Nesse módulo iremos abordar alguns conceitos básicos da cultura, filantropia, patrocínio, abordando os tipos e características do patrocínio.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nesse módulo iremos abordar alguns conceitos básicos da cultura, filantropia, patrocínio, abordando os tipos e características do patrocínio."

Transcrição

1 MARKETING ESPORTIVO E CULTURAL EAD MÓDULO I CONCEITOS BÁSICOS DA CULTURA Nesse módulo iremos abordar alguns conceitos básicos da cultura, filantropia, patrocínio, abordando os tipos e características do patrocínio. A evolução do ser humano no decorrer da história está associada diretamente ao conceito de cultura, que engloba os costumes e as experiências repassadas durante décadas, formulando a maneira de ser, de pensar e de agir da humanidade. De acordo com Costa (2004, p.15): na definição antropológica, cultura seria um mecanismo encontrado pela humanidade para acumular conhecimentos e experiências, construindo continuamente o que podemos chamar de patrimônio cultural. Dessa forma, o conhecimento do indivíduo se inicia sem nenhum tipo de alicerce e, no decorrer das gerações sinaliza progressos constantes para toda a humanidade. Já Muylaert (2001, p.18) afirma: a definição da cultura, sob o ponto de vista artístico, são as atividades nos campos da arte, da literatura, da música, do teatro, da dança, ou qualquer outra que expresse uma forma de organização social. Trazendo uma visão mais ampla para o conceito de cultura, podemos entender que é toda ação ou manifestação individual ou coletiva, que tem como objetivo voluntário a comunicação e, conseqüentemente, o aumento do conhecimento. Esse conhecimento se dá através de um pensamento, ação, pesquisa científica, colaboração artística, dentre outros. Para que o nosso estudo tenha um perfil esclarecedor e completo, a seguir iremos abordar alguns conceitos básicos importantes: Filantropia De acordo com Almeida (2002, p.20): filantropia é uma doação de fundos, tempo ou equipamentos que uma empresa ou pessoa física faz como cidadã. O ponto central desse conceito é que não tem o objetivo de buscar qualquer tipo de benefício com determinada ação. De acordo com pesquisas de vários estudiosos da área, a atividade com perfil filantrópico se iniciou na década de 60, a partir do momento em que o nº de donativos cresceu proporcionalmente ao aumento do resultado financeiro das organizações. Houve uma resistência muito forte das organizações da época em relação à filantropia, pois achavam que a cultura era um campo freqüentado apenas por classes sociais mais altas e que, conseqüentemente, não precisavam de donativos. Mesmo com essa barreira, em 1966, David Rockefeller criou seu

2 discurso conhecido como Cultura e Corporações que diz: quando uma empresa investe em cultura, ela está beneficiando a si mesma. Patrocínio Conforme Costa (2004, p.19): patrocínio é o pagamento em dinheiro, produtos ou serviços a uma organização ou evento tendo como contrapartida o acesso à exploração do potencial comercial dessa atividade. Os tipos de eventos podem ser culturais, esportivos, de entretenimento ou sem finalidade lucrativa. A diferença básica entre a filantropia e o patrocínio é que o primeiro apóia uma causa sem que exista nenhum interesse comercial e de retorno financeiro. A seguir temos algumas peculiaridades do patrocínio: - Tem pouco controle sobre a cobertura dada ao evento patrocinado. - A divulgação da mensagem é mais passiva do que a comunicação tradicional. - O investimento inicial se refere apenas ao direito de associar o nome do patrocinador ao evento. Produtor ou agente cultural Pessoa ou grupo de pessoas que requisitam o patrocínio de outras pessoas ou entidades, identificando o tipo de patrocínio desejado e dentro das possibilidades e peculiaridades do produto/serviço cultural. MÓDULO II TIPOS DE PATROCÍNIO Nesse módulo iremos abordar os diferentes tipos e características do patrocínio. Os diferentes tipos de patrocínio podem ser classificados quanto a: duração, objetivo, exclusividade e tipo de transferência. Iremos estudar um a um de acordo com suas características e peculiaridades. - Quanto à duração: pode ser de curto, médio ou longo prazo. De acordo com Brant (2001, p.20): a duração e a força do vínculo são importantes, pois o impacto da associação pode ser multiplicado várias vezes para um evento que não esteja restrito a um tempo reduzido. Podemos compreender que: Patrocínio de curto prazo Vantagens: maior interesse da mídia; maior cobertura e exposição.

3 Patrocínio de longo prazo Vantagens: maior publicidade; reconhecimento mais duradouro. Desvantagens: diminuição do nível de interesse; desassociação do patrocinador; diminuição do impacto. De acordo com pesquisas, no Brasil, a maturidade da promoção da imagem se inicia no terceiro ou quarto ano de realização do evento, ou seja, patrocínios de longo prazo podem trazer resultados positivos e favoráveis em relação aos objetivos do patrocinador. - Quanto ao objetivo: notoriedade, imagem e credibilidade. Notoriedade Objetivo: atingir um nº maior de público. Vantagens: aumento do reconhecimento da marca, dos produtos e da empresa; forte atuação de publicidade e relações públicas; multiplicação da audiência e do conhecimento do patrocínio. Imagem Objetivo: construir ou manter uma imagem; associar o evento à marca. Vantagens: transmissão desejada da marca e da imagem. Credibilidade Objetivo: associar a imagem e a personalidade dos artistas à determinada marca patrocinadora. Vantagens: construir a simpatia e a credibilidade da marca. - Quanto à exclusividade: patrocinador único ou um conjunto de patrocinadores. Único patrocinador (exclusivo): todo o arsenal de exibição é explorador por um só patrocinador (pessoa física ou pessoa jurídica), cabendo um investimento relevante. Conjunto de patrocinadores: também chamados de co-patrocinadores, onde o investimento e os benefícios são divididos entre todos. Alguns requisitos são relevantes para a escolha desses co-patrocinadores. São eles: - Afinidade - Participação financeira de cada um - Compatibilidade

4 Não podemos esquecer que algumas empresas pecam quando pulverizam seu investimento em cultura através de vários eventos pequenos. Dessa forma os objetivos organizacionais em relação à construção e manutenção da marca são irrelevantes, trazendo poucos resultados efetivos. - Quanto ao tipo de transferência: o investimento pode ser realizado através de recursos próprios ou incentivos fiscais. Para se escolher o tipo de transferência ou investimento em cultura, alguns pontos devem ser analisados. São eles: Custos em propaganda Possíveis custos no decorrer do patrocínio Adiantamento de investimentos Natureza dos recursos (espécie, materiais, instalações, mão de obra etc). Segundo Almeida (2002, p.69): as atividades a serem patrocinadas devem ser escolhidas de acordo com o orçamento e a prioridade dos objetivos, visando desenvolver de modo apropriado os patrocínios. Podemos concluir que as organizações precisam se conscientizar da importância do investimento em eventos e atividades culturais com o objetivo primordial de fidelizar os clientes e fortalecer, cada vez mais, a imagem e a marca. MÓDULO III MARKETING CULTURAL Nesse módulo trabalharemos a gestão do marketing cultural, abordando pesquisas realizadas junto a Fundação João Pinheiro, sinalizando os aspectos vantajosos e limitadores dos investimentos em cultura no Brasil. A gestão do marketing cultural ainda é um processo frágil em relação ao mercado cultural, pois alguns projetos culturais têm a dificuldade de analisar e controlar os fatores essenciais para o sucesso do investimento, principalmente os aspetos relacionados às leis de incentivo fiscal. Segundo Brant (2001, p.83): ainda são poucos os produtos culturais que têm uma produção cuidada, planejada e constantemente avaliada pelos procedimentos de gestão administradora. Apesar desse problema crônico no mercado, a indústria cultural vem se aperfeiçoando em relação a alguns aspectos tais como: - Ações mais descentralizadas; - Sistematização e ordenação das tarefas; - Definição de regras e diretrizes;

5 - Formalização dos processos; - Controle financeiro dos projetos; - Relatório final etc. De acordo com pesquisas junto às organizações que patrocinam eventos culturais, alguns aspectos foram abordados tais como: projeto, meio, marketing e leis de incentivo. A seguir iremos abordar os fatores vantajosos e limitadores dos respectivos aspectos culturais: Projeto cultural - Aspectos vantajosos: Baixo recurso investido; Mais vantajoso do que a publicidade comercial; Reconhecimento da sociedade; Ganho da imagem institucional; Facilidade na escolha do patrocínio mais viável; Reúne os objetivos comerciais e sociais; Visibilidade na mídia, dentre outros. - Aspectos limitadores: Produção com custo alto; Orçamentos mal elaborados; Dificuldade na análise e avaliação; Inadequação ao perfil empresarial; Superfaturamento; Investimento elevado na fase pré-produção; Escassez se pesquisa financeira; Inexistência de retorno a curto prazo etc. Meio cultural - Aspectos vantajosos: Qualificação dos artistas; Técnica adequada nos projetos; Profissionalismo; Oferta de projetos. - Aspectos limitadores: Projetos mal planejados; Propostas mercadológicas irreais; Compromissos não realizados; Inexistência de estratégia de marketing; Despreparo dos profissionais envolvidos; Falta de comprometimento com o patrocinador; Projetos de péssima qualidade técnica; Propostas desleais. Marketing cultural - Aspectos vantajosos: Resultados financeiros e econômicos proveitosos;

6 empresas; Construção de parcerias com todos os tipos de Autonomia na tomada de decisão; Equipe qualificada e profissionalizada; Aumento da demanda de empresários; Estabilidade econômica; Opção pelo investimento com abordagem cultural; Disponibilidade de espaço para projetos culturais nas empresas; Apoio da alta cúpula à cultura; Conscientização da importância dos projetos culturais para dar confiança a imagem e a marca. - Aspectos limitadores: Dificuldade no estabelecimento de parcerias; Inexistência de planejamento; Descomprometimento da alta cúpula; Desconhecimento quanto às vantagens dos projetos culturais para o sucesso empresarial; Inexistência de áreas responsáveis. Leis de incentivo - Aspectos vantajosos: Existência do incentivo; Operacionalidade simples e fácil; Facilidade no enquadramento dos projetos; Organização das informações; Transparência dos aspectos; Deduções altas para as empresas; Qualidade nos projetos artísticos/culturais. - Aspectos limitadores: Excesso de burocracia na operacionalização do projeto; Falta de critérios; Demora no processo avaliativo dos projetos; Inúmeras transformações; Modificações mal planejadas; Desconhecimento no uso dos incentivos fiscais; Divulgação precária das leis governamentais de incentivo; Falta de informação das leis; Inexistência de organismo centralizador de informação e comunicação. De acordo com Muylaert (2002, p.103): enquanto algumas organizações já definiram uma política de ação e contam com uma equipe profissionalizada e habilitada para administrar o marketing para as artes, outras, embora tenham optado pela ação cultural, carecem de pessoal especializado. Esse é um dos pontos de grande fragilidade na gestão de marketing cultural, pois ainda existe um forte amadorismo por parte daqueles que buscam no mercado parcerias empresariais para os projetos culturais e artísticos.

7 MÓDULO IV AGENTES DO MARKETING CULTURAL Nesse módulo iremos abordar todos os agentes envolvidos na gestão do marketing cultural, com suas respectivas características, visualizando a viabilidade na análise dos projetos culturais, através de modelos e critérios requeridos e desejados. Para que as organizações consigam resultados positivos nas ações voltadas para o marketing cultural, precisam trabalhar com inúmeros envolvidos que são chamados de agentes do marketing cultural. São eles: Patrocinador: origem do recurso que viabiliza totalmente ou parcialmente, recebendo retornos por esses recursos investidos. Temos como exemplo dos retornos a credibilidade da imagem, a confiabilidade da marca, o reconhecimento da comunidade, dentre outros. A seguir temos algumas características do patrocinador: - Proativo nos eventos; - Criativo nas estratégias; - Gestor dos recursos investidos etc. Fruidor: é o público alvo, ou seja, o consumidor do produto/serviço cultural. Temos como exemplo, os consumidores atuais, consumidores potenciais, fornecedores, distribuidores, funcionários, comunidade, formadores de opinião, dentre outros. Artista: é o criador, idealizador e o responsável pelo produto/serviço cultural. A seguir, temos as responsabilidades do artista: - Planejar o produto/serviço cultural; - Implementar o produto/serviço cultural - Identificar o público-alvo; - Sinalizar quais as organizações interessadas; - Viabilizar o projeto. Agente ou produtor cultural: De acordo com Costa (2004, p.91): o agente ou produtor cultural é um profissional especializado para elaborar o projeto de patrocínio e buscar o investimento de empresas, passando pela utilização das leis de incentivo.

8 Podemos afirmar que trabalha como um membro de comunicação entre o patrocinador e o artista, criando projetos culturais de acordo com os envolvidos e contribuindo satisfatoriamente nos seguintes pontos: - Em relação ao artista Formatação do projeto cultural Atendimento às exigências legais em relação aos incentivos Apresentação dos projetos junto aos futuros patrocinadores Negociação de valores monetários junto aos patrocinadores etc. - Em relação ao patrocinador Elaboração da política cultural empresarial Identificação dos projetos Análise dos projetos Direcionamento viável dos recursos financeiros Controle dos recursos etc. Não podemos esquecer a importância do profissionalismo dos envolvidos nos projetos culturais, tendo um perfil confiável em relação às propostas colocadas. Alguns pontos devem ser analisados em relação aos profissionais ou empresas envolvidas: - Experiência profissional; - Disponibilidade de tempo; - Habilidade administrativa; - Competência de gestão; - Reputação; - Imagem; - Perfil etc. Outro ponto que merece a nossa atenção é a análise dos projetos culturais. De acordo com Almeida (2002, p.137): antes de analisar se um projeto cultural pode atingir os objetivos do patrocinador, é necessário verificar se ele tem capacidade de atender a seus próprios objetivos, ou seja, se ele de fato conseguirá viabilizar o produto cultural. Podemos entender que o sucesso da

9 organização dependerá prioritariamente da qualidade do projeto cultural. Algumas informações básicas devem constar em um bom projeto cultural. São elas: - Público-alvo; - Cronograma de atividades; - Objetivos do projeto; - Plano de divulgação; - Equipe realizadora; - Proposta de patrocínio. De acordo com John Meenaghan, estudioso da área de marketing cultural, temos alguns critérios para a análise da viabilidade do patrocínio. São eles: - Cobertura geográfica: local, nacional, regional, internacional; - Habilidade em atender aos objetivos propostos: de vendas, corporativos, institucionais etc; - Tipo de patrocínio: novo, único, sazonal etc; - Potencial de cobertura de mídia: televisão, rádio, busdoor, outdoor etc; - Co-patrocínio: único, conjunto de empresas etc. Já os estudiosos Alfred Screiber e Barry Lenson criaram o modelo conhecido como RVA Avaliação do Valor Relativo ou Relative Assessment Value, que tem o objetivo de avaliar cada oportunidade de patrocínio e viabilizar comparativamente os projetos culturais. Alguns critérios são analisados, tais como: - Posicionamento e imagem: coerência, personalidade, liderança etc; - Estratégias de marketing e de vendas: sazonalidade, regionalidade, impacto, exclusividade, oportunidade etc; - Alcance e apelo de público: freqüência, atitudes, comportamentos, percepção, envolvimento etc; - Eficácia tática e executiva: facilidade, gerenciamento, cobertura, efetividade, legalidade, segurança, dentre outros.

10 MÓDULO V CONSTRUÇÃO E FIDELIZAÇÃO DA MARCA Nesse módulo iremos estudar a importância do patrocínio de eventos culturais e esportivos para a construção e fidelização de marcas fortes, abordando seus aspectos prioritários. Sabemos da importância de uma ligação emocional cliente X empresa, ou seja, a criação e a manutenção de relacionamentos fortes com o cliente, com o objetivo de fidelizá-lo. De acordo com Brant (2001, p.128): o novo paradigma do marketing é uma abordagem mais centrada no cliente, ligando marca, consumidor e comunidade. Dessa forma, temos os meios de comunicação como ferramenta que possibilitam a seleção de mensagens na mente do consumidor com o objetivo de criar uma posição ímpar e única na sua memória. A seguir temos alguns fatores que sinalizam o impacto da comunicação: - Transmissão de motivação; - Atingimento dos públicos-alvos; - Relação de empatia junto ao público; - Mecanismos receptivos de resposta etc. O patrocínio, por exemplo, tanto no enfoque esportivo ou cultural, tem como potencialidade a construção de marcas com a obtenção de resultados positivos organizacionais. A seguir iremos estudar alguns aspectos que fazem do patrocínio de eventos o construtor e criador de marcas. Mobilização da organização Segundo Costa (2004, p.42): os patrocínios são compensadores não só para a empresa e seus clientes, mas também para funcionários e outros parceiros de marca. Isso resulta das vantagens emocionais e comportamentais referentes ao orgulho que sentem os colaboradores de estarem ligados a uma organização que incentiva eventos culturais e esportivos, sendo comprometidos com a sociedade em geral. Fornecimento de uma experiência de evento para os clientes Uma das grandes vantagens do patrocínio de eventos é o fato das organizações estarem em comunicação direta e seletiva com alguns clientes e proporcionarem atividades voltadas para o seu estilo, sua personalidade e sua identidade. Temos como um exemplo clássico, os convites de cortesia para festas e camarotes que tem o intuito de reunir clientes potenciais e os executivos das empresas.

11 Conforme Almeida (2002, p.71): ao participar diretamente em um evento, o cliente tem a oportunidade única de desenvolver um vínculo com a marca e sua organização. Podemos entender que é um processo estratégico de recompensa do cliente e de fortalecimento da marca. Demonstração de novos produtos/serviços ou tecnologias Conforme Kotler (2004, p.23): o meio mais poderoso de apresentar um novo produto/serviço ou tecnologia é a publicidade, principalmente em função do custo e da credibilidade. Para que essa afirmação fique mais clara, seguem abaixo dois conceitos relevantes: - Publicidade: é uma forma de apresentação que não é necessariamente paga. Exemplo: Revistas, jornais, comunicação em telejornais etc. - Propaganda: é uma forma paga de apresentação e promoção não pessoais de idéias, serviços ou mercadorias por um anunciante identificado. Criação de exposição da marca Devemos entender que todas as ações que irão contribuir com o patrocínio, como por exemplo, a propaganda e a publicidade, representarão uma maior divulgação no evento. Para medir as conseqüências da divulgação dos eventos, as organizações devem analisar e comparar os índices de reconhecimento e credibilidade da marca antes e depois do evento esportivo ou cultural. Temos como exemplo a empresa Unilever que utiliza o marketing cultural como estratégia de lançamentos de novos produtos, como o Lux Skincare uniformidade das peles morena e negra, e dessa forma, compara a sua liderança no mercado de marcas antes e depois dos eventos. Um exemplo do marketing esportivo é a prática de batizar os estádios e locais públicos como o nome de empresas, como o Estádio Philips Arena. Desenvolvimento de associações de marca De acordo com Costa (2004, p.49): uma das principais razões que levam uma organização a patrocinar uma atividade cultural é ganhar determinada associação entre um segmento-alvo. Essa ligação depende de três fatores básicos que são: evento patrocinado marca e associações desejadas. Iremos estudar agora as características e peculiaridades de cada fator. - Evento patrocinado Não pode ocorrer desequilíbrio entre a imagem dos produtos/serviços, a imagem da empresa e o respectivo patrocínio. Isso só poderá existir no caso da empresa ter o objetivo de reposicionar a marca no ambiente mercadológico. Temos como exemplo os eventos com categorias distintas (jovens, populares, elitizados, masculinos, femininos etc), com personalidades diferentes (concerto

12 de piano, show de música popular brasileira, show de rock etc), com locais diferenciados (teatros, casas de show, boates, ruas de periferia, feiras livres etc). Dessa forma, os critérios de categorias, personalidades, locais, dentre outros influenciam no posicionamento da marca na mente do consumidor. Agora iremos focar algumas associações importantes para a construção de marcas líderes. Ser líder As organizações precisam afirmar a idéia de liderança na mente do cliente, apoiando esse posicionamento em atitudes inovadas, criativas e confiantes. Ex: Marcas de material esportivo patrocinam os melhores atletas de cada modalidade. Ser global As empresas, que buscam ser reconhecidas mundialmente, devem tomar atitudes com esse enfoque, ou seja, patrocinando turnês mundiais, exposições globais etc. Ser local Aquelas organizações que buscam reconhecimento local, devem se aproximar da comunidade onde estão inseridas, desenvolvendo ações locais. Ser visível e que contribua para o bem da sociedade As empresas que têm esse objetivo devem apoiar eventos de preservação ambiental, de causas sociais e, conseqüentemente, com renda revertida para as instituições sociais. Ex: Hospital do Câncer. No módulo seguinte, continuaremos abordando os aspectos prioritários na construção e manutenção das marcas potenciais das organizações. MÓDULO VI ASPECTOS DA CONSTRUÇÃO DE MARCAS FORTES Nesse módulo continuaremos estudando sobre os aspectos de construção de marcas potenciais, com suas características e peculiaridades. Tornando-se parcela de um vínculo evento-cliente

13 Para todos os envolvidos no evento patrocinado, é muito importante o fator orgulho como efeito de motivação e comprometimento entre as pessoas e o evento, através de uma ligação, ou seja, um vínculo conhecido como efeito de afiliação. Abaixo temos alguns fatores relacionados a esse efeito de afiliação: - O evento deve sinalizar uma maneira envolvente na vida do público-alvo Ex: Exposições de pintura atingem e atraem profissionais de todo o país, ou seja, é um evento quase que obrigatório para esse determinado tipo de público, pois interfere diretamente na sua profissão. - A marca deve estar ligada e associada a determinado evento por um período longo de tempo e deve desempenhar um papel relevante em relação à atividade patrocinada. Ex: A marca de fraldas descartáveis associada a um evento, creches e escolas. - A sensação que a marca tem total comprometimento e responsabilidade em relação ao produto/serviço e ao público-alvo. Ex: O patrocínio de Companhias de Petróleo em parcerias com as Companhias de Dança. No caso da correlação existente entre as propagandas, as campanhas e os eventos, de acordo com Costa (2004, p.64): a mesma lógica que relaciona o fato de o público gostar de uma propaganda e a eficácia da campanha também pode ser aplicada aos eventos. Podemos entender que, se o público gosta de um evento esportivo ou cultural, essa sensação ou sentimento pode ser transferido para a marca patrocinadora, por isso a preocupação com a organização, estrutura, segurança, logística, dentre outros fatores primordiais que resultam significativamente na imagem da marca. De acordo com Almeida (2002, p.94): o patrocínio não é suficiente para vincular marca a evento patrocinado, sendo necessário conjugar outras ações para reforçar esse vínculo. Essa afirmação se refere a estudos realizados mensalmente, com famílias, através de questionários. Os resultados são os seguintes: - Inferior vínculo entre patrocinadores e evento patrocinado; - Vínculo da concorrência compromete a vantagem competitiva criada através do evento esportivo ou cultural; - Apenas 50% (cinqüenta por cento) dos patrocinadores conseguem estabelecer um vínculo bem-sucedido; - Os patrocinadores não incluem logotipos e marcas em anúncios; - Pouca adequação e associação entre a marca do produto/serviço e o evento patrocinado;

14 - Inexistência de investimento na criação e manutenção do vínculo emocional; - Orçamento estourado. Devemos conscientizar as organizações que no caso de um evento, a empresa patrocinadora precisa impreterivelmente, incluir o logotipo nos ingressos ou convites, adicionar no seu site uma página informativa sobre o respectivo evento, enviar informativos para seu público-alvo, colocar peças/produtos, serviços de exposição no evento, realizar anúncios tradicionais em mídia falada, escrita, digital, eletrônica, dentre outras ações. Uma situação bem preocupante para as empresas patrocinadoras é o chamado marketing de emboscada. De acordo com Brant (2001, p.91): marketing de emboscada ocorre quando uma empresa tenta associar-se a um evento que não esteja patrocinando, recebendo recompensas pelos quais a marca patrocinadora pagou. É necessário que as empresas patrocinadoras formalizem e legalizem esse patrocínio, através da assinatura de contratos de exclusividade. Depois do evento se tornar visível, as organizações envolvidas precisam associar e vincular a marca em relação ao evento patrocinado. Esse processo ocorre através de duas formas. São elas: - Desejo de consistência De acordo com Aaker (2003, p.227): os psicólogos descobriram que quando uma forte associação está ligada a um evento que, conseqüentemente, está ligado a uma marca, as pessoas tendem a reforçar a percepção da marca para se ter uma compreensão cognitiva mais consistente. Temos como exemplo a associação da marca ao aspecto global. - Persuasão de determinado público Ex: A marca é global no caso de esportes: Copa de Mundo de Futebol. Mas não podemos esquecer que todas essas associações referidas anteriormente precisam possuir empatia e vinculação com a marca e, conseqüentemente, como evento esportivo ou cultural patrocinado. No caso das organizações que desejam criar seus próprios eventos, deve-se ter cuidado com alguns pontos: - Congestionamento de patrocinadores; - Profissão de logotipos; - Excesso de mensagens; - Associação do evento a antigos patrocinadores; - Falta de controle na execução do evento.

15 Apesar desses cuidados, atualmente grandes empresas estão buscando essa alternativa de marketing cultural e artístico. São elas: - Grupo Pão de Açúcar Evento: Pão Music; - TIM Brasil Evento: TIM Festival; - Avon Evento: Avon Women in Concert; - Coca-Cola Evento: Coca-Cola Vibezone; - Schincariol Evento: Niva Schin Festival; - Ambev Evento: Skol Beats, dentre outros. MÓDULO VII FUNDAMENTOS DO MARKETING ESPORTIVO Nesse módulo iremos estudar a origem e os fundamentos do marketing de esportes, formulando os seus objetivos e visualizando a indústria atual do esporte, com suas características, vantagens e peculiaridades. O conceito de marketing esportivo iniciou-se no século XIX e se tornou conhecido mundialmente quando o fabricante de taco de beisebol da empresa Hillerich & Bradoby H&B criou um planejamento de marketing se tornando líder e único no mercado de tacos de beisebol. Já no Brasil, a ascensão do marketing esportivo se deu nos anos 70 e 80, quando o futebol de Pelé atraiu as diversas organizações para o investimento em esportes e na busca da rentabilidade nas áreas de publicidade e mercadológica. Conforme Brooks (2000, p.30): o esporte pode ser definido como qualquer forma de atividade física que confronta o talento de alguém contra um oponente. Ou seja, o esporte apresenta características tangíveis, sendo o principal produto, e intangíveis, através da geração de emoções e experiências. De acordo com Contursi (2002, p.37): o marketing esportivo é um segmento do marketing devidamente aplicado ao segmento de esportes, e como tal, o marketing esportivo envolve uma série de atividades que compõe o tradicional mix de marketing, ou seja, produto, preço, promoção e ponto de venda. Podemos verificar que é uma espécie complementar de marketing, com o intuito de aumentar a exposição e credibilidade de uma marca, produto ou serviço, e que deve ter uma atividade voltada para a propaganda, explicando quais são os produtos/serviços que a organização comercializa, focando o conceito de marketing esportivo como um tipo de promoção institucional, que oferece valor percebido para determinada marca. Já Bertoldo (2000, p. 27): marketing esportivo é um conjunto de ações voltadas à prática e à divulgação de modalidades esportivas, clubes e

16 associações, seja pela promoção de eventos e torneios ou pelo patrocínio de equipes e clubes esportivos. Dessa forma, o marketing esportivo é uma das estratégias mais relevantes que utilizam o esporte para as empresas atingirem suas metas, que podem ocorrer de duas formas: Estratégia como forma de divulgação de produtos/serviços, sem que os patrocinadores não possuam nenhuma ligação com atividades esportivas. Ex: Patrocinadores em geral. Estratégia através do marketing de produtos e serviços voltados aos consumidores e que, de alguma forma, se relacionam com o esporte. Ex: Camisas de time oficial. Segundo pesquisas na área, o fato do marketing esportivo agregar valor à marca, é considerado o relevante diferencial em relação às técnicas e ferramentas da comunicação. Temos como exemplo, as organizações que comercializam produtos de luxo e associam esse produto a esportes como golfe e tênis. Já as empresas que trabalham com automação tecnológica, ligam-se ao automobilismo, que é considerado um esporte que envolve diversas tecnologias de ponta. MÓDULO VIII A VANTAGEM DO MARKETING ESPORTIVO Nesse módulo iremos estudar a grande vantagem do marketing esportivo e as formas que as organizações podem utilizar esse marketing para o sucesso e crescimento dos negócios. Não podemos esquecer que uma grande vantagem do marketing esportivo é o fato de envolver aspectos sentimentais e comportamentais, tais como: alegria, conquista, superação, emoção, adrenalina, dentre outros, objetivando o atingimento de resultados favoráveis para as organizações. Conforme Afif (2001, p.64): o esporte é considerado atualmente como um relevante instrumento de transformação social do mundo globalizado, tornandose um fenômeno cultural internacional. Isso ocorre através de grandes eventos tais como: a Copa do Mundo de Futebol, as Olimpíadas, o Superbowl, dentre outros, que são assistidos por bilhões de telespectadores em todo o mundo, rendendo bilhões de cifras anualmente, fazendo com que o marketing esportivo seja crescente a cada dia. As organizações utilizam o marketing esportivo por inúmeros motivos, tais como: - Manter e conquistar mercados novos; - Utilizar estrategicamente a ferramenta da comunicação; - Analisar os consumidores, concorrentes;

17 - Avaliar o mercado; - Criar estratégias promocionais; - Dar credibilidade a imagem e a marca; - Expandir os serviços relacionados ao esporte; - Elevar o número de atividades esportivas em nível profissional; - Aumentar a qualidade de vida dos indivíduos; - Aumentar a quantidade de eventos, instalações e participações esportivas etc. Hoje, a indústria esportiva vem crescendo e se diversificando em todo o mundo, segundo tendências tecnológicas de todos os tipos de segmentos de comunicação, como por exemplo, a Internet. As inovações nas áreas de automobilismo, calçados, acessórios, roupas, motos, aparelhos etc, criados para a prática esportiva. Segundo Contursi (2002, p.89): a cadeia de valor da indústria esportiva e importante para a classificação de produtos e consumidores, como os segmentos nesta indústria são diversificados, a indústria de esportes apresenta uma grande quantidade e variedade de produtos e serviços para atender os mais diferentes consumidores e/ou praticantes de esportes, assim como os mais diversos ramos empresariais. Temos como exemplo de grandes patrocinadores, a Coca-Cola (patrocinador da Copa do Mundo), Parmalat (patrocinador do time Palmeiras), Grupo Excell (patrocinador do time Corinthians) etc. Podemos concluir que, apesar da grande maioria dos brasileiros ser apaixonada por esportes, o investimento nessa área ainda é escasso, pois muitos empresários se arriscam em atuar nesse segmento porque amam e se identificam, mas, na verdade, são inexperientes e imaturos. Outro empecilho para o investimento em esportes é a falta de incentivos fiscais para que as organizações busquem o esporte como uma relevante ferramenta de marketing mercadológico. Mas, não podemos esquecer que a grande contribuição do esporte é o enfoque na emoção das pessoas, nas suas idéias, sonhos e paixões, possibilitando uma relação estreita e direta com as empresas, com os parceiros, idealizadores, dentre outros.

18 MÓDULO IX MARKETING DE PATROCÍNIO Nesse módulo iremos focar o conceito e a importância do patrocínio como marketing institucional e promocional para todos os tipos de tamanhos de empresas. Atualmente, os investimentos em patrocínio vêm ganhando uma relevante expressão em relação à mídia convencional. Mas não se pode esquecer que o marketing promocional, como sorteios, descontos, cuponagem, merchandising, não veio substituir a propaganda, e si, acrescentar ao marketing como uma modalidade do tipo alternativa. De acordo com Melo Neto (2003, p.105): a tendência de crescimento e importância do patrocínio como ação de marketing coloca-o na condição de categoria-sênior, no ambiente do marketing promocional. Conforme essa afirmação, o patrocínio passou a ter um alto nível de complexidade e especialidade única e própria, através das funções e tarefas de: - Elaborar o projeto de patrocínio; - Prospectar patrocinadores; - Comercializar os projetos; - Implementar as ações oriundas dos projetos; - Avaliar os resultados realizados em relação aos projetados. Não podemos confundir o termo marketing de patrocínio e o termo marketing do patrocínio, pois este se refere às ações que envolvem a propaganda e a publicidade de patrocínio de uma empresa. Já o marketing de patrocínio, de acordo com Almeida (2002, p.71): corresponde ao conjunto de atividades que integram o gerenciamento da ação de patrocínio, desde a sua prospecção inicial, até a sua comercialização, desenvolvimento e avaliação. Temos como estratégia mais utilizada no marketing do patrocínio os conhecidos anúncios de oportunidade, que são realizados por organizações patrocinadores com o objetivo de divulgarem os campeonatos conquistados por seus clubes, atletas, equipes, por elas patrocinadas. Temos como um exemplo prático o jogo Brasil x Escócia em 1974, onde uma agência divulgou a seguinte mensagem: o maior fabricante de uísque do mundo espera que, hoje, os escoceses não dêem dor de cabeça. Conforme Costa (2004, p.38): o objetivo primordial das campanhas de publicidade é divulgar anúncios que aproveitam um fato que tenha repercussão na vida dos consumidores para associá-los aos produtos e serviços. Ou seja, as organizações devem tirar proveito do momento e do clima que antecede, por exemplo, um final de campeonato esportivo, uma copa do mundo etc. O patrocínio não pode ser considerado como uma ação isolada de marketing, e sim, uma parte do composto promocional ou mix de comunicação, como as

19 ações voltadas para a venda direta, mala direta, eventos, relações públicas, telemarketing, dentre outras. Quando se fala em patrocínio, se refere a uma parte da estratégia promocional de uma empresa, que passa por algumas dificuldades e problemas, que tem origem no: - Mercado atual; - Novos mercados; - Produto atual; - Produto novo; - Diferenciais do produto/serviço; - Qualidade; - Investimento do patrocínio; - Preço; - Distribuição; - Comunicação com os clientes atuais e futuros; - Marca; - Modalidade ou tipo de patrocínio. Conforme Brant (2001, p.75): antes de propor o patrocínio como ação de investimento, necessário se faz identificar problemas e objetivos de maior relevância. Temos como exemplo claro a adoção do patrocínio pelas grandes empresas, deve necessariamente se unir a outras ações de marketing e comunicação. MÓDULO X MARKETING DE PATROCÍNIO NAS MICRO, PEQUENAS E GRANDES EMPRESAS Nesse módulo iremos focar as características e peculiaridades do marketing de patrocínio nas micro, pequenas e grandes empresas e mostrar as modalidades referente as posturas estratégicas de marketing. As micro, pequenas ou médias empresas, o patrocínio é fator determinante para as atividades de divulgação da marca, do produto e do serviço. Elas podem complementar essa estratégia promocional ímpar, com a distribuição de adesivos, amostras grátis, brindes, dentre outras ações.

20 A seguir elencamos algumas peculiaridades e características do marketing de patrocínio nas micro, pequenas e médias empresas: - O foco ocorre nos patrocínios locais de atletas, artistas, equipes ou grupos. - O objetivo principal é a rentabilidade e a lucratividade. - Assume o papel de co-patrocinadores, parcerias e múltiplos patrocínios. - Geralmente, trabalha com patrocínios dos próprios produtos e serviços. - Trabalha, na maioria das vezes, com incentivo para atletas, grupos, artistas e equipes novatas. Isso não quer dizer que as micro, pequenas e médias empresas não podem assumir com o tempo a visão da estratégia promocional de patrocínio das grandes organizações, porém, a cautela deve ser priorizada, pois em grandes patrocínios, os riscos são relevantes e os recursos são escassos. Afirma Costa (2004, p.110): que nas micro, pequenas e grandes empresas, quando um investimento em patrocínio não traz os resultados esperados, tais custos e tal insucesso afetam o marketing e a saúde financeira, econômica e patrimonial da empresa. Ou seja, esse baque para as empresas desse porte pode ser fatal para a própria continuidade das atividades empresariais. Dentre as posturas estratégicas de marketing de patrocínio utilizadas pelas organizações temos as seguintes modalidades: Provedora Foco: objeto do patrocínio produto a ser patrocinado. Objetivo: comercializar o patrocínio para qualquer ramo e tipo de empresa. Instrumento: projeto. Abordagem: comercializar projetos e eventos. Envolvidos: consultores independentes, empresas de marketing cultural e esportivo. Concepção: patrocínio é visto como produto. Indutora Foco: gestão do processo de patrocínio. Objetivo: identificar e escolher o patrocínio mais viável e direcionado para a empresa patrocinadora.

- Aspectos limitadores: Produção com custo alto; Orçamentos mal elaborados; Dificuldade na análise e avaliação; Inadequação ao perfil empresarial;

- Aspectos limitadores: Produção com custo alto; Orçamentos mal elaborados; Dificuldade na análise e avaliação; Inadequação ao perfil empresarial; MARKETING ESPORTIVO E CULTURAL EAD MÓDULO XIX - RESUMO A evolução do ser humano no decorrer da história está associada diretamente ao conceito de cultura, que engloba os costumes e as experiências repassadas

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Marketing esportivo é um mercado de ouro

Marketing esportivo é um mercado de ouro 1 de 5 05/04/2010 19:37 Imprimir Reportagem / mercado Marketing esportivo é um mercado de ouro Um patrocínio para uma corrida de rua pode chegar a R$ 1 milhão. Palestras com treinadores e atletas valem

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Propaganda Qualquer forma paga de apresentação não pessoal e promocional

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS

AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS Relatório de Atividades 2014 Sumário 1.0 Introdução - Pág 3 2.0 Quem Somos, Estatísticas, Valores - Pág 4 3.0 Projetos 2014 - Pág 5 a 15 3.1 Novo site - Pág 5 a 12

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Marketing Esportivo. os desafios e as oportunidades. Claudinei P. Santos. Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE

Marketing Esportivo. os desafios e as oportunidades. Claudinei P. Santos. Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE Marketing Esportivo os desafios e as oportunidades Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE Algumas provocações... Incentivo ao esporte Integração social pelo esporte Patrocínio Copa 2014 Olimpíadas 2016

Leia mais

CURRÍCULO DA EMPRESA. MILLENNIUM BRASIL EVENTOS LTDA ATIVIDADES DESEMPENHADAS

CURRÍCULO DA EMPRESA. MILLENNIUM BRASIL EVENTOS LTDA ATIVIDADES DESEMPENHADAS CURRÍCULO DA EMPRESA. MILLENNIUM BRASIL EVENTOS LTDA ATIVIDADES DESEMPENHADAS A MILLENNIUM BRASIL EVENTOS LTDA, é empresa de entretenimento recentemente fundada para execução de shows e concertos ao vivo

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

UNITERMOS: Marketing esportivo, futebol, administração esportiva.

UNITERMOS: Marketing esportivo, futebol, administração esportiva. ARTIGO Paulo Lanes Lobato * RESUMO Considerando que o marketing é hoje integrante de grande parte das conversas relacionadas ao esporte e, principalmente, que se transformou na esperança do esporte em

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

Política de doação de Mídia Social

Política de doação de Mídia Social Política de doação de Mídia Social 1.Objetivo A presente política tem como objetivo definir critérios institucionais para cada modalidade de parceria em Mídia Social estabelecida pela Rede Gazeta e adotada

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

O patrocínio como estratégia de investimento no esporte

O patrocínio como estratégia de investimento no esporte O patrocínio como estratégia de investimento no esporte Prof. Helcio M. Rodrigues Projeto apresentado ao Centro de Pós-Graduação e Pesquisa das Faculdades Metropolitanas Unidas RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

A l e x a n d r a P a u l o

A l e x a n d r a P a u l o A l e x a n d r a P a u l o ESCOLA SECUNDÁRIA SERAFIM LEITE TRABALHO FINAL TÉCNICAS DE VENDA Alexandra Paulo 11ºI Nº 21160 Disciplina: Comercializar e vender Prof: João Mesquita 20-12-2012 2012-2013 1

Leia mais

Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil

Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil Data de publicação: 10/07/2007 Última atualização: 10/07/2007 APRESENTAÇÃO Os patrocínios exercem um importante papel na estratégia de comunicação e

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Estratégias de Comunicação

Estratégias de Comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi A propaganda é parte do marketing e uma das ferramentas da comunicação. Uma boa estratégia de marketing não garante que a campanha de propaganda será boa, mas é condição essencial

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro Gestão e Marketing Esportivo Prof. José Carlos Brunoro O Sucesso depende de 3 pontos importantes 1. CONHECIMENTO 2. LIDERANÇA 3. CONDUTA PESSOAL 1 CONHECIMENTO Estudo Constante Aprender com todos Idioma

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Gestão de Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Branding Publicidade e propaganda Comunicação Digital Comunicação Empresarial Prof. Msc Alice Selles

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

A Década Esportiva para o Brasil. Desafios Oportunidades Legados

A Década Esportiva para o Brasil. Desafios Oportunidades Legados A Década Esportiva para o Brasil Desafios Oportunidades Legados Por que o Esporte? Porque é a resposta para uma nova comunicação... Exposição Conteúdo Marketing Connecting Consumidor Quantidade Tribo Emoção

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

PINTON GERALDINO DAOLIO 3

PINTON GERALDINO DAOLIO 3 MARKETING CULTURAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO LUIZ FABIANO FERREIRA¹, PAULO ALEXANDRE PINHEIRO SOARES 2, RAQUEL PINTON GERALDINO DAOLIO 3 1 Aluno do 3º semestre do curso Superior de Tecnologia de Gestão

Leia mais

PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO. Fatima Gouvêa

PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO. Fatima Gouvêa PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO Fatima Gouvêa Comunicação = papel estratégico MISSÃO Gerar e tornar disponível conhecimento relevante e formar profissionais qualificados, devolvendo à sociedade o investimento

Leia mais

Espaços Culturais como estratégia de comunicação de marca

Espaços Culturais como estratégia de comunicação de marca Espaços Culturais como estratégia de comunicação de marca Casos: Oi, Vivo, Citibank e HSBC Objetivos a. Analisar as estratégias de comunicação das empresas que utilizam os espaços culturais do Rio de Janeiro

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

DIRETRIZES PARA O PATROCÍNIO CULTURAL

DIRETRIZES PARA O PATROCÍNIO CULTURAL DIRETRIZES PARA O PATROCÍNIO CULTURAL A Brookfield Incorporações é hoje uma das maiores incorporadoras do país. Resultado da integração de três reconhecidas empresas do mercado imobiliário Brascan Residential,

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda, uma

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing Jun/13 APRESENTAÇÃO As emoções da Copa Espírito Santo de Futebol estão de volta. A Rede Vitória, pelo sexto ano consecutivo,

Leia mais

SERÁ UM ORGULHO TÊ-LO EM NOSSO TIME!!!

SERÁ UM ORGULHO TÊ-LO EM NOSSO TIME!!! A MVP é uma agência de Comunicação e Marketing Esportivo que atua de forma diferenciada no mercado, gerenciando a imagem de grandes atletas do esporte nacional desde 2006, passando pelos ciclos olímpicos

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Como Atrair Clientes

Como Atrair Clientes COMO ATRAIR CLIENTES QUESTÕES BÁSICAS Quem são os meus clientes? Quantos sãos? Onde estão? Como fazer para falar com eles? DEFINIÇÃO SEGMENTO DE MERCADO Significa um grupo de consumidores com necessidades

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais/CVB s 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda,

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL ALUNO RA TURMA SALA DATA / / 2014 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU FACULDADES DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PROGRAMA DE REVISÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO PRIAD 2014 MARKETING INTERNACIONAL PROF. MS ALEXANDRE

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA 4 E ÚLTIMO MÓDULO: Como Ganhar dinheiro com Mala Direta APRESENTAÇÃO PESSOAL Edileuza

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos:

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos: Módulo 4. O Mercado O profissional de marketing deverá pensar sempre em uma forma de atuar no mercado para alcançar os objetivos da empresa. Teoricamente parece uma tarefa relativamente fácil, mas na realidade

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Indústria do Esporte. Futebol, a maior paixão dos brasileiros Potencial mercadológico atual

Indústria do Esporte. Futebol, a maior paixão dos brasileiros Potencial mercadológico atual Indústria do Esporte Futebol, a maior paixão dos brasileiros Potencial mercadológico atual Abril 2011 Futebol, a maior paixão dos brasileiros Potencial mercadológico atual A BDO RCS, por meio de sua área

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

A importância do branding

A importância do branding A importância do branding Reflexões para o gerenciamento de marcas em instituições de ensino Profª Ligia Rizzo Branding? Branding não é marca Não é propaganda Mas é sentimento E quantos sentimentos carregamos

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MARKETING II Comunicação Integrada de Marketing Profª: Michele Freitas Santa Maria, 2012. O que é comunicação integrada? É o desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS MARKETING ESPORTIVO POR DENISE SALTARELLI

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS MARKETING ESPORTIVO POR DENISE SALTARELLI UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS MARKETING ESPORTIVO POR DENISE SALTARELLI ORIENTADOR PROFº MARCO ANTONIO CHAVES Rio de Janeiro,

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br Desde 2008 Mídia Kit 2015 encontrasãopaulo www.encontrasaopaulo.com.br Introdução O Mídia Kit 2015 do guia online Encontra São Paulo tem o objetivo de contextualizar a atuação do site no segmento de buscas

Leia mais

03 e 04 de agosto Passo Fundo. O poder da. Liderança. na superação de. resultados

03 e 04 de agosto Passo Fundo. O poder da. Liderança. na superação de. resultados 03 e 04 de agosto Passo Fundo O poder da Liderança na superação de resultados O poder da Liderança na superação de resultados O CONGREGARH Conexão 2016 terá como pauta dois temas fundamentais no ambiente

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente:

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente: Resumo Com a criação do Ministério do Turismo em 2003, o Brasil passa a ter, pela primeira vez em sua história, um ministério voltado exclusivamente para a atividade turística. A partir de então a Embratur

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

Exposição de marca Além de obter maior visibilidade na mídia, através da associação com equipes e atletas de alto rendimento, a marca da instituição

Exposição de marca Além de obter maior visibilidade na mídia, através da associação com equipes e atletas de alto rendimento, a marca da instituição Os jogos olímpicos mais diretamente possuem vinculação com o ensino superior por ter a participação de atletas oriundos de disputas universitárias. Conforme aponta estimativa da Koch Tavares, empresa especializada

Leia mais