LOGÍSTICA INTEGRADA: UM ESTUDO BIBLIOMÉTRICO NACIONAL E INTERNACIONAL NO PERÍODO DE 2002 A 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LOGÍSTICA INTEGRADA: UM ESTUDO BIBLIOMÉTRICO NACIONAL E INTERNACIONAL NO PERÍODO DE 2002 A 2012"

Transcrição

1 LOGÍSTICA INTEGRADA: UM ESTUDO BIBLIOMÉTRICO NACIONAL E INTERNACIONAL NO PERÍODO DE 2002 A 2012 Valdir Antonio Vitorino Filho 1 Silvio Roberto Ignácio Pires 2 Mauro Vivaldini 3 João Batista de Camargo Júnior 4 Resumo Este artigo tem como objetivo analisar a produção acadêmica nacional e internacional sobre o tema Logística Integrada, com base em artigos disponíveis no ISI Web of Knowledge e no SCOPUS (pesquisa em nível internacional), e no Scielo e Spell (pesquisa em nível nacional). A pesquisa analisou publicações no período de 2002 e 2012, com a utilização de técnicas bibliométricas, envolvendo algumas categorias de análise como: quais são os autores que possuem mais publicações sobre o tema; quais foram os anos, países e periódicos em que esses artigos foram publicados, e ainda, a apresentação das principais obras em logística integrada. No total a pesquisa envolveu 227 artigos, sendo 213 artigos das bases internacionais e 14 artigos das bases nacionais. O estudo caracteriza-se como sendo descritivo com uma abordagem quantitativa dos dados com o auxílio de ferramentas disponíveis nas próprias bases de busca e do Excel. Os resultados da pesquisa demonstram que (a) não existe concentração de autores com vários artigos publicados sobre o tema; (b) verifica-se que houve uma crescente no número de publicações; (c) a China e os Estados Unidos são os países com maior número de publicações somando um total de 36,1% do total das publicações, para a pesquisa em nível internacional; (d) destacam-se algumas obras em logística integrada: Ballou (1992), Lambert e Stock (1993), Bowersox e Closs (1996), e Christopher (1999) que convergem para o entendimento de logística integrada como um processo de planejamento, implementação e controle do fluxo e armazenagem de bens, serviços e informações, desde o ponto de origem até o ponto de consumo. Palavras-chave: Bibliometria. Logística. Logística Integrada. Integração Logística. INTEGRATED LOGISTICS: A STUDY IN NATIONAL AND INTERNATIONAL BIBLIOMETRIC PERIOD 2002 TO 2012 Abstract This paper aims to analyze the national and international academic research about Integrated Logistics. It is based on available articles found at the ISI Web of Knowledge and SCOPUS (international research) and SciELO and Spell (national research). Publications between 2002 and 2012 were analyzed with the use of bibliometric techniques and involving some categories of analysis such as: the authors whom have more publications on the subject; the years, countries and journals in which these articles were published and also the presentation of the main works in integrated logistics. In total, the research involved 227 articles, being 213 papers from international databases and 14 papers from national databases. The study is characterized as descriptive with a quantitative data aproach that uses available databases tools and Excel. The results show that (a) there is no concentration of authors with several articles published on the topic; (b) it appears that there was an increase in the number of publications; (c) China and the United States are the countries with the highest number of publications at the international level, with a total of 36.1% of total publications; (d) some works in integrated logistics stand out as Ballou (1992), Lambert and Stock (1993), Bowersox and Closs (1996), and 1 Doutorando em Administração pela Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP. 2 Doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade de São Paulo - USP. Professor do Programa de Pós Graduação em Administração (PPGA) da Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP. 3 Doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP. Professor do Programa de Pós Graduação em Administração (PPGA) da Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP. 4 Doutorando em Administração pela Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP. Professor do Programa de Pós Graduação em Administração (PPGA) da Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP. 193

2 Christopher (1999), that converge to the understanding of logistics as an integrated process of planning, implementing and controlling the flow and storage of goods, services and information, from point of origin to point of consumption. Keywords: Bibliometrics. Logistics. Integrated Logistics. Logistics Integration. INTRODUÇÃO No cenário econômico atual, com um mercado altamente globalizado, as empresas buscam cada vez uma maior competitividade, um maior desenvolvimento tecnológicos, uma maior oferta de produtos e serviços adequados aos seus clientes, bem como um maior desenvolvimento humano e social. Segundo Pires (2004), a logística tem sido um tema bastante discutido, mais precisamente após a ascensão do just in time como uma ferramenta de dimensão global, que não só proporciona a agregação de valor a transformação física, mas também do posicionamento desses materiais. Por outro lado, a inserção do conceito de cadeia de suprimentos colocou a logística como um elemento importante para as empresas, nas quais ocorrem não somente a competição direta entre empresas, mas uma competição entre as cadeias de suprimentos. Assim, a logística deixou de ser um simples setor de recebimento e se tornou vital para a estratégia e o crescimento das empresas. Para Ballou (2006), cada vez mais as empresas buscam planejar e coordenar suas ações de forma integrada, desde o fornecimento de matéria-prima até o consumidor final, no qual a logística procura encontrar o caminho mais ágil e econômico para equilibrar demanda e oferta, permitindo preços mais acessíveis, dentro dos prazos e padrões convencionais. Segundo Bowersox e Closs (2001), os pontos centrais da logística são: (a) fornecer uma visão integrada e sistêmica de todos os processos da empresa; (b) movimentar materiais e informações o mais rápido e eficiente possível; e (c) enxergar toda a cadeia de suprimentos como partes importantes dentro do processo. De acordo com Bowersox, Closs e Cooper (2006), a logística é importante para o cenário das transformações, que cada vez mais estão sendo impulsionadas por avanços tecnológicos, por novas formas de negociações comerciais e financeiras, e pelo aumento da concorrência em nível mundial, fortalecendo e destacando a importância da integração entre os diferentes agentes de uma cadeia de suprimentos, exigindo dos processos logísticos uma maior integração também. Com base nesse contexto, o objetivo da pesquisa é analisar a produção acadêmica nacional e internacional envolvendo o tema logística integrada. Com isso, o estudo pretende dar um panorama a respeito do tema, com ênfase em qual o entendimento que os autores têm 194

3 sobre logística integrada e quais as convergências e as divergências nesses estudos. A pesquisa utiliza-se de uma amostragem de 227 artigos, sendo 213 artigos que compõem a pesquisa em nível internacional nas bases do Web of Knowledge e do SCOPUS, e 14 artigos que compõem a pesquisa em nível nacional nas bases do scielo.org e do spell.org.br. Portanto, parte-se de duas questões de pesquisa relacionadas com a produção acadêmica a respeito de logística integrada: (a) quais as principais definições adotadas a respeito de logística integrada? e (b) qual a tendência dos estudos sobre logística integrada nos estudos nacionais e internacionais? O estudo ainda busca investigar os seguintes pressupostos de pesquisa: (P1) há concentração de publicações sobre Logística Integrada em poucos periódicos; (P2) existe predominância de publicações em alguns países; (P3) as publicações a respeito vêm crescendo; e (P4) nas pesquisas internacionais e nacionais existem claramente autores com maior número de publicações na área. Através da pesquisa com método bibliométrico busca-se identificar o material publicado sobre Logística Integrada e possibilitar uma visão a nível internacional e nacional dos pesquisadores que escrevem sobre o tema, e apresentar um panorama geral ao qual se encontram os estudos desenvolvidos na última década sobre a Logística Integrada. Como pesquisa no campo da logística, que utilizam-se da análise bibliométrica, a nível Brasil, destacam-se os trabalhos de Loch (2012), que investiga as produções científicas sobre logística que foram publicadas no Congresso Brasileiro de Custos da Associação Brasileira de Custos, no período de 2000 a 2011, com um total de 80 artigos analisados, sendo os artigos caracterizados em três categorias: gestão em logística, gestão de custos e cadeia de valor. Onde Loch (2012) aponta que a maioria dos textos é do tipo estudo prático de natureza descritiva com abordagem qualitativa, sobre o tema gestão logística. E, ainda, Santos et al. (2012) também realizam um estudo bibliométrico e sociométrico, na área de logística, em artigos publicados no EnANPAD entre 1997 e Com uma análise em 183 artigos, os autores destacam que o número de artigos publicados tem se mantido constantes desde 2003, em que o tema mais abordado foi sobre o desenvolvimento da logística, e as obras mais citadas são estrangeiras. Santos et al. (2012) concluem que a área de logística encontra-se em expansão e acreditam na expansão do número de artigos públicos e uma maior exploração de diversos temas envolvendo logística. É importante ressaltar o estudo sobre logística reversa de Vaz, Maldonado e Selig (2013) que 195

4 realizou uma revisão de literatura estruturada da produção científica entre 1990 e 2012, com uma análise em 417 artigos disponíveis nas bases de dados internacionais: Web of Science, SCOPUS e Science Direct, selecionando os artigos mais relevantes sobre o tema da logística reversa, averiguando questões como os principais autores, artigos, periódicos e palavras-chave utilizadas. Este artigo está estruturado da seguinte forma: na seção 2, são apresentadas as definições e as discussões acerca da logística integrada; na seção 3, apresenta-se a abordagem metodológica e os métodos utilizados na pesquisa; na seção 4, estão os resultados da pesquisa em nível internacional e nacional; na seção 5, tece-se as considerações finais sobre o estudo; e, por fim, apresenta-se as referências utilizadas para elaboração desta pesquisa. 2 LOGÍSTICA INTEGRADA De acordo com diversos autores (BOWERSOX; CLOSS; HELFERICH, 1986; BALLOU, 1997; PIRES, 1998; BALLOU, 2006; CORONADO, 2007), a logística empresarial pode ser entendida como um processo que envolve o planejamento, a implementação, o controle da eficiência, o controle dos custos com estoque de matéria-prima, o estoque circulante os produtos acabados, desde o ponto de origem ao ponto de consumo, com a finalidade de atender as necessidades dos clientes a um custo aceitável e em um nível de serviço adequado, levando em consideração o fluxo de materiais e informações nas áreas de operações, produção, compras e vendas. Para o Council of Supply Chain Management Professionals [CSCMP] (2013), a atividade logística está inserida no gerenciamento da Cadeia de Suprimentos, o qual deve planejar, implementar e controlar o fluxo e armazenagem, de forma eficiente e econômica de matérias-primas, produtos semiacabados e produtos acabados. E, ainda, envolve informações relativas ao atendimento das exigências dos clientes, desde o ponto de origem até o ponto de consumo. Para Cooper e Elram (1993), as definições da logística integrada representam uma filosofia de gestão dos fluxos de materiais, que compreende as relações com os fornecedores até o consumidor final, em que se deva existir uma adoção de estratégia em conjunto com os participantes da cadeia, levando em consideração questões como planejamento, gerenciamento e monitoramento das informações. 196

5 Salientem Cooper, Lambert e Pagh (1997) afirmam que existe uma indigência para a integração das operações da empresa, no que tange a cadeia de suprimentos que vai além da logística, e citam como exemplo a criação de novos produtos, que envolvem o marketing, a pesquisa e o desenvolvimento, a fabricação e a logística, as finanças, dentre outras atividades. Umas das obras expoentes em logística integrada é a pesquisa desenvolvida por Lambert e Stock (1993) com a formulação do modelo conceitual de logística integrada, na qual os autores desenvolvem esse modelo para exemplificar como a integração logística pode agregar valor às atividades de marketing, sendo aplicado como um instrumento gerencial. Como demonstrado na Figura 1. Figura 1 Modelo Conceitual de Logística Integrada Fonte: Adaptado de Lambert e Stock (1993). Sendo que na parte superior da Figura 1 identifica-se o mix de marketing, através dos 4 P s (praça, preço, produto e promoção), e na parte inferior da Figura 1, identifica-se as questões relacionadas à logística integrada, envolvendo o serviço ao consumidor, compras/vendas, estoques, processamento de pedidos, armazenagem e transporte. Para Lambert e Stock (1993), a estratégia de marketing é definida com ênfase nas quatro variáveis (4 P s), eles relatam que a logística deve atuar de forma integrada, ou seja, como um conjunto de componentes interligados, de maneira coordenada, com intuito de atingir um objetivo comum. Bowersox e Closs (2001) entendem que logística integrada é a competência que vincula a empresa a seus clientes e fornecedores, na qual as informações recebidas de clientes e sobre eles fluem pela empresa na forma de atividades de vendas e previsões. As informações são filtradas em plano específicos de compras e de produção. No instante do suprimento de produtos e materiais, inicia-se o fluxo de bens com valor agregado que, por sua 197

6 vez, resulta na transferência de propriedade de produtos acabados aos clientes. Bowersox e Closs (2001) defendem que esse processo tem duas ações inter-relacionadas: o fluxo de materiais e o fluxo de informações. O conceito de logística integrada é ilustrado na Figura 2: Figura 2- Integração Logística. Fonte: Adaptado de Bowersox e Closs (2001, p. 44). Para Bowersox e Closs (2001), a consideração de operações internas (área acinzentada da Figura 2) vista de maneira isolada é útil para identificar a importância da integração de todas as funções e atividades envolvidas na logística, porém, embora essa integração seja prérequisito para o sucesso, ela não é o suficiente para garantir que as empresas atinjam suas metas de desempenho, sendo assim, necessário uma expansão de sua abordagem integrada, que incorpora os seus clientes e fornecedores. E, ainda, Bowersox e Closs (2001) entendem que suprimento são as atividades relacionadas com a obtenção de produtos e materiais de fornecedores externos; que o apoio à manufatura são as atividades relacionadas ao planejamento, à programação e o apoio às operações de produção; e que a distribuição física compreende as atividades relacionadas com o fornecimento de serviço ao cliente. Além disso, que o fluxo de materiais é o gerenciamento operacional da logística na sua movimentação e armazenagem de materiais e produtos acabados; e que o fluxo de informações identifica locais específicos dentro de um sistema logístico em que é preciso atender a algum tipo de necessidade. Silva et al. (2010) listam três tipos de atividades na logística integrada: (a) as atividades estratégicas, (b) as atividades táticas, e (c) as operacionais. As atividades estratégicas relacionam-se decisões estratégicas e a logística atua sobre os serviços, produtos, 198

7 alocação de investimentos e recursos. Já as atividades táticas relacionam-se às metas estratégicas e ao planejamento, e a logística atua sobre fornecedores, sistemas de Planejamento e Controle da Produção, a rede de distribuição e a subcontratação de serviços. E por fim, as atividades operacionais se relacionam com a gestão do dia a dia, na qual a logística atua na manutenção e em melhorias no sistema. Como resume Robles (2001), a logística integrada abrange a logística de abastecimento (inbound), a logística interna (in-house), e a logística de distribuição (outbound). A logística de abastecimento (inbound), no contexto da cadeia de suprimentos, iniciase na fonte de origem dos recursos (por exemplo, matéria-prima) até o seu término na entrada da empresa processadora. Para Pires (2004), algumas das atividades mais importantes do abastecimento são: inicialização e transmissão de ordens de compra, transporte até o local da fábrica, armazenagem/manutenção e administração dos estoques. A logística interna (in-house) inicia-se na entrada da fábrica (com o recebimento), desenvolvendo-se em toda a extensão da empresa até o ponto de estoque de produto acabado dentro da empresa. Para Freire (2012) a logística interna abrange, entre outras coisas, os deslocamentos de bens pela produção e áreas de armazenamento. Ainda segundo o autor, os deslocamentos internos de produtos e recursos produtivos podem ser classificados em três grupos: (a) movimentações ativas (são deslocamentos de produtos em direção ao consumidor, são úteis para aproximar produtos dos consumidores), (b) movimentações passivas (são os deslocamentos dos meios necessários para a movimentação dos produtos em direção ao consumidor, mas que não fazem parte deles, como embalagens, empilhadeiras, meios de transporte); e (c) movimentações parasitas (são deslocamentos realizados na direção contrária a do consumidor, ou seja, o retorno das embalagens, os produtos entregues em excesso ou com problemas de qualidade). A logística de distribuição (outbound) inicia-se na saída do produto acabado da empresa até a chegada ao cliente. Segundo Ballou (1993), a logística de distribuição é compreendida desde o instante em que a produção é finalizada até o momento no qual o comprador toma posse dela. Conforme Kappor e Kansal (2004), o processo mais comum de distribuição acontece da seguinte maneira: depois que o produto fica pronto, ele é encaminhado a um distribuidor que, por sua vez, entrega a um varejista e, consequentemente, ao consumidor final. 199

8 Para Pires (2004), a integração logística evoluiu para um conceito mais amplo: o de gestão integrada da cadeia de suprimentos, que representa uma abordagem estratégica para a gestão de produção, a gestão logística e a gestão de vendas que proporcionou inovações para várias indústrias e, em especial, aos estudos relacionados à indústria automobilística. A logística integrada baseia-se na criação de uma estrutura integrada ao longo da cadeia de suprimentos, que possibilite desenvolver os seus diferentes níveis, de maneira que proporcionem o alcance dos aspectos mais básicos das operações até aspectos relacionados com a estratégia central das empresas. 3 METODOLOGIA Nesta parte do artigo, caracteriza-se a pesquisa, bem como são apresentados os métodos utilizados para a coleta de dados, a amostragem utilizada na pesquisa em nível internacional e nacional, e, ainda, as categorias de análise utilizadas para melhor compreensão dos dados obtidos através dos artigos selecionados nas bases de dados Web of Knowledge e SCOPUS - utilizadas no estudo como bases internacionais, e as bases de dados do scielo.org e spell.org.br - utilizadas no estudo como bases nacionais. Esta pesquisa caracteriza-se como sendo um estudo bibliométrico, ou seja, faz uso de análises estatísticas (PRITCHARD, 1969). Assim, traz análises de ano de publicação dos artigos, autores com maior número de publicação, dentre outras a serem detalhadas no item 3.2. A pesquisa é de caráter descritivo, no qual, segundo Collins e Hussey (2005), o comportamento dos fenômenos é utilizado para se obter informações sobre características de uma determinada área. E, também, a pesquisa pode ser considerada como quantitativa, que utilizada um método de pesquisa com técnicas estatísticas. Araújo (2006) define as três principais leis que compõem a bibliometria, que são a chamada lei de Lotka, que parte do princípio de que uma grande quantidade de produção científica está concentrada em trabalhos de poucos autores. A chamada lei de Brandford defende que, se forem enumerados os periódicos em ordem decrescente, levando em consideração o critério de produtividade de artigos sobre um determinado tema, pode-se obter o que é chamado de núcleo de periódicos mais particularmente destinados ao tema escolhido. E, ainda, há a Lei de Zipf, que abrange o estudo em torno das palavras-chave mais utilizadas nos artigos selecionados. Esta pesquisa irá abordar as questões voltadas para a produção dos 200

9 autores (Lei de Lotka) e para os periódicos em que mais se publica sobre o tema abordado (Lei de Brandford), sendo que o uso das palavras-chave se dará apenas para selecionar os artigos nas bases de dados, e não para gerar qualquer tipo de análise em torno das mais utilizadas nos artigos selecionados. Optou-se em dividir a pesquisa em duas partes: (a) a primeira parte da pesquisa realizada em nível internacional, na qual as bases de dados utilizadas para a coleta de dados dos artigos foram o ISI Web of Knowledge, via <http://isiwebofknowledge.com>, e a base de dados do SCOPUS, via <http://www.scopus.com>. E (b) a segunda parte da pesquisa em nível nacional, com buscas nas bases de dados do Scielo, via <http://www.scielo.org>, sendo que nessa base selecionou-se a opção Brasil para a coleta dos artigos, e no Spell, via <http://www.spell.org.br>. A escolha dessas bases de dados ocorreu por conta do fácil acesso, da representatividade acadêmicas que essas bases possuem na área de administração, por consequência da logística e, ainda, pelo amplo acervo de artigos, indexados e disponíveis em vários periódicos com boa classificação QUALIS/CAPES. A escolha por essas bases de dados também se deu pelo fato de reunirem grande acervo de artigos em cada uma delas, como o SCOPUS, que possui mais de artigos para consulta; a base Web of Knowledge, que reúne mais de artigos; a base do Scielo.org, que possui mais de 400 mil artigos em todas as áreas e mais de periódicos indexados; e o Spell.org, que reúne mais de artigos em diversas áreas. E, ainda, fez-se uso das ferramentas estatísticas disponíveis nas próprias bases de dados, bem como utilizouse da ferramenta Microsoft Excel para tabulação e exposição dos dados. 3.1 AMOSTRAGEM DA PESQUISA A coleta de dados ocorreu no período de julho a setembro de 2013, sobre o tema da logística integrada. Em ambas as pesquisa (nível internacional e nível nacional) foi delimitado um período de 10 anos ( ), sendo pesquisados os seguintes termos-chave para a pesquisa internacional: integrated logistics e logistics integration. Para a pesquisa nacional, os termos-chave foram os mesmo, com a tradução para o português: logística integrada e integração logística, pesquisa esta realizada nos títulos, subtítulos, resumos e palavras-chave dos artigos. 201

10 Observa-se, no Tabela 1, a distribuição da amostragem dos artigos obtidos nas bases de dados nacionais e internacionais, com seus respectivos termos-chave utilizados na busca. Tanto na pesquisa internacional (Web of Knowledge e SCOPUS) como na pesquisa nacional (Scielo e Spell), para a análise dos dados serão agregados os artigos dessas bases, bem como os termos-chave, que já estão apresentados no Quadro 1, de maneira a se considerar apenas os artigos sem repetição entre as bases. Tabela 1 Amostragem da Pesquisa Palavras-Chave / KeysWords Web of Knowledge SCOPUS Scielo Spell TOTAL integrated logistics logistics integration logística integrada integração logística TOTAL Fonte: Dados da pesquisa elaborado pelos autores. Para a pesquisa em nível internacional, obteve-se 55 artigos da base do Web of Knowledge e 158 artigos na base do SCOPUS, com um total de 213 artigos nas bases internacionais. Para as bases nacionais, obteve-se um total de 14 artigos, sendo 3 artigos coletados do Scielo e 11 artigos coletados do Spell. Com um total de 227 artigos analisados nesta pesquisa. 3.2 CATEGORIAS PARA ANÁLISE Na pesquisa em nível internacional, foram utilizadas as seguintes categorias para análise: (a) ano de publicação dos artigos; (b) os países de origem das publicações; (c) os periódicos em que os artigos foram publicados; (d) o idioma nos quais foram escritos esses artigos; (e) as áreas científicas que esses artigos se concentram; e (f) os autores com maior número de artigos publicados. Na pesquisa em nível nacional, foram utilizadas as seguintes categorias para análise: (a) ano de publicação dos artigos; (b) os periódicos em que os artigos foram publicados; (c) as áreas científicas nas quais esses artigos se concentram; (d) os autores com maior número de artigos publicados; e (e) as instituições de ensino às quais estavam vinculados os autores no ano de publicação dos artigos. 202

11 Por fim, busca-se entender o panorama geral em que se encontram os estudos em nível internacional e nacional em torno da logística integrada. E, ainda, apresentam-se alguns dos principais autores e obras utilizados nos estudos nacionais e internacionais, e os artigos mais acessados (um para cada ano) do período escolhido para análise ( ). 4 RESULTADOS DA PESQUISA A seguir são apresentados os resultados obtidos pela pesquisa bibliométrica em nível internacional e nacional, levando em conta as categorias de análise listadas na metodologia desta pesquisa. 4.1 PESQUISA EM NÍVEL INTERNACIONAL Nesta parte aborda-se a pesquisa em nível internacional realizada em 213 artigos obtidos nas bases internacionais Web of Knowledge e SCOPUS, sendo abordadas as categorias de análise: ano de publicação dos artigos, os países de origem dessas publicações, bem como os periódicos nos quais esses artigos foram publicados, a linguagem em que foram escritos, as áreas de concentração científica na qual se enquadram esses textos, e ainda os autores e coautores que possuem maior número de artigos publicados. No Gráfico 1, é apresentada a distribuição dos artigos encontrados nas bases de dados Web of Knowledge, SCOPUS, e uma somatória das publicações distribuídas ao longo dos anos de 2002 a 2012 nessas bases de dados. Nota-se que houve uma evolução significativa no número de artigos produzidos de 2002 (5 artigos no total) para o ano de 2012 (29 artigos no total), sendo os anos de 2007 e 2012 os que aparecem com maior número de publicações (28 e 29 respectivamente). 203

12 Gráfico 1 Publicações Internacionais por Ano Fonte: Dados da pesquisa elaborado pelos autores. A seguir, o Quadro 2 ilustra a quantidade de publicações por países, no qual se observa que a China e os Estados Unidos são responsáveis por 77 artigos utilizados na análise da pesquisa internacional, com uma representatividade de 36,10% do total das publicações. Destacam-se, ainda, Alemanha (13 artigos), Inglaterra (12 artigos), Hong Kong (11 artigos), Canadá (9), Itália (8), Taiwan (7). Ressalta-se que o item demais países que aparece no Tabela 2 refere-se a países com um número inferior a 5 publicações cada. Tabela 2 Publicação por Países Países TOTAL % China 51 23,9 Estados Unidos 26 12,2 Alemanha 13 6,1 Inglaterra 12 5,6 Hong Kong 11 5,2 Canadá 9 4,2 Itália 8 3,8 Taiwan 7 3,3 Holanda 6 2,8 Austrália 5 2,3 Espanha 5 2,3 França 5 2,3 Grécia 5 2,3 Brasil 5 2,3 Demais Países* 45 21,1 TOTAL ,0 *Demais países representam os países que obtiveram uma frequência inferior a 5 publicações cada. Fonte: Dados da pesquisa elaborado pelos autores. 204

13 Sobre o idioma ao qual foram redigidos os artigos selecionados, a grande maioria está em inglês, 171 artigos (80,42%), em chinês há 32 artigos (15,05%), em português há 3 artigos, em alemão há dois artigos, e uma publicação redigida nos idiomas francês, polonês, russo, turco e espanhol. Para a categoria de análise periódicos em que foram publicados os artigos encontrados nas bases internacionais, obteve-se a distribuição como segue no Tabela 3. Tabela 3 Frequência por Periódicos Periódico Quantidade % Demais Periódicos* ,1 International Journal of Production Economics 8 3,8 Jane S Defence Weekly 8 3,8 Computers and Chemical Engineering 6 2,8 Transportation Research Part E Logistics and Transportation Review 6 2,8 Jane S Defence Industry 5 2,3 Xi Tong Gong Cheng Yu Dian Zi Ji Shu Systems 5 2,3 European Journal of Operational Research 3 1,4 Advances in Information Sciences and Service 3 1,4 Jisuanii Jicheng Zhizao Xitong Computer Integrated 3 1,4 Xitong Fangzhen Xuebao Journal of System 3 1,4 International Journal of Production Research 3 1,4 TOTAL ,0 *O item demais periódicos representam os periódicos que aparecem menos de três vezes cada. Fonte: Dados da pesquisa elaborado pelos autores. Nota-se que o periódico International Journal of Production Economics possui maior número de artigos selecionados na pesquisa com um total de 8 artigos (3,8%), o periódico Jane S Defence Weekly também com 8 artigos (3,8%), seguido Computers and Chemical Engineering e Transportation Research Part E: Logistics and Transportation Review com 6 artigos cada (2,8% cada), Jane S Defence Weekly e Xi Tong Gong Cheng Yu Dian Zi Ji Shu Systems com 5 artigos cada, e os periódicos European Journal of Operational Research, Advances in Information Sciences and Service, Jisuanii Jicheng Zhizao Xitong Computer Integrated, Xitong Fangzhen Xuebao Journal of System e International Journal of Production Research com 3 publicações cada. A maior representação de periódicos está com aqueles que aparecem apenas duas ou uma vez, representando 160 artigos do total selecionados (75,1%) e demonstrando uma 205

14 dispersão nas publicações em nível internacional muito grande, em que uma grande quantidade de periódicos representam poucas publicações cada na totalidade de artigos analisados na pesquisa. Na categoria de análise áreas científicas, optou-se por utilizar a mesma classificação das áreas adotadas pelas bases de dados Web of Knowledge e SCOPUS, utilizadas nesta pesquisa, obtendo-se a distribuição das áreas apresentada no Tabela 4. Ressalta-se que o número total de áreas que aparecem no quadro é maior do que o número de artigos selecionados, porque um único artigo pode-se enquadrar em mais de uma área científica de acordo com a classificação nas bases de dados. Tabela 4 Áreas Científicas Áreas Quantidade % Business, Management and Accounting 64 18,1 Engineering 61 17,3 Decision Sciences 35 9,9 Operations Research Management Science 25 7,2 Computer Science 23 6,6 Social Science 16 4,6 Engineering Industrial 14 3,9 Engineering Manufacturing 13 3,6 Mathematics 11 3,0 Economics, Econometrics and Finance 9 2,5 Transportation 7 2,0 Materials Science 6 1,8 Economics 6 1,7 Transportation Science Technology 6 1,6 Chemical Engineering 5 1,5 Computer Science Interdisciplinary Applications 5 1,5 Agricultural and Biological Sciences 5 1,4 Engineering Civil 5 1,4 Environmental Science 5 1,4 Computer Science Artificial Intelligence 4 1,0 Engineering Multidisciplinary 3 0,9 Demais Áreas 25 7,0 TOTAL ,0 *O item demais áreas representa as áreas que aparecem menos do que três vezes cada. Fonte: Dados da pesquisa elaborado pelos autores. No total, foram encontradas 39 áreas científicas diferentes. Aqui se destacam as áreas de Business, Management and Accounting, Engineering e Decision Sciences, que correspondem às áreas de negócios, gestão e contabilidade, engenharia e ciências das 206

15 decisões, juntas representam 45,3% das áreas científicas identificadas, quase a metade das frequências entre as áreas analisadas. Por fim, destacam-se os autores com maior número de artigos publicados nas bases de dados Web of Knowledge e SCOPUS,, na qual apenas três autores aparecem com um total de seis publicações cada: Dai, Y.; Ma, Z., e Lau, H. Na pesquisa internacional, foram encontrados 563 autores e coautores, tendo-se uma média de 2,64 autores por artigos (total de 213 considerados na amostra). Nota-se também que existe uma grande concentração de autores que possuem apenas uma ou duas publicações cada, caracterizando, assim, que não existe uma alta concentração de publicações em alguns autores ou em alguns grupos de autores. 4.2 PESQUISA EM NÍVEL BRASIL Nesta parte, apresenta-se a pesquisa em nível Brasil, com um total de 14 artigos selecionados nas bases de dados scielo.org e spell.org.br, com uma análise nas categorias: ano de publicações dos artigos, os periódicos onde encontram-se publicados esses artigos, bem como as áreas científicas em que se enquadram esses textos e, ainda, os autores e coautores com maior número de publicações cada e as instituições de ensino a que estavam vinculados na época da publicação dos textos. No Gráfico 2, averigua-se a distribuição das publicações no período de 2002 a 2012, com o total dos artigos em ambas as bases de dados, sendo que nos anos de 2002 a 2006 não encontrou-se nenhuma publicação com filtro utilizado na pesquisa. Já os anos de 2007 e 2008 apresentam uma publicação cada, em 2009 duas publicações, em 2010 há o maior volume de produção com 4 artigos, e os anos de 2011 e 2012 com 3 publicações em cada ano. Isso demonstra um gradativo aumento no número de artigos publicados sobre o tema acontecendo desde o ano de 2010, o que indica que o tema da logística integrada está sendo mais utilizado nos periódicos indexados nessas bases de dados, mas ainda com um baixo número de publicações sobre o tema. 207

16 Gráfico 2 Publicações Nacionais por Ano Fonte: Dados da pesquisa elaborado pelos autores. Com relação ao Tabela 5, identifica-se os periódicos nos quais foram publicados os artigos selecionados para a pesquisa, sendo que todos os periódicos estão classificados no QUALIS/CAPES, entre B5 e A2. Obteve-se os seguintes resultados: a Revista Produção com 2 artigos (14,3%), e os demais periódicos: Gestão & Produção, Ciência & Saúde Coletiva, Gestão & Regionalidade, Organizações Rurais & Agroindustriais, Revista de Administração e Inovação, Revista de Administração Pública, Revista Eletrônica de Administração, Caderno CRH, Pretexto, Revista de Administração Contemporânea, Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação e a Revista Gestão Organizacional com apenas uma publicação cada. Isso demonstra que não há predominância entre um ou poucos periódicos nos quais os temas logística integrada e integração logística estejam presente, havendo uma pulverização nas publicações. Ressalta-se que 100% dos artigos selecionados estão redigidos em português. Tabela 5 Frequência por Periódicos Periódicos Quantidade % Produção B1 2 14,3 Gestão & Produção A2 1 7,1 Ciência & Saúde Coletiva B1 1 7,1 Gestão & Regionalidade B3 1 7,1 Organizações Rurais & Agroindustriais B2 1 7,1 Revista de Administração e Inovação B1 1 7,1 Revista de Administraçaõ Pública A2 1 7,1 Revista Eletrônica de Administração B1 1 7,1 Caderno CRH B1 1 7,1 Pretexto B2 1 7,1 Revista de Administração Contemporânea A2 1 7,1 Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação B5 1 7,1 Revista Gestão Organizacional B2 1 7,1 208

17 TOTAL ,0 Fonte: Dados da pesquisa elaborado pelos autores. A seguir, apresenta-se, no Tabela 6, as áreas nas quais se encaixam os artigos analisados nesta etapa da pesquisa. Ressalta-se que se levou em consideração a classificação própria das bases de dados (scielo.org e spell.org.br), que compõem a parte nacional da amostra de pesquisa. Foram elencadas cinco grandes áreas diferentes, nas quais os 28 artigos foram classificados, sendo que um único artigo poderia ser classificado em mais de uma área científica diferente. Tabela 6 Áreas Científicas Áreas Engineering 10 Applied Social Sciences 7 Health Sciences 3 Human Sciences 3 Quantidade TOTAL 23 Fonte: Dados da pesquisa elaborado pelos autores. Destacam-se as áreas de engenharia (10) e a área das ciências sociais aplicadas (7), seguidas da ciência da saúde (3) e das ciências humanas (3). Ressalta-se, ainda, que a classificação por áreas dos artigos retirados das bases nacionais não é exatamente a mesma utilizada para os artigos retirados das bases internacionais, devido a escolha por manter a classificação já pré-definida pelas bases de dados. Por fim, no Tabela 7, apresentam-se os autores e coautores com maior número de artigos publicados nessas bases de dados. Foram encontrados 34 autores e coautores diferentes, sendo uma média de 2,43 autores por artigo. Tabela 7 Autores com maior número de publicações Autores Universidades Quantidade Konda, Sussumo Tatenauti Universidade Presbiteriana Mackenzie 2 Leite, Maria Silene Alexandre Universidade Federal da Bahia 2 Moori, Roberto Giro Universidade Presbiteriana Mackenzie 2 Silva, Andrea Lago da Universidade Federal de São Carlos 2 Vieira, José Geraldo Vidal Universidade Federal de São Carlos 2 Demais Autores* 24 TOTAL 34 *O item demais autores representa os autores e coautores que possuem uma publicação cada. Fonte: Dados da pesquisa elaborado pelos autores. 209

18 Nenhum autor possui três ou mais publicações nos artigos analisados, sendo que cinco autores possuem 2 publicações cada, e 24 autores possuem apenas 1 publicação cada. Destacam-se, então, os autores: Konda, Sussumo Tatenauti (Universidade Presbiteriana Mackenzie); Leite, Maria Silene Alexandre (Universidade Federal da Bahia); Moori, Roberto Giro (Universidade Presbiteriana Mackenzie); Silva, Andrea Lago da (Universidade de São Carlos); e Vieira, José Geraldo Vidal (Universidade de São Carlos), com 2 publicações cada. 4.3 Um Panorama da Logística Integrada Nesta parte do artigo, é importante ressaltar que o foco principal desta pesquisa foi o entendimento maior das questões relacionadas à logística integrada, mesmo sabendo que a literatura, às vezes, confunde-se um pouco com a gestão da cadeia de suprimentos, sendo que alguns autores utilizam os termos como sinônimos. Mas os autores Lambert e Cooper (2000) defendem que a logística faz parte do processo em uma cadeia de suprimentos, que planeja, implementa e controla eficazmente o fluxo e armazenagem de mercadores, serviços e informações relacionadas, partindo do ponto de origem até o ponto de consumido, com o objetivos de atender as preferências dos clientes. A seguir, procurou-se destacar alguns dos principais estudos envolvendo a logística integrada e, por consequência, a cadeia de suprimentos integrada, que foram citados e utilizados em vários dos artigos coletados, tanto nas bases nacionais como nas bases internacionais consultadas nessa pesquisa. Tabela 8 Algumas das principais obras em Logística Integrada Autores Obras Breves Definições Council of Logistics Management CLM (1985) Bowersox, Closs e Helferich (1986) Ballou (1992) Council of Logistics Managemente CLM. (1985). Definition of Logistics. Disponível via Bowersox, D. J.; Closs, D. J.; Helferich, O. K. (1986). Logistical Management: A Systems Integration of Physical Distribution, Manufacturing, Support and Materials Procurement. 3º Ed. New York: Macmilla. Ballou, R. H. (1992). Business Logistics Management. 3a ed., U.S.A.: Prentice Hall. Logística integrada é o processo de planejar, implementar e controlar o fluxo e o armazenamento eficaz de matérias primas, inventário, bens, serviços e informações relacionados desde o ponto de origem até o ponto de consumo com a finalidade de satisfazer às exigências do cliente. Os principais motivadores do desenvolvimento da logística integrada foram: análise de custos totais, aplicação do enfoque sistêmico e o incremento da importância dos serviços ao consumidor. Um dos objetivos da logística integrada é o de assegurar a disponibilidade do produto certo, na quantidade certa, e na condição certa, no lugar 210

19 Lambert e Stock (1993) La Londe (1994) Bowersox e Closs (1996) Kahn e Mentzer (1996) Ross (1998) Christopher (1999) Mentzer et al. (2001) Lambert, D. M.; Stock, J. R. (1993). Strategic logistics management. 3 ed. Chicago: Irwin/McGraw-Hill. La Londe, B. (1994). Evolution of the integrated logistics concept. The Logistics Handbook, New York: J.F. Robenson & William C. Copacino, Bowersox, D. J.; & Closs, D. J. (1996). Logistical Management, the Integrated Supply Chain Process, Macmillan, New York, NY. Kahn, K. B.; & Mentzer, J. T. (1996). Logistics and interdepartamental integration. International Journal of Physical Distribution & Logistics, 26(8), Ross, D. F. (1998). Competing through Supply Chain Management Creating Market winning Strategies through Supply Chain Parnerships. USA: Chapman & Hall. Christopher, M. (1999). Logistics and supply chain management. Strategies for and the Extended Entreprise, USA., Wiley Operations Management. Mentzer, J. T.; Dewitt, W.; Keebler, J. S.; & Min, S. (2001). Defining supply chainmanagement. Journal of Business Logistics, 22 (2), Fonte: Dados da pesquisa elaborado pelos autores. certo, no momento certo, para o cliente certe, ao custo certo. O modelo conceitual de logística integrada, com a junção de atividades do Marketing (preço, produto, praça e promoção), com as atividades de Logística (compras, transporte, estoque, armazenagem e processamento de pedidos). O termo logística tem evoluído e adquirido grande importância durante o transcurso do século XX. Uma versão de sua origem é que a palavra logística deriva do termo francês logistique, o qual era o título utilizado pelo oficial da armada de Napoleão responsável pelo alojamento das tropas e pela comida para os cavalos. A logística integrada incorpora o fluxo de informações entre as empresas, seus clientes e fornecedores, ao fluxo de materiais que se apresenta entre elas. Apresentam uma matriz conceitual que leva em consideração a interação e a colaboração entre a integração da logística com demais departamentos da empresa. A GCS busca unificar um sistema de suprimentos competitivo e agregador de benefícios aos clientes, com as competências e os recursos produtivos coletivos das funções administrativas encontradas tanto na empresa como fora dela, nos seus parceiros de negócios, focando o desenvolvimento de soluções inovadoras e a sincronização dos fluxos de produtos, serviços e de informações de mercado para criar fontes individuais e únicas de valor para os clientes. Os sistemas de informação estão redesenhando as empresas e as ligações entre elas, com as ferramentas informatizadas a logística integrada está sendo uma força condutora de estratégia competitiva. A GCS integrada é definida como a coordenação sistemática e estratégica das funções empresariais tradicionais e das táticas empresariais, dentro de empresa específica, e através dos negócios dentro de uma cadeia de suprimentos, com o objetivo de melhorar o desempenho em longo prazo das empresas individuais e da cadeia de suprimentos como um todo. Destaca-se, também, durante o período delimitado na pesquisa ( ), os artigos que, até agosto de 2013, tiveram maior número de acessos, através das bases e dos periódico que estão inseridos, sendo destacado um artigo para cada ano que a pesquisa compõe (Quadro 211

20 9). Optou-se por não destacar o número exato de vezes que os artigos foram acessados, por conta de que essa é uma informação muito dinâmica e que se modifica constantemente. Quadro 9 Obras mais acessadas no período entre Ano Obras Breve descrição Potts, J. (2002). Integrated logistics, maintenance, and operational support. IEEE Autotestcon proceedings, systems readiness technology conference, Rutner, S. M.; Gibson, B. J.; Williams, S. R. (2003). The impacts of the integrated logistics systems on electronic commerce and enterprise resource planning systems. Transportation Research Part E- Logisitics and Transportation Review, 39(2), Ho, G. T. S.; Lau, H. C. W.; IP, W. H. (2004). An intelligent information infrastructure to support the streamlining of integrated logistics workflow. Expert Systems, 21(3), Li, B; Wang, J.; Zhuang W. (2005). Research on integration logistics system of MRP II and JIT based on BOM. IEEE Intenational Conference on Mechatronics and Automations, 1-4, Li, Y.; Wang, Y.; Wang, Z. (2006). Research on integrated logistics model in construction industry. Proceedings of 2006 International Conference on Construction & Real Estate Management, 1, Hui, S. (2007). A new model of integrated logistics management. Proceedings of the 4 th International Conference on Innovation & Management, 1, Chen, X. F. (2008). The Integrated Logistics and Financing Service in Supply Chain with Capital Constraints. Proceedings of 208 IEEE International Conference on Service Operations and Logistics, and Informatics, 1, Shu, H. (2009). Market conditions of synergetic evolution of the integrated logistics systems. Proceedings of the Third International Conference on Management, Marques, A. I; Molina, X; Vallet, T. (2010). Influence of Logistics Integration on Logistics Desenvolvimento de um framework de aplicação integrada para apoio a logística, operações, suporte e manutenções de meios da BAE System, uma empresa global que atua nos segmentos de segurança, defesa e aeroespacial. Um estudo sobre os impactos dos sistemas integrados de logística no comércio eletrônico. O aumento das necessidades de informação por parte dos clientes, tem impulsionado a evolução dos sistemas de informação e da integração logística em cadeias de suprimentos. Um estudo sobre a formação de uma infraestrutura integrada entre as técnicas de prospecção de dados e as técnicas de inteligência computacional, para proporcionar melhorias nas técnicas de análise, concepção e gestão de cadeias logísticas integradas. Uma análise em uma montadora de automóveis, com a integração do MRP II e JIT, para otimizar a gestão logística da empresa. Um modelo de logística integrada para a indústria da construção civil, com uma análise em dois principais materiais utilizados nessas indústrias, com análise de parâmetros como o tipo de fornecedor, como os materiais são consumidos, a disponibilidade dessa material, o preço de venda, o tamanho do lote de fornecimento, tempo de entrega, distâncias de transporte, tipo e custos de transporte. Aplicação da logística integrada para o processo de extração de petróleo e sua transformação em óleo diesel. A obra destaca como cadeias de suprimentos com restrições de capitais pode criar valor com a adoção da logística integrada e do serviço de financiamento. Defendem que a competição e as relações sinérgicas são importantes condições de mercado para a evolução dos sistemas integrados de logística. O artigo analisa a gestão logística de empresas de cerâmica na província de 212

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT

MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT SIGA: TMBALSC*11/01 Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

VOCÊ está satisfeito com a

VOCÊ está satisfeito com a O Que é Logística? Logística e Distribuição A importância da Logística nas empresas 1 Logistica e Distribuição 2 Logistica e Distribuição Necessidade... Todos os dias milhões de produtos são fabricados

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CÓDIGO: IH 104 CRÉDITOS: 04 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL I OBJETIVO DA : Dar conhecimentos gerais do Sistema de Administração de Material, Patrimônio e Conhecimentos Básicos de Compras. EMENTA: Conceitos

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

2 ESTRUTURA DE PESQUISA

2 ESTRUTURA DE PESQUISA 2 ESTRUTURA DE PESQUISA A revisão sistemática da literatura tem por objetivo a sumarização do estado da arte de uma área de conhecimento especifica (Rowley e Slack, 2004). Para esta finalidade, de acordo

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

Gestão e Teoria da Decisão

Gestão e Teoria da Decisão Gestão e Teoria da Decisão e Gestão de Stocks Licenciatura em Engenharia Civil Licenciatura em Engenharia do Território 1 Agenda 1. Introdução 2. Definição de 3. Evolução Histórica da 4. Integração - Aproximação

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS 46 LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS Leandro Soares Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil Professor

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Qualidade Total e Gestão das Operações MESTRADO Gestão Negócios ANO E

Leia mais

Análise da produção científica nacional sobre Sistema de Informação Gerencial nos principais eventos nacionais em Engenharia de Produção

Análise da produção científica nacional sobre Sistema de Informação Gerencial nos principais eventos nacionais em Engenharia de Produção Análise da produção científica nacional sobre Sistema de Informação Gerencial nos principais eventos nacionais em Engenharia de Produção Tanise Fuckner de Oliveira (UTFPR) taniseoliveira@yahoo.com.br Antonio

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS A LOGÍSTICA COMO FATOR COMPETITIVO NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES ALUNO:

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaensch Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015 Unidade Universitária: FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA Curso: Sistemas de Informação Disciplina: SISTEMAS DE GESTÃO DE FINANÇAS E CUSTOS Etapa: 07 Carga horária: 68 Teóricas, 0 Práticas, 0 EaD Ementa:

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística visões 1

Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística visões 1 Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística visões 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Apresentar e discutir o conceito de Cadeia de Suprimentos; 2. Apresentar e

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT MBA EM GERÊNCIA DE SISTEMAS LOGÍSTICOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Eduardo Pécora, Ph.D. Reflexão: Como chegar lá? Desenvolvimento Pessoal Rertorno Financeiro Título? Maior eficiência e eficácia? Avaliação

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio FEA Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios Sergio Rodrigues Bio Centro Breve Apresentação USP 6 campi, 5.000 profs. 60.000 alunos Cerca de 30% da produção científica

Leia mais

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins Logística Integrada Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Cenário Fatores para o Desenvolvimento da Logística Bases da Logística Integrada Conceitos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 1 03/03/2016 Logística

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Tecnologia aplicada à Logística Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Logística Qual a primeira imagem que vem a sua mente quando ouve a palavra LOGÍSTICA? Logística De cada 10 pessoas, pelo menos

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Visão Geral da Logística Empresarial

Visão Geral da Logística Empresarial Visão Geral da Logística Empresarial Prof. Dr. Nicolau D. Fares Gualda Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes email: ngualda@usp.br LOGÍSTICA Verbo Loger

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU Stanley Galvão 1, Cláudia Miranda 2, Cristiano Souza 3 e Liz Yoshihara 4 1 Departamento de Informática do HU, São Paulo, Brasil

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais