PEDRO DE OLIVEIRA MARQUES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PEDRO DE OLIVEIRA MARQUES"

Transcrição

1 2 Faculdade 7 de Setembro Curso de Publicidade e Propaganda PEDRO DE OLIVEIRA MARQUES O DESIGN GRÁFICO NA CONVERGÊNCIA DA MÍDIA IMPRESSA PARA DIGITAL: UM ESTUDO DO JORNAL O POVO E DO PORTAL OPOVO.COM.BR FORTALEZA 2007

2 3 INTRODUÇÃO As bases para se analisar o design na convergência de mídia devem ser buscadas na nossa história, a partir do século XVIII, onde surgiram as primeiras formas de reprodução gráfica em série. As evoluções desses meios são essenciais para a compreensão do caminho que foi percorrido até as abordagens deste trabalho. O século XXI está sendo marcado pela grande evolução digital. Aparelhos e dispositivos simplificados começam a fazer parte de nosso cotidiano. Na internet as mudanças também não param. A interatividade está sendo o grande modelador das mídias. Dentro desse contexto midiático se encontram os meios tradicionais de comunicação como jornais e revistas, que tentam freneticamente se enquadrar neste novo modelo contemporâneo, onde tudo acontece de uma vez e ao mesmo tempo. Os jornais enfrentam um grande desafio que é o de aliar as diversas mídias para uma só, a internet. Grandes jornais, tradicionais do meio impresso, passaram a pensar seu conteúdo não só para o papel e para a web, como também, pensaram em como interligá-los. Utilizando de elementos gráficos e de fácil identificação, alguns grupos de comunicação apostaram no conceito visual como elo dessas duas mídias. Novas ferramentas começam a fazer parte do cotidiano da imprensa, como vídeos, som, infográficos animados, blogs, podcasts 1, enquetes virtuais, etc. As possibilidades aumentam rapidamente, fazendo com que a corrida contra o status de ultrapassado acabe se tornando mais uma preocupação diária dos meios impressos. As soluções para essa corrida digital estão aparecendo diante dos próprios meios digitais, visto que, as facilidades de se incluir no meio estão cada vez mais aparentes, os recursos tecnológicos estão se tornando mais simples. 1 Podcasting é uma forma de publicação de programas de áudio, vídeo e/ou fotos pela Internet que permite aos utilizadores acompanhar a sua atualização.

3 4 1. PROJETO GRÁFICO PARA IMPRESSOS Para posicionar o leitor, em termos de evolução tecnológica, pode-se dizer que por aproximadamente quatro séculos a imprensa esteve presa ao invento de Gutenberg, cujo sistema de composição se fazia letra a letra, linha a linha, em caracteres e capitulares em alto-relevo, em uma liga com predominância do chumbo, aliás, também um mérito de Gutenberg. (Collaro, 2000) É evidente que houve um aperfeiçoamento do sistema, com a padronização de altura de letras, sistemas de medidas etc. Por volta de 1890, surgiu um eficiente sistema de compor textos em alta velocidade, dando um novo ritmo as artes gráficas, principalmente a imprensa periódica que necessitava de maior agilidade e rapidez na execução de seus textos. Os prelos estavam cada vez mais rápidos e modernos, e o sistema de composição não acompanhava a velocidade das impressoras. Coube a Otmar Mergenthaler, um relojoeiro, o aperfeiçoamento de um sistema de composição chamado linotipo 2 (linhas contínuas), que daria, à imprensa, a velocidade necessária para sua expansão. (Collaro, 2000) Depois da Segunda Guerra Mundial, um novo conceito de produção contaminou a indústria, e não podia ser diferente com as artes gráficas. A entrada do sistema fotográfico no país sofreu uma forte resistência dos operários e técnicos que tinham o domínio completo da tecnologia mecânica e temiam por seus empregos, pois a composição fotográfica passou a ser um fantasma para tipógrafos, linotipistas, paginadores e impressores que compunham a equipe dos jornais. (Collaro, 2000) Um sistema sucumbia e outro ascendia. Nascia então, uma geração de paginadores de papel, que por sua vez utilizavam estiletes, colas, tesouras, réguas, esquadros, pranchetas etc. Em meados da década de 80 e 90, com a popularização dos computadores, todos os processos de industrialização sofreram radicais transformações, inclusive nas artes gráficas. Os profissionais capacitados apreenderam a desenhar com os 2 Linotipo funde em bloco cada linha de caracteres tipográficos, composta de um teclado, como o da máquina de escrever.

4 5 aplicativos gráficos para paginação que surgiram no mercado e as experiências com as ultrapassadas tecnologias lhes davam mais destreza ao aplicar o novo modelo de diagramação. Tudo mudou de perspectiva após o boom dos computadores. Jornais americanos, europeus e asiáticos passaram a utilizar tecnologia eletrônica na composição e impressão, em escala industrial. No Brasil, jornais como O Estado de São Paulo, O Globo, Folha de São Paulo, e outros, montaram novos parques gráficos para acompanhar a nova realidade da tecnologia gráfica internacional. A Era do PC 3 havia, finalmente chegado, e com ela a substituição definitiva dos tradicionais artistas gráficos das antigas oficinas de composição a quente por sofisticados terminais de vídeo que geram a fotocomposição ou composição a frio. É um novo e revolucionário sistema de composição eletrônica, que dispensaria o uso de papel nas redações, substituídas por terminais de vídeo que armazenariam as mensagens (textos, títulos) numa complexa central de computadores que se encarregaria de transformá-las em reproduções fotográficas prontas para a montagem e desenho da página a ser impressa. (Silva, 1985) 1.1. PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO A padronização gráfica tem o seu início na escolha de uma estrutura gráfica padrão a ser utilizada pelo jornal. Ao olharmos um jornal, facilmente identificamos o seu estilo de padronização por meio de uma tipologia específica, pela divisão das colunas, a distribuição das notícias e o seu logotipo. Na padronização gráfica (figura 1), a primeira página é a que detém os maiores recursos persuasivos para a posterior leitura de todo o jornal. Para tal, é necessário que essa padronização gráfica seja personalizada, para que o leitor a identifique imediatamente. Ela representa a própria imagem do jornal. 3 PC ou computador pessoal (Personal Computer) é um computador de pequeno porte e baixo custo, que se destina ao uso pessoal ou para uso de um pequeno grupo de indivíduos.

5 6 Figura 1: Uma das capas do Jornal O POVO de Fortaleza. Independentemente da escolha de um tipo definido de padronização gráfica, a diagramação se utiliza de duas formas para se trabalhar (figura 2), o que dará à publicação um aspecto harmônico em suas formas, com unidade, ritmo e equilíbrio marcantes: 1. Forma Simétrica disposição simétrica dos títulos, textos, ilustrações e outros elementos gráficos de forma homogênea utilizando coordenadas verticais ou coordenadas horizontais nos arranjos gráficos. 2. Forma Assimétrica utilização das coordenadas mistas (horizontais e verticais simultaneamente), provocando grande valorização estética, com a utilização do espaço em branco de forma adequada.

6 7 Figura 2: Exemplificação da forma simétrica e assimétrica. Depois de feito a configuração gráfica, ela é colocada em determinado campo, que serve de modelo para a produção em série. A preocupação do diagramador e, conseqüentemente, sua tarefa específica, é dar a tais mensagens a devida estrutura visual a fim de que o leitor possa discernir, rápida e confortavelmente, aquilo que para ele representa algum interesse. As decisões que se destacam no meio gráfico são claramente influenciadas pelo tipo de mensagem a ser veiculada, pelo tipo de consumidor dessa mensagem e pelo grau de interesse que a mensagem pretende proporcionar. (Silva, 1985) A habilidade de usar os elementos que farão parte da diagramação é que resultará uma página bem ou mal diagramada, atraindo ou não a atenção do leitor. O importante é descobrir qual vai ser o ponto de apoio da página, e escolher o elemento que vai orientar toda a diagramação. Pode ser uma foto, ou mesmo uma particularidade dela, um título, uma letra, ou até a própria estrutura da página. Basta dar uma olhada de forma geral para um jornal para se perceber que seus elementos expostos foram idealizados segundo uma estrutura definida. Os conceitos que guiam o diagramador para escolher o ponto de apoio da página e desenhá-la são: ritmo, equilíbrio, harmonia, motivo predominante, motivo secundário, motivo de ligação. (Silva, 1985)

7 8 O espaço, onde os elementos visuais que o profissional utilizará devem ser distribuídos, harmonicamente, no formato Standard 4 ou Tablóide 5. O resultado final será julgado por pessoas, começando por editores, se estendendo por redatores, pois são os que fornecem os elementos de trabalho, aliados aos repórteres, fotógrafos e, finalmente, os leitores. Embora o encaixe dos elementos obedeça a um critério pessoal, há certas regras que devem se observadas: - Destaque para o título (manchete), correspondente à importância da notícia; - precisão do corte das fotografias; - cálculo exato do texto; - bom senso estético. Assim, com a colocação de todos esses elementos que determinam o desenho de uma página impressa, pode-se definir a diagramação como sendo a atividade de coordenar corretamente o material gráfico com o material jornalístico, combinar os dois elementos com o objetivo principal de persuadir o leitor. O gráfico orientando o texto e vice-versa ORGANIZAÇÃO DO CONTEÚDO Cada jornal possui suas peculiaridades gráficas, mas todos possuem atribuições que os caracterizam como este tipo de mídia. Os jornais são dividos por editorias, cadernos, suplementos, projetos especiais e produtos comerciais. Tudo de uma forma hierárquica (Figura 3) 4 Standard corresponde a uma página inteira do jornal, com mancha gráfica variando em torno de 120 por 70 paicas (ou aprox. 50 cm por 30 cm) e bordas de dois a três centímetros. 5 Tablóide é a metade do tamanho do standard; costumam ser jornais populares que utilizam profusão de recursos gráficos, pouco texto e muitas fotos

8 9 Figura 3: Hierarquia do jornal impresso As editorias são responsáveis por segmentar o público de acordo com o assunto que trata como, por exemplo, notícias locais, nacionais e de cunho internacional. As editorias podem ser compostas por temas como economia, política, entretenimento, esportes, ciência, etc. Há também os cadernos, que são produtos de jornais médios e grandes, pois não são ligados diretamente ao primeiro caderno. Se caracterizam por serem independentes do resto do jornal e são veiculados diariamente, muito usado para a segmentação de público, como por exemplo os cadernos de fofoca e os anúncios classificados. Os suplementos possuem as mesmas caracteristicas, entretanto sua veiculação é semanal ou quinzenal. Normalmente são voltados para as crianças, viagens, veículos e emprego. Cada editoria possui um grupo de jornalistas que são encarregados de redigir e produzir o conteúdo editorial. Em seguida o editor revisa o conteúdo e

9 10 encaminha para que o diagramador faça o desenho da página, ou como é mais conhecido, a pré-diagramação. O jornal impresso tradicional deve trabalhar muito bem a primeira página, é a que tem mais destaque e por esse motivo ela nunca é fixa, está sempre se adaptando às chamadas e matérias do dia. Na capa podemos observar uma série de elementos que facilitam a identificação das seções. Tais como as próprias chamadas, as cores, as cartolas 6 e as fotos. Veja estes três exemplos de capa dos dias 12, 13 e 14 de novembro de 2007, respectivamente (figura 4): Figura 4: variação dos elementos das capas do Jornal O POVO ARQUITETURA E NAVEGAÇÃO O jornal impresso é, por natureza, uma mídia de texto. Mas isso não o caracteriza como um objeto linear. A organização e distribuição das chamadas na capa fazem com que o leitor se sinta livre para pular direto para o conteúdo de seu interesse. A arquitetura é o que vai organizar da melhor maneira, as informações para que o leitor então, possa navegar da forma como foi pensado a sua arquitetura TIPOGRAFIA O estudo da tipografia é essencial para os meios de comunicação, pois é importante que a adequação ao tipo de mídia seja corretamente aplicado. 6 As cartolas são uma ou duas palavras-chave que ficam antes de um pequena introdução sobre o que se trata a notícia.

10 11 A usabilidade do tipo é uma importante área de pesquisa em tipografia. O elemento básico da impressão é a letra. Ela, portanto, está na base de tal investigação. O nível de atendimentos dos requisitos de usabilidade são determinados por três critérios ergonômicos: legibilidade, leiturabilidade 7, e pregnância. Cabe destacar que esses critérios não são os únicos que o ou o designer gráfico deve levar em conta no desenvolvimento de seu projeto. Devem ser considerados na utilização do tipo também os seus aspectos quanto à estética, à significação e à adequação ao processo produtivo. A usabilidade, embora seja um aspecto fundamental, não deve ser tomado como um critério isolado e absoluto. (Niemeyer, 2001) 1.4. ELEMENTOS GRÁFICOS A concepção de elementos gráficos em periódicos é uma atividade comum no ramo de design gráfico. Tal criação tem o propósito de construir uma identificação para determinados conteúdos. Essa identidade deve se tornar padrão no projeto, pois é ela que vai aproximar o leitor do conteúdo com mais facilidade. Ao se acostumar com os elementos, o leitor já deduz a sua intenção visualmente e editorialmente. 7 Leiturabilidade (readability) é a qualidade que torna possível o reconhecimento do conteúdo da informação em um suporte quando ela está representada por caracteres alfanuméricos em grupamentos com significação, como palavras, frases ou textos corridos.

11 12 2. PROJETO GRÁFICO PARA WEB O meio digital é caracterizado por ter um pouco de cada mídia, a web é ágil como o rádio, abrangente como o jornal, rica como uma consulta a um especialista, e imprevisível por possuir uma variedade muito grande de assuntos. As páginas web são ativas e ricas em conteúdo. Podem mudar de tamanho e proporção a cada instante e dependem totalmente das condições do computador em que o material está sendo visto: tamanho dos monitores e janelas dedicadas para a internet, famílias de letras, navegadores, tecnologia, velocidade de acesso, tudo isso faz uma enorme diferença, a tal ponto de não ser comum dois computadores verem a mesma tela. Considerando que cada leitor consultará as telas na ordem que quiser, podemos dizer que, quanto mais rico for o conteúdo de um site, maiores serão as chances de que a experiência de cada visitante seja única. (Radfahrer, 2001) O grande problema de toda essa inovação tecnológica é que a web acabou se tornando uma espécie de depósito de livros usados, um sebo. Tem informações em todos os formatos e material organizado de um jeito que não valoriza seu conteúdo: empilha os volumes lado a lado, imaginando que, quem vai consultá-los, sabe exatamente o que quer e onde encontrar. Assim, existem volumes que nunca serão lidos, mesmo que sejam maravilhosos. Ao contrário de uma biblioteca, eles não têm uma ordem implícita: a sensação que passa é a de uma estante bagunçada: há de tudo, mas é preciso procurar, procurar, procurar... (RADFAHRER, 2001) Um produto bem projetado envolve muito mais do que um conteúdo de qualidade. Questões como facilidade de uso, desempenho e design gráfico também são importantes. A satisfação subjetiva, a agradabilidade, também faz parte desse todo. O conjunto resultante de todos esses fatores, mais a questão da fluidez e imersão total, tem a capacidade de gerar aquilo que podemos chamar de experiência perfeita. Memória (2005) refere-se ao ato de se conduzir dentro do ambiente virtual, uma navegação livre de erros de caminho, onde se fosse possível chegar ao destino da forma mais rápida e fácil possível. O design na Web requer os mesmos altos níveis de talento, experiência e técnica exigidos pelas demais formas de arte eletrônica. Muitos dos princípios que os designers usaram nos meios tradicionais, sejam impressos ou eletrônicos, continuam sendo

12 13 validos na web. Ainda é preciso captar a atenção do olhar do visitante e criar uma composição correta entre elementos como tipografia e ilustrações. Entretanto, a web é construída sobre bases técnicas diferenciadas que se apóiam fundamentalmente na linguagem HTML e na exposição seqüencial das páginas na tela do monitor. Para ter sucesso na tarefa do desenvolvimento visual de um site, cada um desses elementos deve ser considerado: espaço em branco, combinação de cores, texturas, seqüência, proximidade e alinhamento, balanço, contraste entre os elementos e unidade da página. (Memória, 2005) O espaço em branco, tanto na mídia impressa quanto na digital, serve para equilibrar o layout, reforçar a unidade de grupos e aumentar o contraste. E pode ser considerado um elemento, pois compõe a área em torno dos outros gráficos e textos. A recomendação prática é evitar a estratégia de colocar o máximo de informação possível em uma página, um procedimento que, na verdade, contradiz todas as regras convencionais de design. Portanto, os espaços em branco devem ser parte integrante do design de uma página na Web e empregados para permitir a leitura mais fácil e a melhor compreensão do texto ou ainda indicar ao internauta onde começa e onde termina a seção. (Memória, 2005) A respeito das combinações de cores, além dos textos e imagens, a cor é um importante elemento funcional. Ela pode intensificar tanto o texto como a imagem. A cor é fundamentalmente emoção e, nesse sentido, ela pode ser imprescindível. A combinação de cores deve ser cuidadosa. Elas não apenas precisam combinar entre si dentro de um mesmo espaço, como devem também criar um estado de espírito ou efeito visual. As cores corretas podem então transmitir sentimentos de excitação, urgência, contentamento, ou destacar intencionalmente certos elementos em relação a outros. Os anúncios de mídia impressa observam um especial cuidado com a disposição do texto e das imagens, os arranjado então de uma maneira que leve os olhos a percorrer um caminho determinado (e desejado pelo designer). Cada elemento cumpre o importante papel de criar uma impressão, um sentimento ou uma idéia que se deseja comunicar.

13 14 O designer da Web deve também saber distribuir os diferentes elementos da página de uma forma que capte a atenção dos olhos e dirija o olhar do visitante para o elemento correto em uma seqüência determinada. Portanto, a seqüência diz respeito à condução do leitor pelos elementos da página. Como os olhos movimentam-se habitualmente da esquerda para a direita e de cima para baixo. Proximidade e alinhamento devem estar bem definidos em um layout. Todos os elementos que têm algo em comum devem estar juntos, para que o leitor os reconheça como um grupo. Caso contrário, quando as coisas que pertencem a um mesmo grupo estão separadas, o leitor pode ter a sensação de desorganização. Ao estabelecer uma relação entre os elementos nos grupos e entre os grupos, o agrupamento possibilita ainda mostrar a hierarquia no layout e sugerir uma ordem de leitura. Portanto, a mensagem é mais bem transmitida e o acesso à informação é facilitado, pois o leitor se sente mais confortável. Entendido como a distribuição do peso ótico pelo espaço, o balanço pode ser formal (simétrico) ou informal (assimétrico). No balanço formal, cada elemento que vai a um lado da página é repetido do outro, seja na horizontal ou na vertical. No balanço informal isso não ocorre: os vários elementos da página se põem com pesos desiguais de outro lado, sem ferir a ponderação do conjunto, pois essas partes desiguais são, na verdade, equivalentes entre si. Toda página bem construída é um arranjo de harmonias e contrastes entre suas partes. Para vencer a indiferença, a tensão provocada pelos elementos verbais títulos, subtítulos, textos, enfim, palavras deve ainda ser completada com o excitamento visual produzido pela imagem. (Pinho, 2003) O contraste é vital para conformar de maneira visual as intenções do designer. A antiga sensação de repouso e as formas balanceadas perderam muito de sua importância nos dias atuais, em que a tensão é fortemente insinuada para suscitar extremos suportáveis de excitação. (Radfahrer, 2001) A interface de interação do leitor é a tela do computador, cujo espaço visual é limitado e permite a movimentação só em dois sentidos: para baixo ou para cima,

14 15 por meio da rolagem da tela, mas que não impede de ser um bom recurso para separar o conteúdo. No caso do jornal voltado para a web a estrutura deve seguir uma construção que seja atrativa e de fácil leitura (Figura 5). Nesta forma não-linear, as notícias requerem enormes desafios para seu planejamento. A notícia deve ser separada em suas partes, caso haja necessidade: Links para outras páginas que complementem a informação, apresentação da notícia em uma linha de tempo ou visualmente, elementos multimídia, como áudio ou vídeo, abertura para enquetes ou discussão entre os leitores, outros elementos visuais como fotos e mapas e se deve haver ou não o envolvimento de editores, designers e especialistas. (Rich, 2002) Figura 5: Destaques com fotos e links no site do O Estadão de São Paulo, (www.estadao.com.br) ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO A informação, atualmente, está cada vez mais abundante em nosso cotidiano, e a internet não foge a regra. A arquitetura da informação consiste, justamente, em

15 16 organizar, de modo eficaz, o conteúdo e sua estrutura. Para isso Radfaher (2001) diferenciou três tipos de material informativo: o dado, a informação e o conhecimento. - Dado: é a unidade básica da informação, sendo ela descartável. - Informação: é quando um dado torna-se relevante. A informação é resultante de uma aglutinação em conjuntos relevantes de dados que são conectados por nós. - Conhecimento: quando um dado se torna relevante, ele se transforma em informação. A informação é resultante de uma combinaçao de dados. Por sua relevância, pode ser mais duradoura, mas acaba sendo esquecida. Adquirir um conhecimento muitas vezes requer a experíência sensorial, pois a mente assimila melhor os dados e informações por meio do visual. Em relação à interface, Memória (2005) vai apresentar a idéia de padronização das interfaces, e explica que é um conceito básico e um dos mais importantes para quem projeta produtos para a internet. Assim como o texto escolhido para representar os links, uma solução de design adotada pela maioria dos sites é, até segunda ordem, a melhor solução para o site a ser projetado. A solução usada pela maioria está diretamente relacionada a conceitos de psicologia cognitiva, como facilidade de aprendizado e memorização. Quando utilizamos soluções simples, porém eficazes, diminuímos as chances de dúvida e, conseqüentemente, de erro por parte das pessoas que estão utilizando o produto. Na Web, depois de alguns anos, certas convenções já são utilizadas e respeitadas em uma série de sites. Algumas pesquisas já tratam do tema. A combinação do estudo desses pesquisadores leva a um wireframe 8 (Figura 6) que pode ser considerado como padrão para o posicionamento de elementos nos sites: 8 Wireframe é a estrutura de grade que faz parte do planejamento de um site na web.

16 17 Figura 6: Exemplo de wireframe muito utilizado na internet. Embora tenham sido feitos muitos estudos sobre o design para a web, arquitetar a informação para conteúdos web não é tão simples. Uma boa hierarquia visual nos economiza trabalho fazendo um pré-processamento da página para nós, organizando e priorizando seu conteúdo de uma forma que possamos captar quase instantaneamente. Entretanto, quando uma página não possui uma hierarquia visual clara se tudo parecer igualmente importante, por exemplo estaremos reduzidos ao processo muito mais lento de percorrer a página, buscando palavras e sentenças e depois tentar formar nossa própria idéia do que é importante e como as coisas estão organizadas. É muito mais trabalhoso. Além disso, desejamos diretrizes editoriais em sites da mesma forma que em outras mídias. O editor sabe melhor do que qualquer um quais partes do conteúdo do site são mais importantes, valiosas ou populares. Cada meio de publicação desenvolve convenções de leitura ou de arquitetura e continua a refiná-las e a desenvolver novas no decorrer do tempo. A Web já tem muitas delas, a maioria derivada de convenções de jornais e revistas, e novas continuarão a surgir. (Krug, 2006)

17 ESTRUTURAS DE ORGANIZAÇÃO O esquema de organização define categorias que serão usadas para estruturar todo o conteúdo. As estruturas de organização definem como a informação é fisicamente estruturada para o uso, determinando quais os tipos de relações entre os itens e os grupos de conteúdo. São elas (ROSENFELD & MORVILLE, 2002, p. 66): Seqüencial Estruturas seqüenciais ou lineares (Figura 7) são estruturas que possuem uma seqüência lógica entre as informações. Um bom exemplo de uma estrutura linear é um slide show5. Um tutorial de tarefas normalmente é executado de forma linear, pois cada pois cada tarefa depende da anterior. Figura 7: Estrutura de organização seqüencial ou linear Hierárquica Quando se cria uma página principal com links para páginas de conteúdo, está sendo criada uma hierarquia. Começa-se com uma categoria. Esta categoria é dividida em sub-catetorias que também tem subcategorias até se chegar ao ponto onde se encontra a informação. É uma tarefa de categorizar e criar associações entre informações. Quando se categoriza algo é normal perguntar-se onde colocar a informação diferente desta categoria. Este é o processo de criar subcategorias e a construção da hierarquia começa (Figura 8).

18 19 Figura 8: Estrutura de organização hierárquica. Quando está se trabalhando com hierarquias, deve-se ter bastante atenção para dois conceitos: a largura e a profundidade (KANTOR, 2004). a. Largura consiste em quantas opções ou subcategorias haverá em cada nível. b. Profundidade consiste em quantas camadas ou menus um usuário tem que clicar para chegar à informação desejada Hipertextual O modelo hipertextual (Figura 9) é utilizado para ligar partes de informação que podem ter, ou não, relações entre si. É uma estrutura que normalmente é utilizada para estabelecer relações entre informações que podem não ser associadas umas às outras, mas, devida às circunstâncias, são associadas. Um bom exemplo de hipertexto em um jornal é leia mais no final da chamada de uma notícia. É um modelo normalmente utilizado como suplemento de outro, pois é difícil para o usuário criar um modelo mental de uma estrutura aparentemente randômica. Pode ocorrer dos usuários não compreenderem as relações estabelecidas entre as partes da informação.

19 20 Figura 9: Estrutura de organização hipertextual. O sistema de organização engloba possibilidades de organizar grandes massas de informação. Contudo, tais informações precisam ser rotuladas para serem catalogadas e encontradas com maior facilidade SISTEMAS DE ROTULAÇÃO A língua falada é, essencialmente, um sistema de rotulação de conceitos e objetos. A busca por rótulos é constante no universo humano. Rotular é uma forma de representação. Utilizando-se de tal recurso, pode-se criar rótulos a fim de nomear agrupamentos de grandes blocos de informação (ROSENFELD & MORVILLE, 2002, p. 76). Na Internet não é diferente, sendo os rótulos normalmente a maneira mais óbvia e clara de mostrar a usuários um sistema de organização e navegação. Os rótulos fazem parte da comunicação entre o usuário e o que o criador quer representar com aquela seção. Criar rótulos é um dos aspectos mais difíceis da arquitetura da informação, pois a linguagem é ambígua e possui vários significados para uma mesma palavra. Existem sempre sinônimos e homônimos para se preocupar e diferentes contextos e

20 21 entendimentos sobre determinado termo. São aspectos importantes para a criação de rótulos (ROSENFELD & MORVILLE, 2002, p. 92): Conteúdo, contexto e usuário lembrar-se das bases para se criar uma arquitetura da informação, pois estas bases afetam em todos os aspectos na definição da arquitetura da informação, principalmente, nos rótulos. Escopo o quão melhor definido for à audiência, reduz-se a possibilidade de erro no entendimento do que determinado rótulo pode significar. Se o conteúdo, o contexto e os usuários estiverem bem definidos, criar rótulos será mais simples e bem focado. Rótulos complexos e de difícil entendimento para determinado público, mesmo que utilizados apenas temporariamente, podem afastar usuários de um site. Consistência deve-se ter em mente que criar rótulos, assim como organizar, é criar um sistema. Para obter sucesso é primordial que haja uma consistência. Consistência implica em previsibilidade. Sistemas que são previsíveis são de fácil compreensão. O usuário ao ver um ou dois rótulos já deve, intuitivamente, esperar o que virá nos próximos NAVEGABILIDADE Na internet os usuários estão no comando e não precisam necessariamente consumir o conteúdo em uma seqüência predeterminada já que a navegação se dá por meio do hipertexto. Daí a vocação de ser um meio orientado aos usuários. E para que as pessoas consigam achar o conteúdo que procuram, o projeto de uma navegação eficiente, fácil e intuitiva torna-se fundamental. (Memória, 2005) Segundo Memória (2005), é recomendado normas e boas práticas para seu projeto de navegação. Entre elas, a mais tradicional e simples, segundo Nielsen (2005), talvez seja a necessidade de resposta para as três principais questões dos usuários: Onde estou? Onde estive? Onde posso ir? Jennifer Fleming (1998) aponta uma repetição de características básicas, como princípios por trás das escolhas de projeto. Segundo a autora, uma navegação funcional teria as seguintes dez qualidades (quadro 1):

21 22 CONCEITO DEFINIÇÃO 1 Ser facilmente aprendido Se o usuário for obrigado a gastar muito tempo aprendendo como o site funciona, não terá energia para absorver o conteúdo. 2 Ter consistência Quando se desenvolve um sistema de navegação que funciona, os usuários passam a se guiar por ele, e qualquer mudança radical na estrutura pode comprometer o interesse do leitor por procurar o conteúdo que lhe agrade. 3 Dar retorno Ter um feedback da navegação, como quando apertamos um botão ou giramos o volume do som, devemos ter algum retorno visual da ação. 4 Estar contextualizado A navegação deve estar aparente, com todos os links aparecendo, para que não seja preciso usar recursos do navegador ou tentativa e erro. 5 Oferecer alternativas Cada usuário navega de uma forma singular com recursos diferentes, isso cria a necessidade de oferecer formas de navegação com ou sem tais recursos, que o usuário pode ter ou não intalado em seu microcomputador. 6 Garantir economia tempo e ações de Ir direto ao assunto é a atitude mais sensata a se fazer, para o bem do leitor. Segundo Fleming, devemos evitar longas viagens, ou seja, caminhos desnecessários e longos que acabam causando a frustração. 7 Prover mensagens visuais claras O design deve sempre guiar o usuário, comunicar corretamente a mensagem, facilitando o processo de navegação e aumentando a usabilidade. Isso inclui cores, formato de botões, links e posicionamento de informações que funcionem como auxílio visual para as pessoas. 8 Criar nomenclaturas claras O melhor, no desenvolvimento de Sites, o melhor é utilizar uma nomenclatura adequada, que fale a lingua dos usuários, e não o vocabulário usado internamente na empresa. 9 Seguir o propósito do site Deve haver uma compatibilidade entre o objetivo do site e a forma de navegação. A utilização de ícones mimcompeensiveis pode ser de grande valia para um site de entreenimento, onde a navegação não é orientada por tarefa, por exemplo. 10 Apoiar e ajudar os objetivos dos usuários O principal objetico da navegação é dar suporte as tarefas do usuário, as seus objetivos dentro de um site de específico. Quadro 1: Dez qualidades de uma navegação funcional

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Arte X Engenharia Desenvolver Sistema Web é arte? A Web oferece espaço para arte...... mas os usuários também desejam

Leia mais

Estrutura e estética: Organização, layout, cores e tipos

Estrutura e estética: Organização, layout, cores e tipos Design Web Estrutura e estética: Organiação, layout, cores e tipos Apresentação: Estrutura e Estética Organiação Navegação Layout Cores e Tipografia! " Representação e Apresentação Representação Utiliar

Leia mais

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net Tópicos da Aula 1. Design 2. Importância do

Leia mais

Estação Centro: planejamento gráfico e diagramação do jornal-laboratório da FAPSP 1

Estação Centro: planejamento gráfico e diagramação do jornal-laboratório da FAPSP 1 Estação Centro: planejamento gráfico e diagramação do jornal-laboratório da FAPSP 1 Washington Anibal CORREA 2 Egberto Gomes FRANCO 3 Daniel Ladeira de ARAÚJO 4 Miguel VALIONE JUNIOR 5 Faculdade do Povo,

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design gordongroup Sobre o gordongroup gordongroup é uma agência de marketing e comunicação de tempo integral e de balcão único, que oferece um conjunto exclusivo de serviços criativos,

Leia mais

Desenvolvimento Web Usabilidade na Web aula I introdução e o design geral do site. Prof.: Bruno E. G. Gomes IFRN

Desenvolvimento Web Usabilidade na Web aula I introdução e o design geral do site. Prof.: Bruno E. G. Gomes IFRN Desenvolvimento Web Usabilidade na Web aula I introdução e o design geral do site Prof.: Bruno E. G. Gomes IFRN 1 Introdução A Web oferece uma enorme liberdade de escolha e movimentação Qualquer coisa

Leia mais

www.rakutencommerce.com.br E-BOOK

www.rakutencommerce.com.br E-BOOK APRENDA AS ÚLTIMAS DICAS E TRUQUES SOBRE COMO DAR UM TAPA 3.0 NA SUA LOJA VIRTUAL. www.rakutencommerce.com.br E-BOOK propósito desse ebook é muito simples: ajudar o varejista on-line a dar um tapa 3.0

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: website; jornalismo online; comunicação organizacional.

PALAVRAS-CHAVE: website; jornalismo online; comunicação organizacional. Contribuições para a comunicação organizacional de um curso de Jornalismo: Website do Curso de Comunicação Social - Jornalismo da UFSJ 1 Priscila NATANY 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de

Leia mais

Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign

Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Apresentação, Fluxo de Desenvolvimento e Arquitetura da Informação Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net

Leia mais

INTEGRADOR WEB INTEGRADOR

INTEGRADOR WEB INTEGRADOR O produto e seus processos. - Automatização das operações repetitivas. - Formatação de estilos de entrada e de saída para as várias mídias. Acesso remoto via Web. Diagrama Base INTEGRADOR WEB INTEGRADOR

Leia mais

Construtor Iron Web. Manual do Usuário. Iron Web Todos os direitos reservados

Construtor Iron Web. Manual do Usuário. Iron Web Todos os direitos reservados Construtor Iron Web Manual do Usuário Iron Web Todos os direitos reservados A distribuição ou cópia deste documento, ou trabalho derivado deste é proibida, requerendo, para isso, autorização por escrito

Leia mais

Características do jornalismo on-line

Características do jornalismo on-line Fragmentos do artigo de José Antonio Meira da Rocha professor de Jornalismo Gráfico no CESNORS/Universidade Federal de Santa Maria. Instantaneidade O grau de instantaneidade a capacidade de transmitir

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

LAYOUT O layout (disposição de elementos de texto e imagens em uma peça gráfica).

LAYOUT O layout (disposição de elementos de texto e imagens em uma peça gráfica). Adriana C. Almeida O QUE É? Falleiros (2003) conceitua editoração eletrônica como o ramo da computação gráfica voltado para a produção de peças gráficas e editoriais, tais como jornais, livros, revistas,

Leia mais

Projeto de Sites da Web

Projeto de Sites da Web Introdução Projeto de Sites da Web Mário Meireles Teixeira UFMA DEINF Hipertexto É um documento composto por um conjunto de nós contendo texto, imagens, sons e ações, a interligados entre si e formando

Leia mais

O TEXTO DA MÍDIA DIGITAL

O TEXTO DA MÍDIA DIGITAL PACOTE DE NOTÍCIAS no dreamweaver O TEXTO DA MÍDIA DIGITAL União das principais características das mídias "anteriores : - Agilidade (rádio) - rapidez na atualização de conteúdo e na formatação do layout

Leia mais

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY A Rock Content ajuda você a montar uma estratégia matadora de marketing de conteúdo para sua empresa. Nós possuimos uma rede de escritores altamente

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design Uma das empresas de comunicação e marketing mais destacadas de Ottawa, Canadá, o gordongroup oferece um design premiado para uma oferta completa de produtos de comunicação de identidades

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais

DWEB. Design para Web. Diagramação Web. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico

DWEB. Design para Web. Diagramação Web. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico DWEB Design para Web Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico Diagramação Web Medita estas coisas; ocupate nelas, para que o teu aproveitamento seja manifesto a todos. 1 Timóteo 4:15 Contatos Carlos

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Instituto Federal do Sertão-PE Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Prof. Felipe Correia Conteúdo Por que estudar Design de Interfaces e Usabilidade?! Conceitos básicos sobre Design! Primeira

Leia mais

Identidade Digital Padrão de Governo

Identidade Digital Padrão de Governo Identidade Digital Padrão de Governo Participantes do Projeto Presidência da República Secretaria de Comunicação SECOM Diretoria de Tecnologia DITEC Ministério do Planejamento Secretaria de Logística e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS Microsoft Office PowerPoint 2007 Prof. M.Sc. Fábio Hipólito Julho / 2009 Visite o site:

Leia mais

3 - Projeto de Site:

3 - Projeto de Site: 3 - Projeto de Site: O site de uma empresa é como um cartão de visita que apresenta sua área de negócios e sua identidade no mercado, ou ainda, como uma vitrine virtual em que é possível, em muitos casos,

Leia mais

Publisher. Publisher. versão 2012.2

Publisher. Publisher. versão 2012.2 versão 2012.2 Publisher Publisher Para diagramar, vamos utilizar o Publisher, do pacote de programas Microsoft Office. As instruções valem para as versões 2003, 2007 e 2010 do pacote. Vamos aprender através

Leia mais

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas CCUEC Roberto Romani UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas Usabilidadena WEB Tópicos Principais O que é usabilidade? Por que usabilidade na Web 7 regras básicas de usabilidade na Web Inspeção de usabilidade

Leia mais

Manual WebAdmin News

Manual WebAdmin News Manual WebAdmin News 20/12/2008 Login: Com a integração das páginas de notícias ao site atual da empresa, você consegue publicar notícias e artigos com a cara da sua empresa, sem precisar conhecer os detalhes

Leia mais

Edital Nº 01/2008 Seleção de empresa para a criação do layout do novo site da Feevale

Edital Nº 01/2008 Seleção de empresa para a criação do layout do novo site da Feevale Edital Nº 01/2008 Seleção de empresa para a criação do layout do novo site da Feevale A Associação Pró Ensino Superior em Novo Hamburgo ASPEUR, mantenedora do Centro Universitário Feevale, com sede na

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Web Design III

Tópicos de Ambiente Web Web Design III Tópicos de Ambiente Web Web Design III Professora: Sheila Cáceres Conteúdo para Web Educacional Entretenimento Comercial Industrial Cientifico Entre outros Tópicos de Ambiente Web - Prof. Sheila Cáceres

Leia mais

usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet

usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet WEB Usabilidade WEB usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet no design de produtos e de software tradicionais, usuários pagam antes e experimentam a usabilidade depois na WEB experimentam

Leia mais

Interface com o Usuário

Interface com o Usuário Interface com o Usuário Trabalho da disciplina optativa Computação Gráfica III 1/7 A Interface com o usuário A Interface com o Usuário é uma parte fundamental de um software; é a parte do sistema visível

Leia mais

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I APRESENTAÇÃO... 1 AMBIENTE DE TRABALHO... 2 A folha de cálculo... 2 O ambiente de trabalho do Excel... 3 Faixas de Opções do Excel... 4 - Guia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL WEBDESIGN CAMPUS PRAÇA XI - NOITE VICTOR YAMAMOTO DE SOUZA 200901191267

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL WEBDESIGN CAMPUS PRAÇA XI - NOITE VICTOR YAMAMOTO DE SOUZA 200901191267 UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL WEBDESIGN CAMPUS PRAÇA XI - NOITE VICTOR YAMAMOTO DE SOUZA 200901191267 Rio de Janeiro 2013 INTRODUÇÃO O presente projeto visa o desenvolvimento de

Leia mais

1- Objetivos de comunicação/adaptabilidade aos vários dispositivos

1- Objetivos de comunicação/adaptabilidade aos vários dispositivos UC: Tecnologia Multimédia Discente Brany Cunha Lisboa-1130499 Docente: Bruno Rego Proposta de melhoria de uma solução interativa Site: www.reporterstp.info 1- Objetivos de comunicação/adaptabilidade aos

Leia mais

Arquitetura de Informação - 4

Arquitetura de Informação - 4 Arquitetura de Informação - 4 Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Esquemas de Organização da Informação Exata Divide a informação em categorias bem definidas e mutuamente

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

Publisher. Publisher. versão 2012.2

Publisher. Publisher. versão 2012.2 versão 2012.2 Publisher Publisher Para diagramar, vamos utilizar o Publisher, do pacote de programas Microsoft Office. As instruções valem para as versões 2003, 2007 e 2010 do pacote. Vamos aprender através

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Valor total do Projeto: R$ 2.283.138,52 Apresentação: O jornal A Gazeta foi comprado por Cásper Líbero em 1918. Produziu

Leia mais

WEBJORNALISMO. Aula 04: Características do Webjornalismo. Características do webjornalismo

WEBJORNALISMO. Aula 04: Características do Webjornalismo. Características do webjornalismo WEBJORNALISMO Aula 04: Características do Webjornalismo Prof. Breno Brito Características do webjornalismo O webjornalismo apresenta algumas características específicas em relação a aspectos que quase

Leia mais

Tutorial Word 2007. Estilos. 1. Estruturação do Documento. 1.1 Mapa do documento. Tutorial Word 2007

Tutorial Word 2007. Estilos. 1. Estruturação do Documento. 1.1 Mapa do documento. Tutorial Word 2007 Tutorial Word 2007 Este tutorial pretende introduzir algumas das ferramentas automáticas do Word para a geração de sumários, índices de figuras ou tabelas, referencias e citações automáticas ao longo do

Leia mais

REGRAS DE ESCRITA PARA A WEB

REGRAS DE ESCRITA PARA A WEB REGRAS DE ESCRITA PARA A WEB ESTRUTURA BÁSICA... 2 ESCRITA PARA A WEB 1... 2 Layout para a web... 3 Classificação... 5 Navegação... 5 Design e layout do site... 7 1 Adaptado de: in MCGOVERN, Gerry, NORTON,

Leia mais

UFCD 0152 Estrutura de um sítio para Internet

UFCD 0152 Estrutura de um sítio para Internet INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, IP DELEGAÇÃO REGIONAL DO NORTE CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE VIANA DO CASTELO-SERVIÇO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL UFCD 0152 Estrutura de um sítio

Leia mais

Jovens do mundo todo Conheça outras culturas

Jovens do mundo todo Conheça outras culturas 5 a a 8 a séries Ensino Fundamental Jovens do mundo todo Conheça outras culturas Softwares Necessários: Microsoft Encarta 2000 Internet Explorer 5,0 Microsoft Publisher 2000 Microsoft Word 2000 Áreas:

Leia mais

e-mag Checklist de Acessibilidade Manual para Deficientes Visuais

e-mag Checklist de Acessibilidade Manual para Deficientes Visuais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Governo Eletrônico Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação

Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica Como ler mais rapidamente Usando o leitor do SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica Enquanto lê, você muitas vezes: "Ouve" cada palavra

Leia mais

XXIV SEMANA MATEMÁTICA

XXIV SEMANA MATEMÁTICA XXIV SEMANA ACADÊMICA DA MATEMÁTICA Minicurso: Produção de Páginas Web para Professores de Matemática Projeto de Extensão: Uma Articulação entre a Matemática e a Informática como Instrumento para a Cidadania

Leia mais

BrOffice Impress Módulo 06 ÍNDICE

BrOffice Impress Módulo 06 ÍNDICE ÍNDICE VÍDEO 1 Trabalhando com o BrOffice.org Impress VÍDEO 2 Conhecendo o BrOffice.org Impress VÍDEO 3 Criando uma nova apresentação VÍDEO 4 Estrutura de tópicos VÍDEO 5 Layout VÍDEO 6 Trabalhando com

Leia mais

P3 Tratamos tudo por tu. Duarte Pereira e Ivan Mendes

P3 Tratamos tudo por tu. Duarte Pereira e Ivan Mendes P3 Tratamos tudo por tu Duarte Pereira e Ivan Mendes Conteúdo 1.Introdução... 2 2. O caso p3... 3 2.1 Estatística... 3 3. Público-alvo... 4 4. Objetivos de Comunicação... 5 5. Vantagens desvantagens...

Leia mais

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião.

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma forma oral? Uma forma sonora? ou Uma forma visual/escrita?? Off-line: Revistas; Panfletos;

Leia mais

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DOS SÍTIOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO EXTREMO SUL DO BRASIL

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DOS SÍTIOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO EXTREMO SUL DO BRASIL AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DOS SÍTIOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO EXTREMO SUL DO BRASIL Samuel dos Santos Salimen 1 Clériston Ribeiro Ramos 2 Resumo: Disponibilizar informações que possam ser acessado

Leia mais

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital.

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. Elementos de Diagramação Comunicação Visual A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. É construir, estruturar

Leia mais

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Marketing Digital de resultado para Médias e Pequenas Empresas Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: Internet na Publicidade/Noite Profª: Silvana Sandini

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: Internet na Publicidade/Noite Profª: Silvana Sandini PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: Internet na Publicidade/Noite Profª: Silvana Sandini ALEXANDRA HOHENBERGER PLANEJAMENTO SITE INSTITUCIONAL

Leia mais

Sistemas Eletrônicos de Apresentação. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 47p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Sistemas Eletrônicos de Apresentação. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 47p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Ismael Souza Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP, Graduado em Tecnologia em Segurança da Informação - UNICESP. Professor de concurso da área de informática e consultor em EAD.

Leia mais

Microsoft Power Point 2007

Microsoft Power Point 2007 Microsoft Power Point 2007 Sumário Layout e Design 4 Formatação de Textos 8 Salvando um arquivo do PowerPoint 15 Plano de Fundo 16 Marcadores 18 Réguas e grade 19 Tabelas 20 Gráficos 21 Imagens 22 Smart

Leia mais

Sistema de Navegação. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com

Sistema de Navegação. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com Sistema de Navegação 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 O que é navegar? Navegar é alcançar um destino que está fora do alcance de campo de visão do ponto de partida. Para alcançar seu destino, o

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DOS SITES DO GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DOS SITES DO GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DOS SITES DO GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Índice 1. Introdução 03 2. Elementos Padronizados 2.1. Topo 2.2. Rodapé 2.3. Menu 2.4. Cores e Fontes 2.5. Títulos 2.6. Banners 04 04

Leia mais

WEBJORNALISMO. Aula 03: Contextualizando o webjornalismo. Conceitos e Nomenclaturas

WEBJORNALISMO. Aula 03: Contextualizando o webjornalismo. Conceitos e Nomenclaturas WEBJORNALISMO Aula 03: Contextualizando o webjornalismo Prof. Breno Brito Conceitos e Nomenclaturas Jornalismo digital Jornalismo eletrônico Ciberjornalismo Jornalismo on-line Webjornalismo 2 Prof. Breno

Leia mais

TUTORIAL SCRIBUS 1.4.2

TUTORIAL SCRIBUS 1.4.2 1 TUTORIAL SCRIBUS 1.4.2 Marinez Siveris asiveris@via-rs.net O que é o Scribus? O Scribus é um excelente programa livre para a produção de revistas, propagandas, jornais, enfim, qualquer documento que

Leia mais

10 regras para o sucesso dos seus concursos no Facebook

10 regras para o sucesso dos seus concursos no Facebook Livro branco 10 regras para o sucesso dos seus concursos no Facebook 07/ 2014 www.kontestapp.com Introdução Facebook se tornou incontestavelmente a rede social mais popular do mundo. Com 1 bilhão de usuários

Leia mais

Tema UFPel 2.0 WP Institucional Guia de Opções de Personalização

Tema UFPel 2.0 WP Institucional Guia de Opções de Personalização Tema UFPel 2.0 WP Institucional Guia de Opções de Personalização Sumário 1. Configurações Iniciais...2 1.1. Configurando o Menu Personalizado...2 1.2. Configurando os Widgets...3 2. Localize o nome de

Leia mais

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1 EXCEL BÁSICO Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041 www.melissalima.com.br Página 1 Índice Introdução ao Excel... 3 Conceitos Básicos do Excel... 6

Leia mais

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral MICROSOFT WORD 2007 George Gomes Cabral AMBIENTE DE TRABALHO 1. Barra de título 2. Aba (agrupa as antigas barras de menus e barra de ferramentas) 3. Botão do Office 4. Botão salvar 5. Botão de acesso à

Leia mais

USABILIDADE NA WEB : Projetando Websites com Qualidade

USABILIDADE NA WEB : Projetando Websites com Qualidade Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Eng. e Gestão do Conhecimento USABILIDADE NA WEB : Projetando Websites com Qualidade Jakob Nielsen Hoa Loranger Rafael Tezza SOBRE A

Leia mais

1. EXCEL 7 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.2. CARREGAMENTO DO EXCEL 7

1. EXCEL 7 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.2. CARREGAMENTO DO EXCEL 7 1. EXCEL 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS As planilhas eletrônicas ficarão na história da computação como um dos maiores propulsores da microinformática. Elas são, por si sós, praticamente a causa da explosão

Leia mais

Usabilidade da interface de sites e-commerce

Usabilidade da interface de sites e-commerce - 1 - Revista Eletrônica Multidisciplinar Pindorama do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia IFBA Usabilidade da interface de sites e-commerce Profª. MSc. Simone Azevedo Bandeira

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE Tutorial SweetHome3D Trabalho apresentado ao Prof. Carlo na Disciplina de Software Livre no curso Pós Graduação em Tecnologia da Informação Aplicada a

Leia mais

Design de navegação para tablet : Abordagem projetual da revista digital Wired

Design de navegação para tablet : Abordagem projetual da revista digital Wired Design de navegação para tablet : Abordagem projetual da revista digital Wired Gabriel da Costa Patrocínio Universidade Anhembi Morumbi patrocínio.design@gmail.com O presente artigo tem como proposta analisar

Leia mais

Formatação de documentos: mais qualidade e produtividade

Formatação de documentos: mais qualidade e produtividade Formatação de documentos: mais qualidade e produtividade Judith Adler Levacov Diretora da JAL Design, pós-graduada em Design de Interfaces pela Unicarioca judith@jaldesign.com.br Introdução Com a informatização

Leia mais

Design e criação em e-mail marketing

Design e criação em e-mail marketing Design e criação em e-mail marketing 17 de junho de 2008, 07:34 E-commerce obteve sucesso em uma campanha de e-mail marketing, que repetiu este ano em versão aperfeiçoada Conheça as decisões de design

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

Introdução Microsoft PowerPoint 2013 apresentações Office PowerPoint 2013 Microsoft PowerPoint 2013 textos planilhas Excel Word

Introdução Microsoft PowerPoint 2013 apresentações Office PowerPoint 2013 Microsoft PowerPoint 2013 textos planilhas Excel Word PowerPoint 2013 Sumário Introdução... 1 Iniciando o PowerPoint 2013... 2 Criando Nova Apresentação... 10 Inserindo Novo Slide... 13 Formatando Slides... 15 Inserindo Imagem e Clip-art... 16 Inserindo Formas...

Leia mais

COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS

COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS Luiz Antonio Schalata Pacheco schalata@cefetsc.edu.br Sabrina Moro Villela Pacheco sabrinap@cefetsc.edu.br EDIÇÃO PRELIMINAR Sumário 1 INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Análise sobre projeto Passo Certo

Análise sobre projeto Passo Certo UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO UNIVERSIDADE VIRTUAL SISTEMAS E MÍDIAS DIGITAIS Disciplina de Cognição e Tecnologias Digitais Professor Dr. José Aires de Castro Filho Análise sobre projeto Passo

Leia mais

Empresa capixaba de tecnologia lança primeiro construtor de sites do Estado

Empresa capixaba de tecnologia lança primeiro construtor de sites do Estado Empresa capixaba de tecnologia lança primeiro construtor de sites do Estado Por meio do www.webfacil.com.br qualquer usuário de informática é capaz de criar seu próprio site, no domínio que desejar, e

Leia mais

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Excel 2000 Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Índice 1.0 Microsoft Excel 2000 3 1.1 Acessando o Excel 3 1.2 Como sair do Excel 3 1.3 Elementos da

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA COLÉGIO ESTADUAL VICENTE RIJO Ensino Fundamental, Médio e Profissional. Av. Juscelino Kubitscheck, 2372. Londrina Paraná Fone: (43) 3323-7630 / 3344-1756 / 3334-0364 www.vicenterijo@sercomtel.com.br CURSO

Leia mais

Manual PowerPoint 2000

Manual PowerPoint 2000 Manual PowerPoint 2000 Índice 1. INTRODUÇÃO 1 2. DIRECTRIZES PARA APRESENTAÇÕES DE DIAPOSITIVOS 1 3. ECRÃ INICIAL 2 4. TIPOS DE ESQUEMA 2 5. ÁREA DE TRABALHO 3 5.1. ALTERAR O ESQUEMA AUTOMÁTICO 4 6. MODOS

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Você ainda não tem um Web Site? Que pena! Seu concorrente já.

Você ainda não tem um Web Site? Que pena! Seu concorrente já. 1 Porque ter um site? Você ainda não tem um Web Site? Que pena! Seu concorrente já. Em um mundo globalizado, ter um site na internet não é mais um luxo para poucos, e sim uma regra geral para empresas

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Conceitos de Design Gráfico. Disciplina de Design Gráfico

Conceitos de Design Gráfico. Disciplina de Design Gráfico Conceitos de Design Gráfico Disciplina de Design Gráfico Índice Projeto de Design Gráfico Layouts Efetivos Elementos de Design Princípios de Design Referências Bibliográficas 2 Projeto de Design Gráfico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL http://pt.wordpress.com http://.wordpress.org Autor: Calvin da Silva Cousin Orientação: Profª Drª Sílvia Porto

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

Memorial Descritivo. Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Larissa Rocha Suriani Produção Multimídia. Goiânia, 09 de Junho de 2014.

Memorial Descritivo. Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Larissa Rocha Suriani Produção Multimídia. Goiânia, 09 de Junho de 2014. Memorial Descritivo Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Larissa Rocha Suriani Produção Multimídia Goiânia, 09 de Junho de 2014. Introdução Ao longo do semestre, nos foram apresentadas carga e mais carga

Leia mais

Enviar Para (Destinatário do Email - Para Revisão) > Botão Office Opções do Word Personalizar Todos os Comandos Enviar para Revisão

Enviar Para (Destinatário do Email - Para Revisão) > Botão Office Opções do Word Personalizar Todos os Comandos Enviar para Revisão Word 2003: Arquivo Novo > Botão Office Novo Abrir... > Botão Office Abrir Fechar > Botão Office Fechar Salvar > Barra de Ferramentas de Acesso Rápido Salvar Salvar > Botão Office Salvar Salvar como > Botão

Leia mais

DIRETRIZES DE USABILIDADE PARA A CONSTRUÇÃO DE HOMEPAGES

DIRETRIZES DE USABILIDADE PARA A CONSTRUÇÃO DE HOMEPAGES UFSM - Universidade Federal de Santa Maria CAFW - Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Prof.ª Elisa Maria Pivetta Interação Humano-Computador DIRETRIZES DE USABILIDADE PARA A CONSTRUÇÃO DE HOMEPAGES

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM Jornal Revista Televisão Rádio Internet - Relata o que já passou e o que vai acontecer; -Credibilidade; - Cobertura

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais