O Modelo de Black e Scholes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Modelo de Black e Scholes"

Transcrição

1 O Moelo e Black e Scholes Prf. José Fajaro FGV-EBAPE Premio Nobel e Economia 1997 Merton, R.C.: heory of Rational Option Pricing, Bell Jounal of Economics an Management Science, 4(1973), Black, F., an M. Scholes,: he Pricing of Options an Corporate Liabilities, Journal of Political Economy, 81(1973), axa e Retornos One S t é o preço o ativo no tempo t e R t a taxa e retorno no tempo t. Agora enotemos o lao ireito por:

2 axa e Retornos Bachelier(19) S Samuelson(1964) Moelo para Preços t S t t ( X X ) 1 S t S Em ambos casos X t é uma variável aleatória com istribuição Normal e X t Vantagems Neste caso usano equação para a taxa e retorno obtenremos: St R log t S t1 S e log S Xt Xt1 e X X È izer, a taxa e retorno também estará Normalmente istribuia t t1

3 No se puee mostrar la imagen en este momento. A Suposição o Preço o Ativo Consiere um ativo cujó preço é S Num períoo curto e tempo e longitue t a variação no preço o ativo é assumio ser normal com méia µs t e esvio parão: S t µ é o retorno esperao e é a volatitilae o ativo: S µ S t + S ε, one ε é N(, t) A Suposição o Preço o Ativo R t+ t St+ t St S µ t + ε, S S t O retorno é uma taxa eterministica mas um choque normal!. Quano t temos a seguinte Equação Diferencial Estocástica: S µ St + SB, one B é N(, t ) t t Simulano a Equação o Preço

4 Solução a EDE A Solução a EDE com conição inicial S S S e ( µ ) + B A Proprieae Lognormal Desta suposição segue: ln S ln S φ µ, or ln S φ ln S + µ, Como o logaritmo e S é normal, S esta istribuia e forma lognormal A Distribuição Lognormal E( S ) S e µ VarS ( ) S µ e ( e 1)

5 A Volatiliae A Volatiliae é o esvio parão a axa e Retorno Continuamente Composta em 1 ano. Estimano a Volatiliae com Daos Históricos 1. ome observações S, S 1,..., S n em intervalos e τ anos. Defina el retorno continuamente composto como: u i S ln S 3. Calcule o esvio parão, s, os u i s 4. A Volitiae Historica estimaa é: i i 1 * s τ Os Conceitos Subjacentes a Black-Scholes O preço a opção & o preço o ativo epenem o mesmo recurso subjacente e incerteza Nos poemos formar uma carteira que consista e um ativo e e uma opção que elimine este recurso e incerteza. A carteira é instantaneamente sem risco e tem que ganhar instantaneamente à taxa livre e risco. Isto nos a a Equação iferencial e Black- Scholes.

6 A Derivação a Equação Diferencial e Black-Scholes S µ S t + S B...(1) ƒ ƒ ƒ ƒ ƒ µ S + + ½ S t + S B...() S t S S Construimos uma Carteira : 1: Derivativo ƒ + : Uniaes S A equação () é conhecia como a formula e Ito para uma função f(s). A Derivação a Equação Diferencial e Black-Scholes O valor a carteira Π é ƒ Π ƒ + S S ao por : A taxa e variação o valor no tempo ƒ Π ƒ + S S t é aa por : Equação Diferencial e Black & Scholes A taxa e retorno Π r Π t Substituim os ƒ e S por (1) e () na equação Equação Diferência l e Black -Scholes : a carteira eve ser a taxa livre e risco. ƒ ƒ ƒ + rs + ½ S rƒ t S S para obter Daqui a

7 Avaliação Neutra ao Risco A varíavel µ não aparece na equação e Black-Scholes A equação é inepenente e toas as variáveis afetaas pelo risco as preferências Logo a solucão a equação iferencial será a mesma num muno livre e risco como no muno real. Isto nos leva a uma avaliação Neutra em relação ao Risco Aplicano Avaliação Neutra ao Risco 1. Asuma que o retorno esperao o preço o ativo é a taxa livre e risco. Calcule o pago esperao o erivativo 3. Desconte a taxa livre e risco Q r f E ( e f ( S )) Formula e Black e Scholes A solução a Equação iferencial e Black e Scholes, epene a conição e contorno. No caso e uma opção e compra e vena Európéia, temos que f(s )max{s -X,} ou f(s )max{x-s,} Com esta conição e contorno é possível obter uma forma explícita para a solução!

8 As Formulas e Black-Scholes r X S r X S N S N e X p N e X N S c r r ) / ( ) / ln( ) / ( ) / ln( one ) ( ) ( ) ( ) ( As Formulas e Black-Scholes X e S X e S r r / ) / ln( / ) / ln( one Ou também Parâmetros Da Formula e Black e Scholes, toos os parâmetros necesários para calcular o preço são observaos, excepto 1, a volatiliae. Poemos usar a volatiliae histórica. Ou a volatiliae Implícita

9 Volatiliae Implícita A Volatiliae Implicita e uma Opção é a volatiliae para a qual o preço e Black-Scholes é egual ao preço e mercao Existe uma corresponencia 1 a 1 entre preços e volatiliaes implicitas raers e brokers usualmente cotam volatiliae implícita mas que preços. Causas e Volatiliae Volatiliae é usualmente maior quano o mercao esta aberto (i.e. o ativo é negociao) que quano esta fechao Por esta razão o tempo é meio em traing ays e não ías o calenario quano uma opção é avaliaa Calculano o Preço e Uma Opção e Compra Daos: Preço Exercício (k) 56, Preço a Ação (S) 54,9 axa e juros ( r ),11 % a ou,11 Volatiliae ( ) 4, % ou,4 Prazo maturiae (n) 44 ias Pee-se: Calcule o preço a Opção utilizano-se a Fórmula e Black & Scholes

10 Exemplo Faça r5*ln(1+i) Então r5*ln(1,11),77 Logo 1(ln(54,9/56)+(,77+.4^/)*44/5)./(.4*(44/5)^1/) *(44/5)^1/.8715 N(1),6 N(),5347 C54,9*N(1)-56*e^(-.77*44/5)*N()4,495 Calculano o Preço e Uma Opção e Compra(Mercao) C(S, n, k, r, ) S.N( 1 ) - k / (1+ r ) n. N( ) C(S, n, k, r, ) 54,9.N( 1 ) - 56/ (1+,11) 44. N( ) C(S, n, k, r, ) 54,9.N( 1 ) - 53,35. N( ) 1 [Log (S/ (k / ( 1 + r) n ) + /. n/5] /[. (n/5) 1/ ] 1 [Log(54,9/53,35)+(,4) /.44/5]/[,4.(44/5) 1/ ] 1,54,54 -,4. (44 / 5) 1/,8715 Calculano o Preço e Uma Opção e Compra C(S, n, k, r, ) 54,9.N( 1 ) - 53,35. N( ) C(S, n, k, r, ) 54,9.N(,54 ) - 53,35. N(,8715 ) C(S, n, k, r, ) 54,9.,64-53,35.,5347 C(S, n, k, r, ) 4,43

11 Volatiliae Implicita VALED3 So7,5 Rln(1,115) 1/5 X3 cmax,79,cmin,59 Sigma? Limitações o Moelo B&S A Log-Normaliae Eviência Empírica: Os preços os ativos apresentam muitos outliers para poer ser consistente com a variância constante a istribuição log-normal. Os retornos são leptokurticos (Manelbrot [1963]). A volatiliae não é constante no tempo. Problemas com B&S Vale Empiric Normal Hyperbolic NIG GH 3 5 Density LogReturns

12 Problemas com B&S Vale 5 Empiric Normal Hyperbolic NIG GH 1 LogDensity LogReturns Problemas com B&S Ibovespa- 1/3-3/6

13 Ibovespa- 1/3-3/6 Limitações o Moelo B&S A axa e Juros Constante Na prática a menos que a opção esteja longe o seu vencimento, incerteza na taxa e juros não têm muito impacto no preço a opção. Limitações o Moelo B&S Não Existem Divienos O pago e ivienos causa quea no preço o ativo. No caso e ivienos contínuos, a taxa δ, o preço crecerá a uma taxa menor. Por tanto poemos usar a fórmula e Black e Scholes, colocano Se -δ no lugar e S. E no caso iscreto usamos S-D, no lugar e S, one D é o valor presente os ivienos pagos até

14 Limitações o Moelo B&S Mercaos sem Frições Custos e transação axas e juros para empréstimos iferentes Asimétria e Informação Restrições ao créito Líquiez Exercícios ) Suponha que temos a seguinte sequência e retornos anuais e uma tivo: 15%,%,3%,-% e 5% A méia aritmética estes retornos é 14%. Qual é o veraero retorno méio, obtio neste ativo? Exercícios 3) Suponha que a volatiliae e um ativo é,3 ou 3% por ano. Quanto será o esvio parão este ativo numa semana?

15 Exercícios 4) Suponha que se tem aos os preços e um ativo e 1 ias e negócios seguios, após calculo a serie u i ln(s i /S i-1 ), obtivemos os seguintes aos: Σ u i,9531 e Σ u i,36 Encontre a volatiliae. Exercícios 5) O preço avista e um ativo é 4, o preço e exercício e uma opção que vence em 6 mesês é 4, a taxa livre e risco é 1% a.a. e a volatiliae é %. Encontre o preço esta opção caso seja call ou put. Exercícios 6) Encontre o preço e uma call européia num ativo que paga ivienos e.5 em e 5 mesês. O preço o ativo hoje é 4, o preço e exercício é 4, a volatiliae é 3%, a taxa livre e risco é 9% a.a e a maturiae é 6 mesês.

16 Exercícios 7) No contexto o exercício anteriror, sobre a hip. De normaliae, encontre o preço e um erivativo que paga 1 reais aqui a 1mês se o ativo pasa os 45 reais e zero caso contrario.

Opções. Opção. Tipos de Opções. Uma opção de compra (call) é um contrato que te da o direito de comprar

Opções. Opção. Tipos de Opções. Uma opção de compra (call) é um contrato que te da o direito de comprar Opções Prf. José Fajardo EBAPE-FGV Opção É um contrato que da o direito, mais não a obrigação de comprar ou vender um determinado ativo subjacente a um determinado preço Tipos de Opções Uma opção de compra

Leia mais

As Letras Gregas. Exemplo. Posição Coberta e Descoberta. Prf. José Fajardo FGV-EBAPE

As Letras Gregas. Exemplo. Posição Coberta e Descoberta. Prf. José Fajardo FGV-EBAPE As Prf. José Fajardo FGV-EBAPE Exemplo Um Banco há vendido por $300,000 uma Call Européia em 100.000 unidades de um ativo que não paga dividendos S 0 = 49, X = 50, r = 5%, σ = 20%, T = 20 semanas, µ =

Leia mais

volatilidade Josué Xavier de Carvalho Rosane Riera Freire Luca Moriconi Pontifícia Universidade Católica - Rio Universidade Federal do Rio de Janeiro

volatilidade Josué Xavier de Carvalho Rosane Riera Freire Luca Moriconi Pontifícia Universidade Católica - Rio Universidade Federal do Rio de Janeiro Opções: cálculo a partir da flutuação empírica da volatilidade Josué Xavier de Carvalho Rosane Riera Freire Luca Moriconi Pontifícia Universidade Católica - Rio Universidade Federal do Rio de Janeiro 2010

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Principios de Avaliação de Opções. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Principios de Avaliação de Opções. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação Principios de Avaliação de Opções Objectivo Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação João Cantiga Esteves Senior Partner 1 ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS Perfis de Resultados

Leia mais

The Midas Formula BBC 1999

The Midas Formula BBC 1999 The Midas Formula BBC 1999 Raquel M. Gaspar ISEG, UTL Workshop de Mercados e Investimentos Financeiros 3 e 4 Dezembro 2007 Os mercados têm risco 1 O que são opções? São contractos financeiros que, a troco

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

O preço de uma opção de compra segundo a teoria de Black, Scholes e Merton

O preço de uma opção de compra segundo a teoria de Black, Scholes e Merton O preço de uma opção de compra segundo a teoria de Black, Scholes e Merton Há opções de compra e de venda, do tipo europeu e do tipo americano. As do tipo americano podem ser exercidas a qualquer momento,

Leia mais

Opções Reais. Processos Estocásticos. Processos Estocásticos. Modelando Incerteza. Processos Estocásticos

Opções Reais. Processos Estocásticos. Processos Estocásticos. Modelando Incerteza. Processos Estocásticos Modelando Incerteza Opções Reais A incerteza em um projeto pode ter mais do que apenas dois estados. Na prática, o número de incertezas pode ser infinito Prof. Luiz Brandão brandao@iag.puc-rio.br IAG PUC-Rio

Leia mais

Análise das Probabilidades Neutras a Risco da Taxa de Câmbio do Dólar Comercial, Implícitas nos Preços das Opções de Compra Negociadas na BM&F

Análise das Probabilidades Neutras a Risco da Taxa de Câmbio do Dólar Comercial, Implícitas nos Preços das Opções de Compra Negociadas na BM&F UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO - COPPEAD Análise as Probabiliaes Neutras a Risco a Taxa e Câmbio

Leia mais

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira 30 3 Os impostos sore ivienos, ganhos e capital e a legislação societária rasileira As legislações societárias e fiscais o Brasil iferem muito quano comparamos ao sistema americano. Neste capítulo aoraremos

Leia mais

Aspectos básicos do modelo de avaliação de opções reais

Aspectos básicos do modelo de avaliação de opções reais Aspectos básicos do modelo de avaliação de opções reais Valter Saurin* Resumo No desenvolvimento do texto, apresentam-se os aspectos básicos e exemplos do emprego do Modelo de Avaliação de Opções (Option

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados sobre Opções -III. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados sobre Opções -III. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação Tópicos Avançados sobre Opções -III Objectivo Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação João Cantiga Esteves Senior Partner 1 ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS MODELO BLACK-SCHOLES

Leia mais

Value at Risk (VaR) Introdução. Introdução. Prf. José Fajardo FGV-EBAPE

Value at Risk (VaR) Introdução. Introdução. Prf. José Fajardo FGV-EBAPE Value at Risk (VaR) Prf. José Fajardo FGV-EBAPE Introdução Quando estamos usando VaR, o administrador de uma carteira de instrumentos financeiros esta interessado em fazer uma afirmação da seguinte forma:

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

Módulo 11 - Extensões ao Modelo de Black-Scholes

Módulo 11 - Extensões ao Modelo de Black-Scholes Módulo 11 - Extensões ao Modelo de Black-Scholes ISEG Universidade Técnica de Lisboa 20 de Maio de 2005 Extensões ao Modelo de Black-Scholes Opções Europeias sobre Acções que Pagam Dividendos Dividendos

Leia mais

Documentação Técnica Box de Duas Pontas

Documentação Técnica Box de Duas Pontas Documentação Técnica Box de Duas Pontas Ref.: CETIP-RANGER-DT-0001/2006 maio de 2006 1. INTRODUÇÃO...3 2. REGISTRO...3 2.1. ANÁLISE DAS OPÇÕES ISOLADAMENTE (PARA A CALL E PARA A PUT)...3 2.1.1. ETAPAS...3

Leia mais

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo Controlaor PID 154 8- Controlaor PID PID = Proporcional + Integral + Derivativo É interessante assinalar que mais a metae os controlaores inustriais em uso nos ias atuais utiliza estratégias e controle

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística Conceitos e Gestão e Estoques Análise Probabilística Prof. Ruy Alexanre Generoso CONCEITOS BÁSICOS DE ESTOQUE Estoques: acúmulo e recursos materiais em um sistema e transformação Fase 1 estoque Fase 2

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS APREÇANDO OPÇÕES VIA MÉTODO DE MONTE-CARLO BRUNO VIACELLI PONTELLO PORTO ALEGRE 2010 1 BRUNO

Leia mais

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão Matemática Financeira Walter Sousa Gran Cursos Rendas Certas financiamentos e capitalizações 1) Fluxo de Caixa Representa uma série de pagamentos ou recebimentos que ocorrem em determinado período de tempo.

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

IND 2072 - Análise de Investimentos com Opções Reais

IND 2072 - Análise de Investimentos com Opções Reais IND 2072 - Análise de Investimentos com Opções Reais PROVA P2 1 o Semestre de 2007-03/07/2007 OBS: 1) A prova é SEM CONSULTA. Nota da prova = mínimo{10; pontuação da P2 + crédito da P1} 2) Verdadeiro ou

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R

O F Í C I O C I R C U L A R 5 de outubro de 00 143/00-DG O F Í C I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Associadas e Operadores Especiais Ref.: Limites Mínimo e Máximo para Prêmios, Preços de Exercício e Preços de

Leia mais

UMA CONTRIBUIÇÃO DA TEORIA DE OPÇÕES PARA A AVALIAÇÃO DOS CUSTOS MÁXIMOS DE AGÊNCIA RESUMO INTRODUÇÃO

UMA CONTRIBUIÇÃO DA TEORIA DE OPÇÕES PARA A AVALIAÇÃO DOS CUSTOS MÁXIMOS DE AGÊNCIA RESUMO INTRODUÇÃO ENSAIO UMA CONTRIBUIÇÃO DA TEORIA DE OPÇÕES PARA A AVALIAÇÃO DOS CUSTOS MÁXIMOS DE AGÊNCIA RESUMO Herbert Kimura (*) Alexandre Carlos Lintz (**) Alberto Sanyuan Suen (***) O artigo apresenta uma metodologia

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio

Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de ATE SEFAZ/PI

Leia mais

Derivativos. Que é um Derivativo. Contrato Duas Partes. Prf. José Fajardo Fundação Getulio Vargas

Derivativos. Que é um Derivativo. Contrato Duas Partes. Prf. José Fajardo Fundação Getulio Vargas Que é um Derivativo Derivativos Contrato Duas Partes Prf. José Fajardo Fundação Getulio Vargas Visando um conjunto de Pagamentos e Retornos Alguns numa direção, alguns na outra Alguns agora, e outros mais

Leia mais

Negociação de Volatilidade no Mercado Brasileiro de Opções sobre Taxa de Câmbio

Negociação de Volatilidade no Mercado Brasileiro de Opções sobre Taxa de Câmbio Negociação de Volatilidade no Mercado Brasileiro de Opções sobre Taxa de Câmbio Sandro Hüttner Chimisso (FISUL) coordcurso@fisul.edu.br Gilberto de Oliveira Kloeckner (UFRGS) gokloeckner@ppga.ufrgs.br

Leia mais

Modelo de Black Scholes na precificação de Opções Europeias

Modelo de Black Scholes na precificação de Opções Europeias - 1 - Ministério da Educação Brasil Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM Minas Gerais Brasil Revista Vozes dos Vales: Publicações Acadêmicas Reg.: 120.2.095 2011 UFVJM ISSN: 2238-6424

Leia mais

Apreçamento de Opções através do Modelo de árvore Trinomial Implícita: Aplicação no Mercado Acionário Brasileiro

Apreçamento de Opções através do Modelo de árvore Trinomial Implícita: Aplicação no Mercado Acionário Brasileiro Apreçamento de Opções através do Modelo de árvore Trinomial Implícita: Aplicação no Mercado Acionário Brasileiro Paulo Roberto Lima Dias Filho plima82@globo.com IAG/PUC-Rio Luciana Lima lucianasouli@yahoo.com.br

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG.

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG. INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS Arian Hinojosa e Aniura Milanés Departamento e Estatística ICEx. UFMG. Sumário Capítulo 1. As probabiliaes e a teoria o risco 1 1. Por que as probabiliaes? 1 2. Probabiliaes

Leia mais

Índice. Introdução 15

Índice. Introdução 15 Índice Introdução 15 Capítulo 1 OPÇÕES FINANCEIRAS E A MODERNA TEORIA DAS FINANÇAS 1. A moderna teoria das finanças e os derivados financeiros 17 2. Teorias de base da moderna teoria das finanças 19 3.

Leia mais

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos 6/09/010 Equilíbrio Químico rof. Alex Fabiano C. Campos rocessos Reversíveis e Irreversíveis Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração

Leia mais

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Quilelli 1 ) Uma dívida contraída à taxa de juros simples de 10% ao mês, deverá ser paga em duas parcelas, respectivamente iguais a R$ 126,00, daqui a

Leia mais

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Princípios de Finanças Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Material didático e acesso Site da disciplina http://frega.net Login: UFPRPRINCFIN 2 Prof. José Roberto Frega, Dr. Graduado em Engenharia

Leia mais

A Matemática e as Finanças da Matemática Financeira

A Matemática e as Finanças da Matemática Financeira A Matemática e as Finanças da Matemática Financeira 1 1 Departamento de Matemática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra Centro de Matemática da Universidade de Coimbra O que é a Matemática

Leia mais

Equivalência de Valores

Equivalência de Valores Equivalência de Valores 1. O Banco Bique concedeu um empréstimo com juros à cabeça ao Sr. Sandro, tendo este pago 1100 de juros. Sabendo que o empréstimo foi concedido em regime de juros simples, à taxa

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Aula 02 Matemática Financeira Prof. Ms. João Domiraci Paccez Aula 02 Conversão das taxas de juros 1. Conversão da taxa de juros 2. Equivalência das taxas de juros na capitalização simples e na composta

Leia mais

ESCOLA DE GESTÃO DO ISCTE FINANÇAS INVESTIMENTOS

ESCOLA DE GESTÃO DO ISCTE FINANÇAS INVESTIMENTOS Exame 1ª Época 12.07.04 ESCOLA DE GESTÃO DO ISCTE FINANÇAS INVESTIMENTOS Duração: 3 horas CASO 1 (3x1.0= 3 valores) Responda (sucinta e objectivamente) a somente três das quatro questões seguintes: a)

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Regras de Derivação. Objetivos da Aula. Aula n o 12: Regras de Derivação. Apresentar e aplicar as regras operacionais de derivação;

CÁLCULO I. 1 Regras de Derivação. Objetivos da Aula. Aula n o 12: Regras de Derivação. Apresentar e aplicar as regras operacionais de derivação; CÁLCULO I Prof. Marcos Diniz Prof. Anré Almeia Prof. Eilson Neri Júnior Aula n o 2: Regras e Derivação Objetivos a Aula Apresentar e aplicar as regras operacionais e erivação; Derivar funções utilizano

Leia mais

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de 30 3. Metodologia Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de dados utilizada, identificando a origem das fontes de informação, apresentando de forma detalhada as informações

Leia mais

Resumo. Sistemas e Sinais Sistemas Híbridos. Sistema Hibrido. Duas Famílias de Modelos

Resumo. Sistemas e Sinais Sistemas Híbridos. Sistema Hibrido. Duas Famílias de Modelos Resumo Sistemas e Sinais Sistemas Híbrios lco@ist.utl.pt Moelos mistos Moelos moais Automatos temporizaos Controlo e supervisão Moelo formal Instituto Superior Técnico Sistemas e Sinais p.1/18 Sistemas

Leia mais

A Regra da Cadeia. 14 de novembro de u(x) = sen x. v(x) = cos x. w(x) = x 5

A Regra da Cadeia. 14 de novembro de u(x) = sen x. v(x) = cos x. w(x) = x 5 A Regra a Caeia 4 e novembro e 0. As operações algébricas entre funções (soma, prouto, etc) fornecem uma grane iversiae e novas funções para os iferentes casos que vimos até agora. Porém, existe uma outra

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO Um título público consiste, de maneira simplificada, um empréstimo ao governo federal, ou seja, o governo fica com uma dívida com o comprador

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUANAS DEARTAENTO DE GESTÃO E ECONOIA ACROECONOIA II Licenciaturas: Economia, Gestão 1º A/2º S CADERNO EXERCÍCIOS Nº 4 oelo IS/L Docentes:

Leia mais

ISEP - LEI - AMATA - 1S. 2009/10 CÁLCULO INTEGRAL EM IR

ISEP - LEI - AMATA - 1S. 2009/10 CÁLCULO INTEGRAL EM IR ISEP - LEI - AMATA - S. 009/0 ÁLULO INTEGRAL EM IR álclo Integral em IR Primitiva No cálclo iferencial a qestão fnamental era: Daa ma fnção f(), como eterminar a sa erivaa f ()? Agora a qestão qe se coloca

Leia mais

Levando em conta decisões de investimento não-triviais.

Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 4. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 No modelo de benchmark (e na extensão RBC),

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

2 Opções e Carteiras não lineares

2 Opções e Carteiras não lineares 22 2 Opções e Carteiras não lineares 2.1 Distinção entre derivativos lineares e não-lineares No capítulo 1 foram apresentados os principais derivativos utilizados no mercado de petróleo e derivados. Neste

Leia mais

COMO DETERMINAR O PREÇO DE UMA

COMO DETERMINAR O PREÇO DE UMA COMO DETERMINAR O PREÇO DE UMA O que são opções? Precificação de opções Exemplo de árvore recombinante Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

Como podemos prever a evolução do preço das acções cotadas na bolsa?

Como podemos prever a evolução do preço das acções cotadas na bolsa? Como podemos prever a evolução do preço das acções coadas na bolsa? Cláudia Nunes Philippar cnunes@mah.is.ul.p Início da Hisória The Royal Swedish Academy of Sciences has decided o award he Bank of Sweden

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 13-11-2013 aula 4

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 13-11-2013 aula 4 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 13-11-2013 aula 4 Avaliação de Ativos e Valor Presente. Dinâmica 1 Exercícios de Valor Presente e Valor Futuro 1) Joaquim

Leia mais

2 - Um capital de R$ 2.000,00 é aplicado a juros composto durante 4 anos a taxa de 2% a.a. Qual o montante e qual os juros totais auferidos?

2 - Um capital de R$ 2.000,00 é aplicado a juros composto durante 4 anos a taxa de 2% a.a. Qual o montante e qual os juros totais auferidos? LISTA 02 MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Joselias TAXAS EQUIVALENTES A JUROS COMPOSTOS, TAXA NOMINAL, TAXA EFETIVA, DESCONTO RACIONAL SIMPLES E COMPOSTO, DESCONTO COMERCIAL SIMPLES E COMPOSTO. DESCONTO

Leia mais

2 Teoria das Opções Reais

2 Teoria das Opções Reais 2 Teoria das Opções Reais 2.1. Introdução Este capítulo descreve os conceitos da teoria de opções reais utilizada para a avaliação de ativos reais, tais como projetos de investimento, avaliação de projetos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

Análise de Sensibilidade

Análise de Sensibilidade Análise de Risco de Projetos Análise de Risco Prof. Luiz Brandão Métodos de Avaliação de Risco Análise de Cenário Esta metodologia amplia os horizontes do FCD obrigando o analista a pensar em diversos

Leia mais

mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50

mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50 mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50 Aula 4 DESCONTO NA CAPITALIZAÇ ÃO SIMPLES O b j e t i v o s Ao final desta aula, você será capaz de: 1 entender o conceito de desconto; 2 entender os conceitos de valor

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL Física Prof. Rawlinson SOLUÇÃO AE. 1 Através a figura, observa-se que a relação entre os períoos as coras A, B e C: TC TB T A = = E a relação entre as frequências: f =. f =

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO HEDGE EM CARTEIRAS DE OPÇÕES EXÓTICAS NO BRASIL WILLIAM LOPES NASCIMENTO SÃO PAULO 2015 WILLIAM LOPES NASCIMENTO HEDGE EM CARTEIRAS DE OPÇÕES EXÓTICAS

Leia mais

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis Equilíbrio Químico rocessos Reversíveis e Irreversíveis rocessos Reversíveis e I Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração os reagentes.

Leia mais

Documentação Técnica Opções Flexíveis sobre Taxa de Câmbio

Documentação Técnica Opções Flexíveis sobre Taxa de Câmbio Documentação Técnica Opções Flexíveis sobre Taxa de Câmbio Ref.: CETIP-RANGER-DT-0001/006 maio de 006 Criação: 30/03/006 Última revisão: 5/04/006 Impressão: 05/05/006 1. INTRODUÇÃO...3. ETAPAS...3.1. ASSUME-SE

Leia mais

OS CONTRATOS DE OPÇÃO

OS CONTRATOS DE OPÇÃO 1 FINANCIAMENTO POR MEIO DE INSTRUMENTOS HÍBRIDOS 2 OS CONTRATOS DE OPÇÃO 1 3 OS CONTRATOS DE OPÇÃO CALL OPTIONS: contratos de opção de compra PUT OPTIONS: contratos de opção de venda O VALOR DA OPÇÃO

Leia mais

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta Metanálise MTC: o uso combinao e eviência ireta e inireta na comparação e múltiplos tratamentos Patrícia Klarmann Ziegelmann Universiae Feeral o Rio Grane o Sul Em estuos e avaliação tecnológica em saúe

Leia mais

EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO

EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Em setembro e 010, Júpiter atingiu a menor istância a Terra em muitos anos. As figuras abaixo ilustram a situação e maior afastamento e a e maior aproximação

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples)

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) Bertolo MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin2 1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) 1. Uma pessoa toma R$ 30.000,00 emprestados, a juros de 3% ao mês,

Leia mais

Primeiro, vamos explicar o fundo teórico do assunto, depois praticamos nossos conhecimentos seguindo as instruções dum pequeno tutorial.

Primeiro, vamos explicar o fundo teórico do assunto, depois praticamos nossos conhecimentos seguindo as instruções dum pequeno tutorial. 45 Capítulo 4 Juros, Taxas e tudo isso Neste livro não quero enfatizar as aplicações do Excel aos negócios, mas uma breve introdução ao uso das funções financeiras é indispensável, assim como, num capítulo

Leia mais

Administração - UniFAI

Administração - UniFAI CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO UniFAI Matemática Financeira Exercícios - Parte II Desconto de Títulos de Crédito Desconto de um Conjunto de Títulos 1 Desconto de Títulos de Crédito 1) Calcular o desconto

Leia mais

Futuros de Swap de Variância e Volatilidade Na BM&F - Apreçamento e Viabilidade de Hedge Richard John Brostowicz Junior. Márcio Poletti Laurini

Futuros de Swap de Variância e Volatilidade Na BM&F - Apreçamento e Viabilidade de Hedge Richard John Brostowicz Junior. Márcio Poletti Laurini Futuros de Swap de Variância e Volatilidade Na BM&F - Apreçamento e Viabilidade de Hedge Richard John Brostowicz Junior Márcio Poletti Laurini Insper Working Paper WPE: 181/2009 Copyright Insper. Todos

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

Avaliação de Opções Barreira segundo o Modelo CEV

Avaliação de Opções Barreira segundo o Modelo CEV Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Departamento de Finanças do ISCTE Departamento de Matemática da FCUL Avaliação de Opções Barreira

Leia mais

Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV

Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV Simulado 02 de Matemática Financeira Questões FGV 01. Determine o valor atual de um título descontado (desconto simples por fora) dois meses

Leia mais

Herança. Herança. Especialização. Especialização

Herança. Herança. Especialização. Especialização Herança Herança Em muitos casos, um tipo e entiae tem vários subconjuntos e entiaes que são significativos para a aplicação. Exemplo: as entiaes e um tipo e entiae Empregao poem ser agrupaas em Secretária,

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução das questões de MATEMÁTICA da prova para o cargo de Técnico Bancário do Banco da Amazônia (BASA) 2015. Caso você entenda

Leia mais

UNIDADE Capitalização composta

UNIDADE Capitalização composta UNIDADE 2 Capitalização composta Capitalização composta Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai ser levado a: calcular o montante, taxas equivalentes, nominal e

Leia mais

A Estrutura a Termo das Taxas de Juros (ETTJ)

A Estrutura a Termo das Taxas de Juros (ETTJ) Conteúdo A Estrutura a Termo das Taxas de Juros (ETTJ) Mônica Barros, D.Sc. Março o de 2008 Definições Básicas Representação Gráfica da ETTJ Como construir a ETTJ no Brasil? O que explica as diferentes

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro II. Exemplo de um Negocio com Futuros. Possíveis Resultados. Prf. José Fajardo Barbachan FGV-EBAPE

Mercado a Termo e Futuro II. Exemplo de um Negocio com Futuros. Possíveis Resultados. Prf. José Fajardo Barbachan FGV-EBAPE Mercado a Termo e Futuro II Prf. José Fajardo Barbachan FGV-EBAPE Exemplo de um Negocio com Futuros Um investidor adquiere uma posição longa, no 3 de Junho, em 2 contratos futuros de Ouro para Dezembro

Leia mais

F=1.038,50. F = P. (1+i) n F=1.000(1+0,12) 4/12. F = P. (1+i) n J=F-P J=1.000(1+0,02) 12 1.000 = 268,24

F=1.038,50. F = P. (1+i) n F=1.000(1+0,12) 4/12. F = P. (1+i) n J=F-P J=1.000(1+0,02) 12 1.000 = 268,24 1 Quais serão os juros pagos pelo empréstimo de $1. durante um ano a uma taxa de 2% am? P=1. i=2%am n=1 ano(=12meses) F = P. (1+i) n J=F-P J=1.(1+,2) 12 1. = 268,24 3 Qual será o montante pago pelo empréstimo

Leia mais

Juros Simples, Compostos, e Contínuos

Juros Simples, Compostos, e Contínuos Juros Simples, Compostos, e Contínuos Conceito Principal Juros são o preço pago pelo benefício do empréstimo de dinheiro por um certo período de tempo. Tipicamente, a taxa de juros é expressa como uma

Leia mais

Módulo 3. Arbitragem e Valorização de Contratos de Futuros.

Módulo 3. Arbitragem e Valorização de Contratos de Futuros. Módulo 3 Arbitragem e Valorização de Contratos de Futuros. Arbitragem - Definição V(0)=0 e V(t,ω)>0, para todos ω Investimento Inicial = 0 e Ganho > 0 Certo! Preço a Futuro - Definição Preço a Futuro de

Leia mais

PRECIFICAÇÃO DE OPÇÕES DE COMPRA NO MERCADO BRASILEIRO: UMA ABORDAGEM RELATIVA DE MÉTODO NUMÉRICO FRENTE AO MODELO DE BLACK & SCHOLES.

PRECIFICAÇÃO DE OPÇÕES DE COMPRA NO MERCADO BRASILEIRO: UMA ABORDAGEM RELATIVA DE MÉTODO NUMÉRICO FRENTE AO MODELO DE BLACK & SCHOLES. 1 1 INTRODUÇÃO 1.1 APRESENTAÇÃO DO TEMA O mercado financeiro tem refletido celeremente às mudanças no ambiente empresarial. Incorporando novas ferramentas computacionais a tradicionais modelos matemáticos,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

Introdução à matemática nanceira

Introdução à matemática nanceira Introdução à matemática nanceira Estela Mara de Oliveira 1 e Sônia Regina Leite Garcia (Orientadora) 2 1 Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME-USP), Brazil estelaime@hotmailcom

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos Aula 04 Matemática Financeira Equivalência de Capitais a Juros Compostos Introdução O conceito de equivalência permite transformar formas de pagamentos (ou recebimentos) em outras equivalentes e, consequentemente,

Leia mais

Resolvendo problemas com logaritmos

Resolvendo problemas com logaritmos A UA UL LA Resolvendo problemas com logaritmos Introdução Na aula anterior descobrimos as propriedades dos logaritmos e tivemos um primeiro contato com a tábua de logarítmos. Agora você deverá aplicar

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

O USO DE ANALOGIAS COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE RISCO

O USO DE ANALOGIAS COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE RISCO O USO DE ANALOGIAS COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE RISCO UM EXEMPLO DA SUA APLICAÇÃO A PILARES DE PONTES VITOR SILVA e MÁRIO M TALAIA, ISCIA Instituto Superior e Ciências a Informação e a Aministração,

Leia mais

SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL 8 a 11 de novembro de 2002, Rio de Janeiro/RJ A PESQUISA OPERACIONAL E AS CIDADES

SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL 8 a 11 de novembro de 2002, Rio de Janeiro/RJ A PESQUISA OPERACIONAL E AS CIDADES AVALIAÇÃO DE TÍTULOS CONVERSÍVEIS COM OPÇÕES DE COMPRA E VENDA Carlos Patricio Samanez PUC-RJ: Rua Marquês de São Vicente, 225- Gávea, Cep:22453-900 Rio de Janeiro E-mail: cps@ind.puc-rio.br Giuliano Iorio

Leia mais

PRECIFICAÇÃO DE OPÇÕES FINANCEIRAS: UM ESTUDO SOBRE OS MODELOS DE BLACK SCHOLES E GARCH

PRECIFICAÇÃO DE OPÇÕES FINANCEIRAS: UM ESTUDO SOBRE OS MODELOS DE BLACK SCHOLES E GARCH UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS MESTRADO EM ECONOMIA MARTINHO DE FREITAS SALOMÃO PRECIFICAÇÃO DE OPÇÕES FINANCEIRAS: UM ESTUDO SOBRE OS MODELOS DE BLACK

Leia mais

Página 2. 1 da quantia aplicada. Optando pelo. 1 ou 4

Página 2. 1 da quantia aplicada. Optando pelo. 1 ou 4 Página 1 01. (BB CESGRNRIO/201) Um cliente fez um investimento de 0 mil reais em um Banco, no regime de juros compostos. pós seis meses, ele resgatou 20 mil reais, deiando o restante aplicado. pós um ano

Leia mais

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS)

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) João Duque Fevereiro de 2004 1 Exercício 1 Usando a informação que lhe é fornecida pelo quadro abaixo sobre as opções cotadas

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I LMAC, MEBIOM, MEFT 1 o SEM. 2010/11 3 a FICHA DE EXERCÍCIOS

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I LMAC, MEBIOM, MEFT 1 o SEM. 2010/11 3 a FICHA DE EXERCÍCIOS Instituto Superior Técnico Departamento e Matemática Secção e Álgebra e Análise CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I LMAC, MEBIOM, MEFT o SEM. / 3 a FICHA DE EXERCÍCIOS Primitivação é a operação inversa a

Leia mais

OPÇÕES COM PREÇO DE EXERCÍCIO ESTOCÁSTICO: UMA ABORDAGEM BINOMIAL

OPÇÕES COM PREÇO DE EXERCÍCIO ESTOCÁSTICO: UMA ABORDAGEM BINOMIAL OPÇÕES COM PREÇO DE EXERCÍCIO ESTOCÁSTICO: UMA ABORDAGEM BINOMIAL Hugo Daniel de Oliveira Azevedo IBMEC Business School e ASM Asset Management Rua da Assembléia 77, 17º Centro Rio de Janeiro RJ CEP 20011.001

Leia mais