TEIA NACIONAL DA DIVERSIDADE NATAL - RN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEIA NACIONAL DA DIVERSIDADE NATAL - RN"

Transcrição

1 TEIA NACIONAL DA DIVERSIDADE NATAL - RN 2014

2 INTRODUÇÃO A Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural SCDC foi instituída em 31 de maio de 2012, pelo Decreto nº Sua estrutura uniu as atividades de duas secretarias anteriores (SCC e SID), consolidando as atribuições da secretaria por intermédio dos programas Cultura Viva e Brasil Plural. Essa conformação teve o objetivo de fortalecer o protagonismo cultural da sociedade brasileira, valorizando as iniciativas culturais de grupos e comunidades excluídos e ampliando o acesso aos bens culturais. O Programa Cultura Viva tem fundamental contribuição para a promoção, ampliação e garantia do acesso das comunidades mais excluídas do usufruto de bens culturais aos meios de fruição, produção e difusão desses bens com vistas à ação cultural em diferentes meios e linguagens artísticas e lúdicas. Essa contribuição se concretiza principalmente no apoio aos Pontos de Cultura, que notoriamente representam a diversidade cultural brasileira. A nova estrutura teve como premissa a diversidade cultural como matriz na promoção da cidadania brasileira. Desde então, a SCDC tem atuado no fomento das expressões da diversidade cultural, em que o conceito de diversidade representa aspectos fundamentais das relações humanas, estimulando as ações com foco na cultura da paz e a aceitação da diferença. Considerando essa nova atuação, que pressupõe maior integração dos conceitos de cidadania e diversidade, a Teia da Diversidade Encontro Nacional dos Pontos de Cultura e da Diversidade Cultural Brasileira torna-se um espaço necessário à integração e um palco para a manifestação da diversidade brasileira possibilitando o encontro dos pontos de cultura e suas redes, apoiados pelo programa Cultura Viva, e os diversos atores da cena cultural brasileira, contemplados pelas ações do Programa Brasil Plural.

3 conceitos fundamentais CULTURA VIVA O Ministério da Cultura criou, em 2004, por meio da Secretaria de Programas e Projetos Culturais SPPC, o Programa Cultura Viva, concebido a partir do reconhecimento das desigualdades de investimento para a cultura, da constatação do grande desequilíbrio regional de incentivo às produções artísticas, basicamente concentrados no eixo Sul-Sudeste do país, e da consciência de que historicamente a cultura criada e vivenciada pelas classes populares foi sistematicamente negligenciada pelas políticas culturais públicas na sociedade brasileira. Sob essa ótica o Programa inaugurou uma práxis inédita: O Estado não leva cultura ao povo, mas formula e executa políticas para a criação de um ambiente propício e motivador para o livre desenvolvimento das tecnologias socioculturais existentes na sociedade brasileira, os Pontos de Cultura. Por meio de editais, iniciativas culturais de todos os estados do Brasil firmam convênio com o Ministério da Cultura, num primeiro momento até A partir de 2008, como maneira de expandir o número de Pontos de Cultura no país, os convênios federais foram descentralizados para Governos Estaduais e Municipais. O repasse direto de recursos financeiros para os grupos culturais estreita as relações entre Estado e sociedade civil e impulsiona o avanço da autonomia das classes populares na produção de seus bens e processos culturais, garantindo os meios para preservação da diversidade cultural e para o surgimento de novas formas de sustentabilidade.

4 Brasil plural O Programa Brasil Plural esteve sob a responsabilidade da Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural entre os anos de 2004 a Seu principal objetivo era a promoção e expansão da cidadania e o fortalecimento da democracia por meio da valorização das expressões culturais nacionais e regionais, garantindo que grupos, redes e produtores culturais responsáveis pelas manifestações características da diversidade tivessem acesso aos mecanismos de apoio, promoção e intercâmbio cultural, considerando características identitárias, gênero, orientação sexual, grupos etários, étnicos e da cultura popular.

5 ENCONTROS DA DIVERSIDADE CULTURAL BRASILEIRA O conceito de diversidade tem sido bastante festejado atualmente e se traduz, na prática, pela disponibilidade cada vez maior de ferramentas de comunicação que permitem o intercâmbio de culturas antes separadas por distâncias geográficas e pelas dificuldades de acesso aos muitos patrimônios culturais existentes. No entanto, a convivência harmônica entre as diferenças ainda se apresenta com um dos maiores desafios contemporâneos, tanto do ponto de vista político, quanto social e cultural. A simples exposição da diversidade não gera, automaticamente, o respeito pelo outro, podendo até mesmo acirrar os conflitos pré-existentes e criar outros, novos e mais complexos. A visibilidade da diversidade cultural só será uma ferramenta importante para a construção de uma sociedade mais solidária e harmônica, se for associada à educação, à solidariedade, ao diálogo, ao entendimento e ao respeito à diferença. Nesse sentido, os Encontros realizados pelo Ministério da Cultura representam instrumentos fundamentais para o amadurecimento do diálogo, o reconhecimento e a aceitação das diferenças. encontro da diversidade O Encontro teve como principal objetivo reunir todos os seguimentos culturais contemplados com as políticas da SID/MinC, durante os anos do Governo Lula, numa celebração aberta ao público, tendo como principal característica a diversidade e a tolerância cultural. O evento, realizado no Rio de Janeiro, no período de 04 a 07 de setembro de 2010, proporcionou o encontro, a troca de práticas, o diálogo e a difusão cultural dos segmentos

6 socioculturais da nossa diversidade: os grupos e mestres das culturas populares, indígenas, ciganos, representantes do movimento LGBT, idosos, pessoas com deficiência, representantes das comunidades tradicionais de terreiro, imigrantes, produtores da cultura da infância, jovens do movimento hip hop, pessoas com transtorno mental, mulheres e trabalhadores formais e informais do campo e da cidade. Circuito cultura viva O Circuito é uma estratégia de valorização, acesso ao conhecimento e vivência das expressões e manifestações populares, artísticas, tradicionais, religiosas, históricas, das raízes às inovações e à criatividade do povo brasileiro. Uma mostra física e virtual, com um Circuito Local, construída de forma gradual, unindo parceiros federais, estaduais e municipais, por meio da Rede Cultura Viva e de toda a sociedade que tem interesse em fortalecer nossa identidade e sentido de pertencimento, de preservação de nossos biomas e de reconhecimento do nosso DNA cultural.

7 TEIA ENCONTRO NACIONAL DOS PONTOS DE CULTURA Em 2006, dois anos após a implantação do Programa Cultura Viva, como meio de fortalecer a recém-formada Rede de Pontos de Cultura, o Ministério da Cultura constatou a necessidade de incluir como parte do programa a realização de um encontro presencial anual, que reunisse as lideranças e as produções dos Pontos de Cultura em nível nacional. Era preciso mostrar este Brasil que se tornara sujeito de um programa inédito na gestão pública no âmbito da cultura, em nosso país e no mundo. A programação da Teia é pensada como espaço para reflexão, formação e difusão. O objetivo é planejar atividades que promovam a reflexão sobre temas prioritários para a melhoria na condução do Programa Cultura Viva e para o aprimoramento de suas ações (Fórum Nacional dos Pontos de Cultura, palestras, debates e seminários), contribuindo para a formação de seus agentes em encontros e oficinas e divulgando seus resultados para a sociedade (mostra artística e feira de economia solidária). histórico das teias Desde o ano de 2006, foram realizadas 04 edições do Encontro Nacional dos Pontos de Cultura TEIA: São Paulo, Teia Venha ver e ser visto expressou a motivação fundadora da Teia - a vontade de reunir os atores envolvidos no Programa Cultura Viva para que eles pudessem se conhecer e ser reconhecidos. Ainda mais, explicitar o novo direcionamento que o Estado dava, naquele momento, para a gestão pública da cultura no país, incentivando as

8 produções artísticas e as tecnologias socioculturais populares, tornando-as visíveis em um espaço físico idealizado para a divulgação e o reconhecimento da arte produzida pelas elites culturais do nosso país Belo Horizonte, Teia - Tudo de Todos propôs uma visão ampliada sobre o conceito de cultura. A cultura está em tudo, é transversal e relaciona-se com as várias esferas da sociedade: a economia, a educação, a política. Indica a complexidade e a diversidade das tecnologias sociais que são compreendidas como Pontos de Cultura Brasília, Teia - Direitos Humanos: Iguais na Diferença frisou a importância da igualdade aos direitos culturais e o respeito às diferenças culturais existentes em nossa sociedade. Toda a programação foi estruturada para dar ênfase à discussão da relação entre a conquista da igualdade de direitos e a preservação da diversidade cultural. 2010, Fortaleza, Teia - Tambores Digitais pretendeu explicitar o caráter transformador, que a democratização do uso dos meios digitais de comunicação exerce em nossa sociedade, contribuindo para o fortalecimento da cultura e a conquista da cidadania, unindo o conhecimento de nossas culturas tradicionais representado pelos tambores com as novas ferramentas da cultura digital.

9 Cada cultura desenvolve-se graças a seus intercâmbios com outras culturas. É a diferença entre as culturas que torna seu encontro fecundo. (LÉVI-STRAUSS/ERIBON, DE PERTO E DE LONGE, RIO DE JANEIRO: NOVA FRONTEIRA1998, p. 192) projeto teia 5ª. EDIÇÃO TEIA NACIONAL DA DIVERSIDADE 2014

10 A Teia Nacional da Diversidade 2014 visa fortalecer o exercício dos direitos culturais, a atuação em rede, o diálogo e a parceria entre a sociedade civil, gestores, Instituições de Ensino, instâncias de participação social e sociedade em geral no campo cultural para a qualificação e o fortalecimento de políticas e ações de valorização e promoção da cultura brasileira em todos os seus aspectos e segmentos culturais. A Teia 2014 inaugurará, portanto, um espaço para encontro, reconhecimento, convivência, reflexão, formação e divulgação de temas prioritários dos grupos, coletivos, comunidades e Pontos de Cultura, enquanto representantes dos segmentos socioculturais da nossa diversidade. As atividades da Teia 2014 incluem ainda as pré-teias, encontros regionais e/ou estaduais para preparação e envolvimento da sociedade civil participante. A Teia está em sintonia com as estratégias e diretrizes gerais do Plano Nacional de Cultura no que diz respeito ao fortalecimento de ações que visem o planejamento e a execução das políticas culturais; ao incentivo, proteção e valorização da diversidade artística e cultural do Brasil; a ampliação do acesso dos brasileiros à formação, fruição e produção cultural; a inserção da cultura no desenvolvimento socioeconômico sustentável e na consolidação dos sistemas de participação social na gestão das políticas públicas. Objetivos gerais A TEIA da Diversidade pretende ampliar sua comunicação com os diversos fazedores da cultura Brasileira, incorporando ao Programa Cultura Viva também o Brasil Plural, construindo assim uma sinergia maior entre todos os segmentos com os quais o Ministério tem dialogado ao longo do últimos anos. A TEIA da Diversidade parte dos objetivos da Convenção Sobre a Proteção da Diversidade das Expressões Culturais e segue com eles como balizadores de uma política de integração e cooperação que pretende construir novos

11 caminhos de diálogo. São eles: 1. Firmar o Programa Cultura Viva como programa de base comunitária para o Sistema Nacional de Cultura. 2. Ser um espaço para encontro, reconhecimento, convivência, reflexão, capacitação e divulgação de temas prioritários dos grupos, coletivos, comunidades e pontos de culturas enquanto representantes dos segmentos sócio-culturais da diversidade cultural brasileira.

12 Objetivos específicos Promover os objetivos da Convenção Sobre a Proteção da Diversidade das Expressões Culturais; Promover o intercâmbio e a articulação entre os Pontos de Cultura em âmbito nacional; Promover a democratização do acesso aos bens culturais; Promover oficinas; Realizar o Fórum Nacional dos Pontos de Cultura e eleger a Comissão Nacional dos Pontos de Cultura; Realizar a Feira de Economia Solidária; Reunir as ações estruturantes do Programa Cultura Viva (Pontos e Pontões) e as ações transversais ao Programa Cultura Viva (Pontos de Memória, Pontos de Leitura etc.), bem como os diversos segmentos das políticas setoriais, como as comunidades Afro Brasileiras, Ciganas, Indígenas, Populares, Povos e Comunidades Tradicionais, LGBT, Mulheres, Pessoas com deficiência, Pessoas em sofrimento psíquico, População de Rua, Povos e Comunidades Tradicionais, Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana e/ou de Terreiros, Quilombolas, entre outros; Realizar Seminários com temas afetos às políticas públicas de cultura voltadas para a cidadania e diversidade cultural.

13 DADOS GERAIS Período de realização Total: De 06 a 11 de maio de 2014 Realização do evento: De 06 a 10 de maio de 2014 duração: 05 dias 06/05: Chegada dos participantes do FNPC e abertura do FNPC 07/05: FNPC 08/05: Chegada dos representantes do Brasil Plural, Mostra Artística e convidados, Plenária final do FNPC (manhã), Abertura da Mostra Artística da Teia (tarde e noite) 09/05: Teia Mostra artística, Feira de Economia Solidária, oficinas e seminários 10/05: Teia Seminários, Feira de Economia Solidária, Cortejo da Diversidade e encerramento da Mostra Artística; 11/05 Regresso dos participantes do evento Local de realização: Natal RN Espaços de realização: Praça Cívica e auditórios (auditório da Faculdade de Música, da Faculdade de Artes, da Reitoria e outros disponíveis) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Escola de Governo, Teatro Alberto Maranhão, Pinacoteca do Estado e diversos outros locais da cidade. Realizadores: Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural /Ministério da Cultura, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Instituto Federal do Rio Grande do Norte, FUNCERN, Comissão Nacional dos Pontos de Cultura, Fundação Capitania das Artes e Fundação José Augusto.

14 Público Direto 1000 participantes no Fórum Nacional dos Pontos de Cultura, levando em conta a representação territorial, temática e política; 400 representantes dos segmentos do Brasil Plural Segmentos da Diversidade (Ciganos; LGBT; Cultura Popular; Mestres e Griôs; Povos de Terreiro; Hip Hop; Mulheres; Juventude; Cultura da Infância; Indígenas; Idosos; Pessoas com Deficiência; Pessoas com transtornos Psíquicos e Pró Capoeira); 500 paticipantes da mostra artística, levando em conta a diversidade territorial, identitária temática; 100 Convidados; 200 Gestores Federais, Estaduais e Municipais; Total público direto: participantes Estimativa de público externo pessoas Custo estimado do evento* R$ ,00 (Custo dividido em dois processos de descentralização do MinC para a UFRN e o IFRN) * O valor não inclui as despesas de deslocamento dos participantes do FNPC, que estão a cargo dos Estados e Municípios.

15 Detalhamento dos itens previstos nas descentralizações de recursos financeiros instituto federal do RN Valor total R$ ,00 CACHÊS APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS 01 COORDENADOR DE PRODUÇÃO NACIONAL 01 COORDENADOR INSTITUCIONAL 01 PRODUTOR LOCAL 01 ASSISTENTE DE PRODUÇÃO LOCAL 01 COORDENADOR TÉCNICO DO FORUM 01 COORDENADOR TÉCNICO DOS SEMINÁRIOS 01 COORDENADOR DA MOSTRA ARTÍSTICA 01 COORDENADOR DE LOGÍSTICA (PASSAGENS) 01 COORDENADOR DE LOGÍSTICA (HOSPEDAGEM) 01 COORDENADOR DE LOGÍSTICA (TRANSPORTE) 01 COORDENADOR DE ALIMENTAÇÃO 01 COORDENADOR DE LOGÍSTICA (ESTRUTURAS -PALCOS 01 COORDENADOR DE LOGÍSTICA (ESTRUTURAS - FEIRA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 01 COORDENADOR DE LOGÍSTICA (ESTRUTURAS - RESTAURANTE 01 COORDENADOR SECRETARIA-CREDENCIAMENTO 01 ASSISTENTE DE PRODUÇÃO MOSTRA ARTÍSTICA 01 COORDENADOR FEIRA ECONOMIA SOLIDÁRIA 01 COORDENADOR DE COMUNICAÇÃO 01 RELATORIA DO FORUM/SEMINÁRIOS - 30 BOLSISTAS 50 AUXILIARES DE PRODUÇÃO E RECEPTIVO NO EVENTO (alunos bolsistas) ASSESSORIA DE IMPRENSA 02 DIRETORES DE PALCO 10 ROADIES ALIMENTAÇÃO TEIA NACIONAL MATERIAIS DE COMUNICAÇÃO DO EVENTO (SITE, FOLDERS, CARTAZ, ETC)

16 universidade federal do rn Valor total R$ ,00 HOSPEDAGEM PARTICIPANTES FORUM NACIONAL PONTOS DE CULTURA participantes (5 DIÁRIAS) HOSPEDAGEM MOSTRA ARTÍSTICA+BRASIL PLURAL + CONVIDADOS participantes (03 DIÁRIAS) TRANSPORTE-TRANSLADO (ONIBUS, VANS, UTILITÁRIOS, CARRO EXECUTIVO) ESTRUTURAS LOCAÇÃO DE BANHEIROS QUÍMICOS LOCAÇÃO DE 02 PALCOS DE GRANDE PORTE E DEMAIS ESTRUTURAS ANEXAS Locação e montagem de STANDS para a feira de economia solidária Locação de camarins uso em 02 palcos de grande porte LOCAÇÃO DE ALAMBRADO LOCAÇÃO DE ESTRUTURAS RESTAURANTE (CLIMATIZADO, MESAS, CADEIRAS, BALCOES PARA SERVIR POSTO MÉDICO - ESTRUTURA LOCAÇÃO DE MOBILIÁRIO (cadeiras, mesas, sofás, entre outros) ESTRUTURAS E SERVIÇÕ DE MONTAGEM MOSTRA ARTES VISUAIS AMBULÃNCIAS LOCAÇÃO DE GERADORES SONORIZAÇÃO E ILUMINAÇÃO PARA 02 PALCOS DE GRANDE PORTE E DEMAIS AMBIENTES EQUIPE DE APOIO - CREDENCIAMENTO, RECEPÇÃO, LOGÍSTICA, RELATORIA DOS SEMINÁRIOS E FÓRUM, E PRODUÇÃO 50 BOLSAS PARA ALUNOS DA UFRN (FORMAÇÃO DE EQUIPE DE APOIO DO EVENTO) LOCAÇÃO DE MICROCOMPUTARES, NOTEBOOKS, PROJETORES MULTIMÍDIA, TELÓES, IMPRESSORAS, TELAS DE PROJEÇÃO, TELEVISORES, APARELHOS DE DVD LOCAÇÃO DE RÁDIOS DE COMUNICAÇÃO REGISTRO AUDIOVISUAL LOCAÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS DIREITOS AUTORAIS APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS SERVIÇO DE WIRELESS (LOCAÇÃO E INSTALAÇÃO) SERVIÇO DE TRADUÇÃO SIMULTÂNEA (TRADUTORES E EQUIPAMENTOS SERVIÇO DE TRADUÇÃO EM LIBRAS ÁGUA PARA DISTRIBUIÇÃO DURANTE O EVENTO TELEFONIA MATERIAIS DE CONSUMO (papel, cartuchos para impressora, canetas, pastas, etc) SERVIÇO DE SEGURANÇA/BRIGADISTAS SERVIÇO DE LIMPEZA MATERIAIS DE COMUNICAÇÃO VERBA ADICIONAL (ANÚNCIOS, PÓRTICOS, BANNERS CIDADE, PAINÉIS LOCAIS DOS EVENTOS, SINALIZAÇÃO, KITS PARTICIPANTES, CAMISETAS, PAINÉIS MÍDIA AEROPORTO

17 PROGRAMAÇÃO E ESPAÇOS

18 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Seminários Diálogos da Diversidade Cultura e Diversidade, Cultura e Cidadania, Cultura e Educação, Cultura e Comunicação, Cultura e Desenvolvimento e Cultura e Estado Oficinas Prestação de Contas; Elaboração de Projetos; Cultura Digital; Oficinas Lúdicas; Museu, Memória e Cidadania na Diversidade; Inventário Participativo. Encontros Fórum Nacional dos Pontos de Cultura. Encontro de Gestores de Redes; Feira de Economia Solidária: feira de produtos, com ênfase na produção dos Pontos de Cultura; Cortejo de núcleos culturais participantes da TEIA. Circuito Cultura Viva (Mostra Artística) Constituição de comissão com representantes da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura (CNPdC) e dos gestores estaduais e municipais das redes de pontos de cultura e MinC;

19 Edital/chamamento público; Iniciativas ganhadoras de prêmios e editais da SCDC (interações estéticas, Cultura e Saúde, Prêmio Culturas Populares e Culturas Indígenas, etc.); Grupos populares/artistas/pontos de cultura da cidade sede/estado. Abranger todas as linguagens artísticas: teatro, música, dança, contação de histórias, audiovisual, artes visuais, etc Cortejo da diversidade composto por participantes do Circuito Cultura Viva iv fórum nacional dos pontos de cultura 06/05: Chegada dos participantes do FNPC e abertura do FNPC 07/05: FNPC 08/05: Plenária Final Local: Escola de Governo

20

21 ABERTURA DA TEIA DA DIVERSIDADE 08/05: Abertura da Mostra Artística da Teia (tarde e noite) Local: Teatro Alberto Maranhão e praça cortar Capacidade: 600 lugares Abertura oficial da Teia no Teatro e em seguida, abertura da mostra artística, em palco de grande porte montado na Praça em frente ao teatro.

22 Mostra artística NO Campus da ufrn 09/05: Mostra artística (noite) e intervenções durante o dia 10/05: Mostra artística e Cortejo da Diversidade e encerramento da Mostra Artística Local: Praça Cívica do Campus da Universidade Federal do Rio Grande do Norte

23 feira de economia solidária, seminários e oficinas 09/05 e 10/05 Feira de Economia Solidária, oficinas e seminários Local: Praça Cívica do Campus da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Tipo de estrutura a ser montada para a Feira de Economia Solidária

24 cronograma de realização MÊS Novembro-Dezembro 2013 Janeiro/2014 Fevereiro/2014 Março/2014 ETAPA: PRÉ-PRODUÇÃO Atividades: Contratação da Coordenação de Articulação Institucional e da Coordenação de Produção Nacional. Abertura do processo de Seleção da Mostra Artística; Desenvolvimento do site do evento. Bloqueio dos hotéis, Reserva dos espaços do evento. Produção da Teia Estadual - RN. Realização da Teia Estadual RN (dezembro) 02/12 entrega de proposta do edital mostra artística e feira para o GT (Cris e Fábio) 09/12 Entrega da proposta da logomarca (Mary Land e Teodora) e entrega do Edital para encaminhamento jurídico 13/12 Lançamento do edital para Mostra Artística e Feira de Economia Solidária 02/12 - Contratação de webdesigner 10/12 Site no ar com lançamento da chamada da diversidade 20/01 - Encerramento das inscrições da Mostra Artística. 21/01 e 22/01 Reunião de preparação para o GT TEIA: Definição dos temas dos seminários e convidados. 23/01 Reunião GT TEIA - AMPLIADO Fechamento da lista de participantes do evento. 01 a 07 - Realização da seleção da Mostra Artística. Fechamento de toda a programação, Contratação de Produção Local Resultado do processo da seleção da mostra artística. Emissão de passagens. Finalização das Teias. Contratação da Coordenação da Mostra Artística e Coordenação de Comunicação Seleção dos Bolsistas. Fechamento da programação e finalização dos materiais de divulgação.

25 Abril/2014 Maio/2014 Junho/2014 Estruturação e montagem das estruturas do evento. Contratação de serviços de produção do evento Realização do evento Realização do evento Reunião de avaliação do evento com o GT TEIA Realização de Relatório Final

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, de modo a facilitar sua compreensão

Leia mais

Programa. orientações. Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br. Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva

Programa. orientações. Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br. Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva Programa Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva orientações @DiversidadeMinC e @CulturaViva cidadaniaediversidade Secretaria da Cidadania e da Diversidade

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE RESOLUÇÃO 08/2015, DA COMISSÃO ORGANIZADORA NACIONAL A Comissão Organizadora da 3ª Conferência Nacional de Juventude, no uso de suas atribuições regimentais, em conformidade com o artigo 6º, objetivo específico

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA MINIFÓRUM CULTURA 10 Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA Orientação aprovada: Que a elaboração do Plano Municipal de Cultura considere

Leia mais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais Momento do Tipo de Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Desenvolvimento Social e Erradicação da Miséria Valor de Referência para Individualização de Projetos em Iniciativas Esferas Fiscal

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia PORTARIA Nº 14/2009 Aprova o Regulamento da I Conferência Municipal de Cultura de Eunápolis-BA e dá outras providências. A SECRETÁRIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO ANEXO 1

MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO ANEXO 1 MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO ANEXO 1 EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA Nº 03, DE 3 DE JULHO DE 2015. CULTURA DE REDES PREMIAÇÃO A REDES CULTURAIS

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Fomento a Projetos Culturais nas Áreas de Música e de Artes Cênicas

Fomento a Projetos Culturais nas Áreas de Música e de Artes Cênicas Programa 0166 Música e Artes Cênicas Objetivo Aumentar a produção e a difusão da música e das artes cênicas. Público Alvo Sociedade em geral Ações Orçamentárias Indicador(es) Número de Ações 7 Taxa de

Leia mais

EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult

EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult JUSTIFICATIVA O estatuto da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) no Capítulo 1, artigo 3º. define como finalidade

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PROPOSTAS PRIORITÁRIAS

PROPOSTAS PRIORITÁRIAS PROPOSTAS PRIORITÁRIAS EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL SUB EIXO: 1.1 - Produção de Arte e Bens Simbólicos 1 - Implementar políticas de intercâmbio em nível regional, nacional e internacional

Leia mais

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária Edital de Seleção de Pontos Fixos de Comercialização Solidária Candidatos para Participar da Rede Brasileira de Comercialização Solidária - Rede Comsol (Edital - Ubee/Ims N. 01/2014) 1. Apresentação A

Leia mais

EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL

EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL PROPOSTAS PRIORITÁRIAS EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL SUB EIXO 1.1 - Produção de Arte e Bens Simbólicos - Implementar políticas de intercâmbio em nível regional, nacional e internacional,

Leia mais

Mais Cultura nas Escolas

Mais Cultura nas Escolas Mais Cultura nas Escolas O que é o Programa Mais Cultura nas Escolas? Projeto Andarilha das Letras, Circulação Literária/ FUNARTE É o encontro de projetos pedagógicos de escolas da rede pública com experiências

Leia mais

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014 NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARCERIA MDA / CNPq Brasília, 13 de maio de 2014 A política de desenvolvimento territorial Desde 2004 a SDT implementa a estratégia de desenvolvimento

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008 Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Subsecretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

Leia mais

ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO

ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Políticas públicas: a cultura como fator de desenvolvimento econômico

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação

Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação CULTURA NOS CEUs Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação Resumo São Paulo, março de 2013. Por Ney Piacentini O projeto CULTURA NOS CEUs pretende levar às instalações culturais

Leia mais

Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação

Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação pública (Projeto) PPG-AU/UFBA Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo 1 Contexto e justificativa Odesenvolvimento

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA PROGRAMA Nº- 042 PALCO SOBRE RODAS Projeto inspirado no clássico modelo de teatro itinerante, através da montagem de um palco móvel que percorre os bairros da cidade, levando cultura. Levar o Palco sobre

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao Desenvolvimento Rural

Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao Desenvolvimento Rural Universidade Federal da Paraíba - UFPB / Centro de Ciências Agrárias - CCA / Campus II Areia, Paraíba - 27 a 30 de outubro de 2014. Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal Data: 10 e 11 de dezembro de 2010 Local: UFPR Praça Santos

Leia mais

Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos...

Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos... Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos... Gilberto Gil file:///c:/documents and Settings/normapaula/Meus documentos/norma

Leia mais

1. II Conferência Nacional de Cultura II CNC e Pré-conferências setoriais

1. II Conferência Nacional de Cultura II CNC e Pré-conferências setoriais 1. II Conferência Nacional de Cultura II CNC e Pré-conferências setoriais Nos dias 11 a 14 de março, o Ministério da Cultura e seus órgãos vinculados realizarão II Conferência Nacional de Cultura (II CNC).

Leia mais

Conferencia Nacional de Cultura. Conferência Municipal de Cultura. Objetivos

Conferencia Nacional de Cultura. Conferência Municipal de Cultura. Objetivos Conferencia Nacional de Cultura A Conferência Nacional de Cultura é o grande espaço disponibilizado pelo ministério da Cultura (MINC) para viabilizar o diálogo entre o governo e a sociedade civil, com

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA APRESENTAÇÃO DOS 04 (QUATRO) EIXOS A SEREM DISCUTIDOS NA CONFERÊNCIA EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Foco Nacional: Impactos da Emenda Constitucional

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS Palmas/TO, setembro 2013 Relatório de conclusão: Plano

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS Eunápolis, Julho/2013 1. CONTEXTUALIZAÇÃO Eunápolis possui a terceira maior população do Extremo Sul da Bahia estimada em 102 mil habitantes, sendo

Leia mais

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 1. Patrocínios 1.1 Patrocínio a Eventos e Publicações Data limite: 60 dias de antecedência da data de início do evento

Leia mais

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO Título do projeto: Pensar Global, Agir Global Oito objetivos de Desenvolvimento para o Milénio, Oito Caminhos para mudar o Mundo Localização detalhada da ação (país, província,

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2002 DETALHAMENTO DE ATIVIDADES Secretaria Executiva/SP Comitê Organizador

Leia mais

EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO

EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO O projeto deve ser elaborado no formulário em WORD, disponível para download

Leia mais

SELEÇÃO DE PROJETOS. Feiras de Economia Solidária no Brasil. Brasília/DF, Maio de 2009 SENAES/MTE - UBEE/IMS N. 01/2009

SELEÇÃO DE PROJETOS. Feiras de Economia Solidária no Brasil. Brasília/DF, Maio de 2009 SENAES/MTE - UBEE/IMS N. 01/2009 SELEÇÃO DE PROJETOS Feiras de Economia Solidária no Brasil Brasília/DF, Maio de 2009 SELEÇÃO DE PROJETOS FEIRAS INTERNACIONAIS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA - UBEE/IMS N. 01/2009 1. APRESENTAÇÃO A União Brasileira

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ 1 1. Participação regular dos cidadãos no processo de definição das políticas públicas e definição das diretrizes para o desenvolvimento. 2. Deslocamento das prioridades

Leia mais

V Plenária Nacional de Economia Solidária

V Plenária Nacional de Economia Solidária V Plenária Nacional de Economia Solidária Relatório para Plenárias Locais e Estadual de Economia Solidária Escreva abaixo de cada tópico. Nome da Atividade V Plenária de Economia Solidária do Estado da

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA

EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA 1. APRESENTAÇÃO Com base nos valores da economia solidária e da cultura livre, o Estúdio Gunga empresa de comunicação focada na criação de sites, editoração gráfica,

Leia mais

Política cultural: Brasil; SP; São Paulo

Política cultural: Brasil; SP; São Paulo Política cultural: Brasil; SP; São Paulo Antônio Eleilson Leite eleilsonleite@hotmail.com São Paulo, maio, 2014 Política cultural Nacional As três dimensões da cultura: simbólica, cidadã e econômica Fortalecimento

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

Geração de Oportunidades. para a Inclusão. O que é. Importância. Objetivo. Como funciona

Geração de Oportunidades. para a Inclusão. O que é. Importância. Objetivo. Como funciona 4 112 O que é A articulação para a inclusão busca organizar a intervenção direta dos governos e a apoiar projetos desenvolvidos por estados, Distrito Federal e municípios que gerem oportunidades de inclusão

Leia mais

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL UNASUL/CMRE/RESOLUÇÃO/Nº 28/2012 MEDIANTE A QUAL É RESOLVIDO APRESENTAR PARA A APROVAÇÃO DO CONSELHO DE CHEFAS E CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS A AGENDA DE AÇÕES PRIORITÁRIAS

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

SEC Que Cultura é essa? Balanço de Gestão 2007/2010

SEC Que Cultura é essa? Balanço de Gestão 2007/2010 SEC Que Cultura é essa? Balanço de Gestão 2007/2010 1 ATRAÇÃO DE RECURSOS ATRAÇÃO DE RECURSOS TRANSFORMAR DESPESA EM INVESTIMENTO A LEI DO ICMS ESTRUTURAÇÃO Superintendência específica Parceria SEFAZ

Leia mais

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação :: LINHAS DE AÇÃO Apoio aos Municípios Tecnologia e Informação em Resíduos Capacitação Promoção e Mobilização Social :: PRESSUPOSTOS DA COLETA SELETIVA Gestão participativa Projeto de Governo Projeto da

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Detalhamento dos itens do orçamento 1. Planejamento, coordenação e articulação do FSM 2003 - Organização

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CLIPPING FSM 2009 AMAZÔNIA Jornal: CARTA MAIOR Data: 29/01/09 http://www.cartamaior.com.br/templates/materiamostrar.cfm?materia_id=15538

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 14.663, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014. (publicada no DOE n.º 253, de 31 de dezembro de 2014) Institui a Política

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes Financiamento e apoio técnico Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e o Conselho Nacional dos Direitos

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Mulheres Periféricas

Mulheres Periféricas PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2011 Mulheres Periféricas Proponente RG: CPF: Rua Fone: E-mail: 1 Índice Dados do Projeto

Leia mais

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura PLANO ESTADUAL DA CULTURA Matriz Situacional da Cultura Fórum de Planejamento Regional Cidade Sede: Aranranguá 29 e 30 de agosto de 2012 Priorização de Diretrizes e Ações Objetivo: Discussão da proposta

Leia mais

PRÓ - REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL 004/2015/ PROEX/UEPB PROGRAMA DE CONCESSÃO de BOLSAS DE EXTENSÃO - PROBEX COTA: 2015-2016

PRÓ - REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL 004/2015/ PROEX/UEPB PROGRAMA DE CONCESSÃO de BOLSAS DE EXTENSÃO - PROBEX COTA: 2015-2016 PRÓ - REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL 004/2015/ PROEX/UEPB PROGRAMA DE CONCESSÃO de BOLSAS DE EXTENSÃO - PROBEX COTA: 2015-2016 A Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Estadual da Paraíba, no uso das suas

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

Círculos de Diálogos no Município. Municipalização dos ODM - 2010

Círculos de Diálogos no Município. Municipalização dos ODM - 2010 Círculos de Diálogos no Município Municipalização dos ODM - 2010 Desde 2006, o Movimento Nós Podemos Paraná articula os Círculos de Diálogo que são encontros para incentivar o trabalho voluntário dos três

Leia mais

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Santa Maria, 15 de Outubro de 2012 Pauta: 1) Contexto da Economia Criativa no Brasil de acordo com o Plano da Secretaria da Economia Criativa

Leia mais

CULTURA OBJETIVOS E METAS

CULTURA OBJETIVOS E METAS CULTURA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração das políticas públicas na área de cultura com a participação de mais entidades e partidos políticos, via projetos e via mobilização

Leia mais

Fórum Estadual dos Pontos de Cultura Ilha Solteira

Fórum Estadual dos Pontos de Cultura Ilha Solteira Fórum Estadual dos Pontos de Cultura Ilha Solteira Proposta construída em Mirandópolis (31/01/2015) Dando sequência aos trabalhos, tanto do Fórum Paulista dos Pontos de Cultura de 2013 realizado durante

Leia mais

II CONFERENCIA ESTADUAL DE CULTURA SANTA CATARINA COMITE EXECUTIVO ESTADUAL

II CONFERENCIA ESTADUAL DE CULTURA SANTA CATARINA COMITE EXECUTIVO ESTADUAL EIXO I - PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL Foco: produção de arte e de bens simbólicos, promoção de diálogos interculturais, formação no campo da cultura e democratização da informação. Produção

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

Edição Nº 15 Florianópolis, 10 de outubro de 2012. SEM/SC: mudanças no cronograma do Programa de Capacitação Museológica

Edição Nº 15 Florianópolis, 10 de outubro de 2012. SEM/SC: mudanças no cronograma do Programa de Capacitação Museológica SEM/SC: mudanças no cronograma do Programa de Capacitação Museológica A Fundação Catarinense de Cultura (FCC), por meio do Sistema Estadual de Museus (SEM/SC), comunica mudanças nas datas e alguns locais

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

Oi FUTURO APRESENTA TERCEIRO ENCONTRO DO CICLO DE ARTE DIGITAL INTER-AGIR

Oi FUTURO APRESENTA TERCEIRO ENCONTRO DO CICLO DE ARTE DIGITAL INTER-AGIR Oi FUTURO APRESENTA TERCEIRO ENCONTRO DO CICLO DE ARTE DIGITAL INTER-AGIR - Evento será no dia 13 de novembro, a partir das 19h, começando com apresentação do grupo Teatro Para Alguém com espetáculo que

Leia mais

Plano de Ação de Educação em Direitos Humanos

Plano de Ação de Educação em Direitos Humanos Plano de Ação de Educação em Direitos Humanos 1 - Diagnóstico População do Estado de Goiás: 5.647.035 87,88% urbana 12,12% rural IDH de Goiás: 0,800 50,18% mulheres 49,82% homens 43,6% brancos 50,9% pardos

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Paranaguá Fundação Municipal de Cultura de Paranaguá - Nelson de Freitas Barbosa

Prefeitura Municipal de Paranaguá Fundação Municipal de Cultura de Paranaguá - Nelson de Freitas Barbosa REGIMENTO DO II FÓRUM MUNICIPAL DE CULTURA DE PARANAGUÁ Art. 1 O II Fórum de Municipal de Cultura de Paranaguá comporta o foro municipal dos debates sobre o Sistema Municipal de Cultura de Paranaguá, aberto

Leia mais

Plenária: Conferência Estadual de Cultura,Vitória da Conquista, 30/11/2011 a 3/12/2011. Propostas Consensuais Para o Eixo: V.

Plenária: Conferência Estadual de Cultura,Vitória da Conquista, 30/11/2011 a 3/12/2011. Propostas Consensuais Para o Eixo: V. SUB-EIXO: DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DA CULTURA PROJETO : 44 IMPLANTAÇÃO DE DIRETORIAS TERRITORIAIS DE CULTURA EM TODOS OS 26 TERRITÓRIOS DO ESTADO. GESTORES CULTURAIS, AGENTES CULTURAIS E EDUCACIONAIS;

Leia mais

Propostas do Eixo IV

Propostas do Eixo IV Propostas do Eixo IV Proposta síntese Propostas específicas Zona Observações (remanejamento, contradições) 1 Apoio à reforma imediata da lei de direito autoral. Apoio à reforma imediata da lei de direito

Leia mais

EDITAL DE APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO- CULTURAIS NA UFSCAR PARA 2015.

EDITAL DE APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO- CULTURAIS NA UFSCAR PARA 2015. EDITAL DE APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO- CULTURAIS NA UFSCAR PARA 2015. JUSTIFICATIVA O estatuto da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) no Capítulo 1, artigo 3º define como uma das

Leia mais

RELATÓRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS

RELATÓRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS RELATÓRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS 1 I - FICHA DE QUALIFICAÇÃO DO ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELO EVENTO: 1. ESTADO: SANTA CATARINA 2. MUNCÍPIO: FLORIANÓPOLIS 3. ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELO EVENTO

Leia mais

Quem é o soylocoporti

Quem é o soylocoporti Pontão de Cultura Quem é o soylocoporti O Coletivo Soylocoporti tem como foco a promoção da autodeterminação dos povos e da integração latino-americana por meio da difusão e valorização da cultura e da

Leia mais