ANNE LIZ DYNKOWSKI ZEGHBI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANNE LIZ DYNKOWSKI ZEGHBI"

Transcrição

1 1 ANNE LIZ DYNKOWSKI ZEGHBI TERAPIA NUTRICIONAL DOMICILIAR: PERFIL DE PACIENTES USUÁRIOS DAS UNIDADES DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA/PARANÁ CURITIBA 2008

2 2 ANNE LIZ DYNKOWSKI ZEGHBI TERAPIA NUTRICIONAL DOMICILIAR: PERFIL DE PACIENTES USUÁRIOS DAS UNIDADES DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA/PARANÁ Monografia apresentada como requisito parcial para conclusão do Curso de Especialização em Nutrição Clínica, do Departamento de Nutrição, Setor de Ciências da Saúde, da Universidade Federal do Paraná. ORIENTADORA: Prof. Msc Maria Eliana Schieferdecker CURITIBA 2008

3 3 AGRADECIMENTOS Agradeço a todas as pessoas que de algum modo contribuíram para o meu crescimento profissional. Especialmente ao meu marido pela sua paciência e compreensão, às minhas colegas de trabalho do Centro de Epidemiologia, Angela, Cristiane e Karyne, que permitiram e ajudaram a realização desse estudo e a minha querida orientadora, Maria Eliana, que sempre demonstrou disposição e interesse no decorrer da realização dessa pesquisa.

4 4 SUMÁRIO RESUMO...ii 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA TERAPIA NUTRICIONAL Definições Indicações da terapia nutricional enteral Tipos de acesso para nutrição enteral Via nasogástrica Via nasoduodenal/nasojejunal Via gastrostomia Via jejunostomia Fórmulas enterais Categorização das dietas enterais Administração Administração por bolo Gotejamento intermitente Gotejamento contínuo Complicações na TNE Monitoramento TERAPIA NUTRICIONAL DOMICILIAR PROGRAMA DE ATENÇÃO NUTRICIONAL DA SMS OBJETIVOS MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXO i

5 5 RESUMO Objetivo: Descrever o perfil de pacientes usuários das Unidades de Saúde em Terapia Nutricional (TN) Domiciliar antes da implantação do Programa de Atenção Nutricional a Pacientes com Necessidades Especiais de Alimentação. Material e Métodos: Foi utilizado um banco de dados da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba. Estes dados foram coletados no período de junho e julho de 2006 pela equipe de nutricionistas da SMS. Realizou-se um levantamento de informações sobre idade, sexo, vias de acesso para nutrição enteral, estado nutricional e fórmulas de nutrição enteral utilizadas, as quais foram analisadas em planilha do programa Microsoft Excel. Resultados: Foram avaliados 228 pacientes (124 masculinos, 104 femininos). A distribuição por faixa etária foi de 53% com idade <10 anos; 15% entre 10 e 19 anos; 13% entre 20 e 59 anos e 19% =60 anos. Vias de acesso para nutrição enteral foram: 132 (58%) oral, 66 (29%) gastrostomia, 15 (7%) mista (oral e gastrostomia) e 14 (6%) sonda nasogástrica. Doenças de base mais freqüentes: neurológicas 108 (43,4%), intolerância a lactose 29 (11,6%) e neoplasias 22 (8,8%). Quanto a complexidade das dietas industrializadas as poliméricas são mais utilizadas por 65,35% dos indivíduos. Quanto ao estado nutricional 95 (41,6%) pessoas são eutróficas. O baixo peso supera a eutrofia no grupo dos idosos, 25 dos 43 idosos são classificados como baixo peso e dos 34 adolescentes, 50% (n=17) encontram-se abaixo do percentil 5 para IMC/idade. Considerações finais: Os usuários das Unidades de Saúde em Terapia Nutricional (TN) Domiciliar a maioria são do sexo masculino, crianças, com alimentação predominando a via oral seguida pela gastrostomia e utilizam dieta polimérica. As doenças de base mais freqüentes são as neurológicas. Os Idosos e adolescentes são os grupos que apresentam maior prevalência de baixo peso enquanto os adultos e crianças apresentam maiores percentagens de eutrofia Palavras chave: Terapia nutricional. Nutrição enteral. Assistência domiciliar. ii

6 6 1 INTRODUÇÃO A Terapia Nutricional Enteral (TNE) consiste em uma modalidade de tratamento cujo objetivo é manter ou reverter o estado nutricional do paciente de forma artificial, ou seja, ofertar macro e micronutrientes em quantidade e qualidade adequadas por meio de sondas ou ostomias. É o tratamento de escolha de pessoas que possuem o trato gastrointestinal funcionante (AMERICAN GASTROENTEROLOGICAL ASSOCIATION, 1995). A TNE a nível hospitalar é corriqueiramente utilizada e já está bastante difundida nesse meio. Mas a TNE também pode ser feita seguramente no domicílio, como forma de dar continuidade a intervenção iniciada no hospital, além de proporcionar diversos outros benefícios como a redução do estresse causado pelo ambiente e rotina hospitalar, maior estabilidade emocional e vínculo familiar, diminuição do risco de infecção hospitalar e outros. Não há dados que permitam saber a real incidência de nutrição enteral domiciliar. Há informações que oscila entre 460 pacientes / milhão de habitantes nos Estados Unidos e 40 pacientes / milhão de habitantes na Espanha (MORENO VILLARES, 2004). No Brasil, não existem dados disponíveis que nos permitam comparar as características dos pacientes atendidos com terapia nutricional domiciliar pelo Sistema Único de Saúde. De acordo com Planas e colaboradores (2003), as informações dos pacientes que estão recebendo nutrição enteral no domicílio permitem coordenar mais adequadamente os recursos sanitários e realizar uma análise crítica construtiva dos dados que contribuirá para uma melhora da assistência. O conhecimento do perfil da população vítima de problemas que levam ao uso da terapia nutricional domiciliar faz-se necessária para que políticas públicas sejam elaboradas para que haja uma intervenção com maior eficácia e precisão nestes casos, possibilitando que a terapia nutricional utilizada no hospital possa ser continuada com a mesma qualidade no domicílio. Permitindo assim progressos na recuperação do estado nutricional do paciente evitando re-

7 internações, as quais são muito dispendiosas para a economia pública e principalmente, extremamente danosas para o estado geral do paciente. 7 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 TERAPIA NUTRICIONAL DEFINIÇÕES A TN é claramente definida na Resolução RDC nº 63, de julho de 2000, como um conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do paciente por meio da Nutrição Parenteral ou Enteral. A TN visa o fornecimento de forma artificial, por meio de sonda ou ostomias, de energia e nutrientes em quantidade e qualidade adequadas a fim de suprir as necessidades diárias de um paciente levando em consideração o tratamento específico de sua doença. É indicada quando a ingestão oral é insuficiente para manter o estado nutricional do paciente. A TN quando bem indicada e aplicada por profissionais qualificados apresentam melhoras nos indicadores nutricionais, principalmente da desnutrição e conseqüentemente redução das taxas de morbi-mortalidade, diminuição dos riscos de complicações, menor tempo de internação e redução das despesas derivadas da hospitalização. A criação e manutenção de uma boa equipe multidisciplinar especializada no suporte nutricional é facilmente compensada pelos recursos gerados pela equipe em si, sendo portanto altamente vantajosa nos aspectos financeiros se praticada por grupos treinados de maneira adequada (WAITZBERG; BAXTER, 2004). Segundo o Inquérito Brasileiro da Avaliação Nutricional Hospitalar (IBRANUTRI), que estudou 4000 pacientes hospitalizados pelo sistema público em 12 estados brasileiros e no Distrito Federal, observou a desnutrição em

8 8 48,1% dos pacientes, sendo 12,6% considerados graves e 35,5% desnutridos moderados. (WAITZBERG; CAIAFFA; CARREIA, 2001). A desnutrição hospitalar é diretamente proporcional a morbi-mortalidade e custos aumentados para o sistema de saúde. Existe uma reação em cadeia, quanto mais o paciente permanecer hospitalizado, maiores são as chances do mesmo ficar desnutrido e isso prolonga o período de internação o que resulta em menor disponibilidade de leitos para pacientes novos (WAITZBERG; BAXTER, 2004). A Terapia Nutricional Enteral (TNE) é indicada pela American Gastroenterological Association (1995), como o tratamento de escolha para pessoas que possuem o trato gastrointestinal funcionante. Por definição, enteral significa dentro ou através do trato gastrointestinal (MANHAN; ESCOTT-STUMP, 2005). O trato gastrointestinal é considerado mais fisiológico e metabolicamente mais efetivo que a via parenteral, ou seja, intravenosa, para a utilização de nutrientes, por isso a via enteral deve ser sempre a primeira opção de tratamento. Entre as possíveis definições da TNE, uma das mais abrangentes foi proposta pelo regulamento técnico para a terapia nutricional enteral, a Resolução RDC nº 63, de 2000: alimento para fins especiais, com ingestão controlada de nutrientes, na forma isolada ou combinada, de composição definida ou estimada, especialmente formulada e elaborada para uso por sondas ou via oral, industrializado ou não, utilizada exclusiva ou parcialmente para substituir ou complementar a alimentação oral em pacientes desnutridos ou não, conforme suas necessidades nutricionais, em regime hospitalar, ambulatorial ou domiciliar, visando a síntese ou manutenção dos tecidos, órgãos ou sistema. A nutrição enteral preserva a seqüência fisiológica da absorção; os substratos chegam ao fígado através da circulação portal, onde são armazenados, metabolizados e, gradativamente, liberados e utilizados. A presença de alimentos no tubo digestivo reduz os riscos de atrofia, disfunção e translocação de bactérias e suas toxinas para a circulação sistêmica (FILHO, 1994).

9 INDICAÇÕES DA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL Existem basicamente duas situações em que se indica a terapia nutricional enteral. A primeira é quando houver risco de desnutrição, ou seja, quando a ingestão oral for inadequada para prover de dois terços a três quartos das necessidades nutricionais diárias. A outra situação onde se faz necessária a indicação da TNE é quando o trato digestivo estiver total ou parcialmente funcional. Indica-se TNE em situações clínicas em que o tubo digestivo está íntegro mas o paciente não quer comer, não pode ou não deve se alimentar via oral (WAITZBERG, 2000). A melhor via para se fornecer nutrientes é a via oral, devendo dar-se prioridade à utilização do trato gastrointestinal, pois é mais fisiológica, econômica, apresenta menores riscos, além de poder ser realizada em nível domiciliar. Uma indicação geral para nutrição enteral está relacionada com a manutenção da saúde da mucosa do trato gastrointestinal e prevenir sua atrofia, particularmente em pacientes com trauma, pacientes pós cirúrgicos, entre outros (SHILS et al., 1994). Os quadros 1 e 2 listam as indicações para TNE. QUADRO 1 - INDICAÇÕES DE NUTRIÇÃO POR SONDA ADULTO Indicação Precisa Desnutrição calórico-protéica Pré e pós-operatórios Pós-cirúrgico de fraturas de quadril Câncer de oro-faringe, gastrointestinal, esofágico ou estenose esofágica Tumores Doença pulmonar obstrutiva crônica, caquexia cardíaca Estado nutricional normal Pós-operatório de risco nutricional Lesão de face e mandíbula Doenças neurológicas Coma ou estado de delírio Doenças degenerativas cerebrais (demência de Alzheimer) Tumores cerebrais, etc.

10 10 Doenças gastrointestinais Doença inflamatória intestinal Fístulas digestivas de baixo débito Síndrome do intestino curto Pancreatite leve e moderada Doenças orofaríngeas e esofageanas Tumores, etc. Doenças psiquiátricas Anorexia severa e/ou nervosa Disfagia severa Obstrução ou disfunção da orofaringe e esôfago Acidente vascular cerebral Tumores cerebrais Traumas de cabeça Síndrome de Guillain-Barret Esclerose múltipla Esclerose lateral amiotrófica Grande queimado Ressecção intestinal Trauma abdominal extenso Oclusão vascular mesentérica Enterite por radiação Doença inflamatória intestinal Sepse Coma Indicações Condicionais AIDS Sepse Grande trauma Radioterapia Em câncer de pulmão, cabeça-pescoço, cérvix e linfomas Quimioterapia leve Em câncer de pulmão, mama, cólon, ovário e testículo Depressão severa Disfunção renal e hepática severa Insuficiência hepática crônica ou aguda Encefalopatia hepática Insuficiência renal crônica ou aguda FONTE: Adaptado de MARTINS; CARDOSO (2000)

11 11 QUADRO 2 - INDICAÇÕES DE NUTRIÇÃO POR SONDA PEDIATRIA Doenças da boca, faringe, esôfago, estômago: dificuldade de sucção e deglutição Anomalias esofágicas Atresia de esôfago Fístula traqueoesofágica Refluxo gastroesofágico: casos que não respondem ao tratamento habitual Hipermetabolismo Queimaduras Sepse Trauma múltiplo Tétano Ingestão oral inadequada (menos de 60% das necessidades nutricionais) Deficiência de crescimento e desenvolvimento Pacientes neurológicos: coma, paralisia cerebral Fibrose Cística Insuficiência renal Insuficiência hepática Doença cardíaca congênita Doença de Crohn Síndrome do intestino curto Doença hepática crônica Anorexia e perda de peso Pancreatite Suporte à radioterapia e à quimioterapia FONTE: FILHO (1994) e MARTINS; CARDOSO (2000) TIPOS DE ACESSO PARA NUTRIÇÃO ENTERAL Caso o paciente seja candidato ao uso de sonda enteral, a seleção do acesso irá depender de diversos fatores: duração prevista da alimentação enteral, grau de risco de aspiração ou deslocamento da sonda, presença ou ausência de digestão e absorção normais; intervenção cirúrgica está ou não planejada, questões da administração como viscosidade e volume da fórmula (MANHAN; ESCOTT-STUMP, 2005).

12 12 De uma forma geral os sistemas de nutrição enteral via sonda utilizada por períodos curtos, incluem tubos nasogástricos, nasoduodenais e nasojejunais. Em longos períodos, são usados gastrostomia e jejunostomia (NISIM; ALLINS, 2005) VIA NASOGÁSTRICA É uma sonda inserida do nariz ao estômago, apropriada para períodos de nutrição enteral de curta duração, 3 a 4 semanas. Indicada para pacientes sem risco de broncoaspiração (reflexo de tosse presente, consciente, ausência de refluxo gastroesofágico), com esvaziamento normal do conteúdo gástrico e duodenal VIA NASODUODENAL/NASOJEJUNAL As sondas nasoentéricas são colocadas após o piloro. São apropriadas para suporte nutricional enteral de curta duração, 3 a 4 semanas. Indicada para pacientes com risco de broncoaspiração (reflexo de tosse ausente, nível de consciência diminuído, refluxo esofágico significativo), pacientes com gastroparesia ou esvaziamento gástrico anormal (estase gástrica), náuseas e vômitos refratários VIA GASTROSTOMIA Podem ser gastrostomia endoscópica percutânea, gastrostomia por via radiológica, gastrostomia videolaparoscópica e gastrostomia cirúrgica aberta.

13 13 Nestes casos a sonda é posicionada diretamente no estômago através da parede abdominal. São indicadas para pacientes com previsão de alimentação via sonda por período superior a 4 semanas. Não pode haver risco de broncoaspiração e o esvaziamento do conteúdo gástrico e duodenal devem estar normais. Existem alguns casos que contra-indicam a gastrostomia como: distúrbios incorrigíveis de coagulação, anatomia insatisfatória ou dificuldade de acesso ao estômago, sepse, imunossupressão, ascite acentuada, peritonite, hipertensão portal com varizes intra-abdominais, carcinoma peritoneal, íleo paralítico, doença de Crohn ou colite ulcerativa pelo risco de fístulas, obesidade mórbida e obstrução esofageana VIA JEJUNOSTOMIA Podem ser jejunostomia cirúrgica, percutânea endoscópico, radiológico e laparoscópico. Similar a gastrostomia, a sonda é posicionada diretamente no jejuno através da parede abdominal. É indicado para pacientes com previsão de alimentação via sonda por período superior a 4 semanas, com alto risco de aspiração pulmonar, inabilidade de utilizar a parte superior do trato gastrointestinal, presença de gastroparesia ou esvaziamento gástrico deficiente, náuseas e vômitos refratários FÓRMULAS ENTERAIS As fórmulas utilizadas no tratamento são específicas para cada paciente. Em geral, os tipos de fórmulas variam em quantidade de proteína e calorias, enriquecimento com fibras, semi-elementares, fórmulas com gordura modificada, específicas de acordo com a doença e várias outras. As fórmulas devem

14 14 ser escolhidas levando em consideração o estágio da doença, estado nutricional do paciente, capacidades absortivas e digestivas, terapia medicamentosa, função renal, balanço eletrolítico e outros (NISIM; ALLINS, 2005). Devendo, portanto, cada caso ser avaliado criteriosamente antes da prescrição da dietoterapia. As propostas das indústrias que trabalham com a elaboração as dietas destinadas para o uso em terapia nutricional são freqüentes, inovadoras e cientificamente fundamentadas. É um mercado em constante aperfeiçoamento e que cresce de maneira inteligente no que diz respeito à qualidade e funcionalidade dos produtos comercializados. Na seleção da fórmula de nutrição enteral é recomendada a reavaliação rotineira, devendo-se sempre considerar fatores como osmolalidade, conteúdo de fibras e densidade calórica (WAITZBERG, 2000) CATEGORIZAÇÃO DAS DIETAS ENTERAIS Quanto ao preparo podem ser: Industrializadas - em pó, para reconstituição, líquidas semi-prontas para uso, comercializadas em lata, frasco ou vidro. Não industrializada, artesanal ou caseira - feita com alimentos in natura. Mista - quando é usado a industrializada, que pode ser em módulo de nutrientes mais a não industrializada. Quanto à complexidade dos nutrientes podem ser: Polimérica são fórmulas cujos macronutrientes, em especial a protéina, apresentam-se intactos. Indicada para pacientes sem alterações metabólicas severas e sem falência grave nos órgãos, o que inclui a maioria dos pacientes, não sendo usada somente quando outra fórmula for indicada. Exemplo: paralisia cerebral, câncer, acidente vascular encefálico. Oligomérica são fórmulas cujos componentes, em especial a proteína, aparecem em sua forma parcialmente hidrolisados (oligopeptídeos, oligossacarídeos). Requerem menor digestão para sua absorção quando comparado às poliméricas. Indicada aos pacientes que apresentam

15 15 capacidade digestiva e absortiva reduzida ou em jejum por mais de uma semana. Exemplo: alergia a proteína do leite de vaca. Elementar ou Monomérica são fórmulas cujos componentes apresentamse em sua forma mais simples e hidrolisada. Constituem-se em geral de aminoácidos cristalinos, açúcares simples (glicose), ácidos graxos essenciais (AGE), vitaminas e minerais. Indicados aos pacientes que apresentam capacidade digestiva e absortiva reduzida ou em jejum por mais de uma semana. Exemplo: alergia a proteína do leite de vaca. Quanto a presença de algum elemento específico podem ser dietas isentas de lactose para casos de intolerância a lactose, dietas com ou sem fibras. Quanto a osmolaridade podem ser hipotônica, isotônica, moderadamente hipertônica e hipertônica. Também podem ser normocalóricas, hipercalóricas, hipocalóricas, hiperlipídica, hiperprotéica, hipoglicídica, normolipídica, etc ADMINISTRAÇÃO Existem três métodos comuns de administração: por sonda de alimentação, por bolo, gotejamentos intermitente e contínuo. Pode ser sistema fechado, onde a dieta está pronta para o uso, é estéril, acondicionada em embalagens apropriadas para a conexão direta ao equipo, sem haver qualquer contato com o manipulador, equipamentos ou ar ambienta, mais comumente usada em hospitais. E sistema aberto, quando a dieta necessita de manipulação. Devem ser escolhidos de acordo com estado clínico do paciente e levando em consideração a qualidade de vida do mesmo. Os métodos podem servir como transição para o outro.

16 ADMINISTRAÇÃO POR BOLO Indicado para pacientes clinicamente estáveis com um estômago funcionante. As alimentações de bolo com seringa são mais convenientes e menos dispendiosas que as em bolo por bomba ou gravidade. O paciente com função gástrica normal em geral pode tolerar 3 a 4 bolos de 500ml de fórmula em cada administração por dia (MANHAN; ESCOTT-STUMP, 2005) GOTEJAMENTO INTERMITENTE Possibilitam maior tempo livre e automomia ao paciente comparado com o gotejamento contínuo. Um esquema é baseado em 4 a 6 refeições ao longo de 20 a 60 minutos. Não devem ser usada por pacientes com alto risco de broncoaspiração. Pode ser gravitacional ou por bomba infusora (MANHAN; ESCOTT-STUMP, 2005) GOTEJAMENTO CONTÍNUO Este método requer uma bomba e deve ser a opção de pacientes que não toleram grandes volumes, geralmente leva 18 a 24 horas para administrar o volume total diário (MANHAN; ESCOTT-STUMP, 2005) COMPLICAÇÕES DA TNE 3. A classificação das complicações estão descritas no quadro

17 QUADRO 3 - COMPLICAÇÕES NA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL Anormalidades gastrointestinais Náuseas Vômitos Estase gástrica Distensão abdominal, cólicas, empachamento, flatulência Diarréia e obstipação Metabólicas Hiperhidratação e desidratação Hiperglicemia e hipoglicemia Anormalidades de eletrólitos e elementos traços Alterações da função hepática Mecânicas relacionadas com a sonda enteral Erosão nasal e necrose Abscesso septonasal Sinusite aguda, rouquidão e otite Faringite Esofagite, ulceração esofágica, estenose Fístula traqueoesofágica Ruptura de varizes esofágicas Obstrução da sonda Saída ou migração acidental da sonda Infecciosas Gastroenterocolites por contaminação microbiana no preparo, nos utensílios e na Respiratórias administração da fórmula Aspiração pulmonar com síndrome de Mendelson (pneumonia química) ou pneumonia Psicológicas infecciosa Ansiedade Depressão Falta de estímulo ao paladar Monotonia alimentar Insociabilidade Inatividade FONTE: WAITZBERG (2000) 17

18 MONITORAMENTO Diante da complexidade da TNE e da vulnerabilidade que se encontram os pacientes em TNE, exige-se que o monitoramento seja contínuo para prevenir e corrigir complicações. O objetivo principal da terapia nutricional contempla a prevenção da desnutrição energético-protéica e suas conseqüências, visto que os pacientes bem nutridos respondem melhor aos diversos tipos de tratamento. Madigan et al. (2003) sugerem que o paciente seja reavaliado após 2 a 6 semanas da avaliação dietética inicial para aqueles que atendam pelo menos um dos critérios a seguir: 1) morem na própria residência, 2) tenham diagnóstico de câncer, 3) apresentem alguma ingestão oral, 4) necessitem de mudança no esquema alimentar na avaliação inicial, 5) tenham diabetes mellitus do tipo 1 ou 2, 6) apresentem complicações como problemas gastrointestinais. E dependendo da doença de base poderiam ser reavaliados após 3 meses e os mais estáveis após 6 meses. A desnutrição é responsável direta por maiores índices de morbidade (cicatrização mais lenta de feridas, taxas de infecção hospitalar aumentada, maior tempo de internação, principalmente em UTI e índices de reinternações superiores) e mortalidade o que leva a um maior custo para o Sistema Único de Saúde. 2.2 TERAPIA NUTRICIONAL DOMICILIAR A Sociedade Americana de Nutrição Parenteral e Enteral (ASPEN, 2002) recomenda que a terapia nutricional domiciliar deva se reservar àqueles pacientes que não podem suprir suas necessidades energéticas por meio da ingestão oral e que não precisem de hospitalização, preferindo sempre a opção pela nutrição enteral; e no caso da nutrição parenteral, ser indicada quando o trato gastrointestinal não funciona ou se a alimentação via enteral não é suficiente. Não há dados que permitam saber a real incidência de nutrição enteral domiciliar. Há escassez de literatura especializada no que se refere ao assunto nutrição enteral domiciliar. Na Espanha, existe um grupo de trabalho em

19 19 Nutrição Artificial Domiciliar e Ambulatórial (NADYA) da Sociedade Espanhola de Nutrição Parenteral e Enteral (SENPE) cujo trabalho é analisar os dados de registro de colaboradores sobre os pacientes em terapia nutricional e publicar anualmente. Como esse registro é voluntário, não representam a totalidade dos pacientes do país, servindo apenas uma orientação. A assistência domiciliar a pacientes em Terapia Nutricional Domiciliar (TND) pode ser realizada pelos programas de home care de empresas particulares, atendimento no domicilio por profissionais independentes de ser em equipes, em ambulatório ligado aos hospitais ou por meio de programas oferecidos pelo Sistema Único de Saúde. A TND é uma modalidade de tratamento contínuo, que apresenta inúmeras vantagens tanto para o paciente quanto para a família e também para o sistema sanitário em geral (BURGOS; PLANAS, 2004). Geralmente os pacientes em nutrição enteral mantêm esse tratamento por meses, não sendo justificável, na maioria dos casos, a sua permanência no hospital (HERBUTERNE et al., 2003). A TND proporciona um melhor aproveitamento dos recursos disponibilizados aos cuidados assistenciais além de permitir a humanização durante a terapia (GONZÁLES RAMALLO; VALDIVIESO MARTINÉZ; RUIZ GARCÍA, 2002) e melhor qualidade de vida (PACCAGNELLA et al., 2007). A TND permite que o paciente volte para a sua casa e receba tratamento em um ambiente familiar, confortável, seguro, além de reduzir o tempo de internação e ter menor risco de infecções. É importante uma revisão nas condições familiares locais, pois circunstâncias não usuais podem afetar o sucesso do suporte nutricional domiciliar. Fatores ambientais que podem afetar os resultados da terapia nutricional incluem ambiente domiciliar inseguro, poucas condições sanitárias e condições de moradia nas quais o paciente não dispõe de telefone e refrigeração (WAITZBERG, 2000). Burgos e Planas (2004) descrevem alguns requisitos para seleção dos pacientes candidatos a TND: a situação clínica do paciente deve permitir a atenção a nível domiciliar; a família deve aceitar o tratamento domiciliar; a família ou cuidadores devem receber um treinamento adequado que permita que o tratamento seja seguido com segurança e os mesmos devem demonstrar

20 20 capacidade e manejo do tratamento; as condições do domicílio relacionadas a higiene e armazenamento de produtos devem ser adequadas; é preferível que o paciente tolere o tratamento que será realizado no domicílio ainda no hospital; os benefícios da terapia nutricional domiciliar devem ser maiores que os riscos; a nutrição artificial domiciliar deve manter ou melhorar a qualidade de vida do paciente. Educação e treinamento apropriado para o paciente, para a família e cuidadores constroem a base do sucesso. E isso deve acontecer antes da alta hospitalar. Os pacientes, familiares e cuidadores devem receber informações escritas e verbais e se possível seguidas por uma demonstração. Também seria interessante os cuidadores demonstrarem o aprendizado para o treinador. Cada visita domiciliar fornece uma oportunidade para revisar as técnicas e continuar a educação e treinamento. Complicações na TNE são comuns de ocorrer tanto em nível hospitalar quanto domiciliar. Podem estar presentes complicações em relação a administração dos nutrientes, problemas para adquirir a fórmula de nutrição enteral e materiais, obstrução ou ruptura da sonda, problemas gastrointestinais (vômitos, diarréia), alterações metabólicas (MORENO VILLARES, 2004). Em outro estudo as complicações encontradas em ordem de freqüência foram trocas da sonda, problemas gastrointestinais, mecânicos e metabólicos (PLANAS et al., 2003). Portanto faz-se necessário que a família e cuidadores estejam cientes e preparados caso ocorra algumas das situações acima mencionadas, para que sejam solucionadas em menor tempo possível evitando danos irreparáveis ao paciente. Muitas das complicações podem ser resolvidas no próprio domicílio pela família e cuidador se bem orientadas por um profissional capacitado. Os avanços tecnológicos em sondas de nutrição enteral, catéteres venosos, fórmulas específicas e bombas de infusão nos últimos 30 anos têm permitido o desenvolvimento da TND, juntamente com programas e guias de cuidados atualizados possibilitam a promoção da saúde e bem estar daqueles que necessitam de tratamento nutricional altamente qualificado (ASPEN, 1999). Se os resultados almejados com a TND fossem realmente alcançados, os pacientes deveriam apresentar menos complicações, a internação mais curta e os custos reduzidos (WAITZBERG; BAXTER, 2004). Mas na prática isso nem sempre é possível de se observar, talvez pela não determinação correta de

21 21 pacientes candidatos a TND e falta de acompanhamento da equipe de saúde no domicílio. Em muitos casos os pacientes são mandados para suas casas com orientações teóricas e quando surgem complicações as mesmas são resolvidas com re-internações. Pacientes em TND exigem acompanhamento periódico de profissionais capacitados em suas residências como forma de diminuir consideravelmente os riscos de complicações. A tentativa de baratear recursos públicos enviando o paciente em TN para sua própria casa só apresentará vantagens reais se a qualidade no serviço prestado ao paciente a nível domiciliar for tão boa quando no hospital. Caso contrário haverão reinternações, as quais além de representarem custo elevado para o Sistema Único de Saúde serão muitos danosas para a saúde do paciente, que se manterá instável e terá sua qualidade de vida diminuída. Em um estudo realizado por Baxter et al. (2002, citado por Waitzberg e Baxter 2004), no qual analisou-se vantagens nutricionais e econômicas de um Programa de Suporte Nutricional Domiciliar do Hospital das Clínicas da cidade de São Paulo comparando o suporte nutricional domiciliar com o modelo convencional intra-hospitalar, revelou um custo reduzido em 2,6 vezes no suporte domiciliar, melhorou a taxa de ocupação cirúrgica em 2,9 vezes e gerou uma economia de R$9.132,83 para cada paciente atendido no domicílio. Esse estudo mostra a necessidade de se instalar a TND como suporte no cuidado dos pacientes hospitalizados. É difícil encontrar protocolos em TND universalmente aceitos, somente aqueles elaborados para uso local e por isso com muitas limitações. Existe grande variabilidade na prática clínica, não existem guias para atuação comum e somente casos de estudos multicêntricos (MORENO VILLARES, 2004). Isso dificulta muito a padronização do atendimento e assistência integral ao paciente. 2.3 PROGRAMA DE ATENÇÃO NUTRICIONAL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE (SMS) DE CURITIBA O Programa de Atenção Nutricional a Pacientes com Necessidades Especiais de Alimentação da SMS, cujo foco está na atenção ao

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA Graduação 1 FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA UNIDADE 4 ALIMENTAÇÃO ENTERAL Nesta unidade você irá estudar as

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar A assistência nutricional e clínica ao paciente em domicilio vêm crescendo no Brasil e no mundo. Também conhecida como home care, internação domiciliar ou

Leia mais

Nutrição. Diana e Silva, Marta Rola

Nutrição. Diana e Silva, Marta Rola Outras dimensões Nutrição Diana e Silva, Marta Rola Hospital Pediátrico Integrado/ Centro Hospitalar São João Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto Suporte Nutricional

Leia mais

TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL

TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL ÍNDICE TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL 1. INTRODUÇÃO 01 2. ALIMENTANÇÃO ENTERAL: O QUE É? 02 3. TIPOS DE NUTRIÇÃO ENTERAL 03 4. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO 04 ENTERAL 5. TIPOS DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico.

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico. Nota Técnica Processo n º Solicitante: Dra. Daniele Viana da Silva Juíza da Comarca de Ervália - Mg Data: 07/12/2012 Medicamento/ Dieta Material Procedimento Cobertura x TEMA: Dieta enteral de soja para

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária Secretária Nutricionista Gerente Nutricionista Planejamento

Leia mais

ANEXO NORMA TÉCNICA PARA ATUAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM TERAPIA NUTRICIONAL

ANEXO NORMA TÉCNICA PARA ATUAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM TERAPIA NUTRICIONAL ANEXO NORMA TÉCNICA PARA ATUAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM TERAPIA NUTRICIONAL 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação da equipe de enfermagem em Terapia Nutricional, a fim de assegurar uma assistência

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Alexandre Leite) Reduz a zero as alíquotas da Contribuição para o PIS/PASEP e da Cofins incidentes sobre os serviços de administração de dietas enteral e parenteral.

Leia mais

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO II CICLO DE DEBATES DESNUTRIÇÃO HOSPITALAR A EPIDEMIOLOGIA DA DESNUTRIÇÃO NO BRASIL NA EPIDEMIA DE OBESIDADE A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO Edilaine Maria Stella da Cruz Instituto do Câncer Arnaldo

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR HOME CARE Ajudar o paciente a resgatar a qualidade de vida em sua própria residência, é o compromisso do NADH. O atendimento personalizado é

Leia mais

PROTOCOLO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE DIETAS ESPECIAIS

PROTOCOLO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE DIETAS ESPECIAIS PREFEITURA MUNICIPAL DE ALMIRANTE TAMANDARÉ ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE DIETAS ESPECIAIS PROTOCOLO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE DIETAS ESPECIAIS ALMIRANTE TAMANDARÉ

Leia mais

PROVA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM CANCEROLOGIA CLINICA EM ÃREA DA SAÚDE: NUTRIÇÃO PROCESSO SELETIVO Nº 01/2014 DATA: 17/02/2014 HORÁRIO:

PROVA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM CANCEROLOGIA CLINICA EM ÃREA DA SAÚDE: NUTRIÇÃO PROCESSO SELETIVO Nº 01/2014 DATA: 17/02/2014 HORÁRIO: PROVA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM CANCEROLOGIA CLINICA EM ÃREA DA SAÚDE: NUTRIÇÃO PROCESSO SELETIVO Nº 01/2014 DATA: 17/02/2014 HORÁRIO: das 8h30min às 11h30min INSTRUÇÕES CADERNO DE QUESTÕES 1-

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DIETAS ENTERAIS

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DIETAS ENTERAIS TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS 82026 82025 82021 MEDICAMENTOS NUTRICAO, NUTRICAO ENTERAL, HIPERCALORICA, OLIGOMERICA, COM PROTEINA DE ORIGEM ANIMAL HIDROLISADA. ISENTA DE SACAROSE, LACTOSE E GLUTEN. PRINCIPIO/CONCENTRACAO1:

Leia mais

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Carla Andréa Metzner 1 Ana Paula Falcão 2 RESUMO No presente trabalho coletou-se dados referente ao Indicador

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos?

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 4: NUTRIÇÃO Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Q Quais uais são são as as necessidades

Leia mais

Fisiologia da Nutrição na saúde e na Doença da Biologia Molecular ao Tratamento de R$389,00 por R$233,00

Fisiologia da Nutrição na saúde e na Doença da Biologia Molecular ao Tratamento de R$389,00 por R$233,00 Abordagem clínica e nutricional nas Doenças do Esôfago e Estômago Gastroenterologia e Nutrição de R$181,00 por R$108,00 Avaliação e Rastreamento Nutricional na Saúde e na Doença Avaliação Nutricional Aspectos

Leia mais

Manual de orientação nutricional enteral em domicílio.

Manual de orientação nutricional enteral em domicílio. Manual de orientação nutricional enteral em domicílio. Índice 01. Introdução 02. Alimentação enteral: o que é? 03. Tipos de nutrição enteral 04. Vias de administração da alimentação enteral 05. Tipos de

Leia mais

Relação do Melhor em Casa com os hospitais: viabilizando a desospitalização

Relação do Melhor em Casa com os hospitais: viabilizando a desospitalização Relação do Melhor em Casa com os hospitais: viabilizando a desospitalização A relação do Programa Melhor em Casa com a rede hospitalar é estratégica e fundamental para viabilizar a desospitalização, permitindo

Leia mais

Manejo da Diarréia no Paciente Crítico

Manejo da Diarréia no Paciente Crítico Manejo da Diarréia no Paciente Crítico Bibiana Rubin Especialista em Clínica Terapêutica Nutricional Mestre em Saúde Coletiva Nutricionista Clínica CTI/HCPA Não há conflitos de interesse. Diarréia do Paciente

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

UNIVERSI DADE CATÓLI CA DE PERNAMBUCO UNICAP PRÓ REI TORI A DE ENSI NO, PESQUI SA E EXTENSÃO PROESPE DEP ARTAMENTO DE BI OLOGI A / ESPAÇO EXECUTI VO

UNIVERSI DADE CATÓLI CA DE PERNAMBUCO UNICAP PRÓ REI TORI A DE ENSI NO, PESQUI SA E EXTENSÃO PROESPE DEP ARTAMENTO DE BI OLOGI A / ESPAÇO EXECUTI VO UNIVERSI DADE CATÓLI CA DE PERNAMBUCO UNICAP PRÓ REI TORI A DE ENSI NO, PESQUI SA E EXTENSÃO PROESPE DEP ARTAMENTO DE BI OLOGI A / ESPAÇO EXECUTI VO I I I CURSO DE ATUALI ZAÇÃO EM NUTRI ÇÃO PARENTERAL

Leia mais

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde Patrícia Constante Jaime CGAN/DAB/SAS/MS Encontro sobre Qualidade na Formação e Exercício Profissional do Nutricionista Brasília,

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

Ensino Profissional Departamento MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

Ensino Profissional Departamento MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Modelo EP-02 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Ensino Profissional Departamento MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Curso Profissional TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Ano letivo 2013.2014

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ Rita de Cássia Felix

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação 1. Tipo de trabalho e responsabilidades principais O Gastrenterologista Pediátrico é um médico com formação em Pediatria

Leia mais

NUTRIÇÃO CCEX. Universidade de São Paulo Residência em Área Profissional da Saúde: Nutrição Clínica em Gastroenterologia JANEIRO/2016

NUTRIÇÃO CCEX. Universidade de São Paulo Residência em Área Profissional da Saúde: Nutrição Clínica em Gastroenterologia JANEIRO/2016 Universidade de São Paulo Residência em Área Profissional da Saúde: Nutrição Clínica em Gastroenterologia CCEX Nome do Candidato NUTRIÇÃO JANEIRO/2016 Inscrição INSTRUÇÕES Verifique se este caderno de

Leia mais

- LICITANTES DESABILITADOS -

- LICITANTES DESABILITADOS - - LICITANTES DESABILITADOS - NOME DO PROMOTOR: PREFEITURA MUNICIPAL DE CACOAL EDITAL / PROCESSO: 0039-2012 / 1571/2012 PREGOEIRO RESPONSÁVEL: SILVIA DURAES GOMES OBJETO: REGISTRO DE PREÇOS PARA POSSÍVEL

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL ENFERMEIRO : Elton Chaves NUTRIÇÃO PARENTERAL Refere-se a nutrição feita por uma via diferente da gastro-intestinal. A nutrição parenteral pode servir para

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

sondagem Friday, April 23, 2010 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6

sondagem Friday, April 23, 2010 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6 Definição Sondagem Nasoenteral é a introdução através da cavidade nasal/oral de uma sonda de poliuretano ou outro material, posicionada

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA DAL BEN: SUA PARCEIRA EM CUIDADOS ASSISTENCIAIS A saúde no Brasil continua em constante transformação. As altas taxas de ocupação dos hospitais brasileiros demandam dos profissionais

Leia mais

Vida. A importância da alimentação ao longo do ciclo da vida. Factores Fisiológicos, Religiosos, Culturais, Socio-economicos 22-10-2008

Vida. A importância da alimentação ao longo do ciclo da vida. Factores Fisiológicos, Religiosos, Culturais, Socio-economicos 22-10-2008 Nutrição e Hidratação em Fim de Vida Nutricionista Sónia Velho Unidade de Nutrição e Dietética Instituto Português de Oncologia de Lisboa-Francisco Gentil Congresso Nacional de Cuidados Paliativos 2008

Leia mais

Lara Ribeiro Sisti Luisa de Albuquerque Philippsen Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO

Lara Ribeiro Sisti Luisa de Albuquerque Philippsen Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO FORMULAÇÃO DE DIETA ENTERAL ARTESANAL ADEQUADA PARA IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2 E HIPERTENSÃO ARTERIAL NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR INTRODUÇÃO Lara Ribeiro Sisti Luisa

Leia mais

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 48/2014 Solicitante Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Processo número: 1.0421.14.000078-5/001 TEMA: Cirurgia bariátrica em paciente com obesidade mórbida Data: 19/03/2014 Medicamento Material

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013 Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO FINALIDADE: Promover a Prevenção da ocorrência de UPP e outras lesões da pele. JUSTIFICATIVAS: A- Longa permanência

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Divisão de Nutrição e Dietética. Atendimento de Nutrição nas Unidades de Internação

Procedimento Operacional Padrão (POP) Divisão de Nutrição e Dietética. Atendimento de Nutrição nas Unidades de Internação UFSC Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina Elaborado por: Nutricionistas clínicas Revisado por: Nutricionistas clínicas Aprovado por: Gisele

Leia mais

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica PANCREATITE AGUDA ETIOLOGIA Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÃO CLÍNICA CRITÉRIOS PROGNÓSTICOS Ranson Na admissão: Idade > 55 anos Leucócitos > 1600 N uréico aumento

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

MEZOMO, I. B. Os serviços de alimentação: planejamento e administração. 5 ed. São Paulo: Manole, 2002. 413 p.

MEZOMO, I. B. Os serviços de alimentação: planejamento e administração. 5 ed. São Paulo: Manole, 2002. 413 p. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: ALIMENTAÇÃO COLETIVA TITULARIDADE: MESTRE 1- Controle de qualidade em UAN (APPCC, POP s, BPF, AQNS); 2- Segurança Alimentar e Nutricional (LOSAN, Aplicações na área); 2- Programa

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

05/05/2014 NOTA TÉCNICA

05/05/2014 NOTA TÉCNICA Data: 05/05/2014 NOTA TÉCNICA 82/2014 Medicamento Material Solicitante Juiz Renato Luís Dresch Procedimento 4ª Vara da Fazenda Pública Municipal Cobertura Processo número: 0847203-25.2014 TEMA: Cirurgia

Leia mais

Nutrição & cuidados no tratamento do câncer. Valéria Bordin Nutricionista CRN3-4336

Nutrição & cuidados no tratamento do câncer. Valéria Bordin Nutricionista CRN3-4336 04/10/2014 Nutrição & cuidados no tratamento do câncer Valéria Bordin Nutricionista CRN3-4336 Nutrição & cuidados no tratamento do câncer O Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que

Leia mais

PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000

PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000 PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000 A Presidente do Conselho Regional de Nutricionistas 3ª Região, no uso de suas atribuições legais, que lhe conferem a Lei Federal nº 6583/78 e o Decreto Federal nº 84444/80 e,

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI Sylvia Elisabeth Sanner - Nutricionista PMSP SMS - CRSSul STS Santo Amaro/Cidade Ademar SUVIS Santo Amaro/Cidade Ademar Vigilância Sanitária VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divide-se

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Enfermagem DEPARTAMENTO: Ciências Básicas da Saúde DISCIPLINA: Enfermagem em Clínica Médica Cirúrgica I PROFESSORA RESPONSÁVEL:

Leia mais

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando a necessidade de constante aperfeiçoamento das ações

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Alergias alimentares Intolerâncias metabólicas Reações farmacológicas Erros congênitos do metabolismo Alergia alimentar Mediada

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS - 2015 EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS - 2015 EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR Andreza de Jesus Dutra Silva Mestre em Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente - UniFOA; Especialista em Enfermagem em Terapia Intensiva - USS; MBA em Administração

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO COMUM PARA TODAS AS CATEGORIAS PROFISSIONAIS SAÚDE PÚBLICA E SAÚDE COLETIVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1. História do sistema de saúde no Brasil; 2. A saúde na

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP 014/2013 CT PRCI n 100.985 e Tickets n 280.602, 286.610, 288.002, 296.510. (Revisão em julho de 2015) Assunto: Orientação, preparo e instalação de Nutrição Parenteral Prolongada (NPP).

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.131/2015

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.131/2015 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.131/2015 (Publicada no D.O.U. em 13 jan. 2016, Seção I, p. 66) (Retificação publicada no D.O.U. 29 jan. 2016, Seção I, p. 287) Altera o anexo da Resolução CFM nº 1.942/10, publicada

Leia mais

Vigilância do câncer no Canadá

Vigilância do câncer no Canadá 1 Vigilância do câncer no Canadá Apresentado por Howard Morrison, PhD Centro de Prevenção e Controle de Doenças Crônicas Agência de Saúde Pública do Canadá O contexto canadense 2 Indivíduos 4% das mulheres

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

A Deficiência de Vitamina A

A Deficiência de Vitamina A Oficina de trabalho: Carências Nutricionais: Desafios para a Saúde Pública A Deficiência de Vitamina A O QUE É VITAMINA A A vitamina A é um micronutriente que pode ser encontrado no leite materno, alimentos

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA OBJETIVOS DO PROGRAMA Objetivo Geral Capacitar o profissional médico durante os dois anos de treinamento de conteúdo programático teórico e prático essenciais,

Leia mais

SUPORTE NUTRICIONAL. Nutrição Parenteral

SUPORTE NUTRICIONAL. Nutrição Parenteral UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DISCIPLINA DE NUTROLOGIA SUPORTE NUTRICIONAL Nutrição Parenteral EnfªDanielli Soares Barbosa Equipe Multiprofissional Terapia Nutricional HC-UFTM CONCEITO Solução

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Copyright Medical Port 2015 PROGRAMA DE PERDA DE PESO!

Copyright Medical Port 2015 PROGRAMA DE PERDA DE PESO! PROGRAMA DE PERDA DE PESO Agenda O método holístico de Perda de Peso Apresentação do corpo clínico Diferentes programas de perda de peso Unidades de saúde O Método holístico de Perda de Peso The importance

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno 1 Ter uma política de aleitamento materno escrita, que seja rotineiramente transmitida a toda a equipe de cuidados da saúde. 2 Capacitar toda equipe de

Leia mais

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0 NOTA TÉCNICA 75/2013 Solicitante Juiz de Direito Dr.Alexsander Antenor Penna Silva Comarca de João Monlevade Processo Número 0024 13 023060-0 Data: 23/05/2013 Medicamento/ x dieta Material Procedimento

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO DIABETES E CIRURGIA INTRODUÇÃO 25% dos diabéticos necessitarão de cirurgia em algum momento da sua vida Pacientes diabéticos possuem maiores complicações cardiovasculares Risco aumentado de infecções Controle

Leia mais

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia História

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Fluxograma do Manejo da Estase

Fluxograma do Manejo da Estase Fluxograma do Manejo da Estase Estase Gástrica é qualquer volume mensurado através da SNE/SNG Enfermagem verificar resíduo gástrico (estase) a cada 06 horas. Registra volume drenado. Menor que Maior que

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Nutrição 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Nutrição 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Nutrição 2011-1 USO DE PREBIÓTICOS NA ABSORÇÃO DE FERRO EM CIRURGIA BARIÁTRICA Acadêmico: MAIA,

Leia mais