Disciplinas AGRICULTURA DE PRECISÃO AMBIÊNCIA E INSTALAÇÕES ZOOTECNICAS ARMAZENAMENTO E PROCESSAMENTO DE PRODUTOS VEGETAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Disciplinas AGRICULTURA DE PRECISÃO AMBIÊNCIA E INSTALAÇÕES ZOOTECNICAS ARMAZENAMENTO E PROCESSAMENTO DE PRODUTOS VEGETAIS"

Transcrição

1 Nível (is): AGRICULTURA DE PRECISÃO Introdução à Agricultura de Precisão, tecnologias envolvidas, gerenciamento da informação, geração de mapas temáticos, formas de controle, mecanização de precisão. LAMPARELLI, R.A.C.; ROCHA, J.V.; BORGHI, E. Geoprocessamento e Agricultura de Precisão: Fundamentos e Aplicações. Guaíba:Agroecuária, p. TEIXEIRA, A.L.A.;CHRISTOFOLETTI, A. Sistema de Informação Geográfica: Dicionário Ilustrado. Editora Hucitec. São Paulo, p. ASSAD, E.D.; SANO, E.E. Sistema de Informações Geográficas: Aplicações na Agricultura. Embrapa. Brasília, p. BORÉM, A.; GIUDICE, M.P.; QUEIROZ, D.M.; MANTOVANI, E.C.; FERREIRA, L.R.; VALLE, F.X.R.; GOMIDE, R.L. Editores. Agricultura de Precisão. Viçosa: UFV, PAREDES, E.A. Sistema de Informação Geográfica. São Paulo: Érica, TRIMBLE, N. L. Sistema Pro XR? Manual de treinamento. Sunnyvale: Trimble, p. STAFORD, J. V. Implementing Precision Agriculture in the 21st Century. Journal Agricultural. Engineering Research. (2000) 76, II Simpósio Internacional de Agricultura de Precisão. Viçosa, MG, CD Rom. AMBIÊNCIA E INSTALAÇÕES ZOOTECNICAS Influência das Condições Ambientais no Comportamento Fisiológico dos Animais. Caracterização do Ambiente Físico. Planejamento Ambiental de um Sistema Produtivo. Acondicionamento do Ambiente. Avaliação de Sistemas de Acondicionamento Ambiental. ASHRAE. Handbooks of Applications. American Society of Heating, refrigerating and Air Conditioning Engineers, INC. Atlanta, 1979 e 1981 BAÊTA, F.C. ; SOUZA, C.F. Ambiência em edificações rurais. Conforto animal. Viçosa. UFV, p. CLARK, J.A. Enviromental aspects of housing for animal production. British Library Cataloge, Nortingham, England, 1981, 510p. COSTA, E.C. Arquitetura Ecológica Acondicionamento Térmico Natural. Ed. Edgard Blücher Ltda. São Paulo,1982 CURTIS, S.E. Enviromental Management in Animal Agriculture. Iowa State University Press, Iowa, ERNEST, R.A. Housing for Improved performance in hot climates, CAB Interrnational, 1995, 271p. GARCIA - VAQUERO, E. Projeto de Construção de Alojamento para animais, 2 ed. Lisboa: Litexa- Portugal, 1981, 237p. HAFEZ, E.S.E. Adaptación de los animales domésticos. Barcelona, Espanha, Ed. Labor, 1973, 563p. MATON, A. Contruciones para el ganado. Ed Mundi-Fresa Castelló, Madri, 1985, 446p. Mc.DOWELL, R.E. Bases Biológicas de la Produción Animal de Zonas Tropicales. Ed Acriba. Zaragoza, 1975, 692p. MIDWEST PLAN SERVICE. Machanical Ventilating Systems for Livestock Housing. Iowa State University, Iowa. 1990, 407p. RIVERO, R. Arquitetura e Clima: Acondicionamento Técnico Natural. D.C. Luzzatto Editores Ltda. Ed. da Universidade, UFRGS, p. WHITAKER, J.H. Agricultural Building and Structure. Reston Pub. Cia., Virginia, p. YOUSEF, M.K. Stress Physiology in Livestock. Vol I e II, CRC Press, Nevada, 1985, 521p. PERIÓDICOS - Revista de Engenharia Agrícola. - Transaction of the ASAE. - Journal of Agricultural Engineering Research. - Journal of the Society of Agricultural Structures. - Agriculture, Ecosystems and Environment. ARMAZENAMENTO E PROCESSAMENTO DE PRODUTOS VEGETAIS Estudo dos princípios utilizados na conservação de produtos vegetais. Técnicas utilizadas na conservação de produtos vegetais. Avaliação de perdas que ocorrem durante o processo de conservação. Classificação e avaliação de produtos vegetais. Estruturas de armazenagem. Dimensionamento de estruturas de secagem e armazenagem. BORROR, D.J.; DELONG, D. M. Introdução ao Estudo dos Insetos. Editora Edgard blücher Ltda. 653p. LAZZARI, F. A. Manejo de Fungos e Insetos de Sementes e Grãos Armazenados. Grãos Brasil? Da Semente ao Consumo, Maringá, ano III, nº 13, p. 1

2 Área Básica: ENGENHARIA AGRÍCOLA Nível (is): 7, mar/2004. MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 2005, 495p. MARCOS FILHO, J.; CICERO, S.M.; SILVA, W. R. Avaliação da qualidade das sementes. Piracicaba: FEALQ, p. SAUER, D.B. Storage of cereal grains and their products. Fourth Edition, St. Paul, MN: AACC, p. WEBER, E.A. Armazenagem agrícola. Porto Alegre: Kepler Weber Industrial, p. SAUER, D.B. Storage of cereal grains and their products. Fourth Edition, St. Paul, MN: AACC, p. SINHA, R.N.; MUIR, W.E. Grain storage: part of a system. Westport: AVI Publishing Company, p. PUZZI, Domingos. Abastecimento e armazenagem de grãos. Campinas, SP: Instituto Campineiro de Ensino Agrícola, p. LORINI, Irineu; MIIKE, Lincoln H.; SCUSSEL, Vildes. Armazenamento de grãos. Campinas: IBG, p. SILVA, J.S. Secagem e armazenagem de produtos agrícolas. Viçosa: Editora Aprenda Fácil, 2000, 502 p. AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL E CONSERVAÇÃO Impactos ambientais associados ao manejo de monoculturas. Impactos ambientais decorrentes do desmatamento e fragmentação da vegetação nativa. Impactos ambientais relacionados ao uso de transgênicos. Impactos ambientais relacionados ao uso múltiplo da água. Legislação e licenciamento ambiental. Técnicas de avaliação de impacto ambiental. Sistema de gestão de ambiental na agricultura. Técnicas de conservação do meio ambiente e manutenção da biodiversidade. BRAGA, B. ; HESPANHOL, I.; CONEJO, J. G. L.; MIERZWA, J. C.; BARROS, M. T. L.; SPENCER, M.; PORTO, M. NUCCI, N.; JULIANO, N.; EIGER, S Introdução à engenharia ambiental: o desafio do desenvolvimento sustentável. 2 ed. São Paulo: Person Prentice Hall. CARVALHO, Carlos Gomes Legislação Ambiental Brasileira? Vol. I, Ed. Millennium, 2ªed. 962 pp. Campinas?SP. FUNDACAO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Código ambiental do Estado de Mato Grosso. Cuiaba: FEMA-MT, S.d. 46 p. PLANTENBERG, C. M.; AB?SABER, A. N. Previsão de impactos. 2ºed. São Paulo: Edusp, TOMMASI, L. R. Estudo de impacto ambiental. São Paulo: CETSB, SANTOS, R. F. Planejamento ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, SOUZA, P. R. P. Harmonização de leis ambientais nos dez anos do Mercosul. Disponível em: <www.mundojuridico.adv.br/html/artigos/documentos/ texto321.htm#_ftn5>. Acesso em: 15 out SPADOTTO, C.; RIBEIRO, W. Gestão de resíduos na agricultura e agroindústria. Botucatu: FEPAF, BIOMETEOROLOGIA E MICROMETEOROLOGIA Radiação. Interação atmosfera com a superfície da Terra: a influência das propriedades mecânicas e ópticas da superfície. Balanços de energia e massa. Aplicações. Temperatura do ar e do solo. Umidade do ar. Pressão atmosférica. Condensação e precipitação. Fenologia e unidades térmicas. Formação dos ventos e seus efeitos na agricultura. Evaporação e Evapotranspiração. Estimativa de balanço hídrico climatológico e de cultivos. Clima e seus efeitos na produção vegetal/animal. Conceito de produtividade potencial. Utilização de software de estimativa de produtividade. ALLEN R. G.; PEREIRA L. S., SMITH, S. Crop Evapotranspiration - guidelines fo computing crop water requeriments. FAO, Roma, Irrigation and Drainage Paper 56, 300p BERGAMASCHI, H. et alli. Agrometeorologia aplicada à irrigação. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, KLAR, A. E. A água no sistema solo-planta-atmosfera. São Paulo: Nobel, MOTA, F. S. da;. ACENDES, M. O. Clima e agricultura no Brasil. Porto Alegre: SAGRA, MOTA, F.S. Meteorologia Agrícola, 7 ed. São Paulo: Nobel. 1986, 376p. OMETO, J.C. Bioclimatologia Vegetal. São Paulo. Agronômica CERES p. PEREIRA, A R; ANGELOCCI, L.R.; SENTELHAS, P.C. Agrometeorologia: Fundamentos e Aplicações Práticas. Ed. Agropecuária Ltda p. PEREIRA, A. R. VILLA NOVA, N.A., SEDIYAMA, G.C. Evapo(transpi)ração. Piracicaba: FEALQ, p. VAREJÃO-SILVA, M. A., REIS, A. C. S. Curso de Agricultura Tropical. Módulo II; Agrometeorologia e climatologia tropical, Recife: ABEAS p. VIANELLO, R. L.; ALVES, A. R. Meteorologia básica e aplicações. Viçosa: Imprensa Universitária, p. 2

3 Nível (is): BIONOMIA DE PRAGAS DE PRODUTOS ARMAZENADOS Introdução. Identificação, Bioecologia das pragas dos produtos armazenados, natureza e avaliação dos danos causados, e seu controle. CHRISTEWSEN,C.M Storage of cereal grains and their products. American Association of cereal Chemistz, University of Minesota, St. Paul 549 p. PACHECO,I.A. PAULA,D. C. Insetos de grãos armazenados: Identificação e biologia. Campinas. Fundação Cargill, 347p Lorini Irineu - Armazenamento de grãos. Campinas: IBG, p. Puzzi, D Abastecimento e armazenamento de grãos. Instituto Campineiro de Ensino Agricola, Campinas, SP, 603 p. Borror, D. L. Introdução ao Estudo dos Insetos. Editora Edgar Blücher Ltda 653 p. ESTÁGIO DOCÊNCIA Não Carga Horária: 30 Créditos: 2.0 Esta disciplina, tem caráter obrigatório para os bolsistas da CAPES. As atividades a serem realizadas pelos alunos serão supervisionadas por um Professor do programa, e serão desenvolvidas, em um (01) semestre. A atuação do aluno dar-se-á em disciplinas da graduação, oferecida pela Universidade Federal de Mato Grosso (Cuiabá ou Rondonópolis), desde que tenham relação com a área de concentração e linhas de pesquisa do programa. A bibliografia será selecionada de acordo com o conteúdo programático da disciplina oferecida na graduação. ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Área(s) de Concentração: Engenharia Agrícola Sim Carga Horária: 60 Considerações sobre experimentação, princípios de análise de experimentos, delineamento inteiramente casualizado, procedimentos para comparações das médias de tratamentos, delineamentos em blocos casualizados e quadrado latino, experimentos fatoriais, em parcelas subdivididas e em faixas, análise de covariância e análise conjunta de experimentos. Uso de aplicativos. BARBIN, D. Planejamento e análise estatística de experimentos agronômicos. Midas, p. CODY, R. P.; SMITH, J. K. Applied statistics and the SAS programming language. 5th ed. Englewood Cliffs. Prentice Hall, p. GUIMARÃES, P.S. Ajuste de curvas experimentais. Editora UFSM, p MONTGOMERY, D. C. Design and analysis of experiments. 6th John Wiley & Sons, p. NORUSIS, M.J. SPSS 14.0 guide to data analysis. Bk&CD-Rom edition. Englewood Cliffs. Prentice Hall, p. PIMENTEL GOMES, F.; GARCIA, C.H. Estatística aplicada a experimentos agronômicos e florestais. FEALQ, p. PATTO RAMALHO, M. A.; FERREIRA, D. F.; OLIVEIRA, A. C. Experimentação em genética e melhoramento de plantas. 2a ed. UFLA, p. STEEL, R.G.D.; TORRIE, J.H.; DICKEY, D.A. Principles and procedures of statistics: a biometrical approach. 3rd. ed. Academic Internet Publishers, p. SYSTAT SOFTWARE INC. Table curve 2D e 3D. San Jose, CA: MMIV Systat Software Inc, ZIMMERMANN, F.J.P. Estatística aplicada à pesquisa agrícola. Santo Antônio de EMBRAPA Arroz e Feijão, p. 3

4 Nível (is): FERTILIDADE DO SOLO Conceito de fertilidade: interações químicas, físicas e biológicas. Fatores que afetamo rendimento das culturas. Métodos para a avaliação da fertilidade do solo. Métodos de análise do solo. Solos ácidos e alcalinos e sua correção. Dinâmica dos nutrientes no solo e correção das deficiências pela adubação. Funções dos nutrientes nas plantas. Tipos de adubos, métodos e formas de aplicação. Recomendações com base em análise de solo. Adubação orgânica. Análise foliar e suas interpretações. MALAVOLTA, E.,; VITTI, G. C.& OLIVEIRA, S. A. Avaliação do Estado Nutricional das Plantas. Piracicaba. Associação Brasileira para Pesquisa da Potassa e do Fosfato, p. NOVAIS, R.F. & SMYTH, T.J. Fósforo em solos e plantas em condições tropicais.viçosa, UFV, DPS, p. RAIJ, B. van. Avaliação da Fertilidade do Solo. Piracicaba. Instituto da Potassa & Fosfato. Instituto Internacional da Potassa, MALAVOLTA, E.,; VITTI, G. C.& OLIVEIRA, S. A. Avaliação do Estado Nutricional das Plantas. Piracicaba. Associação Brasileira para Pesquisa da Potassa e do Fosfato, p. NOVAIS, R.F. & SMYTH, T.J. Fósforo em solos e plantas em condições tropicais.viçosa, UFV, DPS, p. PERIÓDICOS: - Agronomy Journal; - Revista da Sociedade Brasileira de Zootecnia; - Pesquisa Agropecuária Brasileira. - Revista Brasileira de Ciência do Solo FIXAÇÃO BIOLÓGICA DE NITROGÊNIO Fixação biológica do nitrogênio atmosférico (FBN); Interação planta x bactéria diazotrófica; Microrganismos endofíticos; Bradyrhizobium/Rhizobium; Estabelecimento das estirpes no solo; Genética do macro e do microssimbionte; Ontogenia da Fixação Biológica do N2; Métodos de inoculação; Reinoculação; Micorganismos associativos. ALEXANDER, M. Introduction to Soil Microbiology, 1977, 2ª Edição, 467 p. CARDOSO, E.J.; TSAI, S.M.; NEVES, M.C.P. Microbiologia do solo. Campinas: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 360p., BALDANI, J.I., CARUSO, L., BALDANI, V. L. D., GOI, S. R., AND DOBEREINER, J. Recent advances in BNF with non-legume plants. Soil Biology and Biochemistry, 29: , BODDEY, R.M. Methods for quantification of nitrogen fixation associated with gramineae. Critical Review Plant Science 6: , MADIGAN, M. T.; MARTINKO, J. M.; PARKER, J. Brock Biology of microorganisms, 2000, 9ª Edição, 991p. MELO, I.S.; AZEVEDO, J.L., Ecologia Microbiana. Jaguariúna - Embrapa - CNPMA. MOREIRA, M.F.; SIQUEIRA, J.O. Microbiologia e bioquímica do solo. Lavras: UFLA, 626p., 2002 ODUM, E. P. Ecologia Básica, 434p., 1988 PELCZAR Jr., M. J. Microbilogia: conceitos e aplicações. 2. ed. São Paulo: Makron Books, v p. ROITMAN, I., TRAVASSOS, L. R., AZEVEDO, J. L. Tratado de Microbiologia. São Paulo: Manoele, v.2, SIQUEIRA, J.O.; FRANCO, A.A. Biotecnologia do solo; fundamentos e perspectivas. Brasília, MEC/ESAE/FAEPE/ABEAS, p. SPRENT, J.I. The biology of nitrogen-fixing organisms. London, Mc.Graw-Hill Book, p. (European Plant Biology Series). SUMNER, M.E. Crop responses to Azospirillum inoculation. Advances in Soil Sciences. 12:54-123, YONEAMA, T., MURAOKA, T., KIM, T. H., DAVANAY, E. V., AND NAKANISHI, Y. T. The natural 15N abundance of sugarcane and neighbouring plants in Brazil, the Phylippines and Miyako (Japan). Plant Soil, 189: , TORTORA, G.J.; FUNKE, B.R.; CASE, C.L. Microbiologia. Case, 2002, 6ª Edição, 827p. TORTORA, G.J.; FUNKE, B.R.; CASE, C.L. Microbiologia. 8ª edição. Porto Alegre: Artmed, 894p., 2006 TRABULSI, L. R. Microbiologia. 2 ed. Atheneu, p. URQUIAGA S., CRUZ K. H. S., BODDEY, R. M. Contribution of nitrogen fixation to sugarcane: Nitrogen-15 and nitrogen balance estimates. Soil Sci. Soc. Am. J., 56, , (1992). VARGAS, M.A.T.; HUNGRIA, M. Biologia dos solos dos Cerrados. Planaltina: Embrapa/CPAC, 524p.,

5 Área Básica: ENGENHARIA AGRÍCOLA Nível (is): HIDROLOGIA Importância e aplicações da Hidrologia. Ciclo hidrológico. Bacias hidrográficas. Características fisiográficas das bacias. Modelos de distribuição de chuvas e análise de dados pluviométricos. Escoamento superficial. Picos de descarga e métodos de estimativa. Dimensionamentos de obras hidráulicas. Fluviometria. Curva característica de cotas - vazões. Período de retorno. Previsão de eventos hidrológicos extremos, máximos e mínimos. Séries Anuais. Métodos de análise para projetos. Distribuição de Gumbel. Distribuição Log-Pearson. Distribuição Log-Normal. Distribuição de Weibull. Estimativas de vazões mínimas e máximas. Hidrologia Subterrânea. Características e hidráulica de poços. Equações do fluxo permanente em direção a um poço. Método de Thiem. Teste de bombeamento. Análise e interpretação da curva característica do poço. Qualidade da água para fins de irrigação. Qualidade para manejo ambiental. Resolução CONAMA 357. Legislação sobre o uso da água. Código das Águas. Lei Federal 9433.Lei Estadual 7667 BRASIL, Lei 9.433, de 8 de janeiro de Dispõe sobre a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, Regulamenta o inciso XIX do artigo 21 da Constituição Federal, e altera o artigo 1o da Lei 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei 7.990, de 28 de dezembro de COLEÇÃO ABRH DE RECURSOS HÍDRICOS. Vol. 2. Engenharia Hidrológica. ABRH/UFRJ. Rio de Janeiro DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA DO ESTADO DE SÃO PAULO - DAEE. Estudo das Águas Subterrâneas. São Paulo. Coletânea HOFFMAN, G.J.; HOWELL, T.A. & SOLOMON, K.H. Management of Farm Irrigation Systems. St. Joseph, The American Society of Agricultural Engineers p MACHADO, Paulo Affonso Leme. Recursos hídricos. Direito brasileiro e internacional. São Paulo; Malheiros Editores, p. MAIDMENT, D.R. (Editor) Handbook of Hidrology. Mac Graw-Hill, Inc. N. York, p. MAITLAND, P.S.; MORGAN, N.C. Conservation Management of Freshwater Habitats: Lakes, rivers and wetlands. Kluwer Academic Publishers p. TUCCI, C.E.M. Hidrologia? Ciência e aplicação. Editora da Universidade/ UFRGS e ABRH, HAAN, H.T. Statistical methods in Hydrology. The Iowa State University Press. MCMAHON, T.A.; MEIN, R.G. River and reservoir yield. Water Resources Publications. Colorado, TUCCI, C.E.M. Modelos hidrológicos. Editora da Universidade/UFRGS e ABRH, 1990, 643 p. PINTO, N.S. et al. Hidrologia básica. Editora Edgard Blucher, 1976 PAIVA, J.B.D.; PAIVA E.M.C.D. Hidrologia aplicada à gestão de pequenas bacias hidrográficas. ABRH, 2001, 625p. VILLELA, S.M.; MATTOS,A. Hidrologia Aplicada. Editora McGraw-Hill do Brasil Ltda IMPACTO AMBIENTAL DA AGRICULTURA IRRIGADA Política Nacional e Estadual de Recursos Hídricos e a agricultura irrigada. Legislação aplicada ao uso de Agrotóxicos. Efeitos de agrotóxicos sobre a fauna e flora nativa. A irrigação agrícola e seus efeitos sobre a conservação de ecossistemas terrestres. Contaminação de cursos d?água e de água subterrânea. Dosagem e medidas operacionais para aplicação de produtos químicos e biológicos através de água de irrigação. Dinâmica de contaminantes no solo. Impactos da exploração agrícola de várzeas. Uso de resíduos não-tóxicos. BERNARDO, S. Impacto ambiental da irrigação no Brasil. In: SILVA, D. D.; PRUSKI, F. F. (Eds.). Recursos hídricos e desenvolvimento sustentável da agricultura. Brasilia: MMA/SRH/ABEAS: Viçosa, MG; Departamento de Engenharia Agrícola, p BOUWER, H. Effect of irrigation agriculture on groundwater. Joumal of irrigation and drainage engineering, 113(1): DEASON, J. P. Irrigation induced contamination: How Real a Problem. Joumal o firrigation and drainage engineering, 115(1): PAZ, V. P. S.; TEODORO, E. F.; MENDONÇA F. C. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental? V.4,N.3., Set-Dez.,2000 REICHARDT, K.; TIMM, L.C. Solo, Planta e Atmosfera: conceitos, processos e aplicações. São Paulo: Manole p. IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO E GOTEJAMENTO Introdução aos conceitos básicos de irrigação. Irrigação por aspersão convencional. Irrigação por autopropelido. Irrigação por pivô central e lateral móvel. Manejo da irrigação por aspersão. Quimigação: aplicação de produtos químicos via irrigação. Softwares empregados na irrigação por aspersão. Estudo da evolução da irrigação localizada; principais tipos de emissores, gotejadores e micro-aspersores. Princípios de funcionamento, seleção, cálculo e instalação de equipamentos e componentes. Projeto e operação de sistemas, buscando maximizar o uso dos equipamentos e da água. Critérios para projeto hidráulico do sistema. Análise e discussão de resultados de pesquisa. 5

6 Área Básica: ENGENHARIA AGRÍCOLA Nível (is): ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Aspersores para irrigação - Avaliação da distribuição de água (NBR ). São Paulo, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Equipamento de Irrigação Mecanizada - pivô central e lateral móvel providos de emissores fixos ou rotativos - determinação da uniformidade de distribuição de água (NBR ). São Paulo, BERNARDO, S. Manual de Irrigação. 5a edição. Imprensa Universitária - UFV, Viçosa, MG, 1989, 596 p. COSTA, E. F., da; VIEIRA, R. F.; VIANA, P. A. Quimigação - aplicação de produtos químicos e biológicos via irrigação. Brasília: EMBRAPA-SPI, p. CUENCA, R.H Irrigatin System Design - an engineering approach. Englewood Cliffs, Prentice Hall, p. DOORENBOS, J. ; KASSAM, AH. Guidelines for predicting crop water requirements. Rome: FAO, p. (FAO. Irrigation and Drainage Paper, 24). KELLER J. ; BLIESNER, R.D. Sprinkler and trickle irrigation. New York: Van Nostrand Reinhold, p. MERRIAN, J. L. ; KELLER, J. Farm irrigation system evaluation: a guide for management. Logan, Utah: Utah State University, p. SILVA, A.T. Sistemas Pressurizados de Irrigação-Aspersão Convencional e Localizada, Editora Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Rio de Janeiro, RJ, 1994, 257 p. TARJUELO, J. M. El riego por aspersão: diseño y funcionamiento. Ediciones de la Universidad de Castilla-La Mancha, p. Van Lier, H. N.; PEREIRA, L.S.; STEINER, F.R. (eds.). Land & Water Engineering. CIGR Handbook of agricultural engineering (Vol.I). ASAE p. PERIÓDICOS ASAE, Transactions of the American Society of Agricultural Engineers. St. Joseph. ASCE, Journal of the Irrigation and Drainage Engeneering. American Society of Civil Engineers. New York. Engenharia Agrícola, Sociedade Brasileira de Engenharia Agrícola- SBEA. Jaboticabal. Irrigation Journal. Irrigation Association. Irrigation Science. Springer- Berlin, Germany BENAMI, A. & OFEN, A. Irrigation engineering-sprinkler, trickle, surface irrigation- princi-ples, design and agricultural practices. International Irrigation Center, Bet Dagan, Israel, p. BERNARDO, S. Manual de Irrigação, 6a ed., Viçosa, UFV, Imprensa Universitária, p. CABELLO, F.P. Riegos localizados de alta frecuencia: Goteo-Microaspersão-Exudacion, 3a ed. Madrid, Ediciones Mundi-Prensa, p. DASBERG, S. & BRESLER, E. Drip Irrigation Manual. International Irrigation Information Center, Bet Dagan, Israel, p. GOLDBERG, D.; GORNAT, B. & RIMON, D. Drip Irrigation - principles, design and agri-cultural practices.drip Irrigation Scientific Publication, Kfar Shmaryahu, Israel, p. GOMES, H. P. Engenharia de irrigação: hidráulica dos sistemas pressurizados, aspersão e gotejamento. João Pessoa: UFPB, p. JUAN, J.A.M.S. Riego por goteo - teoria y pratica. Madrid, Ediciones Mundi-Prensa, p. KELLER, J. & KARMELI, D.Trickle Irrigation Design.Glendora, Califórnia Rain Bird Sprinkler Manufacturing Corporation, p. KELER J.; BLIESNER, R. D. Sprinkle and Trickle Irrigation. New York: Van Nostrand Reinhold, p. NAKAYAMA, F.S. & BUCKS, D.A. Trickle irrigation for crop production-design, operation and management. Elsevier, New York, p. OLITTA, A.F.L. Os métodos de irrigação. São Paulo, Nobel, p. PERIÓDICOS: - Transactions of the ASAE - Journal of the Irrigation and Drainage Engineering - Irrigation Science - Irrigation Journal - Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental - Engenharia Agrícola - Sociedade Brasileira de Engenharia Agrícola MANEJO DO SOLO E NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS FORRAGEIRAS Considerações sobre a importância das plantas forrageiras; Importância da adubação para as plantas forrageiras; Calagem e gessagem em áreas para cultivo de forrageiras. Nutrição e adubação de gramíneas e leguminosas forrageiras. Adubação de pastagens consorciadas; Adubação de áreas com forrageiras destinadas à fenação e ensilagem; Práticas conservacionistas de solo em áreas cultivadas com pastagens; Recuperação de pastagens degradadas. Métodos químicos e físicos de solos cultivados com pastagens: estudo de casos. DIAS-FILHO, M.B. Degradação de pastagens: processos, causas e estratégias de recuperação. 2. ed. - Belém: Embrapa Amazônia Oriental, p EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA? EMBRAPA. Manual de métodos de análise de solo. 3a ed., Rio de Janeiro, LEPSCH, I.F. Formação e Conservação dos Solos. Oficina de textos, p. LOMBARDI NETO, F.; BELLINAZZI JÚNIOR, R. Simpósio sobre terraceamento agrícola. Fundação Cargill, Campinas, ed. - Belém: Embrapa Amazônia Oriental, p PRIMAVESI, A. Manejo ecológico do solo: agricultura em regiões tropicais. Nobel, p. PRUSKI, F.F.; SILVA, AMORIM, R.S.; DAVID DA SILVA, D.; GRIEBELER, N.P.; ALVES DA SILVA; J.M.. Conservação de Solo e Água - Práticas Mecânicas para o Controle da Erosão Hídrica. Ia, Ed. UFV, PERIÓDICOS - Agronomy Journal; - Australian Journal of Agriculture Research; - Boletim de Indústria Animal; - Revista da Sociedade Brasileira de Zootecnia; - Pesquisa Agropecuária Brasileira. 6

7 Área Básica: ENGENHARIA AGRÍCOLA Nível (is): - Revista Brasileira de Ciência do Solo - Revista Brasileira de Zootecnia - Revista Ciência e Agrotecnologia MANEJO ECOLÓGICO DE DOENÇAS DE PLANTAS Conceitos sobre agricultura natural, orgânica, biodinâmica e agroecologia. Transição agroecológica e impacto das doenças de plantas. Princípios e estratégias de controle no manejo ecológico de doenças de plantas. Controle biológico de doenças de plantas. Extratos vegetais e óleos essenciais no manejo de doenças de plantas. Supressividade natural de solos a doenças de plantas. Matéria orgânica e biofertilizantes no manejo de doenças radiculares. Adubação verde e rotação de culturas no manejo de doenças de plantas. Solarização do solo no manejo de doenças radiculares. Práticas culturais e controle de vetores de doenças de plantas. Manejo de genes e indução de resistência a doenças de plantas. Legislação de produtos naturais destinados ao manejo de doenças de plantas. CAMPANHOLA, C.; BETTIOL, W. (Eds.). Métodos alternativos de controle fitossanitário. Embrapa Meio Ambiente, p. COOK, R.J.; BAKER, K.J. The nature and practice of biological control of plant pathogens. APS Press, p. DeVAY, J.E.; STAPLETON, J.J.; ELMORE, C.L. (Eds.). Soil solization. FAO, p. ENGELHARD, A.W. (Ed.). Soilborne plant pathogens: management of diseases with macro and microelements. APS Press, p. GELMINI, G.A.; ABREU JÚNIOR, H. Controle fitossanitário com produtos alternativos - coletânea de receitas. CATI/DEXTRU, p. MALOY, O.C. Plant disease control. John Wiley & Sons, p. MICHEREFF, S.J.; BARROS, R. (Eds.). Proteção de plantas na agricultura sustentável. UFRPE, p. PALTI, J. Cultural practices and infectious crop diseases. Springer-Verlag, p. ROBINSON, R.A. Host management in crop pathosystems. Macmillan, p. ROBINSON, R.A. Return to resistance: breeding crops to reduce pesticide dependence. AgAccess, p. ROMEIRO, R.S. Controle biológico de doenças de plantas: fundamentos. UFV, p. SCHNEIDER, R.W. Suppressive soils and plant disease. APS Press, p. STADNIK, M.J.; TALAMINI, V. (Eds.). Manejo ecológico de doenças de plantas. UFSC, p. MATERIAIS E TECNOLOGIA MECÂNICA Materiais de construção mecânica, metálicos e não metálicos, obtenção, processamento e propriedades. Ensaios de materiais. Materiais metálicos ferrosos, não-ferrosos, poliméricos e compósitos. Processos de fabricação por conformação mecânica. Fundição. Usinagem. Soldagem. Tratamento térmico. Tratamento superficial. Mecanismos de degradação de materiais e seleção de materiais em função das aplicações. CHIAVERINI, Vicente. Tecnologia Mecânica Vol. I - Estruturas e Propriedades das Ligas Metálicas. 2a. Edição. Makron Books, 266 páginas, CHIAVERINI, Vicente. Tecnologia Mecânica Vol. II - Processos de Fabricação e Tratamento. 2a. Edição, Makron Books, 315 páginas, CHIAVERINI, Vicente. Tecnologia Mecânica Vol. III - Materiais de Construção Mecânica. 2a. Edição, Makron Books, 388 páginas, FERRARESI, Dino. Fundamentos da Usinagem de Metais. Edgard Blucher, 751 páginas, CALLSITER, William D., Ciência e engenharia de materiais: uma introdução. 7ma. Ed., Rio de janeiro: LTC, c2007, 705p. VAN VLACK, Lawrence H., Princípios de ciência e tecnologia dos materiais. 7ma Ed. Rio de Janeiro: Campus, c p. SHACKKELFORD, J. F. Introduction to materials science for engineers, James F Editor Prentice Hall, Local ub.: New Jersey : Data Pub: edição: 4th ed. CAMPOS FILHO, Mauricio Prates de; DAVIES, G. John. Solidificação e fundição de metais e suas ligas. Rio de Janeiro: Livros técnicos e científicos; São Paulo: USP, c p MACHADO, Ivan Guerra. Sistemas de especificação dos consumíveis para soldagem e brasagem. Rio de Janeiro: Maity Comunicação e Editora: Fundação Brasileira de Tecnologia da Soldagem, p. 7

8 Nível (is): MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL A população microbiana do solo; Estrutura e desenvolvimento de comunidades microbianas; Ecologia Microbiana; Microrganismos da rizosfera; Papel dos microrganismos nos ciclos biogeoquímicos; Fixação Biológica de Nitrogênio; Introdução ao estudo dos fungos micorrízicos; Biorremediação de solos e aqüíferos contaminados; Aplicação da microbiologia do solo na agricultura brasileira. ALEXANDER, M. Introduction to Soil Microbiology, 1977, 2ª Edição, 467 p. CARDOSO, E.J.; TSAI, S.M.; NEVES, M.C.P. Microbiologia do solo. Campinas: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 360p., MADIGAN, M. T.; MARTINKO, J. M.; PARKER, J. Brock Biology of microorganisms, 2000, 9ª Edição, 991p. MELO, I.S.; AZEVEDO, J.L., Ecologia Microbiana. Jaguariúna? Embrapa? CNPMA. MOREIRA, M.F.; SIQUEIRA, J.O. Microbiologia e bioquímica do solo. Lavras: UFLA, 626p., 2002 ODUM, E. P. Ecologia Básica, 434p., 1988 PELCZAR Jr., M. J. Microbilogia: conceitos e aplicações. 2. ed. São Paulo: Makron Books, v p. ROITMAN, I., TRAVASSOS, L. R., AZEVEDO, J. L. Tratado de Microbiologia. São Paulo: Manoele, v.2, TORTORA, G.J.; FUNKE, B.R.; CASE, C.L. Microbiologia. Case, 2002, 6ª Edição, 827p. TORTORA, G.J.; FUNKE, B.R.; CASE, C.L. Microbiologia. 8ª edição. Porto Alegre: Artmed, 894p., 2006 TRABULSI, L. R. Microbiologia. 2 ed. Atheneu, p. VARGAS, M.A.T.; HUNGRIA, M. Biologia dos solos dos Cerrados. Planaltina: Embrapa/CPAC, 524p., 1997 PROCESSOS DE TRANSFERÊNCIA NO SISTEMA SOLO PLANTA ATMOSFERA Área(s) de Concentração: Engenharia Agrícola Sim Carga Horária: 60 Potencial da água no solo, na planta e na atmosfera e seus componentes, equações de movimento da água no solo sob fluxo saturado e não saturado. A solução do solo: termodinâmica de soluções, capacidade de troca iônica, fluxo de íons no solo. Movimento de gases no solo. Temperatura e fluxo de calor no solo. Dinâmica da água na planta: equações de transporte, absorção de água pelas raízes; transporte no xilema; ascensão da seiva. Fluxos de vapor d'água e de dióxido de carbono entre as plantas e a atmosfera. Fluxos de energia entre a planta e a atmosfera. Balanço hídrico da planta: fatores que afetam a absorção e a perda de água pela planta; balanço de água da planta e indicadores vegetais do déficit hídrico e métodos de medidas. ANGELOCCI, L.R. Água na Planta e Trocas Gasosas/Energéticas com a Atmosfera: Introdução ao Tratamento Biofísico, Edição do Autor, Piracicaba, 268 p KRAMER, P.J.; BOYER, J.S. Water Relations of Plants and Soils. Academic Press, San Diego, 495 p LANCE, O.L.; NOBEL, P.S.; OSMOND, C.B.; ZIEGLER, H. (eds.). Physiological Plant Ecology I - Responses to the Physical Environment. Encyclopedy of Plant Physiology. Springer Verlag, Berlin Heidelberg LIBARDI, P.L. Dinâmica da água no solo.2ª edição. Piracicaba, o autor MILBURN, J.A. Water Flow in Plants. Longmar, 225p NOBEL, P.S. Physicochemical and Environmental Plant Physiology. 2ª ed. Academic Press, Inc. San Diego, 474 p REICHARDT, K; TIMM, L.C. Solo Planta e atmosfera: conceitos, processos e aplicações. Barueri: Manole, 478p TAIZ, L.; ZEIGER, E.; PlantPhysiology. Redwoodcity: TheBenjamin/ Commingspublishing Company, 559p PROPRIEDADES FÍSICAS DE PRODUTOS AGRÍCOLAS Introdução. Características físicas de produtos agrícolas. Propriedades térmicas. Propriedades aerodinâmicas. Propriedades Elétricas. Propriedades ópticas. Propriedades do ar úmido. Higroscopia. Princípio de secagem. Noções básicas de reologia. Básica: Mohsenin, N. N. Physical properties of plant and animal materials. Gordson and Breach Science Publishers. New York p. Joarez de Sousa e Silva. Secagem e Armazenagem de Produtos agrícolas. Viçosa: Aprenda Fácil; p. Complementar: Stikei, G. Mechanics of agricultural materials. Amsterdam. Elsevies, p. Revistas Brasileiras de Engenharia Agrícola. UFV - Viçosa -MG. 8

9 Nível (is): Revistas Brasileira de Armazenamento - Centreinar - Viçosa - MG. QUÍMICA DO SOLO E ÁGUA Composição do solo e interações entre as fases sólida, líquida e gasosa. Estrutura e propriedades dos minerais, matéria orgânica, gases e solução dos solos. Troca de cátions e ânions e suas reações de equilíbrio no sistema solo/solução. Processos de acidificação, sodificação e salinização em conseqüência da interação solo/solução. Contaminação de solos e corpos hídricos por fertilizantes, resíduos orgânicos, sais e metais. AYERS, R. S.; WESTCOT, D. W. Water Quality for Agriculture. Food and Agriculture Organization of the United Nations p. DIXON, J.B.; WEED, S.B. ed. Minerals in soil environments. Soil Science Society of America, p. FAITHFULL, N. T. Methods in Agricultural Chemical Analysis: A Practical Handbook. CABI Publishing, p. FASSBENDER, H.W.; BORNEMISZA, E. Química de suelos. San Jose, IICA, FOTH, H. D. Fundamentals of Soil Science. John Wiley and Sons, p. HAYGARTH, P. M.; JARVIS, S. C. Agriculture, hydrology, and water quality. CABI, p. JACKSON, M. L.; BARAK, P. Soil Chemical Analysis: Advanced Course. Madison Libraries Parallel Press, p. NOVAIS, R. F. de; ALVAREZ V., V. H.; BARROS, N. F. de; FONTES, R. L. F.; CANTARUTTI, R. B.; NEVES, J. C. L. Fertilidade do Solo. Viçosa, Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, p. RESENDE, M.; CURI, N.; KER, J. C.; REZENDE, S. B. de. Mineralogia de Solos Brasileiros: Interpretações e Aplicações. Editora UFLA, p. SCHJONNING, P.; ELMHOLT, S.; CHRISTENSEN, B. T. Managing Soil Quality: Challenges in Modern Agriculture. CABI Publishing, p. SHIFERAW, B.; FREEMAN, H. A.; SWINTON, S. M. Natural Resource Management in Agriculture: Methods for Assessing Economic and Environmental Impacts. CABI International, p. SPARKS, D.L. Environmental soil chemistry. Academic Press, p. TAN, K.H. Environmental soil science. Marcell Dekker, p. Tópicos em Ciência do Solo, v. I, II, III e IV, Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Conceituação e caracterização de área degradada. Fontes e efeitos da degradação de ambientes. Importância da geomorfologia e pedologia no diagnóstico de áreas degradadas. Legislação aplicada. Objetivos da recuperação de áreas degradadas. Atividade minerária e seus impactos ambientais. O papel de espécies arbóreas na recuperação de áreas degradadas (RAD). Principais estratégias de RAD. Utilização da bioengenharia. Metodologias de Avaliação e monitoramento de processos de RAD. ALMEIDA, D.S. Recuperação ambiental da Mata Atlântica. Editus Editora UESC p. BUGIN, A, REIS, J.L.B.C. Manual de Recuperação de Áreas Degradadas pela Mineração: técnicas de revegetação. Brasília,IBAMA p. Correa, R.S., Melo Filho, B. Ecologia e recuperação de áreas degradadas no cerrado. Paralelo 15 editores p. Recuperação de Áreas Degradadas-SOBRADE e Universidade Federal de Viçosa. Editora Folha de Viçosa, Viçosa p. DIAS, L.E E MELLO, J.W.V. (Editores) Recuperação de Áreas Degradadas. Editora Folha de Viçosa Ltda p. FRANCO, A.A.; DIAS, L.E.; FARIA, S.M. DE; CAMPELLO, E.F.C. & SILVA, E.M. da Uso de leguminosas florestais noduladas e micorrizadas como agentes de recuperação e manutenção da vida do solo: um modelo tecnológico. In: OECOLOGIA BRASILIENSIS Vol I: Estrutura, Funcionamento e Manejo de Ecossitemas Brasileiros. ESTEVES, F.A. (Ed.). Universidade Federal do Rio de Janeiro. 1995, p FRANCO, A.A.; CAMPELLO, E.F.C.; DIAS, L.E. & FARIA, S.M. Revegetation of acidic residues from bauxite mining using modulated and mycorrhizal legume trees. Nitrogem Fixing Trees research reports (special issue): KOPEZINSKI, I. Mineração X Meio Ambiente. Considerações legais, principais impactos ambientais e seus processos modificadores. Editora da UFRGS p. KOENIG, J. Q. Health effects of ambient air pollution : how safe is the air we breathe? Kluwer Academic: Boston P. LAL, R. Methods for Assessment of Soil Degradation. CRC Press, p. MELLO, J.W.V; DIAS, L.E.; CORREA, M.L.T. Drenagem ácida:avaliação do potencial de ocorrência, mitigação e revegetação de substratos sulfetados. In: Tópicos em Cinência do Solo, vol III. Curi, N., Marques, J.J., Guilherme, L.R.G., Lima, J.M., Lopes, A.S., Alvarez. MIRSAL,I.A. Soil pollution : origin, monitoring & remediation. Springer: Berlin, 2004, 252p. V., V.H. (Eds.). SBCS. p RODRIGUES, R.R., LEITÃO FILHO, H. (Eds.) Matas Ciliares. conservação e recuperação. EDUSP, FAPESP p. 9

10 Nível (is): SELEÇÃO DE SISTEMAS MECANIZADOS NA AGRICULTURA Aspectos relacionados a ensaio de máquinas agrícolas (ênfase em tratores); Noções de instrumentação e sistemas de aquisição de dados em máquinas agrícolas; Sistemas mecanizados; desempenho dos sistemas mecanizados; estimativas da capacidade de trabalho; fatores que influenciam a capacidade de trabalho; Desempenho da maquinaria agrícola: avaliação e análise de desempenho de tratores. MIALHE, L. G. Máquinas agrícolas: ensaios & certificação. Piracicaba, SP: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz, 1996, 722p. SALVADOR, N. Consumo de energia na operação de subsolagem realizada antes e depois de sistemas de preparo periódico do solo. Botucatu, p. Tese (Doutorado) Faculdade Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista. ASAE, Standards? Standards Engineering Pratices Data. ASAE, St Joseph, MI, USA, 2000, 864 p. BALASTREIRE, L.A. Máquinas Agrícolas. Editora Manole Ltda. São Paulo, Brasil p. MIALHE, L.G. Manual de Mecanização Agrícola. Editora Agronômica Ceres Ltda. São Paulo, p. BONILHA, J.A. Qualidade Total na Agricultura. Centro de Estudos da Qualidade Total na Agricultura. Belo Horizonte, MG p. PERIÓDICOS -Transaction of the ASAE -Soil & Tillage Reserch -Energia na Agricultura -Engenharia na Agricultura -Revista Brasileira de Engenharia Agrícola -Revista Engenharia Agrícola e Ambiental SEMINÁRIO I Área(s) de Concentração: Engenharia Agrícola Sim Carga Horária: 30 Créditos: 2.0 Apresentação de seminários relacionados às linhas de pesquisa do programa, pelos alunos matriculados. Eventualmente, alguns seminários poderão ser apresentadas por professores ou pesquisadores convidados. Artigos científicos publicados em revistas especializadas. SEMINÁRIO II Área(s) de Concentração: Engenharia Agrícola Sim Carga Horária: 30 Créditos: 2.0 Apresentação do projeto de pesquisa relacionados a dissertação, pelos alunos regularmente matriculados. Artigos científicos publicados em revistas especializadas. 10

11 Nível (is): TÓPICOS ESPECIAIS Não Carga Horária: 45 Créditos: 3.0 Disciplina a ser ministrada por professores da própria instituição, ou a convite, de forma concentrada ou não. Conteúdo variável, abrangendo temas importantes para a formação do estudante, não abordados nas disciplinas regulares oferecidas no programa de pós-graduação. A bibliografia será sugerida de acordo com assunto a ser abordado na disciplina tópico especial 11

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO/ PRODUÇÃO VEGETAL CURSO DE : MESTRADO E DOUTORADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO/ PRODUÇÃO VEGETAL CURSO DE : MESTRADO E DOUTORADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO/ PRODUÇÃO VEGETAL CURSO DE : MESTRADO E DOUTORADO DADOS SOBRE A DISCIPLINA 1. Disciplina: NUTRIÇÃO DE PLANTAS 2. Responsável(eis): Renato de Mello Prado 3.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME NATUREZA PMS0014 FERTIRRIGAÇÃO [ ] Obrigatória [ X ] Optativa PROFESSOR Leilson Costa Grangeiro/José Francismar de Medeiros CARGA

Leia mais

FREDERICO FAÚLA DE SOUSA OFERECIDA PARA O (S)CURSO (S) DE: Ementa (Síntese do Conteúdo)

FREDERICO FAÚLA DE SOUSA OFERECIDA PARA O (S)CURSO (S) DE: Ementa (Síntese do Conteúdo) UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRO-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO CONTEÚDO DE DISCIPLINA CARGA HORÁRIA CÓDIGO DENOMINAÇÃO CR. TEÓR. PRÁT. TOT. ENG 200 ARMAZENAMENTO DE

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "CAMPUS" DE RIO CLARO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE RIO CLARO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS PROGRAMA DE DISCIPLINA Programa de Pós-Graduação em Geociências e Meio Ambiente Curso: Mestrado e Doutorado Disciplina: ESTUDO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS POR ATIVIDADES DE MINERAÇÃO Código: GAA 00185

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS

PLANO DE ENSINO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Federal do Acre Curso: Mestrado em Agronomia Área de Concentração: Produção Vegetal Disciplina: Biologia do Solo Código: CAM 030 Natureza: Optativa Semestre/Ano:

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO NA CULTURA DE ACEROLA ORGÂNICA NOS TABULEIROS LITORÂNEOS DO ESTADO DO PIAUÍ

MANEJO DE IRRIGAÇÃO NA CULTURA DE ACEROLA ORGÂNICA NOS TABULEIROS LITORÂNEOS DO ESTADO DO PIAUÍ MANEJO DE IRRIGAÇÃO NA CULTURA DE ACEROLA ORGÂNICA NOS TABULEIROS LITORÂNEOS DO ESTADO DO PIAUÍ Autor: Manoel de Jesus Nunes da Costa Junior 1 Orientador: Luis Gonzaga Medeiros de Figueredo Júnior 2 Universidade

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO)

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) Ingressantes a partir de 2015 1º SEMESTRE HORAS 2º SEMESTRE HORAS Introdução à Engenharia Agronômica 60 Metodologia Científica 60 Álgebra Linear 60 Desenho

Leia mais

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo)

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) Os métodos de estimativa da evapotranspiração estão divididos em métodos diretos, por meio do balanço de água no solo e pelos métodos indiretos, por meio do uso de dados meteorológicos. Os métodos diretos

Leia mais

SISAERA: SOFTWARE PARA CONTROLE DE AERAÇÃO EM GRÃOS ARMAZENADOS

SISAERA: SOFTWARE PARA CONTROLE DE AERAÇÃO EM GRÃOS ARMAZENADOS SISAERA: SOFTWARE PARA CONTROLE DE AERAÇÃO EM GRÃOS ARMAZENADOS Rosângela G. Leite 1,4, Ivano A. Devilla 2,4, Ricardo C. Resende 3,4 1 Bolsista PIBIC/CNPQ 2 Pesquisador - Orientador 3 Pesquisador- voluntário

Leia mais

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal)

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Curso: Engenharia Agrícola e Ambiental Matriz Curricular 1 Período IB 157 Introdução à Biologia 4 (2-2) IT 103 Técnicas Computacionais em Engenharia 4 (2-2)

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1066

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1066 Página 1066 CONSUMO HÍDRICO DE PLANTAS DE MAMONA EM DIFERENTES NÍVEIS DE UMIDADE NO SOLO E SUA RELAÇÃO COM A RADIAÇÃO SOLAR Marília Alves Brito Pinto 1 ; Gabriel Franke Brixner 2, Carlos Reisser Júnior

Leia mais

PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE

PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE 1 Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano - IF Sertão PE - Campus Ouricuri.-

Leia mais

PORCENTAGEM DE ÁREA MOLHADA EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO, UTILIZADOS NA CAFEICULTURA IRRIGADA 1

PORCENTAGEM DE ÁREA MOLHADA EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO, UTILIZADOS NA CAFEICULTURA IRRIGADA 1 Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil PORCENTAGEM DE ÁREA MOLHADA EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO, UTILIZADOS NA CAFEICULTURA IRRIGADA 1 Luís Otávio C. de SOUZA 2 ; Everardo C. MANTOVANI 3

Leia mais

EDITAL Nº 23/2013 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA CPGEA 2014.1 (MESTRADO ACADÊMICO)

EDITAL Nº 23/2013 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA CPGEA 2014.1 (MESTRADO ACADÊMICO) UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO - PRPPGI Av. José de Sá Maniçoba, s/n, Centro, CEP: 56.304-917 Petrolina - PE Fone 087 2101-6795

Leia mais

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Alexsandro O. da Silva, Paulo R. Isler, Joselina S. Correia

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 27 de setembro a de outubro de 2 COMPARAÇÃO DOS MÉTODOS DOS MOMENTOS E DA MÁXIMA VEROSSSIMILHANÇA PARA ESTIMATIVA DOS PARÂMETROS DA DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE WEIBULL LIDIANE APARECIDA BORGES, CARLOS

Leia mais

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br 70 Currículos dos Cursos do CCA UFV Engenheiro Agrícola e Ambiental ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrícola e Ambiental

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Geografia Disciplina: Climatologia Carga Horária: 60h/a (teórica e prática) Semestre: 2013.2 Professor: Lucas Costa de Souza Cavalcanti Obrigatória: (X)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO: FITOTECNIA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO NOME ( T - P ) FTT 1016 CULTIVOS PROTEGIDOS (2-2) OBJETIVOS - ao término da disciplina

Leia mais

1º O Programa de que trata o caput deste artigo oferecerá uma área de concentração denominada Horticultura, com três linhas de pesquisas:

1º O Programa de que trata o caput deste artigo oferecerá uma área de concentração denominada Horticultura, com três linhas de pesquisas: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 24/2010 Aprova o Regulamento e a Estrutura Acadêmica do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES Cristiano Nunes Nesi 1, Antônio Lourenço Guidoni 2 Cleber Bringhenti 1 INTRODUÇÃO Uma questão importante a ser definida

Leia mais

EDITAL Nº 13/2015 FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE BRAGANÇA PAULISTA

EDITAL Nº 13/2015 FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE BRAGANÇA PAULISTA EDITAL Nº 13/25 FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE BRAGANÇA PAULISTA O Diretor Presidente da Fundação Municipal de Ensino Superior de Bragança Paulista, Adilson Octaviano, torna público o edital

Leia mais

Qualidade de grãos de trigo submetidos a diferentes condições de armazenamento 1

Qualidade de grãos de trigo submetidos a diferentes condições de armazenamento 1 Qualidade de grãos de trigo submetidos a diferentes condições de armazenamento 1 Edar Ferrari Filho 2, Luidi Eric Guimarães Antunes 2, Roberto Gotardi 2, Rafael Gomes Dionello 3, Paulo Andre Rocha Petry

Leia mais

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES DENIS AUGUSTO DE SOUSA 1,4, ROBERLI RIBEIRO GUIMARÃES 2,4, ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,4 RESUMO: À exceção de alguns trabalhos

Leia mais

Uso Eficiente da Água de Irrigação e da Energia Elétrica em Cultura de Milho sob Pivô Central num Plantio Comercial em Várzea da Palma, MG 1

Uso Eficiente da Água de Irrigação e da Energia Elétrica em Cultura de Milho sob Pivô Central num Plantio Comercial em Várzea da Palma, MG 1 Uso Eficiente da Água de Irrigação e da Energia Elétrica em Cultura de Milho sob Pivô Central num Plantio Comercial em Várzea da Palma, MG 1 Paulo E. P. de Albuquerque 2, Antônio C. Coutinho 3, Pedro P.

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Rostirolla, P. 1 ; Miola, E. C. C. 2 ; Suzuki, L. E. A. S. 1 ; Bitencourt Junior, D. 3 ; Matieski, T. 1 ; Moreira, R. M.

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

Termos para indexação: nitrato, bioma Cerrado, cromatografia líquida, química da água.

Termos para indexação: nitrato, bioma Cerrado, cromatografia líquida, química da água. MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA DE NASCENTES NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PRETO, SUB BACIA DO MÉDIO RIO SÃO FRANCISCO. Ana Lídia Alves Rocha 1, Lucilia Maria Parron 2, Carlos José Domingos da Cruz 3,

Leia mais

LISTA DE TEMAS PARA CONCURSO DE PROFESSOR ADJUNTO EDITAL 90/2010 ÁREA DE ANATOMIA VEGETAL GERAL, COM ÊNFASE EM ANATOMIA ECOLÓGICA * * * * * *

LISTA DE TEMAS PARA CONCURSO DE PROFESSOR ADJUNTO EDITAL 90/2010 ÁREA DE ANATOMIA VEGETAL GERAL, COM ÊNFASE EM ANATOMIA ECOLÓGICA * * * * * * ÁREA DE ANATOMIA VEGETAL GERAL, COM ÊNFASE EM ANATOMIA ECOLÓGICA 1. Sistema de formação. 2. Sistema de revestimento (de proteção). 3. Tecidos fundamentais (parênquima, colênquima e esclerênquima). 4. Sistema

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Código da Disciplina: ZOO 05453 Disciplina: Bovinocultura de Leite PROGRAMA DA DISCIPLINA CAMPUS: Alegre CURSO:

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC

Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC PROGRAMA ENSINO PROGRAD ANO: 2013.2 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E AMBIENTAIS Curso de Medicina Veterinária PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas Manejo de solos tropicais no mundo De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia Pesquisa e Extensão da Kansas Clima Solos Manejo Luz solar CO 2 Rendimento Propriedades Químicas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO EM AMBIENTE PROTEGIDO

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO EM AMBIENTE PROTEGIDO AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO EM AMBIENTE PROTEGIDO H. F. de Araújo 1 ; D. L. Ferrari 2 ; P. A. M. Leal 3 RESUMO: Em condições de ambiente protegido a avaliação dos sistemas de irrigação

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MANEJO ECOLÓGICO DE SOLOS

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MANEJO ECOLÓGICO DE SOLOS CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MANEJO ECOLÓGICO DE SOLOS Paulo Sérgio Rabello de Oliveira Docente no Centro de Ciências Agrárias Marechal Cândido Rondon/PR Tópicos Capacidade de uso das terras Conceitos básicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde BLOCO I ANFITEATRO A 78 carteiras c/ PG - EA Manutenção e Lubrificação de Máquinas Agrícolas PG -EA Ensaio de Máquinas Agrícolas Radiação Solar- SALA 2 SALA 3 SALA 4 50 carteiras c/ SALA 7 SALA 8 SALA

Leia mais

CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL.

CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL. CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL. PAIXÃO, M.F. Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR, mferpaixao@hotmail.com;

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: capacidade de campo; densidade crítica; ponto de murcha permanente; porosidade de aeração; qualidade física do solo.

PALAVRAS-CHAVE: capacidade de campo; densidade crítica; ponto de murcha permanente; porosidade de aeração; qualidade física do solo. EFEITO DE DIFERENTES VALORES CRÍTICOS DE RESISTÊNCIA DO SOLO À PENETRAÇÃO SOBRE A DENSIDADE CRÍTICA DO INTERVALO HÍDRICO ÓTIMO EM SISTEMA PLANTIO DIRETO Edner Betioli Junior 1 ; Wagner Henrique Moreira

Leia mais

A Matriz curricular do curso de Engenharia Agronômica das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul fica estabelecida da seguinte forma:

A Matriz curricular do curso de Engenharia Agronômica das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul fica estabelecida da seguinte forma: 5.2 Objetivo do Curso Capacitar o aluno para que se torne um profissional com habilidades para produzir mais e melhor, com competência para gerenciar e gerar tecnologias que reduzam os impactos negativos

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Gerência e Monitoramento Ambiental

Leia mais

O SOLO NO MEIO AMBIENTE

O SOLO NO MEIO AMBIENTE Mini Curso O Solo e o Meio Ambiente Prof. Dr. Marcelo Ricardo de Lima IX EPEA 1 O SOLO NO MEIO AMBIENTE Marcelo Ricardo de Lima Professor Doutor do Departamento de Solos e Engenharia Agrícola, Universidade

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Aplicação de Adubo em Milho Verde Orgânico Irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731 Página 731 POTENCIAL AGRÍCOLA DA UTILIZAÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO DE LIXO URBANO NA CULTURA DO GIRASSOL1 João Paulo Gonsiorkiewicz Rigon 1 ;Moacir Tuzzin de Moraes 1 ; Fernando Arnuti 1 ; Maurício Roberto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA - ITEC FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA - FEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA - ITEC FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA - FEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA 1 IDENTIFICAÇÃO Nome e código: Materiais de Construção Mecânica TE04031 Nome do professor: Prof. Dr. Jorge Teófilo de Barros Lopes Caráter: Obrigatória Bloco: III Período: 2º Ano letivo: 2014 Carga horária

Leia mais

TEORES FOLIARES DE N, P E K EM MELANCIA FERTIRRIGADA COM DOSES DE NITROGÊNIO E FÓSFORO

TEORES FOLIARES DE N, P E K EM MELANCIA FERTIRRIGADA COM DOSES DE NITROGÊNIO E FÓSFORO TEORES FOLIARES DE N, P E K EM MELANCIA FERTIRRIGADA COM DOSES DE NITROGÊNIO E FÓSFORO M. S. Souza 1 ; J. F. de Medeiros 2 ; S. W. P. Chaves 2 ; M. V. T. Silva 3 ; O. M. P. Silva 4 ; A. P. F. Santos 4

Leia mais

Comunicado 35 Técnico

Comunicado 35 Técnico Comunicado 35 Técnico ISSN 1516-8638 Jaguariúna, SP Maio, 2006 Estação Meteorológica Automática da Embrapa Meio Ambiente Anderson Soares Pereira 1 A Embrapa Meio Ambiente, localizada no município de Jaguariúna,

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA AMBIENTAL MATRIZ 202

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA AMBIENTAL MATRIZ 202 Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA AMBIENTAL MATRIZ 2 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DISCIPLINA/UNIDADE CURRICULAR Resolução 075/09

Leia mais

Tabela de Cursos de Mestrado e Doutorado no Brasil

Tabela de Cursos de Mestrado e Doutorado no Brasil Tabela de Cursos de Mestrado e Doutorado no Brasil Universidade 1 Universidade Federal de UFRR Norte Agronomia http://www.posagro.ufrr.br/ 0 Roraima Desenvolvimento Regional da Amazônia http://www.necar.ufrr.br/index.php?

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA - ITEC FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA - FEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA - ITEC FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA - FEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA 1 IDENTIFICAÇÃO Nome e código: Materiais de Construção Mecânica TE04031 Nome do professor: Prof. Dr. Jorge Teófilo de Barros Lopes Período: 2º Ano letivo: 2013 Carga horária total: 68 horas Carga horária

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional Missão do Curso A função primordial do Engenheiro Agrônomo consiste em promover a integração do homem com a terra através da planta e do animal, com empreendimentos de interesse social e humano, no trato

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ESTOQUE DE CARBONO EM LATOSSOLOS SUBMETIDOS A DIFERENTES SISTEMAS DE PASTAGEM NO CERRADO RESUMO Diego Antonio França de Freitas 1 ; Marx Leandro Naves Silva 2 ; Gabriela Camargos Lima 3 ; Jerusa Cristina

Leia mais

Tecnologia em Produção de Grãos

Tecnologia em Produção de Grãos Tecnologia em Produção de Grãos Nível/Grau: Superior/Tecnólogo Vagas: 30 Turno: Matutino Duração: 3 anos mais estágio (7 semestres) Perfil do Egresso O profissional estará capacitado para: Produzir grãos

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Penman-Monteith. Semiárido. Evapotranspiração. Escassez de chuva. Irrigação

PALAVRAS-CHAVE: Penman-Monteith. Semiárido. Evapotranspiração. Escassez de chuva. Irrigação CALIBRAÇÃO DOS PARÂMETROS DA EQUAÇÃO DE HARGREAVES & SAMANI E ESTIMATIVA DA VARIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA A SER APLICADO NA CULTURA DA GOIABA PARA IGUATU, CEARÁ-BRASIL Juarez Cassiano de Lima Junior¹, Antonio

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA D. H. Nogueira 1 ; M. G. Silva 2 ; E. R. F. Ledo 2 ; E. M. Araújo 3 ; E. M. Araújo 3 RESUMO: O presente trabalho teve como objetivo

Leia mais

DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO NA MICROBACIA DO CÓRREGO TRÊS BARRAS EM MARINÓPOLIS - SP 1

DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO NA MICROBACIA DO CÓRREGO TRÊS BARRAS EM MARINÓPOLIS - SP 1 ARTIGO TÉCNICO III WINOTEC - Workshop Internacional de Inovações Tecnológicas na Irrigação, 08 a 11 de DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO NA MICROBACIA DO CÓRREGO TRÊS BARRAS EM MARINÓPOLIS - SP 1 S.

Leia mais

REDE AGROMETEREOLÓGICA DO NOROESTE PAULISTA

REDE AGROMETEREOLÓGICA DO NOROESTE PAULISTA REDE AGROMETEREOLÓGICA DO NOROESTE PAULISTA J. C. Q. Mariano 1 ; F. B. T. Hernandez 2 ; A. H. C. Teixeira 3 RESUMO: Este trabalho descreve a montagem da Rede Agromeorológica do Noroeste Paulista e os cuidados

Leia mais

Prof. Dr. David L. Lindbo

Prof. Dr. David L. Lindbo Prof. Dr. David L. Lindbo (Department of Soil Science North Carolina State University-USA): Especialista na relação solo-meio ambiente, com programa de pesquisa e extensão voltados para uso do solo não

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

XXV CONIRD Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem 08 a 13 de novembro de 2015, UFS - São Cristóvão/SE

XXV CONIRD Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem 08 a 13 de novembro de 2015, UFS - São Cristóvão/SE COMPARAÇÃO DE MÉTODOS PARA CONVERSÃO DA EVAPORAÇÃO DO TANQUE CLASSE A EM EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO LITORAL DE PERNAMBUCO A. L. de Oliveira 1, A. H. C. do Nascimento 2, S. M. G. L. Montenegro 3,

Leia mais

SOFTWARES PARA ESTIMATIVA DOS COEFICIENTES DE CULTURA SINGLE E DUAL

SOFTWARES PARA ESTIMATIVA DOS COEFICIENTES DE CULTURA SINGLE E DUAL SOFTWARES PARA ESTIMATIVA DOS COEFICIENTES DE CULTURA SINGLE E DUAL Andre Herman Freire Bezerra 1 ; Sérgio Luiz Aguilar Levien 2 1 Engenheiro Agrônomo, Bolsista CAPES, Programa de Pós-Graduação em Irrigação

Leia mais

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Danilo Pavan 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Ivan José Rambo 1 ; Leandro Hahn 2 ; Neuri Antonio Feldmann 3 ; Fabiana Raquel Mühl 4 ; Anderson

Leia mais

Comunicado Técnico. Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu. Introdução

Comunicado Técnico. Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu. Introdução Comunicado Técnico Novembro, 76 ISSN 1981-206X São Carlos, SP 2007 Foto capa: Patricia Perondi A. de Oliveira Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu Patricia

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do cafeeiro.

Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do cafeeiro. Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do Taylor Lima de SOUZA 1 ; Diogo Santos CAMPOS 2 ; Adriano André LUIZ 3, Gustavo

Leia mais

RESPONSE FUNCTION OF MELON TO APPLICATION OF WATER DEPTHS FOR SOIL AND CLIMATIC CONDITIONS OF TERESINA-PI

RESPONSE FUNCTION OF MELON TO APPLICATION OF WATER DEPTHS FOR SOIL AND CLIMATIC CONDITIONS OF TERESINA-PI FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE LÂMINAS DE ÁGUA PARA AS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DE TERESINA-PI E. R. GOMES 1 ; A. F. ROCHA JÚNIOR 2 ; C. A. SOARES 3 ; F. E. P. MOUSINHO 4 ; A. A. C. SALVIANO

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL. Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA "Luiz de Queiroz" ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp.

ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL. Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA Luiz de Queiroz ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp. ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA "Luiz de Queiroz" ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp.br) 1 SUMÁRIO 1. Conceituando restauração 2. Recuperar. Por

Leia mais

Avaliação da eficiência agronômica de Azospirillum brasilense na cultura do trigo

Avaliação da eficiência agronômica de Azospirillum brasilense na cultura do trigo Avaliação da eficiência agronômica de Azospirillum brasilense na cultura do trigo Marcelo Cruz Mendes 1, Jerônimo Gadens do Rosário 2 Jean Carlos Zocche 3, Anna Laura Balzan Walter 3 e Kathia Szeuczuk

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS NO SISTEMA BRASILEIRO E QUANTO A CAPACIDADE DE USO

Leia mais

USO DA TDR NO MONITORAMENTO DA UNIFORMIDADE DE APLICAÇÃO DE ÁGUA POR ASPERSÃO CONVENCIONAL

USO DA TDR NO MONITORAMENTO DA UNIFORMIDADE DE APLICAÇÃO DE ÁGUA POR ASPERSÃO CONVENCIONAL USO DA TDR NO MONITORAMENTO DA UNIFORMIDADE DE APLICAÇÃO DE ÁGUA POR ASPERSÃO CONVENCIONAL D. R. C. Feitosa 1 ; E. A. A. Barbosa 2 ; F. P. de Deus 3 ; M. D. Ribeiro 4 ; N. F. Tuta 4 ; E. E. Matsura 5 RESUMO:

Leia mais

Arcenio Sattler 1, Antonio Faganello 1, José Antonio Portella 1

Arcenio Sattler 1, Antonio Faganello 1, José Antonio Portella 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 159 ISSN 1517-4964 Dezembro, 2005 Passo Fundo, RS Semeadoras para plantio direto de parcelas experimentais Arcenio Sattler 1, Antonio Faganello 1, José

Leia mais

Larissa Milaré Larissa Terumi Mariana Santos Vivian Tazima

Larissa Milaré Larissa Terumi Mariana Santos Vivian Tazima Larissa Milaré Larissa Terumi Mariana Santos Vivian Tazima Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Por poluição entende-se a introdução pelo homem, direta ou indiretamente, de substâncias ou energia

Leia mais

O USO DE ESTILOSANTES CAMPO GRANDE EM CONSÓRCIO COM BRAQUIARINHA (Brachiaria decumbens)

O USO DE ESTILOSANTES CAMPO GRANDE EM CONSÓRCIO COM BRAQUIARINHA (Brachiaria decumbens) O USO DE ESTILOSANTES CAMPO GRANDE EM CONSÓRCIO COM BRAQUIARINHA (Brachiaria decumbens) GARCIA, Fernando Manfrin¹ BARBOSA, Rogério Zanarde¹ GIATTI JR., Nilson Oliveira¹ 1 Acadêmicos do curso de Engenharia

Leia mais

Resistência a Penetração e Densidade do Solo como Indicativos de Compactação do Solo em Área de Cultivo da Cana-de-Açúcar

Resistência a Penetração e Densidade do Solo como Indicativos de Compactação do Solo em Área de Cultivo da Cana-de-Açúcar Resistência a Penetração e Densidade do Solo como Indicativos de Compactação do Solo em Área de Cultivo da Cana-de-Açúcar RENATO PAIVA DE LIMA (1), MAURÍCIO JAVIER DE LEON (2), BRUNO ANTÔNIO BERNARDO DA

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888 Página 888 EFEITOS DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIAS DE CAMPINA GRANDE NA PRODUÇÃO DE FITOMASSA DA MAMONEIRA, CULTIVAR BRS NORDESTINA Josilda de F. Xavier 1 *. Carlos A. V. Azevedo 1*, Napoleão E. M.

Leia mais

Elisa dos Santos Schütz 1 ; Sandra Regina Pires de Moraes 2 RESUMO

Elisa dos Santos Schütz 1 ; Sandra Regina Pires de Moraes 2 RESUMO DETERMINAÇÃO DOS COEFICIENTES ESTATÍSTICOS DAS EQUAÇÕES DE REGRESSÃO PARA ESTIMATIVA DOS VALORES NORMAIS MÉDIOS, MENSAIS E ANUAL, DAS TEMPERATURAS MÁXIMAS, MÍNIMAS E MÉDIAS, NOS ESTADOS DE GOIÁS, MATO

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO CONTEÚDO DE DISCIPLINA CARGA HORÁRIA CÓDIGO DENOMINAÇÃO CR. TEÓR. PRÁT. TOT. ENG-157 MÁQUINAS E MECANIZAÇÃO

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

Helem Fernandes Naves Peixoto 1,3 Severino de Paiva Sobrinho 2,3 Mariane de Carvalho Vidal 2,4. Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG

Helem Fernandes Naves Peixoto 1,3 Severino de Paiva Sobrinho 2,3 Mariane de Carvalho Vidal 2,4. Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG 1 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ALELOPÁTICO DO ADUBO VERDE (CROTALARIA SPECTABILIS) SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TOMATE (LYCOPERSICON ESCULENTUM MILL) E POSTERIOR DESENVOLVIMENTO EM CAMPO Helem Fernandes Naves

Leia mais

EFEITO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS NA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DO SUBMÉDIO DO VALE SÃO FRANCISCO

EFEITO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS NA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DO SUBMÉDIO DO VALE SÃO FRANCISCO EFEITO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS NA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DO SUBMÉDIO DO VALE SÃO FRANCISCO Thieres G. F. da SILVA 1,4, José Edson F. de MORAIS 1, Wellington J. da S. DINIZ 1, Jannaylton E.

Leia mais

A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14

A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14 A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14 Eng. Agr. Sérgio Iraçu Gindri Lopes Gerente da Divisão de Pesquisa Estação Experimental

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO Resumo Jefferson B. Venâncio 1, Josiléia Acordi Zanatta 2, Júlio Cesar Salton 2 Os sistemas de manejo de solo podem influenciar

Leia mais

I.L.P.F. - Integração Lavoura, Pecuária & Floresta. André Luiz C. Rocha Engenheiro Florestal:

I.L.P.F. - Integração Lavoura, Pecuária & Floresta. André Luiz C. Rocha Engenheiro Florestal: Tema: I.L.P.F. - Integração Lavoura, Pecuária & Floresta SAF Sistema Agroflorestal PALESTRANTE André Luiz C. Rocha Engenheiro Florestal: Formado pela Universidade Federal de Viçosa no ano de 1985 Especialização

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA EMENTA I - TÓPICOS DE ESTUDOS EM ECOLOGIA Introdução Noções Gerais de Ecologia Noções Gerais dos Ciclos Biogeoquímicos Ecossistemas Urbanização Planejamento ambiental II - TÓPICOS DE ESTUDOS EM RECURSOS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 M. G. Silva 2 ; F. D. D. Arraes 3 ; E. R. F. Ledo 4 ; D. H. Nogueira 5 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo

Leia mais

0960-3115 Biodiversity and Conservation A1 CIÊNCIAS AGRÁRIAS I Em Atualização

0960-3115 Biodiversity and Conservation A1 CIÊNCIAS AGRÁRIAS I Em Atualização Consulta por Classificação / Área Avaliação ISSN 0001-706X Acta Tropica A1 CIÊNCIAS AGRÁRIAS I Em Atualização 0065-2113 Advances in Agronomy A1 CIÊNCIAS AGRÁRIAS I Em Atualização 0065-2296 Advances in

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA - UNOESTE

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA - UNOESTE UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA - UNOESTE IDENTIFICAÇÃO: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA NÍVEL: Mestrado / Doutorado TIPO: Acadêmico CONCEITO CAPES Mestrado: 4 (Triênios: 2004-2006 e 2007-2009) Doutorado:

Leia mais