UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE GURUPI MESTRADO EM PRODUÇÃO VEGETAL ÁTILA REIS DA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE GURUPI MESTRADO EM PRODUÇÃO VEGETAL ÁTILA REIS DA SILVA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE GURUPI MESTRADO EM PRODUÇÃO VEGETAL Sistema agroflorestal sobre cultivo de leguminosas: fertilidade do solo, resistência a penetração e produtividade de milho e feijão-caupi ÁTILA REIS DA SILVA GURUPI-TO JULHO

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE GURUPI MESTRADO EM PRODUÇÃO VEGETAL Sistema agroflorestal sobre cultivo de leguminosas: fertilidade do solo, resistência a penetração e produtividade de milho e feijão-caupi Dissertação apresentada à Universidade Federal do Tocantins, como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal, para obtenção do título de Magister Scientiae. GURUPI-TO JULHO

3 Trabalho realizado junto ao Mestrado em Produção Vegetal da Universidade Federal do Tocantins, sob orientação do Professor Dr. Leonardo Santos Collier. APROVADA: 29 de julho de 2011 BANCA EXAMINADORA: Profº. Dr. Leonardo Santos Collier Professor da Universidade Federal de Goiás (Orientador) Profº. Dr. Saulo de Oliveira Professor da Universidade Federal do Tocantins (Co-orientador) Profº. Dr. Ildon Rodrigues do Nascimento Professor da Universidade Federal do Tocantins (Avaliador) Dra. Joedna Silva Pesquisadora do Programa Nacional de Pós Doutorado (Avaliadora)

4 AGRADECIMENTOS À Deus, que me deu força, responsabilidade e determinação para não desistir jamais. À Universidade Federal do Tocantins, em especial ao Departamento de Solos e Fitotecnia, pela oportunidade de realização deste curso. Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), pela concessão da bolsa de estudo. Aos meus pais Orosimbo José dos Reis e Rosemar Reis da Silva pelo apoio, carinho e por nunca terem medido esforços para conseguir minhas realizações. Ao meu irmão Alisson Reis da Silva, pela amizade e companheirismo. Ao professor Leonardo Santos Collier, pela orientação, paciência e pelos valiosos ensinamentos. Em especial, aos amigos de graduação, ao Anderson, Humberto, Rodrigo, Fábio, Misael, Thiago, Elonha, Paulo, Renan, Fabricio, Ándre, Antonia, Michel, Valdere, Luziano. Aos colegas de república, ao Daniel Mendes, Marcus Vinicius e Haroldo Rosa, pela amizade e companhia. A Caroline Tunes pelo apoio e amor recebido. Ao Sérgio, Djalma, Alex, Deivid pelo trabalho desenvolvido no projeto. Aos professores e amigos, Flávio, Aurélio, Rodrigo Fidelis, Ildon, Gessiel, Clóvis, Tarcisio, Suzana, Aloísio, Luciano, Saulo, Jacinto. Aos funcionários da Universidade Federal do Tocantins pela ajuda em campo, sem eles tudo seria mais difícil. Aos membros da comissão julgadora, pela disponibilidade e contribuição. Enfim, todos aqueles que de certa forma contribuíram para minha formação. Meu sincero e eterno agradecimento!

5 RESUMO DA DISSERTAÇÃO Os sistemas agroflorestais podem melhorar as características químicas do solo, representam uma forma de uso da terra mais eficiente, promovem uma produção de biomassa aérea e subterrânea e cobertura do solo maiores que outros agroecossistemas. Isso faz deles sistemas alternativos de produção em regiões com solos onde a degradação da matéria orgânica reduzindo capacidade de retenção de água e lixiviação de nutrientes tornando-se um problema. O sistema de cultivo em consórcio predomina é predominante entre as culturas anuais exploradas no Norte e Nordeste do Brasil. O aperfeiçoamento desta prática cultural constitui um tema relevante na pesquisa agronômica envolvendo grandes culturas nessas regiões. Em sistema agroflorestal, os diversos cultivos e manejos de solo alteram os atributos físicos do solo, refletindo em sua sustentabilidade. Dentre os atributos físicos utilizados para avaliar a qualidade física do solo, a resistência do solo à penetração têm sido priorizadas atualmente para avaliar sistemas de uso e manejo, por serem atributos diretamente relacionados ao crescimento das plantas e de fácil determinação. O presente trabalho foi constituído de três capítulos. No capítulo I, foram feitas avaliações de atributos químicos do solo para avaliar a resposta de manejo do solo em sistema agroflorestal na ótica da fertilidade do solo. A forma de realizar essa abordagem foi em três aspectos: avaliando os cultivos de cobertura antecessoras; avaliando as alterações gerais ao longo de três anos sob diferentes usos e depois avaliando uma área com cultivo convencional de nove anos e um sistema agroflorestal de seis anos. Avaliando os cultivos de cobertura antecessoras, o uso de leguminosas contribuiu para melhoria da maioria dos atributos químicos estudados. Há um incremento significativo da matéria orgânica do solo com o uso das leguminosas, podendo ser utilizada principalmente por pequenos agricultores. Em relação as alterações durante os três anos, verificou-se que o ph e os teores de Ca 2+ e Mg 2+ foram mais altos no plantio agroflorestal com manejo de adubação verde de leguminosas do que em pousio e com cultivo de plantas anuais. O sistema agroflorestal melhorou as características químicas do solo em relação à agricultura convencional. Em relação ao Cerrado, não foi superior para cálcio, magnésio e soma de bases. No capítulo II, objetivou-se avaliar o rendimento de espigas verdes de milho e de vagens e grãos de feijão-caupi, em cultivos puros e consorciados dentro de um Sistema Agroflorestal com diferentes tratamentos antecessores, no sul do estado do Tocantins. O delineamento experimental utilizado foi blocos inteiramente casualizados com quatro repetições, sendo avaliados para o milho: altura de planta e de espiga, comprimento de espiga empalhada e

6 despalhada, diâmetro de espiga, peso de espigas empalhadas e despalhadas comercializáveis, produção de massa verde de plantas e total. Para o feijão-caupi foram avaliados: número de grãos por vagem, índice de grãos, peso de 100 grãos, comprimento da vagem e produtividade. Para o milho, os tratamentos antecessores influenciaram as características avaliadas diferindo estatisticamente, principalmente o tratamento de leguminosa. Já para o feijão foram encontradas produtividades superiores a média nacional, mostrando a eficiência do agroecossistema utilizado. De acordo com o índice de eficiência de uso da terra, foi detectado que os sistemas consorciados se sobressaíram em relação aos sistemas em monocultivo. No Capitulo III, estudou-se à resistência a penetração e umidade do solo em quatro profundidades (0-10, 10-20, 20-30, cm) por meio da Geoestatística, e umidade em um Plintossolo háplico sob Sistema Agroflorestal. Para isso, foi instalada a malha para a coleta dos dados, contendo 49 pontos amostrais, numa área de m2. Ocorreu menor resistência à penetração na profundidade de 0-20 cm, refletindo o efeito da matéria orgânica aportada no sistema agroflorestal. Os valores encontrados para resistência à penetração no sistema agroflorestal causam poucas restrições ao crescimento radicular de plantas. A umidade do solo foi uniforme em todo perfil. Palavras-Chave: Agroecologia, Zea mays L., agroecossistema.

7 SUMÁRIO 1 Introdução Geral Referências Bibliográficas Revisão de Literatura Geral Expansão da agricultura e qualidade do solo Indicadores químicos, físicos e biológicos Indicadores biológicos Indicadores químicos Indicador físico de qualidade do solo Resistência à penetração Culturas de base da agricultura familiar Milho Feijão-caupi Consórcios de culturas Sistemas Agroflorestais Agroecologia Referências Bibliográficas Capitulo 1. Fertilidade do solo em sistema agroflorestal diverso no Estado do Tocantins Introdução Material e Métodos Experimento Experimento Experimento Análise Estatistica Resultados e Discussão Experimento Conclusões Experimento Conclusões Experimento Conclusões Referências Bibliográficas Capitulo 2. Produção de espigas verdes de milho em cultivo solteiro e consorciado com feijão-caupi em sistema agroflorestal Introdução Material e Métodos Resultados e Discussão Conclusões Referências Bibliográficas Capitulo 3. Resistência mecânica do solo à penetração em sistema agroflorestal diverso no Estado do Tocantins Introdução Material e Métodos Resultados e Discussão Conclusões Referências Bibliográficas...91

8 LISTA DE FIGURAS Capitulo 3 - Resistência mecânica do solo à penetração em sistema agroflorestal diverso no Estado do Tocantins Figura 1 - Distribuição espacial da resistência à penetração RP1 (0-10 cm), RP2 (10-20 cm), da área sob sistema agroflorestal...86 Figura 2 - Distribuição espacial da resistência à penetração RP3 (20-30 cm), RP4 (30-40 cm), da área sob sistema agroflorestal...87 LISTA DE TABELAS Capitulo 1 - Fertilidade do solo em sistema agroflorestal diverso no Estado do Tocantins Tabela 1 - Atributos químicos de solo coletado no momento d implantação e após a condução do experimento nas parcelas de leguminosas, vegetação espontânea (VE), crotalaria juncea (CJ), crotalaria junce com feijão de porco (CJ+FP), crotalaria espectabilis (CA), crotalaria juncea com feijão bravo (CJ+FB), mucuna preta (MP) e crotalaria espectabilis com mucuna preta (CA+MP), em Gurupi-TO...43 Tabela 2 - Atributos químicos do solo no sistema agroflorestal em três anos, sendo SAF 2008 (área em pousio), SAF 2009 (área com leguminosas com posterior cultivo de feijão-caupi e milho), SAF 2010 (área com residuos de leguminosas da safra anterior), em Gurupi- TO...46 Tabela 3 - Atributos químicos do solo em dois sistema agrícolas Sistema Agroflorestal e Sistema Convencional de cultivo e um Cerrado em Gurupi-TO...48 Capitulo 2 - Produção de espigas verdes de milho em cultivo solteiro e consorciado com feijão-caupi em sistema agroflorestal Tabela 1 - Atributos químicos do solo no Sistema Agroflorestal...63 Tabela 2 - Resumo da análise de variância conjunta para as características: altura de planta (AP), altura de espiga (AE), diâmetro de espiga (DE), comprimento de espiga empalhada (CEE), comprimento de espiga despalhada (CED), peso de espiga empalhada (PEE), peso de espiga despalhada (PED), massa verde de plantas (MVP), massa verde total (MVT), da cultivar de milho sobre três tratamentos antecessores em dois sistemas de cultivo...65 Tabela 3 - Valores médios para as características altura de planta (cm), altura de espiga (cm), de três tratamentos antecessores, cultivados em sistema de monocultivo e cultivo consorciado com feijão-caupi, em Sistema Agroflorestal, Gurupi-TO, na safra de 2010/

9 Tabela 4 - Valores médios para as características diâmetro de espigas (mm), comprimento de espigas empalhadas (mm) e comprimento de espigas despalhadas (mm) de três tratamentos antecessores, cultivados em sistema de monocultivo e cultivo consorciado com feijão-caupi, em Sistema Agroflorestal, Gurupi-TO, na safra de 2010/ Tabela 5 - Valores médios para as características peso de espigas empalhadas (Kg/ha), peso de espigas despalhadas (Kg/ha) e produção massa verde (Kg/ha) de três tratamentos antecessores, cultivados em sistema de monocultivo e cultivo consorciado com feijão caupi, em sistema agroflorestal, Gurupi-TO, na entressafra de 2010/ Tabela 6 - Resumo da análise de variância conjunta para as características: número de grãos/vagem (NGV), índice de grãos (IND), comprimento de vagem (CV), peso de 100grãos (P100G), produtividade de grãos (prod), do feijão sobre três tratamentos antecessores em dois sistemas de cultivo...71 Tabela 7 - Valores médios para as características número de grãos/vagem, índice de grãos(%), comprimento de vagem (cm), peso de 100 grãos e produtividade (Kg/ha) de três tratamentos antecessores, cultivados em sistema de monocultivo e cultivo consorciado com milho, em Sistema Agroflorestal, Gurupi-TO, na entressafra de 2010/ Tabela 8 - Uso eficiente da terra (UET), no consórcio milho + feijão caupi sobre tratamentos antecessores...74 Capitulo 3 - Resistência mecânica do solo à penetração em sistema agroflorestal diverso no Estado do Tocantins Tabela 1 - Estatística descritiva da resistência a penetração no SAF, em Gurupi-TO...85 Tabela 2 - Características dos semivariogramas ajustados para resistência à penetração...86 Tabela 3 - Umidade média da área de Sistema Agroflorestal, em diferentes profundidades...88

10 1 INTRODUÇÃO GERAL A crescente expansão agrícola e o uso de práticas inadequadas de manejo, juntamente com a ocupação humana desordenada, tem contribuído para o surgimento cada vez maior de áreas degradadas, com conseqüências drásticas para o meio ambiente. O sistema tradicional de cultivo acarretou ao longo do tempo, a redução da qualidade das propriedades físicas, químicas e biológicas do solo. Este processo inicia-se com a remoção da vegetação natural e acentua-se com os cultivos subseqüentes, promovendo a exposição direta do solo aos fatores climáticos, resultando em erosão, perda de nutrientes por transporte químico, redução dos teores de matéria orgânica e destruição da estrutura original (SOUZA & MELO, 2000), o que propicia a degradação. Com o recente reconhecimento e a conscientização da importância dos valores ambientais, econômicos e sociais das florestas, podem-se perceber, no cenário mundial, fortes tendências para mudanças significativas na forma de uso da terra, com a utilização de sistemas produtivos sustentáveis que considerem, além da produtividade biológica, os aspectos sócio-econômicos e ambientais. Considerando que o solo é a base para uma agricultura e uma produção florestal sustentável, é necessário adotar práticas de manejo que conservem e restaurem sua fertilidade, a fim de manter a produtividade (ALVARENGA, 1996). O uso intenso das terras exploradas com culturas perenes ressalta a necessidade de se manter uma exploração racional, a fim de preservar o potencial produtivo dos solos; o que torna o conhecimento das propriedades químicas e físicas do solo uma ferramenta fundamental para direcionar práticas que reduzam o depauperamento a níveis toleráveis (THEODORO, 1999). Sob condições nativas, o solo organiza-se ao longo do tempo em uma estrutura bem definida pela sua composição granulométrica, química e atuação dos agentes biológicos, subordinados às condições ambientais em que o solo está inserido. A conversão da condição natural para agricultura convencional impõe mudanças drásticas nessa estabilidade, refletindo-se na perda da matéria orgânica e dos agregados mais complexos, representados pelos macroagregados estáveis em água. Contudo, a adoção de práticas conservacionistas baseadas no mínimo revolvimento, no correto manejo de resíduos e na inclusão de gramíneas perenes na rotação de culturas pode prevenir a degradação da matéria orgânica (BAYER et al., 2006) e manter ou recuperar a estrutura do solo (HAYNES & BEARE, 1996). 10

11 Entre as diversas técnicas de manejo utilizadas pela agricultura surgiram os sistemas agroflorestais (SAFs), formas de cultivo em que se consorciam, em uma mesma área, espécies arbóreas e cultivos agrícolas e, ou, animais. Os estudos envolvendo tais sistemas têm avançado muito em várias regiões do Brasil, incentivados tanto pelo uso de práticas conservacionistas do solo e da água, quanto pela manutenção de produtividades satisfatórias o que assegura maiores retornos ao produtor. O estudo dos SAFs produtivos torna-se de suma importância pela inclusão de uma nova variável a ser entendida, ou seja, a interação/relação que ocorre entre os cultivos agrícolas e as árvores presentes nos sistemas agroflorestais. Questões como a erosão e lixiviação de nutrientes no solo, a dinâmica de matéria orgânica influenciando atributos físicos químicos e biológicos do solo, o comprometimento da produtividade esperada, a competição entre as espécies consorciadas e suas relações abrem um campo atraente na pesquisa, envolvendo a agricultura e a silvicultura conjuntamente (SALGADO, 2004). O cultivo de agrofloresta em pequenas áreas favorece o plantio consorciado de plantas de ciclo curto, de consumo mais imediato ao mesmo tempo em que proporciona a regeneração da área pela permanência do conteúdo arbóreo. Nessas condições é necessária a compreensão dos mecanismos de conservação de nutrientes nas florestas que permitam sua exploração, e também a implantação de sistemas de produção vegetal sustentáveis, especialmente os de sistemas agroflorestais que formam uma estrutura semelhante às de vegetação natural (LEÃO & ANGEL, 2004). Os agricultores que atuam nas regiões de fronteira agrícola, em solos típicos da transição Cerrado-Amazônia, nem sempre conseguem evitar limitação em nutrientes levando a baixa produtividade biológica, elevada acidez, pobreza em bases trocáveis e fósforo, baixa CTC e níveis de matéria orgânica decrescente quando cultivados (SILVA et al., 1994). A adubação verde surge como uma alternativa de produção que minimiza os efeitos de ações que promovem a degradação do solo. Ela favorece a cobertura do solo e aumenta a disponibilidade de nutrientes e o incremento da capacidade de reciclagem e mobilização de nutrientes lixiviados ou pouco solúveis que estejam nas camadas mais profundas do perfil. O fornecimento de nutrientes no sistema produtivo ocorre via decomposição de fitomassa. Nesse processo, os elementos essenciais ao desenvolvimento vegetal estão associados aos tecidos orgânicos e a sua liberação não ocorre de forma imediata (KRAINOVIC, 2008). 11

12 O nitrogênio (N) é um dos nutrientes que mais limitam o crescimento das plantas nos trópicos. Portanto, o uso de adubos verde, capazes de realizar a fixação biológica de nitrogênio (FBN) eficientemente, pode representar contribuições consideráveis na viabilidade econômica e sustentabilidade dos sistemas de produção (BODDEY et al. 1997), por reduzir a necessidade da aplicação de N sintético. Entre as espécies empregadas na adubação verde, as da família das leguminosas se destacam por formarem associações simbióticas com bactérias fixadoras de N 2, resultando aporte de quantidades expressivas deste nutriente ao sistema solo-planta (PERIN et al., 2003), contribuindo com a nutrição das culturas subseqüentes (ANDREOLA et al. 2000; ZOTARELLI, 2000). O milho verde, isto é, grãos de Zea mays L. com teor de umidade entre 70 e 80% de seus grãos e o feijão caupi (Vigna unguiculata L.), são cultivos amplamente cultivados e consumidos no Tocantins. Para produção dos dois produtos, ambos são cultivados em monocultivo ou em variados tipos de consórcios que prevalecem no Tocantins, dentre os quais um dos mais comuns é aquele de fileiras alternadas das duas culturas. É uma prática bastante utilizada por pequenos agricultores que buscam um melhor aproveitamento de sua terra com produções boas, a adoção de árvores também são utilizadas, tendo assim sistemas agroflorestais. Desta forma, objetivou-se com esse trabalho avaliar o uso de leguminosas e consórcios múltiplos viabilizando sistemas agroflorestais no Tocantins. Quanto à fertilidade do solo, produtividade de culturas anuais, quantificação de massa verde de leguminosas, índice de eficiência de utilização da terra (IEA), resistência do solo à penetração, umidade do solo. 1.1 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVARENGA, M. I. N. Propriedades físicas, químicas e biológicas de um Latossolo Vermelho-Escuro em diferentes ecossistemas f. Tese (Doutorado em Fitotecnia) Universidade Federal de Lavras, Lavras, ANDREOLA, F.; COSTA, L.M.; OLSZEVSKI, N.; JUCKSCH, I. A cobertura vegetal de inverno e a adubação orgânica e, ou, mineral influenciando a sucessão feijão/milho. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.24, p ,

13 BAYER, C.; LOVATO, T.; DIECKOW, J. ZANATTA, J.A. & MIELNICZUK, J. A method for estimating coefficients of soil organic matter dynamics based on long-term experiments. Soil Tillage Resach, v.91, p , BODDEY, R.M.; SÁ, J.C.D.M.; ALVES, B.J.R.; URQUIAGA, S. The contribution of biological nitrogen fixation for sustainable agricultural systems in the tropics. Soil Biology and Biochemistry, v.29, p , HAYNES, R.J. & BEARE, M.H. Aggregation and organic matter storage in meso-thermal, humid soils. In: CARTER, M.R. & STEWART, B.A., eds. Structure and organic matter storage in agricultural soils. Boca Raton, CRC Press, p , KRAINOVIC, P.M.; Taxa de decomposição de quatro espécies utilizadas para adubação verde em sistemas agroflorestais. 29 p. Monografia (Trabalho de conclusão do curso de graduação em engenharia florestal). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica-RJ, LEÃO, A. L; ENGEL. V. L. Balanço de carbono em SAF s Argumentos para a redução do efeito estufa. In: Sistemas Agroflorestais, Tendência da Agricultura Ecológica nos Trópicos: Sustento de Vida e Sustento de vida Ilhéus, BA: Sociedade Brasileira de Sistemas Agroflorestais: Universidade Estadual do Norte Fluminense, p PERIN, A.; GUERRA, J.G.M.; TEIXEIRA, M.G. Cobertura do solo e acumulação de nutrientes pelo amendoim forrageiro. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.38, p , SALGADO, B.G. Caracterização de sistemas agroflorestais com cafeeiro em Lavras - MG f. Dissertação (Mestrado em Engenheria Florestal) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, SILVA, J.C; LEMAINSKI, J.; RESCK, D.V.S. Perdas de matéria orgânica e suas relações com a capacidade de troca catiônica em solos da região de cerrados do oeste baiano. Campinas, Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.18, p: ,

14 SOUZA, W.J.O. & MELO, W.J. Teores de nitrogênio no solo e nas frações da matéria orgânica sob diferentes sistemas de produção de molho. Viçosa, Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 24, p , THEODORO, V.C.A. Caracterização de sistemas de produção de café orgânico, em conversão e convencional. 214p. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, ZOTARELLI, L. Balanço de nitrogênio na rotação de culturas em sistema de plantio direto e convencional na região de Londrina - PR. 134p. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica REVISÃO DE LITERATURA GERAL 2.1 Expansão da agricultura e qualidade do solo A ocupação do cerrado brasileiro é uma questão de crescente preocupação ambiental, devido à intensificação do uso da terra nas últimas décadas, principalmente ocasionada pela expansão dos campos de soja e da pecuária extensiva. Se práticas conservadoras não forem adotadas para evitar a degradação do solo e perda de nutrientes, ocorrerá a perda de vários agroecossistemas devido ao impacto ambiental ocasionado. Os agroecossistemas baseados no uso indiscriminado de agroquímicos, no manejo intensivo e na perda da vegetação (biodiversidade) pelo processo de corte e queima tem como consequências a redução da qualidade do solo e a interrupção da continuidade dos seus processos biológicos, que são responsáveis pela mineralização dos nutrientes orgânicos para a nutrição das plantas (LIMA, et al. 2011). Esse problema é mais agravante em solos das regiões tropicais de avançado estádio de intemperísmo, ou seja, baixa fertilidade natural. Os processos mais importantes e responsáveis por essa degradação são a erosão, a compactação e a diminuição dos estoques de matéria orgânica do solo, os quais influenciam negativamente a microbiota e macrofauna do solo (LEITE et al. 2003). Áreas degradadas perdem sua capacidade produtiva, acarretando também em sérios problemas sociais, como o êxodo do homem no campo e a elevação da densidade demográfica das cidades. Este êxodo ocorre principalmente devido à inviabilidade de pequenos produtores 14

15 recuperarem as condições de fertilidade de suas propriedades, à concorrência com grandes produtores e aos baixos preços dos produtos agrícolas aliado aos altos preços dos insumos e fertilizantes minerais. Independente do agente causador do impacto sobre o recurso (solo) observa-se em diversas regiões a redução significativa do poder de resiliência dos ecossistemas alterados devido, principalmente, a perda da camada superficial do solo (BALIEIRO et al. 2004). O enfoque sobre a qualidade do solo vem despertando um crescente interesse, principalmente em países desenvolvidos onde, é enfatizado que a qualidade do solo é tão importante quanto à qualidade do ar e da água na determinação da qualidade global do ambiente em que vivemos (GOMES, 2010) A remoção da cobertura vegetal natural e a implantação de atividades agropecuárias, devido às ações que envolvem as diferentes formas de uso e manejo, provocam desequilíbrio no ecossistema, uma vez que o manejo adotado influenciará os processos físicos, químicos e biológicos do solo, modificando suas propriedades químicas e físicas (CANELLAS et al. 2003; RANGEL & SILVA, 2007; COSTA et al. 2008). Essas modificações antrópicas do solo podem ser de caráter positivo ou negativo, isto é, tanto podem provocar melhoria em certas propriedades do solo, como também podem acelerar sua degradação, dependendo principalmente da natureza do solo, da espécie vegetal, do sistema de manejo usado e do tempo de exploração agrícola (SALTON et al. 2008; CARNEIRO et al. 2009). Geralmente considera-se que o solo de sistemas agroflorestais apresentam características físicas, tal como a agregação mais favoráveis quando comparando com outros usos, proporcionando condições mais adequadas ao crescimento das plantas. Esse resultado, na maioria das vezes é atribuído à maior quantidade de matéria orgânica e raízes que contribuem para a aproximação das partículas do solo, indicando, assim, que as SAFs normalmente incrementam o teor de matéria orgânica e a estabilidade de agregados do solo. A estabilidade de agregados, expressa pela distribuição de tamanho de agregados, pode ser utilizada para se avaliar a qualidade estrutural do solo, uma vez que a estabilidade da estrutura está relacionada à resistência que os agregados do solo apresentam à influência desagregante da água e forças mecânicas (GAVANDE, 1976). A compactação do solo é um dos fatores limitantes à produção das culturas e é condicionada não só por fatores externos, especificamente por tipo, intensidade e freqüência da pressão aplicada (PROFFIT et al. 1993; LIMA et al. 2004), mas também por fatores 15

16 internos, como: textura, estrutura, ciclos de umedecimento e secagem e densidade do solo (ISLAM & WEIL, 2000; CARNEIRO et al., 2009). 2.2 Indicadores biológicos, químicos e físicos do solo Indicadores biológicos Os atributos biológicos do solo podem ser considerados indicadores de alguns processos que ocorrem no solo em resposta às perturbações antropogênicas, podendo constituir-se importantes variáveis para predizer a qualidade dos ecossistemas agrícolas. Os microrganismos do solo apresentam papel fundamental na decomposição da matéria orgânica, formação e estabilização de agregados e ciclagem biogeoquímica de nutrientes no solo (PÔRTO, et al. 2008). A sua biomassa representa ainda uma expressiva parcela do carbono (C), nitrogênio (N) e fósforo (P) do solo (NANNIPIERI et al., 2003; POKARZHEVSKII et al. 2003). Além disso, pesquisas recentes têm apontado que alguns indicadores relacionados com a comunidade microbiana do solo são bastante sensíveis às alterações provenientes das atividades agrícolas, fornecendo, dessa forma, subsídios importantes para o correto planejamento do uso da terra e manejo do solo (JOHNSON et al. 2003; MATSUOKA et al., 2003; SANGHA et al. 2005). O tamanho, composição e atividade da microbiota do solo têm sido freqüentemente utilizado em estudos de monitoramento das alterações ambientais decorrentes da exploração agrícola. No entanto, verifica-se que essas variáveis isoladamente não expressam adequadamente os processos biogeoquímicos que ocorrem nos ecossistemas, devendo ser combinados entre si, de forma a produzir relações (ANDERSON, 2003; HARRIS, 2003). O emprego de sistemas de cultivo e práticas de manejo do solo como o monocultivo, aração e gradagem, aplicações de agrotóxicos, adubos e corretivos, entre outras, podem desequilibrar a microbiota, reduzindo a diversidade dos microrganismos e a ciclagem de nutrientes, podendo resultar em degradação do solo e menor produtividade das culturas (JORDAN et al. 2004; DÍAZ-RAVIÑA et al. 2005). Doran & Parkin (1994) propuseram um conjunto básico de indicadores de ordem biológica, física e química: textura, profundidade de raízes, densidade do solo, infiltração de água no solo, capacidade de armazenamento e retenção de água, conteúdo de água no solo, temperatura do solo, teores de C e N orgânico total, ph, condutividade elétrica, teores de N 16

17 mineral (NH4+ e NO3-), P, K, C e N da biomassa microbiana, N potencialmente mineralizável, respiração do solo, C na biomassa em relação ao C orgânico total e respiração microbiana em relação à biomassa. A proposta e de que esses indicadores sejam relacionados com cinco funções do solo: habilidade de regular e compartimentalizar o fluxo de água; habilidade de regular e compartimentalizar o fluxo de elementos químicos; promover e sustentar o desenvolvimento de raízes; manter um habitat biológico adequado; e responder ao manejo, resistindo à degradação (VEZZANI & MIELNICZUK, 2009) Indicadores químicos Os indicadores químicos são revelados pela análise de solo. Objeto de estudo do trabalho, apresentam relevância nos estudos, tanto agronômicos quanto ambientais, normalmente agrupados em quatro classes: a) aqueles que indicam os processos do solo ou de comportamento. Ex: ph, carbono orgânico; b) aqueles que indicam a capacidade do solo de resistir à troca de cátions. ex: tipo de argila (1:1 ou 2:1), CTC, CTA, óxidos de ferro; óxidos de alumínio; c) aqueles que indicam as necessidades nutricionais das plantas. Ex: N, P, K, Ca, Mg e elementos traços (micronutrientes); d) aqueles que indicam contaminação ou poluição. Ex: Metais pesados, nitrato, fosfato, agrotóxicos. A acidificação do solo em ambientes com presença de plantas arbóreas ou seja um ambiente próximo de uma floresta natural é comum podendo, isso ocorre devido à lixiviação de bases e absorção de elementos pelas árvores (MAFRA et al., 2008). Considera-se ainda, o fato de as substâncias húmicas, presentes na camada superficial, terem a capacidade de atrair íons, em que a maior atração se dá com o íon alumínio (maior valência), permanecendo mais tempo no solo, enquanto que os outros cátions (Ca, Mg e K) tendem a ser percolados no perfil (BISSANI et al., 2004). Efeito semelhante foi observado monitorando florestamentos com Pinus sylvestris, em que após 30 anos houve redução do ph e da saturação de bases no solo, principalmente dos teores de Ca, Mg e K (PRIETZEL et al., 2006). Em ambientes ácidos e com baixos teores de bases ocorre transformação mais lenta da matéria orgânica, regida principalmente por fungos. Desse modo, os ácidos orgânicos migram como complexos pouco ou não saturados, formando complexos de Fe a Al com bases que são facilmente lixiviadas (ABRAÃO, 2011). De modo geral, as reduções das bases trocáveis no solo normalmente vêm associadas às elevações nas concentrações de alumínio, bem como à diminuição do ph, visto que a acidez do solo atua 17

18 indiretamente sobre as condições do solo, principalmente na atividade microbiana e na disponibilidade de muitos nutrientes (PRITCHETT; FISHER, 1987). Reduções nos valores de ph têm sido encontrada por Wiesmeier et al. (2009). Dentro destas considerações, devemos reafirmar que o monitoramento constante e a observação do desempenho das lavouras, a comparação entre campos, o histórico das áreas, devem ser as ferramentas mais importantes para auxiliar a tomar decisões e não somente a procura por soluções imediatas baseadas em apenas uma análise de solo. O melhor desempenho das culturas somente poderá ser alcançado com a correção do solo e do subsolo e adubação corretamente balanceada. Busca-se um solo com ambiente equilibrado e saudável que forneça também boas condições físicas e biológicas para o desenvolvimento das plantas. Neste aspecto, são de grande importância o uso do plantio direto e a rotação de culturas Indicadores de qualidade física do solo A estrutura do solo é um dos indicadores mais importantes para o crescimento das plantas, uma vez que influi diretamente nas condições de adensamento, compactação encrostamento, infiltração de água e suscetibilidade do solo à erosão (CAMPOS et al. 1995). A estrutura pode ser avaliada por meio de propriedades físicas tais como; estabilidade dos agregados, resistência à penetração, densidade do solo, porosidade e infiltração de água no solo. Estes indicam o efeito do manejo sobre o agroecossistema, sendo fácil a mensuração, obtendo respostas com rapidez e de razoável precisão das características avaliadas. A matéria orgânica, que se relaciona com inúmeras propriedades do solo, também é considerada um dos melhores indicadores de qualidade do solo (REICHERT et al. 2003). Exerce influência direta sobre agregação e, indiretamente, sobre as demais propriedades físicas, funcionando como agente cimentante das partículas do solo. A manutenção e recuperação de características físicas do solo podem ser viabilizadas através do uso de leguminosas, sendo este, um assunto novo ainda em estudo que pode ser viabilizado pela adoção de práticas de manejo do solo, especialmente, onde um sistema de rotação de culturas inclui espécies vegetais com sistema radicular agressivo e abundante e com alta produção de biomassa, contribuindo para diminuir os efeitos da compactação no solo (CUBILLA et al., 2002). 18

19 Levando-se em consideração o maior problema de qualidade dos solos cultivados que é o estado de compactação crítico ao crescimento radicular, a utilização dessas plantas em sistemas de cultivos procurando amenizar a compactação é muito importante. Com isso há o melhoramento das características físicas do solo, principalmente, aumento de infiltração de água, melhor aeração, aumento da atividade dos microorganismos, redução da densidade e resistência que o solo oferece a penetração radicular Resistência do solo a penetração O crescimento radicular das plantas é restringido pela estrutura do solo na medida em que o mesmo reduz o espaço poroso devido o manejo, aumentando-se a resistência a penetração (RP) e a densidade do solo (Ds). A RP está relacionada com o conteúdo de água no solo, pois, à medida que o solo perde umidade os valores de resistência a penetração aumentam podendo em muitos casos ultrapassar o valor de 2000 kpa, sendo citado por Lapen et al. (2004) como sendo crítico para o crescimento radicular da maioria das culturas. A relação da resistência mecânica com a umidade, descrita como curva de resistência do solo pode ser utilizada para fazer inferências sobre as condições estruturais do solo em relação às resistências críticas para o crescimento das plantas. Deste ponto de vista, avaliação da resistência do solo e a determinação da curva de resistência são importantes no estudo do efeito da compactação sobre as condições físicas do solo podendo ser utilizadas para orientar o manejo e o controle da qualidade física do solo (IMHOFF et al. 2000). Estudos fisico-hídricos realizados por Oliveira et al. (2004) em um Latossolo Vermelho após vinte anos de manejo e cultivo, constataram que a Ds era dependente do tipo de manejo empregado, onde foram obtidos maiores valores da Ds na área do manejo tradicional, com uso de máquinas e implementos agrícolas, sem utilização de práticas conservacionistas. Os maiores valores de Ds no manejo convencional do solo encontrados estão diretamente relacionados aos altos valores de RP devido esses parâmetros possuírem estreita relação entre si. O manejo feito no Sistema Agroflorestal tem levado a diminuição da compactação do solo resultando em um bom crescimento e desenvolvimento das plantas e, conseqüente boa produtividade. Por ter poucos trabalhos na região tocantinense, não há resultados acerca dos efeitos de adubos verdes sobre as propriedades físicas dos solos da região. 19

20 2.3 Culturas de base da agricultura familiar Milho O milho (Zea mays L.) é largamente cultivado e consumido em todos os continentes, com produção de cerca de 600 milhões de toneladas, inferior apenas às do trigo e do arroz. Os Estados Unidos, a China e o Brasil são os maiores produtores mundiais (OLIVEIRA et al., 2009). A produtividade brasileira tem crescido sistematicamente, passando de kg ha-1, em 1980, para kg ha-1, em 2009 (CONAB, 2010). Para uma grande maioria de produtores rurais, variedades de milho localmente adaptadas podem representar uma alternativa segura e barata, tornando-se competitivas com os híbridos e variedades. Portanto, segue um esforço no sentido de identificar variedades crioulas melhor adaptadas a cada agroecossistema e aos objetivos do produtor, bem como orientá-los na seleção local desses genótipos (MACHADO, 1998). O milho é uma cultura que remove grandes quantidades de N e, geralmente, requer adubação nitrogenada para completar a quantidade suprida pelo solo (COELHO et al. 2002). Nos países do Terceiro Mundo, o uso de adubação nitrogenada é limitado, pois, o pequeno produtor utiliza esse insumo agrícola de alto custo, somente quando o preço de seu produto é estimulador (RIBASKI et al. 2001). O milho variedade pode produzir varias espigas, porém apena uma ou duas conseguem completar o desenvolvimento. Milhos prolíficos tendem a apresentar rendimento mais estável sob condições de estresse, uma vez que o desenvolvimento da espiga é menos inibido, ao contrário dos cultivares híbridos, que não são prolíficos (MAGALHÃES & DURÃES, 2006). Nas pequenas propriedades familiares, a utilização de variedades ao invés de híbridos de milho é vantajosa, pois as variedades permitem o uso de sementes próprias em cultivos subseqüentes, e assim o custo de produção é menor (SCHONS et al. 2009). No entanto, o cultivo consorciado de duas culturas, como o feijão e milho variedade, pode ser uma alternativa para melhorar o aproveitamento da área e a ocupação do solo gerando alimento e renda, sendo, portanto, opção importante na agricultura familiar desse Estado. Schons et al. (2009), concluiram em seu trabalho que a competição interespecífica entre as culturas da mandioca e do milho variedade em cultivo consorciado com diferentes espaçamentos não afeta parâmetros de crescimento e desenvolvimento e a produtividade das duas espécies quando comparado com o cultivo solteiro. 20

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas Manejo de solos tropicais no mundo De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia Pesquisa e Extensão da Kansas Clima Solos Manejo Luz solar CO 2 Rendimento Propriedades Químicas

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Rostirolla, P. 1 ; Miola, E. C. C. 2 ; Suzuki, L. E. A. S. 1 ; Bitencourt Junior, D. 3 ; Matieski, T. 1 ; Moreira, R. M.

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade)

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade) Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural Sustentabilidade) Titulo do Trabalho PRODUÇÃO ORGÂNICA DE CANA-DE-AÇÚCAR, MANEJO E BIODIVERSIDADE Nome do Autor (a) Principal Vagner

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto

Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto OSistema de Plantio Direto (SPD) consolida-se cada dia mais na região. Ao mesmo tempo existe a preocupação com sua qualidade, para que traga os

Leia mais

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho.

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO AMARAL, Kevin Bossoni do 1 ; CAMPOS, Ben-Hur Costa de 2 ; BIANCHI, Mario Antonio 3 Palavras-Chave:

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS NO SISTEMA BRASILEIRO E QUANTO A CAPACIDADE DE USO

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-ILP

Integração Lavoura-Pecuária-ILP Integração Lavoura-Pecuária-ILP Evolução da Produção e da Área Plantada de Grãos - Brasil 144,1 149,0 131,8 135,1 123,2 119,1 114,7 122,5 PRODUÇÃO (milhões de t) +157,3% = 4,8% aa 100,3 96,8 68,4 68,3

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

AITA, C. 1 ; GIACOMINI, S.J. 2 ; VENDRÚSCULO,E.R.O. 3 ; CHIAPINOTTO, I.C. 3 ; HÜBNER, A.P. 3 ; QUAINI, D. 3 ; CUBILLA, M.M. 3 ; FRIES, M.R.

AITA, C. 1 ; GIACOMINI, S.J. 2 ; VENDRÚSCULO,E.R.O. 3 ; CHIAPINOTTO, I.C. 3 ; HÜBNER, A.P. 3 ; QUAINI, D. 3 ; CUBILLA, M.M. 3 ; FRIES, M.R. leguminosas de verão como culturas intercalares ao milho e sua influência sobre a associação de aveia (Avena strigosa Schieb) + ervilhaca (Vicia sativa L.) AITA, C. 1 ; GIACOMINI, S.J. 2 ; VENDRÚSCULO,E.R.O.

Leia mais

USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA

USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA Mandioca e Fruticultura USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA Ana Lúcia Borges Pesquisadora da Embrapa Erval Rafael Damatto Junior Pesquisador científico da APTA Manejo sustentável

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA 1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Tema: Políticas Públicas no Brasil para o Desenvolvimento da Pecuária Sustentável Plano ABC Elvison

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO Resumo Jefferson B. Venâncio 1, Josiléia Acordi Zanatta 2, Júlio Cesar Salton 2 Os sistemas de manejo de solo podem influenciar

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

RESUMO INTRODUÇÃO. 1 Graduando do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. 2 Professor orientador, UnU- Ipameri - UEG

RESUMO INTRODUÇÃO. 1 Graduando do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. 2 Professor orientador, UnU- Ipameri - UEG DENSIDADE DE SEMEADURA DE FEIJÃO-DE-PORCO Canavalia ensiformis. Mário Guilherme de Biagi Cava 1 ; Bruce James Santos 1 ; Vinícius André Pereira 1 ; Paulo César Timossi 2 1 Graduando do Curso de Agronomia,

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

Capacidade de Expansão do Milho Pipoca Crioulo cultivado no Cerrado Goiano em Sistema Agroecológico.

Capacidade de Expansão do Milho Pipoca Crioulo cultivado no Cerrado Goiano em Sistema Agroecológico. Capacidade de Expansão do Milho Pipoca Crioulo cultivado no Cerrado Goiano em Sistema Agroecológico. Teixeira, W. G. (1), Matteucci, M. B. A. (2), Malta, C. G. (1), Barbosa, S. C. (1) e Leandro, W. M.

Leia mais

O SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SOJA NO MERCOSUL: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

O SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SOJA NO MERCOSUL: PASSADO, PRESENTE E FUTURO O SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SOJA NO MERCOSUL: PASSADO, PRESENTE E FUTURO José Eloir Denardin Jorge Lemainski Embrapa Trigo A ABORDAGEM PROPOSTA Histórico da evolução das tecnologias de produção de soja. Consequências

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Aplicação de Adubo em Milho Verde Orgânico Irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina

Leia mais

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Manejo Sustentável da Caatinga Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Fortaleza / CE 2015 Semiárido» Nordeste: 1,56 milhões de km²;» Semiárido: 982.563 km²;» Chuva concentrada em poucos

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731 Página 731 POTENCIAL AGRÍCOLA DA UTILIZAÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO DE LIXO URBANO NA CULTURA DO GIRASSOL1 João Paulo Gonsiorkiewicz Rigon 1 ;Moacir Tuzzin de Moraes 1 ; Fernando Arnuti 1 ; Maurício Roberto

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ

RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ Área: Genética e Melhoramento RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ Sonia Maria Botelho 1 ; João Elias Lopes Rodrigues 2 ; Raimundo Nonato Teixeira

Leia mais

Identificação de camadas com diferentes estados de compactação pela análise fatorial da resistência do solo à penetração

Identificação de camadas com diferentes estados de compactação pela análise fatorial da resistência do solo à penetração Identificação de camadas com diferentes estados de compactação pela análise fatorial da resistência do solo à penetração Gubiani, P. I. 1 ; Reinert, D. J. 1 ; Reichert, J. M. 1 ; Gelain, N. S. 1 ; Oliveira,

Leia mais

EXTRATÉGIAS DE MANEJO DE FERTILIDADE E ADUBAÇÃO

EXTRATÉGIAS DE MANEJO DE FERTILIDADE E ADUBAÇÃO EXTRATÉGIAS DE MANEJO DE FERTILIDADE E ADUBAÇÃO UNIOESTE MARECHAL CANDIDO RONDON 12 e 13 de Junho de 2015 Eng agr Daniel J. de S. Mol Qual realidade atual do manejo do solo e fertilidade? Qual o objetivo

Leia mais

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Idealizadores: Elias Alves de Souza Neusa Esperândio Santos Suporte e material: Lucas Marllon R. da Silva O CULTIVO ORGÂNICO Vamos conhecer e compreender

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins ? O QUE É O SOLO? É um meio natural, limitado, que tem origem na desagregação do material originário ou rocha-mãe, através de um processo designado

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

Adubação verde. tecnologia simples e sustentável. Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho

Adubação verde. tecnologia simples e sustentável. Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho CONFIRA OS ATRATIVOS DA VERSÃO SPORT DA FORD RANGER PAG. 16 Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho 00102 810001 771806 9 Revista Produz - Ano XI Nº 102 2015 R$

Leia mais

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Milho + brachiaria: investimento mínimo, máximo retorno Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Rafael Benetti 1 ; Adilson

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI SISTEMAS TRADICIONAIS DE EXPLORAÇÃO DA FAZENDA: Onde é pasto sempre foi pasto e será pasto! Onde é lavoura sempre foi lavoura e será lavoura! QUASE SEMPRE

Leia mais

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* Gilvan Barbosa Ferreira 1, Ozório Lima de Vasconcelos 2, Murilo Barros Pedrosa 3, Arnaldo Rocha Alencar 4,

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Prospecção do conhecimento Defina agronegócio Cite, conforme seu conhecimento e

Leia mais

manual técnico, 24 ISSN 1983-5671 SILAGEM ORGÂNICA Paulo Francisco Dias Sebastião Manhães Souto

manual técnico, 24 ISSN 1983-5671 SILAGEM ORGÂNICA Paulo Francisco Dias Sebastião Manhães Souto 24 manual técnico, 24 ISSN 1983-5671 SILAGEM ORGÂNICA Paulo Francisco Dias Sebastião Manhães Souto Niterói-RJ Julho de 2010 PROGRAMA RIO RURAL Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento

Leia mais

Adaptação à mudança do clima*

Adaptação à mudança do clima* Agropecuária: Vulnerabilidade d e Adaptação à mudança do clima* Magda Lima - Embrapa Meio Ambiente Bruno Alves - Embrapa Agrobiologia OCB Curitiba Março de 2010 * Apresentação baseada em artigo publicado

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA AGROFLORESTAL NO SÍTIO SÃO JOÃO EM SÃO CARLOS.

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA AGROFLORESTAL NO SÍTIO SÃO JOÃO EM SÃO CARLOS. EIXO TEMÁTICO: Tecnologias PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA AGROFLORESTAL NO SÍTIO SÃO JOÃO EM SÃO CARLOS. Gabriella de Oliveira Daniel 1 Julia Lopes da Silva 2 Lorena Gamboa Abadia 3 Marina Ferracioli

Leia mais

ESTABILIDADE DE AGREGADOS DO SOLO SOB DIFERENTES CULTIVOS E SISTEMAS DE MANEJO EM LATOSSOLO AMARELO NO CERRADO PIAUIENSE

ESTABILIDADE DE AGREGADOS DO SOLO SOB DIFERENTES CULTIVOS E SISTEMAS DE MANEJO EM LATOSSOLO AMARELO NO CERRADO PIAUIENSE ESTABILIDADE DE AGREGADOS DO SOLO SOB DIFERENTES CULTIVOS E SISTEMAS DE MANEJO EM LATOSSOLO AMARELO NO CERRADO PIAUIENSE Mírya Grazielle Torres Portela (Bolsista CNPq); Laércio Moura dos Santos Soares

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14

A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14 A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14 Eng. Agr. Sérgio Iraçu Gindri Lopes Gerente da Divisão de Pesquisa Estação Experimental

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada.

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPT. FITOTECNIA E FITOSSANITARISMO DISCIPLINA AGRICULTURA GERAL (AF001) PROFS. OSWALDO TERUYO IDO E RICARDO AUGUSTO DE OLIVEIRA MONITORA ANA SELENA

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO FERREIRA, C.F.; ANDREOLI, C.V.; PEGORINI, E.S., CARNEIRO, C.; SOUZA, M.L.P. Efeito de diferentes

Leia mais

Resumos do VII Congresso Brasileiro de Agroecologia Fortaleza/CE 12 a 16/12/2011

Resumos do VII Congresso Brasileiro de Agroecologia Fortaleza/CE 12 a 16/12/2011 10540 - Pesquisas participativas, construção de conhecimentos e socialização de tecnologias de base agroecológica em Mato Grosso do Sul, através de arranjos com Escolas Famílias Agrícolas PADOVAN, Milton

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

SISTEMAS DE PREPARO DE SOLO E MANEJO DE COBERTURA MORTA EM POMARES DE CITROS

SISTEMAS DE PREPARO DE SOLO E MANEJO DE COBERTURA MORTA EM POMARES DE CITROS SISTEMS DE PREPRO DE SOLO E MNEJO DE COBERTUR MORT EM POMRES DE CITROS Pedro ntonio Martins uler Pesquisador - IPR Área de Fitotecnia aulerpe@iapar.br 35ª Semana da Citricultura Cordeirópolis, 5 de junho

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ESPAÇAMENTO ENTRE FILEIRAS NA CULTURA DO FEIJÃO CAUPI SOB CONDIÇÕES IRRIGADAS NO CARIRI CEARENSE

INFLUÊNCIA DO ESPAÇAMENTO ENTRE FILEIRAS NA CULTURA DO FEIJÃO CAUPI SOB CONDIÇÕES IRRIGADAS NO CARIRI CEARENSE Área: Fitotecnia INFLUÊNCIA DO ESPAÇAMENTO ENTRE FILEIRAS NA CULTURA DO FEIJÃO CAUPI SOB CONDIÇÕES IRRIGADAS NO CARIRI CEARENSE Josefa Maria Francieli da Silva 1 ; Paulo José de Moraes Máximo 1 ; Wesley

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Alexsandro O. da Silva, Paulo R. Isler, Joselina S. Correia

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Época de Aplicação de N em Cobertura no Milho em Sucessão ao Consórcio Ervilhaca/Aveia Preta Laís Corrêa Miozzo 1,

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL Suzi Huff Theodoro suzitheodoro@unb.br UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - CDS BRASIL E OS FERTILIZANTES Em 2006 o Brasil

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta

Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta Larissa Silva Melo 2, Ramon Costa Alvarenga 3. 1 Trabalho financiado pela

Leia mais

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS Lutécia Beatriz Canalli Eng. Agr., MSc Solos, Dra em Agronomia - Produção Vegetal Sistemas de produção sustentáveis

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS Julho 2004 TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS José Eloir Denardin Rainoldo Alberto Kochhann Neroli Pedro Cogo Ildegardis Bertol QUESTÃO São necessárias práticas complementares à Cobertura de Solo

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANTIO DIRETO E DO PLANTIO CONVENCIONAL E AS SUAS RELAÇÕES COM O MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO

A IMPORTÂNCIA DO PLANTIO DIRETO E DO PLANTIO CONVENCIONAL E AS SUAS RELAÇÕES COM O MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO A IMPORTÂNCIA DO PLANTIO DIRETO E DO PLANTIO CONVENCIONAL E AS SUAS RELAÇÕES COM O MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO Admir Bortoleti Junior (Discente do Curso de Agronomia/AEMS) Luiz Gustavo Gonçalves (Discente

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Exemplares desta publicação podem ser solicitados à: Embrapa Agropecuária Oeste Área de Comunicação Empresarial - ACE BR 163,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS CUSTOS DE IMPLANTAÇÃO E COLHEITA DO FEIJÃO CAUPI VERDE SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS ENTRE LINHAS

AVALIAÇÃO DOS CUSTOS DE IMPLANTAÇÃO E COLHEITA DO FEIJÃO CAUPI VERDE SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS ENTRE LINHAS Área: Sócio-economia AVALIAÇÃO DOS CUSTOS DE IMPLANTAÇÃO E COLHEITA DO FEIJÃO CAUPI VERDE SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS ENTRE LINHAS Weslley Costa Silva 1 ; Vanessa Oliveira Teles 2 ; Leonardo Lenin Marques

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho Fertilidade do Solo, Adubação e 1 Nutrição da Cultura do Milho Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno 1 1.1. Amostragem do solo A amostragem de solo com objetivo de orientar a utilização de corretivos e

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais