A PUBLICIDADE E PROPAGANDA FACE AO DIREITO DO CONSUMIDOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PUBLICIDADE E PROPAGANDA FACE AO DIREITO DO CONSUMIDOR"

Transcrição

1 A PUBLICIDADE E PROPAGANDA FACE AO DIREITO DO CONSUMIDOR Ana Carolina Gomes 1 Daniela Cândida de Abreu Lopes Diego Eustáquio Silva Ludimila Roberta Resumo: Devido a sua natureza de divulgação, seu poder informativo, sua capacidade motivacional, sua constância cotidiana e a importância das funções exercidas face o consumo, a publicidade exerce grande influência em uma sociedade baseada no consumo de massa. Esta influência pode, muitas vezes, gerar situações que podem vir a violar as garantias e direitos do consumidor como, por exemplo, por meio de propagandas enganosas e publicidade e práticas abusivas. Palavras-chave: Publicidade; propaganda; direito do consumidor. 1 INTRODUÇÃO Chaise (2001) diz que a Publicidade é toda forma de comunicação e informação difundida com objetivo direto ou indireto que juntamente com o consumidor promove a aquisição de um produto ou serviço. Enquanto atividade organizada, a arte publicitária é recentemente em seu aspecto comercial. No aspecto ideológico, é tão velha quanto o homem, pois, desde que esse desceu das árvores e passou a ter consciência de si, desenvolveu um discurso ideológico visando a dominação do semelhante. Na verdade, somente se pode falar de publicidade comercial propriamente dita após o surgimento da imprensa, apontando os pesquisadores a Inglaterra como berço desta arte. (JACOBINA, 2002, p. 21) 1 Alunos do Curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Newton Paiva, da disciplina Direito Empresarial, Ética e Legislação Publicitária.

2 O autor ainda reforça que no Brasil, o surgimento do primeiro jornal brasileiro foi a Gazeta do Rio de Janeiro, surgindo assim nossos primeiros anúncios, com isso entramos na era publicitária (JACOBINA, 2002, p. 22). Assim, a única instância de proteção jurídica ao consumidor era a questão do Vício redibitório, previsto no art.210 do Código Comercial (velho de 1850). Era, porém um remédio pós-contratual, cujo ônus de prova era do consumidor. (JACOBINA, 2002, p. 23). A citação de Jacobina (2002) exemplifica bem com o ônus da revolução industrial e a consequente massificação do consumo, tornou necessária a regularização das relações de consumo, com o objetivo de proteger os interesses e direitos do consumidor, que é a parte mais desamparada das relações de consumo. Em face da necessidade de proteção e importância deste no processo de consumo e divulgação torna-se relevante a contextualização e a avaliação do termo consumidor. 2 CONCEITO DE CONSUMIDOR NO DIREITO E NA PUBLICIDADE Na Publicidade o consumidor é visto como um ser anônimo, não identificado em razão da sociedade consumista que se desenvolveu em razão da produção em massa com o começo da Revolução Industrial. O relacionamento consumidor fornecedor é social e não mais geográfico isso acontece em razão de interesses comuns e, por isso impossível tecnicamente o consumidor ser considerado individualmente. Contudo, o consumidor continua sendo considerado uma unidade, pois este é quem lê, ouve, sente, assimila, enfim decodifica a mensagem, que é voltada para ele. Do outro lado o emissor não conhece o consumidor, desconhecendo suas emoções e sentidos no momento da transmissão da mensagem. (GARCIA, 2010)

3 Como se depreende do artigo 1º da Lei 8.078/90, na qual, o consumidor é o sujeito ativo da relação jurídica de consumo, já que os meios de proteção e defesa instituídos se destina a ele. Trata-se exclusivamente de dar efetividade aos mandamentos inseridos nos artigos 5º XXXII, e 7º II da Constituição Federal, com o objetivo de proteger o consumidor das mazelas do mercado. Pois hoje vivemos numa sociedade em que apenas o consumo é capaz de satisfazer as necessidades de seus componentes. (QUEIROZ, 2007) 2 Operar o direito do consumidor requer espírito revolucionário do direito tradicional, considerando que a lei 8.078/90(Código de Defesa do Consumidor), estabelece conceitos e institutos próprios em seu ordenamento jurídico. Cabe salientar que não é tarefa fácil conceituar o consumidor no ordenamento jurídico pátrio, em razão da diversidade de enfoques e perante a realidade vivida pelo indivíduo, que adquire bens e serviços ao mesmo tempo em que se enquadra no contexto econômico e social. A relação jurídica é uma junção que une duas ou mais pessoas caracterizando-se uma como o sujeito ativo e outra como passivo da relação. Esta ligação decorre da lei ou do contrato e, em conseqüência, o primeiro pode exigir do segundo o cumprimento de uma prestação do tipo dar, fazer ou não fazer. Se houver incidência do Código de Defesa do Consumidor na relação, isto é, se uma das partes se enquadrarem no conceito de consumidor e a outra no de fornecedor e entre elas houver lógica de causalidade capaz de obrigar uma a entregar a outra uma prestação, estaremos diante de uma relação de consumo (MARTINS, 2010) 3. 2 Victor Santos Queiroz Promotor de Justiça e prof. de Direito Civil da faculdade de Direito de Campos 3 Plínio Lacerda Martins-Promotor de Justiça em Juiz de Fora (MG), professor de Direito do Consumidor da FGV e UGF, mestre em Direito.

4 3 AS FUNÇÕES DA PUBLICIDADE FACE AO CONSUMO DE MASSA Com já mencionado, a Revolução industrial alterou o sistema de produção antes baseado na forma manufaturada e de baixa escala para um sistema de produção em série que massificou o consumo. Esta alteração no modo de produção modificou também as relações de consumo coletivo na medida em que a diversidade e a quantidade de mercadorias tornaram necessária a criação de publicidades que estimulassem a aquisição dos produtos. Segundo Lage e Milone (1994, p.15) a propaganda surgiu com o aumento e a diversificação da produção, quando o homem, passou a necessitar de uma forma mais eficiente de divulgação para a venda. A publicidade, vista neste artigo como sinônimo de propaganda, é de acordo com Karger (1973, apud Pinho, 2004, p.172) uma fase do processo de distribuição dos produtos ou serviços que se ocupa de informar sobre a existência e qualidade dos mesmos, de tal forma que estimule a sua compra. Embora as características de divulgação e estimulo a compra sejam recorrentes em sua conceituação, as funções exercidas pela publicidade frente ao consumo de massa não se restringem a estas características. Segundo Pinho (2004, p. 173): Nos dias atuais, em que produtos e serviços estão disponíveis em variedades e quantidades consideráveis, a publicidade desempenha um importante papel para preencher as necessidades relativas aos bens disponibilizados pelas indústrias nacionais ou multinacionais. Nesse sentido, a publicidade tem entre suas tarefas a divulgação e a promoção de empresas, marcas e serviços, bem como a criação, expansão, correção, educação, consolidação e manutenção de mercados para as mesmas marcas, produtos e empresas (PINHO, 2004, p. 173). A tarefa de divulgação e a promoção exercida pela publicidade referem-se à promoção do relacionamento entre marcas, serviços e empresas com o consumidor

5 através da apresentação do produto e serviço. A função de expansão e criação de mercado corresponde a capacidade da publicidade de aumentar ou gerar vendas por intermédio divulgação um de um novo produto ou persuasão ao consumo. As funções de correção, manutenção e consolidação do mercado dizem respeito à comunicação publicitária que corrige, conserva ou reforça a imagem da empresa perante o consumidor. E por fim há a função educativa da publicidade que gera novos hábitos de consumo. A publicidade apresenta ainda ações sobre os preços, rotação de estoques e melhoria de qualidade. Segundo Sant anna (2001, p.82): A publicidade permite acelerar o ritmo de rotação de estoques (Turnover) o que representa a vantagem liberar o capital de giro de sua função na distribuição, permitindo que seja utilizo para outros fins, facilitando também a qualidade da mercadoria, principalmente quando se trata de bem perecível (SANT ANNA, 2001, p.82). A diversidade e importância destas funções publicitárias na geração de consumo acabam por refletir nos direitos do consumidor, visto que as argumentações, técnicas e material de elaboração destas podem de alguma forma violar o direito do comprador. 4 PRINCIPAIS PROBLEMAS ENFRENTADOS PELA PUBLICIDADE COM RELAÇÃO AO CONSUMIDOR A publicidade busca afetar e direcionar o processo decisório do consumidor, o mesmo pode ser definido como toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produtos ou serviços como destinatário final. (Art. 2 CDC L8078). Christina Gade afirma que o processo decisório tem sido estudado como o resultado de uma conseqüência consistente de reconhecimento de problema, procura externa de alternativas, o ato da compra em si e avaliação pós-compra, com suas

6 conseqüências. A freqüência e importância das escolhas variam de acordo com características psicológicas, demográficas e sociais; sendo que a hora da tomada de decisão começa na infância e acompanha o homem até o fim dos seus dias. É de extrema importância que a publicidade atinja o resultado final de todo o processo decisório, sem fazer com que o cliente se sinta lesado de alguma forma. Pois tal desajuste no processo pode gerar duas conseqüências maléficas, a primeira seriam os problemas legais enfrentados junto ao Código de Defesa do Consumidor que segundo o artigo 37 afirma que é proibida toda publicidade enganosa ou abusiva destacando-se o informe publicitário falso, em parte ou integralmente, mesmo que por omissão, quando deixar de informar sobre dado essencial do produto ou serviço, sendo capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza, características, qualidade, origem e entrega do produto. Em seguida outro problema que pode ser enfrentado de acordo com Sampaio (1996), é que um consumidor frustrado com uma promessa exagerada, decepcionado pelo não atendimento das expectativas criadas por um comercial, não apenas deixa de comprar ou repetir a compra do produto e serviço, como forma uma imagem negativa da marca e tende a fazer comentários negativos a respeito delas para um grande número de pessoas. Define-se então que a publicidade deve ser eficiente e clara sem deixar que o cliente se sinta lesado, evitando assim uma propaganda contra o produto/serviço e problemas legais.

7 5 A PUBLICIDADE ENGANOSA NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR A sociedade atual possui uma grande característica que é a comunicação. Através dela os indivíduos se mantêm ciente das últimas notícias, acontecimentos, novidades sobre pessoas, produtos, serviços entre outros (SCHROEDER, 2001). Outra característica marcante são as necessidades humanas. Kottler e Armstrong (1998) definem necessidades humanas sendo estados de carência percebida. O homem tem muitas necessidades complexas: Necessidades básicas físicas de alimentação, roupas, calor e segurança; necessidades sociais de fazer parte de um grupo e ser querido; e necessidades individuais de conhecimento e auto-realização... Quando uma necessidade não é satisfeita, ele tenta reduzi-la ou procura um objeto que a satisfaça. Os que pertencem a sociedade menos desenvolvidas possivelmente tentam reduzir seus desejos e satisfazê-los com o que for possível (KOTTLER, 1998). Os autores salientam ainda que grandes empresas sabem onde, como e quando no que se referem às necessidades, desejos e demandas de seus consumidores. Merecem transcrição alguns dos conceitos imprescindíveis para a correta apreensão da vulnerabilidade psiconeurofisiológica (Sant anna, apud Moraes, 2001, p. 253): Atenção: é a habilidade de concentração da consciência sobre um objeto. Inibição: é a faculdade que tem a nossa consciência de, a cada momento, deixar de lado tudo que a cerca, permitindo a concentração sobre um único objeto. Interesse: prestamos tanto mais atenção num objeto quanto mais ele nos interessa. Memória: é a faculdade de lembra-se dos fatos, ou a faculdade de conservar, reproduzir e reconhecer os estados de consciência anteriores, relacionando com experiências passada. Imagem: é a representação de uma percepção anterior. Emoção: é toda perturbação violenta e passageira do tônus afetivo. Vontade ou ato voluntário: é aquele em que o indivíduo escolhe sua forma de agir, segundo suas preferências. Desejo: é a expressão consciente da necessidade. (SANT ANNA, apud MORAES, 2001, p. 253). O trabalho da publicidade será então conseguir estimular essas predisposições, a fim de induzir o consumidor a realizar determinada conduta, para que seja tomada uma decisão no sentido da compra (MORAES, 2001, p. 255).

8 Na publicidade a mentira é de natureza ofensiva, pois consiste em atribuir a um produto ou serviço mais qualidades do que ele tem. Durandin (1997) afirma que existem dois tipos de mentira, segundo os efeitos esperados sejam de prazo mais curto ou longo prazo: Em certos casos, a mentira tem por objetivo alterar, progressivamente, o estado de espírito do interlocutor e, a partir disso, sua conduta... Em outros casos, ao contrário, em que a mentira incide sobre um ponto preciso, procurase modificar imediatamente o comportamento do adversário (DURANDIN, 1997, p. 29). Gato por lebre é a expressão popular que Lopes (2003) usa para expressar de forma clara e objetiva o que seja enganosidade. E completa, que quaisquer das recomendações do Código de Ética, a agência não pode se eximir das responsabilidades deixando que o anunciante dite o que fazer. O artigo 37 do Código de Defesa do Consumidor CDC proíbe toda publicidade enganosa ou abusiva destacando-se o informe publicitário falso, em parte ou integralmente, mesmo que por omissão, quando deixar de informar sobre dado essencial do produto ou serviço, pois é capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza, características, qualidade, origem e entrega do produto. Lopes (2003) Como diz o art. 37 da Lei nº , de Proteção ao Consumidor -, assim condensa:. Art. 37 1º - É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro modo, mesmo por omissão, capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza, características, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços (LOPES, 2003, p. 102). Devido à publicidade enganosa a Secretaria de Direito Econômico 4 (SDE), ligada ao Ministério da Justiça, quer processar a TIM Celular por constatar infração na propaganda TIM namoro a mil. Segundo SDE a comercial induz o consumidor ao 4 Portal Exame

9 erro ao afirmar que o cliente tem direito a uma quantidade de mensagens de textos e posteriormente faz uma serie de exigências dificultando a utilização do serviço. A campanha da empresa Magnabosco Freitas Comércio Equipamentos Informática foi retirada da Internet 5 após ser entendia pelo juiz Robson Barbosa de Azevedo, da 4ª Vara Cível de Brasília com enganosa. A empresa anunciava no site aparelhos eletroeletrônicos, calculadora, telefones sem-fio, celulares, aparelho de fax e computadores. Os produtos não eram entregues aos consumidores após a efetivação do pagamento das mercadorias. O juiz determinou a exibição dos contratos desde dezembro de 2005, e os comprovantes de entrega dos produtos. A empresa terá ainda de exibir a publicação dos editais, facultando aos consumidores lesados que se manifestem no prazo legal. Em caso de descumprimento da empresa, a mesma pagará multa diária no valor de R$ 1.000,00. Também o Conselho Nacional de Auto Regulamentação Publicitária - CONAR 6 possui em seu código que a publicidade deve ser confiável no conteúdo e honesta na apresentação e, de forma geral, a atividade publicitária se acham naturalmente subordinadas ao império da lei (LOPES, 2003). 6 AS PRÁTICAS COMERCIAIS ABUSIVAS NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Ao contrário da publicidade enganosa, a publicidade pode ser considerada abusiva quando gerar discriminação por sexo, cor, raça, idade, origem social, caso explore o medo e a superstição, de modo especial que se aproveite, da inexperiência das crianças e que provoque violência (SOUZA, 2003). 5 Era veiculada no site 6

10 A publicidade abusiva está no Art. 37, 2 é abusiva, dentre outras a publicidade discriminatória de qualquer natureza, a que incite à violência, explore o medo ou a superstição, se aproveite da deficiência de julgamento e experiência da criança, desrespeita valores ambientais, ou que seja capaz de induzir o consumidor a se comportar de forma prejudicial ou perigosa à sua saúde ou segurança (LOPES, 2003, p. 103). Para Lopez (2003) a propaganda abusiva é bem mais prejudicial a todos. A falta de ética prejudica a todos: Ao anunciante, pois vê seu produto ligado ao abuso; à Agência, que marcada, fica como incapaz, imprudente ou negligente; aos criativos, pela total falta de inteligência, partindo para o errado, o tosco, o oposto da arte, dando-se, a si próprios atestados de incapacidade em cores vivas, berrantes em razão de sua falta de cultura e base intelectual criativa (LOPEZ, 2003, p.102). A propaganda de tabaco, bebidas alcoólicas e agrotóxicos são exemplos de propaganda abusiva. Essas acarretam riscos extremos para as pessoas, suas famílias e meio ambiente. O Procon de São Paulo notificou a empresa Ambev por considerar abusiva propagandas da Skol e Brahma. No comercial 7, a atriz Bárbara Borges aparece biquíni, ela é clonada e depois entregue para diversos homens. Para o Procon, a publicidade da Skol coloca a mulher como um objeto de consumo, o que a caracteriza como publicidade abusiva infringindo o Código de Defesa do Consumidor. Já propaganda da Brahma mostrava um torcedor que vai para o lado da torcida adversária de seu time no estádio para comprar uma cerveja. Após a compra ele chega ao vendedor da Brahma e volta a seu lugar com as latas, que distribui aos amigos. O Procon considera a propaganda abusiva porque a lei 9.470/96 proíbe a venda de cerveja nos estádios do Estado de São Paulo. Os órgãos competentes não visam apenas punir os fornecedores, mas sim proteger o consumidor. Segundo Coelho (2001) a publicidade abusiva, muitas vezes ainda empregada por alguns fornecedores, constitui crime e se identificada, as medidas 7 Comercial Skol Musa do Verão disponibilizado no site Youtube.

11 administrativas e penais devem ser tomadas, para que os direitos dos consumidores não sejam lesados por aqueles que buscam o lucro fácil e em desconformidade com a lei. 7 CONCLUSÃO Neste estudo sobre a publicidade e propaganda face ao Direito do Consumidor, pode-se perceber a importância da utilização desses meios de comunicação e informação de forma não enganosa ou abusiva, onde a publicidade e propaganda desenvolvam seu papel de estimular predisposições, a fim de instigar o consumidor a realizar determinada conduta, para que seja tomada uma decisão no sentido da compra, de forma transparente e respeitosa. Trazendo conseqüências na relação entre consumidor e fornecedor, o Direito do Consumidor e outros órgãos competentes não têm como objetivo apenas punir os fornecedores, mas sim proteger o consumidor que muitas vezes é ludibriado, por aqueles que buscam o lucro fácil. Sendo assim, pode-se perceber que cada vez mais, os meios e as estratégias de comunicação tendem a expandir-se, acelerando a tomada de consciência da responsabilidade do teor do conteúdo disponibilizado em campanhas publicitárias e propagandas. As leis e normas, em especial do Código de Defesa do Consumidor, reforçam o cumprimento da transparência e respeito ao cliente, ao consumidor.

12 REFERÊNCIAS COELHO, Claudia Schroeder: Publicidade enganosa e abusiva frente ao Código de Defesa do Consumidor. Disponível em <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=2581 >. Acesso em 07 mai CHAISE, Valéria Falcão. A Publicidade em face do Código de Defesa do Consumidor. São Paulo. Editora: Saraiva DURANDIN, Guy: As mentiras na propaganda e na publicidade. Tradução de Antônio Carlos Bastos de Mattos São Paulo: JSN Editora, FOLHA ONLINE. Procon notifica Brahma e Skol por publicidade abusiva e lança campanha. Disponível em <http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u shtml >. Acesso em 28 mai GADE, Cristina. Psicologia do Consumidor e da Propaganda. São Paulo: Editora Epu, p. JACOBINA, Paulo Vasconcelos. Publicidade no direito do consumidor Rio de Janeiro, Editora: Forense, KOTTLER, Philip, ARMSTRONG, Gary; tradução: WHATELY, Vera. Princípios de marketing. 7. ed. Rio de Janeiro. Prentice Hall do Brasil, 1998 LACERDA MARTINS, Plínio. O conceito de consumidor no direito comparado.disponível em: < >. Acesso em 12 mai LOPES, A. Paraguassú. Ética na Propaganda. Editora Atlas, 214 p. MARQUES, Gerusa. SDE quer processar TIM por propaganda enganosa. Disponível em: < >. Acesso em: 17 mai MORAES, Paulo Valério Dal Pai: Código de defesa do consumidor: no contrato, na publicidade, nas demais práticas comerciais. 2 ed., Porto Alegre: Síntese, NICASTRO GARCIA, Camila. Publicidade e direito à informação no Código de Defesa do Consumidor. Disponível em: < >. Acesso em 12 mai PINHO,J.B. Comunicação em marketing: princípios da comunicação mercadológica. 7.ed. Campinas: Papirus, p.

13 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICACASA CIVIL. Lei n 8.078, de 11 de setembro de Disponível em < >. Acesso em 30 abr QUEIROZ SANTOS, Victor. Conceito de consumidor na relação Jurídica de Consumo. Disponível em:<http://www.google.com.br/search?hl=pt- BR&q=conceito++de+consumidor+na+Publicidade&btnG=Pesquisar&aq=f&aqi=&aql =&oq=&gs_rfai>. Acesso em 12 mai SAMPAIO, Rafael. Propaganda de A a Z. Rio de Janeiro: Editora Campus, p. SANT'ANNA Armando. Propaganda: teoria, técnica e prática. 7. ed. São Paulo: Pioneira, p. SANTOS, Gilmar: Princípios da Publicidade. Belo Horizonte. Editora UFMG, ÚLTIMA INSTÂNCIA. Juiz determina retirada de propaganda enganosa da Internet. Disponível em < Acesso em 28 mai

Francisco José Soller de Mattos

Francisco José Soller de Mattos Princípios gerais da publicidade no Código de Proteção e Defesa do Consumidor Francisco José Soller de Mattos Introdução Nosso ordenamento jurídico não obriga a Nosso ordenamento jurídico não obriga a

Leia mais

PUBLICIDADE DE BEBIDAS ALCOÓLICAS E OS JOVENS ALAN VENDRAME UNIFESP/EPM

PUBLICIDADE DE BEBIDAS ALCOÓLICAS E OS JOVENS ALAN VENDRAME UNIFESP/EPM PUBLICIDADE DE BEBIDAS ALCOÓLICAS E OS JOVENS ALAN VENDRAME UNIFESP/EPM Apoio: FAPESP 03/06250-7 e 04/13564-0 Introdução Importantes questões: 1. O controle social da mídia (propagandas) é importante medida

Leia mais

Regime Republicano e Estado Democrático de Direito art. 1º. Fundamento III dignidade da pessoa humana e IV livre iniciativa

Regime Republicano e Estado Democrático de Direito art. 1º. Fundamento III dignidade da pessoa humana e IV livre iniciativa Regime Republicano e Estado Democrático de Direito art. 1º. Fundamento III dignidade da pessoa humana e IV livre iniciativa Objetivos da República Art. 3º. Construção sociedade livre, justa e solidária

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR MARIA BERNADETE MIRANDA

DIREITO DO CONSUMIDOR MARIA BERNADETE MIRANDA DIREITO DO CONSUMIDOR MARIA BERNADETE MIRANDA OFERTA VÍNCULO DA RELAÇÃO DE CONSUMO MERCADO DE CONSUMO OFERTA Artigo 30 Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR OSMAR LOPES JUNIOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR Introdução Não é preciso dizer o quanto a internet

Leia mais

A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito

A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito Fabiana Ferraz Dias 1 Marcela Juliana.A. de Oliveira Marink Martins de Souza Vagliano Ralphe Vinicius Pereira dos Santos Resumo: Diante do

Leia mais

Comunicação: tendências e desafios, realizada na Universidade do Sagrado Coração Bauru SP, no período de 27 a 29 de agosto de 2009.

Comunicação: tendências e desafios, realizada na Universidade do Sagrado Coração Bauru SP, no período de 27 a 29 de agosto de 2009. 111 1ª Jornada Científica de Comunicação Social A pesquisa em Comunicação: tendências e desafios PUBLICIDADE E PROPAGANDA: UMA REFLEXÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E DA ÉTICA PARA A PROFISSÃO

Leia mais

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa PRÁTICAS COMERCIAS Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa CONCEITO Práticas comerciais são os procedimentos, mecanismos, métodos e técnicas utilizados pelos fornecedores para,

Leia mais

A PUBLICIDADE NA LÓGICA DE UM. Adalberto Pasqualotto São Paulo, 12/08/2011

A PUBLICIDADE NA LÓGICA DE UM. Adalberto Pasqualotto São Paulo, 12/08/2011 A PUBLICIDADE NA LÓGICA DE UM JURISTA Adalberto Pasqualotto São Paulo, 12/08/2011 1 A pirâmide de Kelsen Norma fundamental: CF: dignidade humana Leis: Código de Defesa do Consumidor Decretos Portarias

Leia mais

AFIXAÇÃO DE PREÇOS. PROCON Campinas Orientações aos fornecedores

AFIXAÇÃO DE PREÇOS. PROCON Campinas Orientações aos fornecedores 2013 AFIXAÇÃO DE PREÇOS PROCON Campinas Orientações aos fornecedores AFIXAÇÃO DE PREÇOS - LEGISLAÇÃO A Lei Federal nº 10.962/2004 e o Decreto Federal nº 5.903/2006 que regulamenta a lei - regulam o direito/dever

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

MANUAL DE PRÁTICAS COMERCIAIS PORTAL AREDE

MANUAL DE PRÁTICAS COMERCIAIS PORTAL AREDE MANUAL DE PRÁTICAS COMERCIAIS PORTAL AREDE 1. A Compra do espaço publicitário 1.1 A tabela de preços Todos os formatos publicitários do PORTAL AREDE, com suas características técnicas e seus preços estão

Leia mais

Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor

Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor PLÍNIO LACERDA MARTINS Mestre em Direito Promotor de Justiça Prof. de Direito do Consumidor UGF pliniolacerda@aol.com

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA CRIAÇÃO DE CURRÍCULO NO SITE CURRICULOAGORA.COM.BR

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA CRIAÇÃO DE CURRÍCULO NO SITE CURRICULOAGORA.COM.BR TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA CRIAÇÃO DE CURRÍCULO NO SITE CURRICULOAGORA.COM.BR Os termos e condições abaixo se aplicam aos benefícios e ferramentas disponibilizados pelo CURRÍCULO AGORA para inclusão

Leia mais

CRIANÇA e CONSUMO. Publicidade dirigida à infância IMPACTOS E CONSEQÜÊNCIAS. Isabella Vieira Machado Henriques

CRIANÇA e CONSUMO. Publicidade dirigida à infância IMPACTOS E CONSEQÜÊNCIAS. Isabella Vieira Machado Henriques CRIANÇA e CONSUMO Publicidade dirigida à infância IMPACTOS E CONSEQÜÊNCIAS Isabella Vieira Machado Henriques o instituto ALANA Organização sem fins lucrativos que desenvolve atividades educacionais, culturais

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Análise das propagandas de cerveja segundo preceitos éticos e direitos fundamentais relacionados à igualdade dos gêneros

Análise das propagandas de cerveja segundo preceitos éticos e direitos fundamentais relacionados à igualdade dos gêneros Análise das propagandas de cerveja segundo preceitos éticos e direitos fundamentais relacionados à igualdade dos gêneros Bruna Rodrigues 1 ; Caroline Xavier 2 ; Lauriene Santos 3 ; Dayvid de Oliveira 4

Leia mais

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR 1 Sumário 1 - A origem do Código de Defesa do Consumidor...3 2 - Código de Defesa do Consumidor... 3 3 - Direitos

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR E A TUTELA ESTATAL DIANTE DA PUBLICIDADE ABUSIVA

CONSIDERAÇÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR E A TUTELA ESTATAL DIANTE DA PUBLICIDADE ABUSIVA CONSIDERAÇÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR E A TUTELA ESTATAL DIANTE DA PUBLICIDADE ABUSIVA Elaborado em 10.2006 Vitor Vilela Guglinski Assessor de juiz, especialista em Direito do Consumidor em

Leia mais

Prazo de Validade e indústria de alimento

Prazo de Validade e indústria de alimento Prazo de Validade e indústria de alimento Luiz Eduardo Carvalho Na Inglaterra uma cerveja em lata apresenta e prazo de validade nas tampas superior e inferior, bem como alerta no rótulo para que tal informação

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Concorrência lícita. Publicidade comparativa não denigre marca alheia Marcel Thiago de Oliveira* Resumo: O presente estudo visa investigar a publicidade comparativa à luz do ordenamento

Leia mais

DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR

DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR O PROCON MUNICIPAL tem como principal tarefa a proteção e defesa do consumidor, por isso desenvolveu este guia para melhor transparência e respeito, para você, consumidor.

Leia mais

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL ComIda de VerDadE no CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Texto elaborado pelo Grupo de Trabalho

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL

POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL Leia com atenção a nossa Política de Privacidade. Esta Política de Privacidade aplica-se à todos os usuários cadastrados no site, e integram os Termos e Condições

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

Política de Comunicação de Marketing

Política de Comunicação de Marketing OBJETIVO Esta política tem como objetivos garantir o alinhamento das ações e projetos de comunicação de marketing da TIM, com sua Missão e seus princípios com relação à Sustentabilidade, de forma responsável,

Leia mais

Primo Schincariol Indústria de Cerveja e Refrigerantes S.A.

Primo Schincariol Indústria de Cerveja e Refrigerantes S.A. São Paulo, 14 de maio 2013 À Primo Schincariol Indústria de Cerveja e Refrigerantes S.A. A/C Sr. Luiz Cláudio Taya de Araújo Diretor de Marketing Av. Primo Schincariol, 2300 Itu São Paulo 13312-900 Ref.:

Leia mais

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL Na ASBRASIL, já foram estabelecidas as direções básicas da ação empresarial, conforme estabelecido em nosso plano de negócios que deseja se consolidar em uma cultura

Leia mais

TERMO DE CADASTRO DE RECLAMAÇÃO

TERMO DE CADASTRO DE RECLAMAÇÃO TERMO DE CADASTRO DE RECLAMAÇÃO Dados da Reclamação Número da CIP Data de Cadastro 02137/2016/CIP 20/01/2016 14:35 Tipificação da Infração ART. 6º São direitos básicos do consumidor: INCISOS I, II, III,

Leia mais

MT/002-14 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ARGUS 12/2014 - VINHEDO, SP

MT/002-14 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ARGUS 12/2014 - VINHEDO, SP MT/002-14 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ARGUS 12/2014 - VINHEDO, SP 1 Código de Ética e Conduta da Argus MENSAGEM DO PRESIDENTE Este Código de Ética e Conduta foi elaborado com a finalidade de explicitar

Leia mais

Estratégias de Comunicação Ferramentas Utilizadas para Comunicação de Marketing

Estratégias de Comunicação Ferramentas Utilizadas para Comunicação de Marketing Estratégias de Comunicação Ferramentas Utilizadas para Comunicação de Marketing Profa. Waléria Macaciel Comunicação de marketing É o meio pelo qual as empresas buscam informar, persuadir e lembrar os consumidores,

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Prestação de Serviços Contrato de Prestação de Serviços Visão Geral dos Contratos: Formação dos Contratos;e Inadimplemento Contratual. Formação dos Contratos Validade do Negócio Jurídico: Agente

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL

RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL 1 RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL FABRICIO, M. A. F. Resumo: O presente trabalho tem por finalidade um estudo sobre a responsabilidade civil do sítio no comércio eletrônico,

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

Agência de Propaganda

Agência de Propaganda Agência de Propaganda Um assinante do Consultor Municipal fez a seguinte consulta: As empresas de propaganda e marketing são consideradas agências? E qual seria a base de cálculo do ISS? Por ser um assunto

Leia mais

MOBICONDO TERMOS DO SERVIÇO

MOBICONDO TERMOS DO SERVIÇO MOBICONDO TERMOS DO SERVIÇO FBT Tecnologia LTDA - ME., inscrita no CNPJ sob no 20.167.162/0001-26, com sede na Av Ipiranga 7464, 9º Andar Sala 914, Porto Alegre - RS, única e exclusiva proprietária do

Leia mais

TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO

TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO Por João Luiz Faria Netto A nova lei conta com normas principais e obrigatórias para a contratação de agências de publicidade

Leia mais

A Resolução CFM nº 1.974/2011

A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 Publicada no Diário Oficial da União em 19/8/2011. Entra em vigor 180 dias após sua publicação. Ementa: Estabelece os critérios norteadores da

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS ANEXAS AO TC Nº SEM INVESTIMENTO - PROPAGANDA -

CONDIÇÕES ESPECIAIS ANEXAS AO TC Nº SEM INVESTIMENTO - PROPAGANDA - I. DAS CONDIÇÕES ESPECIAS 1. DOS PRAZOS 1.1. Os prazos e condições estabelecidos no Edital Pregão Presencial n.º /ADSU/SBPA/2012, bem como a proposta do licitante adjudicatário, datada de / /2012, referente

Leia mais

REGRAS DO SITE. Finalidade do documento. Propriedade do site quemvecompra.com.br. Características gerais do serviço. Usuário

REGRAS DO SITE. Finalidade do documento. Propriedade do site quemvecompra.com.br. Características gerais do serviço. Usuário Finalidade do documento REGRAS DO SITE O presente documento tem por objeto estabelecer as Condições Gerais de Uso do site da QVC Quemvecompra.com.br (http://www.quemvecompra.com.br). Propriedade do site

Leia mais

Ao se cadastrar, o USUÁRIO compromete se a fornecer informações verdadeiras, atualizadas e completas, conforme solicitado nas páginas de registro.

Ao se cadastrar, o USUÁRIO compromete se a fornecer informações verdadeiras, atualizadas e completas, conforme solicitado nas páginas de registro. CADASTRO DO CURRÍCULO DO USUÁRIO Ao se cadastrar, o USUÁRIO compromete se a fornecer informações verdadeiras, atualizadas e completas, conforme solicitado nas páginas de registro. Fica expressamente estipulado

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR DIREITO DO CONSUMIDOR RELAÇÃO DE CONSUMO APLICABILIDADE O presente código estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos arts. 5, inciso XXXII,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda professor Rafael Ho mann Setores envolvidos Anunciante também conhecido como cliente, é a empresa, pessoa ou

Leia mais

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica.

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Além de tornar-se fundamental para a difusão do conhecimento e geração das relações interpessoais, a Internet

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Publicidade de bebidas alcoólicas - Novos rumos perante legislação Cássio Zill Henke * As discussões envolvendo a modificação do conceito de bebidas alcoólicas previsto no artigo

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 1 CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 03/09/2013 2 PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO E AS LIMITAÇÕES DO DECRETO 7.962/2013 3 Conclusões O CDC é mais do que suficiente para a

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta O Código de Ética e Conduta do ESA - Externato Santo Antônio estabelece o comportamento esperado de todos aqueles que trabalham na, para e com a instituição, e tem por objetivo

Leia mais

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA João Antonio Jardim Silveira 1 Amilto Muller ¹ Luciano Fagundes da Silva ¹ Luis Rodrigo Freitas ¹ Marines Costa ¹ RESUMO O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS ÍNDICE CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO

Leia mais

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação

Leia mais

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA APRESENTAÇÃO Este é o Código de Conduta da Net Serviços de Comunicação S.A. e de suas controladas ( NET ). A NET instituiu este Código de Conduta norteado

Leia mais

CÓDIGO BOAS PRÁTICAS COMUNICAÇÃO COMERCIAL PARA MENORES

CÓDIGO BOAS PRÁTICAS COMUNICAÇÃO COMERCIAL PARA MENORES CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS NA COMUNICAÇÃO COMERCIAL PARA MENORES Setembro 2005 ÍNDICE Introdução.... 2 Âmbito e Aplicação.. 3 Normas Éticas 3 Meios e Suportes... 5 Marketing nas Escolas e Educação Publicitária

Leia mais

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Objetivos da aula: Esta aula proporcionará ao aluno da disciplina de Marketing em Administração de Call Center compreender o sentido e a importância

Leia mais

A quem se destina: empresas, ONGs e instituições, personalidades, lideranças, profissionais liberais, CEOs e executivos.

A quem se destina: empresas, ONGs e instituições, personalidades, lideranças, profissionais liberais, CEOs e executivos. 1 REPUTAÇÃO DIGITAL Na era da informação digital, sua reputação não é construída apenas e partir das informações que você disponibiliza. Blogueiros, ativistas, funcionários, clientes e outras pessoas participam

Leia mais

A. Nossas diretrizes de publicidade consistem em critérios de conteúdo sólido, publicitário, padrões de comunidade e outros requisitos aplicáveis.

A. Nossas diretrizes de publicidade consistem em critérios de conteúdo sólido, publicitário, padrões de comunidade e outros requisitos aplicáveis. Filosofia de publicidade No Bairro Aqui, acreditamos que os anúncios devem contribuir e ser consistentes com a experiência geral do usuário. Os melhores anúncios são aqueles que oferecerem melhor conteúdo,

Leia mais

C O N C E I T O E I M A G E M. Transparência nas Ações

C O N C E I T O E I M A G E M. Transparência nas Ações C O N C E I T O E I M A G E M. Transparência nas Ações 1. TERMOS GERAIS Este é um serviço de usuários de web ou mesmo de criação espontânea de grupos virtuais, destinado à troca de assuntos interligados

Leia mais

PRODUTOS: FAÇA VALER SEUS DIREITOS NA HORA DA COMPRA E NO PÓS-VENDA!

PRODUTOS: FAÇA VALER SEUS DIREITOS NA HORA DA COMPRA E NO PÓS-VENDA! PRODUTOS: FAÇA VALER SEUS DIREITOS NA HORA DA COMPRA E NO PÓS-VENDA! CUIDADOS AO COMPRAR UM PRODUTO Houve um tempo em que o consumidor se sentia desamparado na hora de adquirir um produto. Sem contar com

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Minuta PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Altera a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 (Código de Defesa do Consumidor), para dispor sobre o comércio eletrônico. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

CONTRATO DE VEICULAÇÃO PUBLICITÁRIA

CONTRATO DE VEICULAÇÃO PUBLICITÁRIA ffwd D I G I T A L Kikuchi & Kikuchi Ltda. R. Mário Mourão 88 São Benedito - Poços de Caldas/MG CNPJ 02.763.780/0001-57 Insc.Estadual: isento english tv comunicação digital via internet CONTRATO DE VEICULAÇÃO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Por estar inserida em uma sociedade, a Interact Solutions preza por padrões de conduta ética em suas atividades, quando se relaciona com clientes, fornecedores, canais de distribuição,

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

Cartilha do Jovem Consumidor

Cartilha do Jovem Consumidor MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA PROGRAMA DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR - PROCON/PI Cartilha do Jovem Consumidor Projeto Educação para o Consumo Responsabilidade

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

REVISÃO DO CÓDIGO DA PUBLICIDADE

REVISÃO DO CÓDIGO DA PUBLICIDADE REVISÃO DO CÓDIGO DA PUBLICIDADE Alterações Substanciais ao Código da Publicidade Publicidade dirigida a menores e intervenção dos menores na Publicidade (art. 14.º do CP) A DGC salienta a necessidade

Leia mais

DECRETO Nº 30033 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2008

DECRETO Nº 30033 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2008 DECRETO Nº 30033 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2008 Regulamenta as Leis nº 2.475, de 1996, e nº 4.774, de 2008, e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO APRESENTAÇÃO COLABORADORES Princípios éticos funcionais Emprego e Ambiente de trabalho Conflito de interesses Segredos e informações comerciais SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE

Leia mais

Código de Ética AccessBrasil 1

Código de Ética AccessBrasil 1 Código de Ética AccessBrasil 1 Sumário 01. Objetivos 02. Estrutura Operacional e Fluxo de Informações 03. Missão e Valores 04. Relações com Fornecedores 05. Relações com Clientes e Consumidores 06. Negociações

Leia mais

Prefácio 11 Introdução 13

Prefácio 11 Introdução 13 Sumário Prefácio 11 Introdução 13 1. Contextualização: Internet, redes sociais sob a ótica da responsabilidade jurídica e o Marco Civil da Internet 17 1.1 A regulamentação jurídica da internet 19 1.1.1

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.771, DE 2004 Dispõe sobre a identificação obrigatória da localização de paisagens de interesse turístico nas condições que

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

Mensagem da Direção da AEVA

Mensagem da Direção da AEVA Mensagem da Direção da AEVA Caros colaboradores, consumidores e parceiros da Associação para a Educação e Valorização da Região de Aveiro: Nos dias de hoje, a importância que se dá à ética, ao respeito

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

Juliana Toledo. Ética e seus aspectos jurídicos ÉTICA: A ÚNICA FORMA DE MANTER O NEGÓCIO DA COMUNICAÇÃO NO AGRONEGÓCIO SAUDÁVEL.

Juliana Toledo. Ética e seus aspectos jurídicos ÉTICA: A ÚNICA FORMA DE MANTER O NEGÓCIO DA COMUNICAÇÃO NO AGRONEGÓCIO SAUDÁVEL. PAINEL ÉTICA Juliana Toledo Ética e seus aspectos jurídicos Juliana Toledo Formada pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco Tem especialização na área de Direito Empresarial e Tributário. Master

Leia mais

Introdução à Actividade Publicitária

Introdução à Actividade Publicitária ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES CURSO PROFISSIONAL de Técnico de Comunicação, Marketing, Relações Públicas e Publicidade DISCIPLINA: CPC ANO: 10º Turma: H ANO 2010/2011 MÓDULO A1 definir

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE FERNANDÓPOLIS FORO DISTRITAL DE OUROESTE JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE FERNANDÓPOLIS FORO DISTRITAL DE OUROESTE JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL fls. 1 CONCLUSÃO Aos 12 de julho de 2013, faço os presentes autos conclusos ao MM. Juiz de Direito Dr. LUIZ GUSTAVO ROCHA MALHEIROS. Eu (Daniela Dacyszyn Leme Macedo), Escrivã Judicial II Substituta, digitei.

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1903N - Comunicação Social: Relações Públicas. Ênfase

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1903N - Comunicação Social: Relações Públicas. Ênfase Curso 1903N - Comunicação Social: Relações Públicas Ênfase Identificação Disciplina 0003245A - Publicidade e Propaganda Docente(s) Vinicius Martins Carrasco de Oliveria Unidade Faculdade de Arquitetura,

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing. Com DANILO CUNHA

A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing. Com DANILO CUNHA A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing Com DANILO CUNHA Ética A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing Conceito Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Walter Feldman) Dispõe sobre a proteção dos direitos de propriedade intelectual e dos direitos autorais na Internet. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

É Natural Educar Assim 1

É Natural Educar Assim 1 É Natural Educar Assim 1 Luana da Silva de ANDRADE 2 Larissa Santos de ASSIS 3 Luana Cristina KNOD 4 Rafaela Ritz dos SANTOS 5 Simone Cristina KAUFMANN 6 Tamires Lopes SILVA 7 YhevelinSerrano GUERIN 8

Leia mais

A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL

A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL Terceira medição ano 2006 Pesquisa encomendada ao IBOPE pela ABP- Associação Brasileira de Propaganda Série histórica iniciada em 2002 Principais objetivos - Avaliar a

Leia mais

PUBLICIDADE E MARKETING MÉDICO NA ERA ELETRÔNICA: QUAIS OS LIMITES?

PUBLICIDADE E MARKETING MÉDICO NA ERA ELETRÔNICA: QUAIS OS LIMITES? VIII SIMPÓSIO MINEIRO DE INTERCORRÊNCIAS EM CIRURGIA PLÁSTICA OURO PRETO, 04 de abril de 2014 PUBLICIDADE E MARKETING MÉDICO NA ERA ELETRÔNICA: QUAIS OS LIMITES? EDUARDO SUCUPIRA Comissão de Marketing

Leia mais

Código de Ética dos Profissionais da Propaganda Outubro de 1957

Código de Ética dos Profissionais da Propaganda Outubro de 1957 Código de Ética dos Profissionais da Propaganda Outubro de 1957 Define os princípios éticos que devem nortear a publicidade I. A propaganda é a técnica de criar opinião pública favorável a um determinado

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

TERMO DE RESPONSABILIDADE E DE ACEITE PARA UTILIZAÇÃO DO ATENDIMENTO WEB DO CREA-RJ

TERMO DE RESPONSABILIDADE E DE ACEITE PARA UTILIZAÇÃO DO ATENDIMENTO WEB DO CREA-RJ TERMO DE RESPONSABILIDADE E DE ACEITE PARA UTILIZAÇÃO DO ATENDIMENTO WEB DO CREA-RJ 1. Aceitação dos Termos e Condições de Uso O uso do Atendimento Web oferecido pela CREA-RJ está condicionado à aceitação

Leia mais

consumidor consulte seus direitos

consumidor consulte seus direitos Câmara dos Deputados consumidor consulte seus direitos com VINICIUS CARVALHO Deputado Federal Centro de Documentação e Informação Coordenação de Publicações BRASÍLIA 2008 05948.indd 1 25/04/2008 13:50:24

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA 1. Curso: COMUNICAÇÃO SOCIAL: Publicidade e Propaganda Código: 12 3.Modalidade(s): Bacharelado x Licenciatura

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA

REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA A EDITORA BOA VISTA LTDA, pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua Lobo D almada, 43, na cidade Boa Vista, Estado de Roraima, inscrita no CNPJ

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA I Código: HT/OC 261 Curso: Comunicação Social Publicidade e Propaganda Pré-requisito: não tem Natureza: Semestral Carga horária: Aulas teóricas: 30 horas-aula Aulas práticas:

Leia mais

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO TOPHQ" O presente Termo e Condições Gerais regulamentam o concurso TOPHQ.

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO TOPHQ O presente Termo e Condições Gerais regulamentam o concurso TOPHQ. TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO TOPHQ" O presente Termo e Condições Gerais regulamentam o concurso TOPHQ. Por favor, leia atentamente antes de participar. CONCORDÂNCIA COM OS TERMOS 1 - A Yamato Comunicações

Leia mais

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda.

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda. Código de Ética SPL Consultoria e Informática Ltda. Introdução Segundo o dicionário Aurélio ética é o estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana suscetível de qualificação do ponto

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA SWEETMIX

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA SWEETMIX CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA SWEETMIX Caro Colaborador, A prática do Código de Conduta Ética é tão importante que fazemos questão que cada colaborador tenha seu próprio exemplar para ler e consultar sempre

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais