SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SETOR DE SUPERVISÃO DE ENSINO ORIENTAÇÃO 012/SSE/08 21/10/2008

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SETOR DE SUPERVISÃO DE ENSINO ORIENTAÇÃO 012/SSE/08 21/10/2008"

Transcrição

1 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SETOR DE SUPERVISÃO DE ENSINO ORIENTAÇÃO 012/SSE/08 21/10/2008 Interessados: Diretores das Escolas Municipais de Ensino Fundamental. Assunto: Subsídios para a elaboração dos Regimentos Escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental da REM. I CONSIDERAÇÕES INICIAIS Esta Orientação acompanha as Normas Regimentais Básicas que instruem a elaboração do Regimento Escolar das unidades escolares de Ensino Fundamental da Rede de Ensino Municipal e constitui-se material de apoio às escolas. As unidades escolares devem elaborar seus respectivos regimentos utilizando linguagem clara, simples, direta e precisa, primando pela qualidade na apresentação do documento. Para tanto, faz-se necessário observar as normas técnicas bem como as instruções referentes à estrutura e forma do documento, descritas neste material de apoio. II NORMAS TÉCNICAS REFERENTES À FORMA, CONTEÚDO E ESTRUTURA DO REGIMENTO ESCOLAR 1 - Regimento Escolar - Definição É o documento que normatiza o processo de trabalho pedagógico na escola e regulamenta seu funcionamento, finalidades e objetivos. Ele é um instrumento legal que identifica a escola, apresenta seus princípios filosóficos e descreve sua organização didático-pedagógica, administrativa e disciplinar, embasado na legislação vigente. O Regimento deverá: I. atender à legislação educacional vigente; II. descrever todos os aspectos da realidade escolar, estruturados com clareza;

2 III. apresentar flexibilidade suficiente para permitir reformulações e adaptações, garantindo a legalidade dos trabalhos escolares; IV. organizar-se segundo as normas da LDBEN nº 9.394/96 e do Sistema Municipal de Ensino; V. distribuir-se em títulos, capítulos, seções, artigos e parágrafos, conforme disposição técnico-legislativa. 2 - Orientações quanto à FORMA: I. apresentar a matéria regimental de forma simples e clara; II. utilizar linguagem correta, concisa e precisa; III. expor idéias bem relacionadas e em seqüência adequada; IV. evitar palavras que possibilitem dupla interpretação; V. utilizar somente palavras e frases indispensáveis à redação do texto; VI. observar que as frases tenham sentido completo, exato e simples. 3 Orientações quanto ao CONTEÚDO: I. Apresentar informações completas sobre a estrutura, organização e o funcionamento da escola: a. demonstrando o entrosamento indispensável entre os diversos órgãos; b. caracterizando cada uma das funções; c. prevendo as soluções para as várias ocorrências da escola; d. mantendo consonância com o Projeto Educativo. II. Evitar: a. a transcrição de disposições normativas superiores que se achem inseridas em legislação Federal e Estadual; b. a reprodução de normas constantes de documentos que devem ser aprovados pelos interessados diretos, tais como Conselho Escolar, Grêmio Estudantil, AAE, que devem ter Estatuto próprio; 4 - Orientações quanto à ESTRUTURA (regras básicas): Os componentes regimentais devem ser dispostos em Artigos, que podem, ser desdobrados em Parágrafos, Incisos ou Alíneas. Artigo - unidade básica para a apresentação, divisão ou agrupamento de cada assunto do Regimento Escolar. A) TEXTO DO ARTIGO I. descreve uma norma geral; II. refere-se a um só assunto; III. redação em um único período; IV. ausência de expressões explicativas, siglas ou abreviaturas, sem prévia identificação. B) NUMERAÇÃO DO ARTIGO

3 I. contínua, até o final do Regimento; II. em ordinais até o nono; III. em cardinais do 10 em diante. Parágrafo - imediata divisão de um artigo. A) TEXTO DO PARÁGRAFO I. exemplifica ou modifica a norma geral do conteúdo; II. deve conter os elementos ou preceitos necessários para perfeito entendimento do artigo; III. deve apresentar conteúdo intimamente vinculado ao do artigo do qual depende; IV. deve conter as restrições, exceções e definições do assunto contido no artigo ou complementar suas disposições. B) NUMERAÇÃO DO PARÁGRAFO I. reinicia em cada artigo, em ordinais até o nono. C) SÍMBOLO DO PARÁGRAFO I. (usado quando existir mais de um parágrafo no mesmo artigo); II. quando for o caso de um só parágrafo, a indicação deve ser feita por extenso "Parágrafo Único". Incisos são utilizados como elementos discriminativos de artigo se o assunto neles tratado não puder ser condensado no próprio artigo ou não se mostrar adequado a construir parágrafo: I. inicia-se sempre com letra minúscula; II. contém uma idéia completa; III. indicados por numerais romanos; IV. utilizados na especificação de atribuições, competências, finalidades, objetivos etc. Alíneas constituem desdobramento dos incisos e dos parágrafos, que complementam a idéia anterior: I. expressas por frases e não por orações de sentido completo; II. indicadas por letras minúsculas: a, b,...; III. o texto inicia sempre com letras minúsculas. Os artigos do Regimento devem ser agrupados por assuntos e ordenados em seqüência lógica. O Regimento Escolar deve ser um todo coerente que se desenvolve através de Títulos, Capítulos, Seções. TÍTULOS denominação de um assunto abrangente que engloba Capítulos e Seções.

4 CAPÍTULOS formados conforme a complexidade ou variedade de assuntos que possam abranger, podem ser subdivididos em Seções. São grafados com todas as letras maiúsculas e identificados por algarismos romanos. Seções - conjunto de artigos que dispõem sobre uma mesma unidade de conteúdo. São grafadas com letras minúsculas e identificadas por algarismos romanos. Índice - discriminativo dos Títulos, Capítulos e Seções que compõem o documento; dos assuntos tratados, para maior funcionalidade do Regimento e maior facilidade de manuseio. 5 - Componentes do Regimento Escolar Índice Preâmbulo I. histórico do estabelecimento, com a indicação dos atos que autorizam seu funcionamento II. descrição sucinta da comunidade escolar Disposições Preliminares a) Identificação b) Localização c) Mantenedora d) Finalidades e objetivos Organização Escolar I - Organização do Trabalho Escolar (Gestão, Conselho de Escola, Equipe de Liderança, Conselho de Classe, Equipe Docente e de Apoio Administrativo e Técnico, Instituições Escolares etc.) II - Organização Didático-Pedagógica (Cursos e Modalidades, Turnos e Jornadas de Funcionamento, Organização Curricular, Calendário, Freqüência, Procedimentos de Matrícula, Avaliação, Recuperação, Promoção, Classificação, Reclassificação, Projetos Especiais, Planos de Ensino, Vida Escolar etc) 5.5 Descrição dos Direitos e Deveres da Comunidade Escolar I Equipe de Liderança II Corpo Docente III Equipe de Apoio Administrativo e Técnico IV Alunos V Pais ou responsáveis

5 5.6 Disposições Finais I Disposições Gerais e Transitórias III INSTRUÇÕES REFERENTES À APRESENTAÇÃO DO REGIMENTO ESCOLAR E PROTOCOLO NA SME 1 Todas as folhas devem ser: 1.1 timbradas, com nome da escola e endereço; 1.2 numeradas; 1.3 rubricadas pelo diretor. 2 A última folha deve conter data, nome completo e assinatura do diretor da escola. 3 A fonte deve ser Arial, Tahoma ou Times New Roman, nº Após aprovação do Conselho de Escola, o Regimento Escolar deve ser protocolado no Setor de Vida Escolar, até dia 21 de Novembro de Setor de Supervisão de Ensino

Técnica Legislativa 2015

Técnica Legislativa 2015 Técnica Legislativa 2015 "A técnica legislativa consiste no modo correto de elaborar as leis, de forma a torná-las exequíveis e eficazes. Envolve um conjunto de regras e de normas que vão desde a necessidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE. Secretaria Municipal de Administração. Elaboração de Atos Oficiais e Regimento Interno

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE. Secretaria Municipal de Administração. Elaboração de Atos Oficiais e Regimento Interno PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE Secretaria Municipal de Administração Elaboração de Atos Oficiais e Regimento Interno FUNDAMENTO LEGAL Constituição Federal art. 59, parágrafo único. Lei Orgânica do

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FARROUPILHA - RS

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FARROUPILHA - RS 11-12-1934 FARROUPILHA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FARROUPILHA - RS COMISSÃO DA EDUCAÇÃO INFANTIL RESOLUÇÃO nº 03 de 17 de Maio de 2007. Orienta a elaboração de Regimentos Escolares para Escolas de

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 95, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1998. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: CAPÍTULO I

LEI COMPLEMENTAR Nº 95, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1998. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: CAPÍTULO I LEI COMPLEMENTAR Nº 95, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1998 Dispõe sobre a elaboração, a redação, a alteração e a consolidação das leis, conforme determina o parágrafo único do art. 59 da Constituição Federal,

Leia mais

Da análise do processo à elaboração de Pareceres e Resoluções

Da análise do processo à elaboração de Pareceres e Resoluções II ENCONTRO ESTADUAL DOS CONSELHOS DE EDUCAÇÃO Regime de colaboração: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Conselheiro: João Bosco Argolo Delfino Da análise do processo à elaboração de Pareceres e Resoluções COMPETÊNCIAS

Leia mais

NORMA OPERACIONAL Nº 2 DE 09 DE MARÇO DE 2012. A SECRETÁRIA-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO DA ADVOCACIA- GERAL DA UNIÃO, no uso de suas competências resolve:

NORMA OPERACIONAL Nº 2 DE 09 DE MARÇO DE 2012. A SECRETÁRIA-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO DA ADVOCACIA- GERAL DA UNIÃO, no uso de suas competências resolve: NORMA OPERACIONAL Nº 2 DE 09 DE MARÇO DE 2012. Estabelece critérios para a elaboração de normas operacionais no âmbito de atuação da Secretaria-Geral de Administração. A SECRETÁRIA-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Normas para Apresentação das Dissertações e Teses do Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal

Normas para Apresentação das Dissertações e Teses do Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal Universidade Federal Rural de Pernambuco Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal Unidade Acadêmica de Serra Talhada Normas para Apresentação das Dissertações e Teses do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1. QUANTO AO FORMATO 1.1 Espacejamento Papel branco, formato A4 (21 cm x 29,7 cm), impressões com tinta preta (com exceção das ilustrações) e o texto deve ser digitado no

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Bragança Paulista, 30 de maio de 2016. Profa. Márcia Aparecida Antônio Presidente

R E S O L U Ç Ã O. Bragança Paulista, 30 de maio de 2016. Profa. Márcia Aparecida Antônio Presidente RESOLUÇÃO CONSEACC/BP 16/2016 APROVA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVIONADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CAMPUS BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico

Leia mais

Lei Ordinária Nº 5.861 de 01/07/2009

Lei Ordinária Nº 5.861 de 01/07/2009 Lei Ordinária Nº 5.861 de 01/07/2009 Dispõe sobre a elaboração, a redação e a alteração das leis no Estado do Piauí. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ, Faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono

Leia mais

Anexo 03 Normas para a realização de Estágio

Anexo 03 Normas para a realização de Estágio Anexo 03 Normas para a realização de Estágio REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Capítulo I DA NATUREZA Art. 1º. O Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Civil do Setor de Tecnologia

Leia mais

Guia para apresentação do trabalho acadêmico:

Guia para apresentação do trabalho acadêmico: BIBLIOTECA COMUNITÁRIA Guia para apresentação do trabalho acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011 São Carlos 2011 Guia para apresentação do trabalho acadêmico As orientações abaixo são de acordo com NBR

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece a normatização das disciplinas de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Osasco 2013 Apresentação O presente instrumento regulamenta o exercício e a validação dos Estágios Supervisionados Curriculares e

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DA BAHIA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DA BAHIA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DA BAHIA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CEE Nº 163, DE 23 DE OUTUBRO DE 2000 Estabelece normas para elaboração e aprovação do Regimento

Leia mais

Título do artigo. Alunos: Nome dos autores (até 3 alunos) 1 Orientador: Roberto Campos Leoni 2

Título do artigo. Alunos: Nome dos autores (até 3 alunos) 1 Orientador: Roberto Campos Leoni 2 Título do artigo Alunos: Nome dos autores (até 3 alunos) 1 Orientador: Roberto Campos Leoni 2 Resumo Este trabalho apresenta os elementos que constituem a estrutura básica de um artigo científico, bem

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - A Unidade de Auditoria Interna do CEFETES, criada

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - Atendendo a Resolução CNE/CES 10 de 16 de dezembro de 2004, e ao Projeto Pedagógigo do Curso de Ciências Contábeis o

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO. Estágio no exterior para alunos em intercâmbio

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO. Estágio no exterior para alunos em intercâmbio REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO Estágio no exterior para alunos em intercâmbio o Documentos comprobatórios o Relatório de Estágio Estágio realizado anteriormente o Documentos comprobatórios

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI COMPLEMENTAR: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI COMPLEMENTAR: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES -.PREFEITURA DE GOIÂNIA GABINETE DO PREFEITO LEI COMPLEMENTAR N {JjS,DEZ6 DE JULHO DE 2000. "Dispõe sobre a elaboração, a redação, a alteração e a consolidação das leis, conforme determina o parágrafo

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1 - O Estágio Supervisionado,

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática

Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática Faculdade de Física Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FACULDADE DE FILOSOFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FACULDADE DE FILOSOFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FACULDADE DE FILOSOFIA REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM FILOSOFIA PREÂMBULO Este Regulamento

Leia mais

DECRETO Nº 30.348 DE 1 DE JANEIRO DE 2009

DECRETO Nº 30.348 DE 1 DE JANEIRO DE 2009 DECRETO Nº 30.348 DE 1 DE JANEIRO DE 2009 Estabelece novos procedimentos para o cumprimento do Código de Ética da Administração Municipal. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

PIM III. Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO MERCADOLOGICA

PIM III. Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO MERCADOLOGICA PIM III Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO MERCADOLOGICA 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: O aluno deverá escolher uma empresa de qualquer porte ou segmento e, com base no cenário desta

Leia mais

Manual de preparação de artigo a ser entregue como. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de Farmácia,

Manual de preparação de artigo a ser entregue como. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de Farmácia, Manual de preparação de artigo a ser entregue como Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de Farmácia, Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF), Unicamp. Versão: 1, Janeiro de 2015. Elaboração: Comissão

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO Este documento tem por objetivo orientar a estruturação e formatação do relatório de estágio. O texto está dividido em duas partes: 1) Normas de formatação,

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO CONCHAS, SP F146m Faculdade de Conchas Manual de Atividades Complementares- FACON, 2010. 12 p.; il. 1. Manual. 2. Atividades Complementares. I. Título CDD:

Leia mais

NORMAS DE FORMATAÇÃO DE DISSERTAÇÃO FORMATO USUAL

NORMAS DE FORMATAÇÃO DE DISSERTAÇÃO FORMATO USUAL NORMAS DE FORMATAÇÃO DE DISSERTAÇÃO FORMATO USUAL 1) ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO 1.1) APRESENTAÇÃO GRÁFICA (Apresentação física do trabalho) PAPEL - branco, formato A4; IMPRESSÃO - deve ser feita somente

Leia mais

Ficha de segurança para resíduos químicos FDSR

Ficha de segurança para resíduos químicos FDSR Ficha de segurança para resíduos químicos FDSR O que é a FDSR? É a ficha com dados de segurança de resíduos químicos (FDSR) com o seu respectivo rótulo. Foi criada pela ABNT NBR 16725: Resíduo químico

Leia mais

Manual do Processo de Planejamento da UFSC. Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC

Manual do Processo de Planejamento da UFSC. Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC Manual do Processo de Planejamento da UFSC 2010 Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC Apresentação Este documento descreve o processo de planejamento que vem sendo implantado na Universidade Federal

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Tramitação 1988 Promulgação da Constituição Federal 1988 a 1991 Início de discussão do projeto Jorge Hage na Câmara

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO SÃO PAULO. Relatório de Estágio Supervisionado

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO SÃO PAULO. Relatório de Estágio Supervisionado FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO SÃO PAULO Relatório de Estágio Supervisionado 2011 1. O Estágio segundo a LEI 11.788/08 RELATÓRIO DE ESTÁGIO Segundo a Lei 11.788/08 em seu artigo 1º, a definição de estágio

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA É o documento que visa apresentar a descrição do local onde foi realizado o estágio, o período de duração e as atividades desenvolvidas pelo estagiário.

Leia mais

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Versão final MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA UNOESC CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 1º O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

RESOLUÇÃO CGRAD 020/08, DE 16 DE JULHO DE 2008

RESOLUÇÃO CGRAD 020/08, DE 16 DE JULHO DE 2008 RESOLUÇÃO CGRAD 020/08, DE 16 DE JULHO DE 2008 Aprova o Regulamento Geral dos Estágios Curriculares dos Cursos de Graduação do CEFET-MG A PRESIDENTE DO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto executivo n.º 133/06 de 10 de Novembro Convindo aprovar o regulamento interno da Direcção Nacional para o Ensino Técnico Profissional ao abrigo do disposto no artigo 26.º

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP)

REGULAMENTO ESPECIFICO PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) REGULAMENTO ESPECIFICO PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) Lisboa outubro 2013 REGULAMENTO ESPECIFICO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) Faz parte integrante dos Cursos Profissionais a realização de

Leia mais

Norma para Trabalho de Conclusão de Curso em. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

Norma para Trabalho de Conclusão de Curso em. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Norma para Trabalho de Conclusão de Curso em Engenharia Elétrica Robótica e Automação Industrial CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1 Art. 2 A presente norma tem como objetivo regulamentar a

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 044/2016

R E S O L U Ç Ã O Nº 044/2016 R E S O L U Ç Ã O Nº 044/2016 Aprova o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso de Administração da Faculdade de Tecnologia La Salle Estrela. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONSEPE), face

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC DE NOVA ODESSA Código: 234 Município: Nova Odessa Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação RESOLUÇÃO CME Nº 004/2012 Estabelece normas para elaboração e aprovação do Regimento Escolar dos Estabelecimentos Educacionais integrantes do Sistema Municipal de Ensino. PREÂMBULO RESOLVE: Art. 1º - O

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre o Plano Anual de Auditoria Interna (PAINT), os trabalhos de auditoria realizados pelas unidades de auditoria interna e o Relatório Anual

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Zoologia

Programa de Pós-Graduação em Zoologia Faculdade de Biociências Programa de Pós-Graduação em Zoologia Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Zoologia (PPGZoo), vinculado à Faculdade

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO IFRJ-Reitoria Rio de Janeiro 2014 2 C O M I S S Ã O D E E L A B O R A Ç Ã O Portaria n 0092 de 05 de agosto de 2013 Cláudia de Souza Teixeira Fernanda Kamp

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 015/08 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 015/08 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 015/08 CONSUNI APROVA O REGULAMENTO QUE NORMATIZA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A Presidente do Conselho Universitário CONSUNI do Centro Universitário de Jaraguá

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 03, 19 DE JULHO DE 2013

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 03, 19 DE JULHO DE 2013 COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 03, 19 DE JULHO DE 2013 Institui as normas e as atividades aprovadas para o aproveitamento de carga horária para compor Atividades Complementares

Leia mais

LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARINHA

LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARINHA LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARINHA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CIENTÍFICO Conteúdos e objectivos 1. O estágio da licenciatura em Biologia Marinha funciona como uma disciplina para todos os efeitos académicos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE AGÊNCIA ESTADUAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA-AGEVISA/PB

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE AGÊNCIA ESTADUAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA-AGEVISA/PB RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA ABERTURA DE LIVRO DE REGISTRO ESPECÍFICO DE SISTEMA INFORMATIZADO PARA INDÚSTRIA FARMOQUÍMICA, LABORATÓRIOS FARMACÊUTICOS, DISTRIBUIDORAS, DROGARIAS E FARMÁCIAS (PORTARIA 344/98)

Leia mais

PORTARIA Nº 078-R, DE 28 DE JUNHO DE 2016. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe foi conferida pela Lei Nº. 3.

PORTARIA Nº 078-R, DE 28 DE JUNHO DE 2016. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe foi conferida pela Lei Nº. 3. PORTARIA Nº 078-R, DE 28 DE JUNHO DE 2016. Dispõe sobre o Calendário Escolar/2º semestre letivo 2016 do ensino fundamental e médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos, nas unidades escolares

Leia mais

Resolução N 028/2008-ConEPE-UnP Natal-RN, 11 de setembro de 2008

Resolução N 028/2008-ConEPE-UnP Natal-RN, 11 de setembro de 2008 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - ConEPE Resolução N 028/2008-ConEPE-UnP Natal-RN, 11 de setembro de 2008 Aprova o Regulamento do Programa de Bolsas de Iniciação Científica da Universidade Potiguar

Leia mais

TESES E DISSERTAÇÕES

TESES E DISSERTAÇÕES Aprovada pela Resolução CONSAD nº 009/07 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 3 2 ESTRUTURA 3 2 2.1. Elementos Pré-Textuais 5 2.2 Elementos Textuais 6 2.3 Elementos Pós-Textuais referências, anexos e apêndices. 6 2.4

Leia mais

CAPÍTULO I DA COMISSÃO, FINALIDADES E CONSTITUIÇÃO

CAPÍTULO I DA COMISSÃO, FINALIDADES E CONSTITUIÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO ELEITORAL, DE ESTATUTO, REGIMENTOS E REGULAMENTOS DA SOBED CAPÍTULO I DA COMISSÃO, FINALIDADES E CONSTITUIÇÃO Art. 1º.- A Comissão Eleitoral, de Estatuto, Regimentos e Regulamentos,

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Licenciatura Habilitação: Aluno(a): ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO IDENTIFICAÇÃO DO ALUNO Curso - Habilitação: Nome do(a) Aluno(a): Orientador de Estágio: ESTÁGIO

Leia mais

CAPÍTULO II DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO II DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento dispõe sobre as normas e procedimentos a serem observados

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E EVENTOS

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E EVENTOS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA CIENTÍFICA EM COMUNICAÇÃO Janeiro de 2007 1 Apresentação A elaboração de monografia científica é exigência legal para conclusão de cursos

Leia mais

DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INTRODUÇÃO O curso de Engenharia de Produção da Escola Superior de Tecnologia e Educação de

Leia mais

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR 1 Preâmbulo O presente regimento interno, adiante designado por regimento, é o documento que define o regime de funcionamento

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI COMPLEMENTAR Nº 13.447, DE 22 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 075, de 23 de abril de 2010) Dispõe sobre

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM REABILITAÇÃO E INCLUSÃO. Normas para a apresentação de dissertações de mestrado

MESTRADO PROFISSIONAL EM REABILITAÇÃO E INCLUSÃO. Normas para a apresentação de dissertações de mestrado MESTRADO PROFISSIONAL EM REABILITAÇÃO E INCLUSÃO Normas para a apresentação de dissertações de mestrado O texto a seguir contém orientações para auxiliar os alunos na formatação e montagem de dissertações

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR. Organização: NID / NEP

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR. Organização: NID / NEP MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR Organização: NID / NEP Caruaru, 2012 APRESENTAÇÃO Este manual orienta o aluno na elaboração de seu Relatório de Estágio Curricular, de acordo com

Leia mais

Mais informações no edital abaixo ou acessem o site www.detran.ms.gov.br."

Mais informações no edital abaixo ou acessem o site www.detran.ms.gov.br. "O Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MS) publicou hoje (15/08) o Edital do III Concurso para Instrutores de Trânsito de MS, com a temática Melhorando a qualidade de ensino em prol da vida. As inscrições

Leia mais

REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO O Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março, procedeu à criação de um tipo de formação

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS SIMONSEN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESOLUÇÃO Nº 1, DE 12 DE JULHO 2013.

FACULDADES INTEGRADAS SIMONSEN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESOLUÇÃO Nº 1, DE 12 DE JULHO 2013. FACULDADES INTEGRADAS SIMONSEN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESOLUÇÃO Nº 1, DE 12 DE JULHO 2013. A Resolução nº1, de julho de 2013, que estabelece seus objetivos no projeto de pesquisa,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CONSELHOS DE CLASSE

REGULAMENTO DOS CONSELHOS DE CLASSE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE QUÍMICA DE NILÓPOLIS - RJ REGULAMENTO DOS CONSELHOS DE CLASSE Anexo à Portaria nº 093,

Leia mais

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE PROTOCOLO PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO O manual foi devidamente aprovado através do Decreto 60.334, de 03/04/2014 com o objetivo de PADRONIZAR

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) Procedimento CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS PR.01 Página 1 de 3 14001: 4.4.5, 4.5.4 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para o processo de elaboração,

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento de Monitoria para os cursos de graduação das Faculdades Integradas Sévigné.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento de Monitoria para os cursos de graduação das Faculdades Integradas Sévigné. RESOLUÇÃO CSA 08/2009 APROVA O REGULAMENTO DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DAS. O Presidente do Conselho Superior de Administração CSA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 6º, II, do

Leia mais

DISPÕE SOBRE O ENSINO DE BOMBEIRO-MILITAR NO CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE O ENSINO DE BOMBEIRO-MILITAR NO CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 599, DE 09 DE NOVEMBRO DE 1982. DISPÕE SOBRE O ENSINO DE BOMBEIRO-MILITAR NO CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, Faço

Leia mais

Disposições preliminares

Disposições preliminares REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA UNICAMP Disposições preliminares Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é atividade obrigatória do Curso

Leia mais

MONOGRAFIA. Manual de Orientação

MONOGRAFIA. Manual de Orientação Fundação Armando Alvares Penteado FACULDADE DE DIREITO COORDENADORIA DE PESQUISA MONOGRAFIA Manual de Orientação 1 Modelo sugerido de Projeto de Monografia PROJETO DE MONOGRAFIA Nome do aluno: Matrícula:

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Estabelece normas e procedimentos para realização de Atividades Complementares pelos

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: 03.117.139/0001-08 FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA - FAISA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: 03.117.139/0001-08 FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA - FAISA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: 03.117.139/0001-08 FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA - FAISA ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA GESTÃO ESCOLAR Ilha Solteira SP 2014

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA DA AEMS FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS - AEMS

REGULAMENTO DE MONITORIA DA AEMS FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS - AEMS REGULAMENTO DE MONITORIA DA AEMS - AEMS A Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS, mantida pela Associação de Ensino e Cultura de Mato Grosso do Sul, em respeito aos seus projetos pedagógicos, oferece

Leia mais

Regimento de Atividades Complementares do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina.

Regimento de Atividades Complementares do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina. Regimento de Atividades Complementares do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina. CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art.1º - Observando o disposto no Artigo 08º da Resolução

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 032 /98 Autoriza a reformulação do Curso de Especialização em Jornalismo Cultural - Pós-Graduação lato sensu. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

Prefeitura de São José do Rio Preto, 09 de Setembro de 2015. Ano XII nº 3534 DHOJE SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO SME Nº 12/2015

Prefeitura de São José do Rio Preto, 09 de Setembro de 2015. Ano XII nº 3534 DHOJE SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO SME Nº 12/2015 Prefeitura de São José do Rio Preto, 09 de Setembro de 2015. Ano XII nº 3534 DHOJE SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO SME Nº 12/2015 Regulamenta o processo de Remoção por títulos dos titulares

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015/2018

PLANO DE GESTÃO 2015/2018 Fundamentação legal: LDBEN 9394/96 Normas Regimentais Básicas Parecer CEE 67/98 capítulo V, artº 29 e 30 Comunicado SE-1, de 4-3- 2015 PLANO DE GESTÃO 2015/2018 Observações: O documento deverá ser impresso

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE DESENHO E REDACÇÃO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.

REGULAMENTO DO CONCURSO DE DESENHO E REDACÇÃO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1. REGULAMENTO DO CONCURSO DE DESENHO E REDACÇÃO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto) O presente Regulamento tem por objecto o estabelecimento

Leia mais

ESCOLA DOMINGOS SÁVIO REGIMENTO ESCOLAR

ESCOLA DOMINGOS SÁVIO REGIMENTO ESCOLAR ESCOLA DOMINGOS SÁVIO REGIMENTO ESCOLAR Título VI Da Organização Pedagógica Capítulo IV Do Sistema de Avaliação Art.61- No Ensino Fundamental a verificação do rendimento escolar compreende a avaliação

Leia mais

Resolução nº 064/2001-CEP

Resolução nº 064/2001-CEP 9 Resolução nº 064/2001-CEP Aprova normas sobre os critérios de avaliação da aprendizagem dos cursos de graduação da UEM. Considerando o contido às fls. 82 a 97 do processo n o 543/2001; considerando as

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/032/2009. Dispõe sobre o Trabalho de Conclusão de Curso - TCC e dá outras providências O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE, da UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA (UEPB),

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ZOOTECNIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (FZEA/USP) Aprovado na 190ª reunião da C.G de

Leia mais

RESOLUÇÃO n 003/2013 CCGAU. O COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (CCGAU), no uso de suas atribuições e considerando:

RESOLUÇÃO n 003/2013 CCGAU. O COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (CCGAU), no uso de suas atribuições e considerando: RESOLUÇÃO n 003/2013 CCGAU nstitui o Regulamento do Trabalho de Curso (TC) do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo Noturno da Escola de Arquitetura da UFMG, revogando dispositivos da Resolução

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA

REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA INTRODUÇÃO A unidade curricular Trabalho Experimental em Biologia Marinha, adiante designada TEBM, é uma unidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Conjuntos mecânicos II

Conjuntos mecânicos II A UU L AL A Conjuntos mecânicos II Nesta aula trataremos de outro assunto também relacionado a conjuntos mecânicos: o desenho de conjunto. Introdução Desenho de conjunto Desenho de conjunto é o desenho

Leia mais

Como Fazer uma Monografia

Como Fazer uma Monografia Como Fazer uma Monografia Profa. Mara Abel Instituto de Informática / UFRGS marabel@inf.ufrgs.br O que é uma monografia? A descrição, através de um texto com formato pré-definido, dos resultados obtidos

Leia mais

Programa de Inclusão Social e Oportunidade para Jovens no Rio de Janeiro. Contrato de Empréstimo N o : 2762/OC-BR. Termo de Referência

Programa de Inclusão Social e Oportunidade para Jovens no Rio de Janeiro. Contrato de Empréstimo N o : 2762/OC-BR. Termo de Referência Termos de Referência - Consultor Individual 1 BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL Programa de Inclusão Social e Oportunidade para Jovens no Rio de Janeiro Contrato de Empréstimo

Leia mais

Conselheiros: Vilma de Mendonça Figueiredo - Relatora. Francisco César de Sá Barreto - Presidente. Eunice Ribeiro Durham Membro

Conselheiros: Vilma de Mendonça Figueiredo - Relatora. Francisco César de Sá Barreto - Presidente. Eunice Ribeiro Durham Membro PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro de 15/3/2001, publicado no Diário Oficial da União de 20/3/2001, Seção 1-e, p. 26 Resoluções CNE/CES 1/2001 e 2/2001, publicadas no Diário Oficial da União

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogando disposições contrárias. Bragança Paulista, 16 de dezembro de 2010.

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogando disposições contrárias. Bragança Paulista, 16 de dezembro de 2010. RESOLUÇÃO CONSEPE 62/2010 ALTERA O REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA, CAMPUS BRAGANÇA PAULISTA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI RENAN RAVETTI DURAN NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI RENAN RAVETTI DURAN NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI RENAN RAVETTI DURAN NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS São Bernardo do Campo 2009 SUMÁRIO 1. ASPECTOS GERAIS 1 1.1. Fonte 1 1.2. Paginação 1 1.3. Ilustrações 2 1.4. Tabelas

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional

Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional Capítulo I Natureza e Objetivos Artigo 1 - O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) tem como objetivo proporcionar

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 180 10 de março de 1994

DELIBERAÇÃO Nº 180 10 de março de 1994 DELIBERAÇÃO Nº 180 10 de março de 1994 Estabelece mecanismos de fiscalização pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, das declarações de bens e rendas apresentadas pelas autoridades e servidores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECATRÔNICA RESOLUÇÃO Nº 02/2013-CMCA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECATRÔNICA RESOLUÇÃO Nº 02/2013-CMCA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECATRÔNICA RESOLUÇÃO Nº 02/2013-CMCA Regulamenta a atividade acadêmica específica de Trabalho de Conclusão

Leia mais

Orientações gerais. Apresentação

Orientações gerais. Apresentação Apresentação O professor no Ensino Fundamental anos iniciais é um profissional polivalente e portanto seu campo de atuação é amplo. Seu dever é aproximar o aluno das quatro áreas do conhecimento: Linguagem

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Justificativa. Considerando a necessidade da organização, coordenação e implementação de uma melhor qualidade no processo ensino e aprendizagem se faz necessário o trabalho

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA APRESENTAÇÃO Este manual destina-se a todos os alunos do Curso de Pedagogia da Faculdade Tijucussu.

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ATIVIDADES COMPLEMENTARES TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA EM

Leia mais