess [Sampai et al, 2004a] Para finalizar, as disciplinas de testes web e suprte web sã mstradas na figuras 7 e 8, respectivamente. Na disciplina de teste, um prgramadr executa s testes, pdend ser assistid pel cliente, que s valida, e pel analista de suprte que cnfigura td ambiente para que s testes pssam ser realizads. Já na disciplina de suprte, administradr d web site realiza duas atividades: gerenciament de cnteúd e gerenciament de infra-estrutura (scripts, páginas, cmpnentes, vídes, áudi, etc.). Figura 7. Testes Web n XWebPrcess [Sampai et al, 2004a] Figura 8. Suprte Web n XWebPrcess [Sampai et al, 2004a] 13

19 4.2 OPEN-Web Prcess OPEN-Web Prcess [Haire et al, 2001] [Lwe e Hendersn-Sellers, 2001] é uma extensã d prcess OPEN [OPEN] [Graham et al, 1997] [Hendersn-Sellers et al, 1998] para desenvlviment de aplicações web. OPEN (Object-Oriented Prcess, Envirnment, and Ntatin) é um framewrk de prcess, cnhecid pr OPF (OPEN Prcess Framewrk) que abrange cicl de vida cmplet de desenvlviment, incluind aspects de negóci e de sftware. Trata-se de um meta-prcess, a partir d qual pde ser gerad um prcess específic (instância) para uma dada rganizaçã. OPEN fi desenvlvid e é mantid pr um cnsórci, sem fins lucrativs, cmpst pr pesquisadres, acadêmics, desenvlvedres e empresas. Cm pde ser vist na figuras 9 e 10, s maires cmpnentes deste meta-mdel sã: Wrk Prducts (artefats): s cmpnentes que sã desenvlvids n prjet (dcument, diagrama, mdel, módul, classe, etc.); Languages (linguagens): s cmpnentes usads para dcumentar s wrk prducts (linguagem natural, UML, Java, etc.); Prducers (prdutres): s cmpnentes que desenvlvem s wrk prducts (prgramadr, analista, designer, gerente, cliente, etc.); Wrk Units (unidades de trabalh): s cmpnentes que mdelam as perações executadas pels prducers a desenvlver wrk prducts. Há três tips de wrk unit: Activity (atividade): bjetiv mair. Define quê, nã cm. É cmpst pr tasks; Task (tarefa): bjetiv menr, u seja, metas para atingir bjetiv mair. Ainda define quê, nã cm. Resultam na criaçã, mdificaçã u avaliaçã de um u mais wrk prducts; Technique (técnica): define cm perfazer uma dada task (cass de us, cartões CRC, design patterns, entrevista, etc.). Stages (estágis): s intervals de temps que prvêem uma macrrganizaçã para as wrk units. Pdem ter duraçã (Cycle, Phase, Wrkflw, Prject, Build, Release, Deplyment) u nã (milestne). Milestne é um pnt n temp que indica que uma meta fi atingida. A figura 11 mstra um e- xempl de stages. 14

20 Figura 9. Cmpnentes d meta-prcess OPEN [OPEN] Figura 10. Wrk Units d meta-prcess OPEN [Lwe e Hendersn-Sellers, 2001] 15

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

3 O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

3 O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Matéria: O Prcess de Desenvlviment de Sftware Página: 29 3 O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE É mais fácil escrever um prgrama incrret d que entender um crret. [Alan Perlis] Um prcess define quem

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

OntoPRIME: Ontologia de Riscos para Ambientes de Desenvolvimento de Software Multiprojetos

OntoPRIME: Ontologia de Riscos para Ambientes de Desenvolvimento de Software Multiprojetos Universidade Federal de Pernambuc Centr de Infrmática Pós-Graduaçã em Ciência da Cmputaçã OntPRIME: Ontlgia de Riscs para Ambientes de Desenvlviment de Sftware Multiprjets Pr Antni Campell Cristine Gusmã

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Um Ambiente Expert para o Apoio ao Desenvolvimento de Software. Sílvia Maria Wanderley Moraes 1 Daltro José Nunes

Um Ambiente Expert para o Apoio ao Desenvolvimento de Software. Sílvia Maria Wanderley Moraes 1 Daltro José Nunes Um Ambiente Expert para Api a Desenvlviment de Sftware Sílvia Maria Wanderley Mraes 1 Daltr Jsé Nunes Universidade Federal d Ri Grande d Sul Institut de Infrmática Pós-Graduaçã em Ciência da Cmputaçã Caixa

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

Sistemas Baseados na Web (Web-based Systems) são também chamados aplicações Web (Web Applications), ou simplesmente WebApps. Exemplos de WebApps:

Sistemas Baseados na Web (Web-based Systems) são também chamados aplicações Web (Web Applications), ou simplesmente WebApps. Exemplos de WebApps: N e e w L L w w. /1032547698;:1< 4=>29?@A4B1@D4D2D@9E9894GF9@ HI19K! " # "%'#(*" +, - Engenharia de istemas de Infrmaçã Prfs. sé arls Maldnad e Elisa Yumi Nakagawa 2 semestre de 2002 istemas Baseads na

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

WWW.CLICK-MENTAL.COM

WWW.CLICK-MENTAL.COM Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes WWW.CLICK-MENTAL.COM Criad pr: Click Mental - Sistemas de Infrmaçã, Lda. Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes O que é? O Fidelity é um sftware

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais Diferenciais d QlikView Versus Tecnlgias Tradicinais Índice Tecnlgia MOLAP... 3 Demanda criaçã de Datawarehuse... 3 Númer limitad de dimensões... 3 Inflexível... 3 Cnsultas smente nline... 3 Tecnlgia ROLAP...

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares Prjet e Implementaçã de um Sftware para auxili n Ensin de Linguagens Regulares Jsé Rbsn de Assis 1, Marln Oliveira da Silva 1. Faculdade de Ciências Exatas e Cmunicaçã (FACEC) Universidade Presidente Antôni

Leia mais

Software Para Controle de Acesso e Ponto

Software Para Controle de Acesso e Ponto Sftware Para Cntrle de Acess e Pnt Características e Funcinalidades Versã 2.0 Inipass é marca registrada da Prjedata Infrmática Ltda. Tds s direits reservads à Prjedata Infrmática Ltda. Características

Leia mais

Os Oito Principais de Sistemas de

Os Oito Principais de Sistemas de Infrme Especial Os Oit Principais in Yur DSD Mits Mbile de Sistemas de Security Strategy Gerenciament de Armazém para empresas de pequen e médi prte. Intrduçã A era das perações manuais em Armazéns está

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

A Importância de Sistemas de Informação para a Competitividade Logística

A Importância de Sistemas de Informação para a Competitividade Logística A Imprtância de Sistemas de Infrmaçã para a Cmpetitividade Lgística Paul Nazári 1. Intrduçã O avanç da tecnlgia de infrmaçã (TI) ns últims ans vem permitind às empresas executarem perações que antes eram

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Documentação da Tarefa 8 parte A

Documentação da Tarefa 8 parte A UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Disciplina: Cnstruçã de Interfaces Hmem-Cmputadr MC750/MO825 Prfessra: Cecília Baranauskas Dcumentaçã da Tarefa 8 parte A Design da Interface e Interaçã d Prtótip

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Sistema de Gestão de BPM

Sistema de Gestão de BPM 1/13 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3 Cm identificar, vender e cmercializar cm s prspects de pequenas empresas Parte 2/3 A pequena empresa é um mercad massiv em imprtante cresciment, que alcançu uma maturidade em terms de prtunidade para s

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

Aproveitamento da informação permite ganho de competitividade: conhecimento é poder (e poder = $$!)

Aproveitamento da informação permite ganho de competitividade: conhecimento é poder (e poder = $$!) Data Mining Prfessr Jrge Mreira jmreirajr@htmail.cm Mtivaçã A infrmatizaçã ds meis prdutivs permitiu a geraçã de grandes vlumes de dads: Transações eletrônicas; Nvs equipaments científics e industriais

Leia mais

TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentação / Apresentação do Projeto.

TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentação / Apresentação do Projeto. TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentaçã / Apresentaçã d Prjet. 9.1 Técnicas de apresentaçã Cm apresentar cm sucess? A qualidade d prdut u d u d serviç quase sempre é cnfundida cm a qualidade da apresentaçã.

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade Aula prática 6 Mdels Cnceptuais e cenáris de actividade 1. Objetiv 1. Pretende-se que s aluns prduzam mdel cnceptual d prject e desenhem cenáris de actividade cm base nesse mdel. 2. Pretende-se ainda que

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU. Curso de Pós-Graduação. Gerenciamento de Projetos com Ênfase nas Práticas do PMI

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU. Curso de Pós-Graduação. Gerenciamento de Projetos com Ênfase nas Práticas do PMI 1 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Curs de Pós-Graduaçã Gerenciament de Prjets cm Ênfase nas Práticas d PMI Shirlei Sares Medeirs Braghett Gerenciand escp em Prjet utilizand RUP e PMI Sã Paul 2010 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

PAULO ALVIM TIRANDO O MÁXIMO DO JAVA EE 6 OPEN SOURCE. 3ª edição. com jcompany Developer Suite

PAULO ALVIM TIRANDO O MÁXIMO DO JAVA EE 6 OPEN SOURCE. 3ª edição. com jcompany Developer Suite PAULO ALVIM TIRANDO O MÁXIMO DO JAVA EE 6 OPEN SOURCE cm jcmpany Develper Suite 3ª ediçã Bel Hriznte Paul César Alvim Ottni 2010 Tirand Máxim d Java EE 6 Open Surce cm jcmpany Develper Suite 2010 Pwerlgic

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

FATEC - Faculdade de Tecnologia de São Paulo

FATEC - Faculdade de Tecnologia de São Paulo FATEC - Faculdade de Tecnlgia de Sã Paul Departament de Tecnlgia da Infrmaçã TELMA CAROLINA MENDES ESTUDO DA GARANTIA DE QUALIDADE DE SOFTWARE UTILIZANDO A METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CRIADA

Leia mais

Ontologias: da Teoria à Prática

Ontologias: da Teoria à Prática Ontlgias: da Teria à Prática I Escla de Ontlgias UFAL-USP Endhe Elias e Olav Hlanda Núcle de Excelência em Tecnlgias Sciais - NEES Universidade Federal de Alagas UFAL Rteir Mtivaçã Ontlgias Engenharia

Leia mais

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet INTEGRAÇÃO Gestã de Frete Embarcadr x Datasul 11.5.3 PLANO DO PROJETO 24/01/2013 Respnsável pel dcument: Jã Victr Fidelix TOTVS - 1 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet ÍNDICE

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais