MAPEAMENTO DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DO CONCELHO DE COIMBRA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPEAMENTO DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DO CONCELHO DE COIMBRA"

Transcrição

1 MAPEAMENTO DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DO CONCELHO DE COIMBRA Coordenação Helena Neves Almeida Março de 2014

2 MAPEAMENTO DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DO CONCELHO DE COIMBRA Ficha Técnica Coordenação: Helena Neves Almeida (FPCEUC) Investigadores (FPCEUC); Helena Neves Almeida, Cristina Pinto Albuquerque, Clara Cruz Santos Colaboratores (Voluntários Qualificados do OCIS/FPCEUC): Vera Joaquim (excel expert); Elsa Ferreira (coordenadora dos voluntários) Voluntários do OCIS (estudantes da FPCEUC) Ana Rita Pereira, Ana Filipa Silva, Carolina Viegas, Tânia Raquel, Teresa Almeida, Vera Cristovão Elaboração do Relatório: Vera Joaquim (ASOS) Março de

3 ÍNDICE PAG. O PROJETO ABSCM 5 NOTA INTRODUTÓRIA 9 1. Caracterização geral da Dinâmica Populacional do Concelho de Coimbra Caracteristicas das Organizações Sociais do Concelho de Coimbra Disseminação dos resultados 20 REFERÊNCIAS BIBÍOGRÁFICAS 21 ANEXOS 23 ÍNDICE DE FIGURAS PAG. Figura 1. Concelho de Coimbra 11 Figura 2. Processo de construção de tipologias de organizações 16 ÍNDICE DE GRÁFICOS PAG. Gráfico 1. Evolução da População Residente (N.º) por local de residência 12 Gráfico 2. Taxa bruta da Natalidade ( ) por Local de residência 12 Gráfico 3. Evolução dos Núcleos familiares (N.º) por Número de Filhos 13 3

4 Gráfico 4. População residente (%) por Local de residência e Ciclos de vida 13 Gráfico 5. Evolução da População residente (N.º) por Grupos etários 14 Gráfico 6. Evolução do índice de Envelhecimento (N.º) por local de residência 14 Gráfico 7. Organizações Sociais (%) no Concelho de Coimbra 16 Gráfico 8. Tipologia das Organizações Sociais (%) no Concelho de Coimbra. 17 Gráfico 9. Respostas Sociais (%) no Concelho de Coimbra. 17 Gráfico 10. Respostas Sociais por Áreas de Intervenção (%) 18 Gráfico 11. Capacidade das Organizações por Áreas de Intervenção (%) 19 Gráfico 12. Recursos Sociais (Nr) 19 Gráfico 13. População-alvo das Organizações Sociais (%) 19 Gráfico 14. Capacidade das Organizações Sociais Vs População-alvo (%) 20 4

5 O PROJETO ABSCM Advisory Bureau of Social and Community Mediation (ABSCM) Grundtvig Programme ( PT1-GRU ) O Projeto Grundtvig iniciado em 2012, está alocado no Observatório da Cidadania e Intervenção Social (OCIS) da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. Resulta de uma parceria transnacional que agrega 8 parceiros representantes de sete países (Portugal, Itália, França, Espanha, Alemanha, Suiça e Reino Unido), formando um conjunto de especialistas em mediação, de quatro organizações sociais de formação ao longo da vida, designadamente: Health Psychology Management Organization Services (HP-MOS), Institut Saumurois de la Communication (ISC), Soltar Os Sentidos (ASOS) e Centro Studi e Formazione Villa Montesca (CSFVM); e quatro Universidades Europeias: Universidad Pública de Navarra em consorcio com GINKO, University of Applied Sciences (Bachelor & Master In Social Work) - Haute Ecole Spécialisée de Suisse Occidentale Valais, Saarland University s Center For Lifelong Learning e a Universidade de Coimbra, que coordena o projeto. Na última década o estudo e a prática da mediação estendeu-se a vários campos, e foram revelando diferentes perfis e reivindicando competências profissionais complexas e renovadas estratégias de ação. Em sintonia com as preocupações e as orientações da União Europeia, temos assistido à afirmação do valor da mediação como um modo alternativo de resolução de conflitos, cujos objetivos e os processos são tão diversas quanto as áreas de focalização. As razões para o seu renovado interesse e destaque social, político, educacional e cultural estão associadas principalmente com a complexidade dos atuais problemas, expectativas, políticas e sistemas de intervenção. O aprofundamento do sistema democrático, a globalização económica e o desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação têm dado um novo impulso às dinâmicas sociais, com especial enfase na transformação das relações entre os cidadãos e entre estes e os serviços e empresas. 5

6 Este projeto envolve a Criação de um Grupo Consultivo no âmbito da Mediação Social e Comunitária, o ADVISORY BUREAU FOR SOCIAL AND COMMUNITY MEDIATION (ABSCM), mobilizado por uma lógica participativa e multidisciplinar adequada à natureza e multidimensionalidade dos conflitos sociais, econômicos, políticos e interpessoais e à diversidade de atores envolvidos. Esse fator aumenta a variedade de públicos-alvo em termos de formação, investigação e intervenção, o que é uma maisvalia para a implementação ABSCM. Este projeto implica uma forte ligação com a comunidade e possui uma vertente de Investigação (mapeamento de organizações comunitárias e mapeamento conceptual), de Formação (organização e desenvolvimento de pequenos cursos na área da mediação) e de Disseminação (Elaboração de um Manual sobre Mediação Social e Comunitária na Europa, para além da construção de uma Plataforma digital que garanta a parrtilha do trabalho produzido no âmbito da parceria). O mapeamento aqui apresentado corresponde à primeira fase de pesquisa, e diz respeito às iniciativas de intervenção existentes no Concelho de Coimbra.. A Coordenadora Helena Neves Almeida 6

7 PROJECT ABSCM Advisory Bureau for Social and Community Mediation (ABSCM) Grundtvig Programme ( PT1-GRU ) The Grundtvig Programme, started in 2012, has been developed at Observatory of Citizenship and Social Intervention (OCIS), of Faculty of Psychology and Education Sciences, University of Coimbra. It results of a transnational partnership that adds eight partners, representing seven countries Portugal, Italy, France, Spain, Germany, Switzerland and United Kingdom, forming specialists in mediation,, that belong to four social organizations of Lifelong Learning, namely: Health Psychology Management Organization Services (HP-MOS), Institut Saumurois de la Communication (ISC), Soltar Os Sentidos (ASOS) e Centro Studi e Formazione Villa Montesca (CSFVM); and four Europeans University: Public University of Navarra in consortium with GINKO, University of Applied Sciences (Bachelor & Master In Social Work) - Haute Ecole Spécialisée de Suisse Occidentale Valais, Saarland University s Center For Lifelong Learning and, University of Coimbra, that has a coordinating role. Over the last decade the study and practice of mediation has been extended to various fields and revealing different profiles, demanding complex professional skills and renewed strategies. According to concerns and guidelines of the European Union, we have seen the affirmation of the value of mediation as an alternative way of resolving conflicts, whose objectives and processes are as diverse as the focus areas. The reasons for this renewed interest and highlight of social, political, educational and cultural areas are mainly associated with the complexity of today's problems, expectations, policies and intervention systems. The deepening of the democratic system, economic globalization and the development of information and communication technologies have given new impulse to social dynamics, with particular emphasis on the transformation of relationships between citizens and between them and the services and businesses. 7

8 This project involves the creation of an team work on Social and Community Mediation - the ADVISORY BUREAU FOR SOCIAL AND COMMUNITY MEDIATION (ABSCM) - based on a participatory and multidisciplinary logic, appropriated to the nature and multidimensionality of social, economic, political and interpersonal conflicts and diversity of stakeholders. This factor increases variety of target audiences in terms of training, research and intervention, which is a benefit to ABSCM implementation. This project involves a strong connection with the community and has a strand of Research (mapping community organizations and conceptual mapping), Training (organization and development on mediation training courses) and Dissemination (Preparation of a Handbook on Social and Community Mediation in the European Context, in addition to building a digital platform). The mapping presented here corresponds to the first phase of research, and concerns to intervention initiatives that exist in the municipality of Coimbra. The Coordinator, Helena Neves Almeida 8

9 NOTA INTRODUTÓRIA O Mapeamento das Organizações Sociais do conselho de Coimbra surgiu no âmbito do projeto europeu Grundtvig intitulado Advisory Bureau of Social and Community Mediation (ABSCM), no qual os vários parceiros ficaram responsaveis por identificar e mapear as práticas de mediação levadas a cabo pelas organizações sociais dos seus países. No caso de Portugal, dado ambos os parceiros estarem sediados no concelho de Coimbra, uniram-se esforços, ficando ao encargo do Observatório de Cidadania e Intervenção Social e da Associação Soltar os Sentidos, a tarefa de conhecer a situação e as práticas de mediação adotadas pelas organizações do seu concelho. A iniciativa representa, na verdade, o reconhecimento público da importância dos serviços prestados por estas organizações, uma vez que na nossa sociedade as questões relacionadas com a mediação social e comunitária são ainda pouco conhecidas, mas sobretudo, encontram-se ainda pouco definidas. Neste sentido, torna-se imperativo conhecer a diversidade da forma de atuação e de mediação prestada, vindo os resultados deste mapeamento oferecer aos governos, ao público académico e à sociedade em geral, um relevante serviço de produção de conhecimento especializado. Esse relatório fornece um amplo panorama da situação das instituições sociais do concelho de Coimbra, permitindo um mapeamento de experiências de mediação social e comunitária no Concelho de Coimbra, que projetos e quais as características das iniciativas sociais na comunidade, onde estão eles localizados e com que recursos. Todavia, dada a impossibilidade de entrevistar a todas, no que respeita às práticas de mediação levadas a cabo, decidiu-se entre todos os parceiros que se iria entrevistar uma média de duas entidades, tendo sido contruída uma matriz para o efeito. O projeto do Mapeamento das Instituições Sociais do concelho de Coimbra, em relação à Mediação Social e Comunitária desenvolveu-se em três etapas: A Primeira etapa consistiu no mapeamento das organizações sociais existentes no concelho de Coimbra. Foram mapeadas e caracterizadas, nesta etapa, 129 9

10 instituições, através dos dados disponíveis na Carta Social e da Rede Social de Coimbra (2011). A Segunda etapa teve como meta a análise dos dados recolhidos quanto às áreas predominantes de intervenção, tipo de equipamentos e respostas sociais. A Terceira etapa consistiu na disseminação da base de dados construída, utilizando ferramentas das novas tecnologias (spss e google maps), que permitissem dar visibilidade ao trabalho efetuado e prestar informação à comunidade e aos profissionais que desempenham funções na área social e comunitária. 10

11 1. CARACTERIZAÇÃO GERAL DA DINÂMICA POPULACIONAL DO CONCELHO DE COIMBRA. O município de Coimbra situa-se na faixa litoral do país destacando-se por ter a maior cidade da zona centro de Portugal e capital de um dos seus distritos. Este município situa-se na sub-região do Baixo Mondego (NUTS III) e é composto por 31 freguesias 1. Figura 1. Concelho de Coimbra O município de Coimbra conta atualmente com uma população de habitantes, número que diminuiu desde os Censos de 2001 onde se registava uma população de habitantes (Gráfico 1). Analisando os gráficos seguintes poderemos compreender a forma como a população de Coimbra evoluiu e as variáveis que estarão na base dessa evolução. A evolução de uma população está associada a vários fatores, entre eles taxas de natalidade, núcleo familiar, etc., estes ao estarem interligados e ao serem analisados em conjunto possibilitam uma melhor compreensão da faxa etária da 1 À data da entrega deste relatório o número de freguesias era de 18, após a união levada a cabo, todavia decidiu-se respeitar os dados disponíveis e tratados à data do levantamento da informação. 11

12 população residente, o que leva por sua vez a uma melhoria do desempenho das projeções sobre dinâmica populacional. Gráfico 1. Evolução da População Residente (N.º) por local de residência Fonte: INE Censos de 2011, mediante os dados da última atualização a 20 de Novmebro de Gráfico 2. Taxa bruta da Natalidade ( ) por Local de residência Fonte: INE Indicadores Demográficos. Última atualização a 25 de novembro de A diminuição da taxa de natalidade desde 1992 no Município (gráfico 2) é assentuada, situando-se atualmente na casa dos 9% relativamente ao ano de 2010, acompanhando a tendência decrescente de Portugal Continental e da região centro. No entanto, é de salientar a maior quebra entre 1999 a 2005, chegando a atingir a taxa 12

13 mais baixa neste ano. Após este período foram visíveis ligeiras subidas, em paralelo com os resultados nacionais. Gráfico 3. Evolução dos Núcleos familiares (N.º) por Número de Filhos Fonte: INE Recenseamento da População e Habitação. Última atualização a 20 de novembro de Na análise ao gráfico (3), podemos constatar que, na última década, à semelhança da taxa de natalidade, diminuiu consideravelmente o número de filhos por casal, tendo aumentado com alguma relevância o número de núcleos familiares sem filhos e mantendo-se a tendência acentuada do filho único. Gráfico 4. População residente (%) por Local de residência e Ciclos de vida Fonte: INE Recenseamento da População e Habitação à data dos Censos de 2011 Um dos pontos a considerar são as faxas etárias. Analisando comparativamente a população residente em Coimbra, por ciclos de vida (gráfico 4), o maior número de pessoas situa-se entre os 25 e 64 anos, como se pode observar nos gráficos 5 e 6. Todavia, esta classe etária destaca-se também por abranger uma variedade demasiado ampla de idades, pelo que, foi necessário analisar a evolução por grupos etários até ao 13

14 grupo restrito dos 30 a 34 anos (gráfico 5), sendo exatamente neste grupo onde se verifica a maior população. Gráfico 5. Evolução da População residente (N.º) por Grupos etários Fonte: INE Estimativas Anuais da População Residente. Última atualização a 7 de junho de 2011 O presente gráfico (5) vai ainda ao encontro do anterior, permitindo apenas reforçar que a razão de residentes por densidade populacional total aumentou no caso dos adultos em detrimento das crianças/jovens. Estes valores referem-se mais propriamente à faixa etária dos 0 aos 14 anos, nomeadamente nas freguesias de Santo António dos Olivais, Eiras e São Martinho do Bispo, (ver anexo). Gráfico 6. Evolução do índice de Envelhecimento (N.º) por local de residência Fonte: INE Estimativas Anuais da População Residente. Última atualização a 7 de junho de

15 A presente dinâmica analisada poderá ter como resposta a crise económica, porque cada vez mais, se aponta as dificuldades financeiras como motivo para se ser mãe mais tarde e manter o filho único. De facto o número de crianças tem vindo a diminuir, uma tendência que é nacional mas com maior impacto na zona de Coimbra. Todavia, existem outros fenómenos associados, nomeadamente o desemprego, que leva à migração de estrangeiros que retornam aos seus países, a migração de portugueses para outros países ou simplemente para outro concelho à procura de novas oportunidades. Assim, analisando o conjunto de gráficos anteriores, verifica-se que, a população do concelho de Coimbra se encontra cada vez mais envelhecida (gráfico 6), pelo que as respostas sociais e o tipo de medição deverá incidir sob a população adulta. 2. CARACTERISTICAS DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DO CONCELHO Na sequência do mapeamento das organizações sociais, existentes no concelho de Coimbra, foram mapeadas e caracterizadas, nesta etapa, 129 instituições, através dos dados disponíveis na Carta Social e na Rede Social de Coimbra. Constatou-se ainda que estas entidades são responsaveis por um conjunto de 173 equipamentos e 256 respostas sociais, com uma capacidade para dar apoio a habitantes, embora os seus utilizadores efetivos sejam na ordem dos Dada a elevada diversidade de dados existiu a necessidade de determinar um conjunto de tipologias, relativas às Áreas de Intervenção, População-alvo e Respostas Sociais. (Anexo 1 e Fig. 2) No que respeita a Áreas de Intervenção foram denominadas 3: Crianças e Jovens; População Adulta; e Família e Comunidade, distribuídas por 11 tipos de população-alvo e 32 respostas sociais. Um glossário que poderá ser consultado em anexo. 15

16 SOCIAL ORGANIZATIONS SOCIAL RESOURCES SOCIAL FACILITIES EXAMPLE FOUNDATION SOCIAL RESOURCES FOR VICTIMS OF VIOLENCE TEMPORARY FOSTER CARE CENTER COUNSELING CENTER SOCIAL RESOURCES FOR ELDERLY DAY CARE CENTER Figura 2. Processo de tipificação das organizações Das organizações mapeadas verificámos que o maior número encontra-se sediado em Coimbra nas freguesias de Santo António dos Olivais, Santa Cruz e Souselas, destacando-se as entidades sem fins lucrativos com 59%, seguidas do setor privado e fundações (gráfico 7). Pelo que, concluí-se que dada a sua natureza jurídica, as entidades sociais do concelho dependem de apoios do estado e/ou de Programas Comunitários de Apoio. Gráfico 7. Organizações Sociais (%) no Concelho de Coimbra Fonte: Carta Social e Rede Social de Coimbra (2011). 16

17 No que respeita e equipamentos e respostas sociais, embora com algumas variações, estas vão ao encontro do gráfico anterior, mantendo-se a tendência de maior número de Associação sem fins lucrativos. Gráfico 8. Equipamentos Sociais (%) no Concelho de Coimbra. Fonte: Carta Social e Rede Social de Coimbra. Gráfico 9. Respostas Sociais (%) no Concelho de Coimbra. Fonte: Carta Social e Rede Social de Coimbra. Para melhor caracterizar as organizações foram realizados alguns cruzamentos relativos às áreas de intervenção, equipamentos e respostas sociais. Nos quais foi possível identificar que existe um maior número de respostas a nível de Crianças e Jovens, e de população adulta, contrariamente à família e comunidade, algo compreensível, dado o 17

18 caracter mais macro da família e uma vez que muitas das respostas e equipamentos criados são de educação formal, no caso dos jovens e de acolhimento, no caso dos idosos. Gráfico 10. Respostas Sociais por Áreas de Intervenção (%) Fonte: Carta Social e Rede Social de Coimbra. No entanto, embora exista um equilíbrio entre duas das áreas de intervenção, o mesmo não se reflete na capacidade de resposta, onde se verifica que é na área de Crianças e Jovens que se verifica maior capacidade, sendo os seus equipamentos de elevada importância para a rede educativa pré-escolar do município Gráfico 11. Capacidade das Organizações por Áreas de Intervenção (%) Fonte: Carta Social e Rede Social de Coimbra. 18

19 Entre os recursos sociais mais disponibilizados pelas organizações do concelho de Coimbra encontram-se os de Atividades de Tempos Livres (LTC), enfermagem, apoio domiciliário (SHS) e os Centros de Dia (DCC). Gráfico 12. Recursos Sociais (Nr) Fonte: Carta Social e Rede Social de Coimbra. As análise anteriores confirmam que as respostas sociais existentes no concelho diferem mediante a área de intervenção, que por sua vez se encontra estritamente ligada à população alvo, nas quais as organizações pretendem intervir. Neste sentido, compreende-se que os grupos mais representados sejam a população idosa e as crianças em idade escolar. Gráfico 13. População-alvo das Organizações Sociais (%) Fonte: Carta Social e Rede Social de Coimbra. 19

20 Embora o gráfico anterior (12) nos indique quais os grupos que melhor compreendem as missões das organizações sociais do concelho, verifica-se no entanto que a nível de resposta/capacidade a mais apoiada é a população com necessidades especiais (gráfico 13), destacando-se aqui o elevado trabalho de entidades como a APPACDM, APPC, APPDA, ACAPO, entre outras, o que torna Coimbra a cidade de referência, neste tipo de apoio. Gráfico 14. Capacidade das Organizações Sociais Vs População-alvo (%) Fonte: Carta Social e Rede Social de Coimbra. 3 DISSEMINAÇÃO DOS RESULTADOS Os resultados produzidos pelo Mapeamento, sem dúvida, serão importantes fontes para estimular o debate e a reflexão sobre os temas aqui abordados e contribuirão para melhor adequação do planeamento e da execução da Mediação Social e Comunitária. Os resultados encontram-se divulgados na internet, através da aplicação Google Maps em: https://www.google.com/maps/d/u/0/edit?mid=zflrkbjzqoay.k7yszzjxtgaq. 20

21 Os dados foram divulgados no 2ª Encontro Transnacional da Rede realizado em Pamplona em 18 de abril de 2013 e no Congresso de Serviço Social realizado no dia 25 de maio de 2014 em Coimbra. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Instituto Nacional de Estatística (2012). Censos Resultados Definitivos. Lisboa: INE. Carta Social (2011), Instituto de Segurança Social Rede Social (2011), CMC. 21

22 ANEXO MATRIZ PARA A CONSTITUIÇÃO DAS TIPOLOGIAS DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS 22

23 23

24 24

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

FOLHA INFORMATIVA Mais Informação sobre a Rede de Serviços e Equipamentos

FOLHA INFORMATIVA Mais Informação sobre a Rede de Serviços e Equipamentos [...] aumento de 6 % do número de lugares em Creche (mais de 6000 novos lugares) [...] 08 2012 DESTAQUES - Dinâmica da Rede de Serviços Equipamentos Sociais (RSES) - Taxas de cobertura e de utilização

Leia mais

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia Dia Mundial da População 11 julho de 15 1 de julho de 15 Envelhecimento da população residente em e na União Europeia Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Censos 2011 Resultados Preliminares 30 de Junho de 2011 Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Cem dias após o momento censitário

Leia mais

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Atlas das Cidades de Portugal Volume II 2004 01 de Abril de 2005 METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Apesar das disparidades ao nível da dimensão populacional

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Dia Mundial da População 11 julho de 214 1 de julho de 214 População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto

Leia mais

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão Identificação da Ação Proposta Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Área Temática:

Leia mais

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM Assembleia de Parceiros 17 de Janeiro 2014 Prioridades de Comunicação 2014 Eleições para o Parlamento Europeu 2014 Recuperação económica e financeira - Estratégia

Leia mais

1 Newsletter. Março-Maio 2015 RUA SOAR DE CIMA ( MUSEU ALMEIDA MOREIRA) 3500-211 VISEU

1 Newsletter. Março-Maio 2015 RUA SOAR DE CIMA ( MUSEU ALMEIDA MOREIRA) 3500-211 VISEU 1 Newsletter 1. Quem Somos 2. Objetivos 3. Os Parceiros 4. Inauguração do Gabinete de Apoio - BEIRA AMIGA 5. Visita ao Gabinete de Inserção Profissional (da UGT) 6. Participação no Brainstorming Setorial

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Informação diagnóstico

Informação diagnóstico Informação diagnóstico O declínio demográfico da cidade de Lisboa e a periferização da área metropolitana Evolução Comparada das Populações de Portugal, da Área Metropolitana de Lisboa e do Concelho de

Leia mais

DESPACHO. ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED

DESPACHO. ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED DESPACHO Nº. 17/2015 Data: 2015/05/22 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED Com o intuito de normalizar

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2

INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2 INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2 O projeto LIFE2 (Competências chave para a vida) visa ajudar os jovens a desenvolver, no decurso da sua formação profissional, as competências e confiança necessárias no mundo

Leia mais

Medidas de Revitalização do Emprego

Medidas de Revitalização do Emprego Projeto de Resolução n.º 417/XII Medidas de Revitalização do Emprego A sociedade europeia em geral, e a portuguesa em particular, enfrentam uma crise social da maior gravidade. Economia em recessão e um

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA

INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA ÍNDICE 1- DIAGNÓSTICO SÍNTESE: IDEIAS-CHAVE 1.1 - DINÂMICA POPULACIONAL 1.2 EDUCAÇÃO

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 336/XIII/1.ª

Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 336/XIII/1.ª Grupo Parlamentar Projeto de Resolução n.º 336/XIII/1.ª Recomenda ao Governo que reveja a legislação de modo a defender os idosos de penalizações e exclusões abusivas que são alvo em função da idade Exposição

Leia mais

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Maria João Alves Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional 24 de novembro de 2014 I SIMPÓSIO

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. xxxiii (145), 1998 (1. ), 183-188 Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos O número de nascimentos em Portugal tem

Leia mais

Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto

Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto Missão A Escola Profissional de Tecnologia tem como missão prestar serviços educativos de excelência aos seus alunos, qualificando-os para o exercício profissional e para o prosseguimento de estudos, no

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

INDIVÍDUOS. Freguesia

INDIVÍDUOS. Freguesia INDIVÍDUOS Total de Indivíduos Residentes, INE: Censos de 2011, CAOP 2013 Indivíduos Residentes Homens Mulheres Bucelas 4663 2243 2420 Fanhões 2801 1403 1398 Loures 26769 12787 13982 Lousa 3169 1511 1658

Leia mais

Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa

Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa Tânia Costa, Ana Rego, António Festa, Ana Taborda e Cristina Campos Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde

Leia mais

Índice Sintético de Desenvolvimento Regional 2009

Índice Sintético de Desenvolvimento Regional 2009 Índice Sintético de Desenvolvimento Regional 2009 10 de abril de 2012 Os resultados do índice global de desenvolvimento regional para 2009 evidenciam que quatro sub-regiões se situavam acima da média nacional:

Leia mais

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal 13 de Dezembro 2007 População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal A propósito do Dia Internacional dos Migrantes (18 de Dezembro), o Instituto Nacional de Estatística apresenta

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Mestrado em Empreendedorismo e Serviço Social Titulo da Dissertação: PROGRIDE: foco de inovação social? Um estado de caso em três projectos PROGRIDE Mestranda: Vera Alexandra

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO Joaquim Mourato (Presidente do CCISP e do IP de Portalegre) XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Centro de Congressos da Alfândega do Porto 18.10.2014 SUMÁRIO

Leia mais

Docentes em queda acelerada

Docentes em queda acelerada OS NÚMEROS DA EDUCAÇÃO Número de Docentes no Sistema de Ensino. Olhando para o relatório A Educação em Números 2015, da Direção Geral de Estatísticas da Educação e da Ciência (DGEEC). De 2000/2001 a 2013/2014

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL 1 POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL Senhora Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores Membros

Leia mais

Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade

Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade Jorge Neves, 19/12/2011, Amadora colocar foto da era ENQUADRAMENTO

Leia mais

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede E1_O1E1A1 E1_O2E1A1 E1_O2E2A1 E1_O3E1A1 E1_O3E1A2 E1_O3E1A3 E1_O3E1A4 Harmonizar os instrumentos de planeamento e avaliação, utilizados pelos diversos órgãos da

Leia mais

II Congresso Internacional TIC e Educação

II Congresso Internacional TIC e Educação ITIC: UM PROJETO PARA CONTRIBUIR PARA O APERFEIÇOAMENTO E EMBASAMENTO DO CORPO DE PROFESSORES DO PROGRAMA APRENDIZAGEM DO SENAC NO DOMÍNIO DA UTILIZAÇÃO DAS TIC Claudia Machado, Maria João Gomes Universidade

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS U n i d a d e d e S a ú d e P ú b l i c a d o A l t o M i n h o F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 U n i d a d e d e S a ú d

Leia mais

Índice Sintético de Desenvolvimento Regional 2011

Índice Sintético de Desenvolvimento Regional 2011 Índice Sintético de Desenvolvimento Regional 20 de abril de 204 Em 20, o índice sintético de desenvolvimento regional de seis das 0 sub-regiões NUTS III situava-se acima da média nacional: a rande Lisboa,

Leia mais

As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal

As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal Nº 20080701 Julho -

Leia mais

Programa de Educação para a Sustentabilidade 2014/2015

Programa de Educação para a Sustentabilidade 2014/2015 Programa de Educação para a Sustentabilidade 2014/2015 Plano de Atividades Programa de Educação para a Sustentabilidade O Programa de Educação para a Sustentabilidade para o ano letivo 2014/2015 integra

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 01 DEMOGRAFIA BRASILEIRA

ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 01 DEMOGRAFIA BRASILEIRA ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 01 DEMOGRAFIA BRASILEIRA ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 02 DEMOGRAFIA MUNDIAL (MACK) O Brasil em 2020 Será, é claro, um Brasil

Leia mais

PROJETO DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO

PROJETO DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO PROJETO DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO FICHA DE PROJETO 1.Designação Projeto de Formação e de Desenvolvimento Comunitário Novos Desafios 2. Localização Concelho da Horta 3. Entidade Promotora

Leia mais

Pedofilia: Em Defesa de um Corpo em Desenvolvimento Pesquisa Ação Contra o Abuso Sexual de Crianças

Pedofilia: Em Defesa de um Corpo em Desenvolvimento Pesquisa Ação Contra o Abuso Sexual de Crianças Pedofilia: Em Defesa de um Corpo em Desenvolvimento Pesquisa Ação Contra o Abuso Sexual de Arnaldo Risman Risman@risman.psc.br Gabriela Medeiros Vieira gabrielam_vieira@yahoo.com.br Franciane Cesar Motta

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

15 de Dezembro de 2011_FF/DASAJ

15 de Dezembro de 2011_FF/DASAJ !"#!$! %&' ( 1 O Conselho Local de Ação Social de Évora, adiante designado por CLASE, é um órgão local de concertação e congregação de esforços, que emana da REDE SOCIAL e preconiza no seu objeto, assegurar

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Ilustração de Antónia Tinturé Associação Zoófila Portuguesa, março de 2014 1 Índice Enquadramento... 2 Qualidade dos Serviços e gestão internaerro! Marcador não definido. Abrangência e divulgação... 7

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 617/XII. Recomenda ao Governo a valorização e reconhecimento da educação não formal EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Projeto de Resolução n.º 617/XII. Recomenda ao Governo a valorização e reconhecimento da educação não formal EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Projeto de Resolução n.º 617/XII Recomenda ao Governo a valorização e reconhecimento da educação não formal EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Enquadramento O debate e o apelo ao reconhecimento da educação não formal

Leia mais

1º Mapeamento Nacional das Iniciativas de Educação Financeira

1º Mapeamento Nacional das Iniciativas de Educação Financeira 1º Mapeamento Nacional das Iniciativas de Educação Financeira ENVOLVIDOS EXECUÇÃO COORDENAÇÃO Mario Mattos Wladimir Machado Mariel Deak Claudia Donega Yael Sandberg PATROCÍNIO 2 OBJETIVOS DO MAPEAMENTO

Leia mais

World Café: Interligar para vencer

World Café: Interligar para vencer World Café: Interligar para vencer Principais Reflexões Tais reflexões resultam de uma sessão intitulada World Café: Interligar para vencer que ocorreu na Cruz Vermelha Portuguesa Centro Humanitário de

Leia mais

Trends in International Migration: SOPEMI - 2004 Edition. Tendências da Migração Internacional: SOPEMI Edição 2004 INTRODUÇÃO GERAL

Trends in International Migration: SOPEMI - 2004 Edition. Tendências da Migração Internacional: SOPEMI Edição 2004 INTRODUÇÃO GERAL Trends in International Migration: SOPEMI - 2004 Edition Summary in Portuguese Tendências da Migração Internacional: SOPEMI Edição 2004 Sumário em Português INTRODUÇÃO GERAL De John P. Martin Diretor do

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

Plano de Ação 2016 GRACE

Plano de Ação 2016 GRACE Plano de Ação 2016 GRACE Mensagem da Direção É tempo de preparar mais um ano de intensa atividade do GRACE, procurando consolidar o capital de experiência e partilha acumulado e alargar novas perspetivas

Leia mais

Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente caiu para cerca de metade

Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente caiu para cerca de metade 30 de maio de 2014 Dia Mundial da Criança 1 1 de junho Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente caiu para cerca de metade Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente

Leia mais

Regulamento. Núcleo de Voluntariado de Ourique

Regulamento. Núcleo de Voluntariado de Ourique Regulamento Núcleo de Voluntariado de Ourique Regulamento da Núcleo de Voluntariado de Ourique Nota Justificativa O presente Regulamento define as normas de funcionamento do Núcleo de Voluntariado de Ourique,

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

Retrato da. Cidade de Lisboa. Observatório de Luta Contra a Pobreza na. Cidade de Lisboa

Retrato da. Cidade de Lisboa. Observatório de Luta Contra a Pobreza na. Cidade de Lisboa Retrato da Cidade de Lisboa Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Pontos abordados na apresentação Análise de indicadores quantitativos - Peso do escalão etário dos 65+ - Índice de

Leia mais

Human Resources Human Resources. Estudos de Remuneração 2012

Human Resources Human Resources. Estudos de Remuneração 2012 Human Resources Human Resources Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012, realizados pela Michael Page. O objectivo dos nossos Estudos de Remuneração

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I 1.1 Indique o nome dos continentes e Oceanos assinalados na figura 1, respectivamente com letras e números.

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

SOCIAIS NO SETOR PRIVADO

SOCIAIS NO SETOR PRIVADO ] A AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS ] SOCIAIS NO SETOR PRIVADO Um estudo do Instituto Fonte e Fundação Itaú Social para o fortalecimento da avaliação de programas e projetos sociais no Brasil para o desenvolvimento

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Conteúdo. Community College Perguntas e Respostas Página 1

Conteúdo. Community College Perguntas e Respostas Página 1 Conteúdo A educação superior nos Estados Unidos... 2 O que é um Community College?... 2 O que é considerado uma instituição de educação superior?... 2 O que quer dizer ser credenciada regionalmente?...

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Padrões de Casamento entre os Imigrantes

Padrões de Casamento entre os Imigrantes Padrões de Casamento entre os Imigrantes Ana Cristina Ferreira cristina.ferreira@iscte.pt Madalena Ramos madalena.ramos@iscte.pt Congresso Português de Demografia Contextualização O fenómeno da imigração

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

(Des)Enlace entre cidadãos e sistemas sociais: em torno dos laços sociais na intervenção dos assistentes sociais.

(Des)Enlace entre cidadãos e sistemas sociais: em torno dos laços sociais na intervenção dos assistentes sociais. 2013 1ª Conferência 20 de Março, das 14:30 às 17:00 h Cidadania em tempos de crise: Implicações para a intervenção educativa, social e comunitária Isabel Menezes. Professora Associada com Agregação da

Leia mais

PROJECTO REDE EM PRÁTICA

PROJECTO REDE EM PRÁTICA PROJECTO REDE EM PRÁTICA O Programa Rede Social no Contexto Europeu e o Futuro da Política de Coesão Janeiro 2012 O Programa Rede Social no Contexto Europeu e o Futuro da Política de Coesão 1. O Programa

Leia mais

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling Apresentamos a newsletter oficial do projeto T-Story - Storytelling Aplicado à Educação e Formação, um projeto financiado pela ação transversal Atividade-chave 3 Tecnologias de Informação e Comunicação,

Leia mais

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica Cuidados continuados - uma visão económica Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Área geralmente menos considerada que cuidados primários e cuidados diferenciados

Leia mais

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Como consequência de políticas governamentais implementadas com o objetivo

Leia mais

Jornadas da Educação, 2015

Jornadas da Educação, 2015 República de Moçambique Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano Instituto Nacional do Desenvolvimento da Educação Jornadas da Educação, 2015 A nossa escola por uma educação inclusiva, humanista

Leia mais

PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS

PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS Pela primeira vez, desde que há registos, observaram-se menos de 90 mil nados vivos em Portugal. De facto, o número de nados

Leia mais

3. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO

3. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO 3. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO Se o envelhecimento biológico é irreversível nos seres humanos, também o envelhecimento demográfico o é, num mundo em que a esperança de vida continua a aumentar e a taxa

Leia mais

MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE

MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE RESPONSABILIDADE SOCIAL Com vista a promover uma cultura de responsabilidade social, o Millennium bcp tem procurado desenvolver um conjunto de acções junto dos vários grupos

Leia mais

SEMEAR Serviço Médico Educacional de Atendimento em Reabilitação, uma entidade considerada de utilidade Pública Federal, com data de fundação em 12 de Outubro de 1985, foi registrado como Associação Civil

Leia mais

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios)

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) 08 de novembro de 2011 Censos 2011 21 de março de 2011 CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) Dada a importância que o tema reveste, no quadro da preparação dos resultados provisórios

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO Nº7 - DEZEMBRO 2007

BOLETIM ESTATÍSTICO MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO Nº7 - DEZEMBRO 2007 BOLETIM ESTATÍSTICO Nº7 - DEZEMBRO 2007 MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO EDITORIAL Com a publicação do número correspondente ao último quadrimestre do ano iniciamos também a edição, no

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO NOTICIOSA EM COMUNIDADE ONLINE PARA O SÉNIOR RENATO MIGUEL SILVA COSTA. Departamento de Comunicação e Arte !!!!!!!!!

ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO NOTICIOSA EM COMUNIDADE ONLINE PARA O SÉNIOR RENATO MIGUEL SILVA COSTA. Departamento de Comunicação e Arte !!!!!!!!! Universidade de Aveiro 2012 Departamento de Comunicação e Arte RENATO MIGUEL SILVA COSTA ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO NOTICIOSA EM COMUNIDADE ONLINE PARA O SÉNIOR RENATO MIGUEL SILVA COSTA Universidade de

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2013. Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt

ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2013. Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2013 Healthcare Human Resources & Life Sciences Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt Human Resources Estudo de Remuneração 2013 Apresentamos-lhe os Estudos

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

COMO OS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS AVALIAM OS SEUS CUSTOS Tomás Patrocínio Universidade de Lisboa, Instituto de Educação

COMO OS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS AVALIAM OS SEUS CUSTOS Tomás Patrocínio Universidade de Lisboa, Instituto de Educação COMO OS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS AVALIAM OS SEUS CUSTOS Tomás Patrocínio Universidade de Lisboa, Instituto de Educação Resumo Como tem sido descrito na literatura (e.g., Johnstone, 1986;

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais