Estrutura tridimensional de proteínas. Prof. Dr. Fernando Berton Zanchi

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estrutura tridimensional de proteínas. Prof. Dr. Fernando Berton Zanchi"

Transcrição

1 Estrutura tridimensional de proteínas Prof. Dr. Fernando Berton Zanchi

2 Níveis de Estruturas Protéicas

3 A conformação espacial das proteínas As proteínas não são traços rígidos porque suas ligações químicas podem realizar rotação A maioria das ligações químicas não são planares Cada proteína tem uma estrutura específica que depende de sua estrutura primária interações químicas resultantes entre as cadeias laterais dos aminoácidos modificações pós-traducionais condições do meio em que elas estão inseridas

4 Temas importantes 1. A conformação tridimensional (3D) depende da seqüência de aminoácidos 2. A função depende da estrutura 3. Cada proteína existe em um ou em pequeno número de formas estruturalmente estáveis 4. As principais forças para a estabilização de estruturas são forças não-covalentes 5. Existem padrões estruturais comuns que ajudam a organizar o entendimento apolipoprotein A-I (PDB code 1AV1) Estrutura formada apenas por alfas-hélices

5 Conformação nativa Proteína dobrada em conformação funcional Dobramento espacial se dá principalmente por interações fracas principalmente hidrofóbicas Ligações de H e iônicas são otimizadas em estruturas termodinamente mais favoráveis Estabilidade estrutural Tendência a manter a conformação nativa Ligações dissulfeto são incomuns, mas estabilizam proteínas Camada de solvatação: formada pela água envolvendo uma molécula hidrofóbica Estrutura de uma treptavidina, proteína modificada a partir da estreptavidina humana que funciona biotecnologicamente para ligar outras moléculas, como a biotina. Formada apenas por folhas beta e loops (2Y3E)

6 Ligações peptídicas e o ângulo omega Ligações peptídicas teem geometria rígida e planar Trans: ω = 180º

7 Ângulos torsionais, phi e psi Responsáveis pela curvatura na estrutura da proteína Entre o C-α e o N (do NH2) e o C (do COOH)

8 Omega, phi e psi

9 Diagrama de Ramachandran Devido a restrições espaciais, nem todos os ângulos são possíveis Impedimento estérico: dois átomos não podem ocupar o mesmo lugar Azul escuro: áreas sem sobreposição Assimetria do diagrama vem do fato de que os resíduos das proteínas são L-aminoácidos Gly tem menos impedimentos estéricos

10 Estruturas secundárias Descreve o arranjo espacial dos átomos na cadeia principal Ocorre quando os ângulos diedros (phi e psi) permanecem quase iguais durante todo um segmento da proteína Tipos Hélices α Conformações β Voltas β Indefinida (loops, coils, turns)

11 Hélices-a O arranjo mais simples que as proteínas podem assumir é um arranjo helicoidal Esqueleto polipeptídico fica enrolado em torno de um eixo imaginário Cada volta contém 3,6 resíduos Φ = -57º; ψ = -47º Grupos R se voltam para fora do eixo Em média, 25% dos aminoácidos de qualquer proteína estão em hélices α

12 All-alpha proteins

13 Estabilidade da hélice alfa A hélice é comum porque nesse modelo as posições das ligações de hidrogênio estão otimizadas Entre um H ligado ao NH 2 e um O do COOH Cada ligação peptídica participa de ligação de hidrogênio, conferindo estabilidade Para isso, todos os aminoácidos precisam ter o mesmo tipo de isomeria óptica (L ou D)

14 Tendência dos aa s em formar hélices O grupo lateral interfere na capacidade do aminoácido em formar hélices Volume e forma de Asp, Ser, Thr e Cys desestabilizam se estiverem muito próximos Pro e Gly dificultam a formação de hélices Relações com o vizinho também são importantes Componentes amino a carbonil formam dipolo elétrico

15 Restrições para a formação de hélice-α 1. Tendência do resíduo em formar hélice 2. Interações entre os grupos R espaçados 3-4 aa 3. Volumes dos grupos R adjacentes 4. Ocorrência de Pro e Gly 5. Interações entre resíduos das extremidades com o dipolo 1951

16 Conformação β (beta) Esqueleto estendido em forma de zigue-zague Folhas β paralelas e antiparalelas Paralela: Φ = -119º; ψ = 113º Anti-par: Φ = -139º; ψ = 135º Quanto as folhas são próximas, os grupos R devem ser pequenos Teias e queratinas... Gly e Ala

17 Estruturas em folhas Beta Beta-propeller Beta-barril

18 Voltas-β A presença de resíduos em voltas ou alças invertem a direção da cadeia

19 Ramachandran para estruturas 2D Valores de phi e psi bem definidos

20 Estruturas terciárias e quaternárias de proteínas

21 Estrutura terciária (3D) Arranjo tridimensional total de todos os átomos de uma proteína Alcance mais longo e dimensão total, quando comparado com 2D Segmentos distantes na estrutura 1D podem ser atraídos por interações fracas Algumas proteínas são formadas por mais de um complexo polipeptídico (quaternária) Proteínas fibrosas e globulares

22 Proteínas fibrosas Queratina, colágeno, fibroína Proteínas estruturais: força e elasticidade Insolúveis em água: aa s hidrofóbicos (Ala, Val, Leu, Ile, Met e Phe) Alfa queratina: cabelo, pelo, unhas, garras, penas, chifres, cascos e parte externa da pele Pontes dissulfeto estabilizam e dão mais resistências às cadeias

23 Tecidos conectivos: tendões, cartilagens Garante resistência Colágeno Hélice específica (phi = - 51º; psi = 153º) Existem mais de 30 variantes do colágeno dependendo do tecido e da função

24 Proteínas globulares Diversidade estrutural reflete diversidade funcional Dobramento gera estrutura compacta Teem partes em hélices-a e partes em folhas-b Motivos estruturais Padrão identificável Envolve elementos 2D e conexões entre eles

25 Classificação estrutural das proteínas

26 Classificação estrutural das proteínas

27 SCOP Famílias de proteínas

28 Estrutura quaternária Dímeros, homodímeros, heterodímeros Trímero, tetrâmero Oligômero, multímero

29 Desnaturação de proteínas Condições diferentes das celulares levam as proteínas à desnaturação Perda da estrutura leva também à perda da função Calor, phs extremos, temperatura (?), solventes orgânicos, detergentes

30 Renaturação de proteínas A sequência terciária é determinada pela sequência primária, certo? As proteínas desnaturadas, portanto, podem voltar aos estados nativos através de renaturação, quando o estímulo é retirado

31 Enovelamento protéico Lento e gradual Diminuição da entropia até alcançar um estado estável Algumas proteínas se dobram de forma assistida pelas proteínas chaperonas

32 Vaca louca A doença de Creutzfeldt- Jakob, é causada por uma falha no enovelamento de proteínas Mecanismo não muito entendido, mas parece que as proteínas em forma priônica transformam as outras tbm em proteínas com esse formato

33 Conclusões Estrutura da proteína é estabilizada principalmente por interações fracas Estrutura secundária consiste no arranjo espacial de átomos de trechos de proteínas, definidas por ângulos phi e psi específicos A estrutura 3D das proteínas tem dois tipos básicos: proteínas fibrosas e globulares A estrutura quaternária vem da junção de várias subunidades terciárias oriundas de genes A estrutura das proteínas pode ser destruída pela desnaturação, o que mostra que a função depende da estrutura Enovelamento de proteínas envolve múltiplos mecanismos

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS Aminoácidos ligam-se por ligações peptídicas = reação de condensação entre: OH do grupo carboxila de um aminoácido H do grupo amina do outro aminoácido ( liberação de uma molécula

Leia mais

A estrutura tridimensional das proteínas

A estrutura tridimensional das proteínas A estrutura tridimensional das proteínas O esqueleto covalente das proteínas possui um elevado número de ligações em torno das quais é possível rotação, resultando num enorme número de conformações moleculares.

Leia mais

O processo da Expressão Gênica

O processo da Expressão Gênica Coordenadoria de Educação e Difusão de Ciências Rua 9 de Julho, 1205 - São Carlos - São Paulo e-mail: cbme@if.sc.usp.br- Telefone: (16) 3373-9159 http://cbme.ifsc.usp.br http://cbme.usp.br O processo da

Leia mais

O processo da Expressão Gênica

O processo da Expressão Gênica INBEQMeDI Instituto Nacional de Biotecnologia Estrutural e Química Medicinal em Doenças Infecciosas Coordenadoria de Educação e Difusão de Ciências Telefone: (16) 3373-9159 Rua 9 de julho, 1205 - Centro

Leia mais

Cap. 4: Componentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais. Equipe de Biologia

Cap. 4: Componentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais. Equipe de Biologia ap. 4: omponentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais Equipe de Biologia De que são formados os seres vivos? Substâncias orgânicas arboidratos Lipídios Proteínas Vitaminas Ácidos nucleicos

Leia mais

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia Transformações Bioquímicas (BC0308) Prof Luciano Puzer http://professor.ufabc.edu.br/~luciano.puzer/ Propriedades, funções e transformações de aminoácidos e proteínas

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X

DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X Disciplina: Engenharia de Proteínas Ma. Flávia Campos Freitas Vieira NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS Fonte: Lehninger, 2010.

Leia mais

Aula 6. Introdução a Bioquímica: Biomoléculas. Níveis estruturais das proteínas. Estruturas 3D, domínios motivos 1º 2º 3º 4º

Aula 6. Introdução a Bioquímica: Biomoléculas. Níveis estruturais das proteínas. Estruturas 3D, domínios motivos 1º 2º 3º 4º Introdução a Bioquímica: Biomoléculas Ignez Caracelli BioMat DF UNESP/Bauru Aula 6 Estruturas 3D, domínios motivos Julio Zukerman Schpector Bauru, 24 de setembro de 2007 LaCrEMM DQ UFSCar Níveis estruturais

Leia mais

Bioinformática. Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br

Bioinformática. Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br Bioinformática Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 24 de agosto de 2015 Paulo H. R. Gabriel

Leia mais

Professor Fernando Stuchi M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO

Professor Fernando Stuchi M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO P ROTEÍNAS P ROPRIEDADE BÁSICA São grandes moléculas (macromoléculas) constituídas por aminoácidos, através de ligações peptídicas. É o composto orgânico mais abundante no corpo

Leia mais

ESTUDOS ESTRUTURAIS E FUNCIONAIS DE PROTEÍNAS

ESTUDOS ESTRUTURAIS E FUNCIONAIS DE PROTEÍNAS ESTUDOS ESTRUTURAIS E FUNCIONAIS DE PROTEÍNAS Brasília DF. Elaboração José Luiz de Souza Lopes Assuero Faria Garcia Julio Cesar Pissuti Damalio Produção Equipe Técnica de Avaliação, Revisão Linguística

Leia mais

A base molecular da vida Constituintes da matéria-viva

A base molecular da vida Constituintes da matéria-viva A base molecular da vida Constituintes da matéria-viva Principais elementos químicos dos seres vivos Quando se analisa a matéria-viva que constitui os seres vivos, encontram-se principalmente os seguintes

Leia mais

ABioquímica possui, como

ABioquímica possui, como CONCEITOS CIENTÍFICOS EM DESTAQUE Wilmo Ernesto Francisco Junior e Welington Francisco A Bioquímica é uma área interdisciplinar que possui muitas interfaces com a Química. Entretanto, temas associados

Leia mais

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE QUÍMICA DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA QBQ0313 Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos Flavia Carla Meotti Os Ácidos Nucléicos Função: armazenamento e transmissão da informação

Leia mais

BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR 1º S_2010_2011_1º Teste 25/10/2010

BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR 1º S_2010_2011_1º Teste 25/10/2010 BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR 1º S_2010_2011_1º Teste 25/10/2010 (Duração: 1,5 h) Nome do Aluno: Nº: Curso: Cada uma das questões de escolha múltipla (1 à 40) tem a cotação de 0,5 valores. Será descontado

Leia mais

Dra. Maria Izabel Gallão. Matriz Extracelular

Dra. Maria Izabel Gallão. Matriz Extracelular Matriz Extracelular - a matriz extracelular (MEC) corresponde aos complexos macromoleculares relativamente estáveis, formados por moléculas de diferentes naturezas que são produzidas, exportadas e complexadas

Leia mais

Professor Carlos - Proteinas

Professor Carlos - Proteinas 14085. (Fuvest 2001) Os três compostos abaixo têm uso farmacológico Considere as afirmações: I Nas moléculas dos três compostos, há ligações peptídicas. II A porcentagem em massa de oxigênio na dropropizina

Leia mais

Estrutura primária, secundária, terciária e quaternária de proteínas

Estrutura primária, secundária, terciária e quaternária de proteínas Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Bioinformática Estrutura primária, secundária, terciária e quaternária de proteínas Luís Fernando S.M. Timmers Porto Alegre, 11 de Agosto de 2015 Revisão

Leia mais

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva Estrutura e função dos ácidos nucléicos Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva > Polímeros de nucleotídeos Funções: DNA (ácido desoxirribonucléico) : > Armazenar as informações necessárias para a construção

Leia mais

O fluxo da informação é unidirecional

O fluxo da informação é unidirecional Curso - Psicologia Disciplina: Genética Humana e Evolução Resumo Aula 3- Transcrição e Tradução Dogma central TRANSCRIÇÃO DO DNA O fluxo da informação é unidirecional Processo pelo qual uma molécula de

Leia mais

- Ácido ribonucléico (ARN ou RNA): participa do processo de síntese de proteínas.

- Ácido ribonucléico (ARN ou RNA): participa do processo de síntese de proteínas. 1- TIPOS DE ÁCIDO NUCLÉICO: DNA E RNA Existem dois tipos de ácidos nucléicos: - Ácido desoxirribonucléico (ADN ou DNA): é o principal constituinte dos cromossomos, estrutura na qual encontramos os genes,

Leia mais

Técnico em Alimentos UFRPE. Bioquímica. Sandro do Nascimento Silva Carlos Roberto Rosa Silva. Universidade Federal Rural de Pernambuco

Técnico em Alimentos UFRPE. Bioquímica. Sandro do Nascimento Silva Carlos Roberto Rosa Silva. Universidade Federal Rural de Pernambuco Técnico em Alimentos Sandro do Nascimento Silva arlos Roberto Rosa Silva Bioquímica UFRPE Universidade Federal Rural de Pernambuco Bioquímica Sandro do Nascimento Silva arlos Roberto Rosa Silva UFRPE/DAI

Leia mais

Transcrição e Tradução. Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Biologia, enfermagem, nutrição e TO.

Transcrição e Tradução. Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Biologia, enfermagem, nutrição e TO. Transcrição e Tradução Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Biologia, enfermagem, nutrição e TO. Tópicos abordados na aula Dogma Central da Biologia Molecular;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA BIOINFORMÁTICA ESTRUTURAL: PREDIÇÃO DE ESTRUTURA 3D DE PROTEÍNAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA BIOINFORMÁTICA ESTRUTURAL: PREDIÇÃO DE ESTRUTURA 3D DE PROTEÍNAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA BIOINFORMÁTICA ESTRUTURAL: PREDIÇÃO DE ESTRUTURA 3D DE PROTEÍNAS 2 BIOINFORMÁTICA ESTRUTURAL Área da bioinformática que se aplica ao estudo da estrutura das moléculas Desafio

Leia mais

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia Transformações Bioquímicas (BC0308) Prof Luciano Puzer http://professor.ufabc.edu.br/~luciano.puzer/ Energia de interação entre macromoléculas Interações em meio

Leia mais

Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia celular e molecular Cursos: Ciências Biológicas, Enfermagem, Nutrição e TO.

Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia celular e molecular Cursos: Ciências Biológicas, Enfermagem, Nutrição e TO. Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia celular e molecular Cursos: Ciências Biológicas, Enfermagem, Nutrição e TO. Bases Macromoleculares das Células Composição química das células

Leia mais

Proteínas. Enzima que Colagénio Insulina degrada a insulina (hormona)

Proteínas. Enzima que Colagénio Insulina degrada a insulina (hormona) Proteínas O seu nome deriva da palavra Grega proteios, que significa de principal importância. As proteínas desempenham um papel fundamental nos sistemas biológicos, estando associadas a todas as formas

Leia mais

32. No que se refere aos componentes do citoesqueleto, uma complexa rede de proteínas que compõe o esqueleto celular, assinale a alternativa correta.

32. No que se refere aos componentes do citoesqueleto, uma complexa rede de proteínas que compõe o esqueleto celular, assinale a alternativa correta. BIOLOGIA CORREÇÃO PROVA PAPILO GOIÁS PROF. WAGNER BERTOLINI Prova tipo C. 31. Acerca das características que diferem células eucarióticas de células procarióticas, é correto afirmar que: (A) a compartimentalização

Leia mais

Aula 4 Estrutura do RNA

Aula 4 Estrutura do RNA Biologia Molecular Básica Módulo I Básico Aula 4 Estrutura do RNA O RNA é uma molécula intermediária na síntese de proteínas. Ela faz a intermediação entre o DNA e as proteínas. As principais diferenças

Leia mais

ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA

ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA ÁCIDOS NUCLÉICOS: Moléculas orgânicas complexas, formadas polimerização de nucleotídeos (DNA e RNA) pela Contêm a informação que determina a seqüência de aminoácidos

Leia mais

Aula: 16 Temática: Estrutura dos aminoácidos e proteínas parte I. Iremos iniciar o estudo da estrutura dos aminoácidos e proteínas.

Aula: 16 Temática: Estrutura dos aminoácidos e proteínas parte I. Iremos iniciar o estudo da estrutura dos aminoácidos e proteínas. Aula: 16 Temática: Estrutura dos aminoácidos e proteínas parte I Acompanhe! Iremos iniciar o estudo da estrutura dos aminoácidos e proteínas. Introdução: A proteína é o composto orgânico mais abundante

Leia mais

NATUREZA E ESTRUTURA DO MATERIAL GENÉTICO

NATUREZA E ESTRUTURA DO MATERIAL GENÉTICO NATUREZA E ESTRUTURA DO MATERIAL GENÉTICO ÁCIDOS NUCLEICOS INTERVENÇÃO EM MUITAS REACÇÕES IMPORTANTES TRANSPORTE DA INFORMAÇÃO GENÉTICA DUPLICAÇÃO FIEL TRANSCRIÇÃO SELECTIVA VARIABILIDADE REPLICAÇÃO DNA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ BIOLOGIA PROVA DE TRANSFERÊNCIA FACULTATIVA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ BIOLOGIA PROVA DE TRANSFERÊNCIA FACULTATIVA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ BIOLOGIA PROVA DE TRANSFERÊNCIA FACULTATIVA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR 02/12/2012 Candidato: GABARITO Curso Pretendido: OBSERVAÇÕES: 01 Prova SEM consulta

Leia mais

Evolução no repertório de proteínas. Marbella da Fonsêca Doutoranda Genética, UFRJ

Evolução no repertório de proteínas. Marbella da Fonsêca Doutoranda Genética, UFRJ Evolução no repertório de proteínas Marbella da Fonsêca Doutoranda Genética, UFRJ Proteínas Estrutura primária ordem dos aminoácidos ao longo da seqüência Alfa hélices e cadeias beta Forma final da molécula

Leia mais

Capítulo VALTER T. MOTTA BIOQUÍMICA BÁSICA. Aminoácidos e proteínas

Capítulo VALTER T. MOTTA BIOQUÍMICA BÁSICA. Aminoácidos e proteínas apítulo VALTER T. MTTA BIQUÍMIA BÁSIA Aminoácidos e proteínas Aminoácidos e Proteínas bjetivos 1. Descrever as propriedades dos aminoácidos encontrados nas proteínas.. Identificar os seguintes grupamentos

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3 Linhas de Força Mencionamos na aula passada que o físico inglês Michael Faraday (79-867) introduziu o conceito de linha de força para visualizar a interação elétrica entre duas cargas. Para Faraday, as

Leia mais

ESTRUTURA DOS MATERIAIS CERÂMICOS

ESTRUTURA DOS MATERIAIS CERÂMICOS ESTRUTURA DOS MATERIAIS CERÂMICOS Os sólidos são caracterizados por uma associação muito próxima de átomos, em geral representados por esferas rígidas, em contato uns com os outros e mantidos juntos por

Leia mais

Proteínas de membrana

Proteínas de membrana Proteínas de membrana a u l a 8 OBJETIVOS Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Reconhecer as diferentes proteínas e carboidratos de membrana de acordo com: sua função (transporte, reconhecimento

Leia mais

I. Fracionando a vida: Os bioquímicos fracionam um organismo e analisam os componentes individuais.

I. Fracionando a vida: Os bioquímicos fracionam um organismo e analisam os componentes individuais. Bioquímica I: Macromoléculas I. Fracionando a vida: Os bioquímicos fracionam um organismo e analisam os componentes individuais. 1) Qual é a composição atômica das células vivas/organismos? H: 60% O: 25%

Leia mais

Função de Proteínas: Mioglobina e Hemoglobina

Função de Proteínas: Mioglobina e Hemoglobina Aula de Bioquímica I Tema: Função de Proteínas: Mioglobina e Hemoglobina Prof. Dr. Júlio César Borges Depto. de Química e Física Molecular DQFM Instituto de Química de São Carlos IQSC Universidade de São

Leia mais

Proteínas Essenciais para o funcionamento das células vivas e, juntamente com os carboidratos e lipídios, constituem a alimentação básica dos animais.

Proteínas Essenciais para o funcionamento das células vivas e, juntamente com os carboidratos e lipídios, constituem a alimentação básica dos animais. Proteínas Essenciais para o funcionamento das células vivas e, juntamente com os carboidratos e lipídios, constituem a alimentação básica dos animais. Exercem várias funções biológicas: proteínas contráteis

Leia mais

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Células e Membranas As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Organelas são compartimentos celulares limitados por membranas A membrana plasmática é por si só uma organela.

Leia mais

Tradução Modificando o alfabeto molecular. Prof. Dr. Francisco Prosdocimi

Tradução Modificando o alfabeto molecular. Prof. Dr. Francisco Prosdocimi Tradução Modificando o alfabeto molecular Prof. Dr. Francisco Prosdocimi Tradução em eukarya e prokarya Eventos pós-transcricionais Processo de síntese de proteínas RNAm contém o código do gene RNAt é

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 Questão 26 Como a questão pede a separação do sólido solúvel do líquido, o único processo recomendado é a destilação simples. Lembrando que filtração e decantação

Leia mais

AMINOÁCIDOS, PEPTÍDEOS, PROTEÍNAS

AMINOÁCIDOS, PEPTÍDEOS, PROTEÍNAS 1 AMINÁIDS, PEPTÍDES, PRTEÍNAS As proteínas constituem o mais importante polímero biológico. onstituem mais da metade do peso seco das células Existem milhares de proteínas, cada uma desempenha uma função

Leia mais

TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA

TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA Prof. Borges EXERCÍCIOS DE AMINOÁCIDOS 1. (Fuvest) A hidrólise de um peptídeo rompe a ligação peptídica, originando aminoácidos. Quantos aminoácidos

Leia mais

Tutorial: QUÍMICA COMPUTACIONAL E MODELAGEM MOLECULAR. Profa. Nelilma Correia Romeiro

Tutorial: QUÍMICA COMPUTACIONAL E MODELAGEM MOLECULAR. Profa. Nelilma Correia Romeiro Tutorial: QUÍMICA COMPUTACIONAL E MODELAGEM MOLECULAR Profa. Nelilma Correia Romeiro Fevereiro de 2008 1 MODELAGEM MOLECULAR Modelagem molecular, segundo a IUPAC, é a investigação das estruturas e das

Leia mais

UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA

UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA 4.1. INTRODUÇÃO Em geral, todos os metais, grande parte dos cerâmicos e certos polímeros cristalizam-se quando se solidificam. Os átomos se arranjam em uma estrutura tridimensional

Leia mais

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia Transformações Bioquímicas (BC0308) Prof Luciano Puzer http://professor.ufabc.edu.br/~luciano.puzer/ Propriedades e funções de proteínas: Mioglobina / Hemoglobina

Leia mais

16/04/2015 ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA DNA E RNA DNA E RNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DNA

16/04/2015 ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA DNA E RNA DNA E RNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DNA ÁCIDOS NUCLEICOS E RNA E RNA Plano de Aula -Componentes básicos de e RNA -Características estruturais e funcionais -Tipos de RNA Profª Dra. Juliana Schmidt Medicina 2014 E RNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA

Leia mais

A Molécula da Vida. Estrutura

A Molécula da Vida. Estrutura A Molécula da Vida Os cromossomos de células eucarióticas são formado por DNA associado a moléculas de histona, que são proteínas básicas. É na molécula de DNA que estão contidos os genes, responsáveis

Leia mais

ESTEREOQUIMICA ELEMENTOS DE SIMETRIA

ESTEREOQUIMICA ELEMENTOS DE SIMETRIA ESTEREOQUIMIA 1 Prof. ugo Braibante ELEMENTOS DE SIMETRIA Simetria, uma ferramenta matemática e ao mesmo tempo um índice estético, é um meio privilegiado de descobrir algumas belezas da ciência, pois nos

Leia mais

QUÍMICA FARMACÊUTICA I

QUÍMICA FARMACÊUTICA I PROTÓTIPO QUÍMICA FARMACÊUTICA I AULA 5 Primeiro tipo ou exemplar original, modelo. Diz-se do composto originalmente identificado que apresenta atividade farmacológica in vivo. Profa. Ms. Paula Cristina

Leia mais

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES SUSPENSÕES E SOLUÇÕES Definições SUSPENSÃO Mistura heterogênea de substâncias Ex.: sangue (suspensão de plasma e células) água e óleo; água e areia, água e açúcar SOLUÇÃO Mistura homogênea de substâncias

Leia mais

ESTRUTURA DO DNA E ORGANIZAÇAO DA ATIVIDADE BIOLÓGICA

ESTRUTURA DO DNA E ORGANIZAÇAO DA ATIVIDADE BIOLÓGICA ESTRUTURA DO DNA E ORGANIZAÇAO DA CROMATINA ATIVIDADE BIOLÓGICA 1 Qual é a natureza química da molécula responsável por estocar a informação genética??? CARACTERÍSTICAS 1. Estocar a informação e transmitir

Leia mais

-Estrutura, composição, características. -Aplicações e processamento. -Tecnologias associadas às aplicações industriais.

-Estrutura, composição, características. -Aplicações e processamento. -Tecnologias associadas às aplicações industriais. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Teófilo Otoni - MG Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Tópicos : -Estrutura, composição, características.

Leia mais

Caderno de Exercícios 1 Química Série 14 Isomeria

Caderno de Exercícios 1 Química Série 14 Isomeria 01 Além da fórmula molecular, também deveria constar no rótulo o nome oficial do composto, uma vez que a fórmula C 6 H 14 pode representar substâncias orgânicas completamente distintas. 1 02 Fórmula molecular:

Leia mais

Água e Solução Tampão

Água e Solução Tampão União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Água e Solução Tampão Prof. Dra. Narlize Silva Lira Cavalcante Fevereiro /2015 Água A água é a substância

Leia mais

Estruturas supramoleculares: agregados protéicos e os vírus

Estruturas supramoleculares: agregados protéicos e os vírus Estruturas supramoleculares: agregados protéicos e os vírus Objetivos Nesta aula vamos explorar dois temas interessantes nos quais você vai aplicar os conhecimentos, adquiridos até agora, a respeito de

Leia mais

Transitores CMOS, história e tecnologia

Transitores CMOS, história e tecnologia Transitores CMOS, história e tecnologia Fernando Müller da Silva Gustavo Paulo Medeiros da Silva 6 de novembro de 2015 Resumo Este trabalho foi desenvolvido com intuito de compreender a tecnologia utilizada

Leia mais

Simetria Externa. Universidade de São Paulo. Instituto de Química de São Carlos. Departamento de Química e Física Molecular. SQM 409 - Cristalografia

Simetria Externa. Universidade de São Paulo. Instituto de Química de São Carlos. Departamento de Química e Física Molecular. SQM 409 - Cristalografia Universidade de São Paulo Instituto de Química de São Carlos Departamento de Química e Física Molecular Simetria Externa SQM 09 - Cristalografia Prof. Dr. Maria Teresa do Prado Gambardella . Simetria Externa

Leia mais

Funções dos lípidos:

Funções dos lípidos: Gorduras ou Lípidos Os lípidos são componentes essenciais de todos os organismos podendo ser obtidos a partir da alimentação ou ser sintetizados pelo nosso organismo. Constituem um grupo heterogéneo de

Leia mais

ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA

ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA Introdução Sólidos são compostos que apresentam uma alta regularidade estrutural. Com exceção dos sólidos amorfos, nos quais essa regularidade só existe em um curto espaço,

Leia mais

BIOLOGIA Prof. André Fozzy

BIOLOGIA Prof. André Fozzy BIOLOI Prof. ndré Fozzy RN E SÍNTESE PROTEIC Biologia Prof. ndré Fozzy Regiões Codificadoras e Não-Codificadoras do DN O DN é formado por 2 regiões: Intergênicas ênicas Intergênicas ênicas Região ênica

Leia mais

TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA

TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA Número de genes para RNA RNA ribossômico - rrna Os rrnas correspondem a 85 % do RNA total da célula, e são encontrados nos ribossomos (local onde ocorre a síntese proteíca).

Leia mais

Faremos uma breve introdução sobre proteínas usando os livros textos que constam nas referências: Lehninger et al., 1993; Stryer, 1995 e Dose, 1982.

Faremos uma breve introdução sobre proteínas usando os livros textos que constam nas referências: Lehninger et al., 1993; Stryer, 1995 e Dose, 1982. 3. Proteínas Faremos uma breve introdução sobre proteínas usando os livros textos que constam nas referências: Lehninger et al., 1993; Stryer, 1995 e Dose, 1982. 3.1 Estrutura de Proteínas Em animais superiores,

Leia mais

MODELOS DIDÁTICOS DE DNA, RNA, RIBOSSOMOS E PROCESSOS MOLECULARES PARA O ENSINO DE GENÉTICA DO ENSINO MÉDIO

MODELOS DIDÁTICOS DE DNA, RNA, RIBOSSOMOS E PROCESSOS MOLECULARES PARA O ENSINO DE GENÉTICA DO ENSINO MÉDIO MODELOS DIDÁTICOS DE DNA, RNA, RIBOSSOMOS E PROCESSOS MOLECULARES PARA O ENSINO DE GENÉTICA DO ENSINO MÉDIO Álvaro Julio Pereira, Giselly da Silva Patricio, Francisco Germano Sousa Alves, Juliana Jessica

Leia mais

TEMA DA AULA. Fluxo da informação genética: I Replicação do DNA, II Transcrição do DNA, III - Tradução do DNA. Localização do DNA

TEMA DA AULA. Fluxo da informação genética: I Replicação do DNA, II Transcrição do DNA, III - Tradução do DNA. Localização do DNA FACULDADE DE TECNLGIA E CIÊNCIAS Curso: Nutrição Disciplina: Biologia Geral e Histologia Código: SP 449 CH: 80 h Docente: Jussara Silveira TEMA DA AULA Fluxo da informação genética: I eplicação do, II

Leia mais

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe!

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Aula: 2 Temática: Ácidos Nucléicos Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Introdução: Os ácidos nucléicos são as moléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

3. Ler atentamente as 3 afirmativas relativas às relações entre os seres vivos,

3. Ler atentamente as 3 afirmativas relativas às relações entre os seres vivos, ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO BIOLOGIA 1º ANO / 3ª etapa Professor: Warley Ferreira 1. Uma população de parasitas e seus hospedeiros estão em interação. Eliminando-se os parasitas, espera-se que a população

Leia mais

Biologia Estrutural. Simetria. Prof. Dr. Walter Filgueira de Azevedo Jr. wfdaj.sites.uol.com.br. 2006 Dr. Walter F. de Azevedo Jr.

Biologia Estrutural. Simetria. Prof. Dr. Walter Filgueira de Azevedo Jr. wfdaj.sites.uol.com.br. 2006 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Biologia Estrutural Simetria Prof. Dr. Walter Filgueira de Azevedo Jr. Resumo Características dos Cristais Características dos Cristais de Proteínas Elementos de Simetria Rede, Retículo e Empacotamento

Leia mais

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada ÁCIDOS NUCLÉICOS Ácidos nucléicos São polímeros compostos por nucleotídeos Açúcar - pentose Nucleotídeo Grupo fosfato Base nitrogenada Composição dos Ácidos nucléicos pentoses: numeração da pentose: pentose

Leia mais

UNIDADE 3 - COORDENAÇÃO ATÔMICA

UNIDADE 3 - COORDENAÇÃO ATÔMICA A força de repulsão entre os elétrons de dois átomos, quando estão suficientemente próximos, é responsável, em conjunto com as forças de atração, pela posição de equilíbrio dos átomos na ligação química

Leia mais

Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos. Fábio Lima Custódio flc@lncc.br

Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos. Fábio Lima Custódio flc@lncc.br Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos Fábio Lima Custódio flc@lncc.br Sumário Conceitos gerais O que é evolução? Forças Evolutivas Mutação Deriva Gênica Fluxo gênico Seleção Natural A teoria evolutiva

Leia mais

1. Arquitetura de biomoléculas

1. Arquitetura de biomoléculas Estrutura de proteínas e sua determinação Relembrando os níveis de organização da estrutura protéica: Estrutura primária; Estrutura secundária; Estrutura terciária; Estrutura quaternária. Informação hierárquica,

Leia mais

- LIGAÇÕES IÔNICAS: Na (1s 2 2s 2 2p 6 3s 1 ) + Cl (1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 5 ) Na + (1s 2 2s 2 2p 6 ) + Cl - (1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 )

- LIGAÇÕES IÔNICAS: Na (1s 2 2s 2 2p 6 3s 1 ) + Cl (1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 5 ) Na + (1s 2 2s 2 2p 6 ) + Cl - (1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 ) - LIGAÇÕES IÔNICAS: A ligação iônica é a ligação química formada pela atração eletrostática entre íons positivos e íons negativos. A ligação se dá entre dois átomos quando um elétron, ou mais um, se transfere

Leia mais

Profa Estela Rossetto

Profa Estela Rossetto Profa Estela Rossetto Síntese de Proteínas: Um trabalho em grupo dos RNA! ATP RNAt RNAm enzimas RNAr aminoácidos Ribossomo: Organela onde ocorre a síntese de proteínas. Organela não delimitada por membrana,

Leia mais

QUÍMICA 1º SEMESTRE TURMA DE EMESCAM

QUÍMICA 1º SEMESTRE TURMA DE EMESCAM QUÍMICA 1º SEMESTRE Prof. Borges TURMA DE EMESCAM Leitura: Os principais Aminoácidos e suas funções no organismo Os Aminoácidos são as unidades fundamentais das PROTEÍNAS. Todas as proteínas são formadas

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

CÓDIGO GENÉTICO E SÍNTESE PROTEICA

CÓDIGO GENÉTICO E SÍNTESE PROTEICA CÓDIGO GENÉTICO E SÍNTESE PROTEICA Juliana Mara Stormovski de Andrade As proteínas são as moléculas mais abundantes e funcionalmente diversas nos sistema biológicos. Praticamente todos os processos vitais

Leia mais

XVIII Simpósio Brasileiro de Química Teórica SBQT 2015 Pirenópolis GO, 22-25 Novembro de 2015

XVIII Simpósio Brasileiro de Química Teórica SBQT 2015 Pirenópolis GO, 22-25 Novembro de 2015 Desenvolvimento de ferramenta para a inserção com baixa perturbação de proteínas de membrana em bicamadas lipídicas para simulações de Dinâmica Molecular Luiz Fernando da Costa Zonetti a,b, Alexandre Suman

Leia mais

CAPÍTULO III LIGAÇÕES QUÍMICAS

CAPÍTULO III LIGAÇÕES QUÍMICAS CAPÍTULO III LIGAÇÕES QUÍMICAS LIGAÇÕES QUÍMICAS 3.1. Introdução As propriedades dos átomos são determinadas pela carga nuclear (número atômico) e pela forma como os elétrons estão distribuídos ao redor

Leia mais

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas GENERALIDADES Todo ser vivo consiste de células, nas quais está situado o material hereditário. O número de células de um organismo pode variar de uma a muitos milhões. Estas células podem apresentar-se

Leia mais

Princípios moleculares dos processos fisiológicos

Princípios moleculares dos processos fisiológicos 2012-04-30 UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aula 5: Princípios moleculares dos processos fisiológicos (Fisiologia Vegetal, Ano

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Estabelecimento e manutenção da forma do corpo Papel conferido pela Matriz Extracelular MEC principal constituinte do Tecido

Leia mais

Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano

Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano Teste de avaliação Nome ----------------------------------------------------------------------- Numero -------------------------------

Leia mais

Aumentando o número de aminoácidos na seqüência formam-se estruturas complexas.

Aumentando o número de aminoácidos na seqüência formam-se estruturas complexas. DETERGENTES ENZIMÁTICS PARA PRCESSAMENT DE ARTIGS HSPITALARES Bruno Rafael A. da Silva Especialista em Soluções Enzimáticas Tópicos 1. ENZIMAS QUE SÃ? CM AGEM? 2. LIMPEZA QUE É?; ÁGUA; DETERGENTES; 3.

Leia mais

Polaridade de moléculas

Polaridade de moléculas Polaridade de moléculas 01. (Ufscar) É molécula polar: a) C 2 H 6. b) 1,2-dicloroetano. c) CH 3 Cl. d) p-diclorobenzeno. e) ciclopropano. 02. (Mackenzie) As fórmulas eletrônicas 1, 2 e 3 a seguir, representam,

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

Equipe de Química QUÍMICA

Equipe de Química QUÍMICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 14B Ensino Médio Equipe de Química Data: QUÍMICA ISOMERIA Isomeria é um fenômeno caracterizado pela ocorrência de duas ou mais substâncias diferentes, que apresentam

Leia mais

Capítulo 9. Versão 0.6. Domínios, motivos proteicos e evolução por rearranjo de éxons. 1.- Domínios proteicos

Capítulo 9. Versão 0.6. Domínios, motivos proteicos e evolução por rearranjo de éxons. 1.- Domínios proteicos Capítulo 9 Versão 0.6 Domínios, motivos proteicos e evolução por rearranjo de éxons 1.- Domínios proteicos Domínios de proteínas são unidades estruturais, funcionais e evolutivas das proteínas. Um domínio

Leia mais

LIGAÇÃO COVALENTE APOLAR ELEMENTOS COM MESMA ELETRONEGATIVIDADE

LIGAÇÃO COVALENTE APOLAR ELEMENTOS COM MESMA ELETRONEGATIVIDADE LIGAÇÃO COVALENTE APOLAR ELEMENTOS COM MESMA ELETRONEGATIVIDADE LIGAÇÃO COVALENTE POLAR ELEMENTOS COM ELETRONEGATIVIDADES DIFERENTES MOLÉCULA APOLAR VETORES SE ANULAM ///// µ R = 0 MOLÉCULA APOLAR VETORES

Leia mais

Resumos. 1) Aula L1 - O Lixo e Conceitos Químicos a. Aulas. 1) Aula L1 - Lixo e Conceitos Gerais. 2) Aula L2 - Estados Físicos da Matéria

Resumos. 1) Aula L1 - O Lixo e Conceitos Químicos a. Aulas. 1) Aula L1 - Lixo e Conceitos Gerais. 2) Aula L2 - Estados Físicos da Matéria Resumo Teórico 1 Fala Gás Nobre! Tudo bem? Já assistimos todos os vídeos sobre o Lixo. Estamos cada vez mais próximos do sucesso. Por isso quero te entregar esse material que contém o resumo das aulas

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz TRANSCRIÇÃO DNA A transcrição é o processo de formação de uma molécula de RNA a partir de uma molécula molde

Leia mais

Química. Química 3 SUMÁRIO. e Pré-vestibular. Química 1 MÓDULO 9 Isomeria Plana e Espacial... 3. Química 2. 3 a Série do Ensino Médio

Química. Química 3 SUMÁRIO. e Pré-vestibular. Química 1 MÓDULO 9 Isomeria Plana e Espacial... 3. Química 2. 3 a Série do Ensino Médio Química SUMÁRI Química 1 MÓDUL 9 Isomeria Plana e Espacial... 3 Química 2 MÓDUL 9 Termoquímica... 11 Processos Exotérmicos e Processos Endotérmicos ombustões alor de Formação Lei de ess Energia de Ligação

Leia mais

Determinação da Estrutura de Proteínas através de Programação por Restrições

Determinação da Estrutura de Proteínas através de Programação por Restrições Universidade Nova de Lisboa Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Informática Determinação da Estrutura de Proteínas através de Programação por Restrições Por: Ludwig Krippahl Dissertação

Leia mais

hidrogênio. a) I e II. b) I e IV. c) II e III. d) I, III e IV. e) II, III e IV.

hidrogênio. a) I e II. b) I e IV. c) II e III. d) I, III e IV. e) II, III e IV. Quimica Lista de Cadeias carbônicas d) tem quatro ligações. e) possui cadeia carbônica mista e heterogênea. 1. (Unicamp) A fórmula geral dos hidrocarbonetos de cadeia aberta que contém uma dupla ligação

Leia mais

BIOLOGIA - AULA 04: NOÇÕES DE QUÍMICA CELULAR; MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTES.

BIOLOGIA - AULA 04: NOÇÕES DE QUÍMICA CELULAR; MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTES. BIOLOGIA - AULA 04: NOÇÕES DE QUÍMICA CELULAR; MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTES. I. NOÇÕES DE QUÍMICA CELULAR 1. A composição química da célula Certas substâncias são essenciais para a manutenção da vida

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com ÁCIDOS NUCLEICOS ÁCIDOS NUCLÉICOS: são substâncias formadoras de genes, constituídas por um grande

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA INDUSTRIAL CÉSAR MANUEL VARGAS BENÍTEZ

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA INDUSTRIAL CÉSAR MANUEL VARGAS BENÍTEZ UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA INDUSTRIAL CÉSAR MANUEL VARGAS BENÍTEZ UM ALGORITMO GENÉTICO PARALELO PARA O PROBLEMA DE DOBRAMENTO

Leia mais