Fatores determinantes da estrutura de capital

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fatores determinantes da estrutura de capital"

Transcrição

1 JAN. FEV. MAR ANO XII, Nº INTEGRAÇÃO 17 Fatores determinantes da estrutura de capital HERBERT KIMURA* Resumo De acordo com as premissas da teoria estabelecida por Modigliani e Miller, a estrutura de capital seria irrelevante para o valor da empresa. Na prática, porém, observa-se uma grande preocupação por parte das empresas em seguir políticas específicas com relação ao financiamento de seus ativos. Este artigo apresenta as principais abordagens alternativas à teoria de Modigliani e Miller, discutindo a multiplicidade de linhas de pesquisa relacionadas com o tema da estrutura de capital. Palavras-chave estrutura de capital, custos de agência, assimetria de informações. Title Determining Factors in Capital Structure Abstract According to theoretical principles proposed by Modigliani and Miller, capital structure is irrelevant for a company s value. But in practice, we can notice a great preoccupation by companies in trying to follow specific policies in relationship to the financing of their assets. This article presents the main alternative approaches to Modigliani and Miller, and discusses the multiple research lines related with capital structure Keywords capital structure, agency costs, information asymmetry. 1. INTRODUÇÃO A moderna teoria referente à estrutura de capital teve início a partir dos estudos desenvolvidos por Modigliani e Miller. Surpreendentemente, os dois estudiosos demonstraram de forma extremamente simples que, sob certas condições, a estrutura de capital é irrelevante (MODIGLIANI & MILLER, 1958). Diversos trabalhos posteriores surgiram com o intuito de melhor avaliar os fatores determinantes da escolha da composição do passivo das empresas, considerando novas situações em que as premissas de Modigliani e Miller não fossem válidas e utilizando até mesmo novas abordagens ou linhas de pesquisa. O objetivo deste artigo é estabelecer um panorama sobre os estudos subseqüentes que fazem avançar a teoria da estrutura de capital, baseandose principalmente nos trabalhos desenvolvidos por Harris e Raviv (1991) e por Titman e Wessels (1988). Especial ênfase será dada aos aspectos referentes aos modelos estabelecidos, visando a identificação da multiplicidade de linhas de pesquisa relacionadas com o tópico da estrutura de capital. Na próxima seção, serão apresentadas as principais abordagens sobre os fatores determinantes da estrutura de capital, explicitando-se os principais modelos criados pelos pesquisadores. Posteriormente, serão explicados alguns atributos ou fatores específicos que podem ser utilizados para a modelagem do nível de endividamento, avaliando-se os avanços teóricos e as vantagens e desvantagens de cada modelo. A seguir, os comentários finais e as principais conclusões serão apresentados neste artigo, evidenciando-se que a busca de modelos de estrutura de capital ainda representa campo fértil para pesquisas na área de finanças, uma vez que existem diversas alternativas viáveis para seu estudo, e praticamente nenhuma abordagem mostrase consistentemente mais poderosa para explicar o nível e a forma de endividamento de uma empresa. 2. ABORDAGENS SOBRE OS FATORES DETERMINANTES DA ESTRUTURA DE CAPITAL Data de recebimento: 09/09/2004. Data de aceitação: 26/11/2004. * Doutor em Administração de Empresas pela USP, tendo ministrado cursos de Finanças para pós-graduação e graduação na USJT, na Universidade Presbiteriana Mackenzie e na FGV. Harris e Raviv (1991), ao realizarem uma síntese dos resultados e evidências empíricas das principais pesquisas sobre estrutura de capital, identificaram basicamente quatro categorias de fatores

2 18 INTEGRAÇÃO KIMURA Estrutura de capital determinantes do perfil de endividamento das corporações. Em linhas gerais, estes determinantes estão ligados à busca pela: amenização dos conflitos de interesse entre os vários indivíduos ligados às empresas; transmissão de informação aos mercados de capitais ou diminuição dos efeitos da assimetria de informações; necessidade de influenciar a natureza dos produtos ou de competição nos mercados consumidores ou fornecedores; necessidade de afetar os resultados decorrentes da disputa pelo controle da corporação. A figura a seguir traz os principais modelos que explicam o estabelecimento da estrutura de capital, cujos desdobramentos serão apresentados a seguir. 3. MODELOS BASEADOS NOS CUSTOS DA AGÊNCIA As relações de agência podem tornar-se fatores que influenciam a estrutura de capital de uma empresa, tendo em vista a possibilidade do surgimento de conflitos entre agentes e principais. Supondo que os indivíduos sejam maximizadores da utilidade, é razoável considerar que os agentes, aos quais foram delegados poderes de tomada de decisão, ajam conforme seus próprios interesses, muitas vezes impondo perdas ao principal, isto é, àquele que delegou os poderes. Em seu estudo sobre a teoria da firma, Jensen e Meckling (1976) estabelecem três situações principais de conflito de agência. Uma primeira forma de conflito ocorre entre acionistas majoritários que se tornam agentes e acionistas minoritários que representam os principais. Neste caso, por participarem apenas como provedores de recursos, sem controle direto das decisões, os acionistas minoritários podem sofrer perdas em decorrência do aproveitamento, pelo agente, de seu poder de decidir pelo consumo de benefícios não-pecuniários, como, por exemplo, utilização de mão-de-obra ou recursos da empresa para satisfação de interesses pessoais e dispêndio de capital para a aquisição de bens supérfluos, visando valorização de seu status pessoal. Existem também conflitos de agência entre o administrador e o acionista. Uma forma de conflito é semelhante ao descrito anteriormente, mas, neste caso, o administrador, que assume o papel de agente, apropria-se de riqueza do acionista, aproveitando-se de recursos para benefício próprio, Figura 1: Abordagens referentes à estrutura de capital

3 JAN. FEV. MAR ANO XII, Nº INTEGRAÇÃO 19 Figura 2: Conflitos de agência investindo em bens não-pecuniários para aumento de sua utilidade. Adicionalmente, outro conflito pode surgir na medida em que o administrador pode tomar decisões que aumentem a escala ou o tamanho da empresa, com o objetivo não de aumentar a riqueza dos acionistas, mas de valorizar sua posição social como executivo de uma empresa de maior dimensão. Num outro sentido, também pode ocorrer um conflito de agência, quando o administrador, temeroso pela perda de seu emprego, toma atitudes pouco arriscadas, subutilizando os recursos da empresa e evitando a realização de projetos que agreguem valor ao patrimônio do acionista, porém que apresentem nível de risco relativamente alto. No caso do conflito entre acionista e credor, o acionista configura-se no agente que, ao obter recursos do credor, o principal, obtém um contrato que o incentiva a investir de modo ineficiente do ponto de vista de uma relação equilibrada entre risco e retorno. Assim, investimentos que proporcionam elevados resultados, mesmo apresentando baixa probabilidade de ocorrência, tornam-se atraentes uma vez que os ganhos em geral são capturados pelos acionistas, enquanto as perdas, devido à obrigação limitada dos acionistas, são muitas vezes impostas aos credores. Jensen e Meckling (1976) apresentam uma interessante situação, utilizando um modelo de precificação de opções, no qual riqueza é transferida do credor ao acionista quando este, afirmando que investirá os recursos emprestados em determinado projeto com determinado risco, efetivamente investe em um projeto mais arriscado, isto é, com maior volatidade dos possíveis resultados futuros. Nesta situação, há uma transferência de riqueza do credor, que será detentor de títulos de dívida desvalorizados, para o acionista. A propensão à maximização da utilidade em detrimento da riqueza do principal pode então ser fator determinante da composição de passivos, refletindo, portanto, os custos de agência associados a cada situação de conflito. 4. MODELOS BASEADOS NA ASSIMETRIA DE INFORMAÇÃO A inclusão dos modelos de tratamento de informação privilegiada e de assimetria de informação possibilitou grandes avanços no sentido de identificação de fatores determinantes da estrutura de capitais. Os chamados insiders, os indivíduos da empresa que efetivamente participam da gestão, seja como administradores ou acionistas, são definidos como

4 20 INTEGRAÇÃO KIMURA Estrutura de capital possuidores de informação particular, não disponível ao público em geral, sobre características da empresa, tais como custos, projeções de vendas, projetos de investimentos e estratégias mercadológicas. Basicamente, a assimetria de informação pode ser abordada de duas maneiras distintas para avaliação da formação da estrutura de capital da empresa. Na primeira forma, busca-se analisar como a estrutura de capital fornece aos investidores em geral, também chamados outsiders, a informação disponível somente aos insiders. Partindo da premissa de que os investidores têm à sua disposição menos informação que os insiders da empresa, existe a possibilidade de que as ações da empresa estejam sendo mal precificadas pelo mercado, uma vez que os fluxos de caixa projetados e a taxa de desconto utilizada pelos investidores podem não corresponder aos valores mais adequados. Se as ações estão subavaliadas pelo mercado e um projeto tem que ser financiado por meio da emissão de novas ações, os novos investidores podem obter ganhos em detrimento dos acionistas mais antigos. Assim, em caso de condução do preço da ação ao valor justo, poderá haver uma transferência de riqueza do antigo acionista aos novos acionistas, mediante a incorporação de um valor maior que o valor presente líquido do projeto aos investidores. Nesta situação, não haverá incentivos para que sejam emitidas novas ações, sendo preferido, portanto, o financiamento de projetos por meio da utilização de recursos internos provenientes de lucros acumulados. De forma semelhante, caso haja a necessidade de recursos externos, prefere-se emitir títulos de dívida em vez de ações. A emissão de ações seria, portanto, a última escolha para a captação de recursos para investimentos em projetos. Esta seqüência de preferências consiste na chamada teoria de pecking order, proposta por Myers (1984), que estabelece basicamente que a estrutura de capital de uma empresa é função de seu desejo de financiar novos projetos, primeiramente pela utilização de recursos internos, posteriormente pelo endividamento com capital de terceiros e, finalmente, pela captação de recursos próprios. É claro que, no caso de ações superavaliadas, o raciocínio é o oposto e, portanto, haverá incentivos para financiar projetos por meio da emissão de novas ações. Em uma outra abordagem, estuda-se a estrutura de capital como a forma que a empresa encontra para amenizar as ineficiências decorrentes das distorções causadas pela existência da assimetria Figura 3: Assimetria de informação

5 JAN. FEV. MAR ANO XII, Nº INTEGRAÇÃO 21 Figura 4: Interação mercadológica de informação. No modelo proposto por Ross (1977), os administradores têm a informação sobre a distribuição de probabilidade dos retornos da empresa, enquanto os investidores não têm acesso a esta informação. Os administradores obtêm maior valor quando os títulos da empresa são superavaliados pelo mercado, porém são penalizados se a empresa for à falência (HARRIS & RAVIV, 1991). Por sua vez, os investidores vêem um maior nível de endividamento como sinal de maior qualidade, tendo em vista que um maior endividamento seria mais racional para empresas em uma situação favorável, com pouca probabilidade de falência. No caso, os administradores se sentiriam confortáveis para emitir títulos de dívida, tendo em vista que a penalização devido a falência seria pouco provável. 5. MODELOS BASEADOS NAS INTERAÇÕES MERCADOLÓGICAS ENTRE PRODUTOS E INSUMOS Uma evolução recente no estudo da configuração dos passivos de uma empresa incorpora alguns aspectos da teoria das organizações industriais visando a identificação de argumentos que motivem o estabelecimento de determinada estrutura de capital. Estes modelos surgem como alternativas às outras teorias, apresentando duas abordagens diferenciadas, mas relacionadas com as interligações que podem existir entre o nível de endividamento e as estratégias empresariais diante das forças de mercado. Em uma primeira abordagem, é analisada a influência do endividamento nas interações estratégicas entre competidores. Esta linha de pesquisa adota o pressuposto de que, por meio de uma relação entre estrutura de capital e estratégia de mercado, os administradores estão dispostos a maximizar o valor das ações da empresa, em vez de maximizar os lucros. Alguns modelos desta abordagem baseiam-se em jogos de Carnot. Por exemplo, oligopolistas têm incentivos para produzir mais produtos, forçando seus concorrentes a produzirem menos. O endividamento propiciaria uma forma rápida de financiamento para permitir maior produção. No equilíbrio, portanto, os oligopolistas teriam dívidas com capital de terceiros. Outra abordagem de estrutura de capital baseada na organização industrial é identificar as características de um produto ou de um mercado que interagem com o grau de endividamento. Busca-se desta forma discriminar possíveis variáveis ligadas ao produto que expliquem o endividamento, como, por exemplo, necessidade dos clientes ou possibilidade de entrantes ou substitutos, poder de barganha de fornecedores e clientes, exigência de tecnologia ou recursos humanos etc.

6 22 INTEGRAÇÃO KIMURA Estrutura de capital A falência de uma empresa pode acarretar perdas aos fornecedores ou clientes. Assim, a probabilidade de falência faz com que os produtos da empresa tenham seu preço diminuído, como forma de compensar possíveis perdas impostas às contrapartes. Existe, portanto, um incentivo a que se faça a liquidação da empresa somente quando os ganhos da liqüidação forem maiores que as perdas impostas aos clientes, por exemplo. Titman (1984) sugere que a estrutura de capital permite ser estabelecida uma política ótima de liqüidação. Assim, a estrutura de capital seria implementada da seguinte forma: os acionistas nunca devem querer a liqüidação, os credores sempre exigirão a liquidação em caso de falência e a empresa se tornará inadimplente apenas quando os ganhos advindos da liqüidação superarem as perdas que os clientes sofrerão. JENSEN, M. & MECKLING, W. Theory of the Firm: Managerial Behavior, Agency Costs and Ownership Structure. Journal of Financial Economics, 3, MODIGLIANI, F. & MILLER, M. The Cost of Capital, Corporation Finance and the Theory of Investment. American Economic Review, 48, MYERS, S. Determinants of Corporate Borrowing. Journal of Financial Economics, 9, ROSS, S. The Determination of Financial Structure: The Incentive Signalling Approach. Bell Journal of Economics, 8, TITMAN, S. The Effect of Capital Structure on a Firm s Liquidation Decision. Journal of Financial Economics, 13, TITMAN, S. & WESSELS, R. The Determinants of Capital Structure Choice. Journal of Finance, 43, COMENTÁRIOS FINAIS A teoria de finanças ainda não estabeleceu uma explicação amplamente aceita sobre os fatores determinantes da estrutura de capital. Neste artigo, foram apresentadas algumas abordagens que surgiram e que estão sendo estudadas para explicar como as empresas estabelecem as proporções de capital próprio e capital de terceiros. Observa-se que o estudo da estrutura de capital ainda possibilita que sejam criadas diversas proposições, cada qual baseada em premissas distintas, conduzindo a resultados plausíveis. Não se determinou ainda uma abordagem definitiva ou consistentemente superior às demais e, portanto, muita discussão e muita pesquisa a respeito da formação da estrutura de capital ainda são necessárias. Referências bibliográficas BREALEY, R. & MYERS, S. Principles of Corporate Finance. McGraw-Hill, FAMA, E. & MILLER, M. The Theory of Finance. Holt, Rinehart, and Winston, HARRIS, M. & RAVIV, A. Corporate Control Contests and Capital Structure. Journal of Financial Economics, 20, The Theory of Capital Structure. Journal of Finance, 46, 1991.

Financiamento a Longo Prazo. Alternativas. Capital Próprio. Prf. José Fajardo EBAPE-FGV. Ações Ordinárias Ações Preferenciais

Financiamento a Longo Prazo. Alternativas. Capital Próprio. Prf. José Fajardo EBAPE-FGV. Ações Ordinárias Ações Preferenciais Financiamento a Longo Prazo Prf. José Fajardo EBAPE-FGV Alternativas Ações Ordinárias Ações Preferenciais Debêntures Outros títulos de dívida BNDES Capital Próprio Ações autorizadas x emitidas Lucros retidos

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL E ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO: UM ESTUDO NO CONTEXTO BRASILEIRO

ESTRUTURA DE CAPITAL E ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO: UM ESTUDO NO CONTEXTO BRASILEIRO Universidade Presbiteriana Mackenzie Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Programa de Pós-graduação em Administração de Empresas ESTRUTURA DE CAPITAL E ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO: UM ESTUDO NO CONTEXTO BRASILEIRO

Leia mais

DECISÕES DE ESTRUTURA DE CAPITAL DE EMPRESAS BRASILEIRAS: UM ESTUDO EMPÍRICO

DECISÕES DE ESTRUTURA DE CAPITAL DE EMPRESAS BRASILEIRAS: UM ESTUDO EMPÍRICO DECISÕES DE ESTRUTURA DE CAPITAL DE EMPRESAS BRASILEIRAS: UM ESTUDO EMPÍRICO Prof. Dr. Wilson Toshiro Nakamura Programa de Pós-Graduação em Administração de Empresas da Universidade Presbiteriana Mackenzie

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

Contabilidade financeira e orçamentária I

Contabilidade financeira e orçamentária I Contabilidade financeira e orçamentária I Curso de Ciências Contábeis - 6º Período Professora: Edenise Aparecida dos Anjos INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Finanças Corporativas: incorporaram em seu

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

DETERMINANTES DA ESTRUTURA DE CAPITAL DAS EMPRESAS LISTADAS NA BOVESPA

DETERMINANTES DA ESTRUTURA DE CAPITAL DAS EMPRESAS LISTADAS NA BOVESPA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO - PPGA DETERMINANTES DA ESTRUTURA DE CAPITAL DAS EMPRESAS LISTADAS NA BOVESPA Dissertação de

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

Trade Off e Pecking Order: Uma Análise das Empresas de Capital Aberto da América Latina

Trade Off e Pecking Order: Uma Análise das Empresas de Capital Aberto da América Latina Trade Off e Pecking Order: Uma Análise das Empresas de Capital Aberto da América Latina ITZHAK DAVID SIMÃO KAVESKI Universidade Federal de Mato Grosso do Sul MARCUS VINICIUS MOREIRA ZITTEI Fundação Universidade

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o Capital entre 2004 e 03/2006

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o Capital entre 2004 e 03/2006 SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o o A Quantidade do Capital Vendido o O Valor das Empresas no dia do IPO o O Valor das

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Participação de Capitais de Terceiros nas Empresas: a Comparação Entre Empresas do Setor Siderúrgico

Participação de Capitais de Terceiros nas Empresas: a Comparação Entre Empresas do Setor Siderúrgico Participação de Capitais de Terceiros nas Empresas: a Comparação Entre Empresas do Setor Siderúrgico Reinaldo Aparecida Fonseca fonseca@ufsj.edu.br UFSJ Ana Paula de Castro da Silva paulacastro.contabilidade@gmail.com

Leia mais

1ª SESSÃO. A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. DR. ALEXANDRE DI MICELI DA SILVEIRA

1ª SESSÃO. A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. DR. ALEXANDRE DI MICELI DA SILVEIRA 1ª SESSÃO A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. DR. ALEXANDRE DI MICELI DA SILVEIRA SÓCIO-FUNDADOR DIREZIONE CONSULTORIA EMPRESARIAL PROFESSOR

Leia mais

Otimização da Estrutura de Capital das Empresas Julho de 2011. Prepared for professional investors only

Otimização da Estrutura de Capital das Empresas Julho de 2011. Prepared for professional investors only Otimização da Estrutura de Capital das Empresas Julho de 2011 Prepared for professional investors only Agenda I. Estrutura de Capital e a Criação de Valor II. III. Teorias sobre a escolha da estrutura

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Pro. Alexandre Assaf Neto Este trabalho tem por objetivo básico apresentar as bases conceituais do processo de avaliação econômica de empresas. Avaliação

Leia mais

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O Sumário Prefácio, xiii Parte I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O que são Finanças Corporativas?, 3 1 Introdução, 3 2 Objetivos empresariais, 4 3 Estratégias operacionais, 5 4 Estrutura

Leia mais

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Aula expositiva Ementa: Estudo da Moderna Teoria de Finanças e dos métodos que os administradores

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Índice ÍNDICE PREFÁCIO...7 APRESENTAÇÃO E AGRADECIMENTOS...9 INTRODUÇÃO...11 PRIMEIRA PARTE

Índice ÍNDICE PREFÁCIO...7 APRESENTAÇÃO E AGRADECIMENTOS...9 INTRODUÇÃO...11 PRIMEIRA PARTE Índice 3 ÍNDICE PREFÁCIO...7 APRESENTAÇÃO E AGRADECIMENTOS...9 INTRODUÇÃO...11 PRIMEIRA PARTE ESTRUTURA DO CAPITAL: ABORDAGENS TEÓRICAS E EVIDÊNCIA EMPÍRICA CAPÍTULO 1 ABORDAGENS BASEADAS NOS EFEITOS FISCAIS

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO

GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO VAL- 1 GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO FINANÇAS EMPRESARIAIS VAL- 2! Objectivos do curso! Programa! Material de estudo / Grupos! Avaliação! Bibliografia! Contactos OBJECTIVOS VAL- 3 " Fornecer aos alunos

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL. Palavras-chave: longo prazo, financiamentos, investimentos, custo, capital.

DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL. Palavras-chave: longo prazo, financiamentos, investimentos, custo, capital. DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este trabalho considera os custos de dívidas a longo prazo,

Leia mais

Metodologias de avaliação de empresas: teoria e prática

Metodologias de avaliação de empresas: teoria e prática JAN. FEV. MAR. l 2009 l ANO XV, Nº 56 l 7-12 INTEGRAÇÃO 7 Metodologias de avaliação de empresas: teoria e prática alexandre cintra do amaral* Resumol O objetivo deste artigo é apresentar e discutir os

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA. RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015. Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS

PROGRAMA DA DISCIPLINA. RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015. Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS PROGRAMA DA DISCIPLINA RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015 Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS Marcelo Augusto Ambrozini marceloambrozini@usp.br Mestrado em Controladoria e contabilidade JUSTIFICATIVA

Leia mais

A ESTRUTURA DE CAPITAL DAS EMPRESAS FAMILIARES PORTUGUESAS À LUZ DA TEORIA DA AGÊNCIA

A ESTRUTURA DE CAPITAL DAS EMPRESAS FAMILIARES PORTUGUESAS À LUZ DA TEORIA DA AGÊNCIA A ESTRUTURA DE CAPITAL DAS EMPRESAS FAMILIARES PORTUGUESAS À LUZ DA TEORIA DA AGÊNCIA Este estudo visa verificar se a teoria da agência explica o comportamento financeiro das empresas familiares portuguesas.

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

WILSON TARANTIN JUNIOR. Estrutura de capital: o papel das fontes de financiamento nas quais as companhias abertas brasileiras se baseiam

WILSON TARANTIN JUNIOR. Estrutura de capital: o papel das fontes de financiamento nas quais as companhias abertas brasileiras se baseiam UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLADORIA E CONTABILIDADE WILSON TARANTIN

Leia mais

TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE SEGUNDO WATTS & ZIMMERMAM (CAP. 8, 9, 10 E 11)

TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE SEGUNDO WATTS & ZIMMERMAM (CAP. 8, 9, 10 E 11) UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANCAS - FAF PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE I TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE

Leia mais

ENDIVIDAMENTO E RENTABILIDADE. UM SISTEMA DE PROTEÇÃO AOS CREDORES MAIS FRACOS PREJUDICA ESSA RELAÇÃO?

ENDIVIDAMENTO E RENTABILIDADE. UM SISTEMA DE PROTEÇÃO AOS CREDORES MAIS FRACOS PREJUDICA ESSA RELAÇÃO? 1 ENDIVIDAMENTO E RENTABILIDADE. UM SISTEMA DE PROTEÇÃO AOS CREDORES MAIS FRACOS PREJUDICA ESSA RELAÇÃO? RESUMO A literatura de finanças não tem respostas acerca da melhor composição entre capitais próprios

Leia mais

segundo o processo de tomada de decisões:

segundo o processo de tomada de decisões: Curso de Especialização em Administração Judiciária Tópicos de Administração Financeira Turma II Prof: Carlos Vidal 1 - A FUNÇÃO FINANCEIRA DA EMPRESA segundo o processo de tomada de decisões: a) decisões

Leia mais

Tópicos Avançados em Estrutura de Capital

Tópicos Avançados em Estrutura de Capital Tópicos Avançados em Estrutura de Capital Aula 10 -Desempenho Acionário e Estrutura de Capital Teoria da Inércia Gerencial (Welch, 2004) Abordagem alternativa para explicação da estrutura de capital: Teoria

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA REVISÃO DA TEORIA MODERNA DE MODIGLIANI E MILLER

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA REVISÃO DA TEORIA MODERNA DE MODIGLIANI E MILLER ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA REVISÃO DA TEORIA MODERNA DE MODIGLIANI E MILLER Ana Lúcia Pegetti 1 1 USP Universidade de São Paulo PNV Programa de Pós-Graduação do Departamento de Engenharia Naval Av. Prof.

Leia mais

DETERMINANTES DA ESTRUTURA DE CAPI- TAL DAS EMPRESAS DE TECNOLOGIAS DE IN- FORMAÇÃO 1

DETERMINANTES DA ESTRUTURA DE CAPI- TAL DAS EMPRESAS DE TECNOLOGIAS DE IN- FORMAÇÃO 1 DETERMINANTES DA ESTRUTURA DE CAPI- TAL DAS EMPRESAS DE TECNOLOGIAS DE IN- FORMAÇÃO 1 O presente estudo pretende identificar os determinantes financeiros da estrutura de capital das empresas de tecnologias

Leia mais

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Para se aplicar a Teoria dos Jogos em situações reais, é preciso em primeiro lugar saber como modelar esses processos e como analisá-los,

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO TÓPICO 02: CICLO OPERACIONAL Além da já comentada falta de sincronização temporal, o capital de giro convive com duas

Leia mais

Filosofia e Conceitos

Filosofia e Conceitos Filosofia e Conceitos Objetivo confiabilidade para o usuário das avaliações. 1. Princípios e definições de aceitação genérica. 2. Comentários explicativos sem incluir orientações em técnicas de avaliação.

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 28.03.2013 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A.

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL DE EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS DO MERCADO BRASILEIRO - 1986 a 1996.

ESTRUTURA DE CAPITAL DE EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS DO MERCADO BRASILEIRO - 1986 a 1996. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Gestão em Administração Financeira Paulo Körbes ESTRUTURA DE CAPITAL DE EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS DO MERCADO BRASILEIRO - 1986

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTRODUÇÃO O objetivo da Administração Financeira é maximizar o patrimônio dos acionistas. A função do administrador financeiro é orientar as decisões de investimentos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

INCORPORAÇÃO PAPEL DE TRABALHO DA INCORPORAÇÃO. Subsidiária S.A S.A. Ativos 1.000 370 1370

INCORPORAÇÃO PAPEL DE TRABALHO DA INCORPORAÇÃO. Subsidiária S.A S.A. Ativos 1.000 370 1370 1 INTRODUÇÃO INCORPORAÇÃO A incorporação é um processo no qual uma ou mais sociedades são absorvidas por outra, que lhes sucede em todos os direitos e obrigações. As incorporações de entidades sob controle

Leia mais

Investment Research Contest. Como preparar um relatório

Investment Research Contest. Como preparar um relatório Investment Research Contest Como preparar um relatório Agenda Buscando Informações Estruturando o Raciocínio A Importância do Valuation Tese de Investimento Comparáveis e Múltiplos As Etapas do Relatório

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Após traçadas as estratégias através da análise de mercado propiciada pelo plano de negócios - e se mesmo diante das dificuldades

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

O Crescimento do Mercado de Shopping Centers no Brasil: Uma Análise sob o Ponto de Vista de Estrutura de Propriedade, Controle e Estrutura de Capital

O Crescimento do Mercado de Shopping Centers no Brasil: Uma Análise sob o Ponto de Vista de Estrutura de Propriedade, Controle e Estrutura de Capital O Crescimento do Mercado de Shopping Centers no Brasil: Uma Análise sob o Ponto de Vista de Estrutura de Propriedade, Controle e Estrutura de Capital Autoria: Marcus Alexander Steffen RESUMO A indústria

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Administração Financeira PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 1 12/08/2015 Administração Financeira Prof.

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 Ações O que são ações? Uma ação é um título que representa uma fração do capital social de uma empresa, constituída sob a forma de uma

Leia mais

Efeitos de Alavancagem e Oportunidades de Crescimento sobre o Investimento das Empresas Brasileiras

Efeitos de Alavancagem e Oportunidades de Crescimento sobre o Investimento das Empresas Brasileiras Efeitos de Alavancagem e Oportunidades de Crescimento sobre o Investimento das Empresas Brasileiras Autoria: Estefania Falqueto Milanez Resumo Este artigo tem como objetivo analisar a relação da alavancagem

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

Parte. Escolha da Empresa. Que empresa escolher? 1.1 Que empresa escolher? 1.2 Onde obter informações?

Parte. Escolha da Empresa. Que empresa escolher? 1.1 Que empresa escolher? 1.2 Onde obter informações? 1 Finanças Corporativas Escolha da Empresa Análise de Empresas através de estudos de casos McGraw-Hill/Irwin Corporate Finance, 7/e Escolha da Empresa 1.1 Que empresa escolher? 1.2 Onde obter informações?

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2011 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

Capital/Bolsa Capital/ Balcão. Mesmas informações para os 2 últimos exercícios

Capital/Bolsa Capital/ Balcão. Mesmas informações para os 2 últimos exercícios Identificação das pessoas responsáveis pelo formulário Capital/Bolsa Capital/ Balcão Declaração do Presidente e do Diretor de Relação com Investidores Dívida / Investimento Coletivo IAN Apenas informações

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

1 Introdução. futuras, que são as relevantes para descontar os fluxos de caixa.

1 Introdução. futuras, que são as relevantes para descontar os fluxos de caixa. 1 Introdução A grande maioria dos bancos centrais tem como principal ferramenta de política monetária a determinação da taxa básica de juros. Essa taxa serve como balizamento para o custo de financiamento

Leia mais

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS! Se as linhas de crédito estão escassas, qual a melhor estratégia para suprir a empresa com recursos?! É possível manter a

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais

O EFEITO DA INFLAÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DE CAPITAL DAS EMPRESAS BRASILEIRAS: UMA ANÁLISE SETORIAL

O EFEITO DA INFLAÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DE CAPITAL DAS EMPRESAS BRASILEIRAS: UMA ANÁLISE SETORIAL O EFEITO DA INFLAÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DE CAPITAL DAS EMPRESAS BRASILEIRAS: UMA ANÁLISE SETORIAL Patrícia de Carvalho Diniz Soares Fundação Instituto Capixaba de Pesquisa em Contabilidade, Economia e Finanças

Leia mais

Mercado de Capitais. Análise Fundamentalista. Professor: Roberto César

Mercado de Capitais. Análise Fundamentalista. Professor: Roberto César Mercado de Capitais Análise Fundamentalista Professor: Roberto César Análise Fundamentalista A análise fundamentalista é um importante instrumento utilizado para a análise de investimento em ações. O princípio

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Uso da estrutura de capital por empresas agroindustriais. The use of capital structure by agribusiness companies

Uso da estrutura de capital por empresas agroindustriais. The use of capital structure by agribusiness companies Letícia de Oliveira 1 Luiz Marcelo Antonialli 2 Resumo O objetivo do trabalho foi identificar e caracterizar as empresas agroindustriais em relação ao uso da teoria de estrutura de capital para sua atividade

Leia mais

MANKIW, N.G ECONOMIA DA INFORMAÇÃO 3/3/2009 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO [UFRGS] 1 O MODELO DE MANKIW (1986) ECONOMIA DA INFORMAÇÃO

MANKIW, N.G ECONOMIA DA INFORMAÇÃO 3/3/2009 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO [UFRGS] 1 O MODELO DE MANKIW (1986) ECONOMIA DA INFORMAÇÃO ECONOMIA DA INFORMAÇÃO PPGE/UFRGS SELEÇÃO ADVERSA E O COLAPSO DO MERCADO DE CRÉDITO O MODELO DE MANKIW (1986) O MODELO DE MANKIW (1986) Bibliografia: MANKIW, N.G. (1986). The Allocation of Credit and Financial

Leia mais

Estrutura de Capital e Determinantes da Rendibilidade das Empresas do Distrito de Santarém

Estrutura de Capital e Determinantes da Rendibilidade das Empresas do Distrito de Santarém Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão de Tomar Estrutura de Capital e Determinantes da Rendibilidade das Empresas do Distrito de Santarém Dissertação de Mestrado Carla Patrícia Simão

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.7 Captação de Recursos diretamente pelas empresas

Conhecimentos Bancários. Item 3.7 Captação de Recursos diretamente pelas empresas Conhecimentos Bancários Item 3.7 Captação de Recursos diretamente pelas empresas Conhecimentos Bancários Item 3.7 Captação de Recursos diretamente pelas empresas GOVERNO Instituições Financeiras EMPRESAS

Leia mais

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui CURSO MASTER In Business Economics Master in Business Economics 1 vire aqui DISCIPLINAs O aluno poderá solicitar a dispensa das disciplinas básicas: Matemática Básica, Estatística Aplicada e Contabilidade.

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E GOVERNANÇA

SUSTENTABILIDADE E GOVERNANÇA Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Instituto de Educação Continuada Curso: Gestão Estratégica da Comunicação SUSTENTABILIDADE E GOVERNANÇA B Mônica

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Sistema de informações gerenciais Sistema de informações gerencial => conjunto de subsistemas de informações que processam dados e informações para fornecer

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS

COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS! Qual o preço de lançamento de cada nova ação?! Qual a participação do novo investidor no capital social?! Por que o mercado

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário.

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário. Viabilidade do Negócio Imobiliário Uma Gestão Consciente Prof. Daniel F. Falcão daniel.falcao@agexconsult.com.br Objetivo Central Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR UMA ABORDAGEM DO SETOR PARA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SOBRE DETERMINAÇÃO, AVALIAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL E SOCIAL EM FINANCIAMENTO DE PROJETOS Florianópolis Junho/2004

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente. COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 12 Ajuste a Valor Presente. Estabelece a obrigatoriedade do ajuste a valor presente nos realizáveis e exigíveis a longo prazo e, no caso de efeito relevante,

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

3 Literatura teórica

3 Literatura teórica 23 3 Literatura teórica O FFP é um exemplo de programa bem sucedido na indução de lealdade dos consumidores. Tal programa recompensa consumidores por acúmulo de viagens numa mesma companhia, enquanto pune

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais