XXIII ENANGRAD. Gestão de Operações e Logística (GOL)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XXIII ENANGRAD. Gestão de Operações e Logística (GOL)"

Transcrição

1 XXIII ENANGRAD Gestão de Operações e Logística (GOL) ANÁLISE DO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE CARGAS E PROPOSIÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA ESTE FIM EM EMPRESA DO SEGMENTO FARMACÊUTICO VETERINÁRIO Reginaldo Morais de Macedo Paola Pimentel Alves Costa Elizânjela Patrícia Gomes Silva Bento Gonçalves, 2012

2 GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA GOL ANÁLISE DO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE CARGAS E PROPOSIÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA ESTE FIM EM EMPRESA DO SEGMENTO FARMACÊUTICO VETERINÁRIO.

3 RESUMO O objetivo geral deste artigo foi analisar o processo de formação de cargas para os centros de distribuição em empresa do segmento farmacêutico veterinário em Montes Claros, MG, e fornecer indicação de solução computacional adequada para implantação com vistas à otimização do processo de otimização de cargas. A distribuição é um processo, segundo Bertaglia (2003), que está normalmente associada ao movimento de materiais de um ponto de produção ou armazenagem até o cliente. A pesquisa é de abordagem quantitativa, descritiva e método estudo de caso, tendo sido realizada ampla pesquisa bibliográfica para entendimento dos algoritmos envolvidos e análise documental para consecução dos objetivos específicos. Não sendo possível resolver os problemas pelas ferramentas usuais disponibilizadas pela Programação Linear, passou-se a identificação de sistemas especialistas em otimização de cargas, tendo sido identificados três pacotes. Após o estabelecimento e avaliação de conjunto específico de critérios, indicou-se à organização a adoção do sistema especialista desenvolvido e disponibilizado pela Logen Solutions. ABSTRACT The purpose of this paper was to analyze the process of forming loads to distribution centers in the company manufacturing veterinary products in Montes Claros, and provide indication of computational solution suitable for deployment aiming at the optimization of process optimization charges. The distribution is a process by Bertaglia (2003), which is normally associated with the movement of materials from a production or storage point to the customer. The research approach is quantitative, descriptive case study method, were performed extensive literature search for understanding of the algorithms involved and document analysis to achieve specific objectives. Not being able to resolve the problems by the usual tools available for linear programming, passed the identification of expert systems in optimizing loads, three packages were identified. After the establishment and evaluation of specific set of criteria, indicated to the organization adopting the expert system developed and made available by Logen Solutions. Palavras-Chave: Distribuição Física e Transporte, Pesquisa Operacional, Logística. Key-Words: Physical Distribution and Transportation, Operations Research, Logistics

4 INTRODUÇÃO Segundo Ballou (1993), a atividade logística enfatiza melhores níveis de rentabilidade nos serviços de distribuição, por meio do planejamento, implementação e controle efetivo das atividades de movimentação e armazenagem, uma vez que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de origem ate o ponto de consumo, com o propósito de atender aos requisitos do consumidor a um custo razoável. O autor supracitado refere-se ao transporte como o movimento de bens e serviços dos pontos de origem aos pontos de consumo, determinando fluxos físicos ao longo da cadeia logística, tendo como objetivo transferir pessoas e mercadorias de um lugar para outro, bem com equalizar o diferencial espacial e econômico entre demanda e oferta. A modelagem de redes de distribuição consiste em proporcionar melhores níveis de serviço ao consumidor, minimizar custos, melhorar os níveis de serviço oferecidos aos consumidores e aumentar a eficiência e eficácia operacionais, facilitando o planejamento e a gestão de uma rede de instalações e seus respectivos fluxos de materiais e de informações. Percebe-se então, que a distribuição física atrela-se ao transporte enfatizando a transferência ou entrega de produtos e serviços, na qual representa uma parcela significativa no custo de um produto ou serviço, afetando em sua competitividade, sendo imprescindível avaliar a confiabilidade e, velocidade nos prazos de entrega dos bens/serviços. (ANDRADE, 2007) A distribuição física como parte da logística percebida pelo cliente, torna-se extremamente importante uma vez que o transporte é considerado elemento de custo em toda a atividade industrial e comercial. Faz-se então, necessário conhecer as particularidades do material a ser transportado para sua adequação de acordo com o aproveitamento otimizado dos veículos em sua capacidade e, consequente redução dos custos de operacionalização (DIAS, 2007). Arnold (2009, p. 358), por sua vez, enfatiza sobre o sistema de distribuição física: A distribuição física é responsável por entregar aos clientes o que eles desejam a um custo mínimo. O objetivo da administração da distribuição é criar e operar um sistema de distribuição que atinja o nível exigido de atendimento aos clientes, possivelmente, aos menores custos. Para atingir tal objetivo, todas as atividades envolvidas no transporte e no armazenamento de produtos devem ser organizadas em um sistema integrado. A distribuição física de produtos constitui-se em constante desafio logístico. A escolha do posicionamento e da função das instalações de armazenagem é uma definição estratégica. É o elemento de um conjunto integrado de decisões, que envolvem políticas de serviço ao consumidor, políticas de estoque, de transporte e de produção que visam prover um fluxo eficiente de materiais e produtos acabados ao longo de toda a cadeia de suprimentos (LACERDA, 2000). Segundo Hill (2003), os centros de distribuição são projetados para alocar produtos em movimento, e não apenas para armazená-los. São depósitos amplos e automatizados, projetados para receber produtos de unidades produtivas e fornecedores, receber os pedidos, atendê-los com eficiência e expedir os produtos para consumidores de uma determinada região rapidamente, ou seja, uma unidade empresarial que visa armazenar os produtos produzidos ou comprados para revenda, e despachá-los para outras unidades, filiais ou clientes, tornando o processo mais dinâmico e lucrativo. A distribuição é um processo segundo Bertaglia (2003), que está normalmente associada ao movimento de materiais de um ponto de produção ou armazenagem até o cliente. As atividades abrangem as funções de gestão e controle de estoque, manuseio de materiais ou produtos acabados, transporte, armazenagem, administração de pedidos, análise de locais de redes de distribuição, entre outras. Novaes (2001, p. 149) resume as diversas situações na distribuição física de produtos em duas configurações básicas, a saber, distribuição um para um, em que o veículo é totalmente carregado no depósito da unidade produtiva ou num centro de distribuição do varejista (lotação completa) e transporta a carga para um outro ponto de destino, podendo ser outro centro de distribuição, uma loja, ou outra instalação qualquer, e distribuição um para muitos ou compartilhada, em que o veículo é carregado no centro de distribuição do varejista com mercadorias destinadas a diversas lojas ou clientes, e executando um roteiro de entregas pré-determinado. Na distribuição um para um, o carregamento do veículo é realizado de forma a lotálo completamente. Ao carregar o veículo, acomoda-se a carga nos espaços disponíveis, visando o melhor aproveitamento possível de sua capacidade. Esse aspecto é importante, pois na distribuição

5 um para muitos não se consegue, com frequência, um bom aproveitamento do espaço dentro do veículo. Isto ocorre porque se é obrigado a carregá-lo na ordem inversa das entregas, o que impede a otimização do arranjo interno da carga no caminhão. Na linguagem do pessoal de transportes, este tipo de distribuição um para um é denominado transferência de produtos. Na distribuição um para muitos o veículo é carregado no centro de distribuição com mercadorias destinadas a diversos clientes, e executa um roteiro de entrega pré-determinado. A situação típica para este tipo de distribuição é a de um veículo que percorre uma distância d até um determinado bolsão ou zona de entrega, realizando neste bolsão n visitas aos diversos clientes, efetuando entregas ou coletas. (NOVAES, 2001) O gerenciamento do transporte realizado de maneira inadequada pode acarretar inúmeros problemas para as empresas como o aumento nos custos, os quais, por sua vez, podem ser minimizados através de modelos e técnicas de otimização (MARTINS; ALT, 2006). Moreira (2010) salienta que a Pesquisa Operacional aplica-se a áreas distintas, dentre as quais o transporte, e disponibiliza de ferramentas matemáticas, as quais simulam computacionalmente processos decisórios, permite assim, modelar situações e/ou decisões prévias a sua execução e, ainda, minimizar custos, aumentar produtividade, reduzir tempo na distribuição dos produtos e como consequência, maximizar a lucratividade. Considerando todas as restrições apresentadas e a necessidade do planejamento de distribuição física, este artigo baseia-se em estudo de caso, com o objetivo geral de analisar o processo de formação de cargas para os centros de distribuição em empresa do segmento farmacêutico veterinário em Montes Claros - Minas Gerais, bem como objetivos específicos que se configuram em analisar o processo de formação e fechamento das cargas a transportar, mensurar a frequência do transporte, analisar a viabilidade de desenvolvimento do modelo de Programação Linear para otimização do fechamento da carga e minimização dos custos envolvidos ou, em caso de inviabilidade deste, indicar software aplicativo específico com o propósito de otimizar o processo de fechamento de cargas. 1.1 REFERENCIAL TEÓRICO Sistema Logístico: Histórico e Conceituação Segundo Ballou (1993), o conceito logístico em sua origem, estava essencialmente ligado as operações militares, com o intuito de abastecer, transportar e alojar tropas, oportunizando que recursos certos e necessários a essas tropas estivessem no local certo e na hora certa. À medida que as vantagens estratégicas do sistema logístico foram evidenciadas, passou-se a dar mais atenção ao apoio que era dado no sentido de deslocamento de munições, suprimentos, socorro médico entre outros, nas batalhas. Diante tal cenário, a atividade logística, despertou interesse em estudos na área, que evoluíram substancialmente após a Segunda Guerra Mundial, quando se percebeu uma união de conceitos acadêmicos e militares que resultam na aplicação da logística nas atividades do cotidiano. Martins e Alt (2006, p. 324) relatam que no Brasil, a logística apareceu nos anos 1970, por meio de um de seus aspectos: a distribuição física, tanto interna quanto externa. Dadas as dimensões continentais do Brasil passou-se a perceber que as empresas precisariam ter um gerenciamento logístico eficaz. O autor supracitado evidencia que até poucos anos, a terminologia logística continuava associado a atividades de transportes, depósitos regionais e atividades ligadas a vendas, entretanto, atualmente as organizações brasileiras ressaltam o imenso potencial implícito nas atividades integradas de um sistema logístico. Novaes (2001) contextualiza que, por muito tempo nas organizações, assim como no meio militar, as atividades logísticas foram vistas apenas como um serviço de apoio e que não agregava valor ao produto, a mesma era considerada geradora de custos e sem influência direta no planejamento estratégico organizacional. Nesse sentido o autor evidencia ainda que a concepção logística nas organizações evoluiu muito, em especial no que se refere ao fluxo de produtos e serviços. À medida que as organizações implementaram sistemas logísticos originados em ambiente militar, em especial após a Segunda Guerra Mundial, percebe-se a ênfase no gerenciamento e coordenação das atividades e processos empresariais como vantagens competitivas. Verifica-se então, a relevância das atividades integradas de um sistema logístico, uma vez que estudos voltados para logística empresarial passaram a ser mais frequentes e profundos. Assim sendo, vários

6 conceitos e definições surgiram para facilitar o entendimento e a aplicabilidade da logística no contexto empresarial. Maligo, (2005, p. 877), apresenta baseado em Ballou (1993), que a evolução da logística originou a chamada logística integrada, que engloba atividades do suprimento, da produção e da distribuição física. O gerenciamento da logística empresarial é também popularmente chamado de gerenciamento da cadeia de suprimentos. Esta última expressão é atualmente conhecida mundialmente por sua sigla em inglês SCM (Supply Chain Management). Martins e Alt (2006, p. 375) enfatiza que: O gerenciamento da cadeia de suprimentos, ou supply chain management, nada mais é do que administrar o sistema de logística integrada de uma empresa, ou seja, o uso de tecnologias avançadas, entre elas, o gerenciamento de informações e pesquisa operacional, para planejar e controlar uma complexa rede de fatores visando produzir e distribuir produtos e serviços para satisfazer o cliente. Para Dall Agnol, Vieira e Favaretto (2005, p. 819), ao longo da cadeia logística, os processos devem ser organizados de tal forma que os resultados e, portanto, os serviços prestados pela logística, obedeçam exatamente às necessidades de serviços expressas pelos clientes. Assim sendo, a gestão da cadeia de suprimentos torna-se uma abordagem holística, que permite a manutenção de estoque, identificação de gargalos, balanceando capacidade e coordenando fluxos de informações gerenciais. Como visto, a abordagem logística enfatiza a otimização de suprimentos, estoque e distribuição dos produtos e serviços, bem como processos empresariais que podem ser tanto intrínsecos ou extrínsecos às organizações, o assunto se torna amplo e abrangente no âmbito empresarial, fazendo-se necessário um primeiro entendimento sobre a temática. Para Ribeiro e Gomes (2004, p. 26), a logística é a função da empresa que se preocupa com a gestão do fluxo físico do suprimento de matérias-primas, assim como a distribuição dos produtos finais aos clientes. É importante reforçar que a logística além de envolver o gerenciamento e a coordenação de diferentes atividades percebidas como atividades operacionais, tem ainda como função: diminuir custos, acelerar a execução das atividades e melhorar o nível serviços prestados aos consumidores. Segundo Novais (2001), logística define-se como processo de planejar, implementar e controlar de maneira eficiente o fluxo e a armazenagem de produtos, bem como os serviços e informações associados, desde o ponte de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos e expectativas do consumidor. Para IMAM (1998, p. 53), a logística é definida como: Um processo logístico efetivo é essencial para satisfazer o cliente e ganhar vantagem competitiva. Melhorar a qualidade do serviço que a logística fornece aumenta a satisfação do cliente e apoia a sua lealdade. Isso, por sua vez, leva ao aumento da participação do mercado e a maior margem de lucro. Ao mesmo tempo, focalizar as reais necessidades do cliente elimina custo de serviço não valorizado. Melhorar a produtividade do processo logístico também reduz custo. Juntas, essas ações ajudam a tornar os produtos e serviços mais atraentes no mercado. Entender e proceder a logística como processo facilita sua validação e utilização no meio empresarial. A logística é o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, movimentação e armazenagem de materiais, peças e produtos acabados (e os fluxos de informações correlatas) através da organização e seus canais de marketing, de modo a poder maximizar as lucratividades presente e futura através do atendimento dos pedidos a baixo custo. (CHRISTOPHER, 1997) Com o objetivo de atender às necessidades do cliente, a logística vista como processo, determina ações de planejamento, implementação, controle do fluxo e armazenagem eficientes, de baixo custo, estoque em processo, produtos acabados e informações relacionadas, desde o ponto de origem até o ponto de consumo. Para Silva e Fleury (2000, p. 52):

7 A formalização da estrutura logística de modo integrado possibilita a orquestração plena do processo rotineiro, liberando a alta administração a dedicar-se às questões estratégicas e a mobilizar esforços logísticos em situações extemporâneas com grande precisão. Neste sentido, a estrutura organizacional tem papel vital na arte de gerenciar. Tradicionalmente, a responsabilidade pela gerência dos processos logísticos tem sido fragmentada, gerando vulnerabilidades em função de duplicação de esforços, desperdícios de recursos, conflitos de autoridade e incompatibilidade de objetivos. Diversas são as definições apresentadas pelos vários autores citados, mas percebe-se que estas apresentam pontos em comum na identificação das funções e importância da logística empresarial, para efeitos desse estudo estão apresentados conceitos preliminares, com vistas a esclarecer a importância da logística no âmbito organizacional, o que objetiva facilitar as construções de relações entre os processos logísticos e as cadeias produtivas Distribuição Física e Transporte: Conceitos e Condicionantes O gerenciamento da distribuição física se dá em três níveis: estratégico, tático e operacional (BALLOU, 2001; MARQUES, 2002; GALVÃO, 2003; KAMINSKI, 2004). O nível estratégico trata decisões de longo prazo e apresenta como objetivo a definição do sistema em linhas gerais, ou seja, relaciona estruturas globais, requisitos e a configuração geral do sistema de distribuição. Neste nível há a definição da rede logística, com reduções de custos associados, porém mantendo o nível de serviço; são considerados aspectos que levam em conta o número e a localização de instalações produtivas e de armazenamento, tais como fábricas, armazéns e centrais de distribuição; os canais de distribuição; os meios de transporte e tipos de veículo a serem utilizados; o sistema de processamento de pedidos e faturamento. No nível tático ocorre o planejamento de médio e curto prazo, de forma a assegurar a maior eficiência na operação do sistema de distribuição, bem como na utilização dos equipamentos, dos veículos e das instalações, definidas no nível estratégico, destacando-se o planejamento de transportes, seleção e contratação de transportadores, análise de frete de retorno e a utilização desses fatores de modo eficiente; no que tange à frota, a análise relaciona-se à indicação do número de veículos e às diferentes capacidades; tais problemas são designados como problemas de tamanho e mix de frota. O nível operacional, por sua vez, engloba a programação, execução e controle das atividades diárias, de forma a assegurar o deslocamento dos produtos para os canais de distribuição ou diretamente para os mercados consumidores, no tempo correto. Diversas atividades compõem a rotina da operação de distribuição, entre elas os procedimentos de armazenamento e movimentação de materiais, o processo de carga e descarga dos veículos, emissão de documentos e a programação dos roteiros de entregas. Para Martins e Alt (2006), a distribuição começa na fábrica do fornecedor e termina nas mãos do cliente final. Como os bens estão em constante movimento nesse espaço de tempo intermediário, deve-se identificar em cada estágio como eles se movimentam. A distribuição física representa um custo significativo para a maioria dos negócios, impactando diretamente na competitividade, de acordo com sua velocidade, confiabilidade, ao entregar bens aos consumidores dentro do prazo. Caixeta Filho e Martins (2001) salientam que os estudos na área de transportes têm-se desenvolvido nas mais diversas áreas do conhecimento e, são de fundamental importância para a atividade logística, na qual o transporte é normalmente seu principal componente, absorvendo, em média, de um a dois terços dos custos logísticos, nesse contexto, transporte refere-se a movimentação de produtos, roteirização e utilização da capacidade dos veículos. Para Arnold (2009) o sistema de transporte envolve vários métodos para movimentação de suas matérias primas ou de seus produtos acabados, sendo visto como o maior custo de distribuição, geralmente correspondendo a um valor entre 30 a 60% dos custos de distribuição. Entre os meios de transporte, rodoviário, aéreo, marítimo, ferroviário, dutoviário, para cada ligação no canal logístico, cada modo apresenta vantagens particulares. Fatores determinantes são os custos de frete e do seguro, bem como custos de manipulação em terminais e de armazenamento durante o transporte. Keedi, (2001, p. 25) salienta que:

8 Os transportes representam como fazer uma mercadoria sair do seu ponto de origem [...] para aquele que a está remetendo, e ser entregue no seu destino [...] de forma mais conveniente, ao menor tempo, custo adequado, e com o menor ou nenhum tipo de problema, utilizando-se dos mais adequados meios à disposição para este fim. Para Araújo e Michel (2001), a movimentação dos recursos necessários à produção de bens ou serviços se coloca como uma atividade de fundamental importância, pois o valor associado a tais recursos existirá se estes forem disponibilizados no local, tempo e quantidades corretas. A atividade de transporte necessita ser estudada com cautela, visando a mensuração dos custos logísticos, bem como proporcionar análise, medição e interpretação das informações levantadas para a melhor articulação do segmento, como uma fonte potencial de vantagem competitiva e, contribuindo de forma significativa para estruturação de custos, racionalização de transportes e a eliminação de desperdício de forma a satisfazer às exigências dos consumidores Pesquisa Operacional e Programação Linear Segundo Moreira (2010) o termo pesquisa operacional originou em 1938 através das análises científicas aplicadas a situações militares na segunda guerra mundial. A necessidade urgente de alocar recursos escassos as várias operações militares trouxe a pesquisa operacional para as forças armadas britânicas e logo após para os Estados Unidos. Moreira (2010) enfatiza, ainda, que Pesquisa operacional é o campo de estudos em que são aplicados métodos analíticos para ajudar os executivos a tomarem melhores decisões e sua aplicação é recomendada para diversas áreas e ramos como indústrias, transportes, telecomunicações, finanças, saúde, serviços públicos e operações militares, dentre outras. Silva et al. (2007), por sua vez, definem-na como um sistema organizado que, com apoio de modelos, e a partir da experiência permite a identificação da melhor forma de operar o sistema, envolvendo seis fases, quais sejam: formulação do problema, construção do modelo do sistema, cálculo da solução através do modelo, teste do modelo e da solução, implantação e acompanhamento. Andrade (2004, p. 1), enfatiza em torno da Pesquisa Operacional que: [...] esse novo campo de análise de decisão caracterizou-se pelo uso de técnicas e métodos científicos qualitativos por equipes interdisciplinares, no esforço de determinar a melhor utilização de recursos limitados e para programação otimizada das operações de uma empresa. O autor supracitado contextualiza que a Pesquisa Operacional é a aplicação métodos científicos, a problemas organizacionais, por equipes multidisciplinares, de forma a fornecer soluções para tomada de decisão, por meio da formulação de modelos matemáticos a serem resolvidos com o auxílio de computadores, ou seja, técnica precedida pela modelagem, na qual seus resultados são sujeitos à análise de sensibilidade, ferramenta também muito utilizada nas operações logísticas. Nota-se que a Pesquisa Organizacional enfatiza a condução e a coordenação de planos de ações de uma organização, com intuito de reduzir custos, otimizar recursos e empregar técnicas e ferramentas no processo decisório de maneira efetiva, bem como estabelecer sistema produtivos, baseando-se em dados complexos que demonstram a visualização e prováveis consequências de cada alternativa possível, ou seja, a viabilidade do modelo empregado e possíveis interrupções para que o objetivo traçado seja alcançado. (ANDRADE, 2004) Lachtermacher (2004) afirma que os gestores têm recorrido ao processo de modelagem da situação para tomada de decisões, para aperfeiçoar sua capacidade criativa, idealizando ambientes futuros e enfatizando a representação do mundo real com o objetivo de permitir a geração e análise de alternativas, antes da implementação de qualquer uma delas, assim sendo percebemos um considerável grau de liberdade e flexibilidade com relação à escolha da ação mais conveniente. Dentre as diversas ferramentas e técnicas disponibilizadas pela Pesquisa Operacional a mais conhecida e utilizada é a Programação Linear (PL) (ANDRADE, 2004; LACHTERMACHER, 2004; PASSOS, 2008; SILVA et al., 2007) e, neste sentido, Passos (2008, p. 9) explica que esta: [...] é uma representação simplificada da realidade. Esses modelos servem para prever e explicar os fenômenos que ocorrem nas ciências e têm por

9 finalidade o assessoramento na tomada de decisão. Assim pode se dizer que o modelo matemático serve para descrever o problema. Assim, a Programação Linear é uma técnica de otimização utilizada na resolução de problemas que tenham seus modelos representados por expressões lineares, pela sua simplicidade e a possibilidade de aplicação em uma considerável diversidade de problemas, tornou-se uma ferramenta bastante difundida, como tal seu objetivo é maximizar lucros, alocar recursos quanto a existência de um objetivo que possa ser explicitado em termos das variáveis de decisão do problema, bem como a existências de restrições a aplicação de recursos. (ANDRADE, 2004; LACHTERMACHER, 2004; PASSOS, 2008) 2 METODOLOGIA Realizou-se pesquisa quantitativo-descritiva, na qual abordou a descrição, interpretação, análise e consideração do pesquisador como principal instrumento de investigação e a necessidade do pesquisador de estar em contato direto e prolongado com o campo de pesquisa, captando os significados dos comportamentos observados. Na definição de Cruz (2009, p. 15), a abordagem quantitativa [...] é indicado quando há necessidade de quantificar e/ou medir opiniões, atitudes e preferências ou comportamentos. Seus resultados auxiliam o planejamento de ações coletivas [...]. O método de pesquisa fundamentou-se em estudo de caso, devido a sua importância em reunir informações numerosas e precisas, preservando características sistêmicas e significativas dos processos organizacionais e identificando possíveis resoluções de problemas relacionados ao estudo abordado. O cenário de estudo foi uma indústria do segmento farmacêutico veterinário, situada no município de Montes Claros, na qual observou-se processos e efetuou-se coleta de dados. De acordo com Marconi e Lakatos (2006, p.190), a observação é uma técnica de coleta de dados para conseguir informações e utiliza os sentidos na obtenção de ter determinados aspectos da realidade. Não consiste apenas em ver e ouvir, mas também, em examinar fatos ou fenômenos que se deseja estudar. Marconi e Lakatos (2006, p. 30) afirmam que a seleção do instrumental metodológico está diretamente relacionada com o problema a ser estudado, a escolha dependerá dos vários fatores relacionados com a pesquisa. Como instrumento metodológico, utilizou-se análise documental, análise de dados, para quantificação e resolução de problemas aplicados a pesquisa operacional, que visa obter informações e/ou reorganizar as já existentes sobre um problema específico. Ressalte-se, por oportuno, que devido a questões relacionadas ao sigilo comercial, neste trabalho não são apresentadas a identificação da empresa e de seus produtos. 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.1 ANÁLISE DO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE CARGAS NA EMPRESA PESQUISADA O cenário de estudo caracteriza-se como uma indústria do segmento farmacêutico veterinário, localizada na cidade de Montes Claros, no estado de Minas Gerais, consolidada no mercado agroindustrial brasileiro, na qual apresenta considerável investimento e aperfeiçoamento dos seus processos produtivos, desenvolvimento de tecnologias, cumprindo exigências e metodologias requeridas pelos organismos oficiais que regulam e orientam, resultando em um amplo conjunto de produtos com ênfase nos de animais de produção, nos quais se incluem bovinos de corte e de leite, ovinos, caprinos, suínos e eqüinos, tais como vacinas, antiparasitários, suplementos e terapêuticos. A finalidade deste estudo consistiu em analisar o processo de formação de cargas para os centros de distribuição, pautando-se nas decisões de utilização das frotas, considerando as restrições das capacidades de suprimentos na unidade produtiva e das necessidades de produtos nos pontos de destino, como uma fonte potencial de vantagem competitiva e, contribuindo de forma significativa para a estrutura de custos organizacionais, racionalização de transportes e eliminação de desperdícios.

10 O processo de formação de cargas foi analisado na organização em questão baseandose na descrição, interpretação como instrumento de investigação, preservando características organizacionais. Observou-se que a organização apresenta uma diversidade de produtos, sendo estes organizados em caixas de diferentes dimensões, paletizados de acordo com quantidades e volumes demandados, considera-se também um conjunto de caminhões distintos. Constatou-se que, para suprir a necessidade de produtos demandados, a organização dispõe de frota mista composta por treze caminhões próprios, sendo cinco internamente utilizados para a transferência de material de embalagem, matéria-prima e produto acabado nos itinerários entre as áreas de produção e de armazenamento e oito caminhões destinados ao transporte rodoviário cujas capacidades de carregamento variam de oito a vinte paletes. A empresa utiliza, ainda, normalmente oito caminhões agregados para o transporte rodoviário de produtos. Dentre os veículos utilizados para o transporte rodoviário considerando tanto os da frota própria quanto agregada, dezessete apresentam capacidade variável entre quatorze e dezesseis paletes, um possui capacidade para oito paletes e uma carreta com capacidade para vinte paletes, sendo utilizada esporadicamente. Identificou-se, ainda, que a unidade produtiva abastece as necessidades de produtos a sete centros de distribuição, caracterizados como pontos A, B, C, D, E, F, G respectivamente, sendo que tais pontos demandam e quantificam produtos, baseando-se em programações semanais de abastecimento, cujas frequências de transporte foram mensuradas a partir de análise documental, referente ao período Janeiro 2011 a Abril 2012, conforme se pode visualizar no Gráfico 01. Observa-se, pela análise do Gráfico 01, que o centro de distribuição denominado CD A- MG apresenta-se com elevado e constante fluxo de mercadorias, com um intervalo de no mínimo de uma carga semanal, chegando até quatro cargas semanais. Posteriormente, CD B-SP apresenta um fluxo de mercadorias com uma média de duas a três cargas semanais. O centro de distribuição caracterizado como CD C-GO, apresenta com uma variação de uma a duas cargas semanais, e em sequência CD D-BA com um número semelhante, numa média de 1,5 cargas semanais, o CD E-RS, por sua vez, apresenta uma média de aproximadamente uma carga semanal. Devido localização geográfica das cidades e pequeno fluxo de cargas para as mesmas, as mercadorias destinadas a CD F-RO e CD G-MT equiparam-se com uma média semelhante, concentram-se na mesma roteirização. FREQUÊNCIA DA TRANSFERÊNCIA DE PRODUTOS ACABADOS DA INDÚSTRIA PARA CENTROS DE DISTRIBIÇÃO (CDS) QUANTIDADE DE CARGAS ENVIADAS CD A - MG CD B - SP CD C - GO CD D - BA CD E - RS CD F- RO CD G - MT Gráfico 1: Frequência do Transporte de Produtos Acabados Fonte: Análise Documental (2012)

11 3.2 O PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DE CARREGAMENTO De acordo com Colin (2007, p. 178), os problemas de alocação em paletes ou contêineres pertencem à classe dos algoritmos da mochila, conforme a seguir apresentado: podemos, citar, por exemplo, o problema da definição de cargas de caminhões (o que o caminhão deve carregar sabendo que há vários tamanhos de cargas a serem carregadas na caçamba) e a definição de pacotes a serem ser transportados em pallets. Isto também pode ser visualizado em Goldbarg e Luna (2005, p. 170) para os quais além do aspecto matemático, o modelo em si pode ser aplicado diretamente em casos práticos como [...] investimento de capital [...] no problema de corte e empacotamento [...] carregamento de veículos [...] orçamento Os problemas de otimização em carregamento podem ser classificados como problemas de corte e empacotamento, que como muitos de natureza combinatória, podem ser facilmente formulados e compreendidos, escondendo atrás de sua aparente simplicidade, a sua real complexidade (MIYAZAWA, 2012) i, os quais são classificados quanto ao número de dimensões em uni, bi e multidimensionais, sendo úteis para a resolução de situações que envolvam veiculação de inserções em meios de comunicação, cortes de bobinas, chapas, vigas e retalhos, formação de cargas em paletes e arranjo de paletes em contêineres (MIYAZAWA, 2012). Estes problemas são tratados em Andrade (2007), Belfiore e Fávero (2012), Colin (2007), Passos (2008) e Taha (2008). Os problemas de otimização de carregamento podem ser classificados em dois tipos, estando o primeiro relacionado à determinação da dimensão mais adequada do palete e o segundo a como estabelecer de forma mais otimizada a carga no próprio palete (MORALES; MORABITO; WIDMER, 1997). Em relação ao segundo problema, destacam-se duas situações específicas, quais sejam, o problema do produtor e o problema do distribuidor. No primeiro caso, produtos iguais embalados em caixas do mesmo tamanho devem ser arranjados em camadas horizontais sobre a superfície do palete, situação que pode ser visualizada na Figura 1a, ao passo que no segundo caso, os produtos são diferentes e, portanto, as caixas podem ter tamanhos diferentes, o que está demonstrado na Figura 1b. (MORALES; MORABITO; WIDMER, 2007, p. 239). Figura 1: Padrão de Empacotamento para o PCP: (a) do produtor e (b) do distribuidor Fonte: Extraído de Morales, Morabito e Widmer (1997) De acordo com Nelissen apud Morales, Morabito e Widmer (1997, p. 240), embora [...] aparentemente simples de ser resolvido otimamente, este problema é em geral difícil do ponto de vista da teoria da complexidade de ser resolvido. Em função das especificidades relacionadas ao problema da mochila para gerenciamento do volume tendo-se em vista de sua tridimensionalidade, a utilização de algoritmos específicos para estruturação e reorganização das cargas constitui-se da melhor 3.3 SOFTWARES PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE FECHAMENTO DE CARGA Para fins de comparação pela organização, apresentam-se três softwares de gerenciamento de carregamento, quais sejam: a) PackVol; b) Logen Solutions; e c) MaxLoad Pro.

12 O PackVol ii é um Software de otimização para carga planejamento, projetado para planejar a melhor utilização do espaço dentro de contêineres e caminhões, para ajudá-lo a reduzir seus custos de transporte. Graças ao seu avançado otimizador, verdadeiramente tridimensional, o programa permite gerenciar eficientemente complexa carga de problemas de planejamento. Por exemplo, o programa pode definir a ordenação vertical das unidades de acordo com a força (esforço normal) de cada item de carga. Com esse recurso, o usuário pode obter soluções realistas, sem a necessidade de entrar um monte de regras empíricas em como os itens devem ser empilhadas. Possui versão de demonstração para download na página oficial. O software da Logen Solutions iii divide-se em dois módulos sendo o primeiro responsável pelo gerenciamento dos carregamentos e o segundo relacionado à formação de cargas no processo de paletização. As características do software incluem a facilidade de uso, algoritmos especializados, sistemas métrico e inglês e visualização 3D. Possui versão de demonstração para download na página oficial do software. MaxLoad Pro iv é um sistema de planejamento do carregamento de carga, assim como otimizador de espaço e de cálculo de frete. Pode ser utilizado para otimizar cargas em contêineres e caminhões utilizando planos para realizar o melhor carregamento possível, por meio de algoritmos especializados e regras de empilhamento, inclusive, possibilitando o empilhamento de cargas com tamanhos diferenciados. O programa disponibiliza ao usuário diversos modos de exibição da carga e a construção manual ou automatizada da carga por meio de apresentação em 3D. Com mais de 3000 instalações realizadas globalmente, MaxLoad Pro tem sido utilizado em uma vasta gama de indústrias envolvidas na cadeia de suprimentos, logística, alimentos, bebidas, residências e escritórios, varejo, indústria farmacêutica, eletrônica e automotiva, dentre outros ramos. Possui versão de demonstração para download na página oficial do software. 3.4 ANÁLISE DOS SOFTWARES DE FECHAMENTO DE CARGAS ANALISADOS Tendo sido identificados os pacotes de software PackVol, Logen Solutions e MaxLoad Pro, passou-se à instalação e análise dos mesmos a fim de se identificar o software a ser recomendado à organização para aquisição e posterior utilização. Os critérios definidos para avaliação foram: a) disponibilidade de versão de avaliação; b) disponibilidade de versão em Português; c) recursos de visualização em 3D; d) existência de manuais e tutoriais para treinamento; e) existência de modelos pré-determinados para uso imediato; f) capacidade de configuração de diferentes formatos de paletes e contêineres; g) tempo de processamento; e h) custo. Para cada critério foram atribuídas notas de 1 a 10 cujos resultados estão descritos no quadro 01. Critério PackVol Logen Solutions MaxLoad Pro Disponibilidade de versão de avaliação Disponibilidade de versão em Português Recursos de visualização em 3D Existência de manuais e tutoriais para treinamento Existência de modelos prédeterminados para uso imediato Capacidade de configuração de diferentes formatos de paletes e contêineres Tempo de processamento Custo TOTAL Quadro 01: Avaliação dos critérios para indicação de software de carregamento de carga Fonte: Elaborado pelos autores (2012) Assim, considerando-se as notas obtidas a partir dos diversos critérios, o software de fechamento de cargo indicado para o organização foi o Logen Solutions.

13 4 CONCLUSÕES Destaca-se a Programação Linear como uma técnica de otimização utilizada na resolução de problemas que tenham seus modelos representados por expressões lineares, pela sua simplicidade e a possibilidade de aplicação em uma considerável diversidade de problemas, tornouse uma ferramenta bastante difundida, como tal seu objetivo é maximizar lucros, alocar recursos quanto a existência de um objetivo que possa ser explicitado em termos das variáveis de decisão do problema, bem como a existências de restrições a aplicação de recursos. Modelou-se então o problema estudado, enfatizando ferramentas de otimização da Pesquisa Operacional, e em decorrência das dificuldades técnicas para resolução de problemas quando se trata de problemas mais complexos, torna-se necessário a utilização de softwares para a solução, para tal apresentou-se três softwares de gerenciamento de carregamento que dinamizam a estabilidade e volume do carregamento, a fragilidade e manuseio da carga, bem como balanceamento e localização das caixas no interior do caminhão, determinando as soluções possíveis, e posteriormente comparando-as para obter a melhor solução possível, canalizando recursos organizacionais, como uma fonte potencial de vantagem competitiva e, contribuindo de forma significativa para a estrutura de custos, racionalização de transportes e eliminação de desperdícios. Analisados os softwares propostos a partir de critérios previamente estabelecidos, o pacote de software indicados foi o fornecido pela Logen Solutions. Metodologicamente, as soluções e resultados determinados para esta pesquisa não podem ser extrapolados para outras organizações por mais semelhantes que possam apresentar-se em função das especificidades consideradas durante seu desenvolvimento. REFERÊNCIAS ANDRADE, E. L. Introdução a Pesquisa Operacional: métodos e análise de decisões. 3. ed. Rio de Janeiro: LTC, ARAÚJO, R. R.; MICHEL, F. D. Problemas de roteirização em arcos: características e métodos de resolução. Simpósio de Pesquisa Operacional e Logística da Marinha SPOLM, 18 e 19 dez. 2001, Rio de Janeiro RJ. ARNOLD, J. R. T. Administração de Materiais: uma introdução. São Paulo: Atlas, 2009 BALLOU, R. H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: Planejamento, Organização e Logística Empresarial. Porto Alegre: Bookman, Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, BELFIORE, P.; FÁVERO, L. P. Pesquisa Operacional: para cursos de Administração, Contabilidade e Economia. São Paulo: Campus, BERTAGLIA, P. R. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento. São Paulo: Saraiva, CAIXETA FILHO, J. V., e MARTINS R. S. Gestão da Logística do Transporte de Cargas. São Paulo: Atlas, CHRISTOPHER, M. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos. São Paulo: Pioneira, COLIN, E. C. Pesquisa Operacional: 170 aplicações em estratégia, finanças, logística, produção, marketing e vendas. Rio de Janeiro: LTC, CRUZ, V. A. G. Metodologia da Pesquisa Científica. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.

14 DALL AGNOL, W. J.; VIEIRA, G. E.; FAVARETTO, F. C. Operador logístico da Volvo, um facilitador da gestão e integração da cadeia de suprimentos. In: XXV Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENGEP) Porto Alegre, RS, Brasil, 29 outubro a 01 de novembro de DIAS, M. A. P. Administração de Materiais: uma abordagem logística. São Paulo: Atlas, GALVÃO, L. C. Dimensionamento de Sistemas de Distribuição através do Diagrama Multiplicativo de Voronoi com Pesos Tese (Doutorado) Programa de Pós- Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas, UFSC, Florianópolis. GOLDBARG, M. C.; LUNA, H. P. L. Otimização Combinatória e Programação Linear: modelos e algoritmos. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, HILL, A. Centros de Distribuição: estratégia para redução de custos e garantia de entrega rápida e eficaz. 4ª Conferência sobre logística colaborativa, IMAM. Glossário da logística: aprenda a moderna logística. São Paulo: IMAM, KAMINSKI, L. A. Proposta de uma Sistemática de Avaliação dos Custos Logísticos da Distribuição Física: o caso de uma Distribuidora de Suprimentos Industriais Dissertação (Mestrado) Curso de Mestrado Profissionalizante em Engenharia Ênfase em Logística, UFRGS, Porto Alegre. KEEDI, S. Logística de transporte internacional: veículo prático de competitividade. São Paulo: Aduaneiras, LACERDA, L. Armazenagem estratégica: analisando novos conceitos. Centro de Estudos em Logística (CEL), COPPEAD/UFRJ, LACHTERMACHER, G. Pesquisa Operacional na tomada de decisões: modelagem em Excel. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, MALIGO, C. Logística de distribuição de combustíveis automotivos: a influência da compartimentação dos caminhões-tanque nos custos logísticos. In: XXV Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENGEP) Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out. a 01 nov MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de Pesquisa: planejamento e execuções de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretações de dados. 6. ed. São Paulo: Atlas, MARQUES, V. Utilizando o Transportation Management System para uma gestão eficaz de transportes. Revista Tecnologística, ano VI, nº 77, MARTINS, P. G.; ALT. P. R. C. Administração de materiais e recursos patrimoniais. 2. ed. São Paulo: Saraiva MIYAZAWA, F. K. Problemas de Corte e Empacotamento. <Disponível em: <acesso em 10 abr. 2012>. MORALES, Silvia Regina; MORABITO, Reinaldo; WIDMER, João Alexandre. Otimização do carregamento de produtos paletizados em caminhões. Gest. Prod., São Carlos, v. 4, n. 2, ago Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s x &lng=pt&nrm=iso>. acessos em 08 abr MOREIRA, D. A. Pesquisa Operacional: curso introdutório. 2. Ed. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

15 NOVAES, A.G. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Produção: estratégia, operação e avaliação. Rio de Janeiro: Elsevier, 2001 PASSOS, E. J. P. F. Programação Linear como instrumento da pesquisa operacional. São Paulo: Atlas, 2008 RIBEIRO, P. C. C.; GOMES, C. F. S. Gestão da Cadeia de Suprimentos: integrada à tecnologia da informação. Thomson, SILVA, C. R. L.; FLEURY, P. F. Avaliação da Organização Logística em Empresas da Cadeia de Suprimento de Alimentos: Indústria e Comércio. RAC. v. 4, n. 1, jan./abr SILVA, E. M. et al. Pesquisa Operacional: programação linear. 3. ed. São Paulo: Atlas, TAHA, H. A. Pesquisa Operacional. 8. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, i Conforme disponível em ii Informações traduzidas a partir da página oficial disponível em iii Informações traduzidas a partir da página oficial disponível em iv Informações traduzidas a partir da página oficial disponível em

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br Conceituacão Sistema de Distribuição um para um

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 1 03/03/2016 Logística

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Estudo de Roteirização de Veículos com Aplicação da Técnica de Varredura para Cargas Fracionadas

Estudo de Roteirização de Veículos com Aplicação da Técnica de Varredura para Cargas Fracionadas Estudo de Roteirização de Veículos com Aplicação da Técnica de Varredura para Cargas Fracionadas Daniel Barzan de Mattos Amaral danielbarzan@gmail.com UNISANTOS Anderson Willian de Souza andersonwillian7@gmail.com

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista.

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Romão del Cura Lopéz (OPET) romao_dcl@ig.com.br Rodrigo Perez Guerra (OPET) rodrigoguerra@softall.com.br Mari Regina Anastácio (PUCPR)

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Administração de Recursos e Administração de Recursos e Objetivo Discutir o conceito da administração de recursos materiais e sua relação

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM José Henrique Garrido de Lima 1 Ronaldo Ribeiro de Campos 2 Nas últimas

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

Pesquisa Operacional Aplicada à Rede De Distribuição Logística

Pesquisa Operacional Aplicada à Rede De Distribuição Logística Estratégias Globais e Sistemas Produtivos Brasileiros ISSN: 2175-1897 Pesquisa Operacional Aplicada à Rede De Distribuição Logística José Antônio Garcia Vieira* *Especialização em Gestão Estratégica Empresarial/Fatec

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG

Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG Carlos Cirilo Marcelino ( FEAMIG ) carlosmarcelino1976@yahoo.com.br

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

2.0 A Logística 2.1 O Conceito da Logística

2.0 A Logística 2.1 O Conceito da Logística 2.0 A Logística Neste capítulo será realizada uma breve análise sobre os conceitos e métodos aplicados à logística empresarial, construindo o arcabouço teórico necessário para o desenvolvimento do modelo

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial PRIMEIRA FASE 01 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Funções, gráficos e aplicações; cálculo diferencial e aplicações; funções de duas ou mais variáveis: derivadas parciais e aplicações; aplicação computacional

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Código da Disciplina: ENEX01426. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015

Código da Disciplina: ENEX01426. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015 Unidade Universitária: FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA Curso: Sistemas de Informação Disciplina: SISTEMAS DE GESTÃO COMERCIAL Etapa: 08 Carga horária: 68 Teóricas, 0 Práticas, 0 EaD Ementa: Código

Leia mais

Este artigo tem o objetivo de

Este artigo tem o objetivo de ARTIGO Muito além do roteirizador: distribuição de produtos de baixa densidade Divulgação Danilo Campos O roteamento de veículos tradicional contempla somente uma dimensão de capacidade, normalmente peso

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento 01 SISTEMA ANALÍTICO DE PLANEJAMENTO QUE PERMITE OTIMIZAR O ATENDIMENTO DAS DEMANDAS, A PRODUÇÃO DE CIMENTO E SUPRIMENTO DE INSUMOS, MAXIMIZANDO A MARGEM DE CONTRI- BUIÇÃO DA OPERAÇÃO O CILO É uma ferramenta

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

MBA em Gestão Logística

MBA em Gestão Logística Pág. 1/5 MBA em Gestão Logística Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados das 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas de R$ 380,00* * Valor

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES Nathalia Maciel Rosa (UEPA) nathmrosa@gmail.com Thais Souza Pelaes (UEPA) thaispelaes@gmail.com

Leia mais

CÁLCULO DE MINIMIZAÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO POR MEIO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR

CÁLCULO DE MINIMIZAÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO POR MEIO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR CÁLCULO DE MINIMIZAÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO POR MEIO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR André Andrade Longaray Ilse Maria Beuren Resumo: Este trabalho tem por objetivo apresentar a programação linear como uma das

Leia mais

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015 Unidade Universitária: FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA Curso: Sistemas de Informação Disciplina: SISTEMAS DE GESTÃO DE FINANÇAS E CUSTOS Etapa: 07 Carga horária: 68 Teóricas, 0 Práticas, 0 EaD Ementa:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL.

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL. PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL. Vanessa Teresinha Alves (UFSM) vanerotta@gmail.com Julio Cezar Mairesse

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Rodrigo Arozo O processo de gestão de estoques pode ser decomposto em quatro aspectos básicos: as políticas e modelos quantitativos utilizados, as questões

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Sistemas de abastecimento de pedidos

Sistemas de abastecimento de pedidos Sistemas de abastecimento de pedidos Sistemas de abastecimento de pedidos Intelligrated Densidade de separação A Intelligrated usa suas décadas de experiência e centenas de instalações para oferecer as

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaensch Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição Prof. Paulo Medeiros Canais de suprimento e distribuição Podemos dividir as operações logísticas de uma empresa em três áreas: Suprimentos;

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA

GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA Antonia Maria Gimenes¹, Marcio Jabour de Oliveira², William Gonçalves São Leão⁴

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 18 B2C: A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA 1. INTRODUÇÃO O Business-to-Consumer (B2C) refere-se à realização

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Sistemas de Informação: tipos e características

Sistemas de Informação: tipos e características Sistemas de Informação: tipos e características Tipos de sistemas de informação. Os quatro tipos principais de sistemas de informação. Sistemas do ponto de vista de pessoal Sistemas de processamento de

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA NA VIDA DAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA NA VIDA DAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA NA VIDA DAS EMPRESAS Autores 1 : Alessandro Aurélio Ribeiro Alessandro Carvalho Orientadora 2 : Prof. Nanci Ribeiro Prestes RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo uma

Leia mais

SUPPLY CHAIN: UMA ABORDAGEM DE GESTÃO PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS DE VACINAS

SUPPLY CHAIN: UMA ABORDAGEM DE GESTÃO PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS DE VACINAS ISSN 2179-6998 Rev. Ibirapuera, São Paulo, n. 2, p. 39-43, Jul./Dez. 2011 SUPPLY CHAIN: UMA ABORDAGEM DE GESTÃO PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS DE VACINAS Egberto Gomes Franco¹, Adriana Alves de Souza Santos²,

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS PRODUTIVOS EM UMA EMPRESA DE TRANSFORMAÇÃO E SERVIÇOS NO RAMO DE VIDROS UTILIZANDO PROGRAMAÇÃO LINEAR

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS PRODUTIVOS EM UMA EMPRESA DE TRANSFORMAÇÃO E SERVIÇOS NO RAMO DE VIDROS UTILIZANDO PROGRAMAÇÃO LINEAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS PRODUTIVOS EM UMA EMPRESA DE TRANSFORMAÇÃO E SERVIÇOS NO RAMO DE VIDROS UTILIZANDO PROGRAMAÇÃO LINEAR Debora Costa Melo (melodeborac@gmail.com / UEPA) Yvelyne Bianca Iunes Santos

Leia mais

Aplicação de Pesquisa Operacional em uma Empresa do Ramo Moveleiro

Aplicação de Pesquisa Operacional em uma Empresa do Ramo Moveleiro Sistemas Produtivos e Desenvolvimento Profissional: Desafios e Perspectivas Aplicação de Pesquisa Operacional em uma Empresa do Ramo Moveleiro JOÃO ROBERTO MAIELLARO Fatec Guarulhos São Paulo Brasil joaomaiellaro@yahoo.com.br

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

AVALIAÇÃO DA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO ESTADO DO PARANÁ (BRASIL)

AVALIAÇÃO DA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO ESTADO DO PARANÁ (BRASIL) AVALIAÇÃO DA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO ESTADO DO PARANÁ (BRASIL) Ivanete Daga Cielo 1 Keler Fabiany Denuzi 2 Ricardo Silveira Martins 3 RESUMO A logística

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT MBA EM GERÊNCIA DE SISTEMAS LOGÍSTICOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Eduardo Pécora, Ph.D. Reflexão: Como chegar lá? Desenvolvimento Pessoal Rertorno Financeiro Título? Maior eficiência e eficácia? Avaliação

Leia mais

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES.

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. Osmar Possamai (UFSC ) osmarpossamai@gmail.com Emerson Cleister Lima Muniz (UFSC ) eng.prod.emerson@gmail.com

Leia mais

Sales and Operations Planning uma maneira simples de obter ganhos com a integração interna

Sales and Operations Planning uma maneira simples de obter ganhos com a integração interna uma maneira simples de obter ganhos com a integração interna Rodrigo Arozo A quebra dos silos funcionais e a integração entre as diversas áreas das empresas, bem como a adoção de uma visão por processos,

Leia mais

Conselho Universitário - Consuni

Conselho Universitário - Consuni PRIMEIRA FASE 01 ECONOMIA Definições e conceitos de economia; macroeconomia; microeconomia; a organização econômica; a atividade de produção; a moeda; a formação de preços; economia de mercado: consumo,

Leia mais