Distribuição espacial da demanda de serviços da Unidade Técnica Pericial Ambiental do Ministério Público do Estado de Goiás

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Distribuição espacial da demanda de serviços da Unidade Técnica Pericial Ambiental do Ministério Público do Estado de Goiás"

Transcrição

1 Distribuição espacial da demanda de serviços da Unidade Técnica Pericial Ambiental do Ministério Público do Estado de Goiás Getúlio Gracelli Júnior 1, 2 Nilson Celestino Ferreira³ ¹ Universidade Federal de Goiás UFG/IESA Campus Samambaia, CEP: Goiânia GO, Brasil ²Ministério Público do Estado de Goiás MPGO Rua 23, Qd. A06, Lts. 15/24, Jardim Goiás CEP: Goiânia GO, Brasil ³ Universidade Federal de Goiás UFG/EEC Praça Universitária s/n, Setor Universitário, CEP: Goiânia GO, Brasil Abstract: This paper presents an analysis of the demand for the work of the Environmental Technical and Expert Unit (UTPA, in portuguese acronym) of the Public Ministry of the State of Goiás (MP-GO). For this, it was used data registered at UTPA between February 2009 and March 2012, organized by city and presented in maps, graphs and tables. The distribution in administrative regions was also discussed, considering a taxonomy that defines the type of work to be done. In general, the greater demand for UTPA's work is relationated to industries, power generation and mining, the type of work that makes up 30% of the demand. Then the deforestation is the activity that has more requirements for the work of UTPA with 24%. Sanitation is responsible for 19% of demand and allotments accounts 8%. The results suggest that there is a regionalization of demands, considering spatial concentrations and different compositions in demands for each administrative region. It was also perceived that some cities have a much higher demand from the others, as well as a large number of cities (130) does not have procedures. It is proposed to conduct further analyzes to better understand the distribution of UTPA s work demand, as the realization of spatially weighted regression, considering population, gross domestic product (GDP), human development index (HDI) and Gini coefficient. Palavras-chave: Distribuição espacial, Meio Ambiente, Ministério Público do Estado de Goiás 1.Introdução Em seu artigo 129, ao indicar as funções do Ministério Público, a Constituição Federal do Brasil incumbe-lhe de defender o meio ambiente: Art São funções institucionais do Ministério Público: ( ) III. Promover o inquérito civil e a ação civil pública, para a proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente e de outros interesses difusos e coletivos; Não por acaso, esta instituição tem se tornado referência na luta da sociedade por um meio ambiente equilibrado. Na medida em que a questão ambiental toma importância e passa a ser um assunto presente nos diversos níveis sociais, é esperado que o Ministério Público esteja mais apto para responder aos anseios da sociedade, melhorando seu arcabouço técnico 2479

2 sobre o tema. Em Goiás, o Ministério Público Estadual (MP-GO) possui a Unidade Técnica Pericial Ambiental (UTPA), um órgão auxiliar incluído na Coordenação de Apoio Técnico Pericial (CATEP). Na UTPA, em virtude da atuação em atividades variadas como indústrias, fazendas, mineração, saneamento e loteamentos, existem profissionais de diferentes formações, as quais: Biologia, Engenharia Agronômica, Engenharia Ambiental, Engenharia Sanitária e Geografia. A atuação da UTPA se dá por todo o Estado, num total de 129 comarcas e 246 municípios. Cada comarca possui, pelo menos, uma Promotoria de Justiça atuando com relação ao meio ambiente. Estas Promotorias de Justiça requerem a atuação da UTPA quando o objeto de uma denúncia contém um caráter técnico para além do viés jurídico. Cada uma dessas solicitações geram um procedimento, registrado sob um número. Com o passar do tempo, identificou-se que havia um padrão nas atividades, e que os procedimentos podiam ser agrupados pelos tipos de atuação. Cada um desses tipos é reflexo das atividades existentes nos municípios, e a identificação de padrões regionais de distribuição dessas atividades pode auxiliar no planejamento e execução dos trabalhos. O objetivo geral deste trabalho é espacializar a demanda de serviço da UTPA. Para tanto, faz-se necessário o cumprimento dos seguintes objetivos específicos: i) Construção de um banco de dados com a demanda de serviço; ii) Definição das classes de demandas; iii) Classificação das demandas; iv) Criação de mapas e gráficos que demonstrem a distribuição da demanda dos serviços da UTPA. 2. Metodologia do Trabalho Para este trabalho, utilizou-se os softwares BrOffice.org Calc 3.1 (editor de planilhas eletrônicas) e o pacote de soluções ArcGIS 9.3. Os dados sobre a demanda de serviço da UTPA foram organizados a partir de planilhas da CATEP, que continham informações necessárias ao gerenciamento de documentos e da produtividade. Utilizou-se também a divisão municipal do Estado de Goiás, baixados do website do Sistema Estadual de Estatística e de Informações Geográficas do Estado de Goiás (SIEG), em formato shapefile (.shp). A construção do banco de dados, feita a partir dos dados existentes nas planilhas da CATEP, foi realizada a partir da seleção dos dados de interesse (nº de registro, data, comarca, município e descrição sucinta do pedido) e sua inserção na planilha PROCED no software BrOficce.org Calc 3.1., a partir da descrição dos pedidos, foi feita a classificação dos procedimentos. A definição da taxonomia das demandas foi feita através de uma simplificação de taxonomia utilizada na própria UTPA, criada originalmente para cadastro dos processos. Esta simplificação reduziu a quantidade de táxons de 13 para 5, agrupando atividades com características semelhantes. As classes utilizadas são as descritas no quadro 1. QUADRO 1 Tipos de trabalhos desenvolvidos pela Unidade Técnica Pericial Ambiental (UTPA) Nº Táxon O que é 1 Supressão Vegetal Desmatamentos, queimadas, RL¹, APP² e Revegetações. 2 Saneamento Qualidade de água, esgoto, resíduos sólidos, drenagem, irrigação e agrotóxicos. 3 Indústrias Hidrelétricas, mineração e indústrias. 4 Parcelamento dos solos Loteamentos, chácaras, cemitérios e parques. 5 Outros Todos os demais objetos. ¹ Reserva Legal; ² Área de Preservação Permanente. 2480

3 Construiu-se uma planilha que compila as informações por município, chamada MUNIC. O arquivo com as planilhas PROCED e MUNIC foi salvo como pasta de trabalho do excel (extensão.xls). Nesta planilha constam os nomes do município, código do IBGE, comarca a que pertence, região administrativa a que pertence e a soma dos procedimentos por classe. No software ArcMap, integrante do pacote ArcGIS, foi realizada a associação da planilha MUNIC com o arquivo com os limites municipais (.shp), possibilitando a visualização dos dados. Inicialmente, pensou-se em realizar o mapeamento em três diferentes níveis: i) regiões administrativas; ii) comarcas; e iii) municípios. A análise, partindo da distribuição por regiões administrativas, seria interessante para verificar a existência da regionalização da demanda da unidade técnica ambiental. A análise, iniciando-se pelas comarcas, permitiria entender as demandas a partir da divisão territorial adotada pelo Ministério Público para gerenciar sua atuação. Entretanto, para Câmara et all. (2004), na análise espacial de dados agregados por áreas, o estudo de uma mesma população pode variar, quando se modifica os limites das áreas. Isto fica mais evidente em áreas heterogêneas. Nesta situação, o ideal é que se utilize a maior escala espacial possível (os municípios), podendo ser feita agregação em regiões maiores posteriormente. A desagregação em áreas menores, entretanto, é impossível. Além da divisão espacial, outra importante contribuição de Câmara et all. (2004) para este trabalho diz respeito aos limites das classes usadas nas representações cartográficas. Pontos de corte diferentes induzem a visualização de aspectos diferentes da distribuição espacial de algum fenômeno. No software ArcGIS existem 6 (seis) métodos de classificação: i) intervalos iguais; ii) intervalos definidos; iii) quantil (percentil); iv) quebras naturais; v) intervalos geométricos; e vi) desvios-padrão. A escolha pelo método de classificação quebras naturais é justificada pelo fato de ser a que melhor permite a identificação de valores extremos e identificação de áreas críticas. Neste método, um algoritmo identifica quebras na série em questão automaticamente, indicando grupos com valores similares. Cabe ao operador do sistema determinar a quantidade de classes. Fez-se a opção por limitar em 5 (cinco) o número de classes, para facilitar a visualização em um mapa que contempla 246 municípios. Para se fazer uma análise baseada nas regiões administrativas do Estado de Goiás, optouse por utilização de tabela, indicando a participação de cada região na demanda (total e por táxon) do serviço da UTPA e também as demandas por táxons em cada região. 3. Resultados e Discussão Ao considerar o total de procedimentos demandando a atuação da Unidade Técnica Pericial Ambiental do Ministério Público do Estado de Goiás, no período estudado, têm-se a distribuição pelos municípios de acordo com a figura 1. Percebe-se que a classe mais representada é a com até 4 (quatro) procedimentos, com total de 246 municípios. É interessante perceber que entre todos os municípios, 129 (cento e vinte e nove) não demandaram a atuação da UTPA nenhuma vez. O Município de Goiânia é o que possui maior demanda, com 198 (cento e noventa e oito) procedimentos no total. Em seguida aparece Santa Helena de Goiás, com 84 (oitenta e quatro) procedimentos. Os dois municípios aparecem com número de procedimentos muito acima dos demais. Rio Verde, com 44, é o município seguinte, seguido por Iporá (40), Bela Vista de Goiás (39) e Caçu (33). Os municípios seguintes têm o número de procedimentos reduzido gradualmente. 2481

4 Figura 1. Distribuição de todos os procedimentos da UTPA pelo Estado de Goiás A figura 2 apresenta a quantidade de procedimentos no Estado de Goiás, divididos por táxons. TIPO % TIPO % TIPO4 78 8% TIPO % TIPO % Figura 2. Procedimentos da UTPA no Estado de Goiás, por táxon. Os trabalhos relacionados com supressão vegetal (Tipo 1) compõem 24% do total de procedimentos que requerem o trabalho da UTPA. Procedimentos sobre saneamento (Tipo 2) são 19% do total das atividades requeridas. Atividades industriais, de mineração ou geração de energia elétrica (Tipo 3) são responsáveis por 30% das atividades desenvolvidas na UTPA. O parcelamento do solo (Tipo 4) representam 8% da demanda de trabalho. Os demais tipos integram os 19% restantes dos procedimentos. Mas como ocorre a distribuição de 2482

5 procedimentos dos diferentes Táxons pelo Estado de Goiás? Quais são as composições da demanda de cada região administrativa? 3.1. Distribuição Estadual dos Procedimentos por Táxons As distribuições dos procedimentos dos diferentes táxons pelos municípios do Estado são visualizadas nas figuras 3 a 6. Na figura 3, percebe-se a distribuição dos procedimentos do Tipo 1, relacionados com supressão vegetal. A grande maioria dos municípios possui no máximo 1 procedimento. Destacam-se os municípios de Santa Helena de Goiás, com 73 procedimentos e Bela Vista de Goiás, com 24. Percebe-se uma concentração dos procedimentos deste tipo no centro-sul do Estado, em especial nas regiões administrativas sudoeste e sul. Figura 3. Distribuição dos procedimentos relacionados à supressão vegetal no Estado de Goiás. Os procedimentos relacionados à coleta e tratamento de esgoto, drenagem das águas pluviais, resíduos sólidos e efluentes industriais são distribuídos no Estado de Goiás de acordo com a figura 4. Percebe-se um destaque para Goiânia, com 45 procedimentos. Anápolis, com 9 procedimentos, Bela Vista de Goiás, com 8 e Rio Verde e Mineiros, com 7 procedimentos cada, também se destacam. A grande concentração ocorre nas regiões administrativas do Sudoeste, na Região Metropolitana e no entorno do Distrito Federal. A figura 5 mostra a distribuição dos procedimentos relacionados com indústrias, geração de energia elétrica e mineração (Tipo 3). Estes procedimentos apresentam concentração em municípios, nos quais este tipo de atividade se desenvolve necessariamente. Desta maneira, explica-se a concentração de procedimentos em Rio Verde e Iporá, com 33 procedimentos, cada um. Na seqüência tem-se Caçu, com 21 procedimentos. Goiânia e Cavalcante aparecem em seguida, com 17 procedimentos cada. 2483

6 Figura 4. Distribuição dos procedimentos relacionados a saneamento pelo Estado de Goiás. Figura 5. Distribuição de procedimentos de Indústrias, geração de energia elétrica e mineração pelo Estado de Goiás. 2484

7 Os procedimentos relacionados com parcelamento do solo (Tipo 4) são distribuídos pelo Estado de acordo com a figura 6. Os destaques são para os municípios de Goiânia, com 12 procedimentos e Nerópolis, com 8. Anápolis e Bela Vista de Goiás, com 5 cada, e Cidade Ocidental e Itaberaí, com 4, também se destacam. Considerando as regiões administrativas, os procedimentos se originam principalmente no Sudoeste do Estado, na região metropolitana, no entorno do Distrito Federal e no Sul Goiano. Figura 6. Procedimentos acerca do parcelamento do solo. Para se perceber a composição de cada táxon em cada uma das regiões administrativas do Estado, a tabela 1 apresenta a distribuição dos procedimentos para cada região do Estado. TABELA 1 Número de procedimentos de cada tipo, por região administrativa do Estado de Goiás REGIÁO TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 TIPO 5 TOTAL Centro Goiano Metropolitana Nordeste de Goiás Noroeste Goiano Norte Goiano Oeste Goiano Sudeste Goiano Sudoeste Goiano Sul Goiano Entorno do D.F

8 4. Conclusão Os resultados sugerem que a demanda pelo trabalho da Unidade Técnica Ambiental do Ministério Público do Estado de Goiás é regionalizada, considerando concentrações da demanda dos pedidos e concentrações diferentes para cada tipo de trabalho. Isto era esperado, uma vez que cada região administrativa apresenta diferentes características naturais, econômicas e sociais. Percebeu-se que 130 municípios, para o período estudado, não apresentam qualquer demanda pelo serviço da UTPA. Tal fato pode ser justificado por alguns motivos: i) não há problemas ambientais no município; ii) os problemas ambientais existem, mas a denúncia não chega até ao Ministério Público (é solucionada por outras esferas do poder público; a população tem medo ou não se interessa em denunciar o problema; os cidadãos não conhecem o Ministério Público ou não acreditam que esta Instituição possa ajudar na solução do problema); ou iii) a denúncia chega até o Ministério Público, mas o Promotor de Justiça tem uma linha de atuação que prescinde da atuação da UTPA ou não acredita que esta unidade poderia ajudar na solução. Alguns municípios apresentam uma demanda pela atuação da UTPA muito maior que a média, o que se considera uma anomalia. Esta anomalia se dá pela atuação do Promotor de Justiça, que confia no trabalho da equipe em detrimento das informações apresentadas por outros órgãos, ou espera que a unidade interprete todas as informações prestadas, indicando recomendações técnicas para solução do problema. Para entender melhor a regionalização da demanda de trabalho da UTPA, sugerem-se novas análises, que incluam a verificação de relação existente entre a demanda e população, produto interno bruto (PIB), índice de desenvolvimento humano (IDH) e índice de Gini. A verificação desta relação pode ser feita através de regressão espacialmente ponderada. 5. Referências Bibliográficas BRASIL, Constituição Federal de CAMARA, G; Carvalho, M. S; Cruz, O. G; Correa, V. Análise Espacial de Áreas. In: DRUCK, S; CARVALHO, M. S; CÂMARA, G; MONTEIRO, A. M. V. Análise Espacial de Dados Geográficos. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados,

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT Elaine Barbosa da SILVA¹ Laerte Guimarães FERREIRA JÚNIOR¹ Antonio Fernandes dos ANJOS¹ Genival Fernandes

Leia mais

GRAU DE COBERTURA DOS PLANOS DE SAÚDE E DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE

GRAU DE COBERTURA DOS PLANOS DE SAÚDE E DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE GRAU DE COBERTURA DOS PLANOS DE SAÚDE E DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE Samuel Kilsztajn* Dorivaldo Francisco da Silva** Marcelo Bozzini da Câmara** Vanessa Setsuko Ferreira** RESUMO: O

Leia mais

O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR

O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR M.e Diego Tarley Ferreira Nascimento ¹; Dr. Ivanilton José de Oliveira ². ¹ Professor substituto da

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS SETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS E A OFERTA DE VAGAS E CURSOS DAS PRINCIPAIS MODALIDADES DE ENGENHARIA NO BRASIL

RELAÇÃO ENTRE OS SETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS E A OFERTA DE VAGAS E CURSOS DAS PRINCIPAIS MODALIDADES DE ENGENHARIA NO BRASIL RELAÇÃO ENTRE OS SETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS E A OFERTA DE VAGAS E CURSOS DAS PRINCIPAIS MODALIDADES DE ENGENHARIA NO BRASIL Fernando A. Azevedo Pereira fernando.antonio@engenharia.ufjf.br Dayane

Leia mais

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia IBEU da Região Metropolitana de Goiânia Marina Lemes Landeiro 1 Recentemente as 15 principais regiões metropolitanas brasileiras foram contempladas com o livro e também e-book Índice de Bem-estar Urbano

Leia mais

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Título: A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Projeto de pesquisa: ANÁLISE REGIONAL DA OFERTA E DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE NOS MUNICÍPIOS GOIANOS: GESTÃO E EFICIÊNCIA 35434 Autores: Sandro Eduardo

Leia mais

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II BRASIL REGIONALIZAÇÕES QUESTÃO 01 - Baseado na regionalização brasileira, apresentados pelos dois mapas a seguir, é INCORRETO afirmar que: Mapa I Mapa II A B D C a. ( ) O mapa II apresenta a divisão do

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL NO BRASIL

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL NO BRASIL DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL NO BRASIL Maria Cecília Bonato Brandalize maria.brandalize@pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curso

Leia mais

Relatório Metodológico da Tipologia dos Colegiados de Gestão Regional CGR. O presente relatório tem por objetivo apresentar uma tipologia dos CGR

Relatório Metodológico da Tipologia dos Colegiados de Gestão Regional CGR. O presente relatório tem por objetivo apresentar uma tipologia dos CGR Relatório Metodológico da Tipologia dos Colegiados de Gestão Regional CGR Apresentação O presente relatório tem por objetivo apresentar uma tipologia dos CGR Colegiados de Gestão Regional do Brasil segundo

Leia mais

Mapa da desvantagem ambiental no município de Uberaba (MG) perímetro urbano

Mapa da desvantagem ambiental no município de Uberaba (MG) perímetro urbano Mapa da desvantagem ambiental no município de Uberaba (MG) perímetro urbano Ricardo Vicente Ferreira 1 Marcos Roberto Martines 2 Alexandre Carvalho Comodaro Bueno 1 Hygor Evangelista Siqueira 3 1 Universidade

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL MOURA, A. L. A. 1 ; SÁ, L. A. C. M 2 RESUMO - A presente pesquisa está sendo desenvolvida com o objetivo de formular uma base de dados espaciais

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais

Mikaelly Nayara Santos (*), Alessandra Ribeiro de Moraes * Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), mikaellynayara@hotmail.

Mikaelly Nayara Santos (*), Alessandra Ribeiro de Moraes * Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), mikaellynayara@hotmail. ANÁLISE DOS TRABALHOS APRESENTADOS NAS EDIÇÕES DO CONGRESSO BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL SOBRE OS TEMAS GESTÃO AMBIENTAL EM SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS. Mikaelly Nayara Santos (*), Alessandra Ribeiro

Leia mais

O USO DO GEOPROCESSAMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS EM SISTEMA CONDOMINIAL DE ESGOTO - MUNICÍPIO DO NATAL/RN

O USO DO GEOPROCESSAMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS EM SISTEMA CONDOMINIAL DE ESGOTO - MUNICÍPIO DO NATAL/RN p. 001-005 O USO DO GEOPROCESSAMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS EM SISTEMA CONDOMINIAL DE ESGOTO - MUNICÍPIO DO NATAL/RN ELIEZER MAZZETTI ROSA *Agência Reguladora de Serviços de Saneamento Básico

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL DOS POÇOS ARTESIANOS E O RENDIMENTO HIDRODINÂMICO DA CAPTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE BELÉM PA

ANÁLISE ESPACIAL DOS POÇOS ARTESIANOS E O RENDIMENTO HIDRODINÂMICO DA CAPTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE BELÉM PA ANÁLISE ESPACIAL DOS POÇOS ARTESIANOS E O RENDIMENTO HIDRODINÂMICO DA CAPTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE BELÉM PA Carlos Eduardo Aguiar de Souza Costa 1 ; Artur Sales de Abreu Vieira 2 ; Antonio Jorge Silva Araujo

Leia mais

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ 1. INTRODUÇÃO Otacílio Lopes de Souza da Paz Acadêmico de Geografia UFPR otacílio.paz@gmail.com

Leia mais

O USO DO GEOPROCESSAMENTO NA ANÁLISE DA REALIDADE SOCIAL NO RIO GRANDE DO NORTE

O USO DO GEOPROCESSAMENTO NA ANÁLISE DA REALIDADE SOCIAL NO RIO GRANDE DO NORTE O USO DO GEOPROCESSAMENTO NA ANÁLISE DA REALIDADE SOCIAL NO RIO GRANDE DO NORTE COSTA, A.M.B. 1 ; AMORIM, R.F. 2 ; GOMES, C. 3 ; ALMEIDA, S. A. S. 4 ; CUELLAR, M. 5 ; CARVALHO, M. J. M. 6 ; SILVA, F. M.

Leia mais

INTERPOLADOR GEOESTATÍSTICO COMO FERRAMENTA DE PREDIÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA EM ÁREAS ANTROPIZADAS NO BIOMA CERRADO EM GOIÁS E NO DISTRITO FEDERAL

INTERPOLADOR GEOESTATÍSTICO COMO FERRAMENTA DE PREDIÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA EM ÁREAS ANTROPIZADAS NO BIOMA CERRADO EM GOIÁS E NO DISTRITO FEDERAL INTERPOLADOR GEOESTATÍSTICO COMO FERRAMENTA DE PREDIÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA EM ÁREAS ANTROPIZADAS NO BIOMA CERRADO EM GOIÁS E NO DISTRITO FEDERAL Cassio Henrique Giusti CEZARE 1 Nilson Clementino FERREIRA

Leia mais

SISTEMA CR CAMPEIRO 7

SISTEMA CR CAMPEIRO 7 SISTEMA CR CAMPEIRO 7 Tópico 2 Estrutura de Gestão Conceitos e Procedimentos 1. Introdução: A Estrutura de gestão empregada no Sistema CR Campeiro 7, obedece a uma hierarquia, que consiste no registro

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Geração de cadastro técnico ambiental no município de Rio Verde - GO utilizando como apoio geotecnologias

Geração de cadastro técnico ambiental no município de Rio Verde - GO utilizando como apoio geotecnologias Geração de cadastro técnico ambiental no município de Rio Verde - GO utilizando como apoio geotecnologias Wellington Nunes de Oliveira 1 Bernard Silva de Oliveira 2 Helber de Carvalho 3 Helci Ferreira

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN Carmem

Leia mais

Cerrado Online: Plataforma de Distribuição de Informações Geográficas Produzidas pelo Programa de Monitoramento de Desmatamentos do Bioma Cerrado

Cerrado Online: Plataforma de Distribuição de Informações Geográficas Produzidas pelo Programa de Monitoramento de Desmatamentos do Bioma Cerrado Cerrado Online: Plataforma de Distribuição de Informações Geográficas Produzidas pelo Programa de Monitoramento de Desmatamentos do Bioma Cerrado Levindo Cardoso de Medeiros 1 Nilson Clementino Ferreira

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

INVENTÁRIO DAS FONTES POLUIDORAS/CONTAMINANTES DOS RECURSOS VIVOS MARINHOS DO BRASIL

INVENTÁRIO DAS FONTES POLUIDORAS/CONTAMINANTES DOS RECURSOS VIVOS MARINHOS DO BRASIL INVENTÁRIO DAS FONTES POLUIDORAS/CONTAMINANTES DOS RECURSOS VIVOS MARINHOS DO BRASIL ANTECEDENTES Em continuidade aos trabalhos do Programa Nacional de Gerenciamento Costeiro (GERCO), o Ministério do Meio

Leia mais

Sistema Ambiental em Minas Gerais

Sistema Ambiental em Minas Gerais Sistema Ambiental em Minas Gerais José Cláudio Junqueira Ribeiro Belo Horizonte, março de 2011 Políticas Ambientais PROTEÇÃO DA BIODIVERSIDADE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS GESTÃO DE RESÍDUOS ENERGIA E MUDANÇAS

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Bacias Hidrográficas de Minas Gerais O desenvolvimento dos recursos hídricos não pode ser visto dentro de um sistema limitado onde a complexidade dos usos múltiplos

Leia mais

Instruções. Guia controle com diversos botões que permitem uma livre navegação através do mapa do Estado do Rio de Janeiro, são eles:

Instruções. Guia controle com diversos botões que permitem uma livre navegação através do mapa do Estado do Rio de Janeiro, são eles: Instruções Este tutorial foi desenvolvido para facilitar a realização de consultas no Banco de Dados (BD). Através do mapa do RJ é possível verificar os pontos de coleta dos trabalhos que foram compilados

Leia mais

ESTUDO SOBRE O POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DA ENERGIA EÓLICA PARA SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JAGUARIBE

ESTUDO SOBRE O POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DA ENERGIA EÓLICA PARA SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JAGUARIBE ESTUDO SOBRE O POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DA ENERGIA EÓLICA PARA SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JAGUARIBE A. C. Praciano 1 ; R. A. de O. Leão 2 ; D. Albiero 3 ; L. de A. Monteiro

Leia mais

Análise Sócio-Econômica da Região Metropolitana de Londrina e Arco Norte. 1

Análise Sócio-Econômica da Região Metropolitana de Londrina e Arco Norte. 1 Análise Sócio-Econômica da Região Metropolitana de Londrina e Arco Norte. 1 Gustavo Nascimento 2 Universidade Estadual de Londrina gustavo_njj@hotmail.com Prof. Dr. Omar Neto Fernandes Barros 3 - Universidade

Leia mais

Manual Site do ObservaPOA

Manual Site do ObservaPOA Manual Site do ObservaPOA Este manual tem como finalidade auxiliar no manuseio do site do Observatório da Cidade de Porto Alegre. O site disponibiliza informações sobre a cidade de Porto Alegre privilegiando

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGIÃO NORTE NA ECONOMIA PARANAENSE

A IMPORTÂNCIA DA REGIÃO NORTE NA ECONOMIA PARANAENSE A IMPORTÂNCIA DA REGIÃO NORTE NA ECONOMIA PARANAENSE Autores: Fernanda H. Mansano, Mestranda em Economia. Universidade Estadual de Maringá. E-mail: fernanda.mansano7@gmail.com Leonardo da C. Urt. Graduando

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SECRETARIA EXECUTIVA DA CÂMARA INTERMINISTERIAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL COORDENAÇÃO

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL: INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE VIANA ES

GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL: INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE VIANA ES I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL: INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE VIANA ES Karla Casagrande Lorencini Bacharel em Ciências

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

DIFICULDADES PARA O APRENDIZADO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS

DIFICULDADES PARA O APRENDIZADO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS DIFICULDADES PARA O APRENDIZADO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Sergio Gavazza gavazza@ugf.br Universidade Gama Filho, Curso de Engenharia Civil Rua Manoel Vitorino, 369 - Piedade CEP: 20748-900 - Rio de

Leia mais

Data Mining. Origem do Data Mining 24/05/2012. Data Mining. Prof Luiz Antonio do Nascimento

Data Mining. Origem do Data Mining 24/05/2012. Data Mining. Prof Luiz Antonio do Nascimento Data Mining Prof Luiz Antonio do Nascimento Data Mining Ferramenta utilizada para análise de dados para gerar, automaticamente, uma hipótese sobre padrões e anomalias identificadas para poder prever um

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Utilização de SIGs na Análise de Irregularidades na Distribuição do Eleitorado no Estado do Rio Grande do Norte nas Eleições Municipais de 2008

Utilização de SIGs na Análise de Irregularidades na Distribuição do Eleitorado no Estado do Rio Grande do Norte nas Eleições Municipais de 2008 Utilização de SIGs na Análise de Irregularidades na Distribuição do Eleitorado no Estado do Rio Grande do Norte nas Eleições Municipais de 2008 Francisco Márcio de Oliveira 2, Igor Saraiva Brasil 1 1 Programa

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Ensino Médio 3ª Série.

Ensino Médio 3ª Série. Ensino Médio 3ª Série. Divisão e Dinâmica Regional Brasileira INTRODUÇÃO 1ª PARTE: DIVISÃO REGIONAL DO BRASIL 2ª PARTE: DINÂMICA REGIONAL BRASILEIRA Regionalização A divisão de um espaço ou território

Leia mais

Análise da Freqüência das Velocidades do Vento em Rio Grande, RS

Análise da Freqüência das Velocidades do Vento em Rio Grande, RS Análise da Freqüência das Velocidades do Vento em Rio Grande, RS Maria Fernanda S. Braga Nisia Krusche Fundação Universidade do Rio Grande Abstract This paper analyses the distributions of the wind velocities

Leia mais

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS ESPACIAL DA INCIDÊNCIA DE POBREZA NA ILHA DE SANTIAGO DE CABO VERDE

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS ESPACIAL DA INCIDÊNCIA DE POBREZA NA ILHA DE SANTIAGO DE CABO VERDE ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS ESPACIAL DA INCIDÊNCIA DE POBREZA NA ILHA DE SANTIAGO DE CABO VERDE ANTÓNIO JOSÉ MEDINA DOS SANTOS BAPTISTA; CRISTIANE MÁRCIA SANTOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O CONCUMO DE ÁGUA E A CONDIÇÃO SOCIOECONOMICA DA POPULAÇÃO DE CATALÃO - GO

RELAÇÃO ENTRE O CONCUMO DE ÁGUA E A CONDIÇÃO SOCIOECONOMICA DA POPULAÇÃO DE CATALÃO - GO RELAÇÃO ENTRE O CONCUMO DE ÁGUA E A CONDIÇÃO SOCIOECONOMICA DA POPULAÇÃO DE CATALÃO - GO Tobias Ribeiro Ferreira (*), Ed Carlo Rosa Paiva * Universidade Federal de Goiás, Professor do Departamento de Engenharia

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA

ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA Raphael de Souza Vale 1, Cintia Pedrina Palheta Balieiro 2 1 Graduando

Leia mais

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS V Co ló qu i o B ra si l ei ro d e Ci ên ci a s Geo d ési ca s ISSN 1981-6251, p. 910-914 ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS

Leia mais

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções Dionísio Costa Cruz Junior dionisiojunior@iquali.com.br (orientador) Ismael Fiuza Ramos maelfiuza@gmail.com

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO FRC-RS-ERO-CON-0901-0A JANEIRO 2009 CONSILIU Meio Ambiente & Projetos Empreendimento:

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Marconi Ferreira Perillo Júnior. SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO Leonardo Moura Vilela

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Marconi Ferreira Perillo Júnior. SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO Leonardo Moura Vilela Maio - 2014 1 GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Marconi Ferreira Perillo Júnior SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO Leonardo Moura Vilela CHEFE DO GABINETE ADJUNTO DE PLANEJAMENTO Júlio Alfredo Rosa

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia

1. Introdução. 2. Metodologia Mapeando a Mestre em Estatística Prefeitura Municipal do Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Departamento de Estudos e Pesquisas. Introdução O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca USO DE GEOTECNOLOGIAS APLICADO AO ESTUDO DA SUSCETIBILIDADE E ANÁLISE DE RISCO DE PROCESSOS EROSIVOS EM FAIXAS DE DOMÍNIO DE LINHAS FÉRREAS - SUBSÍDIO AOS PROCESSOS DE LICENCIAMENTO OPERACIONAL E AMBIENTAL

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

GEOGRAFIA. transformadas

GEOGRAFIA. transformadas GEOGRAFIA Disciplina A (currículo atual 2008) Disciplina B (currículos extintos) 1ª período 59480 Cartografia Geral 68 Geografia Cartografia B 136 37230 Geografia Contida Ementa: Aborda os fundamentos

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

QUESTIONÁRIO ON-LINE: LIMITES E POSSIBILIDADES

QUESTIONÁRIO ON-LINE: LIMITES E POSSIBILIDADES QUESTIONÁRIO ON-LINE: LIMITES E POSSIBILIDADES Aluna: Catarine Teixeira Ignácio Henrique Orientador: Cynthia Paes de Carvalho Introdução O trabalho apresentado está inserido na pesquisa Gestão e Qualidade

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

CCP_INFO - SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS INFORMATIZADO

CCP_INFO - SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS INFORMATIZADO CCP_INFO - SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS INFORMATIZADO Gilson Gibaile (1) Técnico Contábil, Instrutor de Informática Sérgio Antônio Pacheco Educação Física, Pós Graduação em Administração de Sistemas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO 17ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística e do Patrimônio Cultural de Cuiabá

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO 17ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística e do Patrimônio Cultural de Cuiabá EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA ESPECIALIZADA DO MEIO AMBIENTE DA COMARCA DE CUIABÁ-MT. Autos da Ação de Execução de Obrigação de Fazer e de Não Fazer n. 207-18.2010.811.0082 (10375) Exequente:

Leia mais

Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG

Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG Este relatório tem como objetivo apresentar as atividades executadas pelo grupo de pesquisa da Faculdade

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS Diana Motta* Daniel da Mata** 1 ANTECEDENTES As cidades médias desempenham o papel de núcleo estratégico da rede urbana do Brasil, constituindo elos dos espaços urbano e

Leia mais

O USO DAS TECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO APLICADAS À GESTÃO DOS TRANSPORTES PÚBLICOS SIG APPLIED IN THE MANAGEMENT OF THE URBAN TRANSPORTS

O USO DAS TECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO APLICADAS À GESTÃO DOS TRANSPORTES PÚBLICOS SIG APPLIED IN THE MANAGEMENT OF THE URBAN TRANSPORTS O USO DAS TECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO APLICADAS À GESTÃO DOS TRANSPORTES PÚBLICOS SILVEIRA, T. A. 1 ; BARROS FILHO, M. B. B. 2. RESUMO: Uma das grandes dificuldades relacionadas à gestão dos transportes

Leia mais

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO UTILIZAÇÃO DE GEOPROCESSAMENTO PARA ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE A EQUIPAMENTOS PÚBLICOS DE ENSINO FUNDAMENTAL EM ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA: BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO DO SALSO PORTO ALEGRE/RS PEDRO GODINHO

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES Sylvio Bandeira de Mello e Silva Programa de Pós-graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social/UCSAL

Leia mais

MANUTENÇÃO DE SOFTWARE

MANUTENÇÃO DE SOFTWARE MANUTENÇÃO DE SOFTWARE Francisco Luiz Sobrinho, Samily Rocha Gois Faculdade de Tecnologia SENAC Goiânia/GO (SENAC/GO) Av. Independência número 1002 - CEP 74645-010 Setor Leste Vila Nova - Goiânia GO Brasil

Leia mais

MAPEAMENTO SISTEMÁTICO: SOFTWARE ONDE ESTOU?

MAPEAMENTO SISTEMÁTICO: SOFTWARE ONDE ESTOU? MAPEAMENTO SISTEMÁTICO: SOFTWARE ONDE ESTOU? IVAN DORNELAS FALCONE DE MELO 1 ANA LÚCIA BEZERRA CANDEIAS 2 EDUARDO BARBOSA MENDES UFPE Universidade Federal de Pernambuco Av. Acadêmico Hélio Ramos s/n, Cidade

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E ESPACIALIZAÇÃO

INDICADORES SOCIAIS E ESPACIALIZAÇÃO p. 001-008 INDICADORES SOCIAIS E ESPACIALIZAÇÃO NILO CESAR COELHO DA SILVA AILTON JOSÉ LIMA MARTINS FURTADO Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas DPE Coordenação

Leia mais

ELABORAÇÃO DO BANCO DE METODOLOGIAS DE INDICADORES MUNICIPAIS

ELABORAÇÃO DO BANCO DE METODOLOGIAS DE INDICADORES MUNICIPAIS ELABORAÇÃO DO BANCO DE METODOLOGIAS DE INDICADORES MUNICIPAIS Maria Inês Pedrosa Nahas Pesquisadora do IDHS/PUC Minas No período entre janeiro a agosto de 2005, organizamos para o Ministério das Cidades

Leia mais

PERFIL DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA

PERFIL DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA PERFIL DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA São Paulo 2009 CONTEÚDO 1. PERFIL DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA... 3 1.1 O segmento... 3 1.2 As empresas... 6 1.3 - Postos de trabalho

Leia mais

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 GEOPROCESSAMENTO E FOTOINTERPRETAÇÃO APLICADOS À ANÁLISE DAS TRANSFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS E ESPACIAIS PROVOCADAS PELO TURISMO NAS COMUNIDADES MASSAGUEIRA/RUA NOVA, MARECHAL DEODORO, ALAGOAS ARAUJO, L.

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Outubro de 0 N o Monitoramento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODMs Consulte A Fundação Seade disponibilizará, anualmente, as séries históricas do conjunto de indicadores dos ODMs

Leia mais

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil 1

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

CAPÍTULO 3 PLANO DE MANUTENÇÃO

CAPÍTULO 3 PLANO DE MANUTENÇÃO 3.1 PLANO DE MANUTENÇÃO CAPÍTULO 3 PLANO DE MANUTENÇÃO O Plano de Manutenção é composto pelas oito ferramentas abaixo representadas. É feito via web, pelo software Leankeep. 3.2 SOFTWARE O software, a

Leia mais

REBAIXAMENTO DO AQUÍFERO BAURU EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, SP

REBAIXAMENTO DO AQUÍFERO BAURU EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, SP REBAIXAMENTO DO AQUÍFERO BAURU EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, SP Josiane Lourencetti¹; Marcelo Marconato Prates²; Jefferson Nascimento de Oliveira³ Resumo - A crescente explotação de água subterrânea já apresenta

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 4 créditos 60 horas. 1. Barômetro de Sustentabilidade. 2. Exercícios.

Professor Antônio Ruas. 4 créditos 60 horas. 1. Barômetro de Sustentabilidade. 2. Exercícios. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Professor Antônio Ruas 4 créditos 60 horas

Leia mais

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMPACTOS CAUSADOS PELA POLUIÇÃO DAS ÁGUAS DA REPRESA DE FURNAS NO ENTORNO DO MUNICÍPIO DE ALFENAS-MG FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006

DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006 DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006 José Irineu Rangel Rigotti João Francisco de Abreu Rafael Liberal Ferreira Luciene Marques da Conceição Alisson Eustáquio Gonçalves

Leia mais

EIXO TEMÁTICO: Cidades sustentáveis

EIXO TEMÁTICO: Cidades sustentáveis CARACTERIZAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL: AVANÇOS E DIFICULDADES CHARACTERIZATION OF SOLID RESIDUE WASTE SORTING IN BRAZIL: ADVANCES AND DIFFICULTIES EIXO TEMÁTICO: Cidades sustentáveis

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Março de 2010 TAL Ambiental (Technical Assistance to the Environmental

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO

UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- Nascimetno, M.D. 1 ; Moura, N.S.V. 2 ; Souza, B.S.P. 3 ; 1 UFRGS Email:mdnascimento@ymail.com; 2 UFRGS Email:nina.moura@ufrgs.br; 3 UFSM Email:bernardosps@yahoo.com.br;

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Caixa Postal 476 - CEP:88010/970 - Florianópolis, SC {lia, lapolli, franzoni}@ecv.ufsc.br

Departamento de Engenharia Civil Caixa Postal 476 - CEP:88010/970 - Florianópolis, SC {lia, lapolli, franzoni}@ecv.ufsc.br O Ensino de Sensoriamento Remoto, Sistema de Informações Geográficas e Fotogramentria nos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Engenharia Civil na UFSC LIA CAETANO BASTOS 1 ÉDIS MAFRA LAPOLLI 1 ANA MARIA

Leia mais

Localização dos inquéritos de rua para Arroios e Gulbenkian

Localização dos inquéritos de rua para Arroios e Gulbenkian Project IAAPE Pedestrian Accessibility and Attractiveness Indicators: Tool for Urban Walkability Assessment and Management Working Paper No. WP-8 Localização dos inquéritos de rua para Arroios e Gulbenkian

Leia mais

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Maria Luiza Guerra de Toledo Coordenar e conduzir um projeto de melhoria da qualidade, seja ele baseado no Seis Sigma, Lean, ou outra metodologia

Leia mais

CAPACITAÇÕES DE MULTIPLICADORES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

CAPACITAÇÕES DE MULTIPLICADORES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância Sanitária Gerência de Desenvolvimento Técnico em Produtos Coordenadoria de Alimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Faculdade

Leia mais

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil 1 Comunicado da Presidência nº 5 Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil Realização: Marcio Pochmann, presidente; Marcio Wohlers, diretor de Estudos Setoriais (Diset)

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG.

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG. UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG. PEDRO HENRIQUE BAÊTA ANGELINI 1, ROSÂNGELA ALVES TRISTÃO BORÉM

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA. ANEXO ÚNICO DO ATO PGJ n 056/2010

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA. ANEXO ÚNICO DO ATO PGJ n 056/2010 PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA ANEXO ÚNICO DO ATO PGJ n 056/2010 SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO: Indicador: Percentual de órgãos com estrutura de equipamentos adequada. Meta: 79, 24% Melhorar a estrutura

Leia mais

Figura 2. Evolução da População Urbana no Brasil. 1940 2000. Fonte: IBGE, Censos Demográficos de 1940, 1950, 1960, 1970, 1980, 1991, 2000. In.

Figura 2. Evolução da População Urbana no Brasil. 1940 2000. Fonte: IBGE, Censos Demográficos de 1940, 1950, 1960, 1970, 1980, 1991, 2000. In. UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SANEAMENTO E SAÚDE PÚBLICA DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Uso e Ocupação do Solo

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais