PAULO AUGUSTO RAICHLE INFORMAÇÃO, OFERTA E PUBLICIDADE ENGANOSA E ABUSIVA NO DIREITO DO CONSUMIDOR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAULO AUGUSTO RAICHLE INFORMAÇÃO, OFERTA E PUBLICIDADE ENGANOSA E ABUSIVA NO DIREITO DO CONSUMIDOR"

Transcrição

1 PAULO AUGUSTO RAICHLE INFORMAÇÃO, OFERTA E PUBLICIDADE ENGANOSA E ABUSIVA NO DIREITO DO CONSUMIDOR Ijuí (RS) 2011

2 PAULO AUGUSTO RAICHLE INFORMAÇÃO, OFERTA E PUBLICIDADE ENGANOSA E ABUSIVA NO DIREITO DO CONSUMIDOR Monografia final do Curso de Graduação em Direito objetivando a aprovação no componente curricular Monografia. UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. DEJ Departamento de Estudos Jurídicos. Orientador: MSc Idemir Luiz Bagatini Ijuí (RS) 2011

3 Dedico este trabalho a todos que de alguma forma passaram pela minha vida e ajudaram de uma forma ou outra, durante minha caminhada acadêmica.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço, acima de tudo, a Deus, pela luz, paciência, persistência, e pela dádiva da vida! Ao meu orientador, Professor Idemir Luiz Bagatini, pela dedicação, pelos ensinamentos e pela amizade. A toda minha família, pela ajuda, esforço e incentivo para que eu pudesse percorrer este caminho e completar mais esta etapa da minha vida. Aos meus amigos, pelos momentos maravilhosos, que fazem com que esqueçamos os difíceis, nos deixando mais fortes para enfrentarmos as dificuldades e os desafios. E a todos aqueles que de uma forma ou outra colaboraram para que eu pudesse conquistar esta importante vitória.

5 RESUMO O presente trabalho de pesquisa faz uma análise do código de defesa do consumidor em relação à oferta, informação e publicidade enganosa e abusiva, destacando quando esta oferta e publicidade podem atingir o consumidor e a sociedade como um todo de forma negativa. Descreve seus efeitos persuasivos e mostra sua influência no comportamento do consumidor, lesando-o. Palavras-Chave: Publicidade. Oferta. Informação. Consumidor e fornecedor. Publicidade enganosa e abusiva.

6 ABSTRACT The presente research analyzes the consumer protection code relative to supply, information and misleading and unfair, highlighting when this offer and advertising can reach consumers and society as a whole in a negative way. Describes its persuasive effects and shows its influence on consumer behavior, injuring him. Keywords: Advertising. Offer. Information. Customer and supplier. Misleading and unfair.

7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO PUBLICIDADE E O DIREITO DO CONSUMIDOR Diferenciações entre publicidade e propaganda no CDC A publicidade, sua função e efeitos persuasivos Surgimento da publicidade e seu controle no direito do consumidor Conceituação de fornecedor e consumidor A informação A oferta e a apresentação A PUBLICIDADE E SUAS FORMAS Publicidade lícita Publicidade ilícita Publicidade enganosa e abusiva Publicidade enganosa Publicidade abusiva Inversão do ônus da prova...45 CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 50

8 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo conceituar a oferta, a informação e a publicidade regradas pelo Código de Defesa do Consumidor (Lei n. 8078/90). Procura-se mostrar a influência da publicidade enganosa e abusiva na vida dos consumidores. O conhecimento do presente tema é imprescindível para os consumidores, uma vez que a oferta e apresentação devem assegurar informações corretas, claras, precisas, ostensivas e em língua portuguesa para que o consumidor não seja induzido a erro e passe a adquirir produto ou serviço que, caso fosse bem informado, não adquiriria. O tema será desenvolvido em dois capítulos, tratando-se primeiramente temas referentes à oferta e publicidade, bem como a conceituação de consumidor e fornecedor, seguidos da conceituação de produto e serviço. No segundo momento do trabalho, busca-se levar ao conhecimento dos leitores o que o Código de Defesa do Consumidor regra em relação à publicidade enganosa e abusiva. Dá-se também um breve destaque ao ônus da prova: a quem cabe o ônus, no caso da publicidade enganosa e abusiva, destacando que a inversão do ônus da prova é legal, ope legis. A oferta e a publicidade são mecanismos importantes para o fornecedor na venda de seus produtos e serviços. A questão importante é que não podem ser mecanismos que induzam os consumidores a erro. O consumidor tem o direito à

9 escolha e não pode ser enganado, induzido a erro. Além do mais, na publicidade abusiva o consumidor não pode ser levado a desrespeitar valores éticos e sociais.

10 1 PUBLICIDADE E O DIREITO DO CONSUMIDOR A publicidade comercial, tratada pelo nosso ordenamento jurídico, Código de Defesa do Consumidor (LEI de 11 de setembro de 1990), é uma conseqüência da Revolução Industrial e da massificação do mercado, tendo na figura do jornal, o primeiro meio de comunicação de massa utilizada em grande escala pelos comerciantes. Essa massificação fez com que se criasse mecanismos de proteção ao consumidor, como o CONAR (Código Brasileiro de Auto-Regulamentação Publicitária) e mais tarde o nosso Código de Defesa do Consumidor (CDC). Iniciamos o presente trabalho apresentando a diferença entre publicidade e propaganda, discorrida no subtítulo abaixo, para entendermos melhor os termos, uma vez que o CDC utiliza-se do termo publicidade, para efeitos comerciais. 1.1 Diferenciações entre publicidade e propaganda no CDC No âmbito jurídico, o termo publicidade e o termo propaganda não são utilizados como sinônimos. O Código de Defesa do Consumidor é adepto ao termo publicidade, uma vez que este possui caráter comercial. O primeiro termo, originariamente utilizado para designar a oferta ao público no âmbito comercial, foi reclame, ou reclamo. Esta é, porém, uma palavra arcaica, atualmente em desuso, que designava qualquer tipo de propaganda comercial: anúncio, cartaz, prospecto, jingle, etc. Anotam os publicitários que o termo propaganda tem um caráter mais ideológico, podendo-se definir como atividades que tendem a influenciar o homem, com o objetivo religioso, político ou cívico. (JACOBINA, 1996, p. 8). Comenta ainda Jacobina (1996, p. 8) que teria o termo publicidade um sentido mais estrito, sendo o mesmo definido como [...] a arte de despertar no público o desejo de compra, levando-o a ação. Teria, portanto, um caráter mais especificamente comercial e, em sentido estrito, negocial.

11 Dessa maneira, poderíamos dizer então que o termo propaganda seria o genérico e o termo publicidade o comercial, sendo que os próprios dicionários tratam ambos como sinônimos, uma vez que para eles não há, nas agências, diferenciação de publicidade e propaganda, e seus profissionais ou são publicitários ou chamados de homens de propaganda. Interessante o pensamento de Paulo Vasconcelos Jacobina (1996, p. 7-8): O Código do Consumidor, no entanto, trouxe para o âmbito jurídico as infindáveis discussões terminológicas travadas pelos publicitários a respeito dos termos publicidade e propaganda, ao tratar da veiculação de oferta por meios de comunicação. De fato, usa quase que exclusivamente o termo publicidade, com essa acepção. Conforme já citado anteriormente, o Código de Defesa do Consumidor usa publicidade e não propaganda, justamente por aquela ter um objetivo comercial e a propaganda, conforme Idemir Luiz Bagatini (2005, p. 68), ter um fim de convencimento ideológico, religioso, político e social." Para Jacobina, a publicidade comercial é (1996, p. 11): [...] aquela realizada com o objetivo de ofertar um bem ou serviço de consumo, através de um meio de comunicação capaz de atingir, ainda que potencialmente, um número indeterminado de pessoas, e veiculada às expensas do fornecedor. Observa-se que a publicidade visa alcançar um lucro, enquanto a propaganda na maioria das vezes não tem a idéia de beneficiar-se economicamente. 1.2 A publicidade, sua função e efeitos persuasivos A finalidade da publicidade é incentivar a produção dos serviços e produtos por parte dos fornecedores e colocá-los à disposição dos consumidores. Como já foi referido acima, a publicidade, que emprega técnicas persuasivas e usa os meios de comunicação de massa para convencer os consumidores, é uma atividade comercial, pois tem finalidade econômica e de desenvolvimento do bem-estar social.

12 Destaca Guinther Spode (2002, p. 178), que: A publicidade é, sem dúvida, um dos mais importantes fenômenos deste século. Uma verdadeira indústria, movimentando fabulosas quantias e expectativas. Ao lado do sonho e dos benefícios que com ela vêm, a publicidade é portadora de toda uma problemática própria, lesiva aos consumidores, desagregadora do bom funcionamento do mercado e desafiadora para o Direito. Carlos Alberto Bittar, citado por Adalberto Pasqualotto (1997, p. 22) conceitua publicidade como a arte e técnica de elaborar mensagens para, por meio de diferentes formas de manifestação e de veiculação, fazer chegar aos consumidores determinados produtos ou serviços, despertando neles o desejo de adquiri-los ou deles dispor. Comenta Pasqualotto que o código de Defesa do Consumidor não traz um conceito explícito de publicidade, o que implica ausência de qualquer limitação. Esse aspecto mostra-se positivo em vista da grande abrangência da publicidade no Brasil. (1997, p. 23). O objeto da publicidade, segundo Guinther Spode (2002, p. 182) é propiciar que os consumidores em potencial tomem conhecimento da existência do produto ou serviço e, uma vez informados sobre suas qualidades (características), sejam levados a uma decisão de compra. Acrescenta ainda Caio Domingues, citado por Spode (2002, p. 182) que: [...] a publicidade não consegue vender um mau produto ou serviço; ela só vende aquilo já aceito e desejado pelo consumidor e apenas realiza vendas em volumes e velocidades bem maiores de que ocorreria sem o concurso da comunicação. Por outras palavras, a melhor maneira de matar um mau produto ou serviço é anunciá-lo, isto é, expô-lo à experimentação em massa e ao denegrimento em massa. Na modernidade o consumidor é altamente influenciado pela mídia e esta descobriu que a publicidade possui também o componente persuasivo, que, em sua essência, pretende mudar ação ou a inação do consumidor, levando-o a adquirir o produto ou serviço anunciado. (SPODE, 2002, p. 183).

13 Temos a publicidade não apenas como informação, mas como um meio de induzir o consumidor à compra. Este meio que induz o consumidor à compra, que o convence de levar aquele produto, ou contratar aquele serviço chama-se persuasão. O patrocinador de um produto publicitário tem como objetivo não apenas informar o seu produto, mas sim vendê-lo. A publicidade assim, cria na população uma necessidade de compra, de consumo. 1.3 Surgimento da publicidade e seu controle no direito do consumidor A publicidade veio a surgir na metade do século passado, em uma época em que praticamente o vendedor e o comprador dispunham de uma comunicação meramente informativa, na qual as práticas comerciais se davam olho a olho, cara a cara. Tinham uma relação baseada na confiança, no conhecimento pessoal, ou seja, na honestidade, seriedade do vendedor do produto que garantia a qualidade do mesmo, da aquisição da mercadoria. A publicidade não visa meramente informação e a apreciação como lazer por parte dos consumidores, pois como [...] a alteração da realidade comanda uma revisão sistemática jurídica, ainda fundamentalmente ligada aos modos de vida de uma civilização agrária ou pré-industrial. Assim nasce o controle jurídico da publicidade, um dos capítulos iniludíveis da proteção do consumidor. (SPODE, 2002, p. 182). Após a Segunda Guerra Mundial, houve mudanças no mercado com o surgimento de monopólios, na qual à publicidade obrigatoriamente foi exigida a uma nova função, de orientação do consumo para estimular necessidades e provocar a demanda. Acrescenta Pasqualotto (1997, p ) que a publicidade se transformou, ao mesmo tempo, na alma do comércio e no principal instrumento das empresas na luta concorrencial. Não restam dúvidas de que a publicidade comercial foi uma conseqüência da Revolução Industrial e conseqüentemente dos mercados de massa. Com grande sapiência no assunto, Jacobina (1996, p. 22), assinala que:

14 Se o jornal foi o primeiro meio de comunicação de massa, não poderia deixar de ser, também, a primeira mídia utilizada em larga escala pelos comerciantes, prestadores de serviços, produtores, enfim, todos os que precisavam colocar no mercado seus produtos, manufaturados de forma cada vez mais acelerada pelas técnicas de produção em escala. Acrescenta ainda Jacobina (1996, p. 25) que a comunicação em massa viabilizou o consumo em massa e vice-versa. Nos dias de hoje, a publicidade passou a ser essencial sob o ponto de vista social, cultural, econômico e também jurídico. O Direito teve de se moldar para este fenômeno chamado publicidade, procurando regulá-la, para que não houvesse abuso da força em relação ao consumidor. A verdade é que a publicidade já estava presente antes mesmo da sociedade de consumo, da massificação gerada pela Revolução Industrial, só que de forma mais discreta. De qualquer modo, indubitável o fato de que a propaganda passou a interferir na vida humana, especialmente nas relações de consumo, funcionando como um dos fenômenos geradores da economia de massa. Como conseqüência, verifica-se a necessidade de criar mecanismos de proteção dos interesses coletivos e não mais da atuação individual dos consumidores. (SPODE, 2002, p. 180). Acrescenta ainda Heloísa Carpena Vieira de Mello (2000, p. 123) que, O surgimento dos direitos do consumidor, como sabemos, é contemporâneo do fenômeno de massificação da produção, do consumo, da comunicação, dos danos e dos conflitos daí decorrentes, e, portanto, no seio do seu estatuto próprio floresceu o regramento da publicidade. O consumidor devido sua fragilidade precisava de proteção e [...] o controle da publicidade introduzido em nosso ordenamento pelo Código de Defesa do Consumidor tem por fim tornar efetiva a prevenção de danos de mercado. (VIEIRA DE MELLO, p. 123). Conforme Idemir Luiz Bagatini, a publicidade transformou o mundo numa grande vitrina e o consumidor tem dificuldades em evitar esse contágio. (2005, p. 65).

15 Acrescenta ainda Bagatini (2005, p. 65) que a publicidade, como fenômeno de massa, não conhece barreiras, sendo dirigida à coletividade, desconsiderando a individualidade do consumidor. A partir daí, dessa massificação toda começaram a aparecer publicidades ditas enganosas e/ou abusivas, o que levou o legislador a aprovar o Código de Defesa do Consumidor obtendo um meio de regrar e punir o fornecedor que abusasse desse artifício. Além do surgimento do Código de Defesa do Consumidor, para regulamentação de publicidades (e propagandas) temos o CONAR, (Código Brasileiro de Auto-Regulamentação Publicitária), que seria uma fonte subsidiária de interpretação para o Direito ou nas palavras de Jacobina (1996, p. 31), é os que os próprios destinatários da norma reconhecem e admitem, espontaneamente, como mínimo ético necessário para reger a atividade. Resumidamente, nas palavras de Bagatini (2005, p. 63), a publicidade é enganosa [...] quando induz o consumidor ao erro e abusiva quando modifica o comportamento do consumidor, principalmente quando se trata de crianças e idosos. No entendimento de Adalberto Pasqualotto, A importância da publicidade só pode ser adequadamente avaliada pela ótica da massificação da produção e do consumo. Desapareceram, como regra geral, as contratações individuais acordadas tetê-a-tête, que inspiraram o modelo do direito dos contratos, cunhado sob a ótica privatística. As relações de mercado se despersonalizaram. As máquinas assumiram o lugar de vendedores. As compras são feitas anonimamente. As ofertas são veiculadas simultaneamente para milhões de pessoas. A publicidade é o efetivo elemento de ligação entre produtores e consumidores. (1997, p. 78). Por este motivo é que não se faz no consumidor uma proteção individual do mesmo. Tinha o legislador brasileiro [...] bem presente essa premissa e institui conceitos coletivos de consumidor, outorgando-lhes proteção como massa de pessoas anônimas, não apenas como indivíduos. (PASQUALOTTO, 1997, p. 79).

16 Esses meios, como o CDC e o CONAR são necessários para ajudar o consumidor na defesa do consumidor contra a publicidade abusiva e enganosa, a qual trataremos com mais pormenores no capítulo 2 deste trabalho. 1.4 Conceituação de consumidor e fornecedor Temos, portanto, duas partes importantes em uma relação de consumo, um fornecedor, e conseqüentemente um consumidor. Nosso ordenamento jurídico, Código de Defesa do Consumidor (Lei n /90) conceitua o consumidor em seu art. 2º, como toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final. A legislação diz que o consumidor, no caso pessoa física, é consumidor pelo fato de participar de uma relação de consumo no papel de comprador ou que utiliza o produto ou serviço, sendo o mesmo destinatário final. É importante lembrar que para certas compras o consumidor deve ser maior e capaz de assumir direitos e obrigações, assim como em algumas outras operações, não. Conforme Paulo Vasconcelos Jacobina (1996, p. 55), [...] todas as pessoas que tem personalidade podem, potencialmente, ocupar esse pólo da relação de consumo. Temos também no art. 2º do Código de Defesa do Consumidor, a pessoa jurídica, sendo que nesta, Abeledo-Perrot, citado por Saad (2002, p. 59), diz que: a pessoa jurídica é uma instituição jurídica, por ser uma idéia de obra ou de empresa que se realiza e dura juridicamente em um meio social; para a realização desta idéia, organiza-se um com os órgãos necessários; por outra parte, entre os membros do grupo social interessado na realização da idéia, produzem-se manifestações de assentimento dirigidas por órgãos do poder e regulamentadas por procedimentos. Ao tratar de pessoas jurídicas de direito privado, temos o art. 44 do Código Civil de 2002, que relaciona as associações, sociedades, fundações, organizações religiosas e partidos políticos.

17 55-56): Interessante o pensamento do autor Paulo Vasconcelos Jacobina (1996, p. De fato, somente pode ser considerado consumidor a pessoa física ou jurídica que utilize o produto ou serviço como destinatária final. Por isso, não pode ser considerado consumidor o empresário, pessoa física ou jurídica, que adquire ou utiliza esses bens como finalidade de intermediação ou mesmo como insumos ou matérias-primas para transformação ou aperfeiçoamento com fins lucrativos (ou seja, visando a integrá-los no processo de produção, transformação, comercialização ou prestação a terceiros). Em seu parágrafo único do mesmo artigo segundo, equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo nas relações de consumo. Conforme Jacobina (1996, p. 58): O parágrafo único do art. 2º amplia o conceito de consumidor em seu aspecto pessoal, para ali incluir a coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo nas relações de consumo. É de se reparar, primeiramente, que ao juntar a lei a expressão ainda que indetermináveis à definição legal, não está excluindo as coletividades de pessoas determináveis, mas sem personalidade jurídica. Muito ao contrário, está incluindo-as na noção de consumidor. Essa interpretação encontra arrimo até mesmo numa visão sistemática do código: essa classe de consumidores exerce a chamada defesa coletiva nos termos do art. 81, parágrafo único do CDC. Temos também o conceito de consumidor elencado no art. 17 do CDC (Código de Defesa do Consumidor), onde a lei diz que para os efeitos desta Seção, equiparam-se aos consumidores todas as vítimas do evento. Este artigo faz parte da Seção II do CDC, na qual trata da responsabilidade pelo fato do produto e do serviço. Contribui para esta compreensão, Eduardo Gabriel Saad (2002, p. 285): O art. 17 faz com que o manto protetor estendido pelo Código sobre o consumidor alcance também aquele que sem ter participado da relação de consumo vem a sofrer quaisquer danos causados por defeitos de um produto. Podemos relacionar como exemplo um caso de atropelamento. Um veículo desgovernado atropela e fere diversas pessoas em razão de um defeito em uma

18 peça que constitui o carro. Essas pessoas, através do Código de Defesa do Consumidor, podem pleitear a reparação necessária do fabricante do veiculo. Já o art. 29 do CDC é o primeiro do capítulo V do mesmo código, que trata das práticas comerciais, ou seja, conforme Saad (2002, p. 339), é dedicado [...] aos meios e processos em uso no comércio para incentivar seus negócios e atrair compradores. Dispõe o art. 29 que para os fins deste Capítulo e do seguinte, equiparam-se aos consumidores todas as pessoas determináveis ou não, expostas as práticas nele previstas. Em outras palavras, as pessoas determináveis ou não, na qual o artigo cita, mesmo não integradas numa relação de consumo, podem ser amparadas pelo Código de Defesa do Consumidor. Prevê o artigo a possibilidade de uma certa pessoa poder ser atraída por uma oferta, tanto de produto quanto serviço, ou por sua publicidade, mas entrando em contato com o fornecedor, averigua as condições do produto ofertado não serem verdadeiras, sofrendo modificações antes que se complete o ato de consumo. Eduardo Gabriel Saad (2002, p. 340) acrescenta que abre-se, assim, ampla perspectiva do interesse de quem não é consumidor, mas que o é potencialmente. No art. 3º do Código de Defesa do Consumidor encontramos o conceito de fornecedor, sendo este o sujeito que ocupa o outro pólo da relação de consumo. Elenca o art. 3º do CDC que Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira, bem como os entes despersonalizados, que desenvolvem atividade de produção, montagem, criação, construção, transformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou prestação de serviços. O 1º do artigo trata do produto, dizendo que: Produto é qualquer bem, móvel ou imóvel, material ou imaterial.

19 Já o 2º trata do serviço: Serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária, salvo as decorrentes das relações de caráter trabalhista. O fornecedor é aquele que exerce a atividade profissional, de forma contínua, estando fora desde conceito, por exemplo, a pessoa que vendeu um bem móvel ou imóvel pessoal, pois este tem o ofício muito diferente do fornecedor. Podemos dizer, resumidamente, que o fornecedor seria o fabricante, o vendedor e o prestador de serviços. Pode ser pessoa física ou jurídica (sociedade anônima, por quotas limitadas, etc.), pública ou privada. Portanto, fica sujeito, às disposições do Código, o próprio Estado, ou, melhor falando, o poder público federal, estadual ou municipal diretamente ou indiretamente por intermédio de autarquias, fundações, empresas públicas é ele o fornecedor do produto ou o prestador do serviço. (SAAD, 2002, p. 70). Sobre a empresa ser nacional ou estrangeira, segundo Eduardo Gabriel Saad (2002, p. 72): Para os fins da Lei, é indiferente que a empresa seja nacional ou estrangeira. Se esta última realiza a operação em território nacional, tem de submeter-se ao que prescreve o Código. Ateve-se a lei elencar esses diversos tipos de fornecedores para que os intérpretes (doutrinadores) e o judiciário não ficasse restrito ao conceito do consumidor. Uma vez que o que caracteriza o consumidor é a sua atividade, sendo ela pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira. Nas palavras de Saad (2002, p. 70), fornecedor seria o fabricante, o vendedor ou o prestador de serviços. Nas palavras de Idemir Luiz Bagatini (2005, p. 64), o fornecedor tem o direito de fazer publicidade de seus produtos e serviços, respeitando, porém, os direitos dos consumidores, não podendo enganá-los, e, também, mudar seu comportamento com a publicidade abusiva.

20 Legalmente, o fornecedor não tem o dever de anunciar seu produto. Ele vai anunciar somente se ele quiser. Mas em o fazendo, tem a obrigação de informar corretamente sobre dados exatos de seus produtos para que os consumidores possam fazer as melhores escolhas, de acordo com seus interesses. 1.5 A Informação Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma ou meio de comunicação com relação a produtos e serviços oferecidos ou apresentados, obriga o fornecedor que a fizer veicular ou dela se utilizar e integra o contrato que vier a ser celebrado (art. 30, CDC). No entendimento de Paulo Luiz Netto Lôbo (2001, p. 62), o direito a informação, no âmbito exclusivo do direito do consumidor, é direito à prestação positiva oponível a todo aquele que fornece produtos e serviços no mercado de consumo. No momento em que as partes efetivaram o negócio e se por ventura não corresponde com o que foi anunciado, o fornecedor deve responder de acordo com o que foi publicizado. Acrescenta Guinter Spode (2002, p. 185): A inserção da publicidade como elemento do contrato e a correspondente responsabilidade persiste, mesmo quando o anunciante apareça sob nome de fantasia ou representado por terceiros a ele vinculados, e se estende para além daquele com quem diretamente o consumidor contratou. Temos uma decisão judicial que nos ajuda a entender a oferta: Direito do consumidor. Oferta de produto veiculada em jornal de ampla circulação. Entrega de produto diverso do anunciado. Alegação de erro da agência de publicidade que veiculou o anúncio. Fotografia de outro modelo (troca de imagem). Dever de vigilância por parte do anunciante. CDC, arts. 30 e 35. Obrigação de adimplir o negócio tal como anunciado. Alternativa do abatimento proporcional do preço, a título de perdas e danos. É dever do anunciante entregar ao consumidor o produto nas exatas especificações do anúncio veiculado, pois detém o dever de vigilância do que é publicado em seu nome. Não satisfeita a obrigação a rigor, acode ao consumidor exigir o cumprimento forçado da oferta, como se de compra e venda

21 perfeita e acabada se tratasse. Se impossível a entrega do bem conforme o anunciado, pela ausência de estoque ou não mais ser fabricado, pode o consumidor optar pelo recebimento da diferença entre o preço do bem ofertado e o daquele entregue, a título de perdas e danos. (ApCiv , 4 Câm. Civ., TJSC, rel. Des. Alcides Aguiar, j ) O fornecedor deve passar uma informação positiva, não podendo o mesmo omiti-la com intuito de enganar o consumidor, e sim deve fazê-la tendo como base as constantes da lei, o Código de Defesa do Consumidor. Uma informação deve se mostrar clara, de fácil entendimento, tentando evitar uma linguagem técnica, ajudando assim que o consumidor tenha uma fácil compreensão do produto ou serviço ofertado. que: Fábio Ulhoa Coelho, citado por Idemir Luiz Bagatini (2005, p. 73), acrescenta a explicação do risco em linguagem científica pode até ser verdadeira, mas, se for inacessível ao consumidor médio, o requisito legal não estará sendo atendido e, em conseqüência, o fornecedor poderá ser responsabilizado por inadequação ou insuficiência da informação. Lembrando que em relação aos termos publicidade e informação, entendemos que podem ter distintas significações, uma vez que toda publicidade veicula algum tipo ou forma de informação, mas não toda informação necessariamente se constitui em publicidade. Bagatini (2005, p. 72) é incisivo ao dizer que: O teor do art. 30 do CDC não deixa dúvida que toda informação ou publicidade [...] obriga o fornecedor que fizer veicular ou dela se utilizar e integra o contrato que vier a ser celebrado. A vinculação não ocorre só em relação ao anunciante, mas também em relação àquele que se utiliza do anúncio, como o varejista ou o comerciante, e passa a fazer parte do contrato. O que é anunciado, ofertado, e posteriormente não integra o contrato, o consumidor poderá entender como fazendo parte da relação de consumo. Conforme Lôbo (2001, p. 67): O princípio da boa-fé objetiva foi refuncionalizado no direito do consumidor, otimizando-se sua dimensão de cláusula geral, de modo a servir de

22 parâmetro de validade dos contratos de consumo, principalmente nas condições gerais dos contratos. Anteriormente ao advento das legislações específicas, a jurisprudência dos tribunais socorreu-se à larga da boa-fé como cláusula geral definidora do limite das condições gerais dos contratos e do efetivo cumprimento do dever de informar. O dever de informar está relacionado com o princípio da boa-fé objetiva, na qual esta é uma conduta baseada na probidade, correção, confiança, lealdade e na ausência de lesar ou prejudicar alguém de forma intencional. Tem-se a boa-fé objetiva nas relações jurídicas como regra de conduta entre as pessoas. 1.6 A oferta e a apresentação A oferta e apresentação de produtos ou serviços devem assegurar informações corretas, claras, precisas, ostensivas e em língua portuguesa sobre suas características, qualidades, quantidade, composição, preço, garantia, prazos de validade e origem, entre outros dados, bem como sobre os riscos que apresentam à saúde e segurança dos consumidores (art. 31, CDC). O autor Idemir Luiz Bagatini (2005, p. 73) entende que a oferta encerra uma proposta ao consumidor e a apresentação é o ato que coloca o produto ou serviços ao alcance dos sentidos do consumidor. Discorre ainda Bagatini (2005, p. 64) que a oferta, assim que jogada no mercado pelo fornecedor, passa a obrigá-lo nos termos propostos, bastando ao consumidor tomar contato com o divulgado. A oferta é uma proposta que vincula o fornecedor ao consumidor, tomando-se como exemplo, um produto exposto na vitrina de uma loja, pelo fornecedor, com dados de tal produto, e esta oferta, já cria uma relação de consumo para com o futuro/suposto consumidor. Caso o fornecedor não queira cumprir a legislação, temos como solução a execução específica de acordo com o art. 35 do CDC. A informação precisa não é apenas aquela informação verdadeira, e sim deve ser aquela informação exata.

23 Temos a oferta como negócio jurídico unilateral, sendo ela dirigida ao público ou individual, bastando apenas uma única manifestação de vontade por parte do ofertante para que produza efeitos jurídicos, antes mesmo do aceite e consumação do contrato. É com inteligência que Cláudia Lima Marques é citada por Heloísa Carpena Vieira de Mello, em relação à publicidade, sendo que a mesma pode efetivamente perturbar a ordem e harmonia do mercado, pode violar direitos de informação, de reflexão, de inviolabilidade moral e cultural dos consumidores e, sobretudo, pode causar (sérios e difusos) danos econômicos aos consumidores. (2000, p. 127). Podemos destacar ainda, além do art. 31, o art. 54 do CDC, em seu parágrafo 4º, na qual diz que a informação também deve ser redigida com destaque, de fácil percepção por parte do consumidor. O consumidor pode exigir o cumprimento forçado da obrigação, e para tanto temos ainda os arts. 48 e 84 do CDC: Art. 48. As declarações de vontade constantes de escritos particulares, recibos e pré-contratos relativos às relações de consumo vinculam o fornecedor, ensejando inclusive execução específica, nos termos do art. 84 e parágrafos. Art. 84. Na ação que tenha por objeto o cumprimento da obrigação de fazer ou não fazer, o juiz concederá a tutela específica da obrigação ou determinará providências que assegurem o resultado prático equivalente ao do adimplemento. 1 A conversão da obrigação em perdas e danos somente será admissível se por elas optar o autor ou se impossível a tutela específica ou a obtenção do resultado prático correspondente. 2 A indenização por perdas e danos se fará sem prejuízo da multa (art. 287, do Código de Processo Civil). 3 Sendo relevante o fundamento da demanda e havendo justificado receio de ineficácia do provimento final, é lícito ao juiz conceder a tutela liminarmente ou após justificação prévia, citado o réu. 4 O juiz poderá, na hipótese do 3 ou na sentença, impor multa diária ao réu, independentemente de pedido do autor, se for suficiente ou compatível com a obrigação, fixando prazo razoável para o cumprimento do preceito. 5 Para a tutela específica ou para a obtenção do resultado prático equivalente, poderá o juiz determinar as medidas necessárias, tais como busca e apreensão, remoção de coisas e pessoas, desfazimento de obra, impedimento de atividade nociva, além de requisição de força policial.

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR DIREITO DO CONSUMIDOR RELAÇÃO DE CONSUMO APLICABILIDADE O presente código estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos arts. 5, inciso XXXII,

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR MARIA BERNADETE MIRANDA

DIREITO DO CONSUMIDOR MARIA BERNADETE MIRANDA DIREITO DO CONSUMIDOR MARIA BERNADETE MIRANDA OFERTA VÍNCULO DA RELAÇÃO DE CONSUMO MERCADO DE CONSUMO OFERTA Artigo 30 Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma

Leia mais

Francisco José Soller de Mattos

Francisco José Soller de Mattos Princípios gerais da publicidade no Código de Proteção e Defesa do Consumidor Francisco José Soller de Mattos Introdução Nosso ordenamento jurídico não obriga a Nosso ordenamento jurídico não obriga a

Leia mais

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa PRÁTICAS COMERCIAS Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa CONCEITO Práticas comerciais são os procedimentos, mecanismos, métodos e técnicas utilizados pelos fornecedores para,

Leia mais

A configuração da relação de consumo

A configuração da relação de consumo BuscaLegis.ccj.ufsc.br A configuração da relação de consumo Samuel Borges Gomes 1. Introdução O Código de Defesa do Consumidor (CDC) foi sem dúvida um marco na legislação brasileira no sentido de legitimação

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR OSMAR LOPES JUNIOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR Introdução Não é preciso dizer o quanto a internet

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor.

Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor. Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor. O Direito do Consumidor estabelece as regras que regulam as relações de consumo entre consumidores e fornecedores de produtos ou serviços. Como vivemos em um

Leia mais

DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR

DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR O PROCON MUNICIPAL tem como principal tarefa a proteção e defesa do consumidor, por isso desenvolveu este guia para melhor transparência e respeito, para você, consumidor.

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Prestação de Serviços Contrato de Prestação de Serviços Visão Geral dos Contratos: Formação dos Contratos;e Inadimplemento Contratual. Formação dos Contratos Validade do Negócio Jurídico: Agente

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Análise de propaganda comercial irregular promovida pela Kia e veiculada pela

Análise de propaganda comercial irregular promovida pela Kia e veiculada pela Análise de propaganda comercial irregular promovida pela Kia e veiculada pela Rede Record de televisão (Correio da Paraíba) no dia 17 de agosto de 2010. Autora: Mirza Mara Porto Núcleo Psicossocial do

Leia mais

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Prof. Alexandre LIPP João PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC. b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Prof. Alexandre LIPP João PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC. b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC 1 CDC PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC PONTO 2: a) DISTINÇÃO CONSUMIDOR E FORNECEDOR b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC 1) A BASE CONSTITUCIONAL DA DEFESA DO CONSUMIDOR: ART. 5º, XXXII 1, CF (Dir.

Leia mais

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR 1 Sumário 1 - A origem do Código de Defesa do Consumidor...3 2 - Código de Defesa do Consumidor... 3 3 - Direitos

Leia mais

Autor: Deputado Antonio Bulhões Relator: Deputado Elismar Prado

Autor: Deputado Antonio Bulhões Relator: Deputado Elismar Prado COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 5.995, DE 2009 Altera a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990, Código de Defesa do Consumidor, para estender o direito de arrependimento ao consumidor

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO QUARTA CÂMARA DE DIREITO PRIVADO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO QUARTA CÂMARA DE DIREITO PRIVADO Voto nº 19781 PUBLICIDADE COMPARATIVA. Fabricantes de um mesmo produto que se utilizam de expressões voltadas a realçar o seu em campanha publicitária. Expressões aceitáveis pela falta de enganosidade,

Leia mais

Comunicação: tendências e desafios, realizada na Universidade do Sagrado Coração Bauru SP, no período de 27 a 29 de agosto de 2009.

Comunicação: tendências e desafios, realizada na Universidade do Sagrado Coração Bauru SP, no período de 27 a 29 de agosto de 2009. 111 1ª Jornada Científica de Comunicação Social A pesquisa em Comunicação: tendências e desafios PUBLICIDADE E PROPAGANDA: UMA REFLEXÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E DA ÉTICA PARA A PROFISSÃO

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL Professora Doutora: Mirella D Angelo MESTRADO EM DIREITO UNIMES 2013 O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 1 CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 03/09/2013 2 PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO E AS LIMITAÇÕES DO DECRETO 7.962/2013 3 Conclusões O CDC é mais do que suficiente para a

Leia mais

MANUAL DE PRÁTICAS COMERCIAIS PORTAL AREDE

MANUAL DE PRÁTICAS COMERCIAIS PORTAL AREDE MANUAL DE PRÁTICAS COMERCIAIS PORTAL AREDE 1. A Compra do espaço publicitário 1.1 A tabela de preços Todos os formatos publicitários do PORTAL AREDE, com suas características técnicas e seus preços estão

Leia mais

Módulo Operações na Logística. Objetivos. Questões

Módulo Operações na Logística. Objetivos. Questões Módulo Operações na Logística 1. O Direito, a lei e a Logística 2. Os Direitos do Consumidor 3. Atividade Empresarial e a Logística 4. As Obrigações Tributárias Prof. Mardônio da Silva Girão Objetivos

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

Introdução: Boas Práticas

Introdução: Boas Práticas Introdução: O presente Guia, elaborado pela Associação Brasileira de Empresas de Pesquisas ABEP tem por objetivo apresentar e orientar os profissionais responsáveis pela realização de pesquisas de mercado

Leia mais

PROCON CAMPINAS. MÓVEIS PLANEJADOS E SOB MEDIDA Informativo com dicas e orientações sobre compras de móveis planejados e sob medida

PROCON CAMPINAS. MÓVEIS PLANEJADOS E SOB MEDIDA Informativo com dicas e orientações sobre compras de móveis planejados e sob medida PROCON CAMPINAS MÓVEIS PLANEJADOS E SOB MEDIDA Informativo com dicas e orientações sobre compras de móveis planejados e sob medida Bem diz o ditado: Quem casa quer casa! Com casas e apartamentos cada vez

Leia mais

Atos administrativos Parte 1

Atos administrativos Parte 1 Parte 1 Todos os direitos reservados. A comercialização não autorizada desta obra, por qualquer meio, eletrônico ou reprográfico, ainda que parcial, constitui ato ilícito, respondendo os infratores nos

Leia mais

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização Contribuição de Dr. Rodrigo Vieira 17 de dezembro de 2008 Advocacia Bueno e Costanze O fornecimento de senhas

Leia mais

Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor

Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor PLÍNIO LACERDA MARTINS Mestre em Direito Promotor de Justiça Prof. de Direito do Consumidor UGF pliniolacerda@aol.com

Leia mais

PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE

PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE BuscaLegis.ccj.ufsc.br PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE Autor: Valcir Edson Mayer Advogado e Professor OAB/SC 17.150 Rua General Osório, n.º 311 - Salas 202 e 205 Centro Coml. Diplomata - Centro - Timbó/SC CEP

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente;

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente; 1. CONTRATO Os termos abaixo se aplicam aos serviços oferecidos pela Sistemas On Line Ltda., doravante designada S_LINE, e a maiores de 18 anos ou menores com permissão dos pais ou responsáveis, doravante

Leia mais

PRODUTOS: FAÇA VALER SEUS DIREITOS NA HORA DA COMPRA E NO PÓS-VENDA!

PRODUTOS: FAÇA VALER SEUS DIREITOS NA HORA DA COMPRA E NO PÓS-VENDA! PRODUTOS: FAÇA VALER SEUS DIREITOS NA HORA DA COMPRA E NO PÓS-VENDA! CUIDADOS AO COMPRAR UM PRODUTO Houve um tempo em que o consumidor se sentia desamparado na hora de adquirir um produto. Sem contar com

Leia mais

AFIXAÇÃO DE PREÇOS. PROCON Campinas Orientações aos fornecedores

AFIXAÇÃO DE PREÇOS. PROCON Campinas Orientações aos fornecedores 2013 AFIXAÇÃO DE PREÇOS PROCON Campinas Orientações aos fornecedores AFIXAÇÃO DE PREÇOS - LEGISLAÇÃO A Lei Federal nº 10.962/2004 e o Decreto Federal nº 5.903/2006 que regulamenta a lei - regulam o direito/dever

Leia mais

A Resolução CFM nº 1.974/2011

A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 Publicada no Diário Oficial da União em 19/8/2011. Entra em vigor 180 dias após sua publicação. Ementa: Estabelece os critérios norteadores da

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

PROVA ORAL PONTO II DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 1

PROVA ORAL PONTO II DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 1 DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 1 Discorra sobre a utilização da usucapião como instrumento de defesa em ações petitórias e possessórias. DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 2 Considere que um indivíduo,

Leia mais

Breves Considerações sobre o Superendividamento

Breves Considerações sobre o Superendividamento 116 Breves Considerações sobre o Superendividamento Luiz Eduardo de Castro Neves 1 O empréstimo de valores é realizado com a cobrança de juros, de forma a permitir uma remuneração pelo valor emprestado.

Leia mais

Lição 5. Formação dos Contratos

Lição 5. Formação dos Contratos Lição 5. Formação dos Contratos Seção II Da Formação dos Contratos Art. 427. A proposta de contrato obriga o proponente, se o contrário não resultar dos termos dela, da natureza do negócio, ou das circunstâncias

Leia mais

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum 11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas As sociedades não-personificadas são sociedades que não tem personalidade jurídica própria, classificada em: sociedade em comum e sociedade

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Minuta PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Altera a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 (Código de Defesa do Consumidor), para dispor sobre o comércio eletrônico. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

O DIREITO DO CONSUMIDOR Aspectos Constitucionais

O DIREITO DO CONSUMIDOR Aspectos Constitucionais Direito do Consumidor Aula 01 Professora Flávia Zebulum O DIREITO DO CONSUMIDOR Aspectos Constitucionais -Direito e Garantia Fundamental: Art. 5, XXXII CF/88 -Princípio Inerente a Ordem Econômica: Art.

Leia mais

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta: 1 Projeto de Lei do Senado nº., de 2007 Dispõe sobre a obrigatoriedade de patrocínio, pela União, de traslado de corpo de brasileiro de família hipossuficiente falecido no exterior. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR. Das práticas Comerciais

DIREITO DO CONSUMIDOR. Das práticas Comerciais DIREITO DO CONSUMIDOR AULA 02 Das práticas Comerciais 1. Da Oferta Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma ou meio de comunicação com relação a produtos e

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO:

NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: Considerando: - A Lei nº 12.232/10 estabelece no seu art. 4º que, para participar de licitações públicas, as agências

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE AULA 04 INTRODUÇÃO AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DOCENTE: ROSEMARI VIEIRA BRAGANÇA ARQUITETO E URBANISTA RESPONSABILIDADES E OBRIGAÇÕES ÉTICA RESPONSABILIDADE TÉCNICA RESPONSABILIDADE

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

Felipe Galesco São Paulo: 2012 www.galesco.com.br

Felipe Galesco São Paulo: 2012 www.galesco.com.br O suicídio é coberto ou não pelo seguro de vida dentro do período de carência? Felipe Galesco São Paulo: 2012 www.galesco.com.br Para responder esta pergunta, vamos entender qual a sistemática do Código

Leia mais

REGULAÇÃO DA PUBLICIDADE NOS CONTRATOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO AO CONSUMIDOR ADALBERTO PASQUALOTTO BRASÍLIA, 23/5/2013

REGULAÇÃO DA PUBLICIDADE NOS CONTRATOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO AO CONSUMIDOR ADALBERTO PASQUALOTTO BRASÍLIA, 23/5/2013 REGULAÇÃO DA PUBLICIDADE NOS CONTRATOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO AO CONSUMIDOR ADALBERTO PASQUALOTTO BRASÍLIA, 23/5/2013 Sumário O I. As falhas da autorregulamentação O Publicidade e liberdade de expressão

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Atualizado em 22/10/2015 CONTRATOS ADMINISTRATIVOS São contratos celebrados pela Administração Pública sob regime de direito público com particulares ou

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. R E C O M E N D A Ç Ã O nº 77/2008

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. R E C O M E N D A Ç Ã O nº 77/2008 R E C O M E N D A Ç Ã O nº 77/2008 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República signatário, no exercício de suas funções constitucionais e legais, em especial o artigo 6º, inciso VII, b e

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

Responsabilidade Civil de Provedores

Responsabilidade Civil de Provedores Responsabilidade Civil de Provedores Impactos do Marco Civil da Internet (Lei Nº 12.965, de 23 abril de 2014) Fabio Ferreira Kujawski Modalidades de Provedores Provedores de backbone Entidades que transportam

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 5.236, DE 2013 (Do Sr. Jovair Arantes)

PROJETO DE LEI N.º 5.236, DE 2013 (Do Sr. Jovair Arantes) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.236, DE 2013 (Do Sr. Jovair Arantes) Acrescenta artigos à Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997, para a implantação de medidas que assegurem ampla informação aos

Leia mais

Para os profissionais da segurança pública nos estados da Bahia e Sergipe

Para os profissionais da segurança pública nos estados da Bahia e Sergipe Abril 2010 - Ano 2-2ª Edição Para os profissionais da segurança pública nos estados da Bahia e Sergipe O Guia de Compras & Serviços é uma publicação do Página de Polícia, voltado para o universos dos profissionais

Leia mais

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica Código de Defesa do Consumidor Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE- Art. 12,parag.3o. CDC Fornecedor prova que não colocou

Leia mais

www.baviniferreira.com.br

www.baviniferreira.com.br www.baviniferreira.com.br 1. Aspecto Legal e a Responsabilidade Civil O que é a Responsabilidade Civil? A responsabilidade civil nada mais é senão o dever de reparar o dano. Em princípio, surge a responsabilidade

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS

PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS Pontuação conforme Edital: a) Juiz Leigo PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS PROVA ÁREA DE CONHECIMENTO NÚMERO DE QUESTÕES Direito Constitucional PONTUAÇÃO PARA CADA QUESTÃO Direito Administrativo

Leia mais

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor.

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. NOTA TÉCNICA n 3 Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. Alayde Avelar Freire Sant Anna Ouvidora/ANAC

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA CAPANEMA DUARTE ADVOGADOS

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA CAPANEMA DUARTE ADVOGADOS CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA CAPANEMA DUARTE ADVOGADOS I. Preâmbulo 1.1 Temos como objetivo ser um escritório de advocacia altamente conceituado e referência em nossa área de atuação, o que requer, além de

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO.

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO. COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO. PROJETO DE LEI N o 5.678, DE 2013. Acrescenta parágrafo ao art. 477 da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de

Leia mais

A PUBLICIDADE NA LÓGICA DE UM. Adalberto Pasqualotto São Paulo, 12/08/2011

A PUBLICIDADE NA LÓGICA DE UM. Adalberto Pasqualotto São Paulo, 12/08/2011 A PUBLICIDADE NA LÓGICA DE UM JURISTA Adalberto Pasqualotto São Paulo, 12/08/2011 1 A pirâmide de Kelsen Norma fundamental: CF: dignidade humana Leis: Código de Defesa do Consumidor Decretos Portarias

Leia mais

Presenteie parentes ou amigos em qualquer lugar do Brasil.

Presenteie parentes ou amigos em qualquer lugar do Brasil. Compras de Final de Ano Veja as vantagens e como é prático comprar pela internet: Você não sai de casa para comprar; Recebe o produto no conforto do seu lar; Filas? Esqueça; Não precisa bater perna atrás

Leia mais

Gestão Legal no Varejo

Gestão Legal no Varejo SEMINÁRIO GVCEV: Gestão Legal no Varejo Aspectos Práticos da Gestão de Propriedade Intelectual Antonio Carlos Siqueira da Silva A PROPRIEDADE INTELECTUAL ESTÁ PRESENTE NO COTIDIANO DO VAREJO! Gestão de

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 168 Registro: 2015.0000424279 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 1034086-83.2014.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante LUIS EDUARDO DA SILVA NAVES, é apelado TEC

Leia mais

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Dezembro de 2012 INTRODUÇÃO As fundações são instituições privadas sem fins lucrativos que visam contribuir para o bem comum, para o desenvolvimento

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta O Código de Ética e Conduta do ESA - Externato Santo Antônio estabelece o comportamento esperado de todos aqueles que trabalham na, para e com a instituição, e tem por objetivo

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL

RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL 1 RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL FABRICIO, M. A. F. Resumo: O presente trabalho tem por finalidade um estudo sobre a responsabilidade civil do sítio no comércio eletrônico,

Leia mais

c) O Programa tem prazo para acúmulo de Pontos do Catálogo 03/2015 de Outubro de 2015, a 30 de Março de 2016.

c) O Programa tem prazo para acúmulo de Pontos do Catálogo 03/2015 de Outubro de 2015, a 30 de Março de 2016. Regulamento Clube do Desejo Miess 1. DISPOSIÇÕES GERAIS a) As presentes disposições regulam o programa de pontos * Clube do Desejo Miess * (Programa), por meio do qual são atribuídos (*Pontos *) os clientes

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

2.4 Ao cadastrar-se, a Instituição receberá uma senha de utilização do software.

2.4 Ao cadastrar-se, a Instituição receberá uma senha de utilização do software. CONTRATO DE CESSÃO DE USO DO SOFTWARE JOGO DA ECONOMIA BRASILEIRA ÀS INSTITUIÇÕES DE ENSINO E AFINS, RELACIONADAS A ATIVIDADE ECONÔMICA OU FINANCEIRA, PELO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA DO PARANÁ Este

Leia mais

CONTRATO DE PARCERIA DE VENDA DIRETA

CONTRATO DE PARCERIA DE VENDA DIRETA CONTRATO DE PARCERIA DE VENDA DIRETA Pelo presente Instrumento Particular, tendo de um lado a empresa DX COMMERCE DO BRASIL EIRELI-ME, empresa estabelecida na cidade e comarca de Leme, Estado de São Paulo,

Leia mais

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito Esses consórcios, a fim de poder assumir obrigações e exercer seus direitos perante terceiros, precisam de personalidade jurídica, assim, a citada lei dispôs que eles serão pessoas jurídicas de direito

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 1/5 PROJETO DE LEI Nº /2015 A CÂMARA MUNICIPAL DE MACEIÓ DECRETA: DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DAS EMPRESAS QUE FORNECEM SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET COMPENSAREM, POR MEIO DE ABATIMENTO OU DE RESSARCIMENTO,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE FERNANDÓPOLIS FORO DISTRITAL DE OUROESTE JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE FERNANDÓPOLIS FORO DISTRITAL DE OUROESTE JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL fls. 1 CONCLUSÃO Aos 12 de julho de 2013, faço os presentes autos conclusos ao MM. Juiz de Direito Dr. LUIZ GUSTAVO ROCHA MALHEIROS. Eu (Daniela Dacyszyn Leme Macedo), Escrivã Judicial II Substituta, digitei.

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito do consumidor da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da Bahia Com referência ao CDC, julgue os

Leia mais

consumidor consulte seus direitos

consumidor consulte seus direitos Câmara dos Deputados consumidor consulte seus direitos com VINICIUS CARVALHO Deputado Federal Centro de Documentação e Informação Coordenação de Publicações BRASÍLIA 2008 05948.indd 1 25/04/2008 13:50:24

Leia mais

ORDEM DO DIA DIA: 14/04/2015 (TERÇA-FEIRA) SESSÃO ORDINÁRIA

ORDEM DO DIA DIA: 14/04/2015 (TERÇA-FEIRA) SESSÃO ORDINÁRIA ORDEM DO DIA DIA: 14/04/2015 (TERÇA-FEIRA) SESSÃO ORDINÁRIA PROPOSIÇÃO: VETO TOTAL AO PL 2946-A/10. AUTOR: ÉDINO FONSECA. EMENTA: QUE DISPÕE SOBRE A PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

Leia mais

FALSIDADE DOCUMENTAL

FALSIDADE DOCUMENTAL FALSIDADE DOCUMENTAL E objetivo da proteção legal, em todos os casos, a fé pública que a lei atribui aos documentos como prova e autenticação de fatos jurídicos. Certos selos e sinais públicos, documentos

Leia mais

Código de Ética. Capítulo 1 - DEFINIÇÕES PRELIMINARES

Código de Ética. Capítulo 1 - DEFINIÇÕES PRELIMINARES Código de Ética Considerando que: O Estatuto Social da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação, ASSESPRO NACIONAL, estabelece a existência de um Código de Ética a ser observado

Leia mais

Projetos de Novo Código Comercial

Projetos de Novo Código Comercial Projetos de Novo Código Comercial O que está em discussão? Câmara dos Deputados - Projeto de Lei nº 1.572/2011 (670 artigos) Autor: Dep. Vicente Cândido Relator: Dep. Paes Landim Idealizador: Fábio Ulhoa

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS Cácito Augusto Advogado I INTRODUÇÃO Após quatro anos de vigência do Novo Código Civil brasileiro, que

Leia mais

Direito das Obrigações I 2.º ano A 6 de Janeiro de 2015 2 horas (Correção)

Direito das Obrigações I 2.º ano A 6 de Janeiro de 2015 2 horas (Correção) I Bento e Carlos celebraram um contrato-promessa de compra e venda de um imóvel. De acordo com o disposto no art. 410.º, n.º 2, o contrato-promessa deve ser celebrado sob a forma escrita, uma vez que o

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito

Leia mais

Código de Ética dos Profissionais da Propaganda Outubro de 1957

Código de Ética dos Profissionais da Propaganda Outubro de 1957 Código de Ética dos Profissionais da Propaganda Outubro de 1957 Define os princípios éticos que devem nortear a publicidade I. A propaganda é a técnica de criar opinião pública favorável a um determinado

Leia mais

Atualização 18/12/09 Versão Final 1

Atualização 18/12/09 Versão Final 1 Atualização 18/12/09 Versão Final 1 Atualização 18/12/09 Versão Final 2 GLOBO.COM MANUAL DE PRÁTICAS COMERCIAIS PARA INTERNET APRESENTAÇÃO 1 - COMPROMISSO COM A QUALIDADE DE VEICULAÇÃO 1.1 - ENTREGA DO

Leia mais

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda 1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda A compra e venda é o mais importante de todos os contratos, tendo em vista que é pela compra e venda que se dá a circulação

Leia mais

PROVA DE LEGISLAÇÃO Apenas as alternativas II e III são garantias contratuais admitidas para contratos com a Administração Pública.

PROVA DE LEGISLAÇÃO Apenas as alternativas II e III são garantias contratuais admitidas para contratos com a Administração Pública. PROVA DE LEGISLAÇÃO 1 São admitidas como garantias contratuais para as contratações de obras, serviços e compras efetuados pela Administração Pública: I Hipoteca de imóveis. II Seguro-garantia. III Fiança

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS PARECER Nº 001/2012 DLN. INTERESSADO: Reitoria da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). ASSUNTO: PLÁGIO. Vem a este Departamento Ofício de nº 066/2011 PRODERE/FES, encaminhado pela Reitoria desta UFAM,

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

2ª Fase Direito Civil

2ª Fase Direito Civil 2ª Fase Direito Civil Professor Fabio Alves fabio@ferreiraecamposadv.com CONTRATOS E CDC PRINCÍPIOS AUTONOMIA DA VONTADE PACTA SUNT SERVANDA BOA-FÉ OBJETIVA 1 Formação dos contratos Proposta e Aceitação

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *024022V:* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais