o caminho é tanto mais importante quanto cada passo nos aproxima mais do Outro. E esta é a nossa razão para viajar (Kapuscinski, 2009).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "o caminho é tanto mais importante quanto cada passo nos aproxima mais do Outro. E esta é a nossa razão para viajar (Kapuscinski, 2009)."

Transcrição

1 A Terceira Idade e Intervençã Scial, Cultural e Educativa 1.2. A Interacçã Geracinal cm Estratégia Educativa: um Cntribut para Desenvlviment de Atitudes, Saberes e Cmpetências entre Gerações Resum Cristina Palmeirã Universidade Católica Prtuguesa - Faculdade de Educaçã e Psiclgia Isabel Menezes Universidade d Prt - Faculdade de Psiclgia e Ciências da Educaçã caminh é tant mais imprtante quant cada pass ns aprxima mais d Outr. E esta é a nssa razã para viajar (Kapuscinski, 2009). presente trabalh situa-se na área da Educaçã Intergeracinal e, para além de mensurar seu marc teóric visa, também, evidenciar nível de cnsciência decrrente das características da sua prática. Diversas investigações n dmíni da educaçã intergeracinal recnhecem e asseguram a validade scipedagógica desta dimensã, prquant prprcina cntexts de aprendizagem e de interacçã diferenciads e metdlgicamente desejads. Para além da família, papel da escla tem de ser amplamente apreendid cm decisiv na/para a renvaçã ds pstulads que qualificam as sciedades cm incapazes de cnviver e aprender cm Outr - gerações, nacinalidades, sex, religiões, A EDUCAÇÃO INTERGERACIONAL A mair lngevidade da ppulaçã mundial e avanç vertigins ds índices de indivídus maires de 65 ans de idade, intrduzem renvads desafis à sciedade e, principalmente, à Educaçã Intergeracinal. Há mais de 20 ans que a questã das relações intergeracinais, em terms frmais, faz parte da agenda mundial. Ciclicamente, desde 1982 (I Assembleia Mundial), 1993 (An Eurpeu das Pessas de Idade Avançada e da Slidariedade entre Gerações), 1999 (An internacinal da Pessa Idsa e das Relações Intergeracinais), 2002 (Il Assembleia Mundial sbre Envelheciment) hasteiam-se bandeiras em prl ds direits das pessas idsas, suscitand um cnheciment glbal sbre as questões relacinadas cm a velhice e cm envelheciment. É talvez n quadr destas ideias que se justificam s muit estuds efectuads ns váris pnts d glb (e.g. Fyster, 2001; Jelenec, Petra & Steffens, Melanie C, 2002; Lambrinu, Surtzi, Kalkermu & Lemnidu, 2005; Meshel & McGlynm, 2004). Numa sciedade célere e que faz pr negar que qualquer dr existe, tds estams brigads a participar de frma activa e cmprmetida. O nã cumpriment desta exigência, cmprmete grandemente s princípis naturais de uma sciedade glbal e desejsa de se transfrmar numa sciedade educadra. Maria Belén (2001, p. 19), a prpósit das cidades educadras esclarece que a existência de "cidades mais humanas" requer uma cultura integrada, envlvente e capaz de gerar nvas prtunidades de vida, de diálg e de cperaçã interinstitucinal. Tdavia, caminhams a passs largs para uma marginalidade crescente e sufcante, em que indivídu abdica, muitas vezes, de uma atitude psitiva a favr de uma atitude subsidiária. Cntra este "ideal", urge reflectir sbre a natureza da mudança scial e da necessidade de cnstruir uma utra frma de cidadania, mais activa e mais participativa (Ster, Magalhães e Rdrigues, 2004) e investir n capital human enquant sinergia capaz de gerar uma sciedade mais equitativa. "Ser velh «dura» mais temp d que antigamente" (Giddens, 1999, p. 106), pr iss, a educaçã intergeracinal é um desafi de interesse mair na sciedade actual. Mais ainda, quand admite recriar respnsabilidades e prpiciar els de slidariedade pcinais às práticas cmuns de cnvivência geracinal. Para uma aprendizagem prficua e um melhr entendiment scial, num temp nde islament e a "ecnmia ds afects" (Gil, 2005, p. 60) sã causa de inúmers "meds de existir" (Ibidem, p. 112), é indispensável recnceptualizar alguns ds mais imprtantes valres scietais - respeit, dignidade, individualidade. O ntável prgress e aument da cmunicaçã, emissã u recepçã, pr fi, meis óptics u qualquer utr prcess electrmagnétic, de símbls, imagens, sns, pssibilitam um mair númer de intercâmbis e cntacts nã presenciais. O prblema 22 23

2 A Terceira Idade e Intervençã Scial, Cultural e Educativa é, regista Manuel Castells (2002) "que enquant s mass média sã um sistema de cmunicaçã de sentid únic, prcess real de cmunicaçã nã é" (p. 440). O que é eminentemente enriquecedr nã é númer de "tques", mas tip de intercâmbi relacinal. Pis, tal cm acredita Isabel Baptista (2005, p ), "as relações humanas inscrevem-se numa imbricada teia de redes sciais que requerem uma ética de mediaçã superadra ds limites inerentes a uma relaçã dialógica centrada n «Eu-Tu»" e, nesta perspectiva, a dimensã a privilegiar é cmprmetiment de tdas as pessas e a aprendizagem de uma cidadania respnsável, nde a educaçã é um instrument vital para a defesa ds interesses ds cidadãs. A evluçã d mund exige uma actualizaçã permanente d saber que facilite a cmunicaçã, a integraçã scial e a uma utra atitude relacinal edificada em alicerces e estruturas resistentes que sustentem nã apenas a cnvivência entre gerações, mas que "fazem e refazem s cntrns d nex geracinal" (Mendes, 2005, p. 55). E, se é verdade que "a cmunicaçã triunfa, planeta é atravessad pr redes, faxes, telemóveis, mdems, Internet" (Mrin, 2002, p ), é igualmente verdade que a incmpreensã cntinua a marcar qutidian de tds nós (Vallespir & Mrey, 2007, p. 228). O desafi central é, cntinua a ser, a mudança de atitude e, nesse sentid, há que rmper definitivamente cm a visã precnceitusa que recai sbre a ppulaçã idsa e clarificar seu estatut na sciedade. "As sciedades maduras nã sã aquelas que têm uma prprçã mair de velhs, mas sã aquelas em que as pessas vivem melhr durante mais temp" (Antunes, 2007, p. 94) e que, pr via d diálg e da cnvivência legam "ideias, esperanças e expectativas, padrões e piniões" (Dewey, 2007, p. 22) capazes de acmpanhar devir das sciedades e, naturalmente, das ppulações. É bvi que as actuais gerações nem sempre beneficiaram de uma estratégia específica e eficaz n que respeita à educaçã intergeracinal. Tdavia, "as mudanças têm sid tã rápidas (... ) que jvem tem que ser preparad para a imprevisibilidade, a inventividade e a criatividade" (Teles, 2003, p. 20) cas cntrári tma-se incapaz de respnder as estils de vida actuais. A "planetarizaçã" de que ns falam Baudrillard e Mrin (2004), cuja génese se inscreve n desenvlviment das sciedades mdernas, galga frnteiras, utrra intranspníveis e gera situações ímpares e jamais vividas. Pensems, pr exempl, na "sciedade em rede" (Castells, 2002) u, mais recentemente, na "geraçã blgue" (Granieri, 2006) enquant frmas maires de articulaçã u de circulaçã das infrmações e cmunicaçã e, facilmente, percebems a transnacinalizaçã ds "prcesss ecnómics, sciais, religiss, nacinais, mitlógics, demgráfics (.)" (Baudrillard & Mrin 2004, p. 62). A emergência de uma "sciedade-mund" slicita uma utra atitude e, sbretud, uma cultura cívica e slidária, nde as práticas de vida sã estruturadas em rdem a percurss diversificads e cnstruíds em cnfrmidade cm s ideais de uma autnmia e cidadania respnsável. A educaçã é um prcess de cultiv (Dewey, 2007, p. 28) que imprta ptenciar e desenvlver, prquant que está em causa é a equidade e a qualidade de vida da família humana. E, nesse sentid, impõe-se uma lógica de cnduta, de participaçã e de cnheciment exigente e, simultaneamente, flexível. Pensar a velhice e a pessa idsa de frma mais psitiva é um ds principais pressupsts ds prgramas de caprendizagem intergeracinais prpsts a partir das duas últimas décadas d sécul passad (Palmeirã, 2007a). Fx e Giles (1993) cnsideram que nã interessa tant a prmçã de encntrs entre gerações, imprtante é sim a natureza desses cntacts e, mais ainda tip de participaçã e a qualidade da mediaçã e a cmunicaçã estabelecida. A educaçã intergeracinal, enquant "educaçã transversal e expressiva destaca a ideia de encntr e diálg dentr d própri grup e cm utras clectividades" (Garcia Mínguez, 2005, p ). Mais, despnta para, "facilitar a diversidade, a diferença de valres, s cstumes, s ritms e as atitudes... " e, dessa frma, criar cmunidade fundada na assunçã de que cada geraçã, apesar das suas características temprais e sciais, tem a mesma humanidade. Exigências e cmpetências necessanas para a cnstruçã de uma sciedade glbal e para a descnstruçã das questões relacinadas cm fenómens de segregaçã e de idadism, A integraçã scial acntecerá smente quand huver uma cnsciência efectiva de participaçã e natural envlviment de cada pessa ns múltipls mments e cntexts da sua vida - pessais, plítics, sciais, ecnómics (Vallespir e Mrey, 2007). O Plan de Acçã Internacinal sbre Envelheciment apela, precisamente, a uma "Cultura para a Ancianidade" (liam, 2002) e, ainda, um cnjunt de medidas que visam, sbretud, "frtalecer a slidariedade mediante a equidade e a reciprcidade entre as gerações" (idem), send que a questã da participaçã é fulcral nesta estratégia de carácter mundial. Apesar diss, nã pdems esquecer que está ainda pr cnseguir uma verdadeira cultura de participaçã, prquant, este é ainda um exercíci em cnstruçã. Em Prtugal, act de participar é ainda um prcess recente e, neste cntext, é necessári trabalhar para "activar a participaçã"

3 A Terceira Idade e Intervençã Scial, Cultural e Educativa 2 - O COMEÇO DE UM NOVO CICLO: RELAÇÕES INTELIGENTES Neste singular períd da história humana, a necessidade de mudança é de tal rdem que, cntinuamente, se apela à participaçã e à equidade. Baudrillard e Mrin (2004, p. 71) admitem que a questã essencial é a "situaçã de desigualdade" em que vivems, sbretud a nível das relações de "pderes" e, nesse sentid, "a injustiça mais grave nã é a material mas a mral", prque ns impedem d usufrut de uma cidadania plena. "O indivídu pós-mdern é um indivídu desestabilizad e de cert md «ubiquista» (... ) cnsagrad a self-service narcísic e a cmbinações caleidscópicas indiferentes" (Lipvetsky, 1989, pao). Mas, " futur pde ser diferente daquil que as tendências apntam" prediz Jaquim Azeved (2002, p. 117). Basta para iss ptenciar lugares facilitadres de participaçã e de educaçã entre gerações e, especialmente, cnsiderar as pessas enquant pessas e nã a sua cndiçã de jvem u ids. Cmbater "a anmia na sciedade de abundância" (Baudrillard, 2007, p. 184), demanda mais e melhr participaçã e "inteligência cmunitária" (Carneir, 2007, p. 9) que significa gerar atitude e dinâmicas que fmentem a qualidade e a satisfaçã de vida ds cidadãs quaisquer que sejam as suas épcas e as suas idades. O esfrç d nss temp vai, precisamente, n sentid de gerar nvs espaçs de vida e de diálg. n cntext esclar (e.g. Aday, McDuffie & Sims, 1993; Ames & Yuatt, 1994; Bales, Eklund & Siffin, 2000; Belzil & Hansen, 200 I; Chwdhary, Schultz, Hasselriis, Kujath, Penn & Hensn, 2000; Drfman, Murty, Ingram, Evans & Pwer, 2004; Gels; Birk & Pwers, 1978; Herrmann, Sipsas-Herrmann, Staffrd & Herrmann, 2005; Klein, Cuncil & McGuire, 2005; Middlecamp & Grss, 2002) e/u n cntext cmunitári (Bullck & Osbrne; 1999; McGuire, Klein &; Cuper, 2005; Whitehuse, Bendezu, FallCreek & Whitehuse, 2000). De entre extens rl de trabalhs existentes, cnsiderams apenas 10 e, smente, s que cumpriam s seguintes requisits: I) trabalhs realizads a partir d an de 2000; 2) cuj cntext da acçã seja a escla u a cmunidade; 3) cujs bjectivs visam dissipar a imagem negativa da pessa idsa e 4) que incluam algum tip de esquema de avaliaçã d impact d própri prject (Quadr I). ~ '" c..: Quadr I - Estuds Intergeracinais analisads a partir d an de 2000 e apenas n cntext esclar e/u cmunitári " c Autr(es) Designaçã Objectivs U 3 - DAS PRÁTICAS INTERGERACIONAIS NO CONTEXTO INTERNACIONAL v; Klein, Cuncil & Educatin t pr mte psitive r- McGuire altitudes abut aging; Apresentar e avaliar um estud lngitudinal; Cmparar a mudança de atitudes em estudantes de um curs de aprendizagem intergeracinal em exercíci. Desde s ans setenta d sécul passad, e um puc pr tda a parte, a educaçã intergeracinal e as práticas de educaçã gerntlógica revelam a imprtância da aprendizagem cm gente de tdas as idades (Ames & Yuatt, 1994; Middlecarnp & Grss, 2002, Sáez Carreras, 2002) e despletar de uma cultura plural e mens estigmatizante (Blunk & Williams, 1997; Cuper, Sheehan, & Thmas, 1991; Dellrnann-Jenkins, 1997; Rich, Myrick, & Campbell, 1983). A prática intergeracinal é inclusiva (Carvalh & Peixt, 2000, p. 9), visa respeit pela diversidade, a pluralidade de valres, cstumes e identidades individuais e clectivas e a cnstruçã de nvs espaçs de cnheciment, cmunicaçã e de relaçã (Palmeirã, 2007a). O cntact entre pessas de diferentes grups etáris tem sid prmvid num cntínu que abrange mais de uma centena de estuds (idem), principalmente a partir de 1978, send que uma ba parte deste prjects/prgramas intergeracinais decrrem 2004Drfman, Murty, Questinar e explicar as vantagens ds Intergeneratinal service-leaming.". lngram, Evans & curss de frmaçã intergeracinal; in five chrts f students: is '" Pwer Avaliar a eficácia da aprendizagem altitude change rbust? intergeracinai. :: Direct bservatin f children at Marx. Pannell, Prmver a aut-estima e atitudes pstitas -<."....J risk fr academic failure: benefits Parpura-G iii & das crianças em situaçã de insucess O r- f an intergeneratinal visiting Chen-Mansfiel esclar Prmver cntact entre crianças U CIl prgram e pessas idsas t.l.l Esclarecer s efeits psitivs das práticas '" lntergeneratinal daycare and Middlecamp & Grss de intervençã intergeracinal; Explrar as '" preschlers' altitudes abut aging atitudes de crianças sbre a velhice. Children's perceptins f elders Bales, Eklund & c Reduzir a diferença geracinal e cnstruir befre and after schl-based r- Siffin relações de prximidade intergeracinal intergeneratinal prgram; Changing student 's perceptins f Aumentar cnheciment d prcess aging: The impact f an de envelheciment c Knapp & Stubblefield intergeneratinal servi ce leaming Dissipar mits negativs a respeit d '" curse envelheciment e da ppulaçã sénir 26 27

4 A Terceira idade e Intervençã Scial, Cultural e Educativa Intergeneratinal relatinships and Desenvlver relações frtes entre s mais V> Zeldin, Larsn, partnerships in cmmunity jvens e s mens jvens N Camin & O'Cnnr prgrams: purpse, practice, and Prmver relações psitivas entre directins fr research gerações Hemnann, Sipsas- Benefits and risks f Reunir gerações diferentes; Apreciar V> O 8 Hermann, Staffrd & intergeneratinal prgram s efeits e as mudanças crridas, N Q2 Hemnann participatin by senir citizens enquant resultad da participaçã sénir.< f- e estudantil Z ::J Criar ambientes cnfiantes, situações de :2 '" Gff Senir t senir: living lessns respnsabilidade e sentiments de O U N respeit mútu; Enfatizar a questã da diversidade Melhrar a qualidade da educaçã e das Whitehuse, lntergeneratinal Cmmunity estruturas esclares Bendezu, FallCreek schls: a new practice fr a new N Criar prtunidades nvas para aprender & Whitehuse time cm ppulações diversas e de diferentes grups etáris A aprendizagem intergeracinal em exercíci é uma realidade em inúmeras partes d mund. Trata-se de uma frma de educaçã experiencial, na qual s estudantes participam em iniciativas humanitárias (Jacby, 1996) e nde participam pessas de diferentes grups etáris. Cm este pretext, universidades e faculdades sã estimuladas a assumir atitudes de liderança, sbretud, nas áreas relacinadas cm a sciedade e as necessidades crescentes d desenvlviment human. As nvas plíticas educativas vã n sentid de gerar nvas prtunidades e, principalmente, incluir ns seus plans de desenvlviment curriculares situações de aprendizagem intergeracinal (cf. Palmeirã, 2007a). Send que s bjectivs sã s de criar ambientes cnfiantes, situações de respnsabilidade e sentiments de respeit mútu, e naturalmente, enfatizar a questã da diversidade. "As tendências actuais de aprendizagem intergeracinal em exercíci enfatizam a imprtância das prtunidades de aprendizagem mútua em lugar de aprximações mais tradicinais" afirma Kathy Gff, (2004, p. 206). Cas a cas, s autres evidenciam s efeits psitivs deste tip de prgramas, prjects e/u esclas de educaçã intergeracinal e reiteram a necessidade de cntinuar a desenvlver e a prmver esta área educativa (Palmeirã, 2007a), prquant, "a imagem cgnitiva, afectiva e cmprtamental é significativamente alterada" (Middlecamp e Grss, 2002) a favr de uma sciedade que deseja ser cada vez mais uma sciedade plural Nutras dimensões, advgam, que cntact entre pessas de tdas as idades diminui risc de insucess esclar (Marx, PannelI, Parpura-Gill e Chen-Mansfiel, 2004) e que "burac cmunicacinal" entre gerações enfraquece cm a prática de uma cultura intergeracinal (Bales, Eklund e Siffin, 2000). Claramente, impact é psitiv, especialmente, na mudança de sentiments e n desej de prlngar e dar cntinuidade a acções de natureza intergeracinal (Klein, Cuncil e McGuire, 2005; Knapp e Stubblefield, 2000). Num trabalh datad de 2004, Drfman, Murty, lngram, Evans e Pwer, n âmbit d prgrama "Assciatin fr Gerntlgy in Higher Educatin", referem que qualquer que seja nível esclar a educaçã intergeracinal prvca a mudança de atitudes. Afirmaçã testada em váris trabalhs, designadamente, num «trabalh» desenvlvid, durante cinc semestres, na Universidade de Iwa e na sequência de um curs de frmaçã intergeracinal sb a frma de estági cm cerca de 50 estudantes universitáris. Da avaliaçã ressalta que "a mairia ds estudantes aumentu significativamente cnheciment e a cmpreensã em relaçã à pessa idsa" (Hegeman, Hrwitz, Tepper, PilIemer & Schultz, 2002; Rdin, 2000). A este prpósit e tmand cm pnt de partida um cnjunt de dez trabalhs de carácter cmunitári, Zeldin, Larsn, Camin e O'Cnnr (2005), também afirmam que cntact intergeracinal é uma estratégia eficaz para a prmçã efectiva de interajuda e de prximidade entre gerações. Refrçam, inclusivamente, que s prgramas cmunitáris estudads mstram ser excelentes veículs de scializaçã, prquant prmveram relações psitivas entre s mais e s mens jvens. As práticas intergeracinais facilitam a partilha de prjects e aprendizagem intergeracinal (Kirchner, O'Dnghue, & McLaughlin, 2002; Scales, 2003), a mesm temp que refrçam laçs de cperaçã e de slidariedade, princípis primáris de uma sciedade que se quer igualitária. Cntud, nã chega prteger, acnselhar e instruir as pessas mais jvens; há, efectivamente que assegurar direit de participaçã activa ds mais jvens, prmver desenvlviment psitiv (e plen) da juventude e frtalecer edifici da cmunidade e da sciedade civil. Ou seja, é precis criar "\ugares nde s jvens e s adults desenvlvam prtunidades cncretas e significativas de interacçã" (Zeldin, Larsn, Camin & O'Cnnr, 2005, p. 2). O desafi reside, essencialmente, n desenvlviment curricular de cnteúds específics sbre fenómen d envelheciment e de práticas pedagógicas diversificadas. E, ainda, numa planificaçã e mediaçã eficazes. "As relações frtes nã emergem espntaneamente (... ) sã resultad ds prpósits ds adults e da frma cm eles interagem (... ) (lbidem, p. 7). O que se deseja é uma cultura flexível e adequada à realidade e, clar, respnsabilidades intergeracinais partilhadas. Cada um de nós tem um papel 28 29

5 A Terceira Idade e Intervençã Scial, Cultural e Educativa prepnderante e vital na (re)rganizaçã e desenvlviment das actuais estruturas humanas e civis. As iniciativas intergeracinais prcuram gerar uma cnsciência multigeracinal e, paralelamente, fmentar a aprendizagem cperativa e bas práticas relacinais. Cntud, e tal cm já referims, nã chega criar "aqui e aclá" prtunidades isladas, é sim, necessári fazer germinar estas pequenas sementes de frma a prduzir uma cultura de sucess n que respeita à cnstruçã de um paradigma de «envelheciment psitiv- (Fnseca, 2005, p. 281). Daí que as estratégias a privilegiar sejam as que levam as pessas jvens e mens jvens a cntacts directs e pessais cm pessas e situações de vida significativas SINAIS POSITIVOS... EM PORTUGAL À semelhança d que tem vind a acntecer nutrs países, Prtugal dá s primeirs passs na prssecuçã destas acções. A traduçã prática destes «ensais» pde ser bservada em diferentes znas d país e em "frmats" semelhantes as desenvlvids nutrs lcais d mund. Ns estuds seleccinads denminadr cmum é a iniciativa de natureza intergeracinal (Quadr 2). Esclar Quadr 2 - Dimensões Nacinais Cntext Designaçã Objectivs Cmunitári Os idss revisitam a - Prmver O relacinament entre diferentes gerações; escla. - Criar mments de partilha de saberes e experiências; - Valrizar a pessa idsa. Venha aprender cnnsc e ensinar-ns - Mtivar e respnsabilizar um grup de jvens; também que sabe - Criar mments de prtunidades relacinais. Acncheg - Inibir a desertificaçã da baixa prtuense; - Cmbater a slidã da ppulaçã idsa. D Clube da Vida Lcal - Prmver acções de sensibilizaçã. - Cnstruir espaçs de partilha entre gerações. Efectivamente, um ds primeirs "ensais" de educaçã intergeracinal a que tivems acess, respeita a um trabalh realizad pr crianças d 10 cicl d Ensin Básic e pessas idsas, designad "s idss revisitam a infância". Um prject desenvlvid n cncelh de Santa Maria da Feira, cm a finalidade de "prmver relacinament entre diferentes gerações" (200 I, p. 5) e, simultaneamente, criar mments de "partilha de saberes e experiências, em que ids se pssa sentir valrizad cm educadr e a criança tenha a prtunidade de se envlver cm s uss e cstumes de utrs temps" (Idem). "Feiras, festas e rmarias de utrs temps" fi mte lançad para iniciar a primeira parte d prject. Um cncurs de pesia ppular para pessas de idade igualu superir a sessenta ans. Seleccinadas as melhres, s eleits fram cnvidads a narrar essas mesmas histórias nas esclas d 10 cicl d referid cncelh. Ilustrar e realizar trabalhs a prpósit nã só das histórias mas, também, ds uss e cstumes das suas freguesias fi cntribut das crianças neste prject intergeracinal. "Venha aprender cnnsc e ensinar-ns também que sabe" respeita a um prject criad e desenvlvid n âmbit da Área de Prject (Decret Lei n 6/2001 de 18 de Janeir) e levad a cab pela Escla Básica EB 2,3 de Gmes Eanes de Azurara, em Mangualde, cm especial cntribut de uma das turmas d I Cicl _4 0 an de esclaridade. A ideia nasceu n âmbit d prject curricular de turma e muit pr questões de rdem interdisciplinar. O desafi visava, sbretud, respnsabilizar um grup de jvens, d 4 0 an de esclaridade e, paralelamente, fazer desenvlver uma cnsciência mais participativa e interactiva da instituiçã escla cm utras instituições de carácter scial. N cas, um Lar para pessas idsas (Olai, cit Csta, 2003) N Prt, n an lectiv 2004/2005, surge um prgrama intergeracinal cmunitári, da respnsabilidade da Fundaçã para Desenvlviment Scial d Prt, Federaçã Académica d Prt e Câmara Municipal d Prt. O bjectiv é de hspedar estudantes universitáris deslcads em casas de pessas (e/u famílias) senires, na baixa prtuense. O intercâmbi é cnveniente para as partes e, sbretud para bjectiv primeir d própri prject. Ou seja, inibir a desertificaçã da baixa prtuense e, simultaneamente, cmbater a slidã da ppulaçã mais velha '. Ainda em 2004, surge "Clube da Vida Lcal'", um espaç direccinad para a participaçã e cuja acçã visa a prmçã de acções de sensibilizaçã, partilha de respnsabilidades e de experiências familiares. E, assim, criar prtunidades de aprendizagem, de intervençã e de permuta lcal, cmunitária e geracinal. A valrizaçã das gerações (e d patrimóni) passa pelas dinâmicas e pessas da própria cmunidade. A educaçã a lng da vida é princípi capital das sciedades cntemprâneas, A data da investigaçã (Setembr de 2007), númer de estudantes aljads era de sete. cr

6 A Terceira Idade e Intervençã Scial. Cultural e Educativa prquant deseja alcançar desenvlviment ttal d indivídu qualquer que seja a sua circunstância. Para iss, é frçs cnstruir um entendiment scial eminentemente sustentável em saberes e valres pertinentes e geradres de um nv cnheciment. Aprender cm a experiência ds utrs pde revelar-se a estratégia mais adequada para activar a participaçã. A participaçã gera participaçã (Menezes, 2007) e, nesse sentid, é imprtante, criar (nvas) redes, valrizar s esfrçs e ptenciar nvas atitudes e cmpetências relacinais (Palmeirã, 2007a). N temp presente, as transfrmações e pções educativas aprximam e alargam as prtunidades cnsagradas pela mair lngevidade e geram cnheciments, laçs e sensibilidades capazes de edificar uma sciedade para tdas as idades. Bibligrafia Aday, R.; Mcduffie, w.& Sims, C.(1993). Impact an intergeneratinal prgram n black adlescents' attitudes tward the elderly. Educatinal Gerntlgy, 19, p Ames, B. & Yuatt, 1. (1994). Intergeneratinal educatin and service prgramming. Educatina/ Gerntlgy, 20, p Antunes, 1. (2007). As limitações da idade. Brit, 1. [Crd.] (2007). Ofim da vida. Braga: UCP Augé, M. (2005). Nã-lugares: intrduçã a uma antrplgia da sbremdernidade. Venda Nva: s/i:editra 90 Azeved, 1.(2002). Ofim de um cicl. A educaçã em Prtugal n iníci d sécul XXI. Prt: Asa Bales, S., Eklund, S. & Siffin, C.(2000). Children's perceptins felderes befre and after schl-based intergeneratinal prgram Educatinal Gerntly, 26, p Baptista, I. (2005). Dar Rst a Futur. A Educaçã cm cmprmiss étic. Prt: Prfedições Baudrillard, 1. & Mrin, E.(2004). A vilência n mund. Ri Janeir: Anima Baudrillard,1. (2007). A Sciedade d Cnsum. Lisba: Edições 70 Belzil, C. & Hansen, 1.(2001). Estimating the Intergeneratinal educatin crrelatin frm a dynamic prgramming mde!. Mntréal : CIRANO Blunk & Williams (1997). The effects fcurriculum n preschl children's perceptins f the elderly. Educatinal Gerntlgy, 23, p Bullck, 1. & Osbrne, S. (1999). Senirs', vlunteers', and families' perspectives f an intergeneratinal prgram in a rural cmmunity. Educatinal Gerntlgy, 25, p Caball Villar, M. (2001). A Cidade Educadra. Nva perspectiva de rganizaçã e intervençã municipal. Lisba: Institut Piaget Casrells, M. (2002). A Sciedade em Rede. A era da infrmaçã: ecnmia, sciedade e cultura. Lisba: Fundaçã Caluste Gulbenkien Carvalh, O. & Peixt, L. (2000). A Escla Inclusiva. Da Utpia à realidade. Braga: Edições APPACDM Chwdhary, u.; Schultz, c.; Hasselriis, P.; Kujath, H. ; Penn, D. & Hensn, S.(2000). Intergenerating activities and aging appreciatin f elementary schl children. Educatinal Gerntlgy, 26, p Csta, S. (2003). Susana tem as "pernas gastas" mas nã falha uma aula. Jrnal Públic Cuper, D., Sheehan, N. & Thmas, E. (1991). Attitude tward ld peple: the impact f an intergeneratinal prgram Educatinal Gerntlgy, 17, p Dellmann-Jenkins, M. (1997). A senir-centered mdel f intergeneratinal prgramming with yung children. Jurnal f Applied Gerntlgy, 16, p Dellrnann-Jenkins, M.;Lambert, D. & Fruit, D. (1991). Fstering preschler's prscial behavirs tward the elderly: the effect f an intergeneratinal prgram Educatinal Gerntly, 17, p Dewey, 1.(2007). Demcracia e educaçã. Lisba: Didáctica Editra Drfman, L.; Murty, S.; Ingram, 1. ; Evans, R. & Pwer, 1. (2004). lntergeneratinal service-learning in tive chrts f students: is attitude change rbust? Educatinal Gernt lgy, 30, p Fnseca, A. (2005). Desenvlviment Human e Envelheciment. Lisba: Climepsi Editres Fx, S. & Gilles, H. (1993). Accmdating ntergeneratinal cntact: a critique and theretical mde!. Jurnal f Aging Studies, 7 (4), p Fyster, E. (200 I). Parenting was fr life, nt just fr childhd: the rle f parents in the married lives ftheir children in early Mdem England. The Histrical Assciatin. Published by Blackwell publishers. USA Garcia Mínguez, 1. [Crd.] (2005). Prgramas de Educación intergeneracinal. Accines estratégicas. Madrid: Dykinsn Gels, c.; Birk, 1. & Pwers, R. (1978). Intergeneratinal relatinships in the develpment f child rearing attitudes. The Jurnal f Genetic Psychlgy, 133, p Giddens, A. (1999). Para uma terceira via: a renvaçã da scial-demcracia. Lisba: Editrial Presença 32 33

7 A Terceira Idade e Intervençã Scial. Cultural e Educativa Gil, 1. (200S). Prtugal, Hje. Meds de Existir. Lisba: Relógi D'Água Gff, K. (2004). Senir t senir: living lessns. Educatinal Gerntlgy, 30, p. 20S- 217 Granieri, G. (2006) Geraçã Blgue. Lisba: Editrial Presença Hegeman, C, Hrwitz, B.; Tepper, L.; Pillemer, K. & Schultz, L. (2002). Service leaming in elder care: Ten years f grwth and assessment. Jurnal f Gerntplpgical Scial Wrk, 39, p Herrmann, D.; Sipsas-Herrrnann, A.; Staffrd, M. & Herrmann, N.(200S). Benefits and risck f intergeneratinal prgram participatin by senir citizens. Educatinal Gerntlgy, 31, p Jacby, B. (1996). Servisse leaming in tday's higher educatin. B. Jacby & Assciates (Eds.), Servisse Learning in hifher educatin, San Francisc: Jssey-Bass, p Jelenec, P. & Steffens, M. (2002). Implicit attitudes tward elderly wman and men. Current Research in Scial Psychlgy 2: p.1s-22 Kirchner, B., O'Dnghue, 1. & Mcaughin, M. (2002). Yuth participatin: Imprving institutins and cmmunities. New directins in yuth develpment, 96, San Francisc: Jssey-Bass. Klein, D., Cuncil, K. & McGuire, S. (200S). Educatin t prmte psitive attitudes abut aging. Educatinal Gerntlgy, 31, p. S Knapp, 1. & Stubblefield, P. (2000). Changing students' perceptins f aging: the impact f an intergeneracinal servive leaming curse. Educacinal Gerntlgy, 26, p Lambrinu, E.; Surtzi, P.; Kalkerinu, A. & Lemnidu, C. (200S). Reliability and validity f the Greek versin f Kgan's Old Peple Scale. Jurnal f Cltnical Nursing, 14, p Lipvetsky, G. (1989). A era d vazi. Lisba: Relógi de Água Marx, M., Pannell, A., Parpura-Gil!, A.& Chen-Mansfield, 1. (2004). Direct bservatin f children at risk fr academic failure: benefits f an intergerenatinal visiting prgram Educatinal Gerntlgy, 30, p S McGuire, S., Klein, D. & Cuper, D. (200S). Aging educatin: a natinal imperative. Educatinal Gerntlgy, 31: p Mendes, F. (200S). Cnspiraçã Grisalha. Segurança Scial, Cmpetitividade e Gerações. Oeiras: Celta Editra Menezes, 1. (2007). Participaçã cívica e plítica. Prt: [Ediçã d Autr] Meshel, D. & Mcglynn, R. (2004). Intergeneracinal cntact, attitudes, and steretypes f adlescents and lder peple. Educatinal Gerntlgy, 30, p. 4S7-479 Middlecamp, M. & Grss, D.(2002). Intergeneratinal daycare and preschler's attitudes abut aging. Educatinal Gerntlgy, 28, p Minis, G. (1999). História da velhice n cidente. Lisba: Terema Mrin, E. (2002). Os sete saberes da educaçã para futur. Lisba. Institut Piaget Palmeirã, C. (2007). O esfrç d nss temp. Caderns de Pedaggia Scial. Aprender na e cm a vida as respstas dá pedaggia scial. Lisba: Universidade Católica Prtuguesa, p. 12S-134 Palrneirã, C. (2007a). A interacçã geracinal cm estratégia educativa: um cntribut para desenvlviment de atitudes, saberes e cmpetências entre gerações. Prt: FPCEUP (Dissertaçã dutrament). Palrnre, E. (1980). The facts n aging quis: a review f findings. Gerntlgist, 20 (6), p Paúl, C. (2002). Bem-estar e satisfaçã de vida em idss. Terceira Idade: uma questã para a educaçã scial. Educaçã Scial. Prt: UPT Paúl, C. (200S). Envelheciment activ e redes de suprte scial. Scilgia IS. Prt: FLUP - Dep. Scilgia. Requej Osóri, A. & Pint, F. (2007). As pessas idsas. Cntext Scial e Intervençã educativa. Lisba: Institut Piaget Rich, P., Myrick, R., & Carnpbel!, C. (1983). Changing children's perfectins f the elderly. Educatinal Gerntlgy, 9, p Sáez Carreras, 1. (2002). Pedaggia Scial y Prgramas Intergeneracinales. Educación de Persnas Mayres. Málaga: Edicines Aljibe Scala, M. (1996). Ging back t schl: Participatin mtives and experiences f lder adults in na undergraduate classrm. Educatinal Gerntlgy, 8, p Ster, S., Magalhães, A. & Rdrigues, D. (2004). Os lugares da exclusã scial. Um dispsitiv de diferenciaçã pedagógica. Sã Paul: Crtês Editra Teles, M. 2003). Educaçã sem frnteiras :cuidand d ser. Petrplis : Editra Vzes Val!espir, J. & Mrey, M. (2007). Participaçã ds idss na sciedade: integraçã vs segregaçã. Requej Osóri, A. & Pint, F. (Crd.) As pessas idsas. Cntext scial e intervençã educativa. Lisba: Institut Piaget, p S1 Whitehuse, P.; Bendezu, E.; FallCreek, S. & Whitehuse, C.(2000). Intergeneratinal cmmunity schls: a new practice fr a new time. Educatinal Gerntlgy, 26, p Zeldin, S., Larsn, R.; Carnin, L. & O'Cnnr, C. (200S). Intergeneratinal relatinships and partnerships in cmmunity prgrams: purpse, practice, and directins fr research. Jurnal f Cmmunity Psychlgy, 33 (1), p

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Enquadrament 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3. Frmaçā

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2013

PLANO DE ACTIVIDADES 2013 PLANO DE ACTIVIDADES 2013 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Desafi Estratégic 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3.

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução... 3. 2. Objectivos... 3. 3. Metodologia... 4. 3.1 Estudo de Painel... 4. 3.2. Definição e selecção da amostra...

ÍNDICE. 1. Introdução... 3. 2. Objectivos... 3. 3. Metodologia... 4. 3.1 Estudo de Painel... 4. 3.2. Definição e selecção da amostra... BARÓMETRO * * * * Observatóri de Luta Cntra a Pbreza na Cidade de Lisba REAPN Rede Eurpeia Anti-Pbreza / Prtugal Núcle Distrital de Lisba Rua Seir Pereira Gmes, n.º 7 Apartament 311 1600-196 Lisba Tel:

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Març 2015 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT MORADA Estrada de Benfica, nº 372 - Lisba Tel./Fax. 217780073 Email funda_champagnat@maristascmpstela.rg Índice I. Intrduçã.1

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Programa de coaching e inteligência relacional para mulheres Por Thirza Reis, Master Coach

Programa de coaching e inteligência relacional para mulheres Por Thirza Reis, Master Coach Vem Ser Mulher Prgrama de caching e inteligência relacinal para mulheres Pr Thirza Reis, Master Cach Sbre Thirza Reis Thirza Reis é master cach, especialista em Inteligência Relacinal; Cm mestrad em desenvlviment

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

Rio + 20 O papel das cidades a 20 anos da Cúpula da Terra do Rio de Janeiro

Rio + 20 O papel das cidades a 20 anos da Cúpula da Terra do Rio de Janeiro Ri + 20 O papel das cidades a 20 ans da Cúpula da Terra d Ri de Janeir DOCUMENTO DE COLABORAÇÃO DE MERCOCIDADES "O Desenvlviment Sustentável é aquele que satisfaz as necessidades atuais sem pôr em perig

Leia mais

Plano de Recuperação - Inglês

Plano de Recuperação - Inglês Escla: 9º 2005/2006 Prf. I- APOIO PEDAGÓGICO ACRESCIDO Plan de Recuperaçã - Inglês Existência de dis níveis diferenciads: Nível I aluns cm graves deficiências de base. N.º Nme Nível II aluns cm algumas

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos Labratóri Iber American de Invaçã Cidadã Cnvcatória de Prjets Cnvcatória aberta para prjets de invaçã cidadã A iniciativa da Secretaria Geral Iber Americana (SEGIB) Cidadania 2.0, a Agencia Espanhla de

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA

DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA EMENTA: O ensin de língua estrangeira cm um códig de diferentes estruturas lingüísticas, cm ênfase na ralidade, leitura e escrita cm veículs de cmpreensã d mund.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Critéris de Avaliaçã Direçã Reginal de Educaçã d Nrte Agrupament de Esclas AMADEO DE SOUZA-CARDOSO Telões - Amarante EDUCAÇÃO MUSICAL 2ºCICLO An Letiv 2014/2015 Dmíni Cgnitiv

Leia mais

Colégio Integrado EXATO

Colégio Integrado EXATO Clégi Integrad EXATO Rua: Ri de Janeir, 47 Jardim Bela Vista Mgi Guaçu SP CEP 13840-210 Telefne (19) Prpsta Plític-pedagógica d Clégi Integrad EXATO S/S Ltda. O Clégi Integrad EXATO cntextualiza sua açã

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP A Cperaçã para a Saúde n Espaç da CPLP Ainda antes da I Reuniã de Ministrs da Saúde da CPLP, realizada em Abril de 2008, em Cab Verde, fram adptads s seguintes instruments que, n quadr da saúde, pretenderam

Leia mais

Programa de Intervenção para o Agrupamento de Escolas de Lamaçães

Programa de Intervenção para o Agrupamento de Escolas de Lamaçães Prgrama de Intervençã para Agrupament de Esclas de Lamaçães (à apreciaçã d Cnselh Geral Transitóri d Agrupament de Esclas de Lamaçães n âmbit d prcess cncursal a carg de Directr) Jã Luís Dantas Leite A

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

MAGDA FERREIRA DA FONTE

MAGDA FERREIRA DA FONTE MAGDA FERREIRA DA FONTE CURRICULUM VITAE DADOS PESSOAIS Nme E-mail Nacinalidade Magda Ferreira da Fnte magda.fnte@reitria.ulisba.pt Prtuguesa FORMAÇÃO ACADÉMICA Nvembr de 2014 Estudante de Dutrament na

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas

Escola Básica e Secundária de Velas Escla Básica e Secundária de Velas Dcument Orientadr para a Implementaçã das TIC na Educaçã Pré-Esclar e Ensin Básic 1 As TIC na Educaçã Pré-Esclar e n Ensin Básic O presente Dcument de Orientações Metdlógicas

Leia mais

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Intrduçã A Faculdade Santa Marcelina é recnhecida nacinalmente pel seu pineirism pr lançar a primeira graduaçã de mda

Leia mais

PASTORAL DA JUVENTUDE ARQUIDIOCESE DE LONDRINA PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO

PASTORAL DA JUVENTUDE ARQUIDIOCESE DE LONDRINA PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO 1) Justificativa: A lharms para a realidade ds nsss grups de Pastral de Juventude, percebems a necessidade de reafirmaçã metdlógica d pnt de vista da açã eclesial.

Leia mais

DE LÉS-A-LÉS, PELA CIDADANIA GLOBAL COM A EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

DE LÉS-A-LÉS, PELA CIDADANIA GLOBAL COM A EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE LÉS-A-LÉS, PELA CIDADANIA GLOBAL COM A EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO 1. INTRODUÇÃO, OU COMO SURGE A ED O cnceit de Educaçã para Desenvlviment surge n cntext ds prcesss de desclnizaçã d pós-guerra

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

Estratégias de Conservação da Biodiversidade

Estratégias de Conservação da Biodiversidade Estratégias de Cnservaçã da Bidiversidade Estratégia Glbal De entre tds esses prcesss internacinais desenvlvids será de destacar decrrid após a Cnferência de Estclm, de 1972, que daria lugar à criaçã d

Leia mais

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO Encntr de Alt Dirigentes - Viseu 2/3 Dez 2013 Cm Invar para Ser Mais Cmpetitiv ENCONTRO de ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), 2-3 DEZEMBRO 2013 Apresentaçã Crprativa Cnfidencial Cnclusões finais Página

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Enquadramento do PDM no Sistema de Gestão Territorial Nacional

Enquadramento do PDM no Sistema de Gestão Territorial Nacional Plan 1- prcess 2-territóri e plan 3- cidadania Gabinete de Planeament e Urbanism AGENDA PARA O PLANEAMENTO PARTICIPATIVO PROGRAMA1: informar para a CIDADANIA Planeament Enquadrament d PDM n Sistema de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO

CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO Intrduçã Os prjects sciais nascem d desej de transfrmar uma determinada realidade. O prject deve sempre cnter um cnjunt de acções planeadas e articuladas,

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Orientações para as Candidaturas

Orientações para as Candidaturas Orientações para as Candidaturas Tiplgia de Intervençã 6.2 (Eix 6) Qualificaçã das Pessas cm Deficiências e Incapacidades. O presente dcument cntém rientações técnicas para efeits de candidatura as apis

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (Licenciatura)

GUIA RÁPIDO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (Licenciatura) GUIA RÁPIDO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (Licenciatura) GUIA RÁPIDO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (Licenciatura) UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Fundada em 1970 cm intuit de ferecer primeir curs

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

Promover a Cidadania numa cultura de saúde e bem-estar para a realização dos projetos de vida pessoais, familiares e das comunidades.

Promover a Cidadania numa cultura de saúde e bem-estar para a realização dos projetos de vida pessoais, familiares e das comunidades. 4 EIXOS ESTRATÉGICOS 4.1 CIDADANIA EM SAÚDE Prmver a Cidadania numa cultura de saúde e bem-estar para a realizaçã ds prjets de vida pessais, familiares e das cmunidades. 4.1.1 Intrduçã Cnceits Cidadania

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990.

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. O IASAe a Escla Municipal de SantAndré realizaram uma série de ações vltadas para a disseminaçã e efetivaçã ds Direits das Crianças e Adlescentes estabelecids pel

Leia mais

//FUTURO DA ESTRATÉGIA DE LISBOA-ESTRATÉGIA UE2020 Contributo de Portugal Janeiro de 2010

//FUTURO DA ESTRATÉGIA DE LISBOA-ESTRATÉGIA UE2020 Contributo de Portugal Janeiro de 2010 //FUTURO DA ESTRATÉGIA DE LISBOA-ESTRATÉGIA UE2020 Cntribut de Prtugal Janeir de 2010 A Estratégia UE 2020 deve desempenhar um papel estruturante na cnslidaçã d prject eurpeu, agregand uma estratégia de

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA FEVEREIRO 2014

DOSSIER DE IMPRENSA FEVEREIRO 2014 DOSSIER DE IMPRENSA FEVEREIRO 2014 1. NOVARTIS NO MUNDO A Nvartis é uma cmpanhia farmacêutica, líder mundial na investigaçã e desenvlviment de sluções de saúde invadras destinadas a dar respsta às necessidades

Leia mais

Newsletter Codificação #3-5/06/2006

Newsletter Codificação #3-5/06/2006 Newsletter Cdificaçã #3-5/06/2006 Car clega: Este é n.º 3 da nssa newsletter. A sua intençã é ser um mei de partilha de infrmaçã entre s médics cdificadres prtugueses preparand caminh para a criaçã duma

Leia mais

VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Ceres Grehs Beck Universidade Federal d Ri Grande d Sul UFRGS. Escla de Administraçã - Rua Washingtn Luís, 855 - Prt Alegre - RS CEP 90.010-460

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Anglo American. Biodiversidade Brasil

Anglo American. Biodiversidade Brasil Angl American Bidiversidade Brasil GRUPO ANGLO AMERICAN A Angl American é um ds maires grups de mineraçã e recurss naturais d mund, cmprmetida em perar de frma sustentável e respnsável. Um ds Princípis

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores www. escla-apel.cm Frmaçã Pedagógica Inicial de Frmadres DESIGNAÇÃO DO CURSO Frmaçã Pedagógica Inicial de Frmadres OBJECTIVOS GERAIS DO CURSO Cnsciencializar-se das cmpetências e d perfil de um frmadr;

Leia mais

A PLATAFORMA MOODLE NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO E NO ENSINO SUPERIOR

A PLATAFORMA MOODLE NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO E NO ENSINO SUPERIOR A PLATAFORMA MOODLE NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO E NO ENSINO SUPERIOR Paula Quadrs Flres, paulaqflres@gmail.cm, Universidade de Trás-s-Mntes e Alt Dur Antóni Flres, aqf@isep.ipp.pt, Institut Superir de

Leia mais

Educação para a Saúde na Escola

Educação para a Saúde na Escola Educaçã para a Saúde na Escla 0 CARATERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO A Sede d Agrupament é a Escla Básica ds 2.º e 3.º Cicls, de Sã Gnçal. D Agrupament Vertical de Sã Gnçal fazem parte s seguintes estabeleciments

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Internet: um novo espaço de socialização política.

Internet: um novo espaço de socialização política. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Internet: um nv espaç de scializaçã

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TEÓRICA: 45 horas

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TEÓRICA: 45 horas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: PSICOLOGIA APLICADA À ENFERMAGEM GRADE: RESOLUÇÃO CEPEC Nº 831 MATRIZ CURRICULAR:

Leia mais

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE Prject Rede de Unidades de Prmçä da Invaçä para desenvlviment da terceira missä das Universidades e a cperaçä institucinal através da Invaçän Aberta, prgrama

Leia mais

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 2.0) A - Intrduçã Neste an, sua nta fi inferir a 60 pnts e vcê nã assimilu s cnteúds

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

Atividades corporais para idosos.

Atividades corporais para idosos. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Atividades crprais para idss. Rsecler Vendruscl. Cita: Rsecler Vendruscl

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

Teorias da aprendizagem, práticas de ensino

Teorias da aprendizagem, práticas de ensino Escla Superir de Educaçã INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA... Terias da aprendizagem, práticas de ensin Clectânea de texts (versã de trabalh) Inclui texts riginais e texts adaptads de várias fntes Cimbra,

Leia mais

ORGANIZAÇÕES DE ECONOMIA SOCIAL: O QUE AS DISTINGUE E COMO PODEM SER SUSTENTÁVEIS 1. Américo M. S. Carvalho Mendes

ORGANIZAÇÕES DE ECONOMIA SOCIAL: O QUE AS DISTINGUE E COMO PODEM SER SUSTENTÁVEIS 1. Américo M. S. Carvalho Mendes ORGANIZAÇÕES DE ECONOMIA SOCIAL: O QUE AS DISTINGUE E COMO PODEM SER SUSTENTÁVEIS 1 Améric M. S. Carvalh Mendes Área Transversal de Ecnmia Scial Universidade Católica Prtuguesa - Prt 1. SECTOR DA ECONOMIA

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Subcapítulo 4.1 Evolução do Subcampo da Educação Especial

Subcapítulo 4.1 Evolução do Subcampo da Educação Especial Subcapítul 4.1 Evluçã d Subcamp da Educaçã Especial 4.1.1 Cntext históric da sua emergência Durante muits ans, em Prtugal, cm nutrs países eurpeus, a educaçã de crianças e jvens cm deficiências que nã

Leia mais

Sinopse das entrevistas realizadas aos agentes sociais ligados à velhice (Dirigentes, técnicos e auxiliares de acção directa)

Sinopse das entrevistas realizadas aos agentes sociais ligados à velhice (Dirigentes, técnicos e auxiliares de acção directa) Sinpse das entrevistas realizadas as agentes sciais ligads à velhice (Dirigentes, técnics e auxiliares de acçã directa) Dimensã 1 Experiência e trabalh n lar Prblemáticas Entrevistad A3 Análise Temp de

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL...

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... Respnsável pela elabraçã d trabalh: Fernanda Juli Barbsa Camps

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE PROJETO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

Leia mais

WWW.CLICK-MENTAL.COM

WWW.CLICK-MENTAL.COM Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes WWW.CLICK-MENTAL.COM Criad pr: Click Mental - Sistemas de Infrmaçã, Lda. Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes O que é? O Fidelity é um sftware

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

COLÉGIO MILITAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

COLÉGIO MILITAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COLÉGIO MILITAR INGLÊS 1º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015 2016 Grup Disciplinar de Inglês/Alemã 08.09.2015 Preâmbul 1. Pretende-se que a avaliaçã em Língua Estrangeira valrize td percurs esclar d alun,

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais