ATM - Asynchronous Transfer Mode

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATM - Asynchronous Transfer Mode"

Transcrição

1 ATM - Asynchronous Transfer Mode por Fernando Luís Dotti vide referências bibliográficas para fontes utilizadas nestas transparências 1 Sumário Introdução Nível Físico Nível ATM Serviços em redes ATM Nível AAL Gerência de Tráfego 2 1

2 Introdução - Motivação Comunicação: Rádio rede telefônica cable TV rede de telefonia celular redes de dados --> CUSTOS 3 Introdução - Motivação Comunicação: operadoras mais comuns: companhias de telefonia adaptações da rede telefônica para dados faixa de mercado -> dados --> Rede não apropriada 4 2

3 Introdução - Motivação Custos: Por que não condensar tudo em uma infraestrutura única? --> Integração de Serviços Rede apropriada remodelar 5 Introdução - Motivação ISDN (ou RDSI) Integrated Service Digital Network. ISDN original baseada em redes de telefonia digital - para canais de voz: amostras de 8 bits com freqüência de 8kHz - canais básicos de 64 kbit/s diferentes combinações de canais para diferentes necessidades 6 3

4 Introdução - Motivação B-ISDN (ou RDSI-FL) BroadBand-Integrated Service Digital Network. Tem o objetivo de fornecer de uma forma padronizada serviços como: - vídeo sob demanda - interconexão de LANs - televisão ao vivo - vídeo conferência - telefonia. 7 Introdução - Histórico 1984: Proposta de padronização em telecomunicações - ISDN ISDN = uma rede que provê conectividade digital fim a fim para suportar uma grande variedade de serviços, na qual usuários tem acesso por um conjunto limitado de padrões de interface usuário-rede. B-ISDN = canais de transmissão capazes de suportar altas taxas. CCITT selecionou ATM como o paradigma para o B- ISDN Jun/89: escolhido

5 Introdução - Histórico - ATM Forum (1991) fabricantes de computadores juntaram-se as companhias telefônicas Membros: mais de 700 organizações provedores de equipamentos de rede fabricantes de semicondutores provedores de serviços universidades usuários As especificações são submetidas ao ITU-T para aprovações. Ftp://ftp.atmforum.com/pub/specs 9 Introdução - Problema Tipos de tráfegos a considerar para uma rede integrada: todos! aplicações sensíveis e insensíveis a tempo, vazão e perda de pacotes combinações: sem atraso, perda ok, vazão garantida sem perda, atraso ok, vazão garantida... variedade de dispositivos de comunicação multiserviço - ou multimídia 10 5

6 Introdução - Problema Tráfego elástico: pode ajustar-se, em largos intervalos, a mudanças no atraso e vazão, ainda satisfazendo as necessidades da aplicação Tráfego inelástico: dificilmente se adapta a mudanças de atraso e vazão parâmetros rígidos : vazão, atraso, variança no atraso, perda de pacotes 11 Introdução - Por que ATM? Uma tecnologia surgida de um consenso internacional ATM é um método de comunicação usado para LANs e WANs Acomoda tráfego inelástico (multimídia temporeal) e elástico - uma rede para todo tráfego QoS considerada desde o projeto da rede ATM é disponível sobre várias velocidades compatibilidade com os atuais cabeamentos 12 6

7 Introdução - Por que ATM? capacidade de migração incremental (garantida pelas padronizações) gerenciamento de rede simplificado por usar a mesma tecnologia para todos os níveis da rede em LANs, MAN, WAN public/private) Projeto escalável e flexível em: largura de banda distância geográfica número de usuários 13 ATM 14 7

8 ATM Modo de transferência para implementar B-ISDN Modo de transferência: maneira de transmitir e comutar informação em uma rede Proposta: prover canais de alta velocidade para a transferência de qualquer tipo de informação uso de pequenos pacotes de tamanho fixo, chamados células ATM é um comutador de pacotes de alta velocidade 15 ATM - Arquitetura Plano de Gerenciamento Sub-plano de gerenciamento de camadas Níveis Superiores Nível de Adaptação ou AAL Nível de Rede ATM Nível Físico PM Plano de Controle Plano de Usuário Níveis Superiores dependentes do tipo de Serviço ou Aplicação Subnível AAL de Convergência CS (Convergence Sublayer) Classes que dependem do tipo de Serviço Subnível AAL de Segmentação e Remontagem SAR (Segmentation and Reassembling) Subnível ATM de Canal Virtual, VC (Virtual Channel) Subnível ATM de Rota Virtual, VP (Virtual Path) Subnível de Convergência de Transmissão, TC (Trans. Conv.) Subnível PM Dependente do Meio, PMD (Physical Medium Dependent) 16 8

9 ATM - Arquitetura User Plane Transferência de informações do usuário Control Plane Funções de controle; estabelecer, supervisionar e liberar uma conexão. Management Plane Layer Management gerência de recursos e parâmetros associados aos protocolos das camadas; OAM. Plane Management gerência de funções associadas ao sistema como um todo, proporcionando 17 coordenação entre os planos. ATM - Camada Física Dividida em 2 subcamadas physical medium e transmission convergence Níveis Superiores Plano de Controle Plano de Gerenciamento Sub-plano de gerenciamento de camadas Plano de Usuário Níveis Superiores dependentes do tipo de Serviço ou Aplicação Nível de Adaptação ou AAL Nível de Rede ATM Nível Físico PM Subnível AAL de Convergência CS (Convergence Sublayer) Classes que dependem do tipo de Serviço Subnível AAL de Segmentação e Remontagem SAR (Segmentation and Reassembling) Subnível ATM de Canal Virtual, VC (Virtual Channel) Subnível ATM de Rota Virtual, VP (Virtual Path) Subnível de Convergência de Transmissão, TC (Trans. Conv.) Subnível PM Dependente do Meio, PMD (Physical Medium Dependent) 18 9

10 ATM - Camada Física Dividida em 2 subcamadas physical medium bit timing - geração e recepção de sinal apropriado para o meio de transmissão transmission convergence geração e recuperação de frame delineação de célula geração verificação de HEC desacoplamento de taxa de células - insere células vazias se tráfego não alcança taxa do sistema de transmissão 19 ATM - Camada Física Analogia interface de rede A camada física e de enlace do OSI corresponde a física no ATM 20 10

11 ATM - Camada Física SONET ( Synchronous optical network ) Taxas de transmissão definidas como múltiplos de MB/s (OC-1 channels) Um canal OC-3 é capaz de carregar 3 canais OC-1, ou MB/s. OC-12 = MB/s SDH ( Synchronous Digital Hierarchy ) baseado no SONET canais de MB/s ou MB/s 21 ATM - Camada Física SDH síncrono transferência mesmo sem dados eqtos trocam frames de tamanho fixo em intervalos fixos de tempo SDH a Mbit/s frame de 9 x 270 bytes a 8 khz = Mbit/s úteis: 9 x 260 a 8 khz = Mbit/s 22 11

12 ATM - Camada Física Hierarquia Digital Síncrona SDH/SONET Designação Designação SONET SDH Taxa Taxa útil (ANSI) (ITU-T) [Mbit/s] [Mbit/s] STS-1 (OC-1) - 51,84 50,112 STS-3 (OC-3) STM-1 155,52 150,336 STS-9 (OC-9) STM-3 466,56 451,008 STS-12 (OC-12) STM-4 622,08 601,344 STS-18 (OC-18) STM-6 933,12 902,016 STS-24 (OC-24) STM , ,688 STS-36 (OC-36) STM , ,o32 STS-48 (OC-48) STM , ,376 STS: Sinchronous Transport Signal ANSI: American Nacional Standard Institute STM: Sinchronous Transport Module OC: Optical Carrier 23 ATM - Camada Física 90 bytes 3 bytes 1 byte 87 bytes SOH Section over Head (3 bytes) SPE - Synchronous Payload Envelope Total de 9 bytes LOH Line over Head (6 bytes) H1 H2 H3 POH Path over Head Exemplo de STS 1 (51,84 Mbit/s) 24 12

13 ATM - Camada Física 270 bytes 9 bytes SPE do STS-3 (261 bytes) Total de 9 bytes SOH Section over Head (3 bytes) LOH Line over Head (6 bytes) SPE de STS-1 SPE de STS-1 SPE de STS-1 Exemplo de STS 3 (155,52 Mbit/s) 25 ATM - Camada Física Existem, entretanto, interfaces com taxas abaixo dessas: 100; 51.84; 45; 34; 25.6; 6; 2; 1.5 Mbit/s

14 ATM - Camada ATM Níveis Superiores Nível de Adaptação ou AAL Nível de Rede ATM Nível Físico PM Plano de Controle Plano de Gerenciamento Sub-plano de gerenciamento de camadas Plano de Usuário Níveis Superiores dependentes do tipo de Serviço ou Aplicação Subnível AAL de Convergência CS (Convergence Sublayer) Classes que dependem do tipo de Serviço Subnível AAL de Segmentação e Remontagem SAR (Segmentation and Reassembling) Subnível ATM de Canal Virtual, VC (Virtual Channel) Subnível ATM de Rota Virtual, VP (Virtual Path) Subnível de Convergência de Transmissão, TC (Trans. Conv.) Subnível PM Dependente do Meio, PMD (Physical Medium Dependent) 27 ATM - Camada ATM Tecnologia baseada em comutação ( switched based technology ) O serviço ATM é também chamado cellrelaying A mensagem é segmentada em tamanho fixo de 53 bytes. As células são transmitidas através de conexões de circuitos virtuais; 28 14

15 ATM - Camada ATM Transmissão, chaveamento, recepção controle de congestionamento inserção e retirada de headers das células translação de endereços 29 ATM - Camada ATM Serviço datagrama 30 15

16 ATM - Camada ATM Serviço de circuito virtual usado em ATM 31 ATM - Camada ATM 32 16

17 ATM - Camada ATM Níveis Superiores AAL REDE ATM Protocolo de Adaptação ATM fim a fim Níveis Superiores AAL ATM ATM ATM ATM FISICO FISICO FISICO FISICO Equipamento Terminal (TE) Nó 1 Nó 2 Interface UNI Interface NNI Interface UNI Equipamento Terminal (TE) 33 ATM - Camada ATM Célula pequeno pacote, tamanho fixo circuito virtual estabelecido no início - decisão da rota apenas uma vez atribuição de label uso de label ao invés de endereços - economia chaveamento em alta velocidade 34 17

18 ATM - Camada ATM UNI NNI Tannenbaum:... gfc... bug in the standard ATM - Camada ATM 1 Canal 2 Canal... Canal n 1 Canal 2 Canal... Síncrono 1 Canal 5 Canal usado Não 1 Canal 7 Canal 5 Canal... Assíncrono 36 18

19 ATM - Camada ATM Campos do cabeçalho ATM GFC Generic Flow Control. 4 bits. Usado pelo mecanismo de controle de fluxo na UNI. É um bug no padrão [TAN97, p. 515]; O controle de fluxo não existe, raramente usado [HAN97, p. 88]. VPI Virtual Path Identifier. 8 bits. Usado para direcionar células dentro da rede ATM (roteamento). VCI Virtual Channel Identifier. 16 bits. Mesma função da anterior. 37 ATM - Camada ATM Campos do cabeçalho ATM PT Payload Type. 3 bits. Tipo de dados sendo carregado pelas células. Separa dados de controle e sinalização, dos dados do usuário. Usado para manutenção de um circuito virtual (ou funções de adaptações de serviço). O tipo de célula é fornecido pelo usuário, e as informações sobre o congestionamento são fornecidas pela rede. Ex.: uma célula enviada com o PTI 000 pode chegar com 010 em caso de ocorrência de situação de congestionamento ao longo do caminho

20 ATM - Camada ATM Codificação do Payload Type Identifier- PTI (3bits) PTI Tipo de Célula Significado 000 Célula não experimentou Célula continuação de uma SAR-SDU 001 Célula de congestionamento Última Célula de uma SAR-SDU 010 Usuário Célula experimentou Célula continuação de uma SAR-SDU 011 congestionamento Última Célula de uma SAR-SDU 100 Células OAM Célula OAM associada ao fluxo F5 (nível de segmento de VCC ) 101 Operation Administration & Maintenance Célula OAM associada ao fluxo F5 (fim a fim de uma VCC) 110 Célula RM Resource Management 111 Reservado Uso futuro Célula com informação de gerenciamento de recursos ( Ex. banda a nível de enlace ou, no serviço ABT - ATM Block Transfer, como delimitador de bloco) 39 ATM - Camada ATM Campos do cabeçalho ATM CLP Cell Loss Priority. 1 bit. Se = 1 a célula tem baixa prioridade. Se = 0, tem alta prioridade e é menos provável para ser descartada. HEC Header Error Correction. 8 bits. Checksum para os 4 octetos do cabeçalho. É processado na camada física

21 ATM - Camada ATM Abstrações Caminhos virtuais Canais virtuais Links Conexões 41 ATM - Camada ATM Terminologia na Conexão de uma Rota Virtual/Canal Virtual Canal Virtual VC Virtual Channel Termo genérico para descrever o transporte unidirecional de células ATM associado a um único identificador VC (VCI) VCI Virtual Channel Identifier Identificador de um determinado enlace VC para um dado VP VCL Virtual Channel Link Enlace formado desde um ponto de designação VCC Virtual Channel Connection VCI até um ponto onde este VCI é traduzido Concatenação de diversos VCLs entre dois pontos que podem ser usuário/usuário, usuário/rede ou rede/rede 42 21

22 ATM - Camada ATM Rota Virtual VP Virtual Path Termo genérico para descrever o transporte unidirecional de células ATM em VCs associados a um único identificador VP (VPI) VPI Virtual Path Identifier Identifica um enlace particular VP VPL Virtual Path Link Um grupo de enlaces VCs, identificado por um VPI, desde o ponto de designação até o ponto de tradução deste VPI. VPC Virtual Path Connection Concatenação de VPLs que se estende desde o ponto de designação dos VCIs até o ponto onde são traduzidos ou removidos. VPCs podem se estender entre usuário/usuário, usuário/rede ou rede/rede. 43 ATM - Camada ATM 44 22

23 ATM - Camada ATM A VCC 2 VCC 1 VPC a VC Switch A VPC c VP Switch (Cross Connect) VPC e VC Switch B B VPL w (VPI k) e VCL r (VCI 1) VPC d VCC 3 C VCC 4 VPC b VPL x (VPI l) e VCL s (VCI f) VPL y (VPI m) e VCL t (VCI g) VPC c VPC d VPC e VPC f VCC 3 X VCC x VPC g Y VC Switch C VCC y VPL z (VPI n ) e VCL u (VCI h) Z VCC 2 45 ATM - Camada ATM VP Switch VC Switch Porta Porta Porta Porta 46 23

24 ATM - Camada ATM Resumindo VPI e VCI - [HAN97, p. 91] O VPI é usado para distinguir diferentes links VP que são multiplexados na camada ATM dentro do mesma camada física numa interface. Diferentes links VC dentro de um VPC são identificados pelos seus VCIs individuais Dois VCs pertencentes a diferentes VPs na mesma interface podem ter valores VCIs idênticos. Conseqüentemente VCI e VPI são necessários para identificar corretamente um VC. 47 ATM - Camada ATM Canais comutados (SVC switched virtual channel), alocados conforme a demanda (ex.: chamadas telefônicas) Canais permanentes (PVC Permanent Virtual Channel), em geral alocados por uma entidade administrativa de forma estática; permanecem conectados por meses ou anos 48 24

25 ATM - Camada ATM assegura que a célula seja enviada sobre a conexão correta (chaveamento em função dos identificadores de conexão) equivale a camada de rede (entretanto, muitas instalações usam a camada ATM como de enlace, porque o IP vai em cima dela) monitora a taxa de transmissão garante cell sequence integrity 49 ATM - Camada ATM trata do formato da célula e conexões fim a fim multiplexação/desmultiplexação de células; Tradução de VPI/VCI da célula - é executado nos switches ATM; adiciona/remove os 5 bytes de cabeçalho para a carga útil; responsável pelo endereçamento global; Endereço tem 20 bytes (ex.: autoridade adm., país, nº ISDN, nº único) 50 25

26 ATM - Camada ATM OAM - Operation And Maintenance usa fluxos de células: fluxos F1 a F5 fluxos F1 a F3 para o nível físico de ATM fluxos F4 e F5 para a camada ATM F4 e F5: monitora desempenho: monitoração contínua ou periódica detecta/localiza falhas: monitoração contínua ou periódica proteção de sistema: reação à falha, bloqueando sistema ou chaveando para sistema reserva informação sobre desempenho ou falha: resposta a pedidos de informação 51 ATM - Camada ATM Tipos de Fluxos OAM OAM Conexão de Canal Virtual Nível ATM F5 Conexão de Rota Virtual F4 Conexão de Rota de Transmissão Nível Físico F3 Conexão de Linha Digital Secção entre Regeneradores F2 F1 Ponto de Terminação de Conexão Ponto de Concatenação de Conexão Concatenação 52 26

27 ATM - Camada ATM VPI qualquer OAM VPI qualquer VCI Tipo de OAM VCI H E C PTI VCI Tipo de Função 360 bits Campo específico de Função x Cabeçalho Payload Type Identifier (PTI, 3 bits) 0 x 0 Fluxo OAM tipo F4, de segmento* 0 x 0 Fluxo OAM tipo F4, fim a fim** Fluxo OAM tipo F5, de segmento*** Fluxo OAM tipo F4, fim a fim*** Payload 48 bytes * VCI deve ser igual a : (3) ** VCI deve ser igual a : (4) *** VCI qualquer x : Indica bit disponível para o protocolo 6 bits reservados CRC de 10 bits 53 ATM - Camada ATM OAM Tipo de Célula OAM (4bits) Valor dos 4 bits Tipo de função OAM (4bits) Valor dos 4 bits Gerenciamento de 0001 Sinal de Indicação de Alarme 0000 Falhas Falha de recepção remota 0001 Loopback de células OAM 0010 Teste de continuidade 0100 Gerenciamento 0010 Monitoramento de ida 0000 de Performance Monitoramento de volta 0001 Monitoramento/Relatório 0010 Ativação/Desativação 1000 Monitoramento de Performance 0000 Verificação de continuidade

28 ATM - Camada ATM Sinalização - capacidades de Sinalização são usadas para: estabelecer, manter e liberar ATM VCCs e VPCs para transferência de informação. negociar (ou renegociar) as características de tráfego de uma conexão. Logicamente separar canais de sinalização de canais de usuário (VC) Mensagens de sinalização serão transmitidas fora de banda em signaling virtual channels (SVCs) dedicados 55 ATM - Camada ATM Estabelecimento de conexão protocolo Q ITU - control plane metasinalização: VP 0, VC 5 uma vez estabelecido o SVC: uso de mensagens mensagens: setup call proceeding connect connect ack release release completed 56 28

29 ATM - Camada ATM Estabelecimento de conexão Source host setup Call proceeding connect Connect ack Switch 1 Switch 2 Switch 3 setup Call proceeding connect Connect ack setup Call proceeding connect Connect ack setup connect Connect ack destination host release Release completed release Release completed release Release completed release Release completed 57 ATM - Camada ATM Estabelecimento de conexão (resumo [TAN, p. 452]) a) o host envia uma mensagem em um circuito virtual especial. b) a rede responde, confirmando o recebimento c) solicitação chega ao host destino, que aceita a chamada recebida Até que a aceitação (CONNECT) chegue a origem, todos os comutadores confirmam em direção ao destino. A conexão permite que a rede garanta a QoS por limitar o número de VCs - controle de admissão Multicast (ADD PARTY): anexa um outro destino ao circuito virtual retornado pela chamada anterior (grupo de multicast)

30 GERENCIAMENTO de CAMADAS Serviços de Gerenciamento de Camadas (Protocolos de Nível Superior) ATM - Camada ATM Interações Locais Funções de Gerenciamento de VC de segmento (Fluxo OAM F5) Funções de Gerenciamento de VC fim a fim (Fluxo OAM F5) Funções de Gerenciamento de Recursos (Fluxo RM) Funções de Gerenciamento de VP de segmento (Fluxo OAM F4) Funções de Gerenciamento de VP fim a fim (Fluxo OAM F4) Funções de Sinalização (Metasinalização MS) SAPs PLANO de CONTROLE Serviços de Sinalização (Protocolos de Nível Superior) Conexões do tipo B Conexões do tipo A Codificação por PTI PLANO de USUÁRIO Serviços de Usuário (Protocolos de Nível Superior) SAPs e CEPs ATM Codificação por VCI e VPI VCCs Serviço 1 Serviço 2 VCI e VPI ENTIDADE ATM Funções de Gerenciamento de Rota Física (Fluxo F3) PHY SAP e CEP Ponto Final Rota de TransmissÃo Rota de Transmissão Funções de Gerenciamento de Linha Física (Fluxo F2) Funções de Gerenciamento de Seção de Regeneração (Fluxo F1) Ponto final de Seção Digital Linha Digital Seção de Regeneração Ponto final Seção de Regeneração Enlace de Fibra Ótica 59 ATM - Camada ATM Multiplexação ATM e causas do CDV Conexão A AAL 1 Conexão B AAL 1 VBR 48 bytes 48 bytes 48 bytes Conexão C AAL 5 Nível AAL A A A A B Célula OAM B Nível ATM C C C Célula RM B C C Nível Físico A C C B C C C A A B B Célula Célula Redundância do Nível Físico RM OAM A Célula Idle 60 30

31 ATM - Camada ATM Diferentes serviços convergem para conexões virtuais distintas em um mesmo meio físico Taxa Taxa Taxa Taxa Tempo Tempo Tempo Tempo CBR Canal virtual com taxa de bit constante (baixa) CBR Canal virtual com taxa de bit constante (alta) VBR Canal Virtual com taxa de bit varável ABR Canal virtual com taxa de bit em rajada (Avaiable Bit Rate) Nível AAL segmentação e remontagem MUX Nível ATM multiplexação e rede de transporte Célula ATM Nível Físico STM Sinchronous Transfer Mode (SDH/SONET) 61 ATM - Caracterização de Serviços Diferentes serviços - diferentes características de tráfego - conexões com diferentes requisitos Parâmetros de Qualidade de Serviço QoS-NP (network parameters) parâmetros de desempenho requeridos da rede Um conjunto de destes parâmetros forma um Descritor de Qualidade de Serviço Parâmetros fixos da rede - não negociáveis QoS-UP (user parameters) parâmetros relacionados com a carga a ser oferecida pela fonte Um conjunto de destes parâmetros forma um Descritor de Tráfego da Fonte 62 31

32 ATM - Caracterização de Serviços Parâmetros de QoS da rede (NP-Network Parameters) QoS refere-se a uma coleção de parâmetros de desempenho, cujos valores são pertinentes a velocidade ou características de precisão/confiabilidade da conexão ATM. parâmetros de controle de chamada atraso de conexão, atraso de desconexão, probabilidade de aceitação da conexão parâmetros associados à transferência da informação negociados com a rede no momento da abertura da conexão 63 ATM - Caracterização de Serviços Parâmetros da fase de transferência QoS-NP: descrevem as características da rede e são medidas no receptor (3) Cell Loss Ratio (CLR) O percentual de células perdidas. CLR = Lost Cells / Transmitted Cells. Cell Transfer Delay (CTD) tempo médio de transição da origem para destino. Inclui atrasos de propagação, atraso de fila em vários switches intermediários. Cell Delay Variation (CDV) mede a uniformidade com que as células são entregues. É a medida de variância de CTD

33 ATM - Caracterização de Serviços Parâmetros da fase de transferência Parâmetros fixos da rede - não negociáveis Cell Error Rate (CER) fração de células chegando com bits errados Severely Errored Cell Block Ratio (SECBR) em bloco de N células M chegam com erro - fração M/N Cell Missinsertion Rate (CMR) células entregues a destino errado devido a erro não detectado no cabeçalho 65 ATM - Caracterização de Serviços QoS-UP - user parameters parâmetros que rede exige contrapartida do usuário - comportamento do usuário Peak Cell Rate (PCR) taxa instantânea máxima de um usuário Cell Delay Variation Tolerance (CDVT) tolerância máxima do CDV durante rajada Sustainable Cell Rate (SCR) taxa média de células em um intervalo de tempo grande Maximum Burst Size (MBS) numero máximo de células que podem ser enviadas em PCR, ponta a ponta, sem violar SCR Burst Tolerance (BT) tamanho máximo da rajada de células enviadas em PCR Minimum Cell Rate (MCR) taxa mínima desejada 66 33

34 ATM - Caracterização de Serviços TIPO DE PARÂMETRO DE QoS Abreviatura Significado Observação PCR Peak Cell Ratio Taxa máxima que usuário pretende transmitir células MBS (ou CBS) Maximum Burst Size (Cell Burst Size) Número máximo de células que podem ser enviadas, ponta a ponta, na taxa de pico PCR QoS-UP Descritor de tráfego CDVT Cell Delay Variation Especifica quanto de variação pode ser tolerado pela rede na Parâmetros relacionados com a Tolerance chegada das células durante uma rajada (PCR) carga a ser oferecida pelo usuário SCR Sustainable Cell Rate Limite superior da taxa média de células medido sobre um (Rule based Parameters) intervalo de tempo grande BT Burst Tolerance Tamanho máximo de rajada que pode ser transmitida na taxa de pico (função de PCR, SCR e MBS) MCR Minimum Cell Rate É a taxa mínima de células por segundo que o usuário considera aceitável CTD Cell Transfer Delay Atraso médio entre fonte e destino (ver figura 3.1) QoS-NP Descritor de qualidade de serviço CDV Cell Delay Variation Medida da uniformidade de chegada das células (ver figura 3.1) Parâmetros de desempenho da rede (Statistical parameters) CLR Cell Loss Ratio Fração de células que não chegaram para o total de células enviadas CER Cell Error Rate Fração de células que chegam com um ou mais bits errados PARÂMETROS FIXOS em relação ao total enviado. DA REDE SECBR Severely Errored Cell É a fração de um bloco de N células das quais M ou mais (não negociáveis) Block Ratio células estão com erro. (fração = M/N) CMR Cell Missinsertion Número de células/s que são entregues a um destino 67 errado, Rate devido a erro de cabeçalho não detectado. ATM - Caracterização de Serviços QoS-NP - CLR, CTD, CDV CLR = Lost Cells / Transmitted Cells Células perdidas, incluindo: células que não chegaram - razão: transbordo de buffers no caminho células recebidas, mas com cabeçalho inválido células com conteúdo corrompido por erros células transmitidas: número de células conformes - de acordo com descritor de tráfego 68 34

35 ATM - Caracterização de Serviços QoS-NP - CLR, CTD, CDV tempo médio de transição da origem para destino. Incluindo: parte fixa: atrasos de propagação parte variável: atraso de fila em vários switches intermediários QoS-NP - CLR, CTD, CDV mede a uniformidade com que as células são entregues. É a medida de variância de CTD. 69 ATM - Caracterização de Serviços QoS-NP - CLR, CTD, CDV função densidade de probabilidade do tempo de chegada de células maxctd leva a um α=probabilidade de perda Probabilidade de Chegada P(atraso <= maxctd) P(atraso > maxctd) 1 - a Células entregues a Células perdidas ou entregues muito tarde Mínimo atraso fixo CTD CDV maxctd CDV: Cell Delay Variation CTD: Cell Transfer Delay a é a probabilidade de que células excedam o valor máximo de atraso Tempo de Transferência 70 35

36 ATM - Caracterização de Serviços QoS-UP - PCR, CDVT, SCR, MBS, BT, MCR PCR: taxa máxima que usuário pretende/pode transmitir especificado em células por segundo inverso (1/PCR) = intervalo teórico mínimo entre chegadas de células de uma conexão CDVT: parâmetro levado em consideração na verificação de conformidade de tráfego, devido à inserção de CDV, durante PCR P(2) P(2) d Diferença < CDVT Legenda: P = 1/PCR MBS: Maximum Burst Size d: unidade tempo (tempo de inserção de célula) célula 71 ATM - Caracterização de Serviços QoS-UP - PCR, CDVT, SCR, MBS, BT, MCR rajada(burst): envio de MBS células à taxa PCR ao longo do tempo, rajadas tem que respeitar SCR, logo, se faz necessário um espaçamento entre rajadas o cálculo deste espaçamento considera BT Exemplo: MBS (4) P (2) d?? Legenda: P = 1/PCR MBS: Maximum Burst Size S = 1/SCR d: unidade tempo (tempo de inserção de célula) célula 72 36

37 ATM - Caracterização de Serviços QoS-UP - PCR, CDVT, SCR, MBS, BT, MCR MBS x S = tempo necessário para mandar MBS células em SCR = intervalo de tempo, desde o início da última rajada, para o início da próxima rajada (4x5 = 20) MBS (4) S=5 P (2) d?? Legenda: P = 1/PCR MBS: Maximum Burst Size S = 1/SCR d: unidade tempo (tempo de inserção de célula) célula 73 ATM - Caracterização de Serviços QoS-UP - PCR, CDVT, SCR, MBS, BT, MCR quanto esperar a partir do início da última célula da rajada? BT+S BT=(MBS-1)(S-P) P (2) MBS (4) d BT (9) S (5) Tempo entre duas rajadas consecutivas aceitável (S+BT) Legenda: P = 1/PCR MBS: Maximum Burst Size S = 1/SCR d: unidade tempo (tempo de inserção de célula) BT: Burst Tolerance) célula 74 37

38 ATM - Caracterização de Serviços Categorias de serviços definidas pelo ATM Forum real time services constant bit rate (CBR) variable bit rate (rt-vbr) non real time variable bit rate (nrt-vbr) available bit rate (ABR) unspecified bit rate (UBR) 75 ATM - Caracterização de Serviços constant bit rate (CBR) real time aplicação requer taxa fixa e contínua de vazão atraso máximo limitado comum para : áudio e vídeo não comprimidos 76 38

39 ATM - Caracterização de Serviços variable bit rate (rt-vbr) real time mesmos requisitos de aplicações que CBR só que com taxas variáveis bursts - variações bruscas, picos exemplo: vídeos comprimidos permite maior flexibilidade que CBR a rede pode estatisticamente multiplexar maior número de conexões sobre mesma capacidade e ainda manter a qualidade 77 ATM - Caracterização de Serviços variable bit rate (nrt-vbr) para aplicações non real time melhorar qualidade em termos de perdas e atraso especifica: taxa de pico, taxa média e um parâmetro indicando o tipo de burst que pode ocorrer rede pode alocar recursos para diminuir atraso e perdas pode ser usado para aplicações com requisitos temporais (apesar de nrt) 78 39

40 ATM - Caracterização de Serviços unspecified bit rate (UBR) rede usada por tráfegos CBR e os dois tipos de VBR resto: capacidade total não usada variação do VBR indica que em determinados momentos a rede não usa toda capacidade esta capacidade pode ser disponibilizada para serviços UBR serviços que toleram variações de atraso e algumas perdas (tráfego TCP) não há comprometimento da rede - best effort service 79 ATM - Caracterização de Serviços available bit rate (ABR) melhoria do UBR especificação de taxa de pico (peak cell rate - PCR) e de taxa mínima (minimum cell rate - MCR) capacidade não usada pode ser usada por UBR 80 40

41 ATM - Caracterização de Serviços SERVIÇOfi PARAM.fl CLR Cell Loss Rate CBR constant bit rate VBR variable bit rate (real-time) especificado VBR variable bit rate (non-real-time) ABR Avaiable bit rate UBR Unspecified bit rate não especificado QoS NP QoS UP CTD Cell Transfer Delay CDV Cell Delay Variation TD Traffic Descriptors FC Flow Control (congestion) PCR/CDVT especificado especificado PCR/CDVT SCR/BT não especificado PCR/CDVT MCR/ACR não especificado PCR/CDVT não sim não LEGENDA: PCR: Peak Cell Rate BT: Burst Tolerance CDVT: Cell Delay Variation Tolerance MCR: Minimum Cell Rate SCR: Susteinable Cell Rate ACR: Allowed Cell Rate 81 ATM - Caracterização de Serviços Categorias de serviços definidas pelo ATM Forum Célula ATM 82 41

42 ATM - Controle de Tráfego 83 ATM - Controle de Tráfego Seja: R: taxa em Mbit/s P: tempo de propagação em ms L: comprimento dos dados (pacotes ou células) a=p.r/l ou seja, o número de células que estão na tubulação, desde a fonte até o destino, em um dado instante Temos: variação do fator a em relação a diversas arquiteturas de redes [STA 95] Rede Meio Dist. [km] P [ms] T [Mbit/s] L [bit] LAN Ethernet Par de fios 2,5 0, ,01 Rede de Pacotes X.25 B ,55 0, ,08 Frame Relay E ,55 2, ,17 Anel de fibra - FDDI Fibra 50 0, ,43 Rede MAN - DQDB CATV 200 1, ,1 ATM STM , ,7 ATM STM , ,0 a 84 42

43 ATM - Controle de Tráfego Assim: técnicas de controle utilizadas em outras redes não são válidas para redes ATM de longa distância Realimentação lenta - tempo de inserção reduzido, comparado a tempo de propagação Ainda: maioria dos tráfegos não são receptivos a ctle. fluxo - como dizer p/ fonte de vídeo enviar com menor taxa? aplicações muito diversas - esquemas simples de controle penalizam algum extremo 85 ATM - Controle de Tráfego Estratégia de controle de tráfego dimensão temporal longo termo: gerenciamento de recursos tempo de duração de conexão: Controle de Admissão de Conexão tempo de propagação ida/volta: gerência/aloc. rápida de recursos tempo de inserção de células: Usage Parameter Control (UPC) e Controle de Prioridade (CLP) dimensão espacial Fonte de Tráfego Traffic Shaper Interface UNI UPC-Usage Parameter Control Switch ATM Scheduler Interface NNI Switch ATM (EFCI) Explicit Congestion Indication Scheduler Destino Domínio de Usuário Domínio de Rede 86 43

Controle de Tráfego e. Introdução. Controle de Congestionamento. Objetivos. Objetivos. Funções Genéricas CAC

Controle de Tráfego e. Introdução. Controle de Congestionamento. Objetivos. Objetivos. Funções Genéricas CAC e Controle de guelfi@lsi.usp.br kiatake@lsi.usp.br NSRAV - Núcleo de Segurança e Redes de Alta Velocidade Introdução Controle de tráfego e controle de congestionamento são termos que descrevem diferentes

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Universidade do Minho Escola de Engenharia Departamento de Electrónica Industrial Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Gestão de Tráfego e Qualidade de

Leia mais

RCO2. WAN: Frame Relay ATM

RCO2. WAN: Frame Relay ATM RCO2 WAN: Frame Relay ATM 1 WAN WAN: Wide Area Network Cobrem longas distâncias Conectividade provida por operadoras de serviço, cuja infraestrutura é compartilhada pelos clientes; cobrança por largura

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Orientado à conexão Modo assíncrono* Comutação por Células ATM Aplicações que requerem classes de qualidade de serviço diferenciadas Pacotes de tamanho fixo

Leia mais

10. Gestão de Tráfego e QoS ATM. - Parâmetros de desempenho ATM

10. Gestão de Tráfego e QoS ATM. - Parâmetros de desempenho ATM 10. Gestão de Tráfego e QoS ATM - Definições: Célula bem sucedida na entrega Célula errada: célula bem sucedida na entrega ao destinatário correcto, mas com erros. Célula perdida: devido a sobrecarga nos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE.

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. 1. INTRODUÇÃO AO ATM O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. O Protocolo ATM vem se tornando a cada dia que passa o mas importante no meio das Telecomunicações Mundiais. Tudo leva a crer que desempenhará

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Universidade do Minho Escola de Engenharia Departamento de Electrónica Industrial Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Princípios Básicos Mestrado Integrado

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 3 - REDES PARA INFORMÁTICA 1. INTRODUÇÃO Muito se falou sobre telecomunicações aplicadas as diversas áreas da comunicação. Todas as áreas de uma forma ou de outra são dependentes da computação/informática

Leia mais

Estrutura do Trabalho. Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro

Estrutura do Trabalho. Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro Redes ATM Estrutura do Trabalho Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro Conceito O Modo de Transferência Assíncrono(ATM) é

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 8 Redes ATM Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral A RDSI-FE (Rede Digital de Serviços Faixa Estreita) apareceu como uma evolução das tradicionais redes telefônicas, para redes de tecnologia

Leia mais

Tópicos. Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células. Interfaces. Características ATM. LANs Virtuais. Categorias de Serviço.

Tópicos. Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células. Interfaces. Características ATM. LANs Virtuais. Categorias de Serviço. Redes ATM Tópicos Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células Interfaces Características ATM LANs Virtuais Categorias de Serviço LAN Emulation Introdução a ATM ATM = Asynchronous Transfer Mode

Leia mais

Capítulo III - QoS em Redes ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo III - QoS em Redes ATM. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo III - QoS em Redes ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Introdução O ATM é uma tecnologia para rede multiserviço. O ATM define classes de serviço que contemplam as aplicações atuais e aplicações futuras.

Leia mais

REDES MULTIMÍDIA (ATM) OBJETIVOS

REDES MULTIMÍDIA (ATM) OBJETIVOS REDES MULTIMÍDIA (ATM) Carlos Roberto OBJETIVOS Mostrar a evolução das Redes de Comunicações Definir Rede com Integração de Serviços: RDSI- FE e RDSI-FL Entender a tecnologia ATM: conceito, princípio de

Leia mais

O nível Rede nas redes ATM

O nível Rede nas redes ATM O nível Rede nas redes ATM Introdução Características do nível Rede nas redes ATM Formato das células Gestão de ligações Formato dos endereços Encaminhamento Comutação Categorias de serviço Qualidade de

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

2. PROTOCOLOS DE ACESSO

2. PROTOCOLOS DE ACESSO TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 03 ObjetivodaAula 2. PROTOCOLOS DE ACESSO 2.1 HDLC (High Level Data Link Control) 2.2 SLIP (Serial Line Internet Protocol)

Leia mais

Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV

Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV Tutorial ATM Prof. Nilton Alves Objetivos e Público Alvo Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ PROTOCOLO ATM Asynchronous Transfer Mode Elton Coelho A. Gonçalves - 201301730432 Henry R. X. de andrade - 201201538106 Marvin Thomaz do Nascimento - 201301507271 Rafael Albino

Leia mais

Interconexão ATM x Frame relay. Prof. José Marcos C. Brito

Interconexão ATM x Frame relay. Prof. José Marcos C. Brito Interconexão x Frame relay Prof. José Marcos C. Brito 1 Formas de interconexão Interoperação direta entre redes distintas Possível quando os protocolos possuem semânticas semelhantes Acesso a um protocolo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Circuitos virtuais, frame relay,tm e MPLS (redes WN) ula 4! Comunicação entre dois dispositivos exige um meio Enlaces ponto-a-ponto ou

Leia mais

REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO

REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO Flávia Oliveira Santos de Sá Lisboa* Introdução O desenvolvimento da tecnologia ATM (Asynchronous Transfer Mode) tinha como principais objetivos integrar em uma única rede

Leia mais

TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações

TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações Unidade IV Controle de Congestionamento TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações 204 Tópicos Introdução QoS QoS e Controle de Congestionamento Formatação de Tráfego Gerenciamento de Buffer Descarte

Leia mais

Sistemas de Telecomunicações II. Modo de Transferência Assíncrono

Sistemas de Telecomunicações II. Modo de Transferência Assíncrono Sistemas de Telecomunicações II Sistemas de Telecomunicações II - 2.1 Modelo de Referência Protocolar - Plano de Utilizador - Plano de Controlo - Plano de Gestão Funções das Camada - Física, ATM e Adaptação.

Leia mais

5. Camada ATM (I.361)

5. Camada ATM (I.361) 5. Camada ATM (I.361) 5.1 Estrutura da célula Bits8 7 6 5 4 3 2 1 Cabeçalho (5 octetos) Campo de informação (48 octetos) 1... 5 6..... 53 octetos - Os octetos são enviados por ordem crescente começando

Leia mais

1. ATM - Introdução. Redes de computadores e TCP/IP. Especialização em Redes de Computadores e Internet

1. ATM - Introdução. Redes de computadores e TCP/IP. Especialização em Redes de Computadores e Internet 1. - Introdução Redes de computadores e TCP/IP O (Asynchronous Transfer Mode) é uma tecnologia de rede em nível de enlace e físico 1 do modelo OSI (Open Systems Interconnection), baseada na transmissão

Leia mais

6.4 Tecnologias de Redes Alargadas

6.4 Tecnologias de Redes Alargadas Capítulo 6.4 6.4 Tecnologias de Redes Alargadas 1 Tecnologias de redes alargadas X.25 Frame Relay ATM 2 1 X.25 3 X.25 Tecnologia base das primeiras redes públicas de comutação de pacotes (ex. Telepac em

Leia mais

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Introdução ao Frame Relay Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Objetivo Prover o usuário com uma rede privativa virtual (VPN) capaz de suportar aplicações que requeiram altas taxas de transmissão

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Pesquisa sobre Redes ATM Sem Fio

Pesquisa sobre Redes ATM Sem Fio 1 Faculdade Lourenço Filho Curso Tecnológico Redes de Computadores Disciplina: Redes de Alta Velocidade Prof. Rafael Guimarães Pesquisa sobre Redes ATM Sem Fio Antônio Edipo Moliterne de Lima Ariolino

Leia mais

Voz sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Voz sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito Voz sobre ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Camada de adaptação Voz não comprimida (CBR) AAL 1 Voz comprimida (VBR) AAL 2 Para transmissão de voz sobre a rede ATM podemos utilizar a camada de adaptação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do protocolo ATM, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do protocolo ATM, suas características e aplicações. Asynchronous Transfer Mode (ATM) Este tutorial apresenta os conceitos básicos do protocolo ATM, suas características e aplicações. Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79), tendo atuado nas áreas

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 4 Comutação Tecnologias Atuais de Redes - VPN 1 Conteúdo Comutação de Circuitos Comutação de Mensagens Comutação de Pacotes Redes Orientadas a Conexões Tecnologias Atuais

Leia mais

Redes de Alta Velocidade e as Aplicações Multimídia

Redes de Alta Velocidade e as Aplicações Multimídia Redes de Alta Velocidade e as Aplicações Multimídia Autora: Regina Melo Silveira. e-mail: regina@larc.usp.br Neste pequeno tutorial é feita uma descrição da evolução e da situação atual das redes de alta

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com ARQUITETURA ISDN (Integrated Services Digital Network)

Leia mais

Cliente/Servidor. Aplicações Cliente/Servidor em Redes de Alta Velocidade Autora: Graça Bressan/LARC 2000 GB/LARC/PCS/EPUSP

Cliente/Servidor. Aplicações Cliente/Servidor em Redes de Alta Velocidade Autora: Graça Bressan/LARC 2000 GB/LARC/PCS/EPUSP Cliente/Servidor Aplicações Cliente/Servidor em Redes de Alta Velocidade Autora: Graça Bressan Graça Bressan/LARC 1998 GB/LARC/PCS/EPUSP CS 11-1 Evolução das Tecnologias Computação Redes de comunicação

Leia mais

Introdução às Redes ATM

Introdução às Redes ATM Introdução às Redes ATM Profs. Eleri Cardozo & Mauricio Magalhães DCA/FEEC/UNICAMP Introdução às Redes ATM - Profs. Eleri Cardozo & Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP. 1 Princípios do ATM Princípios

Leia mais

Suporte de rede para comunicação multimídia

Suporte de rede para comunicação multimídia Universidade Federal de São Carlos UFSCar Departamento de Computação DC Grupo de Sistemas Distribuídos e Redes GSDR Disciplina: Estrutura de Aplicações Distribuídas e Multimídia Orientador: Dr. Sérgio

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Hierarquia Digital Plesiócrona (PHD) REDES DE TELECOMUNICAÇÕES SDH (Synchronous Digital Hierarchy) Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 1 Redes de Telecomunicações Hierarquia Digital

Leia mais

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS. Década de 90 Uma instrução a cada 1 ns

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS. Década de 90 Uma instrução a cada 1 ns REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS Década de 70 - Uma instrução a cada 100 ns Década de 90 Uma instrução a cada 1 ns Melhoria de 100 vezes Em 20 anos. Década de 70 56 kbps da ARPANET Melhoria de 10.000 Década

Leia mais

Devido ao crescimento explosivo da disseminação das redes computacionais e

Devido ao crescimento explosivo da disseminação das redes computacionais e 12 RESUMO Devido ao crescimento explosivo da disseminação das redes computacionais e desenvolvimento das tecnologias digitais,os diferentes tipos de informação (texto,áudio,vídeo etc.), passando a ser

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Redes WAN de Circuitos Virtuais www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Na aula de hoje serão apresentadas duas tecnologias de redes de longa distância

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

SUMÁRIO. Introdução... 3

SUMÁRIO. Introdução... 3 SUMÁRIO Introdução... 3 UNIDADE I Conceitos Básicos 1.1 Protocolos de Comunicação de Dados... 5 1.2 Modelo OSI da ISO... 6 1.2.1 A camada Física... 7 1.2.2 A camada de Enlace... 7 1.2.3 A camada de Rede...

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de e-systems: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global: Comunicações

Leia mais

ATM Asynchronous Transfer Mode. ATM Modelo Protocolar de Referência

ATM Asynchronous Transfer Mode. ATM Modelo Protocolar de Referência ATM Asynchronous Transfer Mode Arquitectura FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela ATM Modelo Protocolar de Referência Plano G Plano C Plano U Protocolos de camadas superiores Camada de

Leia mais

Disciplina: Redes de Computadores I (R1)

Disciplina: Redes de Computadores I (R1) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Agrícola de Teresina Campus da Socopo Professor: José Valdemir dos Reis Junior Disciplina: Redes de Computadores I (R1) Orientada a Conexão Primeira rede pública

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN Frame-Relay Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Desdobramento da ISDN Alta Velocidade Taxas entre 64 Kbps e 2 Mbps Roteamento na Camada de Enlace Usada p/ interligar: WAN, SNA, Internet

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Capítulo 5: EVOLUÇÃO DAS REDES

Capítulo 5: EVOLUÇÃO DAS REDES Capítulo 5: EVOLUÇÃO DS REDES Cap.5 Evolução das Redes - 1 FRME RELY Cap.5 Evolução das Redes - 2 FRME RELY Protocolo de Interface para rede de comutação de pacotes Chaveamento (roteamento) no nível de

Leia mais

Análise de Desempenho de Algoritmos de Gerenciamento de Estruturas de Filas em Redes ATM

Análise de Desempenho de Algoritmos de Gerenciamento de Estruturas de Filas em Redes ATM Análise de Desempenho de Algoritmos de Gerenciamento de Estruturas de Filas em Redes ATM Antônio M. Alberti Departamento de Telecomunicações, Instituto Nacional de Telecomunicações Santa Rita do Sapucaí,

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama Aula Comutação de pacotes Prof. Dr. S. Motoyama O Problema Como dois hosts que não estão diretamente conectados poderão se comunicar entre si? Algum dispositivo inteligente deve ser colocado entre os hosts

Leia mais

VOZ SOBRE ATM REGINALDO GARCIA

VOZ SOBRE ATM REGINALDO GARCIA UNIÃO EDUCACIONAL MINAS GERAIS S/C LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS Autorizada pela Portaria no 577/2000 MEC, de 03/05/2000 BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO VOZ SOBRE ATM REGINALDO GARCIA

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Sinalização em redes ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Sinalização em redes ATM. Prof. José Marcos C. Brito Sinalização em redes ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Operação com SVC Permite ao terminal estabelecer e desfazer conexões dinamicamente Necessita de protocolo de sinalização. O terminal solicita ao switch

Leia mais

Camada de Redes Parte II. Fabrício

Camada de Redes Parte II. Fabrício Camada de Redes Parte II Fabrício Algoritmos de controle de congestionamento Quando há pacotes demais presente (em parte) de uma sub-rede, o desempenho diminui. Dentro da capacidade de tranporte Eles serão

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento rede Memorização pacotes

Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento rede Memorização pacotes Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento da rede Memorização de pacotes Suavização do tráfego (Traffic shaping) O algoritmo Leaky

Leia mais

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet Prof. Dr. S. Motoyama Redes Locais (Local area networks, LANs) Início da década de 80 IBM s token ring vs. DIX (Digital, Intel, e Xerox) Ethernet IEEE

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

O nível Transporte nas redes ATM

O nível Transporte nas redes ATM O nível Transporte nas redes TM Introdução Estrutura da camada de adaptação TM (L) L 1 L 2 L 3/4 L 5 Comparação entre protocolos L COP Introdução camada L (TM daptation Layer) da rede TM corresponde a

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 5: Comutação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores Santo André, 2Q2011 1 Comutação Comutação (chaveamento): alocação dos recursos da rede para a transmissão pelos diversos dispositivos

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

Uma Proposta para Gerenciamento de Conexões em Redes ATM

Uma Proposta para Gerenciamento de Conexões em Redes ATM Uma Proposta para Gerenciamento de Conexões em Redes ATM Suzana de Queiroz Ramos Teixeira * suzana@cos.ufrj.br Luís Felipe M. de Moraes** moraes@cos.ufrj.br José Helvécio Teixeira Júnior *** helvecio@cos.ufrj.br

Leia mais

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito Gerenciamento da rede ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Princípios Gerais O SNMP (Simple Network Management Protocol) é o protocolo mais utilizado. Se o dispositivo ATM é gerenciado de uma estação de gerenciamento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Frame Relay DÉCADA DE 80 Uso do protocolo X.25 (RENPAC) Linhas Analógicas Velocidade baixa Altas taxas de erros Computadores lentos e caros Circuitos

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 Tipos de Comunicação - Difusão: Rádio e TV - Pessoa-a-Pessoa: Telefonia - Máquina-a-Máquina: Computadores Difusão: Rádio e TV Receptor Receptor Receptor Transmissor

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama Frame Relay Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela Serviços de Suporte em Modo Trama A expressão Frame Relay é habitualmente usada, em sentido lato, para designar serviços baseados

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 7 Metro Ethernet Sumário IEEE 802.3ae 10 Gbit/s Ethernet - Metro

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESEMPENHO EM REDES MPLS. Área de Redes. por. Thiago Dias Rabelo de Almeida

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESEMPENHO EM REDES MPLS. Área de Redes. por. Thiago Dias Rabelo de Almeida UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESEMPENHO EM REDES Área de Redes por Thiago Dias Rabelo de Almeida Debora Meyhofer Ferreira Orientadora Campinas (SP), outubro de 2009 UNIVERSIDADE

Leia mais

Redes II ISDN e Frame Relay

Redes II ISDN e Frame Relay Redes II ISDN e Frame Relay Súmario 1. Frame Relay 02 1.1 Introdução 02 1.2 Velocidade 03 1.3 A Especificação X.25 03 1.3.1 Nível de Rede ou pacotes 03 1.3.2 Nível de Enlace ou de Quadros 04 1.3.3 Nível

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Comutação de Células ATM - Um comutador é formado por várias portas associadas às linhas físicas - Função: - Recepção porta

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais