A VISÃO DOS PROFESSORES SOBRE A RELAÇÃO ENTRE CONCEITOS CIENTÍFICOS VEICULADOS NAS PROPAGANDAS TELEVISIVAS E O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A VISÃO DOS PROFESSORES SOBRE A RELAÇÃO ENTRE CONCEITOS CIENTÍFICOS VEICULADOS NAS PROPAGANDAS TELEVISIVAS E O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE JOEL BRANCHINI FILHO A VISÃO DOS PROFESSORES SOBRE A RELAÇÃO ENTRE CONCEITOS CIENTÍFICOS VEICULADOS NAS PROPAGANDAS TELEVISIVAS E O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM São Paulo 2010

2 JOEL BRANCHINI FILHO A VISÃO DOS PROFESSORES SOBRE A RELAÇÃO ENTRE CONCEITOS CIENTÍFICOS VEICULADOS NAS PROPAGANDAS TELEVISIVAS E O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado como parte das atividades para a obtenção do título de licenciado em Biologia, sob a orientação do Professor Dr. Rinaldo Molina, no 6º semestre, turma B, da Faculdade de Ciências Biológicas da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Orientador: Prof. Dr. Rinaldo Molina São Paulo 2010

3 A minha namorada Sara que sempre esteve comigo nesta caminhada. A meus pais e irmã que me apoiaram em todos os momentos.

4 AGRADECIMENTOS À Deus, criador de todo o universo, que me deu forças e me capacitou para que este trabalho pudesse ser realizado. Ao Ilustre Professor Dr. Rinaldo Molina, orientador deste trabalho, pela dedicação, apoio e orientação durante esta realização. Aos demais professores da Faculdade de Ciências Biológicas da Universidade Presbiteriana Mackenzie que muito contribuíram para o meu desenvolvimento pessoal e, sobretudo, acadêmico. Aos meus maravilhosos pais. À minha irmã Fabiana, pessoa muito importante em minha vida e que sempre esteve comigo. As minhas avós Herminia e Maria Esther, pessoas tão diferentes, mas com muito valor e que muito me ensinaram no decorrer dos anos. A minha amiga, namorada e futura mulher Sara. A meus amigos e colegas pelo suporte dado nas situações mais complicadas e pela alegria compartilhada nos momentos felizes.

5 A criança absorve fatos levados a ela pela mídia e não pela escola." FREIRE E GUIMARÃES

6 RESUMO Dada a influência da mídia no publico infanto-juvenil, a presente monografia tem como foco principal abordar a visão dos professores sobre os conceitos científicos vinculados nas publicidades televisivas. Esta investigação enfatiza que dentre os programas televisivos é a propaganda aquela que mais se faz preocupante quando destinada ao público menor, tendo em vista que é um público em formação e fácil de ser enganado pelas investidas publicitárias. Com a intenção de verificar se os professores reconhecem e atuam frente aos conceitos científicos veiculados nas propagandas; foi desenvolvido e aplicado um questionário com questões abertas para obtenção de dados em seis professores de Ciências e Biologia. A partir das respostas fornecidas verificou-se que há conceitos científicos ligados às propagandas televisivas que nem sempre são coerentes aqueles ensinados em sala de aula. Dessa forma discute-se a importância do professor em educar o aluno e apoiá-lo no desenvolvimento de um olhar critico sobre os meios de comunicação. Palavras chave: Conceitos Científicos; Publicidade televisiva; Mídia; Ensino aprendizagem.

7 6 ABSTRACT Given to the influence of media on children and teenagers, this monograph focused primarily on addressing the teachers' view on scientific concepts bounded to television advertisements. This research emphasizes that among TV programs the advertising is the most disturbing when intended for younger audiences, considering that it is a public on development and easily fooled by the advertising invested. With the intention of verifying whether teachers recognize and act when facing scientific concepts conveyed in advertisements; it was developed and applied a questionnaire with open questions to gather data with six science and biology teachers. From the answers provided it was verified that there are science concepts related to television advertisements that are not always related to those taught in the classroom. Through this it is discussed the importance of teachers in educating and supporting the students on its development of a critical eye on the medias. Keywords: Scientific Concepts; television advertising, media, teaching learning.

8 7 SUMÁRIO 1 Introdução Referencial Teórico A criança e o adolescente em face da publicidade Educar para um olhar critico Procedimentos Metodológicos Análise Considerações Finais Referências Bibliográficas Anexo...40

9 8 1- INTRODUÇÃO O presente Trabalho de Conclusão de Curso tem por objetivo averiguar se os professores das áreas de ciência e biologia percebem que há conceitos científicos veiculados nas publicidades televisivas e se estes divergem daqueles conhecimentos ensinados em aula. Tendo em vista que os meios de comunicação influenciam as pessoas, a Revista do Professor (2006) afirma que os pensamentos das crianças e jovens mudam drasticamente sob a influência das propagandas estimuladas pela televisão, o mais poderoso e abrangente veículo de comunicação existente nos dias de hoje. O impacto causado por esse meio de comunicação sobre a infância caracteriza-se por mudanças de comportamento, no consumo de produtos veiculados pela TV e na padronização de modelos e linguagens, sendo, o público infantil o mais visado na sociedade de consumo contemporânea. Fator que desencadeia nosso interesse pelo tema. Para a apresentação desse estudo primeiramente situasse o assunto de acordo com os referenciais teóricos utilizados, fazendo-se uma breve discussão sobre a comunicação e os meios em massa, tendo como foco principal a programação publicitária televisiva. Posteriormente, discutir-se-á a influência de tais programações na formação do público infantil e a necessidade da educação para os meios, sensibilizando o aluno da não transparência da TV (MORAN 1991).

10 9 Na parte seguinte apresenta-se os procedimentos utilizados; encerrando-se com a análise que, possibilitará o leitor tecer suas próprias conclusões a respeito do tema, identificando se existe uma real influência dos conceitos científicos apresentados nas propagandas televisivas, no modo de agir do público infantil.

11 10 2- REFERENCIAL TEÓRICO Todos os seres desde que nascem possuem a necessidade de se comunicar. Estudos demonstram que foi por meio dessa necessidade que a fala e a escrita foram desenvolvidas. Esta obrigação imprescindível de um indivíduo falar com o outro deu origem a gemidos e grunhidos dos ancestrais comuns ao homem; que consecutivamente evoluíram e juntos constituíram línguas para cada grupo em especial. Ainda é possível notar essa necessidade nos achados em cavernas antigas, rabiscos e desenhos (pinturas rupestres), pelos quais tribos se comunicavam. Diferentes meios foram criados para que os indivíduos pudessem se comunicar. Esses instrumentos criados nos ajudam a comunicarmos um com os outros, nos auxiliam a receber ou transmitir informações. Fazendo um salto no tempo os meios sofreram grandes avanços, de forma que os homens passaram a se comunicar mesmo com longas distâncias, por intermédio de cartas, telegrafia e telefonia. A necessidade de se comunicar e transmitir informação ficou cada vez maior e novos meios de comunicação foram descobertos, foi por meio desta necessidade que surgiu os meios de comunicação em massa. Para Raboy (2006), estes meios de comunicação funcionaram como mecanismos que permitiram a disseminação em massa da informação.

12 11 Atualmente, os principais meios de comunicação em massa são: o rádio, a televisão, o cinema e a internet, que são mídias que possuem um centro emissor e uma multidão de receptores. A informação destes instrumentos é veiculada sem nenhuma interação entre o locutor e os muitos que o ouvem. É através dos meios de comunicação em massa que as diferentes pessoas da sociedade recebem com muita rapidez informação, conhecimento, cultura e divertimento. A recepção desses meios é, dentre outras, uma prática apreendida e desempenhada pelas pessoas adultas, jovens e crianças no dia a dia (FUSARI, 1985). Com o acelerado processo de globalização e urbanização, a maioria dos adolescentes e crianças permanece por longos períodos do dia confinada em suas casas e quartos, enquanto os pais trabalham fora. Desta forma, os meios de comunicação (rádio, revista, computador, televisão, etc.) com os quais têm constante contato passam a ser uma opção de entretenimento. Nos dias de hoje, dentre esses meios de comunicação, é a televisão quem concentra o maior poder de informação, levando-se em consideração o número de pessoas atingidas simultaneamente a partir dos centros emissores e também a acessibilidade do aparelho. A TV não é considerada o meio de comunicação mais atualizado e rápido, mas sem dúvida é o aparelho que mais está nos lares dos habitantes da sociedade, já que alguns meios, como o computador não estão disponíveis para todos, pois neste último caso é necessário um maior investimento financeiro para obter tal produto. Dentro deste contexto, neste trabalho em especial, focaremos os meios televisivos dirigidos às crianças e jovens. Moran (1991) entende que os meios de comunicação, principalmente a televisão, exercem poderosa influência em nossa cultura. Esta reflete, recria e difunde o que se torna importante socialmente. Além de exercerem esta influência,

13 12 esses meios, segundo Fusari (1985) possuem a finalidade de educar, entreter, comunicar e apresentar aos telespectadores produtos a serem consumidos. Um breve levantamento histórico feito por Pereira (2002) sobre a relação da criança com a televisão no Brasil nos últimos cinqüenta anos revela que a programação infantil veiculada na mídia televisiva era baseada apenas nos clássicos literários, nos quais a criança era seduzida por esse objeto mágico, que inclusive conversava com ela. Informa ainda que uma primeira modificação em relação à criança e seu papel com a televisão se deu nos anos sessenta, quando a criança deixou de ser espectadora e passou a ser protagonista dos programas exibidos; num primeiro momento apenas em programações infantis. Posteriormente, já na década de oitenta, deixou de ser protagonista de historinhas literárias ou de cunho artístico, passando a participar de animações e gincanas, pelas quais a competição era instigada. Paralelamente a esse avanço da relação entre a TV e criança, se cria um mercado de produtos veiculados aos programas, que variam de bonecas e estampas em vestuários, até aparelhos eletrônicos e produtos alimentícios. A criança assiste televisão a todo o momento e os programas que são vistos não são apenas infantis, mas envolvem todos os aspectos, podendo ser desenhos, filmes, novelas e, consequentemente, as propagandas transmitidas entre a programação. Sendo a criança um grande espectador da televisão, as emissoras abertas destinam parte de sua programação para atender ao público infanto-juvenil (MESQUITA, 2008). Não haveria problema se as emissoras televisivas mostrassem suas programações dentro do aspecto principal transcrito por Pereita (2006), qual seja: a educação é um dos fins do serviço televisivo e é segundo o Código Federal a finalidade preferencial, sendo o caráter educativo necessário sempre que a TV esteja orientada ao público infanto-juvenil (p.81).

14 13 Contudo, percebe-se que as emissoras utilizam determinadas artimanhas para enfeitiçar e fazer com que o público mais jovem fique vislumbrado com tudo aquilo que é apresentado a eles, principalmente quando está envolvido com animações, bichinhos e pessoas famosas. Para Leal (2006): A TV alcançou níveis de descompromisso com a qualidade da programação, afrontou a Constituição e o Estatuto da Criança e do Adolescente [...] passou longe dos ideais educativos [...] surge como um empreendimento comercial batizado dos interesses de empresas privadas frentes a uma expansão de negócios. (p.10) Há um problema ainda maior que este, para Doghie (2008), os meios de comunicação exercem grande influência sobre os sujeitos, sendo que estes passam a acreditar e a depositar certa fé no que é apresentado pelas TVs, passando a organizar suas condutas e vivências a partir dessa imagem produzida. Uma consequência do problema citado acima é que determinadas crianças e jovens estão se acomodando em relação àquilo que é veiculado pela mídia, já não há uma racionalidade ou busca por determinados assuntos. Muitos dos saberes dos jovens e crianças se formam pela mídia áudio-visual, em que a informação precede de modo direto, imediato e intuitivo (DIEUZEID, 1973). O adulto significava para a criança uma referência para busca de resposta às suas indagações, entretanto com a maciça presença da televisão na vida cotidiana, esse quadro se modificou, já que a televisão aborda quase todos os temas, oferecendo respostas às perguntas que nem chegaram a ser feitas (PEREIRA, 2002). Para Pereira (2002) essa geração moderna vai em busca de conhecimento, aprendizagem e respostas, a TV como é a mais popular mídia acaba assumindo um papel fundamental na formação intelectual, na produção de conhecimento, entre outras áreas transformando-se em referência.

15 14 Hoje a TV tem sido objeto de muita discussão a respeito do seu papel na sociedade, sabe-se que há programas educativos que são importantes e relevantes para o desenvolvimento da criança, entretanto há muita influência negativa da programação veiculada. Mesquita (2008) diz que a TV é culpada por muitos males e cita principalmente aqueles que influenciam na violência, apatia e consumismo. Dentre os muitos programas veiculados na televisão o que mais preocupa é a propaganda. A publicidade possui um grande espaço na programação e está a todo o momento tentando buscar situações e meios para atrair os consumidores, já que são muitas as artimanhas publicitárias para atrair o público. Para Bucht (2002) a maioria da publicidade está enquadrada nas propagandas, que são caracterizadas por poderosas forças que exercem influência sobre a mídia audiovisual. A partir de um seminário que aconteceu na Dinamarca em 2009, Catharine Bhucht em seu livro a criança e a midia (2002) apontou os principais tópicos levantados no evento em relação a publicidade dirigida às crianças pela televisão. Duas visões bem distintas surgiram durante a discussão descrita pela autora. Um determinado grupo era favorável à propaganda dirigida à criança, dizendo que embora as crianças estejam em formação, elas não são tão ingênuas e a propaganda faz parte da vida de todas, de forma que é necessário saber lidar com ela. Outra idéia era que as emissoras necessitam da propaganda direcionada para a criança para produzir programas infantis. Outros aspectos apontados pelos defensores da propaganda são que a propaganda é boa para a criança, pois beneficia e informa como o mundo funciona e ainda, a propaganda dirigida à criança contribuiria para a existência de uma indústria televisiva livre e independente. Já o outro grupo, não favorável, acredita que a propaganda não tem uma boa programação para o grupo jovem e infantil, pois muitas das vezes as crianças não conseguem distinguir e entender a realidade da investida publicitária.

16 15 Nesta perspectiva é possível notar que a publicidade acabou aderindo à lógica do mercado, fazendo, então um caminho para o consumo, abrindo cada vez mais a mão para a reflexão do mundo em prol da incessante busca da mercadoria. Nesta idéia de publicidade, Pereira (2002) infere que as propagandas acabam criando uma outra sociedade, na qual todos são felizes, a vida tem mais cor é consequentemente é mais bonita. Em sua obra Infância, televisão e publicidade, a mesma autora exemplifica a situação fazendo uso de uma citação de Rocha (apud PEREIRA, 2002), por esta: Somente este universo mágico é capaz de unir sucesso e cigarro, ecologia e conjunto habitacional, margarina e saúde infantil, batom e beleza do eterno feminino (p. 91). A publicidade cria um estereótipo de mundo fictício e faz com que o seu público fique cada vez mais atraído com os produtos apresentados, tendo em vista que os adultos já possuem certa formação intelectual. A investida publicitária se utiliza do público mais jovem como principal consumidor do produto. Moran (1991) faz uma análise sobre a programação publicitária e informa que as crianças e os jovens são os preferidos da publicidade, já que seguram a audiência da TV por longas horas do dia e porque são dentro de uma família os acionadores da compra (eles compram e influenciam na hora das aquisições). No documentário Criança a Alma do Negocio (2006) há depoimentos de mães que mostram suas insatisfações sobre a programação dirigida à criança e também sobre a quantidade de produtos objetos de compra, que são escolhidos por seus filhos. Assim, eles acabam influenciando dentro do lar no que comer, no que usar, entre outras coisas. As propagandas estão apresentando ao consumidor produtos que vão de alimentos até eletrodomésticos, como citado anteriormente, os publicitários utilizam bonecos, personagens infantis e famosos para atrair o público infantil.

17 16 Sendo a criança, a grande influenciadora de compra no lar, os publicitários utilizam os personagens para apresentar os produtos à criança, muitas das vezes esses produtos não são para elas, mas a intenção é que essas influenciem seus pais a adquirir determinada mercadoria. Um determinado grupo chamado CONAR (conselho nacional de autorregulação publicitária) tem hoje no Brasil a responsabilidade de fiscalizar as propagandas que utilizam artimanhas desnecessárias e abusivas de acordo com as leis. É um grupo formado por publicitários e profissionais de outras áreas numa organização não governamental que defende a população da publicidade de acordo com as constituições da propaganda comercial Um exemplo a ser dado de propaganda dirigida ao público adulto, que teve a veiculação proibida pelo CONAR é a de que determinada marca de bebida alcoólica utiliza de personagens infantis como o papa-léguas, além de um ambiente todo infantil por trás do produto. No Brasil há órgãos que vistoriam propagandas, entretanto isso se faz há pouco tempo, Moran (1991) mostra a realidade da publicidade nos países: A maior parte dos países permite que a publicidade sustente os meios de comunicação. Mesmo os europeus, onde o rádio e a televisão permaneciam sob o controle estatal, foram claudicando e abrindo brechas, até liberá-la quase totalmente. Os meios se transformam, assim, no entretenimento da maioria das pessoas e na articulação cada vez mais estreita com grupos econômicos. Tudo é vendido, tudo é trocado, tudo é produto. O que conta não o valor cultural do programa oferecido, mas seu poder de atrair o publico desejado (p. 43). Já hoje a realidade é outra, visto que a cada dia a publicidade dirigida a criança e jovens está apurando sua investida, o documentário A Criança a Alma do Negocio, mostra as principais punições para os países Europeus que dirigem a publicidade a crianças.

18 17 Um reflexo da propaganda que se faz notório, segundo Soifer (1992) é ver o quanto crianças pequenas imitam as propagandas, cantam os jingles. Isso se dá porque das programações é a propaganda a que mais se repete dentro da TV e se apresentam mais constantes. Para aumentar a investida publicitária Fonteles (2008) descreve que alguns canais utilizam o horário do desenho animado ou programação jovem para aumentar a quantidade de propaganda dirigida a este público. Outra artimanha utilizada e descrita por Pereira (2002) é: Os programas de TV também interrompem sua história no ponto culminante, adiando o desenredo da história depois do intervalo comercial[...] Entretanto tem ficado cada vez mais difícil precisar esses distintos momentos, uma vez que os anúncios foram admitidos no interior dos programas em forma de merchandising, assim como os programas não se tem diferenciado muito dos filmes publicitários. (p. 90) Tanto Pereira (2002) quanto Fonteles (2008) descrevem sobre a utilização dos próprios personagens (fictícios e reais) para fomentarem a chamada da propaganda, ficando ainda mais difícil diferenciar o momento de desenho ou filme da propaganda em si. A publicidade tende a apontar sempre para o consumismo e capitalismo, mas dentre as propagandas é possível se notar que, em geral são três as influências: a primeira a é aquela que está relacionada à apatia e violência. Outra influência bastante grave e a mais visível no meio publicitário é a que cria ideologia. Propagandas que se utilizam de famosos para apresentar o produto, e com suas falas mexem com o imaginário do público infantil e jovem em adquirir o produto e conseqüentemente este será igual aos apresentadores. Por fim, há a propaganda que utiliza conceitos além do comum; pela qual existe uma veiculação de conceitos científicos que, induzem ao consumo de determinado produto, a partir destes conceitos que podem não representar a verdade.

19 18 Dentro dos aspectos citados aquele que menos é visível é o conceitual; os publicitários utilizam palavras e situações relacionadas à ciências não conhecidas pelo senso comum, a fim de que esses termos acabem enganando ao consumidor. Mesquita (2008) alerta sobre isso, mostra que: fatos e conceitos relacionado com a ciência são veiculados via televisão e as crianças e jovens acabam sendo influenciados em suas idéias a respeito do tema. (p. 420) Tais conceitos veiculados muitas vezes são imperceptíveis aos olhos dos jovens e crianças, e muitos se diferem daqueles ensinados em sala de aula. Nesta perspectiva, Kominsky e Giordan (apud MESQUITA, 2008) reafirma que: As visões do mundo dos estudantes também devem ser influenciadas pelo pensamento científico e pelas expressões de sua cultura, cujos traços são parcialmente divulgados na mídia (p. 421). É possível notar então que a cada dia o marketing se modela e utiliza de infindáveis mecanismos para ludibriar e trazer os jovens para o consumo. Assim, o público infantil é muito visado pela publicidade, pois este é suscetível de manipulação, pois está em formação (FONTELES, 2008) A CRIANÇA E O ADOLESCENTE EM FACE DA PUBLICIDADE A publicidade como já citado possui grande espaço na programação televisiva, Frente a esta situação Fonteles (2008) entende que algumas propagandas dirigidas a crianças são consideradas: Pelo código de defesa do consumidor porque se vale da deficiência de julgamento e experiência das crianças que são seres humanos em formação [...] A criança e o adolescente devem ser protegidos de forma abrangente, aponta para um sistema de proteção integral que torna intrinsecamente ilegal toda a publicidade dirigida ao publico infantil (p. 65). Os publicitários utilizam mecanismos que ultrapassam o discernimento do público infantil para manipular e induzi-los ao consumo, fermentado cada vez mais o

20 19 sistema capitalista. Afirma Henriques (apud FONTELES,2008, p. 9) que está situação mostra que a criança, diferente do adulto, não possui mecanismos internos para compreender as investidas publicitárias. O público infantil não tem condições de se defender dos instrumentos de persuasão criados e utilizados pela tão poderosa indústria publicitária. O adulto normalmente consegue distinguir em determinadas ocasiões as possíveis verdades e mentiras aplicadas pelas propagandas; já as crianças não conseguem ter olhos críticos em relação à publicidade. Hoje a publicidade se modelou à criança, é notório quando vemos carrinhos de supermercados exclusivos para crianças, shoppings com apenas utensílios infantis. Pereira (2002) As inúmeras adequações feitas pela publicidade se fizeram no intuito da criança não mais depender dos pais, de forma a poder fazer a escolha que desejar. A mídia tem esse poder de fazer com que a grande parte do que é apresentado como produto vire febre mercadológica; suas investidas tanto no caráter ideológico quanto conceitual acabam sendo inexistentes ao público mais jovem. Tudo para essa geração é bom e faz bem para sua vida e satisfação pessoal. Para Pereira (2006) é tão sucinta essa investida para o público mais jovem que estes não acabam notando que o caráter comercial da TV é quem decide sobre o que eles devem vestir, beber e comer. Tendo em vista que as crianças não estão prontas para se defenderem dos apelos comerciais e televisivos, há no geral dois aspectos para amenizar e tentar acabar com a influencia negativa, já que difícil será acabar coma programação televisiva visto que é uma cultura do nosso país. Segundo Pereira (2006) primeiramente se deve remeter a responsabilidade às emissoras de TV; exigindo uma postura diferente destes. É necessário considerar a programação veiculada em horário de intensa assistência do público mais jovens e

21 20 pender para uma tolerância mais quantificada da programação tendo em vista a situação vulnerável e sensível do receptor. Sendo assim, como que essa remodelação de programação se torna inviável devido às características televisivas publicitárias outro aspecto que pode solucionar essa problemática é o de trazer para a educação a reflexão do público mais novo sobre as forças persuasivas da televisão. 2.2.EDUCAR PARA UM OLHAR CRÍTICO Dados levantados por Moran (1991) mostram: A criança chega a adolescência depois de assistir 15 mil horas de televisão, mais de 350 mil comerciais, contra menos de 11 mil horas de escola (p.61). Os alunos dedicam quase tanta atenção à essas mensagens como as atividades escolares, dessa forma não se pode eternizar a recíproca ignorância que esse meio não influencie na relação escolar (DIEUZEID, 1973). A televisão se torna assim um dispositivo agradável de ser assistido e se faz notória a diferença de quantidade de horas dedicadas a esse meio em relação a quantidade de tempo destinado aos estudos. Além disso todo o conteúdo veiculado não requer esforço para compreensão, está tão fácil e simples de ser entendido que os alunos não vêem dificuldades de captar as informação veiculadas. Quando os alunos chegam à escola, estes já estão acostumados e acomodados com a linguagem ágil, fragmentada e sedutora da mídia a criança desta forma julga a aprendizagem a partir da TV (MORAN, 1991). Fusari (1985) ressalta que dentre os elementos da telecomunicação, são os receptores que precisam urgentemente aprender e conhecer as atrações frente à mídia; objetivando uma formação de consciência critica, a favor de uma melhoria individual. Além de educar o espectador infantil quanto ao que olhar e assistir e de ajudar a escolher programas televisivos que os auxiliem na educação.

22 21 Os educadores classificam essa ação educativa como Educar para os meios, claramente Moran (1991) descreve essa atitude: É problematizar o que não é visto como problema e desideologizar p que só é visto por ideologia[...] do conteúdo veiculado, do expicito-implicito [...] das sutilezas das imagens, da articulação verbal visual e escrita (p. 89). Felizmente, pesquisadores e professores já detectaram os problemas que estes meios acabam influenciando na vida das crianças e jovens. Soifer (1992) informa que além dos professores e educadores, um pequeno número de família, possui a noção clara do prejuízo nefasto que esses meios ocasionam no inicio da infância, influenciando no falar, no como se vestir e nas atitudes violentas que seus filhos apresentam em determinadas situações. Entretanto, é necessário fazer com que estas crianças comecem a entender e atuar criticamente a respeito destes meios de comunicação. Nestas circunstâncias, Karsaklian (apud FONTELES, 2008, p. 68) entende que: A percepção das intenções da publicidade tende a crescer de forma diretamente proporcional com a idade da criança. O estado de desenvolvimento cognitivo, junto com a idade e nível atingido na escola, é o determinante central da compreensão dos comerciais de TV. (...), é por volta dos 8 a 11 anos que a maioria das crianças está realmente capacitada a tomar consciência tanto dos objetivos informáticos quanto persuasivos, nos quais se baseiam o discurso publicitário (p. 68). Como já citado anteriormente, além da família e do Estado vigiar e proteger o público infantil, é papel do educador apresentar e trabalhar o senso critico dos alunos em meio à publicidade. É função educativa mostrar contradições da mídia, sensibilizar o aluno da não transparência dos meios, das respostas ambíguas, entretanto o trabalho é complexo e demorado, não sendo possível modificar todas as relações dos participantes. Com um fim principal de formar cidadãos esclarecidos de olhos abertos para uma sociedade capitalista (MORAN 1991).

23 22 Entretanto é necessário que a escola e os professores repensem a relação da televisão na sala de aula e como está sendo utilizada. Tendo em vista que a educação para o meio não é suficiente para que os professores se utilizem deste material para apresentar apenas obras literárias ou documentários sobre determinado assunto (DIEUZEID, 1973). A educação se faz em mostrar as tais investidas publicitárias, os conceitos veiculados pela mídia comparando com aqueles ensinados na sala de aula. É importante que a professora conduza com competência o processo de aproximação da realidade apresentada pela mídia com aquele da realidade da aula do aluno; a fim de se fazer significativa diferença (MESQUITA, 2008). O próprio parâmetro curricular nacional (PCN,S) dispõe em sua exposição a atitude que o professor deve aderir frente a TV; descreve que: A programação convencional de televisão, quem em principio não tem finalidade educativa, pode ser utilizada como fonte de informação para problematizar os conteúdos das áreas do currículo, por meio de situações em que o veiculo pode ser um instrumento que permite observar, identificar, comparar, analisar e relacionar dados, cenários e modos de vida ( BRASIL, 1998, p.143). Os meios de comunicação desempenham importante papel educativo, sendo classificado por alguns autores como escola secundária; sendo ela eficiente e informal, porque ensina de forma atraente (MORAN, 1991). A escola e os professores precisam repensar e assumir posturas diferentes meio a utilização da TV; além de desenvolver uma percepção mais ativa e atenta dos alunos, utilizando esse meio informal para mostrar e ensinar. Segundo Freire (apud FONTELES, 2008): As crianças absorvem fatos levados à ela pela mídia e não pela escola, parecendo que há mais atenção aos conteúdos divulgados pela primeira em detrimento da segunda, o que transforma a mídia numa espécie de escola paralela (FONTELES, 2008, p.47).

O PODER DE INFLUÊNCIA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO NA VIDA DAS CRIANÇAS. Resumo. Abstract 1. INTRODUÇÃO

O PODER DE INFLUÊNCIA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO NA VIDA DAS CRIANÇAS. Resumo. Abstract 1. INTRODUÇÃO O PODER DE INFLUÊNCIA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO NA VIDA DAS CRIANÇAS CRUZ, Amanda Janaina da Silva Discente do Curso de Pedagogia da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva KAULFUSS, Marco Aurélio

Leia mais

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010 Regional Julho de 2010 Pesquisa de Avaliação Campanha Brasil 2010 - Regional No período entre 28 de junho e 02 de julho de 2010 foram realizados os Grupos Focais

Leia mais

TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva.

TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva. TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva. Mariana Carneiro da Cunha CAMPELO 1 Resumo Ao longo dos anos, na publicidade televisiva brasileira, vem ocorrendo algumas mudanças na comunicação

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO: A TV NA SALA DE AULA 1

PRÁTICA DOCENTE E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO: A TV NA SALA DE AULA 1 PRÁTICA DOCENTE E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO: A TV NA SALA DE AULA 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA Ivania Skura 1, Julia Cristina Paixão 2, Joaquim

Leia mais

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA PROJETO TE VEJO NA ESCOLA Flávia Oliveira Machado 1 Isabela Mayara Cheida José Leonardo Gallep Maria do Carmo Palhaci (coordenadora) Maria Helena Gamas (coordenadora) RESUMO O projeto em questão visa a

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura.

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

Seminário Obesidade Infantil Câmara dos Deputados 22 de outubro de 2013 Ekaterine Karageorgiadis Advogada

Seminário Obesidade Infantil Câmara dos Deputados 22 de outubro de 2013 Ekaterine Karageorgiadis Advogada A influência da comunicação mercadológica dirigida às crianças Seminário Obesidade Infantil Câmara dos Deputados 22 de outubro de 2013 Ekaterine Karageorgiadis Advogada Instituto Alana: quem somos Projeto

Leia mais

Cinema e Educação nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Blumenau/SC 1

Cinema e Educação nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Blumenau/SC 1 Cinema e Educação nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Blumenau/SC 1 Vanessa de BORBA 2 Rafael Jose BONA 3 Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau/SC RESUMO: O artigo aqui apresentado se

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA TELEVISIVA NO COMPORTAMENTO INFANTIL

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA TELEVISIVA NO COMPORTAMENTO INFANTIL A INFLUÊNCIA DA MÍDIA TELEVISIVA NO COMPORTAMENTO INFANTIL RESUMO: Maria das Graças da Silva 1 Ana Jussara Silva do Nascimento 2 A partir do desenvolvimento tecnológico, das economias e da própria sociedade,

Leia mais

CRIANÇA e CONSUMO. Publicidade dirigida à infância IMPACTOS E CONSEQÜÊNCIAS. Isabella Vieira Machado Henriques

CRIANÇA e CONSUMO. Publicidade dirigida à infância IMPACTOS E CONSEQÜÊNCIAS. Isabella Vieira Machado Henriques CRIANÇA e CONSUMO Publicidade dirigida à infância IMPACTOS E CONSEQÜÊNCIAS Isabella Vieira Machado Henriques o instituto ALANA Organização sem fins lucrativos que desenvolve atividades educacionais, culturais

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER

MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER Maria Elisabeth Goidanich O presente seminário foi dividido em quatro partes para melhor entendermos o que é mídia educação e o que podemos fazer a respeito

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO ANGELA CRISTINA NUNES GUEDES HUERTAS ORIENTADOR: PROFESSOR: PAULO GUILHERMETI O ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL:

Leia mais

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba 1 Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba Sílvia Helena Santos Vasconcellos 1 Resumo O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL

A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL Medição 2004 Menção obrigatória: Pesquisa encomendada ao IBOPE pela ABP- Associação Brasileira de Propaganda Série histórica iniciada em 2002 Principais objetivos - Avaliar

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS CTCH Centro de Teologia e Ciências Humanas CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS Cíntia dos Santos Gomes, 1 Rosália Maria Duarte. 2 Departamento de Educação PUC-RIO 2007 1 Aluno de Graduação

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

São Paulo, 11 de abril de 2011

São Paulo, 11 de abril de 2011 São Paulo, 11 de abril de 2011 À WMS Supermercados do Brasil Ltda. A/c: Departamento Jurídico Avenida Tucunaré, 125/211 Tamboré Barueri/SP 06460-020 Ref.: Apresentação do Projeto Criança e Consumo, solicitação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

Sequência Didática. Criança, a alma do negócio (2) http://tvescola.mec.gov.br/tve/video?iditem=7212. 1 - Título:

Sequência Didática. Criança, a alma do negócio (2) http://tvescola.mec.gov.br/tve/video?iditem=7212. 1 - Título: Sequência Didática 1 - Título: Criança, a alma do negócio (2) http://tvescola.mec.gov.br/tve/video?iditem=7212 2 Resumo: Você, educador(a), e você também que não tem a educação como profissão, mas se interessa

Leia mais

A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL

A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL Terceira medição ano 2006 Pesquisa encomendada ao IBOPE pela ABP- Associação Brasileira de Propaganda Série histórica iniciada em 2002 Principais objetivos - Avaliar a

Leia mais

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO 112 A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO FAILI, Valmir Rogério 1 Aula de Português Carlos Drummond de Andrade A linguagem na ponta da língua, tão fácil de

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.771, DE 2004 Dispõe sobre a identificação obrigatória da localização de paisagens de interesse turístico nas condições que

Leia mais

São Paulo, 6 de Junho de 2012

São Paulo, 6 de Junho de 2012 São Paulo, 6 de Junho de 2012 À Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor PROCON A/c: Diretoria de Fiscalização Rua Barra Funda, nº 930, 4º andar Sala 415 São Paulo SP 01152-000 Ref.: A.P. 810101910

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

São Paulo, 6 de Abril de 2011

São Paulo, 6 de Abril de 2011 São Paulo, 6 de Abril de 2011 Ao Grupo Pão de Açúcar A/c: Departamento Jurídico Av. Brigadeiro Luiz Antônio, 3172 - Bela Vista São Paulo SP 01402-000 Ref.: Contato institucional, apresentação do Projeto

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR E A TUTELA ESTATAL DIANTE DA PUBLICIDADE ABUSIVA

CONSIDERAÇÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR E A TUTELA ESTATAL DIANTE DA PUBLICIDADE ABUSIVA CONSIDERAÇÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR E A TUTELA ESTATAL DIANTE DA PUBLICIDADE ABUSIVA Elaborado em 10.2006 Vitor Vilela Guglinski Assessor de juiz, especialista em Direito do Consumidor em

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

À Câmara dos Deputados Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

À Câmara dos Deputados Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania Brasília, 21 de maio de 2015. À Câmara dos Deputados Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania Excelentíssimos Senhores, A ABA Associação Brasileira de Anunciantes é uma entidade sem fins lucrativos,

Leia mais

ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO

ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO Andeson Lisboa de Oliveira AZEVEDO 1, Kleyfton Soares da SILVA 2 1 Departamento de Química, Instituto Federal da Paraíba-IFPB, João Pessoa-PB. E-mail:

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Resenha. Jackson de SOUZA 1

Resenha. Jackson de SOUZA 1 Resenha As armas da persuasão: como influenciar e não se deixar influenciar (CIALDINI, Robert B. [tradução de Ivo Korytowski]; Rio de Janeiro: Sextante, 2012) Jackson de SOUZA 1 Embora todos queiram tomar

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Entrevista. Por DANIELA MENDES

Entrevista. Por DANIELA MENDES Entrevista ''O Estado não pode tutelar a sociedade'' O presidente da Frente Parlamentar de Comunicação diz que a Constituição estabelece só cinco pontos a serem normatizados: tabaco, álcool, medicamentos,

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

Primo Schincariol Indústria de Cerveja e Refrigerantes S.A.

Primo Schincariol Indústria de Cerveja e Refrigerantes S.A. São Paulo, 14 de maio 2013 À Primo Schincariol Indústria de Cerveja e Refrigerantes S.A. A/C Sr. Luiz Cláudio Taya de Araújo Diretor de Marketing Av. Primo Schincariol, 2300 Itu São Paulo 13312-900 Ref.:

Leia mais

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ENTRE CONCEPÇÕES E PRÁTICAS

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ENTRE CONCEPÇÕES E PRÁTICAS TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ENTRE CONCEPÇÕES E PRÁTICAS Debora Laranjeira Colodel 1 Mary Ângela Teixeira Brandalise 2 Resumo A pesquisa teve como objetivo investigar

Leia mais

A educação para a criticidade: o texto publicitário no processo educomunicativo 1

A educação para a criticidade: o texto publicitário no processo educomunicativo 1 A educação para a criticidade: o texto publicitário no processo educomunicativo 1 Anadelly Fernandes Pereira Alves 2 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN RESUMO As representações

Leia mais

AFETIVIDADE E EDUCAÇÃO: A RELAÇÃO PROFESSOR/ALUNO INTERFERE NA PREFERÊNCIA DA DISCIPLINA?

AFETIVIDADE E EDUCAÇÃO: A RELAÇÃO PROFESSOR/ALUNO INTERFERE NA PREFERÊNCIA DA DISCIPLINA? AFETIVIDADE E EDUCAÇÃO: A RELAÇÃO PROFESSOR/ALUNO INTERFERE NA PREFERÊNCIA DA DISCIPLINA? ZONTA, Marinez Arruda FACIAP/UNIPAN FERREIRA, Josiane Peres FACIAP/UNIPAN e PUCRS RESUMO

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

PUBLICIDADE DE BEBIDAS ALCOÓLICAS E OS JOVENS ALAN VENDRAME UNIFESP/EPM

PUBLICIDADE DE BEBIDAS ALCOÓLICAS E OS JOVENS ALAN VENDRAME UNIFESP/EPM PUBLICIDADE DE BEBIDAS ALCOÓLICAS E OS JOVENS ALAN VENDRAME UNIFESP/EPM Apoio: FAPESP 03/06250-7 e 04/13564-0 Introdução Importantes questões: 1. O controle social da mídia (propagandas) é importante medida

Leia mais

O Valor da Literatura Infantil no ensino de Ciências

O Valor da Literatura Infantil no ensino de Ciências O Valor da Literatura Infantil no ensino de Ciências Kaline Prates Luz Amorim, UESB Cristiane Souza Borges 1, UESB RESUMO: O presente trabalho trata-se de uma pesquisa qualitativa, realizado por meio de

Leia mais

A LINGUAGEM CINEMATOGRÁFICA NO PROCESSO EDUCATIVO: EXPERIÊNCIAS DO PET GEOGRAFIA NA ESCOLA ESTADUAL FLORIANO VIEGAS MACHADO

A LINGUAGEM CINEMATOGRÁFICA NO PROCESSO EDUCATIVO: EXPERIÊNCIAS DO PET GEOGRAFIA NA ESCOLA ESTADUAL FLORIANO VIEGAS MACHADO A LINGUAGEM CINEMATOGRÁFICA NO PROCESSO EDUCATIVO: EXPERIÊNCIAS DO PET GEOGRAFIA NA ESCOLA ESTADUAL FLORIANO VIEGAS MACHADO Jhérsyka da Rosa Cleve¹; Maria José Martinelli Silva Calixto²; Leonardo Calixto

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO Elizabeth Christina Rodrigues Bittencourt, EE Rui Bloem e EE Alberto Levy. exrbittencourt@yahoo.com.br Introdução Nos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE 1 UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE ARTES VILZA DIAS DA COSTA A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE Trabalho de conclusão do curso de Graduação, habilitação

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR Izabele Silva Gomes Vívian Galvão Barbosa Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com viviangbarbosa@msn.com INTRODUÇÃO Termos como Era

Leia mais

A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO

A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO CARNEIRO, Trícia Oliveira / Centro Universitário Leonardo da Vinci SODRÉ, Marta Patrícia Faianca / Universidade do Estado do

Leia mais

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO Juliana da Silva Cabral PIBID Universidade Estadual da Paraíba/ julianacabralletras2@gmail.com Janaína da Costa Barbosa PIBID Universidade Estadual da Paraíba/

Leia mais

Tu e a publicidade. A publicidade está em toda a parte. Exercício. Início. Sabia que?

Tu e a publicidade. A publicidade está em toda a parte. Exercício. Início. Sabia que? 1 Tu e a publicidade Temas abordados A publicidade à nossa volta. Objectivos da aprendizagem Compreender as diferentes utilizações da publicidade, tais como vender, convencer ou expor um ponto de vista.

Leia mais

Entrevista sobre o Programa Kulto

Entrevista sobre o Programa Kulto Entrevista sobre o Programa Kulto Ficha de Identificação Nome: Rute Gil Empresa: Estado do Sítio Cargo/Função: Produtora e Guionista Programa: Kulto Questões 1. Qualidade - Na sua opinião, o que pode ser

Leia mais

CÓDIGO BOAS PRÁTICAS COMUNICAÇÃO COMERCIAL PARA MENORES

CÓDIGO BOAS PRÁTICAS COMUNICAÇÃO COMERCIAL PARA MENORES CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS NA COMUNICAÇÃO COMERCIAL PARA MENORES Setembro 2005 ÍNDICE Introdução.... 2 Âmbito e Aplicação.. 3 Normas Éticas 3 Meios e Suportes... 5 Marketing nas Escolas e Educação Publicitária

Leia mais

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO Edena Carla Dorne Cavalli UNIOESTE CAPES ed-cavalli@uol.com.br

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

TÍTULO: TEORIA DA RELEVÂNCIA E DISCURSO PUBLICITÁRIO: UMA ANÁLISE PRAGMÁTICA DA FORMAÇÃO DOS SENTIDOS

TÍTULO: TEORIA DA RELEVÂNCIA E DISCURSO PUBLICITÁRIO: UMA ANÁLISE PRAGMÁTICA DA FORMAÇÃO DOS SENTIDOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TEORIA DA RELEVÂNCIA E DISCURSO PUBLICITÁRIO: UMA ANÁLISE PRAGMÁTICA DA FORMAÇÃO DOS SENTIDOS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Mudanças Climáticas e Cidades Políticas ambientais e o desenvolvimento econômico das cidades

Mudanças Climáticas e Cidades Políticas ambientais e o desenvolvimento econômico das cidades PROJETO Sustentabilidade: Uma Questão Matemática Fonte: Estudantes - 8º s Anos BLOCO TEMÁTICO Mudanças Climáticas e Cidades Políticas ambientais e o desenvolvimento econômico das cidades JUSTIFICATIVA

Leia mais

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 Andrey Scariott FILIPPI 2 Lucas Paiva de OLIVEIRA 3 Marcelo Barbosa CORRÊA 4 Virgínia FEIX 5 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO E DA IMAGEM DA PROPAGANDA FRUTHOS NA REVISTA INFANTIL RECREIO (ANO 10 Nº 471)

ANÁLISE DO DISCURSO E DA IMAGEM DA PROPAGANDA FRUTHOS NA REVISTA INFANTIL RECREIO (ANO 10 Nº 471) ANÁLISE DO DISCURSO E DA IMAGEM DA PROPAGANDA FRUTHOS NA REVISTA INFANTIL RECREIO (ANO 10 Nº 471) PAIVA, Carlos Eduardo e ALVARADO, Ronny 1 Resumo: Este artigo tem como objetivo analisar, do ponto de vista

Leia mais

ESTUDAR TUDO PARA QUÊ, SE OS PROFESSORES NÃO LEVAM TUDO EM CONSIDERAÇÃO? Cipriano Carlos Luckesi 1

ESTUDAR TUDO PARA QUÊ, SE OS PROFESSORES NÃO LEVAM TUDO EM CONSIDERAÇÃO? Cipriano Carlos Luckesi 1 ESTUDAR TUDO PARA QUÊ, SE OS PROFESSORES NÃO LEVAM TUDO EM CONSIDERAÇÃO? Cipriano Carlos Luckesi 1 Recentemente, na oportunidade de uma conferência na cidade do Rio de Janeiro, abordando o tema de uma

Leia mais

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL ComIda de VerDadE no CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Texto elaborado pelo Grupo de Trabalho

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO Neusa Kreuz 1 RESUMO: É indiscutível a grande importância da linguagem oral no processo interacional humano. Trata-se da primeira

Leia mais

A MultiRio na formação do leitor

A MultiRio na formação do leitor A MultiRio na formação do leitor Há 18 anos, a MultiRio presta relevantes serviços, enfrentando o desafio de participar da formação de educadores e alunos da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro,

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Resumo: INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 QUEIROZ, Joyce Duarte joyceduart@hotmail.com QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto

Leia mais

O TRABALHO COM MÚSICA NAS AULAS DE LI ATRAVÉS DO MÉTODO CLL

O TRABALHO COM MÚSICA NAS AULAS DE LI ATRAVÉS DO MÉTODO CLL O TRABALHO COM MÚSICA NAS AULAS DE LI ATRAVÉS DO MÉTODO CLL Leandro Gomes do Nascimento Silvânia Enedino da Silva Orientador: Prof. Dr. Leônidas José da Silva Jr. Universidade Estadual da Paraíba (PIBID/CAPES)

Leia mais

A PESQUISA NA MUDANÇA DA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UMA ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

A PESQUISA NA MUDANÇA DA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UMA ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL A PESQUISA NA MUDANÇA DA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UMA ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Leandro Carlos de Souza Gomes(1); Universidade Estadual da Paraíba, leandrouepb@hotmail.com; RESUMO: Essa pesquisa

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL 2011 Bruno Fernandes Carla Brasilino Juliano Fávero Mariabile Túlio Email: bruno.fergon@hotmail.com RESUMO O objetivo deste artigo é discutir a questão

Leia mais

Os Meios de Comunicação na Escola

Os Meios de Comunicação na Escola José Manuel Moran* Os Meios de Comunicação na Escola Os Meios de Comunicação exercem poderosa influência na nossa cultura. Refletem, recriam e difundem o que se torna importante socialmente tanto ao nível

Leia mais