Autor: Eng. Rafael Fernandes* GE-Energy Consulting

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autor: Eng. Rafael Fernandes* GE-Energy Consulting"

Transcrição

1 1 GE Title or job number 12/12/2014

2 ESTABILIDADE DE TENSÃO EM REGIME PERMANENTE, OSCILAÇÃO ELETROMECÂNICA, ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS DE LINHA COM USO DE PMU S, EM TEMPO REAL, E PERSPECTIVAS DA IEC/TR Autor: Eng. Rafael Fernandes* GE-Energy Consulting

3 MOTIVAÇÃO Uso e Aplicação de PMU s ( Phasor Measurement Unit ) Tratamento de dados em tempo real ( buffer de amostras ) Utilização de ambiente de simulação similar ao tempo real Algoritmo de cálculo de parâmetros de linha em tempo real Utilização de simuladores de PMU e PDC ( Phasor Data Concentrator) do tipo open source 3 GE Title or job number 12/12/2014

4 MOTIVAÇÃO Predição de possíveis contingências através de análise em tempo real, num ambiente de simulação, como: Estabilidade de Tensão em Regime Permanente (Curva PV), Estabilidade Angular, frente a um fenômeno de oscilação eletromecânica de baixa frequência (Curva: Δdelta x tempo), Estimação de Parâmetros de Linha de Transmissão em Tempo Real, Aplicações da norma IECTR , no ambiente de aplicação dos IED s de proteção/controle com PMU s. 4 GE Title or job number 12/12/2014

5 CENÁRIO ATUAL DE APLICAÇÃO Aprimoramento constante de instrumentos de monitoramento e controle em tempo real, tratamento de banco de dados em tempo real, Desenvolvimento de tecnologias inovadoras (Synchronized Phasor Measurement Systems SPMS), Manipulação dos dados dos sincrofasores, nos COS, reflete nas análises: Planejamento da Operação, Operação em Tempo Real e na Pós- Operação, ONS vem trabalhando em projetos de medição fasorial sincronizada, e em tempo real, cujo o objetivo é a implantação de uma infraestrutura robusta, com disponibilidade adequada e segura. (Exemplo: Organon/ONS, no horizonte de planejamento/operação: análise de contingências, estabilidade eletromecânica a pequenas/grandes perturbações, Fluxo de Potência (Continuado) como análise corretiva/preditiva da curva PV), e outros.

6 TAXA DE EXTERIORIZAÇÃO - PMU Taxa de exteriorização dos fasores de acordo com a IEEE Std C (Permite até 120 frames/seg, página 11). Fonte ONS

7 PADRONIZAÇÃO - BANCO DE DADOS É essencial o estabelecimento de padrões de desempenho e de procedimentos de verificação de conformidades (Submódulo 2.7 do ONS, Requisitos de Telesupervisão, como: Agrupamento de Pontos, Prioridade, etc) e evitar que cada Agente do setor elétrico aplique o seu próprio padrão, É necessário um maior entendimento e aplicação das normas sobre padronização de banco de dados, como a IEC (Transmissão/Distribuição) e a IEC (Distribuição). Isto tende a facilitar a escalabilidade dos bancos de dados entre projetos, com o uso de PMU s. Ainda não há no Brasil esta tendência de normatização visando a aplicação com PMUs.

8 ESTABILIDADE DE TENSÃO EM REGIME PERMANENTE BREVE HISTÓRICO Entre 1920 a 1950: falta de sincronismo entre as máquinas geradoras; Entre 1950 e 1980: oscilação transitória de baixa frequência; Entre 1980 e 2000: Dinâmica das cargas, aonde a instabilidade das cargas resultava em instabilidade de tensão; 2000 em diante: Limite Térmico das LT s; A tendência atual é o monitoramento em tempo real, com o uso das PMU s e com melhores resultados na representação de cargas (modelo ZIP),controle coordenado (sistêmico) a curto prazo no planejamento da operação, e o controle coordenado em áreas críticas, também em tempo real.

9 ESTABILIDADE DE TENSÃO EM REGIME PERMANENTE

10 ESTABILIDADE DE TENSÃO EM REGIME PERMANENTE

11 ESTABILIDADE DE TENSÃO EM REGIME PERMANENTE

12 OSCILAÇÃO ELETROMECÂNICA Definitions and Classification of Power System Stability, IEEE Trans. Power Systems and CIGRE Technical brochure 231, 2003

13 OSCILAÇÃO ELETROMECÂNICA Grandes Perturbações: Grandes excursões em torno do ponto de equilíbrio, Representação não-linear do sistema e Métodos de integração não-linear. Ex.: Análise pelo Anatem, Pequenas Perturbações: Pequenas excursões em torno do ponto de equilíbrio, Representação linear do sistema e Métodos lineares (Ex.: Autovalores e Autovetores). É possível linearizar um sistema se a resposta do sistema linearizado tiver a mesma resposta de um sistema não-linear, para uma pequena perturbação Ex.: Análise pelo Pacdyn, Oscilação Eletromecânica de Baixa Frequência: Análise da matriz de Estados A (linearizada), Autovalor, Autovetor e os fatores de participação, Estabilidade de Tensão: Análise de sensibilidade da matriz Jacobiana J.

14 OSCILAÇÃO ELETROMECÂNICA Modelo Não-Linear : Modelo Clássico de Gerador contra Barramento Infinito Modelo Linearizado Modelo Clássico de Gerador contra Barramento Infinito Excitatriz + AVR + PSS Kundur, P., Power System Stability and Control, McGraw Hill, 1994

15 DIAGRAMA DE BLOCOS A partir da versão V4.3.10, é possível capturar dados da IEC Os softwares utilizados: PMUSimulator, Conection Tester e openpdc são disponibilizados e administrados pela Grid Protection Alliance, PMU Connection Tester verifica se a captura foi realizada com sucesso validando o frame, Após a validação acontece a simulação em tempo real (leitura do buffer de amostras sem interrupção). 15 GE Title or job number 12/12/2014

16 DIAGRAMA DE BLOCOS A partir da versão V4.3.10, é possível capturar dados da IEC O software openpdc possui uma interface para facilitar a inserção de cálculos e lógicas computacionais, Uma biblioteca ActionAdapter.dll gerada pelo software C#, possibilita essa funcionalidade, tornando o openpdc um software flexível e interoperável. 16 GE Title or job number 12/12/2014

17 AMBIENTE DE SIMULAÇÃO Intervalo de tempo entre cada amostra: Deve estar adequado à taxa de "frame rate" ajustada no PMU Connection Tester. A amostragem escolhida foi uma amostra a cada 33 mseg, para a simulação, e 30 frames/segundo no PMU Simulator, Com o PMU Connection Tester é possível verificar se a captura foi realizada com sucesso. Em caso positivo é necessário exportar o arquivo para o openpdc ou utilizar o banco de dados no ipdc, O software openpdc possui uma interface para facilitar a inserção de cálculos e lógicas computacionais que podem ser executadas dentro do concentrador de dados. A biblioteca ActionAdapter.dll possibilita essa funcionalidade, tornando o openpdc, um software flexível e interoperável. Neste ambiente, utilizando a biblioteca ActionAdapter.dll foi possível realizar os cálculos de potência Ativa, para a Curva PV, e também de diferença angular, para verificar a instabilidade angular.

18 AMBIENTE DE SIMULAÇÃO As medidas fasoriais obtidas das PMUs, são armazenadas em base de dados e disponibilizadas dinamicamente através das interfaces de programações API (Application Programming Interface). Desta forma, é possível acessar as informações das PMUs de forma próxima à situação em tempo real Buffer, Os aplicativos externos foram desenvolvidos utilizando-se os dados dinâmicos disponibilizados pela API e os dados armazenados em base de dados históricos.

19 ANÁLISE DE DADOS EM TEMPO REAL Sistemas de tempo real: São aqueles que conseguem responder aos estímulos externos em um prazo determinado, sem o acúmulo de buffer de dados durante o processamento. Não depende somente da integridade dos resultados obtidos, mas sim dos valores de tempo em que são produzidos, Utilizam-se sistemas operacionais capazes de priorizar aplicativos em tempo real e garantir a demanda de tempo conhecida, No módulo de tratamento de dados em tempo real, foram desenvolvidos aplicativos em linguagem C#, plataforma Windows, que conseguiram responder satisfatoriamente a demanda de tempo necessária, Estes aplicativos utilizam as APIs disponíveis no concentrador de dados para acessar as informações e os recursos disponíveis pela própria linguagem, para plotar os gráficos.

20 ANÁLISE DE DADOS HISTÓRICOS Permite realizar buscas de dados históricos nos PDC s e gerar gráficos das grandezas fasoriais, com o objetivo de analisar o comportamento do sistema em análise em um determinado período de tempo. Tem-se inúmeras vantagens nisso, pois é possível verificar, em relação a um buffer pré-determinado, o comportamento de um evento e/ou fenômeno no domínio do tempo, Realizou-se consultas na base de dados históricos acessando as tabelas utilizadas pelo concentrador de dados. Ambos os PDC s: ipdc (plataforma Ubuntu) e openpdc (plataforma Windows) foram configurados com a base de dados MySQL, As informações extraídas da base de dados podem ser exibidas de forma tabular ou gráfica.

21 SIMULAÇÃO ESTABILIDADE DE TENSÃO EM REGIME PERMANENTE GRÁFICO PV 110, , , , ,0000 [V] V 60, , , , , ,0000 0,0000 0, , , , , , ,0000 P [MW] Fasores de tensão e corrente de sequência positiva, além da frequência; A simulação total compreendeu 80 seg; O tempo entre resultados foi de 33mseg, para simular uma taxa de exteriorização de 30 frames por segundo de uma PMU. (1 frame a cada 33mseg ou 30 frames/seg)

22 SIMULAÇÃO ESTABILIDADE DE TENSÃO EM REGIME PERMANENTE Para os testes com ipdc, software s foram instalados no sistema Ubuntu, versão Configuração PMUSim Configuração PMUSim Configuração do ipdc Início da comunicação Frames criados Dados no banco de dados SQL, no formato CSV

23 SIMULAÇÃO ESTABILIDADE DE TENSÃO EM REGIME PERMANENTE Curva PV gerada pelo openpdc após a captura dos frames dos dados simulados

24 SIMULAÇÃO ESTABILIDADE DE TENSÃO EM REGIME PERMANENTE Foi desenvolvido um componente de software em linguagem C#, plataforma Windows, para calcular a potência ativa. Este componente foi adicionado ao concentrador de dados openpdc, utilizando a interface disponível ActionAdapter.dll, Para plotar o gráfico, o aplicativo externo acessa as informações do openpdc com os valores já calculados e utiliza as bibliotecas e controles de gráficos padrões da linguagem C# (Windows Form Application), para traçar os gráficos, A curva PV também pode ser obtida utilizando-se os valores disponíveis pelo concentrador openpdc, sem a adição do componente de software mencionado.

25 SIMULAÇÃO ESTABILIDADE DE TENSÃO EM REGIME PERMANENTE A conexão entre o openpdc e a aplicação C# foi realizada através de duas máquinas, em redes distintas, através de conexão VPN ( Virtual Private Network ), com o uso do software Team Viewer, versão 8, O openpdc publica as medições, obtidas da gravação do PMUCapture Tester. O objetivo foi possibilitar o acesso remoto, mas também o traçado da curva em tempo real.

26 SIMULAÇÃO ESTABILIDADE DE TENSÃO EM REGIME PERMANENTE O openpdc publica as medições, obtidas da gravação do PMUCaptureTester, na porta 6165, pré-definida; Os endereços de IP, para esta simulação foram: (máquina utilizando o openpdc) e (máquina utilizando o aplicativo em C#). Endereço de IP da Máquina- Servidor Dados a serem publicados pelo openpdc

27 SIMULAÇÃO ESTABILIDADE DE TENSÃO EM REGIME PERMANENTE Curva PV obtida da execução do aplicativo, em C#, que foi integrado ao openpdc (recurso Windowns Form Application). Pontos Visíveis Dados recebido pelo client em tempo real

28 OSCILAÇÃO ELETROMECÂNICA Utilizou-se o ANATEM Análise de Transitórios Eletromecânicos do CEPEL, Ele permite realizar simulações referentes as oscilações eletromecânicas, subsíncronas, estabilidade entre áreas, avaliação do limite de transferência de potência entre áreas, impactos de energizações, fechamento de anéis, religamento automático, entre outras, Foi realizado um caso de religamento automático com sucesso, após o curto-circuito no meio de uma linha de transmissão de 138kV.

29 OSCILAÇÃO ELETROMECÂNICA Sequência de simulação: 1) Curto-circuito no meio da linha; 2) Após 200mseg atuação da proteção com abertura dos disjuntores das extremidades 3) Extinção do curto-circuito 50 mseg após atuação da proteção; 4) Religamento do terminal líder após tempo morto (500mseg); 5) Fechamento do terminal seguidor 150mseg após terminal líder, concluindo o religamento com sucesso; 6) Esta ocorrência provoca uma oscilação de frequência amortecida, estabilizando-se após, aproximadamente, sete segundos.

30 OSCILAÇÃO ELETROMECÂNICA O arquivo de saída do ANATEM foi configurado para fornecer fasores das tensões e frequência nas duas barras terminais, O passo de integração adotado foi de 3 mseg, com plotagem de um resultado a cada 11 mseg, o que fornece saída compatível com uma saída de 30 quadros ( frames ) por segundo de uma PMU, isto é 33mseg entre quadros, O tempo total de simulação foi de 21 seg. 60,251 60,133 Freq [Hz] 60,014 FREQ 634 BARIRI-A ,895 59,777 0, 4,2 8,4 12,6 16,8 21, Tempo [s]

31 OSCILAÇÃO ELETROMECÂNICA Foi desenvolvido um componente de software em C# para calcular a diferença angular. Este componente foi adicionado ao concentrador de dados openpdc, utilizando a interface disponível ActionAdapter.dll. Curva Diferença de Frequência gerada pelo openpdc após a captura dos frames dos dados simulados

32 OSCILAÇÃO ELETROMECÂNICA Endereçamento dos dados publicados na porta '6165' pelo openpdc, Foram obtidos dados simulados e após isto foram capturados os frames de PMU, relativos a duas PMU's distintas, por exemplo: vindo de duas barras distintas. Os resultados foram satisfatórios e se mostraram próximos da realidade. Dados a serem publicados pelo openpdc

33 OSCILAÇÃO ELETROMECÂNICA Para o traçado do gráfico, o aplicativo externo acessa as informações do openpdc, com os valores já calculados e utiliza as bibliotecas e controles gráficos padrões da linguagem C#, para traçar os gráficos. Pontos Visíveis Dados recebido pelo client em tempo real

34 ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS DE LINHA Leitura e tratamento de dados de PMU s em tempo real Cálculo de parâmetros de linha em tempo real Análise dos resultados Comparação dos resultados simulados 34 GE Title or job number 12/12/2014

35 CENÁRIO ATUAL DE APLICAÇÃO Concessionárias determinam os parâmetros de suas linhas através de programas, como por exemplo, ATP Line Constants. Dados necessários: geometria das torres, resistividade do solo, comprimento das linhas, altura média dos condutores em relação ao solo, dados de catálogos dos condutores, temperatura de operação dos mesmos, etc. Parte destas informações é conhecida de forma aproximada. Parâmetros são utilizados em estudos/simulações de préoperação e planejamento, com programas especificados pelo ONS: Anarede, Anatem, Anafas e o próprio ATP para os estudos de transitórios eletromagnéticos.

36 APLICAÇÕES DERIVADAS DO CALCULO DE PARÂMETROS ONLINE controle de carregamento: adota-se como limite o valor calculado da temperatura dos condutores e da flecha (ambos podem ser obtidos a partir dos parâmetros da linha calculados em tempo real), A linha pode ser submetida a um carregamento que supere o limite usual de corrente, sem riscos para a operação/estabilidade, com ganho em escala. localização de faltas. ajuste adaptativo de relés de distância

37 TAXA DE EXTERIORIZAÇÃO Taxa de exteriorização ( report rates ) mais utilizadas em 60Hz, de acordo com a norma IEEE C37.118: 10, 20, 30 e 60 sincrofasores por seg. Para este trabalho escolheu-se uma amostra a cada 100ms, para a simulação, o que corresponde a uma taxa de exteriorização de 10 fasores/segundo. Aplicações típicas: 37 GE Title or job number 12/12/2014

38 DIAGRAMA DE BLOCOS A partir da versão V4.3.10, é possível capturar dados da IEC Os softwares utilizados: PMUSimulator, Conection Tester e openpdc são disponibilizados e administrados pela Grid Protection Alliance, PMU Connection Tester verifica se a captura foi realizada com sucesso validando o frame, Após a validação acontece a simulação em tempo real (leitura do buffer de amostras sem interrupção). 38 GE Title or job number 12/12/2014

39 DIAGRAMA DE BLOCOS O software openpdc possui uma interface para facilitar a inserção de cálculos e lógicas computacionais, Uma biblioteca ActionAdapter.dll gerada pelo software C#, possibilita essa funcionalidade, tornando o openpdc um software flexível e interoperável, Neste ambiente, utilizando a biblioteca ActionAdapter.dll, foi possível realizar os cálculos de parâmetros de linha pelo openpdc. 39 GE Title or job number 12/12/2014

40 CÓDIGO EM LINGUAGEM C# E INTERFACE COM O OPENPDC Trecho do código em C#: bibilioteca dinâmica para gerar listas de instrução para o open PDC de como ler os dados de tensão e corrente do frame capturado. 40 GE Title or job number 12/12/2014

41 CÓDIGO EM LINGUAGEM C# E INTERFACE COM O OPENPDC Trecho do código em C#: bibilioteca dinâmica para gerar listas de instruções para o open PDC de como calcular a matriz de admitância pelo método dos mínimos quadrados pelo openpdc. Cálculo da Matriz de Admitância 41 GE Title or job number 12/12/2014

42 ALGORITMO - CÁLCULO DE PARÂMETROS DE LINHA Modelo Pi-Equivalente: Pode-se escrever, como: e Na forma matricial: tem-se: I = Y.U, onde: I =, U = e Y = cuja solução é: Y = inv(u). I (1) (para um único conjunto de dados referente a um instante específico do tempo). Para estimar os parâmetros utilizando-se uma janela de amostragem com medições de m conjuntos de dados, pode-se aplicar o método dos mínimos quadrados, minimizando a matriz de erros Em (dimensão 2mx2), definida por: As matrizes Im e Um tem dimensão (2mx2) e Ym = Y tem dimensão (2x1). 42 GE Title or job number 12/12/2014

43 ALGORITMO - CÁLCULO DE PARÂMETROS DE LINHA Da equação: parâmetros: (1) após algumas adaptações pode-se estimar os (2) Equação (2) permite a obtenção do melhor valor estimado para um conjunto de dados, fornecendo resultados mais estáveis, principalmente quando ocorrem eventuais oscilações ou erros de medição, caso contrário a equação (1) pode ser usada, fornecendo os resultados com menor esforço computacional. Para uma linha de comprimento L : Se a linha for curta: z = Z π / L (Ω/Km); y = Y π / L (mho/km) (3) Se a linha for longa, é necessária a aplicação da correção hiperbólica: z = Zc. γ (Ω/Km); y = γ / L (mho/km), aonde: (4) ; (5) 43 GE Title or job number 12/12/2014

44 PASSOS DA IMPLEMENTAÇÃO COMPUTACIONAL 1) Obtenção das medições fasoriais de tensão e corrente nas duas extremidades de uma linha de transmissão 2) Cálculo das respectivas componentes de sequência positiva 3) Obtenção dos parâmetros do modelo Pi aplicando-se: I) Equações (1) ou (2); II) Parâmetros distribuídos para linhas curtas com a equação (3); III) Parâmetros distribuídos para linhas longas com correção hiperbólica através das equações (4) e (5). 44 GE Title or job number 12/12/2014

45 DADOS DAS SIMULAÇÕES Obtidas leituras de tensão e corrente fasoriais reais da linha de transmissão de 440kV da ISA-Cteep, com 235km de extensão, a partir de PMU s reais instalados nas subestações de Bauru e Cabreúva. Medições referem-se à operação do circuito-1 desta linha, no dia 16/07/2014, no intervalo de tempo entre 15:00 e 15:05 (hora local ou 18:00 a 18:05 UTC), a uma taxa de exteriorização de 10 fasores/segundo, totalizando 3000 amostras. Leituras das três fases, obtidos os valores de sequência positiva antes de submetê-los aos programas. Programa tem o objetivo de obter os parâmetros de linha de sequência positiva. Duas versões de programa, uma em Matlab, para testes e análises preliminares, e em C#, para ser executada em ambiente computacional, através dos aplicativos OpenPDC e PMU Conection Tester, em tempo real. 45 GE Title or job number 12/12/2014

46 RESULTADOS DAS SIMULAÇÕES MATLAB Dados obtidos do caso de fluxo de potência ONS* PAR * 15/10/12 *JUN-15-MED foram: r(%) = 0.30, x%) = 3.75 e S(MVA) = Abaixo se encontram as 5 primeiras linhas de um total de 3000: TABELA COM CÁLCULOS DOS PARÂMETROS R(%) X(%) S(MVA) L(km) r(ohm/km) x(ohm/km) b(mho/km) Graficamente: Média obtida pelo cálculo em Matlab, a partir das medições de PMU s: r(%) = 1.43, x(%) = 3.80 e S(MVA) = GE Title or job number 12/12/2014

47 RESULTADOS DAS SIMULAÇÕES AMBIENTE DE TEMPO REAL PMU Primeiras 12 amostras de um total de 3000: Resultados pelo openpdc console, em tempo real: 47 GE Title or job number 12/12/2014

48 GRAFICO GERADO PELO OPENPDC Gráfico em tempo real gerado pelo openpdc: 48 GE Title or job number 12/12/2014

49 DISCUSSÃO SOBRE A PRECISÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS 1) Incertezas no cálculo com o Line Constants Resistividade do solo (seq. zero): varia ao longo do comprimento da linha, principalmente em linhas longas, além de variar também em função do tipo de solo e umidade, dependendo, portanto, das chuvas. Normalmente, no estado de São Paulo, adotam-se valores entre 600 a 1000 Ωm, Comprimento dos condutores: quando se informa o comprimento, normalmente se dispõe do comprimento da linha, que é a distância entre as subestações ao longo do traçado da linha, Ao se usar valores de catálogo de resistência por quilômetro dos condutores, seria necessário informar o comprimento dos condutores, que é maior, devido à catenária, Somente este fator já pode superar 10%, dependendo do projeto/traçado da linha. 49 GE Title or job number 12/12/2014

50 DISCUSSÃO SOBRE A PRECISÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS 1) Incertezas no cálculo com o Line Constants Temperatura dos condutores: usualmente adota-se 75 graus como temperatura dos condutores em operação, Durante a operação real há grandes variações, em função do clima e carregamento da linha. 50 GE Title or job number 12/12/2014

51 DISCUSSÃO SOBRE A PRECISÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS 2) Incertezas no cálculo com medições fasoriais Precisão de TP s e TC s: a classe de exatidão de TP s e TC s, definidas nas normas ABNT NBR6856 (TC s), NBR 6855 (TPI s) e NBR (TPC s), estabelece limites de exatidão que são compostos pelo FCR (fator de correção de relação) e erros de ângulo de fase, medidas devem estar no interior do paralelogramo para que os transformadores de instrumentos atendam às classes de exatidão especificadas, Os paralelogramos dos TC s tem orientação oposta à dos TP s, pois desta forma há uma certa compensação, quando se usam estas medições para cálculo de potência/energia. 51 GE Title or job number 12/12/2014

52 DISCUSSÃO SOBRE A PRECISÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS 2) Incertezas no cálculo com medições fasoriais Quando se usam medições de TP s e TC s para cálculo de parâmetros de linhas, estas grandezas são divididas uma pela outra, ao invés de serem multiplicadas e, neste caso, a exatidão especificada por paralelogramos tende a somar os erros e não compensá-los. O mais importante é o fato destes erros afetarem quase que somente a parte resistiva da impedância! 52 GE Title or job number 12/12/2014

53 DISCUSSÃO SOBRE A PRECISÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS 2) Incertezas no cálculo com medições fasoriais Precisão de TP s e TC s: Sendo a diferença angular próximo de 90 graus, havendo imprecisão, esta afetará muito mais o resultado do cosseno que do seno, o que pode ser facilmente testado por um exemplo numérico. Supondo que esta diferença angular seja igual a 89 graus, mas que por imprecisão de leituras seja 88 graus: ΔR(%)= ((cos(89) cos(88))/ cos(88)) * 100 = 49,9% ΔX (%)= ((sen(89) sen(88)) / sen(88)) * 100 = 0,04% 53 GE Title or job number 12/12/2014

54 DISCUSSÃO SOBRE A PRECISÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS 2) Incertezas no cálculo com medições fasoriais Precisão de PMU s (TVE total vector error): Supõe-se que o TVE máximo estabelecido pela norma IEEE Std C37.118, seja o erro composto do transformador do instrumento (TC ou TP) mais o erro introduzido pela PMU, gerado por imprecisão no sincronismo e pelo próprio algoritmo de cálculo dos fasores. As normas de TP s, TC s e PMU s não são elaboradas em conjunto com o propósito de garantir um valor de TVE, os erros podem superar aquele especificado na tabela-3 da norma IEEE Std C Estas imprecisões, caso ocorram, terão maior influência no cálculo da parte resistiva da impedância. 54 GE Title or job number 12/12/2014

55 PERSPECTIVAS DA IEC/TR Publicação do relatório técnico da norma IEC/TR em 05/2012, Possibilidade de transmissão de informações de sincrofasores de acordo com a IEEE C37.118, via mensagens GOOSE, Como tendência, os relés trocarão informações de PMU s entre relés e entre PDC s, pela rede, Ganho significativo para o suporte a tomada de decisões em tempo real. Predição de Estabilidade Dinâmica Rejeição de Carga por Subtensão Fonte: IEC Edition

56 PERSPECTIVAS DA IEC/TR Proposta para a comunicação entre o IED, PMU(monitoramento/controle), PMU(proteção) e o PDC, como forma de tratativa de dados em tempo real Predição de Cenários e Suporte a Tomada de decisão em tempo real. Fonte: IEC Edition

57 CONCLUSÃO Simulação de PMU s e a possibilidade de se ter gráficos plotados em tempo real, são formas efetivas de predição de contingências no sistema elétrico de potência, Possibilidade de verificação e monitoramento do comportamento do sistema elétrico de potência, em tempo real, traz ganhos em escala, principalmente em função de um melhor suporte a tomada de decisão, também em tempo real, pela equipe de operação das empresas do setor elétrico, Tratamento de Banco de Dados em tempo real e aplicação das normas IEC61970 e IEC61968 (Banco de Dados), em conjunto com o atendimento ao submódulo 2.7 do ONS, com vistas a integração das aplicações em tempo real de banco de dados de PMU s, Em relação aos aplicativos, as possíveis melhorias futuras, são adaptá-los aos recursos computacionais que viabilizam execução em tempo real, adequando o sistema operacional e a utilização de bibliotecas de tempo real.

58 CONCLUSÃO O cálculo de parâmetros de linha a partir de medições fasoriais pode ter diversas aplicações em tempo real e também em estudos off-line, de planejamento ou pósoperação, Os valores calculados de reatância e susceptância tem precisão satisfatória, que passam a depender apenas da precisão das medições, eliminando outras incertezas presentes em cálculos teóricos, Em relação a parte resistiva da impedância, os erros se mostraram mais significativos. Este fato, entretanto, não impede a implementação de aplicações que dependem apenas da reatância, Aplicações baseadas nas variações da resistência e não nos valores das resistências em si serão muito menos sensíveis aos erros destas últimas e podem se mostrar viáveis, Pode-se citar o cálculo da temperatura dos condutores, flechas das catenárias e monitoramento em tempo real dos limites de carregamento das linhas de transmissão, As normas dos transformadores de instrumentos não são elaboradas em conjunto, de modo que a se obter um único valor de TVE ( Total Vector Error ). 58 GE Title or job number 12/12/2014

59 OBRIGADO PELA ATENÇÃO! CONTATO: Eng. Rafael de Oliveira Fernandes General Electric. GE Energy Consulting

60

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

Workshop sobre Soluções de Medição Fasorial Sincronizada. Florianópolis, 27-28/01/2010. openpdc. Marcelo N. Agostini LabPlan UFSC

Workshop sobre Soluções de Medição Fasorial Sincronizada. Florianópolis, 27-28/01/2010. openpdc. Marcelo N. Agostini LabPlan UFSC Workshop sobre Soluções de Medição Fasorial Sincronizada Florianópolis, 27-28/01/2010 openpdc Marcelo N. Agostini LabPlan UFSC Tópicos Principais openpdc Descrição Características Principais Documentação

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão.0 a 5 Novembro de 009 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO GRUPO DE ESTUDO ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA -

Leia mais

Estabilidade Transitória

Estabilidade Transitória Estabilidade Transitória Revisão em janeiro 003. 1 Introdução A geração de energia elétrica dos sistemas de potência é constituída de máquinas síncronas. que operam com uma determinada freqüência. O sistema

Leia mais

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 A Empresa A PSYS Consultoria em Engenharia e Sistemas Ltda. surgiu do desejo de

Leia mais

Curso sobre Medição Fasorial. Sistemas de Medição Fasorial Sincronizada

Curso sobre Medição Fasorial. Sistemas de Medição Fasorial Sincronizada Curso sobre Medição Fasorial Teoria e Prática Sistemas de Medição Fasorial Sincronizada Synchronized Phasor Measurement Systems - SPMS Marcelo N. Agostini LabPlan / UFSC 08-09/11/2007 Tópicos Arquitetura

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO TILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS Paulo H. O. Rezende, Fabrício P. Santilho, Lucas E. Vasconcelos, Thiago V. Silva Faculdade de Engenharia Elétrica,

Leia mais

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC - 26 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios 30 Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A principal ferramenta para a operação de uma subestação de energia

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo

Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo 1 Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo Bernardo R. Bordeira e Sebastião E. M. de Oliveira Resumo--O presente trabalho avalia os principais esquemas

Leia mais

Avaliação do Impacto da Compensação Série na Proteção de Distância de Linhas de Transmissão Usando Estimação de Fasores

Avaliação do Impacto da Compensação Série na Proteção de Distância de Linhas de Transmissão Usando Estimação de Fasores 1 Avaliação do Impacto da Compensação Série na Proteção de Distância de Linhas de Transmissão Usando Estimação de Fasores Dêdison. S. Moura, Fernando. A. Moreira, Member, IEEE, Kleber. M. Silva, Member,

Leia mais

Megôhmetro Digital de 12kV

Megôhmetro Digital de 12kV Megôhmetro Digital de 12kV Funções: Maior flexibilidade para testar máquinas de alta tensão, se comparado aos instrumentos comuns com tensão de medição de 5/10kV. A alta corrente de curto aumenta a velocidade

Leia mais

Catálogo de Serviços

Catálogo de Serviços Catálogo de Serviços Estudos Elétricos 4 Projetos Elétricos 5 Engenharia de Campo 6 Treinamentos Técnicos 8 Apresentação da Empresa A SISPOT Engenharia e Consultoria nasceu do desejo de tornar-se referência

Leia mais

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. Nr Denominação 1 Elemento Principal 2 Relé de partida ou fechamento temporizado 3 Relé de verificação ou interbloqueio 4 Contator principal 5 Dispositivo de interrupção 6 Disjuntor de partida 7 Relé de

Leia mais

Análise de Redes Elétricas no Domínio do Tempo Introdução ao ATP. CESEP Curso de Especialização em Sistemas Elétricos de Potência - UFMG

Análise de Redes Elétricas no Domínio do Tempo Introdução ao ATP. CESEP Curso de Especialização em Sistemas Elétricos de Potência - UFMG 1 Análise de Redes Elétricas no Domínio do Tempo Introdução ao ATP Clever S. Pereira Filho Fuad de S. Almeida Alberto R. De Conti CESEP Curso de Especialização em Sistemas Elétricos de Potência - UFMG

Leia mais

GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC

GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC GSC/018 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC SIMULAÇÃO DA RESPOSTA AO TRANSITÓRIO DE CHAVEAMENTO EM SISTEMAS

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

Estudo de Transitórios de Chaveamento e seu Impacto no Dimensionamento dos Disjuntores de 230 KV da SE TERMOAÇU.

Estudo de Transitórios de Chaveamento e seu Impacto no Dimensionamento dos Disjuntores de 230 KV da SE TERMOAÇU. 1 Estudo de Transitórios de Chaveamento e seu Impacto no Dimensionamento dos Disjuntores de 23 KV da SE TERMOAÇU. São Paulo, 22 de janeiro de 26. 2 1 Introdução. O presente relatório tem por objetivo efetuar

Leia mais

CENTRO DE MEDIÇÃO FASORIAL SÍNCRONA

CENTRO DE MEDIÇÃO FASORIAL SÍNCRONA CENTRO DE MEDIÇÃO FASORIAL SÍNCRONA Daniel Martins - 31/03/2011 1. OBJETIVO Este trabalho descreve os procedimentos técnicos adotados para instalação de uma plataforma de aquisição, armazenamento, sincronização

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1.1 Introdução Em sistemas de potência, as unidades geradoras compreendem os equipamentos conectados ao sistema capazes de transformar vários tipos de energia

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO (GSC)

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO (GSC) SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSC 04 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO X SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO (GSC) EXPERIÊNCIA DA CEMIG NA

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES A6. Dispositivos Eletrônicos Inteligentes IED s (Relés Microprocessados) A6.1 Introdução Esta especificação técnica tem como objetivo estabelecer

Leia mais

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 CE 6003 CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 APLICAÇÕES: Testes manuais em relés (eletromecânicos, estáticos, numéricos) Testes automáticos em relés. Testes dinâmicos em relés com reprodução

Leia mais

Automação dos testes e do gerenciamento da manutenção de relés, medidores e transdutores

Automação dos testes e do gerenciamento da manutenção de relés, medidores e transdutores Automação dos testes e do gerenciamento da manutenção de relés, medidores e transdutores 1 P. S. Pereira; G. E. Lourenço; M. A. Choqueta; S. G. Campos; L. H. P. Junior Resumo Este artigo apresenta o resultado

Leia mais

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt 26 Capítulo XIII Proteção de Bancos de Capacitores Shunt Por Cláudio Mardegan* A utilização de bancos de capacitores em sistemas elétricos industriais tem crescido ultimamente devido ao fato de se constituir

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: (Não preencher) Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: (Não preencher) Maceió, Brasil, Agosto de 2005 PALAVRAS-CHAVE: medições em subestações previsor de energia protocolo DNP perdas de energia COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP TERMO DE REFERÊNCIA 002/2011 - DOP COMPRA DE EQUIPAMENTO PARA TESTES DE RELÉS DE PROTEÇÃO Fevereiro/2011 ÍNDICE 1. CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

Estudo do Impacto de Geradores. Distribuídos em Redes de Distribuição de. Energia Elétrica.

Estudo do Impacto de Geradores. Distribuídos em Redes de Distribuição de. Energia Elétrica. Estudo do Impacto de Geradores Distribuídos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica. Oliveira, F. B. R. 1 Cardoso, J. B. 2 Resumo: Os Sistemas Elétricos de Potência se estabelecem como unidades de

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI 05 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES

Leia mais

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS ELÉTRICOS - CESE - ÊNFASE GERAÇÃO 2013 - www.cese.unifei.edu.br CALENDÁRIO CESE GERAÇÃO 1 MÉTODOS COMPUTACIONAIS APLICADOS A SISTEMAS ELÉTRICOS 11/03/13 a 15/03/13 2

Leia mais

1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA

1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA 1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA ELÉTRICO - INFLUÊNCIA DOS REGULADORES E CONTRIBUIÇÃO PARA

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia

Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia 56 Apoio Automação de subestações Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) O desenvolvimento das facilidades de comunicação

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

Action₀EMS Power System Simulator

Action₀EMS Power System Simulator SCLN 212, Bloco D, Sala 101 Brasília DF CEP: 70.865-540 fone: +55 61 3340-8486 contato@spinengenharia.com.br www.spinengenharia.com.br Action₀EMS Power System Simulator Descrição Funcional 00101.01 Action₀EMS

Leia mais

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 19 a 24 Outubro de 2003 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 6. PROCEDIMENTOS 08 7. ALTERAÇÕES 09 8. ANEXOS 09 Elaboração: Anderson Muniz Data: 04/10/2011.

Leia mais

Décimo Segundo Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007

Décimo Segundo Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007 Sistem a de Monitoração On-line de Capacitância e Tangente Delta de Buchas Condensivas Marcos E. G. Alves* Jorge C. da Silva** * Treetech Sistem as Digitais Ltda. ** C em ig S.A. RESUMO Em geral, apesar

Leia mais

CURSO: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

CURSO: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS CURSO: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO DE: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS DIRIGIDO À Engenheiros

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES PARA DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE EVENTOS EM EQUIPAMENTOS DE SUPERVISÃO E PROTEÇÃO

ASPECTOS RELEVANTES PARA DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE EVENTOS EM EQUIPAMENTOS DE SUPERVISÃO E PROTEÇÃO ASPECTOS RELEVANTES PARA DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE EVENTOS EM EQUIPAMENTOS DE SUPERVISÃO E PROTEÇÃO Ricardo Camilo Zampieri Técnico Senior de Desenvolvimento Divisão de Gestão de Manutenção

Leia mais

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Nível de Óleo para Transformadores e reatores MNO, é um equipamento microprocessado de alta precisão que indica o nível de óleo em escala

Leia mais

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 05 102 Tópico: Sistemas de Monitoramento e Tratamento de Dados ESTUDO, PROJETO

Leia mais

Equivalentes de Redes Elétricas para Cálculo de Transitórios Eletromagnéticos no Programa ATP

Equivalentes de Redes Elétricas para Cálculo de Transitórios Eletromagnéticos no Programa ATP 1 Equivalentes de Redes Elétricas para Cálculo de Transitórios Eletromagnéticos no Programa ATP L. C. Zanetta Jr., C. E. M. Pereira, PEA-USP e A. A. C. Arruda, CTEEP Resumo - O presente projeto tem como

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil RENATO OLIVEIRA GUIMARÃES Empresa Energética do Mato Grosso do Sul S.A. ANTONIO DE PADUA

Leia mais

Refinaria Presidente Bernardes - RPBC Cubatão - SP ESTUDO DE ESTABILIDADE ELETROMECÂNICA

Refinaria Presidente Bernardes - RPBC Cubatão - SP ESTUDO DE ESTABILIDADE ELETROMECÂNICA Refinaria Presidente Bernardes - RPBC Cubatão - SP ESTUDO DE ESTABILIDADE ELETROMECÂNICA rev. Reg Tensão / Reg. Veloc. / Topologia FORNECIMENTO GEMULTILIN FEITO À PETROBRÁS - RPBC ATRAVÉS DO CONTRATO N.

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP PROCESSO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS TERMO DE REFERÊNCIA 005/2011 - DOP AQUISIÇÃO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES; RELÉS MULTIFUNCIONAIS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR Flávio Augusto Mereu Pioto Técnico Pleno de Desenvolvimento Divisão de Gestão de Manutenção Centro de Manutenções Especiais CTEEP Brasil fpioto@cteep.com.br

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET Especificação Técnica 1. Objeto Aquisição de 1 (um) NOBREAK DE POTÊNCIA 5 kva Obs.: Os atributos técnicos abaixo relacionados são de atendimento obrigatório. A nomenclatura

Leia mais

Kyle Distribution Switchgear. ...a proteção que faltava para seu sistema.

Kyle Distribution Switchgear. ...a proteção que faltava para seu sistema. Kyle Distribution Switchgear...a proteção que faltava para seu sistema. Confiabilidade do Sistema Além das Expectativas Complete o quebra-cabeças do seu sistema de proteção com o Relé para Religador Form

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações 54 Capítulo IX Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição A operação do sistema elétrico de potência é extremante dependente das informações de estados,

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG

SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG GPC / 02 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO V TEMA 2 SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG Gomes, N.S.(*) Andrade, S.R.C. Costa, C.A.B. Coutinho, C. E. B. CEMIG

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída *

Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída * Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída * Rafael Brenner Sousa Campos, Sérgio Garcia Oliveira, Igor Kopcak, Wander Gonçalves da

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Sobre a SEL Localização Cadastro Press Releases Fale Conosco Mapa do Site

Sobre a SEL Localização Cadastro Press Releases Fale Conosco Mapa do Site 1 de 6 10/06/2012 10:44 Sobre a SEL Localização Cadastro Press Releases Fale Conosco Mapa do Site Buscar Soluções Geração Transmissão Distribuição Redes de Distribuição Indústrias Redes de Comunicação

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

OANAFAS é um programa computacional

OANAFAS é um programa computacional ANAFAS Análise de Faltas Simultâneas OANAFAS é um programa computacional para cálculo de curtos-circuitos. Permite a execução automática de grande variedade de faltas e possui facilidades, como estudo

Leia mais

Capítulo VII. Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850. Automação de subestações. A norma IEC 61850

Capítulo VII. Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850. Automação de subestações. A norma IEC 61850 56 Capítulo VII Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850 Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A construção de subestações é uma atividade que

Leia mais

1 a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil. Análise de sincrofasores para detecção de oscilações em sistemas elétricos interligados

1 a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil. Análise de sincrofasores para detecção de oscilações em sistemas elétricos interligados IX Seminário Técnico de Proteção e Controle a 5 de Junho de 8 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Análise de sincrofasores para detecção de oscilações em sistemas elétricos interligados Marco Antonio M.

Leia mais

LT 500 kv ESTREITO FERNÃO DIAS CD PROJETO BÁSICO

LT 500 kv ESTREITO FERNÃO DIAS CD PROJETO BÁSICO POJETO BÁSICO CAPÍTULO 15 SISTEMA DE ATEAMENTO Capítulo 15 Pág.1/13 CONTEÚDO 1. OBJETIVO 2. DADOS 3. ESISTIVIDADE DO SOLO DA EGIÃO 4. METODOLOGIA DE CÁLCULO DA ESISTÊNCIA DOS CABOS CONTAPESOS 5. SISTEMA

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006 RELATÓRIO ONS - 3/107/06 EMITIDO EM: 28/04/2006 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos

Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos Características operacionais Equipamento padrão Confiabilidade Elevada disponibilidade Facilidades da tecnologia digital

Leia mais

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC - 28 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM MÓDULO DE GERENCIAMENTO DE ENERGIA ACOPLADO A UM SOFTWARE SCADA

IMPLEMENTAÇÃO DE UM MÓDULO DE GERENCIAMENTO DE ENERGIA ACOPLADO A UM SOFTWARE SCADA IMPLEMENTAÇÃO DE UM MÓDULO DE GERENCIAMENTO DE ENERGIA ACOPLADO A UM SOFTWARE SCADA Clovis Simões e José Aurélio Porto simoes@spinengenharia.com.br Spin Engenharia de Automação Ltda. Ariovaldo V. Garcia

Leia mais

Produtos de Baixa Tensão. Novo SACE Emax 2 Referência em disjuntores de baixa tensão no mundo

Produtos de Baixa Tensão. Novo SACE Emax 2 Referência em disjuntores de baixa tensão no mundo Produtos de Baixa Tensão Novo SACE Emax 2 Referência em disjuntores de baixa tensão no mundo Novo Emax 2 A ABB criou a combinação perfeita de controle, facilidade de uso, conectividade e desempenho, para

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MEDIÇÃO FASORIAL SINCRONIZADA NO MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA SEGURANÇA DA OPERAÇÃO DA UHE-ITAIPU 60Hz

UTILIZAÇÃO DE MEDIÇÃO FASORIAL SINCRONIZADA NO MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA SEGURANÇA DA OPERAÇÃO DA UHE-ITAIPU 60Hz UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UTILIZAÇÃO DE MEDIÇÃO FASORIAL SINCRONIZADA NO MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA SEGURANÇA DA OPERAÇÃO DA UHE-ITAIPU 60Hz ANDRÉ

Leia mais

DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES. Abril/2014

DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES. Abril/2014 DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES Abril/2014 Dificuldades no Processo de Implantação dos Empreendimentos de Transmissão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG. ELÉTRICA CADERNO DIDÁTICO DE SISTEMAS DE CONTROLE 1 ELABORAÇÃO:

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

Sistema de localização de falta Ilha Grande - RJ

Sistema de localização de falta Ilha Grande - RJ XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Sistema de localização de falta Ilha Grande - RJ Leandro Ribeiro Geraldo Ricardo

Leia mais

INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE

INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE Catálogo Técnico INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE CATÁLOGO TÉCNICO ÍNDICE CATÁLOGO TÉCNICO... 1 INTRODUÇÃO... 2 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 2 DADOS TÉCNICOS... 3 ENSAIOS DE TIPO REALIZADOS...

Leia mais

Avaliação do Impacto dos Controladores de Excitação na Estabilidade Transitória de Geradores Síncronos conectados em Sistemas de Distribuição

Avaliação do Impacto dos Controladores de Excitação na Estabilidade Transitória de Geradores Síncronos conectados em Sistemas de Distribuição Avaliação do Impacto dos Controladores de Excitação na Estabilidade Transitória de Geradores Síncronos conectados em Sistemas de Distribuição M. Resener, Member, IEEE, R. H. Salim, Member, IEEE, and A.

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições

Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições Fernando Petenel e Cristiano Panazio Resumo Este artigo apresenta uma análise de uma rede Smart Grid baseada na norma IEC 61850

Leia mais

Fluxo de Potência em sistemas de distribuição

Fluxo de Potência em sistemas de distribuição Fluxo de Potência em sistemas de distribuição Os sistemas de distribuição são radiais, caracterizados por ter um único caminho entre cada consumidor e o alimentador de distribuição. A potência flui da

Leia mais