Exposição Humana a Vibrações no Trabalho Edição: 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exposição Humana a Vibrações no Trabalho Edição: 1"

Transcrição

1 N : Data: 07/08/12 Cliente: Projeto: Exposição Humana a Vibrações no Trabalho Edição: 1 1 de 20 Revisão: 0 Capítulo: I ESCOPO DE FORNECIMENTO Local: Rio de Janeiro - Centro I) SUMÁRIO EXECUTIVO Para o presente trabalho realizamos um sumário executivo referente às estratégias do estudo para controle e neutralização do agente físico vibração nas atividades críticas de operação em máquinas/equipamentos nas atividades da K. L. S. LOCACAO DE CAMINHOES, MAQUINAS E EQUIPAMENTOS LTDA. - ME. realizadas na Frente de Obra próximo a Rua General Luiz Mendes de Morais, s/nº Santo Cristo - RJ Rio de Janeiro - RJ Considerou-se o critério de avaliação do pior caso, na condição de Exposição de Maior Risco (EMR), com (03) amostragens/pontos com diferentes operadores para a atividade o que permite a análise eficaz e o emprego de medidas de controles individuais ou coletivas eficientes quando da superação do limite de tolerância (LT) ou limite de ação (LA). Também foi dado ênfase neste relatório ao eixo de maior exposição. Foram aplicados os critérios de exposição a vibração diário e semanal considerando que a determinação da vibração é efetuada com base no valor eficaz ponderado das acelerações características da atividade e obtidos em 1/3 de oitavas (em freqüência) nos eixos X, Y e Z, medidas segundo os três eixos ortogonais em tempo real. A medição em 1/3 de oitavas fornece as rastreabilidade técnica, além de permitir auditoria e análise dos resultados de medição, evitando vibrações e dados espúrios não relacionados a vibração transmitida. As medições foram realizadas por Engenheiro Mecânico e de Segurança do Trabalho com especialidade em acústica, vibrações e processamento de sinais. Então, para a obtenção e análise dos resultados apresentados neste documento, foram utilizados critérios de medição de vibração e limites recomendados pela diretiva Européia 2002/44, ACGIH e ISO 2631, para Corpo Inteiro, além dos procedimentos de medição e calibração da norma ISO 8041 e as orientações Internacionais de classificação de grau de risco a vibração presentes no documento GNH0902 versão 10 de 2004 da RTX (referência na área). II) Resultados Sumarizados da Exposição à Vibração Datas, responsáveis, metodologias, procedimentos, dados, gráficos e resultados por freqüência sem e com ponderação para o corpo humano estão presentes no corpo do documento, como parte integrante ao sumário executivo. São apresentados em todas as avaliações o gráfico em 1/3 de oitavas dos valores com ponderação fornecendo as premissas técnicas para possíveis medidas de controle das freqüências mais elevadas e auditorias dos dados de medição, preservando a rastreabilidade documental e metrológica para este tipo de avaliação. Então, seguindo as estratégias empregadas neste documento em conjunto com o tempo de exposição efetivo da operação teremos um programa de gerenciamento de risco e controle da exposição a partir do tempo máximo efetivo permitido para a atividade analisada para a semana. Neste relatório foram destacadas três (03) situações/ atividades nas máquinas/equipamentos com maior exposição a vibração durante os processos de trabalho. As medições foram realizadas obedecendo os ciclos de utilização das máquinas/equipamentos (Caminhão Basculante, Retro-Escavadeira e Pá-Carregadeira) quando da realização de movimentação e retirada de materiais. Os colaboradores realizam manobras e operações sem interferência do técnico/especialista do equipamento de medição. Foi utilizado um sistema de medição apropriado com acesso remoto a distância via Bluetooth e acelerômetro tri-axiais (base triaxial); posicionado no assento das máquinas/equipamentos, evitando interferências na medição. AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO É PROPRIEDADE DA EMPRESA. SENDO PROIBIDA A UTILIZAÇÃO FORA DA SUA FINALIDADE.

2 2 de 20 Os dados foram processados e comparados com os limites Normativos: Corpo Inteiro (WBV) - (Limite de Tolerância 1,15 m/s 2 e Limite de Ação 0,5 m/s 2 para 8 horas). São obtidos os valores a.leq por eixo para posteriormente cálculo do av (aceleração ponderada combinada) e obtenção do A(8).i em função do tempo efetivo de exposição médio na condição de maior risco (EMR) para os seguintes GHE(s) - Grupos Homogêneos de Exposição: A.1) GEVIB 1 WBV / KLS- Porto / Caminhão Basculante A.2) GEVIB 2 WBV / KLS- Porto/ Retro-Escavadeira A.3) GEVIB 3 WBV / KLS- Porto / Pá-Carregadeira Deve-se informar no PPRA e PPP as funções "av" referente a aceleração ponderada combinada na Exposição de Maior Risco (EMR) para a Atividade e o Resultado Normalizado para o tempo efetivo de utilização da máquina/ferramenta A(8).i em função do tempo efetivo TE de exposição médio na condição de maior risco (EMR). Então, é estimando um tempo efetivo (TE) na condição de maior risco em função da atividade, possibilitando estabelecer medidas de controle e de tratamento dos casos a partir da atividade executada com a máquina/ferramenta, tratando as singulares através de um programa de gerenciamento de risco e exames médicos devidamente registrado no PPRA e PCMSO da empresa. COMPARAÇÃO COM LIMITES NORMATIVOS DE SEVERIDADE PARA O CORPO INTEIRO: TABELA I.A CORPO INTEIRO (Orientação RTX e Diretiva Européia) Medidas de controle da exposição a vibração nos três eixos para jornadas oito(8) horas diárias podem ser estabelecidas limitando o tempo de exposição na condição de maior risco (EMR). Para tal os valores de aceleração média com ponderação (Aw / a.leq) devem ser apresentada em m/s² rms: São recomendados um padrão de exposição para a vibração de corpo inteiro, contendo as seguintes informações em relação a aceleração normalizada da vibração de corpo inteiro A(8) em 8 horas medidas em m/s² rms e o valor equivalente da dose de vibração (8 horas) estimada (evdv), medida em m/s 1.75 : A(8) < 0,5 ou evdv < 9,1 - Conseqüência de baixo risco. Os trabalhadores devem receber treinamento para conscientização. A(8) > 0,5 ou evdv > 9,1, mas A (8) < 1,15 ou evdv < 21 Conseqüência de risco moderado. Os trabalhadores devem receber treinamento para conscientização e fazer algum tipo de acompanhamento médico. Recomenda-se que o encarregado pergunte pelo menos uma vez ao ano aos funcionários se alguém está com algum sintoma, caso em que o colaborador será encaminhado a um médico. Todos os trabalhadores deverão ser incentivados a relatar quaisquer sintomas relacionados à vibração; conforme plano de controle da exposição a vibração. A(8) > 1,15 ou evdv > 21 Conseqüência de alto risco. Treinamento e acompanhamento médico conforme recomendação acima, mas também a verificação de monitoramento contínuo e controles da exposição de maior risco, conforme estratégia e processos que forem viáveis. Os níveis de vibração médios durante o dia de trabalho que resultam em um A(8) de 0,5 m/s² ou 1,15 m/s² são tomados como base para o controle da exposição seguindo a tabela a seguir: Hours m/s² (ação) 0,35 0,50 0,71 1,0 1,4 2,0 m/s² (LT) 0,81 1,15 1,6 2,3 3,2 4,6

3 3 de 20 Nota: São destacados na tabela os intervalos próximas aos limites de tolerância e de ação em função da aceleração ponderada normatizada Aw(8) na condição de maior risco; conforme recomendado pela Norma Européia e ACGIH e ISO São aplicadas para corpo inteiro as ponderações Wk para o eixo Z e Wb para os eixos X e Y de acordo com a Norma ISO Seguindo diretiva Européia 2002/44, aplicamos para os casos de exposição a vibração no corpo humano os valores de aceleração Aw ou A.leq ou av, conforme nomenclatura utilizada em diferentes tempos de exposição diária efetiva para a obtenção do valor normalizado A(8); resultado da avaliação. Analisando os valores, verifica-se que o eixo Z na maioria dos casos é o que apresenta maior valor de amplitude de vibração. No entanto, os diferentes pesos atribuídos a cada um dos eixos ponderados (x * 1,4; y * 1,4 e z * 1,0) podem alterar essa tendência. RESULTADOS DAS MEDIÇÕES SUMARIZADOS: A tabela sumarizada para Lançamento no PPRA e PPP segundo estudo é apresentada abaixo com (03) amostras de atividades com exposição a vibração no corpo humano: Máquina/ Ferramenta Função / Atividade / Local Nomenclatura do GHE segundo Local / Funcionário Região Atingida / Posição habitual na Exposição de Maior Risco EMR Nível de Aceleração Média (Aleq.w) em m/s 2 (rms) ponderado para os eixos (sem pesos) Nível de Aceleração Média na Direção Mais Relevante ou Combinado Ponderada ALeq.xyz (w) em m/s 2 Tempo Efetivo de Exposição a Vibração Classificação de Risco em função do A(8) Caminhão Basculante VW N 128 (Figura A) Motorista Deslocamento e descarregamento de Material em Terrenos não pavimentados na Frente de Obra Porto GHE GVIB1 WBV/ KLS-Porto / Caminhão Basculante Colaborador Roberto de Melo Couto Corpo Inteiro Eq: Vib 008 Ax (wh) 0,20 Aceleração Combinada "av" para a EMR: 0,72 m/s 2 Ay (wh) 0,34 Az (wh) 0,46 Aceleração Combinada para 4 hora de trabalho na EMR A(8).4 0,34 m/s 2 Tempo de operação efetiva diário abaixo do limite de Tolerância ou ação: N/A Ou semanal de: N/A Baixo Risco TE = 4 horas Retro- Escavadeira NEW Rolland (Figura B) Operador de Retro- Escavadeira Escavação e preparação de terreno na Frente de Obra Portp GHE GEVIB 2 WBV / KLS-Porto / Retro- Escavadeira Colaborador: Brunno Gaspar dos Santos Corpo Inteiro Eq: Vib 008 Ax (wh) 0,39 Aceleração Combinada A(8) para a EMR: 1,09 m/s 2 Ay (wh) 0,58 Az (wh) 0,49 Aceleração Combinada para 6 hora de trabalho na EMR A(8).6 0,7 m/s 2 Tempo de operação efetiva diário abaixo do limite de ação 3:21:00 minutos Ou semanal de: N/A Risco Moderado TE = 6 Horas Pá- Carregadeira NEW Rolland Ano 2012 (Figura C) Operador de Pá- Escavadeira Deslocamento de Material e Carregamento de Caminhão na Frente de Obra Porto GHE GEVIB 3 WBV / KLS-Porto / Pá- Carregadeira Colaborador: Carlos Luiz e Silva Corpo Inteiro Eq: Vib 008 Ax (wh) 0,87 Aceleração Combinada A(8) para a EMR: 1,81 m/s 2 Ay (wh) 0,80 Az (wh) 0,72 Aceleração Combinada para 6 hora de trabalho na EMR A(8).6 1,06 m/s 2 Tempo de operação efetiva diário abaixo do limite de Tolerância 7:07:00 e abaixo do limite de ação: 1:20:00 Risco Moderado TE = 6 Horas

4 4 de 20 Figura A Detalhes da medição WBV / K.L.S-Caminhão Basculante (Obra Porto 20/07/2012) Figura B Detalhes da medição WBV / K.L.S - Retro-Escavadeira (Obra Porto 20/07/2012)

5 5 de 20 Figura C - Detalhes da medição WBV / K.L.S - Pá-Carregadeira (Obra Porto 20/07/2012) III. - Memorial e Resultados de Medição com VIB 008 e NI 9234 Resultados de Medição com VIB 008 por Operador (rastreabilidade) Primeira Amostra Local: Rua do Porto, S/N (EM FRENTE ARMAZÉM 07) Fontes: Caminhão Basculante VW N 128 Colaborador: Roberto de Melo Couto File _120720_ _2 Location Start 20/07/12 10:13:48 End 20/07/12 10:18:40 Whole body Quality Health Body position Seated Measurement locationseat Operator Measurement location Type aw (weighted WB) Machine Axis X Y Z Level Overall Overall Exposure Weighting Wd Wd Wk Whole body (av) A(8) Coefficient Level (m/s²) 0,20 0,34 0,46 Corrected (m/s²) 0,28 0,48 0,46 0,72 0,34 4h Warning level (m/s²) 0,50 8h44m47s Maximum level (m/s²) 1,15 46h16m 6s evdv dose (m/s 1.75) 4,35 7,33 7,07 4h Exposure level A(8) is below warning level

6 6 de 20 Detalhes da máquina/equipamento se movimentando e parado com motor ligado. Segunda Amostra Local: Rua do Porto, S/N (EM FRENTE ARMAZÉM 07) Fontes: Retro-Escavadeira New Rolland Colaborador: Brunno Gaspar dos Santos File _120720_ Location Start 20/07/12 10:33:26 End 20/07/12 10:41:15 Whole body Quality Health Body position Seated Measurement locationseat Operator Measurement location Type aw (weighted WB) Machine Axis X Y Z Level Overall Overall Exposure Weighting Wd Wd Wk Whole body (av) A(8) Coefficient Level (m/s²) 0,39 0,58 0,49 Corrected (m/s²) 0,54 0,81 0,49 1,09 0,70 6h Warning level (m/s²) 0,50 3h 2m47s Maximum level (m/s²) 1,15 16h 7m evdv dose (m/s 1.75) 9,23 13,75 8,25 6h Exposure level A(8) is above warning level São apresentadas duas medições em diferentes escalas e ciclos. Verifica-se com o método empregado que os valores globais são praticamente os mesmos.

7 7 de 20 Terceira Amostra Local: Rua da Gamboa, S/N (EM FRENTE ARMAZÉM 11) Fontes: Pá-Carrgadeira New Rolland 130 / Ano 2012 Colaborador: Rogerio Luiz e Silva File _120720_ Location Start 20/07/12 10:59:23 End 20/07/12 11:02:39 Whole body Quality Health Body position Seated Measurement locationseat Operator Measurement location Type aw (weighted WB) Machine Axis X Y Z Level Overall Overall Exposure Weighting Wd Wd Wk Whole body (av) A(8) Coefficient Level (m/s²) 0,87 0,80 0,72 Corrected (m/s²) 1,22 1,12 0,72 1,81 1,06 6h Warning level (m/s²) 0,50 1h20m45s Maximum level (m/s²) 1,15 7h 7m13s evdv dose (m/s 1.75) 20,69 19,02 12,30 6h Exposure level A(8) is above warning level São apresentadas duas medições em diferentes escalas e ciclos. Verifica-se com o método empregado que os valores globais são praticamente os mesmos. Análise Gráfica do Pior Caso em função do Tempo Efetivo (TE): A.3) GEVIB 3 WBV / JLS-GAMBOA / Pá-Carregadeira TEMPO Eixo Z Eixo X Eixo Y C o mbinado A(8) Eixo Z Eixo X Eixo Y Eixo X, Y e Z Medido (m/s2 w) 0,72 0,87 0,80 1,38 TED(h) 0,72 1,22 1,12 1,80 1 0,25 0,43 0,40 0,64 2 0,36 0,61 0,56 0,90 3 0,44 0,75 0,69 1,11 4 0,51 0,86 0,79 1,28 5 0,57 0,96 0,89 1,43 6 0,62 1,05 0,97 1,56 7 0,67 1,14 1,05 1,69 8 0,72 1,22 1,12 1,80

8 8 de OBJETIVO DA PRESENTE Elaboração de relatório para o PGR - Programa de Gerenciamento de Risco para o agente físico vibração com implementação de medidas de controle a partir de estudo do tempo efetivo de exposição nos casos críticos da operação máquinas/ferramentas; permitindo a partir do gerenciamento do tempo da atividade diária e semanal a mitigação ou neutralização do agente. O critério de avaliação empregado é o mais conservativo, isto é, leva em consideração a média das atividades e operações na condição de exposição de maior risco (EMR) a partir de medições e análises em 1/3 de oitavas da vibração existente nas três direções com ênfase na direção mais crítica; utilizando-se analisador de freqüência em tempo real com filtros passa alta, passa baixa e com ponderações da Norma ISO 8041 para Corpo Inteiro. 2. DADOS DA EMPRESA CONTRATANTE E LOCALIZAÇÃO DA OBRA RAZÃO SOCIAL: K. L. S. LOCACAO DE CAMINHOES, MAQUINAS E EQUIPAMENTOS LTDA - ME. ENDEREÇO: R CARLOS PEIXOTO, 2190, SALA 2323, Centro, Rio de Janeiro LOCAL DA OBRA: Rua General Luiz Mendes de Morais, s/nº. - Santo Cristo - RJ CEP: CNPJ: / (Matriz) DATA: Medição realizada nos dia 20/07/ RESPONSABILIDADES E EXECUÇÃO Responsáveis pelo Monitoramento de Vibrações (WBV & HAM) Empresa Executora: 3R Brasil Tecnologia Ambiental, Cultura, serviços e Comercio Ltda. Endereço: Av. Rio Branco, 156 Centro Rio de Janeiro - RJ, CEP: REGISTRO NO CREA-RJ: no número 36 CNPJ: / Inscrição Municipal: Telefone: (21) / / (principal) e Pessoa Responsável: Eng. Rogério Dias Regazzi /CREA-RJ A 3R Brasil é uma empresa nacional de consultoria, medição, perícia, auditoria em SMS e treinamento especializado, dedicada a cuidar dos interesses de seus clientes e de seus parceiros de execução. Somos registrados no CREA-RJ para a realização de serviços de medição e avaliação ambiental e ocupacional com profissionais capacitados e equipamentos calibrados e rastreados. Os relatórios e laudos são assinados por Engenheiro de Segurança do Trabalho devidamente registrado; exigências da legislação para a realização do serviço proposto de avaliação ambiental. Mini Curriculum - 3R Brasil. Consultor em SMS, Avaliação Ambiental, Acústica e Vibrações. ROGÉRIO DIAS REGAZZI, Engenheiro Mecânico (UFRJ) especializado em Engenharia de Segurança do Trabalho (CEFET) e Engenharia Legal (CEFET), Especialista em acústica e vibrações. Mestre em Metrologia e Qualidade Industrial. Ex-Gerente Executivo do projeto Larson Davis (Empresa EUA de equipamentos da

9 9 de 20 área de ruído e vibração). Observador da ABNT (ISO 14000). Sócio-Gerente da 3R Brasil. Membro da CCR (Cooperativa de Consultores e Técnicos Reunidos Ltda). Ex Diretor de Automação e SMS da Gaveasensors (atual Gas Oil) e Perito Judicial. Autor de diversos trabalhos publicados na revista do INMETRO, PROTEÇÃO, SOS e SOBRAC e em outros Fóruns e Congressos Nacionais e Internacionais. Autor dos Softwares 'Autolab', 'NRnoise', 'Gerente SST', 'Calix SST' e GerenteCST-PCA, Autor e Editor do livro 'Perícia e Avaliação de Ruído e Calor' e Soluções Práticas de Instrumentação e Automação Utilizando a Linguagem Labview. Professor do Curso de Segurança do Trabalho da UEPA, UCL, PUC-Rio e UFRJ e de cursos especiais da ABPA, SOBEM e PUC-RJ. Pesquisador e Prof da PUC-RJ nos projetos da ANP (Agência Nacional do Petróleo). Credenciamento:

10 10 de TERMINOLOGIAS E DEFINIÇÕES Agentes: ruído e vibração são considerados agentes físicos cujos limites para insalubridade são definidos na NR 15 anexos 1 (ruído contínuo), 2 (ruído de impacto) e 8 (vibração). LEQ: média logarítmica no tempo do nível de pressão sonora ou vibração. É uma função de integração usada em ambientes para definir o valor médio do ruído ou vibração em função do tempo de medição. No caso de níveis contínuos ou intermitentes fixos o Leq será o mesmo tanto para períodos curtos ou longos de medição. Detecção (lenta e rápida): os aparelhos usados para monitorar o ruído apresentam internamente circuitos de detecção lenta e rápida. No nosso caso, será utilizada a detecção Fast e o Leq para avaliação. Aceleração (m/s 2 ): unidade de medida de vibração que pode ser em rms, peack ou peak-peak. Atenção deve ser levada para a comparação dos níveis na mesma unidade de medição definida pelos valores das grandezas de referência do calibrador. Vibração de Corpo Inteiro: Vibração de corpo inteiro é aquela transmitida através das superfícies de apoio, ou seja, os pés para uma pessoa de pé, os pés, as nádegas e as costas para uma pessoa sentada e as superfícies de apoio de uma pessoa recostada ou deitada. Pontos de Medida de Vibração Ambiental: Medir a vibração na superfície estrutural que suporta as pessoas, no(s) ponto(s) de maior intensidade, tipicamente: no centro da laje dos pisos, para vibrações verticais e nos pisos próximo às paredes, por exemplo nos vãos das portas e janelas, para vibrações horizontais. Vibrações Contínuas: Comumente encontradas em estruturas excitadas por máquinas rotativas como bombas e alguns compressores. Máquinas alternativas também são outros exemplos. Aleatórias ou de Multi-frequências (banda larga): Esse tipo de vibração não é comumente encontrado em edificações. A ISO propõe o estudo em terças de oitava ou valor global sendo que o primeiro é o preferido. Intermitente: Essa excitação é caracterizada por manter determinado nível de vibração por um considerado número de ciclos; um caimento transiente e subseqüente repetição do evento similar. Podem ser excitações de alguns segundos. São encontradas no interior de edifícios que sofrem influência de tráfico ou de máquinas de partidas constantes ou de serviços intermitentes. Choque impulsivo: Excitação caracterizada por uma rápida subida para um valor de pico seguido de um decaimento. É encontrada nos arredores de construções de edifícios e pontes, podem ser também encontrada em processos de fabricação como forjamento, corte e estampagem de peças ou qualquer outra máquina de impacto. Nível Global: É o valor combinado de todas as freqüências de vibração expressas em um número único. Em análise de vibração deve-se conhecer primeiramente as freqüência para posteriormente calcular o nível global.

11 11 de 20 Nível por Freqüência: É o valor do sinal distribuído nas diversas freqüências que compõem o nível global. Em vibração é a forma mais adequado de avaliar os sinais, pois cada sistema mecânico possui uma assinatura bem definida. Limite de conforto: sem maior gravidade, mas importante para verificar enjôo durante a atividade; Limite de fadiga: provocando redução da eficiência dos trabalhadores. Curva base das normas; Limite de exposição: correspondente ao limiar do risco à saúde e, portanto, de insalubridade. evdv (Estimated Vibration Dose Value): Valor estimado da dose de vibração em m.s - 1,75 fornecida pelos equipamentos de medição representativo da exposição a vibração durante a atividade. Este valor só deve ser aplicado no caso de vibração comportadas, isto é, na ausência de choques, de vibrações intermitentes ou variáveis preponderantes, sendo, portanto, aplicado se o fator de crista (relação entre o valor máximo pico e o rms) não ultrapassar seis (6) vezes a média dos valores rms instantâneos. A formula de evda = 1,4 a rms(wt) t 1/4. 5. NORMAS UTILIZADAS [1] ISO Vibração transmitida para corpo inteiro (nova versão 1999); [2] ÌSO 5349 Vibração localizada em mãos e braços; [3] ÌSO 7962 Transmissão mecânica do corpo humano na direção z ; [4] ISO 8041 Instrumento de medição para resposta do corpo humano a vibração; [5] Anexo 1 da ISO 8041 (Edição 1999); [6] ISO 6897 Guia para avaliação da resposta dos ocupantes de estrutura fixas em movimentos horizontais de baixa freqüência (0,063 a 1 Hz); [7] ACGIH American Conferencie of Governamental Industrial Higyenists. [8] Diretiva 2002/44/CE - do Parlamento Europeu e do Conselho de 25 de Junho de 2002 ACGIH. Referências Normativas Internacionais: ISO : Mechanical Vibration - Measurement and Evaluation of Human Exposure to Hand-Transmitted Vibration - Part 1: General Guidelines, Geneva, 2001a, 24p ISO : Mechanical Vibration - Measurement and Assessment of Human Exposure to Hand-Transmitted Vibration - Part 2: Practical Guidance for Measurement in the workplace, Geneva, 2001b, 39 p. ISO : Methods for the calibration of vibration transducers, - Part 1: Basic concepts Geneva, ISO : Mechanical Vibration and Shock - Evaluation of Human Exposure to Whole- Body Vibration - Part 1: General Guidelines, Geneva, 1997.

12 12 de 20 ISO 5805: Mechanical Vibration and Shock - Human exposure to vibration - Vocabulary. Geneva, 1997 ISO 1996: Mechanical Vibration and Shock - Disturbance to human activity and perfomance - Classification. Geneva, 1996 ISO 10819: Método para a medição e avaliação da transmissibilidade da vibração de luvas na palma da mão. Geneva, ISO 8862: Hand-held portable power tools- Measurement of vibrations at the handle - Part 1:General. Geneva, 1988, 4p. As medições dos níveis de vibração no corpo humano baseiam-se em normas internacionais como a ISO 2631 para corpo inteiro, ISO 5349 para mãos e braços, e, ISO 8041 para instrumentação. Devem ser realizadas medições em níveis globais e por freqüência em 1/3 de oitava das vibrações nas direções de referencia especificadas pelas Normas durante o ciclo de atividade. 6. PREMISSAS TÉCNICAS O corpo humano reage às vibrações de maneiras diversas dependendo da região do corpo atingida. No caso de vibração no corpo inteiro a sensibilidade às vibrações longitudinais (ao longo do eixo z, da coluna vertebral) é diferente da sensibilidade transversal (eixos x ou y, ao longo dos braços ou através do tórax). Em função do local e direção a sensibilidade também varia com a freqüência ( resposta em freqüência do corpo ), isto é, para uma determinada freqüência, a aceleração tolerável (em m/s 2 ) é diferente da aceleração tolerável em outras freqüências. O ser humano apresenta maior sensibilidade nas direções x e y quando em baixa freqüência, 1 a 2 Hz. A curva padrão combinada das três direções é obtida para o caso mais crítico dos eixos z, x e y. Deve-se medir a vibração na estrutura ou no ponto que será transmitida ao corpo inteiro (ref. 3.5 ISO ). Em algumas condições as medições podem ser realizadas fora da estrutura. Nesse caso a função de transferência entre os pontos devem ser determinadas. As vibrações que afetam o ser humano são de baixa freqüência e grandes amplitudes situam-se na faixa de 1 a 80 Hz, mais especificamente 1 a 20 Hz. Também são enquadradas como vibração no corpo inteiro os casos de enjôo que compreendem as freqüências na faixa de 0,1 a 0,63 Hz. Tais vibrações são mais críticas em atividades relacionadas aos meios de transporte. Para o caso de mãos e braços a reação da região atingida para os eixos x, y e z é a mesma, portanto, aplica-se o mesmo fator de ponderação (peso) nas terças de oitava de freqüência para os três eixos (ponderação Wh segundo ISO 5349). A faixa de freqüência para este caso se estende de 6,3 Hz a 1250 Hz sendo as amplitudes em m/s 2. Deve-se utilizar acelerômetro compatível com a entrada do instrumento de medição e realizar a verificação do conjunto com o uso de um calibrador de vibração (mini-shaker). Uma base triaxial com elemento de fixação na altura do centro da mão e sobre os dedos deve ser utilizada nas medições para evitar colisão com o acelerômetro. No contexto da avaliação conservativa, buscando continuamente a saúde e segurança do trabalhador, optou-se em também informar a os valores de vibrações com e sem ponderação, segundo recomendações da NIOSH, que segue as recentes pesquisas publicadas sobre o efeito da vibração nas freqüências superiores a 31,5 Hz. Outro ponto que merece destaque são as medidas de controle que necessitam dos valores de 1/3 de oitavas sem ponderação para aplicação das correções e atenuações.

13 13 de EQUIPAMENTOS E RASTRABILIDADES 7.1) Calibrador de Vibração PCB: Modelo: 394M23; 9,84 m/s2; 79,6 Hz. Marca: PCB. Tipo: 1 (maior exatidão nas medições). Certificado: Calibrado na Total Safety/RBC 2012 RBC Função: fornecer nível de sinal conhecido de vibrações antes e após as medições. Figura. 5 Certificado do Calibrador de Vibração PCB de 2010 e 2012 como referência do VIB 008 e NI Rastreabilidade metrológica da 3R Brasil Tecnologia Ambiental.

14 14 de ) Analisador de Freqüência RTA em 1/3 oitavas nos três eixos simultâneos Modelo: National Instruments; 3R Human Vibration Analizer de 4 canais. Marca: 3R Brasil / NI Tipo: 1 (maior exatidão nas medições). Certificado: calibrado no INMETRO em Função: fornecer nível de sinal conhecido de vibrações antes e após as medições. Medição e análise de freqüência em 1/3 de oitavas com e sem ponderação das Normas ISO 2631 e ISO 5349 e de acordo com os critérios de exatidão da ISO 8041 com softwares e hardwares desenvolvidos e calibrados no INMETRO utilizando plataforma Labview (compilado) que permite uma maior automação para visualizar e análise dos dados ocupacionais. O monitoramento realizado em tempo real e on line com uma unidade leitora de quatro canais acoplada a um Laptop e acelerômetro triaxial. Acelerômetro: Modelo: 353 M197 IPC n série Marca: PCB. Tipo: piezelétrico. Faixa de medição: 0,2 Hz a 6 khz. Rastreado ao calibrador PCB 394M23 Acelerômetro triaxial PCB: medição nos três eixos simultâneos calibrado no sistema de baixa freqüência do INMETRO/DINCI/DIAVI em conjunto com a placa NI-9234 e o Sistema 3R_Human Vibration Analizer VDH Z X Y (12/2010) e Rastreado ao calibrado PCB 394M23: Sistema: 3R-NI-9234-VCH. Marca: National Instruments. Tipo: 1 (maior exatidão nas medições). Certificado de calibração: calibrado no INMETRO pelo convênio da PUC-Rio em 2011.

15 15 de ) Analisador de Vibração no Corpo Humano / Mãos e Braços Vib 008 Modelo: VIB 008 n/s série Marca: 01dB Metravib Tipo: analisador de 1/3 de oitavas com certificado de Exibição em tempo real dos dados medidos, em tela colorida (Pocket PC, Celular 3G, Notebook, etc.) Gerenciamento e Transferência dos arquivos de medição com gravação dos eventos em.wav Software dbmaestro: parecer técnico sobre os limites de exposição conforme diretiva europeia 2002/44/EC e recommendações ACGIH. Contempla: Vibração ocupacional para extremidades (mão-braço) e corpo inteiro; Prevenção de "Repetitive Strain Injury (RSI)" Acessórios: Assento com acelerômetro triaxial para corpo inteiro e SEAT: WBA001 NF EN ISO dB Metravib s/n: Acelerômetro triaxial para mãos e braços: AP2042 s/n 2019 Certificado Base magnética tri-axial com rosca interna PCB 080B10; Base com Imã e rosca externa para acelerômetro do tipo NF (PCB 080); Apunhadura para acelerômetro com arruela de aço; Pré-amplificador para acelerômetro LD PRA950-L2 s/n LIMITES DE EXPOSIÇÃO Vibrações transmitidas a todo o organismo (WBV)", as vibrações mecânicas que, quando transmitidas a todo o organismo, implicam riscos para a saúde e para a segurança dos trabalhadores, em especial patologia da região lombar e lesões da coluna vertebral.

16 16 de 20 Então, Conforme a Diretiva Européia 2002/44: Para as vibrações transmitidas a todo o organismo (corpo inteiro): LT - O valor-limite de exposição diária normalizada, correspondente a um período de referência de 8 horas, é fixado em 1,15 m/s 2 ou, à escolha do Estado-Membro, num valor de dose de vibrações de 21 m/s 1,75 ; LA - O valor de exposição diária normalizada, correspondente a um período de referência de 8 horas, que desencadeia a ação é fixado em 0,5 m/s 2 ou, à escolha do Estado- Membro, num valor de dose de vibrações de 9,1 m/s 1,75. Para corpo inteiro as Normas utilizadas serão a Diretiva Européia 2002/44/CE, ISO 2631 e ISO No caso de vibrações em mãos e braços recomendam-se os valores da ACGIH, conforme Limite de Tolerância (LT). Na ISO 5349 os riscos da exposição do trabalhador não são claros. Neste contexto a Diretiva Européia é mais clara e objetiva e usa as ponderações da Norma ISO Limite de Exposição para Corpo Inteiro (ISO 2631 e ACGIH): Os limites para aceleração global ponderada em função do tempo de exposição são estabelecidos conforme tabela a seguir, sem a combinação entre eixos: TABELA I Tempo (Horas) a w (m/s 2 rms) Dose (%) 1 2, , , , , , , , Os mesmos limites podem ser definidos quando normalizados para exposição diária A(8) por eixo separado; considerando 8 horas diárias e 40 semanais (ref ACGIH e ISO 2631)

17 17 de 20 Para a utilização adequada do instrumento de medição deve-se primeiramente avaliar as operações envolvidas com a atividade e analisar o local de trabalho. Neste caso serão realizadas medições durante as operações mais importantes realizadas. Uma média em 1/3 de oitava da aceleração (a,leq) em m/s 2 das amplitudes das freqüências será o nível global que representará o pior caso da atividade realizada no GHE ou operação de interesse. Segundo verificado com o analisador de sinais de vibração e devido a natureza das atividades monitoradas, os níveis devem ser considerados intermitentes, portanto, necessitando de pouco tempo para a composição do nível médio representativo da exposição avaliada para os piores casos. Figura 1 Direção de medição em Corpo Inteiro (WBV). Figura 2 Dispositivos de Medição para Corpo Inteiro (WBV).

18 18 de METODOLOGIA (3R.R.WBV) O nível de vibração dos equipamentos usados no local de trabalho deve ser medido ou avaliado em intervalos regulares e sempre que houver mudanças nesses equipamentos ou nos métodos de produção. Os diversos limites mencionados acima apresentam métodos para medição das várias formas de vibração. Vale notar que a maior parte dos países baseou seu método de monitoramento no ISO 2631 (ex.: na Austrália, AS 2670) e ISO 5349 (ex.: na Austrália, AS 2763). Recomenda-se fazer o monitoramento individual buscando o pior caso. Ao medir a vibração em uma ferramenta manual, elétrica, e de movimento complexo, a localização do transdutor (sensor) tem influência significativa no resultado. Embora haja algumas recomendação para uso de dosímetro de vibração, o mesmo deve ser evitado dando preferência ao analisador de freqüência ou medidor analisador de vibração no corpo humano que fornece em intervalos de 3 a 5 minutos os níveis globais com e sem ponderação e por 1/3 de oitavas, caracterizando a atividade com uma média de 3 avaliações por posto de trabalho ou atividade com a ferramenta. A diretiva Européia permite uma estimativa da exposição com as informações dos fabricantes sobre os níveis de vibrações dos equipamentos, que poderá ser aplicada se os mesmos forem novos. O método empregado permite a convergência entre os critérios, pois se utiliza da avaliação in situ (quantitativa) para a análise da exposição do trabalhador, realizada por especialista devidamente habilitado, minimizando os erros de medição e valorizando a repetibilidade, a reprodutibilidade e a rastreabilidade do método. Por isso chamado de 3RVIB. Inicialmente deve-se realizar um procedimento de verificação com calibrador manual do sistema de medição composto por um acelerômetro triaxial PCB do tipo ICP, uma placa NI-9234 de quatro canais, um calibrador de vibração e um computador portátil ou sistema de medição similar com análise em 1/3 de oitava. Utilizou-se para isso de um mini-shaker da PCB modelo 394M23 que emite uma aceleração de 9,84 m/s2 rms na freqüência de 79,6 Hz segundo certificado de calibração emitido pelo INMETRO em 2010 com o certificado INMETRO/DIMCI 0047/2010 e TotalSafety/RBC 2012, e conforme programa de calibração da 3R Brasil Tecnologia Ambiental. As medições são realizadas em escala logarítmica para posteriormente serem convertidas em m/s2 rms utilizando o calibrador manual como referência. Devem ser realizar medidas em 1/3 de oitava nas direções recomendadas pela norma ISO 2631 (corpo inteiro) e ISO 5349 (mãos e braços). A média da aceleração no tempo é chamada de Leq ou a.leg (média ponderada no tempo dos valores de vibração em rms). Para corpo inteiro ISO 2631 o nível medido é convertido para um nível de aceleração ponderado (aw) e calculado o nível global correspondente através de soma linear para posterior comparação com os níveis de exposição permitidos. Para mãos e braços a norma ISO 5349 não estabelece critério limite bem definido em função do tempo de exposição na atividade. Portanto, deve-se utilizar os limites estabelecidos pela ACGIH como recomendado pela Norma Regulamentadora NR 15 anexo 8; com valores com ponderação para comparação com a ACGIH, ou, pelos critérios da Diretivas Européias 2002/44, além da classificação de risco recomendada ISO A NIOSH vem recomendando a não utilização de ponderação nos casos de mão e braços, necessitando novos limites de tolerância que não foram claramente definidos.

19 19 de 20 Para a aplicação do método os níveis devem ser considerados intermitentes em intervalos bem definidos, portanto, necessitando de pouco tempo para a composição do nível médio representativo da exposição avaliada para o pior caso. Para a composição da média da operação é necessário atender as seguintes condições e correções: 1. Observando que no caso de uma exposição diária interrupta ou da divisão de exposição em vários intervalos os efeitos de vibração no homem podem ser abrandados por certo grau de recuperação que permite a prolongação das exposições totais toleráveis, como intervalos sem exposição em horas ou dias. 2. Considerar que a determinação da vibração é efetuada com base no valor eficaz mais elevado das acelerações ponderadas em freqüência dentre os eixos ortogonais. 3. Quando o valor r.m.s da amplitude da aceleração varia apreciavelmente com o tempo ou se a exposição diária total é composta de vários tempos de exposição individual ti para diferentes níveis Ai, então, uma exposição total equivalente (aleq) é obtida através de processos internos de cálculos dos equipamentos de medição se realizada medição de toda a jornada ou através de cálculos específicos que fornecem o nível equivalente contínuo por terças de oitavas ponderado Ai(w)eq por eixos para posteriormente realização dos ajustes para o tempo efetivo de exposição diária Ai(8). O resultado final será a soma quadrática dos Ai(8) para a obtenção do A(8). Este processo é o mais adequado e bem definido na Diretiva Europeia e se assemelha as observações do tempo permitido por Ai usando os gráficos da ISO 2631, sendo estes menos precisos. 10. RECOMENDAÇÕES PARA CONTROLE DE EXPOSIÇÃO DE ORDEM GERAL Considerações do Programa de Gerenciamento de Risco da Vibração. Diretivas de Controle para a região do corpo atingida. Vibrações transmitidas: Se houver alternativa entre diferentes processos e ferramentas, usar aqueles que resultem na menor exposição à vibração. Alertar os funcionários sobre os efeitos à saúde, treiná-los e educá-los para o uso correto dos equipamentos. Manter os equipamentos segundo as instruções do fabricante. Evitar que as máquinas/ferramentas emitam gases ou fluidos frios sobre as mãos dos operadores. Evitar cabos cujos formatos requeiram alta pressão na área de contato com a pele. Escolher ferramentas que requeiram menos força de contato (forças de pegada e de sustentação quando houver alternativa). Fazer o acompanhamento e o rodízio de funcionários no trabalho onde a exposição à vibração for significativa (MODERADA OU ELEVADA). Evitar fumar antes e durante o trabalho com equipamentos vibratórios. A nicotina reduz a circulação de sangue para as mãos e os dedos assim como o álcool. Informar ao supervisor imediato quando sentir vibração anormal ou algum dano na ferramenta ou equipamento. Estabelecer e manter controles deste Laudo com os Programas PPRA, PCMSO e PCMAT da empresa. No treinamento estas recomendações também deverão ser feitas para aqueles que serão expostos à vibração no corpo humano.

20 20 de 20 Para todas as posições e atividades com risco moderado ou elevado deve-se realizar laudo ergonômico com um programa de treinamento de posturas e apunhaduras dentre outras medidas de controles. Recomenda-se o monitoramento contínuo das atividades críticas ou de maior risco utilizando equipamento e metodologia apresentada neste relatório. Informações do nível global das vibrações transmitidas sem o gráfico por 1/3 de oitavas que possibilitem rastreabilidade e auditoria da medição comprometem a análise da exposição, e, portanto, a empresa e o colaborador. Rio de Janeiro, 07 de Julho de 2012 Rogério Dias Regazzi Engenheiro de Segurança do Trabalho Membro do CIT Comitê de Inovação Tecnológica 3R&Transeletron Diretor 3R Brasil Tecnologia Ambiental Diretor e Inovando no Isegnet Engo Mecânico, de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente Especialista em Acústica, Vibrações e Green Building CREA / /D (nova carteira) Certificados em anexo\

N : 3R Brasil Tecnologia Ambiental Ltda. Exposição Humana a Vibrações no Trabalho Edição: 1

N : 3R Brasil Tecnologia Ambiental Ltda. Exposição Humana a Vibrações no Trabalho Edição: 1 Cliente: Projeto: N : Data:07/07/06 Exposição Humana a Vibrações no Trabalho Edição: 1 Revisão: 0 1 de 9 Capítulo: I ESCOPO DE FORNECIMENTO Local: XX - RJ 1. OBJETIVO Medição da exposição a vibrações no

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

3R BRASIL TECNOLOGIA AMBIENTAL

3R BRASIL TECNOLOGIA AMBIENTAL N : 3R ISEGNET_VCH_01_10 Data: 05/03/10 Cliente: Projeto: Exposição Humana a Vibrações no Trabalho Edição: 1 Revisão: 1 1 de 23 Capítulo: I ESCOPO DE FORNECIMENTO Local: Rio de Janeiro - RJ SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Clariah Fonoterapia e Audiologia Ltda.

Clariah Fonoterapia e Audiologia Ltda. Cliente: Projeto: N : REL_NPS_ENSAIO_CABINE_VEICULO _CLARIAH_11 Data: 15/02/2011 1 de 11 Medição de Veículo com Cabine Audiométrica in situ segundo a ISO Edição: 1 Relatório Técnico de Medição de Cabine

Leia mais

Coletânea de Leis, Normas, Pareceres e Relatórios Técnicos

Coletânea de Leis, Normas, Pareceres e Relatórios Técnicos Contempla a NHO-09, a NHO-10 e a Nova Portaria No 1297 do MTE O livro Vibração Ocupacional e Ambiental - Guia Técnico e Prático " é uma contribuição para os profissionais atuantes no campo da Higiene Ocupacional

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 8 da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais

Construção Civil Brasileira Ltda. Exposição Humana a Vibrações no Trabalho Edição: 1

Construção Civil Brasileira Ltda. Exposição Humana a Vibrações no Trabalho Edição: 1 N : Data: 04/07/12 Cliente: Projeto: Exposição Humana a Vibrações no Trabalho Edição: 1 Estudo e Controle da Exposição de Vibração em Mãos e Braços Revisão: 0 1 de 24 Capítulo: I ESCOPO DE FORNECIMENTO

Leia mais

www.isegnet.com.br.com.br

www.isegnet.com.br.com.br M.Sc Rogério Dias Regazzi Diteror 3R Brasil Tecnologia Ambiental Diretor Isegnet.com.br Engo Mecânico e de SST Publicação: Parecer NAW OFFSHORE PARECER: JUSTIFICATIVA TÉCNICA DO LIMITE DE TOLERÂNCIA DE

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA 1ª edição 2009 2ª edição 2013 3ª edição 2014 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro Mecânico. Engenheiro de Segurança do Trabalho. Advogado. Mestre em meio

Leia mais

VIBRAÇÃO EM CORPO INTEIRO EM OPERADORES DE EMPILHADEIRAS

VIBRAÇÃO EM CORPO INTEIRO EM OPERADORES DE EMPILHADEIRAS VIBRAÇÃO EM CORPO INTEIRO EM OPERADORES DE EMPILHADEIRAS ANTÔNIO CARLOS VENDRAME Vendrame Consultores Associados & CRISTIANE PIANELLI Coordenadora Higiene Industrial Região Sul/Sudeste Dow Brasil CONCEITOS

Leia mais

EXIGÊNCIA PARA FABRICANTES DE MÁQUINAS E FERRAMENTAS

EXIGÊNCIA PARA FABRICANTES DE MÁQUINAS E FERRAMENTAS APRESENTAÇÃO: MEMORIAL DE CÁLCULO E ESTUDO DE CASO INSTRUTOR Rogério Dias Regazzi M.Sc e Engenheiro de Segurança do Trabalho Diretor 3R Brasil Tecnologia Ambiental Diretor Isegnet.com.br e inovando no

Leia mais

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira Audição e Trabalho Marcelo Madureira Som Qualquer perturbação vibratória em meio elástico, a qual produz uma sensação auditiva Energia transmitida por vibrações no ar (ou outros materiais) e que causa

Leia mais

VIBRAÇÃO - Melhor Caminho é a Prevenção!

VIBRAÇÃO - Melhor Caminho é a Prevenção! VIBRAÇÃO - Melhor Caminho é a Prevenção! (*) José Augusto da Silva Filho Medidas de proteção à vibração das ferramentas A maioria das ferramentas manuais energizadas gera vibração aleatória em intervalo

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO Contratante: Sistema Ribrane de Ensino Ltda ME Praça Padre Tavares, 46 - Centro Avaré - SP. Responsável Técnico: Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA:

Leia mais

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento RELATÓRIO TÉCNICO Código RT-020.00/RA2/004 Emissão O.S. 15/08/13 Folha 10 de 12 Rev. A Emitente Resp. Técnico Emitente 15/08/13 Verificação / São Paulo Transporte Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO DO SUMÁRIO EXECUTIVO:

1. APRESENTAÇÃO DO SUMÁRIO EXECUTIVO: N : Data: 20/05/15 Cliente: Projeto: 1 de 24 Análise de Vazamento Acústico de Salas de Reunião 2 e 3 Edição: 1 Revisão: A Capítulo: I ESCOPO DE FORNECIMENTO Local: CIDADE-RJ 1. APRESENTAÇÃO DO SUMÁRIO

Leia mais

PARECER CHAMADA PUBLICA VIBRAÇÃO OCUPACIONAL. Atendendo solicitações de usuários do www.isegnet.com.br. e dos alunos do curso de vibração ocupacional.

PARECER CHAMADA PUBLICA VIBRAÇÃO OCUPACIONAL. Atendendo solicitações de usuários do www.isegnet.com.br. e dos alunos do curso de vibração ocupacional. PARECER CHAMADA PUBLICA VIBRAÇÃO OCUPACIONAL Atendendo solicitações de usuários do www.isegnet.com.br. e dos alunos do curso de vibração ocupacional. 1) INTRODUÇÃO: REF. M.SC ROGÉRIO DIAS REGAZZI Neste

Leia mais

SIGNALWORKS. Brasil QUAL É O SEU DESAFIO? A SIGNALWORKS TEM A SOLUÇÃO!

SIGNALWORKS. Brasil QUAL É O SEU DESAFIO? A SIGNALWORKS TEM A SOLUÇÃO! SIGNALWORKS Brasil A Signalworks é uma empresa com foco na área de testes, medições e controle. Atuando na engenharia experimental há mais de 15 anos, a Signalworks estabeleceu-se como uma das mais renomadas

Leia mais

Capítulo: I Avaliador: Rogério Dias Regazzi Local: Local: Santarém - PA

Capítulo: I Avaliador: Rogério Dias Regazzi Local: Local: Santarém - PA N : Data: 17/01/11 Cliente: Projeto: 1 de 27 Relatório de Ruído (NPS) do Programa de Gerenciamento de Risco Edição: 1 Mapeamento Ambiental e Monitoramento da Exposição ao Ruído Revisão: 1 Capítulo: I Avaliador:

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO DO SUMÁRIO EXECUTIVO:

1. APRESENTAÇÃO DO SUMÁRIO EXECUTIVO: N : Data: 03/12/13 Cliente: Projeto: 1 de 20 Tratamento Acústico de Sala de Reunião e Direção Edição: 1 Revisão: 0 Capítulo: I ESCOPO DE FORNECIMENTO Local: CENTRO-RJ 1. APRESENTAÇÃO DO SUMÁRIO EXECUTIVO:

Leia mais

PROPOSTA PADRÃO DE PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA CHAMADO GPCA PARA ATENDIMENTO AO MANUAL DE SAÚDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE DA EMPRESA

PROPOSTA PADRÃO DE PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA CHAMADO GPCA PARA ATENDIMENTO AO MANUAL DE SAÚDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE DA EMPRESA Rio de Janeiro, 0x de XXXX de 2010 REF: PR_3R_GPCA_CONTROLE_EMPRESA_01010 Número de páginas: 09 PROPOSTA PADRÃO DE PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA CHAMADO GPCA PARA ATENDIMENTO AO MANUAL DE SAÚDE,

Leia mais

Audiência Pública NR-15 Anexo 8 Exposição Humana à vibração fator de risco ocupacional

Audiência Pública NR-15 Anexo 8 Exposição Humana à vibração fator de risco ocupacional Exposição Humana à vibração fator de risco ocupacional Eng. Tiago Becker, M.E., Dr. 1 Formação acadêmica Apresentação Graduação em Eng. Mecânica na UFRGS Tema do TCC: acústica de ambientes (reververação)

Leia mais

Apresentação de Serviços Especiais e de Duvidas Fundamentais. (por 3R Brasil e L.Gomes):

Apresentação de Serviços Especiais e de Duvidas Fundamentais. (por 3R Brasil e L.Gomes): Apresentação de Serviços Especiais e de Duvidas Fundamentais. (por 3R Brasil e L.Gomes): Padronização e Emissão de Laudos Conclusivos com o Gerente NPS-SST Metodologias e Procedimentos de Medição (avaliação

Leia mais

PARECER LTCAT / É ÓBVIO, ELE NÃO MORREU! CANAL 3R / COTESIA ISEGNET

PARECER LTCAT / É ÓBVIO, ELE NÃO MORREU! CANAL 3R / COTESIA ISEGNET "ESTAMOS DISPONIBIZANDO ESTE MATERIAL APÓS UM SÉRIE DE PERGUNTAS DE USUÁRIOS SOBRE O TEMA: LAUDO TÉCNICO E LTCAT. PERCEBEMOS EQUIVOCOS PERPETUADOS SEM FUNDAMENTOS OU NEXO COM A REALIDADE. UMA TENTATIVA

Leia mais

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI Prezados(as); Informamos que foi publicada no DOU de hoje, seção 1, páginas 110 e 111 a Portaria MTE n.º 1.297, de 13 de agosto de 2014, que aprova o Anexo 1 - Vibração - da Norma Regulamentadora n.º 9

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 3 (Limites de Tolerância para Exposição

Leia mais

Instrutor: Rogério Dias Regazzi 1

Instrutor: Rogério Dias Regazzi 1 APRESENTAÇÃO: REQUISITOS MÍMIMOS PARA VIBRAÇÃO EM BARCO INSTRUTOR Rogério Dias Regazzi Especialista em Acústica, Vibrações e Soluções Sustentáveis M.Sc e Engenheiro de Segurança do Trabalho Diretor 3R

Leia mais

MINERAÇÃO SERRA ALTA DE SÃO TOMÉ LTDA.

MINERAÇÃO SERRA ALTA DE SÃO TOMÉ LTDA. ESTABELECIMENTO: MINERAÇÃO SERRA ALTA DE SÃO TOMÉ LTDA. ENDEREÇO: SERRA DO CARIMBADO, S/N SÃO TOMÉ DAS LETRAS-MG CNPJ: 70.986.153/0001-35 RAMO DE ATIVIDADE: MINERAÇÃO CNAE: 08.10.0-99 GRAU DE RISCO: 4

Leia mais

CONSULTOMED. Esperamos ter a oportunidade de trabalharmos juntos no futuro próximo e esperamos poder assistilos no que for necessário.

CONSULTOMED. Esperamos ter a oportunidade de trabalharmos juntos no futuro próximo e esperamos poder assistilos no que for necessário. Número de páginas: 08 Rio de Janeiro, 11 de Outubro de 2011 De Sergio L. Schmidt & M.Sc Rogério Dias Regazzi Eng. de Segurança do Trabalho e Especialista em Sustentabilidade, Acústica e Vibrações e 3R

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 Relatório técnico nº 00412 Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 SINDUSCON- Grande Florianópolis End.: Avenida Rio Branco,1051- Centro, Florianópolis, SC Contato:

Leia mais

INFINITY DO BRASIL PRODUTOS ELETRONICOS LTDA

INFINITY DO BRASIL PRODUTOS ELETRONICOS LTDA DOSIMETRIA DE FONE Cliente: Projeto: N : Data: 01/03/2011 Folha: INFINITY DO BRASIL PRODUTOS ELETRONICOS LTDA Laudo de Dosimetria de Fone de Ouvido (HTU 300 / HTU 310) Edição: 1 Revisão: 0 1 de 15 LAUDO

Leia mais

SERVIÇOS MANDATÓRIOS ESPECIAIS DA 3R BRASIL TECNOLOGIA AMBIENTAL

SERVIÇOS MANDATÓRIOS ESPECIAIS DA 3R BRASIL TECNOLOGIA AMBIENTAL Última Atualização: Rio de Janeiro, 22 de Outubro de 2013. Número de páginas: 05 SERVIÇOS MANDATÓRIOS ESPECIAIS DA 3R BRASIL TECNOLOGIA AMBIENTAL Destacamos a seguir os serviços especiais mandatórios realizados

Leia mais

Sindicato - Frente de Obra da Galvão Engenharia S/A

Sindicato - Frente de Obra da Galvão Engenharia S/A N :1 Data: 15/02/13 Cliente: Projeto: Laudo Técnico das Condições do Ambiente de Trabalho & Edição: 1 Relatório de Condições Ambientais de Trabalho Revisão: 0 1 de 43 Capítulo: I ESCOPO DE FORNECIMENTO

Leia mais

Norma de Higiene Ocupacional Procedimento Técnico

Norma de Higiene Ocupacional Procedimento Técnico Norma de Higiene Ocupacional Procedimento Técnico Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Trabalho e Emprego Carlos Daudt Brizola FUNDACENTRO Presidente Eduardo de Azeredo Costa Diretor Executivo

Leia mais

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015 EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES PCMSO (NR-7) estabelece que o programa deverá ser desenvolvido sob a responsabilidade de um médico coordenador (OBRIGATORIAMENTE MT, podendo este repassar responsabilidades

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

4. Descrição do Âmbito de Acreditação - Laboratórios de Ensaio (ISO/IEC 17025)

4. Descrição do Âmbito de Acreditação - Laboratórios de Ensaio (ISO/IEC 17025) Pág. de 7 OEC3 24-5-8. Objetivo O presente documento tem como objetivo definir os requisitos específicos para a acreditação de laboratórios de ensaios de acústica e vibrações, em complemento do estabelecido

Leia mais

Conheça nossos Serviços

Conheça nossos Serviços BEM VINDO! Oferecemos completa Assessoria e Consultoria nos aspectos legais, técnicos e normativos relacionados à quaisquer serviços de SEGURANÇA, SAÚDE E MEDICINA DO TRABALHO. Conheça nossos Serviços

Leia mais

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO AvALIAçãO DA ExPOsIçãO OCUPACIONAL A vibrações DE CORPO INTEIRO NHO 09 Norma de Higiene Ocupacional Procedimento Técnico Presidenta da República Dilma

Leia mais

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO AvALIAçãO DA ExPOsIçãO OCUPACIONAL A vibrações EM MãOs E braços NHO 10 Norma de Higiene Ocupacional Procedimento Técnico Presidenta da República Dilma

Leia mais

Trabalho apresentado no SEMINÁRIO DE PERÍCIAS TRABALHISTAS Florianópolis, 7 a 9 de setembro de 2.006. ACEST/ANEST MARCELO FONTANELLA WEBSTER/UFSC

Trabalho apresentado no SEMINÁRIO DE PERÍCIAS TRABALHISTAS Florianópolis, 7 a 9 de setembro de 2.006. ACEST/ANEST MARCELO FONTANELLA WEBSTER/UFSC Trabalho apresentado no SEMINÁRIO DE PERÍCIAS TRABALHISTAS Florianópolis, 7 a 9 de setembro de 2.006. ACEST/ANEST DEFINIÇÕES: SOM - Fenômeno acústico que consiste na propagação de ondas sonoras produzidas

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de som e vibração Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Fundamentos

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Estudo de Agentes Ambientais

RELATÓRIO TÉCNICO Estudo de Agentes Ambientais Anexo 1 do PGS-3209-46-23 Pág.: 1 de 30 VALE FERTILIZANTES RELATÓRIO TÉCNICO Estudo de Agentes Ambientais FOTO DA LOCALIDADE [Unidade/Complexo] [Código do relatório] [Mês/Ano de Elaboração] Nº: PGS-3209-46-23

Leia mais

CONVÊNIO PARA ELABORAÇÃO DO PROGRAMA LTCAT e PPP

CONVÊNIO PARA ELABORAÇÃO DO PROGRAMA LTCAT e PPP Nº XX-XX/201X (código: XXXX) CONVÊNIO PARA ELABORAÇÃO DO PROGRAMA LTCAT e PPP Pelo presente instrumento particular, o SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DO RIO DE JANEIRO - SECONCI-RIO, estabelecido

Leia mais

O Ruído e sua Medição

O Ruído e sua Medição 61 Capítulo 8 O Ruído e sua Medição 1. - Introdução Como já vimos no capítulo 2, podemos definir Ruído, de maneira subjetiva, como toda sensação auditiva desagradável, ou fisicamente, como todo fenômeno

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais ECOMAX SERVICOS AMBIENTAIS LTDA.

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais ECOMAX SERVICOS AMBIENTAIS LTDA. PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais ECOMAX SERVICOS AMBIENTAIS LTDA. 15/10/2012 Vigência do PPRA Identificação Empresa ECOMAX SERVICOS AMBIENTAIS LTDA. Endereço Rua dos Ciclames, 802 Cep Cidade

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Josevan Ursine Fudoli ENGº CIVIL E DE SEGURANÇA DO TRABALHO HIGIENE OCUPACIONAL RUÍDO Aula

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA ARMANDO CAMPOS

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA ARMANDO CAMPOS PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA LEGISLAÇÃO E NORMAS: RUÍDO CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO - CAPÍTULO V NORMA REGULAMENTADORA 15 - NR 15, ANEXOS 1 E 2 (LIMITES DE TOLERÂNCIA) DECRETO 3048/1999 - INSS

Leia mais

Exposição a vibrações. Exposição a vibrações mecânicas. Isabel Lopes Nunes. Vibração de Corpo Inteiro Efeitos na saúde. Exposição a vibrações

Exposição a vibrações. Exposição a vibrações mecânicas. Isabel Lopes Nunes. Vibração de Corpo Inteiro Efeitos na saúde. Exposição a vibrações Exposição a vibrações Exposição a vibrações mecânicas Afecta conforto, eficiência, segurança, saúde e bem estar das pessoas expostas Isabel Lopes Nunes imn@fct.unl.pt Provoca lesões irreversíveis e incapacidades

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

DC112d/DC112. Dosímetro / Dosímetro analisador

DC112d/DC112. Dosímetro / Dosímetro analisador Dosímetro / Dosímetro analisador D_DC112dDC112_v0027_20120703_PRT Aplicações Avaliação da exposição dos trabalhadores ao ruído no trabalho, simultaneamente à verificação dos EPI (Equipamentos de Protecção

Leia mais

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS SETEMBRO / 2005 SANTA MARIA - RS Avenida. Medianeira 1900, Centro Santa Maria/ RS, CEP 97060-002- Fone (55) 3027 8911 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

VIBRAÇÕES OCUPACIONAIS Antonio Carlos Vendrame UM POUCO DE HISTÓRIA...

VIBRAÇÕES OCUPACIONAIS Antonio Carlos Vendrame UM POUCO DE HISTÓRIA... VIBRAÇÕES OCUPACIONAIS Antonio Carlos Vendrame UM POUCO DE HISTÓRIA... Maurice Raynaud, médico francês, foi o primeiro a descrever em 1862, os distúrbios vasculares observados em indivíduos expostos a

Leia mais

ROGÉRIO DIAS REGAZZI CALIBRAÇÃO ABSOLUTA DE TRASNDUTORES DE VIBRAÇÃO EM ALTA FREQUÊNCIA: DESENVOLVIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO.

ROGÉRIO DIAS REGAZZI CALIBRAÇÃO ABSOLUTA DE TRASNDUTORES DE VIBRAÇÃO EM ALTA FREQUÊNCIA: DESENVOLVIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO. ROGÉRIO DIAS REGAZZI CALIBRAÇÃO ABSOLUTA DE TRASNDUTORES DE VIBRAÇÃO EM ALTA FREQUÊNCIA: DESENVOLVIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO. DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEFENDIDA EM 1999 POR REGAZZI Orientador: Arthur Martins

Leia mais

www.isegnet.com.br.com.br

www.isegnet.com.br.com.br Rogério Dias Regazzi Diteror Isegnet.com.br Publicado na revista INMETRO PERIODICIDADE DE CALIBRAÇÃO UMA NECESSIDADE APRESENTAÇÃO A periodicidade de calibração e equipamentos e medidores para a área de

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ACÚSTICA RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 82636 Amostra nº: 092013 Data de entrada: 25 / 09 / 2013

ÁREA DE ENSAIOS ACÚSTICA RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 82636 Amostra nº: 092013 Data de entrada: 25 / 09 / 2013 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC 1/8 ENDEREÇO: Av. Roraima, 1000 Prédio 10, Campus Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105-900 TELEFONE: (55) 3220.8608 (Fax) Direção 3220.8313 Secretaria 3220.8461

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

LIMIT Consultoria e Assessoria ltda

LIMIT Consultoria e Assessoria ltda APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Nossa empresa nasceu depois de anos de pesquisa, a partir de uma amizade renomada de dois profissionais no mercado de trabalho, com experiências em diversas *empresas exigentes

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

ANÁLISE DA VIBRAÇÃO OCUPACIONAL POR IMPLEMENTOS DE ROÇADEIRAS EM DIFERENTES TIPOS DE VEGETAÇÃO RASTEIRA

ANÁLISE DA VIBRAÇÃO OCUPACIONAL POR IMPLEMENTOS DE ROÇADEIRAS EM DIFERENTES TIPOS DE VEGETAÇÃO RASTEIRA ANÁLISE DA VIBRAÇÃO OCUPACIONAL POR IMPLEMENTOS DE ROÇADEIRAS EM DIFERENTES TIPOS DE VEGETAÇÃO RASTEIRA MARCO TULIO DOMINGUES COSTA (DOCTUM) coord.producao.jm@doctum.edu.br Eder Junio Martins (DOCTUM)

Leia mais

Programas de proteção de saúde e segurança de exposição às vibrações

Programas de proteção de saúde e segurança de exposição às vibrações Programas de proteção de saúde e segurança de exposição às vibrações Gilmar Machado Ximenes, (INMETRO, LATEC/UFF), gmximenes@inmetro.com.br Fernando B. Mainier, (LATEC/UFF), mainier@nitnet.com.br Resumo

Leia mais

CURRÍCULOS DOS CONSULTORES QUE EXECUTARÃO O SERVIÇO - ESPECIALISTAS EM ANÁLISE DE VIBRAÇÕES E RUÍDO PARA FINS AMBIENTAIS.

CURRÍCULOS DOS CONSULTORES QUE EXECUTARÃO O SERVIÇO - ESPECIALISTAS EM ANÁLISE DE VIBRAÇÕES E RUÍDO PARA FINS AMBIENTAIS. CONSULTORIA Consultoria com mais de 20 anos de experiência em análises detalhadas de vibrações em equipamentos rotativos mecânicos, alternativos, elétricos, ensaios de ressonância, teste de impacto (BumpTest),

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICADOS OIML PARA INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO

SISTEMA DE CERTIFICADOS OIML PARA INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO SISTEMA DE CERTIFICADOS OIML PARA INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO José Blois Filho Maurício Martinelli Réche 2. CATEGORIAS DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO PERTECENTES AO SISTEMA 3. OBJETIVO DO

Leia mais

FALCON: Smart Portable Solution. A manutenção condicional nunca foi tão fácil. Brand of ACOEM

FALCON: Smart Portable Solution. A manutenção condicional nunca foi tão fácil. Brand of ACOEM FALCON: Smart Portable Solution A manutenção condicional nunca foi tão fácil Brand of ACOEM Com o FALCON, a ONEPROD propõe uma ferramenta de coleta, análise e balanceamento de desempenho excepcional e

Leia mais

OTOLÓGICA LTDA E A EMPRESA FILÓ

OTOLÓGICA LTDA E A EMPRESA FILÓ Cliente: Projeto: N : REL_NPS_ENSAIO_CABINE AUDIOMETRICA_10 Data: 05/01/2010 1 de 13 OTOLÓGICA LTDA E A EMPRESA FILÓ Medição de Cabine Audiométrica in situ segundo a ISO 8253-1. Edição: 1 Relatório Técnico

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Inovação, Controle, Padronização e Operação Assistida em QSSMA-RS com o sistema 3RFollowGoGreener:

Inovação, Controle, Padronização e Operação Assistida em QSSMA-RS com o sistema 3RFollowGoGreener: Inovação, Controle, Padronização e Operação Assistida em QSSMA-RS com o sistema 3RFollowGoGreener: Atendimento as Exigências do Legislador e aos programas de capacitação de fornecedores de empresas âncoras

Leia mais

Submódulo 12.5. Certificação de padrões de trabalho

Submódulo 12.5. Certificação de padrões de trabalho Submódulo 12.5 Certificação de padrões de trabalho Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador nacional do Sistema Elétrico Atendimento à Resolução Normativa ANEEL

Leia mais

SSO Assessoria - www.sso.com.br. Excelência em Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional

SSO Assessoria - www.sso.com.br. Excelência em Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional Excelência em Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional Quem somos? Qualilog SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL GESTÃO EMPRESARIAL RECURSOS HUMANOS A SSO oferece ao mercado brasileiro as ferramentas e técnicas

Leia mais

SERVIÇOS MANDATÓRIOS ESPECIAIS DA 3R BRASIL TECNOLOGIA AMBIENTAL

SERVIÇOS MANDATÓRIOS ESPECIAIS DA 3R BRASIL TECNOLOGIA AMBIENTAL LOCAL: 3R Brasil Tecnologia Ambiental / Rio de Janeiro PAG 1 DE 31 ÍNDICE DE REVISÕES REVISÃO PÁGINAS 0 Original A Item 8 Nota: Este material é de propriedade da 3R Brasil Tecnologia Ambiental. E só pode

Leia mais

FAG Detector III A solução para monitoramento e balanceamento. Informação técnica

FAG Detector III A solução para monitoramento e balanceamento. Informação técnica FAG III A solução para monitoramento e balanceamento Informação técnica Princípio Operação Alta funcionalidade Fácil operação O III da FAG é um medidor portátil de vibração, temperatura coletor de dados

Leia mais

Cliente: Folha: Projeto: Assunto:

Cliente: Folha: Projeto: Assunto: Cliente: Projeto: N : Data: 11/01/11 1 de 23 Avaliação Ambiental do Ruído Perimetral Edição: 1 Revisão: 1 Capítulo: I Avaliador: Rogério Dias Regazzi Local: Duque de Caxias-RJ 1. APRESENTAÇÃO Este relatório

Leia mais

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia 6 Calibração de Sistemas de Medição Fundamentos de Metrologia Motivação definição do mensurando procedimento de medição resultado da medição condições ambientais operador sistema de medição Posso confiar

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local. Vibrações. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local. Vibrações. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS Vibrações Formadora - Magda Sousa Enquadramento Legal Decreto - Lei n.º 46/2006 transpõe para a ordem jurídica nacional a Directiva

Leia mais

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma fixa as condições exigíveis para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades. Ela especifica um

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 8 da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

Marcos Damas. www.bethaconsultoria.com.br. Prezados (as) Senhores (as),

Marcos Damas. www.bethaconsultoria.com.br. Prezados (as) Senhores (as), Prezados (as) Senhores (as), A BETHA CONSULTORIA EM SEGURANÇA DO TRABALHO é uma empresa especializada em assessoria e prestação de serviços na área de segurança e medicina do trabalho para os mais diversos

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL EM AUDIOMETRIA INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION (ISO) 8253-1 Versão 2010 Neste material você encontrará informações sobre a ISO 8253 Parte 1 versão 2010 e sua relação

Leia mais

Qualificação Profissional (Capacitação)

Qualificação Profissional (Capacitação) Qualificação Profissional (Capacitação) M.SC Rogério Dias Regazzi Mestre em Metrologia e Qualidade Industrial PUC-Rio Engenheiro de Segurança do Trabalho e Ambiental Engo Mecânico e de Instrumentação e

Leia mais

ASL-1125 DECIBELÍMETRO ANALÓGICO MANUAL DE INSTRUÇÕES

ASL-1125 DECIBELÍMETRO ANALÓGICO MANUAL DE INSTRUÇÕES ASL-1125 DECIBELÍMETRO ANALÓGICO MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia atentamente as informações deste Manual de Instruções antes de utilizar o instrumento. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 02 2. ESPECIFICAÇÕES... 03 2.1

Leia mais

FUSION Smart Sound & Vibration Analyzer. Simplesmente único. Brand of ACOEM

FUSION Smart Sound & Vibration Analyzer. Simplesmente único. Brand of ACOEM FUSION Smart Sound & Vibration Analyzer Simplesmente único Brand of ACOEM Com o FUSION, a 01dB lança seu novo sonômetro concebido para atender às suas necessidades em todas as circunstâncias. De utilização

Leia mais

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Proposta de Nota Técnica Cgcre Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Ana Cristina D. M. Follador Coordenação Geral de Acreditação

Leia mais

Engenheiro de Segurança do Trabalho

Engenheiro de Segurança do Trabalho SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação 02

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0305, de 13 de outubro de 2011.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0305, de 13 de outubro de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro/Dimel n.º 0305, de 13 de outubro

Leia mais

www.isegnet.com.br POLICLINICA PADRÃO 1. OBJETIVO 2. LOCALIZAÇÃO 3. TERMINOLOGIAS E DEFINIÇÕES MEDIÇÃO ACÚSTICA 1 de 19

www.isegnet.com.br POLICLINICA PADRÃO 1. OBJETIVO 2. LOCALIZAÇÃO 3. TERMINOLOGIAS E DEFINIÇÕES MEDIÇÃO ACÚSTICA 1 de 19 Cliente: Projeto: N : REL_NPS_ENSAIO_CABINE_PADRAO_13 Data: 10/12/2013 POLICLINICA PADRÃO 1 de 19 Medição de Cabine Audiométrica in situ segundo a ISO 8253-1. Edição: 1 Relatório Técnico de Medição de

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO 046/15-A

RELATÓRIO TÉCNICO 046/15-A SPE FASHION CITY RUÍDO AMBIENTAL R.T 046/15-A PÁG. 1/21 RELATÓRIO TÉCNICO 046/15-A RUÍDO AMBIENTAL NATUREZA DO TRABALHO: AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA CLIENTE: SPE FASHION CITY BRASIL S/A RODOVIA:

Leia mais

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO Francisco Dornelles FUNDACENTRO PRESIDÊNCIA Humberto Carlos Parro DIRETORIA

Leia mais

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho 1. Com base na CLT e com a Norma Regulamentadora 07 (PCMSO), julgue os itens a seguir. I. Quando na fase de reconhecimento dos riscos ambientais não for detectado risco específico, o controle médico poderá

Leia mais

16/ 02 /2008 15/ 02 /2009

16/ 02 /2008 15/ 02 /2009 VIGÊNCIA: 1 ANO EMPRESA: Virtual Machine Data da Elaboração Data de Vencimento 16/ 02 /2008 15/ 02 /2009 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Virtual Machine ME CNPJ: 08.693.563/0001.14 CNAE: 4751200

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA PCA PASSOS: 1-LEVANTAMENTO/MONITORAMENTO AMBIENTAL 2-MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA 3-MEDIDAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 1 Programa de Recuperação de Espaços Didáticos Pró-Reitoria de Graduação MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 2 1. INTRODUÇÃO Adotou-se um processo de trabalho convencional, de desenvolvimento

Leia mais