APLICAÇÃO DE MODELOS DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA FARMÁCIA HOSPITALAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DE MODELOS DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA FARMÁCIA HOSPITALAR"

Transcrição

1 APLICAÇÃO DE ODELOS DE PREVISÃO DE DEANDA E UA FARÁCIA HOSPITALAR rin Wil Afns Univrsidd Fdrl d Juiz d Fr Rrt lhirs rir Filh Univrsidd Fdrl d Juiz d Fr ri Luci d Olivir Nvs Univrsidd Fdrl d Ri d Jnir RESUO O jtiv dst rtig é nlisr dls d prvisã d dnd plicds à séri históric d u dicnt rigd n fráci d u hspitl cirúrgic d Juiz d Fr, ins Gris, vlir pssiilidd d su utilizçã, visnd uxilir n prcss d gstã d suprints. Pr sclh d dicnt sr nlisd utilizu-s clssificçã ABC, snd jt d stud u dicnt prtncnt à clss A. N séri históric d prdut sclhid fr plicds s étds Suvizçã Expnncil, Bx Jnkins Rgrssã Linr Sipls pr s rlizr s prvisõs d dnd, tnd c uxíli s sftwrs Frcst Pr fr Windws Excl. Eprgr-s Err édi Prcntul Aslut (APE) Dsvi édi Aslut (AD) pr vlidçã ds prvisõs tids sclh d dl d r curáci. Os rsultds vidncir qu étd d Rgrssã Linr Sipls c dssznlizçã d dnd s str is dqud pr séri srvd. Plvrs-chvs: dls d Prvisã; Dnd; dicnts. Vrsã inicil rcid 22/12/2010. Vrsã finl pulicd 4/2/2011.

2 1. Intrduçã N visã d Fitzsins Fitzsins (5), dus circunstâncis rc str d súd: s rcurss cnôics l dstinds trn-s is scsss c tp cpcidd d tndint ncntr-s ix ds dnds d dnts (NOVAES, 7). Snd ssi, s rgnizçõs d súd ncssit rvr sus critéris prdutivs, fi d dqur scssz d rcurss xistnts n str u prcss d gstã prfissinlizd ds ss (NOVAES, 7). D crd c Nvs, Gnçlvs Sintti (6), dicnts sã insus ásics à vid. O unt d lngvidd crscint d núr d dnçs dgnrtivs, lids s nvs dls trpêutics prpsts, iplic u incrnt n us d rédis pl ppulçã. Assci-s à utilizçã crscnt d dicnts su grncint cplx dvid crctrístics dsss triis c (1) s przs d vlidd curts, (2) ultiplicidd d prsntçõs, sj d cntúds, lgns u stds físics, (3) su lt vlr unitári, (4) fcilidd d ts ilícits (5) ltridd d dnd. A dinistrçã d rcurss insus d d vitr prds prvr su lcçã t u çã dcrtiznt s trtr ds cuidds c s dnçs qu flig ppulçã. Nss cntxt, ss psquis srv étds quntittivs d prvisã d dnds - Suvizçã Expnncil (sipls, étd d Hlt étd d Hlt- Wintrs), Bx Jnkins Rgrssã Linr Sipls - plicds à séri históric d dicnt rigd u fráci hspitlr trvés d prg d frrnt d prvisã Frcst Pr fr Windws d Excl vli pssiilidd d su us pls gstrs d str. 2. Rvisã d litrtur 2.1 étds d Prvisã d Dnd A prvisã ds nívis d dnd é d su iprtânci pr td prs, à did qu prprcin ntrd ásic pr plnjnt cntrl d tds s divrss árs funcinis ds rgnizçõs. Os vlus d dnd s nts qu crrrã ft fundntlnt s índics d cpcidd, s ncssidds finncirs strutur grl d qulqur ngóci (BALLOU, 6) étd d Suvizçã Expnncil D crd c Crrê Crrê (6), étd d Suvizçã Expnncil Sipls é u édi pndrd d dds d pssd, c ps d pndrçã diinuind xpnncilnt qunt is ntigs fr s dds, u sj, s srvçõs pssds nã rc ps igul. A Equçã (1) dfin étd: Pt+1 = αdt + (1-α)Pt (1) nd Pt+1 é prvisã pr instnt sguint d t; Dt é dnd n instnt t; Pt é prvisã pr instnt t; α é cnstnt d pndrçã xpnncil, snd 0<α<1. Osrv-s qu qunt r vlr d α, r ps é triuíd às dnds is rcnts, dst fr, dl rg is rpidnt às udnçs n séri históric. Pr utr ld, qunt nr vlr d α, r é ps triuíd à dnd históric n prvisã d 10

3 dnd, snd ssi, prvisã é ns susctívl às udnçs n nívl d dnd (BALLOU, 6). Qund s udnçs d tndênci sznlidd nã sã significnts, us-s étd d suvizçã xpnncil sipls (BALLOU, 6). Cs cntrári, plic-s dl d Hlt séris nã sznis c tndênci linr dl d Hlt-Wintrs séris sznis c tndênci, sj l ditiv u ultiplictiv étd d Bx Jnkins (ARIA) D crd c Pllgrini Fglitt (1) s dls ARIA (dls Autrgrssivs Intgrds d édi óvl), té cnhcids c dls d Bx Jnkins, prt d prssupst qu s vlrs d u séri tprl gurd u rlçã d dpndênci; cd vlr tul pd sr xplicd pl vlr prévi d dd d séri. Os principis rcurss utilizds pr idntificçã dignóstic ds séris nd s pss utilizr étd ARIA sã s funçõs d utcrrlçã (FAC) utcrrlçã prcil (FACP). S dtrind séri prsnt u FAC u FACP c crctrístics siilrs d u prcss stcástic, ntã é pssívl dlr séri pr ss étd (ORETTIN TOLOI, 6). A quçã grl ds dls ARIA(p,d,q) é rprsntd pr: x t x t-d = w t = Ф(w) + t θ() Ф(w) = Ф 1 w t-1 + Ф 2 w t Ф p w t-p θ() = θ 1 t-1 + θ 2 t θ q t-q (2) nd xt sã s vlrs d séri tprl x srvds u tp t; t é rr sscid s vlrs srvds n tp t; p é rd d u dl ut-rgrssiv d cficints Ф; q é rd d u dl d édi óvl d cficints θ d é rd d intgrçã d dl ARIA. Osrv-s pl Equçã 2 qu, n dl ARIA, s vlrs futurs d u séri tprl sã supsts c sscids tnt s vlrs pssds d séri ( cpnnt utrgrssiv) qunt s rrs ds srvçõs pssds ( cpnnt édi óvl) Rgrssã Linr Sipls Sgund Nufld (3), rgrssã linr sipls nlis rlçã ntr dus vriávis. Os dds prprids pr st étd cnsist srvçõs, cd u dls c dus dids difrnts. T-s u vriávl indpndnt (vriávl x) u dpndnt (vriávl y), snd qu priir cus udnçs n sgund. Qulqur quçã d u rt pd sr scrit d sguint nir: y = 0 + x*1 (3) nd 0 é intrcpt; 1 é dclividd. Chpr indl (3) dfin u dl státic utiliznd rgrssã linr sipls, tnd prvisã c snd: Pt = [L + t*t]*st (4) nd T é stitiv d tndênci; L é stitiv d nívl pr príd 0; St é stitiv d ftr d sznlidd pr príd t. Ants d stir s prâtrs d nívl tndênci, dv-s dssznlizr s dds d dnd, rprsntnd ssi dnd qu sri srvd n usênci d sznlidd. A 11

4 pridicidd p é núr d príds qu cicl d sznlidd s rpt (CHOPRA; EINDL, 3). Sgund Chpr indl (3) pr grntir qu td stçã rc s ps n nt d dssznlizçã d dnd, tir-s édi ds príds cnscutivs d dnd p sgund s Equçõs 5 6: D D pr p pr (5) pr p ípr (6) A dnd dssznlizd ( D t ) pd crscr u dclinr u tx cnstnt. Dst fr, xist u rlçã linr ntr dnd dssznlizd tp (CHOPRA; EINDL, 3). Pr stir vlrs d nívl (L) tndênci (T) pr dnd dssznlizd, utiliz-s rgrssã linr. O nívl inicil (L) é intrcpt tndênci (T) é dcliv, c dnstrd n Equçã 7 sguir: Dˆ t = L + t*t (7) nd Dˆ t é dnd dssznlizd pós rgrssã linr. Sgund Chpr indl (3), dfinids s vlrs d nívl tndênci, dv-s stir s ftrs d sznlidd. O ftr d sznlidd S t pr príd t é prprçã d dnd rl Dt pr dnd dssznlizd Dˆ t, snd rprsntd n Equçã 8: S t t D = = D t p t + p 2 i= t p 2 t 1 p 2 2 Dt p 2 ( 2 * Di ) + + i t + + = + 1 p 2 2 * p ( D ) p i t t = Dˆ (8) t Dd pridicidd p, té-s ftr d sznlidd pr u dtrind príd trvés d édi ds ftrs d sznlidd crrspndnt príds siilrs, dtrinnd-s St c t vrind d 1 té p. Utiliznd-s Equçã 4 pd-s tr prvisã pr s próxis príds (CHOPRA; EINDL, 3). Est fórul ultiplic rsultd d rgrssã linr pl ftr d sznlidd pr cd príd. Snd ssi, sznlidd é dvlvid à séri prvist. 2.2 Critéris pr vlidçã d étds d prvisã d dnd E rlçã s rrs d prvisã, Bllu (6) cit qu dvid ft d qu futur nã é splhd prfitnt pl pssd, prvisã d dnd futur cntrá rrs lgu nívl. O rr d prvisã é dfinid c difrnç ntr dnd rl dnd prvist. Nst psquis fr utilizds c critéris d vlidçã Err édi Prcntul Aslut (APE) Dsvi édi Aslut (AD), rprsntds ns Equçõs 9 10, nd n rprsnt núr d príds cnsidrds n prvisã. APE = ( Dt - Pt / Dt ) / n (9) AD = ( Dt Pt ) / n (10) 12

5 3 tdlgi Os psss sr sguids n lrçã d stud fr sds ns tdlgis prpsts pr Pllgrini (0) rit Purz (9) stã dscrits sguir. 3.1 Dfiniçã d prl Nst stud, dsnvlvid n fráci d u hspitl cirúrgic d cidd d Juiz d Fr, ins Gris, prgu-s s sftwrs Frcst Pr fr Windws Excl pr rlizçã d prvisã d dnd d u dicnt. Vrific-s ncssidd d s rlizr prvisã d dnd ns prduts d prs nális prqu s ss sã d lt vlr unitári lt prciilidd. Alé dist, tnd-s cnhcint ntcipd d quntidd qu srá dquirid pd-s tr r pdr d rgnh c s frncdrs vitr cprs d urgênci prçs is lts, situçã srvd n prs. T-s c liitçã d stud dispniilidd d dds. Osrvu-s qu s dnds ds dicnts snt cçr sr rgistrds ril d 9. Apns s dicnts d us cntrlds tivr sus dnds ntds nts dist, qu liitu sclh d prdut sr nlisd. 3.2 Clt d dds Fr cltds plnilhs ltrônics livrs utilizds pr cntrl d stqu s dds ds dnds rfrnts príd d d 5 d Alé dist, fr ncssáris ntrvists c s gstrs d fráci pr s tr xplicçã d fnôns srvds ns dds cltds is infrçõs sr prs stud. 3.3 Pririzçã ds prduts Nst stud, s dicnts rigds n stqu d fráci hspitlr fr pririzds pr i d clssificçã ABC. Dst fr, srá jt d stud u prdut prtncnt à clss A, u vz qu st clss é rspnsávl pl r prt d vlr ntári d stqu. 3.4 Anális prliinr ds dds Nst fs fr grds gráfics ds dnds ris d prdut stud, fi d dtctr cpnnts d sznlidd, nívl, tndênci cicl. Alé dist, Pllgrini (0) dstc iprtânci d idntificçã nális ds vlrs spúris, té chds d utlirs. 3.5 Aplicçã ds étds d prvisã d dnd O jtiv dst fs é plicr étds d prvisã d dnd - Suvizçã Expnncil (sipls, étd d Hlt étd d Hlt-Wintrs), Rgrssã Linr Sipls Bx Jnkins - à séri históric stud. 3.6 Esclh vlidçã d dl Dtrinr qul ds étds plicds prsnt r curáci pr séri tprl stud. O étd sclhid srá qul rspnsávl pr grr nrs rrs d prvisã (APE AD). 13

6 4 Rsultds 4.1 Pririzçã ds prduts Pr clssificçã ABC fr utilizds dds d dnd rfrnts príd d ril d 9 d 2010 sguiu-s tdlgi sugrid pr Bllu (6). Ds 188 itns rigds n stqu, 89 r dicnts. C sts triis fi fit clssificçã ABC tnd s n vlr ntári d cd it n stqu (prdut d dnd nul pl prç édi unitári) n quntidd d itns rigds, c cnst n Tl 1: Tl 1 Clssificçã ABC ds dicnts d fráci hspitlr Clss Núr d itns % ds itns Vlr (R$) % d vlr ttl A 9 10,11% ,80 69,31% B 17 19,10% ,63 23,87% C 63 70,79% 7.365,38 6,82% O prdut sclhid pr stud d prvisã d dnd fi Prpfl, dicnt nstésic prtncnt à clss A. 4.2 Anális prliinr ds dds Atrvés d clt d dds d livrs d rgistrs d síds ntrds d dicnts d stqu d rgnizçã, tv-s séri tprl d dicnt Prpfl, cprndnd dds d dnds nsis d d 5 d 2010, ttliznd 63 srvçõs, c str Figur 1: Figur 1 Gráfic d dnd d dicnt Prpfl Atrvés d nális d Figur 1 prc-s ltridd ns dds d dnd d prdut Prpfl. Osrv-s qu dnd t lt ns ss d (c xcçã d n d 8, qund unt crru gst). Ests pics fr justificds pls gstrs d 14

7 rgnizçã dvid à prfrênci pr prt ds clints fzr cirurgis d crátr nã rgncil ns féris d invrn. 4.3 Anális étd d Suvizçã Expnncil Pr suvizçã xpnncil, lhr étd pntd pl Frcst Pr fr Windws fi Hlt-Wintrs ultiplictiv. Os vlrs ds cnstnts tids fr: α = 0,02576; β = 0; γ = 0, O gráfic stá rprsntd n Figur 2. Lgnd PROPOFOL Figur 2 - Séri d dnd nsl ( prt) d dnd prvist ( vrlh) d dicnt Prpfl c utilizçã d étd d Suvizçã Expnncil C vlr d cnstnt pndrd d tndênci β indicd pl sftwr fi zr, é pssívl cncluir, u priir nális, qu séri stud nã t tndênci. O pqun vlr d cnstnt d pndrçã xpnncil (α = 0,02576) signific qu é triuíd u r ps à dnd históric d qu à dnd is rcnt s rlizr prvisã, snd ssi, prvisã t nr pdr d rçã à udnçs n nívl d dnd. U vz qu cnstnt pndrd d índic sznl γ ncntrd fi difrnt d zr, xist sznlidd n séri srvd. 4.4 Aplicçã d étd Bx Jnkins Dntr s dls d Bx Jnkins, indicd pl Frcst Pr fr Windws c snd lhr pr s prvr séri d dicnt Prpfl fi ARIA (0,0,0) c trnsfrd lg. A frrnt Exprt Slctin d sftwr sclhu st dl c is dqud pr rlizr prvisõs n séri studd, snd qu fi rcndd u cprçã c étd d Suvizçã Expnncil. A Figur 3 str rsultd tid pl étd ARIA (0,0,0) qu, n prátic, é pns u cnstnt, n cs édi, tid ns dds d séri. 15

8 Lgnd PROPOFOL Figur 3 - Séri d dnd nsl ( prt) d dnd prvist ( vrlh) d dicnt Prpfl c utilizçã d étd Bx Jnkins A nális ds funçõs d utcrrlçã (FAC) utcrrlçã (FACP) prcil justific sclh pl dl ARIA (0,0,0) indic qu séri pd sr prvist utiliznd tdlgi d Bx Jnkins. 4.5 Aplicçã d étd Rgrssã Linr Sipls Pr utilizçã d étd d Rgrssã Linr Sipls, fi plicd tdlgi sugrid pr Chpr indl (3) trvés d sftwr Excl. A pridicidd p fi tstd c s vlrs 4, 6 12 pr vrificr qul qu lhr s plic à séri, c prsntd n Tl 2. Tl 2- Prâtrs d Rgrssã Linr Sipls utiliznd p = 0, 4, 6 12 Pridicidd R-squr Stt t Vlr-p F d significçã S pridicidd 0, , , , , , , , , ,291 5,43E-08 5,43E , ,65 3,85E-18 3,85283E-18 A nális ds prâtrs prsntds n Tl 2 prit cncluir qu pridicidd qu lhr s plic à séri é p = 12 príds. Est pridicidd rsult u lhr rgrssã linr u vz qu prsnt vlr d R-squr is próxi d 1 r vlr d Stt t, lé d strr nrs vlrs pr Vlr-p F d significçã, snd sts dis prâtrs nrs d qu 0,05. O vlr tid pr Stt t fi r d qu dis, indicnd qu rr pdrã é infrir à td d ódul d vlr d cficint d dclividd. O dl d Rgrssã Linr Sipls c dssznlizçã d dnd prpst pr Chpr indl (3) fi plicd às três pridicidds studds. Pré, tnd-s cnhcint d qu pridicidd qu rsult u r R-squr é d 12 príds, 16

9 nst stud srã prsntds pns s rsultds rfrnts st cicl sznl. Priirnt, tv-s dnd dssznlizd c cnst n Figur 4 sguir. 2 0 J ulh S tr r v N ir n J rç i lh Ju r t S r v N ir n J rç i lh Ju r t S r v N ir n J rç i lh Ju r t S r v N ir n J rç i lh Ju r t S Figur 4 Gráfic d dnd dssznlizd d dicnt Prpfl pr plicçã d étd d Rgrssã Linr Sipls A séri dssznlizd tid tv ns srvçõs d qu séri d dnd rl. Ist crru prqu sã ncssáris 13 príds pr tr u dnd dssznlizd, snd qu dv sr utilizds 6 príds ntrirs 6 príds pstrirs príd srvd. C séri rl cnté 63 srvçõs, tv-s dnd dssznlizd pr s príds ntr d 5 (7º srvçã) d 9 (57º srvçã). Dst fr, tv-s u séri d dnd dssznlizd c 51 srvçõs. Aplicnd-s Rgrssã Linr Sipls n séri d dnd dssznlizd, fi tid rt xprss n Equçã 11 rprsntd n Figur 5: y = 101,4025 0,35464*x (11) Figur 5 Gráfic d rt d dnd dssznlizd d dicnt Prpfl tid pl d étd d Rgrssã Linr Sipls Snd cficint d dclividd ngtiv, séri d dnd dssznlizd t tndênci d dcrscint. Ist fic vidnt qund s nlis Figur 5. 17

10 Pr rlizr s prvisõs d dnd é ncssári crscntr cpnnt sznl pr séri stud. C st intuit, clcul-s s ftrs d sznlidd pr s 12 príds d cicl sznl ultiplic-s s vlrs tids n rt d dnd dssznlizd pls rspctivs ftrs d sznlidd. Dst fr, tv-s séri prvist pr prdut Prpfl, snd l xpst n Figur Séri rl Séri prvist Figur 6 - Séri d dnd nsl d dnd prvist d dicnt Prpfl c utilizçã d étd d Rgrssã Linr Sipls N tnttiv d s rduzir rr d prvisã fi fit u nális ds vlrs spúris (té chds d utlirs). Sgund Pllgrini (0), ls pd crrr dvid rrs d digitlizçã, flt d prduts, prçõs sprádics vriçõs n rcd finncir, snd qu sts vlrs cprt qulidd d dlg. Pr rcnhcint ds vlrs spúris utilizu-s intrvl d cnfinç d 95%. Est prcdint pritiu idntificçã d u vlr utlir, crrspndnt à dnd d gst d 8. Atrvés d nális ds dds d dnd rl, prc-s qu há u lt significtiv d dnd ns ss d, xct n n d 8, qu lt d dnd crru n ês d gst. E ntrvists c s gstrs d fráci hspitlr, fi cnsttd qu st srvçã é típic, s s ss nã s rcrd d tiv d crrênci d vlr spúri. O trtnt d utlir utilizd sguiu étd sugrid pr Pllgrini (0), pré dptd pr séris c sznlidd. Dst fr, vlr spúri fi sustituíd pl édi ritétic d su ntcssr sucssr sznl. Fit ist, étd d Rgrssã Linr Sipls c pridicidd d 12 príds fi plicd nvnt à nv séri tid. C plicçã d étd d Rgrssã Linr Sipls pós dssznlizçã d séri, tivr-s s sguints prâtrs xprsss n Tl 3: Tl 3 Prâtrs d Rgrssã Linr Sipls pós trtnt d utlir utiliznd pridicidd p = 12 18

11 Prâtr Vlr R-squr 0, Stt t -12,2201 Vlr-p F d significçã 1,73E-16 1,73E-16 A quçã d rt tid fi Equçã 11: y = 104,2797-0,56098*x (11) Os ftrs d sznlidd pr s 12 príds d cicl sznl fr nvnt clculds pr vltr c sznlidd d séri s prvisõs fr rlizds, c cnst n Figur Séri rl Séri prvist Figur 7 - Séri d dnd nsl d dnd prvist d dicnt Prpfl c utilizçã d étd d Rgrssã Linr Sipls pós trtnt d utlir 4.6 Discussã ds Rsultds Pr i d nális ds rsultds tids c clssificçã ABC ds dicnts d fráci hspitlr prc-s qu s prduts prtncnts à clss A rc tnçã spcil ds gstrs d rgnizçã, dd qu st rprsnt 10,11% ds itns prsnts n stqu, snd rspnsávl pr 69,31% d vlr ntári d s. A srvçã trivil d gráfic ds dnds ris d séri d dicnt Prpfl xi su ltridd rlvânci d s tntr, trvés d utilizçã d prcsss tátics, prvr dnd d dicnts. A nális ds rrs d prvisã prit sclhr, dntr s dls plicds, qul qu é is dqud pr fzr prvisõs pr séri stud. Nst psquis fr utilizds 19

12 c critéris d sclh vlidçã ds dls AD APE, snd sus vlrs prsntds n Tl 4. Tl 4 - Cprçã ds vlrs ds critéris d vlidçã ds dls Critéris Suvizçã Expnncil Bx Jnkins Rgrssã Linr Sipls APE 36,54% 36,83% 30,63% AD 24,29 27,24 21,18 Cprnd-s s étds d prvisã prgds - Suvizçã Expnncil, Bx Jnkins Rgrssã Linr Sipls - prc-s qu Rgrssã Linr Sipls é rspnsávl pr grr nrs vlrs ds rrs AD APE. O trtnt d vlr spúri sguid d plicçã d étd d Rgrssã Linr Sipls pritiu tr nrs rrs d prvisã (APE AD), pré nã rslvu prl ncntrd n séri tprl. O utlir d ês d gst d 8 fi liind, s dnd d ês d d 8 cntinuu ix s cprd c s príd ds utrs ns srvds, snd qu st situçã fi vist c típic pls gstrs d rgnizçã. A Tl 5 str s rrs tids c utilizçã d étd d Rgrssã Linr Sipls c dssznlizçã d dnd nts dpis d trtnt d utlirs. Tl 5- Vlrs ds critéris d vlidçã tids c Rgrssã Linr (c s trtnt d utlir) Critéris S trtnt d utlir C trtnt d utlir APE 30,63% 26,26% AD 21,18 17,69 Pr i d nális ds rsultds xpsts n Tl 5, cnclui-s qu étd is indicd dntr s nlisds pr s fzr prvisõs pr séri d dicnt Prpfl é Rgrssã Linr Sipls c dssznlizçã d dnd s qu sj fit trtnt d utlirs. Apsr d trtnt d utlirs tr prprcind nrs rrs d prvisã, st diinuiçã nã é significtiv pnt d justificr u ltrçã n séri históric cnclui-s qu é prfrívl rlizr s prvisõs c séri d dnd rl. 5. Cnclusõs A psquis cupr su jtiv strr viilidd d s plicr étds d prvisã d dnd dvinds d nuftur n str d súd. A ncssidd d plicçã dsts técnics instituiçõs d súd, nd prvisã d dnd nrlnt si-s n cnhcint sujtiv ds gstrs, justific-s pl lt prciilidd lt cust unitári ds dicnts rznds ns stqus d frácis hspitlrs. A gstã ds stqus n ár d súd pr i d prg d técnics d prvisã d dnds s str rlvnt já qu grg iprtânci nã só cnôic, funçã d ncssidd d rduçã d custs, s té scil, pritir qu s utiliz prt d cpitl iilizd ns stqus pr utrs finlidds, c quisiçã d nvs insus dstinds à prvnçã trtnt d dnçs. 20

13 C cni gllizd, utrs ftrs pd intrfrir n dnd d dicnts. C rcndçã pr futurs trlhs rsslt-s iprtânci d studr dls ultivrids pr prvr dnd d insus instituiçõs d súd, jtivnd-s tr u lhr dlg d séri d dnd uxilir s gstrs dsts rgnizçõs n gstã d stqu ns dcisõs d rssuprint. REFERÊNCIAS BALLOU, R. H. Grncint d cdi d suprints/lgístic prsril. 5 ª d. Prt Algr: Bkn, 6. CHOPRA, S.; EINDL, P. Grncint d cdi d suprints. Sã Pul: Prsn Prntic Hll, 3. CORRÊA, H. L.; CORRÊA, C. A. Adinistrçã d Prduçã Oprçõs. Sã Pul: Atls, 6. FITZSIONS, J. A.; FITZSIONS,. J. Adinistrçã d srviçs: prçõs, strtégi tcnlgi d infrçã. 4 ª d. Prt Algr: Bkn, 5. ORABITO, R.; PUREZA, V. dlg siulçã. In: igul, P. A. C. t l., tdlgi d psquis Engnhri d Prduçã gstã d prçõs, 1ª d. Ri d Jnir: Editr Elsvir, 9, v.1, p ORETTIN, P.A.; TOLOI, C.. (6). Anális d séris tpris. Sã Pul: Edgr Bluchr, 6. NEUFELD, J. L. Esttístic Aplicd à Adinistrçã usnd Excl. 1ª d., Sã Pul: Prntic Hll, 3. NOVAES,. L. O. dl d prvisã d dnds rduçã d custs d fráci hspitlr. 214 f. Dissrtçã (strd Adinistrçã Dsnvlvint Eprsril) - UNESA, Univrsidd Estáci d Sá, Ri d Jnir, 7. NOVAES,. L. O.; GONÇALVES, A. A.; SIONETTI, V... Gstã ds frácis hspitlrs trvés d pdrnizçã d dicnts utilizçã d curv ABC. In: Anis d XIII Sipósi d Exclênci Gstã Tcnlgi, 8f., Buru: SIPEP, 6. PELLEGRINI, F. R. tdlgi pr Iplntçã d Sists d Prvisã d Dnd f. Dissrtçã d strd (Prgr d Pós-Grduçã Engnhri d Prduçã) - Univrsidd Fdrl d Ri Grnd d Sul, Prt Algr, 0. PELLEGRINI, F.R.; FOGLIATTO, F. S. Psss pr iplntçã d sists d prvisã d dnd - técnics stud d cs. Rvist Prduçã, Ri d Jnir, RJ, v. 11, n. 1, p , 1. 21

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis Arznnt d Snt d Milh Rcipint Rutilizávi Miz Sd Strg In Rubl Cntinr SANAZÁRIO, Ann Chritin 1. kinzri@yh.c.br; COELHO, Fábi Cunh 1. fclh@unf.br; VIEIRA, Hnriqu Durt 1. hnriqu@unf.br; RUBIM, RqulL Filh 1.

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis Sã Pul cpt mir prt s fluxs rs, cm mstr zn influênci ptncil, rginl, lcl s rprts Ri Jnir, vis-vis principis rprts vizinhs - Sã Pul, Mins Gris Espírit Snt 148 Sã ftrs strtgics ligs rprts n snvlvimnt rginl

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

Mapeamento Costeiro com Apoio de Imagens de Satélites THEOS

Mapeamento Costeiro com Apoio de Imagens de Satélites THEOS Mpmnt Cstr cm Ap d Imgns d Stélts THEOS 1 Glbrt Pssnh Rbr, glbrt.pssnh@gml.cm Artur Wllcx ds Snts, rturwllcx@gml.cm Ubrtn d Suz Ds Junr, ubrtn.ds.junr@gml.cm Agrdcmnts: Rbr Brn, Gfísc/UFF UNIFESP Ls Unvrsdd

Leia mais

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas Aprsntçã Instlçõs ds A l A Nrmlmnt A Além sc Filipins. ds sgur mis lugr Cbu trnnd td, tmp sgurnç ficiis prsnç cm cnt rgiã diss, pdris. tips váris Strbucks Dnld's, Mc cm 24hrs ljs tmbém váris prt pr Tms

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO Prf. Dr. Rbr Vdés Pus PPGED/FACED/UFU rbrpus@fcd.ufu.br MOMENTOS DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Cálculo I

Lista de Exercícios 4 Cálculo I Lista d Ercícis 4 Cálcul I Ercíci 5 página : Dtrmin as assínttas vrticais hrizntais (s istirm) intrprt s rsultads ncntrads rlacinand-s cm cmprtamnt da funçã: + a) f ( ) = Ants d cmçar a calcular s its

Leia mais

Turismo Fotografia Mergulho Técnico Naufrágios Cavernas Equipamentos Meio Ambiente Novidades PUBLICIDADE 2014

Turismo Fotografia Mergulho Técnico Naufrágios Cavernas Equipamentos Meio Ambiente Novidades PUBLICIDADE 2014 Turi Ftgrfi Mrgulh Técnic Nufrági Cvrn Equipnt Mi Abint Nvidd PUBLICIDADE 2014 2014 Objtiv ditrii d rvit: A rvit t bjtiv d trr públic rvilh d fund d r, nfcnd pct cini frind iprtânci d cnrvçã bintl. Vi

Leia mais

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy Implmntção d um sistm d control intlignt utilizndo lógic fuzzy Rsumo Mrclo Bilobrovc (UEPG - CEFET - PR) mbilo@upg.br Rui Frncisco Mrtins Mrçl (CEFET - PR) mrcl@pg.cftpr.br João Luis Kovlski (CEFET - PR)

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Taxas de Câmbio. A condição de paridade não coberta da taxa de juro. O fenómeno do sobreajustamento da taxa de câmbio.

Taxas de Câmbio. A condição de paridade não coberta da taxa de juro. O fenómeno do sobreajustamento da taxa de câmbio. II A condição d pridd não cobrt d tx d juro Introdução Prtndu-s chmr tnção do studnt d Polític conómic pr concitos lmntrs, indispnsávis pr comprnsão d dtrminção do quilíbrio no mrcdo cmbil qu srão utilizdos

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Abordagens Administrativas. Abordagens Administrativas INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 4. Abordagem Sistêmica ORGANIZAÇÃO COMO UM SISTEMA FECHADO

Abordagens Administrativas. Abordagens Administrativas INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 4. Abordagem Sistêmica ORGANIZAÇÃO COMO UM SISTEMA FECHADO Abrgns Administrtivs ORGANIZAÇÃO COMO UM SISTEMA FECHADO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 4 2009 Administrçã Cintífic Tylr (TAREFAS) Estu s rtis prdutivs slçã trblhr Incntiv slril cndiçõs mbintis trblh

Leia mais

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 ELETRONEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 SEGURANÇA DAS MÁQUINAS rincípio d sgurnç ds máquins: Grntir sgurnç súd ds pssos xposts durnt instlção,

Leia mais

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares.

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares. jf II L Comissão Ncionl Eliçõs ATA N. 19/XIV Tv lugr no di vint qutro jniro dois mil doz, sssão númro znov d Comissão Ncionl Eliçõs, n sl runiõs sit n Av. D. Crlos 1, n. 128 7. ndr, m Lisbo, sob prsidênci

Leia mais

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas Cm s trnar flunt m Inglês m tdas as áras Tds s dias rcbms muits -mails pssas rm sabr pm fazr aprnr a falar ingls bm A fórmula xist sim funcina! Qur prvar iss dand minha própria xpriência cm aprndizad da

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

COLEÇÃO LEGISLAÇÃO Atualizações Online

COLEÇÃO LEGISLAÇÃO Atualizações Online COLEÇÃO LEGISLAÇÃO Atulizçõs Onlin rquê s tulizçõs s livrs d COLEÇÃO LEGISLAÇÃO? N pnrm lgisltiv ncinl é frnt publicçã nvs diplms lgis, rgulrmnt, ltrm utrs diplms, s quis stã muits vzs incluís ns cmpilçõs

Leia mais

providências. parágrafos da Resolução nº 38, de 16 de julho de 2009, do

providências. parágrafos da Resolução nº 38, de 16 de julho de 2009, do LEI Nº 181/2010 Dispõ sbr Municipl quçã 051/2006 d Li 14, gst 2006, qu trt sbr Cnslh Municipl Alimntçã Esclr CMAE, s dispsiçõs d Li Frl junh 2009 MEC/FNDE/DAE-CD julh 11.947, 38, 2009, 16 Rsluçã dá 16

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira S 1- Litt, Lit Rflxã 3- t D q vz? Jé Rid Mi Cpítl 1 P gt Td é di pfit p l: U liv lgl, d lid. E t d di fz d! P Hê: U di vô lá íti, vid hitói d tp q l id gt. P Hit: Ah, di d ihd, it l, it ág, it hi! P L:

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

TABELA V-A. 0,10=< (r) 0,15=< (r) (r) < 0,20. Até 120.000,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00%

TABELA V-A. 0,10=< (r) 0,15=< (r) (r) < 0,20. Até 120.000,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00% Anxo V 1) Srá purd rlção conform bixo: = Folh d Slários incluídos ncrgos (m 12 mss) Rcit Brut (m 12 mss) 2) Ns hipótss m qu corrspond os intrvlos cntsimis d Tbl V-A, ond < signific mnor qu, > signific

Leia mais

EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA ia VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITALJOICV

EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA ia VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITALJOICV s GUSTAVO HENRIQUE SAUER DE ARRUDA PINTO ADVOGADO EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA i VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITALJOICV -4 ' c ri r O -4 ' -4 t-3 PROCESSO N 1003345-80.2002.8.26.0100

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG COMPANHIA ABERTA NIRE 313.000.363-75 CNPJ/MF nº 17.281.106/0001-03

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG COMPANHIA ABERTA NIRE 313.000.363-75 CNPJ/MF nº 17.281.106/0001-03 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG COMPANHIA ABERTA NIRE 313.000.363-75 CNPJ/MF nº 17.281.106/0001-03 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 16 DE DEZEMBRO DE 2005 1.Dt,

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

2 - Definições: (a) Corrente Primária Nominal (I pn ) (b) Corrente Secundária Nominal (I sn ) (c) Relação de Transformação Nominal (k n )

2 - Definições: (a) Corrente Primária Nominal (I pn ) (b) Corrente Secundária Nominal (I sn ) (c) Relação de Transformação Nominal (k n ) Trfrdre de Crrete Clever Perer TRNSFORMDORES DE CORRENTE 1 - trduçã: Trfrdre de truet de edçã de rteçã TC TP e TPC Trfrdre de Crrete Fuçõe Bác - Reduzr crrete vlre egur r edçã. - lr crcut rár d ecudár.

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C Quesã Pedr iru mens de um cenen de fs d fes em cmemrçã seu niversári e quer clcá-ls ds num álbum de 0 págins. Em cd págin desse álbum cbem, n máxim, 0 fs. Inicilmene, Pedr enu clcr 6 fs em cd págin. A

Leia mais

MATRIZES. Em uma matriz M de m linhas e n colunas podemos representar seus elementos da seguinte maneira:

MATRIZES. Em uma matriz M de m linhas e n colunas podemos representar seus elementos da seguinte maneira: MATRIZES Definiçã Chm-se mtriz d tip m x n (m IN* e n IN*) td tel M frmd pr númers reis distriuíds em m linhs e n cluns. Em um mtriz M de m linhs e n cluns pdems representr seus elements d seguinte mneir:

Leia mais

Numeração. Classificação. Doenças Assunto. Seguro Público para Assistência Médica Tema. "Kenko Hoken" Seguro de Saúde. 1 Exemplos de Situações

Numeração. Classificação. Doenças Assunto. Seguro Público para Assistência Médica Tema. Kenko Hoken Seguro de Saúde. 1 Exemplos de Situações Numraçã 8-4-2 Nívl d cnsulta 3 Classificaçã Dnças Assunt Sgur Públic para Assistência Médica Tma "Knk Hkn" Sgur d Saúd 1 Exmpls d Situaçõs Estu trabalhand m uma mprsa japnsa. Dsj sabr s há algum sgur para

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO SNC NA ALTERAÇÃO DA ESTRUTURA DO BALANÇO DAS ENTIDADES QUE ADOTAM AS NORMAS DO IASB: O CASO PORTUGÊS

A INFLUÊNCIA DO SNC NA ALTERAÇÃO DA ESTRUTURA DO BALANÇO DAS ENTIDADES QUE ADOTAM AS NORMAS DO IASB: O CASO PORTUGÊS 35 A INFLUÊNCIA DO NC NA ALTERAÇÃO DA ETRUTURA DO BALANÇO DA ENTIDADE QUE ADOTAM A NORMA DO IAB: O CAO ORTUÊ Fábi d Albuqurqu Assistnt Cnvidd ICAL Institut uprir d Cntbilidd Administrçã d Lisb Jquín Txir

Leia mais

IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 de 01 a 10

IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 de 01 a 10 IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 d 01 10 PALESTRANTE: Domingos Poubl d Cstro Rio d Jniro, 28 d gosto

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

avalia ao de desempenho e

avalia ao de desempenho e Tchnicl Articl Nvs tcnlgis pr vli d dsmpnh Nw tchnlgisfr prfrmnc vlutin nd cntrl lps udit t pulp nd ppr plnts Autrs Brnrd Srs Trrs M Sc I Edurd Shigu Hri Dr 2 Plvrs chv timiz9 d prcsss prcss d ppl clul

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM 4 5 6 7 8 9 0 QUIPNOS ONROLOS 5 LINS RSRIOS OU LINS ONLOS LIN RSRIOS IR INRLIÇÃO UOÇÃO NSS LR ULILINS O I 8 0/0/5 URÇÃO LRÇÃO OS UNIUS, RPOSIIONNO O POLI LRÇÂO N LIS RIIS LOUV 7 7 0/0/5 LRO O LYOU, SUSIUIO

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

CAPA. Marketing Direto - Set/10 - nº 101 - Ano IX

CAPA. Marketing Direto - Set/10 - nº 101 - Ano IX CP 10 Mrkting n linh Dirt O mrcd tlfni stá m prcss trnsfrmçã. O bm crscimnt pssu, ufri d prtbilid tmbém. O rsultd é sgmnt qu gr brig mntr ptncilizr sus clints. Pr tnt, invst m rlcinmnt n mpliçã srviçs

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires Projto xtnsão Judô Escolr crtific lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs No di 7 julho 2015 form crtificdos os lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs, Arrnguá, qu prticiprm do curso Judô

Leia mais

ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO Auts nº:0014695-64.2013.403.6181 Inquérit Plicil nº0196/2013-11

Leia mais

Análise estrutural e síntese das características lineares e sistêmicas de modelos de desenvolvimento de produto 1

Análise estrutural e síntese das características lineares e sistêmicas de modelos de desenvolvimento de produto 1 Anális struturl sínts ds crctrístics linrs sistêmics d mdls d dsnvlvimnt d prdut 1 Crls Frnnd Jung 2 Crl Schwngbr tn Ctn 3 Márci Elis Srs Echvst 4 Jsé Luis Durt Ribir 5 Rsum Est rtig prsnt s rsultds d

Leia mais

Máquina de lavar loiça

Máquina de lavar loiça r h l Ts lvr d n u q á l C. lç s t v, s p u s p d u c h l u r. t b n b d Máqun d lvr lç A s fcnt slncs d rcd C pns 39 dba qund stá funcnn. 130 dba trs lvvjlls 85 dba 50 dba 45 dba 39 dba 39 dba NÍVEL SONORO

Leia mais

RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO

RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO RECURSOS HUMANOS Intduçã Cncits dfiniçã Digms d flux d pcsss Gáfics d flux d pcsss Estud d cs: DDT d FPFutbl Intduçã Cncits dfiniçã Digms d flux d pcsss Gáfics d flux d pcsss Estud d cs: DDT d FPFutbl

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

Ações Sociais e Sustentáveis Aon 2011

Ações Sociais e Sustentáveis Aon 2011 Açõs Sciis Sustntávis 2011 1. Aprsntçã 1. Aprsntçã é trminlgi d língu gélic pr unid, mtiv pl qul sms sinrgi milhrs cm 1. Aprsntçã vltds é trminlgi dcm língu gélic unid, qul sms disciplins culturs difrnts

Leia mais

MADE IN ITALY TECHNICAL MANUAL

MADE IN ITALY TECHNICAL MANUAL MD N TLY TCHNCL MNL T NTR DS MNTS S CNTDR D MNTS NTR DS HRS NTR DS SNDS 5 20 0 TCHYMTR 0 TÃ D NÍC RM CR N SÇÃ SÇÃ NTR NTR DS SNDS D CRNÓMTR 0 TÃ D TM FRCCND RDÇÃ ZR CNTDR D HRS DT 40 VS: - DSTRRXR CR S

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL GESTÃO DE STOCKS. (Modelos Determinísticos)

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL GESTÃO DE STOCKS. (Modelos Determinísticos) INVESTIGAÇÃO OPERAIONAL GESTÃO DE STOKS (Modlos Dtminísticos) António los Mois d Silv Pofsso d I.O 1. Not Pévi Est txto sting-s à sntção d técnics quntittivs ssocids à gstão d stocks ois é diigido lunos

Leia mais

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA CONVERSÃO EETROMECÂNICA DE ENERGIA Ivn Cmrgo Rvisão 1 (mio d 007) Pr nális d um convrsor, é fundmntl o conhcimnto d forç ltromgnétic dsnvolvid plo convrsor. Existm divrss forms d cálculo dst forç (ou conjugdo),

Leia mais

Notas Técnicas. CBPF-NT-005/13 agosto 2013. Módulo Microcontrolado de Interface padrão SDI-12 para aplicações em monitoramento ambiental

Notas Técnicas. CBPF-NT-005/13 agosto 2013. Módulo Microcontrolado de Interface padrão SDI-12 para aplicações em monitoramento ambiental ISSN 11-921 Nts Tcnics CBPF-NT-5/13 gst 213 Módul Micrcntrld Intrfc pdrã plicçõs m mnitrmnt mbintl Brun Rnt, Gnild N. Snts, Pdr Russn, Alxndr Bnvnt Grld Crnicchir Ciênci, Tcnlgi Invçã dx.di.rg/1.7437/nt2236-764/213.2.2

Leia mais

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE ARTICULAÇÃO INTERMUNICIPAL - CAI CAPANEMA. PERIODO: JANEIRO a DEZEMBRO de 2012 CAPANEMA PA

PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE ARTICULAÇÃO INTERMUNICIPAL - CAI CAPANEMA. PERIODO: JANEIRO a DEZEMBRO de 2012 CAPANEMA PA PLN D ÇÃ D CISSÃ D TICULÇÃ INTUNICIPL - PID: JNI a DZ de 2012 QUIP: DICLI CHICUI CDND NGLIC LI SCTÁI SILN GCI TSUI CPN P 2012 CLNDÁI D TIVIDDS D CISSÃ D TICULÇÃ INTUNICIPL - PID: JNI a DZ de 2012 ÊS TIVIDD

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F4 Vetores: conceitos e definições. 1 Observe os vetores das figuras:

Física. Resolução das atividades complementares. F4 Vetores: conceitos e definições. 1 Observe os vetores das figuras: Resolução ds tiiddes copleentres Físic F4 Vetores: conceitos e definições p. 8 1 Obsere os etores ds figurs: 45 c 45 b d Se 5 10 c, b 5 9 c, c 5 1 c e d 5 8 c, clcule o ódulo do etor R e cd cso: ) R 5

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

Quem são? Um refugiado é toda pessoa que devido a temores de ser perseguida por motivos de raça,

Quem são? Um refugiado é toda pessoa que devido a temores de ser perseguida por motivos de raça, g u f R d Qum ã? Um fugd é td p qu dvd tm d pgud p mtv d ç, lgã, ncnldd, p ptnc dtmnd gup cl p u pnõ plítc, ncnt f d pí d u ncnldd nã p u nã qu c à ptçã d tl pí. Ou qu, ccnd d ncnldd tnd f d pí nd tv u

Leia mais

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR IFC Câmpus Snt Ros do Sul cpcit 18 profissionis locis pr lborção do Cstro Ambintl Rurl CAR No di 10 bril 2015, no Cntro Trinmnto Arrnguá (CETRAR), foi rlizdo um curso cpcitção profissionis rgião pr lborção

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

SEGUROS RELATÓRIO & CONTAS N SEGUROS, S.A. Exercício de 2012 SEGUROS. Griçjo 1ntepici. N Seguros, S.A. -

SEGUROS RELATÓRIO & CONTAS N SEGUROS, S.A. Exercício de 2012 SEGUROS. Griçjo 1ntepici. N Seguros, S.A. - SEGURS N Sgurs, S.A. Zn Industril d Mi - Sctr IX - Lt 20 Mrir d Mi 4470 440 Mi infvnsgurs.pt wwwnsgurs.pt Tl 707502525 Fx 22090 77 77 RELATÓRI & CNTAS Exrcíci d 2012 N SEGURS, S.A. SEGURS Griçj 1ntpici

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia brlim sã l brlim santg rcif curi sul punta dl st rma sul nrnha r rcif rcif garpabacapa nrnha mntvidéu r barilch punta dl st mació sã paul mació sul capadóc r mnt SUPER sã l ngóci gramad turism FÉRIAS crprat

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONTRIBUIÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL (SGE) À EFETIVAÇÃO DA ESTRATÉGIA

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

Editorial. Radar. Últimas. Mapa da Vez. Eventos. Espaço do Leitor. Epidemiologia espacial da Língua Azul II

Editorial. Radar. Últimas. Mapa da Vez. Eventos. Espaço do Leitor. Epidemiologia espacial da Língua Azul II Sumári Editril 5 Rdr 9 Últims 6 Mp d Vz 10 Evnts 7 Espç d Litr 8 12 48 CAPA Dsnvlvimnt SIG: Um nv mund snd scbrt Epimilgi spcil d Língu Azul II 18 55 Entrvist Gff Ziss Bnc Dds Ggráfi cs n Crp Bmbirs d

Leia mais

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua CONTINUIDADE A idéia d uma Função Contínua Grosso modo, uma função contínua é uma função qu não aprsnta intrrupção ou sja, uma função qu tm um gráfico qu pod sr dsnhado sm tirar o lápis do papl. Assim,

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Uma publicação que é referência no setor

Uma publicação que é referência no setor ublic qu é rfrêci Vlt r rfiii ii frcêuc, viári, c, bitclgi, litíci, quíic fi, quit hitlr, i vi qu cl cti é u xigêci, rvit Cl Cti fc luçõ tclógic r rli brilir. C iibui irigi, ublic g rtt ghri ut, r Quli,

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

CURSO DE INTRODUÇÃO AO

CURSO DE INTRODUÇÃO AO 201 O Ç 1 & 4 1 PO PESENTÇÃO DO CUSO DE INDUÇÃO O LINHEN ESPIITUL LIEN P ENTE EOÇÕES & ELÇÕES EQUILIBDS ELIZÇÃO PESSOL - 1 d INDUÇÃO PO d COCHING ESTEL ESTEL é um pr c ss d ut c nh cim nt, strtégi rintçã,

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO GGH/008 6 de Outubr de 00 Cmpins - Sã Pul - Brsil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA)

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

LEI n 45712002 De 29 de abril de 2002.

LEI n 45712002 De 29 de abril de 2002. PREFEITURA i1 UN ICLPL I)I (;ARRI Prç Mrchl Dodoro d Fonsc s/ny Cntro. CEP: 49.830-0()0 CGC 13 112669/0001-17 * Tlfon (0'x79)354 1240 1 E-Mil: LEI n 45712002 D 29 d bril d 2002. Autoriz o Podr Excutivo

Leia mais

Credenciamento de Bancos Múltiplos

Credenciamento de Bancos Múltiplos Crncimnt Bncs Múltipls mrn invr gstã ptncil cnômic-finncir d Flh Pgmnt Exrcit Brsilir. Gn Bd Ricr Mrqus Figuir Dirtr bstcimnt Exrcit Tn Cl Js Eustáqui S. Mrgtt ssssr Lgístic d Dirtri bstcimnt fnt rcits,

Leia mais

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escla Básica Scdária Dr. Âgl Agst da Silva Tst d MATEMÁTIA A º A Draçã: 9 mits Març/ 3 Nm Nº T: lassificaçã O Prf. (Lís Abr) ª PARTE Para cada ma das sgits qstõs d sclha múltipla, slci a rspsta crrta d

Leia mais