Manual de Procedimentos Bibliotecas Escolares

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Procedimentos Bibliotecas Escolares"

Transcrição

1 Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro MANUAL DE PROCEDIMENTOS BIBLIOTECAS ESCOLARES ANO LETIVO 2012/2013 Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 1

2 Muitos homens iniciaram uma nova era na sua vida a partir da leitura de um livro Henry David Thoreau INTRODUÇÃO O Manual de Procedimentos é um documento de referência e orientação que permite uniformizar e dar continuidade a decisões e critérios adotados nas Bibliotecas do Agrupamento. Trata-se, no entanto, de um documento em aberto, o que possibilita a sua constante reestruturação e atualização sempre que se justifique. O tratamento técnico documental da BE não é um fim em si mesmo, mas algo que é fundamental para que a Biblioteca possa cumprir a sua missão. A BE é um espaço educativo, de informação e um centro de recursos ao serviço da comunidade escolar. Para que possam desempenhar o seu papel, é necessário que estejam devidamente organizadas, de modo a tornar fácil e rápido o acesso à informação. Este documento contém todo um conjunto de medidas técnicas relativas ao circuito do documento na Biblioteca Escolar: seleção, aquisição, registo, carimbagem, catalogação, classificação, indexação, cotação, arrumação e difusão da informação. Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 2

3 Capítulo I SELEÇÃO E AQUISIÇÃO DE FUNDO DOCUMENTAL 1.1.Seleção e aquisição A seleção e aquisição de todos os documentos devem pautar-se pelas regras e princípios definidos na Política de Desenvolvimento e Gestão da Coleção de cada instituição. A aquisição dos documentos deverá respeitar os procedimentos administrativos estabelecidos no Agrupamento. Ter em conta que os documentos deverão ir ao encontro do interesse dos utilizadores, bem como da especificidade das diferentes áreas curriculares e não curriculares Receção / Verificação dos documentos Procedimentos: - Verificação do pedido e faturação; - Verificação do estado físico dos documentos (erros de impressão/leitura, paginação, encadernação danificada ). Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 3

4 Capítulo II PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E TÉCNICOS 2.1. Registo É a operação administrativa que tem como objetivo a inventariação dos documentos que constituem o fundo documental. Procedimentos: - Antes de se proceder ao registo de um documento, deve ser feita uma análise do mesmo e avaliar a necessidade ou não do seu registo. - As publicações efémeras serão apenas carimbadas e colocada a data de entrada do documento na Biblioteca. - Os documentos serão registados em suporte informático num ficheiro excel independente conforme o tipo de material: livro e material não livro(anexo II). Efetua-se o registo de acordo com os seguintes princípios: a) Cada documento tem o seu registo; b) Vários exemplares do mesmo documento têm números de registo diferentes; c) Nas obras com vários volumes (ex.: coleções, enciclopédias) as BE poderão optar por atribuir um número de registo diferente a cada volume; d) Quando um documento apresenta material acompanhante de outro formato, este assumirá número de registo próprio. - Os manuais escolares não devem ser objeto de registo. Quando existentes na Biblioteca, devem ser adotados procedimentos iguais aos das publicações efémeras. - As publicações periódicas destinadas a arquivo serão registadas em formulário adaptado para o efeito (anexo III). Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 4

5 2.2.Carimbagem Cada BE utiliza o carimbo de registo e posse. Todos os documentos que dão entrada na BE devem ser carimbados, qualquer que seja a sua natureza. O carimbo nunca deve ser colocado sobre uma imagem ou de forma a prejudicar a mancha de informação. Nos documentos em material não aderente, o carimbo deve ser colocado sobre uma etiqueta a ser colocada em local estabelecido para o efeito. A carimbagem tem procedimentos próprios de acordo com o tipo de suporte: Documentos impressos: monografias - O carimbo de registo e posse é colocado na página de rosto no canto superior direito. (Na EB de Sendim foi colocado no canto superior esquerdo). O carimbo usado nesta Biblioteca não tem espaço para registar a classificação no carimbo pelo que a mesma deve ser registada por baixo do mesmo. Quando não seja possível colocar o carimbo no referido local, deve escolher-se outro local na mesma página. Na total impossibilidade da carimbagem na página de rosto, esta deve ser feita na contracapa. Documentos impressos: publicações periódicas Nas publicações periódicas é colocado o carimbo de posse: - Nas revistas na página de sumário; - Nos jornais junto ao título. - No carimbo colocar a data de entrada do documento na BE. Material não livro: CD,DVD, Cassetes VHS/ÁUDIO - O carimbo de registo e posse será colocado na embalagem suporte do documento. - No documento será colocada a sigla da instituição e o número de registo. Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 5

6 Material não livro: outros suportes - O carimbo de registo e posse será colocado na embalagem suporte de forma a não danificar o material Catalogação A catalogação é uma operação que consiste na descrição dos dados bibliográficos de um documento e no estabelecimento de pontos de acesso ao mesmo, com a finalidade de o identificar para posterior recuperação, permitindo ao utilizador que encontre, selecione e obtenha informação. A catalogação dos documentos das Bibliotecas é automatizada, utilizando-se o software Porbase (ver procedimentos no Anexo IV), campos a preencher, anexo V. Na catalogação dos documentos, de modo a garantir uma descrição bibliográfica correta e normalizada, serão seguidos os seguintes normativos: As Regras portuguesas de catalogação - I (RPC), para as monografias. GUSMÃO, Armando Nobre de ; CAMPOS, Fernanda Maria Guedes de ; SOTTOMAYOR, José Carlos Garcia (coord.) regras portuguesas de catalogação. 1ª ed, 3ª reimp. Lisboa : BN, vol. (Publicações Técnicas) Vol. 1: cabeçalhos, descrição de monografias, descrição de publicações em série. ISBN A international standard bibliographic description (ISBD) 2007, para os restantes documentos. IFLA international standard bibliographic description (ISBD). Preliminary consolidated ed. Munchen: K.G. Saur, vol. (folhas móveis atualizáveis). Também na WWW. Modo de acesso URL:http://archive.ifla.org/VII/s13/pubs/ISBD_consolidated_2007.pdf.ISBN Manual UNIMARC formato bibliográfico, para a catalogação em formato UNIMARC. IFLA Manual UNIMARC: formato bibliográfico. Coord. da trad. e ver. Tec. Rosa Maria Galvão e Margarida Pedreiro Lopes. Lisboa: Biblioteca Nacional de Portugal, (Publicações técnicas). Procedimentos - A catalogação de um documento é feita uma única vez. Quando existem outros exemplares de um documento (mesma edição) o procedimento consiste em criar mais ocorrências do campo 966 (cota). São Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 6

7 preenchidos os seguintes subcampos: o nº de registo/inventário e a cota. Só deste modo é possível contabilizar as existências e o empréstimo. 966 Colocar a sigla da Instituição a da Escola e a do Agrupamento. Do campo da cota, além da notação, consta também a sigla da unidade documental. Assim, as siglas utilizadas para as várias bibliotecas são as seguintes: EB1MD Biblioteca Escolar da Escola do 1º Ciclo de Miranda do Douro EBS Biblioteca Escolar da Escola Básica de Sendim EBSMD Biblioteca Escolar da Escola Básica e Secundária de Miranda do Douro Agrupamento - AEMD - Outra edição de um documento: trata-se de um novo documento e como tal deve ser criado um novo registo (mesmo que haja apenas pequenas diferenças de conteúdo). - Para facilitar esta operação podem fazer-se os acertos apenas nos campos em que há alterações e gravar como novo registo. - Obras em mais de um volume: se a obra tem várias unidades físicas regista-se, nas existências, os números de unidades de V., nas notas, descrevem-se os volumes e respetivo número de páginas de cada um. - Os elementos da descrição bibliográfica são retirados da própria monografia, prioritária e principalmente da página de rosto (material livro), e só quando forem insuficientes é que devem ser retirados de outra fonte de informação. - A sigla é definida por cada BE/instituição: EBMD; EBSMD; EBS e Agrupamento AEMD - Número de registo: inserir o número de registo / o ano de registo. - Cota: inserir a notação CDU + as 3 primeiras letras do último apelido do autor. - Na catalogação automatizada são preenchidos os campos e subcampos estabelecidos no Anexo V, que estipula para cada tipo de documento a catalogação mínima a realizar. - Inscrever no documento junto ao nº de registo o MFN de cada documento. Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 7

8 - Importação de registos: na informatização do catálogo, poder-se-ão importar registos de outras bases de dados (Anexo VI). - Qualquer registo importado deve ser revisto para se adequar às políticas de catalogação, classificação e indexação da Biblioteca. Bases de dados para possível importação de registos: Biblioteca Nacional (BN): Rede de Bibliotecas Escolares (livros PNL): Rede de BE s do Porto (RBEP): Rede Municipal de Bibliotecas de Lisboa: Classificação A classificação consiste em representar o conteúdo de um documento através da atribuição de uma notação de um sistema de classificação, permitindo a organização do conhecimento, a organização temática das BE e a otimização da recuperação do documento. Nas BE s será utilizada a Classificação Decimal Universal: tabela de autoridade / (ed. Lit.) Biblioteca Nacional 3ªed. Abreviada em língua portuguesa com base no Master Reference File do UDC Consortium. Lisboa : BN, A classificação dos documentos será feita por referência ao seu conteúdo e forma, utilizando as tabelas principais da CDU e as tabelas auxiliares de forma e de língua. Procedimentos: - Análise do documento de modo a determinar o assunto principal e os aspetos secundários (lugar, língua, forma do documento); - Escolha da notação adequada de entre a listagem de classes, subclasses e auxiliares selecionados, pelas BE (Anexo VII). Apenas deverão ser abertas subclasses e utilizados auxiliares que não constem da referida listagem quando o número de exemplares for superior a cinco e/ou for pertinente para a recuperação da informação pelos utilizadores. Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 8

9 2.5. Indexação A indexação consiste na descrição do conteúdo de um documento através de termos que representam os conceitos neles contidos, de modo a facilitar a sua recuperação pelo utilizador. A indexação permite que o utilizador encontre o maior número de documentos com a máxima pertinência e rapidez. A indexação será feita através de uma lista de cabeçalhos de assunto que irá sendo construída de acordo com as temáticas que têm expressão, tendo por base a lista de cabeçalhos de Assuntos para bibliotecas, de Martine Blanc-Montmayeur e Francoise Danset. BLANC.MONTMAYEURr- Martine; DANSET, Françoise - Lista de cabeçalhos de assuntos para Bibliotecas. Lisboa:Caminho, Cotação e etiquetagem A cotação consiste na atribuição de uma cota a um documento estabelecendo uma ligação entre os dados contidos no registo bibliográfico e o lugar que o mesmo ocupa na estante da BE. A cota é registada numa etiqueta colocada no fundo da lombada do documento (etiquetagem), permitindo a identificação e arrumação do documento nas estantes e a sua posterior recuperação pelo utilizador. A cota é atribuída da seguinte forma: - Notação CDU + as 3 primeiras letras do último apelido do autor. Exemplo: José Saramago, Memorial do Convento Notação numérica da CDU Três primeiras letras do apelido do autor Três primeiras letras do título SAR MEM Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 9

10 - Quando o último apelido do autor é um nome geográfico ou composto, procede-se de acordo com os exemplos seguintes: Camilo Castelo Branco CAS Antoine de Saint- Exupery SAI - Quando não há autor principal explícito (pessoa ou coletividade), usam-se as três primeiras letras do título: Antologia de poesia moderna ANT - A etiqueta com a cota é colocada no fundo da lombada dos documentos (a 2 cm da base). - A cota é, ainda, registada a lápis na página de rosto. - A cada classe principal da CDU é atribuída uma cor, para facilitar o acesso aos documentos dos alunos. - No material não livro a etiqueta coloca-se na embalagem de suporte e no interior do documento, de forma visível e sem o danificar Arrumação - As estantes devem ter a indicação das grandes classes da CDU. As prateleiras devem ter a indicação das principais subdivisões da CDU relativas aos documentos que comportam. -Os materiais são arrumados de acordo com o tipo de suporte. - A colocação de documentos nas estantes é feita de acordo com a cota: seguindo a CDU, dentro desta pela ordem alfabética das três primeiras letras do último apelido do autor. Os documentos são arrumados da esquerda para a direita e de cima para baixo. -Material não-livro (CD, DVD, cassetes VHS/áudio): é arrumado em pastas de arquivo, estando apenas as caixas/cartonagens expostas nas estantes. - Quando retirado da estante, um documento só deverá ser arrumado pela equipa da BE. - As publicações periódicas são arrumadas numa estante própria, ficando sempre visível e pronto a ser manuseado o último número. No espaço de armazenamento de cada publicação, o primeiro número estará sempre no fundo, sendo os seguintes colocados em cima. Nota: sempre que não seja possível catalogar imediatamente um documento após o seu registo, são cumpridos de imediato os procedimentos descritos no ponto 2.2., 2.4., 2.6. (cota feita manualmente e aposta provisoriamente) e 2.7. Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 10

11 2.8. Dossiês de recortes e temáticos Como não é possível armazenar todas as revistas, jornais e outros materiais impressos que entram na BE, organizamos dossiês temáticos. O tratamento da informação faz-se mediante a seleção de assuntos pertinentes para o currículo, para a cultura geral ou para o interesse dos utilizadores. Procedimentos: - Definir os assuntos a serem tratados e criar os respetivos dossiês temáticos; - Selecionar os artigos publicados em jornais e revistas respeitando a diversidade de opiniões; - Recortar, aproveitar as folhas do jornal ou revista que vão ser abatidas ou fotocopiar, quando sejam para conservar; - Identificar a fonte, nome do jornal / revista / entidade / disciplina / projeto, e a data da publicação; - Organizar o dossiê por assuntos, de acordo com a CDU, e cronologicamente, do mais antigo para o mais recente. - Organizar ou atualizar um índice de que constará o número sequencial do documento, o título, o autor e a proveniência. Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 11

12 Capítulo III DIFUSÃO DA INFORMAÇÃO 3.1. Difusão da informação Todos os documentos novos, depois de lhes ser dada a entrada, são divulgados no espaço da BE destinado às novidades, por um período de duas a três semanas. Paralelamente, é feita a divulgação das novidades entradas na BE através dos canais habituais para o efeito: Blogue, página de Facebook, afixação na sala de professores e informação aos Departamentos Curriculares, expositores de novidades. A BE desenvolve todos os anos, no início do ano letivo ações de formação de utilizadores para os novos membros da comunidade escolar. Os guias de utilizador (fornecidos aos utilizadores no início do ano letivo) devem conter a informação básica sobre o funcionamento e organização da BE e disponibilizados na mesma em local visível. Bibliografia GUSMÃO, Armando Nobre [et al.] Regras Portuguesas de Catalogação. Lisboa: Biblioteca Nacional, UDC CONSORTIUM - CDU - Classificação Decimal Universal: tabela de autoridade / [ed. Lit.] Biblioteca Nacional. 3ªed. Abreviada em língua portuguesa com base no Master Reference File do UDC Consortium. Lisboa: BN, BLANC-MONTMAYEUR, Martine; DANSET, Françoise Lista de cabeçalhos de Assuntos para bibliotecas. Lisboa: Caminho. IFLA International standard bibliographic description (ISBD). Preliminary consolidated ed. Munchen : K.G. Saur, vol. (folhas móveis atualizáveis). Também na WWW. Modo de acesso URL: ISBN Recorreu-se ainda à informação dos seguintes Manuais de Procedimentos:. Manual de Procedimentos Grupo de Trabalho das Bibliotecas Escolares de Chaves. Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 12

13 ANEXOS ANEXO I Carimbos utilizados nas Bibliotecas do Agrupamento Biblioteca da EB1 de Miranda do Douro Biblioteca da EBS de Miranda do Douro Biblioteca da EB2,3 de Sendim Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 13

14 ANEXO II REGISTO DE ENTRADAS Exemplo da folha de recolha em suporte eletrónico. Biblioteca Escolar Registo de entrada de materiais Nº de registo Título Autor Coleção Data de Entrada Edição Nº de Volum es Data da Edição Observações Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 14

15 Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Bibliotecas Escolares REGISTO PUBLICAÇÕES PERIÓDICAS Manual de Procedimentos Bibliotecas Escolares ANEXO III REGISTO PUBLICAÇÕES PERIÓDICAS Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 15

16 ANEXO IV Módulo de catalogação PORBASE Para a descrição bibliográfica de um documento no software Porbase far-se-à de acordo com os seguintes procedimentos: a) aceder ao módulo de catalogação e pesquisa, selecionar o ícone do Catwin; b) escrever a senha de acesso na janela que se abre e carregar em OK e abre diretamente na folha de recolha, neste caso escolher a de monografias... O acesso ao CATWIN é apenas permitido a operadores registados. Cada operador possui uma identificação única e uma senha de acesso que o identifica como utilizador válido. c) criar um registo novo, aceder à barra de ferramentas e clicar no primeiro ícon da barra. Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 16

17 Barra de ferramentas As funções usadas mais frequentemente podem ser aqui encontradas. Cada botão, representado por um símbolo, corresponde a uma funcionalidade. d) preencher os campos para descrição bibliográfica do documento de acordo com as indicações do anexo V e) gravar e validar o registo. Fazer Cópia de Segurança A segurança da base de dados é um procedimento de extrema importância para a biblioteca escolar. O programa faz automaticamente cópia de segurança. No módulo de administrador definimos o dia, a hora e o local onde pretendemos guardar a cópia de segurança. Para conhecer todas as indicações sobre o programa Porbase 5 consultar o manual no seguinte endereço: Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 17

18 ANEXO V CAMPOS A PREENCHER NO MÓDULO DE CATALOGAÇÃO PORBASE (Catwin) - Registo de Monografias (0xx) ISBN (10) Número ISBN Nº. do Dep. Legal (21) Código do país Portugal /PT Número 14411/87 (1XX) Dados Gerais Process(100) Cód. Audiência 1 adulto, geral /m Língua Português /por País (102) País Portugal /PT (2XX) Título e Resp. (200) Título próprio Folhas caídas Primeiro responsável Almeida Garret Edição (205) Edição 2ª ed Publicação (210) Lugar de edição Mem Martins Nome do editor Europa-América Data de publicação Descrição física (215) Paginação 148p Coleção (225) Título próprio Livros de Bolso Europa-América Volume (3xx) Notas Notas Gerais (300) Texto da nota Título /Resp. (304) Texto da nota exemplo de um título original numa língua diferente da de publicação. Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 18

19 (6xx) Nome comum (606) Elemento de entrada Literatura portuguesa Sudivisão ass. Poesia Termos não control.(610) Elemento indexação Literatura séc. XIX CDU (675) Notação Edição BN Língua da edição por (7xx) Autor (700) Palavra ordem Garrett Outra parte nome Almeida Co-responsável (701) Palavra ordem Outra parte nome Cód. Função Responsabilidade secundária (702) Palavra de ordem Outra parte nome Cód. Função - (9xx) Cota (966) Núm. Reg Localização: EBSMD Agrupamento - AEMD Cota GAR Campos de preenchimento obrigatório; caso o documento possua informação (xxx) Campos Unimarc [1] GAR Visualização ISBD GARRET, Almeida Folhas caídas / Almeida Garret. 2ª ed. Mem Martins : Europa-América, p. (Livros de Bolso Europa-América ; 241) ISBN Literatura portuguesa Poesia 7 Literatura séc. XIX CDU Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 19

20 Registo de Vídeo campos a preencher na aplicação PORBASE (Catwin) (0xx) N.ºdo Dep.Legal (21) Código do país Portugal PT Número 1234/99 (1xx) Dados Gerais Process (100) Cód. Audiência 1 infantil, idades 9-14 /d Língua (101) Língua Português /por País (102) País Portugal /PT Proj./Vídeos/filmes (115) Dados Codif. geral Tipo de material (...) (2xx) Título e Resp. (200) Título próprio Shrek 2 Natureza do documento Registo vídeo Primeiro responsável realizado por Andrew Adamson, Kelly Asbury, conrad Vernon Edição (205) Edição Publicação (210) Lugar de edição Lisboa Nome do editor Dream Works Home Entertainment [distrib.] Data da publicação 2004 Descrição física (215) Paginação 1 DVD (ca 89 min.) Material acompanhante Coleção (225) Título próprio Volume - (3xx) Notas Título /Resp. (304) Texto da nota exemplo de um título original numa língua diferente da de publicação. Utilizadores (333) Texto da nota Maiores de 4 anos Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 20

21 (6xx) Nome comum (606) Elemento de entrada Subdivisão ass. Termos não control. (610) Elemento indexação Outras classific. (686) Notação Código sist. - FIAF (7xx) Autor (700) Palavra ordem Outra parte nome Co-responsável (701) Palavra ordem Outra parte nome Cód. Função Responsabilidade secundária (702) Palavra ordem Adamson Outra parte nome Andrew Cód. Função (9xx) Cota (966) Núm. Reg Cota DVD Campos de preenchimento obrigatório; caso o documento possua o campo 021 deverá ser utilizado. (xxx) Campos Unimarc [2] DVD Visualização ISBD SHREK 2 Shrek 2 [Registo vídeo) / realizado por Andrew Adamson, Kelly Asbury, Conrad Vernon. Lisboa : Dream Works home Entertainment [distrib.], DVD (ca 89min.). Maiores de 4 anos FIAF Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 21

22 Registo Áudio campos a preencher na aplicação PORBASE (catwin) (0xx) Nº do Dep. Legal (21) Código do país Número - (1xx) Dados gerais Process (100) Cód. Audiência 1 adulto, geral /m Língua (101) Língua Português /por País(102) País Portugal /pt Son. atrib. Físicos (126) Dados codf. geral Registo sonoro ( ) (2xx) Título e Resp. (200) Título próprio Cantigas de maio Natureza do documento Registo vídeo Primeiro responsável José Afonso Edição (205) Edição Publicação (210) Lugar de edição Lisboa Nome do editor Movieplay Portuguesa Data de publicação 1997 Descrição física (215) Paginação 1 disco (CD) Dimensões 12 cm Outras indic. Físicas digital áudio Material acomp. 1 brochura (68p.) Coleção (225) Título próprio Volume (3xx) Notas Título / Resp. (304) Texto da nota Conteúdo (327) Texto de nota Contém: Senhor arcanjo; cantigas de Maio; Milho verde; Cantar alentejano; Grândola vila morena; maio maduro Maio; Mulher da erva; Ronda dos mafarricos; coro da Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 22

23 Primavera. (6xx) Nome comum (606) Elemento de entrada Música portuguesa Subdivisão ass. Termos não controlados. (610) Elementos indexação Outras classific.(686) Notação Código sist. Tabela de Paris (7xx) Autor (700) Palavra de ordem Afonso Outra parte do nome José Co-responsável (701) Palavra de ordem Outra parte nome Cód. Função Responsabilidade secundária (702) Palavra de ordem Outra parte nome Cód. Função - (9xx) Cota(966) Núm. reg Cota 090.2AFO - Campos de preenchimento obrigatório; caso o documento possua informação o campo 021 deverá ser utilizado. (xxx) campos Unimarc [3] Visualização ISBD 090.2AFO AFONSO, José Cantigas de maio [registo sonoro] / José Afonso. lisboa : Movieplay Portuguesa, disco (CD) : digital áudio ; 12 cm.+ 1 brochura (68p.). Contém: Senhor arcanjo, cantigas de Maio; Milho verde; cantar Alentejo; Grândola vila morena; Maio maduro Maio; Mulher da erva; ronda dos Mafarricos; Coro da Primavera. Música portuguesa Tabela paris Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 23

24 Registo Multimédia campos a preencher na aplicação PORBASE (Catwin) (0xx) ISBN (10) Número ISBN Nº. do Dep. Legal (21) Código do país PT Número /02 (1xx) Dados gerais Process (100) Cód. Audiência 1 adulto, geral /m Língua (101) Língua Português /por País (102) País Portugal / PT (2xx) Título e Resp. (200) Título próprio Diciopédia 2002 Natureza do documento Documento eletrónico Primeiro responsável Porto Editora multimédia Edição (205) Edição 5ª ed. Publicação (210) Lugar de edição Porto Nome do editor Porto Editora Data de publicação 2002 Descrição física (215) Paginação 4 discos óticos (CD-ROM) em caixa Outras indic. Fisícas Color., som Dimensões 13x21x28 cm Coleção (225) Título próprio Volume - (3xx) Notas Conteúdo(327) Texto de nota - : requisitos do sistema: processador Pentium II a 233 MH de Ram ; Windows 98, 2000, Me, XP ou Windows NT 4.0 (SP6) ; placa gráfica SVGA (milhares de cores a 800x600) ; placa de som compatível CL Sound blaster (16 bit); placa gráfica (800x600) ; 220 Mb de espaço livre no disco rígido. (6xx) Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 24

25 Nome comum (606) Elemento de entrada Subdivisão ass. Termos não control. (610) Elemento indexação CDU (675) Notação Edição BN Língua da edição - por (7xx) Autor (700) Palavra ordem Outra parte nome Co-responsável (701) Palavra ordem Outra parte nome Cód. Função Responsabilidade secundária (702) Palavra ordem Porto Editora Multimédia Outra parte nome Cód. Função (9xx) Cota (966) Núm. Reg Cota 090.2AFO - Campos de preenchimento obrigatório; caso o documento possua informação o campo 010 e/ou o 21 deverão ser utilizados. (xxx) Campos Unimarc [4] 030DIC Visualização ISBD DICIOPÉDIA 2003 Diciopédia 2003 [Documento eletrónico] / Porto Editora Multimédia. 5ª ed. Porto Editora, discos óticos (CD-ROM) em caixa : Color., som ; 13x21x28 cm. - : requisitos do sistema: Processador Pentium II a 233 MH de Ram ; Windows 98, 2000, Me, XP ou Windows NT 4.0 (SP6) ; placa gráfica SVGA (milhares de cores a 800x600) ; placa de som compatível CL Sound blaster (16 bit); placa gráfica (800x600) ; 220 Mb de espaço livre no disco rígido. ISBN CDU 030 Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 25

26 ANEXO VI IMPORTAÇÃO DE REGISTOS DA BIBLIOTECA NACIONAL a) Clicando no item registo no menu, ou no ícon de importação direta na barra de ferramentas, abre uma caixa de diálogo onde se pode pesquisar um documento, prioritariamente pelo ISBN e, em segundo lugar pelo título; b) Se a pesquisa for bem sucedida, basta clicar em importar e sair. Ir ao último registo e já está a ficha relativa ao documento que importámos; Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 26

27 c) Ir ao campo 966 e preencher os dados relativos à instituição: número de registo, localização do documento, sigla do agrupamento e a cota; d) Gravar o registo importado e corrigido, clicando no símbolo gravar (segundo da barra de ferramentas); e) Editar o registo, abrindo todos os campos, para verificar se os mesmos estão preenchidos de acordo com as regras definidas no manual de procedimentos. Para visualizar todos os passos, consultar Manual Porbase 5 no seguinte endereço: IMPORTAÇÃO DE REGISTOS DA BIBLIOTECA NACIONAL Programa de catalogação PORBASE a) Através do interface com a descrição abreviada, aceder ao menu Favoritos e escolher Biblioteca nacional de Portugal (http://porbase.bnportugal.pt). b) Na caixa de diálogo, pesquisar o documento, prioritariamente pelo ISBN e em segundo lugar pelo título; c) Na lista de resultados da pesquisa efetuada, selecionar o registo que corresponde à edição do documento pretendido; d) Importar o ficheiro em formato ISO para o computador; e) Selecionar importar no menu registo e escolher o ficheiro que guardámos em formato ISSO; f) Fazer as alterações necessárias de acordo com o manual de procedimentos nomeadamente no campo 966: número de registo, localização, sigla do agrupamento e cota; g) Editar o registo, abrindo todos os campos, para verificar se os mesmos estão preenchidos de acordo com as regras definidas no manual de procedimentos e gravar. Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 27

28 ANEXO VII CLASSIFICAÇÃO DECIMAL UNIVERSAL 1º Ciclo Ensino Básico CDU Denominação Utilizar para 0. Generalidades 004 Ciências e tecnologia informáticas. Comunicação. TIC 030 Obras Gerais de referência: Enciclopédias, dicionários, etc Publicações para crianças e jovens. 1. Filosofia. Psicologia 1 Filosofia Psicologia 2. Religião 2 Religião 3. Ciências Sociais 3 Ciências sociais 32 Política 33 Economia. Ciência económica Profissões 37 Educação 39 Etnologia. Etnologia. Usos e costumes. Tradições. Modo de vida. Folclore Lendas /contos Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 28

29 4.(Vaga) 5. Matemática e Ciências Naturais 50 Ambiente, poluição 502 O meio ambiente e a sua proteção Energias Renováveis 51 Matemática Geometria 52 Astronomia. Astrologia. Investigação espacial. Geodesia 53 Física 54 Química 55 Ciências da Terra. Ciências geológicas 58 Botânica 59 Zoologia 6. Ciências aplicadas. Medicina. Tecnologia 61 Ciências médicas 62 Engenharia. Tecnologia em geral 63 Agricultura. Ciências agrárias e técnicas relacionadas. Silvicultura. Explorações agrícolas. Exploração da vida selvagem 64 Economia doméstica. Ciências domésticas Culinária 7. Arte. Recreação. Entretenimento. Desporto 70 Arte (Generalidades) 74 Desenho. Design. Artes e ofícios aplicados 75 Pintura 78 Música 79 Divertimentos. Espetáculos. Jogos. Desportos. 791 Cinema. Filmes Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro Página 29

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS ÍNDICE Índice ------------------------------------------------------------------------------------------------ 2 Introdução -----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Biblioteca Escolar Mestre Martins Correia. Organização do Fundo Documental

Biblioteca Escolar Mestre Martins Correia. Organização do Fundo Documental Biblioteca Escolar Mestre Martins Correia Organização do Fundo Documental Organização do fundo documental Utilização do Sistema de Classificação Decimal Universal (CDU), reforçada por uma classificação

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Procedimentos 2007/2008 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO.. 3 1. Selecção/Aquisição do Fundo Documental...4 2. Tratamento técnico do acervo: procedimentos..5 2.1-Carimbagem.....5 2.1.1-Documentos impressos:

Leia mais

PESQUISA NO CATÁLOGO BIBLIOBASE

PESQUISA NO CATÁLOGO BIBLIOBASE PESQUISA NO CATÁLOGO BIBLIOBASE 1. Seleccionar, no ambiente de trabalho do computador, o ícone OPAC Módulo de Pesquisa Local para efectuar uma pesquisa. OPAC - Online Public Access Catalog. 2. Para abrir

Leia mais

Como arrumar um documento na estante?

Como arrumar um documento na estante? Como arrumar um documento na estante? Documento de Apoio à equipa das Bibliotecas Escolares do 1º ciclo e Jardins-de-infância do concelho de Torres Vedras S.A.B.E. de Torres Vedras Março 2010 CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA

ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA NOTA INTRODUTÓRIA A organização da colecção da biblioteca escolar da ESARS, de consulta em livre acesso, exige que os sistemas de arrumação permitam uma fácil

Leia mais

(CLASSIFICAÇÃO DECIMAL UNIVERSAL. Tabela Para o Ensino Básico

(CLASSIFICAÇÃO DECIMAL UNIVERSAL. Tabela Para o Ensino Básico (CLASSIFICAÇÃO DECIMAL UNIVERSAL Tabela Para o Ensino Básico 0 GENERALIDADES 001 Ciência e conhecimento em geral. Ciência e Tecnologia Informáticas 004 Computadores. Informática. Internet 004.3 Equipamento

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR DO CENTRO DE RECURSO EDUCATIVOS

MANUAL DO UTILIZADOR DO CENTRO DE RECURSO EDUCATIVOS MANUAL DO UTILIZADOR DO CENTRO DE RECURSO EDUCATIVOS Índice: Introdução 3 Acesso aos recursos bibliográficos 3 Circuito documental 3 O que é o catálogo bibliográfico? 4 Como entrar no catálogo bibliográfico?

Leia mais

Tema. Subtema. Subtema. Subtema

Tema. Subtema. Subtema. Subtema Agrupamento de Escolas de Lamaçães Agrupamento de Escolas de Lamaçães Tema Subtema Subtema Subtema Agrupamento de Escolas de Lamaçães 1.1 Planificação 1.2 Recolha e Organização da informação 1.3 Preparação

Leia mais

Tratamento documental. Maritza Dias / Rosário Caldeira Coordenadoras Interconcelhias RBE

Tratamento documental. Maritza Dias / Rosário Caldeira Coordenadoras Interconcelhias RBE Tratamento documental Conteúdos I. Manual de procedimentos II. Definição de conceitos: colecção e documentos III. Circuito documental IV. Tratamento documental 1. Registo 2. Carimbagem 3. Catalogação 4.

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO MANUAL DE PROCEDIMENTOS

BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO MANUAL DE PROCEDIMENTOS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO MANUAL DE PROCEDIMENTOS INTRODUÇÃO O presente manual de procedimentos institui um conjunto de normas referenciais para a realização das diferentes tarefas, contribuindo,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MIRANDA DO DOURO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MIRANDA DO DOURO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDA DO DOURO REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES 1 CAPÍTULO I ARTº. 1 DEFINIÇÃO DA BE/CRE O Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro dispõe de três BE/CRE, uma em cada escola:

Leia mais

Manual de Procedimentos de Catalogação do SABE da Biblioteca Municipal de Torres Vedras

Manual de Procedimentos de Catalogação do SABE da Biblioteca Municipal de Torres Vedras Manual de Procedimentos de Catalogação do SABE da Biblioteca Municipal de Torres Vedras Junho 2009 SUMÁRIO Introdução. 3 Circuito documental. 4 Aquisição do documento. 5 Registo ou Inventário. 5 Carimbagem...

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 Biblioteca Escolar GIL VICENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA GIL VICENTE EB1 CASTELO BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 As atividades constantes do presente

Leia mais

C O M O L O C A L I Z A R D O C U M E N T O S N A S E S T A N T E S D O C D I?

C O M O L O C A L I Z A R D O C U M E N T O S N A S E S T A N T E S D O C D I? C O M O L O C A L I Z A R D O C U M E N T O S N A S E S T A N T E S D O C D I? Sumário Monografias... 2 Plano de classificação... 2 Cotação... 3 Ordenação das monografias nas estantes/prateleiras... 4

Leia mais

Agrupamento Vertical de Ourique

Agrupamento Vertical de Ourique Agrupamento Vertical de Ourique Biblioteca Escolar - Centro de Recursos e Aprendizagem MANUAL DE PROCEDIMENTOS DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES Sempre imaginei que o paraíso fosse uma espécie de biblioteca. 1

Leia mais

ÍNDICE DE TERMOS. Livro

ÍNDICE DE TERMOS. Livro ÍNDICE DE TERMOS Acervo Bibliográfico Autor Bibliografia Base de dados Bibliográfica Bibliografia Bibliotecário Biblioteca Biblioteca digital, electrónica ou virtual Biblioteconomia Catálogo Catálogo coletivo

Leia mais

BIBLIOTECA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA PERGUNTAS FREQUENTES

BIBLIOTECA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA PERGUNTAS FREQUENTES BIBLIOTECA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA PERGUNTAS FREQUENTES CARTÃO DE LEITOR 1- Efectuar a inscrição como leitor? Para poder efectuar a inscrição como leitor, tem de residir no concelho. Os não residentes

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz Escola EB 2,3 Dr. João de Barros Escola EB 1 de Abadias Escola EB1 da Gala

Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz Escola EB 2,3 Dr. João de Barros Escola EB 1 de Abadias Escola EB1 da Gala 0 Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz Escola EB 2,3 Dr. João de Barros Escola EB 1 de Abadias Escola EB1 da Gala Regulamento das Bibliotecas Escolares Centro de Recursos Educativos

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA REDE CONCELHIA DE BIBLIOTECAS DE ESPINHO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA REDE CONCELHIA DE BIBLIOTECAS DE ESPINHO BIBLIOTECA MUNICIPAL JOSÉ MARMELO E SILVA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA REDE CONCELHIA DE BIBLIOTECAS DE ESPINHO 2011 SUMÁRIO Prólogo... 3 Apresentação... 4 Organigrama... 5 1. Objetivos gerais da Biblioteca

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS ESTANTES

CLASSIFICAÇÃO DAS ESTANTES CLASSIFICAÇÃO DAS ESTANTES 2006 1 0 Generalidades. Documentação 00 Ciência e conhecimento em geral Investigação científica Metodologia da pesquisa Métodos de estudo ver 37.04 Metrologia Organização do

Leia mais

CATÁLOGOS EM GERAL (bibliografias, bibliografias colectivas, catálogos de assuntos, listas de obras, índices analíticos, inventários de colecções )

CATÁLOGOS EM GERAL (bibliografias, bibliografias colectivas, catálogos de assuntos, listas de obras, índices analíticos, inventários de colecções ) CDU CLASSIFICAÇÃO E ARRUMAÇÃO DAS ESPÉCIES DOCUMENTAIS Observações 0 GENERALIDADES. CULTURA. BIBLIOTECONOMIA 001 001 CIÊNCIA E CONHECIMENTO EM GERAL. INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA 004 004 CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº.: S-DGE/2015/1571 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Para:

CIRCULAR. Circular nº.: S-DGE/2015/1571 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Para: CIRCULAR Data: 2015/05/08 Circular nº.: S-DGE/2015/1571 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Assunto: Adoção de manuais escolares com efeitos no ano letivo de 2015/2016 Para: Secretaria Regional Ed. dos Açores Secretaria

Leia mais

BRIP. Índice. I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05

BRIP. Índice. I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05 BRIP Índice I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05 1 Aulas interativas 05 2 E-manuais 09 Temas 09 Pesquisa global de Recursos Educativos Digitais 11.1 Pesquisa

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES. Agrupamento de Escolas da Bemposta

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES. Agrupamento de Escolas da Bemposta NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES Agrupamento de Escolas da Bemposta PRINCÍPIOS GERAIS Objetivo O presente conjunto de Normas de Funcionamento define os princípios que devem ser conhecidos

Leia mais

Apresentação!!!!!! A Biblioteca Central da Universidade Paranaense é responsável pela Biblioteca do Campus Tiradentes, Biblioteca do Hospital

Apresentação!!!!!! A Biblioteca Central da Universidade Paranaense é responsável pela Biblioteca do Campus Tiradentes, Biblioteca do Hospital Apresentação!!!!!! A Biblioteca Central da Universidade Paranaense é responsável pela Biblioteca do Campus Tiradentes, Biblioteca do Hospital Veterinário e também dos multicampi nas cidades de Guaíra,

Leia mais

R E G I M E N T O D A S B I B L I O T E C A S E S C O L A R E S D O A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S S Á D E M I R A N D A ( B E A S M )

R E G I M E N T O D A S B I B L I O T E C A S E S C O L A R E S D O A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S S Á D E M I R A N D A ( B E A S M ) Ano Letivo 2014/2015 R E G I M E N T O D A S B I B L I O T E C A S E S C O L A R E S D O A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S S Á D E M I R A N D A ( B E A S M ) [Agrupamento de Escolas Sá de Miranda]

Leia mais

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor 20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor Manual do Utilizador Professor... 1 1. Conhecer o 20 Escola Digital... 4 2. Autenticação... 6 2.1. Criar um registo na LeYa Educação... 6 2.2. Aceder ao

Leia mais

Referencial do Módulo B

Referencial do Módulo B 1 Referencial do Módulo B Liga, desliga e reinicia correctamente o computador e periféricos, designadamente um scanner; Usa o rato: aponta, clica, duplo-clique, selecciona e arrasta; Reconhece os ícones

Leia mais

1. Biblioteca. 2. Infra-Estrutura. 2.1 Espaço físico

1. Biblioteca. 2. Infra-Estrutura. 2.1 Espaço físico Biblioteca UPIS 1 SUMÁRIO 1. Biblioteca... 3 2. Infra-Estrutura... 3 2.1 Espaço físico... 3 Campus I... 3 Instalações para estudos individuais... 3 Instalações para estudos em grupo... 3 3. Acervo Bibliográfico...

Leia mais

Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira

Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira Bibliotecária Juliana Ribeiro de Campos Solla CRB-8 201/2013 Provisório Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8:00 h às 12:00 h e das 17:00 h às 21:00

Leia mais

MANUAL DO CatBib* * Este manual deve ser usado junto com o Sistema Bibliodata Online. Elaborado por: Maria do Socorro Gomes de Almeida e Edwin Hübner

MANUAL DO CatBib* * Este manual deve ser usado junto com o Sistema Bibliodata Online. Elaborado por: Maria do Socorro Gomes de Almeida e Edwin Hübner MANUAL DO CatBib* Elaborado por: Maria do Socorro Gomes de Almeida e Edwin Hübner RIO DE JANEIRO 2002 * Este manual deve ser usado junto com o Sistema Bibliodata Online SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 3 2. ENTRADA

Leia mais

O produto. Caraterísticas gerais e arquitetura do sistema

O produto. Caraterísticas gerais e arquitetura do sistema sistema integrado de processamento e gestão bibliográfica - versão 2012 Informática Formação e Serviços, Lda - Web: http://www.bibliosoft.pt Email: bibliosoft@bibliosoft.pt O produto O sistema biblio.net

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACCENTRO PORTO ALEGRE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACCENTRO PORTO ALEGRE BIB001 MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACCENTRO PORTO ALEGRE Rua Mal. Floriano Peixoto, 185 8º andar Porto Alegre/RS e-mail: biblioteca@faccentro.com.br SUMÁRIO 1. DO REGULAMENTO

Leia mais

Iniciar. guia de utilização

Iniciar. guia de utilização Iniciar guia de utilização versão 2011.09 Setembro 2011 Ficha técnica Título biblio.net Iniciar : guia de utilização Autor António Manuel Freire Co-Autor Licínia Santos Colaboração Rui Pina, Paulo Almeida

Leia mais

RESUMO DE CATALOGAÇÃO

RESUMO DE CATALOGAÇÃO RESUMO DE CATALOGAÇÃO CLASSIFICAÇÃO DISTINTA Contatos: Cirineo Zenere (c.zenere@pucpr.br) Eulália M. Soares (eulalia.soares@pucpr.br) Josilaine O. Cezar (josilaine.cezar@pucpr.br) SUMÁRIO INICIANDO A CATALOGAÇÃO...2

Leia mais

Escolas João de Araújo Correia

Escolas João de Araújo Correia Escolas João de Araújo Correia Regulamento Interno das Bibliotecas Escolares/ Centro de Recursos Educativos Artigo 1º Definição As Bibliotecas Escolares/Centro de Recursos Educativos do Agrupamento Dr.

Leia mais

Classificação Decimal Universal Números e esquemas de classificação mais usados para acervos de bibliotecas escolares Ilário Zandonade 18/04/2014

Classificação Decimal Universal Números e esquemas de classificação mais usados para acervos de bibliotecas escolares Ilário Zandonade 18/04/2014 Classificação Decimal Universal Números e esquemas de classificação mais usados para acervos de bibliotecas escolares Ilário Zandonade 18/04/2014 1. Números Auxiliares 1 1.1 - Línguas =111 Inglês =112.2

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES DE MAGALHÃES. Escola Básica Pedro Jacques de Magalhães. Biblioteca Escolar

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES DE MAGALHÃES. Escola Básica Pedro Jacques de Magalhães. Biblioteca Escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES DE MAGALHÃES Escola Básica Pedro Jacques de Magalhães Biblioteca Escolar janeiro de 2013 1.1 Caracterização A BE integra o programa RBE desde 1999. É um centro de recursos

Leia mais

GUIÃO PARA A REALIZAÇÃO DE TRABALHOS DE PESQUISA

GUIÃO PARA A REALIZAÇÃO DE TRABALHOS DE PESQUISA GUIÃO PARA A REALIZAÇÃO DE TRABALHOS DE PESQUISA Para enfrentares os desafios sociais que hoje te são colocados, deverás ser capaz de usar a informação de que dispões para a transformar em conhecimento.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DE BIBLIOTECAS PORBASE 5

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DE BIBLIOTECAS PORBASE 5 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DE BIBLIOTECAS PORBASE 5 O sistema PORBASE 5, versão 1.6, desenvolvido pela Mind em parceria com a Biblioteca Nacional, tem como objectivo satisfazer os requisitos de gestão

Leia mais

CDU - Classificação Decimal Universal

CDU - Classificação Decimal Universal CDU - Classificação Decimal Universal 0 GENERALIDADES 00 Prolegómenos. Fundamentos da Ciência e da Cultura 001 Ciência e conhecimentos em geral 002 Documentação. Documentos em geral 002/42 Documentação.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO BEESAP

REGIMENTO INTERNO BEESAP ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3.º CICLO DE ADOLFO PORTELA ÁGUEDA REGIMENTO INTERNO BEESAP I DEFINIÇÃO E ESPAÇOS A Biblioteca Escolar da Escola Secundária C/ 3.º Ciclo de Adolfo Portela é uma estrutura que recolhe

Leia mais

UNIDADE 1. TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO

UNIDADE 1. TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO UNIDADE 1. TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO Conteúdos Competências Gerais Competências essenciais (X 45 min) Capacidade de diálogo e de organização. Considerações gerais sobre a disciplina e

Leia mais

... Calendarização: 2 blocos de 90 m Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... Calendarização: 2 blocos de 90 m Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 7º ANO... 1º Período Domínio INFORMAÇÃO I7 A Informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias

Leia mais

Escola Secundária de Amora Seixal

Escola Secundária de Amora Seixal Escola Secundária de Amora Seixal DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) TIC TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º ANO TURMAS: 7A E 7B ANO LETIVO 2014-2015 P R O P

Leia mais

20 Aula Digital Manual do Utilizador do Professor

20 Aula Digital Manual do Utilizador do Professor 20 Aula Digital Manual do Utilizador do Professor Versão 1.0 Índice I. Começar a utilizar o 20 Aula Digital... 4 1. Registo... 4 2. Autenticação... 4 2.1. Recuperar palavra-passe... 5 II. Biblioteca...

Leia mais

Centro de Recursos Educativos - Listagem de Software Educativo

Centro de Recursos Educativos - Listagem de Software Educativo 1 13-01-2009] Centro de Recursos Educativos - Listagem de Software Educativo Número Tema Subtema Título Suporte Observ. 01.001 Generalidades Catálogo Catálogo de documentação - Bibliotecas Escolares (+1

Leia mais

DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA

DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA Descrição da biblioteca quanto ao seu acervo de livros e periódicos, por área de conhecimento, política de atualização e informatização, área física disponível e formas de acesso e utilização. DESCRIÇÃO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/ CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/ CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/ CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS I HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO O horário de funcionamento da biblioteca deve ser tendencialmente

Leia mais

Módulo de Estatísticas MANUAL DO UTILIZADOR

Módulo de Estatísticas MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.4 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. REQUISITOS DO SISTEMA 3 3. CONTROLOS GERAIS DO WINDOWS 4 3.1 ESTRUTURA HIERÁRQUICA 4 3.2 CONTROLO DE DATA 5 4. INÍCIO DA UTILIZAÇÃO 8 5. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 7.º ANO DE T.I.C. 7.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno deve ser capaz de: - desenvolver capacidades na utilização das tecnologias de informação e comunicação que permitam uma literacia digital

Leia mais

Manual de Apoio Microsoft Office Excel 2010

Manual de Apoio Microsoft Office Excel 2010 INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, IP DELEGAÇÃO REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE SANTARÉM MODALIDADE: Formação Modular (VIDA ATIVA) Local: BOMBARRAL

Leia mais

Aoyama Gakuin University

Aoyama Gakuin University Tókio, Japão. Aoyama Gakuin University http://www.aoyama.ac.jp/en/undergraduate/ Faculdade de Literatura: Inglês Língua e Literatura Francesa Língua e Literatura Japonesa História Artes Comparadas Faculdade

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA BÁSICA DO 1º CICLO DO CASTELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA BÁSICA DO 1º CICLO DO CASTELO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA BÁSICA DO 1º CICLO DO CASTELO BIBLIOTECA ESCOLAR REGIMENTO NORMAS DE FUNCIONAMENTO - TRIÉNIO 2010/2013 - EB1 do Castelo Rua Flores de Santa Cruz, 14 1100-245 Lisboa

Leia mais

Regulamento da(s) Biblioteca(s)

Regulamento da(s) Biblioteca(s) Regulamento da(s) Biblioteca(s) Capítulo I Artigo 1.º A do Agrupamento de Escolas de Alfena é, de acordo com o artigo 111.º do Regulamento Interno do Agrupamento, um núcleo da organização pedagógica do

Leia mais

tabela de classificação de assuntos 1. fundo geral 2. fundo infantil 3. fundo juvenil 4. fundo local 5. fundo áudio 6. fundo vídeo

tabela de classificação de assuntos 1. fundo geral 2. fundo infantil 3. fundo juvenil 4. fundo local 5. fundo áudio 6. fundo vídeo tabela de classificação de assuntos 1. fundo geral 2. fundo infantil 3. fundo juvenil 4. fundo local 5. fundo áudio 6. fundo vídeo Fundo geral FG 0 0 GENERALIDADES. ENCICLOPÉDIAS. DICIONÁRIOS. INFORMÁTICA

Leia mais

Guia de utilização. Acesso Universal

Guia de utilização. Acesso Universal Guia de utilização Março de 2009 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 4 Área de Trabalho... 5 Apresentar Propostas... 12 Classificar Documentos... 20 Submeter a Proposta... 21 Solicitação de Esclarecimentos/Comunicações...

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação 7.º Ano

Tecnologias da Informação e Comunicação 7.º Ano ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DA RAÍNHA SANTA ISABEL, ESTREMOZ Tecnologias da Informação e Comunicação 7.º Ano Planificação Anual Ano letivo 2015/2016 Professora: Maria dos Anjos Pataca Rosado Domínio: Informação

Leia mais

Manual de Utilização do Easy Reader versão 6

Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 Página 1 Índice Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 1 O que é o EasyReader? 4 Abrir um livro 5 Abrir um novo livro de um CD/DVD 5 Abrir um novo livro

Leia mais

GUIA DOCÊNCIA PARA A QUALIFICAÇÕES PROFISSIONAIS. Janeiro de 2002 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO

GUIA DOCÊNCIA PARA A QUALIFICAÇÕES PROFISSIONAIS. Janeiro de 2002 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO GUIA Janeiro de 2002 QUAIFICAÇÕES PROFISSIONAIS PARA A DOCÊNCIA 1º, 2º E 3º CICOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO Direcção-Geral da Administração Educativa QUAIFICAÇÕES PROFISSIONAIS PARA A DOCÊNCIA

Leia mais

Áreas e Sub-Áreas de Formação CIME

Áreas e Sub-Áreas de Formação CIME de Formação CIME e Sub- de Formação CIME Sub- 09. Desenvolvimento Pessoal 090. Desenvolvimento Pessoal 14.Formação de Professores/Formadores e Ciências da Educação 141.Formação de Professores e Formadores

Leia mais

Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante)

Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante) Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante) 1. Introdução I 2. Primeiros passos I 3. Unidade Curricular I 4. Recursos e atividades O e-campus do ISPA - Instituto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA Escola Sede Escola Secundária de Lousada Código de Agrupamento - 151518 CALENDÁRIO - 2013/2014 1º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA Escola Sede Escola Secundária de Lousada Código de Agrupamento - 151518 CALENDÁRIO - 2013/2014 1º CICLO 1º CICLO PROVAS FINAIS - 1ª FASE 19/05/2014 21/05/2014 Português (Código 41) Português (Código 31) Prova Oral - 12h* Matemática (Código 42) Matemática (Código 32) PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 1ª

Leia mais

LeYa Educação Digital

LeYa Educação Digital Índice 1. Conhecer o 20 Aula Digital... 4 2. Registo no 20 Aula Digital... 5 3. Autenticação... 6 4. Página de entrada... 7 4.1. Pesquisar um projeto... 7 4.2. Favoritos... 7 4.3. Aceder a um projeto...

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DAS UNIDADES DIDÁTICAS DO MANUAL (8º ano Turmas A B e C)

PLANIFICAÇÃO DAS UNIDADES DIDÁTICAS DO MANUAL (8º ano Turmas A B e C) ESCOLA E.B. 2,3/S DE VILA FLOR Disciplina: Tecnologias da Informação e Comunicação PLANIFICAÇÃO DAS UNIDADES DIDÁTICAS DO MANUAL (8º ano Turmas A B e C) UNIDADES OBJETIVOS GERAIS CONTEÚDOS DESCRITORES

Leia mais

Manual de Funções. Centro de Documentação e Informação CEDOC-ESEV

Manual de Funções. Centro de Documentação e Informação CEDOC-ESEV Centro de Documentação e Informação CEDOC-ESEV ÍNDICE Pág. Apresentação 3 Equipa do centro de Documentação e Informação 4 Serviços 6 Serviço de Aquisições 6 Serviço de Tratamento Técnico documental 7 Catalogação

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. Reservados todos

Leia mais

BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR

BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR ÍNDICE Biblioteca ANACOM - Manual do utilizador... 2 Página de entrada... 3 Barra de menus da Biblioteca ANACOM... 3 Tipos de pesquisa... 3 Pesquisa simples... 3

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4696 Diário da República, 1.ª série N.º 151 7 de agosto de 2013 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 252/2013 de 7 de agosto A 2.ª edição do Programa de Estágios Profissionais na Administração Pública

Leia mais

Regimento das Bibliotecas Escolares

Regimento das Bibliotecas Escolares Regimento das Bibliotecas Escolares Escola Básica de Tondela Escola Secundária 3ºciclo de Molelos Escola Básica de Lajeosa do Dão Ano Letivo 2013/2014 Fundar Bibliotecas era construir celeiros públicos,

Leia mais

USEWIN Módulo de Empréstimos MANUAL DO UTILIZADOR

USEWIN Módulo de Empréstimos MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.5 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...5 2. REQUISITOS DO SISTEMA...6 3. CONTROLOS GERAIS DO WINDOWS...7 3.1 ESTRUTURA HIERÁRQUICA... 7 3.2 CONTROLO DE DATA... 8 4. INÍCIO DA UTILIZAÇÃO...11

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação 9º ANO. Escola Básica José Afonso. Professora Marta Caseirito

Tecnologias da Informação e Comunicação 9º ANO. Escola Básica José Afonso. Professora Marta Caseirito Tecnologias da Informação e Comunicação 9º ANO Escola Básica José Afonso Professora Marta Caseirito Grupo 1 1. As questões seguintes são de escolha múltipla. Nas afirmações seguintes assinale com X aquela

Leia mais

REGULAMENTO. O concurso "Jovens Criadores", visa incentivar e promover valores emergentes de diferentes áreas artísticas.

REGULAMENTO. O concurso Jovens Criadores, visa incentivar e promover valores emergentes de diferentes áreas artísticas. 15 JOVENS CRIADORES REGULAMENTO O concurso "Jovens Criadores", visa incentivar e promover valores emergentes de diferentes áreas artísticas. As áreas a concurso são: Artes Plásticas, Artes Digitais, Banda

Leia mais

PLANOS de ESTUDO. Ensino Secundário Diurno Ano Letivo 2015/2016

PLANOS de ESTUDO. Ensino Secundário Diurno Ano Letivo 2015/2016 PLANOS de ESTUDO Ensino Secundário Diurno Ano Letivo 2015/2016 Rua Doutor Manuel de Arriaga 8004-070 Faro Telefone: 289889570; Fax: 289889580 direcao.agrupamento@agr-tc.pt www.agr-tc.pt CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS

Leia mais

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM De visita à Biblioteca do Professor José Mattoso: o que não sabemos e devemos saber Judite A. Gonçalves de Freitas FCHS-UFP Mértola- 16. Março.

Leia mais

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Nome da Empresa: DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS (DIEESE) PROJETO: PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRA/IICA/03/005 PARTICIPAÇÃO SOCIAL NÚMERO DO CONTRATO: 205037 TEMA:

Leia mais

Estrutura de um endereço de Internet

Estrutura de um endereço de Internet Barras do Internet Explorer Estrutura de um endereço de Internet Na Internet, cada servidor tem uma identificação única, correspondente ao endereço definido no IP (Internet Protocol). Esse endereço é composto

Leia mais

CALENDÁRIO DE EXAMES DA ÉPOCA NORMAL. Ano Letivo 2014/2015-2º SEMESTRE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO

CALENDÁRIO DE EXAMES DA ÉPOCA NORMAL. Ano Letivo 2014/2015-2º SEMESTRE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO 1º ANO Cultura Literária 19.06 10h00 2.21 Métodos e Técnicas de Investigação 15.06 14h30 2.26 Língua Estrangeira II Inglês 18.06 10h00 94 Língua Estrangeira II Francês 18.06 10h00

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

Programa Inovar Alunos e Inovar Profissional - Sumários, Faltas e Comportamento

Programa Inovar Alunos e Inovar Profissional - Sumários, Faltas e Comportamento Programa Inovar Alunos e Inovar Profissional - Sumários, Faltas e Comportamento 1A. Programa Inovar Alunos - Fazer sumários e marcar faltas 1. O sumário e a marcação de faltas, no Inovar Alunos, deve ser

Leia mais

Microsoft Access. Nível I. Pedro Fernandes

Microsoft Access. Nível I. Pedro Fernandes Microsoft Access Nível I Introdução Objectivos Introdução; Criar tabelas; Fazer consultas; Elaborar formulários; Executar relatórios. 2 Introdução aos Sistemas de Gestão de Bases de Dados (SGBD) Desde

Leia mais

DESPACHO. Nº. 14 Data: 2014/05/14 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente. ASSUNTO: - Regulamento da Biblioteca - Alteração

DESPACHO. Nº. 14 Data: 2014/05/14 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente. ASSUNTO: - Regulamento da Biblioteca - Alteração DESPACHO Nº. 14 Data: 2014/05/14 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento da - Alteração Com o intuito de normalizar procedimentos referente ao funcionamento

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Outubro de 2003 ISBN: 972-8426-73-9 Depósito legal: 201828/03

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Outubro de 2003 ISBN: 972-8426-73-9 Depósito legal: 201828/03 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. * O leitor consente,

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

1.4.4 Configurar serviços de armazenamento

1.4.4 Configurar serviços de armazenamento 1.4.4 Configurar serviços de armazenamento Esta versão do Office permite guardar os documentos na nuvem do OneDrive, de modo que possa posteriormente aceder aos seus conteúdos a partir de qualquer dispositivo

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Tecnologias da Informação e Comunicação UNIDADE 1 Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico 1º Período Elementos básicos da interface gráfica do Windows (continuação).

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. GINESTAL MACHADO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. GINESTAL MACHADO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. GINESTAL MACHADO 3º Ciclo do Ensino Básico Planificação Ano letivo: 2013/2014 Disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação Ano:7º Conteúdos Objectivos Estratégias/Actividades

Leia mais

Regulamento Interno AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012. Introdução

Regulamento Interno AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012 Regulamento Interno Introdução A Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Martim de Freitas é parte integrante do processo educativo

Leia mais

ENSINO BÁSICO CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Praticas Administrativas

ENSINO BÁSICO CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Praticas Administrativas Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes ENSINO BÁSICO CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Praticas Administrativas ESCOLA: Dr. Solano de Abreu DISCIPLINA:TIC ANO: 1 ANO 2013/2014 CONTEÚDOS Conceitos básicos Informática

Leia mais

LILDBI-Web. Objetivo: Aplicar as funcionalidades do LILDBI-Web para alimentação de bases de dados bibliográficas. Conteúdos desta aula

LILDBI-Web. Objetivo: Aplicar as funcionalidades do LILDBI-Web para alimentação de bases de dados bibliográficas. Conteúdos desta aula LILDBI-Web Objetivo: Aplicar as funcionalidades do LILDBI-Web para alimentação de bases de dados bibliográficas. Conteúdos desta aula LILDBI-Web: conceitos Criação de novos usuários no sistema Perfis de

Leia mais

Guião para as ferramentas etwinning

Guião para as ferramentas etwinning Guião para as ferramentas etwinning Registo em etwinning Primeiro passo: Dados de quem regista Segundo passo: Preferências de geminação Terceiro passo: Dados da escola Quarto passo: Perfil da escola Ferramenta

Leia mais

BE ESML 2010/2011 TRABALHO DE PESQUISA? Índice

BE ESML 2010/2011 TRABALHO DE PESQUISA? Índice Índice Como elaborar um trabalho?... 3 Fases de elaboração de um trabalho... 3 1. Definição do tema... 4 2. Elaboração de um plano de trabalho... 4 3. Recolha de informação... 4 3.1. Bibliotecas... 5 3.2.

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais

EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário

EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário 2014 / 2015 Ano Letivo EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário * Estabelecimento de ensino integrado na rede pública. Financiado pelo Ministério da Educação ao abrigo do

Leia mais

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJETO POR ORGANIZAÇÃO

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJETO POR ORGANIZAÇÃO 1/5 BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJETO POR ORGANIZAÇÃO (nº SM) Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Solicito a inserção do presente projeto no Banco Local de Voluntariado

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

Manual de Utilização do Livromédia

Manual de Utilização do Livromédia Manual de Utilização do Livromédia Índice O que é o Livromédia? 3 Como está organizado o Livromédia? 4 Barra de conteúdos 5 Barra de navegação 6 Botões da barra de navegação 7 Barra de ferramentas 8 Botões

Leia mais