Programa de Residência Médica em Pneumologia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Residência Médica em Pneumologia"

Transcrição

1 Programa de Residência Médica em Pneumologia Proposta da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia A formação do Especialista em Pneumologia deve se pautar nos Programas de Excelência de formação do profissional médico a Residência Médica. Para tanto pretende que o treinamento realizado nos programas credenciados possa propiciar uma a abrangência em áreas de treinamento, habilidades e competências, incluindo em um programa de acesso direto com duração de 3 anos capaz de fornecer uma sólida formação em clínica médica, ampliando o atendimento que contemple a identificação de sintomáticos respiratórios na saúde básica, a identificação das doenças obstrutivas de alta prevalência e morbidade como asma e DPOC, o tratamento do tabagismo e avaliação de pacientes com doença tabaco relacionadas, bem como a abordagem das infecções virais e bacterianas agudas e outras áreas relevantes em termos de saúde pública e da saúde suplementar. Principais características do Programa 1. O serviço que oferece a residência médica em Pneumologia deverá ter a capacidade propiciar uma sólida formação em clinica médica que deverá ser realizado no primeiro ano de treinamento devendo contemplar: atividades dentro da Unidade Hospitalar e atividades Extra-muros: As atividades hospitalares incluindo atendimento de emergência que inclui observação clínica sala de emergência, internados, atendimento semiintensivo e treinamento em Unidade de Terapia Intensiva, treinamento em áreas de clínica geral, cardiologia, infectologia, nefrologia, reumatologia, oncologia, gastroenterologia, endocrinologia e medicina interna, no prontoatendimento e ambulatorial. As atividades extra-muros deverão ser desenvolvidas nas unidades básicas de saúde e centro de referencias específicos contemplando a pneumologia pediátrica e a tuberculose.

2 2. O residente deverá cumprir 3 anos de treinamento em regime de tempo integral com carga horária de 60 hs/ semana, sendo o R1-( primeiro) direcionado para a formação geral (1440 horas) e R2 (segundo e R3 (terceiro) destinados a cumprir o programa de treinamento na especialidade ( 2880 horas), sendo essa a duração mínima obrigatória do PRM, para recebimento do certificado de conclusão. 3. O pré-requisito para acesso direto é o graduação em Medicina. 4. O número de vagas ofertadas deverá ser proporcional ao número de médicos, e da capacidade do cenário de atuação profissional colocado a disposição do treinamento. Deverá ser descrito o Corpo Clínico do Hospital e o número de assistidos, número de pacientes e médicos que atuam na Área de Pneumologia, número de médicos que atuam efetivamente como Preceptores; qualificação média, títulos, e a experiência com Residência Médica dos supervisores de atuação dos residentes. 5. Descrição das principais características do serviço: caracterização das unidades de saúde utilizadas para treinamento; relação aluno/população ;integração ou relacionamento do Programa com as áreas clínicas ( Clinica Médica, Pediatria, Ginecologia/Obstetrícia e Cirurgia Geral ) e Saúde Mental ;integração ou relacionamento do Programa com as Ciências Humanas e outras áreas de interesse ( estatística, p. ex. ) ;integração ou relacionamento com serviços locais de saúde, especificando-se os níveis de atenção ; integração, relacionamento e utilização efetiva de outros recursos locais para treinamento de alunos nas áreas sociais ( Centros de Desenvolvimento Social, p. ex. ), educacional, ocupacional, de laser, etc. ; relacionamento com os serviços não formais de saúde 6. A programação prática e assistencial do programa de residência médica sugerida é a de estágios em rodízio por subespecialidade, com distribuição das atividades durante a jornada diária, plantões, folgas, sempre com orientação e supervisão de preceptores experientes. 7. Programação teórico-didática do programa de residência médica incluído: aulas, reuniões clínicas, sessões anátomo-clínicas, sessão de óbitos, participação em reuniões de grupos de revisão de artigos e pesquisa, seminários, cursos, grupos de discussão de assuntos específicos. Deverá haver uma distribuição destas atividades durante a jornada diária ou

3 semanal; sendo cobrado o cumprimento efetivo da programação e supervisores nesta programação. 8. Métodos específicos de avaliação do aprendizado neste PRM; sendo sugerida avaliação por provas teóricas e práticas com avaliação de habilidades. 9. Desenvolvimento de pesquisas ou trabalhos de revisão neste PRM; utilização do compilação de dados e levantamento bibliográfico. Principais Habilidades a serem adquiridas durante o PRM 1. Adquirir conhecimentos teóricos básicos e avançados. 2. Capacidade para obter dados de história e exame físico pertinentes. 3. Estudo de medidas preventivas. 4. Conhecimento do método científico para avaliação crítica e elaboração de trabalhos científicos e projetos de pesquisas. 5. Manter-se atualizado pelo acesso constante a publicações científicas. 6. Desenvolver habilidades clínicas. 7. Desenvolver capacidade de julgamento e discernimento para indicação de exames e tratamentos eficazes e eficientes. 8. Capacidade comunicativa com pacientes, colegas, profissionais da área e demais pessoas envolvidas com o tratamento. 9. Capacidade de trabalho em equipe de forma harmoniosa. 10. Observância dos princípios éticos. Compromisso e responsabilidade profissional. Carga Horária R1: Primeiro ano ( 2880 horas/ano)

4 a) unidade de internação em enfermaria de Clínica Médica Geral: mínimo de 20% da carga horária anual; b) unidade de internação em enfermaria de especialidades: mínimo de 20% da carga horária anual; c) ambulatório geral e em unidade básica de saúde: mínimo de 20% da carga horária anual; d) urgência e emergência: mínimo de 15% da carga horária anual; e) unidade de terapia intensiva: mínimo de 5% da carga horária anual. f) estágios obrigatórios: Cardiologia, Gastroenterologia, Nefrologia e Pneumologia; Moléstias Infecciosas g) estágios opcionais: Dermatologia, Radiologia e Diagnóstico por imagem, Endocrinologia, Geriatria, Hematologia e Hemoterapia, Neurologia, Reumatologia ou outros a critério da Instituição; h) cursos obrigatórios: Epidemiologia Clínica, Biologia Molecular Aplicada, Organização de Serviços de Saúde. R2. Segundo ano e R3 Terceiro ano ( 2880 horas/ano) a) enfermaria de pneumologia; mínimo de 20% da carga horária anual; b) medicina especializada ambulatorial incluindo. DPOC, asma, Doenças respiratórias do Sono; Oncologia Torácica, Doenças Intersticiais, Doença da Circulação Pulmonar, Infecções, Tuberculose, Tosse, Bronquiectasias, Doenças Pleurais, Alergia, Tabagismo, Função Pulmonar e endoscopia respiratória. Imagem em Pneumologia. Doenças Ocupacionais. mínimo de 30% da carga horária anual; c) consultoria em urgências em pneumologia (unidade de emergência ou pronto atendimento); mínimo de 15% da carga horária anual; d) Estágios obrigatórios: em setores de sono, PFP, UTI, reabilitação, broncoscopia;

5 e) Estágios opcionais: hemodinâmica pulmonar, otorrinolaringologia, pneumologia pediatria, cirurgia torácica (incluindo unidade de transplante pulmonar); Conteúdos programáticos Considerando as atuais necessidades e avanços da pneumologia, sugerimos que os programas de residência contemplem (de preferência em setores/unidades específicas): Asma; Cessação de tabagismo; DPOC; Circulação pulmonar tromboembolia pulmonar e hipertensão pulmonar; Perioperatório; Infecções respiratórias: tuberculose, micoses e outras; Pneumonia; Doenças difusas; Tosse crônica; Doenças pleurais; Neoplasias respiratórias; Pneumopatias ocupacionais; Doenças respiratórias do sono; Supurações pulmonares; Insuficiência respiratória. Habilidades As seguintes habilidades são consideradas essenciais:

6 Realização e interpretação de testes de função pulmonar; Ventilação mecânica; Broncoscopia; Interpretação dos laudos de polissonografia; Interpretação de exames de imagem torácica; Realização de punção e biópsia pleural; Monitorização hemodinâmica. Desenvolvimento do conteúdo programático Atividades regulares exigidas: Leitura e interpretações de artigos; Reunião clínica (patologia, radiologia, clínica, cirurgia torácica); Seminários sobre os principais assuntos; Princípios de medicina baseada em evidência; Princípios de bioestatística; Princípios de bioética; Metodologia científica.

CONCURSO PÚBLICO 01/2016-EBSERH/CH-UFPA ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH ÁREA MÉDICA, DE 27 DE JUNHO DE 2016 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 01/2016-EBSERH/CH-UFPA ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH ÁREA MÉDICA, DE 27 DE JUNHO DE 2016 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 01/2016-EBSERH/CH-UFPA ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH ÁREA MÉDICA, DE 27 DE JUNHO DE 2016 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 006 Médico - Anestesiologia

Leia mais

COMISSÃO DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CCEX. Av. Dr. Arnaldo, 455 1º andar sala 1301 FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA

COMISSÃO DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CCEX. Av. Dr. Arnaldo, 455 1º andar sala 1301 FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA COMISSÃO DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CCEX Av. Dr. Arnaldo, 455 1º andar sala 1301 FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA Nome do Programa Programa de Complementação Especializada

Leia mais

Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1

Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1 Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1 1. Conceituação Número médio de consultas médicas apresentadas 1 no Sistema Único de Saúde (SUS) por habitante, em determinado espaço geográfico, no

Leia mais

I FÓRUM DE PEDIATRIA DO CFM

I FÓRUM DE PEDIATRIA DO CFM I FÓRUM DE PEDIATRIA DO CFM O currículo atual é suficiente? Christianne Martins Coordenadora da RM de Pediatria da Faculdade de Ciências Médicas/UERJ Membro do Comitê de Ensino da SOPERJ RESOLUÇÃO CNRM

Leia mais

ANEXO I ESPECIALISTA EM SAÚDE MÉDICO

ANEXO I ESPECIALISTA EM SAÚDE MÉDICO ANEXO I ESPECIALISTA EM SAÚDE MÉDICO Cód Denominação do Emprego público Nº de vagas* Nº de vagas (Lei nº 13.398/02)** Carga Horária Semanal Vencimentos Padrão ESM-1 R$ 1.432 Grat. Esp. Prest. Serv. Assist.

Leia mais

Número de procedimentos diagnósticos por consulta médica (SUS) F.2

Número de procedimentos diagnósticos por consulta médica (SUS) F.2 Número de procedimentos diagnósticos por consulta médica (SUS) F.2 Número de procedimentos diagnósticos por consulta médica (SUS) 1. Conceituação Número médio de procedimentos diagnósticos, de patologia

Leia mais

Rua Dr. Cesário Motta Jr., 61- CEP: 01221-020 - São Paulo - SP. Telefone: (55 11) 3367-7700

Rua Dr. Cesário Motta Jr., 61- CEP: 01221-020 - São Paulo - SP. Telefone: (55 11) 3367-7700 DISCIPLINA DE SISTEMA RESPIRATÓRIO e ANATOMIA PATOLÓGICA I Departamento de Clínica Médica da FCMSCSP Departamento de Ciências Patológicas da FCMSCSP 3º ANO/2012 1º RODÍZIO- GRUPO B Coordenador da Disciplina

Leia mais

TÉCNICO EM CONTABILIDADE Código 101

TÉCNICO EM CONTABILIDADE Código 101 TÉCNICO OPERACIONAL DE SAÚDE-TOS NÍVEL II GRAU A TÉCNICO EM CONTABILIDADE Código 101 Questão 01: D Questão 11: C Questão 21: D Questão 31: B Questão 02: A Questão 12: A Questão 22: A Questão 32: C Questão

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA - BH

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA

COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA Pedido de Credenciamento de Programa Nome Completo da Instituição COMPLEXO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROFESSOR EDGARD SANTOS Endereço Completo RUA AUGUSTO VIANA S/N,

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. 10 PÓS-GRADUAÇÃO EM EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS - BH Unidade

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR: C/H Sem. TOTAL 23 360 100 460 - C/H Sem. 09 Anatomia Humana II 4 40 40 80 Anatomia Humana I

MATRIZ CURRICULAR: C/H Sem. TOTAL 23 360 100 460 - C/H Sem. 09 Anatomia Humana II 4 40 40 80 Anatomia Humana I MATRIZ CURRICULAR: Nº DISCIPLINA - 1 SEMESTRE 01. Anatomia Humana I 4 40 40 80 Não 02. Fundamentos Antropológicos 2 40-40 Não 03. Fundamentos de Biologia Celular e Genética 4 60 20 80 Não 04. Bioquímica

Leia mais

ENTREVISTAS PROCESSO SELETIVO 2015

ENTREVISTAS PROCESSO SELETIVO 2015 ENTREVISTAS PROCESSO SELETIVO 2015 Seguem abaixo a data e o local para entrevistas e formas de envio dos currículos para os candidatos aprovados para a 2ª Fase. A lista com número de inscrição, nome e

Leia mais

Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1

Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1 Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1 Conceituação Número médio de consultas médicas apresentadas 1 no Sistema Único de Saúde (SUS) por habitante, em determinado espaço geográfico, no ano

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 6 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL APLICADA

Leia mais

Associação Médica de Assistência I ntegrada

Associação Médica de Assistência I ntegrada Circular aos Associados (Convênio BACEN) 39/10 Comunicamos aos associados que a partir de 15 de abril de 2010 as guias de atendimento, relativas às consultas e visitas hospitalares deverão ser preenchidas

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL Dr Alexandre de Araújo Pereira Atenção primária no Brasil e no Mundo 1978 - Conferência de Alma Ata (priorização da atenção primária como eixo de organização

Leia mais

Não jogue este impresso em via pública. Preserve o meio ambiente. Universidade Federal do Espírito Santo. Medicina. Centro de Ciências da Saúde

Não jogue este impresso em via pública. Preserve o meio ambiente. Universidade Federal do Espírito Santo. Medicina. Centro de Ciências da Saúde Não jogue este impresso em via pública. Preserve o meio ambiente. Universidade Federal do Espírito Santo Medicina Centro de Ciências da Saúde Medicina O Curso de Medicina da Ufes começou a funcionar efetivamente,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL Anexo à Resolução Nº 26 de 21 de junho de 2013. REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL CAPÍTULO I - DO CONCEITO, FINALIDADES E OBJETIVOS CAPÍTULO II - DAS ÁREAS, CAMPOS E ATIVIDADES

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: : 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE, SAÚDE e SEGURANÇA Habilitação Profissional: Técnico de Enfermagem

Leia mais

O QUE ESPERAR DE UMA ESPECIALIZAÇÃO DE 360H?

O QUE ESPERAR DE UMA ESPECIALIZAÇÃO DE 360H? XII Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém/PA O QUE ESPERAR DE UMA ESPECIALIZAÇÃO DE 360H? Marcelo Gonçalves Depto. Medicina Social / UFRGS Contexto Insuficiência de profissionais

Leia mais

NORMAS PARA AS DISCIPLINAS OPTATIVAS E ESTÁGIOS EXTERNOS DO CURSO DE MEDICINA

NORMAS PARA AS DISCIPLINAS OPTATIVAS E ESTÁGIOS EXTERNOS DO CURSO DE MEDICINA NORMAS PARA AS DISCIPLINAS OPTATIVAS E ESTÁGIOS EXTERNOS DO Facimed/Medicina - 2012. 1 INTRODUÇÃO As disciplinas optativas são períodos de inserção do acadêmico em áreas específicas da prática profissional,

Leia mais

01. Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí - HU-UFPI Vagas (Ampla Concorrência)

01. Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí - HU-UFPI Vagas (Ampla Concorrência) CONCURSO PÚBLICO 09/2015 EBSERH/CONCURSO NACIONAL ANEXO I DO EDITAL Nº 02 EBSERH ÁREA MÉDICA, DE 07 DE DEZEMBRO DE 2015 QUADRO DE VAGAS, SALÁRIO E CARGA HORÁRIA SEMANAL RETIFICADO 01. Hospital Universitário

Leia mais

PROJETO REVIVENDO O IASERJ

PROJETO REVIVENDO O IASERJ PROJETO REVIVENDO O IASERJ Proposta alternativa à cessão do IASERJ CENTRAL ao INCa Considerando que o servidor público estadual e seus dependentes ( aproximadamente 1.200.000 pessoas ) precisam ter suas

Leia mais

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do 5. PROCEDIMENTOS 5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do Manual Brasileiro de Acreditação das

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DA RESIDÊNCIA MÉDICA PARA O ANO DE 2015 RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA

PROCESSO SELETIVO DA RESIDÊNCIA MÉDICA PARA O ANO DE 2015 RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA 01 - ÁREAS BÁSICAS COM ACESSO DIRETO Acupuntura - 2 anos 2 2 1,0 Anestesiologia - 3 anos 33 290 8,8 Cirurgia Geral - 2 anos 42 294 7,0 Clínica Médica - 2 anos 86 435 5,1 Dermatologia - 3 anos 10 110 11,0

Leia mais

Anexo I. Quadro de vagas por Hospital / Especialidades AREAS BÁSICAS

Anexo I. Quadro de vagas por Hospital / Especialidades AREAS BÁSICAS Anexo I Quadro de vagas por Hospital / Especialidades COD.101 - CLÍNICA MÉDICA AREAS BÁSICAS 1 Associação Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus (UNOESTE) 3 2 Conjunto Hospitalar do Mandaqui

Leia mais

Aline Lemes de Souza Curriculum Vitae

Aline Lemes de Souza Curriculum Vitae Aline Lemes de Souza Curriculum Vitae Aline Lemes de Souza Curriculum Vitae Dados Pessoais Nome: Aline Lemes de Souza. Filiação: Antonio Lemes de Souza e Celestia Baron. Nascimento: 31/08/1988 - Modelo/SC

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul CLASSIFICADOS PARA SEGUNDA FASE POR NÚMERO DE INSCRIÇÃO 1- ACESSO DIRETO Anestesiologia 107432 107463 107594 107643 107756 107927 107935 108135 108404 108533 108550 108571 108582 Cirurgia Geral 107377

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA OF/PRE/0704/2010 São Paulo, 12 de maio de 2010. PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA OBJETIVOS DO PROGRAMA Objetivo Geral Capacitar o profissional médico durante os dois anos de treinamento de conteúdo

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DO PROGRAMA BÁSICO DO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO E FORMAÇÃO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

REQUISITOS MÍNIMOS DO PROGRAMA BÁSICO DO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO E FORMAÇÃO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM 1. Objetivo REQUISITOS MÍNIMOS DO PROGRAMA BÁSICO DO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO E FORMAÇÃO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM O campo do Diagnóstico por Imagem envolve, atualmente, uma variedade de técnicas

Leia mais

Concurso para Emprego Público Nível Superior

Concurso para Emprego Público Nível Superior PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA FUNDAÇÃO SAÚDE DO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA ESTADO DE MINAS GERAIS Concurso para Emprego Público Nível Superior REF. EDITAL N 01/2015 GABARITO PÓS-RECURSOS MANHÃ NÍVEL

Leia mais

ANEXO A RESOLUÇÃO CEPE 07/2009 MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA -. GRADE CURRICULAR

ANEXO A RESOLUÇÃO CEPE 07/2009 MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA -. GRADE CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA -. GRADE CURRICULAR PRIMEIRO SEMESTRE Biologia 2 0 2 036 Anatomia Humana I 2 2 4 072 Histologia 2 2 4 072 Bioquímica 2 0 2 036 Noções de Enfermagem 1 1 2 036

Leia mais

Horário de Aula do 2º ao 8º Períodos *Veja o Horário da Distribuição de Salas no Site

Horário de Aula do 2º ao 8º Períodos *Veja o Horário da Distribuição de Salas no Site Horário de Aula do 2º ao 8º Períodos *Veja o Horário da Distribuição de Salas no Site Curso de Medicina HISTOL. MÉDICA (P1) (P1) (T) P.S.P.S. (T) HISTOL. MÉDICA (T) Profª Josefa Lab. de Histologia P.S.P.S.

Leia mais

03 Aprimoramento em Terapia Nutricional para Nutricionistas Forma de envio do Currículo: no dia da Entrevista

03 Aprimoramento em Terapia Nutricional para Nutricionistas Forma de envio do Currículo: no dia da Entrevista FORMAS DE ENVIO DOS CURRÍCULOS Seguem abaixo formas de envio dos Currículos, para os candidatos aprovados para a Entrevista (2ª Fase). A lista com número de inscrição, nome e nota de todos os candidatos

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG - DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA

FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG - DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG - DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA DISCIPLINA: PEDIATRIA 5 Coordenadora: Mônica M. de A. Vasconcelos Sub-coordenadora: Data da atualização do documento: julho/2014 1 Características

Leia mais

SAÍDAS HOSPITALARES Serviços Contratados Meta Realizado % Alcance das Metas Clínica Médica 136 146 93,38 % Saídas Clínica Cirúrgica 160

SAÍDAS HOSPITALARES Serviços Contratados Meta Realizado % Alcance das Metas Clínica Médica 136 146 93,38 % Saídas Clínica Cirúrgica 160 SAÍDAS HOSPITALARES Serviços Contratados Meta Realizado % Alcance das Metas Clínica Médica 136 146 93,38 % Saídas Clínica Cirúrgica 160 83 63,75% Hospitalares TOTAL DE SAÍDAS 296 229 77,36% Fonte: MV SOUL:

Leia mais

COD.101 - CLINICA MÉDICA 02 ANOS

COD.101 - CLINICA MÉDICA 02 ANOS COD.101 - CLINICA MÉDICA 02 ANOS AREAS BÁSICAS 1 Associação Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus (UNOESTE) 12 2 Complexo Hospitalar Ouro Verde 12 3 Faculdade de Medicina de Catanduva 10 4

Leia mais

XIV CURSO TEÓRICO-PRÁTICO DE PNEUMOLOGIA PEDIÁTRICA SERVIÇO DE PNEUMOLOGIA PEDIÁTRICA DO HOSPITAL DA CRIANÇA SANTO ANTÔNIO

XIV CURSO TEÓRICO-PRÁTICO DE PNEUMOLOGIA PEDIÁTRICA SERVIÇO DE PNEUMOLOGIA PEDIÁTRICA DO HOSPITAL DA CRIANÇA SANTO ANTÔNIO XIV CURSO TEÓRICO-PRÁTICO DE PNEUMOLOGIA PEDIÁTRICA SERVIÇO DE PNEUMOLOGIA PEDIÁTRICA DO HOSPITAL DA CRIANÇA SANTO ANTÔNIO Apoio: Departamento de Pediatria da Fundação Universidade Federal de Ciências

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM. 12 Semiologia e Semiotécnica aplicada à Enfermagem 60 30 90

CURSO DE ENFERMAGEM. 12 Semiologia e Semiotécnica aplicada à Enfermagem 60 30 90 CURSO DE ENFERMAGEM I Curso: Graduação em Enfermagem Carga Horária Total do Curso: 4170 horas Turno de Aplicação: Noturno Regime: Seriado Semestral Vigência: 2016/2 Tempo de Integralização: Mínimo - 05

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.149/2016

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.149/2016 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.149/2016 (Publicada no D.O.U. de 03 de agosto de 2016, Seção I, p. 99) Homologa a Portaria CME nº 02/2016, que aprova a relação de especialidades e áreas de atuação médicas aprovadas

Leia mais

PNEUMOLOGIA LINHA DE CUIDADO GERAL EM ASMA E DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)

PNEUMOLOGIA LINHA DE CUIDADO GERAL EM ASMA E DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC) LINHA DE CUIDADO GERAL EM ASMA E DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC) Nível de Atenção Ações em Saúde Ações e Procedimentos Específicos Atenção Básica Atenção Especializada de Média Complexidade (Ambulatorial,

Leia mais

AUDIENCIA PÚBLICA NA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMILIA. TEMA : Debater o reajuste da tabela do SUS aplicável aos hospitais filantrópicos

AUDIENCIA PÚBLICA NA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMILIA. TEMA : Debater o reajuste da tabela do SUS aplicável aos hospitais filantrópicos AUDIENCIA PÚBLICA NA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMILIA TEMA : Debater o reajuste da tabela do SUS aplicável aos hospitais filantrópicos Março/15 Formas de transferências federais Per capita Incentivos

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA - BH Unidade Dias e Horários

Leia mais

Grade Curricular - Medicina

Grade Curricular - Medicina Grade Curricular - Medicina SEMESTRE 1 RCG0111 Bases Biológicas da Medicina 34 0 34 RCG0121 Iniciação à Saúde 5 0 5 RCG0130 Fundamentos Humanísticos do Saber Médico I 4 0 4 Total: 43 SEMESTRE 2 RCG0121

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini

QUESTIONÁRIO SOBRE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini QUESTIONÁRIO SOBRE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 1. UF: 2. Município:

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA - MEC Relatório de Visita de Avaliação Dados do PRM

COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA - MEC Relatório de Visita de Avaliação Dados do PRM COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA - MEC Relatório de Visita de Avaliação Dados do PRM Instrumento de Avaliação (um por programa) DATA DA VISITA: NOME DA INSTITUIÇÃO Coloque o nome cadastrado no www.siscnrm.mec.gov.br

Leia mais

- Ter duração mínima de 3 anos de curso em tempo integral.

- Ter duração mínima de 3 anos de curso em tempo integral. CRITÉRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE PEDIDO DE RECONHECIMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSIQUIATRIA PELA COMISSÃO DE RESIDÊNCIA E CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSIQUIATRIA DA ABP 1) PRELIMINARES - Encaminhar

Leia mais

COMISSÃO DE SISTEMATIZAÇÃO DA REFORMA CURRICULAR

COMISSÃO DE SISTEMATIZAÇÃO DA REFORMA CURRICULAR REESTRUTURAÇÃO DAS ATIVIDADES DO CURSO MÉDICO CARACTERIZAÇÃO DAS DISCIPLINAS E ESTÁGIOS DA NOVA MATRIZ CURRICULAR CÓDIGO DA DISCIPLINA ATUAL: --- NOME ATUAL: --- NOVO NOME: SAÚDE MENTAL EM CUIDADOS PRIMÁRIOS

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENFERMAGEM II GRADE: RESOLUÇÃO CEPEC Nº 831 MATRIZ CURRICULAR:

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE)

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) Núcleo de Apoio à Prática Profissional das Licenciaturas CURSOS DE LICENCIATURAS PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Atualizado em 17 jun 2016 5º. PERÍODO 4º. PERÍODO

Leia mais

MÉDICO - CANCEROLOGIA CLÍNICA C A D B E C E A D A B C D A E B C D C D A D E B B MÉDICO - CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA E D D E A C D C C E E D B C E A C C E

MÉDICO - CANCEROLOGIA CLÍNICA C A D B E C E A D A B C D A E B C D C D A D E B B MÉDICO - CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA E D D E A C D C C E E D B C E A C C E Gabarito Definitivo MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - MEAC-UFC E HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - HUWC-UFC CONCURSO PÚBLICO

Leia mais

Curso: Bacharelado em Psicologia. Portaria de Autorização n 657 de 08/05/2009 Publicado no D.O.U. 11/05/2009

Curso: Bacharelado em Psicologia. Portaria de Autorização n 657 de 08/05/2009 Publicado no D.O.U. 11/05/2009 Curso: Bacharelado em Psicologia Portaria de Autorização n 657 de 08/05/2009 Publicado no D.O.U. 11/05/2009 Área de Formação: Psicologia Diploma em: Bacharel em Psicologia Período de Integralização: Mínimo

Leia mais

Enfermagem em Centro Cirúrgico. Código Instituição Vagas Duração (Anos) Hospital da Restauração 2 2. Enfermagem em Emergência Geral

Enfermagem em Centro Cirúrgico. Código Instituição Vagas Duração (Anos) Hospital da Restauração 2 2. Enfermagem em Emergência Geral Onde se lê 3. Das Vagas por Instituição de Saúde e Durações dos Programas O número de vagas oferecidas pelas diversas instituições de saúde participantes e as durações dos respectivos programas encontram-se

Leia mais

ENSINO SUPERIOR E REFORMULAÇÃO CURRICULAR

ENSINO SUPERIOR E REFORMULAÇÃO CURRICULAR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DIRETORIA DE POLÍTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Bases Diagnósticas. Prof. Ms. Elton Pallone de Oliveira

Bases Diagnósticas. Prof. Ms. Elton Pallone de Oliveira Bases Diagnósticas Apresentação Carga horária CARGA HORÁRIA SEMANAL: 2 horas CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 horas Ementa Estudo dos principais diagnósticos clínicos na área da saúde e sua aplicabilidade associativa

Leia mais

Acesso às Consultas Externas do Serviço de Estomatologia do Hospital de Santa Maria do Centro Hospitalar Lisboa Norte

Acesso às Consultas Externas do Serviço de Estomatologia do Hospital de Santa Maria do Centro Hospitalar Lisboa Norte Acesso às Consultas Externas do Serviço de Estomatologia do Hospital de Santa Maria do Centro Hospitalar Lisboa Norte O Serviço de Estomatologia do Hospital de Santa Maria (SE do HSM) do Centro Hospitalar

Leia mais

Setor de Gestão do Ensino

Setor de Gestão do Ensino Setor de Gestão do Ensino Gerência de Ensino e Pesquisa do Hospital de Clínicas UFTM/EBSERH Relatório da avaliação inicial das ações de ensino (técnico, graduação e pós-graduação) e extensão no âmbito

Leia mais

ANEXO CONVÊNIO CELEBRADO ENTRE O CFM, A AMB E A CNRM

ANEXO CONVÊNIO CELEBRADO ENTRE O CFM, A AMB E A CNRM ANEXO CONVÊNIO CELEBRADO ENTRE O CFM, A AMB E A CNRM ANEXO II (ALTERADA PELA RESOLUÇÃO CFM Nº 2.068, DE 13-12-2013) RELATÓRIO DA COMISSÃO MISTA DE ESPECIALIDADES CFM/AMB/CNRM A Comissão Mista de Especialidades

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU UNESP

HOSPITAL DAS CLÍNICAS FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU UNESP PORTARIA SHCFMB nº 48 de 24 fevereiro de 2015. Dispõe sobre a distribuição, quantificação e seleção de Médicos do quadro permanente da Autarquia para fins de percebimento de Gratificação de Preceptoria

Leia mais

COMUNICADO SOBRE CONTRATAÇÃO PROCESSO SELETIVO CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DA REGIÃO AMPLIADA OESTE

COMUNICADO SOBRE CONTRATAÇÃO PROCESSO SELETIVO CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DA REGIÃO AMPLIADA OESTE PÁGINA 1 DE 13 COMUNICADO SOBRE CONTRATAÇÃO PROCESSO SELETIVO CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DA REGIÃO AMPLIADA OESTE A contratação do corpo docente se dará por meio de processo seletivo que compreenderá

Leia mais

PEDIDO DE CREDENCIAMENTO DO SEGUNDO ANO NA ÁREA DE ATUAÇÃO ALERGIA E IMUNOLOGIA PEDIÁTRICA

PEDIDO DE CREDENCIAMENTO DO SEGUNDO ANO NA ÁREA DE ATUAÇÃO ALERGIA E IMUNOLOGIA PEDIÁTRICA PEDIDO DE CREDENCIAMENTO DO SEGUNDO ANO NA ÁREA DE ATUAÇÃO ALERGIA E IMUNOLOGIA PEDIÁTRICA JUSTIFICATIVA PARA SOLICITAÇÃO DE CREDENCIAMENTO DO SEGUNDO ANO NA ÁREA DE ATUAÇÃO ALERGIA E IMUNOLOGIA PEDIÁTRICA

Leia mais

ANEXO II PROGRAMAS DA PROVA ESCRITA

ANEXO II PROGRAMAS DA PROVA ESCRITA ANEXO II PROGRAMAS DA PROVA ESCRITA s com Acesso Direto Anestesiologia Cirurgia Geral Clínica Médica Dermatologia Infectologia Medicina da Família e Comunidade Medicina Nuclear Neurocirurgia Neurologia

Leia mais

ANEXO II PROGRAMAS DA PROVA ESCRITA

ANEXO II PROGRAMAS DA PROVA ESCRITA ANEXO II PROGRAMAS DA PROVA ESCRITA s com Acesso Direto Anestesiologia Cirurgia Geral Clínica Médica Dermatologia Infectologia Medicina da Família e Comunidade Medicina Nuclear Neurocirurgia Neurologia

Leia mais

Maria Isabel Pires de Azevedo Curriculum Vitae

Maria Isabel Pires de Azevedo Curriculum Vitae Maria Isabel Pires de Azevedo Curriculum Vitae Janeiro/2015 Maria Isabel Pires de Azevedo Curriculum Vitae Dados pessoais Nome E-mail Maria Isabel Pires de Azevedo azevemaria@hotmailcom Endereço residencial

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DA RESIDÊNCIA MÉDICA PARA O ANO DE 2017 RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA

PROCESSO SELETIVO DA RESIDÊNCIA MÉDICA PARA O ANO DE 2017 RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA 01 - A REAS BA SICAS COM ACESSO DIRETO ACUPUNTURA 2 2 1,00 ANESTESIOLOGIA 32 320 10,00 CIRURGIA GERAL 36 360 10,00 CLI NICA ME DICA 94 480 5,11 DERMATOLOGIA 10 151 15,10 INFECTOLOGIA 9 14 1,56 MEDICINA

Leia mais

REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACULDADE MARECHAL RONDON REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ENFERMAGEM São Manuel 2016 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DA FMR As Atividades Complementares, conforme

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 046 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 046 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 046 / 2011 1. Do fato Assunto: Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva. Solicitado parecer por enfermeiro sobre a realização de cálculo de dimensionamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE-FESURV FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE-FESURV FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE DE RIO VERDE-FESURV FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL DE ESTÁGIO Os Estágios Curriculares Obrigatórios do Curso de Ciências Biológicas- Licenciatura e Bacharelado, visam à capacitação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 UNIDADE UNIVERSITÁRIA: Faculdade de Filosofia e Ciências CURSO: Terapia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC DE NOVA ODESSA Código: 234 Município: Nova Odessa Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Tal competência será desenvolvida a partir das seguintes habilidades:

PLANO DE ENSINO. Tal competência será desenvolvida a partir das seguintes habilidades: PLANO DE ENSINO CURSO: Psicologia DISCIPLINA: Técnicas de Entrevista e Observação SÉRIE: 3º período TURNO: Diurno e Noturno CARGA HORÁRIA SEMANAL: 2 horas CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 horas PROFESSOR.:

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 040 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 040 / 2011 1. Do fato PARECER COREN-SP GAB Nº 040 / 2011 Assunto: Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem para Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). Solicitado parecer por enfermeira sobre a realização de cálculo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Saúde Habilitação

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÁGIO HOSPITALAR PRONTO SOCORRO PSM

PROGRAMA DE ESTÁGIO HOSPITALAR PRONTO SOCORRO PSM PROGRAMA DE ESTÁGIO HOSPITALAR PRONTO SOCORRO PSM Disciplina de Emergências Clínicas Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo MANUAL DOS RESIDENTES Coordenação Prof.

Leia mais

Resolução UNESP 75, de dezembro de 2004 alterada pela Resolução UNESP 63/06

Resolução UNESP 75, de dezembro de 2004 alterada pela Resolução UNESP 63/06 Resolução UNESP 75, de dezembro de 2004 alterada pela Resolução UNESP 63/06 1ª Série Anatomia Humana 432 Anatomia Radiológica 36 Bioestatística I 30 Bioestatística II 36 Biofísica 108 Biologia Celular

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Áreas científicas O curso de Mestrado Integrado em Medicina está organizado de acordo com o sistema de unidades de crédito (ECTS) e encontra -se distribuído pelas seguintes áreas de ensino e investigação

Leia mais

Atividades Complementares

Atividades Complementares UNIP Universidade Paulista Engenharia Atividades Complementares O QUE SÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBJETIVOS DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CONTEÚDOS GERAIS PONTUAÇÕES DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ORIENTAÇÕES

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.068/2013 (Publicada no D.O.U. de 03 de janeiro de 2014, Seção I, p. 76)

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.068/2013 (Publicada no D.O.U. de 03 de janeiro de 2014, Seção I, p. 76) RESOLUÇÃO CFM Nº 2.068/2013 (Publicada no D.O.U. de 03 de janeiro de 2014, Seção I, p. 76) Dispõe sobre a nova redação do Anexo II da Resolução CFM nº 2.005/12, que celebra o convênio de reconhecimento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE - CSS

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE - CSS Os objetivos deste modelo de regimento visam a padronização de critérios importantes para melhorar o funcionamento da comissão, estabelecer condições mínimas de composição e fortalecer a comissão junto

Leia mais

Hospital da Mulher. Maria José dos Santos Stein

Hospital da Mulher. Maria José dos Santos Stein Hospital da Mulher Maria José dos Santos Stein Hospital da Mulher Maria José dos Santos Stein Fundado em agosto de 2008 parceria da Prefeitura com a FUABC É hoje o maior centro de referência em saúde da

Leia mais

ERRATA DE EDITAL ONDE SE LÊ: EM, 27/11/2015

ERRATA DE EDITAL ONDE SE LÊ: EM, 27/11/2015 EM, 27/11/2015 ERRATA DE EDITAL A SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE/PE torna público a ERRATA do edital do Processo Seletivo da RESIDÊNCIA MÉDICA para o ano de 2016 publicado no DOE 14/11/2015, que será realizado

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PLANEAMENTO E CONTROLE DE GESTÃO Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PLANEAMENTO E CONTROLE DE GESTÃO Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular PLANEAMENTO E CONTROLE DE GESTÃO Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Empresa 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS

Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS A Beneficência Portuguesa de São Paulo e a Casa de Portugal tem a mesma origem e cooperam entre si há mais de 80 anos.

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ATIVIDADES COMPLEMENTARES TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA EM

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIOS NÃO OBRIGATÓRIOS DA SESAB - 2015-6ª. Edição EDITAL N.º 06/ 2015

PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIOS NÃO OBRIGATÓRIOS DA SESAB - 2015-6ª. Edição EDITAL N.º 06/ 2015 PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIOS NÃO OBRIGATÓRIOS DA ERRATA 001 pertinente ao EDITAL Nº 06/2015 A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (SESAB), através da Superintendência de Recursos Humanos da Saúde

Leia mais

Projectos de Melhoria da Qualidade e Acreditação

Projectos de Melhoria da Qualidade e Acreditação Paulo Larcher / Nov_2009 Projectos de Melhoria da Crosby Fazer bem à primeira vez. Projectos de Melhoria da Juran Adequação ao uso Projectos de Melhoria da Deming Redução na variabilidade Projectos de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico:Ambiente, Saúde Habilitação Profissional: Técnico de Enfermagem Qualificação:Sem certificação

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM ENFERMAGEM

Leia mais

PROGRAMA da Certificação Internacional em Integração Sensorial

PROGRAMA da Certificação Internacional em Integração Sensorial PROGRAMA da Certificação Internacional em Integração Sensorial A University of Southern California Divisão de Ciência Ocupacional e Terapia Ocupacional, juntamente com a Western Psychological Services

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA CLÍNICA - RIO Unidade Dias

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM HOTELARIA HOSPITALAR Unidade Dias e Horários

Leia mais

CAPÍTULO II DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO II DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento dispõe sobre as normas e procedimentos a serem observados

Leia mais

Hospital Central do Algarve

Hospital Central do Algarve Hospital Central do Algarve Perfil Assistencial, Área de Influência e Dimensionamento 29 Julho 2007 Faro POPULAÇÃO ALGARVE Censo 2001: 395.218 habitantes 4% população Portugal 2005 (INE): 416.847 habitantes

Leia mais

EDITAL PPGENDO - 001/2016

EDITAL PPGENDO - 001/2016 EDITAL PPGENDO - 001/2016 - : ENDOCRINOLOGIA (PPGEndo) torna público que receberá documentação dos candidatos ao PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O NÍVEL DO DOUTORADO FLUXO CONTÍNUO (Ingresso 2016), no período

Leia mais

Avaliação Qualitativa de Políticas Públicas

Avaliação Qualitativa de Políticas Públicas RECEBIDO EM: / / PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO IV CURSOS DE EXTENSÃO N o TÍTULO DO CURSO Avaliação Qualitativa de Políticas Públicas PROPONENTE IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO PROJETO: Nome: João Victor

Leia mais

RESOLUÇÃO CGRAD 020/08, DE 16 DE JULHO DE 2008

RESOLUÇÃO CGRAD 020/08, DE 16 DE JULHO DE 2008 RESOLUÇÃO CGRAD 020/08, DE 16 DE JULHO DE 2008 Aprova o Regulamento Geral dos Estágios Curriculares dos Cursos de Graduação do CEFET-MG A PRESIDENTE DO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS

Leia mais

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Versão final MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA UNOESC CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 1º O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 UNIDADE UNIVERSITÁRIA: Faculdade de Filosofia e Ciências CURSO: Fisioterapia

Leia mais

Anexo I Quadro de Opções de Vagas (Consolidado em 01 de setembro de 2016) Edital nº 293 de 10 de agosto de 2016

Anexo I Quadro de Opções de Vagas (Consolidado em 01 de setembro de 2016) Edital nº 293 de 10 de agosto de 2016 Anexo I Quadro de Opções de (Consolidado em 01 de setembro de 2016) Edital nº 293 de 10 de agosto de 2016 As opções de vagas estão agrupadas por Classe do Cargo ( C, D ou E ) e quantidade de fases (provas).

Leia mais