ISSN Volume 09 Número

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISSN 1983-4209 Volume 09 Número 04 2013"

Transcrição

1 SÍNTESE DE NANOPRATA VIA QUÍMICA VERDE UTILIZANDO A FOLHA DO GERGELIM (Sesamum indicum) COMO AGENTE COMPLEXANTE E CARACTERIZAÇÃO POR TAMANHO DE PARTÍCULA Bruna da Silveira Guimarães 1, João Paulo Saraiva Morais 2, Francisco Rubens Macedo de Queiroz 3, Julyanna Damasceno Pessoa 4, José Theódulo Fernandes Neto 5, Robson Rogaciano Fernandes da Silva 6 RESUMO - O gergelim (Sesamum indicum) é uma das mais importantes oleaginosas quanto aos seus usos alimentares e industriais, tanto no mercado nacional como no internacional. A pesquisa foi realizada na EMBRAPA Algodão na cidade de Campina Grande, Paraíba, Brasil no período entre fevereiro e julho de A metodologia aplicada foi baseada na preconizada por Tripathy et al., (2010) para a preparação das nanopartículas de prata, utilizando a folha do gergelim como agente complexante. Na conclusão verificouse que existe uma correlação entre o tempo de maturação ao longo do ciclo de vida das folhas de gergelim e a quantidade de partículas de prata em escala nano que foram obtidas. A partir dos resultados apresentados verificou-se, para o tamanho das partículas, que o período em que se obteve uma maior distribuição de freqüência da quantidade de partículas em escala nano foi entre 35 e 70 dias, que corresponde à fase de floração da planta. Como diferencial neste trabalho foi observada a ação complexante da folha do gergelim devido à presença de componentes carboxílicos e hidroxílicos na sua composição; que na área da nanotecnologia a chamada química verde e se revela como uma alternativa viável para a produção de nanopartículas de prata. Estas podem atuar como agente anti microbiano, sendo aplicada na área da saúde no tratamento de doenças, incorporando a tecidos utilizados em pacientes queimados, entre outros. Unitermos: Oleaginosa, Nanotecnologia, Metal Prata, Antimicrobiano. ABSTRACT: Sesame (Sesamum indicum) is one of the most important oilseed about their food and industrial uses, both in domestic and international level. The research was performed at EMBRAPA Algodão in Campina Grande, Paraíba, Brazil in the period between February and July The methodology used was based on the recommended by Tripathy et al. (2010) for the preparation of silver nanoparticles, using as complexing agent sesame leaf. In conclusion it was found that there is a correlation between the aging time during the life cycle of sesame leaves and the amount of silver particles in the nanoscale that were obtained. From the results presented it was found for the particle size, the period in which the obtained frequency distribution greater the amount of nano-scale particles is between 35 and 70 days, which corresponds to the flowering of the plant. As this work was observed differential action complexing sesame leaf due to the presence of carboxyl and hydroxyl components in its composition, which in the area of nanotechnology called "green chemistry" and reveals itself as a viable alternative for the production of silver nanoparticles. They may act as anti microbial agent being applied in 1 Engenheira Química pela Universidade Federal de Campina Grande 2 Mestre em Bioquímica pela Universidade Federal do Ceará 3 Doutorando em Engenharia Química pela Universidade Federal de Campina Grande 4 Mestranda em Engenharia Química pela Universidade Federal de Campina Grande 5 Doutorando em Engenharia Química pela Universidade Federal de Campina Grande 6 Mestrando em Engenharia Química pela Universidade Federal de Campina Grande

2 health care in the treatment of diseases, incorporating fabrics used on burn patients, among others. Uniterms: Oilseed, Nanotechnology, Metal silver, Anti-microbial. INTRODUÇÃO De acordo com Bezerra et al. (2010) as sementes do gergelim possuem quantidades de óleo entre 50 e 60% e 25% de antioxidantes. Entre outras aplicações o óleo tem sido utilizado como ingrediente para anti-sépticos e bactericidas, além de ter o seu valor na indústria farmacêutica. Sendo comestível, o mesmo tem importante papel no ramo alimentício, especialmente na panificação e ração animal. Na sua composição é fonte de cálcio, triptofano, metionina, minerais e ácidos graxos, sendo sua composição dependente da cultivar. Além dos constituintes citados, foi observado por Citil et al. (2011) que o óleo de gergelim contém cerca de 42% de ácido oléico (18:1), 41% de ácido linoléico (18:2), 10% de ácido palmítico (16:0), 1% de ácido linolênico (18:3) e 6% de outros tipos de ácidos graxos. O teor de tais ácidos é dependente de fatores tais como fisiológicos, ecológicos e culturais. Ácidos graxos insaturados são mais comumente encontrados em cultivares de regiões temperadas do que em regiões tropicais. Além dos fatores citados fatores genótipos também influenciam na concentração de ácidos graxos, por isso para cada genótipo tem-se uma diferente concentração de ácidos graxos. Uma das características relevantes da planta é a propriedade que a folha da mesma pode desempenhar, funcionando como agente complexante para íons metálicos, tais como a prata. A reação de complexação se dá basicamente quando um íon simples é transformado em um íon complexo. Os íons metálicos reagem com doadores de pares de elétrons para, assim, formar o complexo ou composto de coordenação. Para que a ligação seja bem sucedida, o ligante, ou seja, a espécie que tem a capacidade de doar elétrons tem de possuir no mínimo um par de elétrons desemparelhados livres. O ligante que tiver apenas um grupo doador de elétrons é chamado de unidentado; já os que possuem dois grupos disponíveis a se ligarem por ligações covalentes são chamados de bidentados. Já se tem o conhecimento de compostos tridentados, tetradentados, pentadentados e hexadentados. Os ligantes são seletivos quanto aos íons metálicos para a formação do complexo em se tratando da estabilidade dos mesmos. Desse modo, a reação ocorre quando acontece a substituição de moléculas do solvente, que estão ligadas ao íon por outros grupos ligantes. Com relação ao gergelim, o fenômeno de formação de complexos, especificadamente os quelantes, é explicado pela propriedade que os compostos orgânicos têm de envolver um elemento metálico, tornando-o pinçado, seqüestrado ou quelado. O termo quelado vem do grego chele, em inglês chela e em português quela, significando a garra ou pinça dos artrópodes (Skoog et al., 2007). Aliando os conhecimentos relativos à química verde, com relação à planta do gergelim e à nanotecnologia é importante ressaltar que as nanopartículas de prata (nanoprata) possuem relevantes propriedades antibacterianas, já que tais partículas podem facilmente penetrar no interior de células dos microrganismos, inibindo a atividade de algumas enzimas. As áreas em que se pode aplicar a tecnologia da nanoprata são inúmeras. Dentre elas podem-se destacar o tratamento têxtil, médico e de drogas. Tais partículas também podem ser utilizadas na conservação de alimentos por plásticos filme, com atividade antimicrobiana para a embalagem de materiais entre outras aplicações (Khaydarov et al., 2009; Li et al., 2011) citam também aplicações nos ramos da catálise, Engenharia Têxtil, Biotecnologia e Bioengenharia, tratamento de água e eletrônica.

3 Diante disso, desenvolver pesquisas fazendo uso da nanobiotecnologia, utilizando aspectos da nanotecnologia, é um ramo da ciência que merece destaque nos dias atuais, haja vista a busca por conhecimento e novas descobertas ser um dos objetivos principais do homem no atual contexto da sociedade. Dessa forma, a presente pesquisa se insere, seja como processo de aprendizagem, seja como contribuição para ciência. O presente trabalho apresenta uma pesquisa, que consistiu em observar as propriedades complexantes da folhas do gergelim (Sesamum indicum L.) sobre o metal pesado prata (obtido do sal de nitrato de prata, padrão analítico). A obtenção do material consistiu na preparação das nanopartículas de prata a partir de extratos das folhas do gergelim colhidas em intervalos regulares de sete dias desde a primeira semana após a germinação das plantas até a senescência das mesmas. Para avaliar a eficiência do processo realizado foram feitas análises das nanopartículas na dispersão, por meio da distribuição do tamanho das partículas. Tal parâmetro determina se o material gerado está realmente em escala nano, o que lhe confere uma grande área superficial e abre possibilidade de melhor efeito antimicrobiano. Outro parâmetro que foi considerado trata-se do tempo de vida da planta, analisando se o mesmo influencia na quantidade de partículas em escala nanométrica que foram produzidas e qual o período do ciclo de vida que se mostra mais favorável para a obtenção de nanopartículas de prata em maior frequência. O diferencial deste trabalho se comparado a outros da área é que nestes foram analisados fatores tais como ph, concentração do extrato da planta, temperatura, relação de mistura do extrato da folha com solução de nitrato de prata, entre outros, mas nada se menciona sobre como o tempo do ciclo de vida de plantas pode afetar a formação de nanopartículas [por exemplo, extratos da folha de nin (Azadirachta indica), Pimentão (Capsicum annuum L.) e folhas de eucalipto (Eucalyptus hybrida)], enquanto que nesta pesquisa a formação de nanopartículas é relacionada ao tempo de maturidade do ciclo de vida das folhas de gergelim, tornando-a, assim inovadora. Como objetivo geral da pesquisa pode-se destacar o desenvolvimento estudo teórico-prático a fim de produzir nanopartículas de prata a partir do extrato das folhas do gergelim (Sesamum indicum L.) em diversos graus de maturação dessas. Os objetivos específicos são a avaliação da distribuição do tamanho de partículas das suspensões produzidas, verificando se existe a possibilidade de correlação entre o tempo de maturação do ciclo de vida das folhas do gergelim e o diâmetro das nanopartículas de prata e qual o período do ciclo de vida da planta em que se pode obter partículas de prata em escala nanométrica em maior quantidade. MATERIAIS E MÉTODOS O desenvolvimento metodológico das atividades realizadas está apresentado em duas etapas sequenciais: obtenção do material vegetal e preparo das nanopartículas de prata. As duas etapas foram desenvolvidas nas dependências do Laboratório Avançado de Tecnologia Química (LATECQ), na EMBRAPA Algodão, localizado na cidade de Campina Grande, Estado da Paraíba, Brasil, no período de fevereiro a julho de Na primeira etapa foram utilizadas folhas de gergelim cultivar Seda, sete dias de idade, após a germinação, devido ao fato de ser o tempo hábil para realização do primeiro desbaste da planta. O gergelim foi plantado por funcionário da EMBRAPA Algodão PB na vitrine ecológica da unidade. Foram realizadas colheitas de folhas a intervalos de sete dias, desde o primeiro mês após a germinação até a senescência das plantas (aproximadamente 90 dias). A Figura 1 apresenta a planta com poucos dias de idade ainda na planta para serem recolhidas.

4 Figura 1 Planta com 30 dias de idade O preparo das nanopartículas de prata foi baseado em metodologia preconizada por Tripathy et al., (2010). Em que o princípio consistiu no recorte e pesagem das folhas de gergelim em balança semi-analítica até o valor de 10 g de folha e depois foram lavadas com água destilada. Após a pesagem as folhas foram trituradas em um liquidificador comum, juntamente com 100 ml de água deionizada. Em seguida, o suco foi filtrado em peneira simples, com orifícios de 1 mm 2 de área, obtendo-se cerca de 90 ml de suco. Após o mesmo foi submetido a aquecimento, a uma temperatura de aproximadamente 1000ºC, e agitação até a fervura e depois de fervido, o suco foi retirado da fonte de calor até resfriar à temperatura ambiente. O preparo do suco, assim como seu aquecimento objetivaram o aumento da velocidade da reação de redução dos íons Ag+ para a prata elementar (Ag 0 ), além de, pelo fato do aquecimento das proteínas do extrato maximizar a propriedade complexante do mesmo. Paralelamente, em um erlenmeyer foram adicionados 15 ml de solução de nitrato de prata (AgNO 3 ) 0,01 M (previamente padronizado), que foi submetido à agitação magnética, para facilitar a reação de complexação da prata. À solução de AgNO 3 0,01 M foram adicionados 15 ml do extrato da folha do gergelim, gota a gota, para que desse modo sempre houvesse excesso de íons de prata, facilitando a complexação através das proteínas e propiciando melhores condições para a reação de complexação. Depois os 30 ml do material em suspensão foram agitados em mesa agitadora durante 4 horas, a uma velocidade de 120 rotações por minuto (rpm), objetivando-se ter uma maior certeza de que toda a prata metálica formada fosse complexada. Tudo isso foi realizado à temperatura ambiente, tal como na adição do extrato à solução de nitrato de prata. Depois da solução ser agitada, foi observado na mesma uma mudança na sua coloração original para a cor marrom, indicando a formação de íons Ag 0, tal como mostrado na Figura 2. Figura 2 Suspensão com nova coloração após agitação.

5 As partículas de prata obtidas foram separadas do sobrenadante através de centrifugação em Centrifuga Marca Sigma (Figura 3), durante 20 minutos a rpm, de acordo com a metodologia de Tripathy et al, (2009), em que foi baseada o experimento. Figura 3 Amostra sofrendo centrifugação. A análise das emulsões foi feita utilizando o analisador de tamanho de partículas Zetasizer NanoZS 3000, (Malvern Instruments, UK). Objetivando-se obter a faixa de tamanho das nanopartículas de prata na emulsão do extrato das folhas de gergelim, bem como sua distribuição de tamanho. Tais análises foram repetidas cinco vezes, com três replicatas, com o objetivo de aumentar a confiabilidade estatística dos dados. A Figura 4 mostra o equipamento em que foram as mesmas foram realizadas. O tamanho de partículas foi realizado diluindo-se as amostras na proporção de 1:100 (v/v) com água deionizada em microtubos. Os materiais diluídos foram mantidos em repouso por 24 horas, à temperatura ambiente, e posteriormente recolheram-se alíquotas do sobrenadante para a realização das análises. Figura 4 Equipamento para análise de tamanho de partícula. RESULTADOS E DISCUSSÃO No tratamento dos dados obtidos foi utilizado o delineamento inteiramente casualizado. Para a análise do tamanho de partículas, foram realizadas 3 repetições triplicata. O comportamento das nanopartículas ao longo do tempo foi analisado por regressão linear no programa Curve Expert 1.4, e também foi utilizado o Excel da Microsoft Os dados são expressos em porcentagem de volume ao longo de uma faixa de diâmetro de 0,4 a 8635 nm, configurando a escala nano (0 100 nm), sub-micro ( nm) e micro ( nm).

6 A seguir a Tabela 1 apresenta as médias dos diâmetros das partículas de prata, obtidas, de acordo com o estágio de maturação das folhas do gergelim, com sete dias sendo o número mínimo de dias e 91 dias o número máximo. Tabela 1 Médias dos diâmetros das nanopartículas de prata no extrato das folhas de gergelim de acordo com o número de dias de maturação das folhas. Dias Diâmetro médio (nm) 7 147, , , , , , , , , , , ,69 Abaixo, na Figura 5 é mostrado o diâmetro das partículas em função do tempo, ao longo de todo o ciclo de vida da planta. Figura 5 Diâmetro das partículas ao longo do ciclo de vida da planta. Nota-se claramente nesse gráfico que há um ponto de inflexão aos 35 dias (data da floração), mostrando que há uma mudança bioquímica nas folhas da planta. A figura 6 apresenta o gráfico da correlação linear entre a variável preditora (idade de maturação da folha do gergelim) e a variável dependente (tamanho do diâmetro médio das nanopartículas), compreendendo o intervalo do sétimo dia até o 35º.

7 Figura 6 Correlação linear entre o estágio de maturação das folhas de gergelim e o diâmetro das partículas medidas por meio do Potencial zeta. Já a Figura 7 apresenta o gráfico da correlação quadrática entre a variável preditora (idade de maturação da folha do gergelim) e a variável dependente (tamanho do diâmetro médio das nanopartículas), compreendendo o intervalo do 35 0 até o 70 0 dia. Figura 7 Gráfico da correlação quadrática entre o estágio de maturação das folhas de gergelim e o diâmetro das partículas. Analisando a Tabela 1 e as Figuras 6 e 7 observa-se que ao longo do tempo há um decrescimento no diâmetro médio das partículas, entre os dias sete e 35. Dos dias 35 ao 70 é notado que o tamanho das partículas aumenta até por volta do dia 55 e depois começa a diminuir. A partir de 70 0 dia o diâmetro médio das partículas dá uma salto para 557,47 nm. Isso se deve ao fato de que a planta nesse período já está na fase da maturação, indicando que tal período não é propício para a formação de partículas em escala nanométrica. A Tabela 2 apresenta a distribuição percentual de frequência das partículas com relação à faixa de tamanho (nano, sub-micro ou micro) com relação à variável tempo de maturidade.

8 Tabela 2 Distribuição de frequências da porcentagem dos diâmetros das nanopartículas de prata nas faixas de tamanho nano, sub-micro e micro, obtidas a partir do extrato das folhas de gergelim de acordo com o número de dias de maturação das folhas. Dias Porcentagem de partículas em escala nanométrica (%) Porcentagem de partículas em escala sub-micro (%) Porcentagem de partículas em escala micrométrica (%) 7 36,42 60,93 2, ,17 69,91 0, ,43 34,96 0, ,9 29,02 0, ,03 2,99 2, ,8 3,45 5, ,64 21,51 25, ,39 14,16 6, ,91 11,74 15, ,21 10,92 10, ,41 10,31 66, ,89 13,21 41,89 Também foi plotado o gráfico da porcentagem de partículas versus a quantidade de dias em escala nano. O modelo que melhor se ajustou aos dados foi o Modelo Gaussiano, mostrado na Figura 8. Figura 8 Porcentagem do diâmetro das nanopartículas versus o tempo em dias. A figura 8 mostra que o período em que se teve uma maior distribuição de freqüência da quantidade de partículas em escala nano foi entre 35 e 70 dias, ou seja, há uma maior população de nanopartícula neste período. Levando-se em conta que o período de floração começa por volta do dia 35, tal período revela ser o melhor para a produção de uma maior quantidade de partículas de prata em escala nanométrica. A partir de 70 dias se dá início à fase de maturação e começa a cair a quantidade de partículas em escala nano, e

9 aumentando nas escalas sub-micro e micro, tal como mostrado nas Figuras 9 e 10. Figura 9 Porcentagem do diâmetro das partículas versus o tempo em dias (em escala sub-micro). Figura 10 Porcentagem do diâmetro das nanopartículas versus o tempo em dias (em escala micro). A curva da distribuição da faixa submicro segue uma distribuição do tipo MMF (Multiple Media Factor). A faixa micro segue uma equação do tipo exponencial, mostrando um aumento no quatidade de partículas em escala micro. A figura 10 mostra que nos primeiros dias em que a planta foi colhida a quantidade de partículas em escala sub-micro foi grande e ao longo do tempo a porcentagem de partículas em escala sub-micro vai diminuindo. Revela também que ao final do ciclo de vida da planta a população das partículas fica praticamente constante. A figura 11 mostra que nos primeiros dias do ciclo de vida do gergelim a freqüência de partículas em escala micro é baixa, mostrando que poucas partículas estão compreendidas nessa faixa de tamanho. Ao passar do tempo a porcentagem de partículas vai aumentando exponencialmente. Isso ratifica que o melhor período para um maior número de partículas em escala nano é realmente entre os dias 35 e 70. CONCLUSÃO Após a produção das nanopartículas de prata, ao longo do ciclo de vida da planta do gergelim, observou-se que o tempo é um fator preponderante, revelando que, no caso do

10 gergelim na variedade Seda a fase de floração é o período mais propício para que se tenha uma quantidade máxima de partículas de prata em escala nanométrica. As suspensões de partículas de prata que apresentaram melhores resultados com relação ao diâmetro em nanoescala foram aquelas obtidas a partir do extrato das folhas de gergelim entre o 35 0 e 70 0 dias. Como sugestão para trabalhos posteriores tem-se a aplicação das nanopartículas sintetizadas em tecidos utilizados no tratamento queimados, por exemplo, o que diminuiria o risco de infecções nos pacientes, já que exploraria a propriedade antimicrobiana da prata. Com a utilização da folha do gergelim como agente complexante, as nanopartículas não seriam tão facilmente perdidas na lavagem dos tecidos utilizados, se comparados com a lavagem de tais materiais com partículas livres dos agentes complexantes. REFERÊNCIAS Bezerra, S.A.; Neto, J.D.; Azevedo, C.A.V.de; Silva, M.B.R.; Silva, M.M.da (2010). Produção do Gergelim Cultivado sob Condições de Estresse Hídrico e Diferentes Doses de Adubação, Brasil. Engenharia Ambiental-Espírito Santo do Pinhal, v.7, n.3, p Citil, O.B.; Tulukcu, E.; Kocak, A. (2011). A Comparative Study Of The Fatty-Acid Composition Of Sesamum Indicum Oil Obtained From Different Provinces In Turkey. Chemistry of Natural Compounds, v.47, n.1, p Khaydarov, R.R.; Khaydarov, R.A.; Estrin, Y.; Evgrafova, S.; Endres, C.; Scheper, T.; CHO, S.Y. (2009). Silver Nanoparticles - Environmental and Human Health Impacts. Nanomaterials: Risks and Benefits, p Li, X.; Zhang, M.; Duan, X.; Mujumdar, A.S. (2011). Effect of Nano-Silver Coating on Microbial Control of Microwave-Freeze Combined Dried Sea Cucumber. International Agrophysics, v.25, p Skoog; West; Holler; Crouch (2007). In: Fundamentos de Química Analítica - Reações e Titulações de Complexação. 8. ed. USA: Editora Thomson. p Tripathy, A.; Raichur, A.M.; Chandrasekaran, N.; Prathna, T.C.; Mukherjee, A. (2010). Process Variables in Biomimetic Synthesis of Silver Nanoparticles by Aqueous Extract of Azadirachta Indica (Neem) Leaves. Journal of Nanoparticle Research, v.12, n.1, p

Unitermos: Gergelim, Nanotecnologia, Carga elétrica, Anti-microbiano.

Unitermos: Gergelim, Nanotecnologia, Carga elétrica, Anti-microbiano. SÍNTESE DE NANOPRATA VIA QUÍMICA VERDE E CARACTERIZAÇÃO POR POTENCIAL ZETA Bruna da Silveira Guimarães 1, João Paulo Saraiva Morais 2, Deydeby Illan Santos Pereira 3, Julyanna Damasceno Pessoa 4, José

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2139

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2139 Página 2139 QUIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) ARMAZENADAS 1 Givanildo Zildo da Silva¹; Joel Martins Braga Júnior¹; Riselane de Alcântara Bruno¹; Cibele dos Santos Ferrari¹;

Leia mais

UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM)

UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM) UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM) 1-Leia o texto a seguir. Com o passar do tempo, objetos de prata escurecem e perdem seu brilho em decorrência da oxidação desse metalpelo seu contato com oxigênio e

Leia mais

Lista de Exercícios Fundamentos de Análise Volumétrica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

Lista de Exercícios Fundamentos de Análise Volumétrica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 Quantos mililitros de ácido nítrico 0,125 M são necessários para titular 1,30 g de hidróxido de bário? MASSAS

Leia mais

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução Química QUESTÃO 1 Um recipiente contém 100 ml de uma solução aquosa de H SO 4 de concentração 0,1 mol/l. Duas placas de platina são inseridas na solução e conectadas a um LED (diodo emissor de luz) e a

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii)

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 09 Síntese do cloreto

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS.

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. Lorena Brito Miranda 1 ; Glêndara Aparecida de Souza Martins 2 ; Warley Gramacho da Silva 3 1 Aluno

Leia mais

Palavras-chave: Beterraba, Betalaínas, Atividade antioxidante.

Palavras-chave: Beterraba, Betalaínas, Atividade antioxidante. Cultivando o Saber 195 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 Avaliação do potencial antioxidante do extrato obtido a partir da beterraba

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM EQUIPAMENTO ITINERANTE PARA DESCASCAMENTO DE FRUTOS DE MAMONA DA CULTIVAR BRS PARAGUAÇU

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM EQUIPAMENTO ITINERANTE PARA DESCASCAMENTO DE FRUTOS DE MAMONA DA CULTIVAR BRS PARAGUAÇU AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM EQUIPAMENTO ITINERANTE PARA DESCASCAMENTO DE FRUTOS DE MAMONA DA CULTIVAR BRS PARAGUAÇU Gedeão Rodrigues de Lima Neto¹, Franklin Magnum de Oliveira Silva¹, Odilon

Leia mais

Lista de Exercícios Introdução à Espectrometria ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

Lista de Exercícios Introdução à Espectrometria ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 a) Qual o valor de absorvância que corresponde a 45,0% T? (Resp: 0,347). b) Se uma solução 0,0100 M tem, em

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE)

EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE) Jéssica

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 11 DE MARÇO DE 2009

GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 11 DE MARÇO DE 2009 GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 11 DE MARÇO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso

Leia mais

Lista de Exercícios Espectrometria de Absorção Molecular ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

Lista de Exercícios Espectrometria de Absorção Molecular ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 Um estudante dissolveu devidamente, 0,519 g de amostra e diluiu para 50,0 ml. Em seguida, tratou uma alíquota

Leia mais

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA Parte I Produção do óxido de cobre Ponto de Partida 1- Preparar uma amostra de 300 mg de cobre a partir de um fio de cobre ou de uma folha de cobre. 2- Colocar a

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Câmpus Regional de Goioerê Curso de Engenharia Têxtil Tratamento Têxteis 900 Professor: Washington Luiz F.

Universidade Estadual de Maringá Câmpus Regional de Goioerê Curso de Engenharia Têxtil Tratamento Têxteis 900 Professor: Washington Luiz F. Universidade Estadual de Maringá Câmpus Regional de Goioerê Curso de Engenharia Têxtil Tratamento Têxteis 900 Professor: Washington Luiz F. dos Santos Equipe: Joni Dutra Neves R.A.: 15.477 Luciana Crespim

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 03 Síntese do Oxalato

Leia mais

OBTENÇÃO DE ÓXIDO DE ESTANHO ATRAVÉS DE HIDRÓLISE CONTROLADA SnCl 2 A.G. RAMALHÃO (1), E.R. LEITE (1), E. LONGO (1), J.A.

OBTENÇÃO DE ÓXIDO DE ESTANHO ATRAVÉS DE HIDRÓLISE CONTROLADA SnCl 2 A.G. RAMALHÃO (1), E.R. LEITE (1), E. LONGO (1), J.A. OBTENÇÃO DE ÓXIDO DE ESTANHO ATRAVÉS DE HIDRÓLISE CONTROLADA SnCl 2 A.G. RAMALHÃO (1), E.R. LEITE (1), E. LONGO (1), J.A. VARELA (2) (1) UFSCar CMDMC-LIEC-DQ, (2) UNESP CMDMC-LIEC-IQ RESUMO Os estudos

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil ESTUDO TERMOANALÍTICO DE COMPÓSITOS DE POLI(ETILENO-CO-ACETATO DE VINILA) COM BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR Carla R. de Araujo, Igor B. de O. Lima, Cheila G. Mothé Departamento de Processos Orgânicos - Escola

Leia mais

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM Procedimento pré-estabelecido para seleção, retirada, preservação, transporte e preparação das porções a serem removidas do lote como amostras, de uma maneira tal que o tratamento matemático dos testes

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA Baseia-se em medições de condutância das soluções iônicas (seio da solução). A condução de eletricidade através das soluções iônicas é devida

Leia mais

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem por objetivo quantificar amido em produtos cárneos por espectrometria molecular no. 2 Fundamentos Baseia-se na determinação espectrofotométrica a 620 nm do composto

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém cinco

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 Questão 26 Como a questão pede a separação do sólido solúvel do líquido, o único processo recomendado é a destilação simples. Lembrando que filtração e decantação

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Faculdade de Farmácia Departamento de Tecnologia Farmacêutica

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Faculdade de Farmácia Departamento de Tecnologia Farmacêutica 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Faculdade de Farmácia Departamento de Tecnologia Farmacêutica ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS Enzimologia e Tecnologia das Fermentações Tecnologia Enzimática e das Fermentações

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA

ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA Ana Carolina de Sousa Maia 1 ; Jonathan da Cunha Teixeira 2 ; Suzana Moreira de Lima

Leia mais

Formulações de Adjuvantes Agrícolas

Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES: - Substância inerte adicionados à formulação ou à calda para melhorar a eficiência da aplicação. Podem ser divididos em 2 grupos: a) Surfatantes:

Leia mais

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA Teresinha Costa Silveira de Albuquerque 1 ; Rita de Cássia Pompeu de Sousa 2 ; Clara Lúcia Silva Figueiredo 3 ; Suelma Damasceno Oliveira Costa

Leia mais

A) Escreva a equação que representa a semi-reação de redução e seu respectivo potencial padrão.

A) Escreva a equação que representa a semi-reação de redução e seu respectivo potencial padrão. QUÍMICA QUESTÃ 01 Aparelhos eletrônicos sem fio, tais como máquinas fotográficas digitais e telefones celulares, utilizam, como fonte de energia, baterias recarregáveis. Um tipo comum de bateria recarregável

Leia mais

ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ.

ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ. ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ. Naiane Ramilio 1, Ana Cristina Franzoi TEIXEIRA 2, Adriano MARTENDAL 3 1 Estudante do Curso Técnico em

Leia mais

Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica

Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica Maria Silveira COSTA 1 ; Lourayne de Paula Faria MACHADO 2 ; Rogério Amaro

Leia mais

ESTUDO DA SECAGEM DE MAMÃO FORMOSA DESIDRATADO OSMOTICAMENTE.

ESTUDO DA SECAGEM DE MAMÃO FORMOSA DESIDRATADO OSMOTICAMENTE. ESTUDO DA SECAGEM DE MAMÃO FORMOSA DESIDRATADO OSMOTICAMENTE. Anastácia Maria Mikaella Campos NOBREGA 1, Maria Elita Martins DUARTE 2, Renata Duarte ALMEIDA 3, Suellton Rodrigues ANDRÉ 4. 1 Departamento

Leia mais

b) Calcule o número de oxidação do fósforo e as cargas formais dos átomos de fósforo, oxigênio e hidrogênio na estrutura.

b) Calcule o número de oxidação do fósforo e as cargas formais dos átomos de fósforo, oxigênio e hidrogênio na estrutura. QUÍMICA 01. ácido sulfúrico, assim como o íon hidrogenossulfato, reage com bases fortes, como hidróxido de sódio, liberando calor para as vizinhanças. Dados: M (g.mol-1) H = 1,008; = 15,999; S = 32,06;

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

Oficina: O que acontece com as substâncias quando elas se transformam? Ciências da Natureza II/Ensino Médio

Oficina: O que acontece com as substâncias quando elas se transformam? Ciências da Natureza II/Ensino Médio Oficina: O que acontece com as substâncias quando elas se transformam? Ciências da Natureza II/Ensino Médio Nesta oficina, abordaremos as reações químicas, com foco nas evidências de uma transformação.

Leia mais

MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO

MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO Visionarium Centro de Ciência do Europarque 4520 153 Santa Maria da Feira Tel. 256 370 605/9 Fax. 256 370 608 E-mail. Info.visionarium@aeportugal.com

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

CONTEÚDOS DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO Paulo Henrique Saraiva Câmara SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Frederico

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

Produtos Contendo Nanotecnologia no Setor Cosmético e no Farmacêutico

Produtos Contendo Nanotecnologia no Setor Cosmético e no Farmacêutico Sessão Temática 8 Eficácia e Segurança de Produtos Contendo Nanotecnologia no Setor Cosmético e no Farmacêutico Moderadora: Natália Cerize, IPT-SP Palestrante: Adriano Marim de Oliveira - IPT O Que é Nano?

Leia mais

Lista de Exercícios Espectrometria Atômica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

Lista de Exercícios Espectrometria Atômica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 No intuito de se determinar a pureza do sal Na 2 HPO 4, 2,469 g de amostra foi pesada, dissolvida e diluída

Leia mais

Equilíbrio Químico do íon bicarbonato: Efeito da concentração. Introdução. Materiais Necessários

Equilíbrio Químico do íon bicarbonato: Efeito da concentração. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução O equilíbrio químico do íon bicarbonato faz parte de uma série de sistemas como formação das cavernas, equilíbrio no sangue e no oceano. Como a concentração de CO 2 pode afetar o equilíbrio

Leia mais

2º ANO QUÍMICA 1 PROFª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas

2º ANO QUÍMICA 1 PROFª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas 2º ANO QUÍMICA 1 1 mol 6,02.10 23 partículas Massa (g)? Massa molar Cálculo do número de mols (n) Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não

Leia mais

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Universidade Estadual de Goiás UnUCET - Anápolis Química Industrial Química Experimental II Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Alunos: Bruno Ramos; Wendel Thiago; Thales

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

PREPARO DE EXTRATO CELULOLÍTICO DO BAGAÇO DE CAJU in natura E SEU USO NA HIDROLISE ENZIMÁTICA DA PALMA FORRAGEIRA RESUMO

PREPARO DE EXTRATO CELULOLÍTICO DO BAGAÇO DE CAJU in natura E SEU USO NA HIDROLISE ENZIMÁTICA DA PALMA FORRAGEIRA RESUMO I CONGRESSO QUÍMICO DO BRASIL PREPARO DE EXTRATO CELULOLÍTICO DO BAGAÇO DE CAJU in natura E SEU USO NA HIDROLISE ENZIMÁTICA DA PALMA FORRAGEIRA Josefa Sandra A. Silva 1, Ramdayal Swarnakar 2 RESUMO O objetivo

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE UMIDADE EM FARINHAS PELO EMPREGO DE MICROONDAS RESUMO

DETERMINAÇÃO DE UMIDADE EM FARINHAS PELO EMPREGO DE MICROONDAS RESUMO DETERMINAÇÃO DE UMIDADE EM FARINHAS PELO EMPREGO DE MICROONDAS Alessandra Cordeiro do Vale 1 ; Francielo Vendruscolo 2* ; Márcio Fernandes 3 1 Bolsista PIBIC-CNPq. Instituto Federal Goiano - campus Urutaí.

Leia mais

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FACULDADE DE NUTRIÇÃO DISCIPLINA: BROMATOLOGIA 2º/ 4 O PROFA. IVETE ARAKAKI FUJII. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO

Leia mais

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE -2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE DISCURSIVA OBJETIVA QUÍMICA FÍSICA QUÍMICA FÍSICA Matéria e energia Propriedades da matéria Mudanças de estado físico

Leia mais

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de bases voláteis totais em pescados, indicando o seu grau de conservação. 2 Fundamentos As bases voláteis totais (N-BVT) compreendem

Leia mais

PREPARAÇÃO, PADRONIZAÇÃO E DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES

PREPARAÇÃO, PADRONIZAÇÃO E DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEIO AMBIENTE E DES. SUSTENTÁVEL CET-0303 QUÍMICA APLICADA PREPARAÇÃO, PADRONIZAÇÃO E DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES

Leia mais

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA.

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. 1)Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais. Com respeito a estes materiais,

Leia mais

ENZIMAS. Células podem sintetizar enzimas conforme a sua necessidade.

ENZIMAS. Células podem sintetizar enzimas conforme a sua necessidade. ENZIMAS As enzimas são proteínas, catalisadores (aumenta a velocidade de uma determinada reação química) biológicos (proteínas) de alta especificidade. Praticamente todas as reações que caracterizam o

Leia mais

TA 824 Processos Tecnológicos IV. Textos de apoio

TA 824 Processos Tecnológicos IV. Textos de apoio TA 824 Processos Tecnológicos IV Textos de apoio Profa. Marise A. R. Pollonio BRANEN, A. L. et al. Food Phosphates. In: Food Additives. 2.ed. New York: Marcel Dekker, 2002. P 809-886 1. Química dos fosfatos

Leia mais

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima.

Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima. Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima. Kátia de Lima Nechet (1) ; Bernardo de Almeida Halfeld-Vieira (1) ; Paulo Roberto Valle da Silva

Leia mais

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 11 Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 4 ), para que a água esteja em conformidade com

Leia mais

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014.

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. 1- Prazeres, benefícios, malefícios, lucros cercam o mundo dos refrigerantes. Recentemente, um grande fabricante nacional anunciou que havia reduzido em 13

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO A maioria das vitaminas não pode ser fabricada pelo corpo, por isso é necessário obtê-las a partir dos alimentos. A vitamina D é uma exceção,

Leia mais

Preparar e padronizar uma solução aquosa de hidróxido de sódio 0,1mol/L para posteriormente determinar a acidez de amostras.

Preparar e padronizar uma solução aquosa de hidróxido de sódio 0,1mol/L para posteriormente determinar a acidez de amostras. Pág. 1 de 8 I - OBJETIVOS Preparar e padronizar uma solução de ácido clorídrico 0,1mol/L para posterior determinação de pureza de amostras alcalinas. Preparar e padronizar uma solução aquosa de hidróxido

Leia mais

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001 CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE QUÍMICA - LICENCIATURA INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA SÉRIE: EXPERIÊNCIAS DEMONSTRATIVAS REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1903

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1903 Página 1903 SÍNTESE DE NANOPRATA VIA QUÍMICA VERDE E CARACTERIZAÇÃO POR POTENCIAL ZETA VISANDO APLICAÇÃO EM TÊXTEIS DE ALGODÃO 1 Bruna da Silveira Guimarães 1 ; João P. S. Morais (CNPA) 2*, saraiva@cnpa.embrapa.br;

Leia mais

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1. INTRODUÇÃO Átomos ou Íons: têm estados de energia característicos, nos quais os elétrons podem permanecer.

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO JOSE RODRIGO DOS SANTOS SILVA Instituto Federal de Goiás (Campus Goiânia) - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Ensino Médio Unidade Parque Atheneu. Professor (a): Me. DIOGO LOPES Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE QUÍMICA I

Ensino Médio Unidade Parque Atheneu. Professor (a): Me. DIOGO LOPES Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE QUÍMICA I Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Me. DIOGO LOPES Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE QUÍMICA I OBS: Sua lista semanal deverá ser respondida em folha de papel almaço, copiando

Leia mais

O USO DO COAGULANTE NATURAL MORINGA NO TRATAMENTO DE ÁGUAS PROUZIDAS NA EXTRAÇÃO DE PETRÓLEO EM COMPARAÇÃO AO SULFATO DE ALUMÍNIO

O USO DO COAGULANTE NATURAL MORINGA NO TRATAMENTO DE ÁGUAS PROUZIDAS NA EXTRAÇÃO DE PETRÓLEO EM COMPARAÇÃO AO SULFATO DE ALUMÍNIO O USO DO COAGULANTE NATURAL MORINGA NO TRATAMENTO DE ÁGUAS PROUZIDAS NA EXTRAÇÃO DE PETRÓLEO EM COMPARAÇÃO AO SULFATO DE ALUMÍNIO Criste Jones Bessa Simão 1 ; Rafaely Angélica Fonseca Bandeira 2, Regina

Leia mais

Nanotecnologia. João Paulo Sinnecker

Nanotecnologia. João Paulo Sinnecker Nanotecnologia Aplicações em Física F MédicaM João Paulo Sinnecker Agradecimentos: Miguel Novak - UFRJ Pedro Renault - UFRJ Zulmira Lacava - UnB Nanotecnologia. Nanobiotecnologia Nanotecnologia, Biologia

Leia mais

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Página 770 PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Tancredo Augusto Feitosa de Souza 1 ; Roberto Wagner Cavalcanti Raposo 2 ; Aylson Jackson de Araújo Dantas 2 ; Carolline Vargas

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

SÍNTESES. Francisco Roque, nº9 11ºA

SÍNTESES. Francisco Roque, nº9 11ºA SÍNTESES Francisco Roque, nº9 11ºA OBJECTIVOS A- Produzir sinteticamente sulfato de magnésio (MgSO 4 ) através da reacção entre ácido sulfúrico (H 2 SO 4 ) e carbonato de magnésio (MgCO 3 ). B- Sintetizar

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no Capítulo 3 Procedimento Experimental. CAPÍTULO 3 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Resíduo 3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no O primeiro passo foi à preparação das soluções necessárias

Leia mais

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2)

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2) LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2) Pavimentação NATURAIS ROCHAS ASFÁLTICAS XISTOS E ARENITOS LAGOS ASFÁLTICOS LIGANTES BETUMINOSOS PETRÓLEO ALCATRÃO SÓLIDOS OXIDADOS

Leia mais

SOLUÇÕES. 3) (UNIFOR) O gráfico seguinte dá a solubilidade em água do açúcar de cana em função da temperatura.

SOLUÇÕES. 3) (UNIFOR) O gráfico seguinte dá a solubilidade em água do açúcar de cana em função da temperatura. SOLUÇÕES 1) (FEI) Tem-se 500g de uma solução aquosa de sacarose (C 12 H 22 O 11 ), saturada a 50 C. Qual a massa de cristais que se separam da solução, quando ela é resfriada até 30 C? Dados: Coeficiente

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE DOCENTE RESPONSÁVEL : MARIA LUIZA TONUSSI DE OLIVEIRA

PLANO DE TRABALHO DOCENTE DOCENTE RESPONSÁVEL : MARIA LUIZA TONUSSI DE OLIVEIRA COLÉGIO ESTADUAL BARBOSA FERRAZ Ensino Médio, Normal e Profissional Rua Rio Grande do Sul, 1200 Centro - Telefone: (43) 3472-5009 www.colegiobarbosa.com.br e.mail: colbarbosa@ig.com.br CEP: 86870-000 -

Leia mais

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA.

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 3.967, de 16 de janeiro de 2001

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DEPBG PLANO DE CURSO DA DISCIPLINA

Leia mais

Determinação de cloretos em produtos de origem animal por argentometria

Determinação de cloretos em produtos de origem animal por argentometria Página 1 de 9 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de cloretos ou cloretos em NaCl de produtos de origem animal. 2 Fundamentos O ensaio fundamenta-se na reação do nitrato de prata com

Leia mais

RESPOSTAS DAS TAREFAS 2ª SÉRIE9. Química - Setor A. Aulas 1 e 2. Aulas 3 e 4. Aula 1 O. Aula 1. Aula 2. Aula 2. Aula 3 ENSINO MÉDIO H H

RESPOSTAS DAS TAREFAS 2ª SÉRIE9. Química - Setor A. Aulas 1 e 2. Aulas 3 e 4. Aula 1 O. Aula 1. Aula 2. Aula 2. Aula 3 ENSINO MÉDIO H H ENSINO MÉDIO RESPOSTAS DAS TAREFAS 2ª SÉRIE9 Química - Setor A Aulas 1 e 2 1. a) O etanol e a glicose são substâncias orgânicas, já que possuem carbono em sua composição, são formados por ligação covalente

Leia mais

Analisar e aplicar os princípios da extração sólido-líquido e líquido-líquido na separação e purificação de produtos.

Analisar e aplicar os princípios da extração sólido-líquido e líquido-líquido na separação e purificação de produtos. 12.1 Objetivo Específico Analisar e aplicar os princípios da extração sólido-líquido e líquido-líquido na separação e purificação de produtos. 12.2 Introdução A extração é uma técnica para purificação

Leia mais

Determinação de Material Orgânica no Solo por Espectrometria no Visível

Determinação de Material Orgânica no Solo por Espectrometria no Visível REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO I EDIÇÃO NÚMERO 2 DEZEMBRO DE 2002 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Introdução à Análise Química QUI 094 1 semestre 2012 Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2014. 1ª série Turma: FG

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2014. 1ª série Turma: FG COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: QUÍMICA Professora: Maria Luiza 1ª série Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO PL 3.4 Identificação e síntese de substâncias com aromas e sabores especiais Síntese do acetato de

Leia mais

Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango

Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango Lays

Leia mais

APÊNDICE A. Laboratory of Separation and Reaction Engineering

APÊNDICE A. Laboratory of Separation and Reaction Engineering APÊNDICE A Laboratory of Separation and Reaction Engineering LCM Laboratory of Catalysis and Materials Associate Laboratory LSRE/LCM, Faculdade de Engenharia, Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias,

Leia mais

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DO SUPORTE SILICOALUMINOFOSFÁTICO ATRAVÉS DA DIFRAÇÃO DE RAIOS-X OBTIDO COM DIFERENTES TEMPOS DE SÍNTESE

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DO SUPORTE SILICOALUMINOFOSFÁTICO ATRAVÉS DA DIFRAÇÃO DE RAIOS-X OBTIDO COM DIFERENTES TEMPOS DE SÍNTESE AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DO SUPORTE SILICOALUMINOFOSFÁTICO ATRAVÉS DA DIFRAÇÃO DE RAIOS-X OBTIDO COM DIFERENTES TEMPOS DE SÍNTESE Henryli Alecrim Sobreira¹, Thaise Gomes Pereira¹, Pedro Augusto de Silva Freitas¹,

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS Frente às exigências cada vez mais rigorosas dos órgãos reguladores ambientais, o enquadramento da água oleosa gerada em diversas atividades industriais constitui-se

Leia mais

Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável

Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável O açaí constitui-se a base da alimentação cotidiana de diversas famílias da região Norte do Brasil e oferece grande disponibilidade de

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Msc.Anna Carolina A. Ribeiro PROPRIEDADES DA MATÉRIA RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Adriana U. Alves ; Ademar P. de Oliveira 2 ; Carina S. M. Dornelas ; Anarlete U. Alves 3 ; Edna U.

Leia mais