ENTREPRENEURSHIP AND THE MARKETING PRACTICE IN SMEs. ENTREPRENEURSHIP AND THE MARKETING PRACTICE IN SMEs

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENTREPRENEURSHIP AND THE MARKETING PRACTICE IN SMEs. ENTREPRENEURSHIP AND THE MARKETING PRACTICE IN SMEs"

Transcrição

1 ENTREPRENEURSHIP AND THE MARKETING PRACTICE IN SMEs Abstract This paper deals with the different marketing approaches and their influence in the performance of SMEs. The specific forms of the marketing practice in small organizations can be understood as an interface between marketing and entrepreneurship. The lack of resources among small enterprises forces the construction of relatively simple but creative marketing initiatives. This paper presents the results of interviews conducted with ten proprietors of small retail companies, in what can be regarded as entrepreneurial marketing. Such forms represent orientation to innovation, where the focus on the idea and evaluation of the market needs rely on the entrepreneur s intuition, the word-of-mouth advertising and the relationships network as the source of information. The results points out to a diversity of understandings about what marketing is and its practice in this environment, as well as the lack of structure and methodological orientation in such practice. Key-words: marketing, small and medium enterprises, entrepreneurship. Introdução Neste trabalho questiona-se o quão profundamente os pequenos empresários aplicam, de forma intencional, as ferramentas necessárias para uma boa prática gerencial. Partindo dessa inquietação, o foco do trabalho está na exploração da percepção que os empresários de pequeno porte têm em relação à implementação de ações que envolvem marketing e empreendedorismo. À junção dessas duas áreas de conhecimento é conhecida como marketing empreendedor. Em estudos recentes de marketing empreendedor observou-se que as PMEs se envolvem em atividades e estratégias peculiares de marketing, que não necessariamente refletem os processos observados em grandes organizações (Lima e Zoschke 2008; Bettiol et al. 2012). Tem sido observado que o planejamento e a execução de marketing nas PMEs são prejudicados por obstáculos como restrições financeiras, pequeno tamanho, falta de experiência em marketing, e uso limitado de especialistas (Huang e Brown 1999). Zoschke e Lima (2006) investigaram os principais pontos críticos na formalização tradicional das estratégias de marketing em um contexto empreendedor de pequenos negócios, salientando que a ideia do marketing surgiu tendo como realidade operacional as grandes organizações. Assim sendo, estudos de marketing para pequenos negócios devem considerar as peculiaridades inerentes desses empreendimentos. Welsh e White (1981) consideram importante lembrar que as PMEs não são grandes empresas em formato miniaturizado e que muitas situações são peculiares e distintas nos pequenos negócios em relação a empreendimentos maiores. Zoschke e Lima (2006) reforçam a questão da necessidade pela busca da visão dos empresários sobre esse assunto, para que seja possível identificar onde ocorrem os principais gargalos na relação entre marketing e empreendedorismo. Os fatores que mais diferenciam as tomadas de decisões no processo de gestão das PMEs quando comparadas às grandes corporações estão ligados ao pequeno poder de investimento, que muitas vezes interferem negativamente no crescimento pelas limitações de investimentos em recursos, físicos e humanos (Stokes 2000a; Gilmore e Grant 2001). Isto gera sérias dificuldades para que empreendedores destas empresas utilizem formas sofisticadas e formalizadas de gestão, como aquelas previstas pelo marketing tradicional (Zoschke 2006). As ações mercadológicas adotadas pelas PMEs ocorrem frequentemente sem obedecer a um roteiro formal de planejamento e, em alguns casos, são feitas ao acaso, objetivando a equiparação com algum concorrente. Além disso, elas revelam uma busca incessante por clientes por meio de estratégias de comunicação não fundamentadas, tentando propagar seus produtos e ampliar seus mercados consumidores (Stokes 2000a; Bethiol et al.2012). Os proprietários e dirigentes das pequenas empresas aplicam os preceitos previstos pela área de marketing, porém isso é feito quase que acidentalmente, muitas vezes equivocadamente. Esse processo de marketing acidental, não estruturado e sem as devidas formalizações, realizado por dirigentes de PMEs é chamado de marketing empreendedor (Stokes, 2000a). Pela interpretação dos conceitos utilizados por Zoschke (2006) e O`Dwyer, Gilmore e Carson (2009), pode-se acrescentar que, para definir o marketing empreendedor se faz necessário conhecer o perfil do proprietário e dirigente, que é um dos principais fatores das práticas de marketing adotadas em sua empresa. Pode-se considerar que o comportamento, assim como a formação acadêmica e profissional do empreendedor, vão influenciar nas decisões de marketing da empresa. (Zoschke, 2006, p. 9).

2 Cabe ressaltar a relevância dessa pesquisa para contribuir com o diálogo interdisciplinar entre marketing e empreendedorismo, analisando em especial a ótica do pequeno empresário. Daí o objetivo deste trabalho de investigar como se constrói o entendimento e a prática do marketing empreendedor na visão dos pequenos empresários. Para tanto, utilizou-se o método da abordagem qualitativa para coleta e interpretação das informações, pela abstração de dados em entrevistas semiestruturadas, das quais fizeram parte uma amostra de dez proprietários de pequenos varejistas de um bairro de Uberlândia-MG. O primeiro tópico é a revisão da literatura, contemplando os conceitos de marketing e marketing empreendedor. A seguir, apresenta-se o método, seguido pela análise e discussões dos dados. Por fim,as considerações finais com uma agenda para pesquisas futuras. Marketing nas PMEs: desafios emergentes. A literatura de marketing mostra que as PMEs se envolvem em estratégias de marketing peculiares e em atividades que não necessariamente refletem os processos codificados observados em grandes organizações. Entretanto, estudos de empreendedorismo observam que a ausência de estratégias de marketing e de planejamentos formais nas PMEs não deve ser interpretada como uma falta de marketing (Bjerke e Hultman 2002). As PMEs utilizam formas específicas de marketing que diferem das formas convencionais e estruturadas típicas das grandes organizações, exigindo novos marcos conceituais para serem compreendidos (Hills et al. 2008). Autores como Schindehutte, Morris e Kocak (2008) estudaram o papel do empreendedor nas PMEs e seus esforços de marketing. Para eles, o pequeno empresário é o tomador-chave de decisões e gerencia várias funções, que nas grandes empresas são geridas por especialistas. Nas mais inovadoras PMEs (Kuratko e Audretsch 2009; Hitt et al. 2003; O'Dwyer et al. 2009) os empresários formulam visões originais que podem criar valor para o cliente. Essas empresas apresentam uma postura direcionada ao mercado e são caracterizadas por forte orientação empreendedora (Green et al. 2008). Nos últimos 20 anos as mudanças na demanda vêm desafiando as estratégias e práticas do marketing codificado. De acordo com Morris, Schindehutte e LaForge (2002, p.1), o marketing é dependente do contexto, mas o contexto está mudando continuamente. Dois dos fatores fundamentais por trás disso são a crescente integração global dos mercados e a explosão de variedades no consumo (Holt 2004; Soares et al. 2007), e a difusão dos meios de comunicação (webtecnologias), que permitem aos consumidores discriminar produtos, contribuir para a inovação de produtos, ou divulgar uma marca através de comunicação boca-a-boca (Kozinets et al. 2010; Adjei et al. 2009). As pesquisas de mercado têm enfatizado mudanças constantes no consumo, denominado era pós-moderna (Cova & Dalli 2009). Aqui, o pós-modernismo em marketing traz o desaparecimento de identidades tradicionais e institucionais, como economia, cultura, religião e outras, as pessoas procuram desenvolver identidades baseadas nas práticas cotidianas e nas relações sociais. Nessa perspectiva, os indivíduos usam produtos como dispositivos para sinalizar suas identidades e sua adesão a culturas e subculturas específicas (Muniz & O'Guinn 2001). Também caracterizam o cenário atual as relações entre consumidores. Os consumidores se relacionam com seus pares, gerando e difundindo conhecimentos que podem melhorar produtos (Dahlander & Magnusson 2008; Sawhney & Prandelli 2000; Von Hippel 2005) ou contribuir para a imagem da marca e da sua conscientização (Kozinets et al.2010). Adicionalmente, as tecnologias de informação e comunicação têm sido responsáveis para a capacitação dos consumidores (Harrison et al. 2006). Os consumidores podem se aglutinar contra empresas ou marcas e produzir mensagens e conteúdos concorrentes (Alexander 2009; Krishnamurthy e Kucuk 2009; Schau et al. 2009). Consumidores contemporâneos superam as assimetrias de informação graças à ampla disponibilidade de informação sobre produtos, marcas, preços e estratégias das empresas. Como resultado, o marketing está sendo cada vez menos visto como unidirecional e controlado pelas empresas, mas mais distribuído e interativo (Denegri-Knott et al. 2006). Marketing Empreendedor O marketing empreendedor associa conceitos de marketing e empreendedorismo. A partir de 1987, a American Marketing Association passou a incluir a discussão sobre marketing e empreendedorismo nas conferências anuais AMA's Research Symposium on Marketing and Entrepreneurship As PMEs apresentam formas específicas de marketing que diferem das formas convencionais e estruturadas, típicas das grandes organizações e exigem novos marcos conceituais (Hills et al. 2008). Esses autores consideram que o marketing empreendedor possui duas dimensões. A primeira

3 é representada por respostas à restrição de recursos, o que força o desenvolvimento de iniciativas de marketing relativamente simples, mas criativas (Hills et al. 2008). A segunda dimensão vem da natureza inerentemente inovadora do marketing. Por um lado, as restrições de recursos forçam a criatividade para alavancar e alongar os limitados recursos disponíveis (Morris et al. 2002), gerando um planejamento e execução de formas criativas e inovadoras de marketing. Por outro lado as PMEs empreendem esforços de marketing quando têm de transmitir produtos, serviços e conceitos de negócios inovadores para o mercado (O'Dwyer et al. 2009; Schindehutte et al. 2008). Portanto, vê-se que o empreendedorismo pode ter no marketing uma função crucial para alinhar criatividade e inovação fatores essenciais ao empreendedorismo. Nas PMEs deve ser considerada a centralidade do empresário nas iniciativas e estratégias de marketing das empresas, pois ele geralmente está empenhado pessoalmente em promover novos produtos e relacionar-se com clientes e parceiros, através de processos de comunicação rápidos e eficazes e instrumentos como comunicação boca-a-boca e networking pessoal (Stokes, 2000a). O envolvimento pessoal em atividades de marketing reforça a credibilidade da argumentação de venda, associado a casos de sucesso e histórias de empresários profissionais (Martens et al. 2007). Em um novo empreendimento, a maior parte do esforço de marketing consiste em persuadir os clientes a comprar os novos produtos ou serviços da empresa. A publicidade, criação de nomes de marca e formação de equipes de venda ocorre depois. Durante o processo de venda do novo produto ou serviço, o empreendedor deve despertar o interesse do cliente, informando-o que há um novo produto ou serviço que atenderá a uma necessidade dele. Em seguida, o empreendedor identifica os requisitos do cliente e tenta superar possíveis objeções, para então concluir a venda (Baron e Shane, 2007). Método A pesquisa utiliza uma abordagem de entrevista semiestruturada para a coleta de dados. Essa abordagem permite levantar informações de diferentes entrevistados, dando uma visão inicial ampla e possibilitando a comparação de contextos. No que se referem à análise dos dados, o estudo baseia-se em uma visão epistemológica construcionista, com apoio na abordagem de Spink e Medrado (1999) de práticas discursivas que produzem sentidos no cotidiano. São considerados também os fundamentos da construção social da realidade (Berger e Luckmann, 2003). Esta pesquisa representa uma abordagem qualitativa para investigação. Isto envolve dizer, segundo Denzin e Lincoln (2000), que diferentes procedimentos podem ser utilizados para ajudar a construir o método final de abordagem do problema. Foram entrevistados dez proprietários de pequenas empresas varejistas de um bairro de Uberlândia-MG quanto aos sentidos atribuídos ao marketing empreendedor. O critério principal foi buscar pessoas que estivessem envolvidas com a idéia de marketing empreendedor e seus aspectos. O bairro onde estão os empreendimentos localiza-se no setor central da cidade, foi fundado há cerca de 150 anos. O perfil dos entrevistados caracterizou-se por mulheres, com idade entre 30 e 55 anos e nível superior completo. Antes do início da entrevista foram colocadas questões específicas para identificação do perfil do entrevistado: idade, formação e tempo de existência da empresa. Em seguida, o entrevistado explanou suas experiências empreendedoras, com intervenção do entrevistador apenas para esclarecimentos ou para explorar novos assuntos quando o entrevistado encerrava sua exposição. Após a transcrição, o material foi analisado e categorizado em temas comuns, tais como: conceito de marketing empreendedor, foco nas idéias, influência do ambiente, inovação, marketing boca-a-boca, dentre outros. Análise e Discussão dos Resultados Na análise dos dados, três aspectos foram destacados: a) os significados atribuídos ao conceito do marketing empreendedor; b) os aspectos relativos à inovação e à intuição; e c) os métodos e meios utilizados para obtenção de informações mercadológicas. Dentre os significados em que o termo marketing empreendedor era utilizado pelos entrevistados, podem-se citar: marketing orientado para o empreendedor; marketing novo; marketing aplicado a novos negócios; forma de conseguir novos clientes; diferencial em relação à concorrência; forma de olhar o mercado; forma de apresentar a empresa; marketing dinâmico. Os diferentes empregos da expressão mostram que o termo marketing empreendedor é novo no dia-a-dia destas pessoas e apresenta um conceito que não é claro e único para todos. O termo é usado pelos entrevistados com sentidos diversos e especialmente como atributo para vários substantivos ou ações realizadas. A julgar pela freqüência das distintas utilizações, parece que o termo incorpora muitos sentidos e pode ser empregado para diversos objetivos.

4 Observa-se uma confusão entre marketing tradicional, apresentado por Kotler (2000) e marketing empreendedor, abordado por Lima e Zoschke (2008); Stokes (2000a, 2000b) e Carson e Cromie (1990) quando se diz uma forma de olhar o mercado e uma forma de apresentar a empresa. Stokes (2000a, 2000b), ao definir o marketing empreendedor, destaca a perspectiva de marketing do proprietário-dirigente de perfil empreendedor como fator determinante das práticas de marketing adotadas em sua empresa. Além disso, a abordagem do autor considera que o comportamento, assim como a formação acadêmica e profissional do empreendedor, vão influenciar nas decisões de marketing da empresa. Em relação ao segundo aspecto observado inovação--o conteúdo das entrevistas mostra que os pesquisados citam a importância da formulação de novas ideias e o uso da intuição. Como resultado, entre os entrevistados, somente 20% estão preocupados em criar algo novo, enquanto os 80% restantes estão preocupados em manter-se no mercado agradando a seus clientes. Em relação ao uso da intuição, todos os entrevistados admitiram usar ou já ter usado a intuição em seu negócio. Baron e Shane (2007) ressaltam a existência de alguns aspectos relacionados à capacidade de determinados indivíduos detectarem as oportunidades, bem como a capacidade de criação em relação a outras pessoas. Esses autores também retratam que a facilidade de percepção está relacionada a um processo que inicia com a geração de ideias, passa pela criatividade e se concretiza no reconhecimento de oportunidade. Para que uma nova idéia tenha um potencial lucrativo no futuro, ela precisa ser transformada pela criatividade. Segundo Baron e Shane (2007), o processo de geração de ideias é possível através da cognição humana, que funciona como fonte de informações necessárias para o processamento das tomadas de decisões, como por exemplo, a criação de um novo empreendimento. O último aspecto abordado na pesquisa referiu-se aos métodos e meios utilizados para obtenção de informações mercadológicas: o uso do marketing boca-a-boca e da rede de relações para obtenção de informações. Quanto ao uso do marketing boca-a-boca, todos os entrevistados utilizam o mesmo como método e ferramenta de marketing. Ao analisar o círculo de influência de um empreendedor, podemos considerar os estudos realizados por Filion (1999), em que aponta três níveis de relacionamentos das pessoas: relações primárias (composto por relações com familiares), relações secundárias (composto por relacionamentos de negócio) e relações terciárias (que inclui relacionamentos com colegas de trabalho). O marketing boca-a-boca se propõe a habilitar as pessoas a compartilharem suas experiências. É a aposta no uso da voz do próprio público em prol da marca, com base na satisfação do consumidor, no diálogo franco e aberto e transparente. Busca incentivar e ajudar as pessoas a falarem umas com as outras sobre produtos e serviços; fazer pessoas influentes, formadoras de opiniões, saberem sobre as qualidades de um produto ou serviço, na expectativa de que as divulguem no seu círculo de influência. O marketing boca-a-boca pode ocorrer espontaneamente, através de um bate-papo descontraído, em que as pessoas comentam o que acharam de determinado produto, serviço ou lugar, sem que haja intenção de induzir as outras pessoas do grupo a comprar. Se for planejado, escolhe-se um grupo de pessoas, as instrui e as deixa em locais estratégicos, onde elas vão ter de falar e comentar de forma discreta a experiência que tiveram com determinado produto. Com isso, essas pessoas contratadas têm a tarefa de tentar induzir ao máximo essas pessoas a comprar o produto que apresentam. Em relação ao uso das redes de relações para busca de informações, observou-se que todos os entrevistados usam as redes para obter informações tanto de clientes, quanto de concorrentes e fornecedores. Conclusões Este estudo procura integrar a teoria do marketing empreendedor com o empreendedorismo. Ao fazer isso, apresenta uma visão sobre os processos e dinâmicas subjacentes às estratégias de marketing e iniciativas de comunicação nas PMEs. O trabalho enfatiza a centralidade dos empresários na formação de estratégias de marketing, comunicação e conteúdo para orientar as atividades de marketing específicas. A contribuição parece ser original na medida em que aborda questões relativamente pouco investigadas em relação aos processos que ligam reconhecimento de oportunidade por empresários e atividades de marketing reais. Além disso, fornece justificativas para as formas peculiares de marketing adotadas pelas PMEs. Marketing direto e relacionamentos, eventos, comunicação boca a boca e um forte envolvimento do empresário, mais um alto grau de exposição pessoal não são apenas as conseqüências diretas de recursos limitados. Pelo contrário, o empreendedor guia e controla um processo gradual de explicação de conceitos e ideias originais.

5 Como resultado da análise, duas idéias despontaram com maior destaque dentro do trabalho e foram alvos de nosso interesse: a variedade de entendimentos sobre marketing empreendedor, e o fato de ser praticado sem conhecimento claro dos entrevistados. O termo marketing empreendedor é usado pelos entrevistados com sentidos diversos e especialmente como atributo para vários substantivos ou ações realizadas. A julgar pela freqüência das distintas utilizações, parece que o termo incorpora muitos sentidos e pode ser empregado para diversos objetivos. Não há um consenso quanto à utilização efetiva do marketing empreendedor, apesar de serem utilizados seus métodos e ferramentas. A orientação e foco para a inovação e geração de idéias são deficientes, e poderiam ser atribuídas a diversos fatores como falta de estimulo e falta de informação, a cultura regional e o pouco conhecimento sobre os nichos em que se deseja atingir. A prática do marketing empreendedor que utiliza as redes de relações sociais nos pequenos negócios poderia gerar melhor desempenho e vantagens competitivas para essas organizações. Mas percebe-se que as práticas de marketing estão fora das capacidades dessas empresas de pequeno porte, não são estruturadas e formais, prejudicando em alguns casos a correta aplicação da estratégia e o devido posicionamento da empresa no mercado. O artigo trata de um tema relativamente novo e desconhecido entre pequenos empresários, devendo no futuro ser explorado com mais profundidade e em outros setores além do varejo.

6 Referências Alexander, N. (2009). Brand authentication: creating and maintaining brand auras. European Journal of Marketing, 43(3/4), Adjei, M. T., Noble, S. M., & Noble, C. H. (2009). The influence of C2C communications in online brand communities on customer purchase behavior. Journal of the Academy of Marketing Science, 38(5), Baron, R. A., & Shane, S. A. (2007). Empreendedorismo: uma visão do processo. São Paulo: Thomson Learning, Bjerke, B., & Hultman, C. M. (2002). Entrepreneurial marketing: the growth of small firms in the new economic era. Cheltenham: Elgar. Bettiol, M., Di Maria, E., & Finotto, V. (2012). Marketing in PMEs: the role of entrepreneurial sense making. International Entrepreneurship Management. 8: Carson, D., & Cromie, S. (1990). Marketing planning in small enterprises: a model and some empirical evidence. Journal of Marketing Management, Califórnia, v. 5, n. 1, p Cova, B., & Dalli, D. (2009).Working consumers: the next step in marketing theory? Marketing Theory, 9(3), Dahlander, L., & Magnusson, M. (2008). How do firms make use of open source communities? Long Range Planning, 41(6), Denegri-Knott, J., Zwick, D., & Schroeder, J. E. (2006). Mapping consumer power: an integrative framework for marketing and consumer research. European Journal of Marketing, 40(9/10), Denzin, N.K., & Lincoln, Y.S. (2000). Handbook of Qualitative Research. 2.ed. London: Sage. 300 p. Filion, L. J. (1999). Empreendedorismo: empreendedores e proprietários-gerentes de pequenos negócios. Revista de Administração da USP RAUSP, v.34, n.2, p Gilmore, A., & Grant, K. (2001). SME marketing in practice. Marketing Intelligence & Planning, Bradford, v. 19, n. 1, p Green, K. M., Covin, J. G., & Slevin, D. P. (2008). Exploring the relationship between strategic reactiveness and entrepreneurial orientation: the role of structure style fit. Journal of Business Venturing, 23, Harrison, T., Waite, K., & Hunter, G. L. (2006). The internet, information and empowerment. European Journal of Marketing, 40(9/10), Hills, G. E., Hultman, C. M., & Miles, M. P. (2008). The evolution and development of entrepreneurial marketing. Journal of Small Business Management, 46(1), Hitt, M. A., Sirmon, D. G., & Ireland, R. D. (2003). A model of strategic entrepreneurship: the construct and its dimensions. Journal of Management, 29(6), Holt, D. B. (2004). How global brands compete. Harvard Business Review, (September), Hisrich, R., Peters, M., & Shepherd, D. (2009). Entrepreneurship. 8 th ed. Columbus: McGraw-Hill-Irwin. Huang, Z., & Brown, A. (1999). An analysis and classification of problems in small business. International Small Business Journal, 18(1), Kotler, P. (2000). Administração de marketing: a edição do novo milênio. 10. ed. São Paulo: Prentice Hall. Kozinets, R. V., Valck, K. D., Wojnicki, A. C., & Wilner, S. J. S. (2010). Networked narratives: understanding word-of-mouth marketing in online communities. Journal of Marketing, 74, Kuratko, D. F., & Audretsch, D. B. (2009). Strategic entrepreneurship: exploring different perspectives of an emergent concept. Entrepreneurship Theory and Practice, 33(1), Krishnamurthy, S., & Kucuk, S. U. (2009). Anti-branding on the internet. Journal of Business Research, 62(11), Lima, E. O., & Zoschke, A. C. K. (2008). Tipos de influência da rede de relação de empreendedores e atividades de marketing na pequena e média empresa. Rio de Janeiro: EnANPAD. Rio de Janeiro. Martens, M. L., Jennings, J. E., & Jennings, P. D. (2007). Do the stories they tell get them the money they need? The role of entrepreneurial narratives in resource acquisition. Academy of Management Journal, 50(5), Morris, M. H., Schindehutte, M., & LaForge, R. W. (2002). Entrepreneurial marketing: a construct for integrating emerging entrepreneurship and marketing perspectives. Journal of Marketing Theory and Practice, 10(4), Muniz, A. M., & O Guinn, T. (2001). Brand community. Journal of Consumer Research, 27(3), O Dwyer, M., Gilmore, A., & Carson, D. (2009). Innovative marketing in PMEs. European Journal of Marketing, 43(1/2),

7 Sawhney, M., & Prandelli, E. (2000). Communities of creation: managing distributed innovation in turbulent markets. California Management Review, 42(2), Schau, H. J., Muniz, A. M., & Arnould, E. J. (2009). How Brand Community Practices Create Value. Journal of Marketing, 73, Schindehutte, M., Morris, M. H., & Kocak, A. (2008). Understanding market-driving behavior: the role of entrepreneurship. Journal of Small Business Management, 46(1), Soares, A. M., Farhangmehr, M., & Shoham, A. (2007). Hofstede s dimensions of culture in international marketing studies. Journal of Business Research, 60(3), Spink, M. J. P., & Medrado, B. (1999). Produção de sentido no cotidiano: Uma abordagem teóricometodológica para análise das práticas discursivas. In: Práticas Discursivas e Produção de Sentidos no Cotidiano: Aproximações Teóricas e Metodológicas (M. J. P. Spink, org.), pp , São Paulo: Cortez Editora. Stokes, D. (2000a). Putting entrepreneurship into marketing. Journal of Research in Marketing & Entrepreneurship, 2(1), Stokes, D. (2000b). Entrepreneurial marketing: a conceptualisation from qualitative research. Qualitative Market Research, Bradford, v. 3, n.1, p Von Hippel, E. (2005). Democratizing innovation. Boston: MIT. Welsh, J. A., & White, J. F. (1981). A small business is not a little big business. Harvard Business Review, Boston, vol. 59, n. 4, p Zoschke, A. C. K., & Lima, E. O. (2006). Marketing empreendedor e redes de relação: um estudo sobre PMEs. Revista Gestão e Planejamento, v. 7, n. 14, p Zoschke, A. C. K. (2006). Marketing empreendedor e rede de relação: um estudo multicaso de PMEs tecnológicas de Blumenau-SC f. Dissertação (Mestrado em Administração) Programa de Pós-Graduação em Administração PPGAd, do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Regional de Blumenau. Blumenau-SC.

7 Referências bibliográficas

7 Referências bibliográficas 7 Referências bibliográficas ACS, Z. J.; AUDRETSCH, D. B. Innovation in large and small firms: an empirical analysis. The American Economic Review, v. 78, n. 4, p. 678-690, 1988. ANTONCIC, B.; HISRICH,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh TEMA: PARQUES TECNOLÓGICOS MODELANDO NOVAS CIDADES AUTOR: Andreici Daiani Vitor Vedovatto RESUMO ESTRUTURADO: Frente

Leia mais

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ Marlete Beatriz Maçaneiro (Professora do Departamento de Secretariado

Leia mais

Gestão de Marketing e Ética Empresarial

Gestão de Marketing e Ética Empresarial Escola de Economia e Gestão Gestão de Marketing e Ética Empresarial Reconhecer e explicar os conceitos pilares do marketing e seu ambiente; Reconhecer a estratégia de marketing e aplicar os principais

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Ana Teresa Dias Valente Marline Morais Conceição Vieira de Carvalho Ana Teresa Dias Valente Morais EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Dissertação de Mestrado em Intervenção

Leia mais

ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA FORMAÇÃO DE REDES INTERORGANIZACIONAIS

ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA FORMAÇÃO DE REDES INTERORGANIZACIONAIS ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA FORMAÇÃO DE REDES INTERORGANIZACIONAIS Cristiane Marques de Mello, PG, Administração, Uem, mellcris@gmail.com Marcos Junio Ferreira de Jesus, PG. Admiministração, Uem, marcosjunio@hotmail.com

Leia mais

Estratégia de Orientação para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração

Estratégia de Orientação para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração Estratégia de para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração Miguel Rivera PERES JÚNIOR 1 ; Jordan Assis REIS 2 1 Professor do IFMG Campus Formiga. Rua Padre Alberico, s/n. Formiga,MG

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

A formação de redes e o marketing: estudo de caso em uma rede varejista

A formação de redes e o marketing: estudo de caso em uma rede varejista A formação de redes e o marketing: estudo de caso em uma rede varejista Roberto Portes Ribeiro (UFSM) robertor@mail.ufsm.br Jocelito Nunes Figueiredo (UFSM) jfigueir@terra.com.br Resumo Este trabalho apresenta

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Implementação Estratégica da TI com foco nos Negócios

Implementação Estratégica da TI com foco nos Negócios Implementação Estratégica da TI com foco nos Negócios Projeto para a disciplina Sistemas de Informação Gerencial Curso: MBA em Gestão e Negócios UNIMEP Elaborada por: Profº. Ms Flávio Ibelli Callegari

Leia mais

PLANO DE ENSINO. As atividades da disciplina estão orientadas no sentido de alcançar os seguintes objetivos abaixo relacionados:

PLANO DE ENSINO. As atividades da disciplina estão orientadas no sentido de alcançar os seguintes objetivos abaixo relacionados: I IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso Bacharelado em Administração Disciplina GADM11 - Fundamentos de Marketing Pré-Requisitos: Não há Professor Marcos Severo II EMENTA Período 5º CH. Semanal 04h/a Ano/Sem

Leia mais

O meio ambiente e o planejamento estratégico

O meio ambiente e o planejamento estratégico O meio ambiente e o planejamento estratégico Roberto Sanches Garcia, Prof.Dr.Alfredo Colenci Junior Mestrado em Tecnologia: Gestão, Desenvolvimento e Formação. CEETEPS - São Paulo SP Brasil roberto.sanches4@terra.com.br;

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas AAKER, D. Pesquisa de Marketing. São Paulo: Atlas, 2001. ABBAS, K. Gestão de Custos em Organizações Hospitalares. 2001. In COUTO, Renato e PEDROSA, Tânia. Hospital: Acreditação

Leia mais

4. ACTIVIDADES DE NATUREZA TÉCNICO-CIENTÍFICA

4. ACTIVIDADES DE NATUREZA TÉCNICO-CIENTÍFICA CURRICULUM VITAE 1. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: José Jacinto Descalço Bilau 2. HABILITAÇÕES ACADÉMICAS 2.1. Doutoramento em Gestão pela Universidade Técnica de Lisboa (ISEG), 2008 Tese realizada na

Leia mais

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Salvador, 2003 MARIA AMÁLIA SILVA COSTA A D M I N I S T R A Ç Ã O E S T R A T É G I C A E

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social.

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social. PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNICENTRO, PROVARS: COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS PARA A EFETIVAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. RESUMO: O presente trabalho pretendeu verificar

Leia mais

A PESQUISA MERCADOLÓGICA COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO E MAXIMIZAÇÃO DE RESULTADOS

A PESQUISA MERCADOLÓGICA COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO E MAXIMIZAÇÃO DE RESULTADOS A PESQUISA MERCADOLÓGICA COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO E MAXIMIZAÇÃO DE RESULTADOS (THE MARKET RESEARCH AS MANAGEMENT STRATEGY AND RESULTS OF MAXIMIZING) Rômulo Cardoso da Fonseca e Castro 1; Renata Martinez

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS BRASILEIRAS THE KNOWLEDGE MANAGEMENT IN SMALL AND MEDIUM SIZED BRAZILIAN COMPANIES

A GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS BRASILEIRAS THE KNOWLEDGE MANAGEMENT IN SMALL AND MEDIUM SIZED BRAZILIAN COMPANIES CDD: 658.022 A GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS BRASILEIRAS THE KNOWLEDGE MANAGEMENT IN SMALL AND MEDIUM SIZED BRAZILIAN COMPANIES Danillo Leal Belmonte 1*, Luciano Scandelari 2, Antonio

Leia mais

A METODOLOGIA CANVAS PARA O DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

A METODOLOGIA CANVAS PARA O DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A METODOLOGIA CANVAS PARA O DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Daniel dos Santos Mello¹ dsmello@bb.com.br Rogério Dionisio Haboski² rogeriodh@hotmail.com Wagner Luiz Jensen³ wagner_jensen@yahoo.com.br

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

Índice. 03 A Empresa. 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente

Índice. 03 A Empresa. 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente MÍDIA KIT 2014 Índice 03 A Empresa 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente A empresa Fundada em 2007, a empresa possui uma grade anual com diversos

Leia mais

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo A Tecnologia da Informação (TI) faz parte do cotidiano da sociedade moderna, mesmo as pessoas que não têm acesso

Leia mais

Valor da Marca* Ana Côrte-Real Faculdade de Economia da Universidade do Porto

Valor da Marca* Ana Côrte-Real Faculdade de Economia da Universidade do Porto Valor da Marca* Ana Côrte-Real Faculdade de Economia da Universidade do Porto Resumo A autora apresenta neste artigo uma revisão crítica de algumas perspectivas sobre o valor da marca, sublinhando o contributo

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

Palavras-chave: Marketing. Marketing Empreendedor. Empreendedorismo.

Palavras-chave: Marketing. Marketing Empreendedor. Empreendedorismo. Marketing Empreendedor: Um Estudo Bibliométrico em Bases de Dados Internacionais Denise Santos de Oliveira 1 Altair Camargo Filho 2 Nayara Pereira Peixoto 3 Ricardo Limongi França Coelho 4 Resumo: O objetivo

Leia mais

Design Estratégico e Inovação

Design Estratégico e Inovação Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

A NECESSIDADE DE CRÉDITO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS

A NECESSIDADE DE CRÉDITO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS A NECESSIDADE DE CRÉDITO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS Raquel Prediger Anjos 1 Mauricio de Oliveira Braguin 2 Reinaldo Pereira dos Anjos 3 PALAVRAS-CHAVE pequenos negócios; capital de giro; crédito RESUMO Os pequenos

Leia mais

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA E SUA IMPLICAÇÃO PARA O PROCESSO E PRÁTICAS DE INOVAÇÃO

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA E SUA IMPLICAÇÃO PARA O PROCESSO E PRÁTICAS DE INOVAÇÃO ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA E SUA IMPLICAÇÃO PARA O PROCESSO E PRÁTICAS DE INOVAÇÃO Andressa Santos Tecchio Faculdade de Administração Centro de Economia e Administração

Leia mais

A Relação Das Micro e Pequenas Empresas com o Uso Das Técnicas de Marketing: Um Estudo Exploratório na Visão Dos Empreendedores

A Relação Das Micro e Pequenas Empresas com o Uso Das Técnicas de Marketing: Um Estudo Exploratório na Visão Dos Empreendedores A Relação Das Micro e Pequenas Empresas com o Uso Das Técnicas de Marketing: Um Estudo Exploratório na Visão Dos Empreendedores Jaquelyne Resende 1 Ricardo Limongi 2 Altair Camargo 3 Marcos Inácio Severo

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 RESUMO O marketing é uma função da administração que

Leia mais

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Ataíde Braga Introdução A aquisição de bens e serviços a serem utilizados na produção e na revenda de produtos

Leia mais

Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature

Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature PSICOLOGIA ARGUMENTO doi: 10.7213/psicol.argum.5895 ARTIGOS [T] Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature [R] [A] Pedro Fernando Bendassolli Resumo Received

Leia mais

AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO

AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO 200 AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO Clayton Cardoso de MORAES 1 Guilherme Bernardo SARDINHA 2 O presente

Leia mais

Marcos Paulo Garrido Bittencourt de Oliveira. O uso de mídias sociais como ferramentas para criação de novos negócios: Estudo de caso

Marcos Paulo Garrido Bittencourt de Oliveira. O uso de mídias sociais como ferramentas para criação de novos negócios: Estudo de caso Marcos Paulo Garrido Bittencourt de Oliveira O uso de mídias sociais como ferramentas para criação de novos negócios: Estudo de caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

MODA SUSTENTÁVEL E CONSUMIDORES OSKLEN 1. Lílian Gonring CASOTTI 2 Vanessa Melo TORRES 3 Faculdades Integradas de São Pedro, Vitória, ES

MODA SUSTENTÁVEL E CONSUMIDORES OSKLEN 1. Lílian Gonring CASOTTI 2 Vanessa Melo TORRES 3 Faculdades Integradas de São Pedro, Vitória, ES MODA SUSTENTÁVEL E CONSUMIDORES OSKLEN 1 Lílian Gonring CASOTTI 2 Vanessa Melo TORRES 3 Faculdades Integradas de São Pedro, Vitória, ES RESUMO Falar de sustentabilidade se tornou comum em tempos que o

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 24 e 25 de outubro de 2013 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO TRIPLE BOTON LINE INCORPORADO NAS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS: UM ESTUDO EM OPERADORES LOGÍSTICOS NO

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

7 Referências bibliográficas

7 Referências bibliográficas 7 Referências bibliográficas ALMEIDA, F. C.; SIQUEIRA, J. O.; ONUSIC, L. M. Data Mining no contexto de Customer Relationship Management. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 12, n. 2, p.

Leia mais

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura Daniel Reis Armond de Melo armond@ufam.edu.br Universidade Federal do Amazonas Universidade

Leia mais

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios Disponível em http:// RAC, Curitiba, v. 15, n. 4, pp. 761-765, Jul./Ago. 2011 Documentos e Debates: Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração:

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor.

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. 1 São Paulo, 06 de junho do 2003 O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. Peter Drucker (2001 p.67), fez a seguinte afirmação ao se referir ao terceiro

Leia mais

Influência das alianças estratégicas no crescimento de pequenas e médias empresas brasileiras de software

Influência das alianças estratégicas no crescimento de pequenas e médias empresas brasileiras de software Renato Rocha Ribeiro Influência das alianças estratégicas no crescimento de pequenas e médias empresas brasileiras de software Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

ATIVIDADE EMPREENDEDORA

ATIVIDADE EMPREENDEDORA ATIVIDADE EMPREENDEDORA Francisco Carlos Petrachi Gera Fransérgio Martins Lucas Menegheti Contini Orientadora: Profª. Ms. Silvia Alonso Y Alonso Bittar Cunha Resumo Embora o empreendedorismo seja um tema

Leia mais

MICROECONOMIA E SUAS TRÊS TEORIAS

MICROECONOMIA E SUAS TRÊS TEORIAS MICROECONOMIA E SUAS TRÊS TEORIAS Microeconomics and its three theories Carolina Nunes da Silva 1 Maria Milagros Baguear¹ Simone Rocha Giannetti¹ Maycon Rossy Carvalho¹ Resumo: A Microeconomia é o ramo

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

AUTORES EDUARDO PINTO VILAS BOAS

AUTORES EDUARDO PINTO VILAS BOAS Estudo sobre a identificação de fatores presentes em ambientes de empreendedorismo corporativo que encorajam a ação empreendedora manifesta de gestores de nível organizacional intermediário AUTORES EDUARDO

Leia mais

O Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano de Negócios Fabiano Marques Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. (Dornelas, 2005) O termo empreendedorismo está naturalmente

Leia mais

ANÁLISE DOS 5 PS DA ESTRATÉGIA EM UMA MICRO EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA

ANÁLISE DOS 5 PS DA ESTRATÉGIA EM UMA MICRO EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA ANÁLISE DOS 5 PS DA ESTRATÉGIA EM UMA MICRO EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA LUCIMARA APARECIDA DA SILVA BORGES Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas FACESM lucimara.borges@live.com MILENE

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

Incubadoras de empresas e comunidades: prospecção de novos empreendedores a partir dos conselhos municipais

Incubadoras de empresas e comunidades: prospecção de novos empreendedores a partir dos conselhos municipais Incubadoras de empresas e comunidades: prospecção de novos empreendedores a partir dos conselhos municipais Tema: Incubação de empresas orientadas para o desenvolvimento local e setorial Autor: Giovane

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

Ana Cláudia Knoll Zoschke zoschke@terra.com.br Edmilson de Oliveira Lima edmilsonlima@furb.br FURB Universidade Regional de Blumenau

Ana Cláudia Knoll Zoschke zoschke@terra.com.br Edmilson de Oliveira Lima edmilsonlima@furb.br FURB Universidade Regional de Blumenau Marketing Empreendedor e Redes de Relação: Um Estudo sobre Micro, Pequenas e Médias Empresas (Artigo apresentado no 30 o ENANPAD 23 a 27 de setembro de 2006 Salvador) Ana Cláudia Knoll Zoschke zoschke@terra.com.br

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

O Poder das Mídias Sociais Aplicadas em Iniciativas de Crowdfunding no Brasil

O Poder das Mídias Sociais Aplicadas em Iniciativas de Crowdfunding no Brasil O Poder das Mídias Sociais Aplicadas em Iniciativas de Crowdfunding no Brasil Fernanda Bruno dos Santos¹, Ana Carolina Gama e Silva Assaife¹ e Jonice Oliveira 1 1 Programa de Pós Graduação em Informática

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

ENGAJAMENTO DO CONSUMIDOR EM UMA COMUNIDADE VIRTUAL DE MARCA

ENGAJAMENTO DO CONSUMIDOR EM UMA COMUNIDADE VIRTUAL DE MARCA No atual contexto competitivo, é possível dizer que as marcas desempenham papel fundamental na plena existência das organizações, pois dão suporte às decisões de compras, potencializam percepção de valor,

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA COM ENFOQUE EM MARKETING PARA EMPRESAS DE SERVIÇOS

PROPOSTA DE UM MODELO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA COM ENFOQUE EM MARKETING PARA EMPRESAS DE SERVIÇOS PROPOSTA DE UM MODELO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA COM ENFOQUE EM MARKETING PARA EMPRESAS DE SERVIÇOS Rogério Chimionato Escola de Engenharia de São Carlos - USP - Área de Engenharia de Produção - Av. Dr. Carlos

Leia mais

Pesquisa de Marketing

Pesquisa de Marketing Pesquisa de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 Pesquisa de Marketing no SMG Obrigado por seu interesse na área de Pesquisa de Marketing do SMG! Este material detalha a abordagem que o SMG utiliza

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular (UC)

Ficha da Unidade Curricular (UC) Impressão em: 03-01-2013 16:13:42 Ficha da Unidade Curricular (UC) 1. Identificação Unidade Orgânica : Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso : [IS] Informática para a Saúde Tipo de Curso : UC/Módulo

Leia mais

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO 122 A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO Edilene Mayumi Murashita Takenaka, Sérgio Luís Destro, João Vitor Minca Campioni, Dayane Magalhães Fernandes, Giovana Maria

Leia mais

The implementation of Observatório de Ideias da UEG Information Management in Education and Training

The implementation of Observatório de Ideias da UEG Information Management in Education and Training The implementation of Observatório de Ideias da UEG Information Management in Education and Training Carla Conti de Freitas (Universidade Estadual de Goiás, Goiás, Brasil) carlacontif@gmail.com Armando

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

O novo papel de Recursos Humanos: o que é RH Estratégico e qual é a sua contribuição para os negócios

O novo papel de Recursos Humanos: o que é RH Estratégico e qual é a sua contribuição para os negócios Gustavo Leonette de Moura Estevão O novo papel de Recursos Humanos: o que é RH Estratégico e qual é a sua contribuição para os negócios Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Implantação de um sistema de informação para apoio a gestão de uma empresa de pequeno porte utilizando ferramentas open source

Implantação de um sistema de informação para apoio a gestão de uma empresa de pequeno porte utilizando ferramentas open source 978 Implantação de um sistema de informação para apoio a gestão de uma empresa de pequeno porte utilizando ferramentas open source Keoma Gomes de Souza 1, Carlos Mário Dal Col Zeve 2 1 Acadêmico do Curso

Leia mais

Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais?

Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais? Patrícia Freitas de Sá Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais? Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Um estudo multicasos do crescimento de duas empresas familiares de pequeno porte: pontos de alavancagem, limitantes e obstáculos

Um estudo multicasos do crescimento de duas empresas familiares de pequeno porte: pontos de alavancagem, limitantes e obstáculos out. nov. dez. l 2009 l A X, º 59 l 313-19 I GRAÇÃ 313 Um estudo multicasos do crescimento de duas empresas familiares de pequeno porte: pontos de alavancagem, limitantes e obstáculos edgard monforte merlo*;

Leia mais

DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5,0

DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5,0 DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR Unidade Curricular: Gestão de Eventos Área Científica: Ciências da Comunicação CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5,0 CURSO: Comunicação e Relações Públicas Ano: 1º 2º 3º 4º Semestre:

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00)

ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00) 3 ABRIL ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00) DATA: 06 a 10/04/2015 HORÁRIO: 19h às 22h CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Bem tratado ou bem atendido? Momentos da verdade das empresas O perfil do profissional de

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

OS DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO E DO MARKETING NA NOVA ECONOMIA

OS DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO E DO MARKETING NA NOVA ECONOMIA OS DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO E DO MARKETING NA NOVA ECONOMIA Agenda do Futuro Iniciativa do Grupo TV1 criada em 2008 para gerar conhecimento e incentivar a reflexão sobre as mudanças em curso na Comunicação

Leia mais

Tipos de Influência da Rede de Relação de Empreendedores e Atividades de Marketing na Pequena e Média Empresa

Tipos de Influência da Rede de Relação de Empreendedores e Atividades de Marketing na Pequena e Média Empresa Tipos de Influência da Rede de Relação de Empreendedores e Atividades de Marketing na Pequena e Média Empresa Autoria: Edmilson Lima, Ana Cláudia Knoll Zoschke Resumo O presente artigo trata de diferentes

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Redes de Pequenas e Médias Empresas (PMEs) Varejistas: Benefícios Competitivos e Conflitos. 1

Redes de Pequenas e Médias Empresas (PMEs) Varejistas: Benefícios Competitivos e Conflitos. 1 Redes de Pequenas e Médias Empresas (PMEs) Varejistas: Benefícios Competitivos e Conflitos. 1 Rosália Rodrigues Alves, graduanda em Administração pela Universidade Federal de Lavras, rosaliaadm@gmail.com;

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD GESTÃO DA INFORMAÇÃO ALINHADA À INOVAÇÃO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE EMPRESAS RESIDENTES E GRADUADAS NA INCUBADORA ITFETEP Liandra Pereira

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA O ESTUDO DA MUDANÇA ESTRATÉGICA EM PEQUENAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO DE EDIFICAÇÕES

UM FRAMEWORK PARA O ESTUDO DA MUDANÇA ESTRATÉGICA EM PEQUENAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO DE EDIFICAÇÕES UM FRAMEWORK PARA O ESTUDO DA MUDANÇA ESTRATÉGICA EM PEQUENAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO DE EDIFICAÇÕES Rodrigo Bandeira de Mello, M. Eng., doutorando UFSC - EPS - PPGEP - NEST Caixa Postal 476 - UFSC - 88.049-900

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira 15 INTELIGÊNCIA DE MERCADO: TRANSFORMANDO AS OLIMPÍADAS EM NEGÓCIOS 1 RESUMO Um dos grandes desafios das organizações hoje é a aplicabilidade assertiva das técnicas de análise e métodos utilizados em Inteligência

Leia mais

Aplicação do Método AHP na Seleção de Software para Modelagem de Processos de Negócios Amanda Alves 1, Thiago Depoi Stoll 1, Rafael Baldiati Parizi 1

Aplicação do Método AHP na Seleção de Software para Modelagem de Processos de Negócios Amanda Alves 1, Thiago Depoi Stoll 1, Rafael Baldiati Parizi 1 242 Aplicação do Método AHP na Seleção de Software para Modelagem de Processos de Negócios Amanda Alves 1, Thiago Depoi Stoll 1, Rafael Baldiati Parizi 1 1Instituto Federal Farroupilha Campus São Borja

Leia mais

ANÁLISE DO ALINHAMENTO ENTRE O BALANÇO SOCIAL E O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DOS TRÊS MAIORES BANCOS EM ATIVIDADE NO BRASIL

ANÁLISE DO ALINHAMENTO ENTRE O BALANÇO SOCIAL E O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DOS TRÊS MAIORES BANCOS EM ATIVIDADE NO BRASIL ANÁLISE DO ALINHAMENTO ENTRE O BALANÇO SOCIAL E O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DOS TRÊS MAIORES BANCOS EM ATIVIDADE NO BRASIL ANALYSIS OF ALIGNMENT AMONG SOCIAL BALANCE AND SUSTAINABILITY REPORT OF THREE

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ZUMBI DOS PALMARES

COLÉGIO ESTADUAL ZUMBI DOS PALMARES COLÉGIO ESTADUAL ZUMBI DOS PALMARES NATANY VIEIRA DE SOUZA PLANO DE NEGÓCIO: LOJA ESPECIALIZADA AO JEANS COLOMBO 2013 NATANY VIEIRA DE SOUZA PLANO DE NEGÓCIO: LOJA ESPECIALIZADA AO JEANS Trabalho de Conclusão

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Comunicação empresarial Envolve todas as ferramentas de comunicação. Atividade multidisciplinar. Envolve conflitos, emoções, potencialidades e

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA

A UTILIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA A UTILIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA Roger Augusto Luna Mestrando em Administração. Universidade de Fortaleza

Leia mais

SISTEMAS DE CONTROLE GERENCIAL e CONTRATO PSICOLÓGICO. CX Discussões Metodológicas Ivan Canan Orientador: Prof. Dr. Gilberto de Andrade Martins

SISTEMAS DE CONTROLE GERENCIAL e CONTRATO PSICOLÓGICO. CX Discussões Metodológicas Ivan Canan Orientador: Prof. Dr. Gilberto de Andrade Martins SISTEMAS DE CONTROLE GERENCIAL e CONTRATO PSICOLÓGICO CX Discussões Metodológicas Ivan Canan Orientador: Prof. Dr. Gilberto de Andrade Martins Introdução Sistema de Controle Gerencial Discricionariedade

Leia mais