CALC PERÍCIA, AUDITORIA E CONSULTORIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CALC PERÍCIA, AUDITORIA E CONSULTORIA"

Transcrição

1 LAUDO DA PERÍCIA JUDICIAL CONTÁBIL VARA CÍVEL DA COMARCA DE SANTA MARIANA (PR) Autos nº: Requerentes: Requerido: 150/2005 CONSTITUTIVA-NEGATIVA DE NULIDADE GENÉSIO ANDRADE CAMOLESE E OUTROS BANCO DO BRASIL S/A. Londrina (PR), 31 de maio de de 19

2 Sumário 1. Objetivos 2. Fundamentação Técnica 3. Considerações Iniciais e Diligências 4. Principais Documentos Averiguados 5. Pontos Controvertidos do Juízo 6. Quesitos das Partes e Respostas do Perito 7. Referências 8. Anexos I) Diligência Pericial enviada às partes em 07/05/2010 II) III) IV) Confirmações, protocolos e respostas Dados das Cédulas de Crédito Rural Periciadas Demonstrativo da Cédula Rural Pignoratícia n 20/ Encargos Cobrados pelo Requerido nos Períodos de Adimplência e Inadimplência V) Demonstrativo da Cédula Rural Pignoratícia n 20/ Encargos Cobrados pelo Requerido nos Períodos de Adimplência e Inadimplência VI) Demonstrativo da Cédula Rural Pignoratícia n 20/ Encargos Cobrados pelo Requerido nos Períodos de Adimplência e Inadimplência VII) Demonstrativo da Cédula Rural Pignoratícia n 40/ Encargos Cobrados pelo Requerido nos Períodos de Adimplência e Inadimplência VIII) Demonstrativo da Cédula Rural Pignoratícia n 40/ Encargos Cobrados pelo Requerido nos Períodos de Adimplência e Inadimplência IX) Demonstrativo da Cédula Rural Pignoratícia n 40/ Encargos Cobrados pelo Requerido nos Períodos de Adimplência e Inadimplência 2 de 19

3 X) Demonstrativo da Cédula Rural Pignoratícia n 40/ Encargos Cobrados pelo Requerido nos Períodos de Adimplência e Inadimplência XI) Demonstrativo da Cédula Rural Pignoratícia n 40/ Encargos Cobrados pelo Requerido nos Períodos de Adimplência e Inadimplência XII) Simulação conforme Quesito "1.3" do Requerente - Juros Simples - Cédula Rural n XIII) Simulação conforme Quesito "1.3" do Requerente - Juros Simples - Cédula Rural n XIV) Simulação conforme Quesito "1.3" do Requerente - Juros Simples - Cédula Rural n XV) Simulação conforme Quesito "1.3" do Requerente - Juros Simples - Cédula Rural n XVI) Simulação conforme Quesito "1.3" do Requerente - Juros Simples - Cédula Rural n XVII) Simulação conforme Quesito "1.3" do Requerente - Juros Simples - Cédula Rural n XVIII) Simulação conforme Quesito "1.3" do Requerente - Juros Simples - Cédula Rural n XIX) Simulação conforme Quesito "1.3" do Requerente - Juros Simples - Cédula Rural n XX) Certificados: Habilitação Profissional Mestre em Administração Pós-Graduação em Contabilidade Geral e Auditoria Pós-Graduação em Direito Empresarial 3 de 19

4 1. Objetivos O presente Laudo tem por objetivo elucidar os fatos em questão nestes autos, auxiliar a decisão a ser proferida por este Juízo, esclarecer de forma técnica, clara e objetiva os quesitos apresentados. 2. Fundamentação Técnica 2.1 NBC - Normas Brasileiras de Contabilidade, regulamentadas pelo CFC - Conselho Federal de Contabilidade: a) NBC PP 01 do Perito Resolução nº 1.244/2009 b) NBC TP 01 da Perícia Contábil Resolução nº 1.243/2009 c) NBC T 13 IT 04 do Laudo Resolução nº 978/ Referências no capítulo final deste Laudo. 3. Considerações Iniciais e Diligências 3.1. Os quesitos apresentados pelas partes referem-se à 8 (cinco) Cédulas Rurais firmadas entre as partes, cujos instrumentos constam às fls. 112/ São abordadas nos quesitos questões relativas à forma de cálculo e cobrança dos juros, capitalização, encargos de inadimplência, aplicação da correção monetária bem como a cobrança de débitos não contratados Por tratar-se de Perícia Judicial, além de prudência e empenho, o Perito Contador preveniu-se de modo absoluto acerca de elementos, documentos e informações necessárias, para ter dados, examinar e concluir de forma técnica e exata nesta Prova Pericia. Por isto, o expert diligenciou às partes em 07/05/2010 (vide Anexo 4 de 19

5 I), conforme recomenda o art. 431-A [1] para informar a instalação da perícia. Todos os comunicados foram endereçados e protocolados às partes, assim como foram cópias a seus respectivos procuradores e assistentes técnicos com dados (endereço/ ) nestes autos. No entanto, não houve qualquer manifestação das partes Caso sejam fornecidos futuramente novos documentos ou novos quesitos, e se autorizado pelo Juízo suas averiguações, considerando o re-trabalho que será causado, com base no art do CPC, o expert desde já requer acréscimo de no mínimo 50% dos seus honorários totais à parte causadora. 4. Principais Documentos Averiguados Constantes nos autos: 4.1. Cédula Rural Pignoratícia n 20/ (fls. 112/117); 4.2. Cédula Rural Pignoratícia n 20/ (fls. 118/123); 4.3. Cédula Rural Pignoratícia n 20/ (fls.124/129); 4.4. Cédula Rural Pignoratícia e Hipotecária n 40/ (fls. 130/136); 4.5. Cédula Rural Pignoratícia e Hipotecária n 40/ (fls. 138/144); 4.6. Cédula Rural Pignoratícia e Hipotecária n 40/ (fls. 145/151); 4.7. Cédula Rural Pignoratícia e Hipotecária n 40/ (fls. 152/159); 4.8. Cédula Rural Pignoratícia e Hipotecária n 40/ (fls. 160/166); 4.9. Laudos de vistoria técnica comprovando quebra de safra (fls. 168/174); Requerimentos dos autores para prolongamento do prazo das cédulas (fls. 176/189); Manual de Crédito Rural (fls. 191); Parecer técnico sobre capitalização de juros (fls. 193); Demonstrativo de Cálculo da Cédula Rural Pignoratícia n 20/ (fls. 530/535); [1] Art. 431-A - As partes terão ciência da data e local designados pelo juiz ou indicados pelo perito para ter início a produção da prova. 1 Art. 29. As despesas dos atos, que forem adiados ou tiverem de repetir-se, ficarão a cargo da parte, do serventuário, do órgão do Ministério Público ou do juiz que, sem justo motivo, houver dado causa ao adiamento ou à repetição. 5 de 19

6 4.14. Demonstrativo de Cálculo da Cédula Rural Pignoratícia n 20/ (fls. 524/529); Demonstrativo de Cálculo da Cédula Rural Pignoratícia n 20/ (fls. 536/541); Demonstrativo de Cálculo da Cédula Rural Pignoratícia e Hipotecária n 40/ (fls. 548/549); Demonstrativo de Cálculo da Cédula Rural Pignoratícia e Hipotecária n 40/ (fls. 546/547); Demonstrativo de Cálculo da Cédula Rural Pignoratícia e Hipotecária n 40/ (fls. 542/543); Demonstrativo de Cálculo da Cédula Rural Pignoratícia e Hipotecária n 40/ (fls. 550/551); Demonstrativo de Cálculo da Cédula Rural Pignoratícia e Hipotecária n 40/ (fls. 544/545). 5. Pontos Controvertidos do Juízo (transcrito fls. 490) Nota do Perito: Seguem elementos pertinentes à Perícia Contábil, para contribuir com a elucidação dos respectivos pontos controvertidos. Aqueles sem respostas citados a seguir, deve-se ao fato de indagarem estritamente sobre dispositivos legais e carecem de uma análise e decisão restrita da seara jurídica, em vez de uma conclusão técnica da área contábil. 1. Nulidade de cláusulas das cédulas rurais; judicial. No ponto de vista do Perito, nada a manifestar, visto que carece de decisão 2. Elevação ilegal de juros anatocismo; a) Nos contratos periciados foi detectada a prática de capitalização mensal dos juros. 6 de 19

7 b) Para facilitar a compreensão dos dados, seguem de forma resumida, os percentuais de juros cobrados e contratados: Período Adimplência Taxas de Juros ( % a.a.) Anexo Cédula Nº Início Fim Cobrada Contratada IV 20/ A 13/05/ /06/ ,94% a 18,01% a.a. 17,920% a.a. 20/ B 13/05/ /06/2005 8,75% a 8,76% a.a 8,75% a.a. V 20/ A 13/05/ /06/ ,94% a 17,98% a.a 17,920% a.a. 20/ B 13/05/ /06/2005 8,75% a 8,76% a.a 8,75% a.a. VI 20/ A 21/05/ /06/ ,48% a 20,58% a.a 20,463% a.a. 20/ B 21/05/ /06/2005 8,75% a 8,77% a.a 8,75% a.a. VII 40/ /10/ /07/2005 8,75% a 8,78% a.a 8,75 % a.a. VIII 40/ /10/ /07/2005 8,75% a 8,77% a.a 8,75 % a.a. IX 40/ /10/ /05/2005 8,75% a 8,77% a.a 8,75 % a.a. X 40/ /10/ /07/2005 8,75% a 8,77% a.a 8,75 % a.a. XI 40/ /10/ /07/2005 8,75% a 8,77% a.a 8,75 % a.a. 3. Limitação dos juros; judicial. No ponto de vista do Perito, nada a manifestar, visto que carece de decisão 4. Juros moratórios; a) Segundo já explicado no capítulo 3 acima, os contratos periciados referem-se a 8 (oito) Cédulas de Crédito firmadas entre as partes. b) Desta forma, para uma melhor compreensão dos leitores, os resultados das análises realizadas, acerca dos encargos de inadimplência cobrados, inclusive os juros de mora, constam discriminados na tabela abaixo: Período Inadimplência Encargos Cobrados pelo Requerido no período de Anexo Cédula Nº Inadimplência Início Fim Juros de Mora Multa Juros Cor. Monet. IV 20/ A 17/06/05 28/06/07 0,83% a.a. 2% 17,94% a 18,01% a.a. IRP 20/ B 17/06/05 28/06/07 0,92% a.a 2% 8,75% a 8,77% a.a - V 20/ A 30/06/05 28/06/07 0,83% a.a. 2% 17,94% a 18,058% a.a IRP 20/ B 30/06/05 28/06/07 0,92% a.a 2% 8,75% a 8,78% a.a - VI 20/ A 30/06/05 28/06/07 0,81% a.a. 2% 20,48% a 21,258% a.a IRP 20/ B 30/06/05 28/06/07 0,92% a.a 2% 8,75% a 8,77% a.a - VII 40/ /07/05 28/06/07 0,92% a.a 2% 8,75% a 8,78% a.a - VIII 40/ /07/05 28/06/07 0,92% a.a 2% 8,75% a 8,78% a.a - IX 40/ /05/05 28/06/07 0,91% a.a 2% 8,75% a 8,78% a.a - 7 de 19

8 X 40/ /07/05 28/06/07 0,92% a.a 2% 8,75% a 8,78% a.a - XI 40/ /07/05 28/06/07 0,92% a.a 2% 8,75% a 8,78% a.a - c) Com base no quadro acima se conclui que em todas as cédulas periciadas houve cobrança de juros de mora durante o período de inadimplência. d) No entanto, em todos os casos os percentuais cobrados foram inferiores ao percentual contratado de 1% ao ano, conforme detalhado na coluna N do Anexo III deste Laudo. 5. Inaplicabilidade da multa de 10%; Com base no quadro acima é possível concluir que a multa cobrada pelo Requerido foi de 2,00% (dois porcento), incidente sobre o valor total do débito. 6. Excesso de execução. Reporta-se as conclusões acima aos pontos controvertidos 2, 4 e 5 acima. 7. Possibilidade de prorrogação compulsória das CPRs. judicial. No ponto de vista do Perito, nada a manifestar, visto que carece de decisão 6. Quesitos das Partes e Respostas do Perito 6.1. Requerente: GENÉSIO ANDRADE CAMOLESE (transcrito fls. 497) 1. ELEMENTOS MATERIAIS-CONTÁBEIS 1.1. Estão juntados nos autos todos os documentos necessários à consecução da perícia, inclusive as contas gráficas dos contratos de compra e venda sub judice? 8 de 19

9 Sim, as contas gráficas relativas à evolução do saldo devedor das Cédulas de Crédito periciadas foram juntadas às fls. 524/551 dos autos, conforme detalhado por este Perito no capítulo 4 acima Qual foi a periodicidade em que se cobrou juros sobre juros (diariamente, mensalmente, semestralmente, etc.)? Segundo análise realizada nos Anexos IV a XI deste Laudo, a cobrança e a capitalização dos juros ocorreram mensalmente Os juros cobrados de outros juros representam quanto do valor dos contratos unilateralmente calculados pela Empresa-Ré? a) A expressão citada neste quesito juros cobrados de outros juros refere-se à cobrança de juros capitalizados. b) Assim, para a resposta deste quesito, o Perito elaborou as simulações de cálculo constantes nos Anexos XII a XIX deste Laudo, sendo que, os valores apurados foram os seguintes: Anexo Cédula Nº Débito segundo o Simulação realizada pelo Perito, aplicando-se os mesmos % de encargos financeiros cobrados pelo Requerido, porém sem capitalização Diferença: Capitalização Banco Requerido Saldo Atualizado Juros Simples Multa Débito sem capitalização (C G) A B C D E F G H XII 20/ , , , , , ,83 XIII 20/ , , , , , ,72 XIV 20/ , , , , , ,67 XV 40/ , , , , , ,37 XVI 40/ , , , , , ,85 XVII 40/ , , , , , ,17 XVIII 40/ , , , , , ,06 XIX 40/ , , , , , ,58 TOTAL , , , , , ,25 c) Portanto, os juros capitalizados cobrados pelo Requerido foram de R$93.304,25 (noventa e três mil trezentos e quatro reais e vinte e cinco centavos), conforme demonstrado detalhadamente na tabela acima. 9 de 19

10 1.4. É possível identificar nas planilhas os encargos incidentes sobre os contratos de compra e venda? Sim. Reportar-se à resposta do quesito posterior Em caso afirmativo, especificá-los, informando os seus percentuais. a) A apuração dos encargos financeiros cobrados foi realizada nos Anexos IV a XI deste Laudo, tanto para o período de adimplência quanto para o período de inadimplência das cédulas, tomando-se por base os demonstrativos de cálculo das operações, juntados às fls. 524/551. b) Nos casos das Cédulas de Crédito analisadas nos Anexos IV a VI, o crédito foi disponibilizado ao Requerente em duas etapas distintas, denominadas subcrédito A e subcrédito B. Portanto, nesses casos, a apuração dos encargos financeiros cobrados também foi realizada separadamente. c) Assim, segue quadro-resumo contendo as principais informações pertinentes aos encargos financeiros cobrados pelo Requerido: Anexo Cédula Nº Período Adimplência Encargos de Adimplência Cobrados pelo Requerido Início Fim Juros Correção Monetária Remuneratórios IV 20/ A 13/05/ /06/ ,94% a 18,01% a.a. IRP - Poupança 20/ B 13/05/ /06/2005 8,75% a 8,76% a.a - V 20/ A 13/05/ /06/ ,94% a 17,98% a.a IRP - Poupança 20/ B 13/05/ /06/2005 8,75% a 8,76% a.a - VI 20/ A 21/05/ /06/ ,48% a 20,58% a.a IRP - Poupança 20/ B 21/05/ /06/2005 8,75% a 8,77% a.a - VII 40/ /10/ /07/2005 8,75% a 8,78% a.a - VIII 40/ /10/ /07/2005 8,75% a 8,77% a.a - IX 40/ /10/ /05/2005 8,75% a 8,77% a.a - X 40/ /10/ /07/2005 8,75% a 8,77% a.a - XI 40/ /10/ /07/2005 8,75% a 8,77% a.a - d) Para dados analíticos favor reportar-se aos Anexos IV a XI deste Laudo. 2. PAGAMENTOS E AMORTIZAÇÕES 10 de 19

11 2.1. Houve pagamentos efetuados pelos devedores? Se houve, estes foram utilizados para amortização da dívida? Com base nos demonstrativos de cálculo juntados às fls. 524/551 não foram identificadas amortizações por parte dos devedores Houve pagamentos após a data do vencimento? Reportar-se à reposta do quesito anterior Sobre estes, em caso positivo, quais os valores das taxas, forma de cálculo, ou pena pecuniária utilizada para calcular a mora? Reportar-se à reposta do quesito 2.1 acima Os índices moratórios utilizados são oficiais? Na hipótese de utilização de comissão de permanência, é possível aferir de onde são retirados os índices utilizados? a) As taxas de juros moratórios, multa e índice de correção monetária aplicados durante o período de inadimplência foram: Anexo Cédula Nº Período Inadimplência Encargos Cobrados pelo Requerido no período de Inadimplência Início Fim Juros de Mora Multa Comissão de Permanência Cor. Monet. IV 20/ A 17/06/05 28/06/07 0,83% a.a. 2% - IRP - Poupança 20/ B 17/06/05 28/06/07 0,92% a.a 2% - - V 20/ A 30/06/05 28/06/07 0,83% a.a. 2% - IRP - Poupança 20/ B 30/06/05 28/06/07 0,92% a.a 2% - - VI 20/ A 30/06/05 28/06/07 0,81% a.a. 2% - IRP - Poupança 20/ B 30/06/05 28/06/07 0,92% a.a 2% - - VII 40/ /07/05 28/06/07 0,92% a.a 2% - - VIII 40/ /07/05 28/06/07 0,92% a.a 2% - - IX 40/ /05/05 28/06/07 0,91% a.a 2% - - X 40/ /07/05 28/06/07 0,92% a.a 2% - - XI 40/ /07/05 28/06/07 0,92% a.a 2% - - b) Quanto aos percentuais apurados acima serem índices oficiais, este Perito deixa de se manifestar por entender que carece de decisão judicial específica. 11 de 19

12 c) De acordo com os históricos que constam nos demonstrativos, não foram identificados lançamentos relativos à comissão de permanência. d) Entretanto, cabe ressaltar que, mesmo durante o período de inadimplência houve a cobrança de juros, além dos juros moratórios e multa, conforme demonstrado na tabela constante no item B da resposta ao ponto controvertido nº4 do Juízo. 3. JURIDICIDADE DO CÁLCULO 3.1. Quais as taxas remuneratórias aplicadas? Favor reportar-se à resposta acima ao quesito 1.5 dessa parte Há incidência de correção monetária? Em caso afirmativo, os índices mensais estão de acordo com os oficiais? O índice cobrado está previsto nos contratos? a) Sim, houve cobrança de correção monetária nas cédulas nº 20/ /A, 20/ /A e 20/ /A. b) Segundo consta nos referidos instrumentos, a mesma deveria ser calculada segundo a variação mensal do IRP (Índice de Reajuste da Poupança), ou seja, a TR (Taxa Referencial). c) Quanto à adequação dos termos contratuais aos índices oficiais, este Perito deixa de se manifestar por entender que carece de decisão judicial específica. d) A conferência dos percentuais de correção monetária cobrados foi realizada nas colunas H1 e P1 dos Anexos IV a VI deste Laudo, com base na qual conclui-se que, na maioria dos meses, o índice contratado foi respeitado Com base na análise dos extratos, indicar se houve incidência de débitos não contratados (como, por exemplo, taxas, seguros, comissões, etc.). I) Os débitos cobrados constam previstos no contrato de forma genérica, ou seja, sem descrição dos valores a serem debitados, apenas a natureza do débito, no caso, seguros. II) Segue quadro-resumo dos itens analisados: 12 de 19

13 Débitos Cobrados Anexo Cédula Nº Débitos Contratados Taxa Seguro Comissões IV 20/ Seguro Não Sim Não V 20/ Seguro Não Sim Não VI 20/ Seguro Não Sim Não VII 40/ Seguro Não Sim Não VIII 40/ Seguro Não Sim Não IX 40/ Seguro Não Sim Não X 40/ Seguro Não Não Não XI 40/ Seguro Não Sim Não 6.2. Requerido: BANCO DO BRASIL S/A (transcrito fls.508/510) 1. O que é capitalização de juros? A capitalização dos juros significa: o cálculo e a cobrança de juros a cada período do cálculo (pode ser diário, mensal, trimestral, semestral, anual, etc) e somado ao valor principal (ainda que amortizado na seqüência) e passa a compor a base de cálculo dos juros do próximo período, ou seja, é o ato de cobrar juros sobre juros. 2. O que é anatocismo? Segundo SILVA (1991), a definição de anatocismo é a seguinte: É vocábulo que nos vem do latim anatocismus, de origem grega, significando usura, prêmio composto ou capitalizado. Desse modo, vem significar a contagem ou cobrança de juros sobre juros. 3. O que é capitalização mensal de juros? Reporta-se a conclusão ao quesito 1 logo acima. 4. A capitalização mensal está expressamente pactuada nos instrumentos de crédito? Sim, a capitalização mensal dos juros está pactuada em todas as cédulas de crédito periciadas. 13 de 19

14 5. Analisar o que prescreve o art. 354 do Código Civil e informar se tem aplicabilidade no caso em tela, considerando-se para tal os aspectos técnicos financeiros dos instrumentos de crédito. a) O art. 354º do CC cita: Art Havendo capital e juros, o pagamento imputar-se-á primeiro nos juros vencidos, e depois no capital, salvo estipulação em contrário, ou se o credor passar a quitação por conta do capital. b) Este quesito não especifica elementos dos contratos periciados e aspectos técnicos dos instrumentos de crédito, apenas cita no quesito de forma subjetiva. c) Além disto, conforme se observa nos diversos dados apontados nas conclusões dos pontos controvertidos e resposta de quesito acima, há muitos elementos. Assim, devido à subjetividade do quesito, tornam-se prejudicada demais conclusões. 6. Conforme a Lei 4.595, de 31/12/1964, especificamente o art. 9º, informar se os bancos são obrigados a cumprir as determinações do Conselho Monetário Nacional, advindas por intermédio do Banco Central do Brasil, especificamente aquelas concernentes aos aspectos contábeis. a) O art. 9º desta Lei cita: Art. 9º Compete ao Banco Central da República do Brasil cumprir e fazer cumprir as disposições que lhe são atribuídas pela legislação em vigor e as normas expedidas pelo Conselho Monetário Nacional. b) Apesar dos bancos serem obrigados a cumprir as determinações do CMN Conselho Monetário Nacional, intermediadas pelo BACEN Banco Central do Brasil, principalmente nos aspectos contábeis, este quesito não especifica elementos dos contratos periciados. 7. De acordo com a Resolução de 05/12/1985 do Banco Central, as instituições financeiras estão autorizadas a cobrar taxas de juros livremente pactuadas entre as partes? Sim, conforme disposto no item I desta resolução, transcrito abaixo: 14 de 19

15 I - Ressalvado o disposto no item III, as operações ativas dos bancos comerciais, de investimento e de desenvolvimento serão realizadas a taxas de juros livremente pactuáveis 8. De acordo com o Manual de Crédito Rural, Capitulo Recursos-6, quando os recursos são Não controlados, oriundos da poupança ouro, os encargos financeiros podem ser fixados livremente? Às fls. 191 dos autos consta cópia de parte do Manual de Crédito Rural citado neste quesito, a qual foi denominada Capítulo 2, Seção 6, Item 9. Entretanto, não foram localizados nas referidas cópias, itens relacionados à livre fixação de encargos quando os recursos não são controlados. 9. De acordo com o Manual de Crédito Rural, Capitulo Recursos-6, quando os recursos são controlados, os juros devem ser inferiores a 12%? Favor reportar-se à resposta do quesito 8 acima. 10. Nas cédulas rurais em questão, quando o crédito era proveniente de recursos controlados, houve cobrança de juros acima de 12% ao ano? a) Segundo análise das cédulas de crédito periciadas e pesquisa realizada por este Perito no site no Banco Central (transcrito abaixo), os recursos disponibilizados através das cédulas de crédito periciadas são controlados, conforme especificado na coluna K do Anexo III deste Laudo: Como se classificam os recursos do crédito rural? Controlados: a) os recursos obrigatórios (decorrentes da exigibilidade de depósito à vista); b) os oriundos do Tesouro Nacional; c) os subvencionados pela União sob a forma de equalização de encargos (diferença de encargos financeiros entre os custos de captação da instituição financeira e os praticados nas operações de financiamento rural, pagos pelo Tesouro Nacional); d)os oriundos da poupança rural, quando aplicados segundo as condições definidas para os recursos obrigatórios. Não controlados: todos os demais. Disponível em: em 21/05/ de 19

16 b) Nas Cédulas de Crédito nº 20/ Subcrédito A, nº20/ Subcrédito A e nº 20/ Subcrédito A, houve cobrança de juros superiores a 12% ao ano, conforme demonstrado abaixo. Período Adimplência Encargos de Adimplência Cobrados pelo Anexo Cédula Nº Requerido Início Fim Juros Correção Monetária Remuneratórios IV 20/ A 13/05/ /06/ ,94% a 18,01% a.a. IRP - Poupança 20/ B 13/05/ /06/2005 8,75% a 8,76% a.a - V 20/ A 13/05/ /06/ ,94% a 17,98% a.a IRP - Poupança 20/ B 13/05/ /06/2005 8,75% a 8,76% a.a - VI 20/ A 21/05/ /06/ ,48% a 20,58% a.a IRP - Poupança 20/ B 21/05/ /06/2005 8,75% a 8,77% a.a - VII 40/ /10/ /07/2005 8,75% a 8,78% a.a - VIII 40/ /10/ /07/2005 8,75% a 8,77% a.a - IX 40/ /10/ /05/2005 8,75% a 8,77% a.a - X 40/ /10/ /07/2005 8,75% a 8,77% a.a - XI 40/ /10/ /07/2005 8,75% a 8,77% a.a A utilização do Índice de Reajuste da Poupança (IRP) está expressamente pactuadas nas Cédulas? a) Sim, o IRP Índice de Reajuste da Poupança está previsto como índice de correção monetária apenas nas Cédulas de Crédito nº 20/ , nº 20/ e nº 20/ , conforme detalhado no Anexo III deste Laudo. b) Nas demais cédulas periciadas não consta previsão contratual para aplicação de correção monetária. 12. Tendo em vista que a Lei 8.880, de 27/05/1994, foi editada para regulamentar a transição das moedas ( Cruzeiro Real para Real ), em especial, para regular contratos emitidos em Cruzeiro Real, informar se o art. 16, 2º da Lei de 1994 aplica-se para cédulas discutidas neste processo? O parágrafo 2º do art. 16 da referida Lei foi vetado, segundo pesquisa realizada por este Perito, conforme transcrito abaixo. Quanto a sua aplicabilidade, este Perito entende que carece de uma análise e decisão judicial, e não técnica do expert. Art. 16. Continuam expressos em cruzeiros reais, até a emissão do Real, e regidos pela legislação específica: 16 de 19

17 2º (VETADO). 13. Nos termos da Resolução 1129/86, do Conselho Monetário Nacional, há autorização para os bancos a cobrarem comissão de permanência? Sim, conforme disposto no item I desta Resolução, transcrito abaixo: I - Facultar aos bancos comerciais, bancos de desenvolvimento, bancos de investimento, caixas econômicas, cooperativas de crédito, sociedades de crédito, financiamento e investimento e sociedades de arrendamento mercantil cobrar de seus devedores por dia de atraso no pagamento ou na liquidação de seus débitos, além de juros de mora na forma da legislação em vigor, "comissão de permanência", que será calculada às mesmas taxas pactuadas no contrato original ou à taxa de mercado do dia do pagamento. 14. A cobrança de comissão de permanência está expressamente prevista nos instrumentos de crédito? Em que situações? a) Sim, a previsão para cobrança de comissão de permanência consta em todas as cédulas de crédito periciadas, para ser aplicada nas situações de inadimplência do contrato, conforme detalhado por este Perito no Anexo III deste Laudo. b) No entanto, as taxas ou percentuais a serem aplicadas a este encargo financeiro não foram citadas de forma expressa nos referidos instrumentos, constando apenas que a mesma seria cobrada de acordo com as Taxas de Mercado. 15. Houve inadimplência das cédulas em questão? Sim, conforme respondido ao ponto controvertido 4 elaborado pelo Juízo. 16. Existe cláusula nos instrumentos de crédito onde é prevista cobrança de multa de 10% em caso de inadimplemento? Sim, em todas as cédulas de crédito periciadas a multa contratada é de 10% (dez por cento). 17. Informar os pontos controvertidos da presente ação, informando individualmente para cada um deles a conclusão a que se chegou através da perícia realizada. 17 de 19

18 Os pontos controvertidos estabelecidos pelo Juízo (fls. 490), pertinentes à seara contábil, foram respondidos por este Perito no capítulo 5 acima. Perito Judicial Contador Mestre em Administração Especialista em Contabilidade Geral e Auditoria Especialista em Direito Empresarial Bacharel em Ciências Contábeis 7. Referências sem a doutrina científica, a prática tende a cometer sérios erros e ensejar a redução da própria dignidade do exercício profissional. Lopes de Sá, CAVALHEIRO, L.F. Elementos de matemática financeira: operações a curto e longo prazo. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, CONSELHO, Federal de Contabilidade. Princípios fundamentais e normas brasileiras de contabilidade auditoria e perícia. Brasília: CFC, CONSELHO, Federal de Contabilidade. Princípios fundamentais e normas brasileiras de contabilidade. Brasília: CFC, FORTUNA, Eduardo. Mercado financeiro: produtos e serviços. 16. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS CONTÁBEIS, ATUARIAIS E FINANCEIRAS - USP, Manual de contabilidade das sociedades por ações: aplicável também as demais sociedades, FIPECAFI. 4. ed. São Paulo: Atlas, de 19

19 FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS CONTÁBEIS, ATUARIAIS E FINANCEIRAS, Normas e práticas contábeis no Brasil: FIPECAFI / ARTHUR ANDERSEN. 2. ed. São Paulo: Atlas, HOOG, Wilson Alberto Zappa, PETRENCO; Solange. Prova pericial contábil. 2 ed. Curitiba: Juruá, HOOG, Wilson Alberto Zappa. Código civil: do direito de empresa. 2. ed. Curitiba: Juruá, HOOG, Wilson Alberto Zappa. Resolução de sociedade e avaliação do patrimônio na apuração de haveres. 2. ed. Curitiba: Juruá, HOOG, Wilson Alberto Zappa. Tricotomia contábil e sociedades empresárias. Curitiba: Juruá, IUDÍCIBUS, Sergio, et al. Contabilidade introdutória: da equipe de professores da faculdade de economia e administração da USP. 7. ed. São Paulo: Atlas, MAGALHÃES, Antonio de Deus Farias; SOUZA, Clóvis; FÁVERO, Hamilton Luiz; LONARDONI, Mario. Perícia contábil. 3. ed. São Paulo: Atlas, MORAIS, Antonio Carlos; FRANÇA, José Antonio. Perícia judicial e extrajudicial. uma abordagem conceitual e prática. Brasília, SÁ, Antônio Lopes. Fundo de comércio: avaliação de capital e ativo intangível. Curitiba: Juruá, SAMANEZ, C. P. Matemática financeira: aplicações à análise de investimentos. 3. ed. São Paulo: Prentice Hall, de 19

CALC PERÍCIA, AUDITORIA E CONSULTORIA

CALC PERÍCIA, AUDITORIA E CONSULTORIA LAUDO DA PERÍCIA JUDICIAL CONTÁBIL VARA CÍVEL DA COMARCA DE MEDIANEIRA PR Autos nº: Autor: Réu: 354/2008 COBRANÇA LUIZ RIBOLDI HSBC BANK BRASIL S/A BANCO MULTIPLO Medianeira (PR), 30 de julho de 2010.

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR, DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DE COMPETÊNCIA RESIDUAL DA COMARCA DE CAMPO GRANDE (MS) PARECER TÉCNICO JUDICIAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR, DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DE COMPETÊNCIA RESIDUAL DA COMARCA DE CAMPO GRANDE (MS) PARECER TÉCNICO JUDICIAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR, DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DE COMPETÊNCIA RESIDUAL DA COMARCA DE CAMPO GRANDE (MS) PARECER TÉCNICO JUDICIAL Campo Grande/MS, 12 de julho de 2015 Processo: 0016219-61.2012.8.12.0001

Leia mais

Produtores rurais de arroz, pessoa física ou jurídica, com sede e administração no país, inclusive cooperativas.

Produtores rurais de arroz, pessoa física ou jurídica, com sede e administração no país, inclusive cooperativas. CIRCULAR Nº 02/2013-BNDES Rio de Janeiro, 16 de janeiro de 2013. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES para Composição de Dívidas Decorrentes de Operações de Crédito de Investimento Rural

Leia mais

CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS

CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS Pela presente CÉDULA DE CRÉDITO BANCARIO, doravante designada como CÉDULA, pagarei ao Banco Ibi S.A. Banco Múltiplo, com sede na Alameda Rio Negro, 585,

Leia mais

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes UNISEB Centro Universitário 17/5/2013 Módulo 6.2 Unidade 5 UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil em Processos Bancários 3 A PERÍCIA BANCÁRIA

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.360/11 Dispõe sobre o Regime de Parcelamento de Débitos de Anuidades e Multas (Redam II) para o Sistema CFC/CRCs O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

Telefone p/contato: 22159822

Telefone p/contato: 22159822 Telefone p/contato: 22159822 Apresentação Turma Especial aos Sábados CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA O CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA abordará

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PERÍCIA CONTÁBIL

Leia mais

Disciplina: PERÍCIA CONTÁBIL

Disciplina: PERÍCIA CONTÁBIL Disciplina: PERÍCIA CONTÁBIL 1 Prof. Fábio Ibanhez Bertuchi PROF. FÁBIO IBANHEZ BERTUCHI E-MAIL: FABIOBERTUCHI@UNITOLEDO.BR FORMAÇÃO ACADÊMICA: - Pós Graduado em Perícia Contábil e Auditoria (UEL-PR) -

Leia mais

2. inadimplência na data de publicação desta Resolução, contratadas até 30 de junho de 2010;

2. inadimplência na data de publicação desta Resolução, contratadas até 30 de junho de 2010; RESOLUÇÃO Nº 4.028, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 Autoriza a composição de dívidas e a renegociação de operações de crédito rural, no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2519. Art. 1º Alterar o art. 11 do Regulamento anexo à Resolução nº 1.980, de 30.04.93, que passa a vigorar com a seguinte redação:

RESOLUÇÃO N 2519. Art. 1º Alterar o art. 11 do Regulamento anexo à Resolução nº 1.980, de 30.04.93, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUÇÃO N 2519 Documento normativo revogado pela Resolução 3.005, de 30/07/2002. Dispõe sobre o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL. A ESTRUTURA DE UM TRABALHO PERICIAL CONTÁBIL: Normas e Formatação

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL. A ESTRUTURA DE UM TRABALHO PERICIAL CONTÁBIL: Normas e Formatação CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL A ESTRUTURA DE UM TRABALHO PERICIAL CONTÁBIL: Normas e Formatação Porto Alegre, 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CASOS ESTUDADOS... 3 1.2 FUNDAMENTAÇÃO...

Leia mais

Adir Jacob Contador Perito Judicial. Tel. 223-6488 EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR.

Adir Jacob Contador Perito Judicial. Tel. 223-6488 EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR. 1 EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR. Ação # 000.00.575079-2 MONITÓRIA Banco do Estado de São Paulo S/A CONTRA Agência Center S/C Ltda. controle *001480 Adir Jacob CRC# 105.027 de

Leia mais

STJ00085281 NOTA À 9." EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário...

STJ00085281 NOTA À 9. EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário... STJ00085281 SUMÁRIO NOTA À 9." EDIÇÃO.................. OBRAS DO AUTOR................... 5 7 1. CRÉDITO BANCÁRIO........ 17 1.1 Atividade creditícia dos bancos.............. 17 1.2 Operações bancárias..........................

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PERÍCIA CONTÁBIL

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARCELADO PARA CAPITAL DE GIRO PESSOAS JURÍDICAS

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARCELADO PARA CAPITAL DE GIRO PESSOAS JURÍDICAS CLÁUSULAS GERAIS que regem o Contrato de Abertura de Crédito Parcelado para Capital de Giro Pessoas Jurídicas, tendo de um lado o BRB - BANCO DE BRASÍLIA S.A., com sede em Brasília, Capital Federal, inscrito

Leia mais

STJ00029248. 2.2 Principais tipos de depósito..."... "... 30

STJ00029248. 2.2 Principais tipos de depósito...... ... 30 STJ00029248 SUMÁRIO À GUISA DE EXPLICAÇÃO À 1." EDIÇÃO... 5 I. CRÉDITO BANCÁRIO 1.1 Atividade creditícia dos bancos..."... 15 1.2 Operações bancárias... 16 1.3 Contratos de crédito bancário... 18 1.4 Natureza

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO Por este instrumento e na melhor forma de direito, a COOPERATIVA, doravante designada simplesmente COOPERATIVA, neste ato devidamente representada na forma de seu Estatuto

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N 1.057/05 Aprova a NBC P 2.4 Honorários O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.406/12 Dispõe sobre o Regime de Parcelamento de Débitos de Anuidades e Multas (Redam III) para o Sistema CFC/CRCs. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARA DESCONTO DE CHEQUES - PESSOAS JURÍDICAS

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARA DESCONTO DE CHEQUES - PESSOAS JURÍDICAS CLÁUSULAS GERAIS que regem o Contrato de Abertura de Crédito para Desconto de Cheques Pessoas Jurídicas, tendo de um lado o BRB - BANCO DE BRASÍLIA S.A., com sede em Brasília, Capital Federal, inscrito

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO Tricap Empresarial Mensal TRADICIONAL

CONDIÇÕES GERAIS DO Tricap Empresarial Mensal TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS DO Tricap Empresarial Mensal TRADICIONAL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73 PM930T4 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 007/2015, de 22 de junho de 2015.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 007/2015, de 22 de junho de 2015. BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AEX Nº 007/2015, de 22 de junho de 2015. Ref.: Circular AEX nº 001/2015, de 30 de janeiro de 2015. Ass.: Alteração das Normas Operacionais

Leia mais

Economista, Perito. Tel 11 223 6488 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR.

Economista, Perito. Tel 11 223 6488 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. 1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. Ação# 01.105922-2 ORDINÁRIA. WMF COMÉRCIO DE ALIMENTOS LTDA. contra BANKBOSTON BANCO MÚLTIPLO S/A. Controle 1958. Joel

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1748. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de 01/03/2000.

RESOLUÇÃO Nº 1748. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de 01/03/2000. RESOLUÇÃO Nº 1748 01/03/2000. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de Altera e consolida critérios para inscrição de valores nas contas de créditos em liquidação e

Leia mais

PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural Deputado Ronaldo Caiado - Presidente PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO I - Securitização - Renegociada LEI Nº 10.437/02 (Artigos. 1º e 4º):

Leia mais

Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 RESOLUÇÃO Nº 530 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista o disposto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.446 R E S O L V E U:

RESOLUÇÃO Nº 1.446 R E S O L V E U: RESOLUÇÃO Nº 1.446 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o Presidente do CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, por ato de 18.12.87, com base no artigo

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PM110P3 POPULAR

CONDIÇÕES GERAIS DO PM110P3 POPULAR I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO PM110P3 POPULAR SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73 PM110P3 - MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003600/2011-04

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. Leonel Kern 1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. Ação N.º 99.889213-0 ordinária. GERSON VIANA DA SILVA contra BANCO ITAÚ S/A. Leonel Kern Ernesto, contabilista,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 1 CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL Adriel Mota Ziesemer A ESTRUTURA DE UM TRABALHO PERICIAL CONTÁBIL: Normas e Formatação Pelotas, 2009 2 RESUMO Esta obra chama a atenção para as

Leia mais

Curso (Prático) de Perícia Financeira

Curso (Prático) de Perícia Financeira Apresentação Objetivos Curso (Prático) de Perícia Financeira Contábil e O Curso de Perícia Contábil aborda as matérias necessárias aos profissionais que atuam como perito, para que interpretem adequadamente

Leia mais

ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007.

ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007. ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007. DESCRIÇÃO DAS EMENTAS, OBJETIVOS, PLANO DE DISCIPLINAS E BIBLIOGRAFIA. DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: CONTABILIDADE PÚBLICA II Ementa: Princípios Fundamentais

Leia mais

Maria Regina R Avelar Contadora, Auditora, Perita. Tel. 11 3167 5144 R 126

Maria Regina R Avelar Contadora, Auditora, Perita. Tel. 11 3167 5144 R 126 1 DO TRABALHO PERICIAL Tomando por base os dados constantes da planilha apresentada pelo Banco, a perita reconstituiu as condições contratuais, a seguir: Em 22/11/1999 a Sra. WALKYRIA STORER e o HSBC BANK

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 17/2003. Rio de Janeiro, 20 de maio de 2003. Ref.: FINAME AGRÍCOLA BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Linha Especial de Financiamento Agrícola

CARTA-CIRCULAR N 17/2003. Rio de Janeiro, 20 de maio de 2003. Ref.: FINAME AGRÍCOLA BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Linha Especial de Financiamento Agrícola CARTA-CIRCULAR N 17/2003 Rio de Janeiro, 20 de maio de 2003 Ref.: FINAME AGRÍCOLA BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Linha Especial de Financiamento Agrícola O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002.

RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002. RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002. Dispõe sobre o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

Leia mais

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à:

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à: Capítulo II CONDIÇÕES GERAIS 1. SISTEMÁTICA DE CÁLCULO DOS JUROS. Os juros, aí considerados o Custo Financeiro, a Remuneração do BNDES e a Remuneração do Agente Financeiro, serão calculados sobre o saldo

Leia mais

Condições a serem observadas pelos Agentes Financeiros na contratação das operações com as BENEFICIÁRIAS FINAIS, lastreadas com recursos da FINAME

Condições a serem observadas pelos Agentes Financeiros na contratação das operações com as BENEFICIÁRIAS FINAIS, lastreadas com recursos da FINAME (TJLP) Anexo IX à Circular nº 197, de 18.08.2006 (Alterado pela Circular SUP/AOI nº 14/2015-BNDES, de 08.05.2015) Condições a serem observadas pelos Agentes Financeiros na contratação das operações com

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: PERÍCIA CONTÁBIL

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO ROTATIVO EM CONTA CORRENTE PESSOA JURÍDICA

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO ROTATIVO EM CONTA CORRENTE PESSOA JURÍDICA CLÁUSULAS GERAIS que regem o Contrato de Abertura de Crédito Rotativo em Conta Corrente, tendo de um lado o BRB Banco de Brasília S.A., com sede em Brasília, Distrito Federal, inscrito no CNPJ sob o número

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO)

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO) CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO) ESSOR Seguros S.A CNPJ 14.5 25.684/0001-50 Process o SUSEP Nº 1 54 14.002 72 3/2 01 2-09 O registro deste plano na SUSEP não im plica,

Leia mais

O que é o Parcelamento de Débitos do FGTS. Débitos que podem ser parcelados. Onde solicitar o Parcelamento. Versão I 19/08/2013 2

O que é o Parcelamento de Débitos do FGTS. Débitos que podem ser parcelados. Onde solicitar o Parcelamento. Versão I 19/08/2013 2 GIFUG/FL RECUPERAR CRÉDITOS PARCELAMENTO FGTS GUIA DE ORIENTAÇÕES AO EMPREGADOR O que é o Parcelamento de Débitos do FGTS O Parcelamento do FGTS é uma alternativa de liquidação de débitos concedida aos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2886. Ilan Goldfajn Presidente, interino. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 2886. Ilan Goldfajn Presidente, interino. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. RESOLUÇÃO Nº 2886 Documento normativo revogado pela Resolução 3.746, de 30/6/2009. Dispõe sobre a remuneração da orientação técnica prestada a empreendimentos financiados ao amparo de recursos do crédito

Leia mais

Atendimento das 08:00 hs. às 15:00 hs. CNPJ 01.530.136/0001-76 PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO. Cooperado. Matrícula R.G. CPF

Atendimento das 08:00 hs. às 15:00 hs. CNPJ 01.530.136/0001-76 PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO. Cooperado. Matrícula R.G. CPF COOPERARATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA CPTM Rua Zuma de Sá Fernandes, 360 - Térreo - Presidente Altino - Osasco - SP - CEP 06213-040 Telefones: 3689-9166 / 3652-2600 - Ramais 2771

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO PARA USO DA COOPERATIVA CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO Contrato nº Sist./Regional: Percentual de Capitalização % Conta Capital R$ Data do Crédito do Emp.: / / Valor da Prim. Parcela R$ Venc.da

Leia mais

PARECER TÉCNICO CONTÁBIL

PARECER TÉCNICO CONTÁBIL Processo: Tipo: Autor/Requerente: Réu/Requerido: ESCRITÓRIO DE PERÍCIAS CONTÁBEIS Nº Ordinária Revisão de Contrato Gildeones Bandeira Nunes de Castro Banco do Brasil e Financiamentos S/A PARECER TÉCNICO

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações

Leia mais

DO PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL DE CRÉDITOS FISCAIS DOS CONSELHOS FEDERAL E REGIONAIS DE FARMÁCIA PRF/CFF-CRF

DO PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL DE CRÉDITOS FISCAIS DOS CONSELHOS FEDERAL E REGIONAIS DE FARMÁCIA PRF/CFF-CRF PORTARIA Nº 1907 Ementa: Regulamenta no âmbito do CRF/SC o Programa de Recuperação Judicial e Extrajudicial de Créditos Fiscais dos Conselhos Federal e Regionais de Farmácia PRF/CFF-CRF. A Presidente do

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2.471. Prazo de renegociação prorrogado. Vide Resolução nº 2.589, de 28/1/1999.

RESOLUÇÃO N 2.471. Prazo de renegociação prorrogado. Vide Resolução nº 2.589, de 28/1/1999. RESOLUÇÃO N 2.471 Prazo de renegociação prorrogado. Vide Resolução nº 2.568, de 6/11/1998. Prazo de renegociação prorrogado. Vide Resolução nº 2.589, de 28/1/1999. Prazo de renegociação prorrogado. Vide

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE:

SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE: CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE: Partes - BANCO MERCANTIL DO BRASIL S.A., com sede na Rua Rio de Janeiro, nº 654, Centro,

Leia mais

Ciclano da Silva Advogados Associados

Ciclano da Silva Advogados Associados Ciclano da Silva Advogados Associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO REGIONAL DE ALTA FLORESTA, COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BAIXA FLORESTA/PR. FULANO DE TAL, pessoa

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 60/60 A - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP

Leia mais

Ação # 01.114777-6 ORDINÁRIA. Waldir Rodrigues Bio CONTRA Bradesco Administradora de cartões de Crédito Ltda. controle 2061

Ação # 01.114777-6 ORDINÁRIA. Waldir Rodrigues Bio CONTRA Bradesco Administradora de cartões de Crédito Ltda. controle 2061 Adir Jacob 1 Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da 2 ª Vara Cível Fórum João Mendes Jr. Ação # 01.114777-6 ORDINÁRIA. Waldir Rodrigues Bio CONTRA Bradesco Administradora de cartões de Crédito Ltda. controle

Leia mais

R E S O L V E U: Art. 2. A sociedade corretora tem por objeto social:

R E S O L V E U: Art. 2. A sociedade corretora tem por objeto social: RESOLUCAO 1.655 --------------- O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9. da Lei n. 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE FIANÇA CURSO DE MEDICINA BACHARELADO FAMINAS-ME

INSTRUMENTO PARTICULAR DE FIANÇA CURSO DE MEDICINA BACHARELADO FAMINAS-ME INSTRUMENTO PARTICULAR DE FIANÇA CURSO DE MEDICINA BACHARELADO FAMINAS-ME 1. (FIADOR), naturalidade:, estado civil:, profissão:, data de nascimento: / /, residente e domiciliado na cidade de:, estado:,cep:

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS. Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS. Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado Neste estudo, procuraremos trazer algumas considerações

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PRODUTO FEDERALCAP MENSAL (PM 60 PADRÃO)

CONDIÇÕES GERAIS DO PRODUTO FEDERALCAP MENSAL (PM 60 PADRÃO) CONDIÇÕES GERAIS DO PRODUTO FEDERALCAP MENSAL (PM 60 - PADRÃO) 1. INTRODUÇÃO 1.1. A FEDERAL CAPITALIZAÇÃO S.A., a seguir denominada EMITENTE, é uma sociedade especializada na instituição e administração

Leia mais

6 Item revogado com a edição da Circular nº 3.717, de 11 de setembro de 2014.

6 Item revogado com a edição da Circular nº 3.717, de 11 de setembro de 2014. TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 29. Empresas em Liquidação Extrajudicial 1. Princípios Gerais 1 - Os títulos a serem utilizados pelas empresas em liquidação

Leia mais

INSTITUTO Caetano Andrade Rio de Janeiro. São Paulo EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DE MADUREIRA/RJ

INSTITUTO Caetano Andrade Rio de Janeiro. São Paulo EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DE MADUREIRA/RJ 1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DE MADUREIRA/RJ PROCESSO n : 2006.202.000000-0 AÇÃO AUTORA RÉU : DECLATÓRIA : JOCE DASILVA : BANCO DO POVO CAETANO ANTONIO DE ANDRADE, perito

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1861. Parágrafo 2º. A garantia de que trata este artigo não é extensiva à caderneta de poupança rural.

RESOLUÇÃO N 1861. Parágrafo 2º. A garantia de que trata este artigo não é extensiva à caderneta de poupança rural. RESOLUÇÃO N 1861 Institui o regulamento do Fundo de Garantia dos Depósitos e Letras Imobiliárias (FGDLI), fixa o limite de garantia, o percentual de contribuição, a atualização da garantia e a multa por

Leia mais

LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO SISTEMA RECALCULADO

LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO SISTEMA RECALCULADO Tipo de Contrato: Número do Contrato: LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO Financiado: Agente Financeiro: Curitiba, 16/10/013 xxxxx xxxxxx Cédula de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. RESOLUÇÃO Nº 351 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 12 de novembro de 1975,

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade

Conselho Federal de Contabilidade Processo CFC n.º 2015/000011 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 10/2015 Assunto: Orientação para encerramento do Exercício de 2014, elaboração do processo de Prestação de Contas do Sistema CFC/CRCs e alteração

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004. Dispõe sobre a atualização de valores relativos às operações de seguros, de previdência complementar aberta e de capitalização, e dá outras providências.

Leia mais

V AL R Qualificação do Microempreendedor

V AL R Qualificação do Microempreendedor V AL R Qualificação do Microempreendedor Data: Nome Completo: CPF/CNPJ: Nº Identidade: Órgão Emissor : Sexo: Data de Nascimento: Estado Civil: Naturalidade: Nome do Pai: Nome da Mãe: Endereço: Bairro:

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE CURSO 1. Identificação

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. I - INFORMAÇÕES INICIAIS Sociedade de Capitalização - APLUB Capita-lização S.A. CNPJ - 88.076.302/0001-94 Modalidade: Popular

CONDIÇÕES GERAIS. I - INFORMAÇÕES INICIAIS Sociedade de Capitalização - APLUB Capita-lização S.A. CNPJ - 88.076.302/0001-94 Modalidade: Popular ESTIPULANTE SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUB SORTE EXTRA - TCA 420 (PROC. SUSEP Nº 15414.200104/2009-74), da APLUB Capitalização S. A. I - INFORMAÇÕES INICIAIS

Leia mais

Regulamento. I Da Constituição Finalidades

Regulamento. I Da Constituição Finalidades Regulamento I Da Constituição Finalidades INSTITUTO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICO DE QUIXADÁ, empresa jurídica de direito privado, com sede à Rua: Dr. Antônio Moreira Magalhães, 457, Jardim dos Monólitos,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.088, DE 31 DE OUTUBRO DE 1990. Mensagem de veto Dispõe sobre a atualização do Bônus do Tesouro Nacional e dos depósitos de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.655 R E S O L V E U:

RESOLUÇÃO Nº 1.655 R E S O L V E U: 1 RESOLUÇÃO Nº 1.655 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em vista o disposto

Leia mais

LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007

LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007 ESTADO DO CEARÁ LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007 DISPÕE SOBRE A RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS DECORRENTES DE EMPRÉSTIMOS CONCEDIDOS PELO EXTINTO BANCO DO ESTADO DO CEARÁ S/A BEC, POR PARTE DO ESTADO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20 DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS, CONSTITUIÇÃO E AUTORIZAÇÃO

RESOLUÇÃO Nº 20 DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS, CONSTITUIÇÃO E AUTORIZAÇÃO 1 RESOLUÇÃO Nº 20 Documento normativo revogado pela Resolução 2735, de 28/06/2000. O BANCO CENTRAL DA REPÚBLICA DO BRASIL, na forma da deliberação do Conselho Monetário Nacional, em sessão de 28.2.66,

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS RESOLUÇÃO N o 03/06 Aprova Manual de Instrução para Inscrição de Créditos do DETER, em Dívida Ativa.

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CONVÊNIO DESCONTO

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CONVÊNIO DESCONTO CCB CONV DESC VJ 04/2011 (540) CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CCB Nº VIA: Negociável (CREDOR) Não Negociável (EMITENTE) I - EMITENTE Nome/Razão Social CPF /CNPJ Banco Agência Conta Corrente nº II TERCEIROS

Leia mais

Processo nº 0448.1511/15-9 DEVOLVER ESTE PROTOCOLO ASSINADO PROTOCOLO DE ENTREGA PROCESSO DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 066A/2015

Processo nº 0448.1511/15-9 DEVOLVER ESTE PROTOCOLO ASSINADO PROTOCOLO DE ENTREGA PROCESSO DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 066A/2015 Processo nº 0448.1511/15-9 DEVOLVER ESTE PROTOCOLO ASSINADO PROTOCOLO DE ENTREGA PROCESSO DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 066A/2015 DATA DA ABERTURA: 13/11/2015 HORA DA ABERTURA: 09:00 Horas NOME DA EMPRESA: ORIGINAL

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARCELADO

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARCELADO CLÁUSULAS GERAIS que regem o Contrato de Abertura de Crédito Parcelado, tendo de um lado o BRB - BANCO DE BRASÍLIA S.A., com sede em Brasília, Capital Federal, inscrito no CNPJ/MF sob o número 00.000.208/0001-00,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Programa de Parcelamento de Débitos Fiscais no âmbito do Sistema CFMV/ CRMVs, destinado à regularização de débitos de anuidades, multas, taxas, emolumentos

Leia mais

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1.

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1. 1. OBJETO 1.1. Este contrato de seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador perante o Segurado, conforme os termos da apólice e até o valor da garantia fixado nesta, e de acordo

Leia mais

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS ESTAS CONDIÇÕES GERAIS REGEM O CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO MEDIANTE

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TRICAP (PM910T3 TRADICIONAL)

CONDIÇÕES GERAIS DO TRICAP (PM910T3 TRADICIONAL) I INFORMAÇÕES INICIAIS II GLOSSÁRIO CONDIÇÕES GERAIS DO TRICAP (PM910T3 TRADICIONAL) SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73 PM BÔNUS - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

ALUNO Nome: Identidade: Órgão Emissor: UF: Data de Expedição: / /. CPF: Data de Nascimento: / /. CEP: Cidade: UF: Curso:

ALUNO Nome: Identidade: Órgão Emissor: UF: Data de Expedição: / /. CPF: Data de Nascimento: / /. CEP: Cidade: UF: Curso: Pelo presente instrumento particular, o ALUNO e, se for o caso, seu RESPONSÁVEL FINANCEIRO, em conjunto denominados CONTRATANTE, ALUNO Nome: Identidade: Órgão Emissor: UF: Data de Expedição: / /. CPF:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.655. Wadico Waldir Bucchi Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 1.655. Wadico Waldir Bucchi Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 RESOLUÇÃO Nº 1.655 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em vista o disposto

Leia mais

Anexo I à Circular SUP/AGRIS nº 04/2015-BNDES, de 12.02.2015. Produto BNDES Microcrédito PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

Anexo I à Circular SUP/AGRIS nº 04/2015-BNDES, de 12.02.2015. Produto BNDES Microcrédito PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS Anexo I à Circular SUP/AGRIS nº 04/2015-BNDES, de 12.02.2015 Produto BNDES Microcrédito PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 1 ENCAMINHAMENTO DA FICHA DE RESERVA DE CRÉDITO PARA MICROCRÉDITO 1.1 Para utilização

Leia mais

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos CAIXA ECONÔMICA FEDERAL AVALIAÇÃO DE RISCO Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS A ANÁLISE

Leia mais

CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004

CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004 SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a atualização de valores relativos às operações de seguros, de previdência complementar aberta e de capitalização,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.237.894 - MT (2011/0026945-1) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI RECORRENTE : BANCO DO BRASIL S/A ADVOGADO : NAGIB KRUGER E OUTRO(S) RECORRIDO : SUSSUMO SATO E OUTRO ADVOGADO : GILMAR

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS PÓS GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS PÓS GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU 1 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS PÓS GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU A) CONTRATANTE: Aluno (a) identificado (a) no REQUERIMENTO DE MATRÍCULA fornecido pelas Contratadas, cujo documento

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05 Aprova a NBC T 13.2 Planejamento da Perícia. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade e suas Interpretações

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Setor Sucroalcooleiro BNDES PASS

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Setor Sucroalcooleiro BNDES PASS Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR N 36/2012-BNDES Rio de Janeiro, 25 de maio de 2012 Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Setor Sucroalcooleiro

Leia mais