Carlos José Braga Barros e Josiney Alves de Souza Departamento de Matemática, Universidade Estadual de Maringá

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Carlos José Braga Barros e Josiney Alves de Souza Departamento de Matemática, Universidade Estadual de Maringá cjbbarros@uem.br jasouza@uem."

Transcrição

1 Minicurso sobre transitividade e transitividade por cadeias para ações de semigrupos em espaços topológicos Apresentado na Escola e Workshop de Teoria de Lie, Unicamp, 2010 Carlos José Braga Barros e Josiney Alves de Souza Departamento de Matemática, Universidade Estadual de Maringá 6 de novembro de 2010

2 Prefácio O objetivo deste minicurso é apresentar a noção de comportamento assintótico para ações de semigrupos em espaços topológicos. Mostramos como é feita a extensão dos conceitos de conjuntos!-limite e -limite por cadeias, que são originais da teoria de sistemas dinâmicos. Para a teoria de ações de semigrupos em geral, comportamento assintótico é um assunto bastante recente, o qual foi proposto pelo professor Luiz San Martin do IMECC- Unicamp e estudado nos trabalhos [1],[2],[3],[7]. A idéi possibilita estudar dinâmicas de semigrupos em uma gama de direções, contribuindo com aplicações relevantes em sistemas de equações diferenciais, em sistemas de controle, e em ações de grupos de Lie, que são de interesse especial. Utilizamos as três aulas para de nir os conceitos de transitividade e transitividade por cadeias e apresentar alguns exemplos ilustrativos. Um estudo mais completo encontrase nos artigos [1],[2], o que inclui outros conceitos relacionados com comportamento assintótico, tais como atrator e decomposição de Morse. Esperamos que este minicurso ofereça uma idéia intuitiva sobre o assunto e até mesmo motive o ingresso de alunos neste nova linha de pesquisa. 2

3 Aula 1 Nesta primeira aula de nimos conjuntos limites para ações de semigrupos e apresentamos o conceito de recorrência. Antes, estabelecemos algumas de nições básicas de ações de semigrupos sobre espaços topológicos. 0.1 Preliminares Uma ação de um semigrupo S sobre um espaço topológico X aplicação : S M! M (s; x) 7! (s; x) = sx é de nido por uma que satisfaz s (tx) = (st) x, para todos s; t 2 S e x 2 X. A ação será indicada pela tripla (S; X; ) ou simplismente por (S; X). Para cada s 2 S, denotamos por s : X! X a aplicação s () = (s; ). Então, s t = st para todos s; t 2 S. Dados subconjuntos A S e Y X de nimos os conjuntos AY = [ s2a s (Y ) e A Y = [ s2a 1 s (Y ) : Um subconjunto Y X é dito progressivamente invariante se S Y, regressivamente invariante se S Y Y, e invariante se for progressiva e regressivamente invariante. 0.2 Recorrência Seja (S; X; ) uma ação de semigrupo onde cada aplicação s : X! X é contínua. De nição 0.1. Sejam F uma família de subconjuntos não vazios de S e Y X. O conjunto!-limite de Y com respeito a F é dado por! (Y; F) = \ A2F AY : 3

4 O conjunto! -limite de Y com respeito a F é dado por! (Y; F) = \ A2F A Y : Exemplo 0.1. Um semi uxo contínuo : R + X! X sobre um espaço topológico X satisfaz (i) 0 = Id X e (ii) (s + t; x) = (s; (t; x)) para todo s; t 2 R + e x 2 X. Logo, um semi uxo é uma ação do semigrupo (R + ; +) sobre X. Para cada t 2 R +, de na o subconjunto A t R + pondo A t = fs 2 R + : s tg. Considere a família F = fa t : t 2 R + g de subconjuntos de R +. Então! (Y; F) = \ A t2f A t Y = \ t0 [ s (Y ) e! (Y; F) = \ st A tt2f A t Y = \ t0 [ st 1 s (Y ) coincidem com os conjuntos! e! -limites usuais da teoria de semi uxos. Substituindo R + por Z + temos a ação do semigrupo discreto (Z + ; +) sobre X, conhecida como semi uxo discreto. Sugerimos o artigo [6] para um estudo completo sobre semi uxos em espaços topológicos. Exemplo 0.2. Seja S R n um cone munido com a operação de soma de vetores. Considere uma ação : S X! X de S sobre um espaço topológico X. Tome a família F das translações de S dada por F = fs + u : u 2 Sg. De na a seguinte relação de ordem em S: v > u, v 2 S + u ou v = u: Temos que! (Y; F) = \ S+u t2f! (Y; F) = \ S+u2F (S + u) Y = \ u2s (S + u) Y = \ u2s [ v (Y ) v>u [ v>u 1 v (Y ): De nição 0.2. Seja F uma família de subconjuntos não vazios de S. Um ponto x 2 X é dito F-recorrente se x 2! (x; F). Um subconjunto Y X é F-transitivo se Y! (y; F) para todo y 2 Y. Denotando por R F o conjunto de todos os pontos F-recorrentes, o fecho é chamado de centro de Birkho com respeito a F. Exemplo 0.3. Seja S = GL (n; R) + = fg 2 M n (R) : det g > 0g e considere a ação natural de S sobre R n : (g; v) 7! gv. Para cada t > 0, de na A t = fg 2 S : det g tg e tome a família F = fa t : t > 0g de subconjuntos de S. Para U R n temos [! (U; F) = \ gu e! (U; F) = \ t>0 det gt t>0 4 [ det g 1 t e gu:

5 Observe que a origem 0 de R n é um ponto xo para a ação de S. Logo,! (0; F) =! (0; F) = f0g, e 0 é um ponto F-recorrente. Agora, para quaisquer u; v 2 R n r f0g e t > 0, é possível encontrar uma matriz g 2 A t tal que gu = v (veri que isso). Logo, v 2! (u; F) e, portanto, R n r f0g! (u; F) para todo u 2 R n r f0g. Assim, R n r f0g é um conjunto F-transitivo. cos t sent Exemplo 0.4. Seja S = e s : s; t > 0 agindo naturalmente sobre o sent cos t disco unitário X = fx 2 R 2 : kxk 1g. Observe que a componente escalar e s comprime cos t sent e a componente matricial faz girar os elementos de X. Considere a sent cos t cos t sent família F dos subconjuntos A n = e s : s + t n, n 2 N. Note sent cos t que! (x; F) = fy 2 X : kyk kxkg é o disco de raio kxk. Assim, cada círculo de raio 0 r 1 é um conjunto F-transitivo. 5

6 Aula 2 Esta segunda aula é dedicada ao conceito de recorrência por cadeias para ações de semigrupos na forma mais abstrata conhecida até o momento. Este tipo de recorrência generaliza a recorrência simples ou ordinária, que foi apresentada na aula anterior, e depende tanto de uma família de subconjuntos do semigrupo quanto de uma família de coberturas do espaço topológico. 0.3 Recorrência por cadeias Seja (S; X; ) uma ação de semigrupo. Dadas duas coberturas abertas U e V de X, escrevemos V 6 U se V é um re namento de U. Também escrevemos V 6 1 U se para 2 todo V; V 0 2 V com V \ V 0 6= ;, existe U 2 U com V [ V 0 U. Se N X é aberto e K N é compacto, dizemos que uma cobertura aberta U de X é K-subordinada a N se U 2 U e U \ K 6=? implicar U N. De nição 0.3. Seja O uma família de coberturas abertas de X. admissível se Dizemos que O é 1. para cada U 2 O, existe V 2 O tal que V U; 2. N X é um conjunto aberto e K N é compacto, existe U 2 O o qual é K-subordinado a N; 3. dadas U; V 2 O, existe W 2 O que re na ambas as coberturas U e V. Exemplo 0.5. Se X é paracompacto, então a família O (X) de todas as coberturas abertas de X é admissível. Ver em qualquer bom tratado de topologia geral. Assim, O (X) é a família admissível mais na de X. De nição 0.4. Sejam U uma cobertura aberta de X, x; y 2 X e A S. Uma (U; A)- cadeia de x para y consiste de uma sequência de pontos x 0 = x; x 1 ; :::; x n = y 2 X, de elementos s 0 ; :::; s n 1 2 A, e de abertos U 0 ; :::; U n 1 2 U tais que s i x i ; x i+1 2 U i, para i = 0; :::; n 1. 6

7 A grosso modo, uma (U; A)-cadeia de x para y consiste em "atingir"o ponto y a partir de x com ações de elementos de A e com saltos em abertos da cobertura U. De nição 0.5. Sejam O uma família de coberturas abertas de X e F uma família de subconjuntos de S. Para Y X, o conjunto -limite por cadeias com respeito a F e O é de nido por (Y; F; O) = \ (Y; U; A) U2O;A2F onde (Y; U; A) = fx 2 X : existem y 2 Y e uma (U; A) -cadeia de y para xg. O conjunto -limite por cadeias com respeito a F e O é de nido por (Y; F; O) = \ (Y; U; A) U2O;A2F onde (Y; U; A) = fx 2 X : existem y 2 Y e uma (U; A) -cadeia de x para yg. Um ponto x 2 X é dito F-recorrente por cadeias se x 2 (x; F; O). Um conjunto Y X é dito F-transitivo por cadeias se Y (y; F; O) para todo y 2 Y. Denotase por R F;O o conjunto de todos os pontos F-recorrentes por cadeias com respeito a O. Observação 0.1. Os conjuntos F-transitivos por cadeias maximais formam uma partição de R F;O e são da forma M = (x; F; O) \ (x; F; O) (x 2 R F;O ) : Exemplo 0.6. Seja : R X! X um uxo sobre um espaço compacto X: 0 = Id X, cada t é um homeomor smo de X, e t+s = t s 8t; s 2 R. Seja O f a família de todas as coberturas abertas e nitas de X. Dados x; y 2 X, t > 0 e U 2 O, uma (U; t)-cadeia de x para y consiste de pontos x 0 = x; :::; x n = y 2 X, de tempos t 0 ; :::; t n 1 t e de abertos U 0 ; :::; U n 1 2 U tais que (t i ; x i ) ; x i+1 2 U i, i = 0; :::; n 1 (ver Conley [5, pg 36]). Se para cada t > 0 de nirmos A t = fs 2 R : s tg e considerarmos a família F = fa t : t > 0g, então (U; t)-cadeias coinsidem com (U; A t )-cadeias. Portanto, o conhecido conceito de transitividade por cadeias para o uxo coinside com a F-transitividade por cadeias com respeito a O f. PS.: A família O f é admissível (tente provar isso). Exemplo 0.7. Sejam M uma variedade diferenciável de dimensão nita, com métrica d, e O d a família das coberturas U ", " > 0, onde U " é constituído pelas bolas de raio ". Seja V uma família de campos de vetores completos sobre M, e denote por e tx o difeomor smo de M tal que d dt etx (x) = X e tx (x). O sistema de controle sobre M determinado por V consiste da ação do semigrupo de difeomor smos S = e t 1X 1 e tnxn : t i 0; X i 2 V; n 2 N : 7

8 Convencionamos denotar um elemento e t 1X 1 e tnxn 2 S por ' t, onde t = P n i=1 t i. Dados "; t > 0 e x; y 2 M, uma ("; t)-cadeia de x para y consiste de pontos x 0 = x; :::; x m = y 2 M e de tempos t 0 ; :::; t n 1 t tais que d ' i t i (x i ) ; x i+1 < " i = 0; :::; m 1 (sugerimos o livro de Colonius Kliemann [4] para um estudo completo sobre sistemas de controle). Se para cada t > 0 de nirmos o conjunto A t = e t 1 X 1 e tnxn : P n i=1 t i t; X i 2 V; n 2 N e considerarmos a família F = fa t : t > 0g de subconjuntos de S, temos que ("; t)-cadeias coinsidem com U "=2 ; A t -cadeias. Logo, o conhecido conceito de transitividade por cadeias para o sistema de controle é reproduzido pela F-transitividade por cadeias com respeito a O d. PS.: A família O d é admissível (desa amos o leitor a provar isso). Sugerimos os papers [1],[2],[3] para mais exemplos de assintoticidade estabelecida por uma família de subconjuntos de um semigrupo. 8

9 Aula 3 Nesta aula nal apresentamos as relações entre transitividade e transitividade por cadeias. Podemos ver diretamente que todo conjunto transitivo é transitivo por cadeias. Por outro lado, damos um exemplo de conjunto transitivo por cadeias que não é transitivo. No caso de ações de semigrupos sobre espaços compactos, enunciamos o teorema que descreve os conjuntos -limite por cadeias como intersecção de conjuntos!-limites. Seja (S; X; ) uma ação de semigrupo onde cada s é contínua. Considere xadas uma família F de subconjuntos de S e uma família O de coberturas abertas de X. Dado Y X, temos que! (Y; F) (Y; F; O) : Com efeito, se x 2! (Y; F), U 2 O e A 2 F, escolha um aberto U 2 U tal que x 2 U. Então U \ AY 6=?, de onde segue que existem s 2 A e y 2 Y tais que sy; x 2 U, formando uma (U; A)-cadeia de x para y com apenas um salto. Isto signi ca que todo ponto x F-recorrente é F-recorrente por cadeias, pois x 2! (x; F) (x; F; O). Por outro lado, um ponto F-recorrente por cadeias geralmente não é F-recorrente, como podemos ver no exemplo abaixo. De nição 0.6. Uma família Fde subconjuntos de S satisfaz a hipótese de translação à direita se, para cada A 2 F e s 2 S, existir B 2 F com B As. Observe que as famílias consideradas em todos os exemplos das aulas anteriores satisfazem a hipótese de translação à direita, exceto aquela do Exemplo 0.4 da Aula 1 (convido você a veri car). Assuma a partir de agora que F satisfaz a hipótese de translação à direita. Dado Y X, temos que! (Y; F) (Y; F; O) : De fato, se x 2! (Y; F), U 2 O e A 2 F, escolha s 0 2 A e tome B 2 F tal que B As 0. Escolha também U 0 2 U tal que s 0 x 2 U 0. Pela continuidade de s0, s 1 0 (U 0 ) é um aberto que contém x. Logo, s 1 0 (U 0 ) \ B Y 6=?. Tomando u 2 s 1 0 (U 0 ) \ B Y, 9

10 existe b 2 B tal que bu 2 Y. Visto que B As, temos que b = s 1 s 0, com s 1 2 A. Escolha U 1 2 U tal que bu 2 U 1. Finalmente, denote x 0 = x; x 1 = s 0 x; x 2 = bu. Temos que s 0 x 0 ; x 1 2 U 0 e s 1 x 1 = bu 2 U 1 formando uma (U; A)-cadeia de x para bu 2 Y. Logo, x 2 (Y; F; O). Dizemos que a ação é aberta se s é uma aplicação aberta para todo s 2 S. Assumindo que a ação é aberta, podemos mostrar que! (Y; F) (Y; F; O), mesmo que F não satisfaça a hipótese de translação à direita. O leitor ca motivado a demonstrar este fato. Proposição 0.7. Se x 2 X e! (x; F) 6=?, então! (x; F) é F-transitivo por cadeias com respeito a O. Demonstração: Sejam y; z 2! (x; F), U 2 O e A 2 F. Escolha s 0 2 A. Como y 2 Ax, segue por continuidade que s 0 y 2 s 0 Ax. Tome U 0 2 U tal que s 0 y 2 U 0. Então U 0 \ s 0 Ax 6=?. Logo, existe s 2 S tal que sx 2 U 0. Agora, escolha U 1 2 U tal que z 2 U 1. Existe B 2 F com B As. Como z 2 Bx Asx, existe s 1 2 A tal que s 1 sx 2 U 1. Denotando x 0 = y; x 1 = sx; x 2 = z, temos s 0 x 0 ; x 1 2 U 0 e s 1 x 1 ; x 2 2 U 1 formando uma (U; A)-cadeia de y para z. Este resultado diz que todo conjunto! (x; F) 6=? está contido em algum conjunto F-transitivo por cadeias maximal, mesmo que x não seja F-recorrente por cadeias. Em particular, todo conjunto F-transitivo é F-transitivo por cadeias. A recíproca não é verdadeira. Exemplo 0.8. Seja S = R + o grupo multiplicativo dos números reais positivos. Considere a seguinte ação de S (sobre si próprio) : S (0; +1)! (0; +1), (s; x) = sx, onde sx é o produto de s por x. Seja X = (0; +1) [ f1g a compacti cação de Alexandro, ou seja, o espaço topológico compacto que tem como conjuntos abertos: (i) V, onde V é um aberto em (0; +1), e (ii) X n K, onde K é um compacto em (0; +1). A ação de S se estende para X pondo (s; 1) = 1, e (s; x) = sx para todo s 2 S e x 2 X. Considere a família F de subconjuntos de S dada por F = f(a; +1) : a > 0g. Não é difícel ver que F satisfaz a hipótese de translação à direita. Como 1 é um ponto xo, temos que! (1; F) =! (1; F) = f1g. Para x 2 (0; +1), temos! (x; F) = \ a>0! (x; F) = \ a>0 (a; +1) x X = \ a>0 (a; +1) x X = \ a>0 (ax; +1) X = \ a>0 ([ax; +1) [ f1g) = f1g ; 0; 1 X x = \ 0; x i [ f1g = f1g : a a a>0 10

11 Logo, o único ponto F-recorrente é 1. Agora, seja O a família de todas as coberturas abertas de X. Vejamos que X é F-transitivo por cadeias com respeito a O. Primeiramente, notemos que 1 2! (x; F) (x; F; O), 8x 2 X. Sejam x; y 2 (0; +1), (a; +1) 2 F e U 2 O. Tome U 0 2 U uma vizinhança de 1. Então existem 0 < b < c < +1 tais que (0; b) [ (c; +1) U 0. Escolha s 0 ; s 1 2 (a; +1) su cientemente grandes tais que s 0 x > c e y s 1 < b. Temos que s 0 x; y s 1 2 U 0 e s 1 y s 1 = y; formando uma (U; (a; +1))-cadeia de x para y. Portanto, X = (x; F; O) para todo x 2 X. 0.4 Caso compacto No caso em que o espaço é compacto Hausdor, existe uma relação mais forte entre os conjuntos!-limite e os conjuntos -limite por cadeias. Esta relação é obtida à partir do conceito de atrator. Seja (S; X; ) uma ação de semigrupo onde X é compacto Hausdor e cada s é contínua. Seja F uma família de subconjuntos de S que satisfaz a hipótese de translação à direita e é uma base de ltro, ou seja,? =2 F, e para quaisquer A; B 2 F, existe C 2 F com C A \ B. Seja O uma família admissível de coberturas abertas de X. De nição 0.8. Um conjunto A X é um F-atrator se existe uma vizinhança V de A tal que! (V; F) = A. O seguinte teorema requer uma sequência de resultados, e sua demonstração se encontra em [1, Proposição 4.10]. Ele diz que no caso compacto a transitividade por cadeias não depende da família admissível de coberturas abertas de X. Teorema 0.9. Seja Y X não vazio. O conjunto (Y; F; O) coinside com a intersecção de todos os F-atratores contendo! (Y; F). Uma consequência direta deste teorema é a seguinte caracterização do conjunto R F de todos os pontos F-recorrentes por cadeias (que agora depende somente da família F). Veja a demonstração em [1, Teorema 4.1]. Teorema O conjunto F-recorrente por cadeias R F coinside com a intersecção \ fa [ A : A é um F-atratorg onde A = fx 2 X :! (x; F) \ A =?g é chamado de repulsor complementar de A. 11

12 Referências Bibliográ cas [1] Braga Barros, C. J. e Souza, J. A. (2010) Attractors and chain recurrence for semigroup actions. J. Dyn. Di. Equ., vol. 22, n. 4, p [2] Braga Barros, C. J. e Souza, J. A. (2010) Finest Morse decompositions for semigroup actions on ber bundles. J. Dyn. Di. Equ., vol. 22, n. 4, p [3] Braga Barros, C. J. e San Martin, Luiz A. B. (1996) Chain control sets for semigroup actions. Comp. Appl. Math., vol. 15, n. 3, p [4] Colonius, Fritz e Kliemann, Wolfgang. (2000) The Dynamics of Control. Boston: Birkhäuser. [5] Conley, Charles C. (1978) Isolated invariant sets and the Morse index. CBMS Regional Conf. Ser. in Math., n. 38, American Mathematical Society. [6] Patrão, M.M.A.; San Martin, L.A.B. (2007) Semi ows on topological spaces: chain transitivity and semigroups. J. Dyn. Di. Equ., v. 19, p [7] Souza, J. A. (2008) Ações de Semigrupos: Recorrência por Cadeias em Fibrados e Compacti cações de Ellis. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas. 12

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus: Mossoró Curso: Licenciatura Plena em Matemática Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Prof.: Robson Pereira de Sousa

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas 1 Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Especialização em Matemática Disciplina: Estruturas Algébricas Profs.: Elisangela S. Farias e Sérgio Motta Operações

Leia mais

ESPAÇOS QUOCIENTES DANIEL SMANIA. [x] := {y X t.q. x y}.

ESPAÇOS QUOCIENTES DANIEL SMANIA. [x] := {y X t.q. x y}. ESPAÇOS QUOCIENTES DANIEL SMANIA 1. Relações de equivalência Seja uma relação de equivalência sobre um conjunto X, isto é, uma rel ção binária que satisfaz as seguintes propriedades i. (Prop. Reflexiva.)

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA (Mestrado) MICHEL TESTON SEMENSATO Álgebras de Lie, grupos de Lie e aplicações

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

Capítulo 5: Transformações Lineares

Capítulo 5: Transformações Lineares 5 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 5: Transformações Lineares Sumário 1 O que são as Transformações Lineares?...... 124 2 Núcleo e Imagem....................

Leia mais

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit O Teorema da Função Inversa

Leia mais

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e MÓDULO 2 - AULA 13 Aula 13 Superfícies regradas e de revolução Objetivos Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas

Leia mais

MM805- Tópicos de Análise I. Blue Sky Catástrofe em Sistemas Dinâmicos Reversíveis e Hamiltonianos

MM805- Tópicos de Análise I. Blue Sky Catástrofe em Sistemas Dinâmicos Reversíveis e Hamiltonianos MM805- Tópicos de Análise I Blue Sky Catástrofe em Sistemas Dinâmicos Reversíveis e Hamiltonianos Luiz Fernando da Silva Gouveia-RA:153130 Prof. Dr. Ricardo Miranda Martins MM805A - 2s/2014 1. Introdução

Leia mais

CDI-II. Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo

CDI-II. Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires CDI-II Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo 1 Trabalho. Potencial Escalar Uma das noções mais importantes

Leia mais

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados Capítulo 3 Cálculo Vetorial O objetivo deste capítulo é o estudo de vetores de um ponto de vista geométrico e analítico. De acordo com a necessidade, a abordagem do assunto será formal ou informal. O estudo

Leia mais

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Álgebra Linear André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Janeiro/2006 Índice 1 Sistemas Lineares 1 11 Corpos 1 12 Sistemas de Equações Lineares 3 13 Sistemas equivalentes 4 14 Operações elementares

Leia mais

1.1 Domínios e Regiões

1.1 Domínios e Regiões 1.1 Domínios e Regiões 1.1A Esboce a região R do plano R 2 dada abaixo e determine sua fronteira. Classi que R em: aberto (A), fechado (F), limitado (L), compacto (K), ou conexo (C). (a) R = (x; y) 2 R

Leia mais

Espaços Quociente e sua Topologia

Espaços Quociente e sua Topologia Universidade Federal da Rondônia Núcleo de Ciências Exatas e da Terra Departamento de Matemática Curso de Matemática Espaços Quociente e sua Topologia Quéssia de Oliveira Gimenes 2014 Universidade Federal

Leia mais

1 Ac~oes Proprias. 2 0 Lista de Exerccio de MAT6416 (1 0 semestre 2009)

1 Ac~oes Proprias. 2 0 Lista de Exerccio de MAT6416 (1 0 semestre 2009) ~ p = d dt (exp(t) p) t=0 2 0 Lista de Exerccio de MAT6416 (1 0 semestre 2009) Esta lista cont^em problemas cuja soluc~ao podera ser cobrada em prova. Ela tambem cont^em proposic~oes e teoremas, alguns

Leia mais

Um Exemplo de Topologia Não Metrizável

Um Exemplo de Topologia Não Metrizável Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática Um Exemplo de Topologia Não Metrizável Autor: Tamyris Marconi Orientadora: Profa. Dra. Cláudia Buttarello

Leia mais

² Servomecanismo: Sistema de controle realimentado para controle automático de posição, velocidade ou aceleração. Muito empregado na indústria.

² Servomecanismo: Sistema de controle realimentado para controle automático de posição, velocidade ou aceleração. Muito empregado na indústria. 1. Introdução 1.1. De nições Básicas ² Sistema: Interconexão de dispositivos e elementos para cumprir um objetivo desejado. ² Processo: Um sistema ou dispositivo a ser controlado. ² Sistema de controle:

Leia mais

Método de Eliminação de Gauss. Eduardo Camponogara

Método de Eliminação de Gauss. Eduardo Camponogara Sistemas de Equações Lineares Método de Eliminação de Gauss Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle e Automação

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais Matemática (AP) - 2008/09 - Introdução ao estudo de equações diferenciais 77 Introdução ao estudo de equações diferenciais Introdução e de nição de equação diferencial Existe uma grande variedade de situações

Leia mais

1 Propriedades das Funções Contínuas 2

1 Propriedades das Funções Contínuas 2 Propriedades das Funções Contínuas Prof. Doherty Andrade 2005 Sumário 1 Propriedades das Funções Contínuas 2 2 Continuidade 2 3 Propriedades 3 4 Continuidade Uniforme 9 5 Exercício 10 1 1 PROPRIEDADES

Leia mais

1.1 Domínios e Regiões

1.1 Domínios e Regiões 1.1 Domínios e Regiões 1.1A Esboce o conjunto R do plano R 2 dada abaixo e determine sua fronteira. Classi que R em: aberto, fechado, itado, compacto, ou conexo. (a) R = (x; y) 2 R 2 ; jxj 1; 0 y (b) R

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Espaços não reversíveis

Espaços não reversíveis {Nome da seção} Notas de aula Espaços não reversíveis Fernando Lucatelli Nunes UnB-UC/UP 1 Se X e Y são espaços topológicos quaisquer, o gráfico de uma função f : X Y é o conjunto G( f )={(x, f (x)) :

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. As Fronteiras de Shilov e de Bishop

Universidade Federal do Rio de Janeiro. As Fronteiras de Shilov e de Bishop Universidade Federal do Rio de Janeiro Rafael Monteiro dos Santos As Fronteiras de Shilov e de Bishop Rio de Janeiro 2008 Rafael Monteiro dos Santos As Fronteiras de Shilov e de Bishop Dissertação de Mestrado

Leia mais

Aula 19 Teorema Fundamental das Integrais de Linha

Aula 19 Teorema Fundamental das Integrais de Linha Aula 19 Teorema Fundamental das Integrais de Linha MA211 - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade

Leia mais

A ideia de coordenatização (2/2)

A ideia de coordenatização (2/2) 8 a : aula (1h) 12/10/2010 a ideia de coordenatização (2/2) 8-1 Instituto Superior Técnico 2010/11 1 o semestre Álgebra Linear 1 o ano das Lics. em Engenharia Informática e de Computadores A ideia de coordenatização

Leia mais

Exercícios resolvidos P2

Exercícios resolvidos P2 Exercícios resolvidos P Questão 1 Dena as funções seno hiperbólico e cosseno hiperbólico, respectivamente, por sinh(t) = et e t e cosh(t) = et + e t. (1) 1. Verique que estas funções satisfazem a seguinte

Leia mais

INE0003 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE0003 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE0003 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/52 7 - ESTRUTURAS ALGÉBRICAS 7.1) Operações Binárias

Leia mais

Aulas Teóricas e de Problemas de Álgebra Linear

Aulas Teóricas e de Problemas de Álgebra Linear Aulas Teóricas e de Problemas de Álgebra Linear Nuno Martins Departamento de Matemática Instituto Superior Técnico Maio de Índice Parte I (Aulas teóricas e chas de exercícios) Matrizes e sistemas de equações

Leia mais

1 Base de um Espaço Vetorial

1 Base de um Espaço Vetorial Disciplina: Anéis e Corpos Professor: Fernando Torres Membros do grupo: Blas Melendez Caraballo (ra143857), Leonardo Soriani Alves (ra115465), Osmar Rogério Reis Severiano (ra134333) Ramon Códamo Braga

Leia mais

Exercícios Resolvidos Integral de Linha de um Campo Vectorial

Exercícios Resolvidos Integral de Linha de um Campo Vectorial Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise ercícios Resolvidos Integral de inha de um ampo Vectorial ercício onsidere o campo vectorial F,, z =,, z. alcule o integral

Leia mais

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Gustavo Sousa Pavani Universidade Federal do ABC (UFABC) 3º Trimestre - 2009 Aulas 1 e 2 Sobre o curso Bibliografia: James Stewart, Cálculo, volume I,

Leia mais

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA Departamento de Análise - IME UERJ 2 Copyright by Mauricio A. Vilches Todos os direitos reservados Proibida a reprodução parcial ou total 3

Leia mais

Expansão linear e geradores

Expansão linear e geradores Espaços Vectoriais - ALGA - 004/05 4 Expansão linear e geradores Se u ; u ; :::; u n são vectores de um espaço vectorial V; como foi visto atrás, alguns vectores de V são combinação linear de u ; u ; :::;

Leia mais

6 SINGULARIDADES E RESÍDUOS

6 SINGULARIDADES E RESÍDUOS 6 SINGULARIDADES E RESÍDUOS Quando uma função f (z) não é diferenciável num complexo z 0 ; diremos que z 0 é uma singularidade de f (z) ; z 0 dir-se-á uma singularidade isolada de f (z) se, contudo, f

Leia mais

Consequências Interessantes da Continuidade

Consequências Interessantes da Continuidade Consequências Interessantes da Continuidade Frederico Reis Marques de Brito Resumo Trataremos aqui de um dos conceitos basilares da Matemática, o da continuidade no âmbito de funções f : R R, mostrando

Leia mais

Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle

Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle Espaço de Estados (CP1 www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 1 / 69 Roteiro 1 Modelo Não-Linear Modelo

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DINÂMICOS CAÓTICOS

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DINÂMICOS CAÓTICOS RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA BOLSA FAPESP PROCESSO 06/069832 INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DINÂMICOS CAÓTICOS Artur Gower Bolsista Prof. Dr. Lúcio Tunes dos Santos Orientador Janeiro 2007 Março 2008 1 Resumo

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

Grupos de Lie. Luiz A. B. San Martin

Grupos de Lie. Luiz A. B. San Martin Grupos de Lie Luiz A. B. San Martin 15 de Agosto de 2011 2 Conteúdo 1 Introdução 9 1.1 Exercícios............................. 15 2 Grupos topológicos 17 2.1 Introdução............................. 17

Leia mais

a 1 x 1 +... + a n x n = b,

a 1 x 1 +... + a n x n = b, Sistemas Lineares Equações Lineares Vários problemas nas áreas científica, tecnológica e econômica são modelados por sistemas de equações lineares e requerem a solução destes no menor tempo possível Definição

Leia mais

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência A equação diferencial de um sistema é convertida em função de transferência, gerando um modelo matemático de um sistema que algebricamente relaciona

Leia mais

RELAÇÕES BINÁRIAS Produto Cartesiano A X B

RELAÇÕES BINÁRIAS Produto Cartesiano A X B RELAÇÕES BINÁRIAS PARES ORDENADOS Um PAR ORDENADO, denotado por (x,y), é um par de elementos onde x é o Primeiro elemento e y é o Segundo elemento do par A ordem é relevante em um par ordenado Logo, os

Leia mais

OTIMIZAÇÃO VETORIAL. Formulação do Problema

OTIMIZAÇÃO VETORIAL. Formulação do Problema OTIMIZAÇÃO VETORIAL Formulação do Problema Otimização Multiobjetivo (também chamada otimização multicritério ou otimização vetorial) pode ser definida como o problema de encontrar: um vetor de variáveis

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

Guia de Estudo de Análise Real

Guia de Estudo de Análise Real Guia de Estudo de Análise Real Marco Cabral Baseado na V2.4 Dezembro de 2011 Introdução O objetivo deste texto é orientar o estudo da aluna(o) em análise real. Ele é baseado no livro Curso de Análise Real

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais

Aula 15. Integrais inde nidas. 15.1 Antiderivadas. Sendo f(x) e F (x) de nidas em um intervalo I ½ R, dizemos que

Aula 15. Integrais inde nidas. 15.1 Antiderivadas. Sendo f(x) e F (x) de nidas em um intervalo I ½ R, dizemos que Aula 5 Integrais inde nidas 5. Antiderivadas Sendo f() e F () de nidas em um intervalo I ½, dizemos que F e umaantiderivada ou uma rimitiva de f, emi, sef 0 () =f() ara todo I. Ou seja, F e antiderivada

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007

Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007 Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007 A Nome: RG: Assinatura: Instruções A duração da prova é de duas horas. Assinale as alternativas corretas na folha de respostas que está

Leia mais

15 + 17 + 19 +... + 35 + 37 = 312

15 + 17 + 19 +... + 35 + 37 = 312 MATEMÁTICA 1 Para uma apresentação de dança, foram convidadas 31 bailarinas. Em uma de suas coreografias, elas se posicionaram em círculos. No primeiro círculo, havia 15 bailarinas. Para cada um dos círculos

Leia mais

Teoria Básica de EDP e Métodos para Tratar Equações Diferenciais Elípticas Quasilineares

Teoria Básica de EDP e Métodos para Tratar Equações Diferenciais Elípticas Quasilineares Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Pós-Graduação em Matemática Aplicada Teoria Básica de EDP e Métodos para Tratar Equações Diferenciais Elípticas Quasilineares Por Rodrigo Bloot sob

Leia mais

Conjuntos parcialmente ordenados, totalmente ordenados e bem ordenados

Conjuntos parcialmente ordenados, totalmente ordenados e bem ordenados Conteúdo Conteúdo 1 1 Conjuntos parcialmente ordenados, totalmente ordenados e bem ordenados 2 1.1 Conjuntos parcialmente ordenados................ 2 1.2 Diagramas de Hasse........................ 4 1.3

Leia mais

1. Extremos de uma função

1. Extremos de uma função Máximo e Mínimo de Funções de Várias Variáveis 1. Extremos de uma função Def: Máximo Absoluto, mínimo absoluto Seja f : D R R função (i) Dizemos que f assume um máximo absoluto (ou simplesmente um máximo)

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

Retas e Planos. Equação Paramétrica da Reta no Espaço

Retas e Planos. Equação Paramétrica da Reta no Espaço Retas e lanos Equações de Retas Equação aramétrica da Reta no Espaço Considere o espaço ambiente como o espaço tridimensional Um vetor v = (a, b, c) determina uma direção no espaço Dado um ponto 0 = (x

Leia mais

Nesta aula iremos continuar com os exemplos de revisão.

Nesta aula iremos continuar com os exemplos de revisão. Capítulo 8 Nesta aula iremos continuar com os exemplos de revisão. 1. Exemplos de revisão Exemplo 1 Ache a equação do círculo C circunscrito ao triângulo de vértices A = (7, 3), B = (1, 9) e C = (5, 7).

Leia mais

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,...

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... 0) O que veremos na aula de hoje? Um fato interessante Produtos notáveis Equação do 2º grau Como fazer a questão 5 da 3ª

Leia mais

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Breve referência à Teoria de Anéis Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Anéis Há muitos conjuntos, como é o caso dos inteiros, dos inteiros módulo n ou dos números reais, que consideramos

Leia mais

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares Chapter 2 Seqüências de Números Reais Na Análise os conceitos e resultados mais importantes se referem a limites, direto ou indiretamente. Daí, num primeiro momento, estudaremos os limites de seqüências

Leia mais

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r 94 4. Produto Vetorial Dados dois vetores u e v no espaço, vamos definir um novo vetor, ortogonal a u e v, denotado por u v (ou u v, em outros textos) e denominado produto vetorial de u e v. Mas antes,

Leia mais

AS ÁLGEBRAS DOS OPERADORES DE CONSEQÜÊNCIA

AS ÁLGEBRAS DOS OPERADORES DE CONSEQÜÊNCIA AS ÁLGEBRAS DOS OPERADORES DE CONSEQÜÊNCIA Mauri Cunha do NASCIMENTO 1 Hércules de Araújo FEITOSA 1 RESUMO: Neste trabalho, introduzimos as TK-álgebras associadas com os operadores de conseqüência de Tarski,

Leia mais

XXVI Olimpíada de Matemática da Unicamp. Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual de Campinas

XXVI Olimpíada de Matemática da Unicamp. Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual de Campinas Gabarito da Prova da Primeira Fase 15 de Maio de 010 1 Questão 1 Um tanque de combustível, cuja capacidade é de 000 litros, tinha 600 litros de uma mistura homogênea formada por 5 % de álcool e 75 % de

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL E APLICAÇÕES

ANÁLISE FUNCIONAL E APLICAÇÕES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - Unifal-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000 - Fax: (35) 3299-1063 ANÁLISE FUNCIONAL E APLICAÇÕES

Leia mais

Capítulo 2. Álgebra e imagens binárias. 2.1 Subconjuntos versus funções binárias

Capítulo 2. Álgebra e imagens binárias. 2.1 Subconjuntos versus funções binárias Capítulo 2 Álgebra e imagens binárias Em Análise de Imagens, os objetos mais simples que manipulamos são as imagens binárias. Estas imagens são representadas matematicamente por subconjuntos ou, de maneira

Leia mais

Notas Para um Curso de Cálculo. Daniel V. Tausk

Notas Para um Curso de Cálculo. Daniel V. Tausk Notas Para um Curso de Cálculo Avançado Daniel V. Tausk Sumário Capítulo 1. Diferenciação... 1 1.1. Notação em Cálculo Diferencial... 1 1.2. Funções Diferenciáveis... 8 Exercícios para o Capítulo 1...

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Teorema de Green no Plano

Teorema de Green no Plano Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires Teorema de Green no Plano O teorema de Green permite relacionar o integral de linha ao longo de uma

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Cursos de Engenharia. Prof. Álvaro Fernandes Serafim

FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Cursos de Engenharia. Prof. Álvaro Fernandes Serafim FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Cursos de Engenharia Prof. Álvaro Fernandes Serafim Última atualização: //7. Esta apostila de Álgebra Linear foi elaborada pela Professora Ilka Rebouças Freire. A formatação

Leia mais

o conjunto das coberturas de dominós de uma superfície quadriculada S. Um caminho v 0 v 1...v n

o conjunto das coberturas de dominós de uma superfície quadriculada S. Um caminho v 0 v 1...v n efinições Preliminares Na introdução foi apresentado o conceito de superfície quadriculada bicolorida e balanceada. Os discos com buracos estão mergulhados em R, mas não necessariamente estão no plano

Leia mais

MD Teoria dos Conjuntos 1

MD Teoria dos Conjuntos 1 Teoria dos Conjuntos Renato Martins Assunção assuncao@dcc.ufmg.br Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br MD Teoria dos Conjuntos 1 Introdução O que os seguintes objetos têm em comum? um

Leia mais

Capítulo 2: Transformação de Matrizes e Resolução de Sistemas

Capítulo 2: Transformação de Matrizes e Resolução de Sistemas 2 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 2: Transformação de Matrizes e Resolução de Sistemas Sumário 1 Transformação de Matrizes.............. 3 1.1

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 4

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 4 Lei de Gauss Considere uma distribuição arbitrária de cargas ou um corpo carregado no espaço. Imagine agora uma superfície fechada qualquer envolvendo essa distribuição ou corpo. A superfície é imaginária,

Leia mais

Notas de aulas. André Arbex Hallack

Notas de aulas. André Arbex Hallack Cálculo I Notas de aulas André Arbex Hallack Julho/007 Índice 0 Preliminares 0. Números reais.................................... 0. Relação de ordem em IR.............................. 3 0.3 Valor absoluto....................................

Leia mais

Notas de aula número 1: Otimização *

Notas de aula número 1: Otimização * UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto Júnior

Leia mais

Aula 7 Valores Máximo e Mínimo (e Pontos de Sela)

Aula 7 Valores Máximo e Mínimo (e Pontos de Sela) Aula 7 Valores Máximo e Mínimo (e Pontos de Sela) MA - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual

Leia mais

Mudança de Coordenadas

Mudança de Coordenadas Mudança de Coordenadas Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICE Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi regi@mat.ufmg.br 13 de deembro de 2001 1 Rotação e Translação

Leia mais

UM TEOREMA QUE PODE SER USADO NA

UM TEOREMA QUE PODE SER USADO NA UM TEOREMA QUE PODE SER USADO NA PERCOLAÇÃO Hemílio Fernandes Campos Coêlho Andrei Toom PIBIC-UFPE-CNPq A percolação é uma parte importante da teoria da probabilidade moderna que tem atraído muita atenção

Leia mais

ENCONTRO RPM-UNIVERSIDADE DE MATO GROSSO DO SUL Roteiro de aulas do mini-curso: A Escavadeira de Cantor Novembro de 2013 Mário Jorge Dias Carneiro

ENCONTRO RPM-UNIVERSIDADE DE MATO GROSSO DO SUL Roteiro de aulas do mini-curso: A Escavadeira de Cantor Novembro de 2013 Mário Jorge Dias Carneiro ENCONTRO RPM-UNIVERSIDADE DE MATO GROSSO DO SUL Roteiro de aulas do mini-curso: A Escavadeira de Cantor Novembro de 203 Mário Jorge Dias Carneiro Introdução O que é um número real? A resposta formal e

Leia mais

Lista 1 para a P2. Operações com subespaços

Lista 1 para a P2. Operações com subespaços Lista 1 para a P2 Observação 1: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós sugerimos

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais

Teorema de Taylor. Prof. Doherty Andrade. 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange. 2 Exemplos 2. 3 Exercícios 3. 4 A Fórmula de Taylor 4

Teorema de Taylor. Prof. Doherty Andrade. 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange. 2 Exemplos 2. 3 Exercícios 3. 4 A Fórmula de Taylor 4 Teorema de Taylor Prof. Doherty Andrade Sumário 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange 1 2 Exemplos 2 3 Exercícios 3 4 A Fórmula de Taylor 4 5 Observação 5 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange

Leia mais

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11.

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11. MT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - tualizado 13.11.2012 1. Segunda-feira, 30 de julho de 2012 presentação do curso. www.ime.usp.br/

Leia mais

uma classe de sistemas elipticos envolvendo o operador p-laplaciano em dominio nao limitado

uma classe de sistemas elipticos envolvendo o operador p-laplaciano em dominio nao limitado Seminário Brasileiro de Análise - SBA Instituto de Matemática e Estatatística - USP Edição N 0 68 Novembro 2008 uma classe de sistemas elipticos envolvendo o operador p-laplaciano em dominio nao limitado

Leia mais

3.3 Espaço Tridimensional - R 3 - versão α 1 1

3.3 Espaço Tridimensional - R 3 - versão α 1 1 1 3.3 Espaço Tridimensional - R 3 - versão α 1 1 3.3.1 Sistema de Coordenadas Tridimensionais Como vimos no caso do R, para localizar um ponto no plano precisamos de duas informações e assim um ponto P

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA II

ANÁLISE MATEMÁTICA II ANÁLISE MATEMÁTICA II Acetatos de Ana Matos Noções Básicas de Funções em R n Topologia DMAT Noções Básicas sobre funções em n Introdução Vamos generalizar os conceitos de limite, continuidade e diferenciabilidade,

Leia mais

Por que utilizar vetores?

Por que utilizar vetores? Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Por que utilizar vetores? Existem grandezas físicas f perfeitamente definidas por seu tamanho e sua unidade. Para determinar outras grandezas, entretanto, são

Leia mais

A linguagem matemática

A linguagem matemática A linguagem matemática Ricardo Bianconi 1 o Semestre de 2002 1 Introdução O objetivo deste texto é tentar explicar a linguagem matemática e o raciocínio lógico por trás dos textos matemáticos. Isto não

Leia mais

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 010 Prova de Matemática Vestibular ª Fase Resolução das Questões Discursivas São apresentadas abaixo possíveis

Leia mais

Produtos. 4.1 Produtos escalares

Produtos. 4.1 Produtos escalares Capítulo 4 Produtos 4.1 Produtos escalares Neste tópico iremos estudar um novo tipo de operação entre vetores do plano e do espaço. Vamos fazer inicialmente uma consideração geométrica, como segue. Seja

Leia mais

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48 Conteúdo 1 Princípios de Contagem e Enumeração Computacional Permutações com Repetições Combinações com Repetições O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos > Princípios de Contagem e Enumeração

Leia mais

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES Noções prévias 1. Valor absoluto de um número real: Chama-se valor absoluto ou módulo de um número real ao número x tal que: x se x 0 x = x se x < 0 Está assim denida

Leia mais

Fundamentos de Matemática

Fundamentos de Matemática Universidade Federal do Piauí Campus Ministro Reis Velloso Departamento de Matemática Fundamentos de Matemática por Cleyton Natanael Lopes de Carvalho Cunha Parnaiba, de 20 Sumário 1 Teoria Elementar dos

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

5 Transformadas de Laplace

5 Transformadas de Laplace 5 Transformadas de Laplace 5.1 Introdução às Transformadas de Laplace 4 5.2 Transformadas de Laplace definição 5 5.2 Transformadas de Laplace de sinais conhecidos 6 Sinal exponencial 6 Exemplo 5.1 7 Sinal

Leia mais

A classificação de Thurston das geometrias tridimensionais

A classificação de Thurston das geometrias tridimensionais A classificação de Thurston das geometrias tridimensionais Carlos Matheus 22 de março de 2007 Resumo Apresentamos a prova do teorema de classificação das geometrias 3-dimensionais de Thurston, segundo

Leia mais