ejj jas dignas de crédito.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ejj jas dignas de crédito."

Transcrição

1 ejj jas dignas de crédito. E Emperador vníoeríal,8c reconhccido de todos os Reys 8c fenhc es de lap r>. mo \J Xagu, Vrft^l-l J ou.cubo, V».» ) que os annos pallados, J o qual l.co.no he t; u A iii.nr-iv. Lx 'nriltandade, quanto maisfegurofe véemleu eüado, táto m. T.üdta;,--"!.:v: ra ^ a perfeguir, jj*.. l CjV. > matando ', '' os ~ esforzados ' J ConfeíTores de Chriflo.tom ~ ex 1 j do tormentas. No anno de i 6x9. ' forao martirizados ' " J emd J ' p P. Í5 ic Dios, acrecentamentoda Igrejamilitante,&triumphan c'pa Gen- ',p"ñtjiwnaíache5. queinudos viuós, & ir. degrades. Dos qucyniado»c.;6 l.aw ".r;, & L ovirdo Upaó da Comp nhia'de leíqs,grande prégador de noíta Sanfta Fcj entro. Dnn»m oí o 0 rtu?ue natural de Ssm Romáo.termode Aginar de Sonta entre Dout o, üc. Iv u k>,, q '' "rihor efeolheo para Capitaode fualgreja depois deferuir de toldado na India = «orne em Ümuraeílauáo prefos cora grande apertodous Relig ofos dogloriofopr 1 's % hiun desam Francifco, corapanhevrcfcde dous,cáda hum das ditas orden, atrastbraó ra irciriwdos. No racimo Carcere eftauáo dous Padres da Companhxadc, >%aoi ll a, n h- o y adre Carolo Spinola Genoues, mais illuure pello que padece por Chr». ;, </ r"i n -ue- amhe morreo do trabaiho da prizamfeu Companheiroo Iriiyu? Amo; o-w <.-, <» fr" n irur úde hdi» do-bifpadodo Porto deidade de «8. annos,grade parte dosquaisemprcg nnelh CWhndade. Na mcfma Cidade fe cortaran! as caberas a tres Chriüáos, por nc^-v-, rúas esmolas sos íobredito, prefos. Era Bugem, a hum; no Rey no de Bungo a dous, p '' ',1olee'':... 1 annos mu, b, m logrados. E porquefaltaua a Cidade do Muco, cabera daquelles 1 g do r-rm de Mártires naturais leus permitió Déos, que em hum día fofiem nella & Oí 10'20 lotfoqnim.idos ailv'llu WUS Vviuos a ávillade 1 todoo --CT-T lapam $j.qnal >> 1 expeéhctiló í ^. nunca,,, Rcnaav,. P. *., c,.f^fnr)nefr«t mnifnnaraver huavaler Macona ci Sus Ñeros 6t Droclecianos. Entre todos fot multo para ver hua valer-a Macona ch,r: n re fea marido, & feos filhos.a hu dos quauppr.fcr rauito cmn? a tr ;ha ape; doer, s, '& ns d^poiade morta,scqueimada largauaoutro aínda era fuas entrat ha-:,?, m-; D é o s - -_ - ^^pft meiro a glo ria ^f o m údo, 8. inorreráo po carce re do apertc> fc e ra -; o ít? to delle.erafuxi'', mi f x!i martirizado hu; & em outro Reyno hua dózelacathecarnena > em derenlao de fuá caílidade, ^EftaSXorae Nanos Dlandefes confederados cora os I#oes pera todos ebrera fcbre a Ci» dade ckmacíwo com intento de a toraarera aos Portugués, ^defenganoa o.reyne íapara, que n^pu n i & nao viuiaó fe nao de roubos, & cruekuks. Porque «íoube que traham too* N,luios,quehiamperaSiara J Champa,C.mbo.a&Cochmcu 1 n i... ida deram fundo a toda á gente pera nio fe iaberjdefnas maldades. -gmr ' raorte, que ninguem os.idmitiítem erafeus porros, nem íntrafl( v. Mamo,, ffem m inti inent,os,ou. tr.uni^oens,a qual leyic guarda cora tanto r;..^.^ srofm,, C idos por tereni trato' com elles, com o que crt.cs.mangos facam aialnaotfíimo?, & o qn«* ' tlalueo P conr pouco remedio porque de Upara Ihe leuauara p^mv^to k munkoe,. 4 '. m -hao aínda no ten^j da liga eflauacora bom ani mo, porque f: xluiuapcora mais. nií mofqucteiros rauitodeítros,dos quais os mais erara Portugveiey. =; ; : ini ic fe i-efoluerara Kiuiu»,'.».. es de Machao - em nao mandarem a a Iapam a nana do réoi untos os Coffairos, - ^ <~ fe nao feis Nauiqs M...:^ i; u ss \ i oi r i loco --o deferabocaedas,lhas í;íkoiuravara.co hu ^dibigtand,2. li'ado,qiicfeítreaeo acometellcs. fe iaftpjamacih o:vxmx pti-vs,. : ín fe podfriusa; b, m da art<lhartao ábilroaram. U que imto demra ' ""l, ' " dos Hvi"; _ I i.u i. poluora nr.ovfcmo «o,., ir-r-w» - incida.lili» dnr dur. > O > >'.'. pe - "i í-'cus ci^.ddi.n br,qu"eaen.iuiopaíí^..b.pp'aide mais foíopas, qoe tem na Inuavicrarcrri! ^, (atentas. «i<ab -'.>.1 b n ú olwítt : i re; tura 2d'-m I>aCQnfideracam.itentrectlesha.n filhodcham^twác & a Oefief^ ;mc"> o í. i,dara nio-ulias partes; outeos gara dar oeda^a tasefenv^s ionrvs. i '"U-iios,osq

2 para cargos femelhaftres. Os que eftauam no lapsm fentirsm tanto eíla noua, que diziam, que fj ineia Qlanda fe perderá, nao fe perderá tanto,para leus intentos como naquelle Nauio. Te ni fe por coufa certa que os Caltelhanos ñas Philippinas alcan^aram dos Olandefes hüa grande Vitoria em que ihe desbarataran! treze embarca^oens, & em MalucoIhe tomarama fortaleza de Amboino que íbi nolia muiros annos, & nella muito fato, & riquezas. Parece que vai Déos abrindo as portas da Ch ma, até agora tam ferradas, ailbo comercio dos Portiíguales, como ao Euangelho. Entre outras pefíbas de muito porte, & letras,que os Padres da Companhiaconuerteram antes deferem Janeados da China,foihum Mandarina principaba quem chamaram o Douftor P.iulo, o qual no zelo fe parece com o Apoilolo, de quem tomou o nome, Se no esforzó a ninguem da ventagem..0 Rey que he mancebo, & muí afeitado a elle lhe cncan gouquedepequim,que hea Corte da China tiueíle o aííumptode todoo prouimento ncceítario pora o leu exercito, que ha tres annos anda en campo contra os Tartaros, que entraram polla China dentro, & lhe tem ja tomado hüa Prouincia,& outras Cidades. Mas elle pedio licenga pera afluí ir na guerra. E o Rey o nomtou por Generaliffimo de toda ella, em quedeu moflrasdc muito prudencia., particularmente em mudara correntede hum Ryo ajuntandoo com entro, c^tris-; pou tam fundo, que nao puderam os Jarearos pallar. A qual obra & fucciíb o Dcutor Pau. f buioa pratica & noticia, que tinhadoj Portugueses por mciodos padres da Companhia, weacaoou como Rey que paliarte Prouiíbespara os ditos Padres íerem declarados por innocentes & reílituidos.e que pediíle aos Purtuguefcs de Machao algüa artelharn,eombarden os,& foldado^, com intento de acreditar a ley de Déos, & aos Portuguefes que os Chinas tein por barbaros em iba compara am,como os Gregos anuamente a todas as den ais Nacoes, & aínda que os Maadarins de Canram nam deixararn pillaros Bombardeiros,fendo auiíadoo Dou or Pauití fez pallar Prouifoés em forma, que nao ouue mais rehilen cía. A Gdade lhe mandou quatro pecai groím, aunando que perro dali eftauam írinta & feis de hüa Nao Ingreza, que dera á coila. Foraiii tambe,ij^. roo. íoidados Portuguefes molqueteiros com feus criados dandofe logo a cada hum po! r prmr de paga?.oo. Taes, que tem 450. pardaos Xcrafins, & aos criados 40. faes, com os folclados entrara TI cinco Padres da Companhia, dos quaeshcaram tres em Pequim, & os deus paffaram com elles ao 84 xercito,a onde fe derem boa conta de G ñas armas, principalmente r.os coíiumesvpodefe efperar có muitó fundamento, que cedo fe conüerta toda a China,- porque os deiia an>ao & refpeitam aofeu Re.y como a Déos. Eeltehemui afeitado aos Mandanns Chriítáos. E cuioafe, que o Doutbr Paulo he feu meftre, oqual lhe tem dito'por muitas vezes, que para í<$s va~ lalos ihe lerem íieis nao ha milhor remedio,que ferem todos Chriítáos ; porque os Padres, que fam, htlj. -u.w v U n, rui, a u LI unjuuhuijuuar em uoemnemna, que ftchum Keynode gennosentrea China,&Malaca,mui frequentadode Portugueses,Chinas,& Iapoés por ier muí abundante de ouro, de Aquilla,& do verdadeiro Olamba & outras mercaderías comeando os Padres pregar aquí noffá Sanfia ley tiueramao principio grande contradicam, poroue auendo hua grandefeca que pos a térra em grande aperto fe peifuadio o pono ignorante, que- a ley de Déos era- caula della, & o Rey mitigado tambera pellos Olandezes, o, mandou fair'da fe. n Mas o tempofoi defeobrindoa verdade,&o Rey faz muita honra aos Padres, & hetera pailad rrouiiarp pura poderes pregar hu remen te em todo o feu Reyn & os Iapoés Chriíláos,queVm fna térra nao tem Iiberdade para ouuir Milfa Pi égacam, & comungarem acodemaeíies porros" ma,s para bulcarem o proueito de fuas almas, que a mercancía. Em quanto em Machao fe nao foube, que eiíá disfeita a liga dos Olandefes com os Iapoés fe ferepreza ñas galeotas no anno afras q foram da India,as quais com otras que de nouo fe mandaran^ partrram pa r a India n'ofim de Nóueníbro de ría i. Mas no Golfamde A<Vnam lhe deuhum temporal tam e.'prna.ío, que as deílro? ou a tod.s, & fez íicariem mal!ros, porque ou jhbs-quebró. 1 oii forcoh aoscortarern Amainanck..peftadelhe frbreueiooutra pior de duas WoJandeS, de. g.que d.zem ándam naqueih,gem. í>a s bem zobaramas síal,otas fe nao eítiueram decepad anraa afii mataratr - ;, gente das lanchas, que f adiantar. i:, rúas vendo- chgand, as J os mana ram os Portug- les muito ouro & fato para liña en.b ire ca-n de TuT omt ntogue* /para Solor, ác deramiogo a algüasgaleotas, & ai fato, qu= aellas v X ma S. sos

3 f> eos<)dp. /»gafátti'&tomaran» ;. " o. A * d ouhüa mui delineada,a oütrasle nao labe. Vinha e ; ' - : como de orn o. Os Rey dtivii ganando com ei'tespiraba a,,"?,, i. - s por quem íam. Ñas par; >: jj.v. ami! andaramem Outubro, & Nouembrotomando militas embarca. - ' <- olieras, a tnaior parte das quais era do Idalcan, Melique, & Mogor. O quai mandou,que em Se ti-'votfetyi preíos quantos achafíém em térra,&lhe lanfafíem maó de fuá» fazendas do que elles ti a.* -«vua polla Te acolheratn. re da Andrauc fez o anno pallado coufas marauilhofas no Sino Perfico,& por todaa o >[', i, onde pelejou com os íngreíes, aos quais poflo, que era inferior em numero de gen, : haría,& muni^oés, com tudo no animo, & esforco fe ouue de rra 'V<*wrat m feu General com muita gente,ceixandoos tam pafniaeos qu maní Máximo, outros Ruy Ferro. De nouoeram idos fobreelleos mefn N os, cíe alguns'pataxos que por todas faznn nouc embarcacoens. Mas nt i' cada co n cibus galeoens t'armofi(limos, & hum pataxo, que a Gouernador ; ' íeteiir tantas pecas de mui grandes bailas. No Ianei'ro pallado fe auia de ái '4 :!iope.'eiráque foi Capttam na Coftade Melinde,& o anno pallada caulas escellencts, queimando multas pouoacoés, & embarcacoés de Moi pu*s Naos que tinta em eitaieno. Tambem no cabo de Comorim tomen vmha d: Meca muito rica com dozeou quatorzepecas,& attelheii o.-. Olar conmuto animo, que o meímofoi vela que Vencella, & léñala a Cochin. ' hotaslem.ua comligopara Orn.uz, treze,ou quatorze embarcacoés, & t apollados.. ' No mefmo tempo, o Perfiano meteo muita gente em queixume para n Portuguefes fe prouem em Ormuzdizendo,quc os auia de ter como paííliri Rui Freiré lhe matou grande parte della,& deu principio a fortaleza, que fi don fazer uto da aguada,para mais asegurar,a qual laio tal que dizé he ln,. pollo,que ah lhe morreo muita gente de doen^a. Defpois deu o dita ña parte da Perfia tomando, & queimando militas pouoacoés,8c ma tenadas, as quaishúas queimou,& outras tomou, 8c diüruio,que fac. da Arabia tomou a Fortaleza de Iulfoi,queemoutro tempo foinof do Peruano, ou de quem a tinha de fuá maó. Iunto della tomou outra,& lhe qucimomsc cortou grandes palmares. Elperafe, que os dous Capitaes tenhao alcanzado hua grande Vitoria dos m.migos, porque lao muí reihlutos, & valerofos fem obriga? aóde moiher, & filfcosque naqudlas panes is anda- ' - -aisatiento do que pedem asocafioés. As mefmascondicoes tem Conítanti ü.- general ió. & Phelippe de Oliueira Capitáo Mor no Reynode lafanapataó, os qu. cem alo grandes Vitorias dos Inimigos. _ i. mperador de Ethyopia ella em paz, & todo empregado na reducao de feu a Igreja a:feus lrmáos ftója todoscatolicos.é os maisdosviíorets,&gouernadorc i- mpeno. e todos vai o principal de feus Irmaós por nomeerafcelachrilios^ em esto, co-pavec;. outio.. ai xelo de Rclisriaó outro S. Paulo. Acaboua Igreja, que a fuá cuita tmha ccmecarío ao aa S e Europa, a qual he vifitadadetodasas partes de í thyopia, & ate os Schilmatkos ihe >caí' do Ceo O Emperador, 8coutros grandes tratao de tazer outras maiores aamit.c.o fco dous Padres da Cotnpanhia de lefusda india a Ethyopia.para ajudarem os cuíco '.dán»6 (os quaiscom grandes inílancias tem pedido, & pedem a feus Superiores compa-

4 Bp = amaine os Jcomp.nhaffem.ate os meterán ñas térras íeje;t: S ;ofmp r-dci defthvrroi* tudo ecompnoanlca. Hntraraó os ditos Padres em Etfcyopi, a ordeler aqm Ligente ais, Ctholicos como Saimaticos con, grandls móí 1,mor üs &, Jo feu líe C " } /0 ' T ^ C m i T : a rccebcllos pe da Scrral ni c O a S «adeam5to por nao, e;xarcm a O hla,& c cjanhia confquch.aó fizcramlhe t S " rz pc ;r m,1s ' & a - pnn r P? 1 ie era S lm! Jeiles cfpatriarcha. O animo com que S ces o. Chegaraooso^us Padresapnmeira refidencia que os Padrada Cc«p1«h atcm n e le Imper,o a onze de íunno do dúoanno em que eílaua hum so Padre, & doente,o nial torno dví a pouco tempo, & parece que os ícuon Déos tam paperamente, aii.m pssrtm em f n W 2 w o i? ^ em Iunho, & acaba emsetembroj depoisdefercm viiitados por c n X & cu as no Ii:..peratSor, & feus grandes íe toraó a Corte aonde foi grande o aluoroco de toda el 1 &.nexphc,ud o godo do Emperador, & íe, Írma5 vendo acrecentado «C ^ N, Prouncia dos Agaos, que he mui larga, & abundante de todosos mantimentos, fojeiw ao nieijito..jrpera'lor, conuerteraodous Padres em hnm anno, & bautizaran mais de anco m í at, nv:s. Lneta; a mípofi^o daquella térra, Sede outras.quecom ella confinétuaui" So"dito. ' Paürcs * nc ío^nhein* baílaraó para os muitos 3 Je pedem o De rn^cue nunca as couus ac hthiopu cheg^raó a tal eílado, o qual fe Déos cól uar com a ysa d o S dor, * lr?a o.elachnllos pódele eíperar de fuá diurna clemenaa, queem baucírffios a9 Sor e eí5l n "-nt 3 bcdiec,a3 R 0 r m ' & S Gentiosfec0,1 uer ter a6 a r oídi Santa F \ Do estado je u>lne,que nunca o Oriente efteue mais difpoflo para nellc le a ih m a Reliado úfrli,i ',l ' llc l (r > r ' e mteu?as poitas mais abertaspara<>cojncrck> do que toca ac andau.ampo dos Piratas Europeos. ao Sertaó, te o mar. 1 % rnotmsi ỤraC ntra1,0,6 SíDU " Jjp Odefe Imprimir» JP Sta conforme com o Original Aixafe efta Rela^aó em 4. reís. K fp#, i -<Ferrar?. Wtáz-ár tóc0ft P d e f e Oprimir eftarelagaó. Lisboa denouemíxo <leín- fregar* j ps: «1 Mwkj, 25. de Mello, üáuízer Jlíurcz-. Ignacio F Í / i w a E M Com todas as Iiccn^s necesarias. LISBOA, Por Giralda da Viaha. Ana iáz2

5 IT tí Si) Novo dos- cola inn'iilo do C.ram f.athayo. ov reinos do Tibet,pello Padre Antonio de Andrade da Com panii ia delesv, Portu- guez, no Anno de Com Indas ax liccnras nerasarias. F.m Lisboa, por Maltheus I'inheiro..iaiio de )C,20. In-4., de JS 11?. num. pela frente, o sem II. de rosto. E'sta rara relaeáo fui traducida em varias 1 inptías, e anda transcripta na maycm da virtude do p. Antonio Franco.

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Carta de D. Luís Cerqueira ao Assistente de Portugal. Nagasaki, 20 de Outubro de. // [fl. 185] Muy Reuerendo Em Christo Padre

Carta de D. Luís Cerqueira ao Assistente de Portugal. Nagasaki, 20 de Outubro de. // [fl. 185] Muy Reuerendo Em Christo Padre Carta de D. Luís Cerqueira ao Assistente de Portugal. Nagasaki, 20 de Outubro de 1598 in ARSI, Japonica-Sinica 13 I, fl. 185-186 // [fl. 185] Muy Reuerendo Em Christo Padre Pax Christi Auendo se o Bispo

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Missões O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho

Missões O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho Missões O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) é uma organização imparcial, neutra e independente cuja missão exclusivamente humanitária é proteger a vida e a dignidade das vítimas dos conflitos

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1 AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1 Documento 123 Requerimento do Bacharel Antonio José Pereira Barroso, provido no lugar de Ouvidor-geral das Alagoas, ao rei Dom João V, a pedir certidões das ordens

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

(I) 1f251~~~~~~ tes, que relultam do excelfo, e devaffidaó, '.' com que contra as Leys, e coílumes de ou

(I) 1f251~~~~~~ tes, que relultam do excelfo, e devaffidaó, '.' com que contra as Leys, e coílumes de ou (I) U ELREY. Faço Caber aos que eíle AI....."'f'III-,...~,~"" vará com força de Ley virem, 'lue fendo in llt"._r..~ ~/nlll. ~ formado dos muitos, e grandes inconvenien- 1f251~~~~~~ tes, que relultam do

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

SOBRE *»» 1829. o mais tempo possivel, he. que nada custáo quando se líaja contrahido o costume; é. boea depois de comer para.

SOBRE *»» 1829. o mais tempo possivel, he. que nada custáo quando se líaja contrahido o costume; é. boea depois de comer para. Gc3"55a culdade ALGÜNS AVISOS SOBRE A CONSERVAglO DOS DENTES E SUA SUBSTITÜICAO Por EUGENIO GUERTIN, Cavalleií-o da Ordem de Christo, Cirttr.«ia.o-Deictista da Fade Medicina de París, e da decirurgia

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

1º Todos os recrutas menores de dezesete annos assentarão praça nas Companhias de Aprendizes Marinheiros.

1º Todos os recrutas menores de dezesete annos assentarão praça nas Companhias de Aprendizes Marinheiros. INSTRUCÇÕES, A QUE SE REFERE O DECRETO DESTA DATA, SOBRE A ADMISSÃO, E ENSINO DOS RECRUTAS, PARA OS CORPOS DE IMPERIAES MARINHEIROS, E FUZILEIROS NAVAES Art. 1º Todos os recrutas, destinados a servir nos

Leia mais

Inspeção Industrial Através de Visão Computacional. Maurício Edgar Stivanello Paulo César Rodacki Gomes - Orientador

Inspeção Industrial Através de Visão Computacional. Maurício Edgar Stivanello Paulo César Rodacki Gomes - Orientador Inspeção Industrial Através de Visão Computacional Maurício Edgar Stivanello Paulo César Rodacki Gomes - Orientador Roteiro da apresentação 1 Introdução 2 Fundamentação teórica 3 Desenvolvimento do Trabalho

Leia mais

Missa Nossa Senhora do Brasil

Missa Nossa Senhora do Brasil é%0'.m> }JÍU Pe. José Alves Mssa Nossa Senhoa do Basl PARTTURA Paa 3 vozes guas e Assebléa (*) (*) A pate paa Assebléa é edtada sepaadaente " en cha A 10. Publcado pela: Cossão Aqudocesana de Músca Saca

Leia mais

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13 O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 To dos so mos igua is, ape nas te - mos di fi cul da des di fe ren tes. Le o nar do

Leia mais

Testemunha fiel Defender a vida até a morte

Testemunha fiel Defender a vida até a morte Bíblia:- A Sociedade no tempo de Jesus e sua Proposta Como funcionava a sociedade no tempo de Jesus e sua Proposta Testemunha fiel Defender a vida até a morte Nona Parte Por que querem matar Jesus? 1 Porque

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

PArte I. O ALfAbetO POrtuguês. Ouça o alfabeto português. Letra: Letra: érre ésse. jóta. dablio cápa ipsilon

PArte I. O ALfAbetO POrtuguês. Ouça o alfabeto português. Letra: Letra: érre ésse. jóta. dablio cápa ipsilon PArte I guia de fonética O ALfAbetO POrtuguês Ouça o alfabeto português. Letra: Letra: a á n éne b bê o ó c cê p pê d dê q quê e é r érre f éfe s ésse g guê t tê h agá u ú i i v vê j jóta w dablio k cápa

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II)

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II) Órg. 6 11 q = 60 me mf ortas a ris to! Não te mais, não te nhais do: 'scanca rai o vosso cora ção ao mor de Deus. RI POR RIO (Hino ao eato João Paulo II) ortas a ris to! Não te mais não te nhais me do;

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10 VESTIBULAR FGV 2011 OUTUBRO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA APLICADA QUESTÃO 1 O gráfico no plano cartesiano expressa a alta dos preços médios de televisores de tela plana e alta definição,

Leia mais

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 sumário Introdução... 17 Gua ra ná Porrada... 25 Muletas... 39 Exó ti cas gan gues... 47 Um mons tro e um pinguim... 55 Si ga o cão... 61 Dia de campeão...

Leia mais

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12 R A M F A R A N D O L E 12 ru e d e R ib e a u v illé 6 7 7 3 0 C H A T E N O IS R e s p o n s a b le s d u R e la is : B ie g e l H. - R o e s c h C. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : * * * * * * * * *

Leia mais

CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA.

CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA. CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA. A LINGUAGEM DOS JOVENS E A CONSCIENTIZAÇÃO DO MEIO AMBIENTE ATRAVÉS

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

ér co pe pa as le so se al tr on ro pr arc lie ond ase ete ole es ima ine red air o ca re uta mito K iro tei K bj or d orei ali tr tio seg as o em ocr at co arc h ong ab chl

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

Carta de D. Luís Cerqueira ao Padre Geral. Nagasaki, 10 de Outubro de 1607 in

Carta de D. Luís Cerqueira ao Padre Geral. Nagasaki, 10 de Outubro de 1607 in Carta de D. Luís Cerqueira ao Padre Geral. Nagasaki, 10 de Outubro de 1607 in ARSI, Jap-Sin 21 I, fl. 145-146v. (no canto superior esquerdo: 1ª uia polla Manilha ) // [fl. 145] Mui Reuerendo em Christo

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

2 POEMAS DE SANTA TERESA D ÁVILA

2 POEMAS DE SANTA TERESA D ÁVILA 2 POEMAS DE SANTA TERESA D ÁVILA traduzidos por Wanderson Lima VIVO SEM EM MIM VIVER Vivo sem em mim viver e tão alta vida espero Vivo já fora de mim depois que morro de amor, porque vivo no Senhor, que

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD.

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. I.E.S. ANDRÉS DE VANDELVIRA J. G a r r i g ó s ÍNDICE 1 COMBINAR CORRESPONDENCIA... 2 2. CREACIÓN DE ÍNDICES EN MICROSOFT

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

DE PESSOAL DE NÍVEL N. Brasília, Março de 2010 Ministério da Educação

DE PESSOAL DE NÍVEL N. Brasília, Março de 2010 Ministério da Educação Brasília, Março de 2010 I Conferência da ANAMBA e Encontro Regional Americano do EMBA COUNCIL São Paulo, 08 a 10 de março de 2010 A AVALIAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE PÓS GRADUAÇÃO TÓPICOS O SNPG e a necessidade

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache CAPÍTULO I Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache Aos dezessete dias do mês de junho de 1527 partiu do porto de San Lúcar de Barrameda 1 o governador Pánfilo de Narváez, 2 com poder e mandato de Vossa

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

POSTURA CORRETA DIANTE DA ADVERSIDADE

POSTURA CORRETA DIANTE DA ADVERSIDADE 1 POSTURA CORRETA DIANTE DA ADVERSIDADE 2 Cr.20. 1 Depois disto, os filhos de Moabe e os filhos de Amom, com alguns dos meunitas, vieram à peleja contra Josafá. 2 Então, vieram alguns que avisaram a Josafá,

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

p rofissional em foco por Carolina Vilela De olho no

p rofissional em foco por Carolina Vilela De olho no por Carolina Vilela De olho no O economista Ricardo Amorim fala das boas perspectivas para o Brasil nos próximos anos e comenta a reviravolta social e de classes que acontece no país. fu Na semana em que

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

ANEXO I. Principais referências à música feita no convento de Santa Marta

ANEXO I. Principais referências à música feita no convento de Santa Marta ANEXO I Principais referências à música feita no convento de Santa Marta Arquivo Nacional da Torre do Tombo Listam-se em seguida as principais referências à música feita no convento de Santa Marta e aos

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins:

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: «Diz que quer con tar tu do dos prin cí pios? Dos prin cí pios a gen te nun ca sa be. Quan do é o ca so de se lhe pôr

Leia mais

U O PRINCIPE REGENTE/ Fa~o.saber àós

U O PRINCIPE REGENTE/ Fa~o.saber àós 1/ ~ ' ' /I \ li \ U O PRINCIPE REGENTE/ Fa~o.saber àós que este Alvará virem : ~e, Attendendo ao maior trabalho, que tem accrescido ho Arsenal Real da Marinha desta Cidade., atégora regido por hum lntende,

Leia mais

A palavra APOCALIPSE vem do grego e significa REVELAÇÃO. O livro não revela o fim do mundo, mas trata-se de um livro sobre as revelações de Jesus

A palavra APOCALIPSE vem do grego e significa REVELAÇÃO. O livro não revela o fim do mundo, mas trata-se de um livro sobre as revelações de Jesus - Oi, dona Jurema, como vai? - Tudo bem, e o senhor? - Dona Jurema, a senhora que lê a Bíblia, do que mais gosta? - Ah! Gosto do Apocalipse. O meu entendimento é fraco, mas, esse livro me traz conforto

Leia mais

É e s p a n t o s o! E c o m o p e n s a e m c o n s e g u i r a s g a z e s e o s m e d i c a m e n t o s n e c e s s á r i o s?

É e s p a n t o s o! E c o m o p e n s a e m c o n s e g u i r a s g a z e s e o s m e d i c a m e n t o s n e c e s s á r i o s? O Movimento Internacional O da Movimento Cruz Vermelha Internacional e do Crescente da Cruz Vermelha Vermelho e do desde 1859 até os dias atuais Em 24 d e j u n h o d e 1859, o s e x é r c i t o s f r

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 Eládio Torret Rocha Ju iz de Direito do TJSC SUMÁRIO: 1. Intro du ção; 2. A im pren sa e a li mi ta

Leia mais

$% & '( )& & & $ *+ & % & ''( & & & & & $

$% & '( )& & & $ *+ & % & ''( & & & & & $ "#!!"# $% & '( )& & & $ *+ & % & ''( & & & & & $ $, &-. & */0$ & 1 &#&2& &2# &* &##&* 889$ 1# &0 ' 1 &:1 && 8$;:$!& 𕬸 '( & '( ' $ &# 1 &1 & $ $ % P a í s Em pre s a Té c nic a R e s po nde nte s

Leia mais

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 CRIADOR TELEFONE GAIOLA ANEL SEXO NOMENCLATURA VALOR OBS ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 1 IB-105-40-13 FM CN OP AM MF IN 100,00 BANCO: 2 BB-3992-44-11

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 Apostila Fundamentos Batismo nas Águas batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 B a t i s m o n a s Á g u a s P á g i n a 2 Batismo nas Águas Este é outro passo que está

Leia mais

PLATAFORMA LEITURA TÍTULO TÍTULO. As armas e os Barões assinalados Que da Ocident 50 al praia Lusitana Por mares nunca de antes nav 100

PLATAFORMA LEITURA TÍTULO TÍTULO. As armas e os Barões assinalados Que da Ocident 50 al praia Lusitana Por mares nunca de antes nav 100 PLATAFORMA LEITURA As armas e os Barões assinalados al praia Lusitana Por mares nunca de antes nav 100 TÍTULO As armas e os Barões assinalados TÍTULO As armas e os Barões assinalados 1 2 EDITORIAL ARTE

Leia mais

Sumário. 4 caligrafia a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z

Sumário. 4 caligrafia a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z Escrever é sempre um prazer. neste livro você vai escrever com letras juntas umas das outras para formar cada palavra. Elas são chamadas letras cursivas ou manuscritas. prepare-se para deixar a sua letra

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

Tema: Quatro Pecados Contaminantes

Tema: Quatro Pecados Contaminantes Tema: Quatro Pecados Contaminantes Data: 01.11.14 Culto: Sábado Pr. Leandro Hoje o mundo está à mercê do vírus ebola que é um vírus extremamente contaminante, porém há algo mais contaminante que este vírus

Leia mais

O rei Davi e o seu palácio

O rei Davi e o seu palácio O rei Davi e o seu palácio 2 Sm 11:1-5 Estes versículos registram um terrível e assustador período na vida do rei Davi que poderia ter sido evitado, se o mesmo não escolhesse desprezar suas responsabilidades

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT RECENSÃO COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT [Lígia Noronha, Nelson Lourenço, João Paulo Lobo-Ferreira, Anna Lleopart, Enrico Feoli, Kalidas Sawkar, e A. G. Chachadi (2003),

Leia mais

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Professora: Raquel de Lemos Tochetto PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Competências Linguagem oral, leitura e escrita. Objetivo geral:

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES Escreva um texto argumentativo. Seu texto deve apresentar introdução, desenvolvimento e conclusão. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex

Leia mais

As Estratégias para termos vitória! Ezequias.

As Estratégias para termos vitória! Ezequias. As Estratégias para termos vitória! Ezequias. Precisamos ser fiéis para sermos abençoados e recebermos as vitórias de Deus. Ezequias significa Jeová fortalece. Hoje veremos que devido à fidelidade de Ezequias,

Leia mais

[fl. 1] 01 Ilustríssimo e Excelentíssimo Senhor

[fl. 1] 01 Ilustríssimo e Excelentíssimo Senhor AHU, Alagoas Avulsos, Documento 270 1 Documento 270 Aviso do [Secretário de Estado da Marinha e Ultramar, Conde de Linhares] D. Rodrigo de Sousa Coutinho ao [Presidente do Conselho Ultramarino] conde de

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

B e n j a m i n C o n s t a n t B o t e l h o d e M a g a l h ã e s ( 1 8 3 6 / 1 8 9 1 )

B e n j a m i n C o n s t a n t B o t e l h o d e M a g a l h ã e s ( 1 8 3 6 / 1 8 9 1 ) B e n j a m i n C o n s t a n t B o t e l h o d e M a g a l h ã e s ( 1 8 3 6 / 1 8 9 1 ) B e n ja m i n C o n s t a n t, c o m o c o s t u m a s e r r e f e r i d o, é c o n s i d e r a d o c o m o o

Leia mais

Mediação e tecnologia

Mediação e tecnologia NOVAS TECNOLOGIAS Mediação e tecnologia RESUMO Neste trabalho o autor discute o atual momento pelo qual passa o sujeito da comunicação no ciberspaço, analisando as diferentes formas de mediação que ela

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais