O mito e as marcas na publicidade. Iara GOMES 1 Níncia Cecília Ribas Borges TEIXEIRA 2 Universidade Estadual do Centro-Oeste - Unicentro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O mito e as marcas na publicidade. Iara GOMES 1 Níncia Cecília Ribas Borges TEIXEIRA 2 Universidade Estadual do Centro-Oeste - Unicentro"

Transcrição

1 O mito e as marcas na publicidade Iara GOMES 1 Níncia Cecília Ribas Borges TEIXEIRA 2 Universidade Estadual do Centro-Oeste - Unicentro ISSN Referência: GOMES, Iara; TEIXEIRA, Níncia Cecília Ribas Borges. O mito e as marcas na publicidade. In: Mídia Cidadã 2009 V Conferência Brasileira de Mídia Cidadã, Guarapuava. Anais. Guarapuava, p RESUMO As marcas carregam em si características da empresa e de seus idealizadores, contudo, é possível uma marca que nunca esteve entre as líderes da categoria ser vista sob outra ótica por seus consumidores? Afinal, quais os caminhos que uma marca poderosa pode, ou não, traçar? Através de análise de duas marcas de um mesmo setor é possível desvendar os fatores que favorecem ou desarticulam uma marca frente a seu mercado consumidor e, sobretudo, ações que despertam a atenção e a preferência de seu público. Palavras-chave: marcas; mito; análise; publicidade. INTRODUÇÃO O objetivo desta pesquisa foi traçar pressupostos teóricos básicos, os quais servirão de modelo comparativo para a análise que será feita com as duas maiores fabricantes de bebidas do mundo. E, dentre as empresas destacadas serão analisadas a aplicação e manutenção da 1 Graduanda em Comunicação Social Publicidade e Propaganda pela Universidade Estadual do Centro- Oeste (UNICENTRO), Guarapuava-PR. Aluna de Iniciação Científica em análise semiótica em Publicidade e Propaganda. 2 Professora Adjunta do Departamento de Letras pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), Guarapuava PR. Doutora em Letras (UNESP) e Pós-Doutora em Ciência da Literatura (UFRJ). 1

2 UNICENTRO, Guarapuava /PR 8 a 10 de ou tubro de 2009 mitologia na construção e continuação da credibilidade transmitida pela marca por meio da publicidade, serão avaliadas os conceitos constituintes de tais miologias enraizadas no inconsciente de seus consumidores. Inicialmente, foi explorada a definição marca, situando sua função ideológica e prática na identificação de bens ou serviços. Em seguida, o conceito de mito, sua aplicação dominadora e sua interpretação, elementos utilizados para a aceitação e credibilidade da marca. Tomando por base a hipótese de que o mito é um ponto fundamental a ser trabalhado à favor da marca, cria a idéia de essa ser um elemento fundamental na criação de uma marca. A hipótese adotada para o desenvolvimento do corpus é a de que as empresas estão cada vez mais dispostas a investirem na atualização de conceitos, mais próximos possíveis das aspirações de seus consumidores. Para comprovar tal hipótese, serão apresentados estudos teóricos a serem utilizados como critérios de relevância para uma efetiva pesquisa referente ao objetivo almejado. Os autores presentes no recorte bibliográfico são Jones (2000) e Randazzo (1996), os quais através de importantes citações e estudos complementam suas idéias sobre a atuação do mito na constante aceitação da marca. JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO O conceito de marca Marca é um conceito utilizado para evidenciar características próprias do produto, sua diferenciação frente ao mercado e assumir um papel motivador á compra ou fidelização ao objeto anunciado. A marca trata de uma entidade ao mesmo tempo física e perceptual que se desenvolvem no campo psicológico e físico. Podendo, assim, estabelecer relações mentais e atributos 2

3 palpáveis que vem ao encontro com as aspirações do seu mercado consumidor. As sensações produzidas pela marca não são compreendidas conscientemente, mas de forma latente. Por esse motivo, esse elemento deve ser enunciado ao consumidor como característica pertencente ao produto/marca, mesmo não sendo visível ou percebido concretamente por seu público-alvo, tais atributos são conhecidos como valores agregados. Conforme aponta Biel apud. Ogilvy (1955, p.193):...é o retrato das imagens de uma marca que as pessoas carregam em suas mentes. É a soma intangível de atributos de um produto, seu nome, sua embalagem e seu preço, sua história e reputação e o modo como ela é apresentada ao público. As definições sobre marca são entendidas sob diferentes aspectos. Jones (2004, p.35) entende-a por um produto que oferece benefícios funcionais além dos valores agregados que os consumidores valorizam o bastante para adquiri-lo. Enquanto Lannon (2004) adota uma visão mais subjetiva do tema. A marca é o que o consumidor compra, e até chegar ao consumidor final terá adquirido muitas camadas de significado. Os conceitos apresentados remetem a elementos básicos que constroem a marca e sua imagem: símbolos, valores agregados e mitologia. A publicidade atua em diferentes fases com ciclo de vida tanto do produto quanto da marca. Desde seu lançamento, posteriormente no processo de diferenciação, fidelização e manutenção dos conceitos abordados ao decorrer da história da marca/produto. Esse artifício utilizado para propor uma roupagem de conceitos psicológicos, atua de modo a agregar características supostamente atreladas ao que está sendo evidenciado. Contudo, conforme ilustra Jones (2004, p.42), a publicidade pode até exercer um importante papel na apresentação da marca, mas essa impressão se auto-anula caso o produto não satisfaça a expectativa do consumidor, o produto não será lembrado ou indicado para futuras compras. 3

4 Uma vez consolidado o conceito de marca, é preciso gerenciá-la. Segundo White (2004), as marcas para manterem sua credibilidade precisam ser devidamente gerenciadas, isto é, ser regida por pessoas que acreditem na força do empreendimento, a capacidade de controlar marcas e operá-las agressivamente, e do oportunismo para se valer em situações favoráveis, ou não, do mercado. Um importante ponto a ser ressaltado pelo gerenciamento é a fase do ciclo de vida em que a marca está vivendo. As marcas têm várias etapas a serem cuidadosamente desenvolvidas: o nascimento, crescimento, maturidade e declínio. Segundo Randazzo (1996, p. 251), a publicidade tem papel fundamental na mitologia de uma marca na mente de seus consumidores. Entretanto, para que haja a criação desse fator deve-se apropriar de dados básicos obtidos na pesquisa de mercado, informações, percepção de idéias, percepções acerca do consumidor, posicionamento, mensagens e anúncios. Desenvolver percepções e ideias é tarefa primordial para que haja motivação do cliente a consumir o produto. E, para conquistar continuamente a atenção do seu público-alvo, utiliza-se um dos conceitos mais marcantes da publicidade: o mito. Mito em busca de definições Tavares (2000, p.35) entende por mito tudo o que significa uma forma de comunicação. É a representação do valor, através de um simbolismo que expressa fixa e exalta o seu significa do, como uma verdade profunda da na mente. E a comunicação de massa serve-se dos mitos por se mais fácil para a mente expressar os conteúdos valor através das histórias e narrativas do que dos conceitos. A utilização dos mitos como uma maneira de ágil cognição, faz a comunicação estabelecer a realidade como resultado da união entre a sensibilidade pós-moderna e a cultura de enredos antigos, formando, portanto, uma realidade meramente perceptiva. O que Tavares (apud. Barthes 1975, p. 36) descreve como uma forma de discurso, um 4

5 sistema semiológico e uma modalidade de significação. O mito já não é definido pelo objeto do discurso, mas como o próprio sistema comunicativo se expressa pela maneira na qual é apresentado. A percepção mitológica passa a ser o meio que se utiliza do que existe previamente e transmite tal significado através da comunicação. Ele é um sistema semiológico, resultado de outro sistema, onde a imposição das idéias propostas pelo primeiro conceito seja feita pela repetição histórica. E essa repetição é responsável pela propagação das ideologias aposentadas pelo sistema original, fato que torna a assimilação mitologias mais fácil e rápida. Após ser descoberto como arma dominadora por parte dos meios de comunicação, o mito passou a ser objeto de forte atração devido à sua presença histórica e a capacidade de encantamento transmitida por diversas maneiras nas quais são apresentadas (som, imagem, ideologia). A necessidade da imediata aceitação faz milhares de consumidores ao redor do mundo. Tal vulnerabilidade abre espaço para a disseminação de mensagens cada vez mais dinâmicas, mas sempre tão exatas na sua forma de aceitação e em sua individualidade. Posição defendida pelo estudioso Tavares (apud. Orlando Miranda 1978, p.47), que define mito como: (...) o mito, como todo mito, procura impor uma crença, e a serviço de uma ideologia. O mito da massa recusa possibilidade às ações coletivas e propõe como substitutas fugas individuais (para as quais os media fornecem os meios). O mito da massa nega racionalmente à consciência coletiva, e a nega também ao indivíduo por ser sua consciência somente condicionada. Sempre presente no imaginário da comunicação, o mito, sobretudo, na publicidade permite a representação do herói como fonte de força e autonomia. Pressler (apud. Benjamim, 2006, p. 72) defende a existência de um valor de culto e um valor de exposição no qual, o segundo substitui a atuação do primeiro como 5

6 UNICENTRO, Guarapuava /PR 8 a 10 de ou tubro de 2009 aplicação dos modelos pré-editados, trata-se, portanto, da reprodução técnica, anulado o diferente, o novo. O autor, ainda, enfoca de desterritorialização dos mitos, os quais são retirados dos seu contexto primitivo e inseridos de maneira impositiva, ditada pela autoreferência dos disseminadores das informações midiáticas. Já Pressler (apud. McLuhan, 2006, p. 81) ao contrário de Benjamim, afirma haver a racionalização do modo de se transmitir as notícias. Tal autor defende haver um pensar individualizado, desligado a influências exteriores sejam elas de origem mítica ou da comunicação. Pela hermenêutica se designa a interpretação. A hermenêutica simbólica pode ser definida como a produção das imagens míticas por meio da comunicação (meios comunicativos) e a presença dos mitos no universo formador de arquétipos gêneros comunicativos. E há três aplicações sobre o mito, sendo na primeira a representação dos mitos não-intencionais e a segunda, o mito enquanto fruto de ações pré-editadas pelos meios de comunicação. O mito como fator histórico para ser utilizado para fins comunicativos, precisa ser trabalhado de modo a se adequar a limites históricos e sociais condicionados a estruturas de funcionamento. Por este caráter interativo entre sujeito social-ideológico, o mito é manifestado através do discurso. Segundo Tavares, (apud Barthes, 1975), tudo pode ser definido como mito. Sendo, portanto, formado por signos, uma vez que pode ser analisado do ponto de vista do significante (objeto representador) e significado (seu sentido, sua ideologia). Nesse sentido, a mitologia é utilizada pela comunicação, sobretudo, pela publicidade como fonte de transformação de objetos (matéria) em algo determinado ao uso; ao consumo. Contudo, a mitologia é utilizada como meio representante da realidade vivida. Como também de uma realidade idealizada. [...] os mitos não são nada mais que essa solicitação incessante, 6

7 infatigável, essa exigência ansiosa e inflexível que obriga os homens a se reconhecerem nessa imagem de si próprios, eterna e no entanto, datada, que um dia se constitui como se fora para todo o sempre. Conforme aponta Berg & Bicallho (apud.barthes, 2003 p. 248). A noção da cultura e ideologia contida na apresentação de um mito como fonte referencial para uma propaganda, pode ajudar a contextualizar a posição do indivíduo na sociedade. Através de apresentação medida do mito o imaginário e o pensar coletivo são construídos e efetivados no modo de agir da sociedade, sobretudo, o público-alvo da comunicação. O mito criado pela Coca-Cola A busca pela imortalidade sempre foi alvo do interesse da efêmera vida humana desde os tempos mais remotos. E, devido à impossibilidade de alcançar o físico eterno, vieram as marcas como fonte de representação do desejo da vida atemporal. As marcas carregam conceitos idealizados por seus criadores e outros de origem mercadológica. E tais informações não se prendem a determinação temporal ou de origem espacial. Pois, caso uma marca ganhe a confiança de seu público, o desejo da imortalidade foi alcançado porque em todo e qualquer lugar onde a marca venha a ser divulgada, sua ideologia será concomitantemente, incorporada por seus consumidores. Sabe-se que as empresas buscam estar em evidência em relação à concorrência, sendo ela, direta ou indireta. Para que sua marca seja lembrada como referência em sua categoria. Uma vez que vista e acreditada, a marca cumpre sua função vital: cria o mito da imortalidade. Imortalidade esta a ser aplicada em todas as suas representações, desde embalagens até sua divulgação global. Em cada parte do processo evidenciador da imagem da marca está presente em seu contexto informações referentes a sua tradição, sabor único, a evidência da refrescância, da satisfação das necessidades fisiológicas (sede) e sociais (status). A formação de figuras marcantes como o simpático Papai Noel de roupas vermelhas e 7

8 UNICENTRO, Guarapuava /PR 8 a 10 de ou tubro de 2009 das refeições em família regada a Coca-Cola e gargalhadas está inerentemente inserida no imaginário da marca que se preza em conquistar os mais variados tipos de públicos: desde crianças encantadas com o urso rapper da campanha Coca-Cola Zero Açúcar até mães de todas as idades representadas pela campanha de Dia das Mães com o slogan...mãe, você é essa Coca-Cola toda. Aceita por 90% de toda a população global, a Coca-Cola prova que seu poder imortal influencia direta e indiretamente todas as faixas etárias, e desde seu surgimento provou que suas ideologias e seu estilo de vida vieram, definitivamente, para ficar. A mitologia da marca é determinada pelo posicionamento dela no mercado e na mente do seu público-alvo. Mas, para entender como funciona a mitologia, é necessário entender o que é posicionamento. Para posicionar uma marca, consideram-se os aspectos físicos do produto, a situação mercadológica e a ação dos concorrentes. E a publicidade exerce papel importante nessa ação, primeiramente, de mercado (destacando o produto em sua categoria) e, em segundo lugar, posicionando a marca na mente do seu público-alvo de maneira que ele acredite no produto como a solução de suas necessidades e, sobretudo, transmitindo a idéia que o consumidor fez o melhor negócio. No convencimento dos clientes, a publicidade utiliza o posicionamento perceptual (aspectos físicos e emocionais). O posicionamento de uma marca deve ser anterior ao posicionamento do produto, de modo que, ao lançar uma novidade no mercado, imediatamente o cliente remeta a imagem da marca a qualidades superiores se comparada às demais indicando, então, o novo produto como promessa de eficácia nas ações propostas. Na criação e desenvolvimento da mitologia de uma marca, a empresa deve se preocupar com sua base criativa de onde as referências de todos seus objetivos são formuladas e incorporadas à imagem a ser elaborada. Com todas essas informações coletadas em uma espécie de briefing (material no qual 8

9 UNICENTRO, Guarapuava /PR 8 a 10 de ou tubro de 2009 apresenta todo o resumo da ação proposta a se desenvolver), a segunda etapa consiste na apresentação dessa imagem positiva da marca, lembrado-se que a manutenção do nome e memorização de suas características apareçam na lembrança do consumidor por um longo prazo. Nessa fase, a formação de um núcleo de informações precisas as quais possam ser novamente apresentadas, sua consolidação na memória do público-alvo será facilmente estabelecida. Para a manutenção da imagem e valores agregados referentes à marca. São os símbolos, arquétipos e repetição. Sendo os dois primeiros elementos de reconhecimento rápido, eficaz e de associação enquanto o último remete à lembrança e fidelização. Avaliando uma mitologia de marca bem-sucedida Descobrir a eficácia da mitologia da marca é papel primordial que objetive estar em posição favorável tanto no competitivo mercado quanto na preferência do consumidor. Para entender como a mitologia está, ou não, atuando no mercado, é necessário averiguar sua funcionalidade. E, para verificar tal funcionalidade, o primeiro fator a ser analisado é a longevidade. Uma marca pode facilmente analisar sua permanência desde que esteja há algum tempo no mercado. Através de constantes pesquisas de ordem mercadológica, ela pode traçar seu desempenho ao decorrer dos anos, bem como descobrir como seus concorrentes estão se posicionando e evoluindo/ retrocedendo na corrida da conquista preferencial do universo consumidor. Outro elemento indiscutivelmente relevante a ser analisado é a atuação da marca na fatia de mercado pretendida. Caso seu posicionamento não esteja sendo compreendido, bem informado ou reconhecido, é preciso que uma nova visão seja comunicada a seus consumidores. Estabelecer formas de conter a retração de mercado e analisar os reais motivos de perda ou retração do consumo também são fatores fundamentais para a recuperação do prestígio/ nome referido à marca. A análise dos elementos externos à marca estabelece estreita relação entre consumo e 9

10 UNICENTRO, Guarapuava /PR 8 a 10 de ou tubro de 2009 aceitação. Pesquisas relacionadas à consciência que o consumidor tem da marca, bem como sua relevância e credibilidade favorecem o processo rápido e decisor de uma marca, e não outra, na hora da compra. Segundo Pinho (1996), a extensão da marca é uma estratégia a ser aplicada em novos produtos que irão receber como denominação o próprio nome da marca. E o posicionamento de uma nova marca obedece a fatores como: disponibilidade de recursos (que irão atuar em diversos setores da formação e sustentação da marca sendo elas: identificação do conceito da marca, desenvolvimento e proteção da marca nominal e manutenção de um programa de sustentação), riscos de falhas (tanto na concepção do produto quanto nas demais variáveis do composto mercadológico) e tempo para desenvolvimento da marca. Pinho (apud. Murphy, 1990, p.14) complementa tal raciocínio com mais um ponto principal se não for desenvolvido um sistema visual adequado, a extensão pode acarretar uma fragmentação da personalidade e da identidade da marca, a qual pode afetar seriamente o seu valor e força intrínsecos. Estudo de Caso A Coca-Cola é uma marca líder de mercado em sua categoria. Estima-se que seu consumo é um dos maiores do planeta. Seu sucesso em credibilidade e vendas deve-se a soma de diversos fatores: investimento em ações e projetos sociais, em propagandas e, claro, constantes preocupação em manter a qualidade dos produtos e o lucro dos investidores. A Pepsi é uma marca concorrente do mesmo setor, mas não possui o mesmo carisma e estima proporcionado pela The Coke Cola Company, trata-se de uma marca tida como secundária na categoria, o que não a deixa de se preocupar com as mesmas bases físicas e psicológicas defendidas pelo refrigerante top of mind*. Os fatores que impedem ou desestimula a empresa Pepsi de ocupar o cume da competidíssima pirâmide de consumo serão a seguir explicado detalhadamente. 1

11 Numa tarde de verão 1886 em Atlanta (EUA) um farmacêutico chamado John Styth Pembertom criava o tônico para o cérebro uma mistura de ingredientes como a folha da coca e a cola que era extraída da noz. Com sabor especial, o xarope misturado à água gaseificada logo passou a ser conhecido e encantou empresário Asa Griggs Candller que comprou o refrigerante mais famosos do mundo por um valor irrisório. Passando por diversas administrações a companhia Coca-Cola chegou às mãos de Robert Woooruff que a consolidou como líder mundial no setor de refrigerantes. Ainda na década de 60 após várias campanhas publicitárias que encontram e aderiam cada vez mais pessoas ao número de consumidores da gigante marca. Após décadas de sucesso, o ano de 1985 trouxe uma inovação mal-sucedida. A idéia de reformular o quase centenário sabor original apesar de ter sido bem aceito em testes, não agradou o público fiel porque os laços emocionais com o familiar gosto da Coca- Cola rendeu milhares de críticas por meio de telefonemas e cartas que indicavam o terrível erro de marketing. Conscientes de tal deslize, os empresários devolveram aos consumidores o clássico sabor da Coca-Cola. Presente em todo o mundo, a marca nº1 na categoria procura sempre estabelecer laços mais fortes com seus diferentes públicos. Prova da constante preocupação em tentar agradar o maior número de consumidores foram lançamentos especiais como a mudança da embalagem característica para um tom azulado, devido a baixa demanda dos consumidores do bloco Caprichoso (grupo que duela com o bloco Garantido no Festival de Parintins, e tem por representação a cor azul enquanto o concorrente é caracteristicamente vermelho). A divulgação da cultura norte-americana defendida pela marca sempre foi bastante notória. Sobretudo, na figura do Papai Noel que recebeu em suas vestes as cores da embalagem. A vestimenta majoritariamente vermelha com as bordas brancas tornou o simpático Bom Velhinho conhecido em todos os lugares, além de difundir sempre a alegria de viver, tema do estilo Coca-Cola de viver. 11

12 Não apenas em épocas comemorativas, a grandiosa marca também está presente em eventos mundialmente aclamados como os Jogos Olímpicos e a Copa do Mundo. Os conceitos de diversidade e tolerância defendidos por ela são indicativos de maturidade e adequação às ideologia propagadas pelas competições. Tais fatores tratam-se de pequenas razões da Coca-Cola ser conhecida por 99% da população mundial. Já a Pepsi teve seu início se deus em 1893 quando o farmacêutico de New Bern (cidade pertencente ao estado da Carolina do Norte EUA) inventou um tônico que suavizava o mal estar estomacal causado pelo àcido péptico. O tônico logo conhecido por Brad's Drink logo foi transformado em bebida e logo começou a ser reconhecido no estado. Após o sucesso inicial, o refrigerante começou a ser divulgado em outros estados e mesmo gerando lucro aos empresários, foram inevitáveis as crises financeiras causadas por problemas gerenciais. As dificuldades foram freqüentes até Walter S. Mack assumir o comando da empresa em 1938 e aderir o marketing deforma definitiva. Superados os problemas e aproveitando momentos historicamente favoráveis a Pepsi fez valer a oportunidade de utilizar o fenômeno demográfico Baby Boom - onde o índice de natalidade foi um dos maiores na história para lançara campanha publicitária mais conhecida na época Geração Pepsi. O investimento em comunicação massiva rendeu bastantes comentários com o lançamento de testes de sabor apresentando a consumidores amostras do seu e do produto concorrente onde não eram evidenciadas as marcas. O blind test, como é conhecido tal método, rendeu resultados positivos para o ousado vice-líder da categoria, o refrigerante Pepsi foi eleito pelos pesquisados como o refrigerante que possuía o melhor sabor. O resultado positivo do teste gerou uma campanha fortemente agressiva que enaltecia sua marca como a mais saborosa do mercado. A marca foi considerada um verdadeiro camaleão se comparada a outras marcas de sucesso devido a sua constante mudança de logotipos. Fator a ser sensivelmente 1

13 UNICENTRO, Guarapuava /PR 8 a 10 de ou tubro de 2009 analisado, pois, ao mesmo tempo que seu público-alvo (jovens) sejam bastante tolerantes a mudanças em aspectos emocionais referentes a sua marca preferencial, vários pesquisadores sobre marca recomendam que seja estabelecido um padrão fixo para ser automaticamente ligado a marca. Desta vez, não se trata de mais uma alteração do logotipo. A Pepsi aposta em uma mudança no seu posicionamento de mercado. Tal investimento soma mais de um bilhão de dólares a serem distribuídos ao longo de três anos de intensas transformações que começaram a ser efetivadas em 2008 e prometem agregar mais valor à marca. Fatores que levam a Coca-Cola ser a mais consumida e Pepsi, há anos, ocupar a segunda posição. A diferenciação entre uma marca líder e uma vice envolvem vários fatores de ordem mercadológica, psicológica e posicionamento. Tais critérios serão exemplificados no quadro abaixo: Marcas Conceitos Coca-Cola Pepsi Contínuo. Possui o mesmo logotipo Não-contínuo. O logotipo foi diversas Símbolo nominal desde seu lançamento, vezes modificado para símbolos distintos. Personalidade Generalista e alegre Jovem e agressiva Atuante. Lançou mitos como Papai Noel Não atuante. Ainda não lançou um mito e a idéia que um Natal alegre acontece fortemente estabelecido. Mitologia da marca quando todos estão felizes e bebem Coca-Cola. Valor da marca US$ bilhões US$ bilhões Classificação no mercado Nº 1 no ranking das mais valiosas do Segunda maior e mais reconhecida mundo* marca de refrigerantes do planeta* Classificação segundo pesquisa da Ocupa a posição 83 entre as 500 marcas Ocupa a posição 59 entre as 500 marcas revista Fortune 500 norte-americanas mais importantes norte-americanas mais importantes Propagandas memoráveis Sempre Coca-Cola Geração Pepsi Publicidade É um dos maiores investidores globais. Vigésimo maior anunciante do mundo. Distribuição Os produtos da Coca-Cola são Distribuída principalmente em encontrados em todo o mundo. supermercados de vários países. Valores agregados Alegria de viver e o sabor mais Ousadia, atitude e refrescância. refrescante do planeta. 1

14 UNICENTRO, Guarapuava /PR 8 a 10 de ou tubro de 2009 Países onde é líder do mercado A maioria dos países onde é conhecida. Arábia Saudita e províncias do Canadá. Ícones Sua característica cor azul e rótulo com Suas características cores: vermelho e símbolos e cores vibrantes. branco. Fonte:< http: Acesso em: 10 mar Ao comparar as duas marcas podem-se notar diferenças gerenciais e de posicionamento. Enquanto a Coca-Cola se sobressai na maioria dos fatores que a caracterizam como a marca nº 1 no ramo de refrigerantes à base de cola, a Pepsi assume posicionamento ora ousado ora conservador. Ousado quando assume uma filosofia de ataque, sobretudo, em suas campanhas publicitárias; conservadora por não diversificar nichos para distribuição de seus produtos e não buscam estreitar relações com outros públicos. O valor da marca é, portanto, o verdadeiro investimento reconhecido, pois, ele é resultado da fidelidade do consumidor, o qual não consome apenas o produto (entendase neste casa como o refrigerante), mas também de outros produtos pertencentes a mesma marca. Nota-se também na análise das marcas que a líder Coca-Cola exerce uma posição inferior à Pepsi no ranking estabelecido por pesquisas da Revista Fortune como uma das empresas que mais faturam no mercado americano. O advento se deve ao investimento maciço que a vice-líder exerce no mercado local. CONSIDERAÇÕES FINAIS Milhares de marcas diariamente surgem e desaparecem no gigante mercado consumidor, muitas sequer conseguiram se destacar em sua categoria. E o motivo de tal lapso pode ter muitas dentre eles a falta de divulgação ou má divulgação da mitologia da marca. É importante lembrar que cada marca tem uma história particular, apesar de como todas ser uma entidade física e perceptual. Por isso, a utilização de um forte conceito de mito vinculado ao conhecimento por parte de seus consumidores é fator determinante para a sobrevivência da marca no mercado. 1

15 Ao longo da pesquisa, foram tratados temas inerentes a formulação de uma grande marca, mas também foram mencionadas propostas para aumentar a visibilidade de marcas que se encontram em várias fases de desenvolvimento. Os apontamentos sobre as características de marcas poderosas são de grande valia às empresas, as quais objetivem atingir maturidade e fidelização de seus clientes. E, para ilustrar a pesquisas sobre a atuação de setores do marketing e da publicidade foi proposta uma análise dos motivos que tornam marcas como a Pepsi, a segunda colocada no setor de refrigerantes à base de cola enquanto despontam a Coca-Cola como líder absoluta da categoria. A soma de investimentos devidamente planejados com constantes preocupações na qualidade da produção, distribuição e pesquisas de mercado para identificar o grau de satisfação dos clientes são atenções comuns às empresas conhecidas mundialmente e também, a todas as quais desejem estar no cume da pirâmide de marcas preferidas pelo seu público-alvo. REFERÊNCIAS BICALHO, Vinícius Corrêa & BERG, Márcia Barreto.A representação semiótica dos arquétipos como discurso publicitário representa os sujeitos consumidores a partir da projeção identitária. Disponível em: acesso em: 19 mar BIEL, A.L. Explorando a magia da marca. In: A publicidade na construção de grandes marcas. São Paulo: Nobel, JONES. John Philip. A publicidade na construção de grandes marcas. tradução: Elizabeth Chammas São Paulo: Nobel, LANNON, Judie. As marcas e seus símbolos. In: A publicidade na construção de grandes marcas. São Paulo: Nobel, LLOYD, C.V. O retrato de uma marca: A sopa Campbell. In: A publicidade na construção de grandes marcas. São Paulo: Nobel,

16 PINHO, J.B. O poder das marcas. São Paulo: Summus, PRESSLER, Gunter Karl. Benjamin, Brasil: percepções de Walter Benjamin de 1960 a 2005: um estudo sobre a formação da intelectualidade brasileira. Annablume, RANDAZZO, Sal. A criação de mitos na publicidade: como os publicitários usam o poder do mito e do simbolismo para criar marcas de sucesso. Rio de Janeiro, RIES, Al & TROU, Jack. Posicionamento: a batalha pela sua mente. São Paulo: Pioneira Tomson Learning, TAVARES,Fred. Mitologização midiática: os mitos emergentes da televisão: Rio de Janeiro.Comun, v.5 - nº 14 - p. 33 a 52 - jan/jul, WHITE, Roderich. Marcas e publicidade. In: A publicidade na construção de grandes marcas. São Paulo: Nobel,

Estratégias de Comunicação

Estratégias de Comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi A propaganda é parte do marketing e uma das ferramentas da comunicação. Uma boa estratégia de marketing não garante que a campanha de propaganda será boa, mas é condição essencial

Leia mais

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Copyright 2011 Edvaldo de Farias Prof. Edvaldo de Farias, MSc. material disponível em www.edvaldodefarias.com Minha expectativa

Leia mais

Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS

Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS Como marca, fachada e merchandising podem se ajudar O DESAFIO Competindo com Competência Todos sabem que a competitividade do mercado

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES Rosanne Farineli Peixoto Gomes, Ivonete A. Canuto Dias, Valdete Neri Andrade, Luiz Sérgio Almeida dos Santos e Wagner Conceição INTRODUÇÃO O mercado atual

Leia mais

A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing. Com DANILO CUNHA

A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing. Com DANILO CUNHA A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing Com DANILO CUNHA Ética A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing Conceito Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Refrigerante Globinho 1

Refrigerante Globinho 1 Refrigerante Globinho 1 Ezequias do NASCIMENTO 2 Carlos de SOUZA, Inara CARVALHO, Pedro DIAS, Rodrigo ALVES. 3 Carolina VENTURINI 4 Universidade Federal do Pará, Belém, PA RESUMO Com o objetivo de recolocar

Leia mais

A importância do branding

A importância do branding A importância do branding Reflexões para o gerenciamento de marcas em instituições de ensino Profª Ligia Rizzo Branding? Branding não é marca Não é propaganda Mas é sentimento E quantos sentimentos carregamos

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo BRIEFING DE PRODUTO Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo Modelo Extraído dos livros: Tudo o que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

A comunicação com o cliente: como ele vê a sua empresa?

A comunicação com o cliente: como ele vê a sua empresa? A comunicação com o cliente: como ele vê a sua empresa? Karlan Muller Muniz Enconampe - Congresso Catarinense das Micro e Pequenas Empresas Blumenau, 02 de abril de 2011 Pequenas Empresas, Grandes Negócios

Leia mais

IADE-Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing. Licenciatura em Design. História da Arte e da Técnica. Pepsi Vs Coca-Cola

IADE-Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing. Licenciatura em Design. História da Arte e da Técnica. Pepsi Vs Coca-Cola IADE-Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Licenciatura em Design História da Arte e da Técnica Pepsi Vs Coca-Cola tanacara-comunicacao.blogspot.com Luis Filipe Gomes Tavares 1º E1 20090465 2011/2012

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

Campanha ONG Animais 1

Campanha ONG Animais 1 Campanha ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera Santa Bárbara, Santa

Leia mais

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica.

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Além de tornar-se fundamental para a difusão do conhecimento e geração das relações interpessoais, a Internet

Leia mais

APARECIDA LIBERATO E BETO JUNQUEYRA &CIA. CRIE A SUA! A verdadeira energia de marcas e nomes vencedores

APARECIDA LIBERATO E BETO JUNQUEYRA &CIA. CRIE A SUA! A verdadeira energia de marcas e nomes vencedores APARECIDA LIBERATO E BETO JUNQUEYRA CRIE A SUA! &CIA. A verdadeira energia de marcas e nomes vencedores Rio de Janeiro 2014 A maior energia de um Nome e de uma grande Marca! F im do século XIX. Em Atlanta,

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

Portfólio de Criação Espaço Experiência 1. Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5

Portfólio de Criação Espaço Experiência 1. Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5 Portfólio de Criação Espaço Experiência 1 Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

PROTEGER MARCAS NA ECONOMIA GLOBAL

PROTEGER MARCAS NA ECONOMIA GLOBAL PROTEGER MARCAS NA ECONOMIA GLOBAL SEMINÁRIO - SIAC 23174 (PI) ÉVORA 30-04-2014 PORTUGAL ANGOLA CABO CABO VERDE VERDE MACAU MOÇAMBIQUE SÃO SÃO TOMÉE PRÍNCIPE TIMOR PROTEGER MARCAS NA ECONOMIA GLOBAL Economia

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1

Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1 Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1 Danizieli de OLIVEIRA 2 Diego de OLIVEIRA 3 Renata Cristina FORNAZIERO 4 Thaís Roberta CASAGRANDE 5 Wolnei MENEGASSI 6 Paulo César D ELBOUX 7 Faculdade

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Ilustração; formandos; convite; formatura.

PALAVRAS-CHAVE: Ilustração; formandos; convite; formatura. A Sina dos Traços: ilustração para o convite de formatura do curso de Publicidade e Propaganda. 1 Paulo César V. STECANELLA 2 Breno INFORZATO 3 Marília DURLACHER 4 Eloise SCHMITZ 5 Juliana Zanini SALBEGO

Leia mais

O grande salto das marcas: a valorização das principais grifes nacionais

O grande salto das marcas: a valorização das principais grifes nacionais O grande salto das marcas: a valorização das principais grifes nacionais JUNIOR, M.E.F.O 1 LIMA, M.S 2 FREDERICO, V.M 3 LACERDA, T.A 4 RAMOS, C.P. 5 SANTOS, F.A.A 6 RESUMO Esse artigo abordará a crescente

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença?

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença? MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS Qual a diferença? Marketing promocional É uma ferramenta que se utiliza de várias outras para promover a promoção de vendas. Por exemplo: Marketing promocional

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Espaços Culturais como estratégia de comunicação de marca

Espaços Culturais como estratégia de comunicação de marca Espaços Culturais como estratégia de comunicação de marca Casos: Oi, Vivo, Citibank e HSBC Objetivos a. Analisar as estratégias de comunicação das empresas que utilizam os espaços culturais do Rio de Janeiro

Leia mais

Comunicação Institucional. Curso de Administração SECAL Administração Mercadologica - 2. ano. Profa Msc Monalisa Rodrigues Zoldan

Comunicação Institucional. Curso de Administração SECAL Administração Mercadologica - 2. ano. Profa Msc Monalisa Rodrigues Zoldan Comunicação Institucional Curso de Administração SECAL Administração Mercadologica - 2. ano Profa Msc Monalisa Rodrigues Zoldan COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL É a estratégia de posicionamento da marca que define

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda PUBLICIDADE X PROPAGANDA PUBLICIDADE Deriva de público (latim: publicus) Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda

Leia mais

Objetivos da comunicação

Objetivos da comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi Use palavras simples, que todos compreendam, assim todos irão entendê-lo. (Prof. Edmundo W. Lobassi) 1 Estude algumas pesquisas e ouça pessoas experts, pois nada é mais importante

Leia mais

Roteiro orientador para desenvolvimento da apresentação presencial dos cases

Roteiro orientador para desenvolvimento da apresentação presencial dos cases Roteiro orientador para desenvolvimento da apresentação presencial dos cases C A T E G O R I A S D E S E T O R D E M E R C A D O E C A T E G O R I A S E S P E C I A I S ROTEIRO ORIENTADOR PARA DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Aula 2: O conceito de branding: o significado da marca, sua imagem e patrimônio (emocional e financeiro).

Aula 2: O conceito de branding: o significado da marca, sua imagem e patrimônio (emocional e financeiro). Aula 2: O conceito de branding: o significado da marca, sua imagem e patrimônio (emocional e financeiro). A importância da publicidade na construção e gestão das marcas. Definição dos grupos de trabalho.

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

Comunicação Empresarial MANUAL DO CURSO

Comunicação Empresarial MANUAL DO CURSO Comunicação Empresarial MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Relacionamento: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a sexta 9h às 20h45 Sábado 9h às

Leia mais

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 Evelyn Nascimento Bastos 2 Palavras-chaves: Meios de Comunicação; Imagem Empresarial;

Leia mais

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Pesquisa Risqué Clássicos Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Grupos focais são comumente utilizados em pesquisas de marketing para determinar

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas Perfil... Atuando há 20 anos em vendas Jean Oliveira já viveu na pele cada experiência que essa profissão promove, é especialista com MBA em Estratégias de Negócios e graduado em Tecnologia de Processamento

Leia mais

ESTUDO DE CASO: BRAHMA: NOVA LATA VERMELHA

ESTUDO DE CASO: BRAHMA: NOVA LATA VERMELHA ESTUDO DE CASO: BRAHMA: NOVA LATA VERMELHA Carlos Eduardo Carvalho Cruz Eduardo Borges Ferreira Rudiney Cordeiro Cardoso 1 Resumo: O presente trabalho trata de um estudo de caso com foco na campanha da

Leia mais

Módulo 1. Introdução à Disciplina

Módulo 1. Introdução à Disciplina Módulo 1. Introdução à Disciplina Você conhece o Marketing ele está à sua volta em todos os locais. Você vê os resultados do Marketing na grande quantidade de produtos disponíveis no shopping center, nos

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Usando Ferramentas de Busca

Usando Ferramentas de Busca Web Marketing Usando Ferramentas de Busca Marcelo Silveira Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br 1 Conhecendo o cenário de pesquisas na Internet Este capítulo apresenta uma visão geral sobre

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA DE MARKETING PESQUISA DE MARKETING CONCEITOS É a busca de informação, a investigação do fenômeno que ocorre no processo de transferência de bens ao consumidor Trata da coleta de qualquer tipo de dados que possam ser

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

PROPAGANDA INSTITUCIONAL

PROPAGANDA INSTITUCIONAL 1 www.oxisdaquestao.com.br PROPAGANDA INSTITUCIONAL Praga da mentira sustentada com dinheiro público Texto de CARLOS CHAPARRO O Brasil que nos é vendido pela comunicação institucional dos governos federal,

Leia mais

Primo Schincariol Indústria de Cerveja e Refrigerantes S.A.

Primo Schincariol Indústria de Cerveja e Refrigerantes S.A. São Paulo, 14 de maio 2013 À Primo Schincariol Indústria de Cerveja e Refrigerantes S.A. A/C Sr. Luiz Cláudio Taya de Araújo Diretor de Marketing Av. Primo Schincariol, 2300 Itu São Paulo 13312-900 Ref.:

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 3º Encontro - 24/02/2012 18:50 às 20:30h 02 Matar um elefante é fácil. Difícil é remover o cadáver. (Mikhail Gorbachev Estadista

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO Aliny Francielly de Oliveira Formada em Administração, atuante nos segmentos comércio varejista

Leia mais

Emoção CONSTRUÇÃO DE MARCAS

Emoção CONSTRUÇÃO DE MARCAS Emoção Grande parte das nossas decisões de compra são feitas por impulso, de forma irracional, instintiva. Se temos dinheiro, compramos as marcas com as quais nos relacionamos emocionalmente. Cada marca

Leia mais