PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL DANILO TANCLER STIPP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL DANILO TANCLER STIPP"

Transcrição

1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL DANILO TANCLER STIPP ROTAVÍRUS SUÍNO GRUPO C (PoRV-C): ANÁLISE FILOGENÉTICA DO GENE VP6 DE ESTIRPES VIRAIS BRASILEIRAS E DIAGNÓSTICO MOLECULAR DE INFECÇÕES SINGULARES E MISTAS (PoRV-A e PoRV-B) EM UM SURTO DE DIARRÉIA EM LEITÕES LACTENTES. Londrina/PR 2011

2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL ROTAVÍRUS SUÍNO GRUPO C (PoRV-C): ANÁLISE FILOGENÉTICA DO GENE VP6 DE ESTIRPES VIRAIS BRASILEIRAS E DIAGNÓSTICO MOLECULAR DE INFECÇÕES SINGULARES E MISTAS (PoRV-A e PoRV-B) EM UM SURTO DE DIARRÉIA EM LEITÕES LACTENTES. DANILO TANCLER STIPP Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal (Área de Concentração: Sanidade Animal) da Universidade Estadual de Londrina como requisito parcial para a obtenção do título de Doutor em Ciência Animal. Orientador: Prof. Dr. Amauri Alcindo Alfieri Londrina 2011

3 DANILO TANCLER STIPP ROTAVÍRUS SUÍNO GRUPO C (PoRV-C): ANÁLISE FILOGENÉTICA DO GENE VP6 DE ESTIRPES VIRAIS BRASILEIRAS E DIAGNÓSTICO MOLECULAR DE INFECÇÕES SINGULARES E MISTAS (PoRV-A e PoRV-B) EM UM SURTO DE DIARRÉIA EM LEITÕES LACTENTES. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal (Área de Concentração: Sanidade Animal) da Universidade Estadual de Londrina como requisito parcial para a obtenção do título de Doutor em Ciência Animal. Comissão Examinadora: Prof. Dr. Marcos Bryan Heinemann Universidade Federal de Minas Gerais Prof. Dr. Marco Antônio Bacellar Barreiros Universidade Federal do Paraná Prof. Dra. Roberta Lemos Freire Universidade Estadual de Londrina Prof. Dr. João Luis Garcia Universidade Estadual de Londrina Prof. Dr. Amauri Alcindo Alfieri Universidade Estadual de Londrina Londrina, 22 de julho de 2011.

4 O presente trabalho foi realizado no Laboratório de Virologia Animal, Departamento de Medicina Veterinária Preventiva, Centro de Ciências Agrárias da Universidade Estadual de Londrina, como requisito parcial para a obtenção do título de Doutor em Ciência Animal pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal (Área de Concentração: Sanidade Animal), sob orientação do Prof. Dr. Amauri Alcindo Alfieri. Os recursos financeiros para o desenvolvimento do projeto foram obtidos junto às agências e órgãos de fomento à pesquisa, abaixo relacionados: 1. CNPq: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico / MCT 2. CAPES: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior / MEC 3. FAP/PR: Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná / SETI 4. FINEP: Financiadora de Estudos e Projetos / MCT

5 DEDICATÓRIA A Deus À minha amada esposa Rejane Alves Mira Aos meus queridos pais Paulo José Marconi Stipp e Ana Maria Tancler Stipp À minha querida irmã Aline Tancler Stipp À minha avó paterna Ada M. Stipp (in memorian) Aos meus avôs maternos Geraldo Tancler (in memorian) e Nilza T. Tancler À grande amiga e colega Dalíria do Prado (in memorian)

6 AGRADECIMENTOS A Deus, por ter me iluminado ao longo deste trabalho, tornando possível a concretização desse sonho. À minha amada esposa Rejane, pela compreensão e muita paciência; carinho e, principalmente, pelo amor e companheirismo ao longo de mais esta jornada; lembranças e sentimentos que jamais se apagarão de minha memória e coração. Sempre te amarei. Aos meus queridos pais Paulo e Ana Maria, e à minha querida irmã Aline; pelo apoio em todos os momentos, sempre me auxiliando no que fosse necessário. Amo vocês. Aos meus tios Antônio Carlos M. Stipp e Mara Regina Stipp Balarin, pelos conselhos e por me mostrarem o caminho a ser seguido em minha carreira acadêmica, profissão esta digna e extremamente gratificante. A todos os meus familiares, em especial meus padrinhos Francisco e Carmem Tancler, e Rogério Tancler; ao meu tio Sérgio Henrique Tancler; e aos meus avós Geraldo Tancler (in memorian), Nilza T. Tancler e Ada Stipp (in memorian), que sempre estarão em meu coração; agradeço a todos pelo respeito e confiança nos momentos presentes. Ao professor e orientador Prof. Dr. Amauri A. Alfieri pela oportunidade concedida e confiança em mim depositada. Agradeço-o por todos os conselhos que recebi, pelo excelente convívio ao longo desses dez anos desde os tempos da Graduação; e pelo exemplo de profissionalismo a ser seguido. Agradeço-o ainda pela paciência no decorrer da realização deste parto distócico. Meu muito obrigado! À professora Dra. Alice Fernandes Alfieri pela orientação, atenção, confiança, e amizade em mais esta jornada. A todos os professores do curso de graduação em Medicina Veterinária e do Programa de Pós-graduação em Ciência Animal, em especial aos professores: Caio Abércio da Silva, Edson Luis A. Ribeiro, Ernst E. Müller, Italmar T. Navarro, Julio Augusto N. Lisboa, Julio Cesar de Freitas, Laurenil Gaste, Marcelo M. Seneda, Marilda C. Vidotto, Milton H. Yamamura, Nilva Maria F. Mascarenhas, Odilon Vidotto, Pedro Luíz de Camargo; muito obrigado pela amizade, conhecimento e formação acadêmica científica. Aos membros da Comissão Examinadora na banca de defesa: Prof. Dr. Marcos Bryan Heinemann, Prof. Dr. Marco Antônio Bacellar Barreiros, Prof. Dr. João Luis Garcia e Profa. Dra. Roberta L. Freire pelas valiosas contribuições ao presente trabalho. À Elis Lorenzetti, Kerlei Cristina Médici e Thaís Neris da Silva Medeiros pela ajuda indispensável, consideração e amizade durante todo o período de desenvolvimento deste trabalho. À grande amiga Maria Yoshie, meu muito obrigado pelos ensinamentos, puxões de orelha e momentos que jamais serão esquecidos. À grande amiga Dalíria do Prado (in memorian) pelos ensinamentos, pelo exemplo de integridade e profissionalismo. Que Deus a abençoe. Saudades... sempre em nossos corações.

7 Aos funcionários da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PROPPG) e Centro de Ciências Agrárias (CCA) pelo auxílio e atenção durante a realização dos trabalhos. A todos os funcionários do Departamento de Medicina Veterinária Preventiva (DMVP) em especial ao José Aldivino (Microbiologia), José Roberto e Joãozinho (Patologia Clínica), por cada conversa, risadas e cumprimentos pelos corredores. Aos secretários do DMVP e Pós- Graduação, Reinaldo e Helenice, respectivamente, pela paciência e atenção. Aos meus grandes amigos que acompanharam minha jornada ao longo deste período de trabalho: Alexandre Redson Soares da Silva, Bruno Garcia Botaro, Danilo Laurenti Ferreira e Rafael Felipe Vieira, pelos conselhos, confiança, respeito e companheirismo, além dos momentos de descontração e muitas risadas; pessoas às quais serei eternamente grato. Aos eternos amigos e colegas que conheci e convivi no lab : Alexandre Amude, Betinha, Flora Kano, Jonas Espíndola, Juliana Dias, Marlise Claus, Michele Lunardi, Stellamaris Dezen, meu muito obrigado por toda ajuda e consideração, jamais me esquecerei de vocês. Aos demais amigos Aline Barry, Bruno Mazzer, Ceília de Souza, Claudia Tozato, Karina Flaiban, Kledir Spohr, Luciana Takemura, Patrícia Nunes da Silva, Rodrigo Otonel, Vanessa Japa Hashimoto, pessoas que certamente ficarão guardadas no lado esquerdo do peito, meu muito obrigado pela amizade em todos estes anos de convivência. A todos os estagiários e bolsistas de iniciação científica do laboratório de Virologia Animal da UEL que colaboraram com o desenvolvimento deste trabalho. À Universidade Estadual de Londrina pela estrutura e suporte fornecidos. Aos meus amigos e colegas de trabalho da Faculdade Integrado de Campo Mourão, ao qual tenho muito orgulho e carinho por ter feito parte desta Instituição, em especial o meu agradecimento a Bruno Menarin, Claudia Gebara, Clóvis Bassani, Damaris, Franciele Baptista, Julio César Severino, Ludmila Moroz, Paulo Emílio Prohmann, Roberta R. Fernandes, Roberta Toledo, Rodrigo Yanaka, Sabrina Rodigheri, Vitor S. Sartori e a todos os meus orientados e demais alunos. À Universidade Federal da Paraíba (UFPB / CCA), minha nova casa, à qual tenho me dedicado neste último ano e, se Deus quiser, permitirá que eu continue meu trabalho até o fim de minha vida. Meu muito obrigado aos meus novos amigos e colegas de trabalho e profissão da UFPB, pessoal arretado demais : Abraão R. Barbosa, Alexandre José Alves, Daniela Lafetá, Fabiana Satake, o flamenguista doente George D. Santos, Katerin B. Grondona, o pó de arroz carioca Luis Felipe Souza da Silva, o coxa branca fanático e enciclopédia do futebol brasileiro Luiz Eduardo Buquera, o vascaíno Michel Alves da Silva, o pernambucano Susie da Ilha do Retiro Rafael Lima, o amigo e sofredor gambá Ricardo R. Guerra, o grande amigo e tricolor bambi paulista Rodrigo N. Pereira, o amigo e cabra bom Suedney de Lima Silva, a chefia do Departamento de Ciências Veterinárias, Suzana A. Costa de Araújo e Valeska P. de Melo (obrigado pela liberação das atividades e paciência para o desenvolvimento do presente trabalho). Por fim, agradeço a todos que, direta ou indiretamente, contribuíram para a realização deste trabalho; meu muito obrigado.

8 RESUMO STIPP, D.T. Rotavírus suíno grupo C (PoRV-C): Análise filogenética do gene VP6 de estirpes virais brasileiras e diagnóstico molecular de infecções singulares e mistas (PoRV-A e PoRV-B) em um surto de diarréia em leitões lactentes f. Tese (Doutorado em Ciência Animal, Área de Concentração: Sanidade Animal) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina A diarreia neonatal é o principal problema sanitário que acomete leitões lactentes em todo o mundo. A diarréia é um problema multifatorial, determinada pela imunidade do hospedeiro, manejo zootécnico e agentes infecciosos como bactérias (Escherichia coli enterotoxigênica, Clostridium perfringens tipo C), protozoários (Cryptosporidium spp e Isospora suis) e vírus (rotavírus, coronavírus e calicivírus). O rotavírus suíno (PoRV) é descrito como a principal etiologia viral de enterite em leitões lactentes e recém desmamados em todo o mundo. O PoRV do sorogrupo C (PoRV-C) se distingue dos outros sorogrupos de PoRV pelas características antigênicas da proteína estrutural VP6 que é o principal alvo em técnicas de diagnóstico e análises moleculares. Este estudo teve por objetivo analisar a heterogeneidade genética de 15 estirpes de PoRV-C obtidas de episódios de diarreia em leitões provenientes de cinco estados brasileiros e descrever a participação de diferentes sorogrupos de rotavírus em um surto de diarreia em leitões em um rebanho vacinado contra a rotavirose. A diversidade genética das estirpes de PoRV-C foi analisada pela amplificação, sequenciamento e análise molecular de um produto com 1353 pb do gene da VP6. Filogeneticamente, as estirpes de PoRV-C avaliadas foram agrupadas em três clusters formados exclusivamente por estirpes de PoRV-C de origem suína, distintas das estirpes virais de origem bovina e humana. Em um surto de diarreia neonatal foram colhidas 15 amostras de fezes diarreicas de leitões lactentes com 1 a 4 semanas de idade. A presença de PoRV-A, PoRV-B e PoRV-C foi avaliada por técnicas moleculares (RT-PCR e SN-PCR). PoRV foi identificado em 14 (87,5%) amostras fecais sendo 81,2%, 56,2% e 18,7% das amostras positivas para o PoRV-C, PoRV-A e PoRV- B, respectivamente. Infecções mistas, ocasionadas por mais de um sorogrupo de PoRV, foram predominantes ocorrendo em 9 (64,3%) amostras fecais avaliadas. A associação mais frequente envolveu a presença de PoRV-A e PoRV-C. A caracterização molecular das estirpes de PoRV-A identificadas no surto demonstrou a presença do genotipo G4P[6]. Os resultados permitiram identificar, pela primeira vez, grande variabilidade genética no gene 5 (VP6) de estirpes virais brasileiras de PoRV-C indicando que, a exemplo de PoRV-A, existe diversidade molecular nas estirpes virais circulantes. O estudo de avaliação da infecção pelo rotavírus em rebanhos suínos regularmente vacinados contra a rotavirose demonstrou a importância do constante monitoramento da etiologia das diarreias neonatais em rebanhos vacinados, particularmente com relação à etiologia múltipla envolvendo diferentes grupos antigênicos de PoRV. Destaca-se ainda a importância da genotipagem das estirpes de PoRV- A identificadas nas amostras de fezes diarreicas de leitões de rebanhos vacinados com o objetivo de esclarecer as possíveis causas de falhas vacinais. Palavras-chave: suínos, diarréia, rotavírus grupo C, diagnóstico, filogenia.

9 ABSTRACT STIPP, D.T. Porcine rotavirus group C (PoRV-C): Phylogenetic analyses of VP6 gene of wild-type Brazilian strains and molecular diagnosis of single and mixed (PoRV-A and PoRV-B) infections in a diarrhea outbreak in suckling piglets p. Thesis (Doctor s Degree in Animal Science) Londrina State University, Londrina Neonatal diarrhea is the major piglet health problem in pig productions worldwide. Diarrhea is the result of the association of several factors that include host immunity, management procedures and infectious agents as bacteria (enterotoxigenic Escherichia coli, Clostridium perfringens type C), protozoa (Cryptosporidium spp and Isospora suis) and virus (rotavirus, coronavirus and calicivirus). Porcine rotavirus (PoRV) is the main cause of viral enteritis in suckling and weaned piglets. Porcine rotavirus group C (PoRV-C) is distinguished from other rotavirus groups by antigenic features of the structural protein VP6 that constitutes a frequent target of diagnostic assays and molecular analysis. The aim of the present study was to analyze the genetic heterogeneity of 15 PoRV-C strains from five Brazilian states and to describe the involvement of different rotavirus serogroups in an outbreak of diarrhea in piglets from a herd vaccinated against rotavirosis. The genetic diversity of the PoRV-C strains was investigated by amplification, sequencing and molecular analysis of a 1,353 bp VP6 gene product. Phylogenetically, the PoRV-C strains analyzed were ranged in three clusters exclusively formed by PoRV-C of porcine lineages, different from bovine and human virus strains. In a neonatal diarrhea outbreak episode, 15 diarrheic fecal samples were collected from piglets from 1 to 4-weeks-old. The presence of PoRV-A, PoRV-B and PoRV-C was analyzed by molecular techniques (RT-PCR and SN-PCR assays). PoRV was detected in 14 (87.5%) samples, where 81.2%, 56.2%, and 18.7% were positive to PoRV-C, A, and B, respectively. Mixed infections, caused by more than one PoRV serogroups, were predominant in 9 (64.3%) fecal, samples. The most frequent association involved the presence of PoRV-A and PoRV-C. The molecular characterization of wild-type PoRV-A strains detected in the diarrhea outbreak identified the presence of G4P[6] genotype. The results showed for the first time, a great genetic variability of gene 5 (VP6) of Brazilian PoRV-C strains, indicating that, like PoRV-A, the existence of molecular diversity among circulating PoRV-C strains. The study of rotavirus infection in a pig herd regularly vaccinated against rotavirosis demonstrates the importance of a constantly neonatal diarrhea etiology screening in vaccinated herds, particularly regarding to mixed etiology involving multiple antigenic PoRV groups. Note also the importance of genotyping of the PoRV-A strains identified in diarrheic fecal samples from piglets of vaccinated herds in order to clarify the possible causes of vaccine failure. Keywords: Swine, diarrhea, rotavirus, rotavirus group C, diagnosis, phylogeny.

10 SUMÁRIO 1 - REVISÃO DE LITERATURA Rotavirose suína Rotavírus História e taxonomia RV-A RV-B RV-C Caracterização eletroforética e características das proteínas constituintes das camadas interna, intermediária e externa do capsídeo do RV-C Perfil eletroforético do RV-C e diversidade genômica Proteína VP Proteína VP Proteína VP Epidemiologia da rotavirose suína Diagnóstico do rotavírus grupo C Profilaxia e controle Referências OBJETIVOS 2.1. Geral Específicos ARTIGOS PARA PUBLICAÇÃO 3.1 VP6 gene heterogeneity of group C porcine rotavirus strains. Abstract Introduction Materials and Methods Results Discussion References Porcine rotavirus group C (PoRV-C) single and mixed infections (PoRV-A, PoRV-B) as cause of a piglet diarrhea outbreak in vaccinated pig herd. Abstract References CONCLUSÕES ANEXOS A. Lista de reagentes B. Soluções e tampões C. Protocolo de técnicas

11 LISTA DE FIGURAS VP6 gene heterogeneity of group C porcine rotavirus strains. Fig.1. Fig.2. Neighbor-Joining (Tamura-Nei model) tree based on complete sequences of VP6 gene of 15 Brazilian PoRV-C wild-type strains ( ) described in this study and eight reference strains acquired from GenBank with complete RV-C VP6 sequences. The names of RV-C strains and GenBank accession numbers are listed in Table 2. The scale bar is proportional with the phylogenetic distance Phylogenetic tree of the VP6 gene of the Brazilian PoRV-C strains showing its genetic relationship with other RV-C strains. RV-A srains CMP12/03 (Porcine), KJ9-1 (Bovine) and PA169 (Human); and RV-B strains RUBV282 (Bovine) and WH-1 (Human), were used as out-groups. The shape markers of Brazilian PoRV-C are according to the pig herds State location (Mato Grosso do Sul [ ], Minas Gerais [ ], Paraná [ ], Rio Grande do Sul [ ] and Santa Catarina [ ]).The names, original hosts and GenBank accession numbers of RV-A, B and C strains are listed in Table 2. The number adjacent to the node represents the bootstrap value. Scale bar shows genetic distance expressed as nucleotide substitutions per site

12 12 LISTA DE TABELAS VP6 gene heterogeneity of group C porcine rotavirus strains. Table 1. Table 2. Table 3. Table 4. Table 5. Table 6. Table 7. Table 8. Brazilian PoRV-C wild-type strains with VP6 gene sequences performed in the study, their origin and year collected GenBank accession numbers of the VP6 genes of the Brazilian PoRV-C strains, reference RV-C strains and out group strains used in phylogenetic and sequence analyses Estimates of evolutionary divergence between the Brazilian PoRV-C and outgroup RV-A reference strains. The numbers of base differences per site from between PoRV-C sequences are shown Estimates of evolutionary divergence between Porcine I clustered strains. The numbers of base differences per site from between PoRV-C sequences are shown Estimates of evolutionary divergence between Porcine II clustered strains. The numbers of base differences per site from between PoRV-C sequences are shown Estimates of evolutionary divergence between Porcine III clustered strains. The numbers of base differences per site from between PoRV-C sequences are shown Estimates of evolutionary divergence between Porcine I, Porcine II, Porcine III, Bovine and Human clusters. The numbers of base differences per site from between PoRV-C sequences are shown Nucleotide and deduced amino acid sequence comparison of the VP6 of the Brazilian PoRV-C strains with that of the other strains Porcine rotavirus group C (PoRV-C) single and mixed infections (PoRV-A, PoRV-B) as cause of a piglet diarrhea outbreak in vaccinated pig herd. Table 1. Groups of porcine rotavirus (PoRV) identified by RT-PCR assay in a diarrhea outbreak in weaning piglets

13 13 LISTA DE QUADROS Revisão de Literatura Quadro 1. Frequência de detecção do rotavírus suíno grupo A em fezes de leitões Quadro 2. Frequência de detecção do rotavírus suíno grupo B em fezes de leitões Quadro 3. Frequência de detecção do rotavírus suíno grupo C em fezes de leitões... 30

14 14 1. REVISÃO DE LITERATURA

15 15 Rotavirose suína As diarreias neonatais constituem importante problema sanitário que afeta a produção de rebanhos suinícolas, independentemente do nível de tecnificação da criação, sendo observadas tanto em países desenvolvidos quanto em desenvolvimento. Os prejuízos econômicos determinados pelas diarreias podem comprometer a longevidade da exploração econômica de suínos devido aos aumentos nas taxas de morbidade e mortalidade; bem como, pelas despesas adicionais de mão de obra e medicação com o tratamento dos animais enfermos. Os episódios de diarreia em animais jovens determinam ainda alterações consideráveis nas taxas de conversão alimentar e de ganho de peso, ocasionando problemas de manejo em consequência da desuniformidade dos lotes. A desidratação, o desequilíbrio eletrolítico e a acidose são os sinais clínicos mais frequentes. Os animais doentes se apresentam imunossuprimidos, predispondo-os a outras infecções, principalmente as respiratórias (PAUL; LYOO, 1993; WIELLER et al., 2001; CALDERATO et al., 2001; ALFIERI et al., 2007). Em leitões, as diarreias ocorrem tanto em animais lactentes quanto recémdesmamados. As fases de maternidade e creche representam o período de maior desafio à sanidade entérica dos leitões (KATOULI et al., 1995). A imaturidade imunológica e falha na proteção passiva são as principais causas da maior susceptibilidade dos animais na maternidade (SPENCER et al., 1989). No período pós-desmame, a primeira e a segunda semanas constituem-se em fatores de risco para diarreias, principalmente devido às alterações de ordem social e alimentar a que os animais são expostos em decorrência do manejo (MELIN et al., 2000; ALFIERI et al., 2007). A etiologia das diarreias é complexa e fatores ambientais, nutricionais e vários agentes infecciosos como vírus, bactérias, parasitas e toxinas bacterianas podem estar envolvidos nesta síndrome. A importância relativa dos agentes etiológicos é variável e o predomínio de

16 16 um determinado agente em rebanhos, regiões ou mesmo a sua distribuição sazonal, está relacionada com a intensidade e a regularidade com que medidas de caráter higiênicosanitário são adotadas (JANKE, 1989; JOHNSON et al., 1992; CICIRELLO; GLASS, 1994; ALFIERI et al., 2007). As causas infecciosas mais comuns das diarreias em suínos nos períodos do pré e do pós-desmame no Brasil são representadas pelos enteropatógenos Escherichia coli, rotavírus, Isospora suis, Cryptosporidium spp e Clostridium perfringens. Estes agentes causam diarreia cuja intensidade pode variar desde branda a grave, podendo culminar com a morte dos animais comprometidos (MELIN et al., 2004). As variações nos sinais clínicos e nas taxas de morbidade e de mortalidade são devidas às diferenças na virulência e/ou na dose infecciosa do patógeno; da associação entre microrganismos; de aspectos relacionados ao hospedeiro como o estatus imunológico e a idade; e de fatores relacionados ao meio ambiente e ao manejo como limpeza, desinfecção, umidade e ventilação, entre outros (ALFIERI et al., 2007). A semelhança dos sinais clínicos, independentemente do agente etiológico, impossibilita a determinação da etiologia com base apenas nos parâmetros clínicos (DRIESEN et al., 1993). Com relação à etiologia viral das diarreias, os rotavírus (RV) são considerados a principal causa de infecções entéricas em mamíferos e em aves jovens em todo o mundo. A gama de hospedeiros é extensa e, além de seres humanos, inclui várias espécies de animais de produção destacando-se, principalmente pelo impacto econômico que representa ao setor produtivo, as infecções em leitões, bezerros e em aves jovens como frangos de corte e perus (McNULTY, 1978; ESTES et al., 1981; HO et al., 1988; ESTES; COHEN, 1989; ALFIERI et al., 2007). A rotavirose suína caracteriza-se por comprometer animais jovens, entre a segunda e a quarta semanas de vida (BOHL, 1978; UTRERA et al., 1984; WIELER et al., 2001; ALFIERI et al., 2007). A morbidade da rotavirose suína é alta, principalmente nas primoinfecções,

17 17 porém a mortalidade é variável e oscila entre 7-20% (BOHL, 1978). As matrizes prenhes, quando portadoras, eliminam o RV por meio das fezes para o ambiente, principalmente nos dias que antecedem ao parto, sendo fonte de infecção para os leitões (RUBIO et al., 1988). Em infecções naturais os animais eliminam o RV tanto nas fezes normais quanto diarréicas (DEWEY et al., 2003). A transmissão dos RV ocorre por via fecal-oral, com a ingestão de água e/ou alimentos contaminados com fezes. Há relatos da possibilidade da transmissão por aerosóis, principalmente quando as condições de umidade e ventilação do ambiente são favoráveis (COOK et al., 1996; KAPIKIAN et al., 2001). Os RV são, geralmente, espécie-específicos, porém a ocorrência de infecções entre diferentes espécies animais, denominadas infecções heterólogas, tem sido demonstrada (COOK et al., 2004). O RV se replica, principalmente, em ambientes com grande concentração de animais e com condições de higiene desfavoráveis, infectando as células epiteliais das vilosidades intestinais (KAPIKIAN et al., 2001). Somente partículas com tripla camada protéica conseguem aderir-se aos enterócitos. O RV apresenta tropismo por enterócitos maduros das porções média e alta das vilosidades do intestino delgado, principalmente terço final de jejuno e inicial de íleo, de animais e de seres humanos jovens (LUNDGREN; SVENSSON, 2001). No processo de replicação viral ocorre a lise das células infectadas. A redução da capacidade de absorção dos enterócitos e a descamação do epitélio intestinal, com atrofia das vilosidades, causam o quadro diarréico (KAPIKIAN et al., 2001). Os sinais clínicos iniciam por volta do terceiro dia pós-infecção e os animais podem excretar o vírus por até oito dias após o início dos sinais clínicos (DEWEY et al., 2003). Os animais apresentam, principalmente, diarreia de consistência pastosa à líquida e de curta duração, em média por três dias. A desidratação é frequente em leitões muito jovens, onde a infecção é mais grave (THEIL et al., 1985a).

18 18 Rotavírus Histórico e taxonomia Os RV são membros da família Reoviridae e pertencem ao gênero Rotavirus. A partícula viral é de simetria icosaédrica, com aproximadamente 70 a 90 nm de diâmetro, não apresenta envelope lipoprotéico e o capsídeo é constituído por três camadas concêntricas de proteínas. O genoma viral é formado por 11 segmentos de RNA fita dupla (dsrna) que codificam seis proteínas estruturais (VP viral protein) e seis proteínas não-estruturais (NSP non-structural protein). A nomenclatura das VPs (VP1; VP2; VP3; VP4; VP6 e VP7) e das NSPs (NSP1; NSP2; NSP3; NSP4; NSP5; NSP6), presentes em partículas virais maduras, são seguidas por números em ordem decrescente da massa molecular. As proteínas VP1, VP2 e VP3 formam a camada interna, ou core, do capsídeo viral; a proteína VP6 constitui a camada intermediária, e as proteínas VP4 e VP7 formam a camada externa do capsídeo (ESTES; COHEN, 1989; MIDTHUN; KAPIKIAN, 1996). A proteína VP4 tem função essencial no ciclo de replicação do vírus, incluindo a ligação ao receptor celular e a penetração em células hospedeiras. A função da VP7, durante a interação inicial, ainda não está bem estabelecida (ZARATE et al., 2004). Com base na especificidade antigênica da VP6 os RV são classificados em sete grupos sorológicos (sorogrupos) denominados de A a G. Todos os membros de cada sorogrupo, independentemente da espécie animal de origem, apresentam seu próprio antígeno comum que é antigenicamente distinto entre os sorogrupos (ESTES; COHEN, 1989). Rotavírus grupo A (RV-A) A proteína VP4 exerce influência direta na patogenicidade e na atenuação das estirpes de RV-A e apresenta epítopos neutralizantes que, juntamente com a VP7, estão associados à

19 19 neutralização sorotipo-específica e à proteção contra a infecção. Com isso, à semelhança do vírus influenza, os RV apresentam classificação sorológica binária onde devem ser consideradas, simultaneamente, as especificidades antigênicas das proteínas VP4 e VP7, formadoras da camada externa do capsídeo viral (HOSHINO et al., 1985; OFFIT et al., 1986). Para a padronização da nomenclatura, os sorotipos de RV-A relacionados à VP4, são denominados sorotipos P devido a sua susceptibilidade à clivagem proteolítica. Os sorotipos relacionados ao polipeptídeo VP7, por ser de constituição glicoproteica, são denominados sorotipos G (ESTES; COHEN, 1989). A identificação por métodos sorológicos dos sorotipos G e P de RV-A apresenta uma série de limitações como: i) alta taxa de amostras não sorotipadas nos levantamentos epidemiológicos; ii) grande número de infecções mistas ou variantes antigênicas; iii) não caracterização de sorotipos P por meio de ensaios imunoenzimáticos comerciais (ALFIERI, 1999). Com isso, a genotipagem passou a ser utilizada como uma técnica alternativa à sorotipagem dos RV-A. Atualmente são reconhecidos 24 genotipos G (G1 a G24) e 33 genotipos P (P[1] a P[33]) demonstrando a ampla diversidade antigênica desse grupo de RV (KAPIKIAN et al., 2001; MARTELLA et al., 2006; KHAMRIN et al., 2007; URSU et al., 2009; COLLINS et al., 2010). Os genotipos de RV-A mais frequentemente encontrados em suínos são G3, G4, G5 e G11 que estão associados com P[6] ou P[7] (WINIARCZYK et al., 2002; BARREIROS et al., 2003). Outros P tipos têm sido descritos em RV isolados ou presentes em amostras fecais como P7[5]; P1A[8]; P[13]; P12[19]; P14[23] (LIPRANDI et al., 2003; MARTELLA et al., 2005). As principais combinações entre os genotipos G e P de RV-A suíno são G5P[7] (OSU), G4P[6] (Gottfried), G11P[7] (YM), e G3P[7] (CRW8) (BARREIROS et al., 2003; PARRA et al., 2008).

20 20 Apesar da caracterização dos RV, particularidades sobre a replicação do genoma viral e as diversas fases que envolvem a morfogênese ainda não foram esclarecidas (ARNOLDI et al., 2007). A proteína NSP2, assim como a proteína NSP5 participam nos processos de formação do viroplasma e de replicação viral durante infecções naturais (CAMPAGNA et al., 2005; SILVESTRI et al., 2004). A NSP5 apresenta massa relativamente pequena (21,7 kda) quando comparada com outras proteínas, assumindo a forma de um octâmero quando em solução. Análises moleculares utilizando a proteína NSP2 como sequência alvo têm demonstrado resultados satisfatórios na detecção do RV-B de origem humano e animal (GOUVEIA et al, 1991). Uma proteína não-estrutural de grande relevância é a NSP4, devido ao seu envolvimento com a morfogênese viral e sua atividade enterotóxica (MARTELLA et al., 2003). Estudos com a proteína NSP4 do RV-A, sugerem a sua classificação em cinco genogrupos: i) genogrupos A, B e C isolados de leporinos, equinos, bovinos, suínos, símios, caninos e felinos e seres humanos nos quais análises filogenéticas mostram o agrupamento das estirpes sempre em um mesmo ramo, sugerindo evolução constante entre estas estirpes virais; ii) genogrupos D e E, encontrados somente em camundongos e aves, respectivamente (CIARLET et al., 2000). Rotavírus grupo B (RV-B) Tanto a caracterização antigênica e molecular quanto a prevalência dos RV-B ainda não estão bem esclarecidas (TSUNEMITSU et al., 1999), principalmente devido à dificuldade de adaptação desse grupo de RV em culturas celulares (THEIL; SAIF, 1985). Estudos moleculares, direcionados aos genes que codificam as proteínas do capsídeo interno, indicam particularidades nos RV-B quando comparados aos RV-A e RV-C (CHEN et al., 1991).

PROF. DR.PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP

PROF. DR.PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP ENTERITES VIRAIS PROF. DR.PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP 1. IMPORTÂNCIA EM SAÚDE PÚBLICA 2. IMPORTÂNCIA EM BOVINOS 3. DEFINIÇÃO 4. DISTRIBUIÇÃO E FORMAS DE OCORRÊNCIA 5. ETIOLOGIA 6. FISIOPATOLOGIA

Leia mais

A genética do vírus da gripe

A genética do vírus da gripe A genética do vírus da gripe Para uma melhor compreensão das futuras pandemias é necessário entender sobre as pandemias passadas e os fatores que contribuem para a virulência, bem como estabelecer um compromisso

Leia mais

DETECÇÃO DO VIRUS DA MANCHA BRANCA (WSSV) EM CAMARÕES MARINHOS CULTIVADOS E HOSPEDEIROS NATURAIS NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL

DETECÇÃO DO VIRUS DA MANCHA BRANCA (WSSV) EM CAMARÕES MARINHOS CULTIVADOS E HOSPEDEIROS NATURAIS NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL 1 DETECÇÃO DO VIRUS DA MANCHA BRANCA (WSSV) EM CAMARÕES MARINHOS CULTIVADOS E HOSPEDEIROS NATURAIS NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL ROBERT LENOCH 1, CAMILA YAMAGUTI LENOCH 1, JONAS CUNHA

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014 Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425 A Importância da Diarréia Epidêmica Suína Novembro, 2014 Grupo: Alexandre Nunes Mendes Bruno Bracco Donatelli Carlos Eduardo Cardoso Consentini

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina Unidade Curricular: Microbiologia Curso Técnico em Biotecnologia

Instituto Federal de Santa Catarina Unidade Curricular: Microbiologia Curso Técnico em Biotecnologia Instituto Federal de Santa Catarina Unidade Curricular: Microbiologia Curso Técnico em Biotecnologia VIROLOGIA Prof. Me Leandro Parussolo Introdução à Virologia Vírus (latim = veneno ); Classe de agentes

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa Reação Ag-Ac in vitro Testes sorológicos Uso de soro ou outros fluidos biológicos de paciente p/ diagnóstico laboratorial Demonstração de anticorpos específicos

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o 1 A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o capsídeo de um vírion é denominado de nucleocapsídeo.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA REPLICAÇÃO VIRAL FABRÍCIO SOUZA CAMPOS* *Dr, MSc, Medico Veterinário

Leia mais

Genética Bacteriana. Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho

Genética Bacteriana. Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Microbiologia, Parasitologia e Imunologia Genética Bacteriana Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho Introdução O DNA existe como uma hélice de

Leia mais

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido ANTICORPOS Anticorpo é uma globulina sintetizada por linfócitos B e principalmente

Leia mais

ESTRUTURA DOS VÍRUSV

ESTRUTURA DOS VÍRUSV Departamento de Microbiologia Disciplina de Virologia Básica ESTRUTURA DOS VÍRUSV Fabrício Souza Campos Mestrando do PPG em Microbiologia Agrícola e do Ambiente Adaptado Prof. Dr. Paulo Roehe EXISTEM VÍRUS

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Vacina para Rotavírus

Vacina para Rotavírus Vacina para Rotavírus Alexander R. Precioso Diretor da Divisão de Ensaios Clínicos e Farmacovigilância Instituto Butantan Pesquisador Instituto da Criança HC / FMUSP Epidemiologia da Infecção por Rotavírus

Leia mais

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos Retrovírus: AIDS Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) Surgimento: -Provável origem durante

Leia mais

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão.

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão. DIAGNÓSTICO SANITÁRIO DO REBANHO: MAIS VANTAGENS COM A MESMA AMOSTRA. A Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH) apresenta a todos os associados, produtores e indústrias

Leia mais

INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL. Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com

INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL. Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com APRESENTAÇÃO Site: virologia UFF http://www.proac.uff.br/virologia/ Livros:

Leia mais

CAPÍTULO 5.1 Otimização de técnica de descontaminação seletiva para isolamento de micobactérias a partir de amostras de cama de suínos

CAPÍTULO 5.1 Otimização de técnica de descontaminação seletiva para isolamento de micobactérias a partir de amostras de cama de suínos CAPÍTULO 5.1 Otimização de técnica de descontaminação seletiva para isolamento de micobactérias a partir de amostras de cama de suínos Virgínia Santiago Silva Beatris Kramer Arlei Coldebella 83 Introdução

Leia mais

Capítulo 10. Enterite por Coronavírus Canino. Veterinary Professional Services. Principais Pontos. Introdução

Capítulo 10. Enterite por Coronavírus Canino. Veterinary Professional Services. Principais Pontos. Introdução Capítulo 1 Enterite por Coronavírus Canino Veterinary Professional Services Mais informações da Merial sobre esse tema Eficácia da Vacina RECOMBITEK com Coronavírus Canino Vivo-modificado. M.C. Pardo e

Leia mais

Diagnóstico Microbiológico

Diagnóstico Microbiológico Diagnóstico Microbiológico Identificação e Tipagem Bacteriana Prof. Vânia Lúcia Diagnóstico clínico Sinais (mensuráveis) e sintomas (subjetivos) Origem Etiologia Natureza Diagnóstico laboratorial Identificação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS - CAV COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE AUJESZKY EM SANTA CATARINA

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

PEDv. Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão. Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD

PEDv. Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão. Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD PEDv Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD Gerente de Serviços Técnicos e Gestão Sanitária Agroceres PIC Agradecimentos pelas informações Dr Albert Rovira,

Leia mais

Vírus - conceito (Enciclopédia Britânica)

Vírus - conceito (Enciclopédia Britânica) Vírus - conceito (Enciclopédia Britânica) Partículas infecciosas de tamanho pequeno e composição simples que multiplicam-se somente em células vivas (animais, plantas, insetos, peixes, bactérias, etc)

Leia mais

GLOSSÁRIO VIROLOGIA VETERINÁRIA

GLOSSÁRIO VIROLOGIA VETERINÁRIA GLOSSÁRIO VIROLOGIA VETERINÁRIA Adjuvante: substância ou formulação utilizada em vacinas não-replicativas para potencializar o efeito imunoestimulante do antígeno. Adsorção: etapa inicial do ciclo replicativo

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

Comunicado Técnico 15

Comunicado Técnico 15 Comunicado Técnico 15 ISSN 2177-854X Agosto. 2011 Uberaba - MG Cuidados sanitários para a estação de monta Responsáveis: Dra. Raquel Abdallah da Rocha Oliveira E-mail: rrabdallah@hotmail.com Pós-doutora

Leia mais

TÍTULO: ESTABELECIMENTO DE METODOLOGIA DE COLETA E PREPARO DE AMOSTRAS DE FEZES PARA IDENTIFICAÇÃO DE ROTAVÍRUS

TÍTULO: ESTABELECIMENTO DE METODOLOGIA DE COLETA E PREPARO DE AMOSTRAS DE FEZES PARA IDENTIFICAÇÃO DE ROTAVÍRUS TÍTULO: ESTABELECIMENTO DE METODOLOGIA DE COLETA E PREPARO DE AMOSTRAS DE FEZES PARA IDENTIFICAÇÃO DE ROTAVÍRUS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Agrárias (CCA) da Universidade Federal da Paraíba, Areia, PB, Brasil;

Agrárias (CCA) da Universidade Federal da Paraíba, Areia, PB, Brasil; 1 MARIA DA CONCEIÇÃO GONÇALVES MACÊDO 1, SEBASTIÃO RODRIGO DE LIMA NASCIMENTO 1, NATAN MEDEIROS GUERRA 2, ANNE CAROLINE CÂMARA DE ALMEIDA 3, LUDMILA DA PAZ GOMES DA SILVA 4. 1 Graduanda (o) em Medicina

Leia mais

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE Rio de Janeiro e Manaus testam para o Ministério da Saúde uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose pulmonar Que novo teste é este? O Xpert MTB/RIF é um método

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DE ESTIRPES DE ROTAVÍRUS EM REBANHOS BOVINOS LEITEIROS E DE CORTE DAS REGIÕES NORDESTE E CENTRO OESTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DE ESTIRPES DE ROTAVÍRUS EM REBANHOS BOVINOS LEITEIROS E DE CORTE DAS REGIÕES NORDESTE E CENTRO OESTE NO ESTADO DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DE ESTIRPES DE ROTAVÍRUS EM REBANHOS BOVINOS LEITEIROS E DE CORTE DAS REGIÕES

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

EPIDEMIOLOGY OF GROUP A ROTAVIRUS DIARRHEA IN THE CONTEXT OF UNIVERSAL MONOVALENT (G1P[8]) VACCINATION IN BRAZIL

EPIDEMIOLOGY OF GROUP A ROTAVIRUS DIARRHEA IN THE CONTEXT OF UNIVERSAL MONOVALENT (G1P[8]) VACCINATION IN BRAZIL EPIDEMIOLOGY OF GROUP A ROTAVIRUS DIARRHEA IN THE CONTEXT OF UNIVERSAL MONOVALENT (G1P[8]) VACCINATION IN BRAZIL Eduardo de Mello Volotão*, Filipe Anibal Carvalho-Costa, Mariela Martínez Gómez, Marcelle

Leia mais

IMPACTO DA VACINAÇÃO CONTRA ROTAVÍRUS NO ATENDIMENTO DE DIARRÉIAS NO MUNICÍPIO DE CURITIBA Autores: Cléa Elisa Lopes Ribeiro, Lílian Yuriko Uratani, Marion Burger, Angela Kikomoto Instituição: Secretaria

Leia mais

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA Profa Francis Moreira Borges As bactérias possuem material genético, o qual é transmitido aos descendentes no momento da divisão celular. Este material genético não está

Leia mais

Em 2000, um total provisório de 86 casos confirmados de sarampo foi notificado ao CDC pelos departamentos de saúde estaduais e locais, representando

Em 2000, um total provisório de 86 casos confirmados de sarampo foi notificado ao CDC pelos departamentos de saúde estaduais e locais, representando Sarampo Estados Unidos, 2000 Em 2000, um total provisório de 86 casos confirmados de sarampo foi notificado ao CDC pelos departamentos de saúde estaduais e locais, representando um registro baixo e um

Leia mais

Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Instituto Carlos Chagas - ICC- Fiocruz - PR

Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Instituto Carlos Chagas - ICC- Fiocruz - PR Itamar Crispim Simpósio Temático - 01/07 e 02/07 Local: Auditório do TECPAR das 8:00 às 18:00 horas 01 de Julho Abertura e Apresentação Institucional Dr. Samuel Goldenberg Doença de Chagas: realidade e

Leia mais

A doença meningocócica na região de Sorocaba, São Paulo, Brasil, no período de 1999 a 2008

A doença meningocócica na região de Sorocaba, São Paulo, Brasil, no período de 1999 a 2008 NOTA RESEARCH NOTE 2397 A doença meningocócica na região de Sorocaba, São Paulo, Brasil, no período de 1999 a 2008 Meningococcal disease in the Sorocaba region, São Paulo State, Brazil, 1999-2008 Miriam

Leia mais

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático)

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) VIRUS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Características: 1. Não têm estrutura celular, mas multiplicam-se»

Leia mais

Capítulo 2. Janice Reis Ciacci Zanella Nelson Morés Rejane Schaefer Paulo Augusto Esteves Liana Brentano

Capítulo 2. Janice Reis Ciacci Zanella Nelson Morés Rejane Schaefer Paulo Augusto Esteves Liana Brentano Capítulo 2 Clonagem, expressão de antígenos recombinantes do vírus da Doença de Aujeszky dos suínos: desenvolvimento e validação de teste de diagnóstico diferencial para monitoria em área livre Janice

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Cinomose Canina e Vacinação: Vantagens do uso das vacinas recombinantes em comparação às convencionais

Cinomose Canina e Vacinação: Vantagens do uso das vacinas recombinantes em comparação às convencionais Cinomose Canina e Vacinação: Vantagens do uso das vacinas recombinantes em comparação às convencionais Ronald D. Schultz, MS, PHD, DACVM Embora já esteja comprovada e bem estabelecida a segurança das vacinas

Leia mais

SOROPREVALÊNCIA DE Borrelia spp. EM EQUINOS DE USO MILITAR DO MUNICÍPIO DE SÃO BORJA, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

SOROPREVALÊNCIA DE Borrelia spp. EM EQUINOS DE USO MILITAR DO MUNICÍPIO DE SÃO BORJA, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SOROPREVALÊNCIA DE Borrelia spp. EM EQUINOS DE USO MILITAR DO MUNICÍPIO DE SÃO BORJA, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SEROPREVALENCE OF Borrelia spp. IN HORSES THE MILITARY USE OF SÃO BORJA COUNTY, STATE OF

Leia mais

DOENÇA DE AUJESZKY: REVISÃO DE LITERATURA

DOENÇA DE AUJESZKY: REVISÃO DE LITERATURA DOENÇA DE AUJESZKY: REVISÃO DE LITERATURA SANTOS, William Ribeiro Martins dos INFORZATO, Guilherme Repas MASSEI, Rafael Alves Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária de Garça / SP, FAMED/ FAEF PICCININ.

Leia mais

1. Programa Sanitário

1. Programa Sanitário Com metodologia baseada nos princípios da Medicina Veterinária Preventiva, este plano de trabalho foi estruturado para a implantação do Monitoramento Sanitário para Tilapicultura. 1. Programa Sanitário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA Modulação de genes e proteínas virais e da via NFκB pelo 17β-estradiol em linhagens celulares infectadas

Leia mais

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente:

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 1 Ano Disciplina: Biologia 1) Com que finalidade se classificam os seres vivos? 2) Considere os seguintes

Leia mais

Monografia do Produto

Monografia do Produto Monografia do Produto 1 2 Sumário INTRODUÇÃO... 4 HISTÓRICO DA DOENÇA POR ROTAVÍRUS... 6 Morfologia... 6 Estrutura...6 Classificação dos sorotipos...7 Transmissão...8 Patogênese...8 Perfil Clínico da Gastrenterite

Leia mais

ATUALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

ATUALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA ATUALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA Daniel Martins do Nascimento 2,3 ; Cristiane Alves Fonseca 1,3 ; Andréia Juliana Leite 1,4 ; 1 Pesquisador Orientador 2 Voluntário Iniciação

Leia mais

Introdução. Herpesvírus felino

Introdução. Herpesvírus felino Infecções de vias respiratórias em gatos herpesvirose e calicivirose Prof. Msc. Alexandre G. T. Daniel Universidade Metodista de São Paulo H.V. Santa Inês São Paulo SP Consultoria e atendimento especializado

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LEISHMANIOSE EM CÃES ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DE ANDRADINA SP

PREVALÊNCIA DE LEISHMANIOSE EM CÃES ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DE ANDRADINA SP 36 CIÊNCIAS AGRÁRIAS TRABALHO ORIGINAL PREVALÊNCIA DE LEISHMANIOSE EM CÃES ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DE ANDRADINA SP PREVALENCE OF LEISHMANIASIS IN DOGS EXAMINED

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos Rio de Janeiro, 21-25 setembro de 2009 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ Construções Mais Comuns

Leia mais

Rubéola. A doença. O vírus

Rubéola. A doença. O vírus A doença A rubéola é uma doença exantemática aguda, de etiologia viral, altamente contagiosa, acometendo principalmente crianças. Seu curso é benigno e a maioria das infecções ocorre de forma subclínica.

Leia mais

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html VÍRUS Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html RESUMO -Os vírus não pertencem a nenhum reino específico, são estudados como um caso à parte. -Os vírus são

Leia mais

Subtipos de HIV-1 no Brasil

Subtipos de HIV-1 no Brasil Subtipos de HIV-1 no Brasil Ester Cerdeira Sabino SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros VERAS, RP., et al., orgs. Epidemiologia: contextos e pluralidade [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ,

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina Uso Veterinário Usar exclusivamente em cães Indicações: É indicado para vacinação de cães de 6 semanas de idade ou mais velhos como prevenção da cinomose canina, da hepatite infecciosa canina (causada

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ Veruska Martins da Rosa

Leia mais

Alguns aspectos da. História da Virologia

Alguns aspectos da. História da Virologia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia (DEMIP) Alguns aspectos da História da Virologia Prof. Paulo Michel Roehe Dr. Fabrício Souza Campos Dr.

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

Antes da descoberta dos sirnas oligonucleotídeos antisenso (ASO) eram usados para silenciar genes

Antes da descoberta dos sirnas oligonucleotídeos antisenso (ASO) eram usados para silenciar genes Antes da descoberta dos sirnas oligonucleotídeos antisenso (ASO) eram usados para silenciar genes Zamecnik PC and Stephenson ML, 1978: oligonucleotídeos como agentes antisenso para inibir replicação viral.

Leia mais

ABORTO POR CLAMIDIAS (ABORTO ENZOÓTICO DE OVELHAS, ABORTO EPIZOÓTICO DE BOVINOS)

ABORTO POR CLAMIDIAS (ABORTO ENZOÓTICO DE OVELHAS, ABORTO EPIZOÓTICO DE BOVINOS) REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE M EDICINA V ETERINÁRIA E Z OOTECNIA DE G ARÇA/FAMED A NO III, NÚMERO, 06, JANEIRO DE 2006.

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Alimentos VE-DTA

Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Alimentos VE-DTA MINISTÉRIO DA SAÚDE - MS SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SVS DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA - DEVIT COORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS - CGDT Vigilância Epidemiológica das Doenças

Leia mais

VÍRUS QUE AFETAM O TRATO RESPIRATÓRIO

VÍRUS QUE AFETAM O TRATO RESPIRATÓRIO Departamento de Microbiologia Disciplina de Virologia Básica VÍRUS QUE AFETAM O TRATO RESPIRATÓRIO Fabrício Souza Campos Mestrando do PPG em Microbiologia Agrícola e do Ambiente Adaptado Prof. Dr. Paulo

Leia mais

VÍRUS. DISCIPLINA: BIOLOGIA http://danutaw.webnode.com.br

VÍRUS. DISCIPLINA: BIOLOGIA http://danutaw.webnode.com.br VÍRUS DISCIPLINA: BIOLOGIA 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS VÍRUS - 20 a 300 nm; Micrômetro Nanômetro UNIDADE REPRESENTAÇÃO / VALOR 1 μm = 0,001 milímetro 1 nm = 0,001 micrômetro - Ácido nucléico + proteína

Leia mais

Arthropod-borne vírus Mosquitos e carrapatos Diferentes famílias de vírus. Togaviridae Bunyaviridae Flaviviridae. Arboviroses

Arthropod-borne vírus Mosquitos e carrapatos Diferentes famílias de vírus. Togaviridae Bunyaviridae Flaviviridae. Arboviroses Arthropod-borne vírus Mosquitos e carrapatos Diferentes famílias de vírus Togaviridae Bunyaviridae Flaviviridae Arboviroses Flaviviridae Flavivirus - único gênero Diversas espécies: f.amarela, dengue vírus

Leia mais

1. Aspectos Epidemiológicos

1. Aspectos Epidemiológicos 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA REPLICAÇÃO VIRAL FABRÍCIO SOUZA CAMPOS* *Dr, MSc, Medico Veterinário

Leia mais

Genética Molecular. Fundamentos Aplicações científicas Biotecnologia

Genética Molecular. Fundamentos Aplicações científicas Biotecnologia Genética Molecular Fundamentos Aplicações científicas Biotecnologia Genética Molecular DNA RNA Proteínas Universo Celular Ciclo celular Ciclo Celular: Mitose Célula animal Núcleo Celular: Cromossomas Cromossoma:

Leia mais

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Características principais Agente etiológico das verrugas (tumores epiteliais benignos) Infectam epitélio de

Leia mais

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue é uma doença endêmica que afeta mais de 100 países, incluindo as regiões de clima tropical e subtropical da África, Américas, Leste do Mediterrâneo,

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Em 08 de agosto de 2014 a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto pela Doença do Vírus Ebola no Oeste da África, uma Emergência

Leia mais

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja SOUZA, R.C. 1 ; SANTOS, M.A. 2 ; HUNGRIA, M. 3 1 Centro Universitário Filadélfia - Unifil, renata@ cnpso.embrapa.br; 2 Escola

Leia mais

Clostridium difficile: quando valorizar?

Clostridium difficile: quando valorizar? Clostridium difficile: quando valorizar? Sofia Bota, Luís Varandas, Maria João Brito, Catarina Gouveia Unidade de Infecciologia do Hospital D. Estefânia, CHLC - EPE Infeção a Clostridium difficile Diarreia

Leia mais

Replicação viral conceitos básicos

Replicação viral conceitos básicos REPLICAÇÃO VIRAL conceitos básicos Replicação - síntese de moléculas de ácido nucléico - processo de multiplicação dos vírus Infecção - (latim infere = penetrar) - processo replicativo viral como um todo

Leia mais

ELEMENTOS CELULARES ENVOLVIDOS NA GENÉTICA BACTERIANA

ELEMENTOS CELULARES ENVOLVIDOS NA GENÉTICA BACTERIANA GENÉTICA BACTERIANA INTRODUÇÃO O DNA existe como uma hélice de fita dupla, mantidas pelo pareamento de bases nitrogenadas específicas (AT; CG). - A seqüência de bases codifica a informação genética; -

Leia mais

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Microbiologia Aula 8 1.

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Microbiologia Aula 8 1. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Microbiologia Aula 8 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Vírus:

Leia mais

Presença do circovírus suíno 2 (PCV2) em sêmen e órgãos de cachaços de Centrais de Inseminação Artificial.

Presença do circovírus suíno 2 (PCV2) em sêmen e órgãos de cachaços de Centrais de Inseminação Artificial. Presença do circovírus suíno 2 (PCV2) em sêmen e órgãos de cachaços de Centrais de Inseminação Artificial. Janice Reis Ciacci Zanella Médica Veterinária, M.Sc., Ph.D. Pesquisador A, Embrapa Suínos e Aves

Leia mais

Mecanismos de Emergência de Patógenos. Rafael Brandão Varella Prof. Adjunto de Virologia Departamento de Microbiologia e Parasitologia UFF

Mecanismos de Emergência de Patógenos. Rafael Brandão Varella Prof. Adjunto de Virologia Departamento de Microbiologia e Parasitologia UFF Mecanismos de Emergência de Patógenos Rafael Brandão Varella Prof. Adjunto de Virologia Departamento de Microbiologia e Parasitologia UFF Conceitos do emergência e reemergência de patógenos; tipos, origens

Leia mais

ST3398. Tecnologista em Saúde Pública. Prova Objetiva e Discursiva. Biologia molecular e diagnóstico de vírus gastroentéricos

ST3398. Tecnologista em Saúde Pública. Prova Objetiva e Discursiva. Biologia molecular e diagnóstico de vírus gastroentéricos Biologia molecular e diagnóstico de vírus gastroentéricos Tecnologista em Saúde Pública Prova Objetiva e Discursiva 01. Em relação às propriedades gerais dos vírus, observe as afirmativas a seguir: I.

Leia mais

Nota Técnica de Caxumba

Nota Técnica de Caxumba Nota Técnica de Caxumba Isabella Ballalai Membro do comitê de Saúde Escolar da SOPERJ e presidente da SBIm Tânia Cristina de M. Barros Petraglia Presidente do comitê de Infectologia da SOPERJ e vice presidente

Leia mais

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS I - INTRODUÇÃO *NOVAS TECNOLOGIAS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO *DECISÃO DIAGNÓSTICA CONFIRMAÇÃO TRATAMENTO MONITORAMENTO PREVENÇÃO

Leia mais

Aspectos Clínicos Relevantes da infecção

Aspectos Clínicos Relevantes da infecção Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis Coordenação de Controle de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar Rotavírus ROTAVÍRUS O VÍRUS

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA UNIDADE PRÉ-REQUISITO CH SEMANAL CH SEMESTRAL TEO PRA TEO PRA 1. Administração Rural EA Economia Rural 2 1 32 16 48

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Agrárias (CCA) da Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Areia, PB, Brasil; Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Areia, PB, Brasil;

Agrárias (CCA) da Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Areia, PB, Brasil; Universidade Federal da Paraíba, UFPB, Areia, PB, Brasil; 1 MARIA DA CONCEIÇÃO GONÇALVES MACÊDO 1, NATAN MEDEIROS GUERRA 2, SEBASTIÃO RODRIGO DE LIMA NASCIMENTO 1, LUDMILA DA PAZ GOMES DA SILVA 3. 1 Graduanda (o) em Medicina Veterinária pelo Centro de Ciências

Leia mais

A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE. Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal.

A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE. Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal. A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal. Desde esta altura que correram mundo, mais de trinta pandemias, causadas por diversos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Genética Bacteriana Disciplina: Microbiologia Geral e Aplicada à Enfermagem Professora:Luciana Debortoli de

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais