Lançar produtos via Marcas Próprias: Quais fatores devem ser considerados?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lançar produtos via Marcas Próprias: Quais fatores devem ser considerados?"

Transcrição

1 Lançar produtos via Marcas Próprias: Quais fatores devem ser considerados? Marcos Fava Neves Universidade de São Paulo FEA Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. PENSA Programa de Agronegócio Av dos Bandeirantes Ribeirão Preto - SP - Brasil Phone: Fax: Luciano Thomé e Castro Universidade de São Paulo FEA Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade PENSA Programa de Agronegócio Av dos Bandeirantes Ribeirão Preto - SP - Brasil Phone: Fax: Carla Cristina Martoni Pereira Gomes Universidade de São Paulo FEA Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade PENSA Programa de Agronegócio Av dos Bandeirantes Ribeirão Preto - SP - Brasil Phone: Fax:

2 Lançar produtos via Marcas Próprias: Quais fatores devem ser considerados? Marcos Fava Neves Luciano Thomé e Castro Carla Gomes Resumo Marca-própria é talvez hoje um dos aspectos mais discutidos e de maior impacto nas atividades dos varejistas. Isto tem sido uma importante ferramenta para o distribuidor num setor cada vez mais competitivo e tem tido diferentes papéis para a indústria de alimentos. O objetivo deste artigo é discutir as principais decisões de marca. O artigo elegeu alguns aspectos importantes no relacionamento dos fornecedores para o fornecimento de produtos de marca própria para varejistas. O artigo discute que isso tem resultado que Marcas Próprias aumentam a competição entre as indústrias de alimentos e melhoram o poder de barganha dos varejistas. Líderes de mercado também são ameaçados pelo aumento de marcas próprias vendidas dentro dos segmentos premium, bem como a segunda ou terceira marcas no mercado que são ameaçadas pelo preço mais barato das marcas próprias. Palavras-chaves: Marcas Próprias, varejo, indústria de alimentos. 1. Introdução Marca-própria é talvez hoje um dos aspectos mais discutidos nas atividades dos varejistas. Isto tem sido uma importante ferramenta para o distribuidor num setor cada vez mais competitivo e por outro lado tem tido diferentes papéis para a indústria de alimentos. A relação entre a indústria de alimentos, mais particularmente, entre a indústria de suco de laranja e o setor varejista é discutida por Pavan et al. (2002) que levanta os principais critérios de decisão e o comportamento dos varejistas. Entre as conclusões dos autores, destaca-se a não cooperação entre uma parte e outra, e sim uma barganha por preços, em que a rede varejista tem grande força. Neste contexto, torna-se ainda mais importante analisar como uma 2

3 estratégia de produção de marcas-próprias pode reposicionar uma determinada indústria de suco de laranja. As marcas próprias são desenvolvidas e gerenciadas por distribuidores (varejistas, atacadistas e o setor de serviços) que colocam suas marcas nos produtos e vendem aos consumidores finais. Alguns números para ilustrar o crescimento destas categorias podem ser destacados. Nos países europeus, produtos com marcas próprias alcançaram US$250 bilhões em 1997 e cerca de US$ 305 bilhões em Elas têm tido um crescimento anual de 7% em toda Europa desde O mesmo acontece nos Estados Unidos, onde algumas cadeias varejistas possuem 30% do seu mix de produto composto de marcas próprias (ACNielsen). Em alguns países, por exemplo, a Suíça, a participação das marcas próprias no varejo, alcança mais de 50% do total das vendas, seguido pela Inglaterra com 37%, Canadá, Holanda e Estados Unidos com 25%, 23% e 15%, respectivamente. Países latino-americanos têm em média 5% do total das vendas representados por produtos de marcas próprias, mostrando o imenso potencial para crescimento. A porcentagem de vendas de marcas próprias por categoria de produtos é mais alta em alimentos e bebidas do que em outras categorias. Em termos de total de venda de alimentos no mundo, as marcas próprias representam aproximadamente 16% (Nielsen, 1999; Malta; 1999; Morita; 1998; Gonzalis, 1998; Lazzarini, 1999). 2 Objetivo 3

4 O objetivo central deste artigo é levantar os principais aspectos que devem ser considerados pelos distribuidores e pela indústria de suco de laranja quando envolvidos num relacionamento para oferecimento de um produto com marca própria. Também são mostradas neste artigo as principais decisões genéricas referentes a marca. 3 Metodologia da Pesquisa A metodologia utilizada para o levantamento proposto foram workshops e entrevistas com executivos da indústria de alimentos e bebidas e de grandes varejistas. Além disso, uma pesquisa sobre o referencial teórico de marcas. 4. Principais Decisões com Respeito a Marcas A idéia deste tópico é localizar a decisão sobre a produção com marca própria dentro das decisões relativas a marca que podem ser tomadas por uma industria de suco de laranja (e na verdade para qualquer empresa). Também são colocadas algumas definições a respeito de marca, tentando mostrar o impacto que uma política de marca pode ter na estratégia geral de marketing da indústria de suco de laranja e mesmo para o varejista. Uma marca de acordo com a AMA (American Marketing Association) é um nome, termo, símbolo ou uma combinação de todos, que está associado a diferentes produtos ou serviços de uma empresa em particular. Essencialmente, uma marca significa a promessa de entrega de um produto ou um pacote distinto de características, benefícios e serviços para os consumidores. Muitos autores de marketing podem ser referências para este assunto (Etzel et al 1997; Berman, 1996; entre outros) 4

5 Kotler (2000) diz que uma marca é um símbolo mais complexo. Comunica os atributos e benefícios do produto, valores e cultura do fabricante e ainda pode estar completamente combinada com as características e personalidade de um determinado segmento de consumidores, de forma que torna possível o desenho do perfil dos consumidores de determinada marca. O grande desafio para uma marca é desenvolver um grupo de idéias associadas ao seu símbolo. Ela não será apenas um nome, mas um conjunto de significados. As principais decisões de marca de acordo com Kotler (2000) são 5 grupos de questões, que são apresentadas em resumo na tabela abaixo. Tabela 1: Principais Decisões de Marca O uso da marca Uma marca deve ser criada para o produto? O Patrocínio da Marca Quem deveria patrocinar a marca, o fabricante, distribuidor ou ainda ela seria licenciada por uma empresa? O Nome Utilizado Qual nome (marca) deve estar estampado no produto? Uma marca pode não existir e o produto seria genérico, geralmente mais barato. Ao contrário, criar uma marca significa investir em embalagem, na sua promoção, no registro, comunicação e também estar exposto a um risco de imagem. Contudo, as vantagens para a empresa são: facilidade de identificação do produto, proteção legal, oportunidade para fidelidade e lucros, possibilidade para segmentação de mercado, e finalmente a oportunidade para uma boa imagem no mercado. Este é o principal objetivo deste artigo e é discutido no próximo tópico. Uma marca individual significa um produto independente sem risco de imagem em caso de fracasso, mas por outro lado, o produto não se beneficia de uma boa imagem corporativa da empresa, se ela existir. Uma marca global permite que os custos de desenvolvimento e de promoção sejam menores e deve ser usada principalmente quando a linha de produto não é muito diversificada. Uma marca família pode ser usada quando existem produtos com diferentes padrões de 5

6 A Estratégia da Marca Qual a estratégia que deverá ser usada? Reposicionamento da Marca Fonte: Adaptado de Kotler (2000), página 396. qualidade ou que estejam posicionados da mesma forma. Finalmente, a empresa pode associar sua marca a uma marca individual de um produto independente, explorando a boa imagem e criando um apelo individual Extensão de linha de produto: quando a empresa introduz diferentes versões (com novos atributos como gosto, cor, tamanho) dentro da mesma categoria com a mesma marca. Extensão da marca: isto significa usar a mesma marca para outra categoria de produto, explorando a imagem da marca adquirida com a categoria original do produto. Multimarcas: lançar novas marcas na mesma categoria para explorar diferentes Segmentos e combater os concorrentes. Novas Marcas: quando uma empresa quer entrar em um novo negócio e identifica que a atual marca não é apropriada para a nova. Combinação de marcas: Duas ou mais marcas podem ser combinadas no mesmo produto numa oferta especial. Reposicionamento significa criar outros significados na mente do consumidor, o que diferencia o produto de um concorrente que tenha lançado um novo produto próximo a oferta da empresa. Depois das considerações a respeito das principais decisões de marca, o próximo tópico discutirá em maior profundidade as decisões sobre patrocínio da marca, para o caso de marca-própria. É importante dizer que esta discussão está presente na literatura de canais de distribuição. Importantes referências são Stern et al (1996), Rosembloon (1999), Berman (1996), entre outros. 6

7 5. Marcas Próprias: Pontos de Possíveis Vantagens para a Indústria de Alimentos e Varejistas Produzir um produto para ser usado como marca-própria de um varejista pode representar diversas vantagens para os lados envolvidos neste relacionamento. A tabela 2 é um resumo das discussões/workshops com executivos da indústria de alimentos e de varejistas, onde procurou-se identificar as possíveis vantagens que as marcas próprias poderiam trazer para as empresas. Os autores também enriqueceram a tabela com considerações de literatura especializada referenciadas ao final do texto e também com projetos particulares desenvolvidos. 7

8 Tabela 2: Pontos de Possíveis Vantagens para a Indústria Alimentícia e Varejistas no Relacionamento de Marcas Próprias. Possíveis vantagens para a Indústria de Alimentos estabelecer este relacionamento Comunicação é feita pelo varejista: menores custos de comunicação para a indústria (propaganda/ promoção do produto). Possibilidade de aumentar vendas e obter ganhos de escala: maior ocupação dos fatores de produção e maior eficiência no processo de compras, inclusive com aumento de poder de barganha com fornecedores, uma vez que os volumes comprados aumentam. Um maior espaço ocupado nas prateleiras dos varejistas (isto acontece quando existem duas marcas da mesma fabrica a marca da empresa original e a marca própria); Possível liberação dos produtos vendidos em consignação (um pedido usualmente feito pelos varejistas para a indústria de alimentos) Pode ser mais fácil obter crédito e financiamentos pelos bancos, visto que futuras vendas estão garantidas pelos contratos de fornecimento de marcas próprias. Mix de produto: possibilidades de linhas alternativas de produtos com diferentes preços e posicionamento. Normalmente estes são produtos sem inovação tecnológica. Dificilmente novos produtos são lançados como marcas próprias. Possível melhora na relação com o varejista, recebendo melhores espações nas prateleiras, sem pagar diversas taxas normalmente exigidas. Consumidores e distribuidores reconhecem a qualidade da empresa que recebe uma espécie de certificação do varejista que trabalha com programas de qualidade. Possíveis vantagens para o Varejista estabelecer este relacionamento Primeiro necessitamos entender os vários formatos atuais: (1)marca com o nome da cadeia varejista (2) marca do varejista mas com nome diferente do nome da loja e (3) marca do varejo em um produto com marca. Cada uma dessas formas mostrará vantagens e desvantagens, que não serão discutidas aqui. Aumenta a coordenação vertical da cadeia produtiva o varejo passa a produzir sem possuir os ativos produtivos Possível redução de estoques visto que estes produtos serão gerenciados pela indústria Maior poder de barganha para negociar com outros fornecedores obtida pela maior flexibilidade de posicionamento de preço das marcas próprias Possibilidade para desenvolver lealdade ou fidelidade à loja (identificação na mente do consumidor, uma vez que ele estará sempre vendo a marca em casa ou outro lugar) Possível aumento nas margens de lucro Consegue-se um aumento na pressão pela disputa de espaços nas prateleiras, uma vez que uma parcela delas estará ocupada com marcaspróprias que reduzem espaços para outros produtos (fornecedores) 8

9 Uma possível diminuição nos custos de distribuição física do produto. Agentes de vendas não são necessários nos pontos de venda. Uma possível diminuição da participação de mercado para a principal marca da empresa, mas um aumento na participação de mercado para o fabricante (visto que agora tem duas marcas nas prateleiras do varejistas). Mix de produtos oferecidos pelo varejista aumenta; Cuidado na monitoração de qualidade porque a imagem da marca (o nome do varejista) pode ser prejudicada em caso de problemas A indústria ganha experiência, e mais, pode fornecer para outros varejistas, e mesmo para outras indústrias. Como o setor de varejo cada vez mais global, existe a oportunidade de se tornar o fornecedor global para determinada categoria de produto de um grande varejista. Uma razão final e prática para estudar esta proposta é que se uma indústria não ocupar este espaço, um concorrente certamente ocupará. Fonte: Autores baseados em discussões com executivos 6. Considerações finais Marca é um assunto fascinante em Marketing. Como visto nas tabelas 01 e 02, criar uma marca poderosa é uma maneira de diferenciar um produto. Para o consumidor a marca facilita o processo de decisão de compra, indicando a qualidade do produto. Visto que varejistas são reconhecidos e em alguns casos muito admirados pelos consumidores, porque não estender suas marcas para os produtos vendidos nas lojas. Marcas próprias são hoje um dos principais assuntos em Marketing. Como a indústria de alimentos pode lutar contra esse gigante? 9

10 Marcas Próprias aumentam a competição entre as indústrias de alimentos e melhoram o poder de barganha dos varejistas. Líderes de mercado também são ameaçados pelo aumento de marcas próprias vendidas dentro dos segmentos premium, bem como a segunda ou terceira marcas no mercado que são ameaçadas pelo preço mais barato das marcas próprias. O que sobra para a indústria de alimentos? Mais concentração? Talvez com uma segmentação de mercado muito bem feita, a indústria de alimentos possa explorar os benefícios da própria marca e também ganhar vantagens no fornecimento de marcas próprias aos varejistas. O que o artigo buscou foi trazer alguns importantes aspectos que ambos os lados envolvidos neste relacionamento devem pensar. 10

11 4. Referências Abrasnet: size bytes - 13/06/00 13:44:09 Berman, B., Marketing Channels, John Wiley And Sons, USA, 663 p. Etzel, M.J.; Walker, B. & Stanton, W.J. Marketing Editora Makron Books, p. Gonzalis, A. V. Marcas Próprias O que está se Passando com os Produtos. São Paulo, Revista Super Hiper, ano XX, p , mensal, março de Gutwilig, Richard. A Household Name. Supermarket Business, p , June, 2000 Háfez, A. Marca própria Interfere na produção Industrial. Gazeta Mercantil. São Paulo, 18/04/2000, A-4, /08/00 13:34:05 Johanson, U. et al Private Brands vs Manufacturers Brands in Grocery Retailing A comparative Study of Buying Process in the UK, Italy and Sweden published at the 30 th European Marketing Academy Conference EMAC, May 8-11, Norway Kiderman, J.; d Almeida, P. Como Ganhar Mercado com as Marcas Próprias. São Paulo, Revista Super Hiper, ano 23, p , mensal, fevereiro de Kotler, P. Administração de Marketing Análise, planejamento, Implementação e Controle. Editora Prentice Hall, São Paulo, 2000, p Laaksonen, H. Own Brands in Food Retailing Across Europe. Oxford, Oxford Institute of Retail Management Lazzarini, J. C. Marcas Próprias: Panorama Internacional e Brasileiro. IV Estudo Acnielsen de Marcas Próprias. Rio de Janeiro, 27/10/

12 Machado Filho, C. A. P.; Spers, E. E.; Chaddad, F. R.; Neves, M. F Agribusiness Europeu. Editora Pioneira, São Paulo, 132p. Malta, C. B. Supermercados Ampliam Linhas de Marcas Próprias. Gazeta Mercantil. São Paulo, 30/08/1999, p. C-7, Morita, A. 15 Mil Novos Produtos. São Paulo, Revista Supermercado Moderno, ano XX, p , mensal, março de Neves, M. F.; 1999 Um modelo para Planejamento de Canais de Distribuição no Setor de Alimentos Tese de Doutoramento Faculdade de Economia, administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, 297 p. Nielsen several reports. Rafiq et al Role of own Brands in Retailing Branding Strategies - published at the 28 th European Marketing Academy Conference EMAC, May 11-14, Germany Rosembloon, B., 1999 Marketing Channels 6 th. Edition, The Dryden Press, 688 p. Stern, L. & El Ansary, A.I. & Coughlan, ª; Marketing Channels 5 th. Edition, Prentice Hall, 576 p. Sternquist, Brenda. International Retailing. Fairchild Publications, New York, 1998, 262 p.. Supermarket Business. Rejoicing in the Aisles. Supermarket Business, p , March, 2000 Toledo, G. L.; Neves, M. F.; Machado Filho, C. A. P. Marketing Estratégico e Varejo: O Caso Europeu. São Paulo, Revista de Administração, v.32, p , abril/junho Winningham, Bruce. Private Label Grows Up. Discount Merchandiser Magazine, p , November,

SUCO DE LARANJA COM MARCA PRÓPRIA: FATORES A SEREM CONSIDERADOS*

SUCO DE LARANJA COM MARCA PRÓPRIA: FATORES A SEREM CONSIDERADOS* SUCO DE LARANJA COM MARCA PRÓPRIA: FATORES A SEREM CONSIDERADOS* Marcos Fava Neves 1 Luciano Thomé e Castro 2 Carla Gomes 3 RESUMO Marca-própria é atualmente um dos aspectos mais discutidos e de maior

Leia mais

SUCO DE LARANJA COM MARCA PRÓPRIA: FATORES A SEREM CONSIDERADOS

SUCO DE LARANJA COM MARCA PRÓPRIA: FATORES A SEREM CONSIDERADOS ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA SUCO DE LARANJA COM MARCA PRÓPRIA: FATORES A SEREM CONSIDERADOS MARCOS FAVA NEVES 1, LUCIANO THOMÉ E CASTRO 2 e CARLA CRISTINA MARTONI PEREIRA GOMES 3 RESUMO Marca própria é, atualmente,

Leia mais

19/9/2011. Canais de distribuição. Introdução

19/9/2011. Canais de distribuição. Introdução Canais de distribuição Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Instruções para elaboração de TCC PROPOSTA DE NEGÓCIOS

Instruções para elaboração de TCC PROPOSTA DE NEGÓCIOS INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA PROGRAMAS CERTIFICATES Instruções para elaboração de TCC PROPOSTA DE NEGÓCIOS Estas instruções para elaboração de TCC do tipo Proposta de Negócio possuem dois tópicos:

Leia mais

Marketing empresarial. Especialização em Gestão da Produção

Marketing empresarial. Especialização em Gestão da Produção Marketing empresarial Especialização em Gestão da Produção Aula 1! Introdução à disciplina! Conceitos e histórico! Importância do marketing para a organização! Ambiente de marketing Informações básicas!

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica s Pagamento Pré-vendas Pós-vendas Modelo de gestão X Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e X X legais Planejamento

Leia mais

Guia de Participação Programa de Qualificação de Fornecedores

Guia de Participação Programa de Qualificação de Fornecedores O vem ganhando cada vez mais corpo e credibilidade, contribuindo para a busca da excelência do setor em toda a sua cadeia produtiva. Após a oitava edição, em 2015, o Programa vem sendo cada vez mais uma

Leia mais

Marcas próprias no comércio internacional

Marcas próprias no comércio internacional Marcas próprias no comércio internacional Rodrigo Felipe Pires (1), Marcos Fava Neves (2) e Eduardo Eugênio Spers (3) Osetor supermercadista brasileiro é considerado um dos setores que mais cresceu na

Leia mais

Assuntos abordados. Quais os principais tipos de intermediários de marketing que ocupam o setor; Que decisões de marketing esses intermediários tomam;

Assuntos abordados. Quais os principais tipos de intermediários de marketing que ocupam o setor; Que decisões de marketing esses intermediários tomam; Assuntos abordados Quais os principais tipos de intermediários de marketing que ocupam o setor; Que decisões de marketing esses intermediários tomam; Quais são as principais tendências entre os intermediários

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS ESTRATÉGIAS DE TI

INTRODUÇÃO ÀS ESTRATÉGIAS DE TI 11/05/011 INTRODUÇÃO ÀS ESTRATÉGIAS DE TI Prof. Carlos Faria (adaptação) 011 O CONCEITO DE TI A Tecnologia da Informação abrange todos os aspectos envolvidos no gerenciamento das informações de uma organização.

Leia mais

CE03 TIPOS DE COMÉRCIO ELETRÔNICO

CE03 TIPOS DE COMÉRCIO ELETRÔNICO 1 2 Conhecer os diversos tipos de comércio eletrônico e seus benefícios para as empresas e consumidores. 3 Para atingir os objetivos propostos serão abordados os seguintes tópicos: 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação

Administração de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação A tecnologia da informação está em toda parte nos negócios 1 Departamentos comuns em uma organização FUNDAMENTOS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DA TECNOLOGIA

Leia mais

AGENDA DA AULA -I - Conceito de Marketing; -Orientações para o mercado (produção,

AGENDA DA AULA -I - Conceito de Marketing; -Orientações para o mercado (produção, AGENDA DA AULA -I - Conceito de Marketing; -Orientações para o mercado (produção, produto, vendas, marketing, marketing societal). UNIBAN Instituto de Comunicação Curso de Tecnologia em Marketing Unidade

Leia mais

Apostila de Empreendedorismo

Apostila de Empreendedorismo Apostila de Empreendedorismo Sumário Apresentação... 3 I - Introdução:... 4 II Qual o nome do projeto ou da empresa?... 4 III Descreva o perfil dos sócios... 5 IV Missão da empresa... 5 V Qual o setor

Leia mais

A Análise SWOT (FOFA)

A Análise SWOT (FOFA) A Análise SWOT (FOFA) Diagnóstico estratégico que permite estabelecer relação entre os pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças no ambiente organizacional SWOT e FOFA Strenght Weakness Forças Oportunidades

Leia mais

Administração do Relacionamento com os

Administração do Relacionamento com os Unidade I Administração do Relacionamento com os Clientes Prof. MSc. Marcelo S. Zambon Objetivos da Disciplina Compreender o que são e quem são os clientes. Porque os clientes são vistos como início e

Leia mais

Análise de Mercado. Plano de Negócios

Análise de Mercado. Plano de Negócios Análise de Mercado Plano de Negócios Estudo de Clientes 1 º passo Identificando as características gerais dos clientes Se pessoas físicas Qual a faixa etária? Na maioria são homens o mulheres? Tem família

Leia mais

Gerenciamento por Categorias Soluções para o Pequeno e Médio Varejo. Geraldo Aniceto Tiago Ciampone

Gerenciamento por Categorias Soluções para o Pequeno e Médio Varejo. Geraldo Aniceto Tiago Ciampone Gerenciamento por Categorias Soluções para o Pequeno e Médio Varejo Geraldo Aniceto Tiago Ciampone Comitê ECR Gerenciamento por Categorias Coordenadores : Geraldo Aniceto - Sup. São Sebastião Tiago Ciampone

Leia mais

Por que Gerenciar as Comunicações?

Por que Gerenciar as Comunicações? Por que Gerenciar as Comunicações? Ricardo Viana Vargas, MSc, IPMA-B, PMP ricardo.vargas@macrosolutions.com.br Ricardo Viana Vargas, MSc, IPMA-B, PMP Ricardo Vargas é especialista em gerenciamento de projetos,

Leia mais

Apresentação da disciplina

Apresentação da disciplina FEUP MIEIG & MIEM Ano letivo 2013/14 Disciplina: Gestão da Qualidade Total Apresentação da disciplina (v1 em 2 de setembro) José A. Faria, jfaria@fe.up.pt Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto,

Leia mais

O QUE É E O QUE OFERECE?

O QUE É E O QUE OFERECE? O QUE É E O QUE OFERECE? O que é? Um programa gratuito de aceleração em larga escala para negócios inovadores de qualquer setor e lugar do Brasil, realizado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico BCG Roberto César 1 2 Matriz BCG Uma empresa norte-americana de consultoria gerencial, a Boston Consulting Group, desenvolveu, em um modelo que, em tese, permite classificar os

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Análise de Mercado Professor: Roberto César ANÁLISE DE MERCADO Além de ser o ponto de partida de qualquer projeto, é um dos aspectos mais importantes para a confecção deste.

Leia mais

LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA

LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA 1. OBJETO 1.1. A LEYA BIKES S.A realizará licitação para a prestação dos serviços de Consultoria em Comunicação, levando em conta

Leia mais

Capítulo 7 Selecionando clientes que interessam

Capítulo 7 Selecionando clientes que interessam Capítulo 7 Fortaleza, maio de 20 assunto delicado: escolher clientes que nos interessam atender, pois nem todos são rentáveis, pela receita que consomem [custo operacional], pois pode inviabilizar a realidade

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. PALESTRA:

Leia mais

Produtividade e investimento

Produtividade e investimento BOLETIM: Março/2016 Produtividade e investimento PESQUISA DE PRODUTIVIDADE SOBRE A EQUIPE TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL (FDC) COORDENAÇÃO TÉCNICA DA PESQUISA DE PRODUTIVIDADE: Hugo Ferreira Braga Tadeu

Leia mais

Mundo Infantil - Hering Kids e PUC Diretor das Marcas Hering Kids, PUC e Dzarm.

Mundo Infantil - Hering Kids e PUC Diretor das Marcas Hering Kids, PUC e Dzarm. Edson Edson Amaro Amaro Mundo Infantil - Hering Kids e PUC Diretor das Marcas Hering Kids, PUC e Dzarm. Estrutura Organizacional A nova estrutura busca alavancar crescimento das marcas Hering Kids, PUC

Leia mais

Microfiltro: Definições dos parâmetros aplicados

Microfiltro: Definições dos parâmetros aplicados Microfiltro: Definições dos parâmetros aplicados Tabela de Microfiltro PROJETO Produto ou serviço Demanda solvente de pessoal qualificado de tecnologia/ equipamento de matériaprima TOTAL Concorrentes (

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC. Aluno: REGINALDO VEZARO ANÁLISE DO AMBIENTE INTERNO E EXTERNO

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC. Aluno: REGINALDO VEZARO ANÁLISE DO AMBIENTE INTERNO E EXTERNO UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Aluno: REGINALDO VEZARO ANÁLISE DO AMBIENTE INTERNO E EXTERNO CAÇADOR 2007 INTRODUÇÃO Se a principal preocupação da administração estratégica está na tentativa de projetar

Leia mais

ASSESSORIA, CONSULTORIA E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA O UP DA START-UP

ASSESSORIA, CONSULTORIA E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA O UP DA START-UP ASSESSORIA, CONSULTORIA E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA O UP DA START-UP Temas Introdução a Inovação O que é Inovação? Quais os tipos de Inovação? Por que Inovar? Como Inovar? O ciclo

Leia mais

Administração de Marketing

Administração de Marketing Administração de Marketing Evolução do Marketing Marketing de relacionamento Estou feliz!! Estou Estressado!! Livro: Adm. de Marketing Kotler e Armstrong: EVOLUÇÃO DO MARKETING Era pré-industrial produção

Leia mais

Unidade 1 Aula 3 Profª. Mariana Cristina Silva. Economia e Mercado

Unidade 1 Aula 3 Profª. Mariana Cristina Silva. Economia e Mercado Unidade 1 Aula 3 Profª. Mariana Cristina Silva Economia e Mercado Conceitos Seja em nosso cotidiano, seja nos jornais, rádio e televisão, deparamo-nos com inúmeras questões econômicas, como: -Aumentos

Leia mais

Shopper Marketing: A Influência no Momento da Compra MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP.

Shopper Marketing: A Influência no Momento da Compra MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Shopper Marketing: A Influência no Momento da Compra MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Relacionamento: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a

Leia mais

Nível de Serviço. Definir o que é nível de serviço logístico. Apresentar algumas características e aspectos essenciais

Nível de Serviço. Definir o que é nível de serviço logístico. Apresentar algumas características e aspectos essenciais Nível de Serviço Me. Edvin Kalil Freitas Granville maio de 2010 OBJETIVOS Definir o que é nível de serviço logístico Apresentar algumas características e aspectos essenciais Verificar algumas formas e

Leia mais

XXI Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas e XIX Workshop ANPROTEC. Conhecimento em ação

XXI Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas e XIX Workshop ANPROTEC. Conhecimento em ação TERRITÓRIO E INOVAÇÃO: POR UMA POLÍTICA DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS DE DESIGN NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO XXI Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas e XIX Workshop ANPROTEC OUTUBRO

Leia mais

ATENDIMENTO. Item 2.4- Concorrência:

ATENDIMENTO. Item 2.4- Concorrência: ATENDIMENTO Item 2.4- Concorrência: ATENDIMENTO Item 2.4- Concorrência: Mercado composto por players (diversos atores que compõem as relações comerciais e disputam a atenção e a conquista dos consumidores);

Leia mais

Gestão de Microcervejarias. Dez / 2015

Gestão de Microcervejarias. Dez / 2015 Gestão de Microcervejarias Dez / 2015 O início... Uma microcervejaria é, antes de mais nada: Um exercício e um exemplo de empreendedorismo Um exercício de criatividade, de inovação A transformação de um

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Princípios de Sistemas de Informação São Paulo, 13 de Abril de 2011 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Apresentação do Aplicação

Leia mais

EA044 Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Lista de Exercícios 1 Prof. Paulo Valente

EA044 Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Lista de Exercícios 1 Prof. Paulo Valente EA044 Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Lista de Exercícios 1 Prof. Paulo Valente Problemas de Otimização Lineares Em alguns dos enunciados a seguir as variáveis de decisão podem assumir,

Leia mais

Definição de Marketing para o Século XXI

Definição de Marketing para o Século XXI Definição de Marketing para o Século XXI Objetivos da Gestão de Marketing: Criar ou identificar valor, produzindo inovações estratégicas em produtos, processos e modelagem de negócios, a partir de um profundo

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Encontro GIGCI Outubro, 2008 1 Grupo Gerdau 107 anos de existência Foco em siderurgia Mercado de capitais: Bovespa NYSE Latibex Toronto Brasil EUA Espanha Canadá Maior produtor de aços longos das Américas

Leia mais

As Práticas de Marketing nas Empresas

As Práticas de Marketing nas Empresas As Práticas de Marketing nas Empresas Pesquisa de Mercado, Treinamento de Vendas, Consultoria em Marketing - SMG-Share Marketing Group O consultor do SMG, Helder Haddad, em conjunto com pesquisadores do

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO GERENCIAL ANALISTA FGV EM MARKETING. www.strong.com.br

CURSO DE FORMAÇÃO GERENCIAL ANALISTA FGV EM MARKETING. www.strong.com.br CURSO DE FORMAÇÃO GERENCIAL ANALISTA FGV EM MARKETING ANALISTA FGV MARKETING 1 COORDENAÇÃO Coordenação Acadêmica: Prof Ricardo Franco Teixeira, Mestre 2 APRESENTAÇÃO O curso Analista capacita o profissional

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais na Era Digital

Sistemas de Informação Gerenciais na Era Digital Capítulo 1 Sistemas de Informação Gerenciais na Era Digital 1.1 2007 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerenciais O Papel dos Sistemas da Informação nos Negócios Atuais Como os Sistemas de Informação

Leia mais

MBA Gestão de Negócios Internacionais (Dupla Certificação Brasil / EUA) Telefone 0800.7183810 - Whatsapp (27)98833515

MBA Gestão de Negócios Internacionais (Dupla Certificação Brasil / EUA) Telefone 0800.7183810 - Whatsapp (27)98833515 MBA Gestão de Negócios Internacionais (Dupla Certificação Brasil / EUA) Telefone 0800.7183810 - Whatsapp (27)98833515 Apresentação do Professor Caio Rafael Peppe Caio Peppe é mestre em Administração de

Leia mais

Unidade IV. suporte tático da organização: permite uma resposta mais ágil e acertada no campo da estratégia da organização;

Unidade IV. suporte tático da organização: permite uma resposta mais ágil e acertada no campo da estratégia da organização; Unidade IV 7 VANTAGENS COMPETITIVAS ATRAVÉS DO USO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 7.1 Sistema de informação nos negócios Hoje os sistemas de informação auxiliam todos os níveis da organização, tomando por

Leia mais

Logística. Módulo 1. Agenda da Teleaula. Prof. José Valentin Iglesias Pascual. O Marketing na Logística e Análise dos Mercados

Logística. Módulo 1. Agenda da Teleaula. Prof. José Valentin Iglesias Pascual. O Marketing na Logística e Análise dos Mercados Logística Prof. José Valentin Iglesias Pascual O na Logística e Análise dos Mercados Módulo 1 Cadeia de Abastecimento Filosofia Matemática Aplicada O na Logística e Análise dos Mercados Agenda da Teleaula

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ANÁLISE DOS ESTUDOS... 3 3. CONCLUSÕES... 7. 2010 Teleco. 2 de 7

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ANÁLISE DOS ESTUDOS... 3 3. CONCLUSÕES... 7. 2010 Teleco. 2 de 7 27 de outubro de 2010 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ANÁLISE DOS ESTUDOS... 3 3. CONCLUSÕES... 7 2010 Teleco. 2 de 7 1. INTRODUÇÃO Vários estudos internacionais têm colocado o Brasil entre os países com

Leia mais

A DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS NO BRASIL

A DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS NO BRASIL A DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS NO BRASIL Perspectivas e Desafios 4º LUBGRAX Meeting agosto 2013 Quem é a ASSOCIQUIM? A Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos,

Leia mais

ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Brasília, Dezembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Baseado nas Normas Internacionais de Contabilidade IFRS,

Leia mais

AD SHOPPING, UMA FILOSOFIA DE TRABALHO QUE O TEMPO MOSTROU ESTAR CERTA

AD SHOPPING, UMA FILOSOFIA DE TRABALHO QUE O TEMPO MOSTROU ESTAR CERTA AD SHOPPING, UMA FILOSOFIA DE TRABALHO QUE O TEMPO MOSTROU ESTAR CERTA A AD SHOPPING, desde a sua fundação fez opção pela qualidade do seu trabalho e pelo desenvolvimento de soluções para otimização dos

Leia mais

Multicanalidade e Inovação Frederico Trajano Diretor Executivo de Operações

Multicanalidade e Inovação Frederico Trajano Diretor Executivo de Operações Multicanalidade e Inovação Frederico Trajano Diretor Executivo de Operações 2 Agenda Retrospectiva 2014 Perspectivas 2015 Oportunidade: Inovação 3 Agenda Retrospectiva 2014 Perspectivas 2015 Oportunidade:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO AULA 02

ADMINISTRAÇÃO AULA 02 AULA 02 FILIPE S. MARTINS ROTEIRO ORGANIZAÇÕES E ORGANIZAÇÕES : VISÃO PANORÂMICA PRODUÇÃO / MARKETING / PESQUISA E DESENVOLVIMENTO / FINANÇAS / RH PLANEJAMENTO / ORGANIZAÇÃO / LIDERANÇA / ECUÇÃO / CONTROLE

Leia mais

Empreendedorismo CAPÍTULO [13] UNIDADE I. Plano de Negócios: Plano Financeiro. www.demostenesfarias.wordpress.com

Empreendedorismo CAPÍTULO [13] UNIDADE I. Plano de Negócios: Plano Financeiro. www.demostenesfarias.wordpress.com Empreendedorismo Plano de Negócios: Plano Financeiro [13] UNIDADE I CAPÍTULO PLANO DE NEGÓCIOS - Dever de casa (1) Capa; SUMÁRIO EXECUTIVO: Enunciado do Projeto; Competência dos responsáveis; os produtos

Leia mais

Planejamento de Marketing MANUAL DO CURSO

Planejamento de Marketing MANUAL DO CURSO Planejamento de Marketing MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Relacionamento: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a sexta 9h às 20h45 Sábado 9h

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MARKETING

INTRODUÇÃO AO MARKETING INTRODUÇÃO AO MARKETING Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@fatecourinhos.edu.br Referência: KOTLER, Phillip. Administração de marketing. São Paulo: Atlas, 2010. Definição Marketing é a habilidade de

Leia mais

Definição do investimento inicial na criação de uma empresa

Definição do investimento inicial na criação de uma empresa Definição do investimento inicial na criação de uma empresa Prof. Marco Arbex Introdução O estudo da análise de investimentos nas empresas engloba uma série de decisões que envolvem longo prazo. Uma das

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ REITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ REITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ REITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2006 Programa: Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional & Agronegócio Área de

Leia mais

NAVEGG GUIDE. Otimizando a compra de search com Navegg

NAVEGG GUIDE. Otimizando a compra de search com Navegg NAVEGG GUIDE Otimizando a compra de search com Navegg INTRODUÇÃO A compra de palavras-chave em plataformas de search são um padrão de mercado para quem anuncia no meio digital e o seu modelo de compra

Leia mais

C Qual será a receita média mensal da edição de bolso nesse período de cinco anos? Resolução. A Edição de Bolso Edição Capa Dura

C Qual será a receita média mensal da edição de bolso nesse período de cinco anos? Resolução. A Edição de Bolso Edição Capa Dura 1 A Editora Século 22 pretende lançar no mercado, a partir de janeiro de 2014, duas edições do livro Fauna do Pantanal : uma edição de bolso e uma edição em capa dura. Um estudo feito pelo departamento

Leia mais

Concorrência entre credenciadoras vem levando à queda das taxas de cartões para lojistas, analisa Boanerges & Cia.

Concorrência entre credenciadoras vem levando à queda das taxas de cartões para lojistas, analisa Boanerges & Cia. INFORMATIVO PARA A IMPRENSA ML&A Comunicações Fernanda Elen fernanda@mla.com.br (11) 3811-2820 ramal 833 Concorrência entre credenciadoras vem levando à queda das taxas de cartões para lojistas, analisa

Leia mais

Metodologias de alinhamento PETI. Prof. Marlon Marcon

Metodologias de alinhamento PETI. Prof. Marlon Marcon Metodologias de alinhamento PETI Prof. Marlon Marcon Introdução O Alinhamento Estratégico tem por objetivo: alinhar os recursos organizacionais com as ameaças e as oportunidades do ambiente; Obter melhoria

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre movimentos de mercadorias em estoque.

Bem-vindo ao tópico sobre movimentos de mercadorias em estoque. Bem-vindo ao tópico sobre movimentos de mercadorias em estoque. Neste tópico, veremos como realizar a entrada e a saída de mercadorias e como movimentá-las entre estoques. Você aprenderá a criar recebimentos

Leia mais

Departamento comercial e marketing

Departamento comercial e marketing Departamento comercial e marketing Trabalho realizado: Cátia Nunes Nº6 12ºS Marketing Os profissionais do Marketing podem dividir-se em dois grupos, os que estão directamente ligados as empresas, isto

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA Centro de Educação do Planalto Norte CEPLAN. PLANO DE ENSINO Semestre 2016/2

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA Centro de Educação do Planalto Norte CEPLAN. PLANO DE ENSINO Semestre 2016/2 PLANO DE ENSINO Semestre 2016/2 DEPARTAMENTO: Tecnologia Industrial DISCIPLINA: Administração de Marketing SIGLA: 7MRK003 CARGA HORÁRIA TOTAL: 72h TEORIA: 72h PRÁTICA: -- CURSO: Engenharia de Produção

Leia mais

DESIGNER, ILUSTRADOR OU ARTISTA.

DESIGNER, ILUSTRADOR OU ARTISTA. DESIGNER, ILUSTRADOR OU ARTISTA. Caso você esteja recebendo esse documento por meio de um contato direto da nossa empresa, é sinal que admiramos seu trabalho e estamos interessados em fazer uma parceria.

Leia mais

ALGODÃO Período: 06 a 10/04/2015

ALGODÃO Período: 06 a 10/04/2015 ALGODÃO Período: 06 a 0/04/205 Quadro I- PREÇO PAGO AO PRODUTOR Algodão em Pluma - (em R$/unidade) Períodos anteriores () Centros de Produção Unid. 2 Meses Mês Semana Média do mercado () Semana Atual Preço

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MARKETING INDUSTRIAL (B2B)

ESTRATÉGIAS DE MARKETING INDUSTRIAL (B2B) ESTRATÉGIAS DE MARKETING INDUSTRIAL (B2B) Objetivos Apresentar conceitos e ferramentas de marketing com aplicação prática em negócios industriais (B2B), além de estimular a troca de experiências e desenvolver

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio em Marketing

Leia mais

Um Projeto de Sucesso!

Um Projeto de Sucesso! Um Projeto de Sucesso! IF66J/S71 Oficinas de Integração 3 Eng. Computação Profs. João A. Fabro e Heitor S. Lopes.-Slide 1/46 O que é um Projeto de Sucesso? IF66J/S71 Oficinas de Integração 3 Eng. Computação

Leia mais

Encontro com a TIM APIMEC DF. Brasília. 31 de Maio de 2016

Encontro com a TIM APIMEC DF. Brasília. 31 de Maio de 2016 Encontro com a TIM APIMEC DF Brasília 31 de Maio de 2016 Quem é a TIM? 18 a maior empresa privada do Brasil (Revista Exame - 2015) Em operação desde 1998 R$16 bilhões em valor de mercado 1ª posição no

Leia mais

O Mercado da Distribuição de Material de Construção: Números e Reflexões.

O Mercado da Distribuição de Material de Construção: Números e Reflexões. O Mercado da Distribuição de Material de Construção: Números e Reflexões. FÓRUM ESTRATÉGICO ABAD MATCON Momento do Setor 03 O Canal de Distribuição 07 Indicadores: Atacados e Distribuidores da Rede Matcon

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre conceitos de determinação de preços.

Bem-vindo ao tópico sobre conceitos de determinação de preços. Bem-vindo ao tópico sobre conceitos de determinação de preços. Neste tópico, explicaremos como a determinação de preços é administrada no SAP Business One. Examinaremos tipos de preço que podem ser configurados

Leia mais

Jornada do CFO 2015 A caminho da transparência

Jornada do CFO 2015 A caminho da transparência Jornada do CFO 2015 A caminho da transparência Camila Araújo, sócia de Gestão de Riscos Empresariais e responsável do Centro de Governança Corporativa da Deloitte A pauta da ética e da transparência nunca

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1 Sumário Executivo... 4 1.1 Resumo dos Principais Pontos do Plano de Negócio... 4 2 Dados do Empreendimento... 4 2.1 Constituição Legal da Empresa... 4 2.2 Setor de

Leia mais

MANUSEIO E ACONDICIONAMENTO DE PRODUTOS

MANUSEIO E ACONDICIONAMENTO DE PRODUTOS MANUSEIO E ACONDICIONAMENTO DE PRODUTOS SUMÁRIO 1. Introdução 2. Manuseio de Materiais 3. Projeto de Armazenagem 4. Arranjos Físicos nos Depósitos 5. Embalagem de Produtos 6. Conclusão INTRODUÇÃO - Sozinho,

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação CÁLCULO DOS CUSTOS E DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO DE UM CURSO SUPERIOR DE PIRACICABA/SP

7º Simpósio de Ensino de Graduação CÁLCULO DOS CUSTOS E DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO DE UM CURSO SUPERIOR DE PIRACICABA/SP 7º Simpósio de Ensino de Graduação CÁLCULO DOS CUSTOS E DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO DE UM CURSO SUPERIOR DE PIRACICABA/SP Autor(es) LUCAS CERQUEIRA LAZIER Orientador(es) ANTÔNIO CARLOS COPATTO 1. Introdução

Leia mais

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Microeconomia x Macroeconomia Objetivos Teoria Microeconômica: Preserva em sua análise as características individuais de cada bem e cada fator de produção.

Leia mais

Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições

Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições Política de Negócios e Empreendedorismo Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS. Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil A percepção das empresas contratantes de transporte

Brochura - Panorama ILOS. Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil A percepção das empresas contratantes de transporte Brochura - Panorama ILOS Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil A percepção das empresas contratantes de transporte 2016 Apresentação A atividade de transporte representa mais da metade dos gastos das

Leia mais

Todo Campo de Estudo Tem a Sua Terminologia. 2. Pensando como um Economista. Todo Campo de Estudo Tem a Sua Terminologia

Todo Campo de Estudo Tem a Sua Terminologia. 2. Pensando como um Economista. Todo Campo de Estudo Tem a Sua Terminologia 2. Pensando como um Economista Todo Campo de Estudo Tem a Sua Terminologia Matemática Axiomas, integral, espaço vetorial, etc.. Psicologia Ego, id, cognitivo, etc... Advocacia Intimação, habeas corpus,

Leia mais

Profa. Daciane de Oliveira Silva. FONTE: Adm. de pequenas Empresas LONGENECKER, Justin et. al MBA em Gestão Estratégica de Negócios-FACCEBA

Profa. Daciane de Oliveira Silva. FONTE: Adm. de pequenas Empresas LONGENECKER, Justin et. al MBA em Gestão Estratégica de Negócios-FACCEBA Profa. Daciane de Oliveira Silva FONTE: Adm. de pequenas Empresas LONGENECKER, Justin et. al MBA em Gestão Estratégica de Negócios-FACCEBA Relação entre faturamento X volume de vendas SITUAÇÃO A Qtde vendida

Leia mais

Sumário PARTE I INTRODUÇÃO 1 PARTE II FERRAMENTAS ANALÍTICAS 41. Capítulo 1 O que é economia ambiental? 2

Sumário PARTE I INTRODUÇÃO 1 PARTE II FERRAMENTAS ANALÍTICAS 41. Capítulo 1 O que é economia ambiental? 2 PARTE I INTRODUÇÃO 1 Capítulo 1 O que é economia ambiental? 2 Análise econômica 2 A importância dos incentivos 4 Incentivos: um exemplo residencial 5 Incentivos e o aquecimento global 7 A criação de políticas

Leia mais

PROVAS DISCURSIVAS P 3 (questões) e P 4 (parecer) RASCUNHO QUESTÃO 1

PROVAS DISCURSIVAS P 3 (questões) e P 4 (parecer) RASCUNHO QUESTÃO 1 PROVAS DISCURSIVAS P (questões) e P (parecer) Nestas provas, faça o que se pede, usando, caso deseje, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO

Leia mais

CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS3/CS4. Prof. Breno Brito. Apostila 3 O DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO

CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS3/CS4. Prof. Breno Brito. Apostila 3 O DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS3/CS4 DESENVOLVIMENTO DE CAMPANHA Apostila 3 O DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO SETEMBRO 2008 O DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO O Departamento de Planejamento

Leia mais

IMPUGNAÇÃO 1 PREGÃO 09/2016

IMPUGNAÇÃO 1 PREGÃO 09/2016 MEC Ministério da Educação Uasg 150002 IMPUGNAÇÃO 1 PREGÃO 09/2016 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 09/2016 Processo nº 23000.004587/2016-05 Trata-se de peça impugnatória impetrada por empresa interessada em participar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2012 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

alocação de custo têm que ser feita de maneira estimada e muitas vezes arbitrária (como o aluguel, a supervisão, as chefias, etc.

alocação de custo têm que ser feita de maneira estimada e muitas vezes arbitrária (como o aluguel, a supervisão, as chefias, etc. Professor José Alves Aula pocii Aula 3,4 Custeio por Absorção Custeio significa apropriação de custos. Métodos de Custeio é a forma como são apropriados os custos aos produtos. Assim, existe Custeio por

Leia mais

Fundamentos de Marketing

Fundamentos de Marketing Fundamentos de Marketing Segmentação de Mercado- dividir o mercado, agrupar os clientes que tenham características semelhantes, possibilitando a definição da necessidade de cada público- alvo. As pessoas

Leia mais

Artigo COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

Artigo COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Artigo COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. Ser líder de mercado amanhã, significa fazer alguma coisa hoje. Maximilian Immo Orm Gorissen Há algum tempo, o Presidente de uma empresa desabafou

Leia mais

Polpa e Suco de Frutas

Polpa e Suco de Frutas Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria de Alimentos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Iniciando um

Leia mais

e ao Introdução ao BPM Guia BPM CBOK Instrutor: Eduardo Oliveira Slide XII Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas

e ao Introdução ao BPM Guia BPM CBOK Instrutor: Eduardo Oliveira Slide XII Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas Introdução ao BPM e ao Guia BPM CBOK Instrutor: Eduardo Oliveira 1. Conceitos básicos 1.1. Processos É um fluxo coordenado e padronizado de atividades executadas por pessoas ou máquinas, as quais podem

Leia mais

Repasse dos Ganhos de Produtividade. Experiência da ANEEL

Repasse dos Ganhos de Produtividade. Experiência da ANEEL Repasse dos Ganhos de Produtividade Experiência da ANEEL DAVI ANTUNES LIMA SUPERINTENDENTE DE REGULAÇÃO ECONÔMICA DA ANEEL 21 de março de 2013 Brasília DF Tópicos Breve Histórico e Legislação Regulação

Leia mais

Trata-se do processo de gestão, organização e orientação da equipe do projeto;

Trata-se do processo de gestão, organização e orientação da equipe do projeto; Aula 19 1 2 Trata-se do processo de gestão, organização e orientação da equipe do projeto; A equipe do projeto refere-se às pessoas com papéis e responsabilidades para completar o projeto; É importante

Leia mais

Certificação da Qualidade e da Inovação. Ana Oliveira Preto

Certificação da Qualidade e da Inovação. Ana Oliveira Preto Certificação da Qualidade e da Inovação Ana Oliveira Preto Tópicos Breve apresentação da APCER A norma ISO 9001 A norma NP 4457 Certificação Apresentação APCER A APCER posiciona-se como parceiro global

Leia mais

PRIMEIRO SEMINÁRIO DE MARCAS DO SUL DO BRASIL. GERANDO VALOR PARA SUA EMPRESA

PRIMEIRO SEMINÁRIO DE MARCAS DO SUL DO BRASIL. GERANDO VALOR PARA SUA EMPRESA PRIMEIRO SEMINÁRIO DE MARCAS DO SUL DO BRASIL. GERANDO VALOR PARA SUA EMPRESA Gerindo Marcas com Base no Valor Marca: Gestão Baseada no Valor Maximização do Valor Econômico da Marca Gestão Baseada em Valor

Leia mais

THE BLACK BOOK OF FASHION

THE BLACK BOOK OF FASHION RESUMO EXECUTIVO Este relatório apresenta, de forma sucinta, alguns aspectos competitivos que são abordados no recém lançado livro THE BLACK BOOK OF FASHION Como ganhar Dinheiro com Moda, que foi escrito

Leia mais

Metodologias de Apoio ao Planejamento Estratégico

Metodologias de Apoio ao Planejamento Estratégico Metodologias de Apoio ao Planejamento Estratégico Análise Ambiental Análise Ambiental : Matriz SWOT A sigla SWOT Strenghts (forças), Weaknesses (fraquezas), Opportunities (oportunidades) e Threats (ameaças)

Leia mais

Higiene Oral - Brasil - Maio 2014. COMPRE ESTE Relatório agora

Higiene Oral - Brasil - Maio 2014. COMPRE ESTE Relatório agora Os segmentos de creme e escova dental possuem alta penetração e frequência de uso na população, mas há oportunidades para desenvolver mais benefícios específicos (como adição de vitaminas, mais proteção,

Leia mais