Design do Objeto Bases Conceituais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Design do Objeto Bases Conceituais"

Transcrição

1 Design do Objeto Bases Conceituais i Aparência Estético-Formal Imagem Simbólica Dimensões Semióticas Prof. Dr. João Gomes Filho... Abril. 2005

2 Bases Conceituais i Aparência Estético-Formal

3 Aparência Estético-formal Definição de Estética (Bernd Löbach). O conceito de estética provem da palavra grega aisthesis e significa percepção sensorial.

4 Aparência Estético-formal Conceito Amplo de Estética (Bernd Löbach). A Estética é a ciência das aparências percebidas pelos sentidos: De sua percepção pelos homens (percepção estética do objeto). De sua importância para os homens como parte de um sistema sociocultural (valor estético). Da teoria da produção estética do homem (estética generativa). Da estética da Informação. Percepção estética, relacionada ao consumo estético por parte do usuário (Interface gestaltica). Da pesquisa de valores estéticos com pessoas e grupos de pessoas. Observação: Aparência do objeto não é definida apenas pelo "gosto" pessoal do designer. O processo configuracional se insere num mais amplo Processo de Comunicação Estética,

5 Aparência Estético-formal Processo de Comunicação Estética (Adaptado de Bernd Löbach). 1. Estética do Objeto Resultante das características e sinais da aparência do Produto 3. Valor Estético Influência dos sistemas de normas culturais: pessoas e grupos sociais. Designer Remetente Concebe e impôem os atributos estéticos do produto Produto Mensagem Produto pronto para ser utilizado pelo usuário Usuário- Consumidor Receptor Uso do produto. Fruição: julgamento final da estética do produto Processo de Design Processo de Uso Projeto do Produto: Estudo da utilização Estudos e Pesquisas, do produto ( interface ( Definição do Produto ) ergonômica ) 2. Estética Generativa Emprego da Teoria Estética (conhecimentos) 4. Estética da Informação Percepção Estética ( Interface gestaltica ) 5. Estética Empírica Pesquisa de valores estéticos com pessoas e grupos de pessoas.

6 Aparência Estético-formal Processo de Comunicação Estética 1. Estética do Objeto: Sinais e características formais do produto. - Trata da adoção de determinado partido estético-formal, subordinado ao estilo e seus atributos adotados. 2. Estética Generativa: É o emprego da teoria estética no processo do design do produto. - Conhecimentos sobre estética e organização visual da forma do objeto (sua gestalt), assimilado nos bancos escolares, na literatura, na observação cotidiana dos objetos, etc. 3. Valor Estético: Sistemas de normas socio-culturais de pessoas ou grupos / sociedade. - Notórias diferenças de valores culturais e econômicos entre indivíduos ou grupos que vivem no centro das grandes metropoles versus aqueles que vivem na sua periferia, por exemplo. Idem com relação às diferenças culturais regionais, entre paises e continentes. O Processo de globalização, não alcança ainda, todas as populações p e, muito menos, o âmago de suas raizes culturais que são muito fortes. Isto faz com que, naturalmente, a educação visual do usuário seja afetada nos diferentes modos de percepção dos objetos.

7 Aparência Estético-formal 4. Estética da Informação: Processo de percepção e consumo visual do produto pelo indivíduo, no processo de uso. - Informações e conhecimentos próprios do repertório estético do usuário, com o qual ele vai julgar o valor da aparência do objeto. 5. Estética Empírica: Investigação de idéias sobre valores estéticos em pesquisas realizadas com grupo de usuários selecionados, pesquisa de campo. - Conhecimentos que devem chegar ao designer e serem também levados em consideração na formulação estética do objeto. - Funciona como uma "realimentação" de informação para enriquecer seu repertório e, eventualmente, ser transposto para o produto.

8 Aparência Estético-formal Aparência Estético-Formal do Produto Exterior do objeto: trata dos atributos de estilo e da organização Visual - no aspecto psicológico da percepção sensorial sobretudo durante o uso do objeto Em síntese, o designer deve articular todas essas informações de maneira criativa, para a definição do produto. Para tanto, o designer deverá trabalhar com fatores culturais e técnicos como, por exemplo, dados d de: - Interrelação dos aspectos simbólicos, ergonômicos e semióticos. - Históricos, simbólicos, filosóficos, semióticos, científicos e tecnológicos; -Tipo de consumo e perfil do usuário, subordinado ao poder aquisitivo -de diversas classes sociais; - Imposição de objetivos mercadológicos ditados pela própria empresa, -etc. fabricante do objeto. Sempre em consonância com o tipo de produto a ser concebido.

9 Aparência Estético-formal Estilo do objeto Definido como uma qualidade intrínsica do produto. Preferencialmente, deve conter um algo a mais que concorra para provocar uma atração agradavel e admiração imediata. Pode agregar uma série de valores ao produto, inclusive, de ordem sensível e emocional que toque o sentimento do usuário. Semanticamente o estilo pode denotar ou conotar variadas mensagens e significados diversos, sobretudo através da função simbólica. Em termos mercadológicos, muitas das soluções formais também favorecem evidentes reflexos positivos em termos comerciais. O estilo imposto ao produto deve ser obviamente compatível com tudo que já foi dito com relação a sua configuração estético-formal.

10 Aparência Estético-formal Estilo do objeto Exemplificação: O estilo de um dado produto poderá ser contemporâneo. Nesse caso, agregar-se-à a ele valores estéticos com o uso de simbologias ou linguagens formais modernas. Ou, ao contrario, o designer poderá resgatar códigos estéticos mais antigos, como por exemplo, as linguagens g formais do período gótico, do barroco, do art nouveau, do funcionalismo, e assim por diante. Nesse caso, agregar-se-á ao produto os valores culturais e simbólicos dos respectivos períodos. Ou, ainda, eventualmente, t mesclá-los l (característica ti do estilo pósmodermo, por exemplo). Tudo isto, evidentemente tendo sempre em conta os objetivos e intenções que se desejar significar com o produto.

11 Aparência Estético-formal Gestalt do Objeto Associado ao conceito estético-formal do objeto, a organização visual da forma contribui com um importante papel. Deve-se articular os conceitos e atributos projetuais referentes à configuração formal do produto, que se relaciona e influencia na melhor qualidade de seu padrão estético. Alguns requisitos essenciais para a consecução desse objetivo: - Princípios de organização visual da forma: ditados pelas leis da Gestalt associadas às categorias conceituais fundamentais de harmonia, equilibrio, contrastes e adequada pregnância visual, bem como, das categorias conceituais relativas à técnicas visuais aplicadas. - Monossemia: configurações simples e despojadas de elementos supérfluos, etc. - Polissemia: configurações complexas, visualmente caracterizadas por muitas unidades informacionais.

12 Aparência Estético-formal Tratamento Cromático: Cores adequadas em função do estilo e/ ou de dados de natureza psicológica, ergonômica, de natureza institucional (normativas), de injunções de marketing, etc. Iluminação: Especificação adequada de tipo de iluminação especial, eventualmente associada a cores, (como as que fogem de seu uso funcional, para cumprir um papel, por exemplo, mais emocional ). - Como no caso de retro-iluminação de produtos tais como mesas de centros, quadros de obras de arte, poltronas, etc., que se singularizam-se por passar um outro tipo de informação ao usuário de caráter mais curioso, lúdico e sensível. Materiais: Especificação apropriada dos materiais, subordinada não só aos fatores funcionais, estruturais e técnicos, mas, também, às definições estético-formais na definição de tipos de acabamentos para o produto.

13 Aparência Estético-formal Ergonomia do Objeto A Função Estética guarda também uma relação indireta com a ergonomia do objeto Na configuração de qualquer produto é necessário que este atenda ao seu uso sensível no interior do processo de percepção multisensorial do usuário. Dessa maneira deve-se articular os conceitos e fatores ergonômicos básicos para conceber um objeto. Como, por exemplo: - Os que se referem ao atendimento para os requisitos práticos e conceituais de conforto, segurança e eficácia do produto. - Os de percepção sensorial visual, auditiva, tátil, gustativa, olfativa e cinestésica. - Os códigos visuais: tipográfico / cromático / morfológico / Tecnológico. A seguir detalhados:

14 Aparência Estético-formal Código Visual Cromático Adequação de figura-fundo: f - Adequada segregação de elementos Normas e regras estabelecidas: - De carater sensível e institucional Caracteristicas e atributos das cores: - Quentes, frias, tons pasteis, etc Recursos de iluminação: - Natural, artificial ou mista Proporções e arejamento visual: - Jogo com os vazios ou áreas brancas Aspecto Psicologico no uso das cores: - Significados diversos

15 Aparência Estético-formal Código Visual Tipográfico Adequação de família tipográfica: Fonte: normal / Artística / fantasia Com serifa / sem serifa / etc. Atributos tipográficos: Bold / Italic / Underline / Small caps / Superscript / Caixa Alta / Caixa Baixa / Caixa alta e Baixa Entrelinhamento / Espacejamento / Filetes / adornos / etc. Situações de Leitura: Legibilidade e Acuidade visual: dimensionamento / proporções / etc. Títulos, subtítulos, sub-subtítulos Corpo de Texto (curtos, médios e longos) Tipografia fixa e / ou em movimento Localização do objeto Distancias de leitura Substratos reais e virtuais: contrastes figura-fundofundo Cores empregadas

16 Aparência Estético-formal Código Visual Morfológico Organização visual da forma / Informações - Composição / Diagramação: locação de textos, imagens, etc. Regras gerais: - Conceitos gestalticos (Leis e Categorias Conceituais) - Grade de diagramção - Adequação formal no espaço (por meios intuitivos e/ou determinado por fórmulas matemáticas) - Calculos de áreas ou manchas (proporção áurea, por exemplo), série de fibonacci / príncipio de Vitruvio / etc. -Esquemas pictóricos, -etc.

17 Aparência Estético-formal Código Visual Tecnológico Material do suporte ou substrato t das Informações - Físico / Virtual. Reprodução e transmissão da informação - Meios e processos técnicas de elaboração - Materiais empregados, etc.

18 Bases Conceituais Imagem Simbólica do Produto

19 Imagem Simbólica A Imagem Simbólica do Produto é atrelada à Estética do Objeto e as Dimensões Semióticas. Constituída por propriedades e intenções simbólicas intrínsecas, inerentes ou associadas ao objeto. Do ponto de vista da teoria da comunicação do produto ela reflete os contextos sociais, econômicos e culturais do design. A imagem simbólica do produto é construída pela incorporação do estilo de vida e por certos valores culturais de pessoas e grupos sociais. Conecta-se também à determinadas características sensíveis e emocionais do usuário. Se relaciona com os contextos sócio-culturais, econômicos, políticos e espirituais, que caracterizam uma determinada sociedade: tradição, classes sociais diferenciadas em prestigio e poder, estagio de desenvolvimento tecnológico, entre outros. Certos simbolismos são ligados também aos modismos que surgem de tempos em tempos. Reforçados pela ação da publicidade e propaganda sobre o produto. - São variadas mídias que atuam conservando, modificando e até, em certos casos, destruindo simbolismos tradicionais e substituindo-os por outros.

20 Imagem Simbólica Bernhard E. Bürdek A diferenciação e o estilo de vida como idéias centrais, constituem o ponto de partida no desenvolvimento do produto para sua formação simbólica. A aceitação de um produto depende praticamente de até que ponto este consegue conectar-se com as pautas e escalas de valores (sobretudo com as pautas estéticas e simbólicas) de grupo de destino interpelado, ou inclusive, de lograr criar com um produto um novo grupo de destino. Captar, interpretar e transladar formas de identificação ou anseios de identidade à conceitos de design é, sem dúvida, muito mais difícil do que projetar regras elitistas de bom gosto sob o lema do Bom Design. Quando as pautas estéticas se baseiam em fatores sócio-culturais diversos, a tarefa do designer é fazer-lhes justiça sob a forma de diferentes expressões. O design mantém mais uma orientação cultural do que propriamente técnica ".

21 Imagem Simbólica Simbolismo do Produto Os usuários de produtos, independente de sexo ou idade, possuem uma auto-imagem fundamentada em valores pessoais, sociais e culturais que faz com que eles procurem se cercar de objetos que reflitam esta auto-imagem. Todos o bens materiais de um pessoa ou grupo, como casa, mobiliário, eletro-eletrônicos, carros, roupas, jóias, etc., inclusive os lugares que freqüentam, fazem parte de um conjunto de coisas que juntas constituem uma imagem visual que se projeta nos outros. No design do produto, o automovel serve como uma referência emblemática. Desde os veículos mais antigos até os contemporâneos. Cada um deles denota e conota os mais variados símbolismos e significados, incluindo desde os mais populares até os mais singulares, potentes e sofisticados. Na industria automobilistica o simbolismo mais evidente é o poder de compra do consumidor. Quando se passa de um carro simples para um luxuoso o aumento de preço é acompanhado de um crescente status social.

22 Imagem Simbólica Os mesmos conceitos e considerações simbólicas podem se extrapolados para outras áreas do consumo de objetos diversos. Nas artes tradicionais, nas novas formas de arte, na arquitetura, nas artes gráficas, na industria i da moda, na habitação, na publicidade, na industria cultural e, guardadas as devidas especificidades, nos meios de comunicação visual em geral. Como é natural, todos estes aspectos e informações vão se refletir na configuração estético-formal do produto.

23 Imagem Simbólica

24 Bases Conceituais Dimensões Semióticas do Produto

25 Dimensões Semióticas As Dimensões Semióticas guardam estreita relação com a estética, e com a imagem simbólica do produto. Se insere no processo de comunicação de utilização do objeto na relação usuário-produto. Elas tratam, principalmente, do significado denotativo, conotativo e simbólicoque um produto, enquanto signo, é capaz de transmitir para o seu usuário. Esse processo de comunicação pode se dar por meio dos diversos atributos do produto, tais como: aparência estética, estrutura física, padrão tecnológico, qualidade de acabamento, cores, ordenamento dos seus elementos funcionais. Incluindo valores sensíveis, emocionais. Naturalmente tudo isso concorre para produzir diferentes modos de percepção e ações comportamentais do usuário com relação à leitura, interação e uso do produto. São empregadas como suporte para análises e interpretações no que se refere à capacidade que tem um produto de conseguir comunicar alguma coisa ao seu usuário-receptor. Por meio de mensagens transmitidas em múltiplos aspectos e inferências. Como, por exemplo, na seguinte leitura semiótica de uma cadeira.

26 Dimensões Semióticas Uma cadeira, além dos significados transmitidos pela sua própria configuração e soluções projetuais (ergonômicas, construtivas, materiais empregados e qualidade de fabricação, implica passar uma série de outros simbolismos dependendo de sua categoria. Assim ela pode ser, por exemplo, uma cadeira para uso residencial, para trabalho, para estudo, para uso em lugar público, etc. Pode ser para uso de curta ou longa duração. Para uso específico de crianças, idosos ou, singular, como as cadeiras para portadores de necessidades especiais. Enfim, cada modelo de cadeira transmitirá, por meios denotativo, conotativo e simbólico uma determinada mensagem ou significado. Não só para o seu usuário mas, também, para outras pessoas. O trono do Papa, por exemplo, não é só um objeto para sentar-se. Ele é um símbolo que irradia poder, dignidade do cargo e pode até despertar certa veneração religiosa. Uma cadeira de alto executivo (geralmente com espaldar enorme e feita de materiais nobres e com sofisticada tecnologia) é diferente de uma cadeira mais simples utilizada por um funcionário comum. Ou seja, essa cadeira transmite, claramente, um sentido de hierarquia superior a empresa.

27 Dimensões Semióticas Esse tipo de análise semiótica pode ser estendido para outros numerosos produtos, como veículos, mobiliário, roupas, obras de arte, ambientes, sistemas de informações, e assim por diante. Abrangência O campo da Semiótica abrange um campo de investigação cultural e de aplicação bastante extenso, complexo, e abarca diversas áreas do conhecimento. O que segue é um recorte, tendo como ponto de embasamento conceitual o conteúdo do texto de Charles Wiliian Morris, "Tricotomia dos Signos. O texto distingue três dimensões: Sintática, Semântica e Pragmática. Julgadas, essenciais para os objetivos das análises e interpretações sobre produtos.

28 Dimensões Semióticas Tricotomia dos Signos / Dimensões Dimensão Sintática A sintaxe é o conjunto de relações que existe entre as unidades: palavras, signos e símbolos, que formam o vocabulário. Em Design é o objeto concebido e produzido tal como se apresenta e que pode ser descrito pelo ordenamento de seus elementos constituintes. É a estrutura de conjunto do produto. O produto pode ser constituído por apenas um componente ou formado por blocos de componentes identificados por sistemas e/ ou subsistemas e peças isoladas.

29 Dimensões Semióticas Dimensão Semântica A semântica é a ciência dos significados das palavras e estuda a linguagem tratando de estabelecer relações que existem entre o significado e o significante. Estuda a evolução destas relações, as mudanças de sentido, a sinonímia e a polissemia, assim como a estrutura do vocabulário. Defini-se como o estudo das relações entre signos lingüísticos, palavras, locuções ou expressões, e os objetos a que se refere. Em Design, a dimensão semântica é a dimensão do próprio objeto e da coisa significada. É a significação do produto. As variações desta significação mudam em função do caráter dos objetos, das opções de representação (imagem, desenho, fotografia, fi objeto real) e de símbolos que lhes são atribuídos. A interpretação simbólica dos objetos é variável para um mesmo valor de uso. Em um mesmo sistema denotativo, ti existem diferenças, por exemplo, os diferentes modelos de um mesmo tipo de produto oferecem os valores semânticos distintos.

30 Dimensões Semióticas A dimensão pragmática Em Design é a dimensão lógica, são as leis funcionais de utilidade do objeto, envolve sua descrição técnica, construtiva, padrões ergonômicos, tecnológicos, e assim por diante. Em síntese, revela o grau de sucesso do produto. Esta dimensão muitas vezes corresponde a descrição publicitária itá i do produto e dos benefícios esperados pelo usuário. Como por exemplo: A Bicicleta é um meio de transporte movido por tração humana, é potente, segura, confortável e durável. Seu design incorpora todas as conquistas e inovações tecnológicas moderna. O consumidor poderá, ao longo de algum tempo, confirmar no todo ou em parte esta informações quando se tornar usuário do veículo. Como ponto importante, cabe destacar a ampla dependência entre estas três dimensões do produto. Estas categorias analíticas estão relacionadas e dependem hierarquicamente umas das outras ".

31 Dimensões Semióticas Dentre essas três dimensões semiótica do objeto, a dimensão semântica é a que propícia ou dá origem a uma maior possibilidade e variação de leitura (sempre de acordo com o repertório cultural do usuário-receptor-leitor da informação). Por isso mesmo, sujeito à discussões, discordâncias e até polêmicas quando confrontadas com outras análises e interpretações por parte de outros usuários. Finalmente, é oportuno colocar que esse esquema tricotômico (guardadas as devidas especificidades) pode ser empregado para a análise e interpretação praticamente de qualquer tipo de produto na relação de comunicação entre usuário e objeto. A seguir diversos exemplos de leitura e interpretação semiótica:

32 Dimensões Semióticas Automóvel: Rolls Royce Ward 2000 Dimensão Sintática Refere-se à descrição do funcionamento técnico, da aparência estético-formal e de suas interrelações sistêmicas em termos de montagem e fixação das partes e peças que constituem o veículo. Carroceria, portas, janelas, rodas, pára-brisa, pára-choques, compartimentos do motor e portamalas, grades, faróis, lanternas, frizos, volante, painel, bancos, quebra-sol, porta-luva, alavanca do câmbio, revestimentos... Dimensão Semântica Diz respeito à significação do objeto. As variações desta significação mudam em função da natureza do objeto e de símbolos que lhes são atribuidos, sobretudo, das conotações inferidas sobre ele. O Rolls-Royce, Royce, no caso, é um automóvel que passa sem dúvida mensagens de status social, prestigio e altíssimo poder aquisitivo de seu usuário. Além dos atributos que lhe são inerentes como, muita potência, velocidade, beleza emoção de dirigir um veículo desse porte. Dimensão Pragmática É descrição lógica do produto. De como ele é formado, são suas leis de funcionamento, condições de uso e de utilidade. Muitas vezes pode se assemelhar com a sua própria descrição comercial, como: o Rolls-Royce é um meio de transporte movido por tração motora, é potente, seguro, confortável e durável. Seu design incorpora todas as conquistas e inovações tecnológicas recentes e dispensa serviços de manutenção a curto e médio prazo.

33 Dimensões Semióticas Cartaz Dimensão Sintática Descrição do conteúdo e da organização visual dos elementos de sua diagramação, de sua aparência estético-formal e de suas relações Compositivas: da disposição das imagens, do logotipo KISS, e das duas pequenas caixas de textos. Dimensão Semântica Neste trabalho expressivo pode-se inferir, por exemplo, um sentimento ligado à perda, ruptura. Ao corte violento de uma paixão amorosa (denotado pelo próprio p nome do cartaz KISS, e conotado pelo detalhe do batom e sua cor avermelhada - que na cultura ocidental, psicológica e simbolicamente remete ao significado de emoção), dramaticamente representado pela lâmina cortante de um estilete ao seccionar o batom. Dimensão Pragmática Cartaz configurado por folha de papel com determinadas qualidades gráficas de tamanho, formato, gramatura, textura, acabamento superficial, cores, tipo de impressão, etc. E demais características de funcionalidade em termos ergonômicos de legibilidade de textos e imagens.

34 Dimensões Semióticas Outdoors Dimensão Sintática Organização visual dos elementos de sua diagramação, aparência estético-formal e de suas relações compositivas: imagens, textos e cores. Por meio estáticos ou dinâmicos (painéis digitais ou eletrônicos). Dimensão Semântica Os outdoors (geralmente distante do público leitor), têm como objetivo passar uma mensagem rápida. Qualquer que seja seu substrato da informação: mídia impressa, mídia eletrônica e outras. A Comunicação é similar a do cartaz e a forma pela qual a informação é passada pode ser por denotação explicita ou mais sutilmente por conotação simbólica e, eventualmente, por meio de sublimação, caso dos painéis eletrônicos, por exemplo. Nesta mensagem, por exemplo, o usuário-leitor é sugestionado visualmente pela conotação de cheiro agradavel, e sabor (ainda que sutilmente). Além de chamar à atenção para um novo produto. Dimensão Pragmática De modo geral são estruturados por suportes de metal ou de madeira e com substratos da informação em papel colado, tela em tecido ou eletrônica. Possuem formatos geralmente retangulares e grandes o suficiente para serem vistos de longe pelo publico. Ergonomia: padrão gráfico, cores, impressão, resistência, e discriminalidade e legibilidade de textos e imagens.

35 Dimensões Semióticas Embalagem OMO Dimensão Sintática. Organização visual dos elementos de sua diagramação, estilo estético-formal, cores, e composição gráfica na disposição das imagens do logotipo OMO e demais mensagens textuais publicitárias, de instruções de uso, de funcionalidade, etc. do produto. Dimensão Semântica Nesse caso, por exemplo, a aparência estético-formal da embalagem visa, por meio de seu tratamento formal, conotar dinamismo e limpeza através de elementos gráficos que passam a sensação de movimento (atração e apelo visual) e das cores branco e azul, tradicionalmente conotadas à higiene e limpeza, objetivo óbvio de uso do sabão para a remoção de sujeira. Dimensão Pragmática A embalagem é configurada por caixa de papelão, com determinado tamanho e formato geométrico. Possui seis lados, ocupados com elementos gráficos com variadas informações: marca, tipo de sabão, mensagens de uso e de cuidados especiais, etiqueta de preço, etc). Tudo dentro de determinado padrão gráfico, cromático e tipo de impressão. Resistência adequada do material e adequação ergonômica.

36 Dimensões Semióticas Vestuário Dimensão sintática Descrição técnica do produto e da organização visual e estético-formal da roupa, seus acessórios e de suas inter-relações Sistêmicas. Como, por exemplo: - conjunto calçado, meia, saia e blusa ou conjunto calçado, meia, calça, camisa, paleto, gravata, cinto, etc., associados a determinados estilos sociais, esportivos ou de trabalho. Dimensão semântica Diz respeito à dimensão do próprio objeto e do que ele pode significar. As variações desta significação mudam em função do caráter dos objetos e de símbolos que lhes são atribuídos e, sobretudo, das conotações inferidas sobre eles (vestido de noiva, fraque, traje esportivo, etc) No caso do vestuário esta dimensão cresce em importância e se diversifica em função dos infinitos estilos e padrões estéticos formais aliados a imensa diversidade de tipos de vestuário e acessórios e, ainda, de suas múltiplas combinações de elementos. - Importante destacar que, nesse caso, a leitura e interpretação pode ser feita de dois modos: dos Importante destacar que, nesse caso, a leitura e interpretação pode ser feita de dois modos: dos objetos de per si, ou do conjunto formado pelo usuário e vestuário, caso em que a análise se estende e fica mais rica e complexa em significados.

37 Dimensões Semióticas Dimensão pragmática Descrição lógica do produto ou do sistema de produtos que compõem o vestuário como um todo. De como ele é formado. Suas normas de funcionamento. Suas condições de uso e de utilidade. Da combinação de suas peças e acessórios, de sua limpeza, sua durabilidade, conforto, segurança, etc.

38 Dimensões Semióticas Marcas e / ou logotipos Marca Rede Globo de Televisão. Uma das interpretações semânticas que podem ser feitas, por exemplo, é a da representação do globo terrestre e nele uma imensa tela de televisão. Dentro da qual está representado novamente o mundo, em termos de tudo do que nele pode ocorrer em matéria de acontecimentos televisivos: notícias, shows, dramaturgia, espetáculos diversos e outros eventos.

39 Dimensões Semióticas Cartaz Neste cartaz, o desenho da letra a, representada pelos dois bailarinos, evidencia o significado do tango como tradicional gênero musical. E, ao mesmo tempo, o tipo de dança associado a ele, como uma coreografia de grande beleza plástica onde os elementos simbólicos de emoção, sentimento e paixão são despertados e transmitidos visualmente pela sensação de movimentos dos bailarinos carregados de sensualidade. d

40 Dimensões Semióticas Anúncio A empresa Beneton é (era) famosa por produzir campanhas calcadas em temas sensíveis (geralmente de carater político, sutis e contrastantes) envolvendo tabus sexuais, conflitos raciais, direitos de minorias sociais, etc, que induzem a polêmicas análises e interpretações semânticas em torno das mensagens publicitárias veiculadas por seus produtos.

41 Dimensões Semióticas Conceito de Monossemia A Monossemia é conceituada como o grau de precisão do signo. Quanto menor for o número de unidades formais que constituem o produto como um todo ou quanto menos indefinido ou equivocado for à leitura de um produto, maior será seu grau monossêmico, que é igual a sua maior compreensão, decodificação e inteligibilidade possível. Este conceito, portanto, se liga à melhor organização gestáltica da forma do produto. É ligado aos conceitos de clareza, simplicidade e, mais radicalmente, ao conceito de minimidade de unidades configuracionais - em síntese, de melhor pregnância visual. O produto deve ser claro e não deixar dúvidas quanto a sua leitura e, principalmente, quanto a operacionalidade de alguns tipos de produtos. - casos típicos de produtos como painéis de aviões, de usinas nucleares, etc. em que um erro de interpretação de uma informação ou de um manuseio incorreto pode ser fatal.

42 Dimensões Semióticas Conceito de Polissemia A polissemia é conceituada, inversamente a monossemia. É o grau de imprecisão, e em certos casos, de ambigüidade, do signo. Isto é, quanto maior for o número de unidades formais que constituem o produto, quanto maior for o grau de imprecisão e indefinição em relação à sua compreensão, decodificação e inteligibilidade maior será sua polissemia. É conectado aos conceitos gestalticos de ambiguidade, profusão e de complexidade configuracional. Geralmente apresenta baixa ou média pregnância visual. A polissemia se caracteriza, também, por elevada quantidade de significados conotativos possíveis para um determinado produto. - Por exemplo: jóias suntuosas, vestidos sofisticados de alta cultura, são geralmente produtos polissêmicos. Também os objetos em linguagens formais e estilos rococó, barroco e gótico são bons exemplos. A escolha de um ou de outro desses dois conceitos para a concepção do objeto, obviamente, tem a ver com a definição, à priore, dos fatores mais adequados de uso, de operacionalidade e estético-formal com destaque para a definição do estilo a ser definido para o projeto.

43 Bibliografia Bibliografia: GOMES, João Filho. Gestalt do objeto sistema de leitura visual da forma. São Paulo. Escrituras Editora a edição GOMES, João Filho. Ergonomia do objeto sistema de técnico leitura ergonômica. São Paulo. Escrituras Editora GOMES, João Filho. Design do objeto bases conceituais. São Paulo. Escrituras Editora (no prelo).

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr.

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr. DESIGN INDUSTRIAL Disciplina: ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico Sistema técnico de leitura ergonômica DESIGN DO PRODUTO Prof. Dr. João Gomes Filho DESIGN DO PRODUTO Leitura Ergonômica EXEMPLOS 1 Leitura

Leia mais

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr.

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr. DESIGN INDUSTRIAL Disciplina: ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico Sistema técnico de leitura ergonômica Prof. Dr. João Gomes Filho RECOMENDAÇÕES - SISTEMA TÉCNICO DE LEITURA ERGONÔMICA 1. Fatores Ergonômicos

Leia mais

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr.

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr. DESIGN INDUSTRIAL Disciplina: ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico Sistema técnico de leitura ergonômica DESIGN GRÁFICO Prof. Dr. João Gomes Filho DESIGN GRÁFICO Leitura Ergonômica EXEMPLOS Design Gráfico

Leia mais

Sistema de Leitura Visual da Forma. Técnicas Visuais Aplicadas

Sistema de Leitura Visual da Forma. Técnicas Visuais Aplicadas Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais Técnicas Visuais Aplicadas Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 Clareza Organizações visuais unificadas.facilidade

Leia mais

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Prof. Dr. João Gomes Filho I 2011 BIBLIOGRAFIA www.joaogomes.com.br João Gomes Filho

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

Opção Profissional. Design Gráfico. Design Produto. Prof. Dr. João Gomes Filho... 2010

Opção Profissional. Design Gráfico. Design Produto. Prof. Dr. João Gomes Filho... 2010 Opção Profissional? Design Gráfico ou Design Produto Prof. Dr. João Gomes Filho... 2010 CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL MEC Ensino Superior Desenho Industrial / Habilitações Projeto do Produto PP (Objetos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 63/14, 2011 de 10 de dezembro de 2014. 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO...

Leia mais

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Teoria Geral da Gestalt Fundamentado Cientificamente na Psicologia i da Percepção da Forma Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 BIBLIOGRAFIA

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex REVISÃO GESTALT Viviane Aiex 1. Leitura Visual do Objeto pelas Leis da Gestalt 1) Unidades: que são os elementos que configuram a forma; 2) Segregação: que é o ato se separar, perceber ou identificar as

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Concepção e desenvolvimento de desenho. Modelagem. Montagem. Técnicas de aprimoramento. Fichas técnicas. Processo de padronização. Mostruário.

Leia mais

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma. Teoria Geral da Gestalt

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma. Teoria Geral da Gestalt Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Fundamentado Cientificamente na Psicologia da Percepção da Forma Teoria Geral da Gestalt Prof. Dr. João Gomes Filho I 2010 BIBLIOGRAFIA mais a do próprio

Leia mais

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos DESIGN 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado HABILITAÇÃO: Projeto do Produto PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO Objetivo: Proporcionar

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1 1 1 INTRODUÇÃO AO DESIGN DE MODA Terminologias e conceitos da área. Contextualização e processo de moda. Mercado. Ciência e. 2 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO Leitura analítica e crítica. Gêneros textuais.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN Matriz Curricular do Curso de Design Fase Cód. Disciplina Créditos Carga Horária 01

Leia mais

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital.

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. Elementos de Diagramação Comunicação Visual A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. É construir, estruturar

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

textos de José Manuel Russo Comunicação e Publicidade

textos de José Manuel Russo Comunicação e Publicidade textos de José Manuel Russo Comunicação e Publicidade COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar é o primeiro acto social do Homem, servindo para satisfazer as suas primeiras necessidades. Semiologia Ciência que

Leia mais

Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1

Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1 Fase Cod. Disciplina I II III IV Prérequisitos Carga Horária Teórica

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Design gráfico: Programas de Disciplinas e Seus Componentes Pedagógicos.

Design gráfico: Programas de Disciplinas e Seus Componentes Pedagógicos. Design gráfico: Programas de Disciplinas e Seus Componentes Pedagógicos. 1º PERÍODO Área de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas DISCILINA: Metodologia Científica CARGA CÓDIGO CRÉDITOS HORÁRIA H11900 04

Leia mais

Apresentação. Oque é Marca. Multimedia Branding Designer

Apresentação. Oque é Marca. Multimedia Branding Designer Oque é Marca Marca é toda representação simbólica de uma entidade, individuo ou elemento. Uma pegada, uma impressão digital, ou mesmo o meu ou seu nome podem ser caracterizados como marca. Quando nos referimos

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE MATRIZ CURRICULAR 2016.1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 49/15, 2015 de 7 de outubro de 2015. SUMÁRIO 2 1ª FASE... 4 01 DESENHO DE MODA I... 4 02 HISTÓRIA: ARTE E INDUMENTÁRIA...

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

Curso de Web Design MÓDULO I. Programação Visual 13 ACTIVE BRASIL

Curso de Web Design MÓDULO I. Programação Visual 13 ACTIVE BRASIL MÓDULO I Programação Visual 13 ACTIVE BRASIL AULA 1 INTRODUÇÃO A PROGRAMAÇÃO VISUAL Objetivos: Na primeira aula de nosso curso, você entrará em contato com um novo mundo de curiosidades e criatividade,

Leia mais

THE BRAND GUIDE BOOKLET

THE BRAND GUIDE BOOKLET THE BRAND GUIDE BOOKLET APRESENTAÇÃO 1ª Edição Março de 2015 A experiência de uma pedalada perfeita só pode ser intensificada por uma bicicleta perfeita. Audax foi criada por almas aventureiras que entendem

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Apresentação 3. Conceitos Básicos 4. Conceito da Marca 6

Apresentação 3. Conceitos Básicos 4. Conceito da Marca 6 Sumário Apresentação 3 Conceitos Básicos 4 O Clube 5 Conceito da Marca 6 Versões da Marca Assinatura Principal 7 Assinatura Secundária 8 Escala de Cinza 9 Colorida 9 Preto e Branco positivo 9 Preto e Branco

Leia mais

Manual de Identidade Visual Universidade do Algarve

Manual de Identidade Visual Universidade do Algarve Manual de Identidade Visual Universidade do Algarve 1 índice 4 6 8 10 12 14 16 22 26 28 30 32 33 33 34 42 58 62 64 66 apresentação identidade verbal identidade visual tipografia logotipo / símbolo / marca

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Confiabilidade Confiabilidade será nossa palavra-chave: todas as nossas ações serão no sentido de conquistar o reconhecimento da OniSat como uma grande empresa na área de rastreamento.

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Marca Sumário 1. Apresentação 03 2. Uso do Manual 04 3. Componentes do Design 05 4. Logomarca 06 5. Assinatura 09 6. Área de Proteção 10 7. Alinhamento 11 8. Grade de Construção 12 9. Tipologia

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Manual de Identidade Visual Diretrizes de uso e gestão da marca

Manual de Identidade Visual Diretrizes de uso e gestão da marca Manual de Identidade Visual Diretrizes de uso e gestão da marca Manual de Identidade Visual - 1 Um projeto de identidade visual tem o propósito de desenvolver a marca e os elementos gráficos que constituem

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

Essência Caracu 1 RESUMO

Essência Caracu 1 RESUMO Essência Caracu 1 Matheus Maier KEMERICH 2 Lucas Aires de CARVALHO 3 Maurício DIESEL 4 Laise LOY 5 Laura Elise de Oliveira FABRICIO 6 Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS RESUMO Este projeto

Leia mais

manual de identidade visual

manual de identidade visual manual de identidade visual manual-perpart2.indd 1 índice 02 03 Apresentação A Marca 20 Papelaria Institucional Cartão de Visita I 04 A Marca 21 Cartão de Visita II 05 Logotipo 22 Envelope Ofício 06 Símbolo

Leia mais

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs.

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs. INSTRUÇÃO TÉCNICA 11 COMUNICAÇÃO VISUAL E SINALIZAÇÃO Revisão 00 jan/2014 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

AS FUNÇÕES ESTÉTICA E SIMBÓLICA, COMO PRIMEIRO CONTATO ENTRE O EMOTIONAL DESIGN E A MODA.

AS FUNÇÕES ESTÉTICA E SIMBÓLICA, COMO PRIMEIRO CONTATO ENTRE O EMOTIONAL DESIGN E A MODA. AS FUNÇÕES ESTÉTICA E SIMBÓLICA, COMO PRIMEIRO CONTATO ENTRE O EMOTIONAL DESIGN E A MODA. Autor: Rafael Ribeiro Resumo: O objetivo deste artigo é estabelecer uma conexão entre a moda e o emotional design

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

Manual de Identidade Visual Golin Módulo II Guia Rápido de Utilização do Logotipo / Meios Digitais. Manual de Identidade Visual junho 2010

Manual de Identidade Visual Golin Módulo II Guia Rápido de Utilização do Logotipo / Meios Digitais. Manual de Identidade Visual junho 2010 1 Manual de Identidade Visual Golin Módulo II Guia Rápido de Utilização do Logotipo / Meios Digitais Manual de Identidade Visual junho 2010 Sumário 2 A marca 3 Introdução 4 Comunicação através de Símbolos

Leia mais

4. Princípios de Design. JAMES ITALIANO italiano.james@gmail.com

4. Princípios de Design. JAMES ITALIANO italiano.james@gmail.com 4. Princípios de Design JAMES ITALIANO italiano.james@gmail.com Design é projetar A partir de uma necessidade Para contribuir na soluçāo de um problema Focado em um público específico Através de um processo

Leia mais

Manual da Marca CORITIBA FOOT BALL CLUB

Manual da Marca CORITIBA FOOT BALL CLUB Manual da Marca CORITIBA FOOT BALL CLUB APRESENTAÇÃO Marca forte é o primeiro passo para se alcançar o sucesso. Mas, para ser forte, a marca precisa estar exposta corretamente, sem variações de formato

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Introdução à Semiótica

Introdução à Semiótica Introdução à Semiótica Prof. Ecivaldo Matos Dept. de Ciência da Computação Colégio Pedro II Pesquisador LEAH - UERJ Março/2008 Síntese dos principais tópicos O que a Semiótica estuda Signos, significação

Leia mais

Conceito Visual. Manual de aplicação de Marca

Conceito Visual. Manual de aplicação de Marca Conceito Visual Conceito Visual Qualidade e Durabilidade Principal característica a ser transmitida na comunicação, os produtos são feitos com alto padrão de qualidade e durabilidade, é o ponto mais forte

Leia mais

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza Curso de Design Linguagem Visual Luciano Pedroza O Designer O designer, ao contrário do pensamento comum não é artista, mas utiliza elementos da arte no desenvolvimento do projeto. O artista, por definição,

Leia mais

A ETIAM Etiquetadora Amaral Ltda. pretende através deste documento, consolidar o bem mais valioso que uma instituição pode ter: sua marca.

A ETIAM Etiquetadora Amaral Ltda. pretende através deste documento, consolidar o bem mais valioso que uma instituição pode ter: sua marca. INTRODUÇÃO Ter uma identidade visual, que passe uma mensagem de qualidade e segurança aos clientes é fundamental para o sucesso da empresa. A identidade visual é a imagem ou, em outras palavras, a roupa

Leia mais

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Trabalho Prático 2. Disciplina: Prof. Dr. João Gomes Filho

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Trabalho Prático 2. Disciplina: Prof. Dr. João Gomes Filho DESIGN INDUSTRIAL Disciplina: ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico Trabalho Prático 1 Trabalho Prático 2 Prof. Dr. João Gomes Filho METODOLOGIA Leitura Ergonômica Análise do Produto Trabalho Prático Design

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PUBLICIDADE E PROPAGANDA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUESTÃO 1 O Briefing é um instrumento essencial para a proposição de soluções efetivas de divulgação. Marque o item que contém quesitos que NÃO estão

Leia mais

Análise Semiótica de Anúncio de TV

Análise Semiótica de Anúncio de TV Análise Semiótica de Anúncio de TV DADOS TÉCNICOS: Título: Segredos; Anunciante: Etti ; Criação: Fábio Fernandes e Renata Flori; Agência: F/Nazca; Produto: Molho de Tomate Salsaretti; Ano de veiculação

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS PRINCÍPIOS BÁSICOS

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS PRINCÍPIOS BÁSICOS MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS PRINCÍPIOS BÁSICOS ÍNDICE INTRODUÇÃO Com o objetivo de continuar a rejuvenescer, modernizar e, sobretudo, criar uma identidade única, coesa e de fácil reconhecimento público da

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Turma 12º K. Plano de Formação

FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Turma 12º K. Plano de Formação CURSO DE DESIGN DE COMUNICAÇÃO Design Gráfico 2014 2015 FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Turma 12º K Plano de Formação CARATERIZAÇÃO A presente Formação em Contexto de Trabalho será concretizada com base

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia:

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia: A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS NOSSO CURRÍCULO Adotamos uma pedagogia: - que faz da escola uma instância efetiva de assimilação crítica, sistemática e integradora do saber e da cultura geral; - que trata os

Leia mais

Aula 1: Introdução Inovação e Design DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGENS

Aula 1: Introdução Inovação e Design DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGENS Aula 1: Introdução Inovação e Design DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGENS No design, muito se discute as formas e idéias em prol da função. Por mais bela que seja uma peça, não estará completa se não cumprir

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

Arquitetura: do repertório à prática

Arquitetura: do repertório à prática Arquitetura: do repertório à prática Arquiteto: - tecton, em grego, designava um artífice ligado à construção de objetos por junção de peças; - arqui, prefixo que indica superioridade. Arquitetura: Aurélio:

Leia mais

Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda

Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda Autor Lourdes Maria Puls Introdução As imagens são utilizadas como meio de comunicação e expressão cultural

Leia mais

Faculdade de Engenharia de Presidente Prudente FEPP. Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores UNOESTE. E-mail: marcelomota@unoeste.

Faculdade de Engenharia de Presidente Prudente FEPP. Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores UNOESTE. E-mail: marcelomota@unoeste. 1032 MODELO CRIATIVO E AVALIAÇÃO NO DESIGN Marcelo José da Mota Faculdade de Engenharia de Presidente Prudente FEPP. Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores UNOESTE. E-mail: marcelomota@unoeste.br

Leia mais

Recomendações Ergonômicas

Recomendações Ergonômicas Congresso Internacional de Ergonomia 6º USIHC Usabilidade de Interface Humano-Computador Projeto Centrado no Usuário : Recomendações Ergonômicas Premissas Básicas Parte 1 Exemplos Diversos Parte 2 Prof.

Leia mais

Código de Identidade Visual

Código de Identidade Visual Manual da Marca Apresentação O manual da marca Academia da Saúde tem a função de ordenar e padronizar o signo que distingue e diferencia o Programa, compreendendo os padrões e as regras de aplicação da

Leia mais

Interface com o Usuário

Interface com o Usuário Interface com o Usuário Trabalho da disciplina optativa Computação Gráfica III 1/7 A Interface com o usuário A Interface com o Usuário é uma parte fundamental de um software; é a parte do sistema visível

Leia mais

Manual de uso das marcas do pronac

Manual de uso das marcas do pronac Manual de uso das marcas do pronac (programa nacional de apoio à cultura) Mecanismos da lei 8.313/91 (Lei Rouanet) Este manual estabelece as regras de aplicação e orienta o uso das marcas do Programa Nacional

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

PROJETO DE DESIGN GRÁFICO PARA O LANÇAMENTO DO CD DA BANDA COPACABANA CLUB 1

PROJETO DE DESIGN GRÁFICO PARA O LANÇAMENTO DO CD DA BANDA COPACABANA CLUB 1 PROJETO DE DESIGN GRÁFICO PARA O LANÇAMENTO DO CD DA BANDA COPACABANA CLUB 1 Isabelle IMAY 2 Isabelle HUNDSDORFER 3 Paulo Negri FILHO 4 Centro Universitário Internacional Uninter, Curitiba, PR RESUMO Trabalho

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design gordongroup Sobre o gordongroup gordongroup é uma agência de marketing e comunicação de tempo integral e de balcão único, que oferece um conjunto exclusivo de serviços criativos,

Leia mais

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010 Regional Julho de 2010 Pesquisa de Avaliação Campanha Brasil 2010 - Regional No período entre 28 de junho e 02 de julho de 2010 foram realizados os Grupos Focais

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 04035356 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA DESIGN GRÁFICO EM PUBLICIDADE ETAPA 3 Período

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões. O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em

A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões. O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em Propaganda Eleitoral 6.05.200 A. Introdução A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em + - 998 O tema esquentou

Leia mais

I D E N T I D A D E V I S U A L

I D E N T I D A D E V I S U A L IDENTIDADE VISUAL A percepção realiza ao nível sensório o que no domínio do raciocínio se conhece como entendimento. Ver é compreender. Rudolf Arnheim, sociólogo SUMÁRIO Apresentação...3 Conceito visual...4

Leia mais

A INTERATIVIDADE: ALGO MAIS NA SEDUÇÃO PUBLICITÁRIA

A INTERATIVIDADE: ALGO MAIS NA SEDUÇÃO PUBLICITÁRIA A INTERATIVIDADE: ALGO MAIS NA SEDUÇÃO PUBLICITÁRIA Vera Maria Ramos Pinto (PG - UEL / GP Leitura e Ensino- CLCA- UENP/CJ) Anúncios interativos são aqueles criados com a finalidade de levar o leitor a

Leia mais

MANUAL APLICAÇÃO LOGOTIPO LINTEC

MANUAL APLICAÇÃO LOGOTIPO LINTEC SUMÁRIO INTRODUÇÃO 03 APRESENTAÇÃO 04 VERSÃO INSTITUCIONAL 05 VERSÃO VERTICAL E HORIZONTAL 06 PRETO E BRANCO 07 PADRÕES CROMÁTICOS 08 MALHA CONSTRUTIVA 09 ÁREA DE PROTEÇÃO 10 REDUÇÃO MÁXIMA 11 APLICAÇÕES

Leia mais

Estrutura e estética: Organização, layout, cores e tipos

Estrutura e estética: Organização, layout, cores e tipos Design Web Estrutura e estética: Organiação, layout, cores e tipos Apresentação: Estrutura e Estética Organiação Navegação Layout Cores e Tipografia! " Representação e Apresentação Representação Utiliar

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Introdução à Comunicação Visual 40 horas Não tem Desenho I 40 horas Não

Leia mais

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 Andrey Scariott FILIPPI 2 Lucas Paiva de OLIVEIRA 3 Marcelo Barbosa CORRÊA 4 Virgínia FEIX 5 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo

Arquitetura e Urbanismo Arquitetura e Urbanismo Arquitetura e Urbanismo CARREIRA EM ARQUITETURA E URBANISMO Os arquitetos recebem uma formação geral que lhes permite trabalhar em diversos campos: em projetos de construções, de

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS2/CS3 DIREÇÃO DE ARTE Apostila 7 PLANEJAMENTO VISUAL GRÁFICO ABRIL 2011 PLANEJAMENTO VISUAL GRÁFICO Planejamento Visual Gráfico é a tarefa de

Leia mais

PROGRAMA MAIS CULTURA - EDITAL MICROPROJETOS TERRITÓRIOS DE PAZ ANEXO 3 FORMULÁRIO PESSOA JURÍDICA 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA TÍTULO: ÁREA

PROGRAMA MAIS CULTURA - EDITAL MICROPROJETOS TERRITÓRIOS DE PAZ ANEXO 3 FORMULÁRIO PESSOA JURÍDICA 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA TÍTULO: ÁREA 1 PROGRAMA MAIS CULTURA - EDITAL MICROPROJETOS TERRITÓRIOS DE PAZ ANEXO 3 FORMULÁRIO PESSOA JURÍDICA 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA TÍTULO: ÁREA: ÁREA Artes Visuais Artes Cênicas Música Literatura Audiovisual

Leia mais

Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa, através dos tempos, portar-se institucionalmente de um

Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa, através dos tempos, portar-se institucionalmente de um Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa, através dos tempos, portar-se institucionalmente de um modo que justifique e reafirme o seu lugar na vanguarda.

Leia mais

Identidade Visual Manual de Aplicação

Identidade Visual Manual de Aplicação Identidade Visual Manual de Aplicação Apresentação Aqui estão dispostas em breves linhas algumas indicações sobre a nova identidade da SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO, elaborada com a finalidade de

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Os símbolos são usados pela humanidade desde o início dos tempos como representações que fortalecem a comunicação ao despertar emoções. Entre esses, encontram-se as marcas.

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual ÍNDICE 1. MARCA Apresentação... 04 Cores Institucionais... 05 Família Tipográfi ca... 06 Construção... 07 Versões... 08 Fantasia... 09 Grayscale... 10 Uma Cor... 11 Assinaturas...

Leia mais

Processos Cognitivos envolvidos na Percepção e Atribuição de Valor ao Design de Produtos

Processos Cognitivos envolvidos na Percepção e Atribuição de Valor ao Design de Produtos Processos Cognitivos envolvidos na Percepção e Atribuição do Valor ao Design de Produtos Cognitive Process involved in Perception and Attribution of Value to the Industrial Product Design Mineiro, Érico;

Leia mais

Técnicas Visuais Aplicadas

Técnicas Visuais Aplicadas Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Técnicas Visuais Aplicadas Prof. Dr. João Gomes Filho I 2011 BIBLIOGRAFIA João Gomes Filho Escrituras Editora. São Paulo 9 a

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL WEBDESIGN CAMPUS PRAÇA XI - NOITE VICTOR YAMAMOTO DE SOUZA 200901191267

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL WEBDESIGN CAMPUS PRAÇA XI - NOITE VICTOR YAMAMOTO DE SOUZA 200901191267 UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL WEBDESIGN CAMPUS PRAÇA XI - NOITE VICTOR YAMAMOTO DE SOUZA 200901191267 Rio de Janeiro 2013 INTRODUÇÃO O presente projeto visa o desenvolvimento de

Leia mais