RELATÓRIO ANUAL CRMPrev - EXERCÍCIO 2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO ANUAL CRMPrev - EXERCÍCIO 2007"

Transcrição

1 RELATÓRIO ANUAL CRMPrev - EXERCÍCIO 2007 A Fundação CEEE apresenta o parecer atuarial, demonstrações patrimoniais, de resultados, despesas com investimentos, demonstrativo de investimentos e alterações regulamentares referentes ao exercício de 2007, além da política de investimentos para o exercício de PARECER ATUARIAL 1. O CRMPREV, cujas características são de contribuição definida, exceto no que se refere ao Benefício de Aposentadoria por Invalidez, ao Benefício de Auxílio-Doença e a parte do Benefício de Pensão por Morte (e respectivo benefício de abono anual), tem o seguinte Plano de Custeio Atuarial, obtido pela aplicação da correspondente Nota Técnica Atuarial: I) Contribuições Obrigatórias dos Participantes em atividade na Patrocinadora CRM, em Auxílio-Doença, em Aposentadoria por Invalidez, em Autopatrocínio ou em Manutenção Salarial efetuarão contribuição conforme a seguir: Para custeio do Benefício Programável: Percentual, a ser definido anualmente pelo participante que não estiver em gozo de Benefício de Aposentadoria pelo CRMPREV, entre 3% e 10% do Salário de Participação. Para custeio dos Benefícios de Riscos: Percentual, a ser anualmente definido pelo atuário responsável pelo CRMPREV com base nos resultados de avaliações atuariais, inicialmente fixado em 1,77% do Salário de Participação. Para custeio das Despesas Administrativas: Percentual, a ser anualmente definido no Plano de Custeio do CRMPREV, inicialmente fixado em 0,4% do Salário de Participação. II) Contribuições da Patrocinadora CRM em relação aos Participantes em Atividade nessa Patrocinadora, em Auxílio-Doença e em Aposentadoria por Invalidez: Para custeio de Benefício Programável: Igual a 100% da Contribuição do Participante destinada ao custeio de Benefício Programável. Para custeio dos Benefícios de Riscos: Igual a 100% da contribuição do Participante destinada ao custeio de Benefícios de Riscos. Para custeio das Despesas Administrativas: Igual a 100% da Contribuição do Participante destinada ao custeio das Despesas Administrativas. NOTA 1: É facultado ao Participante que estiver realizando contribuições obrigatórias para o custeio do CRMPREV, realizar contribuições adicionais voluntárias, em percentual de até 20% do Salário de Participação. NOTA 2: Nas situações de Autopatrocínio e de Manutenção Salarial, o participante será responsável pelo pagamento das contribuições relativas à Patrocinadora. 2. Devemos destacar que as contribuições previdenciárias apresentadas no item 1 anterior, fixadas com base nos resultados obtidos aplicando a Nota Técnica Atuarial, que apresentamos para a implantação do CRMPREV na ELETROCEEE, adotando as hipóteses atuariais e utilizando os dados cadastrais resumidos no Anexo A deste DRAA, permanecem plenamente compatível com os custos avaliados para o CRMPREV. 3. O Passivo Atuarial (Provisões Matemáticas) e o Ativo Líquido do Plano relativamente a este Plano patrocinado pela Companhia Riograndense de Mineração (CRM), apresentaram, em 31/12/2007, as seguintes aberturas: Provisão de Benefícios Concedidos... Provisão de Benefícios a Conceder *1... Provisão Matemática a Constituir... Provisões Matemáticas (Passivo Atuarial)... Resultado Técnico Acumulado *2... Ativo Líquido do Plano , ,59 ( ) ,82 ( ) ,82 *1 Sendo ,08 o correspondente ao saldo de contas (Contribuição Definida) e ,51 o correspondente ao Fundo de Risco (Benefícios de Risco). *2 Pela concepção deste Plano, em princípio, não haverá Déficit/Superávit Técnico. NOTA: A Tábua Geral de Mortalidade adotada na presente avaliação atuarial q x = ½ x [q x GAM83 + q x AT83] está em conformidade com teste de aderência de Tábuas de Mortalidade realizado em 2007 e representa o último passo antes de se implantar a Tábua Geral de Mortalidade, com sobrevivência não inferior à da AT-83, na forma prevista pela Resolução CGPC/MPS nº 18/2006. FATO RELEVANTE: Pela natureza dos benefícios afetados pelas tábuas de mortalidade no CRMPREV, a repercussão das novas tábuas de mortalidade referidas neste item 3 é pouco significativa, não exigindo ajuste no Plano de Custeio ou nos valores das Provisões Matemáticas. 4. A variação nominal da cota do Plano CRMPREV, obtida de janeiro a dezembro de 2007, foi de 22,42%. 5. Com relação aos valores das Provisões Matemáticas de Benefícios Concedidos e a Conceder, da Provisão Matemática a Constituir e do Resultado Técnico Acumulado (Superávit/Déficit Técnico), atestamos que os mesmos foram avaliados por nossa Consultoria Atuarial Independente, utilizando os mesmos regimes/métodos de financiamentos e as mesmas hipóteses atuariais constantes da Nota Técnica Atuarial, aprovada pela SPC do MPS, por ocasião da implantação deste Plano de Previdência Complementar, a partir das informações cadastrais e contábeis fornecidas pela ELETROCEEE e julgadas lógicas por nossa Consultoria Atuarial. Os dados cadastrais foram objeto de análise de consistência, análise esta que submetemos à consideração da ELETROCEEE para os ajustes necessários e posterior validação, para somente após tal validação serem utilizados na presente avaliação atuarial. Rio de Janeiro, 23 de janeiro de 2008 José Roberto Montello Atuário - MIBA Nº 426 José Marcos Müller Del Fabbro Presidente - Fundação CEEE Telmo Kirst Diretor Presidente - CRM

2 Alterações Regulamentares - Plano CRMPrev Aprovadas pela Secretaria de Previdência Complementar em 07 de agosto de O regulamento do plano CRMPrev está disponível no site CAPÍTULO V - DOS INSTITUTOS Artigo 41 A FUNDAÇÃO CEEE emitirá Extrato de Opções ao Participante que tenha rompido o vínculo empregatício com a patrocinadora. 1º O Extrato de Opções ao Participante será emitido, desde que o participante não tenha requerido o benefício de aposentadoria, em até 30 dias contados a partir do protocolo da comunicação de desligamento de participante emitido pela Patrocinadora e conterá as informações determinadas na legislação pertinente. SEÇÃO III - DO RESGATE Artigo 44 Ressalvada a hipótese prevista no inciso I da alínea a do artigo 10, o Participante que tiver se desligado da Patrocinadora, cancelado sua inscrição no CRMPREV e desde que não esteja em gozo de benefício por este PLANO, fará jus à integralidade da Conta Individual do Participante CIP e a uma parcela da Conta da Patrocinadora Identificada por Participante CPIP, constituída individualmente em nome de cada Participante, na forma deste Regulamento, e correspondente à soma dos seguintes valores, a título de Resgate: 2º Será facultado ao participante resgatar os recursos oriundos de portabilidade constituídos em plano de previdência complementar aberta, administrado por entidade aberta de previdência complementar ou sociedade seguradora, atualizados conforme 2º do artigo 51, caso não tenha optado por portar estes recursos. 3º Não serão objeto de resgate, valores oriundos de portabilidade, constituídos em plano de benefícios administrado por entidade fechada de previdência complementar. 4º, 5º, 6º - indicação de parágrafos renumerados. SEÇÃO V - DA PORTABILIDADE SUB-SEÇÃO I - DA CESSÃO DE DIREITOS E OBRIGAÇÕES DO PLANO Artigo 48 O participante que contar com 3 anos de contribuições ao CRMPREV, cessar o vínculo empregatício com a Patrocinadora, tiver cancelada sua inscrição no CRMPREV e desde que não esteja em gozo de benefício por este PLANO, poderá requerer a portabilidade de seus direitos acumulados no CRMPREV para outro plano de benefícios previdenciários. SUB-SEÇÃO II - DA RECEPÇÃO DE DIREITOS E OBRIGAÇÕES NO PLANO Artigo 51, 2º Os valores recepcionados serão convertidos em cotas na data do depósito em conta corrente da FUNDAÇÃO CEEE. A partir da data de ocorrência da cessação do vínculo empregatício do Participante com a Patrocinadora, os valores recepcionados passam a ser atualizados pela variação do Índice do Plano, definido no item 38 do artigo 3º, relativo ao mês anterior, calculado pro-rata-die, até a data da efetiva transferência. Exclusão do 5º, uma vez que o conteúdo está previsto nos parágrafos 2º e 3º do artigo 44. 5º, 6º - indicação de parágrafos renumerados.

3 Ativo Contas a Receber Aplicações /Financiamentos DEMONSTRAÇÃO PATRIMONIAL Exercício Atual , , , , , , , ,41 Exercício Anterior , ,26 450, , , , , ,72 Passivo Contas a Pagar Valores em Litígio Compromissos com Participantes e Assistidos Fundos ,37 18, , ,82 266, ,95 29, , ,55 231,09 Descrição ( + ) Contribuições ( - ) Benefícios (+/ -) Rendimentos das Aplicações ( = ) Recursos Líquidos ( - ) Despesas com Administração (- /+) Formação (utilização) de Valores em Litígio (- /+) Formação (utilização) dos Compromissos com Participantes e Assistidos (- /+) Formação (util.) De Fundos p/riscos Futuros DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício Atual ,32 (17.402,48) , ,41 (62.810,74) (1.015,61) ( ,27) (35,79) Exercício Anterior ,54 (41.554,76) , ,78 (55.128,87) (351,75) ( ,09) (49,07) Rentabilidade do Plano No ano de 2007, a rentabilidade auferida na carteira de investimentos da Fundação CEEE, relativa a este Plano, foi de 22,42%, superando a meta global da Política de Investimentos de 14,62% e o mínimo atuarial de 11,47%. A principal contribuição para este desempenho veio do segmento de renda variável, que apresentou uma boa performance no período, refletindo os bons resultados do mercado acionário brasileiro em No exercício anterior, a rentabilidade auferida foi de 20,15%, superando também as metas estabelecidas. Essa superação da meta em 2006 ocorreu devido a estratégia de elevação gradual, dos investimentos no segmento de renda variável, além da mudança no perfil de aplicações em renda fixa, reduzindo-se a parcela de títulos pós fixados para a conseqüente elevação em títulos indexados por índices de inflação. Custeio Administrativo do Plano Em 27 de janeiro de 2004, Ata 396, o Conselho Deliberativo aprovou a criação do Plano de Gestão Administrativa-PGA, que tem por objetivo a consolidação dos recursos e despesas administrativas dos planos de benefícios, mantendo-se os registros e controles de forma segregada. A despesa administrativa previdenciária é coberta por contribuições paritárias dos participantes e patrocinadoras a uma taxa de 0,4%, calculada sobre o salário de participação. A diferença entre as contribuições administrativas e respectivas despesas é constituído ou revertido o fundo administrativo que é registrado no PGA por planos de benefícios. Serviços de Terceiros (Consultorias Atuariais) Resolução CGPC N 23, de 06/12/06 e Resolução CGPC n 13, de 01/10/04 DESPESAS ADMINISTRATIVAS Despesas Gerais Total... DESPESAS COM INVESTIMENTOS Custódia... Corretagem... Taxa de Risco/Controladoria... Total

4 PLANO CRMPrev DEMONSTRATIVO DE INVESTIMENTOS - Dezembro 2007 Instrução Normativa n 14, de 18/01/2007, da Secretaria de Previdência Complementar. Fundação CEEE de Seguridade Social - ELETROCEEE. Sede: Porto Alegre - RS Fone: (51) Administrador Responsável: Ivan Giordani Auditores: Exacto Auditores S/S Controle de Risco: Banco Itaú S/A Aplicados por segmentos em reais Percentuais por segmentos Total dos Investimentos Gestão Terceirizada com Diretrizes Definidas pela ELETROCEEE , , , , ,03% 10 75,86% Fundos Exclusivos de Banco do Brasil - Sul Energia Safra - Sul Energia Pactual - Sul Energia Sul América - Sul Energia , , , , , , , , , , , , , ,57 65,39% 15,36% 11,17% 10,72% 11,20% 7,36% 9,59% 70,74% 13,20% 12,25% 11,74% 10,33% 11,64% 11,59% Fundos Exclusivos de Unibanco - Sul Energia Investidores Institucionais - FIA , , , , , , , , , ,32 5,64% 1,86% 1,83% 1,86% 0,09% 5,12% 1,67% 1,72% 1,67% 0,06% Gestão Própria , ,98 28,97% 24,14% 6.907, ,05 0,24% 0,37% Títulos de - Públicos Letras Financeiras do Tesouro - Estadual Notas do Tesouro Nacional , , , , , ,50 11,42% 0,85% 10,57% 10,48% 0,82% 9,66% Títulos de - Privados Fundo Invest. Direitos Creditórios - FIDC Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Debêntures , , , , , , ,95 1,45% 0,61% 0,84% 3,84% 2,38% 0,72% 0,75% Carteira de Ações , , , ,08 13,82% 13,82% 8,16% 8,16% Uso Próprio Locados a Patrocinadora Locados a Terceiros Alienações a Receber , , , , , , , , , ,19 1,37% 0,05% 0,11% 0,54% 0,81% 0,04% 0,05% 0,18% 0,54% Pessoal a Participantes , , , ,23 0,49% 0,49% Obrigações Tributárias (4,36) Meta de Gestão ,62% SEGMENTOS Total de Recursos Garantidores ,54 em ,98 percentuais por segmento Rentabilidade Acumulada do Plano ,42% a Participantes , , , , , , , , , ,05 78,26% 19,46% 1,37% 0,24% 85,06% 13,28% 0,81% 0,49% 0,37% Rentabilidade dos Investimentos Segmento de Aplicação Rentabilidade 12,57% 45,30% 15,59% 6,84%

5 PLANO CONSOLIDADO DEMONSTRATIVO DE INVESTIMENTOS - Dezembro 2007 Administrador Responsável: Ivan Giordani Auditores: Exacto Auditores S/S Controle de Risco: Banco Itaú S/A Instrução Normativa n 14, de 18/01/2007, da Secretaria de Previdência Complementar. Fundação CEEE de Seguridade Social - ELETROCEEE. Sede: Porto Alegre - RS Fone: (51) Aplicados por segmentos em milhões de reais Percentuais por segmentos Total dos Investimentos Gestão Terceirizada com Diretrizes Definidas pela ELETROCEEE 2.833, , , , ,22% 10 68,88% Fundos Exclusivos de Banco do Brasil - Sul Energia Safra - Sul Energia Pactual - Sul Energia Sul América - Sul Energia 1.570,86 368,94 268,28 257,43 269,05 176,87 230, ,09 370,31 343,79 329,36 289,90 326,55 325,18 55,43% 13,02% 9,47% 9,08% 9,49% 6,24% 8,13% 58,64% 10,94% 10,16% 9,73% 8,56% 9,65% 9,61% Fundos Exclusivos de Unibanco - Sul Energia Investidores Institucionais - FIA 249,03 82,00 80,76 82,29 3,98 346,57 113,27 116,04 113,26 4,00 8,79% 2,89% 2,85% 2,90% 0,14% 10,24% 3,35% 3,43% 3,35% 0,12% Gestão Própria 1.014, ,31 35,78% 31,12% 3,39 10,28 0,12% 0,30% Títulos de - Públicos Letras Financeiras do Tesouro - Estadual Notas do Tesouro Nacional 274,28 20,45 253,83 294,18 23,03 271,15 9,68% 0,72% 8,96% 8,69% 0,68% 8,01% Títulos de - Privados Fundo Invest. Direitos Creditórios - FIDC Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Debêntures 34,85 14,76 20,09 107,76 66,69 20,15 20,92 1,23% 0,52% 0,71% 3,18% 1,97% 0,60% 0,62% Carteira de Ações 610,78 610,78 552,00 552,00 21,55% 21,55% 16,31% 16,31% Uso Próprio Locados a Patrocinadora Locados a Terceiros Alienações a Receber 60,32 2,16 4,72 23,67 29,77 54,41 2,38 3,43 12,06 36,54 2,13% 0,08% 0,17% 0,84% 1,05% 1,61% 0,07% 0,10% 0,36% 1,08% Pessoal a Participantes 30,42 30,42 34,67 34,67 1,07% 1,07% 1,02% 1,02% Obrigações Tributárias 0,01 SEGMENTOS em milhões de percentuais por segmento Rentabilidade consolidada Total de Recursos Garantidores a Participantes 2.833, ,99 859,81 60,32 30,42 3, , ,02 898,57 54,41 34,67 10, ,34% 30,34% 2,13% 1,07% 0,12% 10 70,52% 26,55% 1,61% 1,02% 0,30% Plano de Benefícios CEEE Único AES SUL RGE CGTEE CeeePrev CRMPrev SENGE Previdência Rentabilidade 20,69% 20,82% 20,90% 20,11% 21,25% 22,42% 21,95% Desenquadramentos na Política de Investimentos O rating do papel LFTE-RS não foi providenciado pela Secretaria da Fazenda do Estado do RS. Dessa forma, o papel está classificado na carteira da FCEEE como de médio-alto risco de crédito, encontrando-se portanto desenquadrado na Política de Investimentos 2007, que não prevê papéis deste tipo de risco. De acordo com a ata nº 461, de 12/12/06, o Conselho Deliberativo decidiu pela manutenção do papel LFTE-RS na carteira da Fundação CEEE até o seu vencimento ou modificação no mercado. 2. Informamos que, em 12/12/06, o Fundo Exclusivo BB - Sul Energia fez operação de venda 25 contratos de Futuro - DI como hedge de posição de LTN (pré-fixada), correspondentes ao valor de mil. Foi solicitado ao Gestor o encerramento destas posições, pois a mesma não foi autorizada pela FCEEE. A operação foi encerrada em 08/01/2007. Este tipo de operação é permitida pela Resolução 3121/03 e pelo regulamento do Fundo. No entanto, a nossa Política de Investimentos exige que a mesma seja recomendada pelo CCI e, posteriormente, autorizada pela Diretoria Executiva, desde que inferior ao limite de 3% do Fundo Garantidor.

6 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS A política de investimentos para o exercício 2008 é aplicada na administração dos recursos do patrimônio dos planos de benefícios das patrocinadoras da Fundação CEEE (CEEE, CGTEE, CRM, AES SUL, RGE) e do instituidor SENGE-RS. A política de investimentos foi aprovada pelo Conselho Deliberativo, em 14 de dezembro de A meta de rentabilidade é de 9% acima da variação do INPC. SEGMENTO DE RENDA VARIÁVEL Este segmento envolve a Carteira de Ações em Mercado (própria e fundos exclusivos) e Carteira de Participações. Carteira de Ações em Mercado A carteira própria deverá ter, no mínimo 15 empresas, e, no máximo, 35 empresas, onde os seguintes setores deverão ser priorizados nos trabalhos de prospecção e análise: Alimentos Madeira e Papel Intermediários Financeiros Holdings Diversificadas Mineração Transporte Comércio Energia Elétrica Petróleo/Gás Saneamento Siderurgia Telefonia Fixa e Móvel Construção e Engenharia Químico Para habilitar-se a administrar recursos da Fundação CEEE em Fundos Exclusivos, a empresa deverá ter sob sua responsabilidade volume mínimo de 1,5 bilhão de recursos de terceiros. Nenhum fundo poderá ter patrimônio superior a 40% dos recursos destinados para gestão externa no segmento de renda variável. Carteira de Participações Os investimentos serão realizados preferencialmente no setor de energia elétrica e poderão ser realizados através de aportes em quotas de Fundos de Participação (FIP) ou Fundos Private Equity ou através de Sociedade de Propósito Específico (SPE). Os investimentos classificados nesta carteira deverão ser submetidos à aprovação do Conselho Deliberativo, independentemente de seu valor. SEGMENTO DE RENDA FIXA As aplicações neste segmento poderão ser realizadas em: Títulos Públicos Federais, de emissão do Tesouro Nacional e/ou Banco Central do Brasil Pré-fixados, Pós-fixados e indexados à inflação. Títulos Públicos de emissão de estados e municípios classificados como baixo risco de crédito por agências nacionais de classificação de rating. Títulos Privados de emissão de instituições financeiras e empresas não financeiras com risco de crédito aprovado pelo comitê de crédito e de investimentos do gestor. Certificados de Depósitos Bancários (CDBs) Recibos de Depósitos Bancários (RDBs) Debêntures por emitente financeiro e não financeiro Títulos Privados indexados a índices de inflação Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) Quotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) Outros Ativos de Não são permitidas aquisições de cotas de Fundos Abertos, exceto de FIDCs A Carteira Própria de poderá ter em sua composição títulos públicos e/ou privados classificados como baixo risco de crédito conforme regras, critérios de seleção e limites recomendados pelo Comitê Consultivo de Investimentos (CCI) e aprovados pela Diretoria Executiva dentro de sua competência de atuação. Nos Fundos Exclusivos de, o patrimônio líquido de cada fundo será limitado a 15% da carteira de investimentos da Fundação CEEE, por instituição administradora. Fica vedada a aquisição de comercial papers tanto na Carteira Própria como nos Fundos Exclusivos. SEGMENTO DE IMÓVEIS A decisão de compra ou venda de ativos imobiliários baseiase na avaliação das oportunidades que se apresentarem e a rentabilidade das mesmas relativamente ao custo de oportunidade de outras opções de investimento. Na carteira de aluguéis e renda, a meta de sucesso no gerenciamento será medida considerando-se o período de ocupação (locação) e deverá atingir 90% de ocupação média. SEGMENTO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIMENTOS A Fundação CEEE alocará recursos somente na Carteira de a Participantes e Assistidos. A Diretoria Executiva definirá os critérios de cálculo do custo do empréstimo para o tomador, de maneira a atender legislação vigente e atingir as metas estabelecidas, atuarial e de gestão. OPERAÇÕES COM DERIVATIVOS Os mercados de derivativos (mercados de futuros, de opções, de juros, etc), serão utilizados somente para a realização de operações de proteção (hedge) às carteiras de ativos da Fundação CEEE e/ou como estratégia de renda fixa. Estas operações deverão ser recomendadas pelo CCI e autorizadas pelos órgãos competentes da Fundação CEEE, Diretoria Executiva e Conselho Deliberativo, se for o caso. Os resultados alcançados deverão ser apresentados e analisados pelos mesmos órgãos após o encerramento de cada operação. CRITÉRIOS DE CONTRATAÇÃO DE FORNECEDORES DE SERVIÇOS A Fundação CEEE entende que a terceirização da gestão de uma parcela de seus recursos agrega expertise e aprimora conceitos de gestão e de controles internos à qualificação da Gestão Própria da Entidade. Assim, o Conselho Deliberativo da Entidade julgou eficiente a contratação de Administradores de recursos para administrar os recursos da entidade nos segmentos de e. O estilo de gestão adotado possui como meta a obtenção dos retornos necessários aos objetivos definidos nesta Política de Investimentos, levando-se em consideração o nível de tolerância a risco da entidade. AVALIAÇÃO DE RISCOS Para gerenciar os riscos decorrentes das atividades de investimentos da Fundação CEEE serão usados instrumentos de mensuração para: Risco de mercado: calculado pela diferença entre a rentabilidade do segmento de investimento e a meta atuarial e a meta de gestão (divergência não planejada) e pelo Value at Risk (VaR), medido pelo agente custodiante. Risco de crédito: rating efetuado por agências classificadoras de risco em funcionamento no país. Risco de liquidez: é mitigado pela composição da carteira da Fundação CEEE que privilegia títulos públicos. É controlado pela metodologia do Asset Liability Management (ALM) e cálculo de duration da carteira de títulos. CONSIDERAÇÕES FINAIS A Política de Investimentos considera a diversificação um ponto chave para compensação de riscos e aumento da eficiência na composição de seus portfólios. Suas aplicações devem ser consistentes com a filosofia de preservação do capital com retornos diferenciados, dando ênfase na busca por qualidade de gestão e redução dos custos administrativos.

7 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Ata do Conselho Deliberativo n 481, de 14/12/2007 Período de referência: 01/2008 a 12/2008 PLANOS DE BENEFÍCIOS PLANO ÚNICO DA AES SUL PLANO ÚNICO DA CEEE PLANO ÚNICO DA CGTEE PLANO ÚNICO DA RGE PLANO DE BENEFÍCIOS CEEEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS CRMPREV SENGE/RS TAXA MÍNIMA ATUARIAL / INDEXADOR Indexador dos Planos de Benefícios Segmento Percentual 6 3 Indexador IMA-S IMA-B Tx. juros 10 IBOV.Médio 10 CDI * 10 INPC 10 INPC *Indexador: dos dois o maior CONTROLE DE RISCOS 6,00% 6,00% Mínimo Atuarial dos Planos de Benefícios: INPC + Taxa de Juros de 6%. Observações 1) Para os planos SENGE Previdência e CRMPrev aplicam-se somente os indexadores, pois estes planos não apresentam mínimo atuarial. 2) Para o SENGE Previdência, os recursos serão rentabilizados somente pelos segmentos de renda fixa e renda variável. 3) Para o CRMPrev, a meta de gestão ponderada é de INPC + 9%. DERIVATIVOS Risco de mercado, legal, de liquidez, de contraparte e operacional Limite máximo para proteção Limite máximo para exposição 10 Planos (exceto SENGE) Segmento ALOCAÇÃO DOS RECURSOS Investimentos Baixo Risco de Crédito Empresas com IGC/Bovespa Empresas não abrangidas pelo IGC/Bovespa Sociedade de Propósito Específico - SPE Investimentos Visando Aluguéis e Renda Outros Investimentos Imobiliários Mínimo 5 2 Máximo 8 3 Alvo 7 2 LIMITES MÁXIMOS DE DIVERSIFICAÇÃO Em Pessoas Jurídicas ou conglomerados Em Patrocinadoras e ligadas COMPANHIAS ABERTAS Por Capital Votante Dos Recursos Garantidores Por Capital Total SENGE/RS Segmento Investimentos Baixo Risco de Crédito Empresas com IGC/Bovespa Empresas não abrangidas pelo IGC/Bovespa Sociedade de Propósito Específico - SPE Mínimo 5 2 Máximo 8 3 Alvo 7 2 SOCIEDADES DE PROPÓSITOS ESPECÍFICOS Por projeto Por projeto + Inversões das Patrocinadoras 2 4 IMÓVEIS Pessoa Jurídica não financeira Instituição Financeira FIDC ATIVOS DE RENDA FIXA Baixo Risco Médio Risco Alto Risco Planos (exceto SENGE) Por imóvel PL do Fundo SENGE/RS Por imóvel PL do Fundo 2 CRITÉRIOS PARA CONTRATAÇÃO Qualitativos Histórico da empresa e dos controladores, capacitação técnica e estrutura de suporte e de controle. Quantitativos Rentabilidade histórica auferida, custos e total de recursos administrados. Estratégia de formação de preço Externa, sem acompanhamento das estratégias formuladas ou desempenhadas GESTÃO DOS RECURSOS Tipo/Forma Periodicidade da avaliação Quantidade de gestores Critérios de avaliação Externa 1 mês 10 Em relação aos objetivos do segmento CENÁRIO MACROECONÔMICO, OBSERVAÇÕES E JUSTIFICATIVAS A conjugação do regime de metas de inflação, de câmbio flutuante e do compromisso de forte controle fiscal e superávits primários reforçam a credibilidade do governo e traçam um horizonte mais estável para os próximos anos.

Relatório Anual 2010

Relatório Anual 2010 Relatório Anual 2010 Plano de Gestão Administrativa Demonstrativo de Investimentos Consolidado Demonstrativo de Investimentos Plano de Gestão Administrativa 02 Demonstrativo de Investimentos 2010 - Plano

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [02.884.385/0001-22] ELETRA FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2000.0069-65] PLANO CELGPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda.

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL V.1- Custos para o exercício seguinte em relação ao anterior: 1) A aplicação da metodologia de cálculo atuarial estabelecida para o plano de benefícios da FUNCASAL, utilizando as hipóteses

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2012 PLANO C 1. Objetivos Esta versão da Política de Investimentos, que estará em vigor durante o ano de 2012, tem como objetivo definir as diretrizes dos investimentos do

Leia mais

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA Plano de Gestão Administrativa - PGA Ano de Vigência - 2015 1/13 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [83.564.443/0001-32] FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0046-92] MULTIFUTURO II ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário Responsável

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 28 de novembro de 2014, Ata nº 279. SUMÁRIO 1 DOS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [00.469.585/0001-93] FACEB - FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS EMPREGADOS DA CEB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2006.0068-11] CEBPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

Principais Destaques

Principais Destaques Aumento do Patrimônio Atingimento da Meta Atuarial Principais Destaques 1. Perfil Institucional A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313, de 30 de

Leia mais

Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS.

Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. O Instituto IDEAS apresenta o Curso Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. Este curso

Leia mais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano PREV-RENDA da CAFBEP Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do Estado do Pará, patrocinado pelo BANPARÁ com o objetivo de identificar

Leia mais

Sumário. Planos instituídos. Plano Aduanaprev. Parecer Atuarial... 85. Parecer Atuarial... 46. Balanço do plano... 59. Balanço do plano...

Sumário. Planos instituídos. Plano Aduanaprev. Parecer Atuarial... 85. Parecer Atuarial... 46. Balanço do plano... 59. Balanço do plano... Sumário Planos instituídos Plano Aduanaprev Parecer Atuarial... 02 Balanço do plano... 07 Demonstrativo de investimentos... 08 Plano ANAPARPREV Parecer Atuarial... 10 Balanço do plano... 12 Demonstrativo

Leia mais

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50%

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50% III) Plano de Benefícios de Contribuição Definida (Plano CD) 1) Administracão dos Recursos: A administração dos recursos da Fundação Previdenciária IBM é terceirizada, sendo prerrogativa do Conselho Deliberativo

Leia mais

Política de Investimentos Plano PBS Telemig

Política de Investimentos Plano PBS Telemig 1/16 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos de ativos a serem utilizados, dos ativos autorizados em

Leia mais

REGULAMENTO. Plano de Previdência Complementar para os associados e seus dependentes do Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul

REGULAMENTO. Plano de Previdência Complementar para os associados e seus dependentes do Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul REGULAMENTO Plano de Previdência Complementar para os associados e seus dependentes do Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul Regulamento do Plano de Benefícios SENGE Previdência Aprovação Plano

Leia mais

HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO. Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev

HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO. Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev,

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

Licenciamento Automático - REGULAMENTO SENGE PREVIDÊNCIA - CNPB 2005.0003-29 Anexo 1 ao JM/0916/2015 de 29/04/2015

Licenciamento Automático - REGULAMENTO SENGE PREVIDÊNCIA - CNPB 2005.0003-29 Anexo 1 ao JM/0916/2015 de 29/04/2015 Aprovado pela Portaria nº 836 de 27/10/2010 Alterações DOU 29/10/2010 Justificativa CAPÍTULO I - DO PLANO E SEUS FINS Artigo 1º O presente Regulamento tem por objeto estabelecer as disposições específicas

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [08.071.645/0001-27] CIASPREV - CENTRO DE INTEGRACAO E ASSISTENCIA AOS SERVIDORES PUBLICOS PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2005.0049-11] PREVINA ENCERRAMENTO

Leia mais

PARECER ATUARIAL 2014

PARECER ATUARIAL 2014 PARECER ATUARIAL 2014 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro 1. OBJETIVO 1.1. O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre a qualidade da base cadastral, as premissas atuariais,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [07.083.033/0001-91] CABEC-CAIXA DE PREVIDENCIA PRIVADA DO BEC PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1979.0019-11] BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável VICENTE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.541.775/0001-37] HP PREV SOCIEDADE PREVIDENCIARIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0026-19] PLANO HP PREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável MIRIA

Leia mais

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado FEAAC Curso de Ciências Atuariais PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD de encerramento do exercício

Leia mais

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Pareceres PARECER ATUARIAL DA AVALIAÇÃO REALIZADA EM 31/12/2009 Considerações iniciais O presente parecer tem por objetivo apresentar nossas considerações

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 INTRODUÇÃO Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do PERUIBEPREV, através da designação

Leia mais

ÍNDICE. Introdução. 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados. 2. Política de Investimentos 2010. 3. Distribuição de Investimentos

ÍNDICE. Introdução. 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados. 2. Política de Investimentos 2010. 3. Distribuição de Investimentos Relatório Anual 2009 ÍNDICE Introdução 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados 2. Política de Investimentos 2010 3. Distribuição de Investimentos 4. Parecer Atuarial 5. Parecer dos Auditores Independentes

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.020.006-38 - PLANO DE BENEFÍCIOS MULTIFUTURO I 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ATUARIAL- RA 06/14 Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado - Adv-PREV Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional de Goiás e da CASAG -

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE ORÇAMENTO PARA. EFPC (Entidade Fechada de Previdência Complementar) SIOEFPC UM RESUMO DO SEU FUNCIONAMENTO

SISTEMA INTEGRADO DE ORÇAMENTO PARA. EFPC (Entidade Fechada de Previdência Complementar) SIOEFPC UM RESUMO DO SEU FUNCIONAMENTO SISTEMA INTEGRADO DE ORÇAMENTO PARA EFPC (Entidade Fechada de Previdência Complementar) SIOEFPC UM RESUMO DO SEU FUNCIONAMENTO FUNDO DE PENSAO EFPC O Sistema de Orçamento está estruturado em linha com

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [05.054.648/0001-64] CX DE PREV E ASSIS AOS FUNC DO B EST DO PARA SA CAFBEP PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0009-56] PREV-RENDA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 8 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.810.009-92 - PLANO DE BENEFÍCIOS N.º 001 - BROOKLYN 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 Demonstrações Financeiras SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Índice Balanço Patrimonial... Quadro 1 Demonstração do

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telesp Celular Exercício: 203 e 202 dezembro R$ Mil Descrição 203 202 Variação (%) Relatório Anual 203 Visão Prev. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. (DOU nº. 27, de 09 de fevereiro de 2009, Seção 1, páginas 44 a 49) MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe

Leia mais

Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. 29 de novembro de 2011

Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. 29 de novembro de 2011 Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar 29 de novembro de 2011 1 1. Legislação Aplicada; SUMÁRIO 2. Melhores Práticas; 3. Casos observados. 2 LEGISLAÇÃO APLICADA AOS INVESTIMENTOS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [01.182.491/0001-00] OABPREV-RS - FUNDO DE PENSAO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL DO RIO GRANDE DO SUL [2006.0013-29]

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível Investimento

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

Acompanhamento da Política de Investimentos Nucleos 4º Trimestre de 2012

Acompanhamento da Política de Investimentos Nucleos 4º Trimestre de 2012 Acompanhamento da Política de Investimentos Nucleos 4º Trimestre de 2012 1 - Introdução e Organização do Relatório O relatório de acompanhamento da política de investimentos tem por objetivo verificar

Leia mais

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC Relatório PREVI 2013 Parecer Atuarial 2013 74 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC 1 OBJETIVO 1.1 O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre

Leia mais

2º Semestre de 2010 2

2º Semestre de 2010 2 1 2 2º Semestre de 2010 O objetivo deste material é abordar os pontos principais do Plano de Benefícios PreviSenac e não substitui o conteúdo do regulamento. 3 4 Índice PreviSenac para um futuro melhor

Leia mais

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I)

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Dispõe sobre os procedimentos contábeis das entidades fechadas de previdência complementar,

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Extra Fundo de Investimento Renda Fixa (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - e 2011 Com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras

Leia mais

Segurança para quem você ama. Regulamento

Segurança para quem você ama. Regulamento Segurança para quem você ama. Regulamento Bem-vindo, novo participante! É com satisfação que recebemos sua adesão ao Família Previdência, plano desenhado para oferecer uma complementação de aposentadoria

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

TREINAMENTOS PARA OS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL

TREINAMENTOS PARA OS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL TREINAMENTOS PARA OS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL Out/2014 OBJETIVO Estratégia de Investimento Política de Investimentos, Perfis de Investimentos, Agentes Envolvidos na Gestão e Classes de Ativos. POLÍTICA

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2013

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2013 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ, pessoa jurídica de direito público interno, inscrito no CNPJ 05093137/000151 sediado à Rua Trav. Paulo Bini,27,

Leia mais

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM Fundação Previdenciária IBM Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL 1 VIVER O PRESENTE, DE OLHO NO FUTURO Caro participante, Muitos dizem que é melhor viver intensamente o presente

Leia mais

Rendimentos líquidos mensais (R$) Alíquota Deduzir Prazo de acumulação dos recursos Alíquota. 35% Até 1.566,61. 30% De 1.566,62 até 2.

Rendimentos líquidos mensais (R$) Alíquota Deduzir Prazo de acumulação dos recursos Alíquota. 35% Até 1.566,61. 30% De 1.566,62 até 2. 2010 1 Introdução A Resolução CGPC n 23, de 06 de dezembro de 2006, estabeleceu procedimentos básicos para divulgação de informações aos Participantes. Em conformidade com esta resolução, apresentamos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREVICOKE SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS PREVICOKE 2009 Classified - Internal use ÍNDICE Finalidade da Política de Investimentos... 3 PARTE I... 3 1. Objetivos

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Multi Exercício: 013 e 01 dezembro R$ Mil Descrição 013 01 Variação (%) Relatório Anual 013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento Ações

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Regius - Plano de Benefícios 03 1

Regius - Plano de Benefícios 03 1 Regius - Plano de Benefícios 03 1 Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios 03 da Regius Sociedade Civil de Previdência Privada em 31/12/2010, com o objetivo de identificar sua situação

Leia mais

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência GLOSSÁRIO ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. ASSISTIDOS. Participante ou Beneficiário(s) em gozo de benefício. ATUÁRIO. Profissional técnico especializado,

Leia mais

Desempenho financeiro do Portus no 1º semestre de 2007 RENDA FIXA

Desempenho financeiro do Portus no 1º semestre de 2007 RENDA FIXA Desempenho financeiro do Portus no 1º semestre de 2007 Este relatório tem como objetivo, atender a Instrução SPC nº 07 de 2005 e informar aos Participantes, Assistidos, Patrocinadores, Entidades de Classe

Leia mais

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD)

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) Janeiro de 2012 1 MOVIMENTOS FIC ADVANTAGE III PSI E PSII - BD Carteira Título Vencimento Alocação Atual - MTM Alocação

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:08:58 Número do protocolo: 005549 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014

INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014 INSTRUÇÃO PREVIC N 12, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014 Dispõe sobre as Demonstrações Atuariais - DA dos planos de benefícios administrados pelas entidades fechadas de previdência complementar, e dá outras providências.

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.225.861/0001-30] REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2012.0017-18] PB CD-02 ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Benefícios PCD INERGUS Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios PCD INERGUS

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA FIDELIDADE II RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA FIDELIDADE II RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA FIDELIDADE II RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Data de Competência: 06/10/2015 1. CNPJ 10.322.668/0001-09 2. PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA. Esta Cartilha vai ajudá-lo a entender melhor o OABPrev-GO e o Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado Adv-PREV.

CARTILHA EXPLICATIVA. Esta Cartilha vai ajudá-lo a entender melhor o OABPrev-GO e o Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado Adv-PREV. CARTILHA 2010 CARTILHA EXPLICATIVA Esta Cartilha vai ajudá-lo a entender melhor o OABPrev-GO e o Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado Adv-PREV. Com o Adv-PREV você verá que é possível viver

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 1- OBJETIVOS A Política de Investimentos dos Recursos Garantidores das Reservas Técnicas da OABPrev-PR, tem por objetivo a maximização

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 A presente Política de Investimento tem como objetivo principal estabelecer condições para que os recursos dos Planos de Benefícios desta Entidade sejam geridos visando

Leia mais

FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA

FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Ensino a distância ÍNDICE I) O QUE É PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR? II) SISTEMA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR III) MARCOS REGULATÓRIOS IV) PLANOS DE BENEFÍCIOS V) ENTIDADES

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO

REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O ALFAPREV RF PRIVATE - Fundo de Investimento

Leia mais

Santander Associação de Previdência

Santander Associação de Previdência Santander Associação de Previdência Relatório anual de informações 2010 Apresentação Sanprev Em cumprimento às determinações legais que regem as Entidades Fechadas de Previdência Complementar, a Sanprev

Leia mais

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO Plano de Contas Padrão, contendo alterações pela Instrução SPC nº 34/2009 ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO I CARACTERÍSTICAS 1. O plano de contas é formado por codificação alfanumérica. 2. A parte

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010 1 Finalidade da Política de Investimentos: Este documento estabelece as maneiras pelas quais os ativos dos planos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 156 Relatório Anual de Informações 2014 PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 1. Considerações Iniciais

Leia mais

FUNDAÇÃO LIBERTAS. Avaliação Atuarial de 2014. Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65. Parecer Atuarial 057/15

FUNDAÇÃO LIBERTAS. Avaliação Atuarial de 2014. Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65. Parecer Atuarial 057/15 FUNDAÇÃO LIBERTAS Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios CODEMIG Prev CNPB 2013.0016-65 Parecer Atuarial 057/15 Fevereiro/2015 PARECER ATUARIAL 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atendendo as disposições

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [10.530.382/0001-19] FUNDO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO-ALEPEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2008.0048-56] ALEPEPREV ENCERRAMENTO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2010 Tibagi Tibagiprev. - 1 - Índice pág. 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Diretrizes de Alocação dos Recursos 6 4 Diretrizes para Gestão dos Segmentos 8 Tibagi Tibagiprev. - 2

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Perfis de Investimento. GEBSA Prev

Perfis de Investimento. GEBSA Prev Perfis de Investimento GEBSA Prev 2 GEBSA-PREV INTRODUÇÃO Esta cartilha reúne as principais informações relacionadas aos Perfis de Investimento da GEBSA PREV e vai lhe ajudar a identificar alguns aspectos

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDENCIA DO MUNICIPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ - IPMAT

INSTITUTO DE PREVIDENCIA DO MUNICIPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ - IPMAT RESOLUÇÃO Nº. 01/2009 Em cumprimento a Resolução nº. 3790/2009 de 24 de Setembro de 2009, do Conselho Monetário Nacional, o CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO IPMAT, no uso de suas atribuições legais e de conformidade

Leia mais

REGULAMENTO CULTURAPREV Adaptado à Lei Complementar nº 109/2001, Resoluções CGPC Nº 12/2002, Nº 03/2003, Nº 08/2004 e a Resolução CGPC Nº 10/2004

REGULAMENTO CULTURAPREV Adaptado à Lei Complementar nº 109/2001, Resoluções CGPC Nº 12/2002, Nº 03/2003, Nº 08/2004 e a Resolução CGPC Nº 10/2004 REGULAMENTO CULTURAPREV Adaptado à Lei Complementar nº 109/2001, Resoluções CGPC Nº 12/2002, Nº 03/2003, Nº 08/2004 e a Resolução CGPC Nº 10/2004 Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Previdência

Leia mais

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS ENTIDADE RAZÃO SOCIAL: FUNDAÇÃO BANESTES DE SEGURIDADE SOCIAL 3 DADOS DOS PLANOS NÚMERO DE PLANOS:

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS A Abono Anual: Pagamento da 13ª (décima terceira) parcela anual do benefício de renda continuada. Abono de Natal: (v. Abono Anual). Administrador Especial: Pessoa

Leia mais

demonstração da Mutação do ativo Líquido

demonstração da Mutação do ativo Líquido Período: dezembro de 2010 R$ mil demonstração da Mutação do ativo Líquido Visão ATelecom Descrição 2010 A) Ativo Líquido - Início do Exercício 2.207 1. Adições 4.979 (+) Contribuições 4.727 (+) Resultado

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

FUNPRESP-JUD. Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38. Parecer Atuarial 041/14

FUNPRESP-JUD. Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38. Parecer Atuarial 041/14 FUNPRESP-JUD Avaliação Atuarial de 2013 PLANO FUNPRESP-JUD CNPB 2013.0017-38 Parecer Atuarial 041/14 FEVEREIRO/2014 PARECER ATUARIAL 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atendendo as disposições da Lei Complementar

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais