PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2012-2016"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL ITAJAÍ/SC 2014 Versão homologada pela resolução nº 007/CONSUN/2015.

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Mário Cesar dos Santos Reitor Cássia Ferri Vice-Reitora de Graduação Valdir Cechinel Filho Vice-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura Carlos Alberto Tomelin Vice-Reitor de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Vilson Sandrini Filho Procurador Geral da Fundação Univali Renato Osvaldo Bretzke Diretor Administrativo da Fundação Univali

3 COMISSÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PDI Prof. Dr. Mário Cesar dos Santos - Reitor Profa. Dra. Cássia Ferri - Vice-Reitora de Graduação Prof. Dr. Valdir Cechinel Filho - Vice-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura Prof. Dr. Carlos Alberto Tomelin - Vice-Reitor de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Renato Osvaldo Bretzke - Diretor Administrativo Prof. Dr. Mário Uriarte Neto - Diretor do Centro de Ciências da Saúde Prof. Renato Büchele Rodrigues - Diretor do Centro de Ciências Sociais Aplicadas Comunicação, Turismo e Lazer Prof. Dr. João Luiz Baptista de Carvalho - Diretor do Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar Prof. Dr. José Carlos Machado - Diretor do Centro de Ciências Sociais e Jurídicas Profa. Luciana Merlin Bervian - Diretora do Centro de Ciências Sociais Aplicadas Gestão Prof. Alceu de Oliveira Pinto Junior - Diretor Articulador nos campi Biguaçu e Kobrasol Prof. Dr. José Roberto Provesi - Diretor de Inovação Profa. Márcia Roseli da Costa - Gerente de Atenção ao Estudante Profa. Blaise Keniel da Cruz Duarte - Gerente de Ensino e Avaliação Silvana da Costa Maia - Gerente de Processos Regulatórios Prof. Dr. Rogério Corrêa - Gerente de Pós-Graduação e Pesquisa Pedro Floriano dos Santos - Gerente de Extensão e Cultura Profa. Dra. Regina Célia Linhares Hostins - Gerente de Desenvolvimento Institucional Djeison Siedschlag - Gerente de Planejamento Leandro Oeschsler - Gerente de Recursos Humanos Ruth Broglio Silveira - Gerente de Tecnologia da Informação Cleunice Aparecida Trai - Gerente Administrativa do Campus Balneário Camboriú Pedro Joaquim Cardoso Júnior - Gerente Administrativo nos campi Biguaçu e Kobrasol São José Cristiani Regina Andretti - Coordenadora de Bibliotecas Jeane Cristina de Oliveira - Coordenadora de Educação a Distância Maria Elisabeth da Costa Gama - Coordenadora de Assuntos Internacionais Prof Rodrigo de Carvalho - Coordenador de Filantropia e Responsabilidade Social Gilberto Beno Gnewuch - Coordenador de Investimentos, Infraestrutura e Serviços João Francisco de Borba - Coordenador de Marketing e Comunicação Janaína Lorenzi Tomio - Coordenadora de Projetos e Prestação de Serviços Odirlei Bissoni - Coordenador de Custos e Controladoria Silvane Silva - Coordenadora de Infraestrutura Ana Claudia Reiser de Melo Equipe da Vice-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura

4 EXPEDIENTE Prof. Dr. Carlos Alberto Tomelin Profa. Dra. Regina Célia Linhares Hostins Organização Andréa Liter Borges Camila Morgana Lourenço Edição de textos Marcos Roberto Ramos Editoração de imagens Camila Morgana Lourenço Revisão

5 CAPÍTULO 5 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

6 A gestão da Univali, conforme estabelece o Art. 17 do Estatuto da Instituição, é realizada de acordo com os princípios da colegialidade e da ciência administrativa. Para tanto, a Universidade tem sua estrutura administrativa organizada de modo a respeitar os princípios da gestão e atender a missão e os objetivos da Instituição, bem como alcançar as metas estabelecidas. 5.1 Estrutura organizacional, instâncias de decisão e organograma institucional e acadêmico A administração geral da Univali é exercida pelo Conselho Universitário, Órgão Colegiado composto pela Câmara de Ensino, pela Câmara de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura e pela Câmara de Administração Universitária, e pela Reitoria, Órgão Executivo da Instituição. Já a administração dos Centros de Educação é realizada por um Colegiado de Centro, Órgão Deliberativo, e pela Direção de Centro, Órgão Executivo. A seguir, no âmbito dos cursos, a gestão é conduzida pelo Colegiado de Curso, Órgão Consultivo, e pela Coordenação de Curso, Órgão Executivo. A atual estrutura organizacional da Instituição se apresenta da forma a seguir indicada, conforme dispõe o anexo da Resolução nº 010/CAS/2014, com as respectivas subordinações hierárquicas e vinculações técnicas.

7 Figura 11 Organograma Univali Reitoria Fonte: Secretaria dos Conselhos Superiores, 2014.

8 Figura 12 Organograma Univali Vice-Reitoria de Graduação Fonte: Secretaria dos Conselhos Superiores, 2014.

9 Figura 13 Organograma Univali Vice-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura Fonte: Secretaria dos Conselhos Superiores, 2014.

10 Figura 14 Organograma Univali Vice-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Fonte: Secretaria dos Conselhos Superiores, 2014.

11 Figura 15 Organograma Univali Centro de Educação Fonte: Secretaria dos Conselhos Superiores, 2014.

12 5.2 Órgãos Colegiados: competências e composição Conselho Universitário O Conselho Universitário é o órgão máximo consultivo, deliberativo e jurisdicional da Univali em assuntos acadêmicos (ensino, pesquisa, extensão e cultura), administração universitária e estabelecimento de políticas institucionais. É composto pelos seguintes membros entre vitalícios, caso dos ex-reitores, natos, cujo mandato perdura enquanto estão no exercício do cargo, e os representantes, com mandato de 2 anos, exceto os discentes, que tem mandato de 1 ano, podendo ser reconduzidos por igual período: - Reitor, que o presidirá; - Ex-Reitores; - Vice-Reitores; - Procurador Geral da Fundação Univali; - Diretor Administrativo da Fundação Univali; - Diretores de Centro; - Diretores dos Colégios de Aplicação da Univali; - Coordenador do Núcleo das Licenciaturas; - Três Coordenadores de curso por Centro; - Três Coordenadores de curso do Núcleo das Licenciaturas; - Cinco Coordenadores dos cursos/programas de pós-graduação stricto sensu; - Dois representantes docentes por Centro; - Dois representantes docentes do Núcleo das Licenciaturas; - Dois representantes da Vice-Reitoria de Graduação; - Dois representantes da Vice-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura; - Dois representantes da Vice-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional; - Dois representantes docentes da Educação a Distância; - Dois representantes docentes da Educação Básica; - Um representante docente da Fundação Univali; - Um representante dos funcionários; - Dois representantes discentes dos seguintes municípios onde a Univali possui campus - Itajaí, Balneário Camboriú, Biguaçu e São José; - Três representantes discentes, sendo um do Campus Tijucas, um do Campus Balneário Piçarras e um do Campus Florianópolis; - Presidente ou Vice-Presidente da Associação dos Professores do Ensino Superior de Itajaí; - Presidente ou Vice-Presidente da Associação dos Professores do Colégio de Aplicação; - Presidente ou Vice-Presidente da Associação dos Funcionários da Univali; - Presidente ou Vice-Presidente do Diretório Central dos Estudantes; - Prefeito Municipal ou Vice-Prefeito da cidade onde há campus universitário; - Presidente ou Vice-Presidente da Associação Empresarial de Itajaí; - Presidente ou Vice-Presidente da Câmara dos Vereadores de Itajaí; - Presidente ou Vice-Presidente da Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí. De acordo com o Regimento Geral da Instituição, a indicação dos representantes obedece aos seguintes itens: - Coordenadores de curso por Centro são escolhidos pelos respectivos Diretores de Centro assim como os Coordenadores de cursos do Núcleo das Licenciaturas são escolhidos pelo Coordenador do Núcleo;

13 - Coordenadores de cursos/programas de pós-graduação stricto sensu são indicados pelo Vice- Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura; - Representantes do corpo docente por Centro são escolhidos pelo Colegiado do Centro a que pertencem e indicados pelo respectivo Diretor; - Representantes docentes do Núcleo das Licenciaturas são escolhidos pelo Coordenador do Núcleo; - Representantes das Vice-Reitorias são escolhidos pelos respectivos Vice-Reitores; - A Educação a Distância tem um representante indicado pela Vice-Reitoria de Graduação e outro pela Vice-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura; - Representantes docentes da Educação Básica são indicados pela Vice-Reitoria de Graduação; - O representante da Fundação Univali é indicado pelo Presidente da Fundação; - O representante dos funcionários é indicado pelo Presidente da Associação dos Funcionários da Univali; - Representantes discentes dos campi de Balneário Camboriú, Biguaçu e São José são escolhidos pelos Presidentes dos Diretórios ou Centros Acadêmicos, cabendo ao Diretor do Centro com maior número de cursos nesses campi gerenciar o processo de escolha e indicar os dois mais votados no caso dos campi de São José e Biguaçu, dois representantes discentes são escolhidos para cada município; - O representante discente de Tijucas, Balneário Piçarras e Florianópolis adota, se houver Diretório ou Centro Acadêmico, a sistemática dos outros campi não havendo, o Diretor do Centro com maior número de cursos nesses campi indica o representante eleito pela maioria dos votos dos líderes de classe; - Os dois representantes discentes de Itajaí são indicados pelo Diretório Central dos Estudantes. São competências do Conselho Universitário, conforme prevê o Art. 5º do Regimento Geral da Instituição: - Criar ou extinguir Vice-Reitorias; - Criar, autorizar, implantar, expandir, modificar, suspender e extinguir cursos e/ou habilitações em todos os níveis e modalidades de educação; - Exercer a jurisdição superior da Univali, nos termos do Regimento Geral, em matéria acadêmica, administrativa, financeira e disciplinar; - Deliberar sobre o planejamento, a expansão e as políticas da Univali; - Aprovar o Estatuto e o Regimento Geral; - Aprovar e controlar a execução do planejamento estratégico da Univali, submetendo-o ao Conselho de Administração Superior; - Supervisionar a execução dos Planos de Carreira, Sucessão e Remuneração vigentes na Fundação Univali; - Disciplinar o processo eleitoral da Univali e compor o Colégio Eleitoral para eleição do Reitor; - Aprovar os critérios de seleção para contratação e dispensa de professores e técnicoadministrativos; - Conferir títulos e outras dignidades universitárias; - Apreciar o relatório das ações administrativas, quando solicitado; - Deliberar sobre assuntos pertinentes às Câmaras, quando for o caso; - Deliberar e homologar sobre decisões ad referendum do Presidente do Conselho Universitário; - Deliberar quanto a procedimento especial que estabelece regras para apurar e punir falta grave que possa ensejar a destituição do Reitor. A Câmara de Ensino, em conformidade com o Artigo 10 do Regimento Geral da Universidade, detém, quanto a níveis, modalidades e cursos, exceto os cursos de pós-graduação, as seguintes atribuições: - Deliberar sobre legislações e normas acadêmicas;

14 - Deliberar sobre as normas de ingresso; - Deliberar sobre os currículos e suas alterações, observada a legislação em vigor; - Fixar o número de vagas de ingresso; - Estabelecer políticas de avaliação; - Propor ao Conselho Universitário políticas e normas relativas ao ensino; - Recomendar ao Conselho Universitário a criação, a suspensão e a supressão de cursos de graduação, sequenciais e outros projetos relativos à sua área; - Atuar como instância de recursos; - Deliberar sobre Regulamentos de Estágios, Práticas de Ensino, Trabalhos de Conclusão de Curso, Monografia, Projetos, Atividades Complementares e similares; - Deliberar sobre os juramentos dos cursos. A Câmara de Ensino é composta dos seguintes membros: - Vice-Reitor de Graduação, como Presidente; - Procurador Geral da Fundação Univali; - Diretores de Centro; - Um Diretor dos Colégios de Aplicação da Univali; - Coordenador do Núcleo das Licenciaturas; - Um Coordenador de curso por Centro; - Um Coordenador de curso do Núcleo das Licenciaturas; - Um representante docente de cada Centro; - Um representante docente do Núcleo das Licenciaturas; - Um representante da Educação a Distância; - Dois representantes da Vice-Reitoria de Graduação; - Um representante discente dos campi, excluído o campus representado pelo Diretório Central dos Estudantes; - Presidente ou Vice-Presidente da Associação dos Professores do Ensino Superior de Itajaí; - Presidente ou Vice-Presidente da Associação dos Funcionários da Univali; - Presidente ou Vice-Presidente do Diretório Central dos Estudantes; - Presidente ou Vice-Presidente da Associação dos Professores do Colégio de Aplicação. A Câmara de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura, segundo estabelece o Art. 12 do Regimento Geral da Instituição, reúne, quanto aos assuntos de pós-graduação, pesquisa, extensão e cultura, as seguintes competências: - Deliberar sobre questões referentes à pós-graduação, à pesquisa, à extensão e à cultura; - Recomendar ao Conselho Universitário a criação, a suspensão e a supressão de cursos lato e stricto sensu; - Deliberar sobre currículos, regimentos e modificações dos cursos lato e stricto sensu e outros projetos relativos à pós-graduação, pesquisa, extensão e cultura; - Estabelecer políticas de avaliação da pós-graduação, da pesquisa e da produção científica do corpo docente, bem como da extensão e cultura; - Propor ao Conselho Universitário políticas e normas relativas à pós-graduação, à pesquisa, à extensão e à cultura; - Estabelecer a política institucional de qualificação docente. São membros da Câmara de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura: - Vice-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura, como Presidente; - Procurador Geral da Fundação Univali; - Diretores de Centro; - Coordenador do Núcleo das Licenciaturas;

15 - Cinco Coordenadores de cursos/programas de pós-graduação stricto sensu; - Um Coordenador de curso por Centro; - Um Coordenador de curso do Núcleo das Licenciaturas; - Um representante docente de cada Centro; - Um representante docente do Núcleo das Licenciaturas; - Um representante da Educação a Distância; - Dois representantes da Vice-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura; - Um representante discente dos campi, excluído o campus representado pelo Diretório Central dos Estudantes; - Presidente ou Vice-Presidente da Associação dos Professores do Ensino Superior de Itajaí; - Presidente ou Vice-Presidente da Associação dos Funcionários da Univali; - Presidente ou Vice-Presidente do Diretório Central dos Estudantes. Por fim, a Câmara de Administração Universitária, segundo dispõe o Artigo 14 do Regimento Geral da Univali, possui as atribuições apresentadas a seguir: - Propor ao Conselho Universitário políticas de desenvolvimento institucional; - Estabelecer as diretrizes do planejamento estratégico; - Deliberar sobre estratégias de ação, de comunicação social e de marketing institucional; - Delinear metas e linhas de ação para o desenvolvimento da tecnologia da informação e da comunicação; - Estabelecer bases para a proposta orçamentária da Universidade; - Tratar outros assuntos relacionados com a área de administração universitária; - Deliberar sobre questões de administração universitária; - Promover estudos sobre gestão e políticas universitárias. Tais atribuições estão sob a responsabilidade de seus membros: - Vice-Reitor de Planejamento e Desenvolvimento Institucional, como Presidente; - Procurador Geral da Fundação Univali; - Diretor Administrativo da Fundação Univali; - Diretores de Centro; - Coordenador do Núcleo das Licenciaturas; - Um Coordenador de curso por Centro; - Um Coordenador de curso do Núcleo das Licenciaturas; - Um Coordenador de curso/programa de pós-graduação stricto sensu; - Um representante docente de cada Centro; - Um representante docente do Núcleo das Licenciaturas; - Um representante da Educação a Distância; - Um representante da Fundação Univali; - Dois representantes da Vice-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional; - Um representante discente dos campi, excluído o campus representado pelo Diretório Central dos Estudantes; - Presidente ou Vice-Presidente da Associação dos Professores do Ensino Superior de Itajaí; - Presidente ou Vice-Presidente da Associação dos Funcionários da Univali; - Presidente ou Vice-Presidente do Diretório Central dos Estudantes; - Presidente ou Vice-Presidente da Associação dos Professores do Colégio de Aplicação; - Presidente ou Vice-Presidente da Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí. A escolha dos representantes das Câmaras, de acordo com o Art. 15 do Regimento Geral da Instituição, é competência dos pares dentre os próprios membros do Conselho

16 Universitário. Anualmente, um terço dos membros representantes das Câmaras é substituído, em sistema de rodízio, passando a ocupar assentos em outra Câmara Funcionamento Os Órgãos Colegiados atendem a uma rotina de funcionamento normatizada no Regimento Geral da Univali. De acordo com o Art. 18, as convocações para as reuniões ordinárias do Conselho Universitário e de cada Câmara são feitas pelo respectivo Presidente com antecedência mínima de cinco dias úteis. Na prática, a convocação ocorre por meio de edital, encaminhado, a cada conselheiro, por , da Secretaria dos Conselhos Superiores contendo a pauta, o material que a subsidia e a ata da reunião anterior, que será devidamente homologada, após votação dos conselheiros, na reunião seguinte. Afinal, cada sessão do Conselho Universitário e das Câmaras conta com a respectiva ata que, depois de aprovada, é assinada pelos conselheiros presentes à sessão documentada. Acerca dessa dinâmica, é prudente esclarecer que as pautas são distribuídas a relatores e revisores por decisão do respectivo Presidente. Ao relator, compete emitir um parecer escrito sobre a matéria que lhe for destinada e remetê-lo, via , com cópia para o revisor, à Secretaria dos Conselhos Superiores até três dias antes da data da reunião. Ao revisor, cabe igualmente estudar a matéria que lhe fora designada, emitir análise ao parecer do relator e a enviar, em formulário próprio, via , à Secretaria referida até dois dias antes da reunião. Quanto à periodicidade das reuniões ordinárias, o Conselho Universitário reúne-se bimestralmente, enquanto as Câmaras promovem encontros mensais. Para tanto, um calendário anual organizado pela Secretaria dos Conselhos Superiores é submetido à análise e aprovação prévia do Conselho Universitário em plenária. Das decisões do Conselho Universitário e das respectivas Câmaras, em todos os níveis da administração, que constituam atos normativos, serão baixadas resoluções pelo Presidente do Conselho Universitário. A publicação das resoluções é feita sistematicamente no mural da Secretaria dos Conselhos Superiores, localizada no Campus Itajaí. Além disso, as resoluções são compartilhadas, via , com os segmentos interessados. Os demais atos normativos, como regimentos, estatutos e organogramas, estão disponíveis ao público no site da Univali Colegiado de Centro Os Colegiados de Centro, de acordo com o Estatuto Geral da Univali, são Órgãos Deliberativos, Técnico-Consultivos e de Assessoramento do Centro de Educação em matéria de ensino de graduação e pós-graduação, pesquisa, extensão e cultura. Integram-no, entre outros membros, o Diretor do Centro, os Coordenadores de curso sequencial, de graduação e de pósgraduação stricto sensu, um representante docente de cada curso integrante do Centro e representantes discentes do Centro em, no máximo, 30% do total dos membros do Colegiado, escolhidos por seus pares. Seus membros são empossados pelo Diretor de Centro Colegiado de Curso Os Colegiados de Cursos de Graduação e de Cursos ou Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu são Órgãos Consultivos e de Assessoramento dos seus Coordenadores em matéria de ensino, pesquisa, extensão e cultura. Têm a seguinte composição: o Coordenador de curso, quatro professores, escolhidos por seus pares, e dois acadêmicos, também eleitos por seus pares. No caso de cursos ou programas de pós-graduação stricto sensu, a nomeação é feita pelo Coordenador de curso, em atenção ao Regimento Interno do curso em questão. No caso dos cursos de graduação, o Diretor de Centro é responsável pela nomeação Núcleo Docente Estruturante Cada curso de graduação conta com um Núcleo Docente Estruturante (NDE), de acordo com a legislação em vigor e a Resolução nº 023/Consun/2012, constituído por um conjunto de

17 professores com elevada titulação e regime de trabalho em tempo integral ou parcial que responde diretamente pela formulação, implementação e desenvolvimento do Projeto Pedagógico do Curso. No caso dos cursos de bacharelado e licenciatura, o NDE observa os seguintes critérios: ter como presidente o Coordenador do curso; ter, no mínimo, cinco professores pertencentes ao corpo docente do curso há pelo menos dois anos; ter, pelo menos, 60% de seus membros com titulação acadêmica obtida em programas de pós-graduação stricto sensu e, destes, 40% com título de doutor; ter todos os membros em regime de trabalho de tempo parcial ou integral, dos quais pelo menos 20% em tempo integral; ter cada um dos membros obtido, no mínimo, média 7 no Programa de Avaliação Institucional em cada um dos últimos dois anos anteriores ao exercício do mandato. Especificamente nos cursos de Direito e Medicina, pelo menos 60% dos professores que compõem o NDE têm formação acadêmica na área do curso. Nos cursos superiores de tecnologia, a composição do NDE respeita os seguintes critérios: ter como presidente o Coordenador do curso; ter, no mínimo, cinco professores pertencentes ao corpo docente do curso há pelo menos dois anos; ter pelo menos 60% de seus membros com titulação acadêmica obtida em programas de pós-graduação stricto sensu; ter todos os membros em regime de trabalho de tempo parcial ou integral, dos quais preferencialmente 40% em tempo integral; ter, no mínimo, 30% dos docentes com experiência profissional no eixo tecnológico do curso, fora do magistério, de pelo menos dois anos; ter cada um dos membros obtido, no mínimo, média 7 no Programa de Avaliação Institucional em cada um dos últimos dois anos anteriores ao exercício do mandato. Em todos os casos, a indicação dos membros do NDE pelo Colegiado e pela Coordenação do curso deve ser submetida à análise da Direção de Centro ou Núcleo das Licenciaturas e do Colegiado de Centro ou Núcleo das Licenciaturas e à homologação pela Vice-Reitoria de Graduação. 5.3 Órgãos Executivos Órgãos Executivos Superiores As atribuições dos Órgãos Executivos Superiores estão estabelecidas nos artigos 22 e 23 do Estatuto da Universidade. À Reitoria cabe superintender, coordenar, supervisionar e controlar todas as atividades da Univali sob a direção do Reitor, eleito pelo Colégio Eleitoral. Sua ação acadêmica, administrativa e executiva se estende a toda instituição por meio das Vice-Reitorias, cujos responsáveis diretos são escolhidos e nomeados pelo Reitor. As Vice-Reitorias são Órgãos responsáveis pela execução de atividades administrativas e acadêmicas que garantam o apoio à plena realização das funções de ensino, pesquisa, extensão, cultura, planejamento e desenvolvimento institucional em conformidade com o Regimento Geral da Instituição. A Vice-Reitoria de Graduação gerencia e promove a política institucional do ensino, superintende, coordena, supervisiona e avalia as atividades da educação na Educação Básica e na graduação e em outras modalidades previstas em lei. A Vice-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura é o Órgão Executivo que gerencia a política institucional de pesquisa, pós-graduação, extensão e cultura e promove, superintende, coordena, supervisiona e avalia as atividades de pesquisa, ensino de pósgraduação, extensão e cultura. A Vice-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional é o Órgão Executivo que gerencia e promove a política de planejamento e a inovação necessária ao desenvolvimento institucional sustentável.

18 5.3.2 Órgãos Executivos Estratégicos À Direção do Centro unidade administrativa e acadêmica responsável pelo desenvolvimento permanente das funções de ensino, pesquisa e extensão compete dirigir, coordenar, supervisionar e avaliar todas as atividades de ensino, pesquisa, extensão e cultura, administrativas e disciplinares no âmbito do Centro. O Diretor de Centro é escolhido e nomeado pelo Reitor, ouvidos os Vice-Reitores. Sua nomeação é oficializada por meio de portaria. Nesta esfera, há, ainda, o Grupo Gestor, constituído pelos Diretores de Centro, Vice- Reitores e Reitor, além do Procurador Geral e do Diretor Administrativo da Fundação Univali, o qual se reúne quinzenalmente, obedecendo a um calendário semestral de encontros, para deliberar sobre questões do dia-a-dia e do futuro da Instituição e compartilhar informações ou demandas que requerem a interlocução pessoal dos gestores até as estruturas hierárquicas inferiores no âmbito dos Centros. O Reitor convoca o grupo para as reuniões, por , com a relação das pautas a serem abordadas no encontro em questão e os respectivos expositores e subsídios se necessário, que podem contar com participantes convidados do corpo social da Instituição ou mesmo de fora dela, dependendo do tema a ser discutido. Entre as pautas levadas ao Grupo Gestor, figuram, por exemplo: a construção de propostas de instruções normativas, a composição da programação da Formação Continuada de Docentes, a análise e discussão do Planejamento Estratégico Institucional e a deliberação de planos de melhoria e de investimento requeridos a partir de resultados da avaliação institucional interna e externa Órgãos Executivos Táticos À Coordenação de curso de graduação cabe a responsabilidade de planejar, coordenar, supervisionar e avaliar o projeto pedagógico do curso, observados as políticas, as diretrizes, as normas e os procedimentos determinados pelo Centro de Educação e pelos Órgãos Executivos e Deliberativos da Univali. O Coordenador é indicado pelo Diretor de Centro em acordo com o Vice-Reitor de Graduação. Sua nomeação é feita pelo Reitor. À Coordenação de curso ou programa de pós-graduação stricto sensu compete planejar, organizar, coordenar, supervisionar e avaliar as atividades de ensino, pesquisa, extensão, cultura e disciplinares no âmbito do curso ou programa, respeitando as políticas, as diretrizes, as normas e os procedimentos determinados pelo Centro de Educação e demais Órgãos Executivos e Deliberativos da Univali afinal, tal Coordenação está vinculada simultaneamente à Vice- Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura e à respectiva Direção do Centro. O Coordenador, neste caso, é indicado pelo Vice-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura, em comum com a Direção do Centro ao qual esteja vinculado. Sua nomeação também é efetivada pelo Reitor. 5.4 Órgãos de Apoio As atividades acadêmicas da Instituição são desenvolvidas com o apoio de órgãos administrativos, técnicos, científicos, pedagógicos, desportivo e artístico-cultural, conforme estabelece o Art. 43 do Regimento Geral da Univali. São estes: - Administrativos: Secretarias das Vice-Reitorias, Gerências de Pós-Graduação e Pesquisa, de Extensão, de Ensino e Avaliação, de Atenção ao Estudante, de Processos Regulatórios, de Infraestrutura, Financeira, de Tecnologia da Informação e de Recursos Humanos, além da Coordenação de Bibliotecas, entre outras que estão estruturadas em setores que igualmente prestam suporte fundamental às atividades acadêmicas; - Técnicos: setores de audiovisual, bibliotecas, laboratórios de informática e didáticos específicos de curso e Centro, campos de estágio (clínicas, hospitais, farmácias, emissoras de rádio e televisão e empresas, instituições e organizações públicas e privadas parceiras);

19 - Pedagógicos: Apoio Pedagógico (em cada Centro), Coordenadoria de Assuntos Internacionais, Núcleo de Línguas e Literaturas Estrangeiras, Núcleo de Acessibilidade e Univali Virtual, entre outros; - Científicos: grupos de pesquisa são, no total, 137 grupos de pesquisa, dos quais 110 estão cadastrados no Diretório de Grupos de Pesquisa no Brasil do CNPq e 27, na base institucional que desenvolvem seus trabalhos conforme as linhas de pesquisa dos cursos de graduação e programas de pós-graduação stricto sensu; - Desportivo: Área de Práticas Desportivas; - Artístico-cultural: Bibliotecas e Área de Arte e Cultura. Tais órgãos, por sua vez, desenvolvem programas e ações essenciais à formação profissional dos acadêmicos, como: Projetos Pedagógicos dos Cursos, Formação Continuada dos Docentes, inclusão tecnológica, Programa Editorial, Programa de Integração e Apoio à Comunidade Acadêmica, Programa de Intercâmbio Acadêmico, Programa de Avaliação Institucional, estágios curriculares obrigatórios e não obrigatórios, monitoria em atividades de ensino, acompanhamento do desempenho acadêmico, eventos esportivos e cursos de extensão Sistemas de apoio às atividades acadêmicas O Sistema Acadêmico foi desenvolvido para integrar todos os processos que envolvem a vida acadêmica, atendendo as necessidades desejadas e permitindo acesso imediato às informações, seja por consultas ou relatórios. O sistema permite a integração dos processos, desde o cadastro de um curso, com inclusão da matriz curricular e todas as suas especificidades, permitindo desde a geração do horário de aula com vinculação dos professores e espaço físico até a realização das matrículas, registros financeiros e emissão do diploma. O Sistema Acadêmico está integrado ao sistema de Controle Docente e ao sistema das bibliotecas, possibilitando a utilização e a visualização dos dados relacionados em determinados processos. Descrição dos módulos: Cadastro de cursos: permite o cadastramento de um curso, incluindo informações como identificação, enquadramento, turnos, habilitação, titulação, reconhecimento; Matriz curricular: inclusão das disciplinas, com suas respectivas cargas horárias (teórica/prática) distribuídas por períodos acadêmicos, lançamentos de pré-requisito, requisitos paralelos, média de aprovação, carga horária para integralização; Horário de aula: habilita a oferta de disciplinas por semestre, incluindo o horário da aula, turno de oferecimento, requisitos especiais, número de vagas, alocação do espaço físico disponível, vinculação do professor; Matrícula: possibilita a inclusão de disciplinas a serem cursadas no próximo semestre. Com o lançamento da disciplina, o sistema inicia as verificações de limite de créditos, pré-requisitos ou requisitos paralelos, compatibilidade de horário. Após a primeira matrícula, na qual um código de pessoa é criado automaticamente, o aluno poderá realizar as próximas matrículas pela internet; Cadastro de alunos: permite o cadastro de informações do aluno, como filiação, documentos de identificação, estabelecimento e ano de conclusão do ensino médio, dados do curso de aprovação tais dados podem ser atualizados a qualquer momento e utilizados na geração de documentos acadêmicos; Bolsas/Financiamentos: permite o cadastro dos tipos de auxílio, ou seja, bolsas, financiamentos, monitorias, estágios e pesquisas, com o registro, por aluno, de valor recebido e período, bem como de regras para manutenção/renovação o sistema permite gerar relatórios para controle e manutenção das bolsas/financiamentos; Financeiro: permite o cadastro de valores por curso, a geração e o controle de duplicatas, a emissão de boletos, lançamentos e extratos financeiros por aluno e a realização de rotinas de afastamento de alunos, além da emissão de relatórios variados para consulta ou tomada de decisão;

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2012-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2012-2016 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2012-2016 ITAJAÍ/SC 2014 Versão homologada pela resolução nº 007/CONSUN/2015. UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Mário Cesar dos Santos

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO CONSU Nº. 06/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015 O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais, Categoria e Finalidades Art. 1º - O Conselho de Câmpus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013.

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. A PRESIDENTE DO DO IF-SC no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Decreto de 15/12/2011, publicado no DOU de 16/12/2011 e atendendo

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E:

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E: RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE Aprova as normas básicas da atividade acadêmica dos Cursos de Graduação na modalidade de Educação à Distância da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2012-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2012-2016 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2012-2016 ITAJAÍ/SC 2014 Versão homologada pela resolução nº 007/CONSUN/2015. UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Mário Cesar dos Santos

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSOS REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA Preâmbulo: - Considerando que a educação é um bem público e, conforme dispõe o art. 209 da carta constitucional,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Colegiado de Curso é órgão consultivo, normativo, de planejamento acadêmico e executivo, para os assuntos de política de

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa Associado

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 101/2008

RESOLUÇÃO N.º 101/2008 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 101/2008 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-graduação, nível Especialização, em SMS em Obras de Engenharia

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET BARBACENA 2010 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1 o - O Programa de Pós-Graduação em Sociologia, vinculado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade

Leia mais

DECISÃO Nº 085/2015 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue:

DECISÃO Nº 085/2015 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 085/2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 27/02/2015, tendo em vista o constante no processo nº 23078.034121/2014-61, de acordo com o Parecer nº 006/2015

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º - O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 33/2012 Autoriza a criação do Comitê de Gestão e Tecnologia da Informação (CGTI), da Universidade Federal da

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIVALI. Dezembro / 2010 Ano 9 - nº 135

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIVALI. Dezembro / 2010 Ano 9 - nº 135 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIVALI Dezembro / 2010 Ano 9 - nº 135 Ficha Catalográfica U3r Universidade do Vale do Itajaí. Regulamento das atividades complementares

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS DO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2011

RESOLUÇÃO Nº 01/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Aprova as Normas Complementares para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013)

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA

CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA CENTRO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA NATUREZA Instituto de Física Instituto de Geociências Instituto de Matemática Observatório do Valongo CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA REGULAMENTO I DOS OBJETIVOS

Leia mais

ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS

ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS Art. 1º. A Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre UFCSPA, instituída pela Lei

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA 1 DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS JUSTIFICATIVA Dois grandes órgãos de deliberação superior foram propostos: O Conselho Universitário e o Conselho de Administração e Finanças. Este último, com a missão de deliberar

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Campus Osasco REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO DO CAMPUS OSASCO DA UNIFESP

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Campus Osasco REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO DO CAMPUS OSASCO DA UNIFESP REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO DO CAMPUS OSASCO DA UNIFESP Dispõe sobre as atribuições da Câmara de Graduação do da UNIFESP, sua composição e condução dos trabalhos. DA NATUREZA Artigo 1. A Câmara

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ R E G I M E N T O DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias na Educação (PPGCITED) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul)

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 150/2010. Art. 1º - Fica aprovado o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense

RESOLUÇÃO N.º 150/2010. Art. 1º - Fica aprovado o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 150/2010 EMENTA: Aprovação do Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Normas dos Cursos de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Federal do Ceará FORTALEZA 2006 2 CAPÍTULO 1 - FINALIDADE E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO EURO-AMERICANO (UNIEURO)

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO EURO-AMERICANO (UNIEURO) ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO EURO-AMERICANO (UNIEURO) APROVADO PELO PARECER CES/CNE Nº 3/2005 Portaria MEC nº 769, de 09 de março de 2005 (DOU nº 47, 10/03/2005, seção 1. p15) BRASÍLIA, DF, NOVEMBRO,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências;

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências; RESOLUÇÃO CEPE Nº 012/2007 Aprova a criação e o Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Stricto sensu, Mestrado Profissional. 2192/2007; CONSIDERANDO o contido no processo nº CONSIDERANDO a Portaria Nº

Leia mais

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES - CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO Prof. José de Souza Herdy Reconhecida pela Portaria MEC 940/94 D.O.U. de 16 de Junho de 1994 PRÓ - REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPEP REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2012-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2012-2016 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2012-2016 ITAJAÍ/SC 2014 Versão homologada pela resolução nº 007/CONSUN/2015. UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Mário Cesar dos Santos

Leia mais

ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE

ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE 1 ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Capítulo I Da Instituição Capítulo II Dos Objetivos Capítulo III Da Autonomia TÍTULO

Leia mais

COORDENAÇÃO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

COORDENAÇÃO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COORDENAÇÃO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGIMENTO INTERNO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2015 SUMÁRIO TITULO I - DA CONCEITUAÇÃO... 3 Capítulo I - Dos Objetivos... 3 TITULO II - DA ESTRUTURA

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA Campus Uruguaiana Curso de Graduação em Farmácia REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA MARÇO de 2013 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES

Leia mais

REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL

REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL Diamantina junho de 2013 O Núcleo Docente Estruturante - NDE do Curso de Licenciatura em Letras Português/Espanhol

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

Regimento do Curso de Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina

Regimento do Curso de Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina Regimento do Curso de Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art. 1º - O Curso de Bacharelado em Artes Cênicas, criado pela Resolução

Leia mais

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu TÍTULO I Do Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Capítulo I Das Disposições Preliminares Artigo 1º - O Regime de Pós-Graduação Stricto Sensu, nos níveis de

Leia mais

REGULAMENTO. Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO PROFISSIONAL EM BIOTECNOLOGIA E GESTÃO VITIVINÍCOLA. Capítulo I DOS OBJETIVOS DO CURSO

REGULAMENTO. Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO PROFISSIONAL EM BIOTECNOLOGIA E GESTÃO VITIVINÍCOLA. Capítulo I DOS OBJETIVOS DO CURSO REGULAMENTO Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO PROFISSIONAL EM BIOTECNOLOGIA E GESTÃO VITIVINÍCOLA Capítulo I DOS OBJETIVOS DO CURSO Art.1º. O Mestrado Profissional em Biotecnologia e Gestão Vitivinícola

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas R E S O L U Ç Ã O N.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas R E S O L U Ç Ã O N. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas R E S O L U Ç Ã O N.º 01/2015 Regimentar o Núcleo Docente Estruturante NDE do Curso de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM Sete Lagoas, 2010 2 REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA - FATECIB REGIMENTO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA - FATECIB REGIMENTO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA - FATECIB REGIMENTO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL OUTUBRO DE 2008 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO SUPERIOR DE EM AUTOMAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da, no uso de suas atribuições legais, resolve, ad referendum: Art. 1º Aprovar as Normas para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ODONTOLOGIA REGIMENTO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ODONTOLOGIA REGIMENTO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ODONTOLOGIA REGIMENTO Regimento SUMÁRIO TÍTULO I - TÍTULO I - DA FACULDADE E SEUS FINS...5 TÍTULO II - DA ADMINISTRAÇÃO DA UNIDADE...6 CAPÍTULO I - Da Congregação...6

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Conforme texto publicado no Boletim de Serviço nº 047 de 18/04/2005 páginas 05 a 11 REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Seção I Da criação

Leia mais

TÍTULO I - DAS FINALIDADES

TÍTULO I - DAS FINALIDADES MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DO CURSO GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA Discutida e aprovada pela ComGrad nas reuniões de julho de 2012. Sumário TÍTULO I - DAS FINALIDADES... 1 TÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO...

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO GERAL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO GERAL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO GERAL Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS.... 5 TÍTULO II DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS E EXECUTIVOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR E DAS UNIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

GOVERNO FEDERAL COMISSÃO INTERNA DE SUPERVISÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

GOVERNO FEDERAL COMISSÃO INTERNA DE SUPERVISÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS GOVERNO FEDERAL COMISSÃO INTERNA DE SUPERVISÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS 2011 GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

Regimento Geral da UFJF

Regimento Geral da UFJF TÍTULO I Das Disposições Preliminares Regimento Geral da UFJF Art. 1º- O presente Regimento Geral disciplina as atividades comuns da Universidade nos campos do ensino, da pesquisa,da extensão e da administração.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 28/2012 Aprova o Regimento do Centro

Leia mais

Programa de Mestrado em Direito UNISAL Centro Universitário Salesiano de São Paulo REGULAMENTO

Programa de Mestrado em Direito UNISAL Centro Universitário Salesiano de São Paulo REGULAMENTO Programa de Mestrado em Direito UNISAL Centro Universitário Salesiano de São Paulo REGULAMENTO Lorena Junho de 2011 Regulamento do Programa de Mestrado em Direito UNISAL Centro Universitário Salesiano

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA FATEC GUARATINGUETÁ

PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA FATEC GUARATINGUETÁ PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA FATEC GUARATINGUETÁ Elaboração: Prof. Me. Herlandí de Souza Andrade Verificação/Revisão: Prof. Me. Daniel Faria Chaim Coordenador do Curso de Gestão

Leia mais

REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES

REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES Art. 1º. - A Faculdade de Enfermagem (FAEN), com sede no campus da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 156/2014

RESOLUÇÃO N.º 156/2014 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 156/2014 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-graduação Lato Sensu Especialização em Pedagogia Social

Leia mais

REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL (CEPEEA) DA UNIVERSIDADE PARANAENSE UNIPAR

REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL (CEPEEA) DA UNIVERSIDADE PARANAENSE UNIPAR REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL (CEPEEA) DA UNIVERSIDADE PARANAENSE UNIPAR CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE DO CEPEEA Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE I. DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação stricto sensu

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu)

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu) REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu) Título I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 O presente Regulamento se constitui, em conjunção com o Estatuto e o Regimento Geral da Universidade Federal do

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS NORMAS ESPECÍFICAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS NORMAS ESPECÍFICAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS NORMAS ESPECÍFICAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Res. CONSUN nº 41/05, de 29/06/05 Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º CAPÍTULO I DAS FINALIDADES O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV Dispõe da aprovação do Regimento Geral de Pós- Graduação Lato Sensu. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL)

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) PARTE I - DISPOSIÇÕES GERAIS PERÍODO DE INSCRIÇÕES: 30/01/2012 A 23/03/2012 PERÍODO DE SELAÇÃO: 26 a 30/03/2012 TÍTULO I -

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG

REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG CAPÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS. Art. 1º - A Educação a Distância EaD é uma modalidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art.1º - O Programa de Pós-graduação em Odontologia

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Estabelece o Regulamento para a Oferta de Cursos de Pós Graduação Lato Sensu das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS Mensagem nº 62, de 2011 Canoas, 29 de agosto de 2011. A Sua Excelência o Senhor Vereador César Augusto Ribas Moreira Presidente da Câmara Municipal de Canoas Canoas - RS Senhor Presidente, Na forma da

Leia mais