Nova Geração de Recursos de Rede no Windows Vista

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nova Geração de Recursos de Rede no Windows Vista"

Transcrição

1 Nova Geração de Recursos de Rede no Windows Vista Yuri Diogenes (MCTS Windows Vista, MCITP, MCSE+Security, Security+, Network+, CCNP) Support Engineer Microsoft Corporation Agenda Introdução Melhorias na Pilha TCP/IP Desempenho Colaboração Auto Diagnóstico Resolução de Problemas MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 1

2 Introdução Em Casa No Trabalho Mobilidade Introdução Fonte: IDC MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 2

3 Novas Demandas IPv6 Windows Server 2003 e Windows XP usavam pilhas separadas para cada protocolo (IPv4 / IPv6). No Windows Vista ambos protocolos estão instalados como padrão em uma arquitetura de camada dupla melhorando assim a performace. Suporte para DHCP v6 (RFCs 3315 e 3736) IPv6 over PPP (RFC 2472) Melhorias Novas APIs de segurança e filtro de pacotes Métodos de configuração da pilha sem necessidade do boot MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 3

4 Redesenho do TCP/IP Winsock User Mode WSK Clients WSK AFD TDI Clients TDI TDX Kernel Mode Next Generation TCP/IP Stack (tcpip.sys) TCP IPv WLAN UDP Loopback IPv6 IPv4 Tunnel RAW IPv6 Tunnel Windows Filtering Platform API NDIS Maior mudança na pilha desde o ano de 1990 Desempenho aprimorado Auto-Ajuste de rede (Network auto tuning) e algorítimos de otimização Extensibilidade e confiabilidade com novas APIs Arquitetura WFP Firewall Application AV Application WFP APIs Base Filtering Engine (BFE) user TDI/WSK ALE kernel Stream Layer 3 rd party anti-virus Transport Layer Network Layer Forward Layer IPsec Filtering Engine 3 rd party parental control 3 rd party IDS 3 rd party NAT Callout modules MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 4

5 Maior Estabilidade Sistema Inicia BFE Inicia Serviços de Terceiros Iniciam Filtros de Boot Filtros persistentes Filtros BFE Roteamento Windows Server 2003 e Windows XP Dead Gateway Detection Problema: nesta implementação o produto fornecia a tolerância contra falha, porém não fazia o retorno caso o outro default gateway falhe na resposta. MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 5

6 Roteamento Windows Vista Fail-back Support for Default Gateway Changes Através de periódicas tentativas de acessar o default gateway original o sistema operacional volta a usar o primário assim que o mesmo ficar disponível MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 6

7 Desempenho de Rede Desafio Cenários Solução Transferir grandes quantidades de dados através da WAN de forma mais rápida Limitações no atual modelo TCP/IP: Janela de recepção TCP com grande latência Perda de pacotes resultantes do controle de congestionamento Largura de Banda não utilizada de forma eficiente Automaticamente ajustar cada conexão de rede baseada nas devidas condições (Ex.: latência, largura de banda disponível, congestionamento, tipo de conexão) Desempenho de Rede Ajuste Automático para melhor eficiência Auto Ajuste da Janela de Recepção TCP Mais rapidez na transferência dos dados, inclusive em links WAN Otimização do uso de largura de banda Otimização de Performace sem Perda Compound TCP Explicit Congestion Notification (ECN) RFC 3168 Permite o melhor controle de congestionamento se os dois hosts e os roteadores intermediários suportarem ECN MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 7

8 ECN Explicit Congestion Notification Os campos usados como reservado do cabeçalho TCP agora são usados pelo ECE e CWR ECE usado como forma de sinalizar que o host suporta esta característica CWR controle de congestionamento de janela ECN Explicit Congestion Notification Combinações dos dois primeiros bits: 00 - Host não suporta ECN. 01 ou 10 Host suporta ECN. 11 Congestionamento detectado pelo roteador. Característica desabilitada como padrão. Para habilitar é necessário executar o comando: netsh interface tcp set global ecncapability=enabled MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 8

9 Window Auto Tunning Atual Controle de Fluxo TCP (exemplo) Janela de Envio = 360 Bytes Janela de Recebimento = 360 Bytes Envio de 140 bytes Confirmação de Recebimento + anúncio da nova janela (220 bytes) 140 Envio de 180 bytes Window Auto-Tuning Métodos de ajuste da janela no atual modelo (XP e 2003): O tamanho máximo da janela de recebimento é determinada por um dos parâmetros abaixo: Um valor automático é negociado de acordo com a velocidade do link Pode ser alterado manual via registro (TCPWindowSize registry) limite máximo de 5Mbps (sem escalonamento de janela) Com escalonamento de janela (RFC 1323 Window Scale) pode ir até 1GB Via aplicação, usando SO_RCVBUF Windows Socket MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 9

10 Window Auto-Tuning Métodos de ajuste da janela no atual modelo (XP e 2003): O tamanho máximo da janela de recebimento é determinada por um dos parâmetros abaixo: Um valor automático é negociado de acordo com a velocidade do link Pode ser alterado manual via registro (TCPWindowSize registry) limite máximo de 5Mbps (sem escalonamento de janela) Com escalonamento de janela (RFC 1323 Window Scale) pode ir até 1GB Via aplicação, usando SO_RCVBUF Windows Socket Window Auto-Tuning Métodos de ajuste da janela no atual modelo (XP e 2003): O tamanho máximo da janela de recebimento é determinada por um dos parâmetros abaixo: Um valor LIMITAÇÃO automático é negociado de acordo com a velocidade do link Pode ser alterado manual via registro todas (TCPWindowSize as conexões registry) TCP serão limite afetadas máximo de 5Mbps (sem escalonamento de janela) Com escalonamento de janela (RFC 1323 Window Scale) pode ir até 1GB Via aplicação, usando SO_RCVBUF Windows Socket Independente do método em uso o fato é que MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 10

11 Window Auto-Tuning Com a nova geração TCP/IP do Windows Vista temos o auto ajuste da janela de recepção do host Para isso os seguintes parâmetros são analisados: Tempo de resposta Taxa de requisição de dados da aplicação Ajuste baseado nas condições correntes da rede O tamanho da janela é negociado em 16MB e de acordo com com os parâmetros acima ela é alterada Não é feito mais o uso da chave de registro TCPWindowSize CTCP Compound TCP O Atual método de prevenção de congestionamento aumenta a janela de envio com um segmento inteiro TCP para cada janela completa de dados que é confirmada Este algorítimo funciona bem para conexões de alta velocidade (LAN) e pequenas janelas TCP MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 11

12 CTCP Compound TCP O problema começa quando temos alta largura de banda e alto delay Exemplo: dois servidores replicando dados através de uma WAN de alta velocidade com latência de 100ms RTT (round trip time) PROBLEMA: a janela de recebimento não vai crescer suficiente para utilizar a banda disponível. SOLUÇÃO: CTCP quando habilitado vai aumentar a janela de envio para conexões com altas janelas de recebimento e para conexões com alta largura de banda e alto delay CTPC em Ação Exemplo do tempo de recuperação usando CTCP e o método padrão (NewReno) MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 12

13 RSS Receive Side Scaling Deficiência no Recebimento de pacotes usando NDIS 5.1 Não era possível para uma placa de rede fazer uso de múltiplos processadores durante o recebimento de pacotes Com isso quando um pacote é recebido pela placa, a mesma faz uma interrupção no processador que poderá inclusive ser enfileirada enquanto o processador termina o ciclo O benefício de ter um computador com múltiplos processadores não é de fato visto em um cenário de cópia de arquivos RSS Receive Side Scaling NDIS 6.0 com uso de RSS Execução paralela: Pacotes recebido por uma única placa de rede podem ser processados em mais de uma CPU ao mesmo tempo (preservando a ordem) Balanceamento de Carga: balanceamento de carga automática entre os processadores Cache Locality: pacotes de uma conexão são mapeados para um único processador, com isso o estado do pacote não precisa ser mapeado entre os processadores, evitando troca de informações de cache Hash Seguro: a assinatura do RSS agora é criptografada. MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 13

14 RSS Receive Side Scaling Hoje NDIS CPU0 ISR DPC Com uso de RSS NDIS NDIS NDIS CPU0 CPU1 CPU2 DPC DPC DPC Parallel DPC Parallel Receive Packet Queues NIC NIC Um processador por placa Multiplos processadores podem atender uma placa Iniciar MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 14

15 QoS Não há impacto de performace se o tráfego não for o determinado pela política Aplicações não precisam ser modificadas para se adequar ao QoS Políticas de QoS podem também ser protegidas através de IPSec QoS via Group Policy Usuário (Windows Vista) -Desktop do Depto Financeiro - Tráfego Geral Problema Congestionamento da rede WAN Usuários de Finança Aplicações de Missão Crítica Outros Desktops (Windows Vista) -Política de Tráfego Geral -Servidor Financeiro -Tráfego geral Servidor com Aplicação ERP (Windows Server Longhorn ) Nome da Política DSCP Throttle rate: Computadores localizados em Descrição (None) Tratamento Best-effort Tráfego Geral 1 - Domain-wide Aplica valor DSCP de menor prioridade Computadores do Financeiro Servidor do Financeiro 12 - Usuário do Financeiro (OU) 20 - Servers (OU de máquinas) Aplica valor DSCP de maior prioridade para tráfego vindo dos clientes do financeiro Aplica valor DSCP de maior prioridade para tráfego vindo dos servidores do financeiro MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 15

16 MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 16

17 Windows Meeting Space Infraestrutura Microsoft P2P para Colaboração Compartilhamento de desktop Agenda distribuída Compartilhamento de apresentações Uso nativo de IPv6 Melhor conectividade Suporte nativo a IPSec Cada elemento da reunião tem seu IP único Compatibilidade futura Iniciar MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 17

18 Windows Network Diagnostics Framework Interatividade e Auto Ajuda Evitar frustações dos usuários Diagnosticar problemas automaticamente e interagir com o usuário para uma solução mais eficaz Evitar que simples chamados sejam encaminhados para o Help Desk Aprendendo e Diagnosticando Maior interatividade Fluxo lógico de ações Extensível para aplicações de terceiros para fornecer a disponibilidade do botão diagnosticar MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 18

19 Windows Network Diagnostics Framework Windows Network Diagnostics Framework Cenário: conexão com a Internet foi perdida MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 19

20 Principais Ferramentas Novo Event Viewer Network Monitor 3 Netsh MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 20

21 Netmon 3 MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 21

22 Referências Performance Enhancements in the Next Generation TCP/IP Stack g1105.mspx Network Diagnostics Framework in Windows Vista g0706.mspx Explicit Congestion Notification (ECN) for TCP/IP g1006.mspx Can Applications Benefit From IPv6? Policy-based QoS Architecture in Windows Server 2008 and Windows Vista g0306.mspx 2006 Microsoft Corporation. All rights reserved. Microsoft, Windows, Windows Vista and other product names are or may be registered trademarks and/or trademarks in the U.S. and/or other countries. The information herein is for informational purposes only and represents the current view of Microsoft Corporation as of the date of this presentation. Because Microsoft must respond to changing market conditions, it should not be interpreted to be a commitment on the part of Microsoft, and Microsoft cannot guarantee the accuracy of any information provided after the date of this presentation. MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. MICROSOFT MAKES NO WARRANTIES, EXPRESS, IMPLIED OR STATUTORY, AS TO THE INFORMATION IN THIS PRESENTATION. 22

Seja Bem-Vindo. System Center Family. Inicio: 09:00 Termino: 12:00

Seja Bem-Vindo. System Center Family. Inicio: 09:00 Termino: 12:00 Seja Bem-Vindo System Center Family Inicio: 09:00 Termino: 12:00 Intervalo: 15 minutos Marcelo Sincic Consultor / Instrutor msincic@uol.com.br blog: http://www.marcelosincic.eti.br Microsoft como CPLS

Leia mais

Seja Bem-Vindo. Sharepoint 2007 para Desenvolvedores. Inicio: 19:00 Termino: 22:00

Seja Bem-Vindo. Sharepoint 2007 para Desenvolvedores. Inicio: 19:00 Termino: 22:00 Seja Bem-Vindo Sharepoint 2007 para Desenvolvedores Inicio: 19:00 Termino: 22:00 Intervalo: 15 minutos Marcelo Sincic Consultor / Instrutor msincic@uol.com.br Microsoft como CPLS - Certified Partner Learning

Leia mais

Uma nova luz na web com Microsoft Silverlight. Leonardo Sobral sobral@eng.com.br Consultor de Tecnologia

Uma nova luz na web com Microsoft Silverlight. Leonardo Sobral sobral@eng.com.br Consultor de Tecnologia Uma nova luz na web com Microsoft Silverlight Leonardo Sobral sobral@eng.com.br Consultor de Tecnologia Links Silverlight 4 runtime http://silverlight.net/getstarted/silverlight4/default.aspx Silverlight

Leia mais

Alcance Adapte-se a mundança. Nome, Título

Alcance Adapte-se a mundança. Nome, Título Alcance Adapte-se a mundança Nome, Título Foco no Consumidor Conectada Modernização Força de Trabalho Entusiastas Visionários Pragmáticos Conservadores Séticos Diferenciação Start-ups e CSVs Corporações

Leia mais

Grupo de Arquitetos Microsoft Brasil

Grupo de Arquitetos Microsoft Brasil Grupo de Arquitetos Microsoft Brasil Luciano Condé Markus Christen Otávio Pecego Coelho Waldemir Cambiucci Azure Academy Markus Christen Arquiteto de Infra-Estrutura Microsoft Brasil http://blogs.technet.com/markus

Leia mais

Microsoft S+S Day Data: 09 de dezembro de 2008

Microsoft S+S Day Data: 09 de dezembro de 2008 Microsoft S+S Day Data: 09 de dezembro de 2008 Otavio Pecego Coelho Arquiteto de Soluções Microsoft Brasil http://blogs.msdn.com/otavio Expandir para nova localidade Upgrade ao vivo de novas funcionalidades

Leia mais

Grupo de Arquitetos Microsoft Brasil

Grupo de Arquitetos Microsoft Brasil Grupo de Arquitetos Microsoft Brasil Luciano Condé Markus Christen Otavio Pecego Coelho Waldemir Cambiucci Azure Academy Otavio Pecego Coelho Arquiteto de Soluções Microsoft Brasil http://blogs.msdn.com/otavio

Leia mais

Microsoft Software + Serviços

Microsoft Software + Serviços 9 de Março de 2010 Microsoft Software + Serviços O Poder de Escolha Nas Instalações (On-Premise) Controlo e propriedade Capacidades estratégicas Integração avançada Alojado por Parceiros (Hosting) TI em

Leia mais

Produzindo Valor com Gerenciamento do Ciclo de Vida de Aplicativos Delivering Value with Application Lifecycle Management (ALM)

Produzindo Valor com Gerenciamento do Ciclo de Vida de Aplicativos Delivering Value with Application Lifecycle Management (ALM) Produzindo Valor com Gerenciamento do Ciclo de Vida de Aplicativos Delivering Value with Application Lifecycle Management (ALM) Clementino de Mendonça Senior Development Consultant Microsoft Services O

Leia mais

Uma introdução sobre Frameworks de Desenvolvimento

Uma introdução sobre Frameworks de Desenvolvimento Uma introdução sobre Frameworks de Desenvolvimento Waldemir Cambiucci Arquiteto de Soluções Microsoft Brasil twitter.com/wcamb ogs.msdn.com/wcamb 1 Agenda Ferramentas de produtividade Questões sobre frameworks

Leia mais

Centro de Inovação Microsoft-PUCRS

Centro de Inovação Microsoft-PUCRS Centro de Inovação Microsoft-PUCRS O Centro de Inovação Microsoft-PUCRS Coord. Geral: Prof. Bernardo Copstein (FACIN) Coord. Negócios: Profa. Ionara Rech (FACE) Localização: prédio 96b, Tecnopuc O Centro

Leia mais

Performance Disponibilidade Segurança Gerenciável. On client Partner-hosted Microsoft-hosted

Performance Disponibilidade Segurança Gerenciável. On client Partner-hosted Microsoft-hosted Compreensivo Flexível Global Performance Disponibilidade Segurança Gerenciável Coordinação Consolidação Transformação Sincronização Armazenamento e Pesquisa Federation Composição Monitoriamento Análise

Leia mais

Uma nova luz na web com Microsoft Silverlight

Uma nova luz na web com Microsoft Silverlight Uma nova luz na web com Microsoft Silverlight A ENG DTP & Multimídia SP, PR e DF Desde 1983 Desde 2004 Desde 2007 A ENG DTP & Multimídia Evolução Tecnológica 1993 Director & Authorware 1995 Photoshop e

Leia mais

Grupo de Arquitetos Microsoft Brasil

Grupo de Arquitetos Microsoft Brasil Grupo de Arquitetos Microsoft Brasil Luciano Condé Markus Christen Otávio Pecego Coelho Waldemir Cambiucci Azure Academy Waldemir Cambiucci Arquiteto de Soluções Microsoft Brasil http://blogs.msdn.com/wcamb

Leia mais

Café com Target. Andrea Leal APS MKT Manager Março, 2009 advertising.microsoft.com/brasil

Café com Target. Andrea Leal APS MKT Manager Março, 2009 advertising.microsoft.com/brasil Café com Target Andrea Leal APS MKT Manager Março, 2009 advertising.microsoft.com/brasil BOM DIA! Mapa de Navegação do Dia 09h00 Café da Manhã 09h30 Abertura 09h35 QUE *($^*#)@(*$ EU ESTOU FAZENDO AQUI?

Leia mais

Rogério Molina Consultor e instrutor rogeriomolina@green.com.br

Rogério Molina Consultor e instrutor rogeriomolina@green.com.br Rogério Molina Consultor e instrutor rogeriomolina@green.com.br Parte 1 Instalação e Configuração Quais opções são possíveis Requisitos para instalação Demo de upgrade Considerações para migração Demo

Leia mais

NetApp Visão Geral Alguns Desafios de uma Infraestrutura em Nuvem Integração com o System Center 2012

NetApp Visão Geral Alguns Desafios de uma Infraestrutura em Nuvem Integração com o System Center 2012 Agenda NetApp Visão Geral Alguns Desafios de uma Infraestrutura em Nuvem Integração com o System Center 2012 Monitoramento, Relatórios e Recomendações Pronto para sua Nuvem: System Center Orchestrator

Leia mais

O poder da cobertura das consultas (Cover Indexes) Estratégias de indexação apropriadas (AND, OR, joins, agregações)

O poder da cobertura das consultas (Cover Indexes) Estratégias de indexação apropriadas (AND, OR, joins, agregações) São Paulo 05 07 Dezembro DAT303 Pré-requisitos (detabe sobre índices cluster) O poder da cobertura das consultas (Cover Indexes) Estratégias de indexação apropriadas (AND, OR, joins, agregações) Outras

Leia mais

Grupo de Arquitetos Microsoft Brasil

Grupo de Arquitetos Microsoft Brasil Grupo de Arquitetos Microsoft Brasil Luciano Condé Markus Christen Otávio Pecego Coelho Waldemir Cambiucci Azure Academy Waldemir Cambiucci Arquiteto de Soluções Microsoft Brasil http://blogs.msdn.com/wcamb

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2

Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2 Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2 Visão geral sobre Desempenho Descrição do Conteúdo Os roteadores de serviços integrados de nova geração (ISR G2) proporcionam uma plataforma para serviços

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Software as a Service (SaaS)

Software as a Service (SaaS) Software as a Service (SaaS) Estratégias para acessar mais usuários Otavio Pecego Coelho Arquiteto Soluções DPE Microsoft Brasil otavioc@microsoft.com Agenda Introdução ao tema Software as a Service (SaaS)

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

Windows Server e Windows Vista Melhores Juntos

Windows Server e Windows Vista Melhores Juntos Windows Server e Windows Vista Melhores Juntos Sobre o documento ESTE DOCUMENTO NÃO É UMA ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTO. Este documento suporta a versão Beta 3 do Windows Server Longhorn. As informações contidas

Leia mais

Otimizando o desempenho de aplicativos WAN e LAN com o TCP Express

Otimizando o desempenho de aplicativos WAN e LAN com o TCP Express Otimizando o desempenho de aplicativos WAN e LAN com o TCP Express Visão Geral Para empresas que distribuem aplicativos pela Internet e extranet, as ineficiências do TCP/IP, com os efeitos da latência

Leia mais

Bernardo Patrão Technical Manager Critical Software

Bernardo Patrão Technical Manager Critical Software Bernardo Patrão Technical Manager Critical Software 10 Dezembro 2009 Instituto de Estudos Superiores Militares A problemática da protecção de informação crítica A Segurança nas Organizações Ameaças Modelo

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

Ipv6. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília. Campus Taguatinga. PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M.

Ipv6. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília. Campus Taguatinga. PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília Campus Taguatinga Matéria: REDES Professor: Frederico PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M. da Silva Ipv6 Taguatinga-DF 2012 INTRODUÇÃO

Leia mais

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Windows Server 2012 Virtualização Hyper-v Firewall Pfsense C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on 2 Sumário 1 Conteúdo Windows 2012... 3 2 Conteúdo Virtualização...

Leia mais

Administração de Redes Redes e Sub-redes

Administração de Redes Redes e Sub-redes 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administração de Redes Redes e Sub-redes Prof.

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

O mito da banda e o desempenho dos aplicativos

O mito da banda e o desempenho dos aplicativos O mito da banda e o desempenho dos aplicativos Visão Geral A lei de Moore determina que a densidade dos dados dobra aproximadamente a cada 18 meses, e a lei de Metcalfe diz que o valor de uma rede aumenta

Leia mais

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte?

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte? Lista de Exercícios Camada de Transporte GBC-056 Arquitetura de Redes de Computadores Bacharelado em Ciência da Computação Universidade Federal de Uberlândia 6 de Julho de 2015 Exercício 1 Para que serve

Leia mais

Winconnection 6. Internet Gateway

Winconnection 6. Internet Gateway Winconnection 6 Internet Gateway Descrição Geral O Winconnection 6 é um gateway de acesso à internet desenvolvido dentro da filosofia UTM (Unified Threat Management). Assim centraliza as configurações

Leia mais

Curso de especialização em Teleinformática Disciplina Sistemas Distribuídos Prof. Tacla

Curso de especialização em Teleinformática Disciplina Sistemas Distribuídos Prof. Tacla - 1 - - 2 - COMUNICAÇÃO INTER PROCESSOS DISTRIBUÍDOS. - 3 - - 4 - Os sockets UDP e TCP são a interface provida pelos respectivos protocolos. Pode-se dizer que estamos no middleware de sistemas distribuídos

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes Alta Performance. Paulo Aguiar DCC/UFRJ

Tópicos Especiais em Redes Alta Performance. Paulo Aguiar DCC/UFRJ Tópicos Especiais em Redes Alta Performance Paulo Aguiar DCC/UFRJ Conteúdo A convergência das redes e os grandes desafios Sistemas grandes são melhores Rede IP global como solução: limitações de desempenho

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3

Redes de Computadores Aula 3 Redes de Computadores Aula 3 Aula passada Comutação: circuito x pacotes Retardos e perdas Aula de hoje Protocolo em camadas Aplicações C/S x P2P Web Estruturando a Rede Como organizar os serviços de uma

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

MUM. Mikrotik User s Meeting Rio de Janeiro - 2009. Mikrotik e a Computação nas nuvens. Maila Networks

MUM. Mikrotik User s Meeting Rio de Janeiro - 2009. Mikrotik e a Computação nas nuvens. Maila Networks MUM Mikrotik User s Meeting Rio de Janeiro - 2009 Mikrotik e a Computação nas nuvens Oferece serviços de Conectividade IP, Desenvolvimento e Integração de Sistemas. Consultoria `a Provedores de Acesso,

Leia mais

Manual De Configuração

Manual De Configuração Manual De Configuração Modem Roteador ADSL Kaiomy LP-AL2011P LP-AL2011PW LP-AL2014P LP-AL2014PW Revisão: 1.0 Conteúdo: 1. Requisitos do Sistema... 03 2. Login...07 3. Status...08 3.1 Página Inicial...08

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

Kaspersky Security for Virtualization. Overview

Kaspersky Security for Virtualization. Overview Kaspersky Security for Virtualization Overview Idéia da Virtualização Executar um sistema operacional como um programa dentro de outro sistema operacional Executar vários sistemas operacionais no mesmo

Leia mais

Marcelo Sincic Consultor e instrutor msincic@green.com.br

Marcelo Sincic Consultor e instrutor msincic@green.com.br Marcelo Sincic Consultor e instrutor msincic@green.com.br Marcelo Sincic Consultor / Instrutor msincic@uol.com.br blog: http://www.marcelosincic.eti.br Marcelo Sincic Consultor e instrutor msincic@green.com.br

Leia mais

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 1 Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 O que é uma Rede de Computadores? Vários tipos de redes: Redes Telefônicas Redes de Satélites Redes Celulares Redes de TV a cabo Internet e intranets Rede Privada

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Tenha a mesma experiência de rede que os seus clientes Fechando a lacuna da ativação

Tenha a mesma experiência de rede que os seus clientes Fechando a lacuna da ativação Documento técnico Tenha a mesma experiência de rede que os seus clientes Fechando a lacuna da ativação Introdução Tradicionalmente, os testes de ativação das Camadas 2/3, como RFC 2544 têm sido conduzidos

Leia mais

Monitoração de Desempenho de Redes Curso SCI/RNP. Ferramentas de Medição - Iperf NTP

Monitoração de Desempenho de Redes Curso SCI/RNP. Ferramentas de Medição - Iperf NTP Monitoração de Desempenho de Redes Curso SCI/RNP NTP Ferramentas de Medição - Iperf Rodrigo Edison Pescador Tadeu (PoP-SC/RNP) Lopes Melo pescador@pop-sc.rnp.br melo@npd.ufsc.br http://wiki.monipe.rnp.br

Leia mais

Perguntas e respostas

Perguntas e respostas Autodesk Revit Autodesk Revit Architecture Autodesk Revit MEP Autodesk Revit Structure Autodesk Revit LT Perguntas e respostas Este documento fornece perguntas e respostas sobre como usar o software Autodesk

Leia mais

Foi inicialmente desenvolvido como parte de um

Foi inicialmente desenvolvido como parte de um PROTOCOLO TCP/IP 1 INTRODUCÃO Foi inicialmente desenvolvido como parte de um projeto incentivado pela DARPA; Tinha como objetivo desenvolver tecnologias para que as máquinas interligadas em rede continuassem

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Load Balance / Route Policy (para series Vigor 2860 / Vigor 2925)

Load Balance / Route Policy (para series Vigor 2860 / Vigor 2925) Load Balance / Route Policy (para series Vigor 2860 / Vigor 2925) Route Policy (também conhecido como PBR, policy-based routing) é um recurso que permite configurar estratégias de roteamento. Os pacotes

Leia mais

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação O ProApps Security O ProApps Security é um componente da suíte de Professional Appliance focada na segurança de sua empresa ou rede. A solução pode atuar como gateway e como solução IDS/IPS no ambiente.

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Máscaras de sub-rede. Fórmula

Máscaras de sub-rede. Fórmula Máscaras de sub-rede As identificações de rede e de host em um endereço IP são diferenciadas pelo uso de uma máscara de sub-rede. Cada máscara de sub-rede é um número de 32 bits que usa grupos de bits

Leia mais

MULTIPLOS LINKS DE INTERNET, BALANCEAMENTO DE TRÁFEGO E GERENCIAMENTO DE FALHAS

MULTIPLOS LINKS DE INTERNET, BALANCEAMENTO DE TRÁFEGO E GERENCIAMENTO DE FALHAS MULTIPLOS LINKS DE INTERNET, BALANCEAMENTO DE TRÁFEGO E GERENCIAMENTO DE FALHAS O objetivo deste documento é descrever a criação de um roteador para acessar uma rede que use várias conexões de Internet,

Leia mais

Roteador Load-Balance / Mikrotik RB750

Roteador Load-Balance / Mikrotik RB750 Roteador Load-Balance / Mikrotik RB750 Equipamento compacto e de alto poder de processamento, ideal para ser utilizado em provedores de Internet ou pequenas empresas no gerenciamento de redes e/ou no balanceamento

Leia mais

A Internet e o TCP/IP

A Internet e o TCP/IP A Internet e o TCP/IP 1969 Início da ARPANET 1981 Definição do IPv4 na RFC 791 1983 ARPANET adota o TCP/IP 1990 Primeiros estudos sobre o esgotamento dos endereços 1993 Internet passa a ser explorada comercialmente

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

NETALARM GATEWAY Manual Usuário

NETALARM GATEWAY Manual Usuário NETALARM GATEWAY Manual Usuário 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Requisitos de Instalação... 3 3. Instalação... 3 4. Iniciando o programa... 5 4.1. Aba Serial... 5 4.2. Aba TCP... 6 4.3. Aba Protocolo...

Leia mais

SonicWALL Clean Wireless Solution. Arley Brogiato SE SonicWALL Brasil brasil@sonicwall.com Tel: + 55 11 5095-3490

SonicWALL Clean Wireless Solution. Arley Brogiato SE SonicWALL Brasil brasil@sonicwall.com Tel: + 55 11 5095-3490 SonicWALL Clean Wireless Solution Arley Brogiato SE SonicWALL Brasil brasil@sonicwall.com Tel: + 55 11 5095-3490 Os desafios Expandir o uso de acesso a rede Wireless Cada vez mais dispositivos no padrão

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Curso Firewall. Sobre o Curso de Firewall. Conteúdo do Curso

Curso Firewall. Sobre o Curso de Firewall. Conteúdo do Curso Curso Firewall Sobre o Curso de Firewall Este treinamento visa prover conhecimento sobre a ferramenta de Firewall nativa em qualquer distribuição Linux, o "iptables", através de filtros de pacotes. Este

Leia mais

$ %$ & ' ( ! ) * +!, 3! 4 5!, 6,445 5 5 4 4 5! ! " #!

$ %$ & ' ( ! ) * +!, 3! 4 5!, 6,445 5 5 4 4 5! !  #! $ %$ & ' (! ) * +!, ",! ) * +!. * /., ",! - 0 1! '! 2 3! 4 5!, 6,445 5 5 4 4 5! Folha de Rosto... 01 Índice... 02 I. Introdução... 03 II. Topologia... 03 III. Preparação & configuração dos equipamentos...

Leia mais

Roteador Wireless 150Mbps 4 Portas

Roteador Wireless 150Mbps 4 Portas Roteador Wireless 150Mbps 4 Portas Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

ESTUDOS REALIZADOS. Camada Física. Redes de Computadores AULA 13 CAMADA DE REDE. Camada Física Camada de Enlace Subcamada de Acesso ao Meio AGORA:

ESTUDOS REALIZADOS. Camada Física. Redes de Computadores AULA 13 CAMADA DE REDE. Camada Física Camada de Enlace Subcamada de Acesso ao Meio AGORA: Redes de Computadores AULA 13 CAMADA DE REDE Profº Alexsandro M. Carneiro Outubro - 2005 ESTUDOS REALIZADOS Camada Física Camada de Enlace Subcamada de Acesso ao Meio AGORA: Camada de Rede Camada Física

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

Diretivas de Segurança

Diretivas de Segurança Diretivas de Segurança Sobre o documento ESTE DOCUMENTO NÃO É UMA ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTO. Este documento suporta a versão Beta 3 do Windows Server Longhorn. As informações contidas no mesmo representam

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Camada de Aplicação A camada de Aplicação é a que fornece os serviços Reais para os usuários: E-mail, Acesso a Internet, troca de arquivos, etc. Portas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

TMOS: Redefinindo a solução

TMOS: Redefinindo a solução TMOS: Redefinindo a solução Visão Geral Historicamente, há dois modos de criar dispositivos de application delivery networking: para desempenho ou para inteligência. No mercado aberto, os clientes normalmente

Leia mais

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Função A camada de Transporte fica entre as camadas de nível de aplicação (camadas 5 a 7) e as de nível físico

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

O Impacto dos Aceleradores Expand no Consumo de Banda do Citrix Metraframe

O Impacto dos Aceleradores Expand no Consumo de Banda do Citrix Metraframe O Impacto dos Aceleradores Expand no Consumo de Banda do Citrix Metraframe Teste de Desempenho Expand Networks, abril de 24 O líder atual de mercado em sistemas de computação baseados em servidores é a

Leia mais

Firewalls em Linux. Tutorial Básico. André Luiz Rodrigues Ferreira alrferreira@carol.com.br

Firewalls em Linux. Tutorial Básico. André Luiz Rodrigues Ferreira alrferreira@carol.com.br Firewalls em Linux Tutorial Básico André Luiz Rodrigues Ferreira alrferreira@carol.com.br 1 O que é um Firewall? Uma série de mecanismos de proteção dos recursos de uma rede privada de outras redes. Ferramenta

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Repetidores e hubs Pontes e switches Roteadores Outros equipamentos IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Um repetidor é um equipamento usado para ampliar o comprimento

Leia mais

Configuração de Rede

Configuração de Rede Configuração de Rede 1. Configuração de rede no Windows: A finalidade deste laboratório é descobrir quais são as configurações da rede da estação de trabalho e como elas são usadas. Serão observados a

Leia mais

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O IP e a Máscara de Sub-Rede O IP se baseia em duas estruturas para efetuar o roteamento de datagramas:

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

FICHA TÉCNICA BRWall

FICHA TÉCNICA BRWall FICHA TÉCNICA BRWall BRWall 1030 BRWall 1540 BRWall 2040 BRWall 3060 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de TI provendo a segurança necessária à rede de dados. Atua como firewall de perímetro

Leia mais

Aula prática. Objetivo IPCONFIG. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br. Informa a configuração atual de rede da máquina;

Aula prática. Objetivo IPCONFIG. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br. Informa a configuração atual de rede da máquina; Aula prática Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Objetivo Nesta aula, você aprenderá a utilizar alguns utilitários de rede que podem ajudá-lo a identificar problemas na rede. No windows existem

Leia mais

2010 Encore Electronics, Inc. All rights reserved.cover

2010 Encore Electronics, Inc. All rights reserved.cover 2010 Encore Electronics, Inc. All rights reserved.cover 2011 Encore Electronics, Inc. Especificações de produtos, tamanhos e formas estão sujeitos a alterações sem aviso prévio e aparência real do produto

Leia mais

Vencendo os Desafios dos Links ISP Multi-Homed

Vencendo os Desafios dos Links ISP Multi-Homed Vencendo os Desafios dos Links ISP Multi-Homed Visão Geral As companhias ainda lutam para fornecer uma disponibilidade alta e contínua de aplicativos para seus clientes De fato, um relatório recente da

Leia mais